Doença do refluxo gastroesofágico e Doenças otorrinolaringológicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doença do refluxo gastroesofágico e Doenças otorrinolaringológicas"

Transcrição

1 Doença do refluxo gastroesofágico e Doenças otorrinolaringológicas MILENA RIBEIRO MACITELLI RESIDENTE DE 4 ANO- DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA- ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA/UNIFESP

2 Introdução A função do esôfago (primeiro órgão no TGI) parece simples: tubo ântero-posterior, achatado, oco, que transporta material da boca ao estômago. Função transportadora: exposto a diversas substâncias potencialmente nocivas. Tais substâncias (alimentos, bebidas, medicamentos), o refluxo gastroesofágico e os componentes duodenais podem ser ácidos ou alcalinos, hiper ou hipo-osmolares, frios ou quentes. Apesar dos desafios físicos e químicos (integridade e função), o esôfago permanece saudável e funcional na maioria das pessoas. Vandenplas Y, Hassal E. Mechanisms of gastroesophageal reflux and gastroesophageal reflux disease. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition 2002; 35:

3 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Definição Refluxo gastroesofágico (RGE) - passagem do conteúdo gástrico para o esôfago, de maneira assintomática, sem repercussões clínicas ou lesões teciduais. É um processo involuntário, fisiológico, que ocorre várias vezes ao dia em lactentes, crianças, adolescentes e adultos. Os episódios de RGE fisiológicos em indivíduos saudáveis, são geralmente de curta duração (<3 min), ocorrem no período pós prandial e ocasionam pouco ou nenhum sintoma.

4 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Definição Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) - ocorre quando a passagem do conteúdo gástrico para o esôfago causa sintomas ou complicações. Pode ocorrer em pacientes que apresentam quadro clínico típico, com vômitos e regurgitações, ou nos quais o refluxo é oculto e somente as suas consequências ou complicações é que se manifestam (após longos períodos assintomáticos).

5 Fisiopatologia da DRGE É complexa: envolve fatores genéticos, ambientais (hábitos alimentares e tabagismo), anatômicos, hormonais e neurogênicos. RGE ocorre quando existe falha dos mecanismos que atuam como barreira antirrefluxo. DRGE ocorre quando há desequilíbrio entre os mecanismos agressores e de defesa. Vandenplas Y, Hassal E. Mechanisms of gastroesophageal reflux and gastroesophageal reflux disease. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition 2002; 35:

6 Mecanismos de barreira anti-rge 1) Esôfago abdominal: poucos milímetros ao nascer e, em poucos anos, atinge de 3 a 6 cm antirrefluxo: pressão intra-abdominal é > intratorácica. 2) Pilar direito do diafragma: durante inspiração, tosse, ou exercício físico antirrefluxo: compressão do esôfago e luz aumento da pressão intraluminal da junção esofagogástrica. 3) Ligamento frenoesofágico: fixa a extremidade distal do esôfago, ancorando-o e impedindo a ascensão do EEI para a região torácica. 4) Ângulo de Hiss: angulação entre o esôfago abdominal e o fundo gástrico. 5) Esfincter Esofágico Inferior: Área de musc. circular, na porção mais distal do esôfago. É barreira funcional e tem P intraluminal > P esôfago ou estômago (20mmHg). P < 6 mmhg RGE Vandenplas EEI relaxa Y, Hassal durante E. Mechanisms 2,5 seg após of gastroesophageal o início da deglutição. reflux and Permanece gastroesophageal aberto por reflux disease. seg (até Journal passagem of Pediatric do Gastroenterology bolo alimentar) and Nutrition 2002; 35:

7 Fisiopatologia da DRGE Mecanismos de barreira anti-rge

8 Fatores de agressão da mucosa esofágica Componentes do material refluído: HCl, pepsina, ácidos biliares e tripsina LESÃO TECIDUAL Ác. biliares e tripsina: presentes quando refluxo duodenogástrico associado ao RGE HCL: maior responsável pela lesão tecidual, embora tanto RGE ácido (ph < 4,0) como básico (ph > 7,0) possam causar esofagite Ácidos biliares aumentam a permeab. da mucosa esofágica aos ácidos material refuído misto (gástrico e duodenal) pode ser mais nocivo Mecanismos que favorecem a ocorrência do RGE: relaxamento transitório e hipotonia do EEI, elevação da P intra-abdominal, presença de hérnia hiatal, esvaziamento gástrico lento e aumento da P intragástrica. Orlando MC. Mechanisms of reflux-induced epithelial injuries in the esophagus. American Journal of Medicine 2000; 108:104S-108S

9 Fatores de defesa da mucosa esofágica Mecanismo de depuração: capacidade intrínseca de defesa do epitélio contra os fatores agressores: Peristaltismo esofágico Secreção salivar - ph neutro a alcalino. Contribui p/ neutralização do refluxo ácido Força da gravidade Bem desenvolvido após 31 semanas de gestação - totalmente funcionais em RN prematuros com doenças pulmonares crônicas. Grau de resistência tecidual da mucosa esofágica Vandenplas Y, Hassal E. Mechanisms of gastroesophageal reflux and gastroesophageal reflux disease. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition 2002; 35:

10 Fisiopatologia do RGE em crianças menores É diferente dos adultos. Alta prevalência de RGE no 1⁰ ano de vida: Hábitos de vida - dieta líquida e volumosa dos RNs e lactentes; posição horizontal frequente Aspectos anatômicos/funcionais do esôfago e estômago Esôfago abdominal curto Esvaziamento gástrico lento e menor complascência gástrica Distensão gástrica é induzida por pequenos volumes, favorecendo o relaxamento do EEI Mecanismos tendem a desaparecer com o crescimento e desenvolvimento do lactente. Diminuição da ingestão calórica Aumento do tônus muscular Manutenção da posição ereta por mais tempo Orenstein SR, Izadnia F, Khan S. Gastroesophageal reflux disease in children. Gastroenteol Clin North Am 1999; 28:

11 Manifestações clínicas da DRGE Quadro clínico heterogêneo, inespecífico, com gravidade variável - desde simples regurgitações até condições ameaçadoras à vida. Variam de acordo com idade e presença de complicações ou comorbidades. Podem ser decorrentes: RGE - regurgitações e vômitos Complicações esofágicas - Esofagite, estenose esofágica, Esôfago de Barrett Complicações extra-esofágicas - Respiratórias, otorrinolaringológicas, neuro-comportamentais, orais Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN)

12 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Manifestações clínicas em LACTENTES RGE é comum, na maioria dos casos é fisiológico. Regurgitações mais evidentes do 2⁰ ao 4⁰ mês de vida, com pico de incidência entre 4⁰ e 5⁰ meses. Resolução espontânea entre 12 e 24 meses. Evolução benigna, autolimitada. Não há necessidade de exames diagnósticos ou uso de medicamentos.

13 Manifestações clínicas da DRGE nos LACTENTES Irritabilidade e recusa alimentar - podem ser os sintomas correspondentes de queimação retroesternal. Difícil diferenciar - DRGE x APLV x cólica infantil Choro, irritabilidade Sinais de alarme nos lactentes com regurgitação/vômito: Abaulamento de fontanela Convulsões Diarréia Distensão abdominal Febre Hematêmese Hematoquezia Início vômitos após 6 meses vida Letargia Microcefalia Macrocefalia Perda peso/ parada crescimento Sangramento GI Sd. genética/metabólica Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo Hepatoesplenomegalia C et al. Pediatric gastroesophageal Vômitos reflux frequentes clinical e practice c/ guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, esforço Hepatology and Nutrition (NASPGHAN)

14 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Manifestações clínicas em CRIANÇAS MAIORES Evolução para cronicidade é mais frequente. Pode haver períodos de remissão e recidiva durante anos - maior prevalência e maior gravidade das complicações esofágicas da DRGE, quando comparadas aos lactentes. A partir do 2⁰ ou 3⁰ ano de vida, os vômitos e as regurgitações tornam-se menos frequentes e a dor retroesternal progressivamente mais comum como sintoma de esofagite. Dor retroesternal, em queimação, com ou sem regurgitação

15 Diagnóstico diferencial Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN)

16 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Diagnóstico diferencial LACTENTES Disfagia Hematêmese Melena Ruminação Náusea/Eructação Arqueamento Bradicardia Soluço Aspiração Laringite Estridor Infecções resp. Rouquidão Apnéia Choro Irritabilidade Cólicas Ansiedade familiar Recusa alimentar Ganho de peso insuf. Vômitos Regurgitação Anemia ferropriva Coriza Distúrbios do sono Diarréia Sangue nas fezes Rinite Congestão nasal Constipação Anafilaxia Eczema/dermatite Angioedema Edema labial Urticária/prurido Tosse crônica Chiado

17 Grupos de risco para DRGE Neuropatias Atresia de esôfago operadas Hérnia hiatal Doenças respiratórias crônicas - fibrose cística e submetidos ao Transplante de pulmão Em Quimioterapia Prematuros Obesidade Hassal E, Kerr W, El-Sarag HB. Characteristics of children receiving proton pump inhibitors continuously for up 11 years duration. J Pediatr 2007; 150:262-7.

18 Complicações da DRGE Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN)

19 MANIFESTAÇÕES OTORRINOLARINGOLÓGICAS

20 Manifestações Laríngeas Cherry, J. and Margulies, S. I. (1968), Contact ulcer of the larynx. The Laryngoscope, 78: doi: /

21 Manifestações Laríngeas Principais em crianças: Estenose laringotraqueal - surge na comissura posterior e área subglótica, causando laringoespasmo paroxístico recidivante, geralmente noturno. Estenose supraglótica típico no período neonatal e consequente ao refluxo em grande porcentagem. Laringomalácia - típico do período neonatal e caracterizado por prolapso do tecido supraglótico no espaço glótico. Relacionado a DRGE em 50%. Caruso G, Passali FM.. Acta Otorhinolaryngol Ital 2006; 26: ENT manifestations of gastro-oesophageal reflux in children

22 Manifestações Otológicas Otite média aguda (OMA) Associação OMA e DRGE - controversa Tanto OMA quanto DRGE são comuns na infância - causa e efeito? Alguns autores - DRGE é fator de risco para distúrbios tubotimpânicos crônicos Mecanismo patogênico Material refluído na região rino-faringeal - exposição prolongada com epitélio ciliar respiratório (ph 4) bloqueio do mov. ciliar HCl e pepsina causam inflamação local, edema e ulceração da mucosa respiratória Perda da função ventilatória tubotimpânica Caruso G, Passali FM.. Acta Otorhinolaryngol Ital 2006; 26: ENT manifestations of gastro-oesophageal reflux in children

23 47 crianças com OMA ou OM com efusão idade média 19,5 meses Proposta: Terapia anti-refluxo período de 12 meses Conclusão: 37 - Melhora na qualidade de vida após o tratamento O controle da DRGE pode ter papel importante no tratamento das OM e evitar timpanostomias.

24 Manifestações nasais Principal: rinosinusite crônica Causadas por processo inflamatório crônico nas cavidades nasais e para-nasais. Relação de DRGE e atrofia de adenóide - não está provada (DRGE promove inflamação do tecido adenoidiano OU adenóide facilita RGE por modificar a pressão intra-torácica na ex e inspiração, favorecendo movimento retrógrado do conteúdo gastrico??) Caruso G, Passali FM.. Acta Otorhinolaryngol Ital 2006; 26: ENT manifestations of gastro-oesophageal reflux in children

25 Manifestações nasais Mecanismo patogênico - duvidoso Ação direta do conteúdo ácido na cavidade nasal Apesar do conteúdo refluido não atingir diretamente os seios paranasais, pode alcançar a rinofaringe e porções posteriores das cavidades nasais (seio esfenoidal) inflamação, edema e obstrução complexo osteo-meatal. Caruso G, Passali FM.. Acta Otorhinolaryngol Ital 2006; 26: ENT manifestations of gastro-oesophageal reflux in children

26 Objetivo: comparar se pacientes com DRGE tem qualidade de vida nasal, em relação a grupo controle (480 pessoas) 77 pacientes com DRGE, diagnósticada por gastroscopia, foram avaliados Usado score Sino-nasal outcome Test-20 Média do teste na DRGE = 22.1 e grupo controle = 9.4 (p<0.005) Pacientes com DRGE apresentaram qualidade de vida nasal reduzida, comparada com grupo controle (SNOT-20) Deve haver realação causal entre DRGE e rinosinusite crônica.

27 Manifestações orais Sensação de queimação Mudança na sensibilidade da língua Irritação da mucosa oral e da língua, úlceras orais Dentes - abrasões e erosões (danos mínimos ou significativos) Erosões + ações bacterianas - Cáries Caruso G, Passali FM.. Acta Otorhinolaryngol Ital 2006; 26: ENT manifestations of gastro-oesophageal reflux in children

28 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Diagnóstico História detalhada Exame físico completo Exames diagnósticos Documentar presença de refluxo patológico ou suas complicações Estabelecer relação causal entre refluxo e os sintomas Avaliar o tratamento Excluir outras condições

29 Rx contrastado de esôfago, estômago e duodeno (RxEED) Baixo custo e fácil execução. Não apresenta boa especificidade nem sensibilidade para diagnóstico de DRGE. Sensibilidade - 29 a 86% Especificidade - 21 a 83% Avalia apenas o RGE pós-prandial imediato, não tendo capacidade de quantificar o RGE nem estabelecer se existe ou não a DRGE. Curta duração do exame - resultados falsos-negativos e ocorrência frequente de refluxo não patológico. Orenstein SR, Izadnia F, Khan S. Gastroesophageal reflux disease in children. Gastroenteol Clin North Am 1999; 28:

30 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Rx contrastado de esôfago, estômago e duodeno (RxEED) Não é usado rotineiramente para o diagnóstico da DRGE Principal função AVALIAÇÃO ANATÔMICA trato digestório alto Deve ser usado para confirmar ou excluir alterações anatômicas, congênitas ou adquiridas Estenose esofágica Hérnia hiatal Acalásia Má rotação intestinal Estenose hipertrófica do piloro

31 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Cintilografia gastroesofágica Permite identificar RGE mesmo após dieta com ph neutro (usada habitualmente em lactentes). Estuda esvaziamento gástrico e detecção de aspiração pulmonar. Baixa sensibilidade p/ estudo do RGE pós-prandial tardio. Período curto de observação - comparado à phmetria. Sensibilidade - 15 a 59% / Especificidade - 83 a 100% Pode ter papel no diagnóstico de aspiração pulmonar - pacientes com sintomas respiratórios crônicos. Teste negativo não exclui a possibilidade de aspiração pulmonar Não está indicada na rotina da avaliação e do tratamento da DRGE em lactentes e crianças.

32 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Ultrassonografia esofagogástrica Não é recomendado para avaliação clínica de rotina da DRGE. Papel importante no diagnóstico diferencial com estenose hipertrófica do piloro. Pode avaliar o esôfago intra-abdominal e detectar os movimentos fluidos através do EEI. Pode detectar hérnia de hiato e a magnitude do ângulo de Hiss.

33 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) phmetria esofágica Sensibilidade e especificidade - não estão bem estabelecidas Monitorização do ph esofágico - mede a frequência e duração do refluxo ácido Não é sensível aos episódios de refluxo não-ácidos ou fracamente ácidos Gravidade do refluxo não se correlaciona com gravidade dos sintomas ou complicações Útil: diferenciar RGEF e DRGE Correlacionar episódios de refluxo ácido com os sintomas

34 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) phmetria esofágica Indicações: Avaliação de sintomas atípicos Presença de sintomas extradigestivos da DRGE Pesquisa de RGE oculto Avaliação da resposta ao tratamento clínico em pacientes com esôfago de Barrett ou de DRGE de difícil controle Avaliação pré e pós-operatória do paciente com DRGE

35 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) phmetria esofágica RESULTADOS Por convenção - ph esofágico < 4,0 - refluxo ácido Parâmetros analisados Número total de episódios de refluxo Número de refluxo > 5 min Duração do episódio mais longo de refluxo Porcentagem da análise total - ph esofágico < 4,0 > 7% - anormal < 3% - normal 3% - 7% - indeterminado

36 Impedanciometria intraluminal (MII) Detecta movimento retrógrado de fluidos, sólidos e ar no esôfago, para qualquer nível, em qualquer quantidade, independente do ph Mede as alterações de resistência elétrica entre múltiplos eletrodos localizados em catéter esofágico Pode ter maior valor que a phmetria para avaliar quantidade e qualidade do material refluído Wenzl TG. Investigating esophageal reflux with the intraluminal impedance technique. J Pediatr Gastroenterol Nutr 2002; 34:261-8

37 Impedanciometria intraluminal (MII) Princípio básico: gravação das alterações da impedância elétrica do lúmen, ocasionadas pela passagem de um bolo, independente das características físicas ou químicas Vantagem principal sobre a phmetria - detecta também refluxos não ácidos Se as mudanças da impedância elétrica de um bolo líquido surgirem primeiramente nos canais distais e procederem seguindo aos próximos canais = Movimento retrógrado do bolo - RGE Wenzl TG. Investigating esophageal reflux with the intraluminal impedance technique. J Pediatr Gastroenterol Nutr 2002; 34:261-8

38 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Impedâncio-pHmetria Eletrodos MII e ph são combinados em um único catéter. Informação adicional se o material refluído é ácido, fracamente ácido ou não-ácido. Valores de normalidade não estão bem estabelecidos ph-mii é superior à phmetria isolada para avaliar a relação temporal entre sintomas e refluxo.

39 700 crianças com sintomas sugestivos de DRGE 329 com sintomas pulmonares 325 com sintomas gastrointestinais 46 com sintomas neurológicos 45% dos pacientes com refluxo anormal não teriam sido reconhecidos apenas com a phmetria

40 distúrbios da motilidade que podem mimetizar DRGE. Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Manometria esofágica Avalia motilidade do esôfago. Não detecta DRGE - pode ser anormal em pacientes com DRGE. Indicação - suspeita de dismotilidade esofágica - disfagia e odinofagia Útil em pacientes que não responderam à supressão ácida e com EDA normal - possível distúrbio da motilidade. Pode ser usada para localizar EEI, na colocação monitora a phmetria. Útil para confirmar diagdanóstico de acalásia ou outros

41 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) EDA com biópsia Permite avaliação macroscópica da mucosa esofágica e coleta de material para estudo histopatológico. Possibilita o diagnóstico das complicações esofágicas (esofagite, estenose péptica e esôfago de Barrett). Diagnóstico diferencial com outras doenças pépticas e não pépticas Esofagite eosinofílica Úlcera duodenal Gastropatia eosinofílica Esofagite de refluxo Presente: confirma presença de DRGE Ausente - não afasta DRGE - Alguns pacientes apresentam NERD (non-erosive reflux disease)

42 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) EDA com biópsia Esofagite de refluxo Definição: presença de lesões de mucosa visíveis na endoscopia, no esôfago ou imediatamente acima da junção esofagogástrica. Eritema de mucosa e linha Z irregular - Não são sensíveis Achados histológicos - eosinofilia leve, alongamento de papilas, hiperplasia de camada basal e dilatação dos espaços intercelulares - Não são sensíveis nem específicos Identificação precoce é benéfica - tratamento agressivo evita progressões como estenose e esôfago de Barrett

43 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Teste terapêutico com supressão ácida Crianças maiores e adolescentes com sintomas típicos de DRGE - podem ser submetidos a um teste empírico terapêutico com IBP, por 4 semanas, podendo estender para 12 semanas, se houver resposta clínica. Porém alívio dos sintomas não comprova DRGE - sintomas podem aliviar espontaneamente e os sintomas podem responder a placebo. Tempo de resposta é discutível e variável Não há evidências para indicar teste terapêutico em crianças menores, nas quais os sintomas são inespecíficos.

44 Tratamento Objetivos principais: Promoção do crescimento e ganho de peso adequados Alívio dos sintomas Cicatrização das lesões teciduais Prevenção e recorrência das lesões e complicações associadas à DRGE. Priemiro lugar: diferenciar RGEF e DRGE. Lactentes portadores de RGE que vomitam e crescem normalmente (sem complicações) não devem usar medicamentos nem ser submetidas à investigação diagnóstica Crianças portadoras de DRGE com complicações do RGE (esofágicas ou extraesofágicas) - necessitam terapia medicamentosa Orenstein SR, Izadnia F, Khan S. Gastroesophageal reflux disease in children. Gastroenteol Clin North Am 1999; 28:

45 Tratamento Levar consideração: Faixa etária Lactentes - tende a resolver com crescimento e desenvolvimento. Resolução espontânea é frequente, curso benigno, incidência de complicação é baixa Crianças maiores e adolescentes - pode apresentar curso crônico e recidivante. Resolução espontânea é infrequente e incidência de complicações é maior. Deve ser instituído de maneira progressiva, passo a passo, iniciando com medidas gerais e mudança no estilo de vida. Orenstein SR, Izadnia F, Khan S. Gastroesophageal reflux disease in children. Gastroenteol Clin North Am 1999; 28:

46 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Tratamento conservador MEDIDAS GERAIS Evitar tabagismo (ativo ou passivo) - tabaco promove relaxamento do EEI Aumento no número de asma, pneumonia, apnéia e síndrome da morte súbita Evitar roupas apertadas Evitar uso de drogas que exarcebam o RGE Sugerir troca de fraldas antes das mamadas Crianças com sondas nasogástricas - orientar infusão lenta da dieta

47 Evitar alimentos como chocolates, refrigerantes, chá e café. Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Tratamento MEDIDAS DIETÉTICAS Adultos - evitar refeições volumosas e altamente calóricas. Evitar alimentos gordurosos - podem lentificar o esvaziamento. gástrico, além de diminuir a pressão do EEI. Não comer algumas horas antes de dormir.

48 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Tratamento MEDIDAS DIETÉTICAS Refeições menores e mais frequentes - correlação provável entre volume gástrico e índice de refluxo. Espessamento da dieta - estudos de phmetria e cintilografia - não são medidas anti-rge eficazes (embora diminuam a frequencia e o volume) Fórmulas AR - podem diminuir regurgitação visível, mas não resultam em diminuição mensurável na frequencia dos episódios de refluxo

49 Tratamento MEDIDAS POSTURAIS Posição prona é a postura anti-rge mais adequada e eficaz. Relação com morte súbita no RN e decúbito lateral - CONTOVÉRSIAS quanto à melhor posição anti-rge. Atualmente para lactentes normais ou com DRGE - posição supina, pois o risco de morte súbita é mais importante do que o benefício ocasionado pela posição anti-rge (prona) Posição prona pode ser recomendada para crianças > 1 ano com DRGE, cujo risco de morte súbita é desprezíel. Elevação da cabeceira da cama - não tem se mostrado benéfica em estudos controlados. Posição sentada ou semi-sentada para crianças < 1ano - não se mostrou eficaz (diminuição do tônus muscular dos lactestes) Adolescentes e adultos: decúbito lateral esquerdo, com cabeceira elevada. Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN)

50 Tratamento medicamentoso Não se deve tratar o RGE com medicamentos, a menos que a presença de DRGE seja evidente. Medicamentos 1) Pró-cinéticos - ajudam a controlar os sintomas (principalmente vômitos e regurgitações) 2) Inibidores da secreção ácida Antagonistas do receptor H2 da histamina IBP Ajudam principalmente sintomas de dor (esofagite, azia ou ainda sintomas respiratórios) Orenstein SR, Izadnia F, Khan S. Gastroesophageal reflux disease in children. Gastroenteol Clin North Am 1999; 28:

51 Agentes pró-cinéticos Aumentam tônus do EEI. Melhoram o clareamento esofágico e o esvaziamento gástrico. Nenhuma droga mostrou-se eficaz em diminuir a frequencia dos relaxamentos transitórios do EEI. Não são eficazes em induzir a cicatrização das lesões esofágicas e não apresentam efeito anti-rge comprovado. São frequentemente usadas nas crianças com predomínio dos sintomas de alteração da motilidade - que apresentam mais regurgitação do que dor. Diretrizes NASPGHAN e ESPGHAN de não há evidência suficiente para o uso rotineiro. efeitos colaterais são mais importantes que os benefícios. Craig WR et al. Metroclopramide, thickened feedings, and positioning for gastroesophageal reflux in children under two years. Cochrane databese Syst Rev 2004; CD003502

52 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Agentes pró-cinéticos Metoclopramida (Plasil ) Melhora o esvaziamento gástrico e a peristalse esofágica e aumenta P do EEI. Estreita margem entre efeitos terapêuticos e efeitos no SNC, dificultam seu uso. Domperidona (Motilium ) Aumenta a P do EEI e melhora a motilidade. Uso limitado em pediatria por falta de comprovação da eficácia. Efeitos colaterais ocasionais de alterações extrapiramidais. Bromoprida (Digesan ) Não há trabalhos na literatura pediátrica, comprovando eficácia Pode causar efeitos colaterais neurológicos - alt. extrapiramidais Eritromicina Efeitos em pediatria não comprovados - usados em pacientes c/ gastroparesia, para acelerar esvaziamento gástrico Baclofeno Antagonista dos receptores do Ác. gama-aminobutírico. Reduz tanto RGE ácido como não ácido em adultos Em crianças acelera esvaziamento gástrico por 2h após a dose, sem efeito importante no EEI ou peristalse esofágica. Pacientes pediátricos neurológicos - diminui freq. dos vômitos.

53 Inibidores da secreção ácida Antagonistas do receptor H2 da histamina Eficazes em diminuir a acidez gástrica - inibem os receptores H2 de histamina nas células parietais gástricas. Falhas terapêuticas podem estar relacionadas à dose utilizada. Todos antagonistas H2 (ranitidina, cimetidina, famotidina) são mais eficazes que o placebo para aliviar sintomas e para cicatrização da mucosa. Efeitos colaterais em alguns lactentes - cefaléia, sonolência, ato de bater a cabeça Diminuição da resposta é um problema do seu uso crônico. Ranitidina 5mg/kg/dose a cada 12h ou 3mg/kg/dose a cada 8h Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN)

54 Inibidores da secreção ácida Inibidores da bomba de prótons (IBP) São indicados nos casos de esofagite erosiva, estenose péptica e esôfago de Barrett. Usados em crianças com doença respiratória crônica grave ou problemas neurológicos - necessitam de bloqueio mais efetivo da secreção ácida São superiores aos antagonistas H2 tanto para cicatrizar lesões como para aliviar sintomas. Uso de IBP por longo prazo não é aconselhável sem investigação prévia. Maioria dos pacientes requer uma dose única diária. Uso de 2 doses/dia não está indicado. Drogas aprovadas nos EUA: Omeprazol, Lansoprazol, Esomeprazol Nenhuma medicação é aprovada para crianças menores de 1 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations ano. of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN)

55 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Inibidores da secreção ácida Inibidores da bomba de prótons (IBP) Efeitos colaterais Reações idiossincráticas (14%) - cefaléia, diarréia, constipação, náusea Interações com outras drogas Hipergastrinemia Hipocloridria induzida por droga Omeprazol - 0,7 a 3,5 mg/kg/dia. Dose máx: 80 mg/dia hiperplasia das células parietais e pólipos de fundo gástrico droga mais estudada em pediatria Reduz drasticamente secreção ácida gástrica Eficaz para tratar crianças com esofagite refratária aos antagonistas H2 e pró-cinéticos. Não indicado em < 1 ano Administrados antes da 1ª refeição do dia

56 Vandenplas Y, Rudolph CD, Di Lorenzo C et al. Pediatric gastroesophageal reflux clinical practice guidelines: Joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition (NASPGHAN) Tratamento cirúrgico Indicação: Pacientes portadores de estenose péptica, esôfago de Barrett Pacientes que não respondem, ou respondem parcialmente, ao tratamento medicamentoso e continuam a apresentar complicações graves da DRGE. Realizado com > frequencia em crianças maiores e que fazem parte do grupo de risco. Quando indicada adequadamente - previne consequências crônicas, melhorando a qualidade de vida Fundoplicatura de Nissen - a mais utilizada em pediatria

57 Tratamento endoscópico Terapias endoluminais - técnicas inovadoras, realizadas por meio da EDA Nenhuma técnica foi validada em crianças plicaturas endoluminais (com sistemas endoscópicos de suturas) aplicações endoluminais de energia de radiofrequência injeções endoluminais de bipolímeros inertes Chen YK. Endoscopic treatment for GERD: are they ready to prime time? J Pediatr Gastroenter Nutr 2001; 33:109-10

Doença do Refluxo Gastroesofágico

Doença do Refluxo Gastroesofágico Doença do Refluxo Gastroesofágico Gustavo Rigon Narciso Agosto 2014 Definições Inicialmente era sinônimo de esofagite e hérnia de hiato. Posteriormente foi definida como uma desordem de motilidade associada

Leia mais

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Sabrina Bortolin Nery Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução Atualmente, o exame complementar mais utilizado no diagnóstico

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

FÁRMACOS Moduladores GástricosG

FÁRMACOS Moduladores GástricosG Curso Noções Básicas B de Farmacologia Clínica nica FÁRMACOS Moduladores GástricosG Thyago Araújo Fernandes Secreção gástrica Produção diária de 2,5L de suco gástrico diariamente; Substâncias produzidas:

Leia mais

DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA INTRODUÇÃO A Doença de Refluxo Gastro-Esofágico (DRGE) é reconhecida como entidade nosológica desde meados dos anos trinta do século passado.

Leia mais

Refluxo Gastresofágico E Constipação intestinal

Refluxo Gastresofágico E Constipação intestinal Refluxo Gastresofágico E Constipação intestinal PED III Elizabet Vilar Guimarães-PED/FM-UFMG NOVEMBRO 2014 Refluxo Gastresofágico Anatomia e fisiologia do esôfago Região esofagogástrica - Barreira anti-refluxo:

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

REFLUXO GASTROESOFÁGICO Prof.: Luiz Alberto Gastaldi UFSC Fpolis - SC

REFLUXO GASTROESOFÁGICO Prof.: Luiz Alberto Gastaldi UFSC Fpolis - SC REFLUXO GASTROESOFÁGICO Prof.: Luiz Alberto Gastaldi UFSC Fpolis - SC 1. CONCEITOS: a. Refluxo gastroesofágico (Rge): é o retorno involuntário repetitivo do conteúdo gástrico para o esôfago. Este quadro

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Gastrite e Dispepsia Funcional

Gastrite e Dispepsia Funcional Gastrite e Dispepsia Funcional Este assunto caiu de bandeja pra você! Comer é uma coisa gostosa, e ninguém precisa sofrer com disgestão difícil, náuseas, saciedade precoce, desconforto ou dor de estômago.

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

FÁRMACOS USADOS EM ÚLCERA PÉPTICA E DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO

FÁRMACOS USADOS EM ÚLCERA PÉPTICA E DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO FÁRMACOS USADOS EM ÚLCERA PÉPTICA E DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO FUCHS; WANNMACHER; FERREIRA, 2004 1 - RANG et al, 2007 2 ; GOODMAN, 2006 3. Secreção de ácido gástrico (2,5 L /dia), muco e bicarbonato.

Leia mais

1 HOSPITAL MUNICIPAL INFANTIL MENINO JESUS - PMSP PROTOCOLO SOBRE REFLUXO GASTROESOFÁGICO

1 HOSPITAL MUNICIPAL INFANTIL MENINO JESUS - PMSP PROTOCOLO SOBRE REFLUXO GASTROESOFÁGICO 1 HOSPITAL MUNICIPAL INFANTIL MENINO JESUS - PMSP PROTOCOLO SOBRE REFLUXO GASTROESOFÁGICO DIAGNÓSTICO PRINCIPAL (CID10) K21.0 Doença de refluxo gastroesofáfico com esofagite Eesofagite de refluxo K21.9

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REFLUXO GASTROESOFÁGICO EM ADULTO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Alergias alimentares Intolerâncias metabólicas Reações farmacológicas Erros congênitos do metabolismo Alergia alimentar Mediada

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura Serviço de Cirurgia Pediátrica IPPMG/UFRJ Douglas

Leia mais

Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo

Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo VÍDEO 01 Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo História Clínica: Desde os 19 anos apresenta quadro dispéptico. Em 2001 foi medicada

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina MEIOS DE DIAGNÓSTICO NA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICA

Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina MEIOS DE DIAGNÓSTICO NA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICA Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina MEIOS DE DIAGNÓSTICO NA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICA Sandra Sofia Abreu Pereira Macedo Orientadora Drª Marta Salgado Rodrigues Porto,

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

18/9/2014 DISTÚRBIOS GÁSTRICOS, ESOFÁGICOS E INTESTINAIS GASTRITE AGUDA GASTRITE CRÔNICA - TIPO A - TIPO B GASTRITE AGUDA

18/9/2014 DISTÚRBIOS GÁSTRICOS, ESOFÁGICOS E INTESTINAIS GASTRITE AGUDA GASTRITE CRÔNICA - TIPO A - TIPO B GASTRITE AGUDA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES DISTÚRBIOS GÁSTRICOS, ESOFÁGICOS E INTESTINAIS TIPOS DE GASTRITE GASTRITE AGUDA GASTRITE AGUDA GASTRITE CRÔNICA - TIPO A - TIPO B É uma inflamação da

Leia mais

Distúrbios do Esôfago

Distúrbios do Esôfago Distúrbios do Esôfago O esôfago é a porção do tubo digestivo que conecta a garganta (faringe) ao estômago. As paredes do esôfago impulsionam o alimento até o interior do estômago com ondas rítmicas de

Leia mais

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Esôfago de Barrett: quando acompanhar e como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Não possuo conflitos de interesse; Esôfago de Barrett

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc. Gastrite, Úlcera, Diarréia, Prisão de ventre (constipação) Cólica, Vermes. Anamnese: Tipo de dor ou desconforto:

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Eu, (nome do paciente(a) abaixo identificado(a) e firmado(a)), declaro ter sido

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Doença do refluxo gastroesofágico

Doença do refluxo gastroesofágico Doença do refluxo gastroesofágico Luiz João Abrahão Junior Doutor em Clínica Médica Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e University of California, San Diego. Médico do Serviço de Gastroenterologia

Leia mais

DEFINIÇÃO ANATOMO-ENDOSCÓPICA DA TRANSIÇÃO ESOFAGOGÁSTRICA. HW,Boyce Gastrointest Endosc 51 (5) 2000

DEFINIÇÃO ANATOMO-ENDOSCÓPICA DA TRANSIÇÃO ESOFAGOGÁSTRICA. HW,Boyce Gastrointest Endosc 51 (5) 2000 DEFINIÇÃO ANATOMO-ENDOSCÓPICA DA TRANSIÇÃO ESOFAGOGÁSTRICA. HW,Boyce Gastrointest Endosc 51 (5) 2000 Tradução : Kendi Yamazaki / Eduardo Guimarães Hourneaux de Moura A definição endoscópica do ponto de

Leia mais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais são aqueles que afetam todo o tubo gastrointestinal e órgãos anexos; Os mais frequentes são: azia, gastrite,

Leia mais

www.ettinger.med.br Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica

www.ettinger.med.br Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica Desde 1992 1 O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago

Leia mais

MINI BULA ESOMEPRAZOL MAGNÉSIO

MINI BULA ESOMEPRAZOL MAGNÉSIO MINI BULA ESOMEPRAZOL MAGNÉSIO Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: Comprimidos revestidos de 20 e 40mg. Embalagem contendo 7, 14, 28 e 56* comprimidos revestidos *embalagem hospitalar

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO Dra. Adriana Vidal Schmidt TOSSE Principal queixa respiratória Fumantes não reclamam! Porque vão ao médico por tosse? Prevalência de 3 a 40% Problema terapêutico Thorax

Leia mais

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria TRIAGEM NEONATAL Fibrose Cística Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria Fibrose Cística - Definição Mucoviscidose ou Doença do Beijo Salgado Doença genética mais comum em caucasianos Afeta sexo feminino

Leia mais

Algumas perguntas frequentes nas aulas de pré-parto

Algumas perguntas frequentes nas aulas de pré-parto Algumas perguntas frequentes nas aulas de pré-parto O que a mãe pode comer? Basicamente a grávida e a mãe que amamenta pode comer de tudo, adoptando os cuidados já há muito recomendados pelo obstetra:

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio.

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio. Organização Sponsor Cancro Gástrico Prevenção, Diagnóstico e Tratamento Apoio Secretariado Central Park R. Alexandre Herculano, Edf. 1-4º C 2795-240 Linda-a-Velha Telefones: 21 430 77 40/1/2/3/4 Fax: 21

Leia mais

Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013)

Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013) Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013) Mattijs Numans, Niek de Wit, Jos Dirven, Corien Heemstra-Borst, Gerard Hurenkamp, Mieke Scheele, Jako Burgers, Roeland Geijer, Egbert

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA QUESTÃO 21 A Hemorragia digestiva é uma complicação da Moléstia Diverticular dos Cólons. Assim é ERRADO afirmar: a) O tratamento das enfermidades

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003)

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003) MESA REDONDA IV Cuidados da fonoaudiologia: Diagnóstico e tratamento do paciente disfágico pós-estubação ou traqueostomizado Fga Luciana Passuello do Vale Prodomo Disfagia Qualquer problema no processo

Leia mais

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO?

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO? ABCDDV/685 ABCD Arq Bras Cir Dig 2010;23(1):6-10 Artigo Original DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO? Gastroesophageal reflux disease: what is the effectiveness

Leia mais

Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato

Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato www.bahiagastrocenter.com.br Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Edvaldo Fahel Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 O Que é

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA. Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA. Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr TOSSE NA INFÂNCIA PRINCIPAL SINTOMA RESPIRATÓRIO SEGUNDA QUEIXA MAIS FREQUENTE

Leia mais

Saiba mais sobre: Uso de drogas e Aleitamento Materno

Saiba mais sobre: Uso de drogas e Aleitamento Materno Saiba mais sobre: Uso de drogas e Aleitamento Materno Roberto Gomes Chaves*, Joel Alves Lamounier** * Mestre em Ciências da Saúde / Saúde da criança e do adolescente pela Universidade Federal de Minas

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Serviço de Cirurgia Geral III Dr Antônio Borges Campos Denissa F. G. Mesquita Extensionista da Cir. do Ap. Digestório Samuel Luz Moreno

Leia mais

de refluxo gastroesofágico

de refluxo gastroesofágico S218 Jornal de Pediatria - Vol. 76, Supl.2, 2000 0021-7557/00/76-Supl.2/S218 Jornal de Pediatria Copyright 2000 by Sociedade Brasileira de Pediatria ARTIGO DE REVISÃO Refluxo gastroesofágico Gastroesophageal

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana)

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana) PNEUMONITE ASPIRATIVA Profa. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro ASPIRAÇÃO Inalação de conteúdo gástrico ou da orofaringe para as vias aéreas Pode ocorrer tanto no âmbito

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

CORPO ESTRANHO NA VIA DIGETIVA EM CRIANÇAS JULIANA ALVES DE SOUSA CAIXETA

CORPO ESTRANHO NA VIA DIGETIVA EM CRIANÇAS JULIANA ALVES DE SOUSA CAIXETA CORPO ESTRANHO NA VIA DIGETIVA EM CRIANÇAS JULIANA ALVES DE SOUSA CAIXETA 80% < 3 anos Meninos > meninas Internação Mortalidade 10% Centers for Disease Control and Prevention (CDC)2006;55:1296 300. Moeda

Leia mais

de A a Z SÍNDROME DE RETT Alterações de humor Aerofagia

de A a Z SÍNDROME DE RETT Alterações de humor Aerofagia SÍNDROME DE RETT de A a Z Os sintomas descritos a seguir são muito característicos da Síndrome de Rett (SR). No entanto, nem todos esses sintomas estão presentes em todas as pessoas com a SR, e também

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

Mariana Reis Liparizi

Mariana Reis Liparizi Mariana Reis Liparizi Atinge principalmente a população infantil, vítima de ingestão acidental, e os adolescentes e adultos, devido tentativa de auto-extermínio. Nos adultos, as lesões são frequentemente

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente Caso complexo Sandra e Sofia Especialização em Fundamentação teórica DOR ABDOMINAL CRÔNICA NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE Soraia Tahan É comum nos atendimentos pediátricos a associação da queixa de dor abdominal

Leia mais

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Unidade de Anestesia Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Definições OMS Uma resposta

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

Inicialmente, convém reforçar que o refluxo gastroesofágico (RGE) ocorre com frequência

Inicialmente, convém reforçar que o refluxo gastroesofágico (RGE) ocorre com frequência Quando indicar a manometria, phmetria e impedâncio -phmetria na avaliação do refluxo gastroesofágico? Ary Nasi, Angela C. M. Falcão Introdução Inicialmente, convém reforçar que o refluxo gastroesofágico

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

Retardo do esvaziamento gástrico

Retardo do esvaziamento gástrico Retardo do esvaziamento gástrico Adriana Chebar Lozinsky Residente de 3º Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina UNIFESP Fisiologia da Motilidade Gástrica

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro TUMORES CEREBRAIS Maria da Conceição Muniz Ribeiro Tumor Cerebral é uma lesão localizada que ocupa o espaço intracerebral e tende a acusar um aumento de PIC. Em adulto, a maior parte dos tumores se origina

Leia mais

ESOFAGITE EOSINOFÍLICA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

ESOFAGITE EOSINOFÍLICA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP ESOFAGITE EOSINOFÍLICA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO TATIANA TIZZO HATAKEYAMA Residente de

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

INGURGITAMENTO MAMÁRIO E HIPOGALACTIA. DROGAS GALACTAGOGAS.

INGURGITAMENTO MAMÁRIO E HIPOGALACTIA. DROGAS GALACTAGOGAS. 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal INGURGITAMENTO MAMÁRIO E HIPOGALACTIA. DROGAS GALACTAGOGAS. CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

PATOLOGIAS DO TRACTO GASTROINTESTINAL. Mª Cristina Marques 2008

PATOLOGIAS DO TRACTO GASTROINTESTINAL. Mª Cristina Marques 2008 PATOLOGIAS DO TRACTO GASTROINTESTINAL Mª Cristina Marques 2008 ORGÃOS DO ORGÃOS DO TUBO DIGESTIVO APARELHO GASTRO INTESTINAL CONSTITUIÇÃO DA PAREDE DOS ORGÃOS DO TRACTO GASTROINTESTINAL DOENÇAS DO TUBO

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais