Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia."

Transcrição

1 Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia. 9º Curso Básico de Imunizações Selma Ramos de Cerqueira

2 O QUE É MONITORAMENTO? É O CONJUNTO DE ATIVIDADES QUE: ACOMPANHA ROTINEIRAMENTE INFORMAÇÕES PRIORITÁRIAS SOBRE UM PROGRAMA E SEUS RESULTADOS ESPERADOS ACOMPANHA OS CUSTOS E O FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA; PROVÊ INFORMAÇÕES QUE PODEM SER UTILIZADAS PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA.

3 O QUE É SUPERVISÃO? VISÃO APROFUNDADA/DISCERNIMENTO - PARA COMPREENDER O SIGNIFICADO DO QUE ESTÁ A ACONTECER; CAPACIDADE DE PREVISÃO PARA VER O QUE PODERÁ ACONTECER; CAPACIDADE DE RETROVISÃO - PARA VER O QUE DEVERIA TER ACONTECIDO E NÃO ACONTECEU; SEGUNDA VISÃO/INTUIÇÃO PARA SABER COMO CONSEGUIR QUE ACONTEÇA O QUE DEVERIA TER ACONTECIDO OU QUE NÃO ACONTEÇA O QUE REALMENTE ACONTECEU E NÃO DEVERIA TER ACONTECIDO.

4 O QUE É AVALIAÇÃO? É UM PROCESSO SISTEMÁTICO DE COLETA DE INFORMAÇÕES SOBRE AS ATIVIDADES, AS CARACTERÍSTICAS E OS RESULTADOS DE UM PROGRAMA RESPONDENDO A UMA PERGUNTA AVALIATIVA. DETERMINA O MÉRITO OU VALOR DO PROGRAMA E EXPLICA A RELAÇAO ENTRE ELE E SEUS EFEITOS. É USADA PARA MELHORAR O PROGRAMA E SUBSIDIAR DECISÕES GERENCIAIS INTELIGENTES.

5 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO INSUMOS: SÃO RECURSOS USADOS NO PROGRAMA. INCLUEM RECURSOS FINANCEIROS, HUMANOS OU MATERIAIS. EXEMPLOS: PESSOAL TÉCNICO; IMUNOBIOLÓGICOS, AGULHAS, REFRIGERADORES. SERINGAS,

6 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO ATIVIDADES: PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA QUE SÃO MOBILIZADOS VISANDO À OBTENÇÃO DOS EFEITOS DESEJADOS EXEMPLOS: TREINAMENTO DE RECURSOS HUMANOS EM SALA DE VACINA, REDE DE FRIO, EVENTOS ADVERSOS; REFERÊNCIA E CONTRA - REFERÊNCIA DE USUÁRIOS AO CRIE.

7 PRODUTOS: TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO SÃO AS CONSEQÜÊNCIAS IMEDIATAS DA MOBILIZAÇÃO DOS INSUMOS POR MEIO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA. EXEMPLOS: NÚMERO DE DOSES DE IMUNOBIOLÓGICOS ADMINISTRADOS; NÚMERO DE CAPACITAÇÕES REALIZADAS; NÚMERO DE SUPERVISÕES REALIZADAS.

8 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO RESULTADOS: OS EFEITOS NAS POPULAÇÕES - ALVO. OS RESULTADOS INCLUEM VÁRIOS TIPOS DE EFEITOS, PODENDO FOCAR CONHECIMENTO, ATITUDE, COMPORTAMENTO. EXEMPLOS: AUMENTO DA HOMOGENEIDADE; MELHORIA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE IMUNIZAÇÕES. AUMENTO DAS COBERTURAS VACINAIS.

9 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO IMPACTOS: REFEREM-SE AOS EFEITOS DE LONGO PRAZO ACUMULADOS DOS PROGRAMAS. RARAMENTE SÃO ATRIBUÍDOS A UM ÚNICO PROGRAMA OU INTERVENÇÃO. EXEMPLOS: DIMINUIÇÃO DA INCIDÊNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS; DIMINUIÇÃO DA TAXA DE TRANSMISSÃO DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS; DIMINUIÇÃO DA MORBI-MORTALIDADE DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS.

