Líquido Cefalorraquidiano. Líquor. Cerebrospinal Fluid

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Líquido Cefalorraquidiano. Líquor. Cerebrospinal Fluid"

Transcrição

1 Líquido Cefalorraquidiano Líquor Cerebrospinal Fluid André Maltos

2 LCR - Produção Células ependimais modificadas Paredes ventriculares Ao redor da parede dos vasos

3 LCR - Produção Plexo coróide anidrase carbônica CO 2 + H 2 O H 2 CO 3

4 LCR - Circulação Ventrículos laterais Terceiro ventrículo Quarto ventrículo Espaço subaracnóideo: Medula espinhal SNC

5 LCR - Circulação

6 LCR - Funções Proteção mecânica

7 LCR - Funções Circulação de nutrientes Proteção contra agentes infecciosos Remoção de resíduos

8 LCR indicações - consenso internacional Infecções SNC e seus envoltórios: meningites, meningoencefalites, mielites

9 LCR indicações - consenso internacional Processos granulomatosos com imagens inespecíficas Bitencourt Costa et al, 2005

10 LCR indicações - consenso internacional Condições de imunodeficiência, especialmente a AIDS, desde que haja queixas neurológicas Anatpat.unicamp.br

11 LCR indicações - consenso internacional Quadros infecciosos cujo foco não foi identificado, sobretudo em crianças e UTIs Punção de alívio em casos de hidrocefalia

12 LCR indicações - consenso internacional Aplicação de medicamentos ou substâncias usadas para fins diagnósticos

13 LCR contra-indicações Infecções cutâneas na região da punção

14 LCR contra-indicações ( olho Hipertensão intracraniana (fundo de

15 LCR contra-indicações Bacteremia -?? Discrasias sanguíneas (plaquetopenia, diminuição do TAP) Hipotensão acentuada do LCR

16 LCR coleta

17 LCR coleta

18 LCR coleta

19 LCR coleta Complicações Sangramento Cefaléia pós-punção Dor em membros inferiores

20 LCR coleta Pressão inicial: 6 a 20 cm H 2 O Pressão final: 50% inicial Pressão Meningites Hemorragias

21 LCR caracteres físicos

22 LCR caracteres físicos Volume Cor Aspecto Aspecto após centrifugação

23 LCR caracteres físicos Volume Cor Aspecto Aspecto após centrifugação

24 LCR caracteres físicos

25 LCR caracteres físicos Volume Cor Aspecto Aspecto após centrifugação

26 LCR caracteres físicos

27 LCR caracteres físicos Volume Cor Aspecto Aspecto pós-centrifugação

28 LCR caracteres físicos

29 LCR citologia global Células - adultos: até 4/mm3 - recém-nascidos: até15/mm3 Hemácias - adultos: ausentes - recém-nascidos: até 500/mm3

30 LCR citologia global Câmara de Fuchs-Rosenthal

31 LCR citologia global Hemácia Leucócitos

32 LCR citologia diferencial Citocentrífuga Câmara de Suta

33 LCR citologia diferencial

34 LCR citologia diferencial

35 LCR citologia diferencial

36 LCR bioquímica Glicorraquia 2/3 glicemia Hipoglicorraquia Alterações metabólicas infecções neoplasias

37 LCR bioquímica Lactato: 9 19 mg/dl acidose tecidual metabolismo anaeróbio Cloretos: mg/dl alterações metabólicas

38 LCR bioquímica DHL AST - períodos pós-convulsivos - necrose do parênquima cerebral - envolvimento neurológico pelo HIV

39 LCR bioquímica ADA: até 4,5 /UI Adenosina deaminase ou adenosina desaminase é uma enzima envolvida no metabolismo de purinas. Existe em grande quantidade em linfócitos e monócitos ativados, sobretudo linfócitos T Helper

40 LCR bioquímica ADA Neurotuberculose Neuromicoses Meningoencefalites virais

41 LCR bioquímica Proteinorraquia 80% - plasma 20% - síntese Ventricular: até 25 mg/dl SOD: até 30 mg/dl Lombar: até 40 mg/dl 50% - albumina

42 LCR bioquímica Barreira hematoencefálica Glia: - macrófagos - astrócitos - oligodendrócitos - ependimais

43 LCR bioquímica Barreira hematoencefálica Quociente de albumina Albumina LCR Albumina soro até 0,07 Quociente de IgG IgG LCR IgG soro até 0,8

44 LCR bioquímica

45 LCR bioquímica

46 LCR bioquímica Eletroforese de proteínas pré-albumina 3 7% albumina 45 70% α 1 globulina 3 7% α 2 globulina 5 11% β globulina 6 13% tau globulina 4 10% γ globulinas 5 12% Bandas oligoclonais

47 LCR microbiologia Exame direto a fresco Exame direto com tinta da China

48 LCR microbiologia Bacterioscopia Gram

49 LCR microbiologia Bacterioscopia Zihel-Nielsen

50 LCR microbiologia Meningites bacterianas 0 a 3 meses: Streptococcus agalactie Listeria monocytogenes Escherichia coli 4 meses a 5 anos: Haemophilus influenzae Neisserias Streptococcus pneumoniae

51 LCR microbiologia

52 LCR microbiologia

53 LCR microbiologia Escherichia coli Haemophilus sp

54 LCR microbiologia Meningites bacterianas > 5 anos: Streptococcus pneumoniae Neisseria meningitidis Epidemias: Neisserias Traumas: Staphylococcus aureus Staphylococcus coagulase-negativa Válvulas: Gram-negativos entéricos

55 LCR microbiologia

56 LCR microbiologia

57 LCR microbiologia

58 LCR microbiologia Cultura Ágar-sangue de carneiro a 5% Streptococcus agalactie Meios de cultura utilizados Streptococcus pneumoniae Gram-negativos Staphylococcus aureus Staphylococcus coagulase-negativos

59 LCR microbiologia

60 LCR microbiologia

61 LCR microbiologia Cultura Ágar seletivothayer-martin ( hemina ) - Hemoglobina bovina fator X Meios de cultura utilizados ( V - NAD (Fator - Vancomicina, colistina e nistatina

62 LCR microbiologia

63 LCR microbiologia Meningoencefalites virais Leptomeningites agudas assépticas: enterovírus vírus da caxumba Encefalites/encefalomielites agudas: poliomielite arboviroses raiva encefalite herpética Encefalites subagudas: panencefalite esclerosante subaguda (sarampo) leucoencefalopatia progressiva multifocal (vírus JC) encefalite pelo HIV Encefalites agudas pós-infecciosas

64 LCR microbiologia Meningites fúngicas Tennessee/USA setembro/2012 Injeções intratecais corticóide Meningite Exserohilum rostratum Kauffman et al, 2012

65 LCR imunologia Látex ELISA - Criptococose - Meningites bacterianas - Neurocisticercose - Esquistossomose - Toxoplasmose Imunofluorescência indireta Neurocisticercose

66 LCR exames especiais Beta-2 microglobulina proteína de superfície de células nucleadas, principalmente linfócitos (linfomas não- Hodgkin). Proteína básica de mielina doenças desmielinizantes

67 LCR exames especiais Proteína e enolase específica de neurônio: doença de Creutzfeldt-Jacob: causada por príons. Proteína Tau: presente no interior dos neurônios, aumenta na doença de Alzheimer

68 LCR exames especiais

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES- ESTUDO DO LCR TÓPICOS A SEREM ABORDADOS : FASE PRÉ ANALÍTICA PROCESSAMENTO

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. As encefalites causam alterações do nível de consciência, torpor. As meningites podem causar quando complicam.

Raniê Ralph Semio 2. As encefalites causam alterações do nível de consciência, torpor. As meningites podem causar quando complicam. 29 de Outubro de 2007. Professora Vera. Caderno da Sassá. Meningites bacterianas Etiologias H. influenzae. Neisseria meningitidis. Streptococcus pneumoniae. Gram-negative bacilli. Staphylococci. Listeria

Leia mais

Iberê Ferreira da Silva Junior Farmacêutico-bioquímico - Mestre em Ciências da Saúde Membro da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas e Comissão

Iberê Ferreira da Silva Junior Farmacêutico-bioquímico - Mestre em Ciências da Saúde Membro da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas e Comissão Iberê Ferreira da Silva Junior Farmacêutico-bioquímico - Mestre em Ciências da Saúde Membro da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas e Comissão de Análises Clínicas do CRF-MT SITUAÇÃO 1 Terça-feira,

Leia mais

Meningite Bacteriana

Meningite Bacteriana Meningite Bacteriana Conceito Infecção aguda que acomete as leptomeninges (aracnóide e pia-máter), envolvendo o cérebro e a medula espinhal. Page 2 Epidemiologia Doença comum, de alta mortalidade e morbidade

Leia mais

14/04/2012 PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA CLÍNICA

14/04/2012 PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA CLÍNICA É A CIÊNCIA QUE ESTUDA E INVESTIGA AS ALTERAÇÕES CLÍNICAS E LABORATORIAIS, INTERLIGANDO-AS E CRIANDO COM BASE NOS ACHADOS, UMA HIPÓTESE DIAGNÓSTICA. PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA

Leia mais

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012 CASO CLÍNICO Felipe Santos Passos 2012 ANAMNESE ESP, feminino, 5 anos, natural e procedente de Salvador. QP - Febre há 12 horas 2 ANAMNESE HMA - Mãe relata que a criança apresentou quadro de febre (39

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Encefalite Versão eletrônica atualizada em fevereiro 2012 Protocolo de Encefalite Encefalite é uma Síndrome aguda do Sistema Nervoso Central (SNC), associada à alta

Leia mais

Estimativa do número de casos no Brasil. A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação. Os casos de doença meningocócica

Estimativa do número de casos no Brasil. A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação. Os casos de doença meningocócica Antibioticoterapia das meningites bacterianas ❶ Importância do tema Estimativa do número de casos no Brasil A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação Os casos de doença meningocócica Alterações

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

INFECÇÕES BACTERIANAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC)

INFECÇÕES BACTERIANAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC) INFECÇÕES BACTERIANAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC) Prof a Vera Lucia Dias Siqueira UEM/DAC/Bacteriologia Clínica-LEPAC SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC) Meninges LÍQUIDO CÉFALORAQUIDIANO - LCR (Líquor)

Leia mais

MENINGITES. Manual de Instruções

MENINGITES. Manual de Instruções SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA MENINGITES Manual de Instruções Critérios

Leia mais

Tabela de Exames Multilab Liquor 2014

Tabela de Exames Multilab Liquor 2014 ADA (Adenosina Deaminase), Dosagem de Colorimétrico 3 dias úteis 0,5 ml refrigerado/ Adenovírus, PCR para Nested PCR 15 dias úteis 2,0 ml até 15 dias Alfa Feto Proteína, Dosagem de Quimioluminescência

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) As infecções mais importantes (do adulto) em nosso meio são: neurocisticercose, abscessos, meningites e a AIDS. Nas crianças, as

Leia mais

MENINGITES NA CRIANÇA. Prof. Orlando Antônio Pereira FCM - UNIFENAS

MENINGITES NA CRIANÇA. Prof. Orlando Antônio Pereira FCM - UNIFENAS MENINGITES NA CRIANÇA Prof. Orlando Antônio Pereira FCM - UNIFENAS Definição: Meningite é um processo inflamatório do espaço subaracnóideo, isto é, do líquido cefalorraquideano e das membranas leptomeníngeas

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO DAS NEURO-INFECÇÕES

DIAGNÓSTICO CLÍNICO DAS NEURO-INFECÇÕES DIAGNÓSTICO CLÍNICO DAS NEURO-INFECÇÕES ANTONIO PEREIRA GOMES NETO SANTA CASA DE BELO HORIZONTE FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS JUN/2003 MANIFESTAÇÕES NEUROLÓGICAS Todos os segmentos do Sistema

Leia mais

CASO CLÍNICO. Departamento de Pediatria - FAMED - UFBA Cristina de Castro Lima Vargens Francisco Carleial Feijó de Sá Jarbas Machado Dr Hagamenon

CASO CLÍNICO. Departamento de Pediatria - FAMED - UFBA Cristina de Castro Lima Vargens Francisco Carleial Feijó de Sá Jarbas Machado Dr Hagamenon CASO CLÍNICO Departamento de Pediatria - FAMED - UFBA Cristina de Castro Lima Vargens Francisco Carleial Feijó de Sá Jarbas Machado Dr Hagamenon IDENTIFICAÇÃO Nome: L.S.S. Idade: 04 anos Sexo: Feminino

Leia mais

LIQUOR LíQUIDO CEFALORRAQUEANO

LIQUOR LíQUIDO CEFALORRAQUEANO LIQUOR LíQUIDO CEFALORRAQUEANO CBHPM 4.03.09.10-0 AMB 28.09.009-8 CBHPM 4.03.09.11-8 CBHPM 4.03.09.12-6 Sinonímia: Líquido cefalorraquiano. Líquido cefalorraqueano. Líquido cefalorraquidiano. Índice IgG/Albumina.

Leia mais

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente Sistema Nervoso Funções - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente Estímulo do meio ambiente Interpretação Desencadeamento de resposta adequada NEURÔNIOS Divisão Anatômica

Leia mais

BRUNA FERREIRA BERNERT LUIZ FERNANDO BLEGGI TORRES APOSTILA DE NEUROPATOLOGIA INFECÇÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL. 1 a edição

BRUNA FERREIRA BERNERT LUIZ FERNANDO BLEGGI TORRES APOSTILA DE NEUROPATOLOGIA INFECÇÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL. 1 a edição BRUNA FERREIRA BERNERT LUIZ FERNANDO BLEGGI TORRES ISBN 978-85-913880-1-1 APOSTILA DE NEUROPATOLOGIA INFECÇÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL 1 a edição Curitiba Bruna Ferreira Bernert 2012 Dr. Luiz Fernando

Leia mais

Hipertensão intracraniana Hidrocefalia

Hipertensão intracraniana Hidrocefalia Hipertensão intracraniana Hidrocefalia M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe

Leia mais

MENINGITES MENINGITE BACTERIANA

MENINGITES MENINGITE BACTERIANA 1 MENINGITES MENINGITE BACTERIANA Introdução: Antes do século XX, 95% dos pacientes com meningite bacteriana morriam. Os sobreviventes sofriam com importantes seqüelas neurológicas. Até então as meningites

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

MENINGITE BACTERIANA

MENINGITE BACTERIANA MENINGITE BACTERIANA Alaide Lima dos Santos 1 Nathany Lupo Bufalo 1 Aline Fernanda Breur dos Santos 1 Laís Anahi de Paula Souza 2 Fernanda Carolini de Souza Neves 1 Jessica Luiza Bosso 1 RESUMO A meningite

Leia mais

EXAME LABORATORIAL DO LÍQÜIDO CEFALORAQUIDIANO (LCR)

EXAME LABORATORIAL DO LÍQÜIDO CEFALORAQUIDIANO (LCR) EXAME LABORATORIAL DO LÍQÜIDO CEFALORAQUIDIANO (LCR) Prof. Adjunto Paulo César Ciarlini Laboratório Clínico Veterinário FMV Araçatuba - UNESP E-Mail: Ciarlini@fmva.unesp.br FUNÇÃO DO LCR Proteção do cérebro

Leia mais

Capítulo 78 Manual Merck

Capítulo 78 Manual Merck Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Capítulo 78 Manual Merck Infecções do Cérebro e da Medula Espinhal O cérebro e a medula espinhal são

Leia mais

Infecções do Sistema Nervoso Central

Infecções do Sistema Nervoso Central Infecções do Sistema Nervoso Central Doenças graves com risco de vida. Podem ter evolução aguda (< 24horas), subaguda ( 4 semanas). Principais Infecções: Meningites, Meningoencefalites,

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas

PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas Loeci Natalina Timm Daniele Menezes Julho de 2015 E-mail: bacteriologia@fepps.rs.gov.br fone: (51) 3288-4030 Princípios

Leia mais

Neuroanatomia. Antes de começar. Veja essa cena...

Neuroanatomia. Antes de começar. Veja essa cena... Neuroanatomia Antes de começar. Veja essa cena... Essa é uma das muitas cenas que se vê em esportes de contato. Geralmente o sujeito fica desorientado após levar um soco, isso quando não perde a consciência.

Leia mais

Meningites- Etiologia

Meningites- Etiologia Meningites- Etiologia Meningites (meningo/encefalites) Virais Meningites bacterianas Meningites fúngicas e tuberculosas Meningites (meningo/encefalites) assépticas Outros (eosinofílicas) Meningites ndeterminadas

Leia mais

MENINGITE COMO EU TRATO???

MENINGITE COMO EU TRATO??? MENINGITE COMO EU TRATO??? O que é Meningite? A meningite é uma doença infecciosa que pode ser muito grave e que é caracterizada por uma inflamação das meninges e do líquido cefalorraquidiano. Meninges:

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

Valter da Costa Diretor geral do Instituto de Neurologia de Goiânia - Hospital de Especialidades

Valter da Costa Diretor geral do Instituto de Neurologia de Goiânia - Hospital de Especialidades C editorial B Valter da Costa Diretor geral do Instituto de Neurologia de Goiânia - Hospital de Especialidades MUDANDO PARA MELHOR Reforma garantirá bem-estar e segurança aos pacientes do ING Desde que

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES BACTERIANAS

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES BACTERIANAS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES BACTERIANAS Bioquímica: Rita de Cássia Campos Bertoncini Seção de Bacteriologia do LACEN/SC PRINCIPAIS EXAMES 1 2 3 3.1 3.2 3.3 Exame físico do LCR Aspecto Cor Exame

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

TUMORES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL

TUMORES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL TUMORES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL D O MIN I Q U E F O N S E C A R O D R I G U E S L A C E T R 2 D O S E RV IÇ O D E PAT O L O G IA D O H U - U F J F D O MIL A C E T @ G M A I L. C O M Junho/2015 EPIDEMIOLOGIA

Leia mais

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH)

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Nathália Krishna O que é? NAD+ está presente em quantidades somente catalíticas na célula e é um cofator essencial para a glicólise,dessa

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

Mielite Transversa: Sintomas, Causas e Diagnóstico

Mielite Transversa: Sintomas, Causas e Diagnóstico Mielite Transversa: Sintomas, Causas e Diagnóstico Joanne Lynn, M.D. (Médica) A Mielite Transversa (MT) é uma síndrome neurológica causada por uma inflamação na medula espinhal. Ela é incomum, mas não

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada, Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada, Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Tomografia computadorizada, Ressonância nuclear magnética Figura 1: Tomografia Computadorizada (TC) de crânio em corte axial Figura 2: Ressonância Nuclear Magnética (RNM) de crânio em

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE NEUROLÓGICO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE NEUROLÓGICO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE NEUROLÓGICO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL Ou Apoplexia, quando é estabelecido de maneira persistência uma disfunção neurológica, que dura mais de 24h e resulta de ruptura

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

21 de Setembro de 2007. Professor Ewerton. Hemorragias intracranianas. Hemorragia intracerebral Hemorragia subaracnóide.

21 de Setembro de 2007. Professor Ewerton. Hemorragias intracranianas. Hemorragia intracerebral Hemorragia subaracnóide. 21 de Setembro de 2007. Professor Ewerton. Hemorragias intracranianas Hemorragia subaracnóide. Hemorragia subaracnóide A principal causa não traumática é a rotura de aneurisma. Outras causas: MAVs, cavernomas,

Leia mais

ANATOMIA DO SISTEMA VENTRICULAR VISÃO ISOMÉTRICA

ANATOMIA DO SISTEMA VENTRICULAR VISÃO ISOMÉTRICA HIDROCEFALIA DEFINIÇÃO É o aumento do volume de líquido céfalo-raquidiano (LCR) no compartimento intracraniano, causando dilatação do sistema ventricular. Obstrutivas ou não comunicantes: decorrem da obstrução

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS

NEURORRADIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS NEURORRADIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) É importante lembrar que os métodos de imagem estudam a anatomia e, por isto, são melhores para investigar as doenças que alteram

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais

Processos meníngeos que podem ou não ser acompanhados por comprometimento do tecido nervoso. Processos que acometem o tecido nervoso.

Processos meníngeos que podem ou não ser acompanhados por comprometimento do tecido nervoso. Processos que acometem o tecido nervoso. Doenças infecciosas do SN Dois grandes grupos: Processos meníngeos que podem ou não ser acompanhados por comprometimento do tecido nervoso. Processos que acometem o tecido nervoso. Meningites de um modo

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

São medidas imediatas (primeiras 24 horas) indispensáveis no tratamento de um paciente com tétano, EXCETO:

São medidas imediatas (primeiras 24 horas) indispensáveis no tratamento de um paciente com tétano, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 66 QUESTÃO 26 A ligação inicial de uma cepa de HIV macrophage-tropic a uma célula é mediada por: a) gp41, CD4 e CCR5 b) gp41, CD4 e CXCR4 c) gp120, CD4 e CCR5 d) gp120, CD4 e

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO

Leia mais

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das Meningite M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital

Leia mais

QUAIS SÃO AS ETIOLOGIAS DAS MENINGITES?

QUAIS SÃO AS ETIOLOGIAS DAS MENINGITES? OFICINA INTEGRADA DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS Salvador, 12 de Setembro de 2012 Diagnóstico diferencial: QUAIS SÃO AS ETIOLOGIAS DAS MENINGITES? Equipe GT Meningite Bruna Drummond Claudia

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Componente Curricular: Microbiologia e Parasitologia I Profª Mônica I. Wingert Módulo I Turma 101E DOENÇAS VIRAIS

Componente Curricular: Microbiologia e Parasitologia I Profª Mônica I. Wingert Módulo I Turma 101E DOENÇAS VIRAIS Componente Curricular: Microbiologia e Parasitologia I Profª Mônica I. Wingert Módulo I Turma 101E DOENÇAS VIRAIS 1. Resfriado comum Doença relacionada ao conjunto de sintomas apresentados nas infecções

Leia mais

Microbiologia Veterinária. Gêneros Streptococcus e Staphylococcus

Microbiologia Veterinária. Gêneros Streptococcus e Staphylococcus Microbiologia Veterinária Gêneros Streptococcus e Staphylococcus Gênero Streptococcus TAXONOMIA A partir da caracterização da amostra como CG+ através da coloração de Gram, a determinação da família é

Leia mais

Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa

Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa RUBÉOLA 1ª descrição: Bergen em 1752 e Orlow em 1758 efeito teratogênico: catarata (1941) só tem um sorotipo, homem é único hospedeiro ASPECTOS CLÍNICOS

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

ADENOSINO-DEAMINASE NO LÍQUIDO CELALORRAQUEANO DE PACIENTES COM A SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

ADENOSINO-DEAMINASE NO LÍQUIDO CELALORRAQUEANO DE PACIENTES COM A SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA ADENOSINO-DEAMINASE NO LÍQUIDO CELALORRAQUEANO DE PACIENTES COM A SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA LUÍS DOS RAMOS MACHADO, * JOSÉ ANTONIO LIVRAMENTO, ** ANTONIO SPINA-FRANÇA *** RESUMO - A determinação

Leia mais

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Regente Professor Doutor Paulo Magalhães Ramalho Docente Dra. Filipa Nunes CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Ana Catarina Henriques (3884), Ana Luísa Pereira (6197), Anabela Aires (3918), Duarte Martins (3969)

Leia mais

Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus

Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Objetivos Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO COMPARADO. PROFESSOR: João Paulo

SISTEMA CIRCULATÓRIO COMPARADO. PROFESSOR: João Paulo SISTEMA CIRCULATÓRIO COMPARADO PROFESSOR: João Paulo PORÍFEROS Não apresentam organização tissular. A difusão aparece como forma de trocar alimentos, gases respiratórios e excretas entre si e com o meio.

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

S. pyogenes: S. aureus: Corynebacterium diphtheriae: INFECÇÕES DO TRATO RESPIRATÓRIO:

S. pyogenes: S. aureus: Corynebacterium diphtheriae: INFECÇÕES DO TRATO RESPIRATÓRIO: INFECÇÕES DO TRATO RESPIRATÓRIO: Trato Respiratório Superior: Residentes Comuns: S.viridans, Neisserua spp., Corinebactérias, Bacteróides, Cocos anaeróbios, bacilos fusiformes, Candida albicans, S. mutans,

Leia mais

27/11/2012. Cocobacilos Gram-negativos encapsulados. Arranjos em pares ou cadeias. Fastidiosos. Espécies patogênicas e comensais

27/11/2012. Cocobacilos Gram-negativos encapsulados. Arranjos em pares ou cadeias. Fastidiosos. Espécies patogênicas e comensais Cocobacilos Gram-negativos encapsulados Arranjos em pares ou cadeias Fastidiosos Espécies patogênicas e comensais Haemophilus influenzae Haemophilus ducreyi Outras espécies H. influenzae Mucosa TRS Antigenicidade

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP - SCIH 09 Página 1/8 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO MEAC Tarefa: Selecionar o tipo de precaução a ser adotada, segundo tipo de condição clínica, infecção e microorganismo Executante: Profissionais

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br G00-G99 CAPÍTULO VI : Doenças do sistema nervoso G00.0 Meningite por Haemophilus G00.1 Meningite pneumocócica G00.2 Meningite estreptocócica G00.3 Meningite estafilocócica G00.8 Outras meningites bacterianas

Leia mais

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA A cintilografia tomográfica da perfusão cerebral (SPECT) detecta alterações da perfusão sanguínea cerebral inclusive na ausência

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

Corynebacterium diphteriae

Corynebacterium diphteriae Prof. Felipe Piedade G. Neves (Bacilo diftérico) Bacilo Gram positivo pleomórfico (clava, pêra, fuso ou halter) Forma de agrupamento: paralelamente (em( paliçada ada) ) ou formando ângulos retos (letra

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário Grupo Sangüíneo Sangue total com EDTA e K3 Jejum desnecessário

Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário Grupo Sangüíneo Sangue total com EDTA e K3 Jejum desnecessário HEMATOLOGIA: Células LE Sangue sem anticoagulante Jejum desnecessário Coombs Direto Sangue total com EDTA Jejum desnecessário Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 21/11/08

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 21/11/08 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 21/11/08 Disciplina: Pediatria Prof.: Dr. José Gonçalo Marques Tema da Aula Teórica: Infecções do SNC: Meningites e Encefalites Autor: Andreia Rodrigues Equipa Revisora:

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica

Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza Patologia por tomografia Profº Claudio Souza Patologia Patologia derivado do grego pathos, sofrimento, doença, e logia, ciência, estudo) é o estudo das doenças em geral Conhecimento Dentro da tomografia

Leia mais

. Hematos = sangue + poese = formação.

. Hematos = sangue + poese = formação. Marco Biaggi - 2015 . Hematos = sangue + poese = formação. transporte de nutrientes, gases respiratórios, hormônios e excretas Sangue participa da defesa do organismos, juntamente com a linfa e o sistema

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM 50 PACIENTES COM AIDS

LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM 50 PACIENTES COM AIDS LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM 50 PACIENTES COM AIDS S.L.HINRICHSEN*.L.ATAÍDE JR.**, F.TRAVASSOS***, P.TRAVASSOS***, E. ALBURQUERQUE****,L.MOURA*****, L. C. ARRAES*****, L. V. ROCHA******, M. R. G. AMORM******,

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos Específicos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja

Leia mais

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi BMM-280-2009 Patogênese Viral Como os vírus causam doença no hospedeiro? Virulência =

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU DOENÇAS INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU Doenças indicativas de infecção Síndrome retroviral aguda Febre prolongada Diarréia crônica pelo HIV / AIDS Infecções

Leia mais

ESCLEROSE MÚLTIPLA CLÍNICA E SEMIOLOGIA: Sintomas iniciais ocorrem geralmente sob a forma de um surto, de forma polissintomática.

ESCLEROSE MÚLTIPLA CLÍNICA E SEMIOLOGIA: Sintomas iniciais ocorrem geralmente sob a forma de um surto, de forma polissintomática. Dr. Carlos R. Caron - Neurofepar 1 ESCLEROSE MÚLTIPLA DEFINIÇÃO: Doença desmielinizante que apresenta um curso clínico com flutuações (exacerbações e remissões ou acometimento progressivo) e um exame físico

Leia mais

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do quadril Artrite séptica Osteomielite Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do Quadril É a principal causa de claudicação na criança! Principal diagnóstico diferencial para artrite

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA SISTEMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA A DISTÂNCIA PROAMI PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA ORGANIZADO PELA ASSOCIAÇÃO DE MEDICINA INTENSIVA BRASILEIRA Diretores acadêmicos Cleovaldo T. S. Pinheiro

Leia mais