Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia."

Transcrição

1 Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia. 9º Curso Básico de Imunizações Selma Ramos de Cerqueira

2 O QUE É MONITORAMENTO? É O CONJUNTO DE ATIVIDADES QUE: ACOMPANHA ROTINEIRAMENTE INFORMAÇÕES PRIORITÁRIAS SOBRE UM PROGRAMA E SEUS RESULTADOS ESPERADOS ACOMPANHA OS CUSTOS E O FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA; PROVÊ INFORMAÇÕES QUE PODEM SER UTILIZADAS PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA.

3 O QUE É SUPERVISÃO? VISÃO APROFUNDADA/DISCERNIMENTO - PARA COMPREENDER O SIGNIFICADO DO QUE ESTÁ A ACONTECER; CAPACIDADE DE PREVISÃO PARA VER O QUE PODERÁ ACONTECER; CAPACIDADE DE RETROVISÃO - PARA VER O QUE DEVERIA TER ACONTECIDO E NÃO ACONTECEU; SEGUNDA VISÃO/INTUIÇÃO PARA SABER COMO CONSEGUIR QUE ACONTEÇA O QUE DEVERIA TER ACONTECIDO OU QUE NÃO ACONTEÇA O QUE REALMENTE ACONTECEU E NÃO DEVERIA TER ACONTECIDO.

4 O QUE É AVALIAÇÃO? É UM PROCESSO SISTEMÁTICO DE COLETA DE INFORMAÇÕES SOBRE AS ATIVIDADES, AS CARACTERÍSTICAS E OS RESULTADOS DE UM PROGRAMA RESPONDENDO A UMA PERGUNTA AVALIATIVA. DETERMINA O MÉRITO OU VALOR DO PROGRAMA E EXPLICA A RELAÇAO ENTRE ELE E SEUS EFEITOS. É USADA PARA MELHORAR O PROGRAMA E SUBSIDIAR DECISÕES GERENCIAIS INTELIGENTES.

5 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO INSUMOS: SÃO RECURSOS USADOS NO PROGRAMA. INCLUEM RECURSOS FINANCEIROS, HUMANOS OU MATERIAIS. EXEMPLOS: PESSOAL TÉCNICO; IMUNOBIOLÓGICOS, AGULHAS, REFRIGERADORES. SERINGAS,

6 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO ATIVIDADES: PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA QUE SÃO MOBILIZADOS VISANDO À OBTENÇÃO DOS EFEITOS DESEJADOS EXEMPLOS: TREINAMENTO DE RECURSOS HUMANOS EM SALA DE VACINA, REDE DE FRIO, EVENTOS ADVERSOS; REFERÊNCIA E CONTRA - REFERÊNCIA DE USUÁRIOS AO CRIE.

7 PRODUTOS: TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO SÃO AS CONSEQÜÊNCIAS IMEDIATAS DA MOBILIZAÇÃO DOS INSUMOS POR MEIO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA. EXEMPLOS: NÚMERO DE DOSES DE IMUNOBIOLÓGICOS ADMINISTRADOS; NÚMERO DE CAPACITAÇÕES REALIZADAS; NÚMERO DE SUPERVISÕES REALIZADAS.

8 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO RESULTADOS: OS EFEITOS NAS POPULAÇÕES - ALVO. OS RESULTADOS INCLUEM VÁRIOS TIPOS DE EFEITOS, PODENDO FOCAR CONHECIMENTO, ATITUDE, COMPORTAMENTO. EXEMPLOS: AUMENTO DA HOMOGENEIDADE; MELHORIA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE IMUNIZAÇÕES. AUMENTO DAS COBERTURAS VACINAIS.

9 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO IMPACTOS: REFEREM-SE AOS EFEITOS DE LONGO PRAZO ACUMULADOS DOS PROGRAMAS. RARAMENTE SÃO ATRIBUÍDOS A UM ÚNICO PROGRAMA OU INTERVENÇÃO. EXEMPLOS: DIMINUIÇÃO DA INCIDÊNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS; DIMINUIÇÃO DA TAXA DE TRANSMISSÃO DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS; DIMINUIÇÃO DA MORBI-MORTALIDADE DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS.

10 TERMINOLOGIA DA AVALIAÇÃO MONITORAMENTO DE INSUMOS /PRODUTOS: ACOMPANHAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INSUMOS OU RECURSOS E SOBRE PRODUTOS RESULTANTES DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA. RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: QUE RECURSOS FORAM USADOS; QUAL O NÚMERO DE PESSOAS IMUNIZADAS. ; QUE SERVIÇOS FORAM PRESTADOS. EXEMPLOS: INSUMOS: ACOMPANHAMENTO MENSAL DA DISTRIBUIÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS, SERINGAS E AGULHAS; PRODUTO: ACOMPANHAMENTO MENSAL DE DOSES ADMINISTRADAS.

11 TERMINOLOGIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DE PROCESSO: USUALMENTE É ABORDADA COMO EQUIVALENTE À ANÁLISE DE IMPLANTAÇÃO /IMPLEMENTAÇÃO. COMPLEMENTA O MONITORAMENTO DE INSUMOS E PRODUTOS COM UMA DIMENSÃO EXPLICATIVA, VIABILIZANDO A COMPREENSÃO DO CONTEXTO ORGANIZACIONAL QUE PODE AFETAR O PROGRAMA.

12 AVALIAÇÃO DE PROCESSO RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: A INTERVENÇÃO FOI IMPLEMENTADA CONFORME O ESPERADO?; AS AÇÕES ESTÃO ONDE DEVERIAM ESTAR, ATINGINDO A POPULAÇÃO PARA A QUAL ESTAVAM PROGRAMADAS? OS USUÁRIOS TÊM ACESSO À INTERVENÇÃO? QUE BARREIRAS DIFICULTAM OU INVIABILIZAM ESSE ACESSO? EXEMPLOS: A VACINA CONTRA ROTAVÍRUS FOI IMPLANTADA EM MARÇO DE 2006, PARA TANTO OS TÉCNICOS FORAM CAPACITADOS? AS SALA DE VACINA DISPUNHAM DESTE IMUNOBIOLÓGICO? CRIANÇAS TIVERAM ACESSO A ESTA VACINA CONFORME PRECONIZADO PELO PNI?

13 MONITORAMENTO DE RESULTADO ACOMPANHAMENTO DAS INFORMAÇÕES RELACIONADAS AOS RESULTADOS ESPERADOS DO PROGRAMA. RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: O RESULTADO ESPERADO OCORREU?; O AUMENTO DO NÚMERO DE PESSOAS IMUNIZADAS IMPLICOU NO AUMENTO DE IMUNOBIOLÓGICO DISTRIBUÍDO? EXEMPLOS: CONSEGUIMOS ATINGIR A COBERTURA VACINAL? HOUVE UM CRESCIMENTO DO PERCENTUAL DA COBERTURA VACINAL?

14 AVALIAÇÃO DO RESULTADO CONTEMPLA OU ABORDA AS EXPLICAÇÕES SOBRE AS RAZÕES PELA QUAIS AS ATIVIDADES DO PROGRAMA ALCANÇARAM OU NÃO OS SEUS RESULTADOS. ENFATIZA AS RELAÇÕES CAUSAIS ENTRE A INTERVENÇÃO E EFEITO RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: A INTERVENÇÃO EXPLICA OS RESULTADOS ESPERADOS?; EXEMPLOS: O AUMENTO DAS DOSES ADMINISTRADAS DA VACINA TETRAVALENTE, REDUZIRIA O NÚMERO DE MENINGITES POR HAEMOPHILUS INFLUENZAE TIPO B?

15 MONITORAMENTO DE IMPACTO USUALMENTE REFERE-SE AO ACOMPANHAMENTO DAS TENDÊNCIAS EPIDEMIOLÓGICAS DAS DOENÇAS. RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: QUE EFEITO TODAS AS INTERVENÇÕES TÊM SOBRE AS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS? EXEMPLOS: O AUMENTO DA COBERTURA VACINAL DA VACINA TETRAVALENTE OCASIONOU O DECLINIO DA MORBI- MORTALIDADE DA MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZAE TIPO B?

16 AVALIAÇÃO DE IMPACTO ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE AS TENDÊNCIAS EPIDEMIOLÓGICAS DA DOENÇA E OS PROGRAMAS DE CONTROLE E OUTROS FATORES ASSOCIADOS. RESPONDE QUESTÕES DO TIPO: QUANTO DA VARIAÇÃO NA INCIDÊNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS SE DEVE AO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES? EXEMPLOS: QUANTO DA MAGNITUDE DE REDUÇÃO DA PREVALÊNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS FOI EM RAZÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES?

17 INSTRUMENTO UTILIZADO NO MONITORAMENTO ESTÁ DIVIDIDO EM 08 PARTES

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

30 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

31 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

32 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

33 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

34 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

35 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

36 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

37 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

38 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

39 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

40 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

41 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

42 FOCO DA AVALIAÇÃO Compartilhar os resultados com todas as instancias Melhoria do Programa Imputabilidade

43 A organização mundial de saúde considera que as vacinas são, depois da água potável, a ferramenta que trouxe mais impacto positivo na redução de mortes e melhoria da qualidade de vida.

44 Referencias Bahia, Secretaria de Saúde,Manual de procedimento para vacinação, Salvador,573p,2011 BRASIL, Manual de Procedimento para Vacinação/ elaboração de Clélia Mª Sarmento de Souza Andrade et.al. 4.ed. Brasília: Ministério da Saúde: Fundação Nacional de Saúde;2001 4(2): ,1999. CENTRES FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTIO(CDC).Framework for Program Evaluation in Public Health.MMWR, Spet 17, 48, p.1-40,1999. HARTZ,Z.M.A.(Org). Avaliação de Saúde.Dos Modelos Conceituais à Prática na Análise de Implementação de Programas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, HARTZ,Z.M.A.Avaliação de Programas de Saúde:Perspectiva Teórico-Metodológica e Políticas Institucionais. Ciências & Saúde Coletiva, 4(2): ,1999.

45 Obrigado!!! Gt-Planejamento e monitoramento da CEI Tel:

F.13 Cobertura vacinal

F.13 Cobertura vacinal F.13 Cobertura vacinal Trata-se de um conjunto de 8 indicadores que avaliam a cobertura vacinal em menores de um ano para as seguintes doenças: hepatite B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, tétano,

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM * SES-PE ** IMIP Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde Diretoria Geral de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Gerencia de Monitoramento e Vigilância

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade Técnica de Doenças de Transmissão Respiratória e Imunopreveníveis Capacitação

Leia mais

Esfera: 20 Função: 10 - Saúde Subfunção: 302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial UO: 36901 - Fundo Nacional de Saúde

Esfera: 20 Função: 10 - Saúde Subfunção: 302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial UO: 36901 - Fundo Nacional de Saúde Programa 1444 Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças e Agravos Numero de Ações 24 Ações Orçamentárias 20AC Incentivo Financeiro a Estados, Distrito Federal e Municípios para Ações de Prevenção e Qualificação

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde I. Apresentação II. Contexto epidemiológico III.

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

REGISTRO DE DOSES APLICADAS Campanha de Vacinação contra a Influenza 2014. Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio

REGISTRO DE DOSES APLICADAS Campanha de Vacinação contra a Influenza 2014. Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio REGISTRO DE DOSES APLICADAS Campanha de Vacinação contra a Influenza 2014 Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio META E CRONOGRAMA O registro será realizado a partir do dia 22 de

Leia mais

O NOVO MODELO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO E A QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES SOBRE CAUSAS EXTERNAS

O NOVO MODELO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO E A QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES SOBRE CAUSAS EXTERNAS VI Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva Salvador - Bahia / Julho/2 O NOVO MODELO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO E A QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES SOBRE CAUSAS EXTERNAS AUTORES: Drumond Jr, M.; Lira, M.M.T.A.; Nitrini,

Leia mais

Experiência: Vozes cidadãs em aliança com a sociedade civil pelas imunizações

Experiência: Vozes cidadãs em aliança com a sociedade civil pelas imunizações Sessão de informação sobre vacinas Teatro Municipal Avenida Paulista Experiência: Vozes cidadãs em aliança com a sociedade civil pelas imunizações Maria Lígia B Ramos Nerger Subgerente de Imunização/CCD/COVISA

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com VACINA

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

Bolonha, fevereiro de 2014

Bolonha, fevereiro de 2014 Bolonha, fevereiro de 2014 Portaria n.º 1654, de 19 de Julho de 2011. Objetivo principal Induzir a ampliação do acesso e a melhoria da qualidade da atenção básica, com garantia de um padrão de qualidade

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio

Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede de Frio REGISTRODE DEDOSES DOSESAPLICADAS APLICADAS REGISTRO Campanha de Vacinação contra a Influenza Campanha de Vacinação contra a Influenza - 2015 2015 Coordenação do SIPNI-GO Gerência de Imunizações e Rede

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Recife - PE 18/07/2012

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Recife - PE 18/07/2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde Recife - PE 18/07/2012 Processo de Construção do Plano Setorial da Saúde Objetivos do

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Rio de Janeiro 06/07/2012

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Rio de Janeiro 06/07/2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde Rio de Janeiro 06/07/2012 Processo de Construção do Plano Setorial da Saúde 1. Definição

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer 1 CRÉDITOS Elaboração do relatório Elizabeth Moreira dos Santos (ENSP/FIOCRUZ)

Leia mais

Histórico da Malária no Acre. 1864 Ocupação das Terras Acreanas. 2006 - Uso da Combinação Artesunato+Mefloquina

Histórico da Malária no Acre. 1864 Ocupação das Terras Acreanas. 2006 - Uso da Combinação Artesunato+Mefloquina Histórico da Malária no Acre 1864 Ocupação das Terras Acreanas 2006 - Uso da Combinação Artesunato+Mefloquina Marize Barbosa Freire de Lucena Gerente do Departamento de Vigilância em Saúde Rio de Janeiro

Leia mais

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros Universidade Federal da Bahia - Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Doutorado em Saúde Pública Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Vacina para Rotavírus

Vacina para Rotavírus Vacina para Rotavírus Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância Instituto Butantan Pesquisador Instituto da Criança HC / FMUSP Epidemiologia da Infecção por Rotavírus

Leia mais

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA)

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA) Projeto 1: Elaboração dos Planos Diretores de TI da Administração Pública de Pernambuco Projeto 2: Elaboração do Plano de Governo em TI Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL.

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. Araújo Leônidas, Florentino Júnio; Iturri de La Mata, José Antonio; Queiroga de

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do TC 50 - Qualidade do Sistema Único de Saúde - QUALISUS,

Leia mais

Hanseníase: Monitoramento e Avaliação

Hanseníase: Monitoramento e Avaliação Ministério da Saúde Hanseníase: Monitoramento e Avaliação Manual de Capacitação em M&A Caderno do Participante Brasília DF 2009 2009 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Engenharia de Diagnóstico A engenharia Diagnóstica é a disciplina da ciência que procura a natureza e a causa das anomalias patológicas das construções, com

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

ÁREA: GESTÃO. SUB-ÁREA: Qualidade e produtividade de serviços em Unidades de Informação.

ÁREA: GESTÃO. SUB-ÁREA: Qualidade e produtividade de serviços em Unidades de Informação. ÁREA: GESTÃO. SUB-ÁREA: Qualidade e produtividade de serviços em Unidades de Informação. BASE DE DADOS DE INFORMAÇÃO INDÍGENA: padrão adotado pela FUNASA para o sistema de informação indígena Georgete

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 Regulamenta o funcionamento dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais - CRIE. O Presidente da Fundação Nacional

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência)

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Desenvolvido a partir de 2009: integra as bases de dados dos Sistemas de registros de aplicadas doses (SI-API), Eventos adversos (SI-EAPV), usuários de imunobiológicos

Leia mais

Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Café da Gestão. Planejamento Participativo para uma Gestão Democrática Um Estudo de Caso no Poder Executivo

Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Café da Gestão. Planejamento Participativo para uma Gestão Democrática Um Estudo de Caso no Poder Executivo Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Planejamento Um Estudo Participativo de Caso no para Poder uma Executivo Gestão Democrática Marco Temporal: dezembro de 2002 METODOLOGIA UTILIZADA 1. Orientação Geral para o

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde A formação profissional dos trabalhadores em Vigilância Epidemiológica: contribuições de uma abordagem politécnica de educação Mauro de Lima

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

MORTALIDADE EM POPULAÇÕES INDÍGENAS DO RIO GRANDE DO SUL/BRASIL 2003 A 2007

MORTALIDADE EM POPULAÇÕES INDÍGENAS DO RIO GRANDE DO SUL/BRASIL 2003 A 2007 MORTALIDADE EM POPULAÇÕES INDÍGENAS DO RIO GRANDE DO SUL/BRASIL 2003 A 2007 Autores: Ivone Andreatta Menegolla Ministério da Saúde Inajara Haubert Rodrigues FUNASA/RS POPULAÇÃO INDÍGENA DO RIO GRANDE DO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAUDE 2014 PROGRAMA: 06 Administração Governamental. Objetivo: Promover ações indispensáveis ao funcionamento administrativo e operacional

Leia mais

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta.

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta. Implantação do Planejamento Estratégico AMGE 100% até 2016 O Projeto Desdobramento do Planejamento Estratégico Institucional foi instituído por meio da Portaria PGR nº 725/2011 e finalizado em dezembro

Leia mais

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003 Programa Nacional de Controle da Tuberculose/ SVS/ MS Instituto de Estudos em Saúde Coletiva/ UFRJ Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios cio-econômicos em grandes centros urbanos com

Leia mais

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS PRIORITÁRIAS DA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM (PNAISH)

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA

Leia mais

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias MENINGITE Lucila T. Watanabe Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias Histórico (I) 1975 Implantação do SVEM (Sistema de vigilância epidemiológica das meningites) Após epidemias de Doença

Leia mais

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo 4 a Secretaria de Controle Externo

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo 4 a Secretaria de Controle Externo RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES Analistas Hiram Carvalho Leite Maria Antônia Ferraz Zelenovsky Supervisor Dagomar Henriques Lima BRASÍLIA SETEMBRO - 2002 Sumário 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU PLANO BÁSICO AMBIENTAL Saúde Equipamentos de saúde Controle da malária Saúde indígena O Plano de Saúde

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ)

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

O Trabalho de Mobilização Comunitária no Estado do Ceará

O Trabalho de Mobilização Comunitária no Estado do Ceará O Trabalho de Mobilização Comunitária no Estado do Ceará João Pessoa(PB), 06 de novembro de 2012 EVOLUÇÃO DO SANEAMENTO RURAL NO CEARÁ/CAGECE 2000 Ampliação da atuação da CAGECE no saneamento rural. 2001

Leia mais

Melhoria Continua da Qualidade

Melhoria Continua da Qualidade Melhoria continua da Qualidade Carlos Eduardo Aguilera Campos Faculdade de Medicina da UFRJ cadu@vetor.com.br Melhoria Continua da Qualidade Alguns pressupostos As propostas de Planejamento, Avaliação

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações CGPNI Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis DEVIT Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Diagnóstico Situacional da capacidade instalada

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

Prêmio Itaú-Unicef Fundamentos da edição 2007. Ações Socioeducativas

Prêmio Itaú-Unicef Fundamentos da edição 2007. Ações Socioeducativas Fundamentos da edição 2007 Ações Socioeducativas I - conjuguem educação e proteção social como meio de assegurar o direito ao desenvolvimento integral de crianças e adolescentes de 6 a 18 anos em condições

Leia mais

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

CRIE. Carla Matos Shirley F de Souza. Tayana Amaral GT-CRIE/CEI/DIVEP. Salvador-Ba Julho de 2014

CRIE. Carla Matos Shirley F de Souza. Tayana Amaral GT-CRIE/CEI/DIVEP. Salvador-Ba Julho de 2014 CRIE Carla Matos Shirley F de Souza Salvador-Ba Julho de 2014 Tayana Amaral GT-CRIE/CEI/DIVEP CEI COMITÊ EQUIPE TÉCNICA DE VIGILÂNCIA DE EAPV EQUIPE TÉCNICA CRIE SUB -COORD. REDE DE FRIO EQUIPE TÉCNICA

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA3043 EDITAL Nº 01/2014 1. Perfil: 01 2. Nª de vagas:seis (6) vagas 3. Qualificação educacional: Graduação na área de Serviço Social, preferencialmente

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder SANTA CATARINA Programa Estadual de Controle da Tuberculose Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder tuberculose@saude.sc.gov.br SECRETARIA

Leia mais