Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO"

Transcrição

1 Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO Parecer Técnico sobre Entomologia Consultor: Prof. Dr. Victor Py Daniel

2 QUALIFICAÇÃO DO AUTOR Prof. Dr. Victor Py Daniel Titulação: Doutorado em Ciências Biológicas - Entomologia, pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, INPA, Brasil. Formação: Graduação em Ciências Biológicas. Universidade de Brasília, Brasília (DF), Brasil. Experiência Profissional: Professor da Universidade Federal do Amazonas (AM), Brasil.

3 PARECER TECNICO DO PROF VICTOR PY DANIEL Com base nos resultados obtidos pelos estudos na área de construção do AHE do Jirau, é de alto risco para Malária, tanto em função da extensão e da densidade de ocorrência do vetor Anopheles darlingi, como pelo quadro atual da malária, que é elevado tanto na área do empreendimento como nas áreas de influência. Desta forma, para a completa realização da obra e não haver redução do esforço de trabalho ou mesmo interrupções, em decorrência da malária, será necessário implementar, como medidas mitigadoras, simultaneamente, Programas de vigilâncias entomológica e epidemiológica. Será necessário manter na área de abrangência pontos sentinelas para acompanhamento da evolução da densidade das populações de anofelinos, e implementar as medidas rotineiras de controle, como a borrifação intradomiciliar, e desencadear as aplicações aeroespaciais nas áreas de contato com o vetor. Nas áreas propícias à reprodução dos anofelinos, situadas nas proximidades das áreas de obras e que forem positivas para formas imaturas de anofelinos, deve-se utilizar biolarvicida bacteriano para realizar o controle. As áreas de igapó deverão ser monitoradas, principalmente as de águas pretas, pelo fato de ser nestes ambientes que se desenvolvem os anofelinos, especialmente o principal vetor da malária - A. darlingi. Na realização dos exames hemoscópicos e tratamento da malária, deve-se ampliar a rede de diagnóstico para um atendimento rápido aos pacientes e proceder ao tratamento, em seu local de origem, sem a necessidade de deslocamentos para a procura de recursos de saúde. Este procedimento permite que o número de pacientes com malária decresça, reduzindo o reservatório do Plasmodium e, conseqüentemente, a quantidade de mosquitos infectados. Neste tópico, não devem ser desconsideradas as informações sobre os assintomáticos na área, assim como as medidas a serem implementadas, pois se constituem na fonte de novas infecções. Portanto, considerando-se os resultados entomológicos de ocorrência do vetor, que está disseminado por toda a área do empreendimento, e que é na faixa de até 150 metros do rio que a densidade tende a ser mais elevada, verifica-se que a área do empreendimento é de alto risco para a malária, em toda a sua extensão, e que para se reduzir o impacto, durante a construção da obra, será necessário implementar as medidas integradas, e de forma contínua, que abrangem: 1. monitoramento contínuo das populações de anofelinos, quanto à evolução da densidade e do comportamento em relação ao homem, tanto nos Alojamentos como nas frentes das obras, objetivando reduzir o contato homem/vetor. 2. implementar a termonebulização, em áreas de contato com o vetor, periodicamente e em função do ciclo do vetor. 3. proceder a borrifação intradomiciliar, em ciclos trimestrais, em função do tempo residual da cipermetrina e de outros piretróide utilizados atualmente. 3

4 4. desencadear o uso dos mosquiteiros, se possível os impregnados com piretróides, para uso nos alojamentos transitórios, sem paredes e nas frentes de trabalho nas quais as condições dos alojamentos sejam precárias. 5. realizar o tratamento das coleções hídricas com biolarvicidas que mostrarem formas imaturas de anofelinos e outros culicídeos, em áreas próximas aos alojamentos e frentes de trabalho. Devem-se utilizar formulações de Bacillus sphaericus, considerando a especificidade do inseto alvo, preservando assim o meio ambiente, reduzindo o impacto. 6. dar condições de diagnóstico rápido e tratamento aos pacientes, em seu local de origem, sem haver necessidades de deslocamentos. Este procedimento é fundamental para minimizar o impacto da malária, pois leva a redução do reservatório do Plasmodium e diminui a infectividade dos anofelinos. A rede de diagnóstico deve ser a mais ampla possível, com atendimento contínuo, inclusive nos fins de semana. Na implementação dessas ações e para atingir os objetivos a cada uma delas, depende-se do armazenamento de insumos em quantidades adequadas e de uma ampla rede de distribuição às localidades de obras. Além disso, é fundamental a manutenção dos equipamentos e inspeções rotineiras às frentes de trabalho, para acompanhamento das etapas de aplicação das medidas de controle. Considerando as ações de diagnóstico rápido, há necessidade de ampliar as estruturas de saúde existentes, como: Equipe Técnica proporcionar recursos humanos suficientes e treinados para os Postos de Assistência. Laboratórios de diagnóstico - aperfeiçoamento da infra-estrutura, ampliando a capacidade de análise, dando-se atenção especial assistência aos aparelhos ópticos. Postos de Saúde - melhoria das instalações dos Postos de Saúde nas Comunidades para um melhor desempenho tanto para a assistência aos trabalhadores alocados nestas Comunidades, como para a população local. Materiais de consumo - necessários para manutenção da eficiência do atendimento dos Postos de Saúde, assegurando o diagnóstico rápido. Levando-se em conta as arboviroses, especialmente a Febre Amarela, destaca-se o monitoramento contínuo que deve ter os quadros de febres graves e, em relação à Febre Amarela, a vacinação deverá ocorrer quando da admissão dos trabalhadores pelas empreiteiras. Considerando que haverá áreas de desmatamento para a implantação da obra, alterando o habitat natural do Haemagogus nas copas das árvores, há necessidade de manter a vigilância entomológica contínua para monitorar as populações de mosquitos em contato com o homem. 4

5 Ressalta-se também que Aedes aegypti foi registrado em Jaci-Paraná e que, portanto amplia o risco de ocorrer a Febre Amarela urbana. A vigilância deve ser contínua, em função de que a infestação pode se estender para os outros núcleos urbanos da área, como Mutum-Paraná e Abunã. Há um intenso trânsito entre estas localidades, ampliando a possibilidade de infestação desses povoados. Ressalta-se ainda o contato com a cidade de Porto Velho, que mostra altos índices de ocorrência de Aedes aegypti. Além disso, há necessidade de ampliar a cobertura vacinal das populações locais. Como a vacina proporciona imunidade por 10 anos, esta será a forma mais segura de manter as populações da área de influência fora de risco, durante toda a construção do AHE do Jirau. Em relação às filarioses, a vigilância maior será quando da admissão dos trabalhadores para a obra. Ressalta-se este aspecto em função da densidade elevada do vetor Culex quinquefasciatus. Nas medidas para avaliação da densidade de alados em Jaci-Paraná, esta espécie representou 98% da amostragem. Deve ser levada em consideração a presença de simulídeos, popularmente denominados piuns, cuja espécie Cerqueirelum argentiscutum está presente ao longo das cachoeiras do rio Madeira, tendo em vista que a mesma é incriminada como um dos principais vetores da Mansonella ozzardi causadora da masonelose em outras partes da Amazônia, como também da potencialidade de transmissão da Onchocerca volvulus se forem aceitos trabalhadores provenientes do estado de Roraima. 5

MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA

MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC - Manaus, AM - Julho/2009 MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA Wanderli P. Tadei 1, Ilea B. Rodrigues 1, Joselita

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU PLANO BÁSICO AMBIENTAL Saúde Equipamentos de saúde Controle da malária Saúde indígena O Plano de Saúde

Leia mais

O DESAFIO DA MALÁRIA NO HAITI

O DESAFIO DA MALÁRIA NO HAITI O DESAFIO DA MALÁRIA NO HAITI Alexandre Rabello C Alves Cap Vet Exército Brasileiro 6º D Sup OBJETIVOS Abordar o controle de vetores em situação operacional e sua importância; Apresentar as especificidades

Leia mais

Malária. Perceber a importância da presença do homem na mudança dos ecossistemas principalmente na Amazônia.

Malária. Perceber a importância da presença do homem na mudança dos ecossistemas principalmente na Amazônia. Malária 1) Objetivo Geral Estudar a relação entre o desmatamento, o aumento dos casos de malária, assim como os animais em extinção principalmente na Região Norte do país. 2) Objetivo Específico Perceber

Leia mais

Histórico da Malária no Acre. 1864 Ocupação das Terras Acreanas. 2006 - Uso da Combinação Artesunato+Mefloquina

Histórico da Malária no Acre. 1864 Ocupação das Terras Acreanas. 2006 - Uso da Combinação Artesunato+Mefloquina Histórico da Malária no Acre 1864 Ocupação das Terras Acreanas 2006 - Uso da Combinação Artesunato+Mefloquina Marize Barbosa Freire de Lucena Gerente do Departamento de Vigilância em Saúde Rio de Janeiro

Leia mais

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa 11 de novembro de 2013 Casos Prováveis e internações por dengue/fhd Brasil, 1986-2013*

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO INTRODUTÓRIO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PARA AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS ALUNO (A): PROFESSOR (A): CETAM Centro de Educação Tecnológica do Amazonas SUMÁRIO

Leia mais

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc...

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Protozoários Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Estrutura: Realizam as funções vitais: Locomoção e respiração; Obtenção de alimentos; Digestão; Excreção; Reprodução.

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014 CEVS/DVAS/PECD/PEVAa Programa Estadual de Controle da Dengue Programa Estadual de Vigilância do Aedes aegypti e Seção de Reservatórios e Vetores/ Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central /

Leia mais

Condições necessárias para o controle da malária nos municípios da região amazônica

Condições necessárias para o controle da malária nos municípios da região amazônica Condições necessárias para o controle da malária nos municípios da região amazônica Coordenação Geral do Programa Nacional do Controle de Malária/ DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da

Leia mais

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae Arboviroses Flaviviridae Flavivirus - único gênero Diversas espécies: f.amarela, dengue vírus

Leia mais

CONTROLE DE MOSQUITOS

CONTROLE DE MOSQUITOS CONTROLE DE MOSQUITOS Doenças e Vetores Febre Amarela ceifando foliões. "O carnaval de 1876." Revista Ilustrada, 04.03.1876, ano 1, n 10, p. 7. FIOCRUZ. Desenho de J. Carlos representando Oswaldo Cruz

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima RECOMENDAÇÃO Nº 001/2011 MPF/RR P R DC Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão OBJETO: Inquérito Civil Público nº 1.32.000.000111/2010-37.

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE VETORES E PLANO DE AÇÃO DE CONTROLE DA MALÁRIA

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE VETORES E PLANO DE AÇÃO DE CONTROLE DA MALÁRIA PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE VETORES E PLANO DE AÇÃO DE CONTROLE DA MALÁRIA Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.2 Detalhar todos os

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas

Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas A Divisão de Vigilância Ambiental em Saúde / Centro Estadual de Vigilância em Saúde (DVAS/CEVS) e o Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO COMPLEMENTAR DE AÇÃO DE CONTROLE DA MALARIA NAS ÁREAS DE INFLUÊNCIAS DIRETA E INDIRETA DA UHE SANTO ANTÔNIO, NO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

Rose Monnerat EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia

Rose Monnerat EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia Bioinseticidas para controle de mosquitos transmissores de doenças Rose Monnerat EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia Malaria, Filarioses, Dengue, Febre amarela, Oncocercose Bacillus thuringiensis

Leia mais

APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Aula: 17.2 Conteúdo: Doenças relacionadas à água II

APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Aula: 17.2 Conteúdo: Doenças relacionadas à água II A A Aula: 17.2 Conteúdo: Doenças relacionadas à água II 2 A A Habilidades: Conhecer algumas medidas para prevenir as doenças veiculadas pela água. 3 A A Dengue A dengue é uma doença febril aguda causada

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014)

NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014) NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014) Aspectos Gerais Assunto: Procedimentos a serem adotados em Santa Catarina frente a caso suspeito de Febre de Chikungunya A Febre de Chikungunya

Leia mais

ANEXO 06 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO CONSOLIDADO DE ATIVIDADES AÇÕES ESTRUTURANTES P.30 META-ATIVIDADE PACTUAÇÃO

ANEXO 06 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO CONSOLIDADO DE ATIVIDADES AÇÕES ESTRUTURANTES P.30 META-ATIVIDADE PACTUAÇÃO ANEXO 06 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO CONSOLIDADO DE ATIVIDADES AÇÕES ESTRUTURANTES P.30 META-ATIVIDADE PACTUAÇÃO Figura 60: Entrega de microscópio doado pelo do CHTP ao Município de Alta Floresta Figura 65:

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI INTRODUÇÃO A dengue é uma doença infecciosa febril aguda benigna na maior parte dos casos. É causada pelo vírus do

Leia mais

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Comunicação e Marketing Ltda Veículo: Editoria: Notícias www.acritica.uol.com.br Coluna: -- Assunto: Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Origem:

Leia mais

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Nota Técnica Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Yellow Fever in Brazil: Recommendations for Surveillance, Prevention and

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Foto 1: Imagem aérea da Ilha de Santa Catarina

APRESENTAÇÃO. Foto 1: Imagem aérea da Ilha de Santa Catarina APRESENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A cidade de Florianópolis é a capital da unidade federativa de Santa Catarina e está localizada no centro-leste do Estado. É banhada pelo Oceano Atlântico e a maior parte do

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

Capítulo 20 MALARIA EM SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM: FATORES ENTOMOLÓGICOS GENÉTICOS, DINÂMICA DE TRANSMISSÃO E CONTROLE

Capítulo 20 MALARIA EM SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM: FATORES ENTOMOLÓGICOS GENÉTICOS, DINÂMICA DE TRANSMISSÃO E CONTROLE Capítulo 20 MALARIA EM SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM: FATORES ENTOMOLÓGICOS GENÉTICOS, DINÂMICA DE TRANSMISSÃO E CONTROLE CAPÍTULO 20 19 MALARIA EM SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM: FATORES ENTOMOLÓGICOS genéticos,

Leia mais

6.2.3 - Subprograma de Saúde e Segurança nas Obras(PAC 6)

6.2.3 - Subprograma de Saúde e Segurança nas Obras(PAC 6) 6.2.3 - Subprograma de Saúde e Segurança nas Obras(PAC 6) 2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 6.2.3 - Subprograma de Saúde e Segurança nas Obras(PAC 6)... 1/21 6.2.3.1 - Justificativa...

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O CONTROLE DE CULICÍDEOS EM PEQUENOS CURSOS DE ÁGUA COM O USO DE VECTOLEX-G

ORIENTAÇÃO PARA O CONTROLE DE CULICÍDEOS EM PEQUENOS CURSOS DE ÁGUA COM O USO DE VECTOLEX-G INSTITUTO DE BIOLOGIA Depto. de ZOOLOGIA - UNICAMP Outubro de 2005 ORIENTAÇÃO PARA O CONTROLE DE CULICÍDEOS EM PEQUENOS CURSOS DE ÁGUA COM O USO DE VECTOLEX-G Acadêmico: Marcel Mamede de Carvalho Filho

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.29 - Programa de Controle e Prevenção de Doenças P.30 - Plano de Ação e Controle da Malária CHTP RA 1/12 P.29 E P.30 0613 INTEGRANTES EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

Introdução. Febre amarela. A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje

Introdução. Febre amarela. A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje Alta letalidade (em torno de 10%) Introdução Prof. Marco Antonio Zoonose endêmica,

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Malária. esporozoita

Malária. esporozoita Malária esporozoita Francisco Bergson Pinheiro Moura Médico Veterinário e-mails: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura.live.com Definição Doença infecciosa febril aguda, cujos agentes etiológicos

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DO SIMULÍDEO

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DO SIMULÍDEO PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DO SIMULÍDEO No Rio Grande do Sul os insetos hematófagos da família Simuliidae (DIPTERA NEMATOCERA) geram extremo desconforto e agravos à saúde decorrentes das suas picadas.

Leia mais

ESPECÍFICA AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS

ESPECÍFICA AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS ESPECÍFICA AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS QUESTÃO 21 Estão relacionadas a medidas educativas que o Agente de Endemia deve desenvolver, EXCETO: (A) Executar o tratamento focal e perifocal como medida complementar

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

Senhoras e Senhores Deputados, Acho de suma importância, Senhor Presidente, fazer um

Senhoras e Senhores Deputados, Acho de suma importância, Senhor Presidente, fazer um DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO GERALDO RESENDE (PPS/MS), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM 17/03/2005 Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, Acho de suma importância, Senhor Presidente,

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais

Índice 3. Introdução 4. O que é Aedes aegypti? 5. Como o mosquito chegou até nós 6. Casos de dengue em Campinas 7. O que é o Chikungunya? 8.

Índice 3. Introdução 4. O que é Aedes aegypti? 5. Como o mosquito chegou até nós 6. Casos de dengue em Campinas 7. O que é o Chikungunya? 8. Índice 3. Introdução 4. O que é Aedes aegypti? 5. Como o mosquito chegou até nós 6. Casos de dengue em Campinas 7. O que é o Chikungunya? 8. O que é e como surgiu o zika vírus 9. Sintomas 10. Diferença

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

ÍNDICE - 01/05/2007 O Globo... 2 Ciência...2 O Estado de S.Paulo... 3 Vida&...3 Anvisa fumo Jornal de Brasília... 4 Cidades...4

ÍNDICE - 01/05/2007 O Globo... 2 Ciência...2 O Estado de S.Paulo... 3 Vida&...3 Anvisa fumo Jornal de Brasília... 4 Cidades...4 ÍNDICE - O Globo...2 Ciência...2 EURECA...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 Anvisa prorroga consulta sobre fumo...3 Jornal de Brasília...4 Cidades...4 GDF quer acabar com a fila da cirurgia em 18 meses...4

Leia mais

Prof.ª Rosana Chagas. Elaboração da Situação de Aprendizagem MGME- CIÊNCIAS

Prof.ª Rosana Chagas. Elaboração da Situação de Aprendizagem MGME- CIÊNCIAS Elaboração da Situação de Aprendizagem MGME- CIÊNCIAS 1 CONHECENDO O CICLO DE VIDA DO Aedes Aegypti Prof.ª Rosana Matias Das Chagas 2 Tempo previsto: Conteúdos e temas: Público Alvo: Competência e habilidades:

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Resultado do LIRAa Março / 2014 Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Levantamento Rápido de Índices LIRAa O LIRAa foi desenvolvido em 2002,

Leia mais

Febre Amarela Situação epidemiológica no Brasil

Febre Amarela Situação epidemiológica no Brasil Clínica e Diagnóstico da Febre Amarela Treinamento para Profissionais da Assistência Febre Amarela Situação epidemiológica no Brasil Porto Alegre, 12/02/2009 Zouraide Guerra Antunes Costa zouraide.guerra@saude.gov.br

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Equipe BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== 01- Uma mulher consulta o médico para

Leia mais

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projeto Cursos Profissionalizantes Para atender à demanda de profissionais das indústrias de Nova Alvorada do Sul e região, a Comissão Temática de Educação elaborou o

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA Corpúsculo basal Membrana ondulante Citoplasma núcleo flagelo Reprodução assexuada em flagelados Parasita Leishmania brasiliensis Transmissor homem Phlebotomus

Leia mais

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Classificação dos Cargos Tecnologista Requisito: Graduação ou Graduação com Especialização, Residência

Leia mais

MALÁRIA MAIORES PROBLEMAS

MALÁRIA MAIORES PROBLEMAS MALÁRIA De todas as doenças transmissíveis pelo mosquito, a MALÁRIA é um dos MAIORES PROBLEMAS nos países de clima tropical, afetando gravemente a saúde da população e o desenvolvimento econômico dos países

Leia mais

ANEXO VI 3583 REAPARELHAMENTO, ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DOS POSTOS ADUANEIROS 2247 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR- SISCOMEX

ANEXO VI 3583 REAPARELHAMENTO, ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DOS POSTOS ADUANEIROS 2247 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR- SISCOMEX PROGRAMA: 0910 ADEQUAÇÃO DE RODOVIAS FEDERAIS 5850 ADEQUAÇÃO DE RODOVIAS FEDERAIS 5851 ADEQUAÇÃO DE TRECHOS RODOVIÁRIOS NA REGIÃO SUDESTE 5868 ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE CAPACIDADE DE RODOVIAS PROGRAMA:

Leia mais

Foto 01. Foto 02. Foto 03. Apresentação da Empresa. Dezembro de 2014. Foto 05

Foto 01. Foto 02. Foto 03. Apresentação da Empresa. Dezembro de 2014. Foto 05 U compromisso Um i com o desenvolvimento sustentável, em harmonia com o ambiente natural. nat ral Foto 01 Foto 02 Foto 03 F 04 Foto Apresentação da Empresa Dezembro de 2014 Foto 05 HISTÓRICO A ECSA Engenharia

Leia mais

CONHEÇA A MALÁRIA. Permitida a reprodução desde que citada a fonte

CONHEÇA A MALÁRIA. Permitida a reprodução desde que citada a fonte CONHEÇA A MALÁRIA Permitida a reprodução desde que citada a fonte Formas de Transmissão A malária humana é uma doença parasitária que pode ter evolução rápida e ser grave. Ela pode ser provocada por quatro

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota Biologia Qualidade de vida Imunidade Imunologia é o ramo que estuda as formas de combate a agentes invasores patogênicos, bem como substâncias

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE.

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. AUTORES:Madureira, M.L 1.; Oliveira, B.C.E.P.D 1.; Oliveira Filho, A. M. 2 ; Liberto, M.I.M. 1 & Cabral, M. C. 1. INSTITUIÇÃO( 1 - Instituto

Leia mais

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE O que é a Dengue? A dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus chamado flavivirus,

Leia mais

Programa de Controle da Dengue/SC

Programa de Controle da Dengue/SC Programa de Controle da Dengue/SC Estratégia operacional de prevenção e controle da dengue para municípios não infestados por Aedes aegypti, infestados por Aedes aegypti sem circulação viral e infestados

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.29 - Programa de Controle e Prevenção de Doenças Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA Elcio José de Oliveira

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL Programa de Controle e Prevenção de Doenças CONTROLE DE REVISÃO CÓDIGO REVISÃO DATA P00.SM-034/14 00 30/01/2014 P00.SM-034/14 01 30/04/2014 P00.SM-034/14 02 08/10/2014

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENAÇÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL

SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENAÇÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENAÇÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL NOTA TECNICA Nº 01/2011 SUVIGE-SUVAM/CPS/SESAP/RN

Leia mais

19/4/2010 NOTIFICAÇÃO

19/4/2010 NOTIFICAÇÃO Agravos Epidemiológicos Parte - 03 PROFa. MSc. MARISE RAMOS NOTIFICAÇÃO A ocorrência de casos suspeitos de varicela não requer notificação e investigação por não se tratar de doença de notificação compulsória.

Leia mais

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal O que é Transmissão Vertical HIV e Sífilis? A transmissão vertical do

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA CANA BRAVA

USINA HIDRELÉTRICA CANA BRAVA USINA HIDRELÉTRICA CANA BRAVA PROGRAMA DE MONITORAMENTO DAS ESPÉCIES VETORAS DE ZOONOSES NAS ÁREAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE MINAÇU-GO XX RELATÓRIO TÉCNICO PARCIAL SETEMBRO DE 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva.

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Parasitologia PET A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Maria

Leia mais

Situação Epidemiológica da Febre Amarela no Brasil

Situação Epidemiológica da Febre Amarela no Brasil Situação Epidemiológica da Febre Amarela no Brasil Zouraide Guerra Antunes Costa CENEPI GT-FEBRE AMARELA Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Febre Amarela no Brasil - resgatando a história...

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue Material Complementar Tema: Discutindo a Dengue Setor de Educação de Jovens e Adultos Objetivos: o Compreender o ciclo evolutivo da Dengue. o Reconhecer diferentes formas de desenvolvimento dos organismos.

Leia mais

Vigilância Entomológica da Febre Amarela - Goiás

Vigilância Entomológica da Febre Amarela - Goiás Laboratório de Saúde Pública Dr. Giovanni Cysneiros Vigilância Entomológica da Febre Amarela - Goiás Marcelo Santalucia Seção de Entomologia LACEN/SES/GO Missão: Promover a saúde coletiva e o bem estar

Leia mais

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA 20 a 24 de outubro de 2008 ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA Ana Carla Zarpelon 1 ; Rejane Cristina Ribas 1 ; Fernando Henrique das Mercês Ribeiro

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162 PROGRAMA Nº - 162 Monitoramento e Fiscalização Ambiental SUB-FUNÇÃO: 542 CONTROLE AMBIENTAL Promover o monitoramento da poluição do ar, hídrica e sonora indispensável ao desenvolvimento de de controle

Leia mais

DENGUE O CONTROLE DA ENFERMIDADE PELO CONTROLE SOCIAL, PARA O CONTROLE DOS VETORES

DENGUE O CONTROLE DA ENFERMIDADE PELO CONTROLE SOCIAL, PARA O CONTROLE DOS VETORES Publicación CONTROL DE PLAGAS Director General de la publicación Control de Plagas Lic. Héctor Daniel Coto E-mail: hcoto@mundosano.org Ano 1 Número 2.Marzo de 1999 DENGUE O CONTROLE DA ENFERMIDADE PELO

Leia mais

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica A ABCVP (Associação Brasileira de Controle de Vetores e Pragas) é uma entidade que congrega como associados representantes de empresas privadas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 06/2009 BIÓLOGO

PROCESSO SELETIVO Nº 06/2009 BIÓLOGO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 06/2009 BIÓLOGO PROVA DE CONHECIMENTOS INSTRUÇÕES GERAIS 1 - A prova contém

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Thatiane Rodrigues Mota 1 Dyoni Matias de Oliveira 2 ; Paulo Inada 3 Desenvolvimento

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika

Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika - O que é o vírus Zika? O vírus Zika é um arbovírus (grande família de vírus), transmitido pela picada do mesmo vetor da dengue e da chikungunya,

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 02 2014

NOTA TÉCNICA 02 2014 NOTA TÉCNICA 02 2014 DEFINIÇÃO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE VOLTADOS PARA VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DE ZOONOSES E DE ACIDENTES CAUSADOS POR ANIMAIS PEÇONHENTOS E VENENOSOS, DE RELEVÂNCIA PARA A

Leia mais

Veja perguntas e respostas sobre febre amarela

Veja perguntas e respostas sobre febre amarela Veja perguntas e respostas sobre febre amarela Professor Francisco de Assis Batista da Silva Considerando-se a relevância do tema e por ainda existirem muitas dúvidas, fiz uma coletânea com as principais

Leia mais