10 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO MONITORAMENTO DE INSUMOS /PRODUTOS: ACOMPANHAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INSUMOS OU RECURSOS E SOBRE PRODUTOS RESULTANTES DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA. RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: QUE RECURSOS FORAM USADOS; QUAL O NÚMERO DE PESSOAS IMUNIZADAS. ; QUE SERVIÇOS FORAM PRESTADOS. EXEMPLOS: INSUMOS: ACOMPANHAMENTO MENSAL DA DISTRIBUIÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS, SERINGAS E AGULHAS; PRODUTO: ACOMPANHAMENTO MENSAL DE DOSES ADMINISTRADAS.

11 TERMINOLOGIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DE PROCESSO: USUALMENTE É ABORDADA COMO EQUIVALENTE À ANÁLISE DE IMPLANTAÇÃO /IMPLEMENTAÇÃO. COMPLEMENTA O MONITORAMENTO DE INSUMOS E PRODUTOS COM UMA DIMENSÃO EXPLICATIVA, VIABILIZANDO A COMPREENSÃO DO CONTEXTO ORGANIZACIONAL QUE PODE AFETAR O PROGRAMA.

12 AVALIAÇÃO DE PROCESSO RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: A INTERVENÇÃO FOI IMPLEMENTADA CONFORME O ESPERADO?; AS AÇÕES ESTÃO ONDE DEVERIAM ESTAR, ATINGINDO A POPULAÇÃO PARA A QUAL ESTAVAM PROGRAMADAS? OS USUÁRIOS TÊM ACESSO À INTERVENÇÃO? QUE BARREIRAS DIFICULTAM OU INVIABILIZAM ESSE ACESSO? EXEMPLOS: A VACINA CONTRA ROTAVÍRUS FOI IMPLANTADA EM MARÇO DE 2006, PARA TANTO OS TÉCNICOS FORAM CAPACITADOS? AS SALA DE VACINA DISPUNHAM DESTE IMUNOBIOLÓGICO? CRIANÇAS TIVERAM ACESSO A ESTA VACINA CONFORME PRECONIZADO PELO PNI?

13 MONITORAMENTO DE RESULTADO ACOMPANHAMENTO DAS INFORMAÇÕES RELACIONADAS AOS RESULTADOS ESPERADOS DO PROGRAMA. RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: O RESULTADO ESPERADO OCORREU?; O AUMENTO DO NÚMERO DE PESSOAS IMUNIZADAS IMPLICOU NO AUMENTO DE IMUNOBIOLÓGICO DISTRIBUÍDO? EXEMPLOS: CONSEGUIMOS ATINGIR A COBERTURA VACINAL? HOUVE UM CRESCIMENTO DO PERCENTUAL DA COBERTURA VACINAL?

14 AVALIAÇÃO DO RESULTADO CONTEMPLA OU ABORDA AS EXPLICAÇÕES SOBRE AS RAZÕES PELA QUAIS AS ATIVIDADES DO PROGRAMA ALCANÇARAM OU NÃO OS SEUS RESULTADOS. ENFATIZA AS RELAÇÕES CAUSAIS ENTRE A INTERVENÇÃO E EFEITO RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: A INTERVENÇÃO EXPLICA OS RESULTADOS ESPERADOS?; EXEMPLOS: O AUMENTO DAS DOSES ADMINISTRADAS DA VACINA TETRAVALENTE, REDUZIRIA O NÚMERO DE MENINGITES POR HAEMOPHILUS INFLUENZAE TIPO B?

15 MONITORAMENTO DE IMPACTO USUALMENTE REFERE-SE AO ACOMPANHAMENTO DAS TENDÊNCIAS EPIDEMIOLÓGICAS DAS DOENÇAS. RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: QUE EFEITO TODAS AS INTERVENÇÕES TÊM SOBRE AS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS? EXEMPLOS: O AUMENTO DA COBERTURA VACINAL DA VACINA TETRAVALENTE OCASIONOU O DECLINIO DA MORBI- MORTALIDADE DA MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZAE TIPO B?

16 AVALIAÇÃO DE IMPACTO ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE AS TENDÊNCIAS EPIDEMIOLÓGICAS DA DOENÇA E OS PROGRAMAS DE CONTROLE E OUTROS FATORES ASSOCIADOS. RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: QUANTO DA VARIAÇÃO NA INCIDÊNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS SE DEVE AO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES? EXEMPLOS: QUANTO DA MAGNITUDE DE REDUÇÃO DA PREVALÊNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS FOI EM RAZÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES?

17 INSTRUMENTO UTILIZADO NO MONITORAMENTO ESTÁ DIVIDIDO EM 08 PARTES

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

30 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

31 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

32 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

33 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

34 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

35 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

36 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

37 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

38 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

39 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

40 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

41 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

42 FOCO DA AVALIAÇÃO Compartilhar os resultados com todas as instancias Melhoria do Programa Imputabilidade

43 A organização mundial de saúde considera que as vacinas são, depois da água potável, a ferramenta que trouxe mais impacto positivo na redução de mortes e melhoria da qualidade de vida.

44 Referencias Bahia, Secretaria de Saúde,Manual de procedimento para vacinação, Salvador,573p,2011 BRASIL, Manual de Procedimento para Vacinação/ elaboração de Clélia Mª Sarmento de Souza Andrade et.al. 4.ed. Brasília: Ministério da Saúde: Fundação Nacional de Saúde;2001 4(2): ,1999. CENTRES FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTIO(CDC).Framework for Program Evaluation in Public Health.MMWR, Spet 17, 48, p.1-40,1999. HARTZ,Z.M.A.(Org). Avaliação de Saúde.Dos Modelos Conceituais à Prática na Análise de Implementação de Programas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, HARTZ,Z.M.A.Avaliação de Programas de Saúde:Perspectiva Teórico-Metodológica e Políticas Institucionais. Ciências & Saúde Coletiva, 4(2): ,1999.

45 Obrigado!!! Gt-Planejamento e monitoramento da CEI Tel:

F.13 Cobertura vacinal

F.13 Cobertura vacinal F.13 Cobertura vacinal Trata-se de um conjunto de 8 indicadores que avaliam a cobertura vacinal em menores de um ano para as seguintes doenças: hepatite B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, tétano,

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

Esfera: 20 Função: 10 - Saúde Subfunção: 302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial UO: 36901 - Fundo Nacional de Saúde

Esfera: 20 Função: 10 - Saúde Subfunção: 302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial UO: 36901 - Fundo Nacional de Saúde Programa 1444 Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças e Agravos Numero de Ações 24 Ações Orçamentárias 20AC Incentivo Financeiro a Estados, Distrito Federal e Municípios para Ações de Prevenção e Qualificação

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ)

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias MENINGITE Lucila T. Watanabe Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias Histórico (I) 1975 Implantação do SVEM (Sistema de vigilância epidemiológica das meningites) Após epidemias de Doença

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Vacina para Rotavírus

Vacina para Rotavírus Vacina para Rotavírus Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância Instituto Butantan Pesquisador Instituto da Criança HC / FMUSP Epidemiologia da Infecção por Rotavírus

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade Técnica de Doenças de Transmissão Respiratória e Imunopreveníveis Capacitação

Leia mais

Brasília - DF - Versão Julho/2012 -

Brasília - DF - Versão Julho/2012 - Brasília - DF - Versão Julho/2012-2 ALTERAÇÕES NO MANUAL INSTRUTIVO 1. Mudança no Título dos Indicadores 1.4 INDICADOR: Proporção de gestantes com pré natal no mês 1.6 INDICADOR: Razão entre exames citopatológicos

Leia mais

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com VACINA

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde I. Apresentação II. Contexto epidemiológico III.

Leia mais

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM * SES-PE ** IMIP Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde Diretoria Geral de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Gerencia de Monitoramento e Vigilância

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO. Um golpe na meni REVISTA DE MANGUINHOS DEZEMBRO DE 2002

D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO. Um golpe na meni REVISTA DE MANGUINHOS DEZEMBRO DE 2002 D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Um golpe na meni 12 Repare na foto ao lado. Trata-se de uma bactéria ampliada milhares de vezes. Vista desse modo, é uma bela imagem de um mundo invisível a olho nu e desvendado

Leia mais

Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil

Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil Christovam Barcellos Departamento de Informações em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Ministério

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

necessitando de envio para a unidade CRIE central em Belo Horizonte onde as solicitações, através de fichas próprias são avaliadas e liberadas.

necessitando de envio para a unidade CRIE central em Belo Horizonte onde as solicitações, através de fichas próprias são avaliadas e liberadas. 1. Introdução Durante muitos anos pessoas adoeceram e foram a óbito por doenças imunopreveníveis. As políticas públicas não buscavam a prevenção e promoção da saúde, eram focadas apenas em ações curativas.

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia Fórum INCA-ASCO sobre Câncer Hereditário Predisposição Genética ao Câncer 21 e 22 de novembro de 2011 Hotel Novo Mundo Flamengo Rio de Janeiro Brasil Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo 4 a Secretaria de Controle Externo

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo 4 a Secretaria de Controle Externo RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES Analistas Hiram Carvalho Leite Maria Antônia Ferraz Zelenovsky Supervisor Dagomar Henriques Lima BRASÍLIA SETEMBRO - 2002 Sumário 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 088/05 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 088/05 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 088/05 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a avaliação do Pacto de Indicadores da Atenção Básica 2004, Anexo I desta Resolução;

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

O uso de vacinas como forma de prevenção das doenças é considerado uma das ações mais efetivas em saúde pública.

O uso de vacinas como forma de prevenção das doenças é considerado uma das ações mais efetivas em saúde pública. No. 011034 Linha de Pesquisa : Epidemiologia de AIDS e outras doenças transmissíveis TITULO AVALIAÇÃO DA COBERTURA VACINAL COM A VACINA ANTIPNEUMOCÓCICA PARA PACIENTES ADULTOS HIV/AIDS CADASTRADOS NO PROGRAMA

Leia mais

Vigilância Alimentar Nutricional. Colocar aqui a página inicial do curso. Curso de. Vigilância. Alimentar. Nutricional

Vigilância Alimentar Nutricional. Colocar aqui a página inicial do curso. Curso de. Vigilância. Alimentar. Nutricional Colocar aqui a página inicial do curso Curso de Vigilância Alimentar Nutricional FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz Educação a Distância Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

REGISTRO DE DOSES APLICADAS Campanha de Vacinação contra a Influenza 2014. Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio

REGISTRO DE DOSES APLICADAS Campanha de Vacinação contra a Influenza 2014. Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio REGISTRO DE DOSES APLICADAS Campanha de Vacinação contra a Influenza 2014 Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio META E CRONOGRAMA O registro será realizado a partir do dia 22 de

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Rio de Janeiro 06/07/2012

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Rio de Janeiro 06/07/2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde Rio de Janeiro 06/07/2012 Processo de Construção do Plano Setorial da Saúde 1. Definição

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Recife - PE 18/07/2012

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Recife - PE 18/07/2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde Recife - PE 18/07/2012 Processo de Construção do Plano Setorial da Saúde Objetivos do

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

Programa Nacional de Imunizações Case: Operação Gota

Programa Nacional de Imunizações Case: Operação Gota Programa Nacional de Imunizações Case: Operação Gota Samia Samad Organização Panamericana da Saúde Operação Gota - Dados Históricos 1989 apoio informal da Força Aérea para ações de saúde no Estado do Amazonas;

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio

Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio REGISTRODE DEDOSES DOSESAPLICADAS APLICADAS REGISTRO Campanha de Vacinação contra a Influenza Campanha de Vacinação contra a Influenza - 2015 2015 Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede

Leia mais

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico AGRAVO NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS 3-4 - 13-14 - 17-18 - 28-34 - 36-38 - 42-44 - 45 Cobertura Vacinal 7-8 - 9-10 - 12-14 - 16-18 - 19-22 - 23-25

Leia mais

Nível 2: Descrevendo seu sistema de APS e identificando os indicadores-chave

Nível 2: Descrevendo seu sistema de APS e identificando os indicadores-chave 17 Nível 2: Descrevendo seu sistema de APS e identificando os indicadores-chave O Nível 2 o ajuda a definir seu programa em termos de sistema. Isto o ajudará a identificar as peças-chave de informação

Leia mais

CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE SÉCULO XX

CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE SÉCULO XX CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE SÉCULO XX Última atualização em 15 de maio de 2003 CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE Primeira década 1908 Em Viena, Landsteiner e Popper identificam pela primeira vez o vírus da poliomielite.

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 Regulamenta o funcionamento dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais - CRIE. O Presidente da Fundação Nacional

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

Experiência: Vozes cidadãs em aliança com a sociedade civil pelas imunizações

Experiência: Vozes cidadãs em aliança com a sociedade civil pelas imunizações Sessão de informação sobre vacinas Teatro Municipal Avenida Paulista Experiência: Vozes cidadãs em aliança com a sociedade civil pelas imunizações Maria Lígia B Ramos Nerger Subgerente de Imunização/CCD/COVISA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer 1 CRÉDITOS Elaboração do relatório Elizabeth Moreira dos Santos (ENSP/FIOCRUZ)

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA PROJETO AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes Outubro de 2005 Justificativa A grande expansão da estratégia

Leia mais

Apêndice B: Indicadores de gerenciamento em APS

Apêndice B: Indicadores de gerenciamento em APS 65 Apêndice B: Indicadores de gerenciamento em APS Este apêndice apresenta uma lista anotada de indicadores selecionados para os seguintes serviços gerenciais : Planejamento Gerenciamento de pessoal Treinamento

Leia mais

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros Universidade Federal da Bahia - Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Doutorado em Saúde Pública Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil

Leia mais

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde A PREVENÇÃO DA HEPATITE B ATRAVÉS DA IMUNIZAÇÃO EM CASO DE ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO DOS TRABALHADORES

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003 Programa Nacional de Controle da Tuberculose/ SVS/ MS Instituto de Estudos em Saúde Coletiva/ UFRJ Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios cio-econômicos em grandes centros urbanos com

Leia mais

IMPACTO DA VACINAÇÃO CONTRA ROTAVÍRUS NO ATENDIMENTO DE DIARRÉIAS NO MUNICÍPIO DE CURITIBA Autores: Cléa Elisa Lopes Ribeiro, Lílian Yuriko Uratani, Marion Burger, Angela Kikomoto Instituição: Secretaria

Leia mais

Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde. Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde. Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Brasília- DF, 25 de abril de 2012 ObjeHvos de Desenvolvimento do Milênio - ODM Obje%vo

Leia mais

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Normas para Brigadas Móveis (BM) (Primeiro Esboço)

Normas para Brigadas Móveis (BM) (Primeiro Esboço) República de Moçambique Ministério da Saúde Programa Alargado de Vacinação Normas para Brigadas Móveis (BM) (Primeiro Esboço) Introdução Logo após a introdução do Programa Alargado de vacinação nas unidades

Leia mais

O NOVO MODELO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO E A QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES SOBRE CAUSAS EXTERNAS

O NOVO MODELO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO E A QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES SOBRE CAUSAS EXTERNAS VI Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva Salvador - Bahia / Julho/2 O NOVO MODELO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO E A QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES SOBRE CAUSAS EXTERNAS AUTORES: Drumond Jr, M.; Lira, M.M.T.A.; Nitrini,

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015.

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015. NÚMERO: 008/015 DATA: 01/06/015 ATUALIZAÇÃO 05/06/015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Programa Nacional de Vacinação. Introdução da vacina conjugada de 13 valências contra infeções por Streptococcus

Leia mais

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA GREGÓRIO NETO BATISTA DE SOUSA 2010 1 INTRODUÇÃO A comunidade do Alecrim

Leia mais

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência)

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Desenvolvido a partir de 2009: integra as bases de dados dos Sistemas de registros de aplicadas doses (SI-API), Eventos adversos (SI-EAPV), usuários de imunobiológicos

Leia mais

4. Limitações Desconsidera as consultas médicas realizadas sem vínculo com o SUS, embora o denominador seja a população

4. Limitações Desconsidera as consultas médicas realizadas sem vínculo com o SUS, embora o denominador seja a população F Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1................ 276 Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) F.2....... 278 Número de internações hospitalares (SUS) por habitante

Leia mais

Compartilhando informações de Saúde do Trabalhador

Compartilhando informações de Saúde do Trabalhador Vigilância em Saúde do Trabalhador: Temas Emergentes e Saúde do Trabalhador Compartilhando informações de Saúde do Trabalhador Luiz Belino F. Sales luiz.sales@saude.gov.br Coordenação Geral de Saúde do

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

IMUNIZAÇÃO. I Introdução

IMUNIZAÇÃO. I Introdução IMUNIZAÇÃO I Introdução A SMSA/BH desenvolve a atividade de imunização em todos os centros de saúde da rede municipal pública e em 10 serviços conveniados, oferecendo à população todas as vacinas preconizadas

Leia mais

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais.

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um Sistema

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Hanseníase: Monitoramento e Avaliação

Hanseníase: Monitoramento e Avaliação Ministério da Saúde Hanseníase: Monitoramento e Avaliação Manual de Capacitação em M&A Caderno do Participante Brasília DF 2009 2009 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica Rede Cegonha SUMÁRIO Apresentação... 05 1. Introdução... 07 2. Implantação dos Testes Rápidos de HIV e sífilis e Aconselhamento

Leia mais

ÁREA: GESTÃO. SUB-ÁREA: Qualidade e produtividade de serviços em Unidades de Informação.

ÁREA: GESTÃO. SUB-ÁREA: Qualidade e produtividade de serviços em Unidades de Informação. ÁREA: GESTÃO. SUB-ÁREA: Qualidade e produtividade de serviços em Unidades de Informação. BASE DE DADOS DE INFORMAÇÃO INDÍGENA: padrão adotado pela FUNASA para o sistema de informação indígena Georgete

Leia mais

BEPA 2013;10(120):1-15

BEPA 2013;10(120):1-15 Artigo especial Programa Estadual de Imunização De São Paulo 45 anos Pioneirismo, dedicação e compromisso State Immunization Program of São Paulo - 45 years Pioneering spirit, dedication and commitment

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Curitiba 12/07/2012

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Curitiba 12/07/2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde Curitiba 12/07/2012 Processo de Construção do Plano Setorial da Saúde 1. Definição dos

Leia mais

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas 1. Atenção a Saúde da População Indígena no Estado de São Paulo 1 A população Indígena residente no Estado de São Paulo totaliza, segundo Censo do IBGE

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações CGPNI Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis DEVIT Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Diagnóstico Situacional da capacidade instalada

Leia mais

Raimunda Cláudia Souza Rocha

Raimunda Cláudia Souza Rocha CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde INTERVENÇÃO NO PERFIL DA SITUAÇÃO VACINAL PARA HEPATITE B EM ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLOGICO EM PROFISSIONAIS

Leia mais

O CUIDAR DE ENFERMAGEM NA IMUNIZAÇÃO: OS MITOS E A VERDADE NURSING CARE IN IMMUNIZATION: TRUTHS AND MYTHS

O CUIDAR DE ENFERMAGEM NA IMUNIZAÇÃO: OS MITOS E A VERDADE NURSING CARE IN IMMUNIZATION: TRUTHS AND MYTHS Artigo de Revisão O CUIDAR DE ENFERMAGEM NA IMUNIZAÇÃO: OS MITOS E A VERDADE NURSING CARE IN IMMUNIZATION: TRUTHS AND MYTHS Maria Aparecida Diniz Pereira Sandra R. de Souza Barbosa Faculdade do Futuro

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. Disciplina: ENFERMAGEM EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS (TEORIA) Fase: 6ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos:

PROGRAMA DA DISCIPLINA. Disciplina: ENFERMAGEM EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS (TEORIA) Fase: 6ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: 21cir FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecimento: Portaria nº 604, de 31 de maio de 1995 E-mail: denf@unir.br Campus Porto Velho/RO. BR 364,

Leia mais

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal O que é Transmissão Vertical HIV e Sífilis? A transmissão vertical do

Leia mais