Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo"

Transcrição

1

2 VÍDEO 01

3 Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo História Clínica: Desde os 19 anos apresenta quadro dispéptico. Em 2001 foi medicada com pantoprazol 40mg uma vez ao dia por 8 semanas. Evoluiu com melhora parcial. Houve regressão dos sintomas após 4 meses do tratamento. Em 2002 realizou a primeira consulta no serviço em questão. Queixava-se de azia (pirose), no início esporádica e depois duas ou mais vezes por semana. Refere que nos 3 meses pregressos houve piora da queimação associada a um quadro de intensa epigastralgia. A dor relacionou-se com a ingesta de alimentos gordurosos, refrigerantes, sucos de frutas ácidas e ingestão de bebidas alcoólicas nos finais de semana. Havia regurgitação ácida esporádica, mas nenhum sintoma atípico de refluxo.

4 L. R. Interrogatório, Antecedentes Pessoais e Familiares: nada digno de nota Hábitos: Nega tabagismo. Etilismo social (maior ingestão aos finais de semana). Sedentária. Exame Fisico: normal. Demais: nada digno de nota.

5

6 Discussão Endoscopia Digestiva Alta (EDA) Segundo o III Consenso Brasileiro de DRGE (2008): Recomenda que todo paciente com suspeita ou diagnóstico de DRGE realize a endoscopia digestiva alta (EDA) antes do início do tratamento (Moraes-Filho JPP, Rodriguez TN, Barbuti R, et al. - Guidelines for the Diagnosis and Management of Gastroesophageal Reflux Disease: An Evidence-Based Consensus. Arq Gastroenterol, 2009 (accepted for publication)) Visualização direta da mucosa, identificação precoce de complicações ou outras eventualidades (neoplasias de esôfago e estômago (Moraes-Filho J, Cecconello I, Gama-Rodrigues J, Castro L, Henry MA, Meneghelli UG, et al. Brazilian consensus on gastroesophageal reflux disease: proposals for assessment, classification, and management. Am J Gastroenterol (2):241-8) Pontos para discussão: a EDA é um procedimento relativamente seguro a EDA é amplamente disponível a EDA é de baixo custo em nosso meio

7 Discussão Endoscopia Digestiva Alta (EDA) Possibilidade de realização de biópsias (esôfago de Barrett e do adenocarcinoma esofágico) Sensibilidade relativamente baixa: ao redor de 50% (Navarro-Rodriguez T, de Moraes-Filho JP, Arakaki E, Chinzon D, Zaterka S, Iriya K, et al. The screening sensitivity of endoscopy, acid perfusion test and 24- hour ph-monitoring to evaluate esophagitis in patients with heartburn and histological esophagitis. Arq Gastroenterol (3):148-56) Número relativamente elevado de pacientes não mostra alterações de mucosa (erosões) Existência de numerosas classificações endoscópicas espelha a dificuldade existente na uniformização dos diagnósticos endoscópicos da DRGE É recomendável o emprego da classificação de Los Angeles. Biópsias de esôfago têm indicação limitada apenas às complicações da doença: esôfago de Barrett, úlceras de esôfago e estenose (Moraes-Filho J, Cecconello I, Gama-Rodrigues J, Castro L, Henry MA, Meneghelli UG, et al. Brazilian consensus on gastroesophageal reflux disease: proposals for assessment, classification, and management. Am J Gastroenterol (2):241-8)

8 Discussão Biópsia Segundo o III Consenso Brasileiro de DRGE (2008): Pacientes refratários ao tratamento com IBP: observação das dimensões do espaço intercelular do epitélio do esôfago distal aumenta a probabilidade de certeza diagnóstica e permite a análise da resposta terapêutica (Moraes-Filho JPP, Rodriguez TN, Barbuti R, et al. - Guidelines for the Diagnosis and Management of Gastroesophageal Reflux Disease: An Evidence-Based Consensus. Arq Gastroenterol, 2009 (accepted for publication). A dilatação do espaço intercelular pode, preferencialmente, ser observada à microscopia eletrônica, embora o diagnóstico nesta instância seja oneroso e não facilmente acessível

9 Discussão phmetria de 24 horas O Colégio Americano de Gastroenterologia (ACG) publicou recentemente recomendações para o uso de phmetria para o diagnóstico do refluxo gastroesofágico (Hirano I, Richter J, et al. ACG Practice Guidelines: Esophageal Reflux Testing. Am J Gastroenterol : ) É recomendada nas seguintes situações: 1) para documentar a exposição ácida em paciente com endoscopia negativa que está sendo considerado para intervenção endoscópica ou cirúrgica 2) na avaliação de pacientes com sintomas típicos de refluxo que apresentam endoscopia negativa e que são refratários ao tratamento com IBP

10 Discussão phmetria de 24 horas Não deve ser indicado rotineiramente Pode ser útil e auxiliar na conduta: 1) documentação da adequação do tratamento com IBP para controle ácido gástrico em pacientes com complicações (por exemplo, esôfago de Barrett ) 2) na avaliação de pacientes com sintomas atípicos que apresentam a endoscopia negativa e que são refratários ao tratamento com IBP (Hirano I, Richter J, et al. ACG Practice Guidelines: Esophageal Reflux Testing. Am J Gastroenterol : )

11 Discussão Teste Diagnóstico Terapêutico Pacientes com menos de 40 anos + manifestações típicas, sem manifestações de alarme IBP dose padrão por período de quatro semanas: recomendação de grau A Determinados pacientes com DRGE podem eventualmente não apresentar resposta positiva ao teste terapêutico, porque necessitam de dose maior do medicamento ou sua utilização por período mais prolongado (Moraes-Filho JPP, Rodriguez TN, Barbuti R, et al. - Guidelines for the Diagnosis and Management of Gastroesophageal Reflux Disease: An Evidence-Based Consensus. Arq Gastroenterol, 2009 (accepted for publication) )

12 Discussão... a forma NE pode ser diagnosticada clinicamente com base na história clínica, particularmente levando-se em conta a baixa sensibilidade do exame endoscópico para o diagnóstico da enfermidade, ao redor de 50%. (Navarro-Rodriguez T, de Moraes-Filho JP, Arakaki E, Chinzon D, Zaterka S, Iriya K, et al. The screening sensitivity of endoscopy, acid perfusion test and 24-hour ph-monitoring to evaluate esophagitis in patients with heartburn and histological esophagitis. Arq Gastroenterol (3): Doença do refluxo erosiva: apresentação clássica da enfermidade, com sintomatologia clínica e presença de erosões ao exame endoscópico, o qual, embora importante, não apresenta especificidade elevada. (Cohen H, Moraes-Filho JPP, Cafferata ML et al. A Latin-American Evidence Based Consensus on Gastroesophageal Reflux Disease. Europ J Gastroenterol & Hepatol : )

13 Conduta do Autor Com base no Consenso Brasileiro de DRGE, o autor optou por solicitar EDA. recomenda a realização prévia de exame endoscópico ab initio para o estabelecimento do diagnóstico diferencial com outras afecções (úlcera péptica, gastrite, neoplasia)

14 Resultados Esofagite Erosiva Gastrite erosiva Bulboduodenite erosiva

15

16 Conduta Orientações sobre DRGE Medidas comportamentais Tratamento farmacológico

17 Medidas comportamentais Conduta

18 Conduta Troca do IBP por esomeprazol 40mg por 4 semanas Estudo Edwards SJ Resultados:... Uma meta-análise das taxas de cura de 40 mg de esomeprazol em comparação com dose padrão de inibidores da bomba de prótons deram os seguintes resultados: em 4 semanas [risco relativo (RR) 0,92; 95% CI: 0,90, 0,94, P <0,00001], e 8 semanas (RR 0,95 IC 95%: 0,94, 0,97, P <0,00001). O viés de publicação não teve um impacto significativo sobre os resultados. Os resultados foram robustos a mudanças nos critérios de inclusão / exclusão e utilizando um modelo de efeitos aleatórios. Conclusão: Esomeprazol consistentemente demonstra maiores taxas de cura quando comparado com o dose padrão dos outros inibidores da bomba de prótons Edwards SJ et al (2006). Systematic review: proton pump inhibitors (PPIs) for the healing of refl ux oesophagitis - a comparison of esomeprazole with other PPIs. Aliment Pharmacol Ther 24(5):

19

20

21 Resultados: Dos pacientes randomizados, a população ITT foi de pacientes (63% do sexo masculino, com idade média de 50,6 anos, 27% Helicobacter pyloripositive). Esomeprazol 40 mg curou uma proporção significativamente maior de pacientes com EE do que pantoprazol 40 mg, tanto em 4 semanas (esomeprazol: 81%, pantoprazol 75%, P <0,001) e 8 semanas (esomeprazol: 96%, pantoprazol 92%, P <0,001). O tempo médio para atingir e manter a resolução da azia foi de 6 dias nos pacientes que recebem esomeprazol e 8 dias com pantoprazol (P <0,001). Conclusão: O esomeprazol 40 mg é mais eficaz do que pantoprazol 40 mg na cura da EE, fornecendo resolução da pirose associada.

22 Evolução Após as primeiras 4 semanas retornou com melhora do quadro, assintomática. Seguindo o III Consenso Brasileiro de DRGE, a dose foi reduzida para 20mg uma vez ao dia, como tratamento de manutenção. Ponto para discussão: Recidivas DRGE: após o tratamento da fase aguda da enfermidade, podem ocorrer recidivas com a suspensão do tratamento. Esofagites Erosivas: recidivam em 80% a 90% dos pacientes dentro de seis meses do término do tratamento (Tytgat GN. Long-term therapy for reflux esophagitis. N Engl J Med : ). Deve ser considerado o tratamento de manutenção desses pacientes, sobretudo nos casos de esofagite erosiva. (Moraes-Filho JPP, Rodriguez TN, Barbuti R, et al. - Guidelines for the Diagnosis and Management of Gastroesophageal Reflux Disease: An Evidence-Based Consensus. Arq Gastroenterol, 2009 (accepted for publication))

23 Resultados: Ao final de 8 semanas, 88% dos pacientes foram curados (intervalo de confiança [IC]: 95%) após avaliação via endoscópica e 90,6% dos pacientes eram assintomáticos. Idade do paciente, gênero e presença de Helicobacter pylori não teve nenhum efeito sobre a eficácia do tratamento. Durante as 12 semanas do tratamento de manutenção, as taxas de recaída sintomática foram 0,5%, 2,2% e 0%, para os períodos primeira, segunda e terceira semana, respectivamente. As proporções de pacientes satisfeitos com o tratamento foram de 95% e 99,4% no final do tratamento agudo e de manutenção, respectivamente. Os efeitos adversos mais comuns foram dor de cabeça, infecção do trato respiratório superior e dor abdominal. Conclusões: Esomeprazol é eficaz na cicatrização da esofagite de refluxo, a resolução de azia e na manutenção da remissão sintomática. A eficácia do esomeprazol em pacientes com doença do refluxo gastroesofágico não é afetada pela presença de H. pylori.

24

25 Evolução Manteve-se assintomática e em acompanhamento médico ao longo do período. Com o tempo o autor optou por reduzir a dose e manter o tratamento de manutenção sob demanda.

26 VÍDEO 02

27

28 Estudos clínicos 1 ph intragástrico Número de horas com ph intragástrico > 4,0 em uso de esomeprazol vs. pantoprazol 40mg 1x dia 40mg 1x dia 80mg 1x dia esomeprazol pantoprazol pantoprazol *** 20mg 1x dia 40mg 1x dia 20mg 1x dia esomeprazol pantoprazol pantoprazol *** ***p < 0,001 para todas as comparações vs. pantoprazol ph > 4

29 Estudos clínicos 2 Controle da acidez Estudo randomizado, aberto, 5-braços crossover Objetivo: avaliar a supressão da acidez intragástrica de 24 h com o uso de diferentes IBPs. Acidez gástrica acumulativa integrada de 24h (dia 5) N=34 pacientes com pirose Horas * P < 0,05 eso vs. Outros IBPs

30 Porcentagem de pacientes com ph > 4 por mais de 12h 3 n = 34 / p < 0.05 versus todos IBPs

31 Tempo médio para resolução sustentada* dos sintomas(p<0.001) 4-7 Kahrilas et al n = 1304 esomeprazol 40 mg omeprazol 20 mg Ricther et al n = 2425 esomeprazol 40 mg omeprazol 20 mg Castell et al n = 5241 esomeprazol 40 mg lanzoprazol 30 mg Labenz et al n = 3161 esomeprazol 40 mg Pantoprazol 40 mg dias * O primeiro dia de uma semana sem pirose

32 Pacientes cicatrizados em 4 semanas (p<0.001) 4-7 (%) esomeprazol 40 mg omeprazol 20 mg esomeprazol 40 mg omeprazol 20 mg esomeprazol 40 mg lanzoprazol 30 mg esomeprazol 40 mg pantoprazol 40 mg Kahrilas et al n = 1304 Ricther et al n = 2425 Castell et al n = 5241 Labenz et al n = 3161

33 Porcentagem de pacientes cicatrizados 5-7 (%) ** * *** * esomeprazol 40 mg omeprazol 20 mg esomeprazol 40 mg omeprazol 20 mg esomeprazol 40 mg pantoprazol 40 mg esomeprazol 40 mg pantoprazol 40 mg 1x dia 1x dia 1x dia 1x dia n = * p < 0,001 ** p < 0,001 *** p < 0,001

34 Pacientes que mantiveram a remissão após 6 meses, divididos por gravidade da esofagite 7,8 (%) esomeprazol 40 mg 1x dia pantoprazol 20 mg 1x dia esomeprazol 40 mg 1x dia pantoprazol 20 mg 1x dia esomeprazol 40 mg 1x dia pantoprazol 20 mg 1x dia n = / * p < 0,0001 versus pantoprazol

35 Referências Bibliográficas 1. Wilder-Smith C et al. Can J Gastroenterol 2007 (e-suppl): Abs Miner Jr PB et al. Gastroenterology 2003; 124 (4 Suppl 1): A-232, Abs S Miner Jr PB et al. Esomeprazole 40 mg provides more effective intragastric acid suppression at steady state than standard doses of other proton pump inhibitors. Gastroenterology 2003; 124 (4 Suppl 1): A-229, Abs S Kahrilas et al. Esomeprazole improves healing and symptom resolution as compared with omeprazole in reflux oesophagitis patients: a randomized controlled trial. Aliment Pharmacol Ther 2000;14 (10):

36 Referências Bibliográficas 5. Richter et al. Efficacy and safety of esomeprazole compared with omeprazole In GERD patients with erosive esophagits: A randomized controlled trial. Am J Gastroenterol 2001;96 (3): Castell et al. Esomeprazole (40 mg) compared with lanzoprazole (30 mg) in the treatment of erosive esophagits. Am J Gastroenterol 2002;97 (3): Labenz et al. A comparison of esomeprazole and pantoprazole for maintenance treatment of healed erosive esophagits. Gut 2004;53 (Suppl VI):A108, Abs MON-G Labenz J et al. Esomeprazole and pantoprazole: a comparison in the management of patients with erosive esophagits over acute and maintenance study phases. Gut 2004;53 (Suppl VI): A110, Abs MON-G-185.

Doença do Refluxo Gastroesofágico

Doença do Refluxo Gastroesofágico Doença do Refluxo Gastroesofágico Gustavo Rigon Narciso Agosto 2014 Definições Inicialmente era sinônimo de esofagite e hérnia de hiato. Posteriormente foi definida como uma desordem de motilidade associada

Leia mais

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Serviço de Cirurgia Geral III Dr Antônio Borges Campos Denissa F. G. Mesquita Extensionista da Cir. do Ap. Digestório Samuel Luz Moreno

Leia mais

DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA INTRODUÇÃO A Doença de Refluxo Gastro-Esofágico (DRGE) é reconhecida como entidade nosológica desde meados dos anos trinta do século passado.

Leia mais

Protocolo Clínico e de Regulação Parapirose e Regurgitação no Adulto e Idoso

Protocolo Clínico e de Regulação Parapirose e Regurgitação no Adulto e Idoso Protocolo Clínico e de Regulação Parapirose e Regurgitação no Adulto e Idoso Gustavo de Assis Mota *, Ajith Kumar Sankarankutty **, Rafael Kemp ***, José Sebastião dos Santos **** INTRODUÇÃO A pirose e

Leia mais

Inicialmente, convém reforçar que o refluxo gastroesofágico (RGE) ocorre com frequência

Inicialmente, convém reforçar que o refluxo gastroesofágico (RGE) ocorre com frequência Quando indicar a manometria, phmetria e impedâncio -phmetria na avaliação do refluxo gastroesofágico? Ary Nasi, Angela C. M. Falcão Introdução Inicialmente, convém reforçar que o refluxo gastroesofágico

Leia mais

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Esôfago de Barrett: quando acompanhar e como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Não possuo conflitos de interesse; Esôfago de Barrett

Leia mais

FÁRMACOS Moduladores GástricosG

FÁRMACOS Moduladores GástricosG Curso Noções Básicas B de Farmacologia Clínica nica FÁRMACOS Moduladores GástricosG Thyago Araújo Fernandes Secreção gástrica Produção diária de 2,5L de suco gástrico diariamente; Substâncias produzidas:

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

Paulo Henrique Teixeira Martins 1, Marco Zambrano N 2, Ione Jayce Ceola Schneider 3

Paulo Henrique Teixeira Martins 1, Marco Zambrano N 2, Ione Jayce Ceola Schneider 3 0004-2773/11/40-03/63 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 40, n o. 3, de 2011 63 Manifestações clínicas da doença do refluxo gastroesofágico e os achados encontrados

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REFLUXO GASTROESOFÁGICO EM ADULTO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 401/2014 Parkinson

RESPOSTA RÁPIDA 401/2014 Parkinson RESPOSTA RÁPIDA 401/2014 Parkinson SOLICITANTE Drª Regina Célia Silva Neves Juíza de Direito - Comarca de Itaúna - MG. NÚMERO DO PROCESSO 0338.14.5932-4 DATA 20/07/2014 SOLICITAÇÃO DEGNAR VILAÇA DORNAS

Leia mais

São Paulo, 12 e 13-11-2008

São Paulo, 12 e 13-11-2008 São Paulo, 12 e 13-11-2008 Pesquisa de fitomedicamento Dificuldades e perspectivas - Um caso - Perspectiva para o setor nacional Genéricos - com suas limitações Similares inovadores Fitomedicamentos Biológicos

Leia mais

Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013)

Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013) Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013) Mattijs Numans, Niek de Wit, Jos Dirven, Corien Heemstra-Borst, Gerard Hurenkamp, Mieke Scheele, Jako Burgers, Roeland Geijer, Egbert

Leia mais

MINI BULA ESOMEPRAZOL MAGNÉSIO

MINI BULA ESOMEPRAZOL MAGNÉSIO MINI BULA ESOMEPRAZOL MAGNÉSIO Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: Comprimidos revestidos de 20 e 40mg. Embalagem contendo 7, 14, 28 e 56* comprimidos revestidos *embalagem hospitalar

Leia mais

Elaboração Final: Participantes:

Elaboração Final: Participantes: Autoria: Federação Brasileira de Gastroenterologia Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Elaboração Final:

Leia mais

Gastrite e Dispepsia Funcional

Gastrite e Dispepsia Funcional Gastrite e Dispepsia Funcional Este assunto caiu de bandeja pra você! Comer é uma coisa gostosa, e ninguém precisa sofrer com disgestão difícil, náuseas, saciedade precoce, desconforto ou dor de estômago.

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

EDITAL DO CONCURSO PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO PLENA E COMPLEMENTAR EM ENDOSCOPIA DIGETIVA

EDITAL DO CONCURSO PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO PLENA E COMPLEMENTAR EM ENDOSCOPIA DIGETIVA CONCURSO SELEÇÃO DE MÉDICOS CANDIDATOS AO ESTÁGIO EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA /2014 SED-CHD-IBP-HGRS SERVIÇO DE ENDOSCOPIA DIGESTIVA E CENTRO DE HEMORRAGIA DIGESTIVA PROF. DR. IGELMAR BARRETO PAES DO HOSPITAL

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

FÁRMACOS USADOS EM ÚLCERA PÉPTICA E DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO

FÁRMACOS USADOS EM ÚLCERA PÉPTICA E DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO FÁRMACOS USADOS EM ÚLCERA PÉPTICA E DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO FUCHS; WANNMACHER; FERREIRA, 2004 1 - RANG et al, 2007 2 ; GOODMAN, 2006 3. Secreção de ácido gástrico (2,5 L /dia), muco e bicarbonato.

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico: uma revisão de literatura

Doença do Refluxo Gastroesofágico: uma revisão de literatura 93 Doença do Refluxo Gastroesofágico: uma revisão de literatura Gastroesophageal Reflux Disease: a review of literature Pedro Lopes Fraga 1 Fábio dos Santos Cosso Martins 2 Artigo Original Palavras-chave:

Leia mais

ImpedânciapHmetria Esofágica Prolongada

ImpedânciapHmetria Esofágica Prolongada ImpedânciapHmetria Esofágica Prolongada Dra. Carla Granja Andrade Médica responsável pelo serviço de motilidade digestiva do Hospital Nove de Julho Médica responsável pelo serviço de motilidade digestiva

Leia mais

www.ettinger.med.br Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica

www.ettinger.med.br Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica Desde 1992 1 O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Brasília, Técnica maio N de 18 2012. /2012 Nome Princípio Comercial Ativo: esomeprazol. Medicamentos Genéricos: e de referência1: esomeprazol Nexium. Sumário sódico. 1. 2. que é o esomeprazol? 3.

Leia mais

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio.

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio. Organização Sponsor Cancro Gástrico Prevenção, Diagnóstico e Tratamento Apoio Secretariado Central Park R. Alexandre Herculano, Edf. 1-4º C 2795-240 Linda-a-Velha Telefones: 21 430 77 40/1/2/3/4 Fax: 21

Leia mais

Doença do refluxo gastroesofágico

Doença do refluxo gastroesofágico Doença do refluxo gastroesofágico Luiz João Abrahão Junior Doutor em Clínica Médica Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e University of California, San Diego. Médico do Serviço de Gastroenterologia

Leia mais

Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato

Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato www.bahiagastrocenter.com.br Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Edvaldo Fahel Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 O Que é

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

São Paulo, 12 e 13 de 2008

São Paulo, 12 e 13 de 2008 São Paulo, 12 e 13 de 2008 Uma realidade do Mercado Os 10 (dez) primeiros produtos com patentes vendem, mundialmente, 37 bilhões de dólares * O Brasil vende, de todos os produtos, 6 bilhões de dólares

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO CIENTÍFICA DO LOSEC E NOMES ASSOCIADOS (VER ANEXO I)

RESUMO DA AVALIAÇÃO CIENTÍFICA DO LOSEC E NOMES ASSOCIADOS (VER ANEXO I) ANEXO II CONCLUSÕES CIENTÍFICAS E FUNDAMENTOS PARA A ALTERAÇÃO DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO, DA ROTULAGEM E DO FOLHETO INFORMATIVO APRESENTADOS PELA EMEA 19 CONCLUSÕES CIENTÍFICAS RESUMO

Leia mais

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO?

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO? ABCDDV/685 ABCD Arq Bras Cir Dig 2010;23(1):6-10 Artigo Original DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO? Gastroesophageal reflux disease: what is the effectiveness

Leia mais

Refluxo Gastroesofágico: Diagnóstico e Tratamento

Refluxo Gastroesofágico: Diagnóstico e Tratamento Refluxo Gastroesofágico: Diagnóstico e Tratamento Autoria: Federação Brasileira de Gastroenterologia Elaboração Final: 21 de outubro de 2003 Participantes: Chinzon D, Rossini ARA, Kiburd B, Navarro-Rodrigues

Leia mais

Projeto Diretrizes *

Projeto Diretrizes * * ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA E CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA REFLUXO GASTROESOFÁGICO: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO... 252 Introdução... 252 Diagnóstico... 252 Anamnese... 253 Exames complementares... 253

Leia mais

Esomeprazol Magnésio Triidratado Pellets 8,5%

Esomeprazol Magnésio Triidratado Pellets 8,5% Esomeprazol Magnésio Triidratado Pellets 8,5% Desaparecimento dos sintomas de azia, dor epigástrica e de regurgitação ácida. Cicatrização das úlceras pépticas. Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: (C

Leia mais

Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina MEIOS DE DIAGNÓSTICO NA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICA

Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina MEIOS DE DIAGNÓSTICO NA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICA Artigo de Revisão Bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina MEIOS DE DIAGNÓSTICO NA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICA Sandra Sofia Abreu Pereira Macedo Orientadora Drª Marta Salgado Rodrigues Porto,

Leia mais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais são aqueles que afetam todo o tubo gastrointestinal e órgãos anexos; Os mais frequentes são: azia, gastrite,

Leia mais

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: MÉTODOS DIAGNÓSTICOS

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: MÉTODOS DIAGNÓSTICOS DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: MÉTODOS DIAGNÓSTICOS Diogo Pinetti Marquezoni Biomédico graduado no Centro Universitário de Maringá CESUMAR; Especialista em Analises Cínicas e Moleculares pela Academia

Leia mais

I Consenso Brasileiro da Doença do Refluxo Gastroesofágico

I Consenso Brasileiro da Doença do Refluxo Gastroesofágico I Consenso Brasileiro da Doença do Refluxo Gastroesofágico Joaquim Prado P. Moraes Filho Cláudio Lyoiti Hashimoto 2 INTRODUÇÃO A Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE) é uma das afecções mais freqüentes

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária PROPOSTA DE UMA NOVA RESOLUÇÃO PARA OS MEDICAMENTOS ISENTOS DE PRESCRIÇÃO Brasília, 06 de junho de 2008. Medicamento Isento de Prescrição MIPs Podem ser adquiridos

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

Transtornos esofágicos

Transtornos esofágicos Transtornos esofágicos TRANSTORNOS ESOFÁGICOS Peter J. KAHRILAS 1, André J. P. M. SMOUT 2 SINTOMAS ESOFÁGICOS Apesar dos avanços em testes de diagnóstico para as doenças gastrointestinais (GI), uma cuidadosa

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA QUESTÃO 21 A Hemorragia digestiva é uma complicação da Moléstia Diverticular dos Cólons. Assim é ERRADO afirmar: a) O tratamento das enfermidades

Leia mais

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura Serviço de Cirurgia Pediátrica IPPMG/UFRJ Douglas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA Você recebeu o seguinte material: 1. Um CADERNO DE PROVA ESCRITA

Leia mais

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Sabrina Bortolin Nery Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução Atualmente, o exame complementar mais utilizado no diagnóstico

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Biopatologia 2006/2007 16º Seminário: 14/02/07. Cancro e lesões pré-cancerosas do esófago e do estômago

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Biopatologia 2006/2007 16º Seminário: 14/02/07. Cancro e lesões pré-cancerosas do esófago e do estômago Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Biopatologia 2006/2007 16º Seminário: 14/02/07 Cancro e lesões pré-cancerosas do esófago e do estômago O esófago junta-se ao estômago no cárdia, constituindo

Leia mais

Dispepsia: caracterização e abordagem. Dyspepsia: clinical aspects and current approach

Dispepsia: caracterização e abordagem. Dyspepsia: clinical aspects and current approach Seção Aprendendo Rev Med (São Paulo). 2008 out.-dez.;87(4):213-23. Dispepsia: caracterização e abordagem Dyspepsia: clinical aspects and current approach Fernando Marcuz Silva 1 Silva FM. Dispepsia: caracterização

Leia mais

Elaboração Final: Participantes:

Elaboração Final: Participantes: Autoria: Federação Brasileira de Gastroenterologia Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Elaboração Final:

Leia mais

18/9/2014 DISTÚRBIOS GÁSTRICOS, ESOFÁGICOS E INTESTINAIS GASTRITE AGUDA GASTRITE CRÔNICA - TIPO A - TIPO B GASTRITE AGUDA

18/9/2014 DISTÚRBIOS GÁSTRICOS, ESOFÁGICOS E INTESTINAIS GASTRITE AGUDA GASTRITE CRÔNICA - TIPO A - TIPO B GASTRITE AGUDA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES DISTÚRBIOS GÁSTRICOS, ESOFÁGICOS E INTESTINAIS TIPOS DE GASTRITE GASTRITE AGUDA GASTRITE AGUDA GASTRITE CRÔNICA - TIPO A - TIPO B É uma inflamação da

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

Médicos do Sistema Nacional de Saúde Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Médicos do Sistema Nacional de Saúde Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) EM AUDIÇÃO E TESTE DE APLICABILIDADE ATÉ 30 DE NOVEMBRO DE 2011 NÚMERO: 036/2011 DATA: 30/09/2011 ASSUNTO: Supressão Ácida: Utilização dos Inibidores da Bomba de Protões e das suas Alternativas Terapêuticas

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

Artigo Original EDSON SOUZA MACHADO DURÃES 1 ; MARIANA ROCHA FABRIS 1 ; ALEXANDRE JOSÉ FARACO 2 ; KRISTIAN MADEIRA 3 ; LÍGIA ROCHA DE LUCA 2

Artigo Original EDSON SOUZA MACHADO DURÃES 1 ; MARIANA ROCHA FABRIS 1 ; ALEXANDRE JOSÉ FARACO 2 ; KRISTIAN MADEIRA 3 ; LÍGIA ROCHA DE LUCA 2 Artigo Original Análise dos achados endoscópicos em pacientes com dispepsia atendidos no Serviço de Endoscopia do Hospital São João Batista, Criciúma SC, no período de outubro de 2008 a março de 2009 Analysis

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA Coordenador: Arnaldo de Jesus Dominici Adalgisa de Sousa Paiva Ferreira INTRODUÇÃO A Residência Médica é uma modalidade de ensino de

Leia mais

Dispepsia Não-investigada: Diagnóstico e Tratamento na Atenção Primária à Saúde

Dispepsia Não-investigada: Diagnóstico e Tratamento na Atenção Primária à Saúde Dispepsia Não-investigada: Diagnóstico e Tratamento na Atenção Primária à Saúde Autoria: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade Elaboração Final: 30 de maio de 2009 Participantes: Harzheim

Leia mais

ESOFAGITE EOSINOFÍLICA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

ESOFAGITE EOSINOFÍLICA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP ESOFAGITE EOSINOFÍLICA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO TATIANA TIZZO HATAKEYAMA Residente de

Leia mais

Resumo. 1. Helicobacter pylori; 2. Diagnóstico; 3. Pesquisa. Descritores: Abstract

Resumo. 1. Helicobacter pylori; 2. Diagnóstico; 3. Pesquisa. Descritores: Abstract 10 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 39, n o. 3, de 2010 0004-2773/10/39-03/10 Arquivos Catarinenses de Medicina Avaliação das indicações para pesquisa diagnóstica do Helicobacter pylori em serviço

Leia mais

ESÔFAGO-GÁSTRICASGÁSTRICAS

ESÔFAGO-GÁSTRICASGÁSTRICAS ENDOSCOPIA NAS VARIZES ESÔFAGO-GÁSTRICASGÁSTRICAS OBJETIVOS DA ENDOSCOPIA Prevenção do 1 sangramento varicoso Tratar o sangramento varicoso agudo Prevenir sangramento recorrente TRATAMENTO DAS VARIZES

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Luiz Gonzaga COELHO1, Ismael MAGUINILK2, Schlioma ZATERKA3, José Miguel PARENTE4, Maria do Carmo Friche PASSOS1 e

Luiz Gonzaga COELHO1, Ismael MAGUINILK2, Schlioma ZATERKA3, José Miguel PARENTE4, Maria do Carmo Friche PASSOS1 e Consenso / CONSENSO ARQGA / 3 º Consenso Brasileiro de Helicobacter pylori Luiz Gonzaga COELHO1, Ismael MAGUINILK2, Schlioma ZATERKA3, José Miguel PARENTE4, Maria do Carmo Friche PASSOS1 e Joaquim Prado

Leia mais

RONNY DE SOUZA MACHADO PREVALÊNCIA DE ESÔFAGO DE BARRETT EM PACIENTES SUBMETIDOS À ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTA

RONNY DE SOUZA MACHADO PREVALÊNCIA DE ESÔFAGO DE BARRETT EM PACIENTES SUBMETIDOS À ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTA RONNY DE SOUZA MACHADO PREVALÊNCIA DE ESÔFAGO DE BARRETT EM PACIENTES SUBMETIDOS À ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTA Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

brasileiros com úlcera péptica, em seguimento de 5 anos

brasileiros com úlcera péptica, em seguimento de 5 anos Fernando Marcuz Silva Reinfecção pelo Helicobacter pylori em pacientes brasileiros com úlcera péptica, em seguimento de 5 anos Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para

Leia mais

TECTA. Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido. 40 mg

TECTA. Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido. 40 mg TECTA Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido 40 mg APRESENTAÇÕES Comprimidos gastrorresistentes de 40 mg. Embalagens com 2, 30, ou 60 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 18 ANOS. COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

Assistência Farmacêutica e o Uso Racional de Medicamentos. Farm. Luciano Henrique Pinto

Assistência Farmacêutica e o Uso Racional de Medicamentos. Farm. Luciano Henrique Pinto Assistência Farmacêutica e o Uso Racional de Medicamentos Farm. Luciano Henrique Pinto INDICE Histórico da Assistência Farmacêutica Fenômeno das Morbidades Relacionadas aos Medicamentos Uso Racional de

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Endoscopia Digestiva Alta: Perfil dos Exames Eletivos e Emergenciais Realizados em um Hospital Terciário

Endoscopia Digestiva Alta: Perfil dos Exames Eletivos e Emergenciais Realizados em um Hospital Terciário Artigo Original Endoscopia Digestiva Alta: Perfil dos Exames Eletivos e Emergenciais Realizados em um Hospital Terciário Upper Digestive Endoscopy: Results of Electives and Emergency Procedures Performed

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 018 / 2009 Assunto: Utilização do teste do copo para confirmar posicionamento de sonda nasogátrica 1. Do fato Enfermeiro solicita informações sobre checagem de posicionamento de

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO!

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO! PROGRAMA DE PERDA DE PESO Agenda O método holístico de Perda de Peso Apresentação do corpo clínico Diferentes programas de perda de peso Unidades de saúde O Método holístico de Perda de Peso The importance

Leia mais

INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES Estado da Arte

INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES Estado da Arte 1 Cadernos Otorrinolaringologia. CLÍNICA, INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO CLÍNICA FARMACOLÓGICA INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES Estado da Arte Rita Oliveira, Ana Margarida Freitas, Teresa Aires Pereira. Farmacêuticas

Leia mais

esomeprazol magnésico tri-hidratado Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

esomeprazol magnésico tri-hidratado Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 esomeprazol magnésico tri-hidratado Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO esomeprazol magnésico tri-hidratado Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 20 mg e 40

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 61

PROVA ESPECÍFICA Cargo 61 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 61 QUESTÃO 26 São contra-indicações absolutas da Endoscopia Digestiva Alta, EXCETO: a) Gravidez. b) Intolerância do paciente. c) Perