Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal"

Transcrição

1 Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal O que é Transmissão Vertical HIV e Sífilis? A transmissão vertical do HIV acontece pela passagem do vírus da mãe para o bebê durante a gestação, o parto ou a amamentação. Sem qualquer ação profilática, o risco de que isso aconteça é em torno de 30%. Do total de transmissões até o nascimento, cerca de 35% ocorre durante a gestação e 65% no parto. Caso a transmissão não ocorra na gestação ou no parto, ela poderá ocorrer ainda na amamentação, com um risco de 7 a 22% por mamada. A sífilis também pode ser transmitida da mãe para o filho durante a gestação. Como resultado dessa passagem do Treponema pallidum da mãe infectada para o seu bebê, temos a sífilis congênita, que apresenta elevada mortalidade, que pode chegar a 40%. Em mulheres não tratadas a transmissão é de 70 a 100% nas fases primária e secundária da doença. Como todos os insumos para as intervenções de prevenção da transmissão vertical já estão disponíveis no Sistema Único de Saúde a realização adequada das ações poderão resultar na eliminação tanto da transmissão vertical do HIV como da sífilis. Metas de Eliminação da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis O Brasil tem como meta a eliminação da transmissão vertical do HIV (menos de 1% de transmissão) e sífilis (menos de 0,5 casos/1000 nascidos vivos) até Esta não é apenas uma meta brasileira, mas mundial, claramente

2 expressa no GLOBAL PLAN TOWARDS THE ELIMINATION OF NEW HIV INFECTIONS AMONG CHILDREN BY 2015 AND KEEPING THEIR MOTHERS ALIVE, lançado em 2011 pela UNAIDS e na INICIATIVA REGIONAL PARA A ELIMINAÇÃO DA TRANSMISSÃO MATERNO-INFANTIL DE HIV E SÍFILIS NA AMÉRICA LATINA E CARIBE, da Organização Panamericana de Saúde (OPAS). Como está a situação no Brasil? Apesar de várias iniciativas terem sido implementadas com vistas à redução da transmissão vertical do HIV e sífilis no Brasil ao longo dos anos, como o Projeto Nascer-Maternidades, e de todos os insumos necessários para redução da transmissão vertical do HIV e da sífilis estarem disponíveis no Sistema Único de Saúde, ainda há muito a ser feito para atingirmos a meta de eliminação até São estimadas cerca de 50 mil gestantes com sífilis por ano no Brasil. Caso elas não sejam tratadas adequadamente durante a gestação, bem como seus parceiros, espera-se cerca de 12 mil casos de sífilis congênita por ano. A taxa atual de detecção de sífilis congênita em menores de 1 ano no Brasil é de cerca de 2,3 casos/1000 nascidos vivos. No Brasil, estima-se cerca de 12 mil gestantes infectadas pelo HIV por ano. A incidência de aids em menores de 5 anos de idade vem diminuindo no cenário nacional, mas ao analisarmos os dados das regiões norte e nordeste, verificamos um aumento dessa incidência nos últimos anos.

3 Como prevenir a transmissão vertical do HIV e sífilis no Brasil? Para que o Brasil consiga eliminar a transmissão vertical do HIV e da sífilis até 2015, é importante que os gestores concentrem esforços em dois pontos fundamentais: ampliação da cobertura de diagnóstico de HIV e sífilis durante o pré-natal e melhoria da qualidade das ações de prevenção da transmissão vertical em todos os pontos de atenção responsáveis pelo cuidado às gestantes diagnosticadas durante o pré-natal. 1) Ampliação da cobertura de diagnóstico de HIV e sífilis durante o prénatal Apesar dos testes estarem disponíveis no país para o diagnóstico do HIV e da sífilis, a cobertura de testagem para gestantes durante o pré-natal é ainda baixa, fazendo com que muitas mulheres cheguem ao parto sem saber sua condição sorológica. Segundo o estudo Sentinela Parturiente 2006, cerca de 40% das parturientes não fizeram nenhum teste de HIV durante o pré-natal. Na região Norte esse percentual chegou a 55%. O mesmo estudo apontou que cerca de 42% das parturientes não fizeram nenhum teste de sífilis durante o pré-natal, e apenas cerca de 17% fizeram os dois testes, no primeiro e terceiro trimestres de gestação, conforme é recomendado A Rede Cegonha (Portaria Nº 1.459/GM/MS, de 24 de junho de 2011), tem como um de seus objetivos ampliar a cobertura de testagem para HIV e sífilis de gestantes e parcerias sexuais na Atenção Básica, durante o pré-natal, inclusive por meio da utilização de testes rápidos (Portaria nº 77/GM/MS, de 12 de janeiro de 2012), que foram desenvolvidos para dar um resultado em até 30 min, evitando a oportunidade perdida de diagnóstico. Portanto, o objetivo de ampliação da cobertura de diagnóstico de HIV e sífilis durante o pré-natal só poderá ser alcançado mediante uma mobilização dos gestores visando a efetiva testagem de gestantes e parcerias já na primeira consulta do pré-natal.

4 2) Melhoria da qualidade das ações de prevenção da transmissão vertical do HIV e sífilis em todos os pontos de atenção responsáveis pelo cuidado às gestantes diagnosticadas durante o pré-natal. Ao longo dos anos, várias estratégias de redução da transmissão vertical focadas em determinados tipos de serviços foram implementadas. O Projeto Nascer, por exemplo, se concentrou em intensificar as ações de redução da transmissão vertical do HIV em maternidades. Entretanto, as ações de profilaxia da transmissão vertical deverão ser iniciadas muito antes do parto, logo no início do pré-natal, e se estendem até o período posterior ao parto, o puerpério, e acompanhamento das crianças expostas. Por isso, todos os serviços, ou pontos de atenção, envolvidos no cuidado a gestante/parturiente/puérpera deverão ser capazes de realizarem as medidas necessárias, de maneira oportuna, para a redução da transmissão vertical do HIV e da sífilis. O conjunto dos pontos de atenção compõem as linhas de cuidado para a redução da transmissão vertical do HIV e da sífilis, como esquematizado abaixo:

5 Linhas de Cuidado Prevenção da transmissão vertical do HIV Atenção Básica Atenção secundária (Serviços de Atenção Especializada ou outras estruturas ambulatoriais) Maternidades Prevenção da transmissão vertical da sífilis Atenção Básica Maternidades

6 Qual é o papel de cada ponto de atenção na redução da transmissão vertical do HIV e sífilis? Atenção Básica No pré-natal: Testagem para o HIV no primeiro e terceiro trimestres de gestação mediante aconselhamento, por meio de solicitação de sorologia ou realização de teste rápido diagnóstico. Neste caso, o resultado deve ser entregue em até uma hora após a coleta; Testagem para sífilis na primeira consulta de pré-natal e no terceiro trimestre de gestação, por meio de realização de e VDRL ou RPR ou de teste rápido triagem. Neste caso, o resultado deve ser entregue em até uma hora após a coleta; Realização de abordagem dos parceiros sexuais das gestantes em seguimento, incluindo testagem para HIV e sífilis; Estabelecimento de referência para SAE/pré-natal de alto risco para seguimento das gestantes infectadas pelo HIV; Realizar o tratamento adequado para sífilis durante o pré-natal para a gestante e parceiro(s) sexual (ais) com penicilina G benzatina, no número de doses necessário para cada caso; Realização de VDRL mensal após o tratamento das gestantes com sífilis até o parto (controle de cura); Realização de VDRL/ RPR para seguimento dos parceiros (controle de cura); Preenchimento adequado do cartão das gestantes e SISPRENATAL contendo informações relativas a todos os itens acima; Notificação de todas as gestantes com diagnóstico de sífilis e do HIV; Notificação de todas as crianças com sífilis congênita e expostas ao HIV.

7 Após o parto: Seguimento da criança com sífilis congênita; Realização consulta de puerpério; Seguimento das crianças expostas ao HIV na puericultura, acompanhando condutas do serviço de referência e da maternidade; SAE/ Pré-natal de alto risco No pré-natal: Realizarem seguimento pré-natal, incluindo medidas específicas a atenção a gestante infectada pelo HIV: Manejo antirretroviral para fins de profilaxia da TV ou tratamento da infecção pelo HIV; Dispensação de ARV; Seguimento laboratorial; Esquema vacinal (adultas e adolescentes); Abordagem dos parceiros sexuais; Aconselhamento sobre a não-amamentação após o parto, incluindo orientações sobre inibição da lactação e administração de fórmula infantil à criança exposta; Orientações sobre a definição de via de parto; Manejo de coinfecções; Estabelecer a referência tanto para Maternidade quanto para Atenção Básica. Após o parto: Acompanhamento da puérpera e parceiros; Acompanhamento da criança exposta:

8 - Monitoramento da administração do AZT xarope; - Distribuição de fórmula infantil; - Profilaxia para o P. jiruveci com cotrimoxazol - Investigação diagnóstica (carga viral); - Vacinações; Seguimento da criança infectada pelo HIV, incluindo manejo ARV. Maternidade Realizar teste rápido diagnóstico para o HIV, quando indicado, com entrega do resultado em até 1 hora após a coleta; Realizar VDRL na admissão do parto, independente de exames anteriores; Utilização de AZT intravenoso no parto para parturiente infectada pelo HIV; Realização do manejo obstétrico adequado durante o trabalho de parto e parto, considerando as especificidades da parturiente infectada pelo HIV; Utilização da cabergolina para inibição de lactação em parturiente infectada pelo HIV; Administração de AZT xarope nas primeiras horas de vida ao recémnascido exposto ao HIV; Dispensação da fórmula infantil para recém-nascido exposto ao HIV ; Disponibilização e utilização de penicilina G benzatina para tratamento de sífilis materna; Manejo adequado do recém-nascido com sífilis congênita, com tratamento, seguimento clínico e laboratorial completo; Notificação de todas as crianças com diagnóstico de sífilis congênita e de crianças expostas ao HIV; Notificação de todas as parturientes com diagnóstico de sífilis e do HIV no momento do parto; Estabelecer sistema de referência para seguimento da puérpera, do recém-nascido exposto ao HIV e do recém-nascido com sífilis congênita.

9 As linhas de cuidado da transmissão vertical do HIV e da sífilis deverão fazer parte do processo de definição das Redes de Atenção à Saúde RAS (Portaria n 4.279/GM/MS, de 30 de dezembro de 2010) nos estados e municípios. Documentos de apoio, tais como portarias, notas técnicas e manuais de recomendações estão disponíveis no site

Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012

Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012 Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis 18 de junho de 2012 LINHA DE CUIDADO TV DO HIV Unidade Básica de Saúde (diagnóstico e encaminhamento) Serviço de Atenção Especializada (Pré-natal,

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

Alexandre O. Chieppe

Alexandre O. Chieppe Transmissão Vertical da Sífilis S e do HIV Alexandre O. Chieppe Coordenação Estadual de DST/AIDS-CVE Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro Câmara Técnica de AIDS do CREMERJ Do Início da Epidemia

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais

E-mail de contato do Responsável pela distribuição e monitoramento de implantação dos Testes

E-mail de contato do Responsável pela distribuição e monitoramento de implantação dos Testes IMPLANTAÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NA ATENÇÃO BÁSICA Os Testes Rápidos de HIV e Sífilis são estratégias importantes para a melhoria da qualidade da atenção à gestante durante o pré-natal, por

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e O Descompasso no Controle da Sífilis Congênita Porquê é um Desafio para a Saúde Pública? Agente etiológico conhecido História natural

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica Rede Cegonha SUMÁRIO Apresentação... 05 1. Introdução... 07 2. Implantação dos Testes Rápidos de HIV e sífilis e Aconselhamento

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer 1 CRÉDITOS Elaboração do relatório Elizabeth Moreira dos Santos (ENSP/FIOCRUZ)

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Plano Operacional. para Redução da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis. Brasil

Plano Operacional. para Redução da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis. Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Secretaria de Assistência à Saúde Plano Operacional para Redução da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Brasil 2007 2007 Ministério da Saúde É

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE DST/AIDS DE SÃO PAULO MAIO 2014 SITUAÇÃO E METAS GLOBAIS - UNAIDS ELIMINAR INFECÇÕES PELO HIV EM CRIANÇAS E REDUZIR MORTE MATERNA

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

Transmissão vertical do HIV DEMI / EEAN / UFRJ 2011

Transmissão vertical do HIV DEMI / EEAN / UFRJ 2011 Transmissão vertical do HIV Profª Drª Carla Luzia França a Araújo DEMI / EEAN / UFRJ 2011 TRANSMISSÃO VERTICAL : Situação atual e perspectivas no país Prevalência de infecção pelo HIV em parturientes,

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

Cenários desiguais. HIV/Aids

Cenários desiguais. HIV/Aids HIV/Aids 53 Cenários desiguais O País avança na redução do número de crianças que nascem com HIV, mas a atenção às que perdem os pais em decorrência da epidemia ainda está em estágio inicial A Aids afeta

Leia mais

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município Realização Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) Marie-Pierre Poirier Representante do UNICEF no Brasil Escritório da

Leia mais

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município O QUE É SÍFILIS? A sífilis é uma doença sexualmente transmissível (DST), causada por um agente infeccioso chamado Treponema pallidum. Essa doença pode ser transmitida por qualquer forma de contato sexual

Leia mais

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município. (Guia do gestor)

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município. (Guia do gestor) Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município (Guia do gestor) Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município (Guia do Gestor) Realização Fundo das

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONSENSO

DECLARAÇÃO DE CONSENSO Consulta Técnica sobre HIV e Alimentação Infantil realizada em nome da IATT Equipe de Trabalho Inter Agencias sobre a Prevenção de infecções pelo HIV em mulheres grávidas, mães e seus bebes Genebra, 25

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 1 2013. Secretária de Saúde do Estado de Alagoas É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês 09 dezembro de 2010 Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês Mais da metade das novas infecções pelo HIV/aids que ocorrem no Brasil atinge adolescentes e jovens com idade entre 15 e 24

Leia mais

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde I. Apresentação II. Contexto epidemiológico III.

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Gerusa Maria Figueiredo gerusa.figueiredo@saude.gov.br I CONGRESSO BRASILEIRO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica

5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica 5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica Guia para gestores MINISTÉRIO DA SAÚDE Introdução As diretrizes aqui apresentadas apontam para uma reorganização do modelo

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis

Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids Protocolo para a prevenção de transmissão vertical

Leia mais

Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL DE BOLSO

Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL DE BOLSO Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL DE BOLSO Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids Protocolo para a prevenção de

Leia mais

Prevenção da transmissão do HIV. Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids

Prevenção da transmissão do HIV. Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids Prevenção da transmissão do HIV Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids Transmissão sexual Fundamentos A avaliação de risco para Infecção pelo HIV deve ser um componente essencial das ações de atendimento

Leia mais

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/AIDS E ATENÇÃO BÁSICA O Sistema Único de Saúde ( SUS ) preconiza a descentralização,hierarquização e territorialização

Leia mais

Manual normativo para profissionais de saúde de maternidades - referência para mulheres que não podem amamentar

Manual normativo para profissionais de saúde de maternidades - referência para mulheres que não podem amamentar Ministério Da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Secretaria de Atenção à saúdebrasília, maio de 2004 Manual normativo para profissionais de saúde de maternidades - referência para mulheres que não

Leia mais

Atenção ao Filho de Mãe com HIV

Atenção ao Filho de Mãe com HIV Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com HIV Andrea Maciel de Oliveira Rossoni Serviço de Bibliografia Agenda Visão do pediatra e do médico generalista Cuidados básicos na sala de parto Medicações

Leia mais

transmissão vertical de HIV e sífilis

transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL DE BOLSO Coleção DST. aids - Série Manuais 80 2007 transmissão vertical de HIV e sífilis Protocolo para a prevenção de Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL

Leia mais

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro 1 - Qual será o cronograma do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais para as próximas videoconferências sobre

Leia mais

Autor(es) MICHELLE MARTINS DE MELO. Co-Autor(es) MÁRCIA FUZA. Orientador(es) ÂNGELA MÁRCIA FOSSA / TEREZA HORIBE. 1. Introdução

Autor(es) MICHELLE MARTINS DE MELO. Co-Autor(es) MÁRCIA FUZA. Orientador(es) ÂNGELA MÁRCIA FOSSA / TEREZA HORIBE. 1. Introdução 7º Simpósio de Ensino de Graduação IMPLEMENTAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À GESTANTES EM UM SERVIÇO ESPECIALIZADO EM DSTS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Autor(es) MICHELLE MARTINS DE MELO

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais Transmissão Relação sexual Transfusão de sangue Transmissão vertical Acidente de trabalho Retrato da epidemia de aids Nacionalmente estável e concentrada em populações-chave Casos acumulados de aids (até

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

TRANSMISSÃO MATERNO INFANTIL DO HIV TESTE RÁPIDO ALIMENTAÇÃO ADEQUADA À CRIANÇA EXPOSTA AO HIV POR TV. XI ENAM e I ENACS - JUNHO 2010 SANTOS,SP

TRANSMISSÃO MATERNO INFANTIL DO HIV TESTE RÁPIDO ALIMENTAÇÃO ADEQUADA À CRIANÇA EXPOSTA AO HIV POR TV. XI ENAM e I ENACS - JUNHO 2010 SANTOS,SP TRANSMISSÃO MATERNO INFANTIL DO HIV TESTE RÁPIDO ALIMENTAÇÃO ADEQUADA À CRIANÇA EXPOSTA AO HIV POR TV XI ENAM e I ENACS - JUNHO 2010 SANTOS,SP Resumo da situação global da AIDS, 2008 Número de pessoas

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP 2012 6º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS A inclusão do combate ao HIV/Aids nas Metas do Milênio, foi

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Enfermagem Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Enfermagem Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Enfermagem Trabalho de Conclusão de Curso ESTUDO SOBRE A INCIDÊNCIA DA TESTAGEM RÁPIDA PARA O HIV REALIZADA DURANTE A ADMISSÃO DE PARTURIENTES EM TRABALHO DE PARTO NO

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins Cerca de 65% dos casos de transmissão vertical do HIV ocorrem durante o trabalho

Leia mais

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000.

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e, Considerando a Portaria GM/MS nº 569/GM, de 1º de junho de 2000, que estabelece o Programa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

Testes Rápidos de HIV e Sífilis

Testes Rápidos de HIV e Sífilis Testes Rápidos de HIV e Sífilis Videoconferência Nº 04 Ministério da Saúde Outubro de 2012 PRÉ-NATAL A partir da adesão dos municípios, recursos para: TODAS AS GESTANTES Ultrassonografia 100% das gestantes

Leia mais

Eliminação da Transmissão Vertical do HIV Compromisso de todos nós

Eliminação da Transmissão Vertical do HIV Compromisso de todos nós GUIA DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS E PROGRAMÁTICAS PARA ELIMINAÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV Eliminação da Transmissão Vertical do HIV Compromisso de todos nós Centro de Referência e Treinamento DST/Aids-SP

Leia mais

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO.

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS CARNAVAL 2011 AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE

Leia mais

Informes dos Membros da CNAIDS

Informes dos Membros da CNAIDS Informes dos Membros da CNAIDS 119ª Reunião da Comissão Nacional de DST, AIDS e Hepatites Virais Local: Brasília-DF Data: 26 de agosto de 2014 Capacitações Regionais do Projeto Advocacy em Saúde (PAS)

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS 1 Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais