COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial"

Transcrição

1 Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre têm tendências: 1) Livre-Cambistas; ou 2) Protecionistas Políticas Comerciais Livre-cambismo: Política de liberdade de comércio, sem qualquer censura, prevalecendo regras do mercado livre. - Protecionismo: Política que visa proteger setores da economia local, sobretudo as essenciais como agricultura e indústria de base. BARREIRAS AO COMÉRCIO Conceito: O protecionismo faz nascer atuações governamentais que criam barreiras ao comércio, sobretudo à entrada de produtos estrangeiros. Essas barreiras são classificadas em: 1) Barreiras tarifárias 2) Barreiras não-tarifárias BARREIRAS AO COMÉRCIO Barreiras tarifárias: Formadas por tributos sobre a importação (Direitos Aduaneiros). - Barreiras não-tarifárias (BNT): Formadas por quaisquer outras práticas que discriminam a entrada de produtos estrangeiros, tais como: cotas de importação, restrições ao câmbio, formalidades consulares, depósitos compulsórios, controle de preços, certificações... São atuações de comércio que podem ser consideradas injustas quando prejudicam a economia doméstica de outros países e, por isso, são condenadas pela OMC. - Subsídios: Promovidas por governos - Dumping: Promovido por empresas

2 Subsídios: São instrumentos de governo para promoção das exportações que, a princípio, não são desleais. Entretanto, são condenados pela OMC quando promovem queda irreal de preços que cause dano à indústria do país importador. Dumping: Prática desleal em que exportador(es) de um país vende(m) seus produtos a preços inferiores aos do mercado de origem, com intenção visível de conquista do mercado do país importador. Daí vem a necessidade da OMC de criar. Por isso, a OMC mantém um comitê especial regulador de prática de subsídios e dumping. No Brasil, o setor econômico prejudicado deve procurar a SECEX / DECOM. Os instrumentos de defesa contra práticas de dumping ou subsídio são Direitos Antidumping ou Medidas Compensatórias (Antissubsídios). Aplicação: Somente na comprovação cumulativa de três fatores: 1) Comprovação de dumping ou subsídio; 2) Seu dano ou ameaça de dano à economia local; e 3) O nexo entre ambos. COMO COBRAR: O montante a ser cobrado é de forma adicional ao imposto de importação e no limite a neutralizar os efeitos do dumping ou subsídio. Exemplo: MEDIDAS DE SALVAGUARDA: A empresa prejudicada poderá reunir-se com outros produtores nacionais para pressionar seu governo a aplicar unilateralmente Medidas de Salvaguarda, na forma do Decreto 1488/9, que exige comprovar grave dano causado por importações crescentes.

3 NO BRASIL E NO MERCOSUL: A legislação a respeito das Medidas de Defesa Comercial encontra-se a partir do art. 769 do Novo Regulamento Aduaneiro (Decreto 679/2009). Leia na apostila. 01. (AFRF/2000) As Barreiras Não-Tarifárias (BNT) são frequentemente apontadas como grandes obstáculos ao comércio internacional. Podem vir a se constituir Barreiras Não-Tarifárias (BNT) todas as modalidades abaixo, exceto: a) Direitos Aduaneiros; b) Normas de segurança; c) Quotas; d) Sistemas de Licença de Importação; e) Medidas fitossanitárias (AFRF 2003) Sobre a prática do dumping no comércio internacional, é correto afirmar-se que: a) é considerada prática desleal de comércio e define-se como a determinação do preço de exportação de uma mercadoria com base nas diferenças entre os custos de produção nos mercados de origem e de destino. b) é admissível na normativa da Organização Mundial do Comércio desde que devidamente mensurado em sua magnitude e impacto sobre os fluxos de comércio e sempre que almeje a conquista de mercados onde não há condições eqüitativas de concorrência. c1 c) é incongruente com a normativa da Organização Mundial do Comércio na medida em que define a formação do preço de um bem exportável em patamares inferiores aos custos de produção desse mesmo bem nos mercados a que se destina. d) é prática de formação de preços que, caso implique o deslocamento de competidores em mercados de exportação, passa a ser considerada desleal, consistindo na concessão de subsídios à produção e à exportação com vistas a elevar a competitividade preço de um bem exportado. e) representa medida considerada distorcida das condições de competição, consistindo na fixação de um preço de exportação para um determinado bem menor que aquele praticado no mercado em que este mesmo bem é produzido. c1 03. (AFRF) Julgue as opções abaixo e assinale a correta. a) O livre-cambismo é uma doutrina de comércio estabelecida através de tarifas protecionistas, a subvenção de créditos, a adoção de câmbios diferenciados. b) O livre-cambismo só beneficia os países em desenvolvimento, que apresentam uma pauta de exportações onde a maioria dos produtos possui demanda inelástica. c) O livre-cambismo é uma doutrina pela qual o governo não provê a remoção dos obstáculos legais em relação ao comércio e aos preços. 03. (AFRF) Julgue as opções abaixo e assinale a correta.... d) O livre-cambismo defende a adoção de tarifas em situação de defesa nacional. e) O livre-cambismo rege que a livre troca de produtos no campo internacional, os quais seriam vendidos a preços mínimos, num regime de mercado, se aproximaria ao da livre concorrência perfeita.

4 04. (BB/Ascensão 2006) Apesar dos esforços demandados pela comunidade internacional a fim de tornar o comércio exterior mais livre e mais fluente, algumas nações utilizam barreiras de proteção ao comércio internacional. Relacione as barreiras de proteção (A/B/C/D) às características (nos quatro par de parênteses a seguir): A Subsídios B Barreiras tarifárias C Taxas múltiplas de câmbio D Licenças de importação e exportação A Subsídios B Barreiras tarifárias C Taxas múltiplas de câmbio D Licenças de im/exportação ( ) Mesmo proibidas pela OMC, são amplamente utilizadas e tormam moroso o processo de trocas internacionais. ( ) Consistem em estipular diferentes categorias de enquadramento dos bens importáveis. ( ) Utilizadas para proteger a indústria nascente. ( ) É prática comum dos governos, na tentativa de proteger determinados setores da concorrência internacional A sequência CORRETA é: a) A B C D b) D A C B c) B D A C d) B C D A e) D C B A 0. (BB/Ascensão Profissional 2006) Considerando as características do comércio interno e externo, analise as assertivas abaixo. I. No mercado interno, existe maior grau de mobilidade dos fatores de produção, especialmente com relação ao fator trabalho. II. No mercado internacional, os mercados são mais coesos, enquanto no mercado interno existe uma maior dispersão. III. No mercado externo, o comércio enfrenta dificuldades em relação à utilização de moedas distintas, às diferenças entre os sistemas legais e aos custos dos transportes. 0. (BB/Ascensão Profissional 2006) Considerando as características do comércio interno e externo, analise as assertivas abaixo.... Está(ao) INCORRETA(S) a(s) assertiva(s) a) I, apenas. b) II, apenas. c) III, apenas. d) II e III, apenas. e) I e III, apenas (TRF 200-q2) A medida de defesa comercial que restringe as importações de um determinado produto, cujo surto de importações esteja causando dano ou ameaça de dano à indústria doméstica, é denominada: a) medida antidumping. b) medida compensatória. c) salvaguarda. d) drawback. e) cota às importações. 3

5 07. (ESAF) Nas afirmativas abaixo mencionadas há uma declaração incorreta acerca do conceito e/ou do processo de dumping. Identifique-a: A. Trata-se de uma prática desleal de comércio. B. Não basta provar a existência do dumping, é necessário provar que houve dano à produção doméstica. C. Dumping é a introdução de um bem no mercado doméstico por um preço de exportação inferior ao valor normal, isto é, ao seu preço de custo. D. A empresa que se sentir prejudicada deve endereçar uma petição à Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) solicitando uma ampla investigação. E. Caso os resultados da investigação concluam pela procedência da reclamação, as autoridades fixarão direitos antidumping. 3

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

Gestão de Negócios Internacionais

Gestão de Negócios Internacionais Gestão de Negócios Internacionais Aula-tema 03: Regulação do Comércio Internacional e impactos nos negócios: os acordos de defesa comercial sobre Consequências da Globalização 2-16 Evolução dos Negócios

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil Welber

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

Curso Básico de Comércio Exterior Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Módulo IV. Pitágora Pereira

Curso Básico de Comércio Exterior Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Módulo IV. Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Módulo IV www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1. BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO-TARIFÁRIAS... 03 1.1 Barreiras Tarifárias... 03 1.1.1 A Tarifa Ótima... 04 1.2

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Competências A Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão integrante do Conselho de Governo, tem por objetivo

Leia mais

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com base no Método Primeiro, o valor

Leia mais

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com

Leia mais

Importação I. Prof. Richard Allen de Alvarenga. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo Comércio Exterior Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga.

Importação I. Prof. Richard Allen de Alvarenga. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo Comércio Exterior Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga. Importação I Prof. Richard Allen de Alvarenga Histórico Destaque no início dos anos 1990 (Era Collor) Normas específicas de controle da inflação; Criação de instrumentos de importação; Abastecimento e

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

Concurso Receita Federal

Concurso Receita Federal PAGAMENTOS INTERNACIONAIS Concurso Receita Federal Analista Prof.Nelson Guerra VISÃO GERAL DE UMA OPERAÇÃO DE IM/EXPORTAÇÃO 1) OPORTUNIDADE NEGOCIAL: Contato importador / exportador. 2) REGULAMENTAÇÃO:

Leia mais

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller. http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.html Celso Lafer, A OMC e a regulamentação do comércio internacional.

Leia mais

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países,

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Sistemas gerais de preferências, defesa comercial e práticas desleais de comércio

Sistemas gerais de preferências, defesa comercial e práticas desleais de comércio Sistemas gerais de preferências, defesa comercial e práticas desleais de comércio Sistemas gerais de preferências O Sistema Geral de Preferências (SGP) A obediência à cláusula da nação mais favorecida

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RONALDO HISSAO KATAYAMA IMPORTA FÁCIL PARA EMPREENDDORES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RONALDO HISSAO KATAYAMA IMPORTA FÁCIL PARA EMPREENDDORES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RONALDO HISSAO KATAYAMA IMPORTA FÁCIL PARA EMPREENDDORES CURITIBA 2014 RONALDO HISSAO KATAYAMA IMPORTA FÁCIL PARA EMPREENDEDORES Monografia apresentada ao curso de especialização

Leia mais

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2002-2. Auditor-Fiscal da Receita Federal AFRF/2002-2

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2002-2. Auditor-Fiscal da Receita Federal AFRF/2002-2 1 Auditor-Fiscal da Receita Federal AFRF/2002-2 COMÉRCIO INTERNACIONAL 01- O imposto de importação tem como elementos que o caracterizam, na essência: a) o lançamento por declaração; o valor da fatura

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios COMÉRCIO E FINANÇAS INTERNACIONAIS Prof. José Alfredo A. Leite (Ph.D.) 2. Políticas Externas, p. 1 2A. PROTECIONISMO Características: O protecionismo compreende um conjunto de políticas econômicas destinadas

Leia mais

A DEFESA COMERCIAL NO BRASIL CONTRA A PRÁTICA DE DUMPING E O INTERESSE SOCIAL

A DEFESA COMERCIAL NO BRASIL CONTRA A PRÁTICA DE DUMPING E O INTERESSE SOCIAL A DEFESA COMERCIAL NO BRASIL CONTRA A PRÁTICA DE DUMPING E O INTERESSE SOCIAL Marcelo Gazzi Taddei advogado, professor de Direito da Faculdade de Direito de Marília (SP), da Fundação de Ensino Eurípides

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Controle Administrativo - Definição Controle exercido por órgãos da Administração Federal

Leia mais

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2003. Prova de AFRF/2003 COMÉRCIO INTERNACIONAL

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2003. Prova de AFRF/2003 COMÉRCIO INTERNACIONAL Prof. Rodrigo Luz 1 COMÉRCIO INTERNACIONAL 01- O Sistema Harmonizado distribui as mercadorias em: a) seções e capítulos, dos quais três foram reservados para utilização futura. Possui seis regras gerais

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

Capitulo 5: O Comércio Internacional

Capitulo 5: O Comércio Internacional Capitulo 5: O Comércio Internacional O comércio nacional é regido por leis e diretrizes que regulamentam as negociações de bens e serviços entre duas ou mais pessoas, sejam físicas ou jurídicas. Dessa

Leia mais

Barreiras ao comércio internacional

Barreiras ao comércio internacional Barreiras ao comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC do Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2007. SOSA, Roosevelt Baldomir. Glossário de

Leia mais

Manual de Negociações Internacionais

Manual de Negociações Internacionais Manual de Negociações Internacionais MANUAL DE NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS FEDERAÇÃO E CENTRO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR DEREX GERÊNCIA

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS 1 LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

www.pwc.com Restrições atualmente impostas nas operações de comércio exterior João Paulo Muntada Calvinatto

www.pwc.com Restrições atualmente impostas nas operações de comércio exterior João Paulo Muntada Calvinatto www.pwc.com Restrições atualmente impostas nas operações de comércio exterior João Paulo Muntada Calvinatto Agenda 1. Panorama acerca das importações brasileiras 2. Sistema de defesa comercial adotado

Leia mais

Letra B: errada. Mesmo os países ditos liberais reconhecem a importância dos acordos regionais e

Letra B: errada. Mesmo os países ditos liberais reconhecem a importância dos acordos regionais e Prof. Rodrigo Teixeira Luz 1 Prova AFRFB/2009 - COMÉRCIO INTERNACIONAL 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países, sendo

Leia mais

POLÍTICA COMERCIAL. Cotas de importação: restrição sobre quantidade Tarifa: específica ou ad-valorem. Subsídio:

POLÍTICA COMERCIAL. Cotas de importação: restrição sobre quantidade Tarifa: específica ou ad-valorem. Subsídio: POLÍTICA COMERCIAL Termos de troca: relação entre os preços praticados nas importações e exportações de um determinado país. Instrumentos de política comercial Cotas de importação: restrição sobre quantidade

Leia mais

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991;

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991; CIRCULAR Nº 3249 Divulga o Regulamento sobre Frete Internacional, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, com base nos artigos 9º e 11 da Lei 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para facilitar o comércio. Elas tratam das condições e responsabilidades

Leia mais

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSOR RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 03

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSOR RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 03 AULA 03 POLÍTICAS COMERCIAIS O comércio exterior de um país trata das relações de compras, trocas e vendas entre uma determinada economia e as demais. Nesse sentido, os países podem possuir diferentes

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula *

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula * EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL Germano Mendes de Paula * No dia 5 de março de 2002, o Presidente George W. Bush anunciou a adoção de medidas de salvaguardas, com vistas

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Iniciativa para as Américas (Miami 94). 34 paises, menos Cuba. Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Reunião Ministeriais de negociação - Denver 1995 - Cartagena

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DECRETO Nº, DE / /

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DECRETO Nº, DE / / 1 PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DECRETO Nº, DE / / Altera o Decreto 1.602, de 23 de agosto de 1995, que regulamenta as normas que disciplinam os procedimentos administrativos, relativos à aplicação de medidas

Leia mais

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX).

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Aula 12 ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Segundo LOPES VASQUES (2007) as políticas de regulamentação, normatização e execução

Leia mais

Formação de Despachante Aduaneiro OEA

Formação de Despachante Aduaneiro OEA Formação de Despachante Aduaneiro OEA Preparatório para o Exame de Qualificação Técnica e Operador Econômico Autorizado OEA para Despachantes Aduaneiros. Objetivo: Este curso tem como objetivo formar os

Leia mais

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS O Aviso n.º 19/2012, de 19.04., do Banco Nacional de Angola estabelece o novo regime para as operações cambiais referentes

Leia mais

Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati

Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati 1) O Conselho Monetário Nacional (CMN), que foi instituído pela Lei 4.595, de 31 de dezembro de 1964, é o órgão responsável por expedir diretrizes gerais

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO MASTER JURIS RJ Prof. LUIZ OLIVEIRA CASTRO JUNGSTEDT Agosto/2015 Aula 4 73 ASILO INSTITUTO LIGADO À PROTEÇÃO DA PESSOA HUMANA MESMO COM O FORTALECIMENTO DO DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CONCEITOS BÁSICOS, COMÉRCIO EXTERIOR, INTERNACIONAL, POLÍTICA COMERCIAL, COMÉRCIO INTERNACIONAL E CRESCIMENTO ECONÔMICO, PROTECIONISMO E LIVRE-CAMBISMO. BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO-TARIFÁRIAS. 1. Marque

Leia mais

Brasil, Vítima do Protecionismo

Brasil, Vítima do Protecionismo Brasil, Vítima do Protecionismo Marcelo Zero 1- A presidenta Dilma Rousseff vem advertindo, em todos os foros globais em que participa, sobre o tsunami monetário, perpetrado principalmente pelos EUA e

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2004/2005. Introdução. Equilíbrio em Autarcia e em Livre Comércio. LEC 207 Economia Internacional

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2004/2005. Introdução. Equilíbrio em Autarcia e em Livre Comércio. LEC 207 Economia Internacional Faculdade de Economia do orto Ano Lectivo de 2004/2005 LEC 207 Economia Internacional olítica Comercial Externa Introdução olítica comercial: conjunto de medidas de política económica que os governos tomam

Leia mais

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA - RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 03

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA - RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 03 AULA 03 (PONTOS 4.4 e 24 DO PROGRAMA DE AFRFB/2012) (PONTO 4.4 e 23 DO PROGRAMA ATRFB/2012) SUMÁRIO DA AULA 1. INTRODUÇÃO - VALORAÇÃO ADUANEIRA... 2 2. HISTÓRICO DA VALORAÇÃO ADUANEIRA... 3 3. PRINCÍPIOS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ÓPTICA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ÓPTICA Ao Departamento de Defesa Comercial - DECOM Secretaria de Comércio Exterior SECEX Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC e-mail: consulta1602@mdic.gov.br Prezado Secretário Felipe

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Diretoria de Planejamento

Diretoria de Planejamento Diretoria de Planejamento Superintendência de Planejamento Nota Técnica 01/2003 - Janeiro de 2003 ALCA ou NAFTA? Ameaças e Oportunidades Celso A. M. Pudwell 1 1. Introdução: Blocos Regionais A Área de

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFRF/1998) O transporte de mercadoria estrangeira contida

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior,

Leia mais

para Provimento de Cargos

para Provimento de Cargos Concurso Público para Provimento de Cargos CODERN 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Concurso. 2

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR 69. Para efeito de classificação das mercadorias na nomenclatura e aplicação das regras gerais para interpretação do Sistema Harmonizado, quando inaplicável a RGI número 1, o artigo incompleto ou inacabado:

Leia mais

Publicação de Legislação de Comércio Exterior Janeiro de 2016. 1- Resumo de legislação de comércio exterior no mês de Janeiro de 2016

Publicação de Legislação de Comércio Exterior Janeiro de 2016. 1- Resumo de legislação de comércio exterior no mês de Janeiro de 2016 São Paulo, 05 de fevereiro de 2016. Informativo de Comércio Exterior ICE Nº 01 Ano 02 Publicação de Legislação de Comércio Exterior Janeiro de 2016 1- Resumo de legislação de comércio exterior no mês de

Leia mais

Competitividade: uma barreira instransponível?

Competitividade: uma barreira instransponível? Competitividade: uma barreira instransponível? Alfredo Fonceca Peris A discussão sobre a importância do setor industrial para o crescimento e o desenvolvimento da economia brasileira ganhou um novo capítulo

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015 ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015 IPI O FRETE NA BASE DE CÁLCULO DO IPI... Pág. 422 ICMS RJ DRAWBACK... Pág. 423 IPI O FRETE NA BASE DE CÁLCULO DO IPI Sumário 1.

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I Olá pessoal, com o intuito de auxiliá-los para a prova de AUDITOR do ICMS-SP/2006, seguem abaixo algumas questões que selecionei dos últimos concursos

Leia mais

Encontrei as seguintes possibilidades razoáveis de recursos: 57- Sobre a Tarifa Externa Comum (TEC), é incorreto afirmar que:

Encontrei as seguintes possibilidades razoáveis de recursos: 57- Sobre a Tarifa Externa Comum (TEC), é incorreto afirmar que: Prezados, Encontrei as seguintes possibilidades razoáveis de recursos: 57- Sobre a Tarifa Externa Comum (TEC), é incorreto afirmar que: a) pelo regime de ex-tarifário, pode haver redução da TEC para bens

Leia mais

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9. Programa 0412 Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora Numero de Ações 19 Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à

Leia mais

Módulo 21 Comércio Internacional

Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Módulo 21 Comércio Internacional Exportação e Importação Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 12.ºS Importação e Exportação A Exportação é a saída de

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE IMPORTAÇÃO

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE IMPORTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE IMPORTAÇÃO 1. Introdução: Toda mercadoria procedente do exterior, importada a título definitivo ou não, sujeita ou não ao pagamento do imposto

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX)

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO A determinação do preço de exportação é um dos aspectos mais importantes e decisivos para a conquista e

Leia mais

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 07

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 07 AULA 07 INSTITUIÇÕES INTERVENIENTES NO COMÉRCIO EXTERIOR Olá pessoal. Esse item sempre consta nos programas de AFRF na parte de Aduana. A atividade de comércio exterior no Brasil é regulamentada e controlada

Leia mais

Novos Instrumentos de Defesa Comercial. Domingos Mosca Consultor Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior

Novos Instrumentos de Defesa Comercial. Domingos Mosca Consultor Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Novos Instrumentos de Defesa Comercial Domingos Mosca Consultor Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior 1. Plano Brasil Maior Intensificação da Defesa Comercial Circunvenção Regras

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

Data: / / Horário: LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

Data: / / Horário: LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO PÓS-GRADUAÇÃO RECEITA FEDERAL em Administração (A3) Tributária - Prova 03 Data: / / Horário: LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO IN Í C I O DA S PROVAS: 1. Ao receber este caderno, confira atentamente

Leia mais

Fiscal - Exercícios Comércio Internacional Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Comércio Internacional Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Comércio Internacional Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01. (AFRF/2002-2) Considerando que o sistema harmonizado de

Leia mais

GUIA ANTIDUMPING. Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior DEREX

GUIA ANTIDUMPING. Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior DEREX GUIA ANTIDUMPING GUIA ANTIDUMPING Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior DEREX PALAVRA DO PRESIDENTE As mudanças econômicas ocorridas nos últimos anos levaram o Brasil a um novo patamar.

Leia mais

Encaminhadas para o DECOM/SECEX/MDIC em 10/02/2014 DECRETO Nº 1.751, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1995.

Encaminhadas para o DECOM/SECEX/MDIC em 10/02/2014 DECRETO Nº 1.751, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1995. Sugestões para atualização do Decreto Nº 1.751, DE 19/12/95 Encaminhadas para o DECOM/SECEX/MDIC em 10/02/2014 DECRETO Nº 1.751, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1995. Regulamenta as normas que disciplinam os procedimentos

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Grupo Danilo Correia, Caê Matta, Ágata Takara, Augusto Rinaldi, Felipe Marinoni, Isabella Lucas, Heitor Guimarães, Rafael

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS por Victor Carvalho Pinto 1. Conceituação Os parâmetros básicos

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais