Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya"

Transcrição

1 Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por um vírus do gênero Alphavirus transmitida por mosquitos do gênero Aedes, sendo Aedes aegypti e Aedes albopictus os principais vetores. A doença tem transmissão autóctone nos países da África, Ásia e alguns países da América. (Anexo 1) Atualização periódica do número de casos nesses países pode ser obtida por intermédio do endereço eletrônico: 2. Epidemiologia Nas Américas, até a Semana Epidemiológica (SE) 40/2014, foram notificados para a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) casos suspeitos da Febre de Chikungunya, sendo confirmados importados e autóctones e 118 óbitos. Segundo a Secretaria de Vigilância(SVS), até o dia 27 de setembro de 2014, foram confirmados 79 casos de Febre Chikungunya no Brasil (maioria militares e missionários. Deste total, 38 são importados de pessoas que viajaram para países com transmissão da doença, como República Dominicana, Haiti, Venezuela, Ilhas do Caribe e Guiana Francesa, os demais (41) são autóctones, oito foram registrados no município de Oiapoque (AP) e 33 no município de Feira de Santana (BA). Os casos suspeitos de Chikungunya são de notificação imediata e deverão ser notificados até 24 horas a partir da suspeita inicial, conforme Portaria MS nº 1.271, de 6 de Junho de 2014, na ficha de notificação individual (Anexo 2), digitados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN NET), e preencher a ficha de investigação (Anexo 3) disponibilizada na plataforma FormSUS disponibilizada no link: notifica.saude.pe.gov.br,.

2 3. Definição operacional de caso A definição de caso proposta pela OPAS e adotada pelo SVS, obedece aos seguintes critérios: Caso Definição Suspeito Clínico + Epidemiológico Clínico: Paciente com febre de início súbito maior de 38,5ºC e artralgia ou artrite intensa com inicio aguda, não explicada por outras condições, podendo estar associados à cefaléia, mialgias e exantema. Epidemiológico: Paciente residente ou ter visitado áreas endêmicas ou epidêmicas até duas semanas antes do início dos sintomas (Anexo 01) ou Paciente residente ou ter visitado, durante o período de transmissão/viremia*, áreas onde há registros de casos suspeitos ou confirmados. Confirmado Caso suspeito com um dos seguintes testes específicos para diagnóstico de Chikungunya reagente/positivo: Detecção de RNA viral por RT-PCR. Detecção de IgM em uma única amostra de soro (coletada durante a fase aguda ou convalescente). Aumento de quatro vezes no título de anticorpos IgG específicos anti- CHIKV (amostras coletadas com pelo menos 2-3 semanas de intervalo). * Período de viremia: um dia antes do aparecimento da febre até o 10º dia de doença. 4. Orientações à vigilância epidemiológica Divulgar aos profissionais de saúde as informações relativas aos aspectos clínicos da infecção pelo vírus Chikungunya, enfatizando a importância do diagnóstico diferencial para dengue e outras viroses. Divulgar os países e estados brasileiros com transmissão autóctone de Chikungunya (Anexo 1). Notificar imediatamente os casos suspeitos conforme orientação constante no anexo 2. Coletar amostras dos casos suspeitos e encaminhar ao Lacen-PE Preencher ficha de notificação Chikungunya no SINAN e Ficha de Investigação no FormSUS conforme instrutivo disponibilizada no link: notifica.saude.pe.gov.br, (Anexo 2 e 3) Intensificar as ações de prevenção e controle vetorial em áreas urbanas e periurbanas, conforme estabelecido nas Diretrizes Nacionais do Programa Nacional de Controle da Dengue.

3 5. Fluxo das informações Os casos suspeitos de Chikungunya deverão ser notificados até 24 horas a partir da suspeita inicial por meio do preenchimento da Ficha de Notificação Individual (Anexo 2) e da Ficha de Investigação FormSUS (Anexo 3) disponibilizada no link: notifica.saude.pe.gov.br devidamente preenchida conforme instrutivo (Anexo 4). Caso a SMS não disponha de estrutura e fluxos para receber as informações de emergências epidemiológicas dentro deste período, principalmente nos finais de semana, feriados e período noturno, a comunicação deverá ser feita à Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES) por meio do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs). Contatos Cievs: / / (segunda a sexta 8 às 17h) (Plantão 24h) Fluxo da notificação de Chikungunya Ficha de notificação individual Digitar + Preencher formulário na plataforma FormSus (notifica.saude.pe.gov.br) Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN Monitoramento das Informações Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde - Cievs Coordenação de Prevenção e Controle da Dengue - SEVS/SES/PE

4 6. Método de coleta e transporte de amostras laboratoriais suspeito: Devem ser coletados apenas em pacientes que atendem a definição de caso 1- Biologia Molecular (Detecção de RNA viral por RT-PCR - Na primeira semana da doença, durante o período de viremia, preferencialmente, até o 8º dia do início dos sintomas. 2- Sorologia (Detecção de anticorpos IgM/IgG) - Coletar durante a fase aguda ou convalescente, a partir do 8º dia do início dos sintomas. 3- Soroconversão Para confirmar as amostras com sorologia positiva, deve-se realizar uma segunda coleta com intervalo de 2-3 semanas. As amostras coletadas deverão ser encaminhadas juntamente com a Ficha de Notificação Individual/SINAN e com a impressão da Ficha de investigação Chikungunya digitada no FormSUS (Anexo 3) devidamente preenchida conforme instrutivo (Anexo 4) e cadastrar no GAL. Deve-se coletar, preferencialmente a vácuo, amostras de soro, em crianças, um (01) tubo de 2ml sem anticoagulante; e em adultos um (01) tubo de 5 ml sem anticoagulante, sempre respeitando as condições do paciente. Soro: as amostras de soro coletados em tubos, com gel separador, devidamente identificadas, deverão aguardar o tempo necessário para retração do coágulo e proceder a devida centrifugação e serem encaminhadas imediatamente ao Lacen. O longo período para proceder à centrifugação do soro poderá favorecer a hemólise e inviabilizar a amostra. As amostras de soro devidamente identificadas deverão ser transportadas em caixas isotérmicas vedadas mantidas refrigeradas com baterias de gelo reciclável. Caso não seja possível encaminhar amostra de soro imediatamente ao LACEN: 1. Refrigerar a 4ºC as amostras por no máximo 8 horas; 2. Armazenar em freezer -20ºC por no máximo 24 horas; 3. Armazenar em freezer -70ºC por no máximo 48 horas.

5 6.1. Fluxo da coleta de amostra Unidade de Saúde Coleta de amostra do caso suspeito Transporte imediato das amostras de soro (centrifugado) devidamente identificado + Cópia da Ficha de notificação do SINAN e Formulário FormSus Cadastro no GAL Lacen - SES/PE Instituto Evandro Chagas - Pará 6.2. Coleta, acondicionamento e transporte das amostras das unidades de saúde para diagnóstico laboratorial * Caso não seja possível encaminhar a amostra imediatamente ao LACEN: Refrigerar as amostras de soro LOCAL DE COLETA Unidade de Saúde TIPO DE AMOSTRAS Soro Para outros esclarecimentos entrar em contato com área técnica da dengue (telefones: /0218 e ) ANÁLISE COLETA ACONDICIONAMENTO TRANSPORTE Biologia Molecula r (Detecçã o de RNA viral por RT- PCR CRIANÇA Coletar 1 tubo de 2 ml sem anticoagulante com gel separador até o 8º dia do início dos sintomas ADULTO Coletar 1 tubo de 5 ml sem anticoagulante com gel separador até o 8º dia do início dos sintomas Soro - Após centrifugação, manter soro sem coágulo ou fibrina em tubo estéril com gel separador, resistente com vedação adequada. IMEDIATO* - Após acondicionamento em caixas isotérmicas vedadas mantidas com baterias de gelo (EVITAR CONTATO COM A AMOSTRA). CRIANÇA Coletar 1 tubo Soro - Após de 2 ml sem anticoagulante centrifugação, Sorologia com gel separador a partir manter soro sem em (Detecçã do 8º dia do início dos coágulo ou fibrina Soro o de sintomas em tubo estéril com anticorpo ADULTO Coletar 1 tubo gel separador, s de 5 ml sem anticoagulante resistente com gelo IgM/IgG) com gel separador a partir vedação adequada. do 8º dia do início dos sintomas a 4ºC por no máximo 8 horas ou em freezer -20º C por 24 horas ou em freezer -70ºC por 48 horas. IMEDIATO*- Após acondicionamento caixas isotérmicas vedadas mantidas com baterias de (EVITAR CONTATO COM A AMOSTRA). Recife, 03 de Outubro de 2014 Roselene Hans Diretora Geral de Controle de Doenças e Agravos

6 ANEXO 1 Cenário epidemiológico da febre Chikungunya

7 ANEXO 2 Ficha de notificação individual - Sinan

8 ANEXO 3 Ficha de investigação chikungunya - Formulário Formsus (notifica.saude.pe.gov.br)

9

10 ANEXO 4 Instrutivo para preenchimento da ficha de Investigação chikungunya - Formulário Formsus 1- Unidade Notificante: Registrar a unidade de saúde responsável pela notificação; 2- Município Notificante: Registrar o município de ocorrência do caso; 3- Data da Notificação: Citar a data do registro do caso; 4- Antecedente de Risco de Infecção: Se o paciente possui sintomas que atende ao critério clínico assinalar sim para opção de antecedentes de risco de infecção. 5- Nome do paciente: Nome completo do paciente; 6- Nome da Mãe: Nome completo da mãe do paciente; 7- Sexo: Assinalar a alternativa correspondente ao sexo do paciente ; 8- Data de Nascimento: Citar a idade do paciente em anos, referir meses e dias quando menor de 1 ano; 9- Gestante: Assinalar a alternativa se o paciente estiver gestante, e caso afirmativo registrar a idade gestacional em semanas; 10- Ocupação: Registrar a ocupação principal do paciente; 11- Rua: Registrar o logradouro correspondente ao local de residência do paciente; 12- Nº: Registrar o número correspondente ao imóvel de residência do paciente; 13- Complemento: Registrar bloco ou nº de apartamento referente ao imóvel de residência do paciente; 14- Bairro: Registrar o nome referente ao bairro de residência do paciente 15- Telefone: Registrar número de telefone para contato com paciente; 16- Ponto de Referencia: Registrar de maneira objetiva item de localização de amplo conhecimento na área, próximo a residência do paciente; 17- Área Urbana ou Rural: Assinalar área de localização do imóvel do paciente, área urbana referente a área urbanizada e rural a sítio, granja, chácaras etc. 18- País de procedência: Registrar o país de origem do paciente, naturalidade 19- UF: Unidade Federativa de residência do paciente 20- Município de Residência: Registrar o município de residência do paciente 21- Recebeu atendimento médico e Tipo de atenção: Registrar se o paciente recebeu atendimento médico, caso afirmativo, especificar o tipo de atenção se ambulatorial ou hospitalar;

11 22- Data da hospitalização: Caso de internação hospitalar registrar data do primeiro internamento; 23- Unidade de Atendimento: Registrar a primeira unidade de saúde de atendimento ao paciente; 24- Data do início dos sintomas: Registrar data de aparecimento dos primeiros sintomas correspondente a suspeita de chikungunya; 25- Data da primeira consulta médica: Registrar data corresponde ao primeiro atendimento médico a partir do aparecimento dos primeiros sintomas; 26- Número do Prontuário: Registrar o número do prontuário da última unidade de atendimento do paciente; 27- Óbito: Assinalar se houve a ocorrência de óbito, e em caso afirmativo, registrar a data da ocorrência; 28- Sintomas: Assinalar todos os sintomas referidos pelo paciente correspondente a suspeita de casos de Chikungunya; 29- Antecedentes de viagem: Assinalar se houve deslocamento do paciente nos últimos 30 dias a partir do início dos sintomas, caso afirmativo, informa país e cidades; 30- Realizou transfusão de sangue: Assinalar se o paciente recebeu transfusão de sangue ou de produtos derivados do sangue antes de 30 dias ao início dos sintomas; 31- Informação Laboratorial: Assinalar se realizou coleta de amostra sanguínea para diagnóstico laboratorial, caso afirmativo especificar o tipo de exame solicitado em conformidade ao período da doença e data da coleta; 32- Conclusão do Caso: Assinalar a situação final do diagnóstico clínico do paciente; 33- Identificação do Notificador: Registrar nome completo do profissional de saúde responsável pela notificação do caso, nº do telefone para contato e cargo ocupado; 34- Observações: Espaço destinado a registro de informações relevante ao caso; 35- Salvar informação: Clicar na opção e imprimir a ficha.

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância da Febre do Chikungunya na Bahia. I. A Febre do Chikungunya é uma doença causada por um vírus do gênero

Leia mais

NOTA INFORMATIVA - SVS/MS. Assunto: Procedimentos a serem adotados para a vigilância da Febre do Chikungunya no Brasil

NOTA INFORMATIVA - SVS/MS. Assunto: Procedimentos a serem adotados para a vigilância da Febre do Chikungunya no Brasil MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Ala Sul 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755 NOTA INFORMATIVA

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema GOVERNO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO A SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, 730, 5 andar CEP:

Leia mais

Protocolo para Implantação de Unidades Sentinelas para Zika vírus

Protocolo para Implantação de Unidades Sentinelas para Zika vírus Protocolo para Implantação de Unidades Sentinelas para Zika vírus Antecedentes e justificativa O Zika vírus (ZIKAV) é um arbovírus do gênero Flavivírus, família Flaviviridae. Este vírus foi isolado pela

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014)

NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014) NOTA TÉCNICA Nº 008/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizada em 14/11/2014) Aspectos Gerais Assunto: Procedimentos a serem adotados em Santa Catarina frente a caso suspeito de Febre de Chikungunya A Febre de Chikungunya

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS

DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS Priscila Leal e Leite Coordenação do Programa Nacional do Controle da Dengue - CGPNCD Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis

Leia mais

Dengue, Chikungunya e Zika

Dengue, Chikungunya e Zika SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DA PARAÍBA GERENCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Dengue, Chikungunya e Zika Nº 01/2016 Situação epidemiológica De 01 a 25 de janeiro de 2016 ( 4ª* semana epidemiológica

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES S ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES Assunto:

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ 15 Fone: (41) 3330 4467. Página 1 Diagnóstico Laboratorial Lacen/PR Amostras de Recém-Natos (RN) com Microcefalia

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

Zika virus (ZIKV) Dra. Viviane Dias Infectologista XX Jornada APARCIH 27 e 28 Novembro 2015

Zika virus (ZIKV) Dra. Viviane Dias Infectologista XX Jornada APARCIH 27 e 28 Novembro 2015 Zika virus (ZIKV) Dra. Viviane Dias Infectologista XX Jornada APARCIH 27 e 28 Novembro 2015 Maio/15 Maio/15 22/11 25/11 http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/11/entenda-o-que-emicrocefalia-e-como-se-proteger-do-surto.html

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de Contingência para a Introdução do Vírus Chikungunya

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de Contingência para a Introdução do Vírus Chikungunya MINISTÉRIO DA SAÚDE Plano de Contingência para a Introdução do Vírus Chikungunya Brasil 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

ESTUDO DE CASOS DAS DOENÇAS EXANTEMÁTICAS

ESTUDO DE CASOS DAS DOENÇAS EXANTEMÁTICAS SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA E PROTEÇÃO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS ESTUDO DE CASOS DAS

Leia mais

Vírus Zika; Arboviroses; Aedes aegypti; Aedes albopictus

Vírus Zika; Arboviroses; Aedes aegypti; Aedes albopictus NÚMERO: 001/2016 DATA: 15/01/2016 ATUALIZAÇÃO: 08/02/2016 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: Doença por vírus Zika Vírus Zika; Arboviroses; Aedes aegypti; Aedes albopictus Sistema Nacional de Saúde CONTACTOS:

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA Prefeitura Municipal de PORTO ALEGRE Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde / CGVS Equipe de Vigilância das Doenças Transmissíveis VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DENGUE,

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Definição dos Casos de DVE segundo OMS Caso Suspeito: Indivíduos procedentes, nos últimos 21 dias,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA PODER EXECUTIVO

Prefeitura Municipal de Gavião-BA PODER EXECUTIVO ANO. 2014 DO MUNICÍPIO DE GAVIÃO - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. GAVIÃO: SECRETARIA DE SAÚDE REALIZA CAMPANHA PREVENTIVA

Leia mais

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE ORDEM CASOS DE DENGUE DA REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 EM 2015 (Período: 10/08/2015 à 10/11/2015) MUNICÍPIO ABERTO SOROLOGIA EXAME NS1 ISOLAMENTO VIRAL CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO REALIZADO NÃO REALIZADO NÃO

Leia mais

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA HNSC/HCC A Portaria do Ministério da Saúde Nº 1.271, de 06 de Junho de 2014 atualizou a Portaria Nº 104, de 25

Leia mais

Situação Epidemiológica da Dengue

Situação Epidemiológica da Dengue Boletim Epidemiológico Nº 03-2016 Situação Epidemiológica da Dengue Em 2016, foram notificados 510 casos suspeitos de dengue no estado do Acre até a semana epidemiológica 02(10/01/2016 a 16/01/2016). Sendo

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT SINAN AGRAVO: RAIVA HUMANA Nome do campo Data da Investigação

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN AGRAVO: RAIVA HUMANA 31. Data da Investigação

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

INFORME TÉCNICO CHIKUNGUNYA, OUTUBRO 2014

INFORME TÉCNICO CHIKUNGUNYA, OUTUBRO 2014 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE DENGUE INFORME TÉCNICO CHIKUNGUNYA, OUTUBRO 2014 1.INTRODUÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM 2. Obrigatoriedade de notificação 2.1. Dengue Ao abrigo da lei nº 81/2009 de 21 de Agosto, o Diretor Geral da saúde definiu a dengue como doença de declaração obrigatória conforme despacho nº 5681-A/2014,

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências O Sistema de Informação de Agravos de Notificação Online (SINAN Online) tem por objetivo a notificação

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 Assunto: Orienta

Leia mais

LABORATÓRIO DE SAÚDE PÚBLICA DR. GIOVANNI CYSNEIROS

LABORATÓRIO DE SAÚDE PÚBLICA DR. GIOVANNI CYSNEIROS LABORATÓRIO DE SAÚDE PÚBLICA DR. GIOVANNI CYSNEIROS MANUAL PARA O DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA DENGUE NO ESTADO DE GOIÁS LABORATÓRIO DE SAÚDE PÚBLICA DR. GIOVANNI CYSNEIROS MANUAL PARA O DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa 11 de novembro de 2013 Casos Prováveis e internações por dengue/fhd Brasil, 1986-2013*

Leia mais

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA E INVESTIGAÇÃO DE SÍNDROME EXANTEMÁTICA NO NORDESTE Wanderson Kleber de Oliveira Coordenação Geral de Vigilância e Resposta às Emergências de Saúde Pública Departamento

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Versão 1.0.7 Página 1 de 70 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Usuário

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

NOTA À IMPRENSA SOBRE MICROCEFALIA

NOTA À IMPRENSA SOBRE MICROCEFALIA NOTA À IMPRENSA SOBRE MICROCEFALIA Até 21 de novembro de 2015, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove estados do Brasil, de acordo com a segunda

