Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012"

Transcrição

1 Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis 18 de junho de 2012

2 LINHA DE CUIDADO TV DO HIV Unidade Básica de Saúde (diagnóstico e encaminhamento) Serviço de Atenção Especializada (Pré-natal, prescrição de ARV) Maternidade (diagnóstico, profilaxia e encaminhamento)

3 Linha de Cuidado TV da sífilis Unidade Básica de Saúde (diagnóstico, tratamento e encaminhamento) Maternidade (diagnóstico, tratamento e encaminhamento)

4 Linhas de Cuidado da TV do HIV e Sífilis a) Unidades Básicas de Saúde: ATRIBUIÇÕES - Pré-natal: Implantar teste rápido (TR) diagnóstico para o HIV na gestante e parcerias das gestantes com resultados reagente; Implantar teste rápido, sorologia e tratamento adequado para sífilis durante o pré-natal para a gestante e parceiro(s) sexual(ais); Implementar, todas as medidas de prevenção da TV do HIV e da sífilis listadas abaixo: Testagem para o HIV na primeira consulta e terceiro trimestres de gestação mediante aconselhamento, por meio de solicitação de sorologia ou realização de TR diagnóstico, visando entrega de resultado para a gestante em até 14 dias, no caso de sorologia; Testagem para sífilis na primeira consulta e terceiro trimestres de gestação, visando entrega de resultado para a gestante em até 14 dias, no caso de sorologia; Realização de abordagem dos parceiros das gestantes em seguimento, incluindo testagem para HIV e sífilis;

5 Linhas de Cuidado da TV do HIV ATRIBUIÇÕES e Sífilis a) Unidades Básicas de Saúde: Estabelecimento de referência para SAE/pré-natal de alto risco para seguimento das gestantes infectadas pelo HIV; Administração de penicilina G benzatina para tratamento de sífilis em gestantes e em seus parceiros, conforme portaria nº 3161 de 27 de dezembro de Realização de VDRL mensal após o tratamento das gestantes com sífilis até o parto (controle de cura); Realização de VDRL/ RPR para seguimento dos parceiros; Preenchimento adequado do cartão das gestantes contendo informações relativas a todos os itens acima; Notificação dos casos positivos - Após o parto: Seguimento da criança com sífilis congênita; Orientação sobre a não-amamentação após o parto, incluindo orientações sobre inibição da lactação e administração de fórmula infantil à criança exposta; Realização consulta de puerpério; Seguimento de crianças expostas na puericultura, acompanhando condutas do serviço de referência e da maternidade. Notificação de todas as gestantes com diagnóstico de sífilis e do HIV. Notificação de todas as crianças com sífilis congênita e expostas ao HIV

6 Linhas de Cuidado da TV do HIV e Sífilis ATRIBUIÇÕES b) SAE/Pré-natal de alto risco: - Pré-natal: Realizarem seguimento pré-natal, incluindo medidas específicas a atenção a gestante infectada pelo HIV: Manejo antirretroviral (ARV) para fins de profilaxia da TV ou tratamento da infecção pelo HIV; Dispensação de ARV; Seguimento laboratorial; Esquema vacinal (adultas e adolescentes); Abordagem dos parceiros sexuais; Aconselhamento sobre a não-amamentação após o parto, incluindo orientações sobre inibição da lactação e administração de fórmula infantil à criança exposta; Orientações sobre a definição de via de parto; Manejo de co-infecções; Acompanhamento da puérpera e parceiros;

7 Linhas de Cuidado da TV do HIV e Sífilis Atribuições b) SAE/Pré-natal de alto risco: - Após o parto: Acompanhamento da criança exposta: Monitoramento da administração do AZT xarope; Distribuição de fórmula infantil; Profilaxia para o P. jiruveci; Investigação diagnóstica (carga viral); Vacinações; Seguimento da criança infectada pelo HIV, incluindo manejo ARV.

8 Linhas de Cuidado da TV do HIV e Sífilis Atribuições c) Maternidades: Realizar teste rápido (TR) diagnóstico para o HIV, quando indicado; Realizar VDRL na admissão do parto, independente de exames anteriores; Implantar ou implementar todas as medidas de prevenção da TV do HIV e da sífilis listadas abaixo: Utilização de AZT intravenoso no parto; Realização de manejo obstétrico adequado durante o trabalho de parto e parto, considerando as especificidades da parturiente infectada pelo HIV; Utilização de cabergolina para inibição de lactação; Administração de AZT xarope nas primeiras horas de vida do recémnascido exposto; Dispensação da fórmula infantil;

9 Linhas de Cuidado da TV do HIV e Sífilis Atribuições c) Maternidades: Disponibilização e utilização de penicilina G benzatina para tratamento de sífilis materna; Manejo adequado do RN com sífilis congênita, seguimento clínico e laboratorial (exames complementares, opção terapêutica, tempo da internação (10 dias); Notificação de todas as crianças com diagnóstico de sífilis congênita e de crianças expostas ao HIV. Estabelecer sistema de referência tanto para seguimento da puérpera, quanto do recém-nascido exposto;

10 Encaminhamentos pós testagem rápida dos casos positivos para HIV Linhas de Cuidado da TV do HIV e Sífilis Toda gestantes positivas para HIV e suas parcerias sexuais positivas deverão ser encaminhadas aos serviços de referência - SAE (http://www.aids.gov.br/pagina/servicos-de-saude Toda parceria sexual de gestante com TRD HIV reagente, deverá coletar amostra venosa para realizar pesquisa LABORATORIAL do HIV, conforme Portaria 151, de 14 de outubro 2009 Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia antirretroviral em gestante, Ministério da Saúde/2010

11 Gestantes: assistência, tratamento e seguimento de cura continuam na atençao básica. 1.Gestantes, com teste rápido atual positivo para sífilis, tratar nas situações*: Ausência de histórico de sífilis, cujo diagnóstico tenha sido excluídolaboratorialmente por registro de prontuário ou cartão de gestante e/ou, Inexistência de comprovação de tratamento adequadopara sífilis no passado, por registro em prontuário ou no cartão da gestante. Importante: *Além do tratamento imediato deve-se coletar amostra e submetê-la ao fluxograma laboratorial e também realizar o controle de cura, além de adequar o esquema de tratamento à forma clínica. *A regra geral quando o resultado do teste rápido treponêmico for reagente é de coletar uma amostra venosa para realizar pesquisa LABORATORIAL de sífilis. Somente em situações especiais realiza-se o tratamento imediato. Manual TR sífilis para atençao básica/ Departamento DST, Aids e HV, Ministério da Saúde/ 2011

12 Situações de tratamento imediato parceria sexual Tratamento da parceria das gestantes com TR positivo: Toda parceria da gestante positiva sempre deve ser testada antes de ser tratado. Seoteste daparceriafornegativo:tratarcom uidepenicilina. Se o teste da parceria for positivo: tratar conforme fase clínica da infecção*. Importante:*Além do tratamento imediato deve-se coletar amostra e submetê-la ao fluxograma laboratorial e também realizar o controle de cura, adequando o esquema de tratamento à forma clínica. ProtocoloparaaprevençãodetransmissãoverticaldeHIVesífilis-MANUALDE BOLSO MINISTÉRIO DA SAÚDE, Secretaria de Vigilância em Saúde - Programa Nacional de DST e Aids - Brasília- DF

13 Tratamento A penicilina é a droga de escolha para todas as apresentações da sífilis. Não há relatos consistentes na literatura de casos de resistência treponêmica à droga. A análise clínica do caso indicará o melhor esquema terapêutico. Resumo dos esquemas terapêuticos para sífilis em gestantes e controle de cura * 1 série de penicilina benzatina = 1 ampola de UI aplicada em cada glúteo

14 Materiais de apoio Insumo Procedim ento Função Aquisição Tipo de Financi amento Valor Instument o de registro Regulament ação Elisa - Teste de detecção anti-hiv 1 e Exame de triagem - é o primeiro teste a ser realizado no diagnóstico sorológico da infecção pelo HIV. Compra descentralizada (estados e/ou municípios de gestão plena) Média e Alta complex idade (MAC) R$ 10,00 BPA (consolida do) AIH (Proc. Secundári o) APAC (Proc. Secundári o) Portaria Nº151 de 14/10/09 Pesquis a de HIV-1 por Imunofl uorescê ncia Teste confirmatório do resultado reagente advindo do Elisa. Tem alta especificidade e sensibilidade. Compra cemtralizada pelo Ministério da Saúde. Média e Alta complex idade (MAC) R$ 10,00 BPA (consolida do) Portaria Nº 151 de 14/10/09 Western Blot Pesquisa de anticorp os anti- HIV Teste confirmatório do resultado reagente advindo do Elisa. Tem alta especificidade e sensibilidade. Compra descentralizada (estados e/ou municípios de gestão plena) Média e Alta complex idade (MAC) R$ 85,00 BPA (consolida do) AIH (Proc. Secundári o) Portaria Nº 151 de 14/10/09 Teste Rápido anit-hiv Teste diagnóstico que permite o resultado na hora. Ideal para as parturientes (maternidade) que não possuem o resultado o teste Anti-HIV do 3º trimestre de gestação. Compra Centralizada pelo Ministério da Saúde, porém o procedimento (execução) deve ser faturado na AIH Média e Alta complex idade (MAC) R$ 1,00 BPA (consolida do) AIH (Proc. Especial) Portaria Nº 151 de 14/10/09 e Portaria 425 de 23/07/07

15 Materiais de apoio

16 Materiais de apoio

17 Materiais de apoio

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal O que é Transmissão Vertical HIV e Sífilis? A transmissão vertical do

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais

Alexandre O. Chieppe

Alexandre O. Chieppe Transmissão Vertical da Sífilis S e do HIV Alexandre O. Chieppe Coordenação Estadual de DST/AIDS-CVE Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro Câmara Técnica de AIDS do CREMERJ Do Início da Epidemia

Leia mais

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e O Descompasso no Controle da Sífilis Congênita Porquê é um Desafio para a Saúde Pública? Agente etiológico conhecido História natural

Leia mais

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica Rede Cegonha SUMÁRIO Apresentação... 05 1. Introdução... 07 2. Implantação dos Testes Rápidos de HIV e sífilis e Aconselhamento

Leia mais

E-mail de contato do Responsável pela distribuição e monitoramento de implantação dos Testes

E-mail de contato do Responsável pela distribuição e monitoramento de implantação dos Testes IMPLANTAÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NA ATENÇÃO BÁSICA Os Testes Rápidos de HIV e Sífilis são estratégias importantes para a melhoria da qualidade da atenção à gestante durante o pré-natal, por

Leia mais

Transmissão vertical do HIV DEMI / EEAN / UFRJ 2011

Transmissão vertical do HIV DEMI / EEAN / UFRJ 2011 Transmissão vertical do HIV Profª Drª Carla Luzia França a Araújo DEMI / EEAN / UFRJ 2011 TRANSMISSÃO VERTICAL : Situação atual e perspectivas no país Prevalência de infecção pelo HIV em parturientes,

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais.

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais. ATUALIZAÇÃO E NORMATIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DO HIV PORT 151/OUT 2009 Lúcia Sena Farmacêutica-Bioquímica do Programa de DST/AIDS do município de Duque de Caxias HISTÓRICO Diagnóstico Laboratorial

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer 1 CRÉDITOS Elaboração do relatório Elizabeth Moreira dos Santos (ENSP/FIOCRUZ)

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014

NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014 GOVENO DE SANTA CATAINA Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014 Assunto:

Leia mais

Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL DE BOLSO

Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL DE BOLSO Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL DE BOLSO Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids Protocolo para a prevenção de

Leia mais

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Unidade de Assistência, Unidade de Laboratório e Rede de Direitos Humanos

Leia mais

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município O QUE É SÍFILIS? A sífilis é uma doença sexualmente transmissível (DST), causada por um agente infeccioso chamado Treponema pallidum. Essa doença pode ser transmitida por qualquer forma de contato sexual

Leia mais

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município Realização Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) Marie-Pierre Poirier Representante do UNICEF no Brasil Escritório da

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis

Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids Protocolo para a prevenção de transmissão vertical

Leia mais

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município. (Guia do gestor)

Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município. (Guia do gestor) Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município (Guia do gestor) Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da sífilis no seu município (Guia do Gestor) Realização Fundo das

Leia mais

transmissão vertical de HIV e sífilis

transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL DE BOLSO Coleção DST. aids - Série Manuais 80 2007 transmissão vertical de HIV e sífilis Protocolo para a prevenção de Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis MANUAL

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro 1 - Qual será o cronograma do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais para as próximas videoconferências sobre

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins Cerca de 65% dos casos de transmissão vertical do HIV ocorrem durante o trabalho

Leia mais

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000.

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e, Considerando a Portaria GM/MS nº 569/GM, de 1º de junho de 2000, que estabelece o Programa

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Tratamento do parceiro. Regulamentação Ética

Tratamento do parceiro. Regulamentação Ética CERVICOLP 2010-XXI CURSO DE PTGI E COLPOSCOPIA ABG-CAPITULO DE SÃO PAULO Tratamento do parceiro Regulamentação Ética Paula Maldonado IG-UFRJ ABG Consulta ao CRM Se um ginecologista detectar uma doença

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE DST/AIDS DE SÃO PAULO MAIO 2014 SITUAÇÃO E METAS GLOBAIS - UNAIDS ELIMINAR INFECÇÕES PELO HIV EM CRIANÇAS E REDUZIR MORTE MATERNA

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE Linhas de cuidado E a integralidade na atenção à saúde da mulher KARINA CALIFE Linha de Cuidado da Gestante e da Puérpera no SUS SP KARINA CALIFE DIRETRIZES POLÍTICAS - ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER Respeito

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

Oficina 2 Os trabalhos foram iniciados com a discussão do relato de caso apresentado. O grupo conversou sobre quais as medidas a serem adotadas pela

Oficina 2 Os trabalhos foram iniciados com a discussão do relato de caso apresentado. O grupo conversou sobre quais as medidas a serem adotadas pela Oficina 2 Os trabalhos foram iniciados com a discussão do relato de caso apresentado. O grupo conversou sobre quais as medidas a serem adotadas pela Unidade de Saúde Para se quebrar a cadeia de sequência

Leia mais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais Transmissão Relação sexual Transfusão de sangue Transmissão vertical Acidente de trabalho Retrato da epidemia de aids Nacionalmente estável e concentrada em populações-chave Casos acumulados de aids (até

Leia mais

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS A i d s n a I n f â n c i a Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS HISTÓRICO 1978- Em Nova York e San Francisco uma doença misteriosa e mortífera ataca homossexuais. 1981- A doença misteriosa ganha o

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS 1 Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando:

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando: Detecção de anticorpos anti-hiv - Portaria 488 de 17/6/1998 Ementa: As unidades hemoterápicas, públicas e privadas, que realizam atividades de Hematologia, ficam obrigadas a cumprir as etapas do conjunto

Leia mais

Manual normativo para profissionais de saúde de maternidades - referência para mulheres que não podem amamentar

Manual normativo para profissionais de saúde de maternidades - referência para mulheres que não podem amamentar Ministério Da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Secretaria de Atenção à saúdebrasília, maio de 2004 Manual normativo para profissionais de saúde de maternidades - referência para mulheres que não

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

Pólos de testes anti-hiv para gestantes

Pólos de testes anti-hiv para gestantes Pólos de testes anti-hiv para gestantes Contexto Validação de testes rápidos para diagnóstico sorológico da infecção pelo HIV; Publicação, pelo Ministério da Saúde, da portaria número 34 de julho de 2005,

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

2. REDUÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV

2. REDUÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS/HV NOTA TÉCNICA Nº. 004/DIVE/SES/2011

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO DE INDICAÇÃO DE TESTAGEM RÁPIDA HIV/SÍFILIS

PROTOCOLO CLÍNICO DE INDICAÇÃO DE TESTAGEM RÁPIDA HIV/SÍFILIS Hospital Nossa Senhora da Conceição GHC UPA Moacyr Scliar PROTOCOLO CLÍNICO DE INDICAÇÃO DE TESTAGEM RÁPIDA HIV/SÍFILIS 1- OBJETIVO Este protocolo tem por objetivo definir e alinhar condutas de indicação

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Gerusa Maria Figueiredo gerusa.figueiredo@saude.gov.br I CONGRESSO BRASILEIRO

Leia mais

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde O que é a PEP sexual? O emprego de antirretrovirais vem sendo discutido em todo mundo como estratégia

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

Prevenção da transmissão do HIV. Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids

Prevenção da transmissão do HIV. Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids Prevenção da transmissão do HIV Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids Transmissão sexual Fundamentos A avaliação de risco para Infecção pelo HIV deve ser um componente essencial das ações de atendimento

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Assim que ocorrer o acidente Introdução Fluxo AT Com o objetivo de adotar medidas de cuidado e segurança à saúde de médicos, clientes e colaboradores, a

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER DEFISC Nº 09/2012 Porto Alegre, 11 de maio de 2012. Laudo para teste rápido de gravidez por profissionais de Enfermagem. I - Relatório Trata-se de solicitação de dúvida, encaminhada por profissional

Leia mais

VIGILÂNCIA DA SÍFILIS CONGÊNITA: IMPACTO DAS MEDIDAS ADOTADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO.

VIGILÂNCIA DA SÍFILIS CONGÊNITA: IMPACTO DAS MEDIDAS ADOTADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO. VIGILÂNCIA DA SÍFILIS CONGÊNITA: IMPACTO DAS MEDIDAS ADOTADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO. Verginia Medianeira Dallago Rossato José Luís Guedes dos Santos Carlos André Aita Schmitz Natália Garlet Alexandre

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

Clique para editar o título mestre

Clique para editar o título mestre Fórum HIV e Hepatites Virais NOVAS ABORDAGENS PARA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO HIV ESTE É O MELHOR CAMINHO? Profilaxia Pós Exposição Denize Lotufo Estevam Infectologista Coordenação de DST/Aids de SP 1

Leia mais

Testes Rápidos de HIV e Sífilis

Testes Rápidos de HIV e Sífilis Testes Rápidos de HIV e Sífilis Videoconferência Nº 04 Ministério da Saúde Outubro de 2012 PRÉ-NATAL A partir da adesão dos municípios, recursos para: TODAS AS GESTANTES Ultrassonografia 100% das gestantes

Leia mais

5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica

5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica 5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica Guia para gestores MINISTÉRIO DA SAÚDE Introdução As diretrizes aqui apresentadas apontam para uma reorganização do modelo

Leia mais

TRANSMISSÃO MATERNO INFANTIL DO HIV TESTE RÁPIDO ALIMENTAÇÃO ADEQUADA À CRIANÇA EXPOSTA AO HIV POR TV. XI ENAM e I ENACS - JUNHO 2010 SANTOS,SP

TRANSMISSÃO MATERNO INFANTIL DO HIV TESTE RÁPIDO ALIMENTAÇÃO ADEQUADA À CRIANÇA EXPOSTA AO HIV POR TV. XI ENAM e I ENACS - JUNHO 2010 SANTOS,SP TRANSMISSÃO MATERNO INFANTIL DO HIV TESTE RÁPIDO ALIMENTAÇÃO ADEQUADA À CRIANÇA EXPOSTA AO HIV POR TV XI ENAM e I ENACS - JUNHO 2010 SANTOS,SP Resumo da situação global da AIDS, 2008 Número de pessoas

Leia mais

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/AIDS E ATENÇÃO BÁSICA O Sistema Único de Saúde ( SUS ) preconiza a descentralização,hierarquização e territorialização

Leia mais

Plano Operacional. para Redução da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis. Brasil

Plano Operacional. para Redução da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis. Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Secretaria de Assistência à Saúde Plano Operacional para Redução da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Brasil 2007 2007 Ministério da Saúde É

Leia mais

Organização de serviço para implantação TR na Atenção Básica

Organização de serviço para implantação TR na Atenção Básica Organização de serviço para implantação TR na Atenção Básica Competência: Organizar o trabalho de modo a incorporar a execução dos testes rápidos na rotina da equipe de Atenção Básica, Adotar documentação

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

Gestante com Sífilis na APS

Gestante com Sífilis na APS I ENCONTRO DA REDE MÃE PARANAENSE Gestante com Sífilis na APS Marcos Takimura UFPR/UniPositivo/HT-SESA Sífilis A sífilis é uma doença infecciosa sistêmica, de evolução crônica, sujeita a surtos de agudização

Leia mais

SÍFILIS: CONTEXTO ATUAL E ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO

SÍFILIS: CONTEXTO ATUAL E ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DIA NACIONAL DE COMBATE A SÍFILIS 2014 BAHIA - 9ª Edição Ministério Público do Estado da Bahia, 06 de novembro de 2014 SÍFILIS: CONTEXTO ATUAL E ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO Roberto Fontes Hospital Geral

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais