MODOS E CUSTOS NO MICRO-TERRACEAMENTO EM CAFEZAIS DE MONTANHA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODOS E CUSTOS NO MICRO-TERRACEAMENTO EM CAFEZAIS DE MONTANHA"

Transcrição

1 MODOS E CUSTOS NO MICRO-TERRACEAMENTO EM CAFEZAIS DE MONTANHA J. B. Matiello, Eng Agr Mapa/Fundação Procafé e Lucas Franco e J. R. Dias Engs Agrs Fdas Sertãozinho

2 Importância da Cafeicultura de Montanha Abrange diferentes regiões - Zona da Mata de Minas, Espirito Santo, Norte do RJ, parte do Sul de MG e Zona limítrofe em SP. Cerca de 700 mil ha de cafezais - produção anual de cerca de milhões de sacas de café arabica e robusta Concentrada em pequenas propriedades, - em média menos de 10 ha de lavouras por propriedade. O café ocupa apenas cerca de 20% das áreas, mas representa mais de 70% da renda bruta das propriedades. Ocupa áreas e gera empregos em áreas sem boas outras alternativas agrícolas. A lavoura cafeeira (cultura perene) - muito adequada à conservação dos solos e todo o ambiente.

3 Distribuição da cafeicultura de montanha nas regiões cafeeiras do Brasil Área e produção estimadas Regiões Área cafeeira (mil ha) Produção anual de café (mil scs.) Espirito Santo arabica 175 3,0 robusta 100 3,5 Total 275 6,5 Minas Gerais Z. Mata e Jequitinhonha 368 7,5 Sul de Minas 40 0,8 Total 408 8,3 São Paulo 20 0,5 Rio de Janeiro 13 0,2 Total Brasil ,5

4 Facilidades e dificuldades da cafeicultura de montanha Boa infra-estrutura. Boa condição climática e condição física adequada do solo. Boa tradição no café. Cafeicultura mais familiar. Topografia desfavorável. Exige o uso de tratos predominantemente manuais, que demandam mais mão-de-obra e maior custo. Região mais úmida, com maiores dificuldades no preparo de cafés de bebida suave e maior evolução de ferrugem e Phoma. Falta de opções de exploração agricola.

5

6

7

8

9

10

11

12 Mecanização e competitividade Nas montanhas a mecanização, dos tratos e da colheita, não é possível com o uso de maquinas, tratorizadas ou automotrizes. Com isso, a competitividade dessa cafeicultura vem sendo reduzida. A mecanização é fator essencial na redução dos custos de produção. Mão de obra - se tornou mais cara, escassa e de baixa produtividade.

13 Manejo alternativo nas montanhas Adaptar o terreno. Adaptar maquinário. Adequar as lavouras e seus tratos.

14 Adaptação do terreno para a entrada de máquinas O micro-terraceamento em lavouras de café, em áreas montanhosas, é uma técnica nova, que vem sendo desenvolvida mais recentemente. Por isso, seu uso pelos cafeicultores ainda é pequeno, no entanto, o uso dessa prática vem ganhando força, nestes 2 últimos anos, em função da divulgação realizada e dos bons resultados alcançados. A técnica consta da abertura de terraços, com cerca de 1,3-1,5 m de largura, nas ruas ou no espaço entre-linhas, do cafezal, para ali formar caminhos mais planos, onde possam transitar tratores estreitos que, com seus implementos, venham facilitar os tratos da lavoura, no controle do mato, na adubação, nas pulverizações, nas podas e até na colheita.

15 Modos de teraceamento O método inicial utiliza tratores traçados, operando de marcha-ré, com lâmina traseira. Experiências também com pequenos tratores de esteira, com lâmina dianteira e de BobCat de esteira, com concha escavadeira e lamina dianteira, para acerto do terraço. Não se tem, ainda, trabalhos científicos Tem-se trabalhos de custo operacional e observações sobre o manejo pós terraceamento.

16

17

18

19

20

21 Rend = h/ha, Custo = ,00/ha

22

23 Faz 1,2 m por minuto, custando a hora= R$100,00, fica a 1,50 por m ou, para lavoura de 3 m de rua, à razão de cerca de 5000,00 por ha.

24

25 Rend. = 1,5 m por minuto. Cafezal de 3x05m = cerca de 35 hs

26

27

28

29 Rend h por ha Custo = ,00/ha

30

31

32 Características de tratores cafeeiros estreitos, para trabalho de tratos culturais em cafezais, sobre micro-terraços. Marca e modelo Potencia (CV) Bitola (m) Yanmar ,96 a 1, ,11 a 1,19 Agrale ,88 a 0, ,06 a 1,20 Massey 250 XF 50 1,30

33 Evolução no Micro-terraceamento Emprego de tratores de esteira, mais estreitos, na abertura. Viabilidade do terraceamento com tração animal, em pequenas propriedades. Trator andando nos terraços e uso de colhedeiras de galhos esqueletados. Desenvolvimento de equipamentos colhedores para tratores pequenos.

34

35 Terraceamento com tração animal Nova opção na adaptação das áreas de lavouras

36

37

38

39

40

41 Abertura a tração animal, Rend. = 4 dias por ha, custo= 600,00 por ha.

42

43 Abertura manual Rend 25 hd/ha Custo= 1300,00/ha

44

45 Novas opções no terraceamento Terraceamento combinado com o sistema de linhas duplas. 3,5 m X 2 x 2 x 0,5 m um terraço, mais largo, aberto na rua de 3,5 m, atendendo a 2 linhas adensadas (2x0,5m). Terraceamento a maiores distâncias, cada 4-5 ruas. Ambos com colheita de ramos esqueletados, usando máquina recolheitadeira, andando no terraço.

46

47

48

49

50

51 Espaçamentos adequados ao micro-terraceamento 2,5 a 3,0 m x 0,5 m. Para o micro-terraço ficar com 1,30-1,5 m Para transitar tratores com bitola de 1,10 a 1,30 m

52 Trabalho na Fda Sertãozinho Um trabalho extensivo de micro-terraceamento em cafezais pode ser observado na Fda Sertãozinho, em Botelhos-MG. Ali, 2 tratores, munidos de laminas traseiras, trabalham continuamente na abertura de terraços. Uma área de cerca de 70 ha de lavouras já foi terraceada. Em cafezais já implantados e em áreas antes do plantio do café. A orientação da Fazenda é a de preparar, com micro-terraços, todas as áreas cafeeiras onde a topografia não permita a mecanização normal.

53

54 Trabalho na Fda Sertãozinho Com esse trabalho de terraceamento, o cenário mudou completamente. As operações de trato das lavouras, que eram efetuadas manualmente, passaram a ser feitas de forma mecanizada, com maior rapidez e menor custo. A experiência na Fda - rendimento e custos do micro-terraceamento variam conforme a declividade do terreno. Em áreas menos declivosas se gasta cerca de 10 hs por ha e naquelas muito íngremes, onde o corte precisa ser mais profundo, pode-se gastar até 40 hs de trator com lamina por ha.

55 Trabalho na Fda Sertãozinho Assim, o custo para a Fda pode ficar entre 500,00 e 2000,00 por ha, um investimento que, rapidamente, será compensado pelo menor gasto nos tratos mecanizados da lavoura. Outras observações efetuadas - é possível construir o terraço mesmo em lavouras com 2,5 m de rua, no entanto, uma distância de 3 m é melhor. Já se verificou maior retenção de águas de chuvas pelo terraço, restando verificar, a prazo mais longo, o efeito do corte de raízes, que ocorre junto à parte baixa da linha de cafeeiros. Parece que este corte vai ser compensado por um maior desenvolvimento radicular na parte superior da linha de plantas.

56

57

58 Implementos em uso O trator que está sendo usado para fazer os terraços é o John deere x4, de 75 CV; está trabalhando com bitola de 1,5 m. Nas operações de trato, após o terraçeamento o trabalho vem sendo realizado com o Yanmar 1155, bitola de 1,11 a 1,19 m. Estão, já, sendo operados a esqueletadeiradecotadeira, o pulverizador de 400l, a adubadeira Hp 600 da Kamaq, cno hidraulico mas as rodas de descanso e a roçadeira de 1,30 e 1,50 m

59

60 Recomendações no manejo Nas montanhas, modos diferentes adotados na execução das práticas Usar insumos de preferência via solo, com pulverizações dificultadas pela topografia e pelo adensamento. Em áreas maiores usar o canhão atomizador. No controle do mato dar prioridade para herbicidas, com menor gasto de mão-de-obra. Trabalhar com o sistema safra zero. Colheita simplificada ou acoplada à poda. Na colheita adotar a derriçadeira motorizada e no preparo pós-colheita, dar prioridade ao sistema CD.

61

62 CONTATO (Fundação Procafé)

MANEJO ALTERNATIVO DAS LAVOURAS NA CAFEICULTURA DE MONTANHA. J. B. Matiello, Eng Agr Mapa/Fundação Procafé

MANEJO ALTERNATIVO DAS LAVOURAS NA CAFEICULTURA DE MONTANHA. J. B. Matiello, Eng Agr Mapa/Fundação Procafé MANEJO ALTERNATIVO DAS LAVOURAS NA CAFEICULTURA DE MONTANHA J. B. Matiello, Eng Agr Mapa/Fundação Procafé Importância da Cafeicultura de Montanha Abrange diferentes regiões - Zona da Mata de Minas, Espirito

Leia mais

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRICOLAS

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRICOLAS SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRICOLAS Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A seleção econômica de equipamentos complexo por várias razões: agrícolas é um problema A maioria das propriedades agrícolas é

Leia mais

Mecanização Máquinas de levante e inovações atuais. MIAC na Mecanização do Café. Eric Miranda Abreu Engenheiro Agrônomo Desde 1999, pela UFLA

Mecanização Máquinas de levante e inovações atuais. MIAC na Mecanização do Café. Eric Miranda Abreu Engenheiro Agrônomo Desde 1999, pela UFLA Mecanização Máquinas de levante e inovações atuais MIAC na Mecanização do Café Eric Miranda Abreu Engenheiro Agrônomo Desde 1999, pela UFLA PROCAFÉ. VARGINHA MG 15.08.2013 MIAC na mecanização do café Recolhedoras

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em cafeicultura, J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL.

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. TÉCNICAS MODERNAS DE PREPARO DO SOLO NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. Edésio P. Bortolas 1 João Batista Rosa 2 1. INTRODUÇÃO A unidade florestal da Klabin

Leia mais

RAFAEL ANTONIO ALMEIDA DIAS

RAFAEL ANTONIO ALMEIDA DIAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS (IFET) Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura RAFAEL ANTONIO ALMEIDA DIAS MÁQUINAS DEMONSTRADAS NO DIA DE CAMPO SOBRE COLHEITA

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Colhedora de cana A4000

Colhedora de cana A4000 Colhedora de cana A4000 Inovação sem limites. Uma marca registrada da case ih. A Case IH é referência mundial no segmento sucroenergético. Com mais de 50 anos de conhecimento e experiência no setor, a

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP 1. HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO O Glyphosate [N

Leia mais

2. FATORES DETERMINANTES NA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA IN SITU

2. FATORES DETERMINANTES NA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA IN SITU Métodos de Captação de Água de Chuva "in situ" José Barbosa dos Anjos, Paulo Roberto Coelho Lopes, Luiza Teixeira de Lima, Maria Sônia Lopes da Silva EMBRAPA - Semi-árido Caixa Postal 23 56.300-000, Petrolina

Leia mais

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ. Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr.

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ. Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr. PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr. VIII Curso de Atualização Manejo Tecnológico da Lavoura Cafeeira Varginha, MG 13 a 15 de julho de 2010 ZONEAMENTO

Leia mais

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia IT 154 Motores e Tratores Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Professor: Carlos Alberto Alves Varella Doutor em Engenharia Agrícola E-mail: varella.caa@gmail.com

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

IX CURSO DE ATUALIZAÇÃO LAVOURA CAFEEIRA MANEJO TECNOLÓGICO DA LAVOURA CAFEEIRA

IX CURSO DE ATUALIZAÇÃO LAVOURA CAFEEIRA MANEJO TECNOLÓGICO DA LAVOURA CAFEEIRA IX CURSO DE ATUALIZAÇÃO LAVOURA CAFEEIRA MANEJO TECNOLÓGICO DA LAVOURA CAFEEIRA MANEJO DA COLHEITA E RECOLHEITA MECANIZADA DO CAFÉ NO SUL DE MINAS. Juliano Mendonça Araujo Eng. Agrônomo - Aspectos gerais

Leia mais

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL COLHEITA FLORESTAL ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL Prof. Haroldo C. Fernandes DEA/UFV O caminho para o atendimento das necessidades crescentes por produtos florestais se dá por meio de uma produção

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 INTRODUÇÃO PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS Deuseles João Firme * João

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO CONTEÚDO DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR. TEÓR. PRÁT. TOT. ENG-157 MÁQUINAS E MECANIZAÇÃO

Leia mais

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC)

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) ÍNDICE 1. Gestão da Propriedade...03 2. Gestão Ambiental...04 3. Material Propagativo (Sementes, mudas e estacas)...05 4. Localização e Implantação de Cafezais...06

Leia mais

Problemas operacionais e custos dos cafezais de montanha.

Problemas operacionais e custos dos cafezais de montanha. Problemas operacionais e custos dos cafezais de montanha. M.L. Carvalho, Eng Agr. Fdas Reunidas L & S J.B. Matiello, Eng Agr. MAPA/Procafé G.M. Souza,Gerente Recursos Humanos Fdas Reunidas L & S M.L.L.

Leia mais

ABC da Agricultura Familiar. Barragens, cacimbas e poços amazonas

ABC da Agricultura Familiar. Barragens, cacimbas e poços amazonas ABC da Agricultura Familiar Formas de garantir água nas secas 2 Barragens, cacimbas e poços amazonas Barragens, cacimbas e poços 2004 FL- 15651 1111111//111//111//11/111/111111111111///1111111//11//111//111//1/111/111/1

Leia mais

Colhedoras de Café Coffee Express

Colhedoras de Café Coffee Express Colhedoras de Café Coffee Express Colhedora de Café tracionada Coffee Express 100 Operação otimizada: um único operador A colhedora de café Coffee Express 100 possui comandos elétricos simplificados que

Leia mais

BASES PARA A RENOVAÇÃO DE CAFEZAIS NAS MONTANHAS. J. B. Matiello, Eng Agr Mapa/Fundação Procafé

BASES PARA A RENOVAÇÃO DE CAFEZAIS NAS MONTANHAS. J. B. Matiello, Eng Agr Mapa/Fundação Procafé BASES PARA A RENOVAÇÃO DE CAFEZAIS NAS MONTANHAS J. B. Matiello, Eng Agr Mapa/Fundação Procafé Importância da Cafeicultura de Montanha Abrange diferentes regiões - Zona da Mata de Minas, Espirito Santo,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE PERDAS DE FRUTOS NOS MECANISMOS RECOLHEDOR E TRANSPORTADOR DE COLHEDORAS DE CAFÉ JÚLIO CÉSAR SILVA DE SOUZA

DETERMINAÇÃO DE PERDAS DE FRUTOS NOS MECANISMOS RECOLHEDOR E TRANSPORTADOR DE COLHEDORAS DE CAFÉ JÚLIO CÉSAR SILVA DE SOUZA DETERMINAÇÃO DE PERDAS DE FRUTOS NOS MECANISMOS RECOLHEDOR E TRANSPORTADOR DE COLHEDORAS DE CAFÉ JÚLIO CÉSAR SILVA DE SOUZA 2009 JÚLIO CÉSAR SILVA DE SOUZA DETERMINAÇÃO DE PERDAS DE FRUTOS NOS MECANISMOS

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema.

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema. ISSN 1808-6810 104 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Novembro, 2014 Autores Joelsio José Lazzarotto Med. Vet., Dr., Pesquisador, Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, joelsio.lazzarotto@embrapa.br

Leia mais

COLHEITA MECANIZADA DE CAFÉ DO CHÃO ALINO PEREIRA DUARTE ENGENHEIRO AGRÔNOMO ADMINISTRADOR DA FAZENDA DONA NENEM

COLHEITA MECANIZADA DE CAFÉ DO CHÃO ALINO PEREIRA DUARTE ENGENHEIRO AGRÔNOMO ADMINISTRADOR DA FAZENDA DONA NENEM COLHEITA MECANIZADA DE CAFÉ DO CHÃO ALINO PEREIRA DUARTE ENGENHEIRO AGRÔNOMO ADMINISTRADOR DA FAZENDA DONA NENEM Realidade: colher café com mínimo de mão de obra ou zero dia homem por ha Evolução tecnológicas

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO

PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO DISCIPLINA: GCS 104 PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO 3ª AULA PRÁTICA II SEMESTRE/2010 TERRAÇO: Canal e CAMALHÃO CANAL CAMALHÃO Classificação dos terraços: Quanto a função: Terraço em nível ou de

Leia mais

do Ceará - Fortaleza - CE; Engenharia Agrícola - Universidade Federal do Ceará - Fortaleza CE. 1. INTRODUÇÃO

do Ceará - Fortaleza - CE; Engenharia Agrícola - Universidade Federal do Ceará - Fortaleza CE. 1. INTRODUÇÃO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA EMITIDO POR UM CONJUNTO TRATOR- PULVERIZADOR HIDROPNEUMÁTICO Francisco Rodrigo de Freitas Lima a ; Carlos Alberto Viliotti b ; Karla Lúcia Batista Araújo c ; Ricardo Rodrigues Andrade

Leia mais

IX Curso de Atualização Lavoura Cafeeira RESULTADOS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO NA CAFEICULTURA. Alexandre Mudrik

IX Curso de Atualização Lavoura Cafeeira RESULTADOS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO NA CAFEICULTURA. Alexandre Mudrik IX Curso de Atualização Lavoura Cafeeira RESULTADOS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO NA CAFEICULTURA Alexandre Mudrik AGRICULTURA DE PRECISÃO GERENCIAMENTO DE PRECISÃO Prestação de Serviços em Agricultura de

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA CULTURA DO CAFÉ

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA CULTURA DO CAFÉ MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO GERÊNCIA DE GEOTECNOLOGIA - GeoSafras RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA CULTURA DO CAFÉ 2007 Brasília 2007 INTRODUÇÃO

Leia mais

Colhedoras de Café Coffee Express

Colhedoras de Café Coffee Express Colhedoras de Café Coffee Express Colhedora de Café tracionada Coffee Express 100 Operação otimizada: um único operador A colhedora de café Coffee Express 100 possui comandos elétricos simplificados que

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO 1 MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO Atualizado em 07-abr-2014 Este documento refere-se às instruções de preenchimento do cadastro de usinas para o levantamento de custos de produção de cana-de-açúcar,

Leia mais

NOSSA MISSÃO, NESTE DIA, É TENTAR MOSTRAR AOS SENHORES, QUE A CO LHEDORA SANTAL TANDEM SII, NÃO É O CORTE DE MUDAS, MAS TAMBÉM É

NOSSA MISSÃO, NESTE DIA, É TENTAR MOSTRAR AOS SENHORES, QUE A CO LHEDORA SANTAL TANDEM SII, NÃO É O CORTE DE MUDAS, MAS TAMBÉM É ALTO RENDIMENTO DE COLHEITA MECANIZADA COM BAIXO CONSUMO DE COMBUSTÍVEL. NOSSA MISSÃO, NESTE DIA, É TENTAR MOSTRAR AOS SENHORES, QUE A CO LHEDORA SANTAL TANDEM SII, NÃO É SOMENTE A MELHOR MÁQUINA PARA

Leia mais

Sistemas mecanizados canavieiros JD

Sistemas mecanizados canavieiros JD Inovações tecnológicas Sistemas mecanizados canavieiros JD José Luís COELHO Gerente MKT Estratégico/CANA Ribeirão Preto/SP MAR10 Área Plantada Mundial de Cana de Açúcar Metricas: Fonte: LMC/CANAPLAN Os

Leia mais

BALANÇO DE ENERGIA DE UM SISTEMA RECOLHEDOR DE CAFÉ PARA REGIÕES DE MONTANHA 1

BALANÇO DE ENERGIA DE UM SISTEMA RECOLHEDOR DE CAFÉ PARA REGIÕES DE MONTANHA 1 BALANÇO DE ENERGIA DE UM SISTEMA RECOLHEDOR DE CAFÉ PARA REGIÕES DE MONTANHA 1 Haroldo Carlos Fernandes 2 ; Danilo Roberto Loureiro 3 ; Anderson Candido da Silva 4 1 Trabalho desenvolvido como parte da

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

2013/2014 COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DAS OPERAÇÕES FLORESTAIS. OPERAÇÕES MANUAIS referência: unidade CUSTO MÍNIMO ( Euros ) CUSTO MÁXIMO ( Euros )

2013/2014 COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DAS OPERAÇÕES FLORESTAIS. OPERAÇÕES MANUAIS referência: unidade CUSTO MÍNIMO ( Euros ) CUSTO MÁXIMO ( Euros ) OPERAÇÕES MANUAIS referência: unidade CUSTO MÍNIMO ( Euros ) CUSTO MÁXIMO ( Euros ) un./jorna jorna custo/un. un./jorna jorna custo/un. Rolagem Podas de formação Desramação Sacha e amontoa Recolha e queima

Leia mais

PREPARO INICIAL DO SOLO

PREPARO INICIAL DO SOLO PREPARO INICIAL DO SOLO 1 Preparo Inicial Derrubada Destocamento Enleiramento 2 Preparo Inicial do Solo Criar condições de implantação de culturas, em áreas não utilizadas anteriormente com essa finalidade.

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

CARRETA BASCULANTE KHOR

CARRETA BASCULANTE KHOR 1 - INTRODUÇÃO Parabéns; você acaba de adquirir um produto KHOR que é resultado de um projeto sofisticado, onde profissionais com anos de experiência dedicaram horas de trabalho e os mais rigorosos teste.

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS Evento reúne toda a cadeia de produção do café em Três Pontas, no Sul de Minas, até o dia 3 de julho Três Pontas, julho de 2015 Com presenças

Leia mais

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS Tratores Agrícolas PROFº RUI CASARIN PERGUNTAS IMPORTANTES? QUEM FABRICA TRATORES NO BRASIL? WWW.AGRALE.COM.BR POTÊNCIA ENTRE 15 E 168CV WWW.BRASIL.CAT.COM MÁQUINAS

Leia mais

Proprietários de uma fazenda

Proprietários de uma fazenda enviaram uma amostra para o concurso. Além do prêmio de 50 mil dólares, que Mônica usou para comprar um carro novo, a cafeicultora ajudou a divulgar a cidade de Araponga, MG, e contribuiu para a consolidação

Leia mais

DEZEMBRO/2006 PARABÉNS PARANÁ!

DEZEMBRO/2006 PARABÉNS PARANÁ! CONJUNTURA ESPECIAL DO CAFÉ DEZEMBRO/2006 DEZEMBRO/2006 PARABÉNS PARANÁ! No período de 22 a 25/11/06, foi realizado na cidade de Guarapari, no Estado do Espírito Santo, o 14º ENCAFÉ. Nesse evento, que

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014 MATO GROSSO - Janeiro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 257.129 1.458.698 519.693 170.289 601.101 3.006.910 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.049,89 R$ 1.141,83 R$

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013 MATO GROSSO - Novembro/2013 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.344.084 3.224.679 1.686.704 641.603 1.774.382 8.671.453 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.007,21 R$ 1.530,19

Leia mais

NEW HOLLAND BRAUD LINHA DE COLHEDORAS POLIVALENTES E DE ALTO DESEMPENHO PARA UVA, AZEITONA E CAFÉ

NEW HOLLAND BRAUD LINHA DE COLHEDORAS POLIVALENTES E DE ALTO DESEMPENHO PARA UVA, AZEITONA E CAFÉ NEW HOLLAND BRAUD LINHA DE COLHEDORAS POLIVALENTES E DE ALTO DESEMPENHO PARA UVA, AZEITONA E CAFÉ BRAUD NEW HOLLAND A PERFEIÇÃO NA COLHEITA. EM TODO O MUNDO, HÁ 37 ANOS, COM MAIS DE 13.000 MÁQUINAS PRODUZIDAS.

Leia mais

Auditoria Energética

Auditoria Energética Auditoria Energética Função das Auditorias Energéticas Como estamos? Quanta energia está sendo utilizada? Onde a energia está sendo utilizada? Quando a energia está sendo utilizada? Como e em qual equipamentos

Leia mais

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR

33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR 33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR Eng. Agr. TUMORU SERA, AD Gerente de projetos de Melhoramento de Café tsera@iapar.br 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ

Leia mais

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Áreas Agrícolas Diferentes situações Aspectos que devem ser vistos em

Leia mais

Análise do Desempenho na Extração Florestal Utilizando Guincho TMO

Análise do Desempenho na Extração Florestal Utilizando Guincho TMO Análise do Desempenho na Extração Florestal Utilizando Guincho TMO Fabrina Teixeira Ferraz (1), Robson José de Oliveira (2), Luciano Cavalcante de Jesus França (3), Sidney Araújo Cordeiro (4), Temistocles

Leia mais

SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO PARA JARDINS E GRAMADOS. José Giacoia Neto

SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO PARA JARDINS E GRAMADOS. José Giacoia Neto SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO PARA JARDINS E GRAMADOS José Giacoia Neto Eng. Agrícola. M.Sc. em Irrigação e Drenagem Universidade Federal de Viçosa - MBA Executivo Internacional em Gestão Comercial Fundação Getúlio

Leia mais

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados Veículo: Assunto: Data: ABN 28/09/2012 Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados http://www.abn.com.br/editorias1.php?id=71860 Que o Brasil há muitos anos produz cafés de qualidade excepcional

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

DERAL-Departamento de Economia Rural A CANA-DE-AÇÚCAR E O SETOR SUCROALCOOLEIRO

DERAL-Departamento de Economia Rural A CANA-DE-AÇÚCAR E O SETOR SUCROALCOOLEIRO A CANA-DE-AÇÚCAR E O SETOR SUCROALCOOLEIRO PROGNÓSTICO 2014/15 Maio de 2014 A previsão ao setor sucroalcooleiro no Paraná é de um pequeno crescimento ao longo da safra 2014, confirmando a recuperação ocorrida

Leia mais

Capítulo5 - EVOLUÇÃO DO TRATOR, CLASSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DA TRATORIZAÇÃO NO BRASIL

Capítulo5 - EVOLUÇÃO DO TRATOR, CLASSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DA TRATORIZAÇÃO NO BRASIL Capítulo5 - EVOLUÇÃO DO TRATOR, CLASSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DA TRATORIZAÇÃO NO BRASIL Trator - dicionário de Oxford - motor de tração Trator - patente norte-americana de 1890, para um motor de tração

Leia mais

estado da arte, avanços e tendências

estado da arte, avanços e tendências I Encontro I Encontro Paulista Paulista sobre sobre Biodiversidade: Florestas Florestas e Sustentabilidade e Mesa redonda: Restauração de Ecossistemas no Brasil: estado da arte, avanços e tendências Giselda

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM Unidades de tração ou tratores Representa a máquina matriz da terraplenagem. Trator: Unidade autônoma. Executa a tração ou empurra outros equipamentos para o aumento da tração

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

Variação de velocidade

Variação de velocidade Variação de velocidade Variação de velocidade A indústria é responsável pelo consumo de cerca de 50% da electricidade produzida a nível mundial, sendo que cerca de 2/3 é consumida por motores eléctricos.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO, 11 ISSN 1983-5671

MANUAL TÉCNICO, 11 ISSN 1983-5671 MANUAL TÉCNICO, 11 ISSN 1983-5671 Wander Eustáquio de Bastos Andrade José Márcio Ferreira Henrique Duarte Vieira Miguel Ângelo Engelhardt José Ferreira Pinto 11 Niterói-RJ abril de 2009 MANUAL TÉCNICO,

Leia mais

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP)

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Reunião do Consórcio Antiferrugem 26 de junho de 2008. Londrina, PR. Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Dulândula S. M. Wruck - Epamig Leila

Leia mais

USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE

USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE Lindenberg Rodrigues Perpétuo 1 Tecnólogo em Gestão da Agropecuária, Especializado

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos.

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos. IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA EM PROPRIEDADES DA AGRICULTURA FAMILIAR DA ZONA DA MATA DE MINAS. 1 Ricardo Tadeu Galvão Pereira- Eng o Agrônomo, Dsc, Coordenador Regional

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS DA PRODUÇÃO DE CAFÉ NOS SISTEMAS IRRIGADO E CONVENCIONAL, NA REGIÃO DE BOTUCATU, ESTADO DE SÃO PAULO 1

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS DA PRODUÇÃO DE CAFÉ NOS SISTEMAS IRRIGADO E CONVENCIONAL, NA REGIÃO DE BOTUCATU, ESTADO DE SÃO PAULO 1 ANÁLISE DE INVESTIMENTOS DA PRODUÇÃO DE CAFÉ NOS SISTEMAS IRRIGADO E CONVENCIONAL, NA REGIÃO DE BOTUCATU, ESTADO DE SÃO PAULO 1 Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 Andréa Regina Paes 3 1 - INTRODUÇÃO 123

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus Nº: 1626/15 RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Nome do Evento: 6º Dia de Campo do Portal Ciência do Solo Qual o caminho para altas produtividades de soja? Interessado (Coordenador do Projeto):

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2. GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2. GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2 ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2 MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS INTRODUÇÃO Caracterização

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 A evolução da produção de milho no Mato Grosso: a importância da safrinha Jason de Oliveira Duarte 1 José Carlos Cruz 2 João Carlos Garcia 3 Introdução

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1.

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais

CLIPPING 29/01/2013 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 29/01/2013 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Dobra número de produtores de café em busca de capacitação na região da Cooxupé Cooxupé / Phábrica de Ideias 29/01/2012 Desde 2010 a COOXUPÉ cooperativa mineira de café

Leia mais

Força de Desagregação em kgf. Alta Vazão - 100 litros por minuto Potência Hidráulica - 69,5 hp

Força de Desagregação em kgf. Alta Vazão - 100 litros por minuto Potência Hidráulica - 69,5 hp Força de Desagregação em kgf Alta Vazão - 100 litros por minuto Potência Hidráulica - 69,5 hp 500 ACESSÓRIOS Acessório Descrição Acessório Descrição Perfuradores Perfurador com acionamento planetário.

Leia mais

2. A proposta será encaminhada ao Subcomitê Virtual de Revisão (SVR), para avaliação, e será apreciada pelo Comitê de Projetos em março de 2014.

2. A proposta será encaminhada ao Subcomitê Virtual de Revisão (SVR), para avaliação, e será apreciada pelo Comitê de Projetos em março de 2014. PJ 64/13 4 dezembro 2013 Original: inglês P Comitê de Projetos / Conselho Internacional do Café 3 7 março 2014 Londres, Reino Unido Nota conceitual Melhoria e proteção da produção de café através de polinização

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DA IFC COM O CAFÉ

O ENVOLVIMENTO DA IFC COM O CAFÉ O ENVOLVIMENTO DA IFC COM O CAFÉ UMA APRESENTAÇÃO À OIC LONDRES, SETEMBRO DE 2014 1 A IFC CRIA OPORTUNIDADES E MELHORA VIDAS, PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO DO SETOR PRIVADO NOS MERCADOS EMERGENTES IFC:

Leia mais

Soluções avançadas para cana

Soluções avançadas para cana Soluções avançadas para cana Sistema de mecanização de cana-de-açúcar Case IH AFS SOLUÇÕES COMPLETAS CASE IH PARA CANA-DE-AÇÚCAR. TRATOS CULTURAIS Com o objetivo de sempre oferecer soluções agrícolas eficientes,

Leia mais

2ª Mostra de tecnologia Coplana-Jatak contabiliza bons resultados na lavoura

2ª Mostra de tecnologia Coplana-Jatak contabiliza bons resultados na lavoura 2ª Mostra de tecnologia Coplana-Jatak contabiliza bons resultados na lavoura Evento A 2ª Mostra de Tecnologia Coplana-Jatak, realizada nos dias 25 e 26 de realizado na fevereiro, foi sucesso de público

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

Press release. Café de Atitude: A nova estratégia da Região do Cerrado Mineiro.

Press release. Café de Atitude: A nova estratégia da Região do Cerrado Mineiro. Press release Café de Atitude: A nova estratégia da Região do Cerrado Mineiro. Café de Atitude: a nova estratégia da Região do Cerrado Mineiro Em evento realizado em Uberlândia (MG), na noite do dia 19

Leia mais

Irrigação por Superfície: Sulcos

Irrigação por Superfície: Sulcos Irrigação por Superfície: Sulcos INTRODUÇÃO Sob a definição de irrigação por superfície está incluída os métodos de irrigação que distribuem a água diretamente sobre a superfície do solo, a partir de uma

Leia mais

COMPRADOR VENDEDOR SACAS PREÇO QUALIDADE. M dcheg. CLIMA (Varginha/MG) r Aberto (hoje) BOLSA / DÓLAR

COMPRADOR VENDEDOR SACAS PREÇO QUALIDADE. M dcheg. CLIMA (Varginha/MG) r Aberto (hoje) BOLSA / DÓLAR M dcheg BARÃO COMISSÁRIA DE CAFÉ LTDA Alameda Otávio Marques de Paiva, 220 Bairro Santa Luiza CEP 37062-670 - Varginha-MG (35) 3214-7725 / 8855-0050 / 8879-0040 / 8876-0030 www.baraocomissariadecafe.com.br

Leia mais

Seminário de Mecanização Agrícola "José Fernandes Inovação no processo de colheita da cana-de-açúcar: uma necessidade

Seminário de Mecanização Agrícola José Fernandes Inovação no processo de colheita da cana-de-açúcar: uma necessidade Seminário de Mecanização Agrícola "José Fernandes Inovação no processo de colheita da cana-de-açúcar: uma necessidade Programa Agrícola - CTBE Mecanização de Baixo Impacto Específica para a Cana-de-açúcar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Evair de Melo) Institui a Política Nacional de Incentivo à Produção de Café de Qualidade. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional

Leia mais