1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA"

Transcrição

1 GRUPO 5.2 MÓDULO 6

2 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva Os Ouvidos Mecanismo da Audição Saúde Auditiva Definição de Deficiência Auditiva Classificação Natureza da Perda Auditiva Localização da Lesão Momento da Perda Auditiva Causas da Deficiência Auditiva Surdez de Percepção ou Neurossensorial Surdez Genética Surdez por Causas Desconhecidas

3 1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA 1.1. OS OUVIDOS Chama-se de orelha (do latim, aurícula) ou pavilhão auricular (ou pavilhão auditivo externo ou ainda ouvido) à parte externa cartilaginosa do aparelho auditivo, ligada diretamente ao canal do ouvido externo. Os ouvidos são os órgãos da audição MECANISMO DA AUDIÇÃO De acordo com Claudia Mara Damian, a estrutura fisiológica do órgão da audição, ou seja, o ouvido, possui três grandes divisões: Ouvido externo: capta o som e, através do conduto auditivo, que funciona como um ressonador, amplifica duas ou três vezes as ondas sonoras. O tímpano é o divisor do ouvido externo e do ouvido médio. Ouvido médio: possui três ossículos, martelo, bigorna e estribo, que transmitem as vibrações produzidas pelo tímpano, o qual reage em função das ondas sonoras a uma membrana que cobre uma abertura chamada janela vestibular ou oval, a qual separa o ouvido médio (cheio de ar), do ouvido interno (cheio de líquidos). Ouvido interno: fechado num recipiente ósseo, possui três canais semicirculares, que não interferem no sentido da audição, mas oferecem o sentido de equilíbrio, e o caracol (cóclea). A cóclea, com seu formato de caracol, é a ponte de ligação entre o sistema mecânico de percepção do som e o sistema elétrico de envio da mensagem ao cérebro, através das vias neuronais. 3

4 Segundo Damian, com o movimento da bigorna, em função da ação do martelo, é acionado o movimento da janela oval; esta, por sua vez, está presa à bigorna. Portanto, sempre que a bigorna agir, a janela oval movimentar-se-á de forma reflexa. A janela redonda transmite as mensagens que chegam ao ponto de expansão e retração do fluído contido na cóclea. A importância da janela redonda está em que é ela que contém as informações referentes à frequência e à intensidade de um som. O sistema nervoso solicitará da janela redonda todos os dados a respeito do som captado. Até a janela redonda o processo é mecânico, e sofre defasagem no tempo. A partir daí, do sistema nervoso ao centro do cérebro responsável pela sensibilidade sonora, praticamente não há lapso temporal, porque a mensagem é enviada por pulsos elétricos infinitamente mais rápidos que os mecânicos. 2. SAÚDE AUDITIVA www2.ucg.br Os cuidados para evitar a surdez na infância começam antes mesmo de a criança nascer. Durante a gravidez, é necessário que a mãe faça o pré-natal, não tome remédios sem a aprovação do médico e, se houver necessidade de fazer um exame de radiografia, é necessário comunicar ao médico sobre a gravidez. 4

5 Após o nascimento do bebê, os pais devem ser orientados a não usar cotonete durante a higiene, nunca deixar que a criança brinque com botões, tampinhas, grão de feijão ou objetos pequenos, pois ela mesma pode colocar esses objetos no ouvido; da mesma forma, os pais devem evitar ambientes com alta sonoridade, pois isso pode prejudicar a audição da criança. Os pais devem ser orientados a vacinar o bebê contra sarampo, caxumba, meningite e rubéola, pois essas doenças podem causar surdez. 3. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA AUDITIVA A deficiência auditiva (DA) refere-se à incapacidade do sujeito de ouvir e falar; é o aluno que não pode utilizar os recursos naturais da sala de aula. Assim, uma criança é surda quando não percebe os sons nem mesmo com a ajuda de amplificadores. De acordo com González (2007), quando falamos em deficiente auditivo, referimo-nos a sujeitos que têm uma perda auditiva de maior ou menor grau. Quando a perda é total, falamos de surdos; quando a perda é parcial, falamos de hipoacusia. Esta pode ser leve, moderada ou severa, em função do grau de decibéis que o sujeito é capaz de perceber. Assim, para este autor, temos as seguintes definições: deficiência auditiva: termo genérico que indica uma incapacidade que pode ter nível de intensidade de médio a profundo; inclui os termos surdo e limitado de ouvido; limitado de ouvido: pessoa que, geralmente, com o uso de auxílio auditivo, tem bastante audição residual para ser capaz de processar informação linguística pela audição; 5

6 surdo: indivíduo cuja incapacidade auditiva impossibilita o processamento da informação pela audição. Do ponto de vista educacional, podemos classificar as crianças com déficit auditivo em duas amplas categorias: hipoacústicos: crianças com audição deficiente, por isso têm alterações na articulação, na reestruturação da linguagem ou, ainda, no léxico, mas, com ajuda de uma prótese auditiva, podem desenvolver uma vida normal. Portanto, a característica fundamental dessas crianças é adquirir a linguagem oral por via auditiva; surdos profundos: crianças que têm uma perda auditiva total; a informação não chega até elas em nível auditivo, embora tenham uma boa amplificação, por isso, a informação é recebida pelo visual. Portanto, a característica fundamental dessas crianças é a impossibilidade de adquirir a linguagem oral por via auditiva. A literatura atual considera que uma perda auditiva total é muito rara, pois parece existir um grau de audição residual; por isso, o termo deficiência auditiva, e não surdez CLASSIFICAÇÃO A deficiência auditiva (DA) pode ser classificada de acordo com três critérios: Natureza ou quantidade de audição que a criança perdeu. Detecção da lesão ou localização da parte do ouvido lesi o nada. Momento da perda auditiva NATUREZA DA PERDA AUDITIVA Ou quantidade em decibéis de audição perdida. Para isso, os autores se baseiam no Índice Haig estabelecido pelo Comitê Internacional de Audiologia. De acordo com Kirk e Gallagher (2000), para determinar o nível de audição de um sujeito, é necessário saber a intensidade de som que precisa ser ouvida pelo ouvinte. O audiômetro de puro-som, um instrumento-chave para medir a acuidade auditiva, é utilizado para apresentar ao indivíduo sons de frequência e intensidade conhecidas. Pede-se ao indivíduo que responda quando ouvir o som do audiômetro e a audição em cada ouvido é registrada separadamente, sendo o nível de audição registrado em um audiograma que mostra a perda em decibéis. Um nível auditivo de 30 decibéis indica uma leve perda de audição; um nível de 90 decibéis indica uma perda auditiva profunda. 6

7 Com isso, temos a seguinte classificação: Crianças com audição normal: audição inferior a 20 db, por isso percebe a fala e os sons perfeitamente. Crianças com DA leve: audição entre 20 e 40 db; não costumam ter problemas para ouvir, mas, quando se encontram em lugares com barulhos, podem ter dificuldade para perceber mensagens, sobretudo se forem utilizados termos ou expressões pouco conhecidas; por isso, costumam ter dificuldade na escola, uma vez que esses dois fatores se unem: barulhos próprios da escola e linguagem acadêmica. Para que o aluno tenha uma escolaridade normal, é necessária a utilização de prótese e fonoterapia, para trabalhar a articulação. Crianças com DA média: audição entre 40 e 70 db; com uso de prótese, é possível adquirir a linguagem oral por via auditiva e conversação de forma normal. Crianças com DA severa: audição entre 70 e 90 db; podem perceber apenas palavras amplificadas, e a aprendizagem da linguagem oral não ocorre de maneira espontânea. Por isso, é imprescindível o uso de prótese, treino auditivo e fonoterapia para conseguir ampliar o vocabulário, uma linguagem estruturada e fala inteligível. Crianças com DA profunda: audição superior a 90 db; não podem perceber a linguagem por via oral e precisam de intervenção especializada. Cofose: perda total da audição; não existem resíduos auditivos e seu patamar está abaixo de 120 db. Esse tipo de surdez não é frequente LOCALIZAÇÃO DA LESÃO Detecção da lesão ou localização da parte do ouvido lesionada. De acordo com os autores, dependendo da parte do ouvido que a lesão afeta, pode-se classificar a DA. Assim, temos a seguinte classificação: 7

8 Surdez de condução ou transmissão: afeta o percurso do som até o ouvido interno e se deve a obstáculos que ocorrem no ouvido externo ou médio, por alterações na cadeia, tumores, otites e malformações, e o tratamento envolve medicação ou intervenção cirúrgica. A perda auditiva não ultrapassa 60 db, sendo considerada uma surdez média. Surdez neurossensorial ou de percepção: as estruturas do ouvido interno e as vias de acesso ao cérebro foram atingidas (canal auditivo), por isso não é possível conseguir audição, já que a quantidade e a qualidade estão afetadas, sendo o caso de surdez propriamente dita. A intervenção envolve cirurgias com implantes coclea res. Surdez mista: ocorre quando o ouvido externo, médio e interno é afetado. Tratamento é cirúrgico e educacional. proa07profaluciane.pbwiki.com 3.4. MOMENTO DA PERDA AUDITIVA Surdos pré-locutivos: surdez anterior à aquisição da fala, isto é, entre zero e cinco anos. Nesses casos, deve-se utilizar um programa para que a criança adquira a linguagem oralismo e/ou sinais. Surdos pós-locutivos: surdez após a aquisição da fala, a partir de cinco anos, quando já contam com as estruturas da linguagem. Nesses casos, deve-se controlar e conservar o adquirido e tornar a criança consciente de seu déficit a fim de contornar alterações em suas relações pessoais e sociais. 8

9 4. CAUSAS DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA Kirk e Gallagher (2000) apresentam cinco causas principais para a surdez infantil: hereditariedade, rubéola materna, nascimento prematuro, meningite e incompatibilidade de sangue entre a mãe e a criança. A DA menos grave é causada por otite média, uma infecção comum do ouvido médio na infância, mas muitos casos estão na categoria causa desconhecida. Sendo assim, temos as seguintes causas para a deficiência auditiva: Causas pré-natais - Rubéola materna, hereditariedade, nascimento prematuro, incompatibilidade de Rh, desconhecidas. Causas pós-natais - Meningite, encefalite, desconhecidas. Sugestão de filmografia Mr. Holland: adorável professor Filhos do silêncio Querido Frankie O piano A música e o silêncio Surdez de transmissão Ouvido externo A malformações que afetam o conduto auditivo ou ausência do pavilhão auditivo; traumatismos ou inflamações no ouvido externo leve e severo ou tampões de cera. Essas alterações não impedem a audição, mas os sons são mal discriminados, com efeito transitório, uma vez que podem ser eliminados. 9

10 Ouvido médio - A deficiência auditiva nessa região é mais grave, embora possa ser corrigida por cirurgia. A infecção de origem é a otite média, mais frequente na infância, e pode afetar dois terços das crianças nos primeiros anos de vida (6 a 36 meses), sendo mais comum no verão do que no inverno SURDEZ DE PERCEPÇÃO OU NEUROSSENSORIAL Ouvido interno - A deficiência auditiva nessa região é ocasionada por lesões cocleares ou disfunções que afetam a maior parte da audição. Muitos casos de surdez pré-linguística são desse tipo; é mais grave e costuma ser permanente. Seu prognóstico é mais complicado do que o da surdez por transmissão. A causa pode ser por problemas genéticos, processos infecciosos e malformação congênita: pré-natal (rubéola na mãe durante a gestação); perinatal (hipóxia ou falta de oxigenação no parto); ou pós-natal (doenças infecciosas como meningite ou encefalite). O problema também pode ocorrer em crianças prematuras, por incompatibilidade de Rh e por traumatismos provocados após o nascimento (barulho ou traumatismo craniano). Em adultos também pode levar a DA por: deterioração progressiva do nervo, tumores intracranianos, hemorragias cerebrais, exposição à alta intensidade de sons, alteração da pressão e dos líquidos do labirinto (síndrome de Menière) SURDEZ GENÉTICA Ocorre nas crianças que têm pais surdos ou membros da família surdos; em seu histórico podem existir problemas de consanguinidade. 10

11 4.3. SURDEZ POR CAUSAS DESCONHECIDAS González (2007) afirma que a porcentagem, normalmente, é muito alta dos casos em que se desconhece com exatidão a origem da deficiência auditiva, que pode acontecer em qualquer momento da vida, podendo ser por envelhecimento, por traumatismos acústicos, etc. As dificuldades que uma criança surda tem em seu processo de aprendizagem são determinadas pela falta de comunicação oral com o professor e com os colegas. Cabe ao professor buscar uma forma de contato com o aluno, levando em consideração suas características intelectuais, afetivas e sociais, valorizando suas habilidades ou pontos de destaque. A qualidade de vida do DA depende de três fatores: realização acadêmica, modificação social e pessoal, e modificação profissional. Esse é o grande desafio do educador. br.geocities.com 11

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186)

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) - Possibilita a percepção de sons diversos (fala, canto dos pássaros, barulho das ondas do mar, chacoalhar das folhas ao vento); - Os sons são transmitidos por

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

As principais causas das perdas condutivas são:

As principais causas das perdas condutivas são: Perda auditiva: Existem três partes principais da orelha envolvidas no processo de audição: a orelha externa, a orelha média e a orelha interna. O processo auditivo começa quando as ondas sonoras entram

Leia mais

29/03/2016 FUNÇÕES DO OUVIDO

29/03/2016 FUNÇÕES DO OUVIDO FUNÇÕES DO OUVIDO 1. Ouvido externo (única parte visível): Principal captar as ondas sonoras e transmiti-la para o cérebro que as analisará (som: vibração física do ar cuja frequência audível pelo ouvido

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas Deficiência Auditiva Definição, Classificação, Características e Causas Definição Impossibilidade total ou parcial de ouvir, e possui níveis de graduação que vão do leve ao profundo. Diferença existente

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência auditiva Perda gradativa da audição, que dificulta a percepção e o entendimento da fala e de outros sons. http://blog.cancaonova.com/maosqueevangelizam/files/200

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XXIV O Ouvido Parte 2

O Nosso Corpo Volume XXIV O Ouvido Parte 2 O Nosso Corpo Volume XXIV um Guia de O Portal Saúde Outubro de 2010 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição Sistema Sensorial Biofísica da Audição Falar pelos cotovelos... Ouvir pelos joelhos... SENTIDO DA AUDIÇÃO - FINALIDADE Detectar predadores, presas e perigo Comunicação acústica intra - específica Som propagação

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

A importância da audição e da linguagem

A importância da audição e da linguagem A importância da audição e da linguagem A linguagem não é apenas uma função entre muitas[...] mas uma característica muito difusa do indivíduo, a tal ponto que ele se torna um organismo verbal.(joseph

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS Profª. Ms. * Introdução A deficiência auditiva traz algumas limitações para o desenvolvimento do indivíduo, uma vez que a audição é essencial para a aquisição da língua oral.

Leia mais

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo.

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Sistema auditivo Audição Audição Audição e equilíbrio Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Possui glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas apócrinas modificadas glândulas

Leia mais

O ouvido absoluto e o ouvido relativo: vantagens e desvantagens dentro da educação musical

O ouvido absoluto e o ouvido relativo: vantagens e desvantagens dentro da educação musical O ouvido absoluto e o ouvido relativo: vantagens e desvantagens dentro da educação musical Claudia Mara Damian Introdução Antes de mais nada, para que possamos melhor compreender o processamento da percepção

Leia mais

- Anatomia e Fisiologia do Ouvido. - Avaliação Básica do Ouvido e da Audição. - Principais manifestações patológicas

- Anatomia e Fisiologia do Ouvido. - Avaliação Básica do Ouvido e da Audição. - Principais manifestações patológicas Intervenções de Enfermagem à Pessoa com Problemas da Função Sensorial - do Ouvido - Avaliação Básica do Ouvido e da Audição - Principais manifestações patológicas três partes: ouvido externo, médio e interno.

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO

XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO NECESSIDADES DAS DIFERENTES POPULAÇÕES E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS NA CONSTRUÇÃO DA REDE DE CUIDADOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Sistema Vestíbulo-Coclear Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Salvador BA 27 de março de 2012 Componentes Orelha Externa Pavilhão Auditivo Meato Acústico Externo até a membrana

Leia mais

APOSTILA DE CIÊNCIAS

APOSTILA DE CIÊNCIAS Escola D. Pedro I Ciências - 2ª Unidade Carla Oliveira Souza APOSTILA DE CIÊNCIAS Órgão dos Sentidos Assunto do Teste SALVADOR BAHIA 2009 Os cinco sentidos fundamentais do corpo humano: O Paladar identificamos

Leia mais

OS S ENTIDOS Profe f sso s ra: a Edilene

OS S ENTIDOS Profe f sso s ra: a Edilene OS SENTIDOS Professora: Edilene OS SENTIDOS DO CORPO HUMANO O Paladar identificamos os sabores; OOlfato sentimosodoroucheiro; O Tato sentimos o frio, o calor, a pressão atmosférica, etc; AAudição captamosossons;

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

DEFICIÊNCIA AUDITIVA: ÊNFASE NA REABILITAÇÃO PRECOCE

DEFICIÊNCIA AUDITIVA: ÊNFASE NA REABILITAÇÃO PRECOCE Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde rof. Dr. Luzimar Teixeira DEFICIÊNCIA AUDITIVA: ÊNFASE NA REABILITAÇÃO RECOCE Clay Rienzo Balieiro Altair C. upo Luisa B. Ficker

Leia mais

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clinica Perda Auditiva Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR Nos termos do art. 4º, inciso III, da Lei nº 9.961, de 2000, compete à Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS elaborar o Rol de

Leia mais

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2)

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) Disciplina: Biologia Série: 6ª série - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Órgãos dos sentidos (2) ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) A Audição O ouvido é o órgão coletor dos estímulos externos,

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Auditiva Professor: Pai Chi Nan 1 2 1 Ouvido externo Orelha Canal auditivo externo Função Coleta de sons 3 Ouvido médio Tímpano Ossículos Martelo Bigorna

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey)

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey) Triagem Auditiva A deficiência auditiva permanente, de acordo com o Consenso Europeu em Triagem Auditiva Neonatal (DAP), é definida quando a média dos limiares auditivos obtidos nas freqüências 500, 1000

Leia mais

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA INTRODUÇÃO É o segmento da Física que interpreta o comportamento das ondas sonoras audíveis frente aos diversos fenômenos ondulatórios. Acústica

Leia mais

DECLARAÇÃO DE GUERRA AO RUÍDO

DECLARAÇÃO DE GUERRA AO RUÍDO DECLARAÇÃO DE GUERRA AO RUÍDO Diz-se que a capacidade auditiva deficiente não pode ser curada nem corrigida devido ao fato de que a perda da audição produzida pelo ruído é sempre permanente. O ouvido humano

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM)

SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM) SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM) CONCEITO: O Sistema de Frequência Modulada (Sistema FM) consiste de um transmissor com uma frequência de rádio específica, com uma antena e um receptor compatível, sendo

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

1 UMA INTRODUÇÃO À ANATOMIA DA AUDIÇÃO HUMANA E A SURDEZ

1 UMA INTRODUÇÃO À ANATOMIA DA AUDIÇÃO HUMANA E A SURDEZ 6 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objeto de análise o processo de aquisição da Língua de Sinais e da Língua Portuguesa pelo surdo. Isto se faz necessário, porque se pensar em uma proposta de escola inclusiva

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência Múltipla A Deficiência Múltipla refere-se à associação de duas ou mais deficiências, conforme o Decreto nº 5.296, art. 5º (BRASIL,

Leia mais

SURDEZ, LIBRAS E INCLUSÃO: O PEDAGOGO COMO MEDIADOR

SURDEZ, LIBRAS E INCLUSÃO: O PEDAGOGO COMO MEDIADOR SURDEZ, LIBRAS E INCLUSÃO: O PEDAGOGO COMO MEDIADOR Resumo MENDES, Márcia FESMAN marciamds07@hotmail.com MENDES, Sirlene Fátima Pinheiro EMPEB sifapime@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Leia mais

A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR

A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR Sheila Rodrigues Vieira 1 Andreia Nakamura Bondezan 2 A proposta deste trabalho é a de apresentar algumas causas da surdez e abordar o histórico da

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

IMPLANTE COCLEAR: CURA OU POSSIBILIDADE? RESUMO

IMPLANTE COCLEAR: CURA OU POSSIBILIDADE? RESUMO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 IMPLANTE COCLEAR: CURA OU POSSIBILIDADE? Luciane Fernandes Vieira (lufernandes@seed.pr.gov.br) RESUMO O surdo vive a margem da sociedade, como excluído e

Leia mais

Página 1 de 5 Sequência Didática As ondas sonoras e suas propriedades físicas Utilizando elementos cotidianos e instrumentos musicais, explique à classe os conceitos físicos do som e os limites saudáveis

Leia mais

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS A WIDEX É WINDMADE WindMade é o primeiro rótulo global de consumo, identificando empresas que utilizam energia eólica; A Widex é a primeira empresa

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL II

ENSINO FUNDAMENTAL II ENSINO FUNDAMENTAL II Valor: 2,0 Nota: Data: / /2015 Professor: Vagner Disciplina: ciências Nome: n o : Ano: 8º 3º bimestre ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO (CIÊNCIAS) Faça uma pesquisa com o seguinte tema: Patologias

Leia mais

CONCEPÇÕES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES SEM DEFICIÊNCIA ACERCA DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA

CONCEPÇÕES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES SEM DEFICIÊNCIA ACERCA DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA CONCEPÇÕES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES SEM DEFICIÊNCIA ACERCA DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA INTRODUÇÃO Maewa Martina Gomes da Silva e SOUZA 1 Universidade Estadual Paulista UNESP/Marília Sadao OMOTE 2 Universidade

Leia mais

FATEC Faculdade de Teologia e Ciências

FATEC Faculdade de Teologia e Ciências INTRODUÇÃO Um dos sentidos mais importantes, é a chave para a linguagem oral. Durante a gravidez, por volta da 20ª semana, o feto já é capaz de escutar alguns sons, entre eles a voz da mãe. Sem a audição,

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES ESCOLARES DE ALUNOS SURDOS

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES ESCOLARES DE ALUNOS SURDOS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES ESCOLARES DE ALUNOS SURDOS Resumo BOVOLON, Stefan PUCSP 1 morrisonbio@yahoo.com.br Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento Investigar

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

Plano de Aula CIÊNCIAS. Escutando os sons

Plano de Aula CIÊNCIAS. Escutando os sons Plano de Aula CIÊNCIAS Escutando os sons Escutando os sons. 08 p.; il. (Série Plano de Aula; Ciências) ISBN: 1. Ensino Fundamental Ciências 2. Ser humano e saúde 3. Educação Presencial I. Título II. Série

Leia mais

A VISÃO DO ALUNO NA INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NA ESCOLA REGULAR

A VISÃO DO ALUNO NA INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NA ESCOLA REGULAR Resumo VII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL A VISÃO DO ALUNO NA INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NA ESCOLA REGULAR Stefan BOVOLON PUCSP 1 Milena Carrijo

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR MELO, Carina do Nascimento Discente do curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva-FAIT RESUMO A deficiência

Leia mais

AUDIÇÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. O valor da comunicação verbal faz com que a audição, em alguns momentos, seja ainda mais importante que a visão.

AUDIÇÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. O valor da comunicação verbal faz com que a audição, em alguns momentos, seja ainda mais importante que a visão. SISTEMA NERVOSO SENSORIAL Sunol Alvar O valor da comunicação verbal faz com que a audição, em alguns momentos, seja ainda mais importante que a visão. 1 CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS

Leia mais

Diagnóstico, aconselhamento e habilitação Madeira, Junho 2005

Diagnóstico, aconselhamento e habilitação Madeira, Junho 2005 Diagnóstico, aconselhamento e habilitação Madeira, Junho 2005 Isabel Galhardo . Professora de Apoio Educativo Ministério da Educação 21 anos na Consulta de Grupo de Surdez Infantil do Serviço de ORL do

Leia mais

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 Proteção Auditiva Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 O Som O som é definido como qualquer variação na pressão do ar que o ouvido humano possa detectar.

Leia mais

COEM. CEUH Centro Espírita União e Humildade. Curso de Orientação e Educação Mediúnica. 7ª Sessão Classificação Mediúnica

COEM. CEUH Centro Espírita União e Humildade. Curso de Orientação e Educação Mediúnica. 7ª Sessão Classificação Mediúnica CEUH Centro Espírita União e Humildade Ponta Grossa / PR COEM Curso de Orientação e Educação Mediúnica 7ª Sessão Classificação Mediúnica - Mediunidade - Médium - Fenômenos Mediúnicos COEM - Curso de Orientação

Leia mais

A relação com o ambiente e a coordenação do corpo

A relação com o ambiente e a coordenação do corpo Daltonismo Algumas pessoas nascem com um ou mais tipos de cone em número reduzido ou ausente e, consequentemente, têm dificuldade de distinguir certas cores. Conjuntivite ANNABELLA BLUESKY / SCIENCE PHOTO

Leia mais

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE 1999 DO 202, de 21/10/99 O Ministro de Estado da Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e, Considerando a importância

Leia mais

ANÁLISE DA INTERAÇÃO COMUNICATIVA DO PROFESSOR COM O ALUNO DEFICIENTE AUDITIVO

ANÁLISE DA INTERAÇÃO COMUNICATIVA DO PROFESSOR COM O ALUNO DEFICIENTE AUDITIVO ANÁLISE DA INTERAÇÃO COMUNICATIVA DO PROFESSOR COM O ALUNO DEFICIENTE AUDITIVO PALAVRAS CHAVE: DEFICIENCIA AUDITIVA, EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO. INTRODUÇÃO Discute-se no panorama nacional, na área da Educação,

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 1

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 1 8. Audição e linguagem Introdução Os sons são vibrações periódicas do ar capazes de excitar nossos receptores auditivos (ondas sonoras), provocando uma percepção. As espécies têm diferentes capacidades

Leia mais

Proteção Auditiva Moderna e Aparelhos Auditivos Modernos Eles Podem Funcionar Bem Juntos

Proteção Auditiva Moderna e Aparelhos Auditivos Modernos Eles Podem Funcionar Bem Juntos Proteção Auditiva Moderna e Aparelhos Auditivos Modernos Eles Podem Funcionar Bem Juntos Por Robert M. Ghent, Jr., Au.D. Honeywell Safety Products. Introdução Você alguma vez se deparou com um trabalhador

Leia mais

Deficiência Auditiva. Ludwig Van Beethoven. Dados do IBGE CENSO 2000. Dados do IBGE CENSO 2000. Atividade Física Adaptada e Saúde

Deficiência Auditiva. Ludwig Van Beethoven. Dados do IBGE CENSO 2000. Dados do IBGE CENSO 2000. Atividade Física Adaptada e Saúde Ludwig Van Beethoven Atividade Física Adaptada e Saúde Dados do IBGE CENSO 2000 Dados do IBGE CENSO 2000 Número de deficiências detectadas Visual 16.573.937 Motora 7.879.601 Auditiva 5.750.809 Mental 2.848.684

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE. Para Pais Sobre TRIAGEM NEONATAL

INFORMAÇÃO IMPORTANTE. Para Pais Sobre TRIAGEM NEONATAL INFORMAÇÃO IMPORTANTE Para Pais Sobre TRIAGEM NEONATAL TRIAGEM NEONATAL... Uma altura especial... Um teste especial... Esta brochura descreve os testes de triagem neonatal que seu bebê receberá. A triagem

Leia mais

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC SURDEZ NO IDOSO www.sorocaba.pucsp.br/atn/apostilas/otorrino/index.htm www.dgsotorrinolaringologia.med.br Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO MERCADO DE TRABALHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

Estudos sobre a Deficiência. Brasília-DF.

Estudos sobre a Deficiência. Brasília-DF. Estudos sobre a Deficiência Auditiva e Surdez Brasília-DF. Elaboração Maria Aparecida Cormedi Produção Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 ORGANIZAÇÃO

Leia mais

FATORES QUE INFLUENCIAM O ESTADO DE SAÚDE E O CONTATO COM OS SERVIÇOS DE SAUDE (Z00 Z99)

FATORES QUE INFLUENCIAM O ESTADO DE SAÚDE E O CONTATO COM OS SERVIÇOS DE SAUDE (Z00 Z99) FATORES QUE INFLUENCIAM O ESTADO DE SAÚDE E O CONTATO COM OS SERVIÇOS DE SAUDE (Z00 Z99) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clínica Laudo médico Justificativa Tipos N máximo de sessões Exame geral

Leia mais

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Elisabeth, FIGUEIREDO CUNHA, UFU 1 Atna, Gomes Silva PELET, UFU 2 Eleuza, SOUZA, UFU 3 Resumo: Este estudo apresenta o

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id...

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id... Results Area Página 1 de 7 Invitations Invitations Sent: 0 Invitations Accepted: 0 Untracked Responses: 49 Total Completed s Received: 49 Total Incomplete s Received: 0 Total Responses Received: 49 Results

Leia mais

O Ministro de Estado de Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e,

O Ministro de Estado de Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e, PORTARIA Nº 1.278/MS DE 20 DE OUTUBRO DE 1999 O Ministro de Estado de Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e, Considerando a importância médico-social do tratamento da deficência auditiva;

Leia mais

Deficiência Visual Cortical

Deficiência Visual Cortical Deficiência Visual Cortical A deficiência Visual Cortical se refere a uma condição do Cérebro e não uma condição do olho e é o resultado das lesões no Cérebro e no Sistema Visual no que se refere ao processo

Leia mais

FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO

FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO Profa. Geanne Matos de Andrade Depto de Fisiologia e Farmacologia AUDIÇÃO Modalidade sensorial que permite aos animais eaohomenpercebersons Som é a pertubação vibratória do ambiente

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO ARTIGO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas e

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação Deficiência Deficiência Estabelecidos pelo Decreto Federal 3.298 de 20 de dezembro de 1999 (art. 3º, I e 4 ), que foi alterado pelo Decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004. É todo e qualquer comprometimento

Leia mais

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino.

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino. Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS PARA O ENSINO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS

A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS PARA O ENSINO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS 23 Interface Educação A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS PARA O ENSINO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS Ana Patrícia de Lima Bastos (1) Antonia Marlene Machado Correia

Leia mais

Deficiência Auditiva. O ouvido

Deficiência Auditiva. O ouvido Deficiência Auditiva Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 O ouvido O ouvido, o órgão da audição e do equilíbrio, é formado pelo ouvido externo, pelo médio e pelo interno. O ouvido externo capta as ondas

Leia mais

21-12-2015. Sumário. Comunicações. O som uma onda mecânica longitudinal

21-12-2015. Sumário. Comunicações. O som uma onda mecânica longitudinal 24/11/2015 Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 1.2 - O som uma onda mecânica longitudinal. - Produção e propagação de um sinal sonoro. - Som como onda mecânica. - Propagação de um som harmónico. - Propriedades

Leia mais

Acabando com a "Guerra do Volume"

Acabando com a Guerra do Volume Acabando com a "Guerra do Volume" Autor: Fernando A. B. Pinheiro Desde que comecei a trabalhar com sonorização em igrejas, há 15 anos, sempre vi uma guerra ser travada a cada culto e evento realizado.

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

CARACTERIZANDO A SURDEZ: FUNDAMENTAÇÃO PARA INTERVENÇÕES NO ESPAÇO ESCOLAR

CARACTERIZANDO A SURDEZ: FUNDAMENTAÇÃO PARA INTERVENÇÕES NO ESPAÇO ESCOLAR 75 CARACTERIZANDO A SURDEZ: FUNDAMENTAÇÃO PARA INTERVENÇÕES NO ESPAÇO ESCOLAR Edilania Reginaldo Alves 1 RESUMO: A incipiência de ambientes educacionais inclusivos, vinculados à interpretação construída

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação

9º Simposio de Ensino de Graduação O SURDO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO 9º Simposio de Ensino de Graduação Autor(es) GIULIELE APARECIDA DOS SANTOS OLIVEIRA Orientador(es) ELINE TEREZA ROZANTE PORTO 1. Introdução Surdez ou deficiência auditiva

Leia mais