CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRANIOFACIAL E TIPOLOGIA FACIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRANIOFACIAL E TIPOLOGIA FACIAL"

Transcrição

1 C.E.F.A.C. CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRANIOFACIAL E TIPOLOGIA FACIAL ADRIANA MARIA CASARINI SÃO PAULO

2 C.E.F.A.C. CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRANIOFACIAL E TIPOLOGIA FACIAL MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO DO CURSODE ESPECIALIZAÇÃO EM MOTRICIDADE ORAL ORIENTADORA: MIRIAN GOLDEMBERG ADRIANA MARIA CASARINI SÃO PAULO

3 RESUMO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRANIOFACIAL E TIPOLOGIA FACIAL A fonoaudiologia, na área da Motricidade Oral, vem cada vez mais voltando suas atenções ao atendimento do indivíduo, respeitando a queixa inicial do paciente dentro de suas condições anátomo fisiológicas. Dessa forma, torna-se fundamental conhecer de maneira profunda o crescimento e o desenvolvimento craniofacial para que o atendimento fonoaudiológico seja o mais adequado possível e eficiente para cada indivíduo. Neste sentido, este trabalho visa compreender os conceitos relevantes sobre o crescimento e desenvolvimento craniofacial, buscando também compreender a tipologia facial e estabelecer as relações entre o funcionamento muscular, de acordo com cada tipo de crescimento observado, mesofacial, braquifacial e dolicofacial. 3

4 SUMMARY CRANIOFACIAL GROWTH AND DEVELOPMENT AND FACIAL TYPOLOGIE The speech terapie, specifically the oral motricity, is improving it attention to the treatment of the patients, respecting their complaints, according their own anatomophysiologic conditions. In this way, is very important to know deeply the growing and development system, so that the speech terapie would be the most eficient for each patient. The gools of this research were deeply understand the more relevant meanings about craniofacial and development, facial typologie, to stablish the relations with the muscular activity, between the types of growing, as mesofacial, braquifacial and dolicofacial. 4

5 AGRADECIMENTOS À fonoaudióloga Ignês Maia Ribeiro pela orientação dada e pela leitura desta dissertação. À Dr ª Lia Cristina C. Ribeiro pela leitura e discussão desta dissertação. À fonoaudióloga Giovana Domingos pelo incentivo e acolhida amiga nos momentos de desespero. Aos meus pais, Darcio e Maria, pelo apoio e por me ensinarem a ter coragem de perseguir meus ideais. Ao Fabiano, pelo companheirismo e intenso carinho em todas as horas. Aos meus irmãos, pelo apoio carinhoso em todos os momentos. 5

6 As pessoas que vencem neste mundo são as que procuram as circunstância de que precisam e quando não as encontram, as criam. Bernard Show 6

7 SUMÁRIO Introdução...1 I. Crescimento e desenvolvimento craniofacial...2 A. Crescimento da face...8 B. Crescimento da maxila...10 C. Crescimento da mandíbula...13 II. Tipologia facial...18 Considerações Finais...23 Referências bibliográficas

8 INTRODUÇÃO O crescimento craniofacial é um assunto dominado pelos ortodontistas, mas ainda pouco explorado pelos fonoaudiólogos em sua formação acadêmica. Este conhecimento porém, é vital para sua formação uma vez que trabalhamos intimamente com as estruturas craniofaciais. O conhecimento dos conceitos básicos sobre crescimento e desenvolvimento craniofaciais é de total importância para um perfeito entendimento da fisiologia do sistema estomatognático para um adequada atuação terapêutica. Muitas vezes, na prática fonoaudiológica, nos deparamos com casos que apresentam bons resultados e outros que não conseguem estabelecer os padrões funcionais esperados, embora apresentem o mesmo grau de eficiência daqueles que obtém bons resultados. Partindo desta premissa, fui pesquisar sobre crescimento craniofacial e tipologia facial, uma vez que existem diferentes posturas de língua e lábio que dependem do tipo de face. A partir desses dados conseguiremos uma avaliação mais precisa, podendo assim desempenhar melhor nosso trabalho, traçando uma terapia adequada para os diversos pacientes em terapia fonoaudiológica. Desta maneira, este trabalho faz algumas considerações sobre o crescimento e desenvolvimento craniofacial e os tipos faciais meso, dolico e braquifaciais, e algumas considerações para um melhor diagnóstico e planejamento terapêutico. 8

9 I - CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRANIOFACIAL Neste tópico foram abordados os conceitos desenvolvidos por autores sobre o crescimento e desenvolvimento craniofacial. Quanto ao processo de crescimento, vários autores tem posições distintas. Para Moyers (1979) o crescimento pode ser definido como sendo as mudanças normais na quantidade de substância viva; trata-se então do aspecto quantitativo do desenvolvimento biológico e é medido em unidades de aumento por unidades de tempo. Ele resulta que os processos biológicos, por meio dos quais a matéria viva normalmente se torna maior. Pode ser o resultado direto da divisão celular ou o produto indireto da atividade biológica como por exemplo em ossos e dentes. Tipicamente, igualamos crescimento com aumento, mas há situações em que o crescimento resulta em uma diminuição normal do tamanho. O crescimento enfatiza as mudanças normais de dimensão durante o desenvolvimento; pode resultar em aumento ou diminuição de tamanho, e variar em forma ou proporção, em complexidade, textura, etc. Bianchini (1995) concorda com Moyers e acrescenta que o crescimento é um aspecto quantitativo, ou seja, um aumento do número de células e de volume, em harmonia. De acordo com Araújo (1988), o crescimento ocorre desde o nascimento até a maturidade (estabilização do estágio adulto, atingido através do crescimento e 9

10 desenvolvimento) em zonas distais, em diferentes graus, através de surtos e apresentando certo ritmo. Para Araújo (1988) o crescimento é um processo físicoquímico característico da matéria viva. O crescimento não ocorre como um aumento indiscriminado do volume, pois segundo ele, existe perfeita harmonia no aumento de dimensões, embora o crescimento não se processe uniformemente. Lino (1994) por sua vez postula que o crescimento é o aumento gradativo em tamanho rumo as dimensões faciais que são características da espécie. O desenvolvimento, para Moyers (1979) pode ser definido como toda a série de eventos em seqüência normal entre a fertilização do ovo e o estado adulto. No desenvolvimento crânio facial, Bianchini (1995) e Araújo ( 1988) creditam esses fatos às mudanças estruturais, através das quais os tecidos vão se diferenciando até atingir as características somáticas e funcionais da espécie. Esse desenvolvimento ocorre desde a fecundação até a maturidade do indivíduo. Segundo Lino (1994) o desenvolvimento e o aprimoramento gradativo das funções levam à maturidade fisiológica. Em termos específicos, embora tanto a maxila quanto a mandíbula passem por fases de crescimento bastante ativas, a mandíbula deverá exibir maior velocidade para atingir a maxila. Assim, após a maxila ter esgotado seu crescimento, a mandíbula ainda continuará crescendo para se equiparar à maxila. 10

11 Nesse sentido, Lino ( 1994) ainda observa que o crescimento terminal da mandíbula algumas vezes pode determinar apinhamentos dentários anteriores, sendo este fato falsamente relacionado com à erupção dos terceiros molares. Araújo (1988) afirma que a cabeça humana tem um padrão de crescimento complexo. O crescimento da caixa craniana ou calvarium está limitado pelo crescimento do cérebro por si próprio, enquanto que o crescimento da face e dos ossos da mastigação, são relativamente independentes do crescimento do cérebro. Acrescentando, deve-se lembrar que o crescimento e desenvolvimento craniofacial, são susceptíveis à algumas variáveis, tais como: nutrição, doenças, etnia, fatores sócio-econômicos e hereditários e alterações funcionais. Além desses fatores, também o sexo irá determinar algumas distinções, uma vez que o sexo feminino atinge sua forma facial adulta mais precocemente do que o sexo masculino ( Araújo 1994). Segundo Ferreira (1997) o osso é um tecido altamente metabolizado e, a respeito de sua natureza, apresenta-se como um dos mais plásticos e maleáveis tecidos orgânicos. Por ser um tecido vivo, com vasos, nervos e cadeias linfáticas, tem uma atividade contínua e equilibrada durante toda a vida do indivíduo. É revestido externa e internamente pelo periósteo e endósteo respectivamente que desempenham funções na nutrição do osso e são também fonte de osteoblastos que promovem o crescimento e a reparação óssea. 11

12 Moyers (1979), Dubul (1991) e Bianchini (1995) explicam que o osso pode se formar a partir de duas fontes teciduais: cartilagem e tecido conjuntivo membranoso. Dubul (1991) complementa que a maioria dos ossos provém de modelos cartilaginosos e são chamados de ossos endocondrais. Os ossos chatos do crânio originam-se de uma densa matriz mesenquimal (tecido conjuntivo) e são chamados de intramembranosos ou ossos dérmicos, já que se formam logo abaixo da pele. Bianchini (1995) acrescenta que o osso pode aumentar e diminuir de tamanho apenas através de atividade celular nas superfícies incluindo as interfaces entre o osso e a cartilagem. Conforme Moyers (1979) explica, o crescimento ósseo, ao contrário dos mecanismos de crescimento da maioria dos tecidos moles, envolve um processo de aposição na superfície, direto e cumulativo. A formação de novo tecido ósseo, entretanto, deve ser acompanhada por um processo adicional de remoção por reabsorção. A combinação de adição óssea, em um lado da lâmina cortical, e reabsorção, no outro lado, produz um movimento de crescimento real, que proporciona dimensões progressivamente incrementadas de todo o osso. O crescimento ósseo, no entanto, não envolve apenas aposição externa juntamente com reabsorção interna, como se acreditava. Requer também uma remodelação complexa para manter a configuração de todo o osso, enquanto simultaneamente aumenta em tamanho. Como algumas regiões sofrem caracteristicamente um crescimento mais extenso que outras, o osso se tornaria progressivamente desproporcional sem as correspondentes mudanças de remodelação. Por exemplo, à medida que se depositam grandes quantidades de osso na borda posterior do ramo mandibular, a posição de todas as outras partes da mandíbula tornam-se 12

13 necessariamente alteradas em relação às novas dimensões do osso aumentado. Além disso, as inúmeras áreas mandibulares sofrem uma recolocação progressiva à medida que todo o osso continua aumentando. Assim sendo, a porção posterior do corpo se recoloca no espaço previamente ocupado pelo ramo. A recolocação, mudança na posição relativa de uma área, é realizada pelo processo de remodelação. A remodelação produz um movimento contínuo e em seqüência, e um aumento de todas as partes regionais, de forma que todo o osso mantém uma configuração proporcional durante os contínuos surtos de crescimento diferencial. Em seus estudos, Araújo (1988), Dubul (1991) e Bianchini (1995) explicam resumidamente que o crescimento ocorre por aposição do tecido novo de um lado e absorção óssea na superfície contra lateral, de forma contínua, a fim de manter sua forma (remodelação).durante a fase de crescimento a aposição prevalece, no adulto os dois processos estão equilibrados e na senilidade prevalece a reabsorção. Moyers (1979) ainda acrescenta a existência de dois modos básicos de movimento durante o crescimento - deslizamento e deslocamento. A aposição e a reabsorção diretas do tecido ósseo e as características combinações de ambas, que ocorrem nos diferentes ossos do crânio, produzem um movimento de crescimento na superfície de aposição, denominado deslizamento. O deslizamento ocorre em quase todas as áreas de um osso em crescimento e não está restrito aos principais centros de crescimento. Produz um aumento generalizado, bem como a recolocação das partes envolvidas. Ocorre simultaneamente um deslocamento, porém diferenciado deste, pois, basicamente, são modos diferentes de 13

14 movimentos de crescimento. O deslocamento, é o movimento de todo o osso como uma unidade. Resulta da tração ou pressão pelos diferentes ossos e seus tecidos moles, separando-os à medida que continuam aumentando. O processo global do aumento craniofacial é um conjunto de deslizamento e deslocamento. As complexas combinações de ambos os processos ocorre na maioria dos diferentes ossos do crânio. O deslizamento e o deslocamento podem complementar-se (moverem-se na mesma direção) ou ocorrerem em direções opostas. Além disso, Araújo (1988) e Bianchini (1995) afirmam que a base do crânio sofrem poucas mudanças durante o crescimento e por esta razão são utilizadas como referência, através de pontos que são considerados fixos, em especial a sela túrcica. Segundo Bianchini (1995), a forma da base do crânio quase não muda, tanto em comprimento quanto em largura, desde o nascimento até a idade adulta. Dubul (1991) relata ainda que a grande dificuldade para se explicar crescimento advém da falta de conhecimento sobre a natureza intrínseca do controle do crescimento. Processos genéticos inicialmente comandam a forma e o crescimento. Com isso o crescimento craniano é na verdade um fenômeno com relativo movimento. Este processo é rápido durante suas primeiras fases, e continua, porém, com razão diminuída até chegar a maturidade. 14

15 A. CRESCIMENTO DA FACE Moyers (1979) relata que a disposição estrutural e o crescimento progressivo dos diferentes ossos craniofaciais se adaptam a um sistema de equivalência de região a região. Equivalência é um princípio arquitetural baseado na natureza de duplicação de construção entre os ossos separados. Qualquer osso, ou alguma parte dele é um complemento estrutural de algum outro osso posicionado mais ou menos paralelo a ele. A característica de simetria bilateral de todo o corpo é um exemplo simples do princípio de equilíbrio equivalente. O lado direito da mandíbula é um complemento estrutural do esquerdo, os tamanhos de ambos estão em equilíbrio aproximado e ordinariamente permanecem assim durante o crescimento contínuo. Entretanto, a mandíbula tem outras contrapartes equivalentes no crânio. O arco maxilar ósseo por exemplo, é um equivalente horizontal da porção do corpo da mandíbula que se estende paralelamente a ele. Da mesma maneira, a fossa craniana anterior é um equivalente arquitetural do trajeto paralelo da maxila que está justamente abaixo dele. O crescimento de qualquer desses equivalentes se iguala ao crescimento de suas contrapartes. Quando se avalia o padrão, é importante, portanto, considerar a forma e o crescimento para uma compreensão da morfologia craniana. Para melhor compreender o crescimento da face, Araújo (1988) afirma que é necessário analisar detalhadamente o padrão de desenvolvimento da maxila e suas estruturas adjacentes, bem como o da mandíbula. Segundo Moss (1962) o crescimento dos sinos, da cápsula nasal e dos espaços do esqueleto facial, 15

16 também deve ser considerado, pelo seu desempenho no aumento de tamanho dos componentes ósseos. Bianchini (1993) concorda com Enlow ( 1993) no sentido de, que a face apresenta crescimento por remodelação (que produz a forma, o tamanho e o ajustamento de um osso) e crescimento por deslocamento primário ( aumento do próprio osso) e secundário (movimento de todo o osso causado pelo crescimento separado de outros ossos) Este, em conjunto, provocam o seu deslocamento numa direção parta frente e para baixo, num padrão ideal de crescimento. Além desses conceitos não devemos nunca nos esquecer de que o padrão de crescimento do esqueleto craniofacial é determinado geneticamente. 16

17 B. CRESCIMENTO DA MAXILA Os ossos que compõe a face, são unidos entre si através das suturas, que são consideradas centros ativos de crescimento. Para Petrelli (1992), o osso maxilar se compõe da maxila propriamente dita e da pré-maxila. Uma característica da maxila é o fato de ser um osso relativamente pequeno, porém com inúmeras uniões aos ossos adjacentes (suturas). Os ossos maxilares, particularmente, apresentam crescimento sutural e um processo de aposição e reabsorção (remodelação) que em conjunto provocam o seu deslocamento, apresentando um processo complexo de crescimento, em diversas direções. Porém, a região que apresenta maior aumento, é a região posterior em sua parte superior. O aumento na região posterior se processa por aposição na parte posterior da tuberosidade, aumentando assim, as dimensões anteroposteriores da maxila. Já para Enlow (1993) a quantidade de movimento maxilar para frente é igual ao incremento de osso novo na superfície posterior da tuberosidade maxilar. A força que causa o movimento de deslocamento é a matriz funcional. Segundo Bianchini (1993) a maxila cresce seguindo um padrão membranoso que aumenta continuamente em comprimento, altura e largura simultaneamente. Ferreira (1997) também conclui que o crescimento da maxila ocorre por aposição e reabsorção em quase toda a sua extensão e por proliferação do tecido conjuntivo 17

18 sutural nos pontos em que este osso se conecta com peças vizinhas (frontal, zigomático, palatino e processo pterigóide do esfenóide). Araújo (1988) e Bianchini (1993) explicam que crescimento da maxila está relacionado ao crescimento dos ossos aos quais ele está ligado, principalmente o frontal, zigomático e o temporal. Por outro lado, o crescimento na região alveolar está na dependência do desenvolvimento da oclusão onde os dentes são fontes de estímulo. Quando o dente é pressionado contra o alvéolo pela força mastigatória, suas fibras periodontais tracionam as paredes alveolares, mantendo-as sempre em situação de renovação, livres de reabsorção. A localização das suturas fronto-maxilar, zigomático-maxilar, zigomático-temporal e ptérigo-palatina, foi considerada como responsável pelo movimento para baixo e para frente, pois são todas oblíquas e mais ou menos paralelas entre si, segundo Winmann e Sicher (1955), mas há também evidências de que atividade sutural secundária e provavelmente o crescimento endocondral da base do crânio e do septo nasal, podem estimular o crescimento para frente e para baixo do complexo maxilar. Portanto, não se pode interpretar o crescimento maxilar apenas através da atividade sutural. A principal área de crescimento da maxila situa-se na região do túber, acredita Ferreira (1997). Acrescentando Ferreira (1997) conclui que o septo nasal cartilagíneo serve de orientador do deslocamento para baixo e para frente do complexo maxilar e 18

19 esclarece que a maxila tem um trajeto predominante de crescimento para trás e para cima, porém seu deslocamento se faz para frente e para baixo. Este aumento intenso e contínuo de osso na região do túber maxilar, durante a fase de crescimento é que permitirá aos dentes molares permanentes obterem espaço para a erupção. Araújo (1988) complementa que o crescimento em altura é representado, principalmente, por aposição contínua de osso nos bordos livres dos processos alveolares. A contínua aposição óssea também ocorre no assoalho nasal e na superfície palatina inferior. Por processos alternativos de aposição óssea, os assoalhos nasal e orbitário e a abóbada palatina movem-se para baixo paralelamente. Os segmentos bucais, movem-se para frente e para baixo, assim como a maxila. O crescimento em largura ocorre devido ao crescimento na sutura palatina mediana e outras áreas de junção da maxila com os processos pterigóideos, suturas etmoidal, zigomática, lacrimal e nasal. 19

20 C. CRESCIMENTO DA MANDÍBULA A mandíbula é um osso ímpar, formado inicialmente de duas partes que se unem na sínfise mentoniana e apresenta como característica principal por ser o único osso móvel na face. Nasce a partir de um osso basal delicado; o ramo é curto e projetase apenas levemente acima do corpo da mandíbula. A cartilagem ainda está presente na linha média, possibilitando um crescimento transversal rápido, até começar a se ossificar na segunda metade do primeiro ano de vida. Araújo (1988) explica que durante o primeiro ano de vida o crescimento aposicional é ativo no rebordo alveolar, na superfície posterior do ramo, no côndilo ao lado do bordo inferior e nas superfícies laterais. Segundo Ferreira (1997), na região do côndilo, apófise coronóide e provavelmente também ângulo mandibular, forma-se tecido cartilaginoso, cuja ossificação exercerá papel importante no crescimento mandibular. Portanto, a proliferação do tecido cartilagíneo do côndilo mandibular, a aposição e reabsorção superficial no corpo e ramo ascendente constituem um complexo mecanismo de crescimento deste osso. Para Ferreira (1997), é evidente um crescimento ósseo periostal (aposição e reabsorção) nas superfícies deste osso, remodelando-o e provocando os movimentos de deslizamento e deslocamento. Na mandíbula, ocorre processo semelhante ao que foi visto na maxila, intenso crescimento na borda posterior do 20

21 ramo ascendente, fato que promove espaço para a erupção dos molares permanentes. Quanto ao aumento em largura desse osso, estudos tem demonstrado que esta dimensão muda muito pouco após o sexto ano de vida. Durante a complementação do padrão morfo-genético da mandíbula, Araújo (1988) afirma que ocorre um crescimento endocondral nos côndilos. Segundo Winmann e Sicher (1955), o côndilo é o maior centro de crescimento da mandíbula e é dotado de um potencial genético intrínseco. Para Bianchini (1995) nos primeiros anos origina-se overjet ou sobressaliência (maxila mais avançada em relação a mandíbula) decorrente do crescimento mais retardado da mandíbula em relação à maxila. Com o acelerado crescimento e desenvolvimento geral da mandíbula, ocorre a diminuição do overjet resultando melhor adaptação ântero-posterior deste osso em relação a maxila ao redor dos 6 anos de idade. O mecanismo de crescimento da mandíbula, realizado através de surtos de crescimento, se processa em determinadas áreas com mais intensidade. As direções deste, são para cima e para trás deslocando todo o osso para baixo e para frente. A mandíbula também cresce em expansão seguindo um V aberto a nível dos côndilos mandibulares. Conforme essa direção predomine para cima ou para trás, teremos os movimentos de rotação da mandíbula que determinam os diferentes padrões faciais. 21

22 Ricketts (1972) verificou um padrão de crescimento condilar para cima e para frente em indivíduos com menos altura facial (braquifacial). Observou também, maior altura facial (dolicofacial) com padrão de crescimento condilar posterior e superior. Segundo ele, após o primeiro ano de vida, o crescimento da mandíbula torna-se mais seletivo. O côndilo mostra considerável atividade quando a mandíbula cresce para baixo e para frente. Intenso crescimento aposicional ocorre no bordo posterior do ramo e rebordo alveolar; aumentos significantes ocorrem na parte superior do processo coronóide. O crescimento no côndilo, associado à aposição óssea no rebordo posterior do ramo, contribui para o aumento no comprimento da mandíbula e, quando associado ao crescimento alveolar, contribui para o aumento em altura do copo da mandíbula. Com relação à largura, a mandíbula apresenta o crescimento no rebordo posterior em V, expandindo posteriormente. O crescimento adicional nas suas extremidades naturalmente aumenta a distância entre os pontos terminais. Os dois ramos também divergem, de baixo para cima, de tal modo que o crescimento aposicional na chanfradura coronóide, processo coronóide e côndilo, também aumente a distância superior entre os ramos. Com o desenvolvimento da dentição, o crescimento da região alveolar aumenta em altura o corpo mandibular. A harmonia entre o crescimento mandibular e o crescimento maxilar, dependerá do bom desenvolvimento da oclusão dentária. Com isso a mandíbula passa a desempenhar um papel importante na morfologia de toda a face. 22

23 Segundo Araújo(1988) que pelas características de crescimento mandibular, este osso pode ser dividido em três partes: a) área muscular - diretamente relacionada com a atividade muscular. Desaparecendo esta atividade muscular, o osso entra em fase de remodelação, através de reabsorções. b) área alveolar - responsáveis pelas dimensões verticais da mandíbula; existe diretamente em função da existência dos dentes. c) área basal - determinada morfogeneticamente, responsável pela forma de uma mandíbula senil. No processo de reabsorção e aposição óssea, pode-se verificar intensa atividade durante o período de crescimento mandibular no ramo ascendente, onde em sua parte anterior ocorre reabsorção e na sua parte posterior, aposição. Também ocorrem reabsorções e aposições no corpo mandibular, porém, em menor intensidade. Assim como Bianchini (1995), Ricketts acredita que o crescimento no côndilo apresenta uma direção para trás e para cima, provocando um deslocamento de todo osso para baixo e para frente. Conforme esta direção predomine em uma ou outra direção, teremos também os movimentos de rotação da mandíbula. Bianchini (1993) ainda ressalta que os músculos mastigatórios, principalmente os temporais e masséteres, estimulam o crescimento e especialmente um projeção do mento. 23

24 II. TIPOLOGIA FACIAL Foi abordado neste tópico os diferentes padrões faciais. A variação da forma do esqueleto craniofacial, dentro da normalidade, origina os diversos tipos faciais - longo, médio e curto - cujas características musculares e funcionais são peculiares. Os conceitos apresentados neste trabalho sobre as definições e características da tipologia facial apoiam-se nos trabalhos de Marchesan (1994 e 1999), Krakauer (1995) e Bianchini (1995 e 1999). 1. MESOFACIAL É caracterizado por um padrão facial médio, os terços da face estão equilibrados, e normalmente o arco dentário é oval e mediano. 2. BRAQUIFACIAL OU FACE CURTA Este tipo de face é caracterizado por um padrão de crescimento facial horizontal, altura facial inferior diminuída ( mordida profunda), ângulo mandibular ( goníaco ) diminuído, base posterior do crânio mais longa e arco dentário alargado com possíveis diastemas. O nariz é mais curto e com a ponta arredondada 24

25 (arrebitado)e muitas vezes votado para cima com as narinas aparecendo. O palato duro é mais raso, mais curto e mais largo horizontalmente ( arco maxilar também ). A língua é mais larga. Neste tipo de face, a musculatura é forte, especialmente os músculos masséteres que são encurtados e hipertônicos. O lábio superior pode estar afinado e apoiado em lábio inferior devido à pouca altura facial inferior. A deglutição é facilitada pelo espaço intra-oral diminuído verticalmente. As câmaras nasais e nasofaringe proporcionalmente mais largas no tipo braquifacial, tendem a ser verticalmente mais curtas. Isso determina o aspecto médio-facial largo, o que, por sua vez estabelece um número de outras características faciais que o distingue da face mais longa e mais estreita do tipo dolicofacial. Este tipo facial é comum apresentar deslize mandibular anterior na articulação da fala, especialmente nos fonemas sibilantes /s/, /z/. Ao anteriorizar a mandíbula, devido à mordida profunda, ocorre um excessivo espaçamento dos dentes posteriores verticalmente ( mordida aberta posterior funcional ).Em conseqüência, é comum aparecer sigmatismo ( ceceio ) lateral por escape de língua posterior bilateral ocupando este espaço. Neste caso torna-se necessário a correção ortodôntica ou ortopédica funcional prévia ao trabalho fonoaudiológico. Marchesan (1994) observa que as maiores dificuldades para o fonoaudiólogo em relação a este tipo de face são as distorções nos fonemas sibilantes. Os diastemas 25

26 anteriores também cooperam para fazer surgir um assobio típico na produção da fala e isto pode incomoda fortemente o indivíduo. Nestes casos temos que sem o aumento do espaço interno vertical ou fechamento dos diastemas, fica difícil corrigir totalmente o padrão de fala. 3. DOLICOFACIAL OU FACE LONGA Em seu trabalho, Marchesan (1994) afirma que este paciente é o que mais chega aos nossos consultórios, independentes da oclusão que apresentem. Este tipo de face é caracterizado por um padrão de crescimento vertical, altura facial inferior aumentada com provável mordida aberta esquelética, com o terço inferior mais longo o que dificulta muito a oclusão labial e mesmo o posicionamento da língua que fica muito distante do palato duro. O ângulo mandibular (goníaco) apresenta-se aberto, a base posterior do crânio mais curta e arco dentário longo e estreito. Nariz verticalmente mais longo com ponte nasal e raiz tendendo a ser muito mais alto. Arco maxilar e palato duro mais longo, mais estreito e profundo são características marcantes. A musculatura em geral é débil e estirada, observa-se um déficit de vedamento labial, com significativa distância interlabial e excessiva exposição dos incisivos superiores. Muitas vezes o lábio superior está em hipofunção e há utilização excessiva do músculo mentoniano acompanhado de eversão de lábio inferior. Na 26

27 tentativa de obter selamento labial, há casos onde nota-se hiperfunção dos lábios superiores e inferiores. Alguns casos mostram uma depressão na ponta do nariz ou movimento excessivo desta concomitante ao movimento do lábio superior especialmente na fala, pela ação do músculo depressor do septo nasal e fibras oblíquas do músculo orbicular dos lábios. O sorriso expõe as gengivas, um vez que existe excesso vertical da maxila. A língua está mais anteriorizada em soalho bucal ou entre os dentes devido à distância vertical existente entre o palato e borda inferior da mandíbula. Bianchini e Marchesan (1999) retomam este conceito e afirmam que a postura de repouso da língua é variado. Depende principalmente do padrão respiratório e da posição mandibular. Na ocorrência de rotação póstero - inferior da mandíbula, a parte anterior da língua encontra-se mais baixa e o dorso alto devido à redução do espaço funcional póstero-anterior. Durante a função, aparece predomínio de movimento de anteriorização da língua tanto em mastigação como deglutição e fala, especialmente nos casos de mordida aberta anteriores. A mastigação nesses indivíduos é ineficiente caracterizado principalmente pela falta de vedamento labial, com pouca ação dos músculos bucinadores e da comissura labial, assim como menor tonicidade da musculatura elevadora da mandíbula. Também há menor movimento de lateralização da língua. Este mecanismo que controla a posição e posteriorização do alimento encontra-se prejudicado. Este modo de mastigar interfere na deglutição que comumente apresenta movimento póstero-anterior de língua, com interposição dental especialmente quando existe mordida aberta anterior. Há também participação 27

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

ÍNDICE 3. CRESCIMENTO PRÉ-NATAL DOS OSSOS MAXILARES 3.1 FORMAÇÃO ÓSSEA INTRAMEMBRANOSA 3.2 FORMAÇÃO ÓSSEA ENDOCONDRAL 3.3 TIPOS DE CRESCIMENTO

ÍNDICE 3. CRESCIMENTO PRÉ-NATAL DOS OSSOS MAXILARES 3.1 FORMAÇÃO ÓSSEA INTRAMEMBRANOSA 3.2 FORMAÇÃO ÓSSEA ENDOCONDRAL 3.3 TIPOS DE CRESCIMENTO 1. INTRODUÇÃO ÍNDICE 2. TEORIAS DO CRESCIMENTO 3. CRESCIMENTO PRÉ-NATAL DOS OSSOS MAXILARES 3.1 FORMAÇÃO ÓSSEA INTRAMEMBRANOSA 3.2 FORMAÇÃO ÓSSEA ENDOCONDRAL 3.3 TIPOS DE CRESCIMENTO 4. CRESCIMENTO PÓS-NATAL

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS DE HOJE?

A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS DE HOJE? CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Motricidade Oral A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA x ORTODONTIA NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ORTODONTISTAS DE BARBACENA SOBRE A FONOAUDIOLOGIA

FONOAUDIOLOGIA x ORTODONTIA NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ORTODONTISTAS DE BARBACENA SOBRE A FONOAUDIOLOGIA CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL FONOAUDIOLOGIA x ORTODONTIA NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ORTODONTISTAS DE BARBACENA SOBRE A FONOAUDIOLOGIA MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM PORTADORES DE MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III (DENTÁRIA E/OU ESQUELÉTICA)

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM PORTADORES DE MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III (DENTÁRIA E/OU ESQUELÉTICA) CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM PORTADORES DE MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III (DENTÁRIA E/OU ESQUELÉTICA) VERIDIANA PROSINI RECIFE 1998

Leia mais

GRADE OU ESPORÃO? UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS PONTOS DE VISTA ENTRE ORTODONTISTAS DE BELO HORIZONTE

GRADE OU ESPORÃO? UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS PONTOS DE VISTA ENTRE ORTODONTISTAS DE BELO HORIZONTE CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL GRADE OU ESPORÃO? UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS PONTOS DE VISTA ENTRE ORTODONTISTAS DE BELO HORIZONTE ANA MARIA PARIZZI BELO HORIZONTE

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS Jorge Ferreira Rodrigues 1 Marcella Maria Ribeiro do Amaral Andrade 2 Ernesto Dutra Rodrigues 3 Resumo O tratamento ortodôntico da

Leia mais

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA MARIÂNGELA CUNHA RIBEIRO BOTUCATU 1999 1 CEFAC CENTRO DE

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA MASTIGAÇÃO EM CRIANÇAS* The food influence in chewing in children ADRIANA MARQUES SILVA 1

A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA MASTIGAÇÃO EM CRIANÇAS* The food influence in chewing in children ADRIANA MARQUES SILVA 1 A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA MASTIGAÇÃO EM CRIANÇAS* The food influence in chewing in children ADRIANA MARQUES SILVA 1 Especialização em Motricidade Oral pelo Centro de Especialização em Fonoaudiologia

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

Radiografias Extra-Orais

Radiografias Extra-Orais Unidade Clínica I Radiografias Extra-Orais 25.10.2012 1 Introdução Nos exames radiográficos extra-orais, quer a fonte de raio-x, quer o receptor de imagem (película ou sensores electrónicos) estão colocados

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Exame Clínico Em Ortodontia Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Nome Gênero Dt Data de Nascimento; Pêso Altura; Endereço Telefone (recados); Pai Mãe Profissões Telefones;

Leia mais

Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development

Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development Aleitamento Materno no Desenvolvimento e Formação Saudável da Cavidade Bucal do Bebê Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development Marila Rezende Azevedo Helio Gomes da Silva RESUMO É fundamental

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

CIRURGIA ORTOGNÁTICA: UM ESTUDO SOBRE A ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA

CIRURGIA ORTOGNÁTICA: UM ESTUDO SOBRE A ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL CIRURGIA ORTOGNÁTICA: UM ESTUDO SOBRE A ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA ALESSANDRA LAPERA FERNANDES RIO DE JANEIRO 2000 CEFAC CENTRO DE

Leia mais

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago Mecanismos para Obtenção de Alimentos Ingestão de Grandes Quantidades de Alimento Absorção de nutrientes diretamente do meio Parasitas do sangue Adaptações mais interessantes Aquelas evoluíram p/ obtenção

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE UMA FACE SADIA UM ENFOQUE FONOAUDIOLÓGICO

A CONSTRUÇÃO DE UMA FACE SADIA UM ENFOQUE FONOAUDIOLÓGICO CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL A CONSTRUÇÃO DE UMA FACE SADIA UM ENFOQUE FONOAUDIOLÓGICO ANA LÚCIA BIZARRIA FORTALEZA 1999 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

Leia mais

RESPIRAÇÃO BUCAL E ALTERAÇÕES ESQUELÉTICAS E DENTÁRIAS

RESPIRAÇÃO BUCAL E ALTERAÇÕES ESQUELÉTICAS E DENTÁRIAS CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL RESPIRAÇÃO BUCAL E ALTERAÇÕES ESQUELÉTICAS E DENTÁRIAS MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MOTRICIDADE ORAL.

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS 31) Sobre a reabsorção localizada severa, é correto afirmar que a) os dentes com dilaceração são fatores de risco. b) o tratamento ortodôntico não é o principal fator etiológico.

Leia mais

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB UNIODONTO DRA. NANCI CATANDI PERRONE OSSOS DA FACE MAXILA Forma o maxilar Limite inferior da cavidade orbitária Separa através do processo palatino a cavidade bucal

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3 Série Aparelhos Ortodônticos EXTRABUCAL INTRODUÇÃO A ancoragem extrabucal ainda é um dos recursos mais utilizados e recomendados no tratamento da má oclusão de Classe II, primeira divisão, caracterizada

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Paciente: J. B. L. Idade: 27anos Sexo: feminino Profissão: desempregada Tipo Facial : Braquifacial Classificação de Angle: classe I Leucoderma Queixa Principal

Leia mais

ORTODONTIA - ORTOPEDIA FACIAL E FONOAUDIOLOGIA UMA RELAÇÃO DE FORMA E FUNÇÃO

ORTODONTIA - ORTOPEDIA FACIAL E FONOAUDIOLOGIA UMA RELAÇÃO DE FORMA E FUNÇÃO CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL ORTODONTIA - ORTOPEDIA FACIAL E FONOAUDIOLOGIA UMA RELAÇÃO DE FORMA E FUNÇÃO ANDRÉA JÚNIA CANHETTI MEIRELLES LONDRINA 2000 1 RESUMO

Leia mais

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE Karla Larissa Vas Estero 1, Lizzie Ramos Moretti 1, Luciana Manzotti de Marchi 2, Maria Paula Jacobucci

Leia mais

Exame Miofuncional Orofacial - MBGR Marchesan IQ, Berretin-Felix G, Genaro KF, RehderMI 2. MEDIDAS DA FACE, DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES E DA OCLUSÃO

Exame Miofuncional Orofacial - MBGR Marchesan IQ, Berretin-Felix G, Genaro KF, RehderMI 2. MEDIDAS DA FACE, DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES E DA OCLUSÃO 1 Exame Miofuncional Orofacial - MBGR Marchesan IQ, Berretin-Felix G, Genaro KF, RehderMI Nome: N o Data do exame: / / Idade: anos e meses DN: / / 1. POSTURA CORPORAL (Observar o paciente em pé e descalço)

Leia mais

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE

Leia mais

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University)

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) PARA O ALINHAMENTO DE DENTES ANTERIORES NA DENTIÇÃO PERMANENTE Contate-nos para obter informações sobre o vídeo de

Leia mais

Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição

Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição Marchesan IQ, Furkim AM. Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição. In: Costa M, Castro LP. Tópicos em deglutição e disfagia. Rio de Janeiro: Medsi; 2003. p.375-84. Manobras utilizadas na reabilitação

Leia mais

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O complexo bucomaxilofacial se localiza na face, sendo formado por elementos anatômicos do esqueleto cefálico, articulação temporomandibular,

Leia mais

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG e da PUC-Minas

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

APARELHOS ORTODÔNTICOS. e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES. Ortodontia & Ortopedia Facial. Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117

APARELHOS ORTODÔNTICOS. e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES. Ortodontia & Ortopedia Facial. Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117 APARELHOS ORTODÔNTICOS e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117 Ortodontia & Ortopedia Facial ORTODONTIA E Ortopedia Facial CUI CURI DADOS & OSIDADES Dr. Guilherme Thiesen

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11 Componente Curricular: HISTOLOGIA BUCO-DENTAL Código: ODO-007 Pré-Requisito: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA HUMANA Período Letivo: 2013.1 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11,

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

CAVIDADE BUCAL. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD PhD

CAVIDADE BUCAL. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD PhD CAVIDADE BUCAL Anatomia Aplicada à Odontologia CAVIDADE BUCAL Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em Cirurgia Bucomaxilofacial - UFPel-RS Doutor (PhD) em Cirurgia Maxilofacial -

Leia mais

AMAMENTAÇÃO, HÁBITOS ORAIS DELETÉRIOS E ALTERAÇÕES FONOAUDIOLÓGICAS: UM ESTUDO SOBRE SUAS RELAÇÕES

AMAMENTAÇÃO, HÁBITOS ORAIS DELETÉRIOS E ALTERAÇÕES FONOAUDIOLÓGICAS: UM ESTUDO SOBRE SUAS RELAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AMAMENTAÇÃO, HÁBITOS ORAIS DELETÉRIOS E ALTERAÇÕES FONOAUDIOLÓGICAS: UM ESTUDO SOBRE SUAS RELAÇÕES Francis Farias de Oliveira 1 ; Caroline Maressa Alves

Leia mais

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO O texto abaixo é um parte do capítulo I do livro manual simplificado de diagnóstico e planejamento em ortodontia e ortopedia que pode ser adquirido em nosso site. Os colegas que não frequentaram cursos

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Artigo de Divulgação. Neste trabalho, buscou-se trazer alguma

Artigo de Divulgação. Neste trabalho, buscou-se trazer alguma Artigo de Divulgação Estudo Comparativo Cefalométrico Radiográfico dos Padrões de Crescimento Facial, por meio da Avaliação do Ângulo Sela e Ângulo Goníaco da Análise de Jarabak, em Pacientes Portadores

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes.

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes. ELEMENTOS ESSENCIAIS DE DIAGNÓSTICO Prof. Hélio Almeida de Moraes. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 Documentação do Paciente: 2 1- Ficha Clínica:- 2 A- Identificação: 2 B- Anamnese: 3 História da Família 3 História

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

mesma quantidade que a junção cemento-esmalte, mantendo assim a mesma quantidade de inserção

mesma quantidade que a junção cemento-esmalte, mantendo assim a mesma quantidade de inserção Entrevista diretamente com o tipo e quantidade de tecido gengival que está presente em cada paciente. Se um paciente tiver um biotipo de tecido espesso, então isto poderia oferecer proteção ao dente, prevenindo

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Educação para Saúde SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR: ANATOMIA

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Avaliação do Biotipo Facial em Pacientes com Respiração Oral ou Mista

Avaliação do Biotipo Facial em Pacientes com Respiração Oral ou Mista UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS PÓLO DE VISEU DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Avaliação do Biotipo Facial em Pacientes com Respiração Oral ou Mista Dissertação apresentada

Leia mais

Orientação para interessados em tratamento ortodôntico

Orientação para interessados em tratamento ortodôntico 1 Orientação para interessados em tratamento ortodôntico Dras. Rosana Gerab Tramontina e Ana Carolina Muzete de Paula Ortodontia é a ciência que estuda o crescimento e o desenvolvimento da face e das dentições

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E DIETA ALIMENTAR NA DENTIÇÃO DECÍDUA

FONOAUDIOLOGIA E DIETA ALIMENTAR NA DENTIÇÃO DECÍDUA CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL FONOAUDIOLOGIA E DIETA ALIMENTAR NA DENTIÇÃO DECÍDUA ANA CALINE NÓBREGA DA COSTA RECIFE 1998 1 CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Análise das alterações miofuncionais na correção da mordida aberta anterior

Análise das alterações miofuncionais na correção da mordida aberta anterior Caso Clínico Análise das alterações miofuncionais na correção da mordida aberta anterior Joanna A. Binato*, Wagner S. Alviano**, Maria da Conceição A. Ferraz***, Margareth M. G. de Souza**** A mordida

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA LÍNGUA NA MORDIDA ABERTA: Atuação ortodôntica e fonoaudiológica

O POSICIONAMENTO DA LÍNGUA NA MORDIDA ABERTA: Atuação ortodôntica e fonoaudiológica CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia clínica Motricidade Oral O POSICIONAMENTO DA LÍNGUA NA MORDIDA ABERTA: Atuação ortodôntica e fonoaudiológica Monografia de conclusão do curso de Especialização

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA AMPLITUDE DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES EM CRIANÇAS* RANGE OF MOTION ANALISES IN CHILDREN

VERIFICAÇÃO DA AMPLITUDE DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES EM CRIANÇAS* RANGE OF MOTION ANALISES IN CHILDREN 35 VERIFICAÇÃO DA AMPLITUDE DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES EM CRIANÇAS* RANGE OF MOTION ANALISES IN CHILDREN Célia Miyuki Hamazaki 1 Raquel Kawaura 1 Esther Mandelbaum Gonçalves Bianchini 2 Vicente José Assencio-Ferreira

Leia mais

A Importância do Eixo Corporal na Síndrome do Deglutidor Atípico

A Importância do Eixo Corporal na Síndrome do Deglutidor Atípico UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE PSICOMOTRICIDADE A Importância do Eixo Corporal na Síndrome do Deglutidor Atípico Por: Tatiana Ferreira Torraco Orientador:

Leia mais

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos Crianças com deformidades na face Avaliação da via aérea difícil Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos anomalias anatômicas cavidade oral espaço mandibular anterior maxila articulação

Leia mais

Turma de Aperfeiçoamento Clínico A2

Turma de Aperfeiçoamento Clínico A2 Documentação Ortodôntica Turma de Aperfeiçoamento Clínico A2 Documentação Ortodôntica É a organização sistemática de elementos que conduzem a um diagnóstico e planejamento, associado à informações de extrema

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APROXIMAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DA FONOAUDIOLOGIA E DA ODONTOLOGIA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APROXIMAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DA FONOAUDIOLOGIA E DA ODONTOLOGIA CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APROXIMAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DA FONOAUDIOLOGIA E DA ODONTOLOGIA GABRIELA BARBOSA MARCONDES SÃO PAULO 1999

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância Marchesan IQ. Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância. In: Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia, Tratado de Otorrinolaringologia. São Paulo: Roca; 2003. V.3 cap. 54 p.520-33. Distúrbios

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot.

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot. APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: Daniel Moreira Monitor Virtual de Anatomia http://estudandoanatomia.blogspot.com APOSTILAS, JOGOS,

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

Distância interincisiva máxima em crianças na dentadura mista

Distância interincisiva máxima em crianças na dentadura mista A r t i g o d e F o n o a u d i o l o g i a Distância interincisiva máxima em crianças na dentadura mista Débora Martins Cattoni*, Fernanda Dreux Miranda Fernandes** Resumo A distância interincisiva máxima

Leia mais

ANÁLISE RADIOGRÁFICA DA POSIÇÃO HABITUAL DA LÍNGUA NOS PORTADORES DE DISTOCLUSÃO*

ANÁLISE RADIOGRÁFICA DA POSIÇÃO HABITUAL DA LÍNGUA NOS PORTADORES DE DISTOCLUSÃO* 1 ANÁLISE RADIOGRÁFICA DA POSIÇÃO HABITUAL DA LÍNGUA NOS PORTADORES DE DISTOCLUSÃO* Radiographic analysis of the tongue s habitual position in distoclusion MARION RENÉE MORY(1) LAISA EGLI DE CAMPOS BARONI

Leia mais

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA Data: Nome do Paciente: Orientador(es): Nome do Aluno: QUALIFICAÇÃO Nacionalidade: Naturalidade: Etnia: Gênero: Data Nascimento: IDADE: Anos: Meses: Endereço: Bairro:

Leia mais

Fazendo um tópico bem feito e dependendo da técnica de cada um as vezes passa sem que o paciente se incomode.

Fazendo um tópico bem feito e dependendo da técnica de cada um as vezes passa sem que o paciente se incomode. ANESTESIA EM ODONTOPEDIATRIA Prof. Patrícia O objetivo da nossa aula é mostrar as anestesia tópicas e injetáveis, fazer com que vocês tomem todo cuidado pra evitar que vocês façam com que esse momento

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO HISTOLOGIA 2011/12 PROFESSOR PEDRO CÂMARA FUNÇÕES FUNÇÕES DOS S MECÂNICA SUPORTE DUREZA ARQUITECTURA INTERNA MOVIMENTO

Leia mais

III. 4 - Tecido Ósseo

III. 4 - Tecido Ósseo Capítulo 2: Parte 4 1 III. 4 - Tecido Ósseo É um tecido conjuntivo resistente em virtude da impregnação da sua substância fundamental pelos sais de cálcio, principalmente o fosfato e o carbonato de cálcio.

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL Patrícia Tiemi Kikuti Orita

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA GABARITO OFICIAL APÓS ANÁLISE DE RECURSOS CONCURSO: IE/EA CAMAR/CADAR/CAFAR 2009 CARGO: ORTODONTIA (ORD)

COMANDO DA AERONÁUTICA GABARITO OFICIAL APÓS ANÁLISE DE RECURSOS CONCURSO: IE/EA CAMAR/CADAR/CAFAR 2009 CARGO: ORTODONTIA (ORD) COMANDO DA AERONÁUTICA GABARITO OFICIAL APÓS ANÁLISE DE RECURSOS CONCURSO: IE/EA CAMAR/CADAR/CAFAR 2009 CARGO: ORTODONTIA (ORD) VERSÃO: A 01 D 02 C 03 D 04 A 05 B 06 A 07 D 08 A 09 B 10 B 11 C Confirma-se

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior A RTIGO DE D IVULGA ÇÃO Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior Roberto M. A. LIMA FILHO*, Anna Carolina LIMA**, José H. G. de OLIVEIRA***, Antonio C. de

Leia mais