33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR"

Transcrição

1 33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR Eng. Agr. TUMORU SERA, AD Gerente de projetos de Melhoramento de Café 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 1

2 AMBIENTE DE CULTIVO: Cafeicultura Modelo PARANÁ BASES DA TECNOLOGIA: 1) Aumento de produtividade 2) Redução do custo por saca 3) Melhoria da qualidade 4) Estabilidade econômica da propriedade 5) Administração eficiente 6) Comercialização eficiente LUCRO DE até 200ha DE SOJA EM 10ha DE CAFÉ ADENSADO MELHORAMENTO TECNOLÓGICO DE CAFÉ MECANIZADO MECANIZAÇÃO DE R$ R$ INVÉS DE R$ ,00 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 2

3 PRODUTIVIDADE MÉDIA DE 10 ANOS DA PROPRIEDADE EM ESPAÇAMENTOS ADENSADOS PARA CULTIVARES BAIXAS (20% + PRODUTIVAS QUE AS ALTAS) PORTE ALTO 3,5 m convencional PORTE BAIXO 3,0 m PORTE BAIXO 2,5 m GRANDE FAZENDA: HA Sequeiro: 40sB/ha/ano (ÓTIMO) (125sB/ha = Ano e Talhão melhor) Irrigado: 55sB/ha/ano (65sB/ha/Ano = EXCELENTE IRRIG.) MÉDIA FAZENDA: HA Sequeiro: 50sB/ha/ano (ÓTIMO) (150sB/ha = Ano e Talhão melhor) Irrigado: 65sB/ha/ano (80sB/ha = EXCELENTE IRR.) MEGA FAZENDA: >200ha Sequeiro: 30sB/ha/ano (ÓTIMO) (100sB/ha = Ano e Talhão melhor) Irrigado: 45sB/ha/ano 33º.CBPC (50sB/ha = EXCELENTE Caxambu,23-26/10/2012 IRRIG.) MELHORAMENTO DE CAFÉ Iapar-59 2,0 m PEQUENA FAZENDA: 2-10ha Sequeiro: 60sB/ha/ano (ÓTIMO) (175sB/ha = Ano e talhão melhor) Irrigado: 80sB/ha/ano (95sB/ha = EXCELENTE IRRIG.) 3

4 REDUÇÃO DO CUSTO DE PRODUÇÃO POR SACA usando cultivares RESISTÊNCIA À FERRUGEM Adensado mecanizado IPR 100 Res. a Nematoides Escalonamento da colheita 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 4

5 Mais qualidade do produto para melhor rentabilidade Escalonamento da colheita Colheita no pano Cereja descascado: cafés especiais Secagem terreiro suspenso 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 5

6 ESPAÇAMENTO X NUTRIÇÃO É FATOR PRINCIPAL PARA LONGEVIDADE 1º PLANO 2,5m X 0,5m (4.000 p/ha), LONGEVIDADE=6 ANOS. 2º. PLANO: 2,5m X 0,5m (8.000 p/ha), LONGEVIDADE=20 ANOS. 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 6

7 IAPAR-59 2,5 X0,5M (8.000 P/HA) AOS 5 ANOS PRODUZINDO 100Sb/HA EM 2011 E 60Sb/HA EM 2012 (MÉDIA=80Sb/HA/ANO) EM SEQUEIRO ADUBAÇÃO 33º.CBPC DE ACORDO COM MELHORAMENTO POTENCIAL DE CAFÉ PRODUTIVO: VIGOROSO 7 NA COLHEITA Caxambu,23-26/10/2012 E + RESISTENTE Engº.Agrº. A SECA/GEADA, TUMORU SERA CERCOSPORA E MINADOR

8 MELHORAMENTO DE CAFÉ NO IAPAR Objetivos do melhoramento genético de café 1. PRODUTIVIDADE 2. CULTIVARES DE PORTE COMPACTO Café adensado 3. Resistência para pragas, doenças e nematoides 4. Uniformizar e escalonar a maturação dos frutos 5. Adaptação a ambientes adversos (geadas, seca e solos pobres) 6. QUALIDADE DA BEBIDA DO CAFÉ 7. Reduzir o tempo gasto no desenvolvimento de cultivares 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 8

9 CULTIVARES OBTIDAS PELO PROGRAMA DE MELHORAMENTO DE CAFÉ DO IAPAR IAPAR 59:Sarchimor IPR-97:Sarchimor IPR-98:Sarchimor IPR-99:Sarchimor IPR-100: Catindú RES.COMPL. FERR. SEMI-PRECOCE PM17 RES. COMPL. FERR. - MAT. MED., PM17 RES. COMPL. FERR. MAT. MED, PM16,5 RES. À ANTRAC.& LEPROSE MAT. SEMI- TARDIA, PM17 RES. AOS NEMAT, ANTRAC. MAT. TARDIA, PM16 IPR 101: Catindú IPR 102:Catucaí IPR 103:Catucaí IPR 104:Sarchimor RES. ANTRAC, FERR, MEDIANA IPR 105 ( Catindú ) RES. PARC.FERR., PSEUDOM, LEPROSE - TARDIA RES. ANTRAC., FUSARIOSE, - TARDIA PM=16,5, ADAP. SECA RES. COMPL. FERRUGEM, SEMI-PRECOCE, PM=16,5 IPR 106 (ICATU) IPR 107 (MN x IAPAR-59) IPR 108 (Ia59 x Catucaí) RES. COMPL. FERR., ANTRAC. SUP-TARDIA, PM17, RES. SECA RES. NEMAT., ANTRAC., LEPROSE TARDIA, PM18 RES. FERR., SEMI- PRECOCE, PM17 RES. FERR., ANTRAC. LEPROSE, SUPER- TARDIA, PM-17,5

10 FERRUGEM, 3 VEZES PIOR QUE GEADA FORTE CADA 6 ANOS, FERRUGEM É O PRINCIPAL FATOR DETERMINANTE PARA QUALIDADE, PRODUTIVIDADE E RENTABILIDADE. SimpGrandesCult/CAFÉ UEM,30-AGO-2012 CultivaresNoManejoDeDoenças Controle químico custa $ /ha/ano Dano de 80% em alta produção 10 e 20% em baixa produção

11 IAPAR-59 2,0 X 0,5M COM ADUBAÇÃO 30% MAIOR, COM LONGEVIDADE DE 18 ANOS, 60Sb/ha/ANO, Nova Santa Bárbara RESISTÊNCIA DURÁVEL POR >30 ANOS À FERRUGEM. PARA REGIÕES MAIS ALTAS OU NO IRRIGADO 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 11

12 IPR-107. CULTIVAR DO GERMOPLASMA MUNDO NOVO X IAPAR-59 GRÃOS PENEIRA MÉDIA 17,5 COLHEITA EM JUNHO (MANDAGUARI) OU ABRIL (UMUARAMA) ESPAÇAM.=2,5-3,0m X 0,5m RÚSTICO E RESISTENTE A TODAS AS >45 RAÇAS MUNDIAIS DE FERRUGEM IPR-107 MUNDO NOVO IAPAR-59

13 IPR-98. CULTIVAR DO GERMOPLASMA SARCHIMOR GRÃOS PENEIRA MÉDIA 16,5 PRODUTIVIDADE 30% + QUE CATUAÍ NOS 2 ANOS INICIAS FERRUGEM: RESISTENTE A TODAS >45 RAÇAS DO MUNDO. ÉPOCA DE COLHEITA ENTRE MUNDO NOVO E CATUAÍ. ESPAÇAMENTO=2,5-3,0m X 0,5m SimpGrandesCult/CAFÉ UEM,30-AGO-2012 CultivaresNoManejoDeDoenças 13

14 IPR-99. CULTIVAR DO GERMOPLASMA SARCHIMOR GRÃOS PENEIRA MÉDIA 17 EM JULHO (MANDAGUARI) OU MAIO (UMUARAMA) COLHEITA LEPROSE: RESISTENTE ESPAÇAM.=2,5-3,0m X 0,7m ANTRACNOSE: MODERADA RESISTÊNCIA FERRUGEM: Parc. Resistente LEPROSE ANTRACNOSE SimpGrandesCult/CAFÉ UEM,30-AGO-2012 CultivaresNoManejoDeDoenças 14 -

15 IPR-103 CULTIVAR DO GERMOPLASMA CATUCAÍ, RESISTENTE A ANTRACNOSE. RESISTENTE A PHOMA, 15 MAIS ADAPTADO A SECA/CALOR (CERCA DE 30% + ) E SOLOS MAIS POBRES. GRÃOS PENEIRA MÉDIA 16,5 SimpGrandesCult/CAFÉ UEM,30-AGO-2012 CultivaresNoManejoDeDoenças COLHEITA EM AGOSTO (MANDAGUARI) OU JUNHO (UMUARAMA) ESPAÇAMENTO=2,5-3,0m X 0,7-0,8m FERRUGEM: MODERADAMENTE SUSCETÍVEL

16 Características da cultivar IPR-103, 3,0 x 0,5m e 2,5 x 0,5m. Vigor (1-10=Alto) Ferrugem (1-5; 1=Res.) Maturação (1-5=Precoce) Produção 2 anos Londrina 20,8ºC Produção 4 anos Itaguagé 22,8ºC IPR-103 8,6 (119%) 1,7 2,8 (77%) 53,3 scb/ha (126%) 59,2scB/ha (135%) Catuaí V. 99 7,5 (104%) 3,4 3,1 (85%) 34,5 scb/ha (82%) 37,7scB/ha (77%) IAPAR-59 7,2 (100%) 1,0 3,7 (100%) 42,2 scb/ha (100%) 43,8scB/ha (100%)

17 Resistência à seca de cultivares IPR s e genótipos arábicas especiais. 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 17

18 8. NEMATOIDES DO GENERO MELOIDOGYNE SimpGrandesCult/CAFÉ UEM,30-AGO-2012 CultivaresNoManejoDeDoenças 18

19 IPR 100 PRIMEIRA CULTIVAR DE CAFÉ ARÁBICA RESISTENTE AO NEMATOIDE Meloidogyne paranaensis CAFEZAL IPR-100, 2,5m ENTRE RUAS PARA CULTIVO 100% MECANIZADO, VIGOROSO NA SECA E CALOR E RESISTINDO A ANTRACNOSE E PHOMA.

20 Nema Kit Cultivares Resistentes executado pelos Cafeicultores IPR-100 Apoatã Obatã IPR-106 Tupi Catuaí SimpGrandesCult/CAFÉ UEM,30-AGO-2012 CultivaresNoManejoDeDoenças 20

21 CULTIVAR IPR-100 (FUNDO DIREITA) COMPARADO A PADRÃO CATUAÍ VERMELHO (FRENTE) EM ÁREA COM NEMATOIDE NA REGIÃO DE UMUARAMA

22 Raiz de cafeeiro com alta infestação de nematoide Meloidogyne paranaensis

23 IPR-100 EM ÁREA ALTAMENTE INFESTADA PELO NEMATÓIDE EM LUPIONÓPOLIS COMPARADO A CULTIVARES ALTAMENTE SUSCETÍVEIS AOS 3 ANOS ORIGEM Cultivar do germoplasma Catindú, MAIS ADAPTADO A CALOR E SECA. Introduzida do IAC de Campinas na 3ª. geração em 1977 e selecionada até a 6ª. geração.

24 Cultivares Produtividade (2) Produção relativa IPR 100 ( 1 ) 58,80 114% Catuaí V. IAC 99 ( 1 ) 51,45 100% IAPAR-59 ( 1 ) 47,10 92% IPR-100 MAIS PRODUTIVO QUE CATUAÍ DEVIDO A RUSTICIDADE E POTENCIAL SIMILAR A CATUAÍ Cultivares resistentes do Kit e padrão suscetível Catuaí Vermelho (Centro) BEBIDA DE ALTA QUALIDADE bebida encorpada, levemente ácida com aroma de café e sabor doce

25 Algumas outras cultivares de café em desenvolvimento Maturação super-precoce para regiões frias e Frutos graúdos para regiões quentes Café sem cafeína e cafés nutracêuticos Adaptação a extremos térmicos e a solos pobres Resistência a bicho-mineiro, nematóides e broca 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ Cultivares híbridos F 1 e clones convencionais e biotecnológicos com resistência 25 múltipla

26 Pesquisa em andamento: Cultivares porta-enxertos resistentes aos nematoides Porta enxertos de frutos graúdos, homogêneos, adaptados a solos pobres e resistente a antracnose 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 26

27 Projetos em Andamento Avaliação e seleção de cafés com qualidade de Bebida # Cafeína, # Sabores especiais, # Nutrição. IPR-99 acidez, doçura e corpo para cafés especiais 27

28 Pesquisa em andamento: TRANSFERÊNCIA DE RESISTÊNCIA AO MINADOR 4 º. RC (93% dos genes de C. arabica) para as principais cultivares: IAPAR-59, TUPI, CATUAÍ, IPR108, IPR-104, PACAMARA, ETC com adaptação ao calor e seca 40% melhor 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 28

29 FUTURO: CULTIVAR HÍBRIDA F1 PROPAGADA POR SEMENTE, ESTACA OU FOLHAS IAPAR-59 produzida de folhas por biotecnologia CULTIVAR CLONE HÍBRIDA F1 produzida a partir de folhas por Biotecnologia CULTIVAR HÍBRIDA F1 produzida manualmente CULTIVAR CLONE Híbrida F1 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 29

30 Produção de Sementes Híbridas F 1 e mudas estaquiadas e clonagem biotecnológica F1 resistente a minador/ferrugem/pseudomonas e a calor/seca/geada VANTAGENS. 1) Novas cultivares em 6 anos ao invés de 30 anos 2) Produtividade 30-50% maior com melhor qualidade 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 3) Redução nos gastos com insumos e mão de obra 30

31 OBRIGADO!!! Eng. Agr. TUMORU SERA 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ 31

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ. Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr.

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ. Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr. PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr. VIII Curso de Atualização Manejo Tecnológico da Lavoura Cafeeira Varginha, MG 13 a 15 de julho de 2010 ZONEAMENTO

Leia mais

Melhoramento de Café Robusta/Conilon

Melhoramento de Café Robusta/Conilon Melhoramento de Café Robusta/Conilon Maria Amélia Gava Ferrão Pesquisadora Embrapa Café/Incaper APRESENTAÇÃO Introdução Histórico Estratégias Melhoramento Brasil Principais Resultados Espécies Café Identificadas

Leia mais

HETEROSE EM HÍBRIDOS DE CAFÉ ARÁBICA COM RESISTÊNCIA À FERRUGEM, MANCHA AUREOLADA E BICHO MINEIRO Eng. Agr. TUMORU SERA -

HETEROSE EM HÍBRIDOS DE CAFÉ ARÁBICA COM RESISTÊNCIA À FERRUGEM, MANCHA AUREOLADA E BICHO MINEIRO Eng. Agr. TUMORU SERA - Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) at Londrina, Paraná, Brazil COFFEE BREEDING RESEARCH UNIT HETEROSE EM HÍBRIDOS DE CAFÉ ARÁBICA COM RESISTÊNCIA À FERRUGEM, MANCHA AUREOLADA E BICHO MINEIRO Eng. Agr.

Leia mais

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em cafeicultura, J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

Controle Alternativo da Broca do Café

Controle Alternativo da Broca do Café Engº Agrº - Pablo Luis Sanchez Rodrigues Controle Alternativo da Broca do Café Trabalho realizado na região de Ivaiporã, na implantação de unidade experimental de observação que visa o monitoramento e

Leia mais

Luiz Carlos Fazuoli. CENTRO DE CAFÉ ALCIDES CARVALHO 38 Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras

Luiz Carlos Fazuoli. CENTRO DE CAFÉ ALCIDES CARVALHO 38 Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras Luiz Carlos Fazuoli CENTRO DE CAFÉ ALCIDES CARVALHO fazuoli@iac.sp.gov.br 38 Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras Seminário: As novas variedades de café Caxambu - MG 23 de Outubro de 2012 A escolha

Leia mais

Data: 24/11/2012 Assunto:

Data: 24/11/2012 Assunto: Veículo: Rede Lajeado Data: 24/11/2012 Assunto: Pesquisa e indústria incrementam consumo do café pelos brasileiros http://www.redelajeado.com.br/2012/11/24/pesquisa-e-industria-de-cafe-incrementam-consumo-doproduto-pelos-brasileiros/

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

Luiz Carlos Fazuoli. CENTRO DE CAFÉ ALCIDES CARVALHO

Luiz Carlos Fazuoli. CENTRO DE CAFÉ ALCIDES CARVALHO Luiz Carlos Fazuoli CENTRO DE CAFÉ ALCIDES CARVALHO fazuoli@iac.sp.gov.br VIII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil CBP&D Café EMBRAPA - CAFÉ Mesa Redonda Cultivares de café Salvador - Bahia 27 11

Leia mais

BANCOS DE GERMOPLASMA DE CAFÉ NO BRASIL: BASE DO MELHORAMENTO PARA PRODUTIVIDADE E QUALIDADE COFFEE GENEBANKS IN BRAZIL: BASIS FOR YIELD AND QUALITY

BANCOS DE GERMOPLASMA DE CAFÉ NO BRASIL: BASE DO MELHORAMENTO PARA PRODUTIVIDADE E QUALIDADE COFFEE GENEBANKS IN BRAZIL: BASIS FOR YIELD AND QUALITY BANCOS DE GERMOPLASMA DE CAFÉ NO BRASIL: BASE DO MELHORAMENTO PARA PRODUTIVIDADE E QUALIDADE Mirian T. S. EIRA 1 ; Luiz Carlos FAZUOLI 2 ; Oliveiro GUERREIRO FILHO 2 ; Maria Bernadete SILVAROLLA 2 ; Maria

Leia mais

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Universidade Federal do Espírito Santo Mestrado em Produção Vegetal Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Orientado: Marcos Moulin Teixeira Orientador:

Leia mais

QUALIDADE DO CAFÉ - CLASSIFICAÇÃO POR TIPOS E BEBIDA

QUALIDADE DO CAFÉ - CLASSIFICAÇÃO POR TIPOS E BEBIDA ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 26 - agosto/2014 - Niterói - RJ QUALIDADE DO CAFÉ - CLASSIFICAÇÃO POR TIPOS E BEBIDA 1 Wander Eustáquio de Bastos Andrade 1 ( Pesquisador da Pesagro-Rio) INTRODUÇÃO Além

Leia mais

IPR 100 e IPR 106 cultivares de café arábica com resistência simultânea aos nematoides Meloidogyne paranaensis e M. incognita

IPR 100 e IPR 106 cultivares de café arábica com resistência simultânea aos nematoides Meloidogyne paranaensis e M. incognita IPR 100 e IPR 106 cultivares de café arábica com resistência simultânea aos nematoides Meloidogyne paranaensis e M. incognita Gustavo Hiroshi Sera Pesquisador do IAPAR Engenheiro Agrônomo/ Melhorista D.S.

Leia mais

(Colheita e Pós-colheita) Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira

(Colheita e Pós-colheita) Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira CAFÉ COM QUALIDADE (Colheita e Pós-colheita) Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira VITÓRIA ES 204 0 JUSTIFICATIVA A cafeicultura no Estado do Espírito Santo vem se destacando de maneira bastante

Leia mais

Guia de Produtos 2014. Região Sul

Guia de Produtos 2014. Região Sul Guia de Produtos 2014 Sul Eleita em 2013 a melhor empresa brasileira de sementes * *Revista Globo Rural Supervisores regionais Índice Mato Grosso do Sul Nicolas Alves Cornacioni (67) 8118 6043 nicolas.cornacioni@coodetec.com.br

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia Catálogo Soja 2013 Cultivares de Soja Marca Pionee r Mesorregião MT-RO Diversidade genética e qualidade A DuPont Pioneer, com mais de 85 anos de melhoramento, é

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

MODOS E CUSTOS NO MICRO-TERRACEAMENTO EM CAFEZAIS DE MONTANHA

MODOS E CUSTOS NO MICRO-TERRACEAMENTO EM CAFEZAIS DE MONTANHA MODOS E CUSTOS NO MICRO-TERRACEAMENTO EM CAFEZAIS DE MONTANHA J. B. Matiello, Eng Agr Mapa/Fundação Procafé e Lucas Franco e J. R. Dias Engs Agrs Fdas Sertãozinho Importância da Cafeicultura de Montanha

Leia mais

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto Desenvolvimento de linhagens e de cultivares de trigo de ciclo precoce e médio, das classes Pão e Melhorador, adaptadas à Região Centro-Sul Subtropical (Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul) Dionísio

Leia mais

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.!

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.! Índice Históriadocafé...3 Espéciesbotânicasdecafé...5 OProcessodeTorrefaçãoeMisturadocafé...7 MoagemdoCafé...9 MáquinasdeCafé...10 QueCaféComprar?...11 Qualamelhorformadeguardarocafé?...13 Caféinstantâneo...14

Leia mais

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo Banana Cultivares e Práticas de Cultivo Comercialização de Banana CEASA Minas Contagem 2011 (toneladas) 70.000,00 63.600,00 60.000,00 55.630,00 50.000,00 40.000,00 30.000,00 20.000,00 10.000,00 0,00

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura IVALDIR DONIZETTI DAS CHAGAS

Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura IVALDIR DONIZETTI DAS CHAGAS ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO-MG Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura IVALDIR DONIZETTI DAS CHAGAS Cultivares de Coffea arábica L. recomendadas para a região Sudoeste de Minas Gerais

Leia mais

FATORES QUE INFLUENCIAM A QUALIDADE DO CAFÉ NO PARANÁ

FATORES QUE INFLUENCIAM A QUALIDADE DO CAFÉ NO PARANÁ FATORES QUE INFLUENCIAM A QUALIDADE DO CAFÉ NO PARANÁ LUIZ ROBERTO FAGANELLO Engenheiro Agrônomo SANTA TEREZINHA DE ITAIPU 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 a. Características Exrínsecas...6 b. Características

Leia mais

Resultado em tecnologias marcam 12 anos da Embrapa Café em 2011

Resultado em tecnologias marcam 12 anos da Embrapa Café em 2011 Veículo: Assunto: Agro notícias Data: 16/01/2012 Resultado em tecnologias marcam 12 anos da Embrapa Café em 2011 http://www.sonoticias.com.br/agronoticias/mostra.php?id=49198 Pesquisa Projetos com a participação

Leia mais

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS ISRAEL GOMES VIEIRA Setor de Sementes IPEF Agosto 2007 SEMENTES CATEGORIAS IDENTIFICADA: material de propagação, coletado de matrizes com determinação botânica

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

É por isso que o convidamos a conhecer nas próximas páginas nossos lançamentos e produtos que há anos fazem parte do nosso catálogo. Seja bem-vindo!

É por isso que o convidamos a conhecer nas próximas páginas nossos lançamentos e produtos que há anos fazem parte do nosso catálogo. Seja bem-vindo! Não é do dia para a noite que uma empresa se torna referência no seu setor, e com a Agrocinco não foi diferente. Após 15 anos de atuação no mercado brasileiro de sementes de hortaliças de alto rendimento,

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ. Caderno de informações gerais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ. Caderno de informações gerais PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ Caderno de informações gerais Propriedade Nome do Proprietário: Nome da Propriedade: Cidade: Telefone: ( ) Organização PIC a que pertence: Número de registro na PIC: Ano Agrícola:

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

Texto use sempre a fonte Arial Café Produzido com Atitude Ético,rastrável e de alta qualidade

Texto use sempre a fonte Arial Café Produzido com Atitude Ético,rastrável e de alta qualidade Café Produzido com Atitude Ético,rastrável e de alta qualidade Francisco Sérgio de Assis Diretor Pres. da Federação dos Cafeicultores do Cerrado Quem Título Somos: Uma Texto origem use produtora sempre

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO do MARACUJÁ: Passado e Futuro" Laura Maria Molina Meletti Marta D. Soares-Scott Luís Carlos Bernacci Ilene Ribeiro da S.

MELHORAMENTO GENÉTICO do MARACUJÁ: Passado e Futuro Laura Maria Molina Meletti Marta D. Soares-Scott Luís Carlos Bernacci Ilene Ribeiro da S. MELHORAMENTO GENÉTICO do MARACUJÁ: Passado e Futuro" Laura Maria Molina Meletti Marta D. Soares-Scott Luís Carlos Bernacci Ilene Ribeiro da S. Passos SITUAÇÃO ATUAL DOS POMARES BRASIL : 1996 44.000 ha

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA Dalyse Toledo Castanheira Danielle Pereira Baliza Tiago Teruel Rezende Samuel Pereira Carvalho Rubens José Guimarães Helbert Rezende Oliveira

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA Imperial Estação Agronômica de Campinas 27/06/1887 Centro de Café Alcides Carvalho INTRODUÇÃO O Agronegócio

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Embrapa Café PESAGRO-RIO Pesquisa e Desenvolvimento SUMÁRIO Embrapa Café...3 Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Ivaldir Donizetti das Chagas. O café, suas variedades e cultivares apropriadas para nossa região.

Ivaldir Donizetti das Chagas. O café, suas variedades e cultivares apropriadas para nossa região. ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO-MG Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura Ivaldir Donizetti das Chagas O café, suas variedades e cultivares apropriadas para nossa região. Trabalho de Conclusão

Leia mais

CULTIVARES DE CAFÉ SELECIONADAS PELO INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS 1

CULTIVARES DE CAFÉ SELECIONADAS PELO INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS 1 Genética CULTIVARES DE CAFÉ SELECIONADAS PELO INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS 1 Luiz Carlos Fazuoli (2,4) Herculano Penna Medina Filho (2,4) Oliveiro Guerreiro Filho (2,4) Wallace Gonçalves (2,4) Maria

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

INDICAÇÃO DE NOVAS VARIEDADES DE CAFÉ. Matiello, Almeida e Carvalho Curso Procafé 2012

INDICAÇÃO DE NOVAS VARIEDADES DE CAFÉ. Matiello, Almeida e Carvalho Curso Procafé 2012 INDICAÇÃO DE NOVAS VARIEDADES DE CAFÉ Matiello, Almeida e Carvalho Curso Procafé 2012 Importância A escolha correta de uma nova variedade de café é muito importante. Por que o cafezal é uma cultura perene,

Leia mais

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM 2014-2015 é a identificação das cultivares produzidas pela Embrapa. Elas são desenvolvidas visando alta produtividade e qualidade de grãos aliadas

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares;

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares; 6 CULTIVARES MUNDO - Elevado número de cultivares; -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra BRASIL - Mantidas coleções de linhagens e cultivares

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

RENATO FONSECA DE PAIVA PRODUÇÃO DE CAFEEIROS ENXERTADOS EM ÁREA ISENTA DE NEMATOIDES

RENATO FONSECA DE PAIVA PRODUÇÃO DE CAFEEIROS ENXERTADOS EM ÁREA ISENTA DE NEMATOIDES RENATO FONSECA DE PAIVA PRODUÇÃO DE CAFEEIROS ENXERTADOS EM ÁREA ISENTA DE NEMATOIDES LAVRAS - MG 2011 RENATO FONSECA DE PAIVA PRODUÇÃO DE CAFEEIROS ENXERTADOS EM ÁREA ISENTA DE NEMATOIDES Dissertação

Leia mais

Janelas de mercado e novas cultivares de Morangueiro

Janelas de mercado e novas cultivares de Morangueiro CURSO EM TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E MERCADO DE MORANGO 2º ETAPA Janelas de mercado e novas cultivares de Morangueiro 1. 1 Um pouco de história Contemporanea 1994- e antes Dover Fl Campinas

Leia mais

EFEITO DO ADENSAMENTO NA PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE Coffea arabica L. DE PORTE BAIXO

EFEITO DO ADENSAMENTO NA PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE Coffea arabica L. DE PORTE BAIXO EFEITO DO ADENSAMENTO NA PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE Coffea arabica L. DE PORTE BAIXO Gerson Silva Giomo 2 ; Júlio César Mistro 3 ; Mauricio Dominguez Nasser 4, Paulo Boller Gallo 5 ; Luiz Carlos Fazuoli

Leia mais

Resistência a múltiplas doenças: Plantas resistentes a quais doenças?? Resistência mal manejada: Vulnerabilidade genética das plantas

Resistência a múltiplas doenças: Plantas resistentes a quais doenças?? Resistência mal manejada: Vulnerabilidade genética das plantas Por quê estudar MELHORAMENTO DE PLANTAS VISANDO RESISTÊNCIA A DOENÇAS?? Má distribuição de alimentos Resistência a doenças maior oferta de alimentos População brasileira: Trigo resistente à ferrugem Arroz

Leia mais

CADEIAS PRODUTIVAS Análise Cadeia Produtiva do Café

CADEIAS PRODUTIVAS Análise Cadeia Produtiva do Café CADEIAS PRODUTIVAS Análise Cadeia Produtiva do Café Introdução A cadeia produtiva do café envolve três ramos principais de atividade: a produção do grão de café (arábica ou robusta), o café torrado e moído

Leia mais

CAFÉ ADENSADO. Espaçamentos e cuidados no manejo da lavoura. Impresso com recursos do CONSÓRCIO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DO CAFÉ

CAFÉ ADENSADO. Espaçamentos e cuidados no manejo da lavoura. Impresso com recursos do CONSÓRCIO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DO CAFÉ CIRCULAR N 121 ISSN 0100-3356 MARÇO/2002 CAFÉ ADENSADO Espaçamentos e cuidados no manejo da lavoura Armando Androcioli Filho 1 Impresso com recursos do CONSÓRCIO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE ORIGEM Pragas da Cultura

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 98 Cultivares de Soja

Leia mais

MANUAL TÉCNICO, 11 ISSN 1983-5671

MANUAL TÉCNICO, 11 ISSN 1983-5671 MANUAL TÉCNICO, 11 ISSN 1983-5671 Wander Eustáquio de Bastos Andrade José Márcio Ferreira Henrique Duarte Vieira Miguel Ângelo Engelhardt José Ferreira Pinto 11 Niterói-RJ abril de 2009 MANUAL TÉCNICO,

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS NOS TEORES DE MACRONUTRIENTES E NA SECA DE RAMOS DO CAFEEIRO

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS NOS TEORES DE MACRONUTRIENTES E NA SECA DE RAMOS DO CAFEEIRO INFLUÊNCIA DE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS NOS TEORES DE MACRONUTRIENTES E NA SECA DE RAMOS DO CAFEEIRO AGUILAR, M.A.G. 1 ; PEREIRA, A.B. 1 ; PACHECO, R.G. 1 e BARTHOLO, G.F. 2 1 CEPEC/CEPLAC, CP 07, 45600-000,

Leia mais

DEZEMBRO/2006 PARABÉNS PARANÁ!

DEZEMBRO/2006 PARABÉNS PARANÁ! CONJUNTURA ESPECIAL DO CAFÉ DEZEMBRO/2006 DEZEMBRO/2006 PARABÉNS PARANÁ! No período de 22 a 25/11/06, foi realizado na cidade de Guarapari, no Estado do Espírito Santo, o 14º ENCAFÉ. Nesse evento, que

Leia mais

Fazenda Recreio 1º lugar Cereja Descascado

Fazenda Recreio 1º lugar Cereja Descascado Safra 2005 3ª EDIÇÃO ESPECIAL Fazenda Recreio 1º lugar Cereja Descascado A Fazenda Recreio está localizada em São Sebastião da Grama, na divisa dos estados de São Paulo e Minas Gerais, e tem uma área total

Leia mais

Sandra Maria Santos Campanini Lebna Landgraf do Nascimento José Graças Maia de Andrade

Sandra Maria Santos Campanini Lebna Landgraf do Nascimento José Graças Maia de Andrade Transferência de tecnologias comunicação e marketing para negócios Sandra Maria Santos Campanini Lebna Landgraf do Nascimento José Graças Maia de Andrade Número do Plano de Ação: 04.02.616.02.10 Introdução

Leia mais

Boa pós-colheita. Uma boa pós-colheita é é segredo da para qualidade

Boa pós-colheita. Uma boa pós-colheita é é segredo da para qualidade Boa pós-colheita Uma boa pós-colheita é é segredo da para qualidade Cada etapa da produção de café tem um papel decisivo na qualidade do café. Dentre elas, a pós-colheita é considerada uma das mais importantes,

Leia mais

PORTFÓLIO DE VARIEDADES

PORTFÓLIO DE VARIEDADES PORTFÓLIO DE VARIEDADES SOJA ABRIL, 2015 SEEDCORP.COM.BR VARIEDADES SEEDCORP RR IPRO EXCLUSIVIDADES SEEDCORP RR IPRO NA 5909 RG Nidera Precocidade: possibilidade de segunda safra; Máxima estabilidade em

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

ÁCIDOS ORGÂNICOS, SACAROSE E QUALIDADE DE CAFÉS ESPECIAIS

ÁCIDOS ORGÂNICOS, SACAROSE E QUALIDADE DE CAFÉS ESPECIAIS ÁCIDOS ORGÂNICOS, SACAROSE E QUALIDADE DE CAFÉS ESPECIAIS Luisa. P. Figueiredo Profa. Dra. IFSULDEMINAS; Fabiana. C. Ribeiro Profa. Dra. UNB; Flávio. M. Borém Professor Dr. UFLA; Terezinha. J. G. Salva

Leia mais

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita)

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) WWW.CETCAF.COM.BR AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) Autores: Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira ÍNDICE Pág. Prefácio... 03 Ações a Serem

Leia mais

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110)

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) Resistência Genética a Doenças em Plantas Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) 1807 Prevost doenças: agente causal carvão do trigo - fungo Fins do séc. XIX Smith doenças - bactérias O que é DOENÇA?

Leia mais

NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES

NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES s frutas ácidas, em especial as cítricas (a laranja, a tangerina, o Alimão e a lima),

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA Histórico do Programa 1975 a 1996 100% convencional 1996 a 2005 convencional e RR1 2005 a 2008 RR1, convencional e cultivance 2008 a 2014 RR1, Intacta,

Leia mais

Tecnologia da produção de fumo

Tecnologia da produção de fumo Tecnologia da produção de fumo ESALQ - USP Produção Vegetal Prof. Dr. José Laércio Favarin Sistemática e origem L 40º N N Equador CH 3 Alcalóide: nicotina L - 40º S Planta de fumo pertence a família Solanaceae,

Leia mais

Dimmy H.S.G. Barbosa, Henrique D. Vieira & Ricardo M. Souza

Dimmy H.S.G. Barbosa, Henrique D. Vieira & Ricardo M. Souza ARTIGO Avaliação em Campo de Cultivares de Coffea arabica em Áreas Isenta ou Infestada por Meloidogyne exigua na Região Noroeste Fluminense 1. Formação da Lavoura Avaliação em Campo de Cultivares de Coffea

Leia mais

2º CURSO DE CAPACITAÇÃO SOBRE A SOJA ORGANIZADO PELA TNS

2º CURSO DE CAPACITAÇÃO SOBRE A SOJA ORGANIZADO PELA TNS Cadeia de valores da Soja Mar./Abr. 2011 Pág. 05 PAPEL DOS CAMPOS DE DEMONSTRAÇÃO NA DIFUSÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS No âmbito do Projecto de Desenvolvimento da Cadeia de Valor da Soja, os Campos de Demonstracao

Leia mais

RENOVAÇÃO DA LAVOURA CAFEEIRA: DO ARRANQUIO À IMPLANTAÇÃO

RENOVAÇÃO DA LAVOURA CAFEEIRA: DO ARRANQUIO À IMPLANTAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura JOÃO SCAFF JUNIOR RENOVAÇÃO DA LAVOURA CAFEEIRA: DO ARRANQUIO À IMPLANTAÇÃO Muzambinho 2008 JOÃO SCAFF JÚNIOR RENOVAÇÃO

Leia mais

MANDIOCA: da plantação a colheita

MANDIOCA: da plantação a colheita 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC MANDIOCA: da plantação a colheita PhD. Eng. Agrônomo Pascoal Muondo Técnico de Sistemas de Produção de Mandioca IIA Estação Experimental Agrícola de Malanje Índice 1. Origem

Leia mais

Mecanização Máquinas de levante e inovações atuais. MIAC na Mecanização do Café. Eric Miranda Abreu Engenheiro Agrônomo Desde 1999, pela UFLA

Mecanização Máquinas de levante e inovações atuais. MIAC na Mecanização do Café. Eric Miranda Abreu Engenheiro Agrônomo Desde 1999, pela UFLA Mecanização Máquinas de levante e inovações atuais MIAC na Mecanização do Café Eric Miranda Abreu Engenheiro Agrônomo Desde 1999, pela UFLA PROCAFÉ. VARGINHA MG 15.08.2013 MIAC na mecanização do café Recolhedoras

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA.

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. Eduardo Sanches Stuchi Pesquisador Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Diretor Científico da Estação Experimental

Leia mais

Em casos de culturas sem zoneamento agrícola no Mapa, elas poderão ser financiadas e seguradas, a critério do agente financeiro.

Em casos de culturas sem zoneamento agrícola no Mapa, elas poderão ser financiadas e seguradas, a critério do agente financeiro. PERA Ivan Dagoberto Faoro 1 Zilmar da Silva Souza 2 Mateus da Silveira Pasa 3 José Masanori Katsurayama 4 Frederico Denardi 5 Marcus Vinícius Kvitschal 6 Observação: No caso de financiamento e seguro agrícola

Leia mais

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões Abobrinhas e Pepinos Pimentões Compromissos Seminis Produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes Conhecimento Rede global de melhoramento genético Soluções

Leia mais

DOENÇAS DO CAFEEIRO COM ENFASE EM MANCHA DE PHOMA E MANCHA AUREOLADA

DOENÇAS DO CAFEEIRO COM ENFASE EM MANCHA DE PHOMA E MANCHA AUREOLADA DOENÇAS DO CAFEEIRO COM ENFASE EM MANCHA DE PHOMA E MANCHA AUREOLADA Rui Pereira Leite Jr. ruileite@iapar.br INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ http://www.iapar.br PRINCIPAIS ESPÉCIES DE CAFEEIRO CULTIVADAS

Leia mais

Manejo Varietal na Usina Iracema

Manejo Varietal na Usina Iracema Manejo Varietal na Usina Iracema Eng Agro. Ivan Barcellos Dalri Gerência Agrícola Usina Iracema Março de 2012 INTRODUÇÃO Localização Geográfica Grupo São Martinho Goiás Quirinópolis Boa Vista São Martinho

Leia mais