Vigilância em Saúde. Nesta Edição:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vigilância em Saúde. Nesta Edição:"

Transcrição

1 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações Nesta Edição: 1. Perfil da Meningite em Alagoas de 2007 a Intensificação das Ações de, Prevenção e Controle da Meningite em Alagoas. No Brasil em 2009, foram confirmados casos de meningites, o que representou uma redução de 21% em comparação ao ano 2000, em que ocorreram casos. Em 2010, foram implantadas novas vacinas no calendário vacinal oferecido pelo Ministério da Saúde, sendo elas: Pneumocócica 10, com doses no 2º, 4º e 6º mês e reforço aos 12 meses; Meningocócica com doses no 3º e 5º mês com reforço aos 15 meses. Essa medida ampliou a cobertura e imunoprevenção contra os patógenos das meningites mais incidentes na população, principalmente os que infectam as crianças, deixando com sequelas e levando mais facilmente a óbito pela imaturidade das células de defesa ao responder contra o patógeno. Para a saúde pública, considera-se importante o controle da doença meningocócica pelo risco de transmissão e letalidade da mesma. É importante ressaltar que há 10 anos, não há ocorrência de surtos de doença meningocócica nos 102 municípios alagoanos. ANO 4 Nº 01 SEMESTRAL JUNHO 15 No ano passado, em Alagoas, até a SE 20 de 2014 houveram 14 casos de doença meningocócica, este ano comparando com o mesmo período houveram 6 casos, havendo uma redução de 58% do número de casos. A meningite é uma doença do Sistema Nervoso Central (SNC), caracterizada por um processo inflamatório do espaço subaracnóideo e das membranas leptomeníngeas que revestem o encéfalo e a medula espinhal. Os pacientes acometidos apresentam febre alta e vômito, sem foco de infecção aparente, acompanhado de cefaleia intensa, rigidez de nuca, sonolência, torpor, sonolência, torpor, irritação, diminuição da sucção em lactentes, abaulamento de fontanela e convulsões. Crianças de até nove meses podem não apresentar os sinais clássicos de irritação meníngea, outros sinais e sintomas permitem a suspeita diagnóstica, como febre, irritabilidade ou agitação, choro. O indivíduo que apresentar três ou mais sinais e sendo persistente, grito meníngeo (criança grita ao ser manipulada, principalmente quando se flete as pernas para trocar a fralda) e recusa alimentação. A meningite ainda pode ser classificada de acordo com o seu agente etiológico: meningite bacteriana, meningite viral e meningite fúngica. A evolução da doença fornece a indicação da etiologia, pois na meningite viral as manifestações agudas são observadas em poucas horas, na meningite bacteriana de horas a um dia e na meningite fúngica ou tuberculosa de dias a duas semanas.

2 Em geral, a transmissão e de pessoa a pessoa, através das vias respiratórias, por gotículas e secreções da nasofaringe, havendo necessidade de contato íntimo (residentes na mesma casa, colega de dormitório ou alojamento, namorado) ou contato direto com as secreções respiratórias do paciente. A transmissão fecal - oral e de grande importância em infecções por enterovírus. Este boletim tem o objetivo: Monitorar a situação epidemiológica das meningites no Estado durante os últimos 8 anos; Produzir e disseminar informações epidemiológicas; Detectar surtos de doença meningocócica. Gráfico 01 - Casos Confirmados de Meningite, 2007 até a SE 20 de De acordo com o gráfico 1 é possível observar um aumento significativo de casos confirmados no ano de 2012 para 2013, com uma diferença de aproximadamente 90 casos. Diante disso, o Núcleo de Doenças Imunopreveníveis (NDIP) emitiu um sinal de alerta para o ano corrente a fim de que houvesse a diminuição e a padronização que vinha ocorrendo desde No ano de 2014, ocorreu uma redução do número de casos, 131 casos confirmados, em comparação com o ano de 2013, que apresentou 224 casos. Em 2015 até a SE 20, houveram 29 casos confirmados no estado de Alagoas, sendo a incidência da meningite monitorada pelo NDIP. Gráfico 02 - Número de casos de meningite por sexo faixa etária nos anos de 2007 até a SE 20 de No gráfico 2 é possível observar que a maioria dos casos aconteceu na faixa etária de anos. Nota-se um decrescimento com o avançar das idades. Em todas as idades é possível observar o número maior de casos no sexo masculino. As meningites de maior relevância para o Estado são as causadas por bactérias, como a Meningite causada por Neisseria Meningitidis sorogrupo C, a Meningite por H. Influenzae, a Meningite por Streptococcus Pneumoniae e Tuberculose Meningoencefálica, todas estas apresentam medidas de proteção por meio de imunização.

3 MENINGITE Na tabela 1, abaixo, observa-se quais as idades mais atingidas pelos diversos tipos de meningite de ( até a SE 20). Tabela 02 - Número de casos de Meningite por evolução. Alagoas, 2007 até a SE 20 de Tabela 01 - Número de casos de Meningite por Faixa Etária segundo ano do início de sintomas. Alagoas, 2007 SE 20 de De acordo com a tabela acima pode-se observar, que a faixa etária mais acometida pelas meningites é a faixa etária de anos com o total de 269 casos durante a séria histórica avaliada. Vale ressaltar que esta faixa etária não é grupo prioritário para a vacina, porém dispõe de meios de precauções a exemplo da quimioprofilaxia e das medidas básicas de higiene, um vez que a transmissão se dá por meio do contato direto, como já citado anteriormente. O Núcleo de Doenças Imunopreveníveis e o Programa de Imunizações da SESAU em parceria com os municípios vem desenvolvendo um monitoramento rápido das coberturas vacinais articulando para que cada município continuem com as campanhas de monitoramento com o objetivo de aumentar as coberturas vacinais do estado de Alagoas. Na tabela 2, é mostrado que o ano 2007 apresentou maior número de óbitos, seguido por 2013, com 24 óbitos. O número de óbitos é maior na fase adulta, entre 20 a 34 anos, equivalente a 30,5%, seguido da faixa 35 a 49 anos, correspondendo a 19,7% dos casos. Esses dados, mostram que os adultos são a maioria na evolução por óbito na meningite. O que mostra que os profissionais de saúde devem identificar os contatos íntimos dos pacientes, já que muitas vezes, estes pacientes, vivem em ambientes fechados e hábitos de higiene precários. Os contatos íntimos dos acometidos por meningite meningocócica e meningite causada por Haemophilus influenzae, devem realizar a quimioprofilaxia, que não assegura o efeito protetor absoluto e prolongado, mas tem sido adotada na falta de meios disponíveis mais eficazes de proteção (vacina). Os dados mostram ainda que no aspecto da faixa etária entre anos com etiologia por MOE é necessária uma maior especificação por parte das redes laboratoriais na detecção desses agentes.

4 % de Cobertura Vacinal Nº de Casos de Meningite por Haemophilus MENINGITE Quanto as coberturas vacinais durante de 2010 até 2014, para os imunopreveníveis das principais meningites; segundo dados obtidos pelo PNI-Alagoas, através do programa SI-PNI, são: Gráfico 03 Percentual de cobertura vacinal contra Meningite por Haemophillus. Alagoas, 2007 até a SE 20 de Gráfico 04 Percentual de cobertura vacinal contra Meningite por Pneumococo. Alagoas, 2007 até a SE 20 de , Nº de Casos Cob. Vacinal 104,6 104,8 95,4 90, , ,7 Fonte: SIPNI/SINANNET/DIVEP/SESAU De acordo com o gráfico 3, pode-se observar o aumento do número de casos nos anos 2008, 2010 e 2012, especificamente, estes anos apresentam as menores taxa de coberturas vacinais, durante a série histórica. A faixa etária 1 4 anos, foi a mais acometida por Meningite pelo Haemophilus influenzae apresentando 7 casos da doença no intervalo O que mostra que devem ser observados a atualização do cartão vacinal dessas crianças, as medidas de higiene e o ambiente em que estão inseridas, para realizar estratégias de controle deste agravo, principalmente, durante a infância, já que há o risco de sequelas da meningite que podem persistir durante toda a vida. 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Fonte: SIPNI/SINANNET/DIVEP/SESAU Em 2011, observa-se um aumento no número de casos de Meningite por Pneumococo. Vale ressaltar que a introdução da vacina para este tipo de meningite foi introduzida no calendário básico vacinal das crianças em 2010, porém o impacto contra esta doença só pode ser visualizado em 2012, com redução no número de casos e óbitos para a faixa etária de 2 meses a menores de 2 anos de idade. A faixa etária 5-9 anos foi a mais acometida, apresentando 18 casos de 2007 a 2015, isso reforça a importância do comprometimento dos municípios diante do alcance da cobertura vacinal adequada da população que seria no mínimo de 95%, pois diante da figura avaliada observa-se que não houve o alcance das metas em nenhum dos períodos analisados. A faixa etária mais acometida por este agravo foi de 5 a 9 anos de idade, faixa etária não coberta por esta vacina. Isso demonstra que os profissionais de saúde, em especial da atenção básica, deve realizar ações de educação em saúde, esclarecer a comunidade medidas de higiene e prevenção da doença, uma vez que a disseminação do agente etiológico se dá através de tosse, espirros, gotículas de saliva, sendo maior a transmissão em ambientes fechados e com pouca ventilação.

5 MENINGITE Gráfico 05 Percentual de cobertura vacinal contra Doença Meningocócica (MM, MCC e MM + MCC). Alagoas, 2007 até a SE 20 de Fonte: SIPNI/SINANNET/DIVEP/SESAU O gráfico 5 mostra que a faixa etária mais acometida por Doença Meningocócica está entre 10 a 14 anos, apresentando 12 casos em 2007, havendo redução do número deste agravo ao longo da série histórica. Um fator dificultador da quebra da cadeia de transmissão da doença é que o agente etiológico dissemina-se, principalmente, em locais fechados, com pouca ventilação, grande aglomerado de pessoas, medidas de higiene precárias. A imunoprevenção tem papel primordial diante deste agravo, o que requer dos profissionais de saúde compromisso para o alcance da meta de 95% de cobertura vacinal e atividades de educação em saúde para prevenção e controle da doença. Nos casos em que houver risco de transmissão deste agravo, o Núcleo de Doenças Imunopreveníveis deve ser informado e devese realizar a quimioprofilaxia nos contatos íntimos do paciente, o mais precoce possível para impedir a propagação da doença. No diagrama de controle abaixo, representado pelo gráfico 6, mostra a incidência de doença meningocóccica no período de É possível perceber que a incidência em 2015, ano analisado, está bem abaixo da linha média, isso indica que os casos de doença meningocóccica em Alagoas estão sob controle. A doença apresenta endemicidade, porém, conforme o diagrama, há 10 anos não há episódios de surtos e nem epidemias deste agravo. Para dar continuidade a este comportamento epidemiológico, os municípios devem estar comprometidos com o controle desta doença e em qualquer suspeita de casos devem informar ao Núcleo de Doenças Imunopreveníveis, realizar ações de quimioprofilaxia nos contatos, busca ativa de sintomáticos para impedir a propagação do agente etiológico, consequentemente, da meningite. Outra medida de controle da meningite é a imunoprevenção, cabe aos municípios a responsabilidade do alcance da meta de cobertura vacinal de no mínimo de 95% população. Gráfico 06 - Diagrama de Controle da Doença Meningocócica confirmada, até a SE 20 do ano de 2015, Alagoas.

6 Figura 1 Mapa de Alagoas por Doença Meningocócica confirmada, até a SE 20 do ano de 2015, Alagoas. PARICONHA DELMIRO GOVEIA ÁGUA BRANCA MATA GRANDE OLHO D ÁGUA CASA INHAPÍ PIRANHAS CANAPÍ OURO BRANCO MARAVILHA POÇO DAS TRINCHEIRAS CAMPO GRANDE OLHO D ÁGUA GRANDE SÃO BRAZ PORTO REAL COLÉGIO Diante da figura 1, observa-se os municípios com casos de doença meningocóccica até a SE 20 de 2015, o que permite sinalizar um alerta, principalmente, entre o municípios que não tiveram casos, porém são circunvizinhos sendo fundamental notificar todos os casos suspeitos e dar continuidade na investigação e conclusão com o intuito de quebrar a cadeia de transmissão. Dentre as medidas para essa quebra, estão a intensificação da vacinação em todas as áreas, mas especialmente nas áreas dos casos confirmados e circunvizinhos, como também as medidas quimioprofiláticas quando necessárias. Os dados representados no diagrama de controle (gráfico 6), apontam a baixa taxa de incidência da doença meningocócica no decorrer das SE de 2015, não sendo registrado nenhum caso de surto ou epidemia ao longo da série histórica 2005 a SE 20 de Mostrando a efetividade das ações de controle e prevenção deste agravo do Núcleo de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações Estadual unidos com os municípios do estado de Alagoas. Isso destaca a importância das ações de vacinação nestes municípios para estes patógenos e da vigilância a fim de que, deste modo, continue a evitar a possibilidade e surto ou epidemia, mediante às suas ações de quebra de cadeia. IGREJA NOVA PENE TEOTÔNIO VILELA PIAÇABUÇÚ CHÃ PRETA C ORU R IPE FELIZ DESERTO SANTANA MUNDAÚ SÃO IBATEGUARA NOVO JUNDIÁ JOSÉ LINO DA COLÔNIADE LAJE LEOPOLDINA MATRIZ DE JOAQUIMCAMARAGIBE UNIÃO GOMES S PALMARES BRANQUINHA FLEXEIRAS SÃO LUIS QUITUNDE JACUÍPE PORTO CALVO PORTO DE PEDRAS MARAGOGÍ SANTANA MINAR QUEBRANGULO PASSO DE CAMARAGIBE SENAR IPANEMA MURICÍ RUI PALMEIRA NEGRÃO IS CAJUEIRO MESSIAS RIACHOS ESTRELA CARNEIROS PALMEIRA CAPELA BARRA DE SANTO ANTONIO CACIMBINHAS DE PAULO S VIÇOSA ALAGOAS JACINTO ÍNDIOS SÃO JOSÉ OLHO PINBA DA TAPERA D ÁGUA OLIVENÇA MAR RIO LARGO PARIPUEIRA DAS VERMELHO ATALAIA FLORES MAJOR TANQUE ISIRO IGACÍ D ARCA SATUBA MACEIÓ MONTEI MARIBON COITÉ BELÉM RÓPOLIS SANTA LUZIA NORTE JACARÉ CRAÍBAS TAQUA PILAR S JARAMATAIA NÓIA RANA ANADIA COQUEIRO SECO PÃO DE AÇÚCAR HOMENS BOCA DA BATALHA PALESTINA MATA ARAPIRACA LIMOEIRO MARECHAL DEORO DE ANADIA SÃO MIGUEL BELO GIRAU LAGOA CAMPO S MONTE DA ALEGRE CAMPOS BARRASET DE SÃO MIGUEL PONCIANO CANOA JUNQUEIRO FEIRA ROTEIRO TRAIPÚ GRANDE SÃO SEBASTIÃO J. DA PRAIA CAMPESTRE JAPARATINGA S. M. MILAGRES Considerações finais Observa-se que no ano de 2013 houve maior número de casos confirmados pelos diversos tipos de meningites, isso reflete uma maior sensibilidade por parte dos profissionais de saúde em notificar os casos e investigá-los. Ao mesmo tempo, é importante ressaltar que houve uma redução do número de casos ao longo de 2014 e 2015 até a SE 20. Nota-se que os casos de meningite confirmados por faixa etária e sexo, acometeram mais o sexo masculino em relação ao feminino, com maior ocorrência entre a idade de 20 a 34 anos. Isso reflete a importância do desenvolvimento de estratégias preventivas para essa faixa etária. No que tange a prevalência das meningites por etiologias durante os anos de (até a SE 20), observa-se que as meningites bacterianas, seguidas pelas virais e não especificadas, são as que mais acometem a população alagoana. Esses dados demonstram que as redes laboratoriais especifiquem quanto ao tipo do agente etiológico com o intuito de haver um combate específico ao patógeno. A vacinação mostra-se como meio eficaz no combate deste agravo, assim, o Núcleo de Doenças Imunopreveníveis incentiva que os municípios intensifiquem as vacinas dos agentes etiológicos causadores das meningites, nos quais são prevenidas pelos seguinte imunobiológicos: Pentavalente, Pneumocócica 10 e 23 valente, BCG e Meningocócica C. Quanto ao número de óbitos observa-se que é maior na fase adulta, entre 20 a 34 anos, acontecendo em maior proporção em relação a meningite por outras etiologias (MOE), seguidas pelas meningites bacterianas (MB). Já entre os menores de 5 anos o número de óbitos por etiologia é maior em relação a doença meningocóccica (MMC, MM e MMC+MM), seguidas pelas meningites bacterianas (MB).

7 MENINGITE Quanto ao controle da doença meningocócica, no ano de 2015 até a SE 20, foram detectados 3 casos espalhados em 2 municípios do Estado. Assim, o Núcleo de Doenças Imunopreveníveis deixa em alerta os municípios circunvizinhos, tanto na sensibilização dos casos suspeitos para serem notificados/investigados/concluídos como na realização da quebra da cadeia pela imunização e quimioprofilaxia quando conveniente. É importante listar as principais medidas de controle e prevenção das meningites: Evitar ambientes fechados; Evitar aglomerados de pessoas; Prática de hábitos de higiene adequados; Manter calendário vacinal das crianças atualizado; Evitar medidas drásticas (fechamento de escolas, isolar casas); Controle de contatos somente após confirmação; Realizar quimioprofilaxia em contatos íntimos do paciente acometido por meningite.

Série Histórica da Rubéola em Alagoas

Série Histórica da Rubéola em Alagoas ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Série Histórica da Rubéola em Alagoas ALAGOAS - 2012 Governo do Estado de

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE LAI E PORTAIS DA TRANSPARÊNCIA NOS MUNICÍPIOS ALAGOANOS

LEVANTAMENTO SOBRE LAI E PORTAIS DA TRANSPARÊNCIA NOS MUNICÍPIOS ALAGOANOS MUNICÍPIO SITE SITUAÇÃO OBSERVAÇÃO ÁGUA http://www.aguabranca.al.gov.br/ BRANCA ANADIA www.prefeituradeanadia.com.br SITE NÃO ATIVO ARAPIRACA http://www.arapiraca.al.gov.br/v3/ SEM LAI Informações sobre

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS Dezembro de e Janeiro e fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS Dezembro de e Janeiro e fevereiro

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Apresentação. 2 Notas Informativas. 3 Características de Instrução da População - Alagoas. 4 Indicadores Educacionais Alagoas

SUMÁRIO. 1 Apresentação. 2 Notas Informativas. 3 Características de Instrução da População - Alagoas. 4 Indicadores Educacionais Alagoas SUMÁRIO 1 Apresentação 2 Notas Informativas 3 Características de Instrução da População - Alagoas Pessoas com 5 Anos ou Mais, Analfabetas Segundo os Grupos de Idade - Alagoas 2001/2007 Taxa de Analfabetismo,

Leia mais

APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDEB REALIDADE DE ALAGOAS 24.01.2013

APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDEB REALIDADE DE ALAGOAS 24.01.2013 APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDEB REALIDADE DE ALAGOAS 24.01.2013 Palestra: Conselho de Representantes do SINTEAL. MILTON CANUTO DE ALMEIDA Consultor Técnico em: Financiamento, Planejamento e Gestão da

Leia mais

SITE INATIVO CONTA SUSPENSA

SITE INATIVO CONTA SUSPENSA MUNICÍPIO SITE SITUAÇÃO LEI DE ACESSO TRANSPARÊNCIA SITE/BLOG OBSERVAÇÃO DADOS TRANSPARÊNCIA 1 ÁGUA BRANCA http://www.aguabranca.al.gov.br/index2.php SITE ATIVO Não possui Portal da próprio Sem conteúdo

Leia mais

Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas.

Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese Até o dia 09 de março de 2012, 83 (83,37%) dos 102 municípios alagoanos notificaram 1.728 casos suspeitos de dengue o que não descarta a ocorrência

Leia mais

Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese

Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotou a nova classificação de casos de dengue, revisada da Organização Mundial de Saúde e Ministério da

Leia mais

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS)

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS) Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS) Herbert Charles S. Barros Diretor de Informação e Análise da Situação de Saúde DIASS/SUVISA/SESAU OBJETIVO Induzir o aperfeiçoamento das

Leia mais

ESTRUTURA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEDUC LEI DELEGADA Nº 47, DE 10 DE AGOSTO DE 2015

ESTRUTURA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEDUC LEI DELEGADA Nº 47, DE 10 DE AGOSTO DE 2015 ESTRUTURA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEDUC LEI DELEGADA Nº 47, DE 10 DE AGOSTO DE 2015 Art. 27. A Secretaria de Estado da Educação SEDUC é integrada por: I Órgãos Colegiados: a) Conselho Estadual de Educação;

Leia mais

Vestibular Estácio -AMA

Vestibular Estácio -AMA Vestibular Estácio -AMA Maceió, 2014 A Faculdade Estácio de Alagoas em parceria com a Associação dos Municípios de Alagoas-AMA, disponibiliza o Vestibular Estácio -AMA, com o objetivo de viabilizar o acesso

Leia mais

Número de Processos em 31/05/2015 Classificação. Número de Processos em31/12/2014

Número de Processos em 31/05/2015 Classificação. Número de Processos em31/12/2014 Relação das unidades judiciarias com processos da meta 2/2009(ajuizados até 31/12/2005) ainda pendentes de julgament Ordem decrescente de maior quantitativo de processos em 31/05/2015 Número de Processos

Leia mais

SUPERINTENDENTE DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE - SUVISA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP

SUPERINTENDENTE DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE - SUVISA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP SUPERINTENNTE VIGILÂNCIA DA SAÚ - SUVISA DIRETORIA VIGILÂNCIA EPIMIOLÓGICA DIVEP BOLETIM INFORMATIVO SEMANAL Nº51/2014 Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas 05 JANEIRO 2015. Quadro Síntese Atualmente,

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA ESTADUAL SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE MAPA DE VINCULAÇÃO DA REDE CEGONHA DISTRIBUIÇÃO DE LEITOS OBSTÉTRICOS POR REGIÃO 1ª MACRORREGIÃO REGIÃO TERRITÓRIO REFERÊNCIA 1ª

Leia mais

18 Traipu - Arapiraca e V.V. 7, Igaci - Palmeira dos Índios e V.V. 2,50

18 Traipu - Arapiraca e V.V. 7, Igaci - Palmeira dos Índios e V.V. 2,50 N Linha Linha Tarifa Complementar 1 Rio Largo (Via Gustavo Paiva) - Maceió e V.V. 2,80 2 Rio Largo (Via Mata do Rolo) - Maceió e V.V. 2,80 3 Cruzeiro do Sul - Maceió e V.V. 2,50 4 Messias - Maceió e V.V.

Leia mais

ALAGOAS Atendimento Rede de Formação em 2008

ALAGOAS Atendimento Rede de Formação em 2008 ALAGOAS Atendimento Rede de Formação em 2008 Aperfeiçoamento em Educação Matemática Público-alvo: Professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Área: Educação

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEMANAL Nº. 52/2014 12 DE JANEIRO DE 2015 Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese

NOTA TÉCNICA SEMANAL Nº. 52/2014 12 DE JANEIRO DE 2015 Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese Atualmente, o Ministério da Saúde adotou a nova classificação da OMS, que define a dengue como: a) Dengue: paciente que apresente febre com

Leia mais

Projeção da População dos Municípios Alagoanos 2011-2016

Projeção da População dos Municípios Alagoanos 2011-2016 Governo do Estado de Alagoas ISSN 2237-5716 Projeção da População dos Municípios Alagoanos 2011-2016 v.3 2011 Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias MENINGITE Lucila T. Watanabe Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias Histórico (I) 1975 Implantação do SVEM (Sistema de vigilância epidemiológica das meningites) Após epidemias de Doença

Leia mais

EDUCAÇÃO. Atalaia. Barra de. Santo Antônio. Batalha. Belém. Belo Monte. Boca da Mata. Branquinha. Cacimbinhas. Cajueiro. Campestre.

EDUCAÇÃO. Atalaia. Barra de. Santo Antônio. Batalha. Belém. Belo Monte. Boca da Mata. Branquinha. Cacimbinhas. Cajueiro. Campestre. Projeto TRILHAS, do Instituto Natura, chega a mais de duas mil escolas da rede pública de Alagoas EDUCAÇÃO Projeto TRILHAS, do Instituto Natura, chega a mais de duas mil escolas da rede pública de Alagoas

Leia mais

Relação de Padroeiras

Relação de Padroeiras Relação de Padroeiras Município Data Padroeira ÁGUA BRANCA 08/12 Nossa Senhora da Conceição ANADIA 02/02 Nossa Senhora da Piedade ARAPIRACA 02/02 Nossa Senhora do Bom Conselho ATALAIA 02/02 Nossa Senhora

Leia mais

19ª Região - Alagoas

19ª Região - Alagoas 19ª Região - Alagoas SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE FEITOS DAS VARAS DE MACEIÓ Av. da Paz, nº 1994, Térreo - Centro Fone: (82) 2121-8192 Fax 2121-8238 Cep: 57.020-440 Maceió/AL e-mail: dist@trt19.gov.br Jurisdição:

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS Janeiro, Fevereiro e Março de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, janeiro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS Janeiro, Fevereiro e Março de François E.

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS Setembro, Outubro e Novembro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, setembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS Setembro, Outubro e Novembro de François

Leia mais

PORTARIA Nº 2904/2012-DGPC/GD

PORTARIA Nº 2904/2012-DGPC/GD PORTARIA Nº 2904/2012-DGPC/GD O DELEGADO-GERAL DA POLICIA CIVIL, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei Delegada nº 44 de 08.04.2011, e CONSIDERANDO que os armamentos de porte disponíveis na

Leia mais

"O lugar da Vigilância Socioassistencial na gestão do SUAS e a articulação com o Plano Municipal de Assistência Social"

O lugar da Vigilância Socioassistencial na gestão do SUAS e a articulação com o Plano Municipal de Assistência Social "O lugar da Vigilância Socioassistencial na gestão do SUAS e a articulação com o Plano Municipal de Assistência Social" S E C R E T A R I A D E E S T A D O D A A S S I S T Ê N C I A E D E S E N V O L V

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR Lei nº 6.673/2005

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR Lei nº 6.673/2005 LEI Nº 6.673, DE 4 DE JANEIRO DE 2006. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DA AGÊNCIA DE DEFESA E INSPEÇÃO AGROPECUÁRIA DE ALAGOAS ADEAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS Faço saber que o

Leia mais

Irritabilidade ou agitação; Choro persistente; Recusa alimentar;

Irritabilidade ou agitação; Choro persistente; Recusa alimentar; VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS S Ano de 2013 - CID-10: A17.0 (M. tuberculosa); A39.0 (M. meningocócica); A87 (M. virais); G00.0 (M. haemophilus); G00.1 (M. pneumocócica); CASO SUSPEITO: Paciente maior de

Leia mais

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade Técnica de Doenças de Transmissão Respiratória e Imunopreveníveis Capacitação

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Dados Materiais: Acórdão 351/93 - Segunda Câmara - Ata 43/93 Processo nº TC 200.384/91-0

Tribunal de Contas da União. Dados Materiais: Acórdão 351/93 - Segunda Câmara - Ata 43/93 Processo nº TC 200.384/91-0 Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 351/93 - Segunda Câmara - Ata 43/93 Processo nº TC 200.384/91-0 Responsáveis: Entidades: Alcione Teixeira dos Santos - Governo do Estado de Alagoas;

Leia mais

Informe Técnico: Vigilância das Meningites no Estado de Santa Catarina

Informe Técnico: Vigilância das Meningites no Estado de Santa Catarina GOVERNO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância de Doenças Imunopreveníveis e Imunização Informe

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE REGIONALIZAÇÃO

PLANO ESTADUAL DE REGIONALIZAÇÃO PLANO ESTADUAL DE REGIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE ALAGOAS Outubro, 2010 CNPJ/CGC.: 10.789.230/0001-35 - Tel/fax (81) 3326.1201 E-mail: brasilencorp@gmail.com Equipe Técnica da

Leia mais

Boletim Epidemiológico Julho/2015

Boletim Epidemiológico Julho/2015 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÃO ESTRATÉGICA EM VIGILANCIA

Leia mais

EDITAL CREDENCIAMENTO N.º ARSAL-001/2012 RETIFICADO

EDITAL CREDENCIAMENTO N.º ARSAL-001/2012 RETIFICADO EDITAL CREDENCIAMENTO N.º ARSAL-001/2012 RETIFICADO CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GUINCHAMENTO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES APREENDIDOS PELA ARSAL. EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º ARSAL-001/2012

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

Portaria n. 201, de 1º de junho de 2011

Portaria n. 201, de 1º de junho de 2011 Portaria n. 201, de 1º de junho de 2011 Revoga a Portaria n.º 454, de 25 de novembro de 2009, e institui critérios para o Componente I Custeio para ações e serviços da Atenção Básica do Programa de Fortalecimento

Leia mais

Tópicos Específicos em Estimação de Receita

Tópicos Específicos em Estimação de Receita Tópicos Específicos em Estimação de Receita FPM Fundo de Participação dos Municípios Objetivo da Unidade Permitir que o participante compreenda a relevância do procedimento de estimativa da receita para

Leia mais

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 ALAGOAS

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 ALAGOAS BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 ALAGOAS Apresentação Ao lançar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em janeiro de 2007, o Governo Federal assumiu o compromisso de fazer o Brasil crescer de forma acelerada

Leia mais

VAGAS CRE Municípios a serem atendidos

VAGAS CRE Municípios a serem atendidos EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTORES A DISTÂNCIA Programa PROINFO INTEGRADO Edital 01/2014 A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte - SEE/AL através da Superintendência de Gestão da Rede Estadual de Ensino

Leia mais

Aspectos Agroeconômicos da Cultura da Mandioca: Características e Evolução da Cultura no Estado de Alagoas entre 1990 e 2004

Aspectos Agroeconômicos da Cultura da Mandioca: Características e Evolução da Cultura no Estado de Alagoas entre 1990 e 2004 ISSN 16781953 Outubro, 2006 93 Aspectos Agroeconômicos da Cultura da Mandioca: Características e Evolução da Cultura no Estado de Alagoas entre 1990 e 2004 ISSN 16781953 Outubro, 2006 Empresa Brasileira

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

3. Enfatizar a importância da coleta de material para o diagnóstico laboratorial das meningites e da

3. Enfatizar a importância da coleta de material para o diagnóstico laboratorial das meningites e da TEMAS SELECIONADOS - Ano XI - N 0. 02 / 2011 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL

Leia mais

PMAQ ALAGOAS CRONOGRAMA DE VISITAS DA MACRO 2. ROTA COMUM MACROS 01 e 02 PMAQ ALAGOAS NÚMERO EQUIPES. SEGUNDA-FEIRA 25/11 Atalaia TODOS

PMAQ ALAGOAS CRONOGRAMA DE VISITAS DA MACRO 2. ROTA COMUM MACROS 01 e 02 PMAQ ALAGOAS NÚMERO EQUIPES. SEGUNDA-FEIRA 25/11 Atalaia TODOS PMAQ ALAGOAS CRONOGRAMA DE VISITAS DA MACRO 2 SEMANA 1 ROTA COMUM DIA SEMANA/ DATA ROTA COMUM MACROS 01 e 02 PMAQ ALAGOAS MUNICÍPIO EQUIPES ENTREVISTADORES MUNICÍPIO SEDE: MACEIÓ NOME ENTREVISTADORES SEGUNDA-FEIRA

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS MENINGITES. Prof. Ma. Júlia Arêas Garbois

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS MENINGITES. Prof. Ma. Júlia Arêas Garbois FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS MENINGITES Prof. Ma. Júlia Arêas Garbois MENINGITE Infecção que se instala principalmente quando uma bactéria

Leia mais

MUNICÍPIO COORDENADOR (A)

MUNICÍPIO COORDENADOR (A) Água Branca Nélia Jeane Cordeiro Correia Rua Santo Antonio, Nº 30, Centro. Tel: 82-36441231. cadunico.aguabranca@hotmail.com Anadia Cícero Aldo dos Santos da Costa Praça Dr. Campelo de Almeida, S/N, Centro.

Leia mais

Adesão NutriSUS/2014. Tabela 1 - Lista dos municípios que aderiram ao NutriSUS

Adesão NutriSUS/2014. Tabela 1 - Lista dos municípios que aderiram ao NutriSUS Adesão NutriSUS/2014 Tabela 1 - Lista dos municípios que aderiram ao NutriSUS IBGE UF Município Quantitativo de crianças por município N de sachê por município N de caixas (cada caixa contêm 30 sachês)

Leia mais

Estimativa da quantidade de alunos aptos a cursar o primeiro ano do ensino médio, por microrregiões de Alagoas, para 2014.

Estimativa da quantidade de alunos aptos a cursar o primeiro ano do ensino médio, por microrregiões de Alagoas, para 2014. Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRDI Departamento de Planejamento Institucional DPI Estimativa da quantidade de alunos aptos a cursar o primeiro ano do ensino médio, por microrregiões de

Leia mais

Do Epidemiological Bulletin, Vol. 22 No. 4, December 2001

Do Epidemiological Bulletin, Vol. 22 No. 4, December 2001 Do Epidemiological Bulletin, Vol. 22 No. 4, December 2001 Definições de Caso: Doença Meningocócica e Meningite Viral Doença Meningocócica Razão para a Vigilância A doença meningocócica ocorre esporadicamente

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Perfil Epidemiológico da Meningite Brasil & Mundo

Perfil Epidemiológico da Meningite Brasil & Mundo Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade Técnica de Doenças de Respiratória e Imunopreveníveis

Leia mais

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Monitoramento das Doenças Diarréicas

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE DE ALAGOAS ASSESSORIA AMBIENTAL DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO SEMANAL DE MONITORAMENTO DE FOCOS DE QUEIMADAS

INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE DE ALAGOAS ASSESSORIA AMBIENTAL DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO SEMANAL DE MONITORAMENTO DE FOCOS DE QUEIMADAS Página: 1 Junqueiro 15 Coruripe 12 20161030 S 09 50 16 O 36 30 36 Mata Atlantica Não Não 20161030 S 09 50 20 O 36 30 18 Mata Atlantica Não Não 20161030 S 09 50 06 O 36 30 25 Mata Atlantica Não Não 20161030

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

PREFEITURA DE ARAPIRACA ALAGOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA DE ARAPIRACA ALAGOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA DE ARAPIRACA ALAGOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Relação da Quantidade de Equipamentos para uso do Telessaúde contemplados para cada Município. Batalha Bélem Belo Monte Campo Grande Coité

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DE ALAGOAS

RELATÓRIO MENSAL DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DE ALAGOAS Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Alagoas RELATÓRIO MENSAL DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DE ALAGOAS Diretoria de Meteorologia / Sala de Alerta Janeiro/2016 Conteúdo

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 43, DE 28 DE JUNHO DE 2007. Alterada pela Lei nº 6.952, de 21 de julho de 2008 e pelos Decretos Autônomos n 4.002, de 16 de abril de 2008, n 4.037, de 22 de julho de 2008 e nº 4.051, de

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Diarreicas Agudas e CóleraC

Diarreicas Agudas e CóleraC Superintendência ncia de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenaçã ção o de Controle de Doenças de Transmissão o Hídrica H e Alimentar Doenças Diarreicas

Leia mais

CONSULTA PARA VERSÃO

CONSULTA PARA VERSÃO GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS - SERMARH PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE ALAGOAS PERS/AL PRODUTO 2 DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

PLANO OPERATIVO ANUAL ESTADUAL

PLANO OPERATIVO ANUAL ESTADUAL PLANO OPERATIVO ANUAL ESTADUAL Unidade Técnica Estadual INSTITUTO DE TERRAS E REFORMA AGRÁRIA DE ALAGOAS - ITERAL Endereço/cidade/UF/CEP /telefone/home Page /e-mail/ AVENIDA DA PAZ, 1.200 - CENTRO CEP.

Leia mais

Meningite Bacteriana

Meningite Bacteriana Meningite Bacteriana Conceito Infecção aguda que acomete as leptomeninges (aracnóide e pia-máter), envolvendo o cérebro e a medula espinhal. Page 2 Epidemiologia Doença comum, de alta mortalidade e morbidade

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA HNSC/HCC A Portaria do Ministério da Saúde Nº 1.271, de 06 de Junho de 2014 atualizou a Portaria Nº 104, de 25

Leia mais

19/4/2010 NOTIFICAÇÃO

19/4/2010 NOTIFICAÇÃO Agravos Epidemiológicos Parte - 03 PROFa. MSc. MARISE RAMOS NOTIFICAÇÃO A ocorrência de casos suspeitos de varicela não requer notificação e investigação por não se tratar de doença de notificação compulsória.

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

Estabelecimento DDD Telefone

Estabelecimento DDD Telefone O seu canal de informação sobre os direitos da criança e do adolescente Conselhos Tutelares de Alagoas Editor: Lauro Monteiro leia mais em www.observatoriodainfancia.com.br Estabelecimento DDD Telefone

Leia mais

RELATÓRIO DELEGACIAS DE ALAGOAS PRESO É DA JUSTIÇA, NÃO É DA POLÍCIA

RELATÓRIO DELEGACIAS DE ALAGOAS PRESO É DA JUSTIÇA, NÃO É DA POLÍCIA RELATÓRIO DELEGACIAS DE ALAGOAS PRESO É DA JUSTIÇA, NÃO É DA POLÍCIA Maceió/AL, Janeiro de 2014 P á g i n a 2 ÍNDICE Introdução...03 Anadia...04 Atalaia...04 Cacimbinhas...05 Cajueiro...06 Campo Alegre...06

Leia mais

Política Estadual de Recursos Hídricos

Política Estadual de Recursos Hídricos Política Estadual de Recursos Hídricos ENCOB Maceió, Novembro de 2014 Arcabouço Legal Lei Federal nº 9.433, de jan/1997 institui a Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Estadual nº 5.965, de nov/1997

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DA DEFESA SOCIAL DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL ANTEPROJETO DE LEI

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DA DEFESA SOCIAL DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL ANTEPROJETO DE LEI 1 GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DA DEFESA SOCIAL DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL ANTEPROJETO DE LEI LEI ORGÂNICA DA POLICIA CIVIL DO ESTADO DE ALAGOAS Maceió, 18 de Março de 2008. 2 ANTEPROJETO

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE ALAGOAS TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS

SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE ALAGOAS TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS ESTATUTO SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE ALAGOAS TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS CAPÍTULO I - DO SINDICATO SECÃO I - DA CONSTITUIÇÃO ARTIGO 1º - O

Leia mais

Implementação das Notificações dos Agravos e Acidentes Relacionados à Saúde do Trabalhador da Saúde no SINAN no Município de Jaramataia - Alagoas

Implementação das Notificações dos Agravos e Acidentes Relacionados à Saúde do Trabalhador da Saúde no SINAN no Município de Jaramataia - Alagoas CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Implementação das Notificações dos Agravos e Acidentes Relacionados à Saúde do Trabalhador da Saúde no SINAN no

Leia mais

VAGAS ESPECIALIZAÇÃO OU CURSO EXIGIDO

VAGAS ESPECIALIZAÇÃO OU CURSO EXIGIDO \ PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPIRACA SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, EMPREGO, RENDA E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E SERVIÇOS/CASA INTEGRADA DO TRABALHO-SINE VAGAS DISPONÍVEIS

Leia mais

ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008

ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008 ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008 Informe Este informe tem como objetivo fornecer informação semestral sobre a ocorrência de doenças de notificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: Definição de caso suspeito de sarampo: Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012 CASO CLÍNICO Felipe Santos Passos 2012 ANAMNESE ESP, feminino, 5 anos, natural e procedente de Salvador. QP - Febre há 12 horas 2 ANAMNESE HMA - Mãe relata que a criança apresentou quadro de febre (39

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais