FÁRMACOS USADOS EM ÚLCERA PÉPTICA E DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÁRMACOS USADOS EM ÚLCERA PÉPTICA E DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO"

Transcrição

1 FÁRMACOS USADOS EM ÚLCERA PÉPTICA E DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO FUCHS; WANNMACHER; FERREIRA, RANG et al, ; GOODMAN, Secreção de ácido gástrico (2,5 L /dia), muco e bicarbonato. A histamina, a acetilcolina e a gastrina são os três secretagogos endógenos para o ácido clorídrico. O ácido é secretado pelas células parietais por uma bomba de prótons (K + /H + -ATPase) (ph 1-2 na luz). Prostaglandinas (PGE 2 e PGI 2 ) estimulam a secreção de muco e bicarbonato (ph 6-7 no nível da superfície mucosa) e inibem a secreção de ácido. Acredita-se que as úlceras pépticas são devidas a um desequilíbrio entre: (a) mecanismos lesivos para a mucosa (ácido, pepsina) e (b) mecanismos protetores da mucosa (muco, bicarbonato, síntese local de PGE 2 e PGI 2 ) (a presença do Helicobacter pylori pode ser um fator importante na gênese da úlcera duodenal). Gastrina hormônio peptídico sintetizado nas células endócrinas da mucosa do antro gástrico e do duodeno, sendo secretada para dentro do sangue portal. A gastrina (1) estimula a secreção de ácido pelas células parietais e (2) aumenta, indiretamente, a secreção de pepsinogênio, estimulando o fluxo sanguíneo e a motilidade gástrica. O controle da liberação de gastrina envolve (1) mediadores neuronais, (2) mediadores hematogênicos e (3) efeitos diretos do conteúdo gástrico. Dentro do estômago, os estímulos importantes são aminoácidos e pequenos peptídios, que agem diretamente sobre as células secretoras de gastrina. O leite e as soluções com sais de cálcio também são estimulantes eficazes, razão pela qual é incorreto utilizar sais contendo cálcio como antiácidos. A secreção de gastrina é inibida em ph 2.5 ou menos (conteúdo gástrico). Uma secreção excessiva de gastrina, que resulta em secreção excessiva de ácido é observada em tumores raros de células secretoras de gastrina gastrinomas, sendo o complexo de sinais e sintomas denominado síndrome de Zollinger-Ellison. Úlcera péptica é uma perda circunscrita de mucosa (> 5 mm), devido à lesão de células parietais causada por ácido e pepsina presentes na luz gastrintestinal. É comum localizar-se em estômago, duodeno ou em ambas as regiões, concomitantemente. Qualquer porção do TGI exposta a suficientes concentrações de ácido e pepsina por certo tempo pode abrigar a lesão. A úlcera péptica ultrapassa a camada muscular própria, ao contrário das ulcerações ou erosões, que são mais superficiais. O diagnóstico é usualmente estabelecido por endoscopia ou radiologia. A maioria das úlceras pépticas associa-se à infecção por Helicobacter pylori (nos EUA, 60% das úlceras gástricas e 80% das úlceras duodenais; 90% em países em desenvolvimento) ou uso continuado de AINE. Assim, o tratamento passou a ser dirigido contra o agente causal, conseguindo-se acelerar a cicatrização e diminuir recorrência e complicações. Helicobacter pylori causa inflamação crônica da mucosa; a doença tem evolução clínica variável, abrangendo gastrite, úlcera gástrica ou duodenal, atrofia da mucosa, carcinoma gástrico ou linfoma gástrico (1%/ano dos pacientes H. pylori positivos desenvolvem úlcera). O H. pylori pode ser considerado um fator que pode: (1) enfraquecer o sistema protetor da mucosa e (2) aumentar o dano da mucosa. O Hp, presente no muco, é um bacilo gramnegativo. A erradicação do bacilo reduz a incidência de recaída em cerca de 90%. A incidência anual de úlceras gastroduodenais em usuários crônicos de AINE atinge 40%. 1

2 Doença do refluxo gastresofágico é afecção crônica, decorrente de fluxo retrógrado de parte do conteúdo gastroduodenal para o esôfago ou órgãos adjacentes, que acarreta espectro variável de sintomas ou sinais esofagianos (pirose e regurgitação) ou extraesofagianos (dor torácica não-cardíaca, asma, tosse crônica, pneumonias de repetição, rouquidão, pigarro e laringite posterior crônica) associados ou não a lesões teciduais. A disfunção do esfíncter esofágico inferior é o principal fator patogênico da DRGE, decorrendo fundamentalmente de: (1) relaxamento transitório, sem anormalidade anatômica concomitante; (2) alteração anatômica, provavelmente associada à hérnia hiatal; (3) hipotonia, sem alteração anatômica associada. A gravidade da lesão é determinada pelo tempo de exposição do esôfago ao ácido e pelo ph do material refluído. MEDICAMENTOS USADOS EM ÚLCERA ASSOCIADA À INFECÇÃO POR Helicobacter pylori A erradicação do microrganismo é definida por sua ausência 4 semanas após o término do tratamento. Sendo atingida, as taxas de reinfecção são pequenas, sendo durável o benefício alcançado. Recomenda-se a utilização de dois ou mais antibióticos associados. A acidez gástrica diminui a eficácia de alguns dos antimicrobianos usados, pelo que se adicionam anti-secretores do ácido (principalmente os inibidores de bomba) ou citrato de bismuto ranitidina como adjuvantes em todos os esquemas de antibioticoterapia. Esquemas que utilizam somente antimicrobianos são ineficazes e induzem resistência bacteriana. A associação de antimicrobianos (2 ou 3 antibióticos) mais inibidores da secreção ácida está associada à maior taxa de erradicação do Hp (melhoram a eficácia da amoxicilina e da claritromicina). Esquemas de tratamento de 10 a 14 dias parecem melhores que esquemas mais curtos. Pode haver pouca aderência ao tratamento devido aos efeitos colaterais e ao número de administrações diárias dos diversos medicamentos prescritos. Está surgindo resistência ao metronidazol (susbtituir por amoxicilina) e à claritromicina. Para resistência comprovada aos dois fármacos um esquema quádruplo de 14 dias (3 antibióticos e um inibidor da bomba de prótons) deve ser eficaz. Terapia tríplice durante 14 dias: [inibidor da bomba de prótons + claritromicina 500 mg + (metronidazol 500 mg ou amoxicilina1g)] 2 vezes ao dia. [amoxicilina ou metronidazol podem ser substituídos por tetraciclina]. Terapia quádrupla durante 14 dias: - [inibidor da bomba de prótons, 2 vezes ao dia, + metronidazol 500 mg, 3 vezes ao dia, + (subsalicilato de bismuto 525 mg + tetraciclina 500 mg, 4 vezes ao dia)]. OU - [antagonista do receptor H 2, 2 vezes ao dia, + (subsalicilato de bismuto 525 mg + metronidazol 250 mg + tetraciclina 500 mg), 4 vezes ao dia]. Doses: - omeprazol (20 mg); lanzoprazol (30 mg); rabeprazol (20 mg); pantoprazol (40 mg); esomeprazol (40 mg); cimetidina (400 mg); ranitidina (150 mg); famotidina (20 mg); nizatidina (150 mg). Fármacos diversos: Antagonistas dos receptores H 2 : Inibem a secreção ácida estimulada por histamina e pela gastrina, através do bloqueio competitivo com histamina nos receptores H 2 da célula parietal gástrica. Apresentam eficácia definida em diminuir sintomas relacionados à úlcera péptica, especialmente dor, e acelerar a cicatrização das lesões gástricas e duodenais. Com a redução do volume de secreção, também é reduzida a secreção de pepsina. 2

3 Inibidores da bomba de prótons: Agem bloqueando irreversivelmente a H + /K + - ATPase (bomba de prótons), que constitui a etapa terminal na via da secreção ácida, na superfície secretora da célula parietal gástrica. Inibem profundamente (cerca de 95%) a secreção ácida. Administrados isoladamente apresentam eficácia definida em diminuir os sintomas e acelerar a cicatrização de úlcera, gástrica ou duodenal, sendo considerados mais eficazes que cimetidina e ranitidina 1. Em virtude da demora no tempo necessário para obter uma inibição máxima da secreção de ácido com os inibidores da bomba de prótons (3 a 5 dias), esses fármacos são menos apropriados para uso no alívio rápido de sintomas. Nesse contexto, os antagonistas dos receptores H 2, apesar de menos eficazes que os inibidores da bomba de prótons na supressão da secreção de ácido, possuem um início de ação mais rápido, tornando-os úteis no controle pelo próprio paciente dos sintomas leves ou infrequentes 3. O acúmulo preferencial de omeprazol nas áreas de ph muito baixo, e sua ativação em ph inferior a 3, como ocorre singularmente nos canalículos secretórios das células parietais gástricas, significa que exerce um efeito especial sobre essas células. A secreção ácida é estimulada pela presença de alimentos, assim, a administração destes fármacos deve ser feita antes das refeições. As preparações orais são formuladas como grânulos de desintegração entérica, contidos em cápsulas de gelatina (omeprazol e lansoprazol) ou como comprimidos de desintegração entérica (pantoprazol e rabeprazol). Os grânulos dissolvem-se somente em ph alcalino, assim evitando a degradação do fármaco pela secreção ácida do esôfago e estômago (os inibidores da bomba de prótons são instáveis em ph ácido). É eliminado rápida e completamente graças ao seu metabolismo para produtos inativos. Apesar de sua meia-vida de aproximadamente 1 hora, uma dose única diária afeta a secreção ácida por 2 a 3 dias, tempo necessário para nova síntese das enzimas inibidas. Citrato de Bismuto Ranitidina: É um complexo formado por ranitidina e citrato de bismuto. Considera-se que reúne os efeitos terapêuticos das duas substâncias. Age da mesma forma que os antagonistas H 2, acrescido do efeito quelante do bismuto (este, age através do revestimento da base da úlcera, da adsorção de pepsina, do aumento da síntese de prostaglandinas e pelo estímulo da síntese de muco e de bicarbonato de sódio; apresenta, ainda, efeito antibacteriano contra H.pylori). Sucralfato: É um complexo de hidróxido de polialumínio + sacarose sulfatada. Tem mínima capacidade antiácida. Promove a cicatrização das úlceras. Na presença de ácido, o sucralfato libera alumínio, adquire uma poderosa carga negativa e fixa-se aos grupos carregados positivamente nas proteínas, glicoproteínas, etc., ficando fortemente aderido à mucosa (até 6 h após a administração), tanto lesada quanto normal, especialmente nas células epiteliais da base das úlceras, considerando-se a proteção do nicho ulceroso como sua principal ação terapêutica. Pode formar géis complexos com muco, ação considerada capaz de reduzir a degradação do muco pela pepsina e de limitar a difusão dos íons de hidrogênio. Pode inibir a ação da pepsina. Estimula também os mecanismos protetores da mucosa secreção de muco e de bicarbonato e produção de prostaglandinas. É administrado por via oral, quatro vezes ao dia, 1 hora antes das refeições, uma vez que é ativado em ph ácido. Uma pequena quantidade (< 5%) é absorvida para dentro da circulação. Reduz a absorção de vários fármacos (fluoroquinolona, teofilina, digoxina, amitriptilina), devendo ser administrado com intervalo de 2 horas. Antiácidos fornecidos simultaneamente ou antes de sua administração reduzem sua eficácia 2,3. O uso do sucralfato diminuiu nos últimos anos. Entretanto, como o aumento do ph pode contribuir para a instalação da pneumonia hospitalar (pneumonia de aspiração) secundária à colonização gástrica por bactérias em meio alcalino, comum em pacientes criticamente enfermos, o sucralfato pode ter uma vantagem sobre os inibidores da bomba de prótons e 3

4 os antagonistas de H 2 para a profilaxia das úlceras de estresse (prevenção de sangramento gastroduodenal) 1. MEDICAMENTOS USADOS EM ÚLCERA ASSOCIADA AO USO DE AINE Tratamento de lesões gastrintestinais induzidas por AINE. A ação local dos AINE provoca petéquias ou erosões em 50% dos pacientes, enquanto que a inibição da COX 1 é responsável pela produção de úlcera. Os usuários crônicos de AINE apresentam 2 a 4% de risco de desenvolver uma úlcera sintomática, sangramento gastrintestinal ou até mesmo perfuração 3. A conduta ideal consiste em suspender o AINE e erradicar o H. pylori, quando presente 1. Se houver necessidade de terapia contínua pode-se considerar o uso de inibidores da COX-2 seletivos, embora isso não elimine o risco de formação subsequente de úlcera, e deve-se ter muita cautela em virtude da possível associação desses fármacos a eventos cardiovasculares adversos. A administração de um inibidor de bomba ou de antagonista H 2 promove cicatrização rápida de úlceras induzidas por AINE após a suspensão deste. Nos casos de uso contínuo de AINE, a cicatrização das úlceras também é possível com a administração de agentes supressores da secreção ácida, neste caso em doses mais elevadas do que as habituais e por período mais prolongado de uso (ex: 8 semanas ou mais). Nessa situação, os inibidores da bomba de prótons são superiores aos antagonistas dos receptores H 2 e ao misoprostol (taxa de inibição de 80-90% para os inibidores da bomba versus 60-75% para os antagonistas dos receptores H 2 ) e na prevenção da recidiva das úlceras gástricas e duodenais em caso de administração contínua de AINE 3. *(* O uso associado dos antagonistas dos receptores H 2 com AINE reduz a incidência de úlcera duodenal, mas não de úlcera gástrica, mais frequentemente associada ao uso de AINE 1. *(* Misoprostol: Análogo sintético da prostaglandina E 1, tem se mostrado eficaz em prevenir lesões gastroduodenais em pacientes usando AINE. Pouco usado, atualmente 1,3. Prevenção de lesões gastrintestinais induzidas por ácido acetilsalicílico. Pacientes em uso continuado de ácido acetilsalicílico, mesmo em doses baixas (como agente antiplaquetário), constituem grupo de risco para complicações gastrintestinais, principalmente sangramento digestivo alto. Mesmo a preparação tamponada ou a de liberação entérica não reduz o risco de sangramento, embora possam causar menos sintomas dispépticos. A administração concomitante de antagonistas H 2 ou de inibidores de bomba de prótons diminui o risco de sangramento digestivo alto nesses pacientes. MEDICAMENTOS USADOS EM ÚLCERA NÃO ASSOCIADA AO USO DE AINE OU H. PYLORI Não está definido o melhor tratamento para pacientes com úlcera péptica idiopática. Revisão sugere a administração de antagonistas H 2 por 4 a 8 semanas para pacientes com úlcera não-complicada e manutenção (por tempo ainda não determinado) naqueles com úlcera complicada. Os inibidores de bomba de prótons seriam reservados para os casos nos quais a cicatrização se faz mais lentamente ou não ocorre. MEDICAMENTOS USADOS EM DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO. O tratamento da DRGE objetiva fundamentalmente aliviar sintomas, cicatrizar lesões e prevenir recidivas e complicações. Para atingir tais objetivos se usam medidas comportamentais (elevação da cabeceira da cama - 15 cm - e modificações dietéticas, moderando a ingestão de determinados alimentos - gorduras, chocolate, cítricos, tomate, café, bebidas alcoólicas e, ainda, redução do peso) e farmacológicas. A intervenção farmacológica objetiva reduzir a acidez gástrica, elemento-chave no desenvolvimento de sintomas e lesões da mucosa esofágica. Presença de ph intra-esofágico igual a 4 é 4

5 indicativa de refluxo gastresofágico. Pacientes que permanecem com esse ph por mais tempo durante o dia desenvolvem lesões esofágicas mais graves. O alvo do tratamento, portanto, é manter os valores de ph intra-gástrico e intra-esofagiano acima de 4, mediante o uso de antagonistas H 2 ou inibidores da bomba de prótons. É comum a recorrência dos sintomas após 6 meses da suspensão do tratamento. Uso prolongado de inibidores da bomba de prótons parece ser bastante seguro. Fármacos para DRGE: (1) os inibidores da bomba de prótons detêm a supremacia no tratamento de esofagite de refluxo (grau A), especialmente em casos mais graves. Administrados por cerca de 4 semanas, aliviam os sintomas e curam esofagite em aproximadamente 85-90% dos casos. Esomeprazol mostrou-se mais eficaz que omeprazol e lansoprazol em controlar a acidez gástrica acima de 4, mas, clinicamente, esta diferença pode não ser importante; (2) os antagonistas dos receptores H 2 são amplamente utilizados na DRGE, em doses maiores (cimetidina = 800 mg/ 2 x dia/ 12 semanas) que as comumente empregadas no tratamento de úlcera péptica (cimetidina = 400 ou 800 mg/ 1 x dia/ 4-8 semanas). Estudos indicam que não é necessário usar doses elevadas destes fármacos no controle desta patologia. Além disso, o custo do tratamento não é efetivo. (3) agentes pró-cinéticos: aumentam a pressão do esfíncter esofágico inferior (> 10 mmhg) ou reduzem a frequência do relaxamento transitório do esfíncter esofágico inferior e aceleram o trânsito esofágico. Antidopaminérgicos (domperidona e metoclopramida) têm sido utilizados no manejo de pacientes com DRGE. Entretanto, evidências sobre eficácia destes agentes no tratamento de DRGE são inconsistentes, não havendo benefício em seu uso. 5

FÁRMACOS Moduladores GástricosG

FÁRMACOS Moduladores GástricosG Curso Noções Básicas B de Farmacologia Clínica nica FÁRMACOS Moduladores GástricosG Thyago Araújo Fernandes Secreção gástrica Produção diária de 2,5L de suco gástrico diariamente; Substâncias produzidas:

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico

Doença do Refluxo Gastroesofágico Doença do Refluxo Gastroesofágico Gustavo Rigon Narciso Agosto 2014 Definições Inicialmente era sinônimo de esofagite e hérnia de hiato. Posteriormente foi definida como uma desordem de motilidade associada

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

06/05/2014 EMENTA CRONOGRAMA SECREÇÃO GÁSTRICA. Células principais ou pépticas. Células parietais ou oxínticas

06/05/2014 EMENTA CRONOGRAMA SECREÇÃO GÁSTRICA. Células principais ou pépticas. Células parietais ou oxínticas UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III Nardeli Boufleur nardeli@unochapeco.edu.br EMENTA Ética. Fundamentos clínicos, morfológicos

Leia mais

FÁRMACOS PARA TRATAR DOENÇAS GASTRO-ESOFÁGICAS. Profa. Veni Maria Andres Felli guiluve@usp.br

FÁRMACOS PARA TRATAR DOENÇAS GASTRO-ESOFÁGICAS. Profa. Veni Maria Andres Felli guiluve@usp.br FÁRMACOS PARA TRATAR DOENÇAS GASTRO-ESOFÁGICAS Profa. Veni Maria Andres Felli guiluve@usp.br OBJETIVOS DA AULA Fármacos disponíveis para o tratamento Estrutura química dos principais Relação entre a estrutura

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

MINI BULA ESOMEPRAZOL MAGNÉSIO

MINI BULA ESOMEPRAZOL MAGNÉSIO MINI BULA ESOMEPRAZOL MAGNÉSIO Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: Comprimidos revestidos de 20 e 40mg. Embalagem contendo 7, 14, 28 e 56* comprimidos revestidos *embalagem hospitalar

Leia mais

Farmacologia dos inibidores da secreção gástrica, procinéticos e antieméticos

Farmacologia dos inibidores da secreção gástrica, procinéticos e antieméticos Farmacologia dos inibidores da secreção gástrica, procinéticos e antieméticos Professor Cleverton Lima 2014 clevertonkleiton@gmail.com Objetivos da aula Discutir as principais classes de fármacos disponíveis

Leia mais

Gastrite e Dispepsia Funcional

Gastrite e Dispepsia Funcional Gastrite e Dispepsia Funcional Este assunto caiu de bandeja pra você! Comer é uma coisa gostosa, e ninguém precisa sofrer com disgestão difícil, náuseas, saciedade precoce, desconforto ou dor de estômago.

Leia mais

18/9/2014 DISTÚRBIOS GÁSTRICOS, ESOFÁGICOS E INTESTINAIS GASTRITE AGUDA GASTRITE CRÔNICA - TIPO A - TIPO B GASTRITE AGUDA

18/9/2014 DISTÚRBIOS GÁSTRICOS, ESOFÁGICOS E INTESTINAIS GASTRITE AGUDA GASTRITE CRÔNICA - TIPO A - TIPO B GASTRITE AGUDA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES DISTÚRBIOS GÁSTRICOS, ESOFÁGICOS E INTESTINAIS TIPOS DE GASTRITE GASTRITE AGUDA GASTRITE AGUDA GASTRITE CRÔNICA - TIPO A - TIPO B É uma inflamação da

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Brasília, Técnica maio N de 18 2012. /2012 Nome Princípio Comercial Ativo: esomeprazol. Medicamentos Genéricos: e de referência1: esomeprazol Nexium. Sumário sódico. 1. 2. que é o esomeprazol? 3.

Leia mais

DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA INTRODUÇÃO A Doença de Refluxo Gastro-Esofágico (DRGE) é reconhecida como entidade nosológica desde meados dos anos trinta do século passado.

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

LOSEC MUPS omeprazol magnésico

LOSEC MUPS omeprazol magnésico LOSEC MUPS magnésico I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LOSEC MUPS magnésico APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg em embalagens com 14 ou 28 comprimidos. Comprimidos revestidos de 20 mg em embalagens

Leia mais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais são aqueles que afetam todo o tubo gastrointestinal e órgãos anexos; Os mais frequentes são: azia, gastrite,

Leia mais

São Paulo, 12 e 13 de 2008

São Paulo, 12 e 13 de 2008 São Paulo, 12 e 13 de 2008 Uma realidade do Mercado Os 10 (dez) primeiros produtos com patentes vendem, mundialmente, 37 bilhões de dólares * O Brasil vende, de todos os produtos, 6 bilhões de dólares

Leia mais

INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES Estado da Arte

INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES Estado da Arte 1 Cadernos Otorrinolaringologia. CLÍNICA, INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO CLÍNICA FARMACOLÓGICA INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES Estado da Arte Rita Oliveira, Ana Margarida Freitas, Teresa Aires Pereira. Farmacêuticas

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

Princípios Ativos Ácido Cítrico,Ácido Acetilsalicílico, Bicarbonato de Sódio e Carbonato de Sodio.

Princípios Ativos Ácido Cítrico,Ácido Acetilsalicílico, Bicarbonato de Sódio e Carbonato de Sodio. Sonrisal Classe terapêutica dos Antiacidos. Princípios Ativos Ácido Cítrico,Ácido Acetilsalicílico, Bicarbonato de Sódio e Carbonato de Sodio. Indicação Para quê serve Sonrisal? Sonrisal é indicado como

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO CIENTÍFICA DO LOSEC E NOMES ASSOCIADOS (VER ANEXO I)

RESUMO DA AVALIAÇÃO CIENTÍFICA DO LOSEC E NOMES ASSOCIADOS (VER ANEXO I) ANEXO II CONCLUSÕES CIENTÍFICAS E FUNDAMENTOS PARA A ALTERAÇÃO DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO, DA ROTULAGEM E DO FOLHETO INFORMATIVO APRESENTADOS PELA EMEA 19 CONCLUSÕES CIENTÍFICAS RESUMO

Leia mais

APROVADO EM 18-08-2009 INFARMED RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 - DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO

APROVADO EM 18-08-2009 INFARMED RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 - DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 - DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Lansoprazol Azevedos 30 mg Cápsulas gastrorresistentes 2 - COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Lansoprazol 30 mg Excipiente: Sacarose.

Leia mais

Farmacologia. Liga de Gastroenterologia / UFC

Farmacologia. Liga de Gastroenterologia / UFC Farmacologia Liga de Gastroenterologia / UFC Caso Clínico AF, 64 anos, casado, pardo, comerciante, natural de Aracati e Procedente de Fortaleza. Procurou cuidados médicos para realizar EDA e avaliar doença

Leia mais

Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013)

Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013) Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013) Mattijs Numans, Niek de Wit, Jos Dirven, Corien Heemstra-Borst, Gerard Hurenkamp, Mieke Scheele, Jako Burgers, Roeland Geijer, Egbert

Leia mais

INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A.

INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. RANITIDIL cloridrato de ranitidina MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. Comprimido Revestido 150 mg RANITIDIL cloridrato de ranitidina comprimido revestido I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome Genérico:

Leia mais

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FAMOX famotidina

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FAMOX famotidina MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FAMOX famotidina Comprimidos de 20 mg: embalagem com 10 comprimidos. Comprimidos de 40 mg: embalagem com 10 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composições completas:

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

Farmacoterapia da doenc a de refluxo gastro-esofaǵico, úlcera peṕtica, naúseas e voḿitos (PBL) Farmacoterapia do Tracto Gastro-Intestinal

Farmacoterapia da doenc a de refluxo gastro-esofaǵico, úlcera peṕtica, naúseas e voḿitos (PBL) Farmacoterapia do Tracto Gastro-Intestinal Farmacoterapia da doenc a de refluxo gastro-esofaǵico, úlcera peṕtica, naúseas e voḿitos (PBL) João Rocha Farmacoterapia do Tracto Gastro-Intestinal Pós-Graduação em Cuidados Farmacêuticos Caso clínico

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

rabeprazol sódico I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999

rabeprazol sódico I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO rabeprazol sódico Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES rabeprazol sódico comprimidos revestidos de 10 mg (cor-de-rosa), para liberação entérica, em

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES - CLORIDRATO DE RANITIDINA

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES - CLORIDRATO DE RANITIDINA CLORIDRATO DE RANITIDINA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES - CLORIDRATO DE RANITIDINA Comprimidos revestidos, contendo 150 mg ou 300 mg de ranitidina (como cloridrato), em embalagens com 10, 20 ou 150

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

www.ettinger.med.br Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica

www.ettinger.med.br Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica Desde 1992 1 O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago

Leia mais

CLORIDRATO DE RANITIDINA GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Comprimidos revestidos. 150 mg e 300 mg

CLORIDRATO DE RANITIDINA GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Comprimidos revestidos. 150 mg e 300 mg CLORIDRATO DE RANITIDINA GERMED FARMACÊUTICA LTDA Comprimidos revestidos 150 mg e 300 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato de ranitidina "Medicamento Genérico, Lei nº. 9.787, de 1999". APRESENTAÇÕES

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

PANTOZOL 40 mg pantoprazol sódico sesquiidratado

PANTOZOL 40 mg pantoprazol sódico sesquiidratado Leia com atenção, antes de usar o produto. PANTOZOL 40 mg pantoprazol sódico sesquiidratado Forma farmacêutica, via de administração e apresentações Comprimido gastro-resistente. Embalagens com 7, 14,

Leia mais

ZIPROL Laboratórios Baldacci S.A Comprimido revestido gastrorresistente 20 mg

ZIPROL Laboratórios Baldacci S.A Comprimido revestido gastrorresistente 20 mg ZIPROL Laboratórios Baldacci S.A Comprimido revestido gastrorresistente 20 mg BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 ZIPROL pantoprazol sódico sesquihidratado APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos gastrorresistentes

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Gastribien 30 mg cápsulas gastrorresistentes Lansoprazol Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. -Conserve este folheto. Pode ter

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Esomeprazol Magnésio Triidratado Pellets 8,5%

Esomeprazol Magnésio Triidratado Pellets 8,5% Esomeprazol Magnésio Triidratado Pellets 8,5% Desaparecimento dos sintomas de azia, dor epigástrica e de regurgitação ácida. Cicatrização das úlceras pépticas. Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: (C

Leia mais

USO CRÔNICO DE FÁRMACOS INIBIDORES DA BOMBA DE PRÓTONS:

USO CRÔNICO DE FÁRMACOS INIBIDORES DA BOMBA DE PRÓTONS: ANA ELISA ARAI SANDRA MARIA CONTIN GALLERANI USO CRÔNICO DE FÁRMACOS INIBIDORES DA BOMBA DE PRÓTONS: EFICÁCIA CLÍNICA E EFEITOS ADVERSOS Londrina 2011 ANA ELISA ARAI SANDRA MARIA CONTIN GALLERANI USO CRÔNICO

Leia mais

CLORIDRATO DE RANITIDINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope 150mg/10mL

CLORIDRATO DE RANITIDINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope 150mg/10mL CLORIDRATO DE RANITIDINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope 150mg/10mL MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA. Pepsamar comprimidos mastigáveis cartucho contendo 50 ou 200 comprimidos mastigáveis.

MODELO DE TEXTO DE BULA. Pepsamar comprimidos mastigáveis cartucho contendo 50 ou 200 comprimidos mastigáveis. MODELO DE TEXTO DE BULA PEPSAMAR hidróxido de alumínio Formas farmacêuticas e apresentações Pepsamar comprimidos mastigáveis cartucho contendo 50 ou 200 comprimidos mastigáveis. Via oral USO ADULTO Composição

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Omede, cápsulas gastrorresistentes Omeprazol 20 mg

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Omede, cápsulas gastrorresistentes Omeprazol 20 mg FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Omede, cápsulas gastrorresistentes Omeprazol 20 mg Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade

Leia mais

São Paulo, 12 e 13-11-2008

São Paulo, 12 e 13-11-2008 São Paulo, 12 e 13-11-2008 Pesquisa de fitomedicamento Dificuldades e perspectivas - Um caso - Perspectiva para o setor nacional Genéricos - com suas limitações Similares inovadores Fitomedicamentos Biológicos

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Lansoprazol Jaba 30 mg Cápsulas gastrorresistentes 30 mg Cápsulas gastrorresistentes Lansoprazol Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br EXEMPLOS DE ESQUEMAS COMPARTIMENTAIS DO CORPO TGI COMPARTIMENTO CENTRAL CÉREBRO FÍGADO ELIMINAÇÃO METABÓLICA EXCREÇÃO RENAL OUTROS

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Fenulife. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável

Fenulife. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável Material Técnico Fenulife Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução Os animais não encontram no meio, em forma imediatamente utilizável, todos os alimentos ou nutrientes de que necessitam. A absorção direta de nutrientes ocorre, excepcionalmente,

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo

Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo VÍDEO 01 Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo História Clínica: Desde os 19 anos apresenta quadro dispéptico. Em 2001 foi medicada

Leia mais

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química NUTRACÊUTICOS PARA TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS TRATAMENTO COM ALTA EFETIVIDADE Os mais recentes estudos científicos

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo.

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo. Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento Processo Digestivo Processo Absortivo Defecação Grandes moléculas Moléculas menores Utilização Resíduos Trato

Leia mais

PANTOMIX. Indústria Farmacêutica Melcon do Brasil SA. Comprimido gastrorresistente 20 mg

PANTOMIX. Indústria Farmacêutica Melcon do Brasil SA. Comprimido gastrorresistente 20 mg PANTOMIX Indústria Farmacêutica Melcon do Brasil SA. Comprimido gastrorresistente 20 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução RDC nº 47/2009 PANTOMIX 20 mg pantoprazol sódico sesquiidratado

Leia mais

Comprimidos revestidos gastrorresistentes de 20 mg. Embalagens com 14 e 28 unidades.

Comprimidos revestidos gastrorresistentes de 20 mg. Embalagens com 14 e 28 unidades. ZIPROL pantoprazol sódico sesqui-hidratado APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos gastrorresistentes de 20 mg. Embalagens com 14 e 28 unidades. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 5 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO

Leia mais

Estomanol. (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio)

Estomanol. (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio) Estomanol (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio) Laboratório Farmacêutico Vitamed Ltda Granulado Efervescente 5g ESTOMANOL Bicarbonato de sódio 2,31g + Carbonato de sódio 0,45g APRESENTAÇÕES Cartucho

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato

Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato www.bahiagastrocenter.com.br Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Edvaldo Fahel Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 O Que é

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM IMPLANTODONTIA Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco Terapêutica Medicamentosa Pré-operatório Trans-operatório Pós-operatório Ansiolíticos Antiinflamatórios tó i Antimicrobianos

Leia mais

Funções do sistema digestório

Funções do sistema digestório Sistema digestório Funções do sistema digestório Ingestão Digestão Absorção dos nutrientes Eliminação dos restos não-digeridos ou não absorvidos Processos Físicos Digestão Processos Químicos língua Cavidade

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Ulcermin, 200 mg/ml, Suspensão oral Ulcermin, 1000 mg/5 ml, Suspensão oral 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido contém

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Luiz Gonzaga COELHO1, Ismael MAGUINILK2, Schlioma ZATERKA3, José Miguel PARENTE4, Maria do Carmo Friche PASSOS1 e

Luiz Gonzaga COELHO1, Ismael MAGUINILK2, Schlioma ZATERKA3, José Miguel PARENTE4, Maria do Carmo Friche PASSOS1 e Consenso / CONSENSO ARQGA / 3 º Consenso Brasileiro de Helicobacter pylori Luiz Gonzaga COELHO1, Ismael MAGUINILK2, Schlioma ZATERKA3, José Miguel PARENTE4, Maria do Carmo Friche PASSOS1 e Joaquim Prado

Leia mais

Plantas usadas no Sistema Digestivo

Plantas usadas no Sistema Digestivo Enfermidades do aparelho digestivo: Plantas usadas no Sistema Digestivo Dispepsia Se refere a uma síndrome caracterizada por náusea, pressão epigástrica, inchaço, flatulência e dores abdominais espasmódicas,

Leia mais

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios Laxantes e Diarréia e obstipação são comuns na população em geral Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios rios Laxantes Muitas vezes sem a necessidade de medicação Porem esses sintomas podem

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

LOSEC MUPS omeprazol magnésico

LOSEC MUPS omeprazol magnésico LOSEC MUPS omeprazol magnésico I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LOSEC MUPS omeprazol magnésico APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg em embalagens com 14 ou 28 comprimidos. Comprimidos revestidos

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

TEMA: URO-VAXON no tratamento da infecção recorrente do trato urinário em paciente portador de DM SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3

TEMA: URO-VAXON no tratamento da infecção recorrente do trato urinário em paciente portador de DM SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 NT89/2013 Solicitante: Ilmo Dr Des. Bitencourt Marcondes 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais Data: 10/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração: 1.0313.13.008851-8/001

Leia mais

Anatomia. Fisiologia. Patogenia: Manifestações clínicas. 14. Semiologia gástrica

Anatomia. Fisiologia. Patogenia: Manifestações clínicas. 14. Semiologia gástrica 14. Semiologia gástrica Anatomia Fisiologia Gastrina, somatotastina e histamina. Mecanismos da secreção gástrica ácida (célula parietal): acetilcolina, gastrina e histamina. Fases da secreção ácida: cefálica,

Leia mais

Saiba mais sobre: Uso de drogas e Aleitamento Materno

Saiba mais sobre: Uso de drogas e Aleitamento Materno Saiba mais sobre: Uso de drogas e Aleitamento Materno Roberto Gomes Chaves*, Joel Alves Lamounier** * Mestre em Ciências da Saúde / Saúde da criança e do adolescente pela Universidade Federal de Minas

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

PYLORID. citrato bismútico de ranitidina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas

PYLORID. citrato bismútico de ranitidina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas citrato bismútico de ranitidina Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Comprimido revestido, para uso oral. Apresentado em embalagem com 28 comprimidos de 400,0mg.

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

REFLUXO GASTRO- ESOFÁGICO DOENÇAS DO APARELHO GASTRO- ENTÉRICO 10/15/10 INFLAMAÇÃO DA MUCOSA ÚLCERA SANGRAMENTO ADENOCARCINOMA

REFLUXO GASTRO- ESOFÁGICO DOENÇAS DO APARELHO GASTRO- ENTÉRICO 10/15/10 INFLAMAÇÃO DA MUCOSA ÚLCERA SANGRAMENTO ADENOCARCINOMA DOENÇAS DO APARELHO GASTRO- ENTÉRICO REFLUXO GASTRO- ESOFÁGICO Refluxo de ácido gástrico, pepsina e outros componentes do suco gástrico para o esôfago causa uma mudança do epitélio escamoso estratificado

Leia mais

pantoprazol Merck S/A Comprimidos revestidos 20 mg

pantoprazol Merck S/A Comprimidos revestidos 20 mg pantoprazol Merck S/A Comprimidos revestidos 20 mg pantoprazol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 20 mg APRESENTAÇÕES Pantoprazol 20 mg - Embalagens contendo 7, 14 e 28 comprimidos revestidos.

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

Manual de Treinamento. Gastroenterologia

Manual de Treinamento. Gastroenterologia Manual de Treinamento Gastroenterologia Anatomia e Fisiologia Anatomia e Fisiologia Capítulo 1 Índice Capítulo 1 Anatomia e fisiologia... 3 Sistema digestório... 3 Boca... 4 Faringe... 4 Esôfago... 5 Estômago...

Leia mais

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE Página 1 de 6 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LÁBREA cloridrato de

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino SISTEMA DIGESTÓRIO Quitéria Paravidino PROCESSOS DIGESTÓRIOS Ingestão:captar alimento pela boca; Mistura e movimentação do alimento:contrações musculares misturam o alimento e as secreções e movimentam

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Rabeprazol Kebza 10 mg comprimidos gastrorresistentes Rabeprazol Kebza 20 mg comprimidos gastrorresistentes Leia atentamente este folheto antes de tomar

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio.

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio. Organização Sponsor Cancro Gástrico Prevenção, Diagnóstico e Tratamento Apoio Secretariado Central Park R. Alexandre Herculano, Edf. 1-4º C 2795-240 Linda-a-Velha Telefones: 21 430 77 40/1/2/3/4 Fax: 21

Leia mais

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Comprimidos 2 mg DIAFURAN cloridrato de loperamida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: DIAFURAN Nome genérico: cloridrato de loperamida

Leia mais

Solução oral Caixa com 50 frascos frascos com 30 ml de solução oral na concentração de 25 mg/ml de ferro elementar

Solução oral Caixa com 50 frascos frascos com 30 ml de solução oral na concentração de 25 mg/ml de ferro elementar FURP-SULFATO FERROSO 25 mg Fe++/ml Gotas PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FURP-SULFATO FERROSO sulfato ferroso FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral Caixa com 50 frascos frascos com 30 ml

Leia mais