2 2 Calçados Esportivos [Artigos Esportivos ]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 2 Calçados Esportivos [Artigos Esportivos ]"

Transcrição

1 2 2 Calçados Esportivos [Artigos Esportivos ] 1. Definição da categoria A categoria de calçados esportivos inclui não somente aqueles utilizados em competições atléticas, mas também aqueles para uso informal. Para efeito de estatísticas, os calçados são classificados de acordo com o material utilizado na parte superior, mas, devido à dificuldade de definir exatamente o que constitui um calçado esportivo, neste relatório, calçados esportivos serão definidos conforme segue: Números de HS Commodity , , , , , , , Calçados Esportivos , ,19-220, Calçados de Lona Notas:(1) Calçados Atléticos significa principalmente aqueles produzidos por fabricantes de produtos esportivos e aqueles usados para praticar esportes ou equivalentes. Suas solas são feitas de borracha, plástico, pele ou pele sintética e o interior é feito de pele. (2) Calçados de lona são principalmente aqueles produzidos por fabricantes de sapatos, sapatos do tipo esportivo informal ou equivalentes. Suas solas são feitas de borracha, plástico, pele ou pele sintética e o interior é feito de fibra tecida. Inclui calcados esportivos, cujo interior é fabricado de fibra de tecido. (3) Deste ponto em diante, Calçados esportivos, referem-se a ambos os Calçados Atléticos e Calcados de Lona. 2. Tendências de Importação (1) Tendências recentes na Importação de Calçados Esportivos As importações de calçados atléticos aumentaram para milhões em volume em 1999 (6.6% acima do ano anterior) e as importações de calçados de lona caíram 8,6% ( milhões) em volume em relação ao ano anterior. Observando as tendências das importações a médio prazo, nota-se que as importações de calçados atléticos manteve-se entre 15 e 20 milhões, nos anos anteriores. As importações de calçados de lona manteve-se estável nos últimos anos, com milhões. Importação de Calçados Esportivos no Japão (1000 unidades) (Milhões de ienes) Quantidade (1000 unid) Valor (Milhões de ienes) Calçados Atléticos (1000 unidades) Calçados de Lona (1000 unidades) Total.Unidade: 1000 unidades, Milhões de ienes Quantidade Valor Quantidade Valor Quantidade Valor Quantidade Valor Quantidade Valor Fonte: Exportações e Importações no Japão 8

2 (2) Importações por Local de Origem Grandes fabricantes japoneses, europeus e americanos têm transferido sua produção de calçados esportivos para países na Ásia, com o intuito de aproveitar a mão-de-obra mais barata. Conseqüentemente, a maioria das importações de calçados esportivos provém de outros países ou áreas na Ásia. Somente uma quantia muito pequena de importações de calçados esportivos provém de países desenvolvidos, principalmente os Estados Unidos. Nos últimos anos, ocorreu uma mudança na produção de calçados que transferiu o mercado destes produtos de países/áreas com encargos salariais elevados como a República da Coréia e Taiwan, para países como a China e Indonésia que pagam salários menores. Os Principais Exportadores de Calçados Esportivos para o Japão <Calçados Atléticos> PAÍS CHINA REP. CORÉIA EUA ITÁLIA INDONÉSIA OUTROS TOTAL Valor Valor Valor Valor Valor Quantidade Unidade: Milhões de ienes, 1000 unidades Fonte: Exportações e Importações no Japão INDONÉSIA 5,1% ITÁLIA 5,4% OUTROS 16,6% EUA 6,4% R. CORÉIA 7,5% Valor 1999 CHINA 59,0% <Calçados de Lona> PAÍS CHINA EUA REP. CORÉIA VIETNÃ INDONÉSIA OUTROS TOTAL Valor Valor Valor Valor Valor Quantidade Unidade: Milhões de ienes, 1000 unidades Fonte: Exportações e Importações no Japão INDONÉSIA 4,3% OUTROS 5,8% VIETNÃ 4,3% R. CORÉIA 6,8% EUA 11,8% Valor 1999 CHINA 67,0% (3) A Participação de Importações no Mercado japonês De acordo com o Leisure White Paper compilado pela Fundação do Centro de Desenvolvimento de Lazer, as importações representaram 60%-70%. A Participação de Importações no Mercado japonês Mercado Interno Importações Participação nas importações 51.9% 54.9% 62.1% 67.6% Unidade: $100 milhões 3. Processo de Importação e Distribuição Fonte: Leisure WhilePaper e Exportações e Importações no Japão (1) Regulamentos e Procedimentos no Momento da Importação Não há restrições legais ou regulamentares que incida sobre a importação de calçados esportivos. Entretanto, calçados com a parte superior feita de couro e sola externa feita inteiramente ou parcialmente de couro e que não sejam considerados para esportes ou atividades atléticas estão sujeitos 9

3 ao Sistema para Quotas Tarifárias (TQ), conforme estabelecido pelo Artigo 9 da Lei de Tarifas Aduaneiras. O importador potencial deve estar ciente de que as autoridades aduaneiras estabelecem uma determinação separada para cada caso em particular, dependendo se um calçado específico será utilizado para a prática de esportes ou atividades atléticas. (Para mais informações sobre o Sistema de Quotas Tarifárias, por favor consulte a Parte 9 das Categorias de Produtos Relacionados a seguir neste relatório.) Existem as seguintes previsões para calçados esportivos e para ginástica. Para mais detalhes, entre em contato com a Agência para Consultas Tarifárias. a) Calçados esportivos: Calçados fabricados para atividades esportivas com pinos, molas, aparadores, garras, barras e outros itens similares anexos ou anexáveis, por exemplo, calçados com pinos para a prática de esportes de campo, beisebol, golfe, futebol, sapatos para ciclistas etc. b) Sapatos para ginástica: Calçados com solas retas, por exemplo, para atletismo, tênis, basquete, vôlei ou halterofilismo etc. (2) Regulamentos e Procedimentos no Momento da Venda Calçados fabricados com a parte superior feita de couro sintético e solas externas de borracha, resinas sintéticas ou misturas de ambos, nas quais as partes superiores são anexadas às solas com adesivo ou sujeitos às exigências de rotulagem da Lei de Rotulagem de Qualidade para Produtos Domésticos. (3) Contatos de Agências Regulamentares Lei de Rotulagem de Qualidade para Produtos Domésticos: Divisão para Assuntos do Consumidor, Agência de Política Industrial, Ministério de Comércio e Indústria Internacional (TEL: ) 4. Procedimentos de Rotulagem (1) Rotulagem Obrigatória por Lei <Lei de Rotulagem de Qualidade para Produtos Domésticos> As exigências legais de rotulagem incidem somente em calçados fabricados com a parte superior de couro sintético e sola externa de borracha, resinas sintéticas ou misturas de ambos, nas quais a parte superior é anexada à sola com adesivo. Devem constar no rótulo as seguintes informações: material utilizado para a sola, tipo de material da parte inferior (em alguns casos, resistentes a óleo), cuidados com o manuseio, nome e endereço ou número de telefone do rotulador. Exemplo de Rótulo sob a Lei de Rotulagem de Qualidade para Produtos Domésticos Material da parte superior: Couro sintético Material da sola: Resinas sintéticas (resistentes a óleo) Instruções de uso: a) Utilize um pano úmido para remover sujeira da parte inferior. Produtos especiais para limpeza de couro não são necessários. b) Não deixe o calçado próximo a fontes de calor; isto pode resultar em fissuras ou deformações no material do calçado. c) Se o calçado ficar molhado, deixe-o secar em um local com sombra. XYZ Empresa, Ltd. (Endereço, Número Tel.) (2) Rotulagem Voluntária Baseada em Disposições da Lei <Rotulagem baseada na Lei de Padronização Industrial do Japão (Padrões JIS)> O Instituto de Padrões Industriais do Japão estabeleceu padrões de rotulagem opcionais para tamanhos de calçados, conforme exibido abaixo. Para mais informações, entre em contato com a Agência de Assuntos Gerais da Associação de Padrões do Japão (TEL: ). 10

4 Comprimento do Pé Largura do Pé Comprimento / Largura Comprimento - Largura Comprimento Largura Comprimento Largura 23 ½ E 23.5E 23 ½ E 23.5E 23 ½ - E E 23 ½ E 23.5 E Estas etiquetas de tamanho podem ser contornadas com um retângulo, um círculo ou um retângulo com cantos arredondados, conforme ilustrado abaixo. Para mais informações detalhadas, consulte o padrão JIS S5037 ( tamanho do calçado ). 23 ½ E 23.5 E 23 ½ - E As etiquetas de sapatos de lona devem também incluir os seguintes itens informativos em um local visível: 1) Tamanho 2) Nome ou código do fabricante 3) Data de fabricação ou abreviação 4) Resistente a óleo (somente se projetado assim) 5) Para uso interno (somente se projetado assim) 6) Material da sola (borracha, polietileno, poliuretano) Para informações mais detalhadas, consulte o padrão JIS S5002 ( tamanho do calçado ). Contatos para mais Informações: Associação de Padrões do Japão (TEL: ) (3) Normas de Rotulagem Industrial Opcional A indústria de produtos esportivos define as seguintes normas de rotulagem, baseadas nas diretrizes para comercialização justa. 1) Nome do fabricante ou marca registrada 2) Nome e código do produto 3) Material 4) Medidas de tamanho ou padrões (5) País de Origem, se importado Para mais informações, entre em contato com o Conselho de Comercialização Justa para Produtos Esportivos (TEL: ) 5. Leis e Regulamentos Tributários (1) Taxas Aduaneiras HS No. Descrição Calçados esportivos excluindo botas de esqui e snowboard 1. Com solas externas, couro ou couro composto Geral Nível da Taxa (%) WTO (Organização Mundial Preferencial do Comércio) Outros 15% 30% (30%) Calçados com solas de couro excluindo calçados para uso interno (cobrindo o calcanhar) (1) Calçados para ginástica, atletismo ou atividades similares Temporária 11

5 (2) Outros 60% ou 4, Outros (1) Calçados para ginástica, atletismo ou atividades similares, excluindo calçados para uso interno Outros calçados: cobrindo o calcanhar: calçados com solas externas de borracha ou couro composto (excluindo calçados para uso interno) -011 (1) Calçados para ginástica, atletismo ou atividades similares (2) Outros 60% ou 4, Outros: (1) Calçados para ginástica, atletismo ou atividades similares 30% (30%) (2) Outros 60% ou 4, Outros: calçados com solas externas de borracha ou couro composto (excluindo chinelos e calçados para usos internos) -011 (1) Calçados para ginástica, atletismo ou atividades similares (2) Outros: 60% ou 4,800 A para a Quota Conjunta (23%) Outros: (1) Chinelos; Calçados para ginástica, atletismo ou atividades similares (2) Outros 60% ou Calçados esportivos; tênis, tênis para basquete, tênis para educação física, tênis de treinamento e similares (com solas externas de borracha ou plásticos e partes superiores de materiais têxteis) Outros -220 (1) Calçados de lona (excluindo aqueles com parte superior produzida com pele animal) 30% (30%) 10% 8.5% 7.5% 15% 11,5 A 15% 4,25 A 3.75 A 20 Calçados com solas externas, couro ou couro composto: -310 Calçados com lona (excluindo aqueles com solas externas de couro e aqueles com partes superiores contendo pele animal) Nota: "" em Preferencial aplicável somente a países em desenvolvimento. Nota: Consulte "Programações para Tarifas Aduaneiras do Japão" (publicada pela Associação de Tarifas do Japão) etc. (2) Imposto de Consumo (CIF + Taxas Aduaneiras) x 5% 6. Características do Produto (1) Comparação com Produtos Japoneses A maioria dos importados do mercado japonês provém da Ásia e abrange desde as marcas mais populares de grandes fabricantes até mercadorias sem marca e com preços baixos. Entretanto, os produtos líderes, em termos de características e estilo, são as marcas populares americanas. Não há nenhuma diferença substancial entre os calçados esportivos fabricados no Japão e os importados, apesar de as marcas européias e americanas tenderem a ser mais caras e apresentarem um 23% 12

6 sistema de rotulagem com tamanhos diversos. As marcas japonesas oferecem a rotulagem de tamanho em centímetros. As marcas européias utilizam um sistema especial europeu de rotulagem de tamanhos. As marcas americanas na maioria utilizam as medidas inglesas para rotulagem de tamanhos. Além disso, as marcas americanas e européias oferecem larguras mais estreitas para o mesmo comprimento de sapato, refletindo a diferença do tamanho e forma do pé entre os ocidentais e os japoneses. Ultimamente, os fabricantes de calçados de lona têm introduzido modelos de calçados mais avançados tecnologicamente, com características de última geração e com estilos mais esportivos e modernos. (2) Características de Produtos de Países/Regiões Diferentes Existem poucas diferenças entre o calçado atlético, fabricados em diferentes países. A razão disso é que a maioria da produção da República da Coréia, China, Taiwan e outros lugares surge não dos fabricantes internos, mas de operações externas das grandes marcas internacionais de calçados. Se houver alguma diferença, isso seria sofisticação tecnológica dos calçados, fabricados na República da Coréia e Taiwan, comparados com aqueles fabricados na China e na Indonésia, que primariamente consistem em produtos simples baseados em tecnologia menos avançada. Recentemente, a tendência tem se direcionado para um marketing mundial unificado com mesmos modelos e estilos, com a intenção de aumentar a eficiência da produção e aprimorar o manuseio do estoque. Os calçados de lona são amplamente vendidos em supermercados e outras revendas de produtos em massa, e as linhas de produtos incluem normalmente alguns modelos importados dos países/regiões da Ásia, sendo a maioria desses modelos relativamente simples em termos de estilo e características. Os preços dos calçados de lona americanos geralmente são 2-5 vezes maiores do que os importados de outros países/regiões asiáticos. 7. Sistema de Distribuição e Práticas Comerciais do Japão (1) Condições de Mercado no Japão O mercado de calçados é caracterizado pela composição das duas marcas líderes japonesas, Asics e Mizuno, e as marcas internacionais líderes tais como Nike, Converse e Reebok. Entretanto, nenhuma dessas marcas internacionais são produzidas no Japão. Suas operações japonesas limitam-se às funções de representantes de importação, como vendas e marketing. Ultimamente, a tendência geral é uma maior utilização de calçados atléticos não somente para competições atléticas, mas também para atividades saudáveis, estéticas e até para uso informal diário. Os tipos de calçados mais conhecidos ainda são os calçados para atletismo, tênis e tênis para basquete. Na área de calçados de lona, há quatro fabricantes líderes japoneses (Tsukihoshi, Kasei, Achilles e Sekaicho) que juntos abastecem a maioria do mercado. A maioria das importações consistem em produção externa em países/áreas asiáticos de remuneração baixa, utilizadas pelos fabricantes japoneses líderes. De acordo com a Leisure White Paper, a expansão do mercado atingiu em torno de bilhões em Em termos de valor, o mercado demonstra um crescimento contínuo a cada ano, em função do aumento de preços unitários. Mas as vendas, em termos de volume, diminuíram em 1989 e registram um crescimento uniforme desde então. Uma das principais razões para essa tendência é a queda da população de crianças em idade escolar, no Japão, que compõem um dos maiores grupos de usuários desses produtos. Outro fator importante é o excesso de ênfase anterior por fabricantes líderes na produção de grande volume. Isso causou uma produção excessiva e estoques crescentes que, em seguida, causaram redução na produção. Conforme citado anteriormente, a popularização dos calçados atléticos para uso informal,e a inclusão de características mais avançadas nos calçados informais têm contribuído para diminuir a diferença entre as duas categorias. Antes havia uma diferença clara entre calçados atléticos de alto desempenho e calçados informais, agora há uma proliferação de produtos dos dois produtos que incorporam algumas das características de ambos os produtos. 13

7 (2) Canais de Distribuição 1) Calçados Atléticos Cadeias de revenda de equipamentos esportivos associados às empresas estrangeiras que vendem basicamente calçados esportivos, entraram no mercado japonês causando um desenvolvimento previsto para transformar a estrutura de distribuição, em um futuro próximo. Há quatro canais principais de distribuição para calçados esportivos fabricados externamente, com cada fabricante preferindo seus próprios canais distintos. Entretanto, todos os canais são caracterizados pela confiança em atacadistas como intermediários. Os atacadistas são bastante importantes para as marcas estrangeiras já que, diferente de seus concorrentes japoneses, eles também vendem sapatos e não possuem atacadistas especializados internos ou associados. Algumas lojas de departamentos e supermercados, ou outros vendedores de produtos em massa, dispensam os atacadistas e compram diretamente dos fabricantes de produtos esportivos. Essa prática é favorecida pelos revendedores de grande escala, que estão constantemente tentando encontrar a maior variedade possível de produtos de baixo custo. Principais Canais de Distribuição de Calçados Atléticos Produtores Estrangeiros Subs. de Fabricante Estrangeiros Fabricantes de Prod. Esportivos Importadores Fabricantes de Calçados Atacadistas de Produtos Esportivos Atacadista de Calçados Lojas de Departamentos Supermercados Rev. de Produtos Esportivos Cadeias de Lojas de Sapatos Varejistas de Sapatos Consumidores Nota: Produtos fabricados no Japão provém de fabricantes de produtos esportivos e fabricantes de calçados, no fluxograma acima e são distribuídos por meio de canais indicados pelas setas. Fonte: JETRO Seu Mercado no Japão 2) Calçados de Lona O canal de distribuição para calçados de lona não são tão complexos quanto aqueles para calçados atléticos. O padrão mais comum de distribuição dos fabricantes estrangeiros ocorre por meio de um dos grandes fabricantes japoneses de calçados de lona (Tsukihoshi, Kasei, Achilles e Sekaicho) para atacadistas. Todos os grandes fabricantes japoneses de calçados de lona se afiliaram a atacadistas que lidam com cada produto da empresa, assim como aqueles de fabricantes japoneses de menor porte e marcas estrangeiras. Os fabricantes têm uma influência considerável desde o processo de distribuição até o estágio de atacado. Principais Canais de Distribuição de Calçados de Lona 14

8 Produtores Estrangeiros Importadores Fabricantes Internos Atacadistas Supermercados Varejistas de Sapatos Cadeias de Lojas de Sapatos Consumidores Nota: Produtos fabricados no Japão provém de fabricantes internos no fluxograma acima e são distribuídos por intermediário dos canais indicados pelas setas. Fonte: JETRO - Seu Mercado no Japão 8. Serviço Pós-Vendas Os importadores e fabricantes lidam com as solicitações para consertos e outros serviços pósvendas por meio dos revendedores. Entretanto, na prática, as solicitações para serviços pós-vendas são extremamente raros. Os serviços de consertos são geralmente efetuados por lojas de produtos esportivos ou sapateiros. Cunhos ou pinos e outros consumíveis substituíveis podem, geralmente, ser obtidos de lojas de produtos esportivos. Entretanto, os consumidores devem estar cientes de que poderão ter dificuldades para encontrar esses itens nos tamanhos apropriados, para calçados importados por meio de outros canais que não sejam autorizados. 9. Categorias de Produtos Relacionados <Calçados de Couro> Calçados feitos inteiramente ou parcialmente de couro e não considerados para uso na prática de esportes ou atividades atléticas, estão sujeitos aos Sistemas de Quota Tarifária (TQ). 10. Importações Particulares Diretas Todas as pessoas podem importar calçados esportivos para o Japão independentemente da quantidade ou do valor. *Entretanto, os indivíduos devem estar cientes das diferenças em rotulagem de tamanho em outros países. *Nota:A Mercadoria com um valor alfandegário abaixo de está isento de taxas aduaneiras e taxas de consumo. Entretanto, todos os calçados esportivos estão sujeitos às taxas aduaneiras e de consumo, independentemente do valor alfandegário. Isso não incide sobre os itens que serão destinado a brindes. 11. Organizações de Importadores e Indústrias Associação de Fabricantes de Calçados do Japão Kume Bldg., 3-3-9, Nihonbashi Ningyocho, Chuo-ku, Tokyo TEL: FAX:

II 02 Calçados de Couro

II 02 Calçados de Couro II 02 Calçados de Couro [Artigos de Vestuário e de Moda] 1. Definição da Categoria Esta categoria abrange os calçados de couro, incluindo botas, excluindo os sapatos esportivos e chinelos. Todos os calçados

Leia mais

2 1 Roupas de Couro [Vestuário]

2 1 Roupas de Couro [Vestuário] 2 1 Roupas de Couro [Vestuário] 1. Definição da categoria Trajes feitos de couro bovino, porco ou carneiro. Números de HS Commodity 4203.10-100, 10-200 Roupas de couro 2. Tendências de Importação (1) Tendências

Leia mais

1 5 Cogumelos [Alimentos e medicamentos]

1 5 Cogumelos [Alimentos e medicamentos] 1 5 Cogumelos [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria Cogumelos frescos, resfriados ou secos. Não inclui cogumelos que foram fervidos ou processados de alguma outra forma. Números de HS Commodity

Leia mais

2 3 Cosméticos [Outros]

2 3 Cosméticos [Outros] 2 3 Cosméticos [Outros] 1. Definição da categoria A definição popular para cosméticos engloba o que a Lei para Assuntos Farmacêuticos chama de cosméticos e semi-remédios. Para este relatório, entretanto,

Leia mais

3 4 Janelas e Portas de Madeira [Atigos para o lar]

3 4 Janelas e Portas de Madeira [Atigos para o lar] 3 4 Janelas e Portas de Madeira [Atigos para o lar] 1. Definição da categoria Portas e janelas de madeira acabada (incluindo portas de exteriores e interiores) para uso doméstico. Números de HS Commodity

Leia mais

3-3 Compensado [Artigos para o lar]

3-3 Compensado [Artigos para o lar] 3-3 Compensado [Artigos para o lar] 1. Definição da Categoria Compensado (e tábua em partículas) bem como chapas de madeira compensada e chapas de compensados utilizadas para fazer compensado. Números

Leia mais

III 01 Softwares de Áudio e Vídeo

III 01 Softwares de Áudio e Vídeo III 01 Softwares de Áudio e Vídeo [Esportes e Hobbies] 1. Definição da Categoria Softwares de áudio: Discos (discos analógicos), CD (discos digitais) (não inclui fitas cassetes ou outras músicas gravadas

Leia mais

1 2 Cerveja [Alimentos e medicamentos]

1 2 Cerveja [Alimentos e medicamentos] 1 2 Cerveja [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria A cerveja é uma bebida alcóolica produzida pela fermentação de cevada, malte, lúpulo e água. Números de HS Commodity 2203.00-000 Cerveja

Leia mais

Jóias de ouro puro ou platina e jóias de metais preciosas com pedras preciosas.

Jóias de ouro puro ou platina e jóias de metais preciosas com pedras preciosas. 2 5 Jóias [Outros] 1. Definição da Categoria Jóias de ouro puro ou platina e jóias de metais preciosas com pedras preciosas. Números de HS Commodity 7113.19-021, 19-029 Jóias de Ouro 7113.11-000 Jóias

Leia mais

1 4 Suco de Frutas [Alimentos e medicamentos]

1 4 Suco de Frutas [Alimentos e medicamentos] 1 4 Suco de Frutas [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria 100% suco de frutas. Não indica, entretanto, se há a presença ou não de açúcar e outros adoçantes. Números de HS Commodity 2009.11-110,

Leia mais

1 1 Vinho [Alimentos e medicamentos]

1 1 Vinho [Alimentos e medicamentos] 1 1 Vinho [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria Destilados derivados da uva e do suco de uva fermentado. Números de HS Commodity 2204.10-000 Vinho Espumante 2204.21-010 Xerez, Vinho do Porto

Leia mais

IV 01 Produtos de Tabaco

IV 01 Produtos de Tabaco IV 01 Produtos de Tabaco [Outros] 1. Definição da Categoria Esta categoria contém produtos confeccionados parcialmente ou integralmente de tabaco em folha utilizado para fumar, mascar ou cheirar, conforme

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

1 7 Produtos de Origem Apícola [Alimentos e medicamentos]

1 7 Produtos de Origem Apícola [Alimentos e medicamentos] 1 7 Produtos de Origem Apícola [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria Abelhas de mel, especificamente, mel natural, geléia real e própolis. Números de HS Commodity 0409.00 Mel Natural 3001.90

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Centro de Qualidade em Horticultura CEAGESP Construção e adoção de ferramentas

Leia mais

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda.

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. 1. Aplicabilidade 2. Entrega 3. Preços e pagamentos 4. Inspeção 5. Garantia 6. Cancelamento 7. Subcontratação e Cessão 8. Código de conduta 9. Saúde

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira Produto O piso maciço estruturado de madeira SCANDIAN WOOD FLOORS é produzido com a mais moderna tecnologia, fabricado para atender os mais altos

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE ÁLCOOL NO JAPÃO 1. Definição da Categoria do Produto A categoria enquadra-se no Grupo 22 da

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras.

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras. 73% das indústrias gaúchas exportadoras que concorrem com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. 53% das indústrias gaúchas de grande porte importam da China Sendo que, esse percentual

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA. Procedimentos Fiscais no Retorno de Resíduos Sólidos Raphael Polito Departamento Tributário

LOGÍSTICA REVERSA. Procedimentos Fiscais no Retorno de Resíduos Sólidos Raphael Polito Departamento Tributário LOGÍSTICA REVERSA Procedimentos Fiscais no Retorno de Resíduos Sólidos Raphael Polito Departamento Tributário Julho/2011 CONCEITOS As legislações do Município e do Estado de São Paulo reproduzem o conceito

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

1 6 Nozes e Frutas Secas [Alimentos e medicamentos]

1 6 Nozes e Frutas Secas [Alimentos e medicamentos] 1 6 Nozes e Frutas Secas [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria Nozes e frutas secas, exceto amendoins que são classificados como feijões. Números de HS Commodity Nozes 0801.31-000, 32-000

Leia mais

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Teiji Sakurai Realização :, SÃO PAULO O que é a JETRO? Órgão oficial de comércio exterior do Japão 1951 Osaka Oficialmente JETRO em 1958 76 escritórios

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Diretivas do programa

Diretivas do programa Valued partner program América Latina Diretivas do programa www.datamax-oneil.com Valued Partner Program (VPP) da Datamax-O Neil Visão geral do programa O Valued Partner Program da Datamax-O Neil é um

Leia mais

1.4 Couro e Calçados. Diagnóstico

1.4 Couro e Calçados. Diagnóstico 1.4 Couro e Calçados Diagnóstico A indústria de calçados tem experimentado um processo de internacionalização da produção desde o final dos anos de 1960. A atividade tem sido caracterizada como nômade.

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL Natal, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando compra...

Leia mais

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho A indústria de máquinas-ferramenta Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho FERRAMENTA Mauro Thomaz de Oliveira Gomes Mary Lessa Alvim Ayres Geraldo Andrade

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES INTRODUÇÃO PRODUÇÃO, PRODUTORES E ESCOAMENTO VALOR DA PRODUÇÃO PRINCIPAIS ESPÉCIES PARA COMERCIALIZAÇÃO MERCADOS, ENQUADRAMENTO MUNDIAL E

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

1 3 Café [Alimentos e medicamentos]

1 3 Café [Alimentos e medicamentos] 1 3 Café [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria Grãos de café (grãos não torrados: nota 1; grãos torrados: nota 2) café instantâneo e extrato de café (nota 3). Números de HS Commodity 0901.11-000,

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À Felisoni & Associados E AO PROVAR - Programa de Administração de Varejo da Fundação Instituto de Administração, instituição conveniada com a FEA/USP - é proibida a reprodução

Leia mais

seguir. Este artigo visa esclarecer as principais dúvidas sobre o cadastro de produtos no comércio eletrônico.

seguir. Este artigo visa esclarecer as principais dúvidas sobre o cadastro de produtos no comércio eletrônico. OHá endereçamento muitas particularidades de estoque que éenvolvem uma forma o de identificar onde cadastro um de produto produtos estáno localizado comércio dentro eletrônico, de umque armazém, almoxarifado

Leia mais

Japão, Tigres asiáticos e China

Japão, Tigres asiáticos e China Japão, Tigres asiáticos e China Revisão Geral Prof. Josevaldo Aspectos socioeconômicos do Japão e dos Tigres Asiáticos Japão A partir do final da Segunda Guerra Mundial Transformou-se em exemplo de crescimento

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET POLÍTICA GLOBAL DE NA INTERNET A política da PayU Latam é cumprir com todas as leis aplicáveis referentes à proteção de dados e privacidade. Este compromisso reflete o valor que conferimos à conquista

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil.. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado

Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil.. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado ABRASE Associação Brasileira de Criadores e Comerciantes De Animais Silvestres e Exóticos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ALUNO: RONNY COSTA DA SILVA MATRÍCULA: 06010001201 E- MAIL: ALUNO: DENNIS WILLIAM CARDOSO FERREIRA MATRÍCULA: 06010007301 E- MAIL: denniswilliamx@hotmail.com 2º SEM/2009 Página

Leia mais

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES 1. Porquê a introdução de uma contribuição sobre os sacos de plástico leves (mais comummente designados por sacos de compras )? Para

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

Normas Técnicas para Etiquetas

Normas Técnicas para Etiquetas Normas Técnicas para Etiquetas Informativo Técnico: Nova Lei das Etiquetas Informações que devem constar nas etiquetas de artigos confeccionados: 1 - Composição têxtil do produto. 2 - Nome ou razão social

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC SUPERINTEDÊNCIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E DE QUALIDADE DE PRODUTOS SBQ Alexandre de Souza Lima Salvador Junho/2008 AGENTES DO ABASTECIMENTO Posição

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA

INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA APRESENTAÇÃO Os Umidificadores - Moriya foram concebidos e fabricados sob conceitos internacionais de qualidade e tecnologia. E estão disponíveis

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 1 MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Dia das Crianças 2014 Rua Venâncio Borges do

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

11-1Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.33 Samuelson cap. 35

11-1Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.33 Samuelson cap. 35 11-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.33 Samuelson cap. 35 11-2 Aspectos principais Os ganhos do comércio resultam

Leia mais

Resumo do Contrato Cartão Colombo visa

Resumo do Contrato Cartão Colombo visa Resumo do Contrato Cartão Colombo visa Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. SuMÁRIO EXECUTIVO Este resumo apresenta informações essenciais

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

FRANCHISING JAIR PASQUALI

FRANCHISING JAIR PASQUALI FRANCHISING JAIR PASQUALI jair.pasquali@marisolsa.com PARTICIPAÇÃO DOS SEGMENTOS DE VAREJO RECEITA TOTAL DO COMÉRCIO VAREJISTA E DE VEÍCULOS Produtos farmacêuticos 5,7% Tecidos e artigos do vestuário 7,5%

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau»

Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau» Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau» Com o objectivo de reforçar o intercâmbio e a cooperação económica e comercial entre o

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Sua Privacidade Bem-vindo ao site eureca.me. Este site é de propriedade da empresa Eureca Atitude Empreendedora LTDA-ME. Esta Política de Privacidade destina-se a informá-lo sobre

Leia mais

Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado

Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado Copyright 2011 cesim@cesim.com Pesquisa de mercado Índice 1. Sobre a Cesim... 1 1.1. Geral... 1 1.2. Simuladores Cesim... 1 1.3. Contate a Cesim...

Leia mais

Exercícios sobre Tigres Asiáticos

Exercícios sobre Tigres Asiáticos Exercícios sobre Tigres Asiáticos Material de apoio do Extensivo 1. (UNITAU) Apesar das críticas, nos últimos tempos, alguns países superaram o subdesenvolvimento. São os NIC (Newly Industrialized Countries),

Leia mais