Sons muito altos podem. provocar perda auditiva?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sons muito altos podem. provocar perda auditiva?"

Transcrição

1 Autora: Claudia Santos Codato Segura NRE: Londrina Escola: Colégio Estadual Olavo Bilac EFM Disciplina: Matemática ( ) Ensino Fundamental ( ) Ensino Médio Série: 2º Disciplina da relação interdisciplinar : Biologia Disciplina da relação interdisciplinar 2: Física Conteúdo Estruturante: Funções Conteúdos Específicos: Função Eponencial e Logaritmo Sons muito altos podem provocar perda auditiva? O processo natural de envelhecimento é a causa mais comum da perda auditiva. A segunda é a eposição ao ruído. Diariamente estamos epostos a ruídos que não podemos evitar nem controlar, seja em casa, no traalho, na escola ou nas ruas, pois fazem parte de uma rotina carros, aviões, máquinas, etc. Mas eistem ruídos que podemos controlar e até evitar: shows de rock, gritos altos em eventos esportivos e todas as ferramentas potentes que ficam ao redor das nossas casas. O sentido responsável pela captação do som é a audição eercida no organismo pelo ouvido. Um som, ao ser captado pelo pavilhão auditivo, percorre o canal auditivo eterno (com aproimadamente 2,5 cm de comprimento) passando pelos cílios (pêlos untados com cerúmen que são a grande arreira contra poeiras e corpos estranhos), indo até o tímpano. No ouvido médio, o tímpano vira como a pele de um tamor, em presença das ondas sonoras. É como se fosse a porta de entrada para uma caia de ressonância, do tamanho de uma avelã, onde estão uns ossos

2 minúsculos: o martelo, a igorna e o estrio. Estes minúsculos ossos articulamse entre si, com a finalidade de ampliar os sons. São estruturas muito sensíveis. Figura: Ouvido Humano O principal elemento da audição encontra-se no ouvido interno: a cóclea, que é um canal em forma de caracol com 35 mm de comprimento. Na cóclea encontra-se o Corti, um órgão que pode ser comparado a um "piano" com teclas, que são as células sensitivas ciliadas. Cada uma dessas células possui um pêlo e a elas estão ligadas terminações nervosas que formam o nervo auditivo. Este, por sua vez, analisa os sons e os faz chegar ao cérero. Se um dos pequenos ossos que formam o ouvido médio deiarem de funcionar, pela idade ou perda auditiva, a audição ficará comprometida. Eiste tamém o risco de surdez de transmissão ou mesmo surdez de percepção/neurosensorial, se houver eposição constante e prolongada, aos ruídos. A poluição sonora eiste por quase todos os lados e a eposição ecessiva ao ruído é preocupante. Em geral, a legislação sore os ruídos não é respeitada e, a maioria dos jovens que são as principais vítimas de surdez precoce, é a população que menos se preocupa. Epõem-se por períodos prolongados a ruídos intensos, utilizando-se de mp3, mp4, walkman, e outros aparelhos além de participarem de festas com sons estrondosos como as haves.

3 Intensidade do som O som é medido em uma Unidade chamada deciel, cujo símolo é db. O aparelho que mede a intensidade é chamado decielímetro. Sons e virações que ultrapassam os níveis previstos pelas normas legais e que podem causar prolemas auditivos irreversíveis ou perturar as pessoas é o que se chama de poluição sonora. Apesar das leis e das políticas púlicas para controlar o prolema e dos alertas feitos por especialistas, a poluição sonora ainda não sensiiliza tanto como a do ar ou a da água. Na taela a seguir apresentamos dados sore a intensidade sonora produzida por diferentes equipamentos e alguns amientes. Taela : Intensidade Sonora Intensidade, em db (NPS*) Fonte Reação 0 Respiração humana, a 3 m 20 Conversa normal entre duas pessoas 30 Interior de cinema, sem arulho 40 Área residencial, à noite 50 Restaurante silencioso 60 Som no interior de escritório ou restaurante 70 Barulho de trafego, a 5 m Aspirador de pó grande, a m. Tráfego pesado Limite de Ruído permitido pela NR-5 (8 horas) 90 Caminhão, a m. 00 Furadeira pneumática, a 2 m. 0 Motocicleta em alta velocidade, a 5 m 20 Shows, discotecas, jato decolando a 00 m O organismo entra em estado de alerta O organismo reage, minando as defesas 30 Buzina de trem, a 0 m Limite da dor 40 Tiro de rifle, a m 50 Avião a jato, a 30 metros Foguete, a 30 m; canto da aleia azul, a m Som no interior de um tornado; oma nuclear a 5 m * NPS - nível de pressão sonora

4 ATIVIDADE : Construa você mesmo uma taela com alguns sons aos quais está sumetido diariamente. Procure junto à secretaria de meio amiente, corpo de omeiros ou polícia militar, um decielímetro e meça a intensidade de som produzida: a) Em sua sala de aula ) No pátio c) Pela campainha ou sirene de inicio e término das aulas d) Outros amientes (relacionar) Q u a l a e p o s iç ã o m á im a a o s o m a q u e u m a p e s s o a p o d e s e s u m e te r s e m c o r re r o ris c o d a p e r d a a u d i tiv a? De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o limite suportável para o ouvido humano é 65 deciéis. Acima disso, o organismo começa a sofrer. Para salas de aula, a Associação Brasileira de Normas Técnicas estipula que o limite tolerado é de 40 a 50 deciéis. Esse índice, aprovado por resolução do Conselho Nacional do Meio Amiente (Conama), tem força de lei. Com o passar do tempo, uma pessoa eposta diariamente a sons muito altos pode ter a audição comprometida. Além disso, a longo prazo, o ruído ecessivo pode causar gastrite, insônia, aumento do nível de colesterol, distúrios psíquicos e perda da audição. Provoca ainda irritailidade, ansiedade, ecitação, desconforto, medo e tensão. Assim, um fator importante é oservar o tempo máimo que a pessoa pode se sumeter a determinadas intensidades de som sem causar danos a sua saúde. A Taela 2 apresenta alguns dados a este respeito regulamentados pela Norma Regulamentadora nº 5 do Conselho Nacional de Fonoaudiologia.

5 Taela 2: Nível de Ruído, da NR-5 TEMPO MÁXIMO DE EXPOSIÇÃO DIÁRIA NÍVEL DE RUÍDO db (A) 8 horas 85 7 horas 86 6 horas 87 5 horas 88 4 horas e 30 minutos 89 4 horas 90 3 horas e 30 minutos 9 3 horas 92 2 horas e 40 minutos 93 2 horas e 5 minutos 94 2 horas 95 hora e 45 minutos 96 hora e 5 minutos 98 hora minutos minutos minutos minutos minutos 08 5 minutos 0 0 minutos 2 8 minutos 4 7 minutos 5 ATIVIDADE 2: Utilizando os dados da Taela 2, represente em um plano cartesiano a relação entre o tempo máimo eposição diária () e o nível de ruído (y). Oservando a representação otida na atividade 2, você pode perceer que a relação entre o nível de ruído e o tempo máimo de eposição diária forma uma curva, que decresce muito rapidamente. Este comportamento é característico de uma função eponencial. Mas, o que é uma função eponencial? A função f: IR IR, dada por f() = a. (com a 0, e >0), onde a e são constantes, definida para todo real, chama-se função eponencial. O número constitui a ase da função eponencial. São eemplos de funções eponenciais: f() = 2 f() = (/3) f() = 2.3

6 Gráficos de funções eponenciais: y y Função decrescente: 0<< y=(/2)^ Função crescente: > y= 2^ ATIVIDADE 3: Construa o gráfico das funções: a) f() = 2.3 c) f() = -2.2 ) f()= 3.(/3) d) f()= - (/2) Uma importante oservação: então Note que se y y f ( ) a. y f ( 2 ) a. f ( ) a. 2 2 e y 2 f ( 2 ) a. 2 2 () Assim, se 2, isto é, se e 2 são dois inteiros consecutivos, então a razão () é sempre a constante. Sendo assim, se possuímos três ou mais pontos, é possível verificar se eles satisfazem uma função y = a., primeiramente verificando se a razão é constante e em seguida, sustituindo dois pontos quaisquer na função, para determinar a constante a. ATIVIDADE 4: Verifique se a eposição máima diária ao ruído () pode realmente ser epressa como uma função eponencial em relação ao nível de ruído (y), de

7 acordo com os dados da Taela 2. Justifique sua resposta e, caso seja possível epressar a eposição máima diária como uma função eponencial, otenha tal função. DICAS: y2 a) determine três razões y correspondentes ao nível de ruído. ) sustitua dois pares ordenados (, y) y f ( ) a. na equação organizando um sistema de equações para determinar os valores de a e. c) oserve que o valor encontrado para corresponde às razões y y 2 otidas entre dois termos consecutivos da taela, ATIVIDADE 5: Com as informações que oteve até o momento, é possível determinar o nível de ruído permissível para uma eposição durante: a) 0 horas? ) 2 horas? Como saer a intensidade do som num momento em que não dispomos de um decielímetro? A intensidade I de um som pode ser perceida com precisão, e está relacionada com a quantidade de energia sonora receida por segundo a partir da fonte de som. O sistema auditivo do ser humano é muito sensível e está preparado para receer sons de intensidades muito aias, da ordem de 0-2 W/m 2 (ou seja, 0, W/m 2 ) até intensidades tão altas quanto 0 W/m 2. A intensidade (ou volume) do som é medida por uma unidade

8 chamada deciel (db ou Watt por metro quadrado) e calculada pela fórmula: onde: I é a intensidade medida em W/m 2 I db 0.log I 0 é a intensidade de Referência, normalmente 0-2 W/m 2 I I 0 Oserve na fórmula que aparece o termo log. Este termo é utilizado para indicar um logaritmo de ase 0. Mas o que é logaritmo? sore logaritmo. Para calcular a intensidade do som, vamos conhecer um pouco Se N, sendo N um número positivo qualquer e positivo e diferente de, o epoente é o logaritmo de N na ase, onde escrevemos log E. : então N. Caso seja igual a 0, escrevemos log N. log Propriedades dos logaritmos: a) log M. N log M log N M ) log log M log N N c) log N log N

9 ATIVIDADE 6: O Colégio Olavo Bilac situa-se entre duas ruas de tráfego intenso de carros, caminhões e ônius. A maioria das salas fica a aproimadamente 5 m da rua. Com as informações que oteve até este momento, é possível determinar o máimo de tempo que uma pessoa pode ficar eposta diariamente neste local? ATIVIDADE 7: Com ase nos dados da TABELA e utilizando a função que determina o limite de eposição diária ao som, otida na atividade 4, verifique: a) por quanto tempo no máimo uma pessoa poderá epor-se ao som de uma discoteca ou outro amiente semelhante, onde haja som intenso? ) por quanto tempo uma pessoa pode permanecer em um autódromo, próimo à pista de corrida, sem provocar danos auditivos? ATIVIDADE 8: Utilizando os dados otidos na atividade 2, determine o tempo máimo de eposição a que se pode sumeter em cada um destes amientes, utilizando a função que representa o tempo máimo de eposição diária a determinado som, otida na atividade 4. ATIVIDADE 9: Utilizando as informações otidas na Atividade, complete o quadro aaio e calcule a quantidade de ruído asorvido por seu ouvido. Amiente Sala de aula Pátio Nível de ruído Tempo máimo de eposição diária no amiente Tempo de permanência no amiente Ruído asorvido

10 ATENÇÃO! Neste traalho foram aordadas questões relativas à audição, de uma maneira pouco aprofundada, para resultados mais precisos devem tamém ser considerados fatores como: idade, distância da fonte e capacidade auditiva individual. Detectando a perda auditiva: Os MP3 palyers se tornaram uma das principais causas dos prolemas de perda auditiva. A tecnologia digital desses aparelhos permite que o volume atinja a 00 db sem distorções. Por isso, há especialistas que falam da "surdez do ipod". Ouvir música alta e por um longo período em MP3 players pode fazer com que os jovens de hoje fiquem surdos 30 anos antes da geração de seus pais. Segundo o Dr. Javier Gavilán, chefe de otorrinolaringologia do Hospital La Paz, em Madri, "os jovens devem saer o quão prejudicial é ouvir música a mais de 60% do volume máimo e utilizar esses aparelhos de reprodução por mais de 60 minutos ininterruptos". Se você responder afirmativamente a uma ou mais das perguntas que seguem, é recomendável que procure um médico otorrinolaringologista para uma avaliação: Você costuma pedir para que as pessoas repitam o que acaaram de dizer? 2 Você prefere o volume da TV ou do rádio mais alto do que os demais? 3 As pessoas parecem estar murmurando quando falam com você? 4 Você tem zumido nos ouvidos? 5 Você responde coisas diferentes das que foram perguntadas? 6 Você sente dificuldades durante conversas ao telefone? 7 Você escuta o que as pessoas falam, mas não entende?

11 Qual o impacto do som na saúde Volume* Até 50 de 50 a 65 de 65 a 70 Acima de 70 Locais Sala de aula Praça de onde o alimentação de professor fala Rua sem Pátio na hora do shopping sem grita e tráfego recreio centers; ruas os alunos muito ouvem movimentadas quietos Perigo de A pessoa fica O organismo reage estresse Reação Confortável em posição para se adaptar ao degenerativo e de alerta amiente aalo da saúde mental Soe o nívle de cortisona no sangue, diminuindo a resistência imunológica; o cérero liera Efeitos Negativos Nenhum Fonte: revistaescola.aril.com.r Referências Biliográficas: Cai capacidade de concentração a endorfina, tornando Risco o corpo dependente enfarte químico dessa proteína; a pressão arterial soe por causa da lieração de adrenalina; aumenta o colesterol de A CAMINHO DA SURDEZ - html - Acesso em 28 de janeiro de ACÚSTICA - - Acesso em 3 de novemro de ALMEIDA, Lourdes Maria Werle de. Modelagem Matemática em sala de aula: em direção à educação matemática crítica. Anais III CNMEM, Piracicaa, 2003, pp0. ALMEIDA, Lourdes Maria Werle de; DIAS, Michele Regiane. Um estudo sore o uso da Modelagem Matemática como estratégia de ensino e aprendizagem.bolema, ano 2, nº 22, pp ALMEIDA, Lourdes Maria Werle de; BRITO, Dirceu dos Santos de. Modelagem

12 Matemática na sala de aula: algumas implicações para o ensino e aprendizagem da Matemática. BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática: uma nova estratégia. São Paulo.Editora Conteto COMO ACONTECE A PERDA AUDITIVA? - pages/learn/ learnhearing3.html. Acesso em 0 de novemro de DETECTANDO A PERDA AUDITIVA - perda_auditiva/perda_detalhe.asp?id=4. Acesso em 5 de novemro de FÍSICA DA FALA E DA AUDIÇÃO - downloads/parte3-ek.pdf. Acesso em 08 de fevereiro de O SOM. Acesso em 3 de novemro de PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Diretrizes Curriculares para o Estado do Paraná- Matemática. Curitia R-R-R-R-R..RUÍDO! - cid2.htm. Acesso em 3 de novemro de SPIEGEL, R. Murray. Álgera Superior. Traduzido por Celso F. Aluquerque. Ed. Mc Grau-Hill do Brasil. São Paulo.979.

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

A MEDICINA DO SOM. O ouvido humano é constituído de três partes: Ouvido externo Ouvido médio Ouvido interno

A MEDICINA DO SOM. O ouvido humano é constituído de três partes: Ouvido externo Ouvido médio Ouvido interno A MEDICINA DO SOM 1 O ouvido humano é constituído de três partes: Ouvido externo Ouvido médio Ouvido interno Figura 1: O sistema auditivo www.corpohumano.hpg.ig.com.br Figura 2: Componentes do sistema

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

Table of Contents. PT Informações Importantes de Segurança 20 Utilização do Microfone Remoto 23 Conecte, Ouça e Aproveite 25

Table of Contents. PT Informações Importantes de Segurança 20 Utilização do Microfone Remoto 23 Conecte, Ouça e Aproveite 25 USER GUIDE Table of Contents PT Informações Importantes de Segurança 20 Utilização do Microfone Remoto 23 Conecte, Ouça e Aproveite 25 Informações Importantes de Segurança Ouça com Responsabilidade Para

Leia mais

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186)

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) - Possibilita a percepção de sons diversos (fala, canto dos pássaros, barulho das ondas do mar, chacoalhar das folhas ao vento); - Os sons são transmitidos por

Leia mais

Introdução à perda auditiva

Introdução à perda auditiva Introdução à perda auditiva A importância da audição Ser capaz de ouvir é uma parte importante para uma vida ativa e agradável. A audição normal nos permite conectar-se com o mundo ao nosso redor, para

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia A NATUREZA DO SOM Diogo Maia "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA BARULHO...? "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA

Leia mais

Carregando mais do que devia!

Carregando mais do que devia! 1 Autora: Carla Cristina Escorsin Roque NRE: Jacarezinho Escola: Colégio Estadual Miguel Dias EFM Disciplina: Matemática (X ) Ensino Fundamental ( ) Ensino Médio Disciplina da relação interdisciplinar

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano Professor Mário Conceição Oliveira índice Oscilações e ondas...1 Tipos de Ondas...2 Tipo de deslocamento das ondas...2 Movimento ondulatório...2 Ondas Mecânicas...3

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 451/2009 "Estabelece políticas públicas para garantir a saúde auditiva da população Capixaba, através de medidas e políticas para a redução

Leia mais

UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO

UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO Marcus Nunes Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ mnunes@fsjb.edu.br RESUMO O ruído, como mais uma fonte de irritação, é um dos principais

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

PREVENÇÃO DA SURDEZ: ANÁLISE DOS EFEITOS DE UMA PALESTRA PARA JOVENS PREVENTION OF HEARING: CONSIDERATION OF THE EFFECTS OF A LECTURE TO YOUNG

PREVENÇÃO DA SURDEZ: ANÁLISE DOS EFEITOS DE UMA PALESTRA PARA JOVENS PREVENTION OF HEARING: CONSIDERATION OF THE EFFECTS OF A LECTURE TO YOUNG 505 PREVENÇÃO DA SURDEZ: ANÁLISE DOS EFEITOS DE UMA PALESTRA PARA JOVENS PREVENTION OF HEARING: CONSIDERATION OF THE EFFECTS OF A LECTURE TO YOUNG 1 2 3 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo relatar

Leia mais

TEXTO PARA ACOMPANHAMENTO DA PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA - DVD MARIA MERCEDES MEIRA LOPES. Maringá

TEXTO PARA ACOMPANHAMENTO DA PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA - DVD MARIA MERCEDES MEIRA LOPES. Maringá SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ TEXTO PARA ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

Volume +++ Situação Auditiva desafiadora 4629 Hz. Foco nos Momentos Preciosos

Volume +++ Situação Auditiva desafiadora 4629 Hz. Foco nos Momentos Preciosos Volume +++ Situação Auditiva desafiadora 4629 Hz Foco nos Momentos Preciosos APARELHOS AUDITIVOS ACRIVA Foco no que Você Quer Ouvir As câmeras digitais são amplamente usadas ao redor do mundo. Elas nos

Leia mais

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade.

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. LANÇAMENTO Placo Phonique Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. Ssshhh... o silêncio é ouro. O excesso de ruído é uma das principais queixas das pessoas num ambiente. Os ruídos, além de incomodarem,

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ILDO MENEGHETTI

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS A WIDEX É WINDMADE WindMade é o primeiro rótulo global de consumo, identificando empresas que utilizam energia eólica; A Widex é a primeira empresa

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Auditiva Professor: Pai Chi Nan 1 2 1 Ouvido externo Orelha Canal auditivo externo Função Coleta de sons 3 Ouvido médio Tímpano Ossículos Martelo Bigorna

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Som é qualquer variação de pressão que o ouvido pode detectar. Quando uma fonte sonora, como um diapasão, vibra, provoca variações de pressão no ar ambiente,, que

Leia mais

DECLARAÇÃO DE GUERRA AO RUÍDO

DECLARAÇÃO DE GUERRA AO RUÍDO DECLARAÇÃO DE GUERRA AO RUÍDO Diz-se que a capacidade auditiva deficiente não pode ser curada nem corrigida devido ao fato de que a perda da audição produzida pelo ruído é sempre permanente. O ouvido humano

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 6- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 6. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 6- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 6. uso escolar. Venda proibida. 6 ENSINO FUNDAMENTAL 6- º ano Matemática Atividades complementares Este material é um complemento da obra Matemática 6 Para Viver Juntos. Reprodução permitida somente para uso escolar. Venda proibida.

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DICAS PARA MELHORAR O SONO Dormir bem pode fazer toda a diferença para ir bem em uma prova, ser mais criativo no trabalho e manter uma boa memória. O sono é essencial para manter uma rotina saudável,

Leia mais

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro 1 INTRODUÇÃO A interferência sonora consiste em um recebimento de duas ou mais ondas de fontes diferentes. Neste caso, teremos uma região do espaço na

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 80

RESUMOS DE PROJETOS... 80 79 RESUMOS DE PROJETOS... 80 80 RESUMOS DE PROJETOS COMPARAÇÃO ENTRE AS RESPOSTAS DE FONES DE OUVIDO UTILIZADOS EM TOCADORES DE MP3... 81 MEDIÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO AMBIENTAL EM UMA FAZENDA DE AVICULTURA

Leia mais

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO Superintendência de Saúde Segurança e Ambiente do Trabalho CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO - Saúde Vocal - Ginástica Compensatória - Saúde Auditiva SINTTEL-Rio CARTILHA

Leia mais

VII-Pasqualetto-Brasil-8

VII-Pasqualetto-Brasil-8 VII-Pasqualetto-Brasil-8 POLUÍÇÃO SONORA NA CIDADE DE GOIÂNIA GERADA POR VEÍCULOS MOTORIZADOS. Antônio Pasqualetto 1 Engenheiro Agrônomo formado pela UFSM, Mestre e Doutor em Fitotecnia pela Universidade

Leia mais

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F.

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F. Índice Remissivo... 5 Abertura... 7 Guarantee / Garantia... 8 Certificado de Garantia Internacional... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

-~~ PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO

-~~ PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO COl.é. -~~ gio. da Vinci PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO NOME N 9 ANO --- Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma serre de exercicres que têm, como base, o que foi trabalhado em sala

Leia mais

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada wwwconcurseirosocialnet PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA Questões numeradas de 01 a 15 INSTRUÇÃO: Leia, com atenção, o texto abaixo e responda

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Poluição Sonora, Meio-ambiente, Aprendizagem.

PALAVRAS-CHAVE: Poluição Sonora, Meio-ambiente, Aprendizagem. 1 A POLUIÇÃO SONORA NO AMBIENTE ESCOLAR Edite Terezinha Marx Pricila Rocha dos Santos Orientadora RESUMO Existem barulhos no ambiente escolar que podem fazer com que os alunos e pessoas deste ambiente

Leia mais

Poluição Sonora. 4) Número de Aulas O trabalho será desenvolvido em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Poluição Sonora. 4) Número de Aulas O trabalho será desenvolvido em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Poluição Sonora 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre a poluição sonora, acuidade auditiva e os efeitos do excesso de barulho na saúde das pessoas. 2) Objetivo Específico Saber mais sobre

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA oculus.com/warnings

SAÚDE E SEGURANÇA oculus.com/warnings SAÚDE E SEGURANÇA oculus.com/warnings * Estes avisos sobre saúde e segurança são atualizados periodicamente para proporcionar precisão e integridade. Acesse oculus.com/warnings para conferir a versão mais

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF. MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV www.professorwaltertadeu.mat.br 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) = 10 n. Escreva

Leia mais

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano O Ouvido Humano Eng. Adriano Luiz Spada Attack do Brasil 1- Introdução Neste artigo abordaremos as principais características do ouvido humano, uma das principais ferramentas para quem trabalha com áudio.

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios: Doppler, cordas e tubos sonoros. 01. Observe as afirmações referentes às ondas sonoras: I) Sons de maior frequência têm maior velocidade.

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você conhecerá mais sobre a regulamentação que trata da exposição

Leia mais

1.Prestar atenção para ouvir; 2. Dar atenção; 3. Ouvir, sentir; 4. Perceber.

1.Prestar atenção para ouvir; 2. Dar atenção; 3. Ouvir, sentir; 4. Perceber. O ATO DE OUVIR SE RESUME AO USO DO APARELHO AUDITIVO? 1 A música na caixa ao lado traz uma questão bastante interessante, que é a importância de escutarmos, respeitarmos o que o outro tem a nos dizer e

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta)

Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta) PRODUÇÃO E PERCEPÇÃO DE SONS Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta) Tópico Complementar VII do CBC de Ciências Habilidades

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

Gestão ambiental e poluição sonora

Gestão ambiental e poluição sonora Gestão ambiental e poluição sonora João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais problemas causados pela poluição sonora, a forma

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 1 EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 RESUMO. Os efeitos do ruído decorrentes do desenvolvimento tecnológico alcançado pela Sociedade atual, não podem mais ser relegados

Leia mais

Melhore o desempenho dos seus aparelhos auditivos. Acessórios Wireless da Phonak

Melhore o desempenho dos seus aparelhos auditivos. Acessórios Wireless da Phonak Melhore o desempenho dos seus aparelhos auditivos Acessórios Wireless da Phonak A moderna tecnologia dos aparelhos auditivos faz com que a maioria das situações torna-se mais agradável de ouvir e entender.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

3M Saúde Ocupacional. Proteção Auditiva. Cartilha. de proteção. auditiva. Protegendo o seu mundo.

3M Saúde Ocupacional. Proteção Auditiva. Cartilha. de proteção. auditiva. Protegendo o seu mundo. 3M Saúde Ocupacional Proteção Auditiva Cartilha de proteção auditiva. Protegendo o seu mundo. PROTEGENDO O SEU MUNDO. Bem-estar é ir além dos sorrisos. Trabalho é ir além de produtividade. E proteção é

Leia mais

Página 1 de 5 Sequência Didática As ondas sonoras e suas propriedades físicas Utilizando elementos cotidianos e instrumentos musicais, explique à classe os conceitos físicos do som e os limites saudáveis

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP 2008 2 a Fase Professora Maria Antônia Gouveia.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP 2008 2 a Fase Professora Maria Antônia Gouveia. RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP 8 a Fase Professora Maria Antônia Gouveia. Instruções: Indique claramente as respostas dos itens de cada questão, fornecendo as unidades, se for o caso. Apresente

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

Tudo Sobre Audição. Innovative Hearing Solutions

Tudo Sobre Audição. Innovative Hearing Solutions Tudo Sobre Audição Innovative Hearing Solutions Conteúdo : Sobre a Bernafon Sobre a Bernafon 2 Desde 1946, a Bernafon tem aju- Os produtos da Bernafon estão Ouvindo os Sons da Vida 3 dado as pessoas a

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS.0 Representação O sistema de numeração decimal é o mais usado pelo homem nos dias de hoje. O número 0 tem papel fundamental, é chamado de base do sistema. Os símbolos 0,,, 3, 4, 5,

Leia mais

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2)

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) Disciplina: Biologia Série: 6ª série - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Órgãos dos sentidos (2) ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) A Audição O ouvido é o órgão coletor dos estímulos externos,

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE

MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE 2 SUMÁRIO»» Introdução... 4»» O que preciso para transmitir?... 7»» Como fazer...12»» Dicas (muito)

Leia mais

A poluição sonora difere bastante da poluição do ar e da água quanto aos seguintes aspectos:

A poluição sonora difere bastante da poluição do ar e da água quanto aos seguintes aspectos: Poluição Sonora Existe, na natureza, um equilíbrio biológico entre todos os seres vivos. Nesse sistema em equilíbrio os organismos produzem substâncias que são úteis para outros organismos e assim sucessivamente.

Leia mais

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição Sistema Sensorial Biofísica da Audição Falar pelos cotovelos... Ouvir pelos joelhos... SENTIDO DA AUDIÇÃO - FINALIDADE Detectar predadores, presas e perigo Comunicação acústica intra - específica Som propagação

Leia mais

NÍVEIS DE RUÍDOS NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS UCG

NÍVEIS DE RUÍDOS NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS UCG NÍVEIS DE RUÍDOS NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS UCG Antônio Pasqualetto 1, Ednira Gleida Marques 2, Carlos André Ribeiro Araújo 2, Ayana Cabral Crispim 2, Melissa Teixeira Gonçalves 2 RESUMO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea Ms Andréa Carla Lima Coelho Fgª Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade e Profª nos Cursos da Escola de Saúde e Educação

Leia mais

sac.brasil@phonak.com www.phonak.com.br SAC 0800 701 8105

sac.brasil@phonak.com www.phonak.com.br SAC 0800 701 8105 Life is on A Phonak tem como objetivo melhorar, substancialmente a qualidade de vida de pessoas com deficiência auditiva e das que convivem com elas. As desafiar de maneira criativa os limites da tecnologia,

Leia mais

Um papinho, um violão e a bendita construção!

Um papinho, um violão e a bendita construção! Um papinho, um violão e a bendita construção! A UU L AL A Após o passeio pela praia, Maristela e Ernesto voltaram para casa. Tomaram um banho e esperaram os amigos que iam chegar. O Sol já estava se pondo

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Barulho silencioso. Como jovens surdos lidam com uma sociedade em que a voz é um dos principais instrumentos de comunicação

Barulho silencioso. Como jovens surdos lidam com uma sociedade em que a voz é um dos principais instrumentos de comunicação Barulho silencioso Como jovens surdos lidam com uma sociedade em que a voz é um dos principais instrumentos de comunicação Carolina Barbosa e RR Sérgio e Alan conversam em libras no ponto de ônibus em

Leia mais

UNICAMP Faculdade de Ciências Médicas Fonoaudiologia. Filipe Modesto

UNICAMP Faculdade de Ciências Médicas Fonoaudiologia. Filipe Modesto UNICAMP Faculdade de Ciências Médicas Fonoaudiologia Filipe Modesto Abril/2014 Introdução à anatomia e fisiologia do sistema auditivo; O papel da audição no nosso dia-a-dia; Vida universitária e Audição

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro

POLUIÇÃO SONORA. Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro POLUIÇÃO SONORA Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro 1. Introdução Fevereiro, 2014 (v. 2.2) O ruído é um fator

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

Quando Aparelhos Auditivos Não Bastam

Quando Aparelhos Auditivos Não Bastam Esta é a promessa da Cochlear para você. Líder global em soluções auditivas, a Cochlear se dedica a trazer o dom da audição a pessoas de todo o mundo. As soluções auditivas da Cochlear reconectaram mais

Leia mais

Medição e Avaliação de Ruído Ambiental

Medição e Avaliação de Ruído Ambiental Medição e Avaliação de Ruído Ambiental Ministrantes Sérgio Soares da Silva Técnico Ambiental de Eng.ª Sanitária - MPGO Engº Sanitarista e Ambiental Esp. em Eng. De Segurança do Trabalho Programação Conceito

Leia mais

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja se!

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja se! Proteção Auditiva Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja se! Conhecendo o Risco O SOM O som é uma vibração que se propaga pelo ar em forma de ondas e que é percebida

Leia mais

VII-Pasqualetto-Brasil-7

VII-Pasqualetto-Brasil-7 VII-Pasqualetto-Brasil-7 ATIVIDADES INDUSTRIAIS PRODUTORAS DE POLUIÇÃO SONORA EM GOIÂNIA Antônio Pasqualetto 1 Engenheiro Agrônomo formado pela UFSM, Mestre e Doutor em Fitotecnia pela Universidade Federal

Leia mais