CURSO DE CAPACITAÇÃO DE URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Dengue: Manejo no paciente com quadro Clínico de Dengue Dr. Luiz José de Souza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE CAPACITAÇÃO DE URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Dengue: Manejo no paciente com quadro Clínico de Dengue Dr. Luiz José de Souza"

Transcrição

1 CURSO DE CAPACITAÇÃO DE URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS Dengue: Manejo no paciente com quadro Clínico de Dengue Dr. Luiz José de Souza

2 DEFINIÇÃO É uma doença infecciosa aguda, causada por um vírus e transmitida ao homem através da picada do mosquito Aedes aegypti. SOROTIPOS Den-1 Den-2 Den-3 Den-4

3 MECANISMO DE TRANSMISSÃO Homem Infectado Mosquito Homem Sadio Agente Transmissor MOSQUITO Agente Causador VÍRUS

4 PERÍODO DE INCUBAÇÃO: No período de 3 à 15 dias (sendo em média de 5 a 6) após ser picado pelo mosquito transmissor, o indivíduo começa a apresentar sintomas da doença. QUAIS SÃO OS SOROTIPOS QUE ESTÃO EM CIRCULAÇÃO EM 2008? Den-2 Den-3 No Rio de Janeiro ocorreu uma epidemia mista pelos sorotipos 2 e 3 simultaneamente. Esta condição é retrato do que está ocorrendo em todo país. A maior preocupação gira em torno das crianças pela reinfecção do sorotipo 2. Janeiro 2008 Maio 2008

5 Expansão da Dengue no Brasil Determinantes: Aumento da densidade populacional - 81% em áreas urbanas Heterogeneidade na oferta regular de água entre as regiões do país Aumento da produção de lixo urbano com destino inadequado Condições favoráveis para a rápida dispersão do vetor - transporte de pessoas e cargas - 35 mil pessoas/mês viajam entre Manaus e Venezuela (DEN 4) Aumento na mobilidade da população e do fluxo de turistas

6 Municípios Infestados por Aedes aegypti municípios municípios duplicação de municípios infestados Fonte: SES

7 Turismo Internacional De 250 mil para 4,8 milhões de turistas de % dos turistas internacionais visitaram o Rio (2002 a 2004) Previsão de 25 milhões de turistas internacionais até 2020 Fontes: Instituto EcoBrasil

8 Casos notificados e Hospitalizados Brasil, * Casos notificados Hospitalizações Casos notificados DENV Hospitalizações DENV1 DENV Ondas epidêmicas em áreas localizadas *Dados de Hospitalizações até Novembro/2007 Endêmico/Epidêmico Circulação do vírus em todas regiões

9 Centro de Referência da Dengue 2002 até Fev/ pessoas atendidas AMBULATÓ RIO 67,5% IgM Reagente 66% IgM Reagente conf. Confirmados notificados LABORATÓ RIO DENGUE ENFERMARIA CTI 63,2% IgM+ IgG pessoas internadas 5% Dengue hemorrágica

10

11

12 Diagnóstico Fluxograma para solicitação de exames Suspeita Clínica Realizar no 3º dia ao 5º dia Hemograma Plaquetas VHS Transaminases Realizar até o 4º dia Isolamento Viral Ou PCR Dengue Antígeno NS -1 Casos com Gravidade Realizar no 5º dia Hemograma Plaquetas VHS Transaminases Em caso de trombocitopenia Exame Confirmatório Realizar após 8º dia Dor abdominal Dispnéia Sorologia para Dengue IgM Período crítico com choque Rx tórax USG Abdominal Gasometria Proteina total e frações TAP PTT Ureia Creatinina Eletrólitos Tipagem Fator Rh

13

14 QUADRO CLÍNICO 1. INFECÇÕES ASSINTOMÁTICAS 2. DENGUE A. FEBRE INDIFERENCIADA OU SÍNDROME VIRAL B. FEBRE DA DENGUE TÍPICA 3. DENGUE HEMORRÁGICA A. FEBRE HEMORRÁGICA B. SÍNDROME DO CHOQUE DA DENGUE 4. HEPATITE, ENCEFALITE OU POLINEUROPATIAS

15 SINTOMATOLOGIA 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 96,0 87,8 87,5 66,7 58,4 52,3 50,8 34,3 31,2 22,9 FEBRE MIALGIA DOR RETRO-ORBITÁRIA ARTRALGIA VÔMITOS CEFALÉIA ANOREXIA NÁUSEA PROSTRAÇÃO PRURIDO Fonte: Centro de Referência da Dengue Campos/RJ

16 Sinais de Alerta na Dengue Hemorrágica Colecistite Alitiásica Clínicos: Dor Abdominal intensa e contínua Agitaçãoou ou letargia Vômitos persistentes Pulso filiforme, extremidades frias, taquicardia, sudorese e cianose Hepatomegalia dolorosa Derrames cavitários Serosites Sangramentos espontâneos Provado do laço laço positiva Hipotensão arterial e lipotímia Laboratoriais: Hematócrito elevando-se progressivamente Plaquetometria diminuindo-se progressivamente

17 Sinais de Insuficiência Circulatória Extremidades frias Cianose Pulso Fino Sudorese Taquicardia Hipotensão Sinais Hemorrágicos Epistaxe Gengivorragia Hematêmese Hemoptise Melena Metrorragia Petéquias Hematúria

18 Manifestações clínicas Atípicas Envolvimento do SNC Alterações cardíacas Neuropatias periféricas Púrpuras Ascite Abdome agudo Alterações Hepáticas SOUZA LJ. Aspectos clínicos da dengue: novos conceitos. Rev Bras Clin Terap, 2002; 28(2) NIMMANNITYA S. Dengue fever with unusual manifestations. Asian J Trop Med Pub Health, 1987; 18(3) GEORGE R. Unusual clinical manifestations of dengue infection. Asian J Trop Med Pub Health, 1988; 19(4)

19 Febre hemorrágica por dengue (FHD) Febre ou história de febre recente de até 7 dias. Trombocitopenia: o número de plaquetas deverá atingir valor igual ou inferior a /mm³ em algum momento da evolução da doença. Tendências hemorrágicas manifestadas por um ou mais dos seguintes sinais: prova do laço positiva, petéquias, equimoses ou púrpuras, gengivorragia, metrorragia, menorragia, epistaxe, sangramentos de mucosas do trato gastrintestinal ou outros. Extravasamento de plasma devido ao aumento de permeabilidade capilar, manifestado por pelo menos um dos seguintes itens: Hematócrito apresentando aumento de 20% sobre o basal na admissão. Queda do hematócrito em 20%, após o tratamento adequado. Presença de derrames cavitários (pleural, ascítico ou pericárdico). Hipoproteinemia. Confirmação laboratorial, que deverá ser feita em todos os casos suspeitos de FHD, tanto durante uma epidemia quanto em períodos interepidêmicos.

20 Dengue case classification by severity Dengue ± warning signs Severe dengue Without with warning signs 1.Severe plasma leakage 2.Severe haemorrhage 3.Severe organ impairment Criteria for dengue ± warning signs Probable dengue Live in/travel to dengue endemic area. Fever and 2 of the following criteria: Nausea, vomiting Rash Aches and pains Tourniquet test positive Leucopenia Any warning sign Laboratory confirmed dengue (important when no sign of plasma leakage) Warning signs* Abdominal pain or tenderness Persistent vomiting Clinical fluid accumulation Mucosal bleed Lethargy; restlessness Liver enlargement >2cm Laboratory: Increase in HCT concurrent with rapid decrease in platelet count * Requiring strict observation and medical intervention Criteria for severe dengue 1. Severe plasma leakage leading to: Shock (DSS) Fluid accumulation with respiratory distress 2. Severe bleeding as evaluated by clinician 3. Severe organ involvement Liver: AST or ALT>=1000 CNS: Impaired consciousness Heart and other organs WHO/TDR 2009

21 Síndrome do Choque da Dengue Tende a surgir entre o 3º e 7º dia de doença Quadro clínico gravíssimo Conseqüência ao aumento da permeabilidade vascular e extravasamento plasmático Pode-se manifestar anteriormente ou mesmo na ausência de fenômenos hemorrágicos

22 Principais alterações na FHD Extravasamento de líquidos através de endotélios Sangramentos, trombocitopenia e outras alterações hematológicas. Acometimento hepático e miocárdio Acometimento do sistema nervoso central Acometimento do sistema fagocitário mononuclear.

23 Mecanismos fisiopatológicos na FHD: ação de citocinas LINFÓCITO T MONÓCITO TNF - ALFA II - I INTER-LEUCINAS ENDOTÉLIO EXTRAVASAMENTO DE LÍQUIDOS LISE DE CÉLULAS ALVO EDEMA PULMONAR NÃO CARDIONOGÊNICO HIPOVOLEMIA Fonte: TORRES, E.M. Dengue, 2005 CHOQUE

24 Achados de Necrópsia de 72 crianças que faleceram com FHD ou SCD em Cuba em 1981 Hemorragia gastrintestinal 98% Ascite 77% Necrose hepática 70% Derrame pleural 70% Edema e congestão pulmonar 70% Hemorragia pulmonar 68% Congestão cerebral e edema 56% Hemorragia intraventricular 52% Congestão renal 40%

25 PROVA DO LAÇO Como fazer? Insuflar o esfingomanômetro até o ponto médio entre a PA sistólica e diastólica Manter por 5 minutos Procurar a presença de petéquias sob ou abaixo do aparelho Mais de 20 petéquias por polegada o resultado é considerado Positivo

26 MANIFESTAÇÕES CUTÂNEAS

27

28

29

30 Púrpura Trombocitopênica pós Dengue

31 Etiopatogenia da plaquetopenia Diminuição da produção plaquetária - Infecções virais (HIV, EBV, parvovírus, rubéola, caxumba) + DENGUE + Citomégalovírus e outras viroses - Infiltrações neoplásicas ou infecciosas (tuberculose, fungos) + Endocardite Bacteriana + Leptospirose + Febre - Drogas ou toxinas (álcool, radio e quimioterapia) Maculosa - Deficiências nutricionais (ácido fólico e vitamina B12) - Doenças congênitas ou adquiridas da hematopoiese - Doença hepática (diminuição da produção de trombopoietina) Aumento da destruição e do consumo plaquetário (imunes e não imunes) - PTI (idiopática, drogas, infecções) - Destruição aloimune (pós-transfusão, pós-transplante) - Coagulação intravascular diseeminada - Púrpura trombocitopênica trombótica - Síndrome hemolítico urêmica - Síndrome do anticorpo antifosfolipídeo - Síndrome HELLP Dilucional - Perda sanguínea maciça e suporte transfusional Sequestro esplênico das plaquetas circulantes - Esplenomegalia decorrente de infiltração tumoral - Congestão esplênica decorrente de hipertensão portal Pseudoplaquetopenia - Aglutininas dependentes de EDTA - Anticoagulação insuficiente da amostra de sangue

32 Risco de Dengue na Gravidez Principal conseqüência para a gestante: risco de parto prematuro em 55% dos casos Conseqüências para o feto: - Nascimento prematuro em 22% - Morte fetal intra uterino - Sofrimento fetal agudo - Casos de dengue congênita. Dengue durante a gravidez: risco de parto prematuro e morte fetal; nos casos próximos ao nascimento há risco de hemorragia materna e fetal. Fonte: Trabalho Científico publicado na Guiana Francesa

33 Resultados compatíveis com o quadro de dengue: Leucopenia com ou sem linfocitose Trombocitopenia ou plaquetas normais Transaminases alteradas em 65% dos casos, predominando a AST (TGO) > ALT (TGP). VHS é sempre baixo e normal (devido a hemoconcentração). Na presença de Leucocitose e VHS elevado, pensar em outras patologias como Infecções bacterianas, Leptospirose, etc. Qual é a importância do diagnóstico precoce? É importante no monitoramento do paciente, principalmente em casos graves, que podem evoluir para o choque hipovolêmico no período do 3 ao 5 dia em geral. Com a evolução diagnóstica do Antígeno NS-1 pode-se fazer um diagnóstico preciso antes do período crítico, favorecendo a uma melhor condução no tratamento do paciente.

34 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL 1) Doenças infecciosas: Febre Amarela Viroses Respiratórias Infecções Bacterianas Sarampo Rubéola Hepatites Leptospirose Malária Meningite Toxoplasmose Sarcoidose Meningococcemia Sepse Síndrome da Mononucleose Infecciosa Citomegalovírus HIV Hantavirose Parvovirose Febre Maculosa Encefalite Herpética

35 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL 2) Doenças não infecciosas: Farmadodermias Colagenoses Vasculites Neoplasias Síndromes mielodisplásicas e linfoproliferativas Púrpura Trombocitopênica Idiopática Outros

36 % Análise do valor do VHS nos pacientes: Estratificados pelo sexo ,92 79,17 16,08 20,83 Masc. Fem. N=1398 Baixo Normal ou Alto p = 0,05 Sexo VHS Baixo VHS Normal ou Alto Total Masculino 514 casos 98 casos 612 casos Feminino 622 casos 164casos 786 casos

37 % 90 77, Análise do valor do VHS nos pacientes: Estratificados pela Forma Clínica D.C 22,72 F.H.D 85,81 14,19 Baixo N=1398 p = 0,026 Normal ou Alto Apresentação Clínica VHS Baixo VHS Normal ou Alto Total D. Clássico 961 casos 282 casos casos F.H.D 133 casos 22 casos 155 casos

38 COMPARATIVO Antígeno NS1 x Sorologia (ELISA) (ELISA) Antígeno Sorologia Quantidade Antígeno + / Sorologia + 87 Antígeno + / Sorologia - 7 Antígeno - / Sorologia + 13 Antígeno - / Sorologia - 98 TOTAL 205

39 COMPARATIVO Antígeno NS1 x Sorologia SENSIBILIDADE: 87% SENSIBILIDADE : CAPACIDADE DE DETECTAR OS POSITIVOS NA AMOSTRA DO C.R.D. ESPECIFICIDADE: = 93,3% ESPECIFICIDADE: CAPACIDADE DE DETECTAR OS NEGATIVOS NA AMOSTRA DO C.R.D ACURÁCIA: 90,2% ACURÁCIA: PROPORÇÃO DE ACERTOS DO TESTE. O QUANTO ELE FAZ E ACERTA

40 Tratamento - Não há tratamento específico, a medicação é sintomática, baseada nos antipiréticos (preferência por dipirona), analgésicos, protetores gástricos, antieméticos e, nos pacientes internados ou quando necessário deve-se instituir hidratação venosa com solução cristalóide com o objetivo de evitar o choque. - Pacientes com sinais de alerta, apresentando hipotensão, vômitos, prostração e dor abdominal, deve-se instituir etapas rápidas com soro fisiológico ml/kg/hora. - Pacientes que evoluem com instabilidade hemodinâmica e sinais de insuficiência circulatória, deve-se internar no CTI.

41 Dengue Típico TRATAMENTO Não há tratamento específico Medicação sintomática Analgésicos e antitérmicos (paracetamol ou dipirona preferencialmente) Evitar salicilatos Codeína pode ser utilizada Tramadol pode ser utilizada em dores intensas Metoclopramida ou bromoprida Dexclorfeniramina, loratadina ou cetirizina Pantoprazol, omeprazol ou ranitidina

42 Tratamento Terapia de Hidratação de Acordo com Ministério da Saúde -Etapa Rápida com SF0,9%: ml/kg/hora -Etapa de manutenção: 60-80ml/Kg/dia: 1/3 SG5% 2/3 Sol. Cristalóide Experiência do CRD na Terapia de Hidratação (ADULTO) - Etapa Rápida com SF0,9%: ml/kg/hora - Etapa de manutenção: ml/kg/dia: 2/3 Sol.Cristalóide 1/3 SG 5% - Atenção especial em pacientes cardiopatas e hipertensos

43 TRATAMENTO (crianças) Sintomáticos Esquema de reidratação -Ausência de desidratação: Necessidades básica Repor eventuais perdas -Desidratação: SRO ml/kg 4 a 6 h - Desidratação Grave: Fase de expansão: ml/kg 2-4 h SF0,9% ou RL Fase de manutenção: SF0,9% e SG5% (solução 1:1) <10Kg: 100ml/Kg/dia 10-20Kg: 1000ml + 50ml/Kg/dia para cada Kg acima de 10 >20Kg: 1500ml + 20ml/Kg/dia para cada Kg acima de 20 Eletrólitos: Na meq/kg/dia K meq/kg/dia (se diurese presente) MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dengue: diagnóstico e manejo clínico. 2. ed. Brasília: Ministério da saúde, 2005.

44 Tratamento (Plaquetas) Hemograma (Plaquetas) Hemograma VIREMIA - 40º FEBRE 1º dia 3º dia Preferência pela DIPIRONA + hidratação Síndrome do Choque da Dengue Hemorrágica Permeabilidade vascular Choque Hipovolêmico 4º dia Internação

45 Critérios para Transfusão de Plaquetas Plaquetas < mm3 em pacientes com febre e sem sangramentos ativos. Plaquetas < mm3 em pacientes sem febre e sem sangramentos ativos Plaquetas < mm3 com sangramentos ativos importantes e/ou instabilidade hemodinâmica A transfusão de plaquetas utiliza-se uma unidade para cada 8-10 kg

46

47

48 Combate ao Vetor Avaliação de novos larvicidas Diflubenzuron

49 Importância da Integração do Serviço de Diagnóstico e Prevenção Eficiência no combate ao vetor Melhora da notificação Diagnóstico preciso VANTAGENS DA INTEGRAÇÃO CCZ CRD Vigilância epidemiológica EVITAR MORTES

50 CASOS CLÍNICOS

51 CASO 1 (6/Jan/10) A.S.S, sexo masculino, 13 anos, natural do Rio de Janeiro, iniciou há 3 dias febre, astenia, dor retro-orbitária orbitária e hipotensão. Foi solicitado o antígeno NSI, sendo o resultado positivo, com hemograma apresentando leucopenia e plaquetas normais.

52 CASO 1 O paciente retornou ao nosso serviço 3 dias depois apresentando dor em hipocôndrio direito de forte intensidade, sudorese e extremidades frias, tendo sido internado.logo, foi realizado uma ultrassonografia abdominal total, que evidenciou presença de derrame pleural à direita e de líquido livre em pelve e espaço de morrisson, além de colecistite alitiásica.

53 CASO 1 No 9º dia de evolução e 3º de internação, o paciente apresentou petéquias em membros inferiores e um episódio de gengivorragia. Ao exame físico: queda do estado geral. Prova do laço positiva. PA= 100x80 mmhg

54 Exames Laboratoriais: 08/01/ /01/ /01/2010 Leucócitos Ht Plaquetas VHS TGO TGP SOROLOGIA PARA DENGUE IgM e IgG REAGENTES

55

56

57 Conclusão Diagnóstica: Febre Hemorrágica da Dengue GRAU I A PCR IDENTIFICOU O SOROTIPO 2 DO VÍRUS DA DENGUE

58 CASO 2 (19/Jan/10) J.S.L.J, sexo masculino, 19 anos, natural e residente em Campos dos Goytacazes-RJ., iniciou há 3 dias febre alta (38,5ºC), cefaléia, dor retro-orbitária, mialgia e prostração. Ao exame físico: Queda do estado geral, hiperemia conjuntival. PA= 120x80 mmhg Prova do laço positiva.

59 CASO 2 No 5º dia de evolução e 2º dia de internação, o paciente relatou episódios de gengivorragia. No 6º dia de evolução, o paciente relatou dor abdominal em região epigástrica e permanência de sangramento gengival. O paciente evoluiu bem, e recebeu alta hospitalar no 7º dia de internação.

60 Exames Laboratoriais: 18/01/ /01/ /01/ /01/ /01/2010 Leucócitos Ht Plaquetas VHS TGO TGP

61 Gráfico das Plaquetas x Dias Momento que foi feita a transfusão de plaquetas Obs: A hemorragia gengival ocorreu no dia em que as plaquetas caíram para , sendo feito concentrado de plaquetas.

62 Conclusão Diagnóstica: Febre Hemorrágica da Dengue Grau II Confirmado pela sorologia feita no dia 23/01/2010 -IgM reagente.

63 CRD- Centro de Referência da Dengue Campos dos Goytacazes / RJ Obrigado! Dr. Luiz José de Souza Coordenador do Centro de Referência da Dengue Diagnóstico e Tratamento Presidente da Associação Brasileira de Medicina de Urgência e Emergência/Regional - RJ Professor Auxiliar de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Campos - RJ

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Caso Suspeito de Dengue Paciente com doença febril aguda, com duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES S ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES Assunto:

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

Dengue Febre Hemorrágica da Dengue O Caso Rio de Janeiro

Dengue Febre Hemorrágica da Dengue O Caso Rio de Janeiro Dengue Febre Hemorrágica da Dengue O Caso Rio de Janeiro Vírus da Dengue Vírus RNA, gênero flavivírus; família flaviviradae 4 Sorotipos: DENV-1; DENV-2; DENV-3; DENV-4 Todos sorotipos podem causar doença

Leia mais

Dengue Febre Hemorrágica da Dengue O Caso Rio de Janeiro

Dengue Febre Hemorrágica da Dengue O Caso Rio de Janeiro Dengue Febre Hemorrágica da Dengue O Caso Rio de Janeiro Vírus da Dengue Vírus RNA, gênero flavivírus; família flaviviradae 4 Sorotipos: DENV-1; DENV-2; DENV-3; DENV-4 Todos sorotipos podem causar doença

Leia mais

Terapêutica da Dengue Hemorrágica

Terapêutica da Dengue Hemorrágica XXIII Congresso Médico da Paraíba Terapêutica da Dengue Hemorrágica Dr a Ana Isabel Vieira Fernandes Infectologista Dengue no Brasil Dengue Hemorrágica Óbitos 1995 2 114 Casos 1996 1997 1 9 46 69 1998

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

Manejo de casos suspeitos de Dengue no Estado de Santa Catarina.

Manejo de casos suspeitos de Dengue no Estado de Santa Catarina. PROTOCOLO Manejo de casos suspeitos de Dengue no Estado de Santa Catarina. Santa Catarina 14 de abril de 2015 1 INTRODUÇÃO A dengue no Brasil caracteriza-se por um cenário de transmissão endêmica/epidêmica

Leia mais

Dengue. Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento. Ministério da Saúde

Dengue. Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento. Ministério da Saúde Dengue Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento Ministério da Saúde Dengue Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento Ministério da Saúde 2002. Ministério da Saúde. É permitida a reprodução

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015.

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015. Recursos de estudo na Área do Aluno Site SJT Educação Médica Aula À La Carte Simulados Presenciais e on-line Cursos Extras Antibioticoterapia Prático SJT Diagnóstico por imagem Eletrocardiografia Revisão

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico Secretaria Municipal de Saúde Atualização - Dengue Situação epidemiológica e manejo clínico Agente Etiológico Arbovírus do gênero Flavivírus: Den-1, Den-2, Den-3 e Den- 4. Modo de Transmissão: Aspectos

Leia mais

Publicação Mensal sobre Agravos à Saúde Pública ISSN 1806-4272

Publicação Mensal sobre Agravos à Saúde Pública ISSN 1806-4272 Publicação Mensal sobre Agravos à Saúde Pública ISSN 1806-4272 Dezembro, 2007 Volume 4 Número 48 Dengue em números Dengue in Numbers Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores e Zoonoses do Centro de

Leia mais

Dengue diagnóstico e manejo clínico. Lúcia Alves da Rocha

Dengue diagnóstico e manejo clínico. Lúcia Alves da Rocha Dengue diagnóstico e manejo clínico Lúcia Alves da Rocha Introdução Expansão em áreas tropicais e subtropicais Considera-se 2,5 a 3 milhões de pessoas vivem em área de risco (Eric Martínez,2005); Estima-se

Leia mais

Rotina para investigação epidemiológica de DENGUE

Rotina para investigação epidemiológica de DENGUE Rotina para investigação epidemiológica de DENGUE CID 10 A90: Dengue (Dengue clássico) A91: Febre hemorrágica devida ao vírus do Dengue 1. INTRODUÇÃO A DENGUE é uma doença febril aguda, de etiologia viral

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Programa Nacional de Controle da Dengue Febre Hemorrágica da Dengue e Apresentações Graves Definição e Rotina de Investigação Maio 2010 Dengue no Brasil

Leia mais

Dayse Amarílio DENGUE

Dayse Amarílio DENGUE Dayse Amarílio DENGUE DENGUE AGENTE: Vírus Arbovírus 4 sorotipos RNA Transmissão indireta: VETOR- Aedes aegypti PI: 3 a 15 dias Doença febril aguda Exames diagnósticos: -Isolamento viral: Até o 5º dia.

Leia mais

Dengue. Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento. Disque Saúde: 0800 61 1997 www.saude.gov.br. Ministério da Saúde

Dengue. Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento. Disque Saúde: 0800 61 1997 www.saude.gov.br. Ministério da Saúde Disque Saúde: 0800 61 1997 www.saude.gov.br Dengue Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento Ministério da Saúde Dengue Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento Ministério da Saúde 2002.

Leia mais

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma)

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma) Dengue Manifestações clínicas As infecções pelos vírus da dengue podem ser assintomáticas ou produzir febre não diferenciada, febre de dengue ou febre de dengue hemorrágica (figura 1). Figura 1- Manifestações

Leia mais

DENGUE: O FUTURO DO PACIENTE SE DECIDE ANTES QUE ELE CHEGUE A UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Eric Martinez

DENGUE: O FUTURO DO PACIENTE SE DECIDE ANTES QUE ELE CHEGUE A UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Eric Martinez DENGUE: O FUTURO DO PACIENTE SE DECIDE ANTES QUE ELE CHEGUE A UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Eric Martinez Países/área com risco de transmissão Dengue. CLASSIFICAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE AMPO ESPECTRO DE

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO DE DENGUE

SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO DE DENGUE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO DE DENGUE NOTA TÉCNICA nº 01/2014 GVEDT/SUVISA/SES-GO COORDENAÇÃO DE DENGUE Goiânia,

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DENGUE Vera Magalhães Prof. Titular de Doenças Infecciosas da UFPE DENGUE Família Flaviviridae Gênero Flavivirus Virus RNA:

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE ORDEM CASOS DE DENGUE DA REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 EM 2015 (Período: 10/08/2015 à 10/11/2015) MUNICÍPIO ABERTO SOROLOGIA EXAME NS1 ISOLAMENTO VIRAL CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO REALIZADO NÃO REALIZADO NÃO

Leia mais

DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE

DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE Anderson Corrêa Estuti RESUMO É uma doença infecciosa febril aguda, que pode ser de curso benigno como dengue clássica (DC) ou grave como dengue hemorrágica(fdh).

Leia mais

SETOR DE CONTROLE DE ZOONOSE

SETOR DE CONTROLE DE ZOONOSE SETOR DE CONTROLE DE ZOONOSE É necessário promover exaustivamente, a educação em saúde até que a comunidade adquira conhecimentos e consciência do problema para que possa participar efetivamente. A população

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

Dengue no Brasil O caso Rio de Janeiro

Dengue no Brasil O caso Rio de Janeiro Dengue no Brasil O caso Rio de Janeiro Adriana de Azevedo Mafra adrianaamafra@yahoo.com.br Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Articulação deredes Assistenciais Política Nacional

Leia mais

INTEGRANDO CONCEITOS À PRÁTICA DIÁRIA NA CONDUTA AO PACIENTE COM DENGUE

INTEGRANDO CONCEITOS À PRÁTICA DIÁRIA NA CONDUTA AO PACIENTE COM DENGUE REVISTA AMF EDIÇÃO 23 PAG. 15-16-17 casos clínicos INTEGRANDO CONCEITOS À PRÁTICA DIÁRIA NA CONDUTA AO PACIENTE COM DENGUE Sônia Maris Oliveira Zagne* / Maria das Graças Muniz** RESUMO Este relato busca

Leia mais

Febres hemorrágicas ARTIGO REVISÃO INTRODUÇÃO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

Febres hemorrágicas ARTIGO REVISÃO INTRODUÇÃO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ARTIGO REVISÃO Febres hemorrágicas Bacon, J 1 ; Carvalho, MN 1 ; Diniz, PC 1 ; Duani, H 1 ; Machado, DF 1 ; Mello, MP 1 ; Rezende, GQM 1 ; Santana, JAR 1 ; Andrade, MVM 2 RESUMO Chamando a atenção para

Leia mais

DENGUE E FEBRE AMARELA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

DENGUE E FEBRE AMARELA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV DENGUE E FEBRE AMARELA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Os Arbovírus ARBOVÍRUS = ARthropod BOrne VIRUS Arbovírus pertencem a três famílias: Togavírus Bunyavírus Flavivírus: Febre

Leia mais

CHIKUNGUNYA. No final de 2013 foi registrada a transmissão autóctone da doença em vários países do Caribe.

CHIKUNGUNYA. No final de 2013 foi registrada a transmissão autóctone da doença em vários países do Caribe. CHIKUNGUNYA Andyane Freitas Tetila Médica Infectologista Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela UFMS Coordenadora de Vigilância Epidemiológica SESAU/PMCG CHIKUNGUNYA A Febre do Chikungunya é

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 Assunto: Orienta

Leia mais

GRUPO A - AZUL. Retorno. Alta. Reavaliar caso. Orientar tratamento no domicílio. Orientar tratamento no domicílio

GRUPO A - AZUL. Retorno. Alta. Reavaliar caso. Orientar tratamento no domicílio. Orientar tratamento no domicílio GRUPO A - AZUL Exames laboratoriais (desejáveis) Hematócrito, plaquetas, linfócitos totais sem diferencial Exames laboratoriais disponíveis Tratar como GRUPO B AMARELO Orientar tratamento no domicílio

Leia mais

Dengue. Carlos Eduardo Gonçalves Ribeiro Felipe Carvalhal Felipe Jahara Henrique Rondinelli João Cláudio Migowski João Braga Luiz Arthur Ribeiro

Dengue. Carlos Eduardo Gonçalves Ribeiro Felipe Carvalhal Felipe Jahara Henrique Rondinelli João Cláudio Migowski João Braga Luiz Arthur Ribeiro Dengue Carlos Eduardo Gonçalves Ribeiro Felipe Carvalhal Felipe Jahara Henrique Rondinelli João Cláudio Migowski João Braga Luiz Arthur Ribeiro Professor César Fragoso Biologia Colégio de São Bento Turma

Leia mais

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas Arbovírus: Hospedeiro natural vertebrado arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos Vetor hematófago Hospedeiro vert. Vetor hemat. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Leia mais

17/01/13 ATUALIZAÇÃO NO MANEJO CLÍNICO DE PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE MECANISMO DE TRANSMISSÃO. www.fmt.am.gov.br

17/01/13 ATUALIZAÇÃO NO MANEJO CLÍNICO DE PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE MECANISMO DE TRANSMISSÃO. www.fmt.am.gov.br ATUALIZAÇÃO NO MANEJO CLÍNICO DE PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE Manaus, 17 e 18 de janeiro de 2013 Maria Paula G. Mourão Médica e Pesquisadora em Virologia da FMT-HVD Professora da Universidade do Estado

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Abordagem Clínica para casos de dengue Nº: 04/DIR DATA: 07/03/09 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos do sistema de saúde Dra. Ana Leça dengue@dgs.pt I - Introdução Considerando o elevado número

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 5 nº 6 2010. Dengue

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 5 nº 6 2010. Dengue Cadernos de Informação Científica Ano 5 nº 6 2010 Dengue C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a A dengue é considerada uma das doenças de maior incidência nas regiões intertropicais

Leia mais

Nota Técnica 003/SMS/VS/GVE/2012

Nota Técnica 003/SMS/VS/GVE/2012 PREFEITURA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Nota Técnica 003/SMS/VS/GVE/2012 Assunto: Orienta sobre as ações de manejo de casos suspeitos de Dengue

Leia mais

Coordenadora: Sônia Maris Oliveira Zagne

Coordenadora: Sônia Maris Oliveira Zagne Dengue Manejo Clínico Objetivo: Mortalidade zero Coordenadora: Sônia Maris Oliveira Zagne Professora Adjunta da Faculdade de Medicina da UFF. Mestre em Clínica Médica pela Faculdade de Medicina da UFF

Leia mais

Sistema de Vigilância da Dengue no Brasil

Sistema de Vigilância da Dengue no Brasil Sistema de Vigilância da Dengue no Brasil Jean Barrado I Oficina Técnica da Rede Pronex de Modelagem em Dengue IMPA, Rio de Janeiro, 16 de fevereiro, 2011 Vigilância Conceitos Básicos Conceitos gerais

Leia mais

Diagnóstico e tratamento

Diagnóstico e tratamento Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Dengue Diagnóstico e tratamento Edição 27 de setembro de 2010 Versão 1.0 Organizado por Superintendência de Unidades Próprias SAS/SESDEC

Leia mais

Plano de Contigência da Dengue em Minas Gerais 2009

Plano de Contigência da Dengue em Minas Gerais 2009 Plano de Contigência da Dengue em Minas Gerais 2009 Elaboradores Elaine de Andrade Azevedo Assessoria de Normalização/ SES Josiane Batista da Silva Coordenação de Urgência e Emergência/SES Thaís Abreu

Leia mais

UNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Dengue Diagnóstico e Manejo Clínico

UNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Dengue Diagnóstico e Manejo Clínico UNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Dengue Diagnóstico e Manejo Clínico Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro da Saúde Barjas Negri Presidente da Fundação Nacional de Saúde Mauro Ricardo

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO AOS PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO AOS PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE PROTOCOLO DE ATENDIMENTO AOS PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE 2013 PROTOCOLO DE ATENDIMENTO AOS PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE Prefeito Municipal Marcio Araujo de Lacerda Secretário Municipal de Saúde

Leia mais

Principal Vetor da Dengue é a fêmea do Aedes aegypti:

Principal Vetor da Dengue é a fêmea do Aedes aegypti: DENGUE Principal Vetor da Dengue é a fêmea do Aedes aegypti: Principais características deste vetor são: Coloca 300 ovos durante toda sua vida; De 40 a 60 ovos por cada ovoposição, cada ovoposição é realizada

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

ARBOVÍRUS & ARBOVIROSES. Walter Reed

ARBOVÍRUS & ARBOVIROSES. Walter Reed ARBOVÍRUS & ARBOVIROSES Walter Reed Os Arbovírus Arbovírus (de arthropod borne virus ) são vírus que podem ser transmitidos ao homem por vetores artrópodos. Definição da OMS: vírus mantidos na natureza

Leia mais

Orientação aos Farmacêuticos

Orientação aos Farmacêuticos Orientação aos Farmacêuticos Nota Técnica aos Farmacêuticos Mobilização contra a Dengue Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo Índice...02 Introdução...03 Justificativa...07 Informações técnicas...08

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue

Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue 1. Quem atende o paciente com suspeita de dengue? O médico ou o enfermeiro, devido

Leia mais

PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO AOS PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE

PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO AOS PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO AOS PACIENTES COM SUSPEITA DE DENGUE 2014 Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue 2014 Elaboração Alexandre Sampaio Moura Geralda Eni Rufino de Jesus

Leia mais

Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue 2014

Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue 2014 Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue 2014 Elaboração Alexandre Sampaio Moura Geralda Eni Rufino de Jesus Jean Carlos dos Santos Barrado Juliana Dias Santos Luana Queiroga Mendes

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Dengue: Roteiro para capacitação. de médicos e enfermeiros. no diagnóstico e. tratamento

Dengue: Roteiro para capacitação. de médicos e enfermeiros. no diagnóstico e. tratamento Dengue: Roteiro para capacitação de médicos e enfermeiros no diagnóstico e tratamento Caso Clínico 1 2 Identificação: R.E.M.O, 42 anos, feminino, professora, natural de São Paulo, residente em Belém (PA)

Leia mais

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Jornalzinho da Saúde

Jornalzinho da Saúde Jornalzinho da Saúde Professor Chenso Dengue é uma doença causada pelo arbovírus Flavivirus, da família Flaviviridae, e se apresenta com quatro sorotipos (tipos imunológicos): DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Protocolo de Dengue. Agravo CID A90. Características Gerais: Descrição

Protocolo de Dengue. Agravo CID A90. Características Gerais: Descrição Protocolo de Dengue Agravo CID A90 Características Gerais: Descrição Doença febril aguda, que pode ser de curso benigno ou grave, dependendo da forma como se apresenta: a maioria dos pacientes se recupera

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 37 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Dengue: conduta atual na criança e no adolescente Departamento de Nutrição Prevenindo a obesidade Sociedade

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dengue. diagnóstico e manejo clínico. 2ª edição. Brasília / DF

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dengue. diagnóstico e manejo clínico. 2ª edição. Brasília / DF MINISTÉRIO DA SAÚDE Dengue diagnóstico e manejo clínico 2ª edição Brasília / DF MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Diretoria Técnica de Gestão Dengue diagnóstico e manejo clínico Série

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014)

NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014) NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014) Aspectos Gerais Assunto: Procedimentos a serem adotados em Santa Catarina frente a caso suspeito de Febre de Chikungunya A Febre de Chikungunya

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1

AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1 AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1 Roberto Dias de Oliveira orientador 2 Cidade Universitária

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 444/10 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 444/10 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 444/10 - CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: o aumento do risco de ocorrência de surtos/epidemia de dengue no Rio Grande do Sul

Leia mais

Organização do genoma dos Flavivirus Esta organização é válida para todos os Flavivirus, não somente para o da dengue.

Organização do genoma dos Flavivirus Esta organização é válida para todos os Flavivirus, não somente para o da dengue. Sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Profa. Sônia. A aula foi preparada de modo a tornar desnecessária a leitura dos slides da professora. Doença febril aguda causada por um dos quatro sorotipos de um

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

O que um estudante de medicina deve saber? Edvaldo Souza

O que um estudante de medicina deve saber? Edvaldo Souza O que um estudante de medicina deve saber? Edvaldo Souza Sumário Definição História Epidemiologia Etiologia Modos de transmissão Quadro Clínico Diagnóstico laboratorial Diagnóstico diferencial Tratamento

Leia mais

LISTA E DEFINIÇÃO DE DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL (Revogação da Res. GMC Nº 80/99)

LISTA E DEFINIÇÃO DE DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL (Revogação da Res. GMC Nº 80/99) MERCOSUL/GMC/RES. Nº 4/01 LISTA E DEFINIÇÃO DE DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL (Revogação da Res. GMC Nº 80/99) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

Dengue. diagnóstico e manejo clínico. adulto e criança. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Diretoria Técnica de Gestão

Dengue. diagnóstico e manejo clínico. adulto e criança. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Diretoria Técnica de Gestão Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Diretoria Técnica de Gestão Dengue diagnóstico e manejo clínico adulto e criança Série A. Normas e Manuais Técnicos 3ª edição Brasília / DF 2007 2005

Leia mais

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA HNSC/HCC A Portaria do Ministério da Saúde Nº 1.271, de 06 de Junho de 2014 atualizou a Portaria Nº 104, de 25

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006 D.2.3 Taxa de incidência de dengue 1. Conceituação Número de casos novos notificados de dengue (clássico e febre hemorrágica da dengue códigos A90-A91 da CID-10), por 100 mil habitantes, na população residente

Leia mais

[175] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO. Parte III P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S I N F E C C I O S A S

[175] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO. Parte III P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S I N F E C C I O S A S [175] Geralmente ocorre leucocitose com neutrofilia. A urina contém bile, proteína hemácias e cilindros. Ocorre elevação de CK que não é comum em pacientes com hepatite. Oligúria é comum e pode ocorrer

Leia mais

PARECER COREN-SP 013/2014 CT PRCI n 106.428/2013 Tickets nº 310.250, 324.519, 326.105, 327.306 e 335.574

PARECER COREN-SP 013/2014 CT PRCI n 106.428/2013 Tickets nº 310.250, 324.519, 326.105, 327.306 e 335.574 PARECER COREN-SP 013/2014 CT PRCI n 106.428/2013 Tickets nº 310.250, 324.519, 326.105, 327.306 e 335.574 Ementa: Realização da Prova do Laço por Técnico e Auxiliar de Enfermagem. 1. Do fato Profissional

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

Agentes de Controle de Endemias (ACE), dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e da ESF com o intuito de combater o vetor da doença (mosquito Aedes

Agentes de Controle de Endemias (ACE), dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e da ESF com o intuito de combater o vetor da doença (mosquito Aedes 8 1- INTRODUÇÃO A dengue é uma doença infecciosa febril aguda causada por um vírus da família Flaviridae, ela é transmitida através da picada do mosquito Aedes aegypti, também infectado pelo vírus. Atualmente,

Leia mais

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue Secretaria de Estado de Saúde do RS e Secretarias Municipais de Saúde Porto Alegre, novembro de 2011 Vamos abordar 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico

Leia mais

128 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

128 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 128 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., E.U.A., 25-29 junho 2001 Tema 4.8 da Agenda Provisória CE128/15 (Port.) 28 março 2001

Leia mais

Guia médico de enfrentamento ao Aedes aegypti para serviços de Atenção Primária à Saúde no Rio Grande do Sul

Guia médico de enfrentamento ao Aedes aegypti para serviços de Atenção Primária à Saúde no Rio Grande do Sul SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Guia médico de enfrentamento ao Aedes aegypti para serviços de Atenção Primária à Saúde no Rio Grande do Sul

Leia mais

A fonte da infecção e reservatório vertebrado é o ser humano. Foi descrito, na Ásia e na África, um ciclo selvagem envolvendo macacos.

A fonte da infecção e reservatório vertebrado é o ser humano. Foi descrito, na Ásia e na África, um ciclo selvagem envolvendo macacos. Dengue DENGUE CID 10: A90 Características gerais Descrição Doença febril aguda, que pode ser de curso benigno ou grave, dependendo da forma como se apresente: infecção inaparente, dengue clássico (DC),

Leia mais

Combate à dengue recebe maior volume de recursos da história 4

Combate à dengue recebe maior volume de recursos da história 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 2 Emanuel Carvalho Pessoa 1 Francisca Patrícia Silva Pitombeira 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista

Leia mais

Manifestações clínicas na dengue

Manifestações clínicas na dengue infectologia Analúcia Rampazzo Xavier Mestre e doutora em Bioquímica pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo. Professora adjunta da Disciplina de Bioquímica Clínica do Departamento

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORMAÇÃO MEDIDAS DE BIOSEGURANÇA Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Descoberta: 1976 Dois focos simultâneos, emnzara, Sudão

Leia mais

Tipos virais, aspectos clínicos e epidemiológicos da dengue

Tipos virais, aspectos clínicos e epidemiológicos da dengue Tipos virais, aspectos clínicos e epidemiológicos da dengue Prof. Dr. Benedito Antônio Lopes da Fonseca Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Maio 2010 Os vírus Gênero

Leia mais

MINISTÉRIO DA DA SAÚDE SAÚDE DENGUE. diagnóstico e e manejo clínico. adulto e e criança

MINISTÉRIO DA DA SAÚDE SAÚDE DENGUE. diagnóstico e e manejo clínico. adulto e e criança MINISTÉRIO DA DA SAÚDE SAÚDE DENGUE diagnóstico e e manejo clínico adulto e e criança 4 a edição 5 a edição Brasília Brasília DF DF 2013 2016 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento

Leia mais

OBS: considerando a preservação do anonimato na prova, o candidato NÃO poderá assinar ou usar qualquer identificação na prescrição de enfermagem.

OBS: considerando a preservação do anonimato na prova, o candidato NÃO poderá assinar ou usar qualquer identificação na prescrição de enfermagem. QUESTÃO 1 Em 02/02/08, Rodrigo, 10 anos, foi admitido na Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital no Rio de Janeiro com relato de quadro febril iniciado há 5 dias, associado à intensa mialgia. Dada

Leia mais

Vacina contra Febre Amarela VIGILÂNCIA DE EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINA

Vacina contra Febre Amarela VIGILÂNCIA DE EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINA SECRETARIA DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE VIGILÂNCIA ESTADUAL EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÕES Vacina contra Febre Amarela VIGILÂNCIA DE EVENTOS ADVERSOS

Leia mais

Protocolo para Implantação de Unidades Sentinelas para Zika vírus

Protocolo para Implantação de Unidades Sentinelas para Zika vírus Protocolo para Implantação de Unidades Sentinelas para Zika vírus Antecedentes e justificativa O Zika vírus (ZIKAV) é um arbovírus do gênero Flavivírus, família Flaviviridae. Este vírus foi isolado pela

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 80/99 DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução Nº 91/93 do Grupo Mercado

Leia mais