Análise de uma experiência exitosa de implementação de sistemas de gestão ambiental no Brasil: o papel do treinamento e capacitação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de uma experiência exitosa de implementação de sistemas de gestão ambiental no Brasil: o papel do treinamento e capacitação"

Transcrição

1 Análise de uma experiência exitosa de implementação de sistemas de gestão ambiental no Brasil: o papel do treinamento e capacitação Alexandre d Avignon Milena Scheeffer Rogerio Valle Santiago de Chile, 2004

2 Este documento fue preparado por Alexandre d Avignon, Milena Scheeffer y Rogerio Valle, consultores de la División de Desarrollo Productivo y Empresarial de la CEPAL, en el marco del proyecto Formación Técnica y Profesional en América Latina, ejecutado por la CEPAL y financiado por el proyecto CEPAL/GTZ de Alemania. Las opiniones expresadas en este documento, que no ha sido sometido a revisión editorial, son de exclusiva responsabilidad de los autores y pueden no coincidir con las de la Organización.

3 Índice Resumo... 5 Introdução Sistemas de gestão ambiental (SGA) SGA baseado na ISO A evolução recente da implantação de SGAs no Brasil A aplicação das normas e a função de qualificação A qualificação e o conceito de melhoria contínua O item na ISO , treinamento, consciência e competência O estudo de caso: Braskem S.A O SGA na Braskem O treinamento previsto no manual de SGA da organização A efetividade do treinamento Reflexos nos acidentes de trabalho Reflexos na competitividade e produtividade Reflexos na estabilidade do emprego Reflexos na redução, reuso e reciclagem Reflexos no uso dos recursos naturais e geração de resíduos Reflexos nos acidentes ambientais Considerações finais Bibliografia

4 Índice de cuadros Tabela 1 Número de empresas certificadas por área de atuação Tabela 2 Certificações ISO 14001, distribuição por setores Índice de gráficos Figura 1 Crescimento Comparativo das Certificações ISO 9001/2/3 e ISO Figura 2 Comparação das Certificações Mundo (x10), Europa e Japão Figura 3 Comparação das Certificações Japão, América Latina e Brasil Figura 4 Comparação das Certificações América Latina e Brasil Figura 5 Número de Certificações ISO nos principais Setores Industriais (2000) Figura 6 Empresa Tradicional x Empresa Voltada para Melhoria Contínua Figura 7 Segmentação das Principais Aplicações de Termoplásticos Figura 8 Taxa de Crescimento Anual (1990 a 2002) Figura 9 Incremento do Mercado de Polipropileno e Polietileno Figura 10 Localização das Unidades da Braskem Figura 11 Distribuição da Receita entre as unidades de negócio da Braskem, ano-base Figura 12 Taxa de Freqüência de Acidentes com e Sem Afastamento do Posto de Trabalho Figura 13 Taxa de Freqüência de Acidentes Com Afastamento do Posto de Trabalho Figura 14 Evolução da Produtividade com a Implantação do SGA Figura 15 Evolução do Consumo de Água Figura 16 Evolução do Consumo de Energia

5 Resumo Este trabalho destaca o treinamento e a qualificação em sistema de gestão ambiental implantado em determinada indústria brasileira. Analisa-se primeiramente a norma de especificação de Sistema de Gestão Ambiental, ISO 14001, sua criação, importância e parte da mesma relativa ao treinamento. Procura-se identificar os pontos particulares da participação brasileira na confecção da mesma e a influência desta participação na conduta das empresas brasileiras envolvidas com o tema. Destaca-se toda a estrutura voluntária de treinamento e a credibilidade e confiabilidade que o sistema de credenciamento aporta sobre os mesmos. Estuda-se como foram feitas as discussões sobre os critérios de credenciamento de organismos para inspeção, treinamento e verificação no caso brasileiro e a evolução dos mesmos. Avalia-se a credibilidade dos organismos de treinamento de auditores como um dos elementos fundamentais para a implantação de fato dos sistemas de gestão ambiental e seus programas de treinamento. Após esta análise, que contextualiza a qualificação dos empregados de uma empresa em relação às atividades produtivas que tenham alguma relação com aspectos ambientais, discute-se o conceito de melhoria contínua e sua relação com a necessidade de aprimoramento do treinamento e manutenção de uma dinâmica de aprendizado para se alcançar as metas de desempenho propostas no sistema de gestão ambienta. Utiliza-se esta discussão teórica para desenvolver o estudo de caso que contou neste trabalho com os dados fornecidos pela gerência coorporativa de meio ambiente da Braskem S.A. Por meio de análises de dados fornecidos pela empresa e de depoimentos de pessoal 5

6 envolvido no sistema de gestão ambiental e na obtenção da certificação ambiental, discute-se a importância do treinamento no aumento de consciência ambiental e, portanto, melhoria de condições de vida do trabalhador, aumento de competitividade da empresa e diminuição dos impactos ambientais das atividades e dos acidentes de trabalho. 6

7 Introdução A dimensão ambiental das atividades produtivas será cada vez mais essencial no cenário de negociações entre os países da América Latina e Caribe com os países industrializados. Esta região oferece serviços ambientais globais que ganham importância no início deste milênio. Além de proporcionar fixação de carbono nas ainda extensas florestas tropicais e contar com biodiversidade bastante rica, a América Latina e o Caribe e, especialmente, o Brasil oferecem custos bastante atrativos para implementação de projetos de mitigação de gases de efeito estufa (GEE). É ainda nos países do continente que se encontram projetos significativamente menos custosos do que os hoje encontrados nos países industrializados. As responsabilidades comuns, mas diferenciadas das partes que integram a convenção quadro de mudanças globais do clima das Nações Unidas possibilitam aos países da América Latina e Caribe oportunidades consideráveis no que diz respeito a projetos e empreendimentos comprometidos com o desenvolvimento sustentável. O treinamento e os sistemas criados para gerar novas competências possibilitam a introdução de conceitos de melhoria contínua das atividades, que têm a variável ambiental como um dos elementos fundamentais. Esta opção de algumas empresas promove um salto na qualidade ambiental das atividades, diminuindo consideravelmente os acidentes e incidentes ambientais, pois capacita os empregados na percepção dos aspectos ambientais da atividade. A tentativa de associar treinamento e resultados no desempenho ambiental não é uma tarefa fácil, pois não há compilações dos dados para este tipo de análise. As informações mantidas pelas empresas estão associadas a indicadores tradicionais que não permitem este tipo 7

8 de cruzamento de informações. A norma ISO de especificação e guia para sistema de gestão ambiental possibilita um tratamento bastante apropriado do treinamento quando adequadamente implantada. Como uma norma sistêmica de gestão ela tem foco no treinamento de pessoal, documentação e avaliação permanente dos procedimentos adotados na organização. No momento em que cruzamos as informações sobre os planos de treinamento existentes no manual de gestão ambiental com os resultados do desempenho ambiental e até da competitividade da empresa percebe-se uma ligação considerável. Este trabalho pretende dar visibilidade ao treinamento e aprimoramento de novas competências, como elementos motores de um sistema de gestão ambiental na organização. A Braskem S.A foi escolhida em razão de seu porte, atenção dispensada pela sua gerência coorporativa de meio ambiente ao desafio do tema e, além disso, por representar um segmento importante da indústria brasileira. 8

9 1. Sistemas de gestão ambiental (SGA) 1. SGA baseado na ISO Publicada em 1987, a ISO série 9000 tem grupo de normas técnicas internacionais voluntárias de sistema que trata da implantação de procedimentos gerenciais e operacionais que garantem a qualidade. Em dezembro de 2002, o número de certificações de gestão da qualidade, pelas ISO 9001/2/3 em todo o mundo chegava a (ISO-Survey 2004). A ISO Série 14000, por sua vez, fornece grupo de normas técnicas voluntárias relacionadas à sistema de gestão ambiental, sendo a certificável. As duas Séries da ISO se tornaram importante fator de competitividade para determinados segmentos industriais voltados para a exportação ou setores tradicionalmente intensivos em recursos naturais, com riscos elevados e potencialmente poluidoras como mineração e petróleo. O ritmo de crescimento das certificações, em ambos os casos, representa bem como estes códigos de conduta tiveram aderência por parte das empresas. A figura 1 a seguir mostra o crescimento de ambos os códigos de conduta. Nos primeiros cinco anos, as duas séries atingiram números bastante próximos; em 1992, a ISO 9001/2/3 já havia obtido cerca de 27 mil certificações. A ISO 14001, após 4 anos de existência, conta com aproximadamente 22 mil certificações. É interessante observar que já existiam certificações ambientais em 1995; isto se deve ao uso da BS 7750, norma de SGA inglesa, antes da publicação, em 1996, da ISO Estas normas voluntárias de gestão têm no treinamento um importante fator para sua adequada implantação. 9

10 Figura 1 CRESCIMENTO COMPARATIVO DAS CERTIFICAÇÕES ISO 9001/2/3 E ISO (Obs: As certificações da ISO 9001/2/3 devem ser multiplicadas por 10.) Certificação Certificação 9001/2/3 (x10) 56174, , , , , , , , , , ,6 Certificação 9001/2/3 (x10) Certificação Fonte: formulação própria baseada na ISO-Survey A série de normas ISO 14000, em especial, a norma certificável ISO 14001, tem limitações como um código de conduta, pois não pode, por si só, melhorar efetivamente a performance ambiental da indústria. Ela propõe um sistema fechado que identifica seus próprios parâmetros de monitoramento e melhoria. Não se pode esperar que ela possa solucionar os problemas ambientais do segmento industrial, mesmo porque a ISO nasce no setor produtivo, através das instituições de normalização, como uma reação do setor empresarial ao aprimoramento da legislação ambiental, em grande parte dos países, para um maior controle das atividades potencialmente poluidoras. Baseada, na sua grande maioria, em conceitos de comando e controle, a regulação ambiental pública ainda precisa de muitos ajustes para que haja um envolvimento espontâneo das atividades econômicas potencialmente poluidoras em processo de autocontrole e auto-monitoramento. O SGA certificado ajuda a empresa a identificar seus aspectos e impactos, definir mecanismos de controle e monitoramento e treinamento para suportá-lo. A certificação pode, também, proteger a organização em um litígio legal, pois, de uma forma ou de outra, ela acaba demonstrando responsabilidade ambiental, mitigando as penalidades, em caso de acidente. É interessante observar que, para empresa, uma norma de sistema muda o foco de normas de padrões técnicos de engenharia para o domínio de políticas públicas. No caso da Série 14000, esta mudança vai mais longe, pois ela traz consigo o discurso do comprometimento com conceitos de desenvolvimento sustentável. A história de formação do Comitê Técnico da ISO de Gestão Ambiental, ISO/TC 207, demonstra essa preocupação. Desde 1971 a ISO se preocupa formalmente com o meio ambiente, mas, até a criação do ISO-TC 207, a Organização atuava em normas técnicas independentes e específicas restringindo-se a atuação nos seguintes comitês técnicos: ISO/TC Qualidade do Ar (1971); ISO/TC Qualidade da Água (1977) e ISO/TC Qualidade do Solo (1985). Com a implantação de um comitê específico e independente para gestão do meio ambiente, a ISO ampliou sua participação no tema de forma irreversível. Da atuação em normas técnicas de especificação de critérios e metodologias de medição de parâmetros, ela passa a confeccionar normas sistêmicas de orientação gerencial para a organização em relação ao meio ambiente. A Conferência das Nações Unidas de Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED-RIO-92), realizada no Rio de Janeiro, em junho de 1992, sobre o meio ambiente, sem dúvida foi um impulso decisivo para o movimento de normalização ambiental internacional neste campo.

11 Durante a preparação da RIO-92, foi proposta à criação junto a ISO de um grupo especial para estudar a confecção de normas gestão ambiental. Ele se denominava Strategic Advisory Group on the Environment (SAGE) e sua primeira reunião aconteceu, em 11 e 12 de outubro de 1991, tendo sido eleito para presidi-lo o Sr. Frank W. Bosshardt que participava de outro grupo, recém criado, o Business Council for Sustainable Development (BCSD) que viria a se chamar World Business Council for Sustainable Development (WBCSD). Após alguns meses de trabalho, este grupo propôs a criação de um comitê específico e independente na ISO para dar continuidade a seus trabalhos relacionados à gestão ambiental empresarial e ferramentas gerenciais para o meio ambiente. Em março de 1993, ocorria a instalação do ISO/TC 207, comitê técnico com a função de elaborar a série de normas de gestão ambiental internacionais. Essas normas foram batizadas pelo nome de ISO Série Na cerimônia de implantação, em 2 e 3 de junho de 1993, em Toronto no Canadá, o Sr MacSweeey do Standards Council of Canada (SCC) enfatizou a ótica daqueles que participavam da criação do ISO/TC 207 com o seguinte discurso;...a batalha da preservação ambiental será ganha ou perdida nos países em desenvolvimento.... O TC 207 será responsável pelo desenvolvimento da mais importante série de normas jamais produzidas, pela sua abrangência e pelos inúmeros benefícios que propiciará à sociedade e às empresas. A ISO Série abrangia seis áreas bem definidas: sistemas de gestão ambiental, auditoria ambiental, indicadores de desempenho ambiental, rotulagem ambiental, aspectos ambientais das normas de produtos e análise de ciclo de vida do produto. A estrutura, que sofreu pequenas modificações, comparada a de hoje, era a seguinte: Presidência - Canadá (CSA) Secretaria Canadá SC 1 - Sistema de Gestão Ambiental - Reino Unido (BSI) SC 2 - Auditorias Ambientais - Holanda (NNI) SC 3 - Rótulos Ecológicos (Selos Verde) - Austrália (SAA) SC 4 - Avaliação do Desempenho Ambiental - USA (ANSI) SC 5 - Análise de Ciclo de Vida - França (AFNOR) SC 6 - Termos e Definições - Noruega (NSF) WG -Aspectos Ambientais em normas e Produtos -Alemanha (DIN) Atualmente os seis subcomitês continuam a existir. O WG terminou seus trabalhos gerando o Guia 64 com o mesmo nome e foram criados três grupos. O primeiro, o WG 2 trava de floresta e também já teve suas atividades finalizadas. O segundo WG 3, talvez o mais importante em relação à inovação ambiental, intitulado Integração dos Aspectos Ambientais no Desenvolvimento de Produtos ligado a AFNOR. Este grupo de trabalho já finalizaou suas atividades como o WG 2. O terceiro, o WG 4, trata de comunicações ambientais. A estrutura do comitê deixa clara a preponderância dos países desenvolvidos nos subcomitês. Hoje ainda foi associado a estrutura do ISO/TC 207 o grupo de trabalho 5 (WG 5) de Mudanças Climáticas. As cinco primeiras normas publicadas pela ISO na segunda metade da década de 90 sofreram revisões e já está disponível a nova norma ISO de auditoria de qualidade e meio ambiente que substituiu as normas 14010, 11,12 e as versões ISO e / 2001 estão prestes a serem publicadas pela ISO. A implementação de normas técnicas de gestão ambiental, se feita corretamente, tem potencial para produzir benefícios generalizados especialmente no treinamento do trabalhador e seu envolvimento com a busca de processos produtivos mais sustentáveis. A adoção das normas vem, entretanto, provocando o surgimento de lacuna entre o empresariado comprometido com estas e o 11

12 empresariado que resiste a sua adoção. A normalização técnica, incipiente, entretanto, não parece ainda produzir efeitos na melhoria da qualidade de vida daqueles que sofrem diretamente com a poluição industrial, nem tem contribuído para reduzir o descompasso social entre as aspirações de modernização do empresariado e o reconhecimento e inclusão de culturas locais. O impacto causado pela utilização maciça das normas da qualidade da Série 9000 nas relações comerciais internacionais, não deixa dúvidas da necessidade das empresas se adaptarem aos novos tempos. O rápido crescimento do número de empresas certificadas mostra o grau de importância da implantação de procedimentos gerenciais que garantam a qualidade por meio de normas técnicas internacionais voluntárias. A aquisição da certificação de gestão da qualidade passou a ser indispensável à competitividade em muitos setores industriais. Em 2002, o Brasil tinha 7900 certificados por alguma das normas de sistemas de gestão da qualidade da Série ISO O país entrou definitivamente na era da qualidade. A difusão destas normas técnicas acabou por uniformizar a linguagem entre clientes e fornecedores. Assim, o mercado, cada vez mais competitivo, ganhou agilidade e versatilidade nos negócios e relações comerciais. No final da década de 1990, do século passado, outro impacto dava sinais: o das normas de sistemas de gestão ambiental. A Inglaterra, berço dos sistemas da qualidade e precursora dos sistemas de gestão ambiental, com a norma BS 7750, tinha, no final do ano 2002, empresas certificadas (ISO survey ). Não há dúvida, portanto, que as normas de meio ambiente tornaram-se uma exigência definitiva. No Brasil, muitas empresas se mobilizam, observando o mercado internacional, para obter o certificado. Hoje o país passou a marca de 1000 certificadas (Revista Meio Ambiente Industrial-2003). As figuras 2 e 3, a seguir, mostram a evolução das certificações. Figura 2 COMPARAÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES MUNDO (X10), EUROPA E JAPÃO Certificações Mundo (x10), Europa e Japão Nº de certificações Mundo Europa 226 Japão Anos Fonte: elaboração própria a partir da The ISO Survey-2002 (OBS: os valores relacionados à certificação no mundo devem ser multiplicados por 10, o objetivo é ilustrar a tendência da curva.) 12

13 Figura 3 COMPARAÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES JAPÃO, AMÉRICA LATINA E BRASIL Japão, AL & Brasil nº de Certificações 2000 Japão 0 Am.Latina Brasil Anos Fonte: Elaborado a partir da The ISO Survey Apesar de abordagens diferentes, as normas técnicas de sistemas de gestão ambiental compartilham dos mesmos princípios dos sistemas de gestão da qualidade. A Série ISO já acompanha a tendência da Série ISO 9000, passando a se tornar exigência principalmente para a exportação de alguns produtos de elevado valor agregado, potencial poluidor ou ainda mercados muito competitivos. As figuras 3 e 4 deixam claro que a Europa participa com praticamente a metade das certificações mundiais e o Japão representa aproximadamente um terço das mesmas. A forte tendência do aumento das certificações não é acompanhada pela América Latina. E mesmo no continente latinoamericano fica clarão que o Brasil, apesar de representar o maior número de certificações não acompanha com a mesma vitalidade a tendência de aumento que se delineou em 2001 e A figura 4, a seguir representa bem este quadro. Figura 4 COMPARAÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES AMÉRICA LATINA E BRASIL América Latina (até 2002) e Brasil (até 2003) nº de Certificações Am.Latina Brasil Anos Fonte: Elaborado a partir da The ISO Survey 2002 e da Revista Meio Ambiente Industrial Edição especial junho

14 A despeito de ser voluntária, a certificação por meio destas normas torna-se importante para aquelas empresas que desejem manter a competitividade. De maneira diversa das leis e regulamentos técnicos ambientais, que são compulsórios e o seu não cumprimento é passível de penalidade; as normas voluntárias não adotadas não acarretam sanções legais. Mas neste caso, é a competitividade que dita as regras. A não adoção das mesmas acaba por fechar portas para regiões de grande interesse econômico. Para implementação destas normas, em especial a 14001, é necessário treinamento específico. No plano ambiental, apesar de haver uma procura pela apropriação do conhecimento tácito do trabalhador, este terá necessariamente que aumentar seu conhecimento em relação a uma conduta ambiental mais saudável. O maior conhecimento da Legislação Ambiental é um dos primeiros passos do treinamento que acaba refletido em aumento da cidadania, pois este trabalhador de posse desse tipo de conhecimento tem melhores condições de exigir um meio ambiente ecologicamente equilibrado essencial à sadia qualidade de vida como a Constituição Brasileira define no seu Art 225º. O desenvolvimento de normas de sistemas de gestão ambiental para processos, produtos e serviços, está, portanto, associado a dois movimentos de extrema importância na década passada. O primeiro relaciona-se à grande disseminação dos sistemas de gestão da qualidade e de conceitos de controle e qualidade total. Com um sistema da qualidade implantado, fica mais fácil a introdução de um sistema de gestão ambiental, porque as normas de certificação da Série ISO 9000 e têm estruturas bastante similares. A própria norma ISO apresenta um anexo indicando as semelhanças e diferenças entre os requisitos dos itens correspondentes aos da norma ISO O segundo movimento diz respeito ao crescimento das organizações não governamentais, agências e partidos políticos em torno das questões ambientais. A conjugação destes dois movimentos aumenta as pressões sobre as atividades produtivas que, por sua vez, se organizam adotando discurso de manter seu crescimento mediante a adoção de medidas que viabilizem a manutenção de uma vida saudável no presente e no futuro. A Figura 5 mostra as certificações de alguns setores industriais. Figura 5 NÚMERO DE CERTIFICAÇÕES ISO NOS PRINCIPAIS SETORES INDUSTRIAIS (2000) Equ. Elétrico Metal- Mecânica Química Construção Prod.Alimentício cigarros Borrachas Plástico Paple e celulose Fonte: elaborado a partir da The ISO Survey Tenth Cycle

15 A figura 5 sinaliza quais são as tipologias industriais que mais procuram a certificação. Equipamentos elétricos que englobam, também equipamentos óticos têm destaque no número de pedidos. São setores normalmente de produtos com alto valor agregado e de baixo impacto ambiental, mas que precisam muito controle no processo. Este setor acompanha o número de certificados da ISO 9001/2/3. Ou seja, fica mais fácil a implantação em empresas que já tenham certificados de outros sistemas de gestão. Além de estes setores serem especializados e exportadores, participam consideravelmente do comércio internacional. O segundo colocado da lista congrega metalúrgicas, siderúrgicas e equipamentos mecânicos. Estes já começam a compor as empresas de grande potencial poluidor, energo-intensivas e grande consumidores de matériasprimas. No caso de um país em desenvolvimento como o Brasil, temos exemplos que se enquadram perfeitamente neste setor, como a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) que foi uma das pioneiras no movimento de participação do país no ISO/TC 207. Química é o terceiro e enquadra-se perfeitamente nas condições de pressão da sociedade civil pela prevenção de acidentes e plantas mais seguras. A necessidade de controle e a adoção anterior da Atuação Responsável (programa específico para os setor químico), também, são fatores que influenciam na adoção sistemática por este setor. É interessante notar a participação de indústrias de construção civil notórias pelo grande desperdício de matérias-primas e grande empregadora de mão de obra. Este, infelizmente, ainda não é um setor que se reflete no Brasil. Os últimos setores também causam impacto considerável ao meio ambiente e em especial o papel e celulose e cigarros estão ligados à desflorestamento. Por esta razão o controle destas atividades se intensifica em razão do comércio internacional destes produtos. As normas possibilitam que as empresas que atendam aos requisitos, nelas especificados, obtenham o certificado de cumprimento, a partir de uma auditoria. A certificação é realizada por um organismo certificador autorizado e permite que a empresa demonstre aos interessados a qualidade ambiental de seu sistema de gestão. Para tal, a organização deve identificar as necessidades de treinamento. Todo o pessoal cujas atividades possam criar algum impacto ambiental significativo tem que receber treinamento apropriado adquirindo competência e consciência compatíveis com sua função (ISO ). A qualidade ambiental baseada em normas de gestão não precisaria, portanto, de uma revolução nos procedimentos e processos na empresa, as modificações resultariam de um aprimoramento permanente da qualificação e competência do trabalhador. Para que se obtenha sucesso em sua implementação, um dos requisitos é consciência do significado do SGA em todos os níveis hierárquicos da organização. A introdução do mesmo não pode representar imposição gerencial, devendo haver integração das funções com responsabilidades e comprometimento da alta direção da empresa. A obtenção da qualidade ambiental, neste caso, representa um processo contínuo, de longo prazo, que requer mecanismos corretivos e melhorias contínuas, no qual a identificação e a revelação das falhas pode ser vista como uma barreira cultural a ser vencida. A participação de representações brasileiras no ISO/TC 207 reflete também a disposição setores industriais em território nacional se envolverem com este processo. No próximo item discutem-se os dois momentos da participação brasileira. 2. A evolução recente da implantação de SGAs no Brasil O gradativo aumento da ISO no país demonstra o interesse de organizações de diversos segmentos do mercado, como por exemplo, as de pequeno e médio porte, evidenciando a maleabilidade da norma em atender uma clientela bastante diversificada. Entre os benefícios alcançados com a implementação do SGA destaca-se a melhor qualificação do trabalhador em relação aos aspectos e impactos ambientais da atividade. A garantia 15

16 de um melhor desempenho ambiental; a melhoria da imagem para o mercado; melhor relacionamento com os órgãos ambientais e com a comunidade; redução de desperdícios e possibilidade de obter financiamentos podem ser consideradas como conseqüências de uma maior consciência e aprimoramento da qualificação de todo o corpo funcional da organização. As estatísticas abaixo demonstram a evolução do quadro de certificações por setor e por região ocorridas entre os anos de 2002, quando o Brasil tinha 600 empresas certificadas e o ano de 2003, quando o país alcançou a marca de empresas certificadas. Para um panorama geral das certificações da ISO no Brasil, consultou-se a Base de Dados de Empresas Certificadas ISO do INMETRO, 1 que disponibiliza as informações de empresas certificadas por organismos de certificação credenciados pelo INMETRO na área de Sistemas de Gestão Ambiental. O total de empresas certificadas, válidas com marca de credenciamento INMETRO é de 416 empresas (janeiro/2004). Destaca-se que o número de empresas certificadas pela ISO no Brasil é maior do que o que consta na base de dados do INMETRO, já que nem todas as empresas optam por solicitar a certificação com base nos critérios do Sistema Brasileiro de Avaliação de Conformidade (SBAC), usado na certificação do INMETRO. Muitas empresas são certificadas pela ISO sob outros sistemas acreditadores, daí o número de empresas certificadas no Brasil ser maior do que o número disponível na base de dados do INMETRO. Segundo a Revista de Meio Ambiente Industrial Edição Especial nº 43 maiojunho/2003, já existem empresas certificadas pela ISO no Brasil. As estatísticas consolidadas por esta revista demonstram a evolução do quadro de certificações por setor e por região, ocorridas entre os anos de 2002 e Estes dados são confirmados pela ISO Survey- Twelfth Cycle(2002), 2 que já contabiliza um total de 900 empresas brasileiras certificadas. Estes dados induzem que a implementação do SGA pode ser um excelente investimento com retorno garantido. Segundo a Revista Meio Ambiente Industrial (2003), as estatísticas das certificações por região mostram que 60% das certificações ocorreram na Região Sudeste, 17,2% na Região Sul, 11% na Região Nordeste, 5% na Região Norte, 1,1% na Região Centro-Oeste e 5,6% são indefinidas. A Tabela 2 ilustra a distribuição por setores das certificações ISO no Brasil. Vale ressaltar que a Revista Meio Ambiente Industrial não utiliza nenhum código de classificação industrial. Por outro lado, se compararmos os dados com a Figura 5, criada com base nos dados fornecidos pela ISO, percebe-se as particularidades brasileiras. O Setor Eletro-Eletrônico perde a primeira colocação para Química e Petroquímica. Além disso, o Setor Automotivo destacase na segunda colocação diferentemente o que ocorre no mundo. 1 Dentre as competências e atribuições do INMETRO pode-se destacar a coordenação, no âmbito do Sinmetro, da certificação compulsória e voluntária de produtos, de processos, de serviços. 16

17 Tabela 1 NÚMERO DE EMPRESAS CERTIFICADAS POR ÁREA DE ATUAÇÃO 3 Área de Atuação ISO 14001:1996 Administração Pública e Defesa; Seguridade Social Oficial 0 Agricultura Pecuária, Caça, Silvicultura 4 Atividades de Serv.Sociais Comunitários e Serv. Pessoais - Outras 14 Atividades Imobiliárias; Locações e Prestação de serviços 35 Comércio; Conc. de veículos auto; bens de pessoais e domésticos 18 Construção 7 Educação 0 Hotéis e Restaurantes 4 Ind. de Transf. - artigos de borracha e de plást. 15 Ind. de Transf. - Celulose, Papel, Papelão e Prod.; Edição e impres. 11 Ind. de Transf. - Coque, Refinados de Pet. e combustível nuclear. 22 Ind. de Transf. - Equip. de transporte 28 Ind. de Transf. - Madeira, Cortiça e seus produtos. 9 Ind. de Transf. - Máquinas e Equip. não específicos. 9 Ind. de Transf. - Metais de Base e Prod. Metálicos. 21 Ind. de Transf. - Outras 1 Ind. de transf. - Prod. minerais não metálicos - Outros. 1 Ind. de transf. - Química de Base, Prod.Químicos, e fibras sintét e artif. 50 Ind. de Transf. - Têxteis 8 Ind. de Transf.- Couro e Prod. de Couro (Exceto vestuário) 1 Ind. de Transf.- Eletrônica e Ótica 37 Ind. de Transf.- Prod. Alimentícios, Alimentos, Bebidas e fumo. 21 Ind. Extrat. - (Exceto produtos energéticos) 3 Ind. Extrat.- Extração de Produtos Energéticos. 9 Intermediação Financeira 0 Organizações e Entidades Estrangeiras 0 Pesca 0 Saúde e Serviço Social 0 Serviço Doméstico 0 Suprimento de Energia Elétrica, gás e água 9 Transp; Armazenagens e Telecom. 79 Total: 416 Fonte: base de dados do INMETRO, consulta feita em janeiro/ O INMETRO Respeita o código de Classificação Nomenclatura Geral de atividades econômicas da Comunidade Européia (NACE), similar à Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) 17

18 Tabela 2 CERTIFICAÇÕES ISO 14001, DISTRIBUIÇÃO POR SETORES. Setores Percentual Química/Petroquímica/Farmacêutica 21,80 Automotivo 17,30 Eletroeletrônico/Eletromecânico /Eletrônico 7,80 Outros 7,00 Metalurgia/Siderurgia 6,80 Alimentício/Bebidas 4,20 Têxtil/calçados 4,00 Plásticos e Borrachas 3,70 Transporte/Turismo/Hotelaria /Navegação/Logística 3,50 Prestação de Serviços 3,50 Papel e Celulose/Agroflorestal/Florestal/Madeireira/Reflorestamento/ Moveleiro 3,50 Mineração 3,10 Metal Mecânica/Mecânica 2,80 Tecnologia/Computação/ Telecomunicações 2,20 Elétrica 2,20 Construção Civil/Mat.Construção 2,20 Serviços Públicos/Saneamento/ Hidroelétrica/Hidrelétrica 1,90 Higiene/Limpeza/Cosméticos 1,40 Fábrica de Vidros 0,60 Fotográfico 0,50 Total: 100 Fonte: Revista Meio Ambiente Industrial maio-junho

19 2. A aplicação das normas e a função de qualificação Como a gestão ambiental proposta nas normas da série ISO é vista como parte integrante da função gerencial global de uma organização, o treinamento é essencial para uma implantação adequada de SGA. A norma ISO 1400: 1996 (Sistemas de Gestão Ambiental Especificações e Diretrizes para Uso) determina a implantação de uma série de requisitos para obtenção da certificação. Esta, inclusive, é por enquanto a única norma relacionada à SGAs da série passível de certificação. Dentre estes requisitos estão a determinação de política ambiental, planejamento, implementação e operação no qual se insere o treinamento, verificação e ação corretiva e análise crítica pela administração. Na ISO 14004: 1996 (Sistemas de gestão ambiental-diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio), norma de apoio para a implantação da ISO 14001, descreve estes requisitos como elementos de um SGA que devem estar em constante transformação e evolução. Esta assertiva indica um processo que pressupõe constante aperfeiçoamento. Faz-se necessário, portanto, uma aprendizagem individual e grupal e uma mudança organizacional para a permanente evolução do sistema de gestão ambiental. 1. A qualificação e o conceito de melhoria contínua A conquista e manutenção pelas empresas de uma posição vantajosa no mercado requer grande capacidade de adaptação e aprendizado. Com a atual reestruturação produtiva, as organizações se 19

20 afastam dos modelos de administração clássicos e tendem a flexibilizar as relações trabalhistas, incluindo novos mecanismos de qualificação do trabalhador. A necessidade de maior qualificação profissional reflete um cenário contemporâneo de competitividade dos países, das organizações e dos indivíduos. Alguns países passam a destinar parcela significativa de seu orçamento para qualificação e reconversão de sua força de trabalho, e a traçarem planos e políticas educacionais que visem a capacitar os indivíduos para lidarem com os novos paradigmas ambientais. O novo modelo de qualificação profissional não só rompe com o paradigma de qualificação anterior, que privilegiava a especialização, como também com o modelo comportamental requerido ao trabalhador. O silêncio e a fragmentação de tarefas cede lugar à comunicação e à interatividade. Ganha importância o ambiente subjetivo do trabalho: abstração, criatividade, dinamismo e comunicação. A programação e acompanhamento de máquinas, por exemplo, exige constante micro decisões, em um contexto industrial cada vez mais dinâmico. A aceleração das mudanças técnicas, associadas a novas práticas nas instituições políticas de proteção ambiental e de mercado, permite que o tempo e o espaço se distanciem. Por meio de uma rede integrada de computadores ou telefonia, um indivíduo poderá negociar decisões com interlocutores em diferentes lugares, a um só tempo. A integração efetuada pela automação de tarefas e rotinas permite a diminuição do trabalho direto e a intensificação do indireto. Essa mudança explicaria a exigência de trabalhadores com maior qualificação profissional e envolvimento pessoal. O alto custo dos equipamentos e as conseqüências de um acidente ambiental grave determinam maior atenção, responsabilidade e atuação preventiva dos trabalhadores. Surge um novo conceito, o da competência. Este, segundo Zarifian (2001- cit Valle 2003), associa idéias como comunicação e autonomia, participação e comprometimento, elementos presentes nas proposta de SGA contida na ISO As organizações passam a solicitar competências que agreguem valor ao diploma e que tenham aplicabilidade na situação de trabalho. O indivíduo deve ser capaz de mobilizar suas competências para geração de conhecimento na empresa; capacidade esta que se constitui no termômetro de sua competência e de sua eficiência, na empresa e no mundo do trabalho. As organizações passam a valorizar o conhecimento dos trabalhadores, já que este potencializa a flexibilização funcional e sedimenta o processo de integração. Além disso, elas passam a adotar estratégias que viabilizem a absorção de conhecimento pelos trabalhadores, assim como políticas de remuneração e treinamento que incentivem a educação continuada e o aperfeiçoamento permanente do processo de trabalho. O modelo da competência valoriza a atuação individual. Entretanto, a avaliação do desempenho do trabalhador permanece orientada para situações específicas e pontuais, tendo como parâmetro elementos de difícil hierarquização e codificação como a criatividade, iniciativa, motivação. Há também uma ruptura com a classificação salarial por qualificação profissional, já que a aparente superação do padrão escolar e a individualização salarial não contribuem para a afirmação de uma identidade coletiva. Surgem possibilidades de novas articulações, a partir de elementos privilegiados pelo modelo econômico em curso, principalmente a comunicação e a integração funcional. O modelo de competência pode representar a superação da polarização das qualificações, pois estas deixam de ser o elemento definidor dos postos de trabalho e dos salários. O coletivo cede lugar ao individual e a competência surge como elemento da eficiência e produtividade do indivíduo, um instrumento absorvido e identificado com os objetivos empresariais. A competência parece ligada à política, aos objetivos e metas da organização e à capacidade do indivíduo em responder adequadamente aos novos requisitos. O conceito de melhoria contínua contido na norma ISO corrobora com a transformação que se processa no padrão produtivo das organizações. De acordo com a definição do item 3.1 da ISO 14001:1996, a melhoria contínua é o processo de aprimoramento do sistema de gestão ambiental, visando atingir melhorias no desempenho ambiental global de acordo com a 20

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Petroquímica Básica Instrutor André Costa

Petroquímica Básica Instrutor André Costa Petroquímica Básica Instrutor André Costa Como é explotado da jazida não possui valor agregado para o homem. É uma mistura complexa de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam carbono e hidrogênio.

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008.

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Sumário As Normas ISO 14000 4 A Rotulagem Ambiental 5 Rotulagem Tipo I NBR ISO 14024 5

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Processos de Gerenciamento de Portfólio e Projetos da Braskem

Processos de Gerenciamento de Portfólio e Projetos da Braskem Processos de Gerenciamento de Portfólio e Projetos da Braskem ABEAV Carlos Eduardo Pereira Peninha 07/10/2008 Agenda Apresentação da Braskem Gestão do Portfólio de Investimentos CAPEX Sistemática de Implantação

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015 Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem Jorge Soto 11/08/2015 1 Braskem INTEGRAÇÃO COMPETITIVA EXTRAÇÃO Matérias Primas 1 ª GERAÇÃO Petroquímicos Básicos 2 ª GERAÇÃO Resinas Termoplásticas

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

A INDÚSTRIA DO ESTADO DA BAHIA. Estrutura

A INDÚSTRIA DO ESTADO DA BAHIA. Estrutura A INDÚSTRIA DO ESTADO DA BAHIA Estrutura A principal característica da indústria do é a pequena diversificação de sua estrutura. Os quatro gêneros mais significativos de indústria química, metalúrgica,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN PUBLICAÇÃO CDTN 931 Sistema de Gestão Ambiental SGA de acordo com as Normas NBR ISO 14001 e 14004, da

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

A organização investe fortemente na capacitação de pessoas e na formação de profissionais capazes de atender aos desafios do crescimento acelerado

A organização investe fortemente na capacitação de pessoas e na formação de profissionais capazes de atender aos desafios do crescimento acelerado RELATÓRIO ANUAL GERDAU 27 65 COLABORADORES A organização investe fortemente na capacitação de pessoas e na formação de profissionais capazes de atender aos desafios do crescimento acelerado Ed Carlos Alves

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

As questões ambientais relacionadas

As questões ambientais relacionadas 6 AS NORMAS ISO 14000 E AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As questões ambientais relacionadas com as atividades da indústria e do comércio passaram a afetar decisivamente as empresas, a partir da década de

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ.

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ. 1 Versão: 04A APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico 2.3 Transformados Plásticos Diagnóstico A indústria de plásticos vem movendo-se ao redor do mundo buscando oportunidades nos mercados emergentes de alto crescimento. O setor é dominado por um grande número

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001)

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001) 1 INFO012 REV 05 APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Núcleo Bradesco de Inovação Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Encontro CRI- MG 4 de Outubro de 2012 Apoio: Objetivo da Pesquisa Compreender como ocorrem as inovações ambientais nas empresas brasileiras;

Leia mais

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria 7 de Maio 2013 O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria Realidade da SST em Portugal Parte I A realidade das empresas em SST pode ser analisada com base nos dados conhecidos sobre:

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014 Pesquisa sobre Resíduos Sólidos Agosto de 2014 A Pesquisa OBJETIVO Conhecer o panorama atual e os desafios relativos à gestão dos resíduos sólidos na indústria do Brasil. Os resultados serão apresentados

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Avaliação de Ciclo de Vida Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Todo produto tem uma história Cada produto que chega às nossas mãos passa por diversos processos diferentes

Leia mais

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental 8 Sustentabilidade resultado 31 e Gestão de Riscos A Companhia reconhece que suas atividades influenciam as comunidades nas quais opera e se compromete a atuar de forma proativa para monitorar e mitigar

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Pré-Fabricação: O Contexto Habitacional e a Sustentabilidade A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 27 de agosto de 2009 ISO = International

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014. São Paulo, 12 de fevereiro de 2015

Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014. São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 Ressalva sobre declarações futuras Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos

Leia mais

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor)

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Principais obstáculos à ampliação da produtividade do trabalho

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

7/5/2012. Esta evolução compreende etapas distintas de pensamento, representadas por fases que precederam a visão largamente difundida no presente.

7/5/2012. Esta evolução compreende etapas distintas de pensamento, representadas por fases que precederam a visão largamente difundida no presente. Gestão Ambiental Empresarial Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Gestão Ambiental Objetivos Compreender o processo de evolução da conscientização ambiental; Conhecer conceitos relacionados ao desenvolvimento

Leia mais

Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental

Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental Ano 5, Nº.2 - junho de 2007 Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental A indústria brasileira está, cada vez mais, empenhada em adotar práticas de gestão ambiental que reduzam os conflitos

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO apresenta ferramentas de gestão que tornam possível a medição da sustentabilidade Com análise de dados científicos precisos, organização colabora para a melhor

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País EMBRATEL CASE Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País O Portfólio de TI da Embratel a Serviço da Agroindústria A convergência de serviços de TI e telecom se consolida como fenômeno

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa Estudo aponta alternativa de chuveiro mais ecoeficiente para banho quente Análise de Ecoeficiência desenvolvida pela Fundação Espaço ECO comparou o desempenho econômico e ambiental

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Planejamento e gestão ambiental Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 7 SérieISO 14000: definição, breve histórico, escopo, terminologia,

Leia mais

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À BRASKEM. PROIBIDA REPRODUÇÃO OU ALTERAÇÃO DO DOCUMENTO.

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À BRASKEM. PROIBIDA REPRODUÇÃO OU ALTERAÇÃO DO DOCUMENTO. Agenda A BRASKEM PORQUE INOVAR? A INOVAÇÃO NA BRASKEM A GESTÃO DA INOVAÇÃO E O PLANEJAMENTO TECNOLÓGICO Indústria Petroquímica Brasileira INTEGRAÇÃO COMPETITIVA NAFTA CONDENSADO GÁS VALOR ADICIONADO COMPETITIVIDADE

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Palestra MPME. 30 de junho de 2011

Palestra MPME. 30 de junho de 2011 Palestra MPME 30 de junho de 2011 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Empresário Informação e Relacionamento

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Responsável pelo Projeto: Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas. 2015 CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO QUÍMICA PILARES FUTURO FUTURO DA DISTRIBUIÇÃO AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO

Leia mais