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico Secretaria Municipal de Saúde Atualização - Dengue Situação epidemiológica e manejo clínico Agente Etiológico Arbovírus do gênero Flavivírus: Den-1, Den-2, Den-3 e Den- 4. Modo de Transmissão: Aspectos

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO DE DENGUE

SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO DE DENGUE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO DE DENGUE NOTA TÉCNICA nº 01/2014 GVEDT/SUVISA/SES-GO COORDENAÇÃO DE DENGUE Goiânia,

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas

PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas Loeci Natalina Timm Daniele Menezes Julho de 2015 E-mail: bacteriologia@fepps.rs.gov.br fone: (51) 3288-4030 Princípios

Leia mais

Nota Técnica Conjunta nº 02/2011 - CEVS/SES/RS, CGVS/SMS/POA, IPB- LACEN/RS

Nota Técnica Conjunta nº 02/2011 - CEVS/SES/RS, CGVS/SMS/POA, IPB- LACEN/RS CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA NVES/INFEC Nota Técnica Conjunta nº 02/2011 - CEVS/SES/RS, CGVS/SMS/POA, IPB- LACEN/RS ASSUNTO: Detecção de infecção por Micobactéria

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de Contingência Nacional para a Febre Chikungunya

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de Contingência Nacional para a Febre Chikungunya MINISTÉRIO DA SAÚDE Plano de Contingência Nacional para a Febre Chikungunya Brasília DF 2014 Plano de Contingência Nacional para a Febre Chikungunya 2014 Ministério da Saúde. Esta obra é disponibilizada

Leia mais

DESAFIOS NO DIAGNOSTICO LABORATORIAL DO SARAMPO NA FASE DE ELIMINAÇÃO. Marta Ferreira da Silva Rego

DESAFIOS NO DIAGNOSTICO LABORATORIAL DO SARAMPO NA FASE DE ELIMINAÇÃO. Marta Ferreira da Silva Rego DESAFIOS NO DIAGNOSTICO LABORATORIAL DO SARAMPO NA FASE DE ELIMINAÇÃO Marta Ferreira da Silva Rego Diagnostico Laboratorial Fase de Eliminação Diagnostico Clinico menos confiável. Com baixa prevalência

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representado pelo Dr. Luiz de Melo Amorim Filho, Diretor Geral do Instituto Estadual

Leia mais

Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika

Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika - O que é o vírus Zika? O vírus Zika é um arbovírus (grande família de vírus), transmitido pela picada do mesmo vetor da dengue e da chikungunya,

Leia mais

V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia

V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA FEBRE CHIKUNGUNYA NO BRASIL E NO MUNDO Giovanini Coelho/Ministério da Saúde Vírus Chikungunya (CHIKV) Distribuição de vetores potenciais

Leia mais

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya

Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya Fernanda Montenegro de Carvalho Araújo Dezembro/2014 Introdução A febre do CHIKUNGUNYA é uma doença endêmica nos países do Sudeste da Ásia, África e Oceania e emergente

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18 MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013 Página 1 de 18 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL DEFINIÇÃO O Gal é um sistema informatizado desenvolvido para os laboratórios de Saúde

Leia mais

Programa de Controle da Dengue/SC

Programa de Controle da Dengue/SC Programa de Controle da Dengue/SC Estratégia operacional de prevenção e controle da dengue para municípios não infestados por Aedes aegypti, infestados por Aedes aegypti sem circulação viral e infestados

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Programa Nacional de Controle da Dengue Febre Hemorrágica da Dengue e Apresentações Graves Definição e Rotina de Investigação Maio 2010 Dengue no Brasil

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 10 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola. No entanto, surtos recentes de sarampo em países como o

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 01/2014- SUVIGE/CPS/SESAP-RN

NOTA TÉCNICA Nº 01/2014- SUVIGE/CPS/SESAP-RN GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Av. Marechal Deodoro da Fonseca, 730, Cidade

Leia mais

ASPECTOS LABORATORIAIS

ASPECTOS LABORATORIAIS INFLUENZA A (H1N1) 1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS LABORATORIAIS Os agentes infecciosos prioritários para investigação etiológica são os vírus influenza. As amostras de secreções respiratórias devem ser

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Nº 05 VÍRUS ZIKA SEMANA 15 MATO GROSSO DO SUL / 2016

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Nº 05 VÍRUS ZIKA SEMANA 15 MATO GROSSO DO SUL / 2016 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Nº 05 VÍRUS ZIKA SEMANA 15 MATO GROSSO DO SUL / 2016 MAPA DE MUNICÍPIOS COM CONFIRMAÇÃO LABORATORIAL DE CASOS DE VÍRUS ZIKA NO MATO GROSSO DO SUL, 2016. Governo do Estado de Mato

Leia mais

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Monitoramento das Doenças Diarréicas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: Definição de caso suspeito de sarampo: Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre

Leia mais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração Aspectos Laboratoriais Eduardo Pinheiro Guerra Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Situação epidemiológica e medidas de preparação Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Vírus Ebola Família Filoviridae, gênero Ebolavirus A primeira espécie de

Leia mais

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI INTRODUÇÃO A dengue é uma doença infecciosa febril aguda benigna na maior parte dos casos. É causada pelo vírus do

Leia mais

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Água e Alimentos ROTINA OPERACIONAL

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Água e Alimentos ROTINA OPERACIONAL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/SP COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - CVE DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO HÍDRICA E ALIMENTAR DDTHA Av. Dr. Arnaldo, 351

Leia mais

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS SUPRINTENDÊNCIA DE EPIDEMIOLOGIA GERÊNCIA DE VIGILÃNCIA AMBIENTAL COORDENADORIA DE CONTROLE DE ZOONOSES Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Leia mais

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Secretaria de Estado da Saúde do Paraná Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Resposta

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança na Área Portuária Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país Preparação Para o Exercício de Mesa e Simulado do Ebola Marcus

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

DENGUE. Boletim Epidemiológico Nº 06 202 De 01 janeiro a 21 de Junho de 2014 Semana Epidemiológica 25* *Dados parciais

DENGUE. Boletim Epidemiológico Nº 06 202 De 01 janeiro a 21 de Junho de 2014 Semana Epidemiológica 25* *Dados parciais Boletim Epidemiológico Nº 06 202 De 01 janeiro a 21 de Junho de 2014 Semana Epidemiológica 25* *Dados parciais Situação epidemiológica 2014 De 1º de janeiro a 21 de junho de 2014 (25ª semana epidemiológica

Leia mais

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc.

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc. AIDS Para construir série histórica de alguns indicadores epidemiológicos e operacionais referentes a casos de aids adulto e criança anteriores ao ano de 2007, incluídos no SinanW, deve-se utilizar os

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

Manejo de casos suspeitos de Dengue no Estado de Santa Catarina.

Manejo de casos suspeitos de Dengue no Estado de Santa Catarina. PROTOCOLO Manejo de casos suspeitos de Dengue no Estado de Santa Catarina. Santa Catarina 14 de abril de 2015 1 INTRODUÇÃO A dengue no Brasil caracteriza-se por um cenário de transmissão endêmica/epidêmica

Leia mais

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA PLANO DE AÇÃO

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA PLANO DE AÇÃO Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Respostas em Vigilância em Saúde - CIEVS DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA PLANO

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014 CEVS/DVAS/PECD/PEVAa Programa Estadual de Controle da Dengue Programa Estadual de Vigilância do Aedes aegypti e Seção de Reservatórios e Vetores/ Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central /

Leia mais

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Nota Técnica Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Yellow Fever in Brazil: Recommendations for Surveillance, Prevention and

Leia mais

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra.

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra. ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE GERÊNCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Informe Epidemiológico Sarampo - Setembro/2013 O sarampo é uma doença altamente transmissível e que pode evoluir

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais