Buderus Diretiva ErP. Na zona verde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Buderus Diretiva ErP. Na zona verde"

Transcrição

1 Buderus Diretiva ErP Na zona verde A União Europeia, no âmbito da Diretiva de ErP para os lotes 1 e 2, exige que a partir de 26 de setembro de 2015 todos os equipamentos produtores de calor e depósitos, cumpram requisitos específicos em eficiência energética. Além disso, os equipamentos com uma potência até 70 kw e depósitos até 500 litros têm de ser identificados com uma etiqueta de eficiência energética.

2 Objetivos da UE para ao ano % Gases de efeito de estufa + 20% Energias renováveis + 20% Eficiência energética Diretivas da UE aplicáveis ao mercado do aquecimento Diretiva relativa ao Desempenho Energético dos Edifícios (EPBD) Diretiva para fontes de Energias Renováveis (FER) Diretiva de Ecodesign (ErP) Constitui o quadro europeu com os padrões mínimos de energia nos edifícios e obriga os Estados membros a introduzirem certificados de desempenho energético. Obriga os Estados membros a tomarem medidas que visem aumentar a quota de energias renováveis na UE, para pelo menos 20%, em média. Determina os requisitos mínimos relativos às características ambientalmente relevantes dos produtos relacionados com energia. Objetivo: Aumentar a eficiência energética total dos edifícios. Objetivo: Aumentar a utilização de energias renováveis. Objetivo: Ecodesign e certificações de eficiência dos produtos relacionados com a energia A partir de setembro de 2015 na UE, todos os equipamentos produtores de calor, para aquecimento central e A.Q.S. e, os depósitos, têm de cumprir determinados requisitos de eficiência energética - esta é uma exigência da Diretiva de Ecodesign para os equipamentos que consomem energia e para os relacionados com a energia (ErP). O regulamento europeu aplica-se a caldeiras de gás e gasóleo, a bombas de calor, a módulos de cogeração e a depósitos. Além disso, produtos e sistemas de produtos (packs) com uma potência até 70 kw e depósitos até 500 litros têm de ser identificados com uma etiqueta de eficiência energética semelhante às já existentes em alguns eletrodomésticos, como nas máquinas de lavar loiça, nos frigoríficos, nas máquinas de secar roupa e nas televisões. Assim, através das diferentes cores e letras presentes na etiqueta, o consumidor consegue facilmente identificar a eficiência energética dos produtos (ELD). A proteção do meio ambiente como um desafio global O pano de fundo desta medida prende-se com a luta global contra as alterações climáticas e com a necessidade de reduzir as emissões de CO2. Desde o protocolo de Quioto sobre as alterações climáticas em 1997, que os participantes manifestaram a intenção de 2 reduzir as emissões anuais de gases de efeito estufa dos países industrializados, em média de 5.2% em relação aos níveis de 1990, no primeiro período de compromisso entre 2008 e Os participantes da cimeira do clima em 2012 no Qatar, concordaram em prorrogar o protocolo de Quioto até Os países europeus desempenham um papel pioneiro na aplicação de objetivos de proteção climática. Por essa razão em janeiro de 2007, a Comissão Europeia apresentou um pacote global de medidas com objetivos específicos que visam a redução das emissões de gases de efeito estufa, a promoção da utilização de energias renováveis e a poupança de energia. Apenas dois meses depois, os 27 chefes de Estado e de governo fixaram esses objetivos energéticos e climáticos do Conselho Europeu sob a fórmula 20/20/20. Desta forma até 2020 na União Europeia as emissões de gases de efeito estufa devem reduzir 20% - abaixo do nível de Além disso, a quota de energias renováveis no cabaz energético deve aumentar 20% até 2020, juntamente com o aumento da eficiência energética em, pelo menos 20%. Na UE estas medidas originaram a Diretiva Relativa ao Desempenho Energético dos Edifícios (EPBD), a Diretiva para Fontes de Energias Renováveis e a Diretiva de Ecodesign.

3 A Diretiva de Ecodesign A Diretiva de Ecodesign constitui o quadro regulamentar europeu relativo às exigências do Ecodesign e ambientalmente compatível dos produtos relacionados com energia (ErP Energy related products). Devido a estas novas medidas as caldeiras que utilizam combustíveis fósseis, as bombas de calor até 400 kw, os módulos de cogeração até uma potência elétrica de 50 kw, os depósitos diretos e indiretos de água quente sanitária até um volume de litros, a partir de 26 de setembro de 2015, só poderão ser vendidos na Europa se cumprirem os requisitos relativos à eficiência, ao nível sonoro (unidades exteriores e interiores das bombas de calor e equipamentos de microcogeração) e ao máximo de perdas térmicas (apenas para depósitos). Os requisitos mínimos de eficiência correspondem praticamente ao nível de eficiência de uma caldeira de condensação. Para depósitos de água quente com aquecimento indireto a UE também definiu os requisitos mínimos. Estes são calculados tendo como base as perdas térmicas. O nível mínimo de eficiência energética dos equipamentos de geração de calor necessário é medido em termos de eficiência sazonal. Ou seja, a relação entre as necessidades de calor de um espaço para um certo período de tempo em comparação com o consumo de energia necessária para atender essa procura. Requisitos mínimos entre outros, sobre a eficiência segundo a lei dos produtos relacionados com a energia (ErP). Identificador com a etiqueta de eficiência energética segundo a lei de etiquetagem de eficiência energética (ELD). Caldeiras (de gás, gasóleo, elétricas) Módulos de cogeração < 50 kwel < 50 kwel Até litros Até 500 litros Packs (combinações de diversos produtos num mesmo sistema) Depósitos 3

4 Produtos individuais Possíveis componentes do sistema Etiqueta de sistema Equipamento de regulação e controlo Caldeiras Etiqueta de produto Módulos de cogeração Sistema solar térmico (para aquecimento de A.Q.S. e/ou para apoio ao aquecimento) ou caldeiras adicionais A Diretiva ErP exige, entre outros requisitos, que os equipamentos produtores de calor até 70 kw e depósitos até 500 litros tenham uma etiqueta de eficiência energética. A certificação será concedida a produtos individuais e a sistemas (combinações de equipamentos). Para a produção de A.Q.S. deve ser cumprida uma eficiência energética mínima determinada pelos perfis de consumo específicos. Etiquetagem do produto e sistemas de etiquetagem até 70 kw de potência Como complemento, a partir do ano de 2015 os equipamentos produtores de calor até 70 kw de potência e depósitos até 500 litros têm de ser identificados com uma etiqueta de eficiência energética. Esta etiqueta segue o princípio das classificações de "A a G", já utilizadas nos eletrodomésticos facilmente identificáveis através das diferentes cores. Mais especificamente, para 4 caldeiras e sistemas de aquecimento as classificação irão de A++ a G e, para A.Q.S. e depósitos de acumulação a classificação irá de A a G. Estas etiquetas classificam os produtos a nível individual. No caso de combinações de sistemas de produtos (packs) estes também têm de possuir a respetiva etiqueta. A classificação dos produtos baseia-se na eficiência energética do equipamento produtor de calor. Com as novas etiquetas os clientes conseguem obter informações passíveis de serem comparadas entre os equipamentos, uma vez que advêm de métodos standard de avaliação.

5 Valor de eficiência do produto 92% (na etiqueta do produto produtor de calor) Melhoria da eficiência 4% Regulação 8% 104% Complemento de aquecimento solar Valor de eficiência do sistema Classe de eficiência do sistema Exemplo de cálculo para uma etiqueta para um sistema composto por uma caldeira de condensação, um equipamento de regulação e controlo para apoio ao aquecimento central e A.Q.S.. Fonte: BDH Em primeiro lugar os equipamentos produtores de calor para aquecimento central identificam-se com a nova categoria de eficiência de A++ a G. As categorias de A a G contêm diferentes tipos de caldeiras, mas somente as caldeiras de condensação alcançam a categoria A. As categorias A+ e A++ promovem a utilizaçao de energias renováveis. Os equipamentos produtores de calor para produção de A.Q.S. só têm categorias compreendidas entre A e G. A partir de 2019 entram em vigor as novas categorias de eficiência energética. Para os equipamentos produtores de calor acrescentar-se-à a categoria A+++, e para os esquentadores a categoria A+ em ambos os grupos de produtos serão suprimidas as categorias mais baixas de E até G. fornecedor são mais simples, uma vez que o pack já está devidamente etiquetado e o técnico/instalador especializado não terá de efetuar qualquer modificação. Bomba de calor geotérmica Bomba de calor água/água Bomba de calor gás Bomba de calor ar/água Módulos de cogeração Caldeira de condensação Além das etiquetas nos produtos, as etiquetas dos packs também têm de ter informação sobre a avaliação energética. A melhoria da eficiência é alcançada mediante as variantes de regulação, os sistemas solares térmicos para aquecimento de água potável e/ou como complemento a sistemas de aquecimento ou a sistemas em cascata. Calcula-se a influência dos componentes previstos num pack (sistema) na eficiência do produtor de calor e, com isso, os níveis presentes na etiqueta. A responsabilidade da correta identificação recai sobre quem comercializa o produto. Se um instalador/parceiro comercial disponibilizar pack (sistemas) com produtos de fabricantes distintos, a responsabilidade pela classificação recai sobre si. Os packs completos de um único Caldeira a baixa temperatura Para as diferentes categorias de produção de calor existem as categorias de eficiência aqui demonstradas (categoria "A+++" a partir de 2019). No entanto os produtos individuais podem ter uma classificação superior ou inferior. 5

ErP ( Energy related products) ELD ( Energy labelling Directive)

ErP ( Energy related products) ELD ( Energy labelling Directive) ErP ( Energy related products) ELD ( Energy labelling Directive) 1 Índice: 1. Introdução: 20:20:20 2. Directiva ErP-EuP 2.1 Diretiva ErP: 2.1.1 Explicação da ErP 2.1.2 Produtos incluídos: LOTs 2.1.3 Calendário

Leia mais

No topo da Eficiência. julho 2015. Conheça a nova Diretiva Energética. ErP. Conforto para a vida

No topo da Eficiência. julho 2015. Conheça a nova Diretiva Energética. ErP. Conforto para a vida No topo da Eficiência Conheça a nova Diretiva Energética julho 2015 ErP Conforto para a vida 1. Informação geral sobre a Diretiva Europeia ErP-EuP A partir de 26 de setembro de 2015, as Diretivas de Ecodesign

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP

Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP Sistemas de aquecimento Sistemas industriais Sistemas de refrigeração Directiva ErP A directiva ErP introduz a etiquetagem

Leia mais

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento Este projeto recebe financiamento da União Europeia no âmbito do programa de investigação e inovação Horizonte 2020, sob o contrato No649905 A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

Leia mais

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 3 / 1. CONTEXTO 6 / 2. DIRECTIVA ECODESIGN (ErP) 7 / 3. ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 12 / 4. O MUNDO MUDA A ARISTON FICA A SEU LADO 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

Leia mais

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard Nomenclatura das caldeiras Buderus Exemplo: caldeira em ferro fundido (G) de condensação (B) potência entre 200kW a 400kW (4) de modelo original (0) estanque e queimador a gás (2) Logano Tipo de caldeira

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt Soluções de Energia Solar Março de 2007 www.senso.pt ENERGIA E CONSTRUÇÃO Crescente aplicação de energias renováveis Mudança do modelo energético Símbolo de distinção para construções de qualidade Resposta

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica Autoridade de Segurança Alimentar e Económica UNO/DEPO SEMINÁRIO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA & ECODESIGN DE PRODUTOS COMPETÊNCIAS DA ASAE MARÇO 2015 FISCALIZAÇÃO DO MERCADO FISCALIZAÇÃO DO MERCADO DEFINIÇÃO

Leia mais

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS EFICIÊNCIA, FIABILIDADE E TRANQUILIDADE Como funciona uma caldeira de condensação? Os gases de exaustão da caldeira passam através de um condensador, para recuperar o calor

Leia mais

1.1 Enquadramento... 5. 1.2 Objetivo e Definição... 5. 1.3 Vantagens... 6. 1.4 Critérios para Acreditação... 7. 1.5 Processo de Acreditação...

1.1 Enquadramento... 5. 1.2 Objetivo e Definição... 5. 1.3 Vantagens... 6. 1.4 Critérios para Acreditação... 7. 1.5 Processo de Acreditação... ÍNDICE 1 O Sistema de Acreditação de Produtos Eco 2 Seia... 5 1.1 Enquadramento... 5 1.2 Objetivo e Definição... 5 1.3 Vantagens... 6 1.4 Critérios para Acreditação... 7 1.5 Processo de Acreditação...

Leia mais

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural Guia Prático: perguntas com respostas Nota introdutória A liberalização dos mercados de eletricidade e do gás natural e a sequente extinção das tarifas

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 6.9.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 239/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 811/2013 DA COMISSÃO de 18 de fevereiro de 2013 que complementa a Diretiva 2010/30/UE

Leia mais

"A nova legislação do desempenho energético dos edifícios

A nova legislação do desempenho energético dos edifícios XI SIMPÓSIO LUSO-ALEMÂO DE ENERGIA "A nova legislação do desempenho energético dos edifícios Lisboa, 26 de maio 2014 ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida Supraeco W Supraeco W OS Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. Água Quente julho 0 Conforto para a vida Bombas de calor SUPRAECO energia água quente ar-água confortopoupança eficiênciacop calor

Leia mais

Dicas para poupar energia Empresas

Dicas para poupar energia Empresas Dicas para poupar energia Empresas Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da factura

Leia mais

Guidelines de acompanhamento dos Regulamentos Delegados N.º 811/2013 e N.º 812/2013, relativos à etiquetagem energética de equipamentos de aquecimento

Guidelines de acompanhamento dos Regulamentos Delegados N.º 811/2013 e N.º 812/2013, relativos à etiquetagem energética de equipamentos de aquecimento Guidelines de acompanhamento dos Regulamentos Delegados N.º 811/2013 e N.º 812/2013, relativos à etiquetagem energética de equipamentos de aquecimento 08/01/2016 No contexto da participação da ADENE no

Leia mais

Ar Condicionado Junkers

Ar Condicionado Junkers Ar Condicionado Junkers Ar Cond. junho 2013 NOVA GAMA Conforto para a vida Características dos aparelhos de ar condicionado Junkers Classificação Energética até A++ Os aparelhos de ar condicionado Junkers

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

CALDEIRAS SOLARES HIBRIDAS

CALDEIRAS SOLARES HIBRIDAS Caldeiras Solares Hibridas de Acumulação (Solar - Gasóleo) A caldeira combina num único conjunto, a utilização de energia solar, com energia a partir da combustão de gasóleo. Esta caldeira utiliza a radiação

Leia mais

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada.

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada. O que é a geração fotovoltaica? A microgeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos.

Leia mais

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S.

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S. PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Índice ENTRADA DO CENTRO DE FORMAÇÃO - AVEIRO Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores E1 Águas Quentes Sanitárias 04

Leia mais

Critérios CPE da UE para aquecedores a água

Critérios CPE da UE para aquecedores a água Critérios CPE da UE para aquecedores a água Os critérios CPE da UE têm como objetivo ajudar os organismos públicos na aquisição de produtos, serviços e obras com impacto ambiental reduzido. A utilização

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes Climatização Soluções Eficientes Indíce 1 Energias Renováveis Aerotermia, Energia Solar 2 Eficiência Energética Tecnologias, Regulamento 3 Bombas de Calor Soluções 4 Ar condicionado Gamas, Sistemas 1 Energias

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistemas eficientes de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio

Leia mais

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU 19 CAPÍTULO 3 ÍNDICE 3. PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR INFORME-SE BEM PARA DECIDIR BEM Uma iniciativa: LIGUE 808 100 808 VISITE WWW.ESCOLHAASUAENERGIA.PT FALE COM A SUA EMPRESA DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL Parceiros: MINISTÉRIO

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR CONNECT

ESQUENTADORES SENSOR CONNECT ESQUENTADORES SENSOR CONNECT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Um dia todos os esquentadores serão assim 03 Saiba sempre a classificação energética do seu equipamento Vulcano 04 Ligue-se ao conforto 06 Tecnologia,

Leia mais

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets Climatização 1 Índice e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets 3 5 6 7 2 Bomba de calor Central A bomba de calor tem como finalidade produzir água a

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 Portaria n.º 349-B/2013 de 29 de novembro O Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, aprovou o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Água Quente Solar para Portugal

Água Quente Solar para Portugal INICIATIVA PÚBLICA AQSpP Água Quente Solar para Portugal J. Farinha Mendes Presidente da SPES www.spes.pt Portugal - um dos países da Europa com maior disponibilidade de recurso solar Eficiência Energética

Leia mais

Energia em sua casa. Saiba quanto gasta!

Energia em sua casa. Saiba quanto gasta! Energia em sua casa. Saiba quanto gasta! Os eletrodomésticos e equipamentos domésticos apresentam consumos energéticos diferentes. Compare-os no gráfico que segue. Iluminação É na iluminação da casa que

Leia mais

PROGRAMA DE CURSOS 2012

PROGRAMA DE CURSOS 2012 PROGRAMA DE CURSOS 2012 CENTRO DE FORMAÇÃO CALENDÁRIO PROGRAMA DE CURSOS 2012 CURSOS INSTALAÇÃO DE SOLUÇÕES SOLARES TÉRMICAS DOMÉSTICAS Sistemas autónomos e em circulação forçada: Termossifão STS Autocalor

Leia mais

União da Energia Paula Pinho Chefe de Unidade Direcção-Geral da Energia COMISSÃO EUROPEIA

União da Energia Paula Pinho Chefe de Unidade Direcção-Geral da Energia COMISSÃO EUROPEIA União da Energia Paula Pinho Chefe de Unidade Direcção-Geral da Energia COMISSÃO EUROPEIA União da Energia «Quero reformar e reorganizar a política energética da Europa numa nova União Europeia da Energia.

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias Promover a Eficiência Energética nos edifícios As PME do Sector Energético Desafios e estratégias 22 de Março 2013 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos 2. Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

conforto inteligente Programa de Cursos 2015 Centro de Formação o novo aquecimento

conforto inteligente Programa de Cursos 2015 Centro de Formação o novo aquecimento conforto inteligente Programa de Cursos 2015 Centro de Formação o novo aquecimento CENTRO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE CURSOS 2015 CENTROS DE FORMAÇÃO A sociedade em que vivemos, altamente tecnológica e competitiva,

Leia mais

ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO

ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO ENERGIA GEOTÉRMICA Definição Recurso geotérmico -Fluidos e formações geológicas do sub-solo, de temperatura elevada, cujo calor seja suscetível de aproveitamento

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. J. Júlio Correia da Silva

Eficiência Energética em Edifícios. J. Júlio Correia da Silva J. Júlio Correia da Silva Workshop (Bio)Energia Resíduos Energias Renováveis e Eficiência Energética U. Évora 31 Maio 2010 A humanidade está a tomar consciência de que: - os recursos da Terra são finitos.

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

Módulo de Formação III.

Módulo de Formação III. Módulo de Formação III. Processo do CDE do Contracto à poupança garantida Projecto Transparense VISÃO GLOBAL SOBRE OS MÓDULOS DE FORMAÇÃO I. CDE Basics II. Processo do CDE da Identificação do Projecto

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

MLE - Soluções de Climatização Lda

MLE - Soluções de Climatização Lda Inspiração, Inovação, Evolução GAMA APRESENTAÇÃO DA GAMA GAMA A gama da Kaysun, procurando sempre o bem-estar do utilizador, segue na vanguarda da inovação, apresentando uma gama completamente renovada

Leia mais

nos Transportes na República

nos Transportes na República Política de Eficiência Energética nos Transportes na República da Coreia Maio de 2011 Seung Hyun Lee Índice www.kemco.or.kr Sobre a KEMCO II Uso de Energia na República da Coreia III Programas de Eficiência

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: mudanças importantes no clima que se têm vindo a verificar no mundo ao longo dos tempos

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: mudanças importantes no clima que se têm vindo a verificar no mundo ao longo dos tempos ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: mudanças importantes no clima que se têm vindo a verificar no mundo ao longo dos tempos Causas: emissões de gases poluentes do meio ambiente (gases com efeito de estufa GEE) devido

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica A perceção dos problemas da energia nunca foi tão grande como nos nossos dias. Atualmente, é ponto assente que o crescimento do consumo de energia, verificado durante muitos

Leia mais

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Pedro Miranda Soares Dimensionamento de Sistemas Solares Térmicos para aquecimento de Piscinas No dimensionamento de colectores solares para aquecimento

Leia mais

Software BIM para a análise de ciclo de vida, compatível com o estudo térmico e acústico do edifício

Software BIM para a análise de ciclo de vida, compatível com o estudo térmico e acústico do edifício Software BIM para a análise de ciclo de vida, compatível com o estudo térmico e acústico do edifício Benjamín González Cype Ingenieros, SA, Director de desenvolvimento corporativo Alicante, Espanha benjamin.gonzalez@cype.com

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

_ esquentadores solares a gás p.34. gama. solasis

_ esquentadores solares a gás p.34. gama. solasis _ esquentadores solares a gás p.34 gama solasis Esquentadores solares. Conforto com a máxima poupança. A Fagor, na sua constante busca de novas soluções que respeitem o ambiente, desenvolveu quatro modelos

Leia mais

Nota de Imprensa. Buderus aposta nas energias renováveis

Nota de Imprensa. Buderus aposta nas energias renováveis Nota de Imprensa Buderus aposta nas energias renováveis Painéis solares, caldeiras, pellets, bombas de calor reversíveis para aplicações geotérmicas e aerotérmicas e até uma estação de produção de a.q.s.

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Serviço duplo Theta BFC, SGE, SGS para capacidade de aquecimento de 20/30/40 kw

Serviço duplo Theta BFC, SGE, SGS para capacidade de aquecimento de 20/30/40 kw Serviço duplo heta BFC, SGE, SGS para capacidade de aquecimento de 20/30/40 kw Módulo para aquecimento através da instalação de água quente para uso doméstico Serpentina de placas com bomba de AQS, válvula

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA O PANORAMA MUNDIAL DA ENERGIA WORLD ENERGY OUTLOOK 2011 IEA SOLAR ENERGY PERSPECTIVES 2011 IEA O PROGRAMA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ENSINO MESTRADO

Leia mais

SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Bombas de Calor para A.Q.S. AQUAECO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Uma tecnologia de futuro Sistema eficiente de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Bomba

Leia mais

Objetivos: Potencial para aplicação ST em grandes instalações: Água quente sanitária. Água quente de processo Água quente para arrefecimento

Objetivos: Potencial para aplicação ST em grandes instalações: Água quente sanitária. Água quente de processo Água quente para arrefecimento Objetivos: Potencial para aplicação ST em grandes instalações: Água quente sanitária. Água quente de processo Água quente para arrefecimento Introdução Potencial ST Grandes Instalações 23 out Introdução

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Quanto você gasta com. energia elétrica?

Quanto você gasta com. energia elétrica? Quanto você gasta com energia elétrica? Os eletrodomésticos da linha branca já foram os vilões do gasto energético residencial. Hoje, eles estão mais econômicos, mas ainda precisam ser escolhidos com atenção.

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S ECO ÁGUA QUENTE SANITÁRIA ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA 85% ULTIMA POUPANÇA

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S ECO ÁGUA QUENTE SANITÁRIA ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA 85% ULTIMA POUPANÇA CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S ECO ÁGUA QUENTE SANITÁRIA ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA PROVAVELMENTE O AQUECEDOR DE ÁGUA SOLAR MAIS EVOLUÍDO DO MUNDO ÁGUA QUENTE HORAS POR DIA

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

Instalações de Referência

Instalações de Referência [ Ar ] [ Água ] [ Terra ] [ Buderus ] Buderus BOSCH Termotecnologia, S.A. Av. Infante D. Henrique, Lote 2E - 3E 1800-220 218 500 300 www.buderus.pt Imagens propriedade Bosch Thermotechnik GmbH. Reservados

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO BIOS CLASSE 5 NO X MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA BIOS, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM DOS

Leia mais

<< www.hiperclima.pt >> Inisol EASYLIFE

<< www.hiperclima.pt >> Inisol EASYLIFE solar biomassa bombas de calor Condensação gasóleo/gás Inisol A.Q.S. solar individual EASYLIFE O sol para cada um, o solar para todos >> Significativas economias >> Zero emissão de CO2 >> Conforto garantido

Leia mais

Tecnologia dos Esquentadores Termostáticos. Outras soluções para aquecimento de água

Tecnologia dos Esquentadores Termostáticos. Outras soluções para aquecimento de água Tecnologia dos Esquentadores Termostáticos. Outras soluções para aquecimento de água 2 ÍNDICE Grupo Bosch no Mundo Bosch Termotecnologia Tendências Produtos Vulcano 3 2. Bosch Termotecnologia 2.5. Centros

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts Eficiência Energética e Mudanças Climáticas [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A industria da construção

Leia mais

Certificação energética dos edifícios existentes

Certificação energética dos edifícios existentes Certificação energética dos edifícios existentes Metodologias simplificadas, vantagens, dificuldades e inconvenientes Helder Gonçalves e Laura Aelenei 8ª Jornadas de Climatização Lisboa, 15 de Outubro

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Ficha de Inscrição Cursos de Formação 2016

Ficha de Inscrição Cursos de Formação 2016 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2016 Ficha de Inscrição Cursos de Formação 2016 Para que a proposta de inscrição nos Cursos de Formação da Vulcano seja válida, é obrigatório o preenchimento de todos os campos de

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Alterações climáticas Emissão de gases de efeito de estufa -> agravamento do efeito de estufa -> aquecimento global -> alterações climáticas 4 relatórios

Leia mais

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Pedro Cardoso Sistemas de Energia TEKTÓNICA 2015 06-05-2015 1 TEKTÓNICA 2015 Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Autoconsumo fotovoltaico

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª RECOMENDA AO GOVERNO A ADOÇÃO DE MEDIDAS PARA BAIXAR A FATURA DA ELETRICIDADE E DO GÁS E AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DA ECONOMIA As políticas energéticas assumem, no contexto

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia Membro nacional da Implicações para a Produção Descentralizada de Energia 31 de Março de 2006 Álvaro Brandão Pinto Vice-Presidente do Conselho Director da COGEN Portugal Índice 1. O Conceito 2. O Comércio

Leia mais

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Tipo de parceria:joint venture Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Empresa da Eslováquia certificadaespecializada na produção de painéis

Leia mais

APRESENTAÇÃO TermoCOP Engenharia

APRESENTAÇÃO TermoCOP Engenharia APRESENTAÇÃO TermoCOP Engenharia No mercado desde 1998, inicialmente atuando no mercado de aquecimento de água e piscinas com comercialização, instalação e manutenção de equipamentos. Em 2003 iniciou-se

Leia mais