INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM PORTADORES DE MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III (DENTÁRIA E/OU ESQUELÉTICA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM PORTADORES DE MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III (DENTÁRIA E/OU ESQUELÉTICA)"

Transcrição

1 CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM PORTADORES DE MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III (DENTÁRIA E/OU ESQUELÉTICA) VERIDIANA PROSINI RECIFE

2 CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL Intervenção Fonoaudiológica em Portadores de Má Oclusão de Classe III (Dentária e/ou Esquelética) MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM MOTRICIDADE ORAL ORIENTADORA: MIRIAN GOLDENBERG VERIDIANA PROSINI RECIFE

3 RESUMO Este trabalho teve como objetivo a realização de uma pesquisa teórica referente à má oclusão de Classe III de Angle. O estudo foi realizado em duas etapas, incluindo revisão bibliográfica e utilização de questionários dirigidos aos profissionais de saúde envolvidos com a área em questão. O estudo abordou: incidência de casos, grau da má oclusão, caracterização do quadro das alterações oromiofaciais apresentadas, resultados terapêuticos e prognóstico, e ainda, o fator da interdisciplinaridade no tratamento da Classe III, fundamental para a obtenção dos progressos esperados em cada caso. Fatores relacionados à intervenção fonoaudiológica, nesses pacientes, foram discutidos, chegando-se à conclusão de que o portador de má oclusão de Classe III de Angle apresenta um quadro significativo de alterações oromiofacias. A correção da má oclusão, associada ao tratamento fonoaudiológico, resulta em melhores prognósticos para os referidos casos. 3

4 Meu eterno amor e gratidão à Senhora Durcila Anderaus Ferreira, minha avó, que me proporcionou, entre tantas realizações, esta grande conquista profissional. AGRADECIMENTOS 4

5 A Deus. A minha mãe, Ana Maria Prosini, pelo suporte durante esse difícil período, e também pela correção deste trabalho. A minha irmã, Doutora Priscila Prosini da Fonte, por sua colaboração e auxílio em todas as etapas desta pesquisa. A Celso Luís Moura Ramos, pelo apoio, amizade e compreensão nos momentos difíceis. A todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho. 5

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DISCUSSÃO TEÓRICA Conceitos básicos Classificação da más oclusões O paciente classe III Intervenção fonoaudiológica Intervenção ortodôntica / ortopédica Intervenção ortopédica-funcional Intervenção cirúrgica Questionários: objetivos ANÁLISE DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...27 ANEXOS 6

7 1. INTRODUÇÃO Quando se trata de oclusão, sabe-se que estão envolvidos todos os componentes do sistema estomatognático: dentes, ossos, músculos, glândulas, sistema linfático, além de inervação, irrigação, e de todos os elementos de sua constituição anátomo-fisiológica. Em sentido mais restrito, a oclusão pode ser definida como o contato entre os dentes das arcadas superior e inferior. Esse contato, ou articulação, sofre modificações de acordo com o crescimento e o desenvolvimento de cada indivíduo, a considerar desde as erupções dentárias decíduas (por volta dos seis meses de idade), até completar-se a dentadura permanente, quando todos os dentes já estão erupcionados e em suas alturas definitivas (entre 12 e 13 anos de idade). Nessa idade, porém, ainda há crescimento craniofacial, que é também fator determinante na oclusão. O padrão oclusal, considerado adequado ou não, modifica-se de acordo com as fases da dentição, porém, quando é observada falta de harmonia na oclusão, podemos nomeá-la má oclusão. As más oclusões podem ocorrer de formas diferentes e, para melhor compreendê-las, pode-se organizá-las em grupos de acordo com suas características. A forma de classificação mais utilizada por dentistas, ortodontistas, fonoaudiólogos e profissionais afins é a classificação de Angle, que se baseia nas relações ântero-posteriores dos maxilares, considerando, principalmente, a relação entre os primeiros molares superior e inferior, e que 7

8 também é usada para classificar as relações esqueléticas. Essa classificação divide as más oclusões em: Classes I, II e III. Nesta pesquisa, trataremos das más oclusões de Classe III, desde sua definição, até as formas de tratamento ortodôntico e/ou ortopédico-funcional, cirúrgico (nos casos mais severos), e, principalmente, serão consideradas as possibilidades de intervenção fonoaudiológica (tratamento miofuncional) antes, durante e após a correção da má oclusão. Sabe-se que os pacientes com esse tipo de má oclusão podem ter prejuízos em funções do sistema estomatognático, tais como: respiração, mastigação, deglutição e fala, devido à desproporção entre maxila e mandíbula que pode ocorrer pela presença de atresia maxilar e/ou de projeção mandibular, ou devido ao posicionamento incorreto dos elementos dentários. Nos casos menos graves, em que é caracterizada pequena discrepância esquelética, alterações de origem dentária ou funcional, a correção da má oclusão, associada à terapia miofuncional, que irá tratar as alterações relativas à musculatura e funções estomatognáticas, assegura um prognóstico melhor para o caso. Já, em casos mais severos, onde a forma inadequada dos maxilares impede a função adequada, geralmente adota-se conduta cirúrgica seguida de terapia fonoaudiológica, a fim de possibilitar ao paciente a adaptação necessária à nova forma. Os casos de má oclusão de Classe III são os que representam a mais baixa incidência nos consultórios fonoaudiológicos. Estaria esse fato relacionado apenas à baixa prevalência populacional de pacientes portadores de má oclusão do tipo Classe III, ou existiria algum fator que dificulta o encaminhamento desses pacientes para avaliação fonoaudiológica? 8

9 Quanto à prevalência de casos de má oclusão de Classe III, Graber (1974) relata que é muito baixa, aparecendo nos estudos epidemiológicos como a menos prevalente. Segundo o autor, apenas em populações orientais, essa má oclusão aparece com prevalência significativa. A grande maioria de casos de má oclusão é a de Classe I com apinhamentos, seguida das más oclusões de Classe II. Freqüentemente, a necessidade de tratamento fonoaudológico em pacientes Classe III é questionada. Seria adequado aguardar-se a correção cirúrgica dessa patologia sem, ao menos, proporcionar ao paciente uma avaliação fonoaudiológica? Como a terapia fonoaudiológica poderia beneficiar esses pacientes, partindo-se do princípio de que existem alterações miofuncionais nesses casos? Existe uma relação entre a terapia fonoaudiológica e a linha de tratamento dentário à qual o paciente é submetido? Evidências clínicas têm demonstrado que o tratamento fonoaudiológico tem suas indicações em pacientes portadores de má oclusão de Classe III. Mesmo quando existem limitações na correção da má oclusão que determinem restrições ao trabalho miofuncional, deve-se considerar os benefícios que ele pode trazer ao paciente. É importante ressaltar que existe uma enorme carência de bibliografia a respeito do assunto. As informações disponíveis sobre a área em questão são vagas e discordantes. Apesar disso, é significativo o quadro de alterações em funções estomatognáticas que o paciente Classe III apresenta. A intenção deste trabalho é a realização de um aprofundamento teórico do tema em questão, através de pesquisa bibliográfica e do recurso de 9

10 questionários direcionados a profissionais envolvidos com o tratamento de pacientes Classe III. 2. DISCUSSÃO TEÓRICA 2.1 Conceitos básicos A compreensão do termo má oclusão depende do conhecimento das características de normalidade da oclusão dentária, que pode ser definida como: o contato entre as arcadas e a força resultante entre os dentes quando ocorre esse contato. A oclusão ideal, numa visão estática, é aquela em que existe harmonia de todo o sistema estomatognático, quando os dentes estão em intercuspidação e com perfeita adaptação entre suas superfícies oclusais. Sob o ponto de vista funcional, oclusão ideal é aquela em que os contatos são simultâneos e estáveis entre todos os dentes na posição intercuspideana, sem que haja interferência nos movimentos mandibulares funcionais; deve haver distribuição das forças oclusais, nas zonas de trabalho, pelo maior número de dentes; a resultante das forças oclusais deve seguir uma direção axial ótima para as estruturas de suporte do dente; e finalmente, deve existir um equilíbrio funcional com a articulação têmporo-mandibular e o sistema neuro-muscular da mandíbula. (Marchesan, 1993, pg 18). Quando existe alguma característica fora dos parâmetros de uma oclusão ideal, pode-se estar diante de algum tipo de má oclusão. Para melhor compreendê-las, pode-se organizá-las e classificá-las em grupos de acordo com a relação estabelecida entre as arcadas. 10

11 2.2 Classificação das más oclusões O sistema de classificação mais utilizado pelos profissionais das áreas odontológica e fonoaudiológica é o sistema de Angle modificado, que é baseado nas relações ântero-posteriores entre maxila e mandíbula, com ênfase nas relações entre os primeiros molares permanentes. Angle, originalmente, tomou, como parâmetro de classificação das más oclusões, a relação mesiodistal entre os primeiros molares, porém, devido a diversos fatores, como por exemplo, funcionamento muscular, crescimento ósseo, e, até mesmo, o fato de que essa relação não permanece estável durante todas as etapas do desenvolvimento da dentição, tornou-se necessário observar as relações esqueléticas envolvidas nesse tipo de classificação. Segundo Moyers (1991), atualmente, os clínicos utilizam o sistema de Angle de modo diferente do originalmente apresentado, pois as bases de classificação mudaram dos molares para as relações esqueléticas. Classificação de Angle: Classe I (neutroclusão) A cúspide mesiovestibular do primeiro molar superior oclui no sulco mesiovestibular do primeiro molar inferior, ou seja, a relação mesiodistal está normal e a má oclusão é relativa a maus posicionamentos dentários que se traduzem em desalinhamentos, apinhamentos, discrepâncias em tamanhos de dentes, posições, giroversões, etc. Sob o ponto de vista 11

12 esquelético existe, neste caso, uma correta relação ântero-posterior entre maxila e mandíbula. Classe II (distoclusão) A cúspide distovestibular do primeiro molar superior oclui no sulco mesiovestibular do primeiro molar inferior. Avaliando-se as bases ósseas, observa-se retrognatismo mandibular, prognatismo maxilar ou, ainda, as duas situações ocorrendo simultaneamente. A Classe II está ainda subdividida em: Divisão 1: com incisivos centrais superiores em labioversão. Divisão 2: com incisivos centrais superiores em linguoversão. Classe III (mesioclusão) A cúspide mesiovestibular do primeiro molar superior articula-se com o sulco mesial do primeiro molar inferior. Com relação ao posicionamento das bases esqueletais, nesse tipo de má oclusão, pode ocorrer prognatismo mandibular, retrognatismo maxilar ou uma combinação de ambos. As desproporções entre maxila e mandíbula induzem alterações no perfil do paciente. De acordo com o tipo de má oclusão, o paciente poderá apresentar três tipos de perfil: perfil reto (geralmente encontrado em pacientes de Classe I), perfil convexo (indicando Classe II) e perfil côncavo (indicando Classe III). Analisando a face do paciente no plano vertical, encontram-se, novamente, três tipos de faces: médias, curtas e longas. A importância da 12

13 análise da tipologia facial reside no fato de que as características da oclusão estão fortemente relacionadas ao tipo de face do paciente. 2.3 O paciente Classe III Caracterizada por prognatismo mandibular e/ou por deficiência maxilar (Moyers, 1991), a má oclusão de Classe III está associada à mordida cruzada anterior, que poderá trazer inadequação de postura labial. Dependendo da severidade do caso, o lábio inferior, acompanhando o posicionamento dentário, pode situar-se anteriorizado ao superior. Pode-se observar, ainda, um apoio do lábio superior sobre os incisivos inferiores. Alterações na postura de lábios e língua, em pacientes Classe III, foram observadas por Bianchini (1995). Segundo a autora, os lábios podem estar abertos, com o inferior hipotônico, ou fechados, ocasionando alongamento do lábio superior e hiperfunção do músculo mentoniano. Quanto à língua, observase posicionamento inferior, proporcionado pelo espaço que a arcada oferece, e, por conseqüência de seu posicionamento, terá tensão diminuída. As alterações posturais de lábios e língua irão interferir nas demais funções desempenhadas pelo sistema estomatognático. Proffit (1991) percebe e refere a relação existente entre más oclusões e dificuldades na função oral: A mastigação pode estar prejudicada, e, muitas vezes, esses pacientes aprendem a evitar certos alimentos duros para cortar e mastigar. Durante a mastigação, eles podem morder os lábios e as bochechas. Esses pacientes indicam tais problemas e relatam que, após o tratamento ortodôntico, sua função oral melhorou (pg. 138). Segundo Bianchini (1995), a mordida cruzada 13

14 anterior irá dificultar a mastigação em eficiência e coordenação, prevalecendo os movimentos verticais. A utilização do dorso de língua que, em direção ao palato, atua no esmagamento do alimento, também será prejudicada. A deglutição deverá estar adaptada ao padrão anatômico do indivíduo (Marchesan,1994). Isso significa que podem estar presentes: anteriorização de língua e participação da musculatura peri-oral (Bianchini, 1995). Podem ocorrer, também, distorções dos sons da fala, com movimentos de ponta de língua substituídos pelo meio ou dorso, fonemas labiais e/ou labiodentais efetuados com predomínio de lábio superior e movimentos dorsais de língua incoordenados (Bianchini, 1995, pg. 21). Os fonemas sibilantes (s, z, ch, j) são freqüentemente afetados devido às alterações de língua, e a articulação de f e v pode ocorrer de forma inversa: lábio superior em contato com o bordo incisal dos dentes inferiores (Silva, s/d). Moyers (1991) estabelece a Classe III como uma displasia esquelética bem definida, considerando, porém, que existem Classes III funcionais. Em adultos, nos casos mais severos, o tratamento ortodôntico visa a camuflar o padrão esquelético com finalidade de melhoria estética e funcional, mas, em crianças, pode-se tentar a correção através de direcionamento de crescimento. Alguns autores fazem referência à intervenção cirúrgica em pacientes Classe III, que está diretamente relacionada à severidade do caso. Ocasionalmente, a cirurgia deve ser considerada para melhor tratar a Classe III grave (Moyers, 1991). Bianchini (1995) concorda e acrescenta que a Classe III, em que aparecem recuo de maxila e avanço de mandíbula, é o tipo mais severo e terá, freqüentemente, indicação cirúrgica. Em adultos, os melhores 14

15 resultados são aqueles obtidos através de cirurgias ortognáticas (Marchesan, 1994). 2.4 Intervenção fonoaudiológica Marchesan (1994), em seu estudo, O trabalho fonoaudiológico nas alterações do sistema estomatognático, faz questionamentos bastante interessantes, como por exemplo: seria de fato importante todo paciente, em acompanhamento dentário, sofrer intervenção do fonoaudiólogo? Questiona, ainda, o momento ideal para a intervenção e refere descrédito no trabalho fonoaudiológico isolado do trabalho ortodôntico em Classe III. Para Ferraz (1997), o tratamento miofuncional deve ser indicado sempre que forem observadas alterações oromiofaciais que possam prejudicar o paciente ou o tratamento ortodôntico. Segundo a autora, não adiantaria efetuar correção ortodôntica sem eliminação da causa da pré-oclusão inicial. Quanto à realização de trabalho fonoaudiológico preventivo em pacientes de Classe III, Marchesan (1994) refere grande importância. Segundo a autora, a prevenção, no aspecto fonoaudiológico, estaria baseada na orientação a respeito das funções de mastigar e respirar corretamente, bem como da postura adequada de lábios e língua. Ferraz (1997) concorda em realizar a terapia miofuncional preventiva, principalmente em crianças com idade entre 4 e 5 anos. Para a autora, a realização da terapia, em adolescentes e adultos, paralela aos tratamentos ortodônticos e/ou ortopédicos, apresenta resultados positivos. 15

16 2.5 Intervenção ortodôntica/ortopédica Existem diferentes linhas de tratamento para a correção dentária e/ou esquelética das más oclusões de Classe III. Observou-se, na literatura, referências aos tratamentos ortodôntico/ortopédico, ortopédico-funcional e cirúrgico. Segundo Moyers (1991), a Ortodontia é um ramo da Odontologia que estuda o desenvolvimento da oclusão, o crescimento do complexo crânio-facial, e tem como objetivo o tratamento das anomalias dento-faciais, ou más oclusões. Dentro dos prejuízos que podem ocorrer pela presença da má oclusão, estão as alterações mastigatórias, distúrbios na articulação têmporomandibular e, ainda, alterações na fala. Para Petrelli (1994), o tratamento ortodôntico pretende melhorar a função muscular e o posicionamento dos dentes através do uso de aparelhos apropriados, a fim de favorecer a mastigação, a oclusão, a fala, etc. O tratamento é dividido em: preventivo, interceptador (quando já há indícios de instalação da má oclusão) e corretivo (na presença da má oclusão). 16

17 Faltin, citado por Petrelli (1994), divide a Ortodontia em: ortodontia (propriamente dita) fixa e/ou removível, e ortopedia maxilar mecânica e/ou funcional. Atualmente, o Conselho Federal de Odontologia estabelece a especialidade como Ortodontia e Ortopedia Facial, que inclui a ortodontia e a ortopedia mecânica e funcional (documento anexo [1] ). O tratamento exclusivamente ortodôntico para alterações de Classe III está restrito às más oclusões dentárias, nas quais, as bases ósseas estão bem posicionadas e existe apenas um posicionamento dentário incorreto. Esse tratamento também pode ser utilizado quando a desproporção esquelética é muito suave, e o tratamento propõe-se a mascarar a má oclusão esquelética, através da compensação das posições dentárias. A aparatologia utilizada nesses casos pode ser removível ou fixa, dependendo da idade do paciente e dos objetivos a serem alcançados. O tratamento ortodôntico/ortopédico mecânico para a Classe III está indicado para os casos de má oclusão esquelética suave e moderada, quando existe possibilidade de se evitar a cirurgia ortognática. O objetivo desse tipo de tratamento é reduzir a discrepância esquelética, através de aparelhos ortopédicos mecânicos, e corrigir o posicionamento dentário inadequado. Os aparelhos ortopédicos mecânicos diferem dos funcionais devido à emissão de forças pesadas sobre o esqueleto; eles podem ser utilizados: no redirecionamento do crescimento da mandíbula, atuando sobre o prognatismo mandibular; com o propósito de abrir mecanicamente a sutura palatina maxilar, expandindo o osso maxilar no sentido transversal; ou tracionando a maxila para 17

18 a frente, com o objetivo de atuar sobre o retrognatismo maxilar. Já os aparelhos funcionais atuam adequando o ambiente oro-facial, e não liberam forças. 2.6 Intervenção ortopédico-funcional Fränkel & Fränkel (1990) consideram que, do ponto de vista funcional, as desproporções ósseas e/ou dentárias presentes na má oclusão de Classe III estão interrelacionadas às alterações funcionais no que diz respeito à causalidade. Sendo assim, a base do tratamento ortopédico-funcional irá consistir na correção de tais alterações. Dentre as implicações desse tipo de má oclusão, estão a redução do espaço funcional oral superior e o aumento do espaço inferior em maior ou menor escala. A ortopedia funcional dos maxilares relaciona tais alterações a problemas com a estrutura e a postura musculares da cápsula bucal de tecidos moles. Outro fator a ser considerado é a interferência exercida pela língua, que, na presença de um palato atrésico, pode se posicionar inferiormente, proporcionando aumento do crescimento mandibular. Nesse sentido, o tratamento não interfere, reduzindo o volume da língua, mas preserva seus movimentos funcionais e sua posição postural. Através da aplicação de determinada força a estruturas vizinhas, a língua irá adequar sua postura e passar a ter uma ação apropriada ao desenvolvimento maxilar. O tratamento ortopédico-funcional terá como diretriz a expansão da cápsula externa, formada pelos tecidos moles, por meio da aplicação de tensão nos tecidos e inserções periostais, que irão desencadear determinadas 18

19 respostas da estrutura óssea a eles relacionada. Sua atuação funcional está em retreinar a musculatura associada a determinada estrutura óssea com o objetivo de, valendo-se de sua plasticidade, modificá-la para padrão adequado. Portanto, na má oclusão de Classe III, além de proporcionar atuação positiva da língua no desenvolvimento da maxila, o tratamento ortopédico funcional, através da aplicação de forças nos tecidos moles relacionados, atua também diretamente na maxila para obtenção de melhor desenvolvimento ósseo, que se traduz pelo movimento de expansão. Nos casos onde há crescimento mandibular além do esperado, estará associada ao tratamento, a tentativa de contenção desse crescimento pelo mesmo mecanismo de aplicação das forças naturais. Vale destacar que, segundo Fränkel & Fränkel, os resultados do tratamento estão na dependência direta da idade em que o paciente irá iniciálo, já que as possibilidades terapêuticas crescem quando o tratamento se vale dos surtos de crescimento ósseo do paciente. 2.7 Intervenção cirúrgica Segundo Moyers (1991), a cirurgia ortognática surgiu devido às dificuldades encontradas em tratar as más oclusões que apresentavam maior grau de severidade. Os aparelhos ortopédicos conseguem modificações significativas em discrepâncias esqueléticas apresentadas por crianças, a não ser em casos de displasias esqueléticas severas. Moyers (1991) é bastante categórico quanto à presença desse tipo de alteração em adultos, dizendo que sua correção por 19

20 redirecionamento do crescimento simplesmente não é possível. É, principalmente, nesse tipo de caso que está indicada a cirurgia ortognática. A primeira das indicações cirúrgicas referida por Proffit (1991) é para tratamento do prognatismo mandibular que, dependendo do caso, poderá ser corrigido com manobra de avanço maxilar ou redução mandibular. Ele sugere, em pacientes que apresentam crescimento excessivo, que se aguarde o término do crescimento para a intervenção cirúrgica, já que os resultados obtidos em cirurgia precoce poderiam ser prejudicados pelo crescimento ativo, que resultaria em prováveis recidivas, principalmente nos casos de prognatismo mandibular. 2.8 Questionários: objetivos Como parte da proposta deste estudo, foram elaborados questionários para alguns dos profissionais envolvidos com o tratamento da Classe III. O primeiro questionário, elaborado para fonoaudiólogos que atuam na área de motricidade oral (anexo 2), teve o objetivo de investigar: a prevalência de pacientes portadores de má oclusão de Classe III nos consultórios fonoaudiológicos; a origem dos encaminhamentos desses pacientes à fonoaudiologia; e informações sobre o quadro de alterações miofuncionais, momento ideal de intervenção fonoaudiológica, efetividade e prognóstico fonoaudiológico dos casos. O questionário destinado aos profisionais que trabalham na correção da má oclusão (anexo 3), investiga a prevalência dos casos de Classe III; a conduta terapêutica aplicada a esses pacientes de acordo com a severidade 20

21 dos casos; a credibilidade desses profissionais frente ao tratamento fonoaudiológico; e a conduta de encaminhamento do paciente Classe III. 3. ANÁLISE DOS RESULTADOS Questionário apresentado aos fonoaudiólogos No questionário dirigido aos fonoaudiólogos, 92,31% dos entrevistados referiram que a freqüência de pacientes Classe III em seu consultório, em relação a outros tipos de má oclusão, é menor. 7,69% dos profissionais referiram freqüência inexistente de pacientes Classe III. Esses números vêm confirmar os achados de Graber (1974) que, em seus estudos epidemiológicos, aponta a baixa prevalência desse tipo de má oclusão. Quanto à procedência dos encaminhamentos de pacientes Classe III ao consultório fonoaudiológico, observou-se que 53,85% desses pacientes foram encaminhados exclusivamente por ortodontistas. Em 46,15% dos questionários respondidos, houve associação dos encaminhamentos feitos por ortodontistas, dentistas que trabalham com ortopedia funcional dos maxilares e cirurgiões buco-maxilo-faciais, em ordem decrescente de prevalência. Em apenas 15,38% 21

22 dos casos, os pacientes procuraram o fonoaudiólogo por conta própria. Nessa etapa da pesquisa, foi possível concluir que a maioria significativa dos fonoaudiólogos recebeu encaminhamentos de casos de má oclusão de Classe III de ortodontistas, já que esses profissionais foram referidos em 92,31% dos questionários respondidos. Com relação à severidade do caso, 69,23% dos fonoaudiólogos referiram experiência apenas com casos de Classe III suave. Os 30,77% restantes referiram atuação clínica com pacientes apresentando Classe III severa, pré e pós cirúrgica. Isso leva a crer que são mais freqüentemente encaminhados para tratamento fonoaudiológico os pacientes que apresentam casos de Classe III suave. Todos os fonoaudiólogos referiram presença de alterações miofuncionais nos pacientes com má oclusão de Classe III. Entre as características apresentadas, observam-se: alterações em tônus, postura e mobilidade da musculatura oral e peri-oral, desordens têmporo-mandibulares, alterações em mastigação, respiração e deglutição e ainda a presença de distúrbios articulatórios. Esse dado confirma as considerações a respeito dos prejuízos miofuncionais apresentados pelo paciente portador de má oclusão de Classe III. Quanto aos benefícios que o tratamento fonoaudiológico pode trazer aos pacientes Classe III, os fonoaudiólogos foram unânimes em responder que o tratamento pode proporcionar: equilíbrio da musculatura orofacial com adequação de tônus e mobilidade, equilíbrio das funções estomatognáticas, maior eficiência mastigatória, adequação da articulação e, em pacientes acompanhados após a cirurgia ortognática, readaptação das funções estomatognáticas à nova forma. Ainda nesta questão, 8,33% dos profissionais 22

23 afirmaram que a fonoterapia só trará resultados para o paciente, se associada ao tratamento ortodôntico. Do ponto de vista dos profissionais entrevistados, é grande a possibilidade de intervenção fonoaudiológica com respostas terapêuticas positivas, desde que a mesma esteja associada à correção da má oclusão, o que assegura melhor prognóstico para o caso. Quanto ao momento ideal para a intervenção fonoaudiológica, as opiniões foram bastante diversificadas, o que vem evidenciar o fato de que cada caso é orientado de acordo com as particularidades que apresenta, com destaque para o fato de que nenhum dos profissionais que participaram da pesquisa considerou inadequada a intervenção fonoaudiológica em pacientes Classe III. Com relação ao prognóstico dos casos atendidos, 30,77% dos fonoaudiólogos consideraram que o prognóstico para os pacientes tratados é bom, desde que os mesmos estejam sendo devidamente acompanhados para a correção da má oclusão. 23,08% dos profissionais consideraram a presença de limitações no tratamento fonoaudiológico, referindo que o prognóstico para os pacientes de Classe III deve ser avaliado de acordo com as particularidades de cada caso. 15,38% relataram prognósticos de casos isolados, bastante divergentes entre si, e não puderam ser considerados nesta etapa da pesquisa. Os 30,77% restantes não responderam à pergunta. Observa-se que, na questão a respeito de prognósticos, não há congruidade nas respostas apresentadas, que pode ser explicada pela baixa prevalência da má oclusão de Classe III, somada à presença de limitações nos resultados do tratamento fonoaudiológico para esses casos. 23

24 Questionário apresentado aos profissionais que trabalham na correção da má oclusão Foi observado que a maioria significativa dos profissionais atua nas diversas áreas da ortodontia, incluindo a ortopedia mecânica e funcional. Todos os ortodontistas que participaram da pesquisa consideraram a freqüência de pacientes Classe III como a menor em relação aos demais tipos de má oclusão. Esse achado confirma aqueles encontrados por Graber (1974), em que ele refere a baixa prevalência desse tipo de má oclusão. Com relação ao tipo de tratamento, cerca de 61,54% dos casos de Classe III receberam terapia ortodôntica-ortopédica. 15,38% dos ortodontistas responderam ser o tratamento preparatório para cirurgia ortognática o mais freqüente em seu consultório. A mesma porcentagem de 15,38% foi encontrada para profissionais que relataram equivalência quantitativa entre os tipos de tratamento ortodôntico, ortopédico e preparatório para cirurgia ortognática. Apenas 7,5% apresentaram a maioria dos casos de Classe III tratados através da ortopedia funcional. Esses resultados apontam que os casos de Classe III, tratados com o objetivo de preparar a arcada para cirurgia ortognática, representam minoria. Essa minoria reflete a baixa incidência de casos de Classe III severa. 100% dos ortodontistas entrevistados consideram que a terapia fonoaudiológica deve ser indicada como coadjuvante no tratamento da Classe III. 23,08% dos ortodontistas assinalaram que a referida terapia pode ser aplicada, associada a todos os tipos de intervenção ortodôntica, nesses pacientes. Porém, 69,23% dos entrevistados associam a terapia fonoaudiológica a casos tratados através de cirurgia ortognática. Os 7,69% 24

25 restantes consideram que a terapia está restrita a pacientes tratados através de ortodontia e ortopedia. Embora a totalidade dos ortodontistas entrevistados considere a importância da terapia fonoaudiológica, 30,77% dos entrevistados referiram não encaminhar, com freqüência, seus pacientes à fonoaudiologia. Segundo esses profissionais, a baixa quantidade de encaminhamentos deve-se à baixa incidência de casos de Classe III tratados em seus consultórios; à limitação da intervenção fonoaudiológica devido a um comprometimento dentário e/ou esquelético significativo; e à ausência de indicação para o encaminhamento. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A finalidade deste trabalho foi o estudo das questões relacionadas ao portador de má oclusão de Classe III de Angle. Os resultados alcançados após a revisão da literatura e análise dos resultados dos questionários aplicados, demonstraram que, apesar da baixa incidência de casos de Classe III nos consultórios de fonoaudiólogos e de ortodontistas, esses pacientes têm sido encaminhados, avaliados e tratados, independentemente da severidade da má oclusão. Fica comprovada a presença de alterações oromiofaciais no paciente Classe III e também o fato de que o tratamento ortodôntico/ortopédicofuncional, associado à fonoterapia, melhora o prognóstico dos casos. Quanto à intervenção fonoaudiológica, os autores pesquisados concordam que o paciente deve ser avaliado e, caso haja indicação, encaminhado para terapia ou orientação, no momento oportuno. 25

26 Os casos de Classe III podem apresentar limitações diante do tratamento fonoaudiológico, que terão relação direta com a presença de limitações na correção da má oclusão. Porém, esse fato não contra-indica a terapia fonoaudiológica. Deve-se ter em mente que, para aqueles que apresentam limitações, os objetivos devem ser cuidadosamente reestabelecidos e esclarecidos, para que suas conquistas sejam compreendidas e valorizadas. A realização de um bom trabalho, dentro das condições oferecidas, pode minimizar o quadro de alterações apresentado, permitindo melhor qualidade de vida para o paciente. Os resultados deste estudo demonstram que o portador de má oclusão de Classe III representa um tema pouco explorado no campo fonoaudiológico. Torna-se evidente a necessidade da realização de maior número de pesquisas teóricas e clínicas, objetivando o aprofundamento científico na área em questão. 26

27 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. BIANCHINI, E. M. G. A cefalometria nas alterações miofuncionais orais: diagnóstico e tratamento fonoaudiológico. 3.ed. Carapicuiba, Pró-Fono Departamento Editorial, p. 2. FERRAZ, M. C. A. Alterações oromiofaciais. In: ARAÚJO, R. B., PRACOWNIK, A., SOARES, L. S. D. (Coord.) Fonoaudiologia atual. Rio de Janeiro, Revinter, p FRÄNKEL, R. & FRÄNKEL, C. Ortopedia orofacial: com o regulador de função. São Paulo, Santos, p. 4. GRABER, T. M. Ortodoncia: teoria y práctica. 3.ed. México, Nueva Editorial Interamericana, p. 5. HANSON, M. L. & BARRET, R. H. Fundamentos da miologia orofacial. Rio de Janeiro, Enelivros, p. 27

28 6. JUNQUEIRA, P. A postura em repouso dos órgãos fonoarticulatórios frente aos limites anatômicos do paciente na terapia miofuncional. PRÓ-FONO Revista de Atualização Científica., 9: MARCHESAN, I. Q. Motricidade oral: visão clínica do trabalho fonoaudiológico integrado com outras especialidades. São Paulo, Pancast, p MARCHESAN, I. Q. O trabalho fonoaudiológico nas alterações do sistema estomatognático. In: MARCHESAN, I. Q., BOLAFFI, C., GOMES, I. C. D., ZORZI, J. L. (Org.) Tópicos em fonoaudiologia. São Paulo, Lovise, v.1, cap.4, p MOYERS, R. E. Ortodontia. 4.ed. RJ, Guanabara Koogan, p. 10. PETRELLI, E. Ortodontia para fonoaudiologia. São Paulo, Lovise, p. 11. PROFFIT, W. R. Ortodontia contemporânea. São Paulo, Pancast, p. 12. SILVA, R. C. Ribeiro da. Pressões atípicas da língua. Rio de Janeiro, (s/d). [Tese - Especialização em Ortodontia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro] 28

29 ANEXO 1 ANEXOS Questionário destinado aos fonoaudiólogos clínicos: PROFISSÃO: 01) Quanto tempo você tem de atuação clínica? 02) Relacionando as más oclusões de Casse I, II e III, você considera que a freqüência de encaminhamentos de pacientes apresentando Classe III em seu consultório, diante dos outros tipos de má oclusão, é: ( ) predominante ( ) equivalente ( ) menor ( ) inexistente 03) Se você recebeu pacientes apresentando má oclusão de Classe III, que profissional, ou profissionais, fizeram o encaminhamento? ( ) Cirurgião buco-maxilo-facial ( ) Ortodontista ( ) Dentista que trabalha com ortopedia funcional dos maxilares ( ) Fonoaudiólogo ( ) Outro profissional ( ) Paciente veio por conta própria 04) Quais as alterações miofuncionais freqüentemente encontradas no paciente portador de má oclusão de Classe III? Suave- Severa pré-cirúrgica- Severa pós-cirúrgica- 29

30 05) Quais as principais modificações que o tratamento fonoaudiológico pode trazer aos pacientes Classe III? Suave- Severa pré-cirúrgica- Severa pós-cirúrgica- 06) Em que momento (s) você considera ideal a intervenção fonoaudiológica para o paciente portador de má oclusão de Classe III? ( ) antes do tratamento ortodôntico ( ) durante o tratamento ortodôntico ( ) após o tratamento ortodôntico ( ) antes do tratamento ortpédico-funcional ( ) durante o tratamento ortpédico-funcional ( ) após o tratamento ortpédico-funcional ( ) antes do tratamento cirúrgico ( ) após o tratamento cirúrgico ( ) não deve haver intervenção fonoaudiológica nesse tipo de caso 07) Qual o prognóstico esperado em pacientes Classe III que são submetidos ao tratamento fonoaudiológico? Suave- Severa pós-cirúrgica- 30

31 ANEXO 2 Questionário destinado a profissionais que trabalham com a correção da má oclusão de Classe III PROFISSÃO: CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REALIZADOS (referentes à sua área de atuação clínica): INSTITUIÇÃO ONDE REALIZOU PÓS-GRADUAÇÃO: 01) Quanto tempo você tem de atuação clínica? 02) Você trabalha com (assinale um ou mais itens): ( ) ortodontia ( ) ortopedia maxilar mecânica ( ) ortopedia funcional dos maxilares 03) Relacionando as más oclusões de Classe I, II e III, você considera que a freqüência de pacientes apresentando Classe III em seu consultório, diante dos outros tipos de má oclusão, é: ( ) predominante ( ) equivalente ( ) menor ( ) inexistente 31

32 04) A maioria dos casos de má oclusão de Classe III, tratados em seu consultório, recebeu tratamento: ( ) ortodôntico / ortopédico ( ) ortopédico-funcional ( ) preparatório para cirurgia ortognática 05) Você considera que o tratamento fonoaudiológico pode trazer resultados favoráveis em pacientes Classe III ( ) que têm indicação de tratamento ortodôntico / ortopédico ( ) que têm indicação de tratamento ortopédico-funcional ( ) que têm indicação de tratamento cirúrgico (antes da cirurgia) ( ) que têm indicação de tratamento cirúrgico (após a cirurgia) ( ) o tratamento fonoaudiológico não tem indicação para pacientes portadores de má oclusão de Classe III 06) Em sua conduta, é freqüente o encaminhamento de pacientes Classe III para avaliação e/ou terapia fonoaudiológica? ( ) não ( ) sim Por quê? R- 32

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS DE HOJE?

A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS DE HOJE? CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Motricidade Oral A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA x ORTODONTIA NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ORTODONTISTAS DE BARBACENA SOBRE A FONOAUDIOLOGIA

FONOAUDIOLOGIA x ORTODONTIA NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ORTODONTISTAS DE BARBACENA SOBRE A FONOAUDIOLOGIA CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL FONOAUDIOLOGIA x ORTODONTIA NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ORTODONTISTAS DE BARBACENA SOBRE A FONOAUDIOLOGIA MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

GRADE OU ESPORÃO? UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS PONTOS DE VISTA ENTRE ORTODONTISTAS DE BELO HORIZONTE

GRADE OU ESPORÃO? UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS PONTOS DE VISTA ENTRE ORTODONTISTAS DE BELO HORIZONTE CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL GRADE OU ESPORÃO? UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS PONTOS DE VISTA ENTRE ORTODONTISTAS DE BELO HORIZONTE ANA MARIA PARIZZI BELO HORIZONTE

Leia mais

TRATAMENTO DA CLASSE III COMPENSATÓRIA EM ADULTOS

TRATAMENTO DA CLASSE III COMPENSATÓRIA EM ADULTOS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS TRATAMENTO DA CLASSE III COMPENSATÓRIA EM ADULTOS CARLOS ROBERTO FUCUTA JÚNIOR Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Ortodontia da ICS Funorte/SOEBRAS

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

APARELHOS ORTODÔNTICOS. e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES. Ortodontia & Ortopedia Facial. Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117

APARELHOS ORTODÔNTICOS. e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES. Ortodontia & Ortopedia Facial. Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117 APARELHOS ORTODÔNTICOS e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117 Ortodontia & Ortopedia Facial ORTODONTIA E Ortopedia Facial CUI CURI DADOS & OSIDADES Dr. Guilherme Thiesen

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB ALVES, Giorvan Ânderson dos santos Alves LOPES SOBRINHO, Paulo Naati LUNA, Anibal Henrique Barbosa

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3 Série Aparelhos Ortodônticos EXTRABUCAL INTRODUÇÃO A ancoragem extrabucal ainda é um dos recursos mais utilizados e recomendados no tratamento da má oclusão de Classe II, primeira divisão, caracterizada

Leia mais

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado 2. HOMEOPATIA Aprovado 3. HIPNOSE Aprovado 4. TERAPIA FLORAL Aprovado 5. FITOTERAPIA Aprovado 6. ODONTOLOGIA DO ESPORTE Aprovado II - CRIAÇÃO DE PRÁTICAS

Leia mais

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS Jorge Ferreira Rodrigues 1 Marcella Maria Ribeiro do Amaral Andrade 2 Ernesto Dutra Rodrigues 3 Resumo O tratamento ortodôntico da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Educação para Saúde SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR: ANATOMIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI

EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI Marcus Vinicius Neiva Nunes do Rego - NOVAFAPI Olívia de Freitas Mendes - NOVAFAPI Thaís Lima Rocha NOVAFAPI Núbia Queiroz

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição

Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição Marchesan IQ, Furkim AM. Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição. In: Costa M, Castro LP. Tópicos em deglutição e disfagia. Rio de Janeiro: Medsi; 2003. p.375-84. Manobras utilizadas na reabilitação

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância Marchesan IQ. Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância. In: Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia, Tratado de Otorrinolaringologia. São Paulo: Roca; 2003. V.3 cap. 54 p.520-33. Distúrbios

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA MASTIGAÇÃO EM CRIANÇAS* The food influence in chewing in children ADRIANA MARQUES SILVA 1

A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA MASTIGAÇÃO EM CRIANÇAS* The food influence in chewing in children ADRIANA MARQUES SILVA 1 A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA MASTIGAÇÃO EM CRIANÇAS* The food influence in chewing in children ADRIANA MARQUES SILVA 1 Especialização em Motricidade Oral pelo Centro de Especialização em Fonoaudiologia

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Recuperação / Reabilitação SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Obrigações de meio e de resultado Publicado desde 8/8/2005 Érica Novas Da formação do contrato odontológico é que derivam obrigações para as partes contratantes. Todavia, apenas

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA APROVADO: MEC e CFO 1º. MÓDULO: 1º. DIA: Apresentação da Especialização / Aula teórica de Classificação das Más-oclusões 2º. DIA: Aula teórica de Etiologia

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL Patrícia Tiemi Kikuti Orita

Leia mais

Fonodialogando. Sucção Digital UM OLHAR DA FONOAUDIOLOGIA. Um hábito que poderá trazer consequências no desenvolvimento da criança

Fonodialogando. Sucção Digital UM OLHAR DA FONOAUDIOLOGIA. Um hábito que poderá trazer consequências no desenvolvimento da criança Fonodialogando Sucção Digital Um hábito que poderá trazer consequências no desenvolvimento da criança UM OLHAR DA FONOAUDIOLOGIA O que é Sucção? Asucção é um reflexo próprio da espécie adquirido na o n

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

Análise das alterações miofuncionais na correção da mordida aberta anterior

Análise das alterações miofuncionais na correção da mordida aberta anterior Caso Clínico Análise das alterações miofuncionais na correção da mordida aberta anterior Joanna A. Binato*, Wagner S. Alviano**, Maria da Conceição A. Ferraz***, Margareth M. G. de Souza**** A mordida

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University)

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) PARA O ALINHAMENTO DE DENTES ANTERIORES NA DENTIÇÃO PERMANENTE Contate-nos para obter informações sobre o vídeo de

Leia mais

Proposta de Ensino à Distância na Prática Interdisciplinar Fonoaudiológica e Odontológica

Proposta de Ensino à Distância na Prática Interdisciplinar Fonoaudiológica e Odontológica Proposta de Ensino à Distância na Prática Interdisciplinar Fonoaudiológica e Odontológica Palavras Chaves: Interdisciplinar, Orofacial, Educação a Distância Autores: Lívia Maria do Prado 5, Eliene Silva

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CONCORDÂNCIA DO ORIENTADOR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CONCORDÂNCIA DO ORIENTADOR UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CONCORDÂNCIA DO ORIENTADOR Declaro que a aluna Évelin Lourance Venzi Zulin RA 104861 esteve sob minha orientação para a realização

Leia mais

ORTODONTIA - ORTOPEDIA FACIAL E FONOAUDIOLOGIA UMA RELAÇÃO DE FORMA E FUNÇÃO

ORTODONTIA - ORTOPEDIA FACIAL E FONOAUDIOLOGIA UMA RELAÇÃO DE FORMA E FUNÇÃO CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL ORTODONTIA - ORTOPEDIA FACIAL E FONOAUDIOLOGIA UMA RELAÇÃO DE FORMA E FUNÇÃO ANDRÉA JÚNIA CANHETTI MEIRELLES LONDRINA 2000 1 RESUMO

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: ANATOMIA III: DESENHO E ESCULTURA DENTAL Código: ODO-016 Pré-requisito: Anatomia

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APROXIMAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DA FONOAUDIOLOGIA E DA ODONTOLOGIA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APROXIMAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DA FONOAUDIOLOGIA E DA ODONTOLOGIA CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APROXIMAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DA FONOAUDIOLOGIA E DA ODONTOLOGIA GABRIELA BARBOSA MARCONDES SÃO PAULO 1999

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

RECUPERADORES DE ESPAÇO

RECUPERADORES DE ESPAÇO RECUPERADORES DE ESPAÇO Conceito Recuperadores de espaço são usados para recuperar o espaço perdido nas arcadas dentárias. Eles verticalizam os dentes que inclinaram, depois que outros foram perdidos.

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

POST GRADO EN ORTODONCIA (Programa)

POST GRADO EN ORTODONCIA (Programa) POST GRADO EN ORTODONCIA (Programa) Coordinador del Curso: Prof. Dr. Gastão Moura Neto 1. Entidad: SPO (SOCIEDAD PAULISTA DE ORTODONCIA) / Unidade Botucatu debidamente autorizada por CFO-Consejo Federal

Leia mais

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO ANÁLISE OCLUSAL DISCIPLINA DE OCLUSÃO FACULDADE DE ODONTOLOGIA da UERJ 2000 Equipe da Disciplina: Ricardo Lessa Bastos Walzer Abrahão Poubel Florence M. Sekito Hilda M. R. Souza Paulo Roberto B. Fernandes

Leia mais

Speech therapy and the fitting of total dental prosthesis in the elderly: what dentists know about it?

Speech therapy and the fitting of total dental prosthesis in the elderly: what dentists know about it? 50 Oliveira JSR, Mattoso FCP, Oliveira ABC, Di Ninno CQMS FONOAUDIOLOGIA E ADAPTAÇÃO DE PRÓTESE DENTÁRIA TOTAL EM IDOSOS: O QUE OS DENTISTAS SABEM SOBRE ISTO? Speech therapy and the fitting of total dental

Leia mais

A Importância do diagnóstico e intervenção precoce no tratamento das maloclusões em odontopediatria

A Importância do diagnóstico e intervenção precoce no tratamento das maloclusões em odontopediatria A Importância do diagnóstico e intervenção precoce no tratamento das maloclusões em odontopediatria The importance of early diagnosis and intervention in the treatment of malocclusion in pediatric dentistry

Leia mais

Orientação para interessados em tratamento ortodôntico

Orientação para interessados em tratamento ortodôntico 1 Orientação para interessados em tratamento ortodôntico Dras. Rosana Gerab Tramontina e Ana Carolina Muzete de Paula Ortodontia é a ciência que estuda o crescimento e o desenvolvimento da face e das dentições

Leia mais

Interdisciplinary interfaces between speech-language pathological and odontological therapeutic activities

Interdisciplinary interfaces between speech-language pathological and odontological therapeutic activities INTERFACES ENTRE AS ATUAÇÓES TERAPÊUTICAS FONOAUDIOLÓGICAS E ODONTOLÓGICAS* Interdisciplinary interfaces between speech-language pathological and odontological therapeutic activities Patrícia Miranda Carvalho

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DO BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL (BBO)

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DO BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL (BBO) REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DO BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL (BBO) Artigo 1 o O BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL (BBO) tem como um de seus objetivos certificar ortodontistas,

Leia mais

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA MARIÂNGELA CUNHA RIBEIRO BOTUCATU 1999 1 CEFAC CENTRO DE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO FLÁVIA PEDREIRA CIRURGIÃ DENTISTA DO HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA 20 DE FEVEREIRO DE 2014 Se pretendermos que as crianças tenham uma qualidade

Leia mais

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes.

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes. ELEMENTOS ESSENCIAIS DE DIAGNÓSTICO Prof. Hélio Almeida de Moraes. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 Documentação do Paciente: 2 1- Ficha Clínica:- 2 A- Identificação: 2 B- Anamnese: 3 História da Família 3 História

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

ANÁLISE RADIOGRÁFICA DA POSIÇÃO HABITUAL DA LÍNGUA NOS PORTADORES DE DISTOCLUSÃO*

ANÁLISE RADIOGRÁFICA DA POSIÇÃO HABITUAL DA LÍNGUA NOS PORTADORES DE DISTOCLUSÃO* 1 ANÁLISE RADIOGRÁFICA DA POSIÇÃO HABITUAL DA LÍNGUA NOS PORTADORES DE DISTOCLUSÃO* Radiographic analysis of the tongue s habitual position in distoclusion MARION RENÉE MORY(1) LAISA EGLI DE CAMPOS BARONI

Leia mais

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER NOVO PROGRAMA [Revisto & Atualizado] CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER CURSO MODULAR DE FORMAÇÃO DE ASSISTENTES DENTÁRIOS 6.ª edição Início a 21 de novembro de 2015 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO

Leia mais

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Curso de Especialização em: Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Disciplina: Diagnóstico por Imagem da Articulação Temporomandibular. : I. Conceituar radiografias da ATM, explicando-as; II. Identificar

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA LÍNGUA NA MORDIDA ABERTA: Atuação ortodôntica e fonoaudiológica

O POSICIONAMENTO DA LÍNGUA NA MORDIDA ABERTA: Atuação ortodôntica e fonoaudiológica CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia clínica Motricidade Oral O POSICIONAMENTO DA LÍNGUA NA MORDIDA ABERTA: Atuação ortodôntica e fonoaudiológica Monografia de conclusão do curso de Especialização

Leia mais

Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development

Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development Aleitamento Materno no Desenvolvimento e Formação Saudável da Cavidade Bucal do Bebê Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development Marila Rezende Azevedo Helio Gomes da Silva RESUMO É fundamental

Leia mais

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente,

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente, Série Aparelhos Ortodônticos MÁSCARA FACIAL INTRODUÇÃO Inúmeras formas de tratamento têm sido relatadas para a correção precoce da má oclusão de Classe III. No entanto, talvez por muitos casos necessitarem

Leia mais

TRANSTORNOS ESPECÍFICOS DO DESENVOLVIMENTO DA FALA E DA LINGUAGEM F80.0 DISLALIA (ARTICULAÇÃO; COMUNICAÇÃO FONOLÓGICA; FUNCIONAL ARTICULAÇÃO)

TRANSTORNOS ESPECÍFICOS DO DESENVOLVIMENTO DA FALA E DA LINGUAGEM F80.0 DISLALIA (ARTICULAÇÃO; COMUNICAÇÃO FONOLÓGICA; FUNCIONAL ARTICULAÇÃO) 27/12/2007 ANEXO 49 TABELA da CLASSIFICAÇÃO ESTATÍSTICA INTERNACIONAL DE DOENÇAS E PROBLEMAS RELACIONADOS À SAÚDE FONOAUDIOLÓGICA CID 10 /OMS /1997 6ª VERSÃO 2008 CÓDIGO F80 DESCRIÇÃO TRANSTORNOS ESPECÍFICOS

Leia mais

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor.

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor. 7 LEANDRO RAATZ BOTTURA EFEITOS DA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR SOBRE O SISTEMA NERVOSO CENTRAL Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da Odontologia

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Classificação de Angle e Simon SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 HISTÓRICO 3 OCLUSÃO NORMAL VS MALOCLUSÃO. 3.1 Oclusão normal. 3.2 Maloclusão

Classificação de Angle e Simon SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 HISTÓRICO 3 OCLUSÃO NORMAL VS MALOCLUSÃO. 3.1 Oclusão normal. 3.2 Maloclusão Classificação de Angle e Simon SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 HISTÓRICO 3 OCLUSÃO NORMAL VS MALOCLUSÃO 3.1 Oclusão normal. 3.2 Maloclusão 4 SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO 4.1 Sistema de Angle 4.2 Sistema de Simon 4.3

Leia mais

Distância interincisiva máxima em crianças na dentadura mista

Distância interincisiva máxima em crianças na dentadura mista A r t i g o d e F o n o a u d i o l o g i a Distância interincisiva máxima em crianças na dentadura mista Débora Martins Cattoni*, Fernanda Dreux Miranda Fernandes** Resumo A distância interincisiva máxima

Leia mais

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS Curso de Aperfeiçoamento em Ortodontia Elásticos TIPOS DE ELÁSTICOS Borracha Natural - conservação amônia sensível ao ozônio vulcanizado Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais Elasticidade é a propriedade

Leia mais

T4B TRAINER PARA BRAQUETES CORRIGE HÁBITOS MIOFUNCIONAIS DELETÉRIOS REDUZ O TRAUMA SOBRE OS TECIDOS MOLES CAUSADOS PELOS BRAQUETES

T4B TRAINER PARA BRAQUETES CORRIGE HÁBITOS MIOFUNCIONAIS DELETÉRIOS REDUZ O TRAUMA SOBRE OS TECIDOS MOLES CAUSADOS PELOS BRAQUETES T4B TRAINER PARA BRAQUETES CORRIGE HÁBITOS MIOFUNCIONAIS DELETÉRIOS REDUZ O TRAUMA SOBRE OS TECIDOS MOLES CAUSADOS PELOS BRAQUETES AUMENTA A EFICIÊNCIA DOS APARELHOS FIXOS TRATA OS SINTOMAS DE ATM EM TEMPO

Leia mais

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45 SMILt Tabela de Preços/Descontos Designação Público em geral Comunidade IPLeiria Consulta de Medicina Dentária Consulta de Medicina Dentária 50 45 Consulta de Urgência 50 45 Dentisteria e Estética Restauração

Leia mais

LEVANTAMENTO DO PERFIL DO COMPLEXO ESTOMATOGNÁTICO DOS ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO INOVADOR DA EEEMIDR.

LEVANTAMENTO DO PERFIL DO COMPLEXO ESTOMATOGNÁTICO DOS ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO INOVADOR DA EEEMIDR. LEVANTAMENTO DO PERFIL DO COMPLEXO ESTOMATOGNÁTICO DOS ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO INOVADOR DA EEEMIDR. ANTONIO BATISTA SANTIAGO EM ITABAIANA-PB. Napoleão Fernando do Nascimento 1 Ana Karênina de

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal Mesa Redonda Moderador: Paulo L. Pontes Participantes: Ana Tereza Britto, Gabriela D. de Carvalho, Marcos Mocellin e Ricardo Godinho

Leia mais

DIVISÂO DE ENSINO E PESQUISA. Especialização em Cirurgia e Traumatologia Buco- Maxilo- Facial na Modalidade de Residência.

DIVISÂO DE ENSINO E PESQUISA. Especialização em Cirurgia e Traumatologia Buco- Maxilo- Facial na Modalidade de Residência. HOSPITAL FEDERAL DOS SERVIDORES DO ESTADO DIVISÂO DE ENSINO E PESQUISA. SERVIÇO DE CIRURGIA ORAL E MAXILOFACIAL EDITAL PARA O CONCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIRURGIA BUCO- MAXILO- FACIAL NA MODALIDADE DE

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Programa Laboratorial (hands on em Manequim)

Programa Laboratorial (hands on em Manequim) PROGRAMA DE CURSO DE EXCELÊNCIA EM ORTODONTIA COM 8 MÓDULOS DE 2 DIAS MENSAIS Prof. ROQUE JOSÉ MUELLER - Tratamento Ortodôntico de alta complexidade em adultos : diagnóstico, planejamento e plano de tratamento.

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

A DEGLUTIÇÃO ONTEM E HOJE

A DEGLUTIÇÃO ONTEM E HOJE CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL A DEGLUTIÇÃO ONTEM E HOJE MÉRCIA Mª A. PINTO FORTALEZA 1999 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais