PERFIL DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO"

Transcrição

1 PERFIL DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL GUIMARÃES, Caroline Fernandes 1 SILVA, Lucineide 2 OLIVEIRA Elizabete Gaspar 3 RESUMO O presente artigo Perfil do Professor da Educação Infantil tem como objetivo levantar alguns apontamentos referentes ao perfil do professor da Educação Infantil, e quais os saberes necessários para atuar nesta etapa da educação básica. Portanto, os resultados foram obtidos através de leituras embasadas pelos estudos de alguns autores e também das práticas dos estágios supervisionados realizados durante o período do curso de Pedagogia. Para esse estudo foram necessários diálogos como autores que tratam a temática abordada, sendo eles: Oliveira (2010),Brasil(1998/2010),Kramer (2001),dentre outros. A metodologia utilizada constitui-se da pesquisa bibliográfica visando alcançar o objetivo esperado. Este artigo estrutura-se em três subtópicos: No primeiro subtópico discute-se inicialmente o breve histórico da concepção de infância e Educação Infantil enfatizando o seu processo de evolução e até chegar à atualidade. Já segundo subtópico abordar-se a Legalidade que rege a Educação Infantil discutindo as principais Leis e programas referentes ao atendimento da criança. No terceiro subtópico trata-se da questão de qual o perfil do professor de Educação Infantil relacionando a realidade existente e a prática do Estágio Supervisionado. Finalmente, apresenta-se na conclusão o resultado do estudo, sendo assim concluímos se não houvesse mudança de postura em relação à visão criança, a Educação Infantil não teria mudado a sua forma de conduzir o trabalho docente, e assim consequentemente não teria surgido um novo perfil de educador para essa etapa de ensino. Palavras chave: Educação Infantil, Legalidade e Formação de Professor /Alunos. INTRODUÇÃO 1 Graduanda do 8º Semestre de Pedagogia pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do vale do São Lourenço-Eduvale. 2 Graduanda do 8º Semestre de Pedagogia pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do vale do São Lourenço-Eduvale. 3 Professora Mestranda na Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do vale do São Lourenço- Eduvale.

2 Este artigo O Perfil do Professor de Educação Infantil tem por finalidade esclarecer as contribuições e as atribuições que competem a este profissional que atua na primeira etapa da educação básica Educação Infantil, bem como exemplificar a importância que o mesmo representa para a organização da escola, da criança até mesmo da comunidade na qual esta se encontra inserida. Este trabalho é fruto dos estágios realizados durante o curso de Pedagogia, que foi realizado pelas acadêmicas do 8º Semestre do Curso de Pedagogia, da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Vale do São Lourenço - EDUVALE, sob a orientação da professore mestranda Elizabete Gaspar de Oliveira, corresponde à disciplina de Seminário Integrador: Uma Reflexão sobre a Prática de Estagio Supervisionado. Destaca-se ainda que os autores que nos deram suporte durante esta jornada foram Oliveira (2002 / 2010), Brasil (1998 / 2010), Kramer (2001), entre outros que contribuíram nesta jornada de construção. Que os mesmos ressaltam a construção histórico de criança e de infância, e a interação dela no meio em que convive. Ainda em tempo ressaltamos sobre a metodologia, que constituem da pesquisa bibliográfica, onde utilizamos os atores acima para nos darmos suportes em toda a trajetória deste artigo. Portanto, almeja-se com este artigo contribuir de forma significativa para estudos posteriores que visem nortear tanto educadores como simpatizantes pela temática do perfil do professor que atua na Educação Infantil. 1 PERFIL DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL Para compreender o perfil do professor da educação infantil é necessário fazer um breve histórico, considerando sua evolução até chegar à atualidade, enfatizando a legalidade que rege a Educação Infantil e o perfil do professor que atua nesta etapa da Educação Básica. 1.1 Breve Histórico: Concepção de Infância e Educação Infantil Para compreender a construção da história do surgimento do sentimento de infância, é necessário conhecer um pouco do histórico da evolução da mesma e

3 suas transformações ocorridas durante vários séculos, assim conforme alguns de estudos de Soares apud ÁRIES, (1978): O sentimento de infância não significa o mesmo que afeição pelas crianças corresponde à consciência da particularidade infantil, essa particularidade que distingue essencialmente a criança do adulto, mesmo jovem. (ÁRIES, 1978, p. 99). Nesse pensar, o sentimento de infância é o que difere a criança do adulto, com singularidades próprias que são atribuídas ao seu mundo infantil, assim requer uma atenção especial a essa etapa tão essencial para o seu desenvolvimento do ser humano. Durante a Idade Média praticamente não existia conceito de infância como trata o historiador francês Philippe Áries (1978), dessa maneira considerava fatores físicos da criança como o período do nascimento da dentição até os sete anos de idade, de forma que a criança ainda nem conseguiria falar, caracterizando assim sua primeira infância. Posteriormente, até o século XVII a criança ainda não era assistida com atenção pela sociedade. Pois, como aponta KRAMER, (2001), nesse período por causa dos altos índices de mortalidade infantil resultante das péssimas condições de sanitárias, a morte era fator natural que não necessitava de lamentação. Já na Idade Média a criança era vista como um adulto em miniatura, como vestimentas característica, assim participa e ajudava nas atividades dos adultos, sem qualquer preocupação como a formação específica referente a sua faixa etária própria,assim as aprendizagens eram construídas através experiências vivenciadas. Nessa época, também era defrontada outras situações, assim como trata (KRAMER, 2001), a questão da educação moral da criança, e construção de valores éticos. Diante dessa situação, a igreja fica á cargo da educação da criança, com a tentativa de livrá-la de ser desviada para o caminho do pecado. Está influência religiosa impulsionada pela igreja vai dar apoio valorização da criança e a educação até o século XIX e XX. Partindo daí, surge a tentativa de compensação decorrente do sentimento de infância de Áries, criando-se um paradoxo entre: a inocência de criança dependente de cuidados e a criança como fruto do pecado.esse paradoxo é resultado das

4 mudanças da responsabilidade da família que passa a assumir e valorizar a sua função, visando à formação integral da criança. Consequentemente, durante o século XVIII, surge a preocupação da família com a educação da criança, porém, esta não era só com a educação, mas ainda com as condições sanitárias e a saúde da criança, que resultou propriamente nos baixos índices de mortalidade infantil. Todavia somente as crianças da classe nobre que eram beneficiadas com direito a educação e cuidados, para as crianças de famílias menos abastadas eram destinado o assistencialismo e o mercado de trabalho. Na Idade Média e Moderna, as crianças eram recolhidas e deixadas na roda dos expostos que se refere á cilindros ocos de madeira, giratórios construídos em muros de igreja ou hospitais. No Brasil dos expostos era utilizada para recolher crianças da zona urbana vindas da família tradicionais. Nessa época, segundo (OLIVEIRA, 2010): A ideia de abandono, pobreza, culpa e caridades impregnam assim, as formas precárias de atendimento a menor nesse período e vão permear determinadas concepções a cerca do que é uma instituição que cuida da Educação Infantil, acentuando o lado negativo do atendimento fora da família (OLIVEIRA, 2002, p.59). Após a segunda metade do século XIX, segundo KRAMER (2001), no Brasil as condições de atendimento da criança obtiveram poucas mudanças, apesar de ser um momento de relevantes desenvolvimentos cultural e tecnológico que era sobre o governo da República, passando pelo período de abolição da escravatura surgiu a preocupação com o destino dos filhos dos escravos que não podia continuar a função de seus pais assim aumentava o número de criança abandonadas e ainda era momento de transição da população para as grandes cidades. Durante a Revolução Industrial, a sociedade passava pelo processo de transição agrário-mercantil para urbano-manufatureira, onde a maioria das pessoas morava na zona rural sobreviviam da mão de obra nas grandes lavouras e com o avanço da industrialização nas cidades aumentou-se a migração de pessoas e quantidades de crianças abandonadas pelos pais, por muitos não terem com quem deixar seus filhos para trabalhar, dentre outros motivos como a pobreza, a mortalidade infantil. Consequentemente:

5 Aos poucos o atendimento às crianças torna-se mais formal, como resposta a essa situação, foram surgindo instituições para o atendimento de crianças desfavorecidas ou crianças cujos pais trabalhavam nas fábricas (OLIVEIRA, 2010). Na tentativa de compreender a maneira como se devem educar as crianças, muitos pesquisadores se estimaram pela essa indagação,entre eles: Rousseau, Comênio, Pestalozzi, Decroly, Froebel e Montessori que servem como referência á respeito de educação. No entanto, segundo Oliveira (2010) apesar de ter diversas concepções sobre a criança, concorda com as singularidades infantis que as diferem dos adultos. Nesta perspectiva, como aborda OLIVEIRA, (2010), surgem no Brasil os jardins de infância que tiveram bastante polêmica na época, pois muitas pessoas defendiam sua criação visando o desenvolvimento da criança. Em contra partida, outros condenados por assemelhar com os asilos franceses caracterizado com locais de guardar crianças, ou seja, como um depósito infantil e não queriam ter a responsabilidade de assumir publicamente, assim eram mantidos primeiramente pela caridade e generosidades das pessoas. No Brasil nos anos 70, a Educação Infantil passa por forte caráter assistencialista e compensatório, partindo daí foram aderidas teorias experimentadas pelos europeus e americanos que impulsionaram a privação cultural que afetava as crianças das classes menos favorecidas, consequentemente as crianças tinham que expor suas irrealizações escolares. Nesse entendimento, como se refere à abordagem de (OLIVEIRA, 2010, p.104), foram predominados nessa etapa conceitos referentes carência e marginalização cultural e educação compensatória sem que houvesse uma reflexão crítica mais profunda sobre as raízes estruturais dos problemas sociais. Observa-se que o atendimento nas creches e pré-escolas em épocas anteriores era voltado para atender crianças carentes, abandonadas e filhos de pais trabalhadores, com isso predominava o assistencialismo e a educação compensatória, dessa maneira não era necessária a qualificação dos profissionais para trabalhar na Educação Infantil, pois não tinha a preocupação com a formação intelectual e social da criança, entre outros. Sendo assim, a construção do conceito de criança passou por várias transformações até chegar ao que se conhece hoje, pois a criança na

6 contemporaneidade é entendida pelas suas necessidades específicas que diz respeito às condições que auxiliam no processo de seu desenvolvimento integral. 1.2 Legalidade que rege a Educação Infantil A criança desde muito cedo aprende a conviver com a sociedade, sendo ela um ser que merece atenção, cuidados, educação, direitos que um tempo atrás praticamente não existiam assim essencialmente ter o direito de ser criança e brincar, dentre outros. Nesta perspectiva, a ONU (Organização das nações unidas) foi uma das pioneiras na defesa dos direitos da criança, assim no período de 1959 promulga a Declaração dos direitos da criança, ressaltando a criança com ser que tem direitos assegurados por Leis. Posteriormente nos anos 80, a ampliação pelo acesso da educação da criança passa a ser reivindicada pelas manifestações populares como um dever do Estado, que por sua vez não tinha comprometimento legal perante á essa realidade. Mas foi só em 1988, que resultando de movimentos feministas e movimentos sociais a Constituição Brasileira estabelece a educação em creches e pré-escolas como direito da criança e dever do Estado e da família. Neste sentido, a Educação infantil passa a ser direito da criança assegurado pelo Estado, porém, ela ainda não define a mesma parte da educação básica e deixa aberto a oferta conforme a demanda abrindo ai um espaço para o descaso das políticas públicas para com as crianças. Com a promulgação da lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional de Nº 9394/96 a Educação Infantil passa a fazer parte da Educação Básica, porém sua oferta ainda não é de obrigatoriedade na união. Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais Para A Educação Infantil: Primeira etapa da educação básica, oferecida em creches e pré-escolas, ás quais se caracterizam como espaços institucionais não domestico que constituem estabelecimentos educacionais públicos ou privados que educam e cuidam de crianças de 0 a 5 anos de idade no período diurno em jornada integral ou parcial, regulados e supervisionados por órgão competentes do sistema de ensino e submetido do controle social. É dever do Estado, garantir a oferta de Educação Infantil pública, gratuita e de qualidade, sem requisito de seleção. (BRASIL, 2010, p.12).

7 Diante disso, a constituição no retrata que é de fato obrigatório as crianças de zero aos seis anos no ambiente escolar. De acordo com a resolução 5, de 17 de dezembro de 2009, a mesma relata sobre o Art. 5º, onde vai abordar partes dos direitos que a criança tem e suas finalidades para estas etapas de desenvolvimento e construção de seus conhecimentos durante e depois de sua infância. Na possibilidade de enriquecer a garantia de direitos da criança, teve a criação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) pela Lei Nº de 13 de julho de 1990 reproduzindo a Constituição Federal enfatizando á criança o direito á Educação, á Cultura, ao Esporte e ao Lazer,descritos no Capítulo IV e Art.54.que aponta É dever do estado assegurar á criança e ao adolescente: IV- atendimento em creche e pré-escola ás crianças de o a 6 anos de idade.perspectiva surge a nova Nessa perspectiva, surgiu a LDB( Leis de Diretrizes e bases da Educação Infantil que tem caracteriza segundo a Lei nº9394/96 a incorporação da Educação Infantil como primeiro nível da Educação Básica formalizando também a municipalização. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, determina nos artigos 9º e 87, respectivamente, que cabe à União, a elaboração do Plano, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, e institui a Década da Educação. Estabelece ainda, que a União encaminhe o Plano ao Congresso Nacional, um ano após a publicação da citada lei, com diretrizes e metas para os dez anos posteriores, em sintonia com a Declaração Mundial sobre Educação para todos. ( Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996). Na tentativa de melhorar a estrutura da Educação Infantil, em 1998 teve a criação do RCNEI (Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil), que é um documento norteador do trabalho realizado com crianças de 0á 6 anos de idade,de modo que é integrado na sua proposta o cuidar e o educar. Consequentemente, surgiram novos programas educativos destinados a qualidade do ensino sendo eles pôr exemplos: o Pro infantil (NIVÉL MÉDIO),programa nacional de alimento escolar (PNAE), Fundo Manutenção e desenvolvimento da educação básica (FUNDEB),programa dinheiro direto na escola (PDDE), sendo feito através de transferências obrigatória do MEC. Portanto, a proposta pedagógica de varias instituições de Educação infantil deve ter como objetivo garantir à criança acessos aos processos de assimilação, renovação e articulação de conhecimentos e aprendizagens de diferentes culturas,

8 linguagens, assim como o direito à confiança, respeito, proteção, saúde, liberdade, dignidade, brincadeira, convivência e à interação com outras crianças no ambiente escolar. 1.3 Qual o Perfil do Professor na Atualidade O professor que atua na creche ou pré-escola precisa fazer acontecer um trabalho coletivo, ou seja, a interação com outras pessoas, na troca de conhecimentos e informações, na realização de suas atividades, para que juntos possam realizar objetivos referentes à sua pratica e o desenvolvimento da criança no processo de ensino aprendizagem. Caso não ocorra o rendimento dos objetivos esperados, é preciso que aconteça a práxis reflexiva, com uma retomada dos conteúdos e recursos pedagógicos voltados para o desenvolvimento do sujeito para uma compreensão melhor. Diante disso, como discute (FREIRE, 1998): [...] na formação permanente dos professores, o momento fundamental é o da reflexão crítica sobre a prática. É pensando criticamente a prática de hoje ou de ontem que se pode melhorar a próxima prática [...]. (FREIRE, 1998, p.43-44). Atuar como professor durante o período de estágio foi uma experiência única que possibilitou a oportunidade de trabalhar e conviver diariamente com o ser humano conhecendo sua história de vida e realidade em que convive. Desse modo, é essencial relacionar com pessoas que fazem parte da realidade, pois na prática docente necessita o contato com pessoas todos os momentos e tempos, exigindo um convívio social na interação com troca de experiências e respeito ao próximo, seja mediação de conhecimentos no processo de Ensino aprendizagem, quanto nas tomadas de decisões para resoluções de problemáticas juntamente com toda a comunidade escolar. Nessa perspectiva, é necessário conhecer e respeitar as diversidades multiculturais da criança, pois ela vem inicialmente de outro âmbito educacional como família, a sociedade com experiência, traz consigo conhecimentos, habilidades e capacidades adquiridas culturalmente em seu meio.

9 É preciso que a educação esteja - em seu conteúdo, em seus programas e em seus métodos - adaptada ao fim que se persegue: permitir ao homem chegar a ser sujeito, construir-se como pessoa, transformar o mundo, estabelecer com os outros homens relações de reciprocidade, fazer a cultura e a história [...] uma educação que liberte,que não adapte, domestique ou subjugue. (FREIRE. 2006, p. 45). Neste sentido, a criança é um ser ativo que necessita de estímulos para seu desenvolvimento, a sua formação inicialmente se dá no ambiente educacional seja na família, ou na sociedade impulsionando suas primeiras aprendizagens, e o brincar possibilita a concretização das aprendizagens desenvolvendo assim varias capacidades e habilidades direcionadas como métodos e recursos pedagógicos na sala de aula pelo professor que faz essa mediação entre a criança e o seu meio, baseando na sua realidade em que com vive e de conhecimentos pré-existentes, assim ao brincar também acontece a aprendizagem, dentre outros. Dessa forma: Brincar fornece à criança a possibilidade de construir uma identidade autônoma, cooperativa e criativa. A criança que brinca adentra o mundo do trabalho, da cultura e dos afetos pela via da representação e da experimentação. (ABRAMOWICZ, 1999, p.56) Neste pensar, o professor que atua na área da Educação Infantil acompanha de perto o desenvolvimento integral da criança que é um ser naturalmente espontâneo, dessa forma o professor deve-se aproximar seu trabalho de maneira verdadeira, pois a criança reflete as ações do professor idealizando muitas vezes como um espelho para ele ou um exemplo a seguir. Existem muito mais que mediação de conhecimentos, informações e estímulos ao desempenho das capacidades e habilidades, mas também existe uma relação de afeto e acolhimento que permite a expressão do seu eu e do mundo ao redor. A prática de Estágio Supervisionado em Educação Infantil nos possibilitou fazer a interligação da teoria com a prática, em primeiro momento ao observar a rotina e a prática do professor na Educação Infantil proporcionou a experiência de conhecer a realidade da sala de aula, assim fizemos anotações recolhendo dados e, posteriormente baseando nas informações obtidas fizemos levantamento bibliográfico de autores referentes ao assunto para fundamentar teoricamente para o nosso projeto, para que pudéssemos retornar a sala de aula no período de regência,

10 com a tentativa de responder nossas curiosidades, indagações e perspectivas da futura profissão. Parto do pressuposto que o estágio supervisionado é imprescindível na formação do assistente na formação do assistente social. Este é concebido como uma situação-processo de ensino-aprendizagem. Neste sentido, é o lócus apropriado onde o aluno desenvolve a sua aprendizagem prática, o seu papel profissional, a sua responsabilidade, o seu compromisso, o espírito crítico, má consciência, a criatividade e demais atitudes e habilidades profissionais esperadas em sua formação. (BURRIOLA, 2011, p.83). Ao ter a oportunidade de trabalhar na Educação Infantil percebe-se o envolvimento e compromisso com o ser humano, deixando em evidências, dedicação, determinação, amor pelo que faz, compreende-se a importância do papel professor no processo de construção e desenvolvimento da criança nos aspectos motor, físico, cognitivo, afetivo e dentre outros a serem desempenhados no ambiente da instituição Infantil. Pois na educação infantil envolvem a educação, estimulando o desenvolvimento das capacidades e aprendizagens, cuidados com a higiene e saúde visando o bem-estar da criança e o brincar que é umas das coisas que as crianças mais gostam de fazer, dessa forma unindo as brincadeiras aos exercícios e desenvolvimentos das capacidades e habilidades. Portanto, logo se faz necessário à capacitação do profissional visando os aprimoramentos da sua prática para a melhor a qualidade do processo de Ensinoaprendizagem para alcançar os objetivos almejados e planejamento de atividades a serem desempenhadas. CONCLUSÃO Através desse artigo sobre o perfil do professor que atua na Educação Infantil, enfatizando o estudo do breve histórico da concepção da Educação Infantil, a Legalidade que rege a Educação Infantil e o qual o perfil do professor de educação infantil na atualidade. A partir do estudo do breve histórico da concepção da Infância e educação infantil contribuiu para o entendimento da construção do conceito de infância

11 enfatizando o processo histórico focado no surgimento da Educação Infantil, direcionando todo o atendimento prestado à criança pequena. Nesse entendimento, existe uma relação entre a Educação Infantil e ao conceito de infância, que sofreu várias mudanças sociais gradativas ao longo do tempo que chegou à concepção que conhecemos hoje. Anteriormente a criança não era enxergada pela sociedade com ser em desenvolvimento e com particularidades infantis, assim a educação infantil passou a ser valorizada pela sociedade quando a criança compreendeu-se o sentimento de infância e oposição ao adulto. Portanto, concluir-se baseando nos estudos teóricos e nas experiências do Estágio Supervisionado, se não houvesse mudança de postura em relação à visão criança, a Educação Infantil não teria mudado a sua forma de conduzir o trabalho docente, e assim consequentemente não teria surgido um novo perfil de educador para essa etapa de ensino. REFERÊNCIAS ABRAMOWICZ, Anete. Educação Infantil: creches: atividades para crianças de zero a seis anos. 2 ed. São Paulo: Moderna, ÁRIES, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: LTC, Brasil, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil / Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, BURRIOLLA, Marta Alice Feiten, O Estágio Supervisionado/Marta Alice Burriolla, - 7. Ed. São Paulo: Cortez, FREIRE. Paulo. Conscientização: Teoria e prática da libertação: Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3ª ed.; São Paulo: Centauro, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, (Coleção Leitura).

12 KRAMER, Sônia. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 6 ed.são Paulo:Cortez OLIVEIRA, Zilma Ramos de Educação Infantil: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

Fundamentos Teóricos Metodológicos da Alfabetização. Prof. Denise de Oliveira Alves

Fundamentos Teóricos Metodológicos da Alfabetização. Prof. Denise de Oliveira Alves Fundamentos Teóricos Metodológicos da Alfabetização Prof. Denise de Oliveira Alves I- CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA Reflexões iniciais: As transformações ocorridas no campo da educação infantil estão estritamente

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

3º período -1,5 horas. Ementa

3º período -1,5 horas. Ementa Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil 3º período -1,5 horas Ementa Organização da escola de educação infantil. Planejamento, registro e avaliação da educação infantil. Fundamentos e métodos

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Emylle Barros de Almeida Fonseca Aluna graduanda do curso de Pedagogia - CAMEAM- UERN Thais Chaves de Oliveira

Leia mais

Anais do II Seminário de Pesquisa do NUPEPE Uberlândia/MG p. 28-35 21 e 22 de maio 2010

Anais do II Seminário de Pesquisa do NUPEPE Uberlândia/MG p. 28-35 21 e 22 de maio 2010 28 O CUIDAR E O EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PERSPECTIVA PARA GRADUADOS EM LICENCIATURAS Adrienne Galvão Silveira Licenciada e Bacharel em Geografia Profa. Rede Particular Uberlândia - MG galvaodri@yahoo.com.br

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

A História da Educação Infantil. PASSAMAI,Gislaine de Llima 1. SILVA, Joice Ribeiro Machado da 2

A História da Educação Infantil. PASSAMAI,Gislaine de Llima 1. SILVA, Joice Ribeiro Machado da 2 A História da Educação Infantil PASSAMAI,Gislaine de Llima 1 SILVA, Joice Ribeiro Machado da 2 Resumo O presente artigo tem como objetivo principal analisar a história da educação infantil. Abordaremos

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 1. Apresentação do Professor. Ementa. Organização da Disciplina. Pedagogia

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 1. Apresentação do Professor. Ementa. Organização da Disciplina. Pedagogia Educação Infantil: Fundamentos Teleaula 1 Prof. Me. Mônica Caetano da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Apresentação do Professor Pedagogia Ementa Políticas para a Educação Infantil: conceitos

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL CLIMENIA MARIA LACERDA DE OLIVEIRA Núcleo de Estudos e Pesquisas: Trabalho Docente, Formação de Professores e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS.

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. 712 A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. Indira Aparecida Santana Aragão ¹, Gilza Maria Zauhy Garms ² ¹ Aluna do curso de Pedagogia

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUND. TEÓRICOS METODOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Educação

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR Francisca Helena Carlos- Graduanda do 7º período do Curso de Pedagogia CAP /UERN Maria Solange Batista da Silva Graduanda do

Leia mais

FUNDAMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. Priscila Chupil

FUNDAMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. Priscila Chupil FUNDAMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Priscila Chupil IESDE BRASIL S/A Curitiba 2015 2014 IESDE BRASIL S/A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL NA CONTEMPORANEIDADE: CONCEPÇÃO E DESAFIO

EDUCAÇÃO INFANTIL NA CONTEMPORANEIDADE: CONCEPÇÃO E DESAFIO EDUCAÇÃO INFANTIL NA CONTEMPORANEIDADE: I ENCONTRO ESTADUAL MEC E MPPE DE EDUCAÇÃO ACESSO E QUALIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM PERNAMBUCO 20.09.2013 Aspectos históricos (tempo recente) Século XX: Os direitos

Leia mais

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL PACÍFICO, Juracy Machado/UNIR 1 RESUMO: O texto aborda a temática das diferenças étnico-raciais e socioculturais presentes também nas escolas de educação

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*) Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil O Presidente

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DAS CRECHES E DA EDUCAÇÃO INFANTIL INTRODUÇÃO Conforme garante

Leia mais

O PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES QUE ORIENTAM E CONSTITUEM AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

O PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES QUE ORIENTAM E CONSTITUEM AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS O PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES QUE ORIENTAM E CONSTITUEM AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Diolinda Franciele Winterhalter 1, UFSM Fabiana Rampelotto Penteado 2,

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Rede Nacional Primeira Infância

Rede Nacional Primeira Infância Rede Nacional Primeira Infância O lugar da Educação Infantil nas políticas para a primeira infância Seminário Nacional Currículo e Avaliação da Educação Infantil: Políticas para a primeira infância. Rio

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA INFÂNCIA: REFLEXÕES INICIAIS

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: O PERCURSO HISTÓRICO E ALGUNS DESAFIOS DA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO INFANTIL: O PERCURSO HISTÓRICO E ALGUNS DESAFIOS DA ATUALIDADE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EDUCAÇÃO INFANTIL: O PERCURSO HISTÓRICO E ALGUNS DESAFIOS DA ATUALIDADE Marta Chaves 1 ; Janice Carina Groth 2 ; Eliana Cláudia Graciliano 3 RESUMO: Este

Leia mais

ENSAIO ACERCA DAS POLÍTICAS BRASILEIRAS ATUAIS PARA O ENSINO DE NOVE ANOS

ENSAIO ACERCA DAS POLÍTICAS BRASILEIRAS ATUAIS PARA O ENSINO DE NOVE ANOS ENSAIO ACERCA DAS POLÍTICAS BRASILEIRAS ATUAIS PARA O ENSINO DE NOVE ANOS 2015 Karen Cristine Teixeira Adriano Schlösser Gabriela Rodrigues Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil) E-mail de contato:

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DA ESCOLA

1. DESCRIÇÃO DA ESCOLA ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UM OLHAR SOBRE A CRECHE TEREZA GIOIA - CAMPINA GRANDE/PB Carla Priscila Gonçalves Cesário - Graduanda/UEPB Érika Barbosa Santos Graduanda / UEPB Nívia Kaliana da Silva Costa - Graduanda/

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares.

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares. REFORMULAÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE SANTA RITA/PB: o processo de formulação das políticas BARROS, Maria Cristitna de Oliveira Bezerra 1 AMORIM, Ana Luisa Nogueira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE PEDAGOGIA JOSIELMA GOMES DA COSTA MARQUES

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE PEDAGOGIA JOSIELMA GOMES DA COSTA MARQUES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE PEDAGOGIA JOSIELMA GOMES DA COSTA MARQUES EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL: EVOLUÇÃO E REPERCUSÃO NO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM INSTITUIÇÕES

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES Renata Cristina de L. C. B. Nascimento Mestranda do Curso de Mestrado em Educação da UNEMAT, Departamento de Pedagogia da UNEMAT/Cáceres

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS FORMATIVAS DESENVOLVIDAS NO MUNICÍPIO DE TERESINA

FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS FORMATIVAS DESENVOLVIDAS NO MUNICÍPIO DE TERESINA FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS FORMATIVAS DESENVOLVIDAS NO MUNICÍPIO DE TERESINA Francisca Emanuela Rocha da Costa (UFPI) 1 Elmo de Souza Lima (UFPI) 2 RESUMO A educação

Leia mais

O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Karine Adriana Camilo 1 Sandra Aparecida Machado Polon 2 RESUMO: Este artigo é resultado do Estágio Supervisionado da Educação Infantil, o qual

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2º/2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 2. Contextualização. Educação Básica LDBEN 9394/96. Educação Infantil e Ensino Fundamental

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 2. Contextualização. Educação Básica LDBEN 9394/96. Educação Infantil e Ensino Fundamental Educação : Fundamentos Teleaula 2 Prof. Me. Mônica Caetano da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Contextualização Pedagogia Educação e Ensino Segundo a LDBEN 9394/96, artigo 21, a educação escolar

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

ADAPTAÇÕES CURRICULARES E PROCESSOS INCLUSIVOS

ADAPTAÇÕES CURRICULARES E PROCESSOS INCLUSIVOS 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL E PROCESSOS INCLUSIVOS JOSIANE DE SOUZA VARGAS ADAPTAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNISANTA FACULDADE DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNISANTA FACULDADE DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNISANTA FACULDADE DE PEDAGOGIA FaPE Curso de Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Infância II 2º semestre/ 2012. Profª. Ms. Maria Cristina P. Alves DISPOSITIVOS ANTECEDENTES

Leia mais

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil INTRODUÇÃO Currículo e Educação Infantil A Educação Infantil é dever e obrigação do Estado e responsabilidade política e social da sociedade e não apenas daqueles que vivenciam a realidade escolar, utilizando-se

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA

EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA BUENO, Gilmar Duarte Ribeiro UNICENTRO PR gilmarduarte@hotmail.com RODRIGUES, Roseli Viola UNICENTRO - PR jguego@yahoo.com.br Eixo Temático:

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES E RESPOSTAS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (SEB/MEC)

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES E RESPOSTAS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (SEB/MEC) ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES E RESPOSTAS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (SEB/MEC) A ampliação do Ensino Fundamental para nove anos de duração, com a matrícula obrigatória

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Palavras-chave: Creche, assistencialista, cuidar educar, dificuldades

Palavras-chave: Creche, assistencialista, cuidar educar, dificuldades EDUCAÇÃO SE TRAZ DA CRECHE: DIFICULDADES DE EDUCAR-CUIDAR EM UMA CRECHE DA REDE MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Aristeo Gonçalves Leite Filho Daise Silva dos Santos Resumo: O presente trabalho surgiu da experiência

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ROTINA PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DA ROTINA PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTRIBUIÇÕES DA ROTINA PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUZ, Aline Matos Oliveira ¹ COSTA, Andréia de Oliveira Santos¹ SILVA, Raquel Rodrigues de Andrade ¹ FERREIRA, Jalmira

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Currículo na Educação Infantil. Diretrizes Curriculares Nacionais DCNEI/MEC (2010)

Currículo na Educação Infantil. Diretrizes Curriculares Nacionais DCNEI/MEC (2010) Currículo na Educação Infantil Diretrizes Curriculares Nacionais DCNEI/MEC (2010) Ementa Formação Continuada AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA EDUCAÇÃO INFANTIL (MEC/SEB -2010) OBJETIVO GERAL: Qualificar

Leia mais

O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES. O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES. ALAN ROBERTO FRUHLING 1 ELENITA CONEGERO PASTOR MANCHOPE 2 FABIANE ANDRÉIA FELDKIRCHER 3 LURDES TEREZINHA SPIES ULLMANN 4 MAYSA REGINA

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

2. A Educação Infantil em Natal

2. A Educação Infantil em Natal Uma mudança importante ocorreu no início da década de 60, com a Lei 4.024/61 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional que incluiu os Jardins de Infância no Sistema de Ensino, incrementando a procura

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: RCNEI. Políticas. História. Educação. Infância.

PALAVRAS CHAVE: RCNEI. Políticas. História. Educação. Infância. PERSPECTIVAS DA CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA NA DÉCADA DE 90 NOS REFERENCIAIS CURRICULARES NACIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Lisboa Andrade 1 Armindo Quillici Neto 2 RESUMO O objetivo desse trabalho é apresentar

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INFANTIL I - META 1 DO PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches

Leia mais

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3.

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3. Resumo A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3 O trabalho apresentado é um relato de experiência que foi desenvolvida

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA. COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos

PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA. COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos 3º período Daniela Santana Reis 2012.1 da Educação Infantil CRÉDITOS

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DO PONTO DE VISTA DOS USUÁRIOS DE TRÊS CRECHES NÃO-GOVERNAMENTAIS NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DO PONTO DE VISTA DOS USUÁRIOS DE TRÊS CRECHES NÃO-GOVERNAMENTAIS NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DO PONTO DE VISTA DOS USUÁRIOS DE TRÊS CRECHES NÃO-GOVERNAMENTAIS NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA Natalia Batista Vasconcelos * RESUMO Este artigo analisa a importância

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

O DESENHO COMO FATOR PRIMORDIAL NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL 1

O DESENHO COMO FATOR PRIMORDIAL NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL 1 1 O DESENHO COMO FATOR PRIMORDIAL NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL 1 Aline Aparecida Silva * Helenice Maria Tavares ** RESUMO O presente artigo tem por objetivo levar aos educadores a repensar sobre sua prática,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Thais Tolentino 1 Valdeniza Maria Lopes da Barra 2 RESUMO: Este trabalho pretende mostrar os apontamentos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais