Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas"

Transcrição

1 Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados a partir das bases nacionais dos diversos sistemas do Ministério da Saúde que estão disponíveis pela Internet (SIM, SINASC, PNI, SIAB, SIA/SUS, SIH/SUS e Censos e Estimativas Populacionais). Eventualmente, as bases de dados residentes nos estados e municípios estão mais atualizadas que as bases nacionais (SIM, SINASC, PNI etc.), podendo existir, então, diferenças entre os indicadores disponibilizados e os calculados pelos estados e municípios a partir de suas bases. São os seguintes os indicadores calculados, suas fontes e os anos disponíveis: Indicador Fonte Base Demográfica População IBGE: Censo e estimativas x x x x x x + Saúde da Criança 1. Número absoluto de óbitos em menores de 1 ano de idade SIM x x x x + 2. Taxa de mortalidade infantil SIM/SINASC x x x x + 3. Proporção de óbitos em menores de 1 ano de idade por causas evitáveis SIM x x x x + 4. Proporção de óbitos em menores de 1 ano de idade por causas mal definidas SIM x x x x + 5. Taxa de internação por Infecção Respiratória Aguda (IRA) em menores de 5 anos SIH/SUS x x x x x x + 6. Cobertura vacinal por DTP em menores de 1 ano de idade (10) PNI x x x x x x + 7. Homogeneidade da cobertura vacinal por DTP em menores de 1 ano de idade (1) PNI x x x x x x + 8. Número absoluto de óbitos neonatais SIM x x x x + 9. Taxa de mortalidade infantil neonatal SIM/SINASC x x x x Proporção de nascidos vivos com baixo peso ao nascer (2) SINASC x x x x +

2 Indicador Fonte Saúde da Mulher 11. Taxa de mortalidade materna SIM/SINASC x x x x Número de casos confirmados de tétano neonatal SINAN 13. Proporção de nascidos vivos de mães com 4 ou mais consultas de pré-natal (3) SINASC Proporção de óbitos de mulheres em idade fértil investigados SIM e comitês de morte materna 15. Razão entre exames citopatológicos cérvico-vaginais em mulheres de 25 a 59 anos e a população feminina nesta faixa etária SISCOLO x x Taxa de mortalidade em mulheres por câncer de colo de útero SIM x x x x Número de casos confirmados de sífilis congênita SINAN 18. Taxa de mortalidade em mulheres por câncer de mama SIM x x x x Proporção de nascidos vivos de mães com 7 ou mais consultas de pré-natal (4) SINASC x x x x + Controle de hipertensão 20. Taxa de internação por acidente vascular cerebral (AVC) SIH/SUS x x x x x x Taxa de mortalidade por doenças cerebro-vasculares SIM x x x x Taxa de internação por insuficiência cardíaca congestiva (ICC) SIH/SUS x x x x x x + Controle de diabetes 23. Taxa de internação por cetoacidose e coma diabético (5) SIH/SUS x x x x x x Taxa de internação por diabetes SIH/SUS x x x x x x + Controle da tuberculose 25. Percentual de cura nos casos novos de tuberculose SINAN 26. Percentual de abandono do tratamento de tuberculose SINAN 27. Coeficiente de incidência de tuberculose bacilífera SINAN 28. Taxa de mortalidade por tuberculose SIM x x x x + Eliminação da hanseníase

3 Indicador Fonte Percentual de abandono do tratamento de hanseníase SINAN 30. Taxa de detecção de casos de hanseníase SINAN 31. Percentual de cura nos casos novos de hanseníase diagnosticados SINAN 32. Taxa de prevalência de hanseníase SINAN 33. Grau de incapacidade I e II no momento do diagnóstico SINAN Saúde bucal 34. Cobertura de primeira consulta odontológica (6) (9) SIA/SUS x x x x x x Razão entre procedimentos odontológicos coletivos e a população de 0 a 14 anos (6) (9) SIA/SUS x x x x x x Proporção de exodontias em relação às ações básicas individuais (6) (9) SIA/SUS x x x x + Gerais 37. Proporção da população coberta pelo Programa de Saúde da Família (7) SIAB x x x x Proporção de casos suspeitos de sarampo investigados em 48 horas após a notificação SINAN 39. Cobertura vacinal contra influenza em idosos (10) PNI x x x Média anual de consultas médicas nas especialidades básicas por habitante (6) (8) (9) SIA/SUS x x x x x x Média mensal de visitas domiciliares por família (6) (9) SIA/SUS x x x x x x Implantação do SIM SIM 43. Alimentação regular do SIM SIM 44. Implantação do SINASC SINASC 45. Alimentação regular do SINASC SINASC 46. Implantação do SINAN SINAN 47. Alimentação regular do SINAN SINAN Notação: x dado disponível

4 + dado disponível, adotado na planilha de referência * dado parcial, anualizado Notas: (1) Em nível municipal, o valor de 100 em um ano indica que a meta foi atingida; caso contrário, é "-". Para períodos superiores a um ano, indica o percentual de anos em que a meta foi atingida. Exemplo: se, no período de 4 anos, o município atingiu mais de 90% de cobertura em três anos, o indicador totalizado será 75%. (2) Calculado sobre o número de nascidos vivos com peso informado. (3) Até 1998, não era utilizado este detalhamento; para 1999 parte dos dados tem este detalhamento, parte não tem, tornando indeterminando o seu cálculo. (4) Calculado sobre o número de nascidos vivos com o número de consultas informado. (5) Dados de 1996 e 1997 utilizando-se de códigos equivalentes da CID-9. (6) Dados de jan/1996 a out/1999 utilizando-se de códigos equivalentes da antiga tabela do SIA/SUS. (7) Dados de 2002 atualizados até abril/2003. (8) Para 1996 e 1997, inclui consultas não básicas, pois não existia PAB nesta época. (9) Dados de 2002 calculados utilizando-se o conceito de mês de cobrança. (10) Segundo orientação da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações - CGPNI, a população considerada para o ano de 2000 não é a do Censo, mas a previamente estimada, ainda baseada na Contagem Populacional de Convenções adotadas nas tabelas: (-) ou em branco: dado numérico igual a 0 não resultante de arredondamento ou dado numérico não disponível. Exemplos de situações em que ocorre: - não houve ocorrências;

5 - não aplicável, como para dados anteriores à criação do município; - dados ainda não recebidos. (0, 0,00, etc.): dados numérico igual a 0 resultante de arredondamento de um dado originalmente positivo. Exemplo: média de visitas = 0,003; como o indicador tem com duas decimais, é exibido o valor 0,00.

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Contém os resultados, desde 2008, dos indicadores pactuados em 2012 pelos municípios

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

Portaria nº91/gm de 10 de janeiro de 2007.

Portaria nº91/gm de 10 de janeiro de 2007. MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria nº91/gm de 10 de janeiro de 2007. Regulamenta a unificação do processo de pactuação de indicadores e estabelece os indicadores do Pacto pela Saúde, a serem pactuados por Municípios,

Leia mais

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL:

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: CONCEITOS E APLICAÇÕES Brasilia, 2008 2008 Organização Pan-Americana da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB)

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) Jacques Levin Departamento de Informática do SUS Secretaria Executiva/Ministério da Saúde Porto Alegre, 23 de setembro de 2008 Roteiro Origem Processo

Leia mais

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde ANEXO Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde PACTO PELA VIDA 2008. PRIORIDADE OBJETIVO META FÓRMULA DE CÁLCULO FONTE I. Atenção à Saúde do Idoso. i. Identificar pessoas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul Taxa de alfabetização 97,2 86,7 88,6 95,7 92,8 91,0 93,2 87,9

Leia mais

RA Copacabana. Indicadores Rio Como Vamos

RA Copacabana. Indicadores Rio Como Vamos 3 RA Copacabana Indicadores Rio Como Vamos 1 CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO A Região Administrativa (RA) da Copacabana faz parte da Área de Planejamento 2. A Região Administrativa engloba os bairros Leme

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE PACTO PELA SAÚDE - PACTUAÇÃO DO INDICADORES DA PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Saúde Pública Diretoria de Políticas de Atenção Integral a Saúde Oficina de Trabalho "Troca de Experiências em Carreiras, Remuneração por Desempenho e

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO n. 3 Dez 2013

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO n. 3 Dez 2013 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO n. 3 Dez 2013 HEPATITES VIRAIS A hepatite é uma doença caracterizada pela inflamação das células hepáticas que pode ser causada principalmente por vírus, uso de medicamentos e uso

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte O Observatório do Milênio de Belo Horizonte é um espaço de produção, análise e disponibilização de informações

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO n. 2 Set 2013

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO n. 2 Set 2013 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO n. Set 01 C O Q U E L U C H E A coqueluche é uma doença infecciosa aguda, de transmissão respiratória, causada pelo bacilo gram negativo Bordetella pertussis, que compromete especificamente

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos Mestrado Internacional em Saúde Pública/Peru ModúloDisciplinar: Vigilância em Saúde : Vigilância Ambiental e à Saúde do Trabalhador Aplicabilidade de Conceitos de Vigilância em Saúde: O monitoramento de

Leia mais

Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO - DEPLAN GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE - GPS

Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO - DEPLAN GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE - GPS Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) Gerência de Programação em Saúde DEPLAN/SUSAM Coordenação: Priscilla Lacerda (2014) PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE - PMS Plano de Saúde PS, instrumento

Leia mais

Brasília - DF - Versão Julho/2012 -

Brasília - DF - Versão Julho/2012 - Brasília - DF - Versão Julho/2012-2 ALTERAÇÕES NO MANUAL INSTRUTIVO 1. Mudança no Título dos Indicadores 1.4 INDICADOR: Proporção de gestantes com pré natal no mês 1.6 INDICADOR: Razão entre exames citopatológicos

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017)

Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017) Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017) Gerência de Programação em Saúde DEPLAN/SUSAM Coordenação: Priscilla Lacerda (Revisado em Maio de 2014) O QUE

Leia mais

Estratégia: Articulação interinstitucional

Estratégia: Articulação interinstitucional CGDIS/DATASUS/SE/MS Antecedentes Sistemas, bases de dados e fontes de informação (saúde e outros setores) Disponibilidade na Internet Limitações: cobertura, qualidade, integração e comparabilidade Uso

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES Setembro de 2013 Brasília - DF 2 Sumário Apresentação...3 Rol de Indicadores do Programa de Qualificação

Leia mais

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 GO Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 GOIÁS 1 Copyright 2011-1ª Edição Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS Tiragem: 100 Impresso no Brasil Brasil. Conselho Nacional

Leia mais

Maio de 2013. Brasília - DF

Maio de 2013. Brasília - DF INSTRUTIVO PROGRAMAÇÃO DE AÇÕES DO SISTEMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2013-2015 Maio de 2013 Brasília - DF 2 APRESENTAÇÃO Com a implantação do Teto Financeiro de Epidemiologia e Controle de Doenças,

Leia mais

A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro

A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro Novembro - 2012 ObservaRH Estação de Trabalho IMS/UERJ www.obsnetims.org.br Sobre os autores Celia

Leia mais

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico AGRAVO NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS 3-4 - 13-14 - 17-18 - 28-34 - 36-38 - 42-44 - 45 Cobertura Vacinal 7-8 - 9-10 - 12-14 - 16-18 - 19-22 - 23-25

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ)

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015 Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios Para o ano de 2015 O Plano Anual de Saúde de 2015 guarda uma característica própria: é o espelho da programação do PMS 2014/2017 aplicado

Leia mais

COBERTURA DO SAÚDE DA FAMÍLIA E CITOPATOLÓGICO DE Avaliação da cobertura da Estratégia Saúde da Família nos municípios do Rio Grande do Sul sobre a Razão de Exames Citotopalógicos de Colo Uterino Paulo

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

FUNÇÕES: Coordenação das ações de planejamento, monitoramento e avaliação nas regiões de saúde; Apoio à SETEC/CIR;

FUNÇÕES: Coordenação das ações de planejamento, monitoramento e avaliação nas regiões de saúde; Apoio à SETEC/CIR; Planejamento no Rio Grande do Sul e a elaboração dos Instrumentos de Gestão GT Planejamento, Monitoramento e Avaliação da Gestão julho, 2013 Base Estratégica Descentralização das ações de planejamento,

Leia mais

Nota Técnica dos valores absolutos utilizados na construção dos indicadores do rol de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015

Nota Técnica dos valores absolutos utilizados na construção dos indicadores do rol de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Nota Técnica dos valores absolutos utilizados na construção dos indicadores do rol de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Contém os valores absolutos numeradores e denominadores utilizados

Leia mais

reduzir a mortalidade infantil

reduzir a mortalidade infantil objetivo 4. reduzir a mortalidade infantil A mortalidade infantil reflete as condições socioeconômicas e ambientais de uma região assim como a condição de acesso a um sistema de saúde de qualidade. Além

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO Nome Secretaria Municipal de Saúde - SAO TIAGO CNPJ: 17.749.904/0001-17 RUA SÃO JOSÉ, 461 Telefone: 3233762151 - E-mail: saude@saotiago.mg.gov.br 36350-000 - SAO TIAGO - MG RELATÓRIO DE GESTÃO - PERIODO

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MG VIÇOSA-MG 2011 158 Serviço de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal O que é Transmissão Vertical HIV e Sífilis? A transmissão vertical do

Leia mais

por desempenho e co financiamento da Atenção Básica

por desempenho e co financiamento da Atenção Básica Oficina i de Trabalho Troca de experiências i em carreiras, remuneração por desempenho e co financiamento da Atenção Básica 19 e 20 outubro 2011 Recife, PE PAGAMENTO POR DESEMPENHO NA ESTRATÉGIA SAÚDE

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ QUESTÃO 01 O Agente Comunitário de Saúde tem como objetivo principal contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade. Analise as opções abaixo e marque a alternativa incorreta: A) Conhecer

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Tabela 1: Documento para comprovação das ações das equipes de AB Módulo Módulo Documento Documento que conste o CNES da UBS, o código de área

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

(Coeficiente de mortalidade infantil)

(Coeficiente de mortalidade infantil) C Taxa de mortalidade infantil C.1............................ 108 Taxa de mortalidade neonatal precoce C.1.1..................... 110 Taxa de mortalidade neonatal tardia C.1.2...................... 112

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Comentários sobre a mortalidade por CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Porto Alegre 2007 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE

RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE 2010 Secretaria Municipal de Saúde ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 1 IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL 2 2 BASES LEGAIS 2 3 DADOS DEMOGRÁFICOS 2 4 CONTROLE SOCIAL E PARTICIPAÇÃO POPULAR 3

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 Vânia Stiepanowez de Oliveira Rocha Dados epidemiológicos Incidência

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação da Atenção Básica

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação da Atenção Básica Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação da Atenção Básica 1 Metodologia de análise e monitoramento do Pacto de Indicadores

Leia mais

REGISTRO DE DOSES APLICADAS Campanha de Vacinação contra a Influenza 2014. Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio

REGISTRO DE DOSES APLICADAS Campanha de Vacinação contra a Influenza 2014. Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio REGISTRO DE DOSES APLICADAS Campanha de Vacinação contra a Influenza 2014 Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio META E CRONOGRAMA O registro será realizado a partir do dia 22 de

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003 Programa Nacional de Controle da Tuberculose/ SVS/ MS Instituto de Estudos em Saúde Coletiva/ UFRJ Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios cio-econômicos em grandes centros urbanos com

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010 Plano Nacional de Saúde -2010 Avaliação de indicadores Maio de 2010 0 das Regiões (NUT II do D.L. de 1999) em relação ao do... 2 Evolução dos indicadores em relação à Meta para 2010... 9 1 das Regiões

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais