QUAIS SÃO AS ETIOLOGIAS DAS MENINGITES?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUAIS SÃO AS ETIOLOGIAS DAS MENINGITES?"

Transcrição

1 OFICINA INTEGRADA DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS Salvador, 12 de Setembro de 2012 Diagnóstico diferencial: QUAIS SÃO AS ETIOLOGIAS DAS MENINGITES? Equipe GT Meningite Bruna Drummond Claudia Canabrava Marcela Muhana Mª Elisa Oliveira Orgali Marques 1

2 APRESENTAÇÃO VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ETIOLOGIAS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Diagnóstico diferencial: quais são as etiologias das meningites? 2

3 TEMAS ABORDADOS 1. O QUE É MENINGITE? 2. QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS MENINGITES? 3. QUAIS AS COMPLICAÇÕES CLÍNICAS E EPIDEMIOLÓGICAS? 4. QUAIS SÃO AS DECISÕES REGULAMENTADAS? 5. COMO CLASSIFICAR AS MENINGITES? 6. COMO ENCERRAR UM CASO COM CONSISTÊNCIA DIAGNÓSTICA?

4 O QUE É MENINGITE? 4

5 O QUE É MENINGITE? Processo inflamatório das meninges - membranas que envolvem o cérebro. 5

6 O QUE CAUSA MENINGITE? Agentes etiológicos INFECÇÃO Causador ou responsável pela origem da doença Trauma INFLAMAÇÃO nas meninges 6

7 QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS MENINGITES? 7

8 As meningites são... EVOLUÇÃO de um processo anterior de adoecimento ou de um trauma... O indivíduo esteve ou está doente o agente etiológico invade a corrente sanguínea INFLAMAÇÃO DAS MENINGES 8

9 Ou as meningites são... TRANSMITIDAS Seres humanos Saudáveis portador assintomático Doentes portador sintomático de pessoa a pessoa, através das vias respiratórias, por gotículas e secreções da nasofaringe de doentes ou portadores sadios. Transmissão do agente etiológico de pessoa a pessoa invade a corrente sanguínea INFLAMAÇÃO DAS MENINGES neisseria meningitidis Diplococus Gram negativo haemophilus influenzae Bastonetes Gram negativo 9

10 ... agentes etológicos... Bactérias Neisseria Meningitides Haemophilus Influenzae Streptococcus Pneumoniae Mycobacterium Tuberculosis Stafilococcus Aureus Pseudomonas Aeruginosa Escherichia Coli Klebsiella sp Enterobacter sp Salmonella sp Proteus sp Listeria monocitogenes Leptospira sp RNA Vírus Enterovírus Arbovírus Vírus do sarampo Arenavírus Hiv 1 Dengue DNA Vírus Adenovírus Vírus do Grupo Herpes Varicela Zoster Epstein Barr Citomegalovírus Fungos Criptococcus neoformans Candida Albicans Candida tropicalis Protozoários Toxoplasma gondi Tripanossoma cruzi Plasmodium sp Helmintos Infecção larvária da Taenia Solium Cysticercus cellulosae (cisticercose) 10

11 Quando são meningites TRANSMITIDAS estamos dizendo que: Os seres humanos são reservatórios dos agentes etiológicos RESERVATÓRIO de agentes infecciosos (reservatório de bioagentes) é o ser humano ou animal, artrópode, planta, solo ou matéria inanimada em que um agente normalmente vive, se multiplica ou sobrevive e do qual tem o poder de ser transmitido a um hospedeiro susceptível. Quais meningites são TRANSMITIDAS? Doenças Meningocócicas DM causadas pela neisseria meningitidis Meningites causadas por haemophilus influenzae

12 O processo de adoecimento das meningites TRANSMITIDAS: Portador assintomático da neisseria meningitidis ou do haemophilus influenzae CASO SECUNDÁRIO SE adoecer depende da susceptibilidade individual SE adoecer CASO ÍNDICE VACINA Reduz o nº de portadores + Provoca imunidade Transmitir o agente etiológico a outra pessoa QUIMIOPROFILAXIA Pessoas que tiveram contato com secreções e/ou gotículas residem no mesmo domicílio estiveram num mesmo ambiente sem ventilação por mais de 4 horas Mata o agente etiológico Há necessidade de contato íntimo

13 das meningites que podem ser transmitidas... Agente etiológico Reservatório Modo de transmissão DOENÇA MENINGOGÓCICA neisseria meningitidis Homem doente ou portador assintomático Contato íntimo de pessoa a pessoa MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZAE haemophilus influenzae Homem doente ou portador assintomático, principalmente os menores de 5 anos Contato íntimo de pessoa a pessoa Período de incubação Período de transmissibilidade MS, 2010 De 2 a 10 dias, em média de 3 a 4 dias Enquanto houver o agente etiológico na nasofaringe. Em geral, após 24 horas de antibióticoterapia, o meningococo já desapareceu da nasofaringe. De 2 a 4 dias Enquanto houver o agente etiológico na nasofaringe, geralmente até 24/48 horas após o início da terapêutica com antibiótico

14 SINAIS E SINTOMAS MAIS COMUNS Cefaléia intensa Febre elevada Vômito em jato Sonolência Convulsões Pescoço endurecido (rigidez de nuca) Manchas na pele (petéquias ou sufusões hemorrágicas) Abaulamento de fontanela Irritabilidade aumentada

15

16

17

18 QUAIS SÃO AS COMPLICAÇÕES CLÍNICAS E EPIDEMIOLÓGICAS? 18

19 COMPLICAÇÕES CLÍNICAS perda de audição/surdez, distúrbio de linguagem, retardo mental, anormalidade motora, distúrbios visuais, artrite, miocardite, pericardite, paralisias, paresias, abcesso cerebral, hidrocefalia, necroses profundas com perda de tecido nas áreas externas, onde se iniciam as equimoses (menigococemia) MS, 2010

20 COMPLICAÇÕES EPIDEMIOLÓGICAS SURTOS E EPIDEMIAS SURTO é a ocorrência de dois ou mais casos epidemiologicamente relacionados Alguns autores denominam surto epidêmico, ou surto, a ocorrência de uma doença ou fenômeno restrita a um espaço extremamente delimitado: colégio, quartel, creches, grupos reunidos em uma festa, um quarteirão, uma favela, um bairro etc. EPIDEMIA É a ocorrência em uma comunidade ou região de casos de natureza semelhante, claramente excessiva em relação ao esperado. O conceito operativo usado na epidemiologia é: uma alteração, espacial e cronologicamente delimitada, do estado de saúde-doença de uma população, caracterizada por uma elevação inesperada e descontrolada dos Coeficientes de Incidência de determinada doença, ultrapassando valores do limiar epidêmico preestabelecido para aquela circunstância e doença. PEREIRA, 2007

21 QUAIS SÃO AS DECISÕES REGULAMENTADAS? 21

22 Quais são as decisões regulamentadas? As meningites são doenças de notificação compulsória A notificação de doenças e agravos à saúde é definida como a comunicação da sua ocorrência à autoridade sanitária feita por profissionais de saúde ou por qualquer cidadão, para fins de adoção de medidas de intervenção pertinentes. A notificação compulsória de doenças é a principal fonte de dados dos sistemas de vigilância epidemiológica de doenças transmissíveis. TEIXEIRA & COSTA, 2008 pg 806 A NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA NADA MAIS É QUE UMA AÇÃO CÍVICA

23 Quais os critérios para seleção de doenças de notificação compulsória? MAGNITUDE medida pelos valores de incidência e prevalência da doença, dando-se prioridade àquelas que afetam grandes contingentes populacionais POTENCIAL DE DISSEMINAÇÃO relaciona-se ao poder de transmissão do agente pela possibilidade de colocar sob risco outros indivíduos ou coletividades TRANSCENDÊNCIA conjunto de características das doenças: SEVERIDADE medida pelas taxas de letalidade, hospitalizações e sequelas RELEVÂNCIA SOCIAL - valor que a sociedade imputa à uma doença medo, indignação, estigma social RELEVÂNCIA ECONÔMICA estimada pela perda de vidas, restrições comerciais, absenteísmo ao trabalho, custo do diagnóstico e tratamento VULNERABILIDADE disponibilidade de instrumentos específicos de prevenção e controle COMPROMISSOS INTERNACIONAIS Regulamento Sanitário Internacional

24 São OBRIGADOS a notificar: Todos os profissionais de saúde sejam médicos, enfermeiros, odontólogos, médicos veterinários, biólogos, biomédicos, farmacêuticos e outros no exercício da profissão Responsáveis por organizações estabelecimentos públicos, privados e filantrópicos de saúde; População em geral. Portaria MS nº 5 de 21/02/ Parágrafo único. O não cumprimento desta obrigatoriedade será comunicado aos conselhos de entidades de Classe e ao Ministério Público para que sejam tomadas as medidas cabíveis. Os Núcleos Hospitalares de Epidemiologia deverão realizar a Busca Ativa dentro das unidades. Notificação do caso suspeito deve ser realizada para autoridades sanitárias (Distrito Sanitário, Secretarias Municipal e Estadual de Saúde) para a investigação epidemiológica e adoção das medidas de controle.

25 ATOS NORMATIVOS LEI Nº6.259, DE 30 DE OUTUBRO DE 1975 Dispõe sobre a organização das ações de Vigilância Epidemiológica, sobre o Programa Nacional de Imunizações, estabelece normas relativas à notificação compulsória de doenças, e dá outras providências. PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. PORTARIA SESAB Nº 1072 DE 20/04/2007 Define as doenças de notificação compulsória no estado da Bahia.

26 COMO CLASSIFICAR AS MENINGITES? 26

27 Para classificar uma meningite é preciso associar alguns critérios Doenças de base ou prévias Sinais e sintomas Clínicos Imunidade vacinal Laboratoriais Exames específicos Epidemiológicos Identificação de vínculo epidemiológico caso secundário

28 Introdução aos critérios laboratoriais QUIMIO- CITOLÓGICO BACTERIOS- COPIA LATEX CIE CULTURA PCR

29 QUIMIOCITOLÓGICO / CITOQUÍMICA BIOQUÍMICA DO LÍQUOR O que podemos encontrar nas meningites Celularidade aumentada Recém-nascidos acima de 15 células Menores de 1 ano acima de 10 células Com 1 ano ou mais acima de 4 células. = Leucócitos aumentados = 4 cél. Neutrófilos em maior proporção Línfócitos em maior proporção Eosinófilos ou Monócitos O que pode ser... Meningite bacteriana Meningite viral Men. outras etiologias Bioquímica alterada: Proteínas aumentadas: > 25mg/dl (punção suboccipital) ou > 40mg/dl (punção lombar). Glicorraquia diminuída: abaixo de 2/3 do valor da glicemia ou 50mg% Cloretos diminuídos: RN < 702 mg%. Crianças maiores que 3 meses e Adultos < 680 mg%.

30 BACTERIOSCOPIA FORMA DA CÉLULA Realizado em líquor ou sangue Resultado LISTA DAS ETIOLOGIAS DAS MENINGITES PARA RESULTADO DE BACTERIOSCOPIA N RESULTADOS 61 NÃO REALIZADO 62 IGNORADO 32 BACILOS GRAM NEGATIVO 31 BACILOS GRAM POSITIVO 30 BASTONETES GRAM NEGATIVO 29 BASTONETES GRAM POSITIVO 36 COCOBACILOS 34 COCOS GRAM NEGATIVO 33 COCOS GRAM POSITIVO 35 DIPLOBACILOS GRAM NEGATIVO 03 DIPLOCOCOS GRAM NEGATIVO 08 DIPLOCOCOS GRAM POSITIVO 28 OUTRAS BACTÉRIAS 51 NENHUM AGENTE O que pode ser... SUGESTIVO Meningite Haemophilus Doença meningocócica Meningite Pneumocócica Não é critério laboratorial consistente para definição das seguintes etiologias: Meningite haemo E PENUMO

31 AGLUTINAÇÃO PELO LATEX identifica o agente pela reação de aglutinação de seu antígeno Resultado É... N AGENTE ETIOLÓGICO 61 NÃO REALIZADO 62 IGNORADO 01 NEISSERIA MENINGITIDIS 43 CRIPTOCOCOS 06 HAEMOPHILUS INFLUENZAE 14 STREPTOCOCOS (SP, PIOGENS, ALFA, HEMOLÍTICO, FECALIS, AGALACTIAE) 07 STREPTOCOCOS PENUMONIAE 28 OUTRAS BACTÉRIAS 51 NENHUM AGENTE DOENÇA MENINGOCÓCICA É CRITÉRIO LABORATORIAL CONSISTENTE PARA DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALGUMAS ETIOLOGIAS MAS CUIDADO: DEPENDE DA INTERPRETAÇÃO DO BIOQUÍMICO LEITURA DA LÂMINA DE AGLUTINAÇÃO MANEJO DA TÉCNICA DE AGLUTINAÇÃO

32 CULTURA identifica o agente com o seu respectivo sorogrupo do agente QUADRO VII - LISTA DAS ETIOLOGIAS DAS MENINGITES PARA RESULTADO DE CULTURA N AGENTE ETIOLÓGICO 61 NÃO REALIZADO 62 IGNORADO 01 NEISSERIA MENINGITIDIS 06 HAEMOPHILUS INFLUENZAE 07 STREPTOCOCOS PENUMONIAE 28 OUTRAS BACTÉRIAS 51 NENHUM AGENTE SOROGRUPO A,B,C,W135 e Y PCR Reação em Cadeia da Polimerase identifica a genética do agente

33 CLASSIFICAÇÃO COM CRITÉRIO CONSISTENTE

34 Doença Meningocócica Causada pela bactéria Neisseria Meningitidis (Meningococo) Sorogrupos mais freqüentes A,B,C,W135 e Y Aproximadamente 10% da população pode apresentar-se como portador assintomático Apresenta três formas clínicas: 1. Meningococemia (petéquias) 2.Meningite Meningocócica 3. M.Meningocócica + Meningococemia

35 1. MENINGOCOCCEMIA CLÍNICA Quadro toxiinfeccioso grave (septicemia) causado pela neisseria meningitidis Aparecimento de manifestações hemorrágicas na pele (petéquias e sufusões hemorrágicas) Sem sinais e sintomas de hipertensão intracraniana, síndrome radicular (rigidez de nuca) LABORATÓRIO Sem alterações liquóricas que demonstrem a invasão do líquor pelo agente etiológico LIQUOR NORMAL (aspecto e quimiocitologia) Bacterioscopia positiva no soro Latex postivo no soro Cultura positiva no soro

36 Meningococcemia (MCC) Critérios: 1. Cultura Neisseria meningitidis 2. CIE - Neisseria meningitidis 3. Látex - Neisseria meningitidis 4. PCR - Neisseria meningitidis 5. Bacterioscopia Diplococcus Gram negativo 6. Vínculo Epidemiológico contato com caso confirmado laboratorialmente 7. Clínico - Paciente com quadro clínico toxiinfeccioso sinais e sintomas de meningite com a presença de petéquias. Cultura>CIE>Látex>PCR>Bact.>clínico Epi>Clínico

37 DOENÇAS MENINGOCÓCICAS 2. MENINGITE MENINGOCÓCICA CLÍNICA Paciente com sinais e sintomas de meningite SEM a presença de petéquias e/ou sufusões hemorrágicas. LABORATÓRIO Quimiocitológico = Glicose reduzida = 50mg%; Proteínas aumentadas = 50mg/dl; Leucócitos aumentados = 4 cél.; Neutrófilos em maior proporção Bacterioscopia positiva no líquor Latex positivo no líquor Cultura positiva no líquor

38 Meningite Meningocócica (MM) Caso suspeito de meningite confirmado pelo(s) critério(s) Critérios: 1. Cultura Neisseria meningitidis 2. CIE - Neisseria meningitidis 3. Látex - Neisseria meningitidis 4. PCR - Neisseria meningitidis 5. Bacterioscopia Diplococcus Gram negativo 6. Vínculo Epidemiológico contato com caso confirmado laboratorialmente Cultura >CIE>Látex>PCR>Bact.>Vínculo Epidemiológico

39 3. MENINGITE MENINGOCÓCICA COM MENINGOCOCCEMIA CLÍNICA Quadro toxiinfeccioso agudo com sinais e sintomas de meningite, acompanhado de petéquias e/ou sufusões hemorrágicas. LABORATÓRIO Quimiocitológico = Glicose reduzida = 50mg%; Proteínas aumentadas = 50mg/dl; Leucócitos aumentados = 4 cél.; Neutrófilos em maior proporção Bacterioscopia positiva no líquor e soro diplococos gram negativos Latex positivo no líquor e soro Cultura positiva no líquor e soro

40 Meningite Meningocócica com Meningococcemia (MM+MCC) Critérios: 1. Cultura Neisseria meningitidis 2. CIE - Neisseria meningitidis 3. Látex - Neisseria meningitidis 4. PCR - Neisseria meningitidis 5. Bacterioscopia Diplococcus Gram negativo 6. Vínculo Epidemiológico contato com caso confirmado laboratorialmente 7. Clínico - Paciente com sinais e sintomas de meningite com a presença de petéquias. Cultura>CIE>Látex>PCR>Bact.>Vínculo Epi>Clínico

41 4. MENINGITE TUBERCULOSA CLÍNICA Causada pelo Mycobacterium Tuberculosis É uma das complicações mais graves da Tuberculose; Quadro clínico arrastado LABORATÓRIO Quimiocitológico = Glicose reduzida = 50mg% ou normal; Proteínas aumentadas = 50mg/dl; Leucócitos aumentados = 4 cél.; predomínio de linfomononucleares Bacterioscopia positiva no líquor e escarro Cultura positiva no líquor e escarro

42 Meningite Tuberculosa (MTB) 1. Cultura Mycobacterium tuberculosis (BK) 2. PCR - Mycobacterium tuberculosis (BK) 3. Bacterioscopia Bacilo álcool ácido resistente 4. Clínico quadro clínico de meningite (evolução arrastada, geralmente 7 dias), com alterações liquóricas compatíveis, ou seja, baixa celularidade (geralmente até 500), com predomínio de linfomononucleares, proteínas elevadas e glicose diminuída ou normal e referência de diagnóstico de Tuberculose. 5. Vínculo Epidemiológico Caso suspeito com história de contato com caso de Tuberculose. Cultura >PCR >Bact >Clínico >clínico Epi.>Citoquímico

43 5. MENINGITE POR OUTRAS BACTÉRIAS CLÍNICA sinais e sintomas de meningite LABORATÓRIO QUIMIOCITOLÓGICO = Glicose reduzida = 50mg% ou normal; Proteínas aumentadas = 50mg/dl; Leucócitos aumentados = 4 cél.; BACTERIOSCOPIA positiva no líquor LATEX reagente no líquor CULTURA positiva no líquor

44 LISTA DAS ETIOLOGIAS DAS MENINGITES PARA RESULTADO DE BACTERIOSCOPIA N RESULTADOS 61 NÃO REALIZADO 62 IGNORADO 32 BACILOS GRAM NEGATIVO 31 BACILOS GRAM POSITIVO 30 BASTONETES GRAM NEGATIVO 29 BASTONETES GRAM POSITIVO 36 COCOBACILOS 34 COCOS GRAM NEGATIVO 33 COCOS GRAM POSITIVO 35 DIPLOBACILOS GRAM NEGATIVO 03 DIPLOCOCOS GRAM NEGATIVO 08 DIPLOCOCOS GRAM POSITIVO 28 OUTRAS BACTÉRIAS 51 NENHUM AGENTE CATEGO MENINGITES POR OUTRAS BACTÉRIAS RIA 5 CÓDIGO BACTÉRIAS CRITÉRI O 09 SHIGELLA SP 1,9 10 STAPHYLOCOCCUS (AUREUS, SP, 1,9 EPIDERMIDIS 11 SALMONELA SP 1,9 12 ESCHERICHIA COLI 1,9 13 KLEBSIELLA (SP, PENUMONIAE) 1,9 14 STREPTOCOCCUS (SP, PYOGENES, 1,3,9 AGALACTIAE) 15 ENTEROCOCCUS 1,9 16 PSEUDOMONAS (AERUGINOSA, SP) 1, SERRATIA (MARCESCENS, SP) 1,9 19 ALCALIGENES (SP, FAECALIS) 1,9 20 PROTEUS (SP, VULGARIS, MIRABILIS) 1,9 21 LISTERIA MONOCYTOGENES 1,9 22 ENTEROBACTER (SP, CLOACAE) 1,9 23 ACINETOBACTER (SP, BAUMANNII) 1, NEISSERIA SP 1, OUTRAS BACTÉRIAS 1, TREPONEMA PALLIDIUM 1,9 46 RICKETTSIE 1,9 49 LEPTOSPIRA 1,9 81 BACTÉRIA NÃO ESPECIFICADA 4,5,6

45 Meningite por outras bactérias (MB) Caso suspeito de meningite confirmado pelo(s) critério(s): 1. Cultura identificação da Bactéria 2. Látex positivo 3. PCR positivo 4. Quimiocitológico - Leucócitos > 1000, neutrófilos > OU = 25%, glicose baixa e proteína elevada ou quando a Cel > Clínico evolução clínica compatível Cultura>PCR>Látex>Bact.>Citoquímico>Clínico Especificar o código da etiologia conforme tabela OBS. Colocar 81 quando bacteriana por bacterioscopia ou citoquímica (bactéria não especificada)

46 6. MENINGITE NÃO ESPECIFICADA - MENE CLÍNICA Clínico sinais e sintomas de processo infeccioso com um ou mais sinais de irritação meníngea. LABORATÓRIO Quimiocitológico alteração de cels - < cel Quimiocitológico inespecífico: quantidade de proteína e podem estar normais Glicose Bacterioscopia ausência de germe Ou não fizeram exames

47 Meningite Não Especificada (MENE) Meningites não especificada - quando os dados da ficha epidemiológica se resumem em: sinais e sintomas compatíveis com definição de caso de meningite e somente celularidade alterada (porém, menor do que células) sem avaliação do quimiocitológico, como: porcentagem de células, quantidade de proteína e glicose. Quando não é possível concluir pela provável etiologia (bacteriana ou viral) mesmo com o resultado do quimiocitológico do líquor. Quimiocitológico>Clínico

48 7. MENINGITE ASSÉPTICA CLÍNICA O quadro clínico é semelhante ao das demais meningites agudas. Entretanto, o exame físico chama a atenção: bom estado geral associado à presença de sinais de irritação meníngea. LABORATÓRIO QUIMIOCITOLÓGICO predomínio de linfomononucleares (> ou = 75%), proteínas e glicose normais ou pouco alteradas. BACTERIOSCOPIA ausência de germe LÁTEX não reagente Cultura negativa (cultura bacteriana sem crescimento) Cultura viral positiva Quando a punção é realizada muito precocemente poderá haver predomínio de neutrófilos. Nesse caso, deve-se preferir o resultado de um segundo líquor, desde que tenha ocorrido a viragem.

49 Meningite Asséptica (Viral) Caso suspeito de meningite confirmado pelo(s) critério(s): 1. Cultura- identificação do vírus 2. PCR- identificação do vírus 3. Quimiocitológico Leucócictos até 500, predomínio de linfomonócitos, glicose e proteínas normais ou pouco alteradas. 4. Clinico quadro clínico compatível 5. Vínculo epidemiológico contato com caso confirmado laboratorialmente 6. Outros Especificar o agente etiológico ou código 75 (não identificado). Ex. Echovirus 6 código: 56 Dengue código: 72 É preciso lembrar que as meningites virais deter Cultura>PCR>Quimiocitológico>Clínico>vínculo Epid>Outros

50 8. MENINGITE DE OUTRA ETIOLOGIA CLÍNICA O quadro clínico é semelhante ao das demais meningites agudas. Meningite de outra etiologia - são as de etiologia determinada, ou seja, o agente etiológico é evidenciado por exames específicos ou por quadro clínico recente ou concomitante, característico de uma doença, como por exemplo, as meningites determinadas por fungos, helmintos, parasitas e outros. LABORATÓRIO QUIMIOCITOLÓGICO = Glicose reduzida = 50mg% ou normal; Proteínas aumentadas = 50mg/dl; Leucócitos aumentados = 4cél.; BACTERIOSCOPIA positiva no líquor LATEX reagente no líquor CULTURA positiva no líquor

51 Meningite Outra Etiologia (MOE) Caso suspeito de meningite confirmado pelo(s) critério(s): 1. CULTURA Identificação do agente (fungo, protozoários, helmintos etc); 2. PCR Identificação do agente; 3. BACTERIOSCOPIA - Ex.Tinta da China positiva = Criptococcus 4. OUTROS Cultura>PCR>Bacterioscopia>outros Identificando fungo ou outra etiologia, especificar o código da etiologia conforme a tabela.

52 Meningite por haemophilus influenzae CLÍNICA clinicamente, não difere das outras etiologias bacterianas. Raramente acomete crianças maiores de 5 anos ou adultos.. LABORATÓRIO QUIMIOCITOLÓGICO = Glicose reduzida = 50mg% ou normal; Proteínas aumentadas = 50mg/dl; Leucócitos aumentados = 4cél.; BACTERIOSCOPIA positiva no líquor batonestes gram negativos LATEX reagente no líquor CULTURA positiva no líquor

53 Meningite por Haemophillus Influenzae Caso suspeito de meningite confirmado pelo(s) critério(s): 1. Cultura identificação da bactéria 2. CIE Reagente para Haemóphillus influenzae 3. PCR identificação da bactéria 4. Látex Reagente para Haemóphillus influenzae 5. Vínculo Epidemiológico - contato com caso confirmado laboratorialmente; 6. Outros - Cultura > CIE >PCR> Látex >Vínculo Epi. OBS. Não se aceita bacterioscopia como critério.

54 9. MENINGITE PNEUMOCÓCIA CLÍNICA Causada pelo Streptococcus Pneumoniae Acomete todas as faixas etárias, sendo que mais de 50% dos casos ocorre em pacientes menores de 1 ano e maiores de 50 anos Evolui a partir de um foco (sinusite,otite média, faringite) ou bacteremia primária Apresenta alta letalidade ( 20 a 30%) LABORATÓRIO QUIMIOCITOLÓGICO = Glicose reduzida = 50mg% ou normal; Proteínas aumentadas = 50mg/dl; Leucócitos aumentados = 4cél.; BACTERIOSCOPIA positiva no líquor LATEX reagente no líquor CULTURA positiva no líquor e sangue

55 Meningite por Pneumococo Caso suspeito de meningite confirmado pelo(s) critério(s): 1. Cultura Streptococcus pneumoniae 2. PCR Streptococcus pneumoniae 3. Látex Streptococcus pneumoniae 4. Outros - Cultura > PCR>Látex>Outros

56

57 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia SESAB Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde SUVISA Diretoria de Vigilância Epidemiológica - DIVEP DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES RESULTADO DE LÍQUORES x PATOLOGIAS LÍQUOR NORMAL MENINGITE BACTERIANA MENINGITE VIRAL MENINGITE TUBERCULOSA MENINGITE NÃO ESPECIFICADA ASPECTO LÍMPIDO TURVO LÍMPIDO LÍMPIDO OU LIGEIRAMENTE APRESENTA ALGU- TURVO MAS ALTERAÇÕES COR INCOLOR CRISTALINO BRANCO LEITOSA OU LIGEI- INCOLOR INCOLOR OU XANTOCRÔMI- DE LÍQUOR DE M. RAMENTE XANTOCRÕMICO CO BACT. E OUTRAS DE M.VIRAIS. GLICOSE 45 A 100mg/dl DIMINUÍDA NORMAL DIMINUIDA PROTEINAS 15 A 50mg/dl AUMENTADAS LEVEMENTE AUMENTADA AUMENTADAS OU NORMAL LEUCÓCITOS 0 a 5 mm³ NEUTRÓFILOS (Polimorfonucl.) LINFÓCITOS > OU =75% LINFÓCITOS (mononucleares) 200 A Milhares 5 a 500 (Pode chegar a 1000) 25 A 500 MENINGITES BACTERIANAS:Quando a celularidade for > ou = a células mesmo sem o diferencial, será classificada como MB. Mesmo que a celularidade for baixa porém apresentar :Neutrófilos >ou = 25% Proteina >100mg%, Glicose < 40mg% MENINGITES VIRAIS: Predomínio de linfócitos (mononuleares). No início pode apresentar predomínio de polimorfonucleares. FONTE-Guia de vigilância epidemiológica/ministério da Saúde,Secretaria de Vigilância em saúde.- 6. ed.-brasília: Ministério da Saúde,2005. ELABORAÇÃO: GT MANINGITES/DIVEP/SESAB em 2007

58 Altamente infeccioso capacidade de infectar, Patogênico capacidade de provocar doença e virulento capacidade de produzir casos graves ou fatais Capacidade de infectar e provocar doença infectante, patológico e Agressivo

59 Quimioprofilaxia Principal medida para prevenção de casos secundários de DM e Mhi; A droga de escolha é a Rifampicina.Seu uso restrito visa evitar cepas resistente de meningococos; Deve ser ministrada simultaneamente a todos os contatos íntimo até 48 horas; Prazo máximo 10 dias para D. Meningocócica e 30 dias para M. Haemophilus Influenzae; Casos tratados com Ceftriaxone não há para o uso de Rifampicina na alta; Medidas de P indicação

60 Medidas De Prevenção e Controle Quimioprofilaxia A quimioprofilaxia não está indicada para pessoal médico ou de enfermagem que tenha atendido pacientes com DM e MHi, exceto quando houver exposição às secreções e realizado procedimentos como respiração boca a boca e/ou entubação.

61 Medidas de Prevenção Vacinas Calendário Básico BCG: a partir do nascimento na rotina de vacinação; Previne a forma grave de Tuberculose (Miliar e Meningite Tuberculosa) Tetravalente (DPT+HIB): menores de um ano (2, 4, 6 meses); Previne a Meningite por Haemóphilus Influenzae sorotipo b, Difteria, Coqueluche e Tétano.

62 Vacina Meningocócica C (conjugada) Em fevereiro de 2010, o Governo do Estado da Bahia implantou a Vacina Meningocócica C (Conjugada) para menores de cinco anos em todo o estado, no primeiro ano de implantação. Em consonância com o Ministério da Saúde esta vacina foi incluída no calendário básico da criança: = menores de 2 anos de idade (1 ano 11 meses e 29 dias) = menores de 1 ano (11 meses e 29 dias)

63 Vacina Pneumocócica 10 - Valente (conjugada) Introdução em Julho de 2010 para crianças menores de 2 anos no 1º ano de implantação e no 2º ano será destinada para a faixa etária de 2 a 6 meses. Previne contra doenças invasivas (Meningite e Pneumoniae) e otite média aguda causadas por Streptococcus pneumoniae de 10 sorotipos 1,4,5,6B,7F,9V,14,18C,19F e 23F.

64 Vacinas disponíveis nos CRIES Indicações específicas dos Centros de Referência em Imunobiológicos Especiais Pneumo 10 Valente - menores de 02 anos Pneumo 23 Valente - a partir de 02 anos Vacina Meningocócica C (conjugada)

65 Vacina contra o Meningococo C em situações de surto Vacinas polissacarídicas Idade > 2 anos Sorogrupo C Sorogrupo A Sorogrupos A C Y e W-135 Sorogrupo B baixa eficácia e curta duração Vacina conjugada Sorogrupo C

66 Exames Laboratoriais para o diagnóstico das Meningites Bacterioscopia Quimiocitológico Cultura (sangue e líquor) PADRÃO-OURO Látex (sangue e líquor) identifica Neisseria meningitidis, Streptococcus Pneumoniae e Haemophilus influenzae CIE (contraimunoeletroforese) - identifica Neisseria meningitidis, Streptococcus Pneumoniae e Haemophilus influenzae PCR Vírus e Bactérias

67 COMO ENCERRAR UM CASO COM CONSISTÊNCIA DIAGNÓSTICA? 67

68 Definição de Caso Confirmado Todo caso suspeito confirmado através de: Cultura, CIE e Látex Ou com vínculo epidemiológico com caso confirmado laboratorialmente (por exames específicos) Ou com exames laboratoriais inespecíficos: Bacterioscopia, Quimiocitológico Ou com evolução clínica compatível Ou todo caso suspeito de Meningite Tuberculosa com história de vínculo epidemiológico com casos de Tuberculose

69 Definição de Caso Suspeito de Meningite Crianças > 1 ano e adultos com: Febre, cefaléia intensa, vômitos em jato, rigidez da nuca, sinais de irritação meníngea (Kernig, Brudzinski), convulsões e/ou manchas vermelhas no corpo Crianças < 1 ano: Sintomas clássicos podem não ser tão evidentes Considerar sinais de irritabilidade: choro persistente, e verificar existência de abaulamento de fontanela

70 o esclarecimento

71 Quimioprofilaxia Os contatos íntimos são os moradores do mesmo domicílio, indivíduos que compartilham o mesmo dormitório, comunicantes de creches e pessoas diretamente expostas às secreções do paciente;

72 Quimioprofilaxia A quimioprofilaxia para profissionais de saúde só está indicada quando houver exposição às secreções respiratórias e vômitos, durante procedimentos como respiração boca a boca e/ou entubação, ou quando permaneceram no mesmo ambiente que o doente por um período superior a 4 horas, sem utilização de equipamentos de proteção individual (EPI);

73 A DM pode ser confirmada pelos seguintes exames: Bacterioscopia (Diplococos gram negativos); Cultura (Neisseria meningitidis); Látex, CIEF e PCR Confirmação clínica - Meningococcemia (quadro toxiinfeccioso, com evolução rápida e presença de petéquias).

74 Quimioprofilaxia A Rifampicina está disponível nas Secretarias Estaduais e municipais de Saúde e nas Diretorias Regionais de Saúde, para ser administrada pelas equipes dos serviços de saúde e/ou Vigilância Epidemiológica local, assim que receberem a notificação;

75 Devido à ausência de Serviço de Verificação de Óbito no Estado e com objetivo de auxiliar a vigilância epidemiológica das meningites no esclarecimento do diagnóstico, recomenda-se em caso de óbito com suspeita de Meningite ou meningococcemia, que seja realizada a punção liquórica até 6 horas após o evento e a coleta de sangue, através da punção cardíaca ou de veia calibrosa.

76 Meningites: Notificação Dados de identificação da fonte notificadora e do paciente Devemos investigar todos casos suspeitos notificados para confirmar ou descartar Ficha de investigação - roteiro para diagnóstico epidemiológico e adoção de medidas de controle quando necessário.

77 INVESTIGAÇÃO dados clínicos e laboratoriais

78 Diagnóstico Laboratorial : Líquor Realizado através da punção liquórica que permite o estudo do LCR Citológico ou contagem de células global e diferencial: Nº de leucócitos e % Neutrófilos e % linfomonócitos Bioquímico: dosagem de glicose, proteínas e cloretos Imunológico : CIE e Látex Microbiológico: bacterioscopia e cultura (padrão ouro)

79 Diagnóstico Laboratorial : Sangue/Soro Realizado após a coleta do sangue Imunológico : CIE e Látex (Soro) Microbiológico: Bacterioscopia e Hemocultura (Sangue)

80 Meningites: antecedentes Ocupação epidemiológicos História vacinal Doenças pré-existentes Contatos

81 Meningites: antecedentes epidemiológicos

82 Meningites: medidas de controle Tratamento Quimioprofilaxia Dados de Vacinação

83 Meningites: Classificação do Caso, Medidas de Controle e Conclusão

84

85

86

87 Tabela de inconsistência entre etiologia e critério diagnóstico DIAGNÓSTICO INCONSISTENTE COMO CRITÉRIO

88 OBRIGADA! (71) / 0042 Gt Meningites/Copim/DIVEP

89

90

91 Altamente infeccioso capacidade de infectar, patogênico capacidade de provocar doença e virulento capacidade de produzir casos graves ou fatais Capacidade de infectar e provocar doença infectante, patológico e Agressivo

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO

Leia mais

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias MENINGITE Lucila T. Watanabe Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias Histórico (I) 1975 Implantação do SVEM (Sistema de vigilância epidemiológica das meningites) Após epidemias de Doença

Leia mais

MENINGITES. Manual de Instruções

MENINGITES. Manual de Instruções SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA MENINGITES Manual de Instruções Critérios

Leia mais

Irritabilidade ou agitação; Choro persistente; Recusa alimentar;

Irritabilidade ou agitação; Choro persistente; Recusa alimentar; VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS S Ano de 2013 - CID-10: A17.0 (M. tuberculosa); A39.0 (M. meningocócica); A87 (M. virais); G00.0 (M. haemophilus); G00.1 (M. pneumocócica); CASO SUSPEITO: Paciente maior de

Leia mais

Rotina para a vigilância epidemiológica. de Meningites

Rotina para a vigilância epidemiológica. de Meningites Rotina para a vigilância epidemiológica de Meningites CID 10 - A17.0: M. tuberculosa - A39.0: M. meningocócica - A87: M. virais - G00.0: M. haemophilus - G00.1: M. pneumocócica Introdução As meningites

Leia mais

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade Técnica de Doenças de Transmissão Respiratória e Imunopreveníveis Capacitação

Leia mais

3. Enfatizar a importância da coleta de material para o diagnóstico laboratorial das meningites e da

3. Enfatizar a importância da coleta de material para o diagnóstico laboratorial das meningites e da TEMAS SELECIONADOS - Ano XI - N 0. 02 / 2011 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS MENINGITES. Prof. Ma. Júlia Arêas Garbois

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS MENINGITES. Prof. Ma. Júlia Arêas Garbois FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS MENINGITES Prof. Ma. Júlia Arêas Garbois MENINGITE Infecção que se instala principalmente quando uma bactéria

Leia mais

Boletim Epidemiológico Julho/2015

Boletim Epidemiológico Julho/2015 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÃO ESTRATÉGICA EM VIGILANCIA

Leia mais

Informe Técnico: Vigilância das Meningites no Estado de Santa Catarina

Informe Técnico: Vigilância das Meningites no Estado de Santa Catarina GOVERNO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância de Doenças Imunopreveníveis e Imunização Informe

Leia mais

Meningites- Etiologia

Meningites- Etiologia Meningites- Etiologia Meningites (meningo/encefalites) Virais Meningites bacterianas Meningites fúngicas e tuberculosas Meningites (meningo/encefalites) assépticas Outros (eosinofílicas) Meningites ndeterminadas

Leia mais

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012 CASO CLÍNICO Felipe Santos Passos 2012 ANAMNESE ESP, feminino, 5 anos, natural e procedente de Salvador. QP - Febre há 12 horas 2 ANAMNESE HMA - Mãe relata que a criança apresentou quadro de febre (39

Leia mais

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES- ESTUDO DO LCR TÓPICOS A SEREM ABORDADOS : FASE PRÉ ANALÍTICA PROCESSAMENTO

Leia mais

Meningite Bacteriana

Meningite Bacteriana Meningite Bacteriana Conceito Infecção aguda que acomete as leptomeninges (aracnóide e pia-máter), envolvendo o cérebro e a medula espinhal. Page 2 Epidemiologia Doença comum, de alta mortalidade e morbidade

Leia mais

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA HNSC/HCC A Portaria do Ministério da Saúde Nº 1.271, de 06 de Junho de 2014 atualizou a Portaria Nº 104, de 25

Leia mais

Perfil Epidemiológico da Meningite Brasil & Mundo

Perfil Epidemiológico da Meningite Brasil & Mundo Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade Técnica de Doenças de Respiratória e Imunopreveníveis

Leia mais

PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas

PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas Loeci Natalina Timm Daniele Menezes Julho de 2015 E-mail: bacteriologia@fepps.rs.gov.br fone: (51) 3288-4030 Princípios

Leia mais

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES BACTERIANAS

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES BACTERIANAS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES BACTERIANAS Bioquímica: Rita de Cássia Campos Bertoncini Seção de Bacteriologia do LACEN/SC PRINCIPAIS EXAMES 1 2 3 3.1 3.2 3.3 Exame físico do LCR Aspecto Cor Exame

Leia mais

MENINGITES EM GERAL E DOENÇA MENINGOCÓCICA

MENINGITES EM GERAL E DOENÇA MENINGOCÓCICA Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica MENINGITES EM GERAL E DOENÇA MENINGOCÓCICA Florianópolis

Leia mais

PROTOCOLO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE MENINGITES

PROTOCOLO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE MENINGITES 1 PROTOCOLO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE MENINGITES Minas Gerais, 2015 5ª edição 2 Fernando Damata Pimentel SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS Fausto Pereira dos Santos SUBSECRETARIA

Leia mais

19/4/2010 NOTIFICAÇÃO

19/4/2010 NOTIFICAÇÃO Agravos Epidemiológicos Parte - 03 PROFa. MSc. MARISE RAMOS NOTIFICAÇÃO A ocorrência de casos suspeitos de varicela não requer notificação e investigação por não se tratar de doença de notificação compulsória.

Leia mais

MENINGITES NA CRIANÇA. Prof. Orlando Antônio Pereira FCM - UNIFENAS

MENINGITES NA CRIANÇA. Prof. Orlando Antônio Pereira FCM - UNIFENAS MENINGITES NA CRIANÇA Prof. Orlando Antônio Pereira FCM - UNIFENAS Definição: Meningite é um processo inflamatório do espaço subaracnóideo, isto é, do líquido cefalorraquideano e das membranas leptomeníngeas

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Estimativa do número de casos no Brasil. A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação. Os casos de doença meningocócica

Estimativa do número de casos no Brasil. A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação. Os casos de doença meningocócica Antibioticoterapia das meningites bacterianas ❶ Importância do tema Estimativa do número de casos no Brasil A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação Os casos de doença meningocócica Alterações

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

Do Epidemiological Bulletin, Vol. 22 No. 4, December 2001

Do Epidemiological Bulletin, Vol. 22 No. 4, December 2001 Do Epidemiological Bulletin, Vol. 22 No. 4, December 2001 Definições de Caso: Doença Meningocócica e Meningite Viral Doença Meningocócica Razão para a Vigilância A doença meningocócica ocorre esporadicamente

Leia mais

Precauções Padrão. Precaução Padrão

Precauções Padrão. Precaução Padrão Precauções Padrão Precaução Padrão Por todos os profissionais para todos os pacientes, na presença de risco de contato com sangue; fluidos corpóreos, secreções e excreções (exceção: suor); pele com solução

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Definição dos Casos de DVE segundo OMS Caso Suspeito: Indivíduos procedentes, nos últimos 21 dias,

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 007/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizado em 12 de junho de 2014)

NOTA TÉCNICA Nº 007/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizado em 12 de junho de 2014) ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº 007/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizado

Leia mais

INFECÇÕES BACTERIANAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC)

INFECÇÕES BACTERIANAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC) INFECÇÕES BACTERIANAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC) Prof a Vera Lucia Dias Siqueira UEM/DAC/Bacteriologia Clínica-LEPAC SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC) Meninges LÍQUIDO CÉFALORAQUIDIANO - LCR (Líquor)

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Encefalite Versão eletrônica atualizada em fevereiro 2012 Protocolo de Encefalite Encefalite é uma Síndrome aguda do Sistema Nervoso Central (SNC), associada à alta

Leia mais

XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR

XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR Vítor Martins Médico Infectologista ASSUNTOS QUE ABORDAREMOS - Colonização

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO. Um golpe na meni REVISTA DE MANGUINHOS DEZEMBRO DE 2002

D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO. Um golpe na meni REVISTA DE MANGUINHOS DEZEMBRO DE 2002 D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Um golpe na meni 12 Repare na foto ao lado. Trata-se de uma bactéria ampliada milhares de vezes. Vista desse modo, é uma bela imagem de um mundo invisível a olho nu e desvendado

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. As encefalites causam alterações do nível de consciência, torpor. As meningites podem causar quando complicam.

Raniê Ralph Semio 2. As encefalites causam alterações do nível de consciência, torpor. As meningites podem causar quando complicam. 29 de Outubro de 2007. Professora Vera. Caderno da Sassá. Meningites bacterianas Etiologias H. influenzae. Neisseria meningitidis. Streptococcus pneumoniae. Gram-negative bacilli. Staphylococci. Listeria

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

Líquido Cefalorraquidiano. Líquor. Cerebrospinal Fluid

Líquido Cefalorraquidiano. Líquor. Cerebrospinal Fluid Líquido Cefalorraquidiano Líquor Cerebrospinal Fluid André Maltos - 2013 LCR - Produção Células ependimais modificadas Paredes ventriculares Ao redor da parede dos vasos LCR - Produção Plexo coróide anidrase

Leia mais

Vigilância em Saúde. Nesta Edição:

Vigilância em Saúde. Nesta Edição: Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações Nesta Edição: 1. Perfil da Meningite em Alagoas de 2007 a 2015. 2. Intensificação das Ações de, Prevenção e Controle

Leia mais

CASO CLÍNICO. Departamento de Pediatria - FAMED - UFBA Cristina de Castro Lima Vargens Francisco Carleial Feijó de Sá Jarbas Machado Dr Hagamenon

CASO CLÍNICO. Departamento de Pediatria - FAMED - UFBA Cristina de Castro Lima Vargens Francisco Carleial Feijó de Sá Jarbas Machado Dr Hagamenon CASO CLÍNICO Departamento de Pediatria - FAMED - UFBA Cristina de Castro Lima Vargens Francisco Carleial Feijó de Sá Jarbas Machado Dr Hagamenon IDENTIFICAÇÃO Nome: L.S.S. Idade: 04 anos Sexo: Feminino

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

27/11/2012. Cocobacilos Gram-negativos encapsulados. Arranjos em pares ou cadeias. Fastidiosos. Espécies patogênicas e comensais

27/11/2012. Cocobacilos Gram-negativos encapsulados. Arranjos em pares ou cadeias. Fastidiosos. Espécies patogênicas e comensais Cocobacilos Gram-negativos encapsulados Arranjos em pares ou cadeias Fastidiosos Espécies patogênicas e comensais Haemophilus influenzae Haemophilus ducreyi Outras espécies H. influenzae Mucosa TRS Antigenicidade

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

MENINGITES CID 10: A17.0 (M. tuberculosa); A39.0 (M. meningocócica); A87 (M. virais); G00.0 (M. haemophilus); G00.1 (M.

MENINGITES CID 10: A17.0 (M. tuberculosa); A39.0 (M. meningocócica); A87 (M. virais); G00.0 (M. haemophilus); G00.1 (M. MENINGITES CID 10: A17.0 (M. tuberculosa); A39.0 (M. meningocócica); A87 (M. virais); G00.0 (M. haemophilus); G00.1 (M. pneumocócica) Características gerais Descrição O termo meningite expressa a ocorrência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(6). Edição 41. Antônia Cristina Batista Lira 1 Cláudia Fernanda De Sousa Oliveira 1 Daniela Batista de Sousa 1 Janiel Ferreira

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Quais são os principais agentes da meningite? Etiologia meningites Brasil 2007-2010 (fonte: SINAN) Etiologia

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 REINO MONERA - Formado por bactérias (heterótrofas) e algas azuis (autótrofas) Célula bacteriana Ribossomos Citoplasma Membrana

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Infecções do Sistema Nervoso Central

Infecções do Sistema Nervoso Central Infecções do Sistema Nervoso Central Doenças graves com risco de vida. Podem ter evolução aguda (< 24horas), subaguda ( 4 semanas). Principais Infecções: Meningites, Meningoencefalites,

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: Definição de caso suspeito de sarampo: Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

Infecções do trato respiratório

Infecções do trato respiratório Infecções do trato respiratório Anatomia do trato respiratório Estrutura do ouvido Fonte: Black, 2002. Defesas do hospedeiro As infecções do TR podem ser adquiridas através da exposição direta do agente,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Ariane Guerra Fernandes 1 Layanne Kelly Lima de Carvalho Rego 1 Liessia Thays de Araújo 1 Selonia Patrícia Oliveira

Leia mais

14/04/2012 PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA CLÍNICA

14/04/2012 PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA CLÍNICA É A CIÊNCIA QUE ESTUDA E INVESTIGA AS ALTERAÇÕES CLÍNICAS E LABORATORIAIS, INTERLIGANDO-AS E CRIANDO COM BASE NOS ACHADOS, UMA HIPÓTESE DIAGNÓSTICA. PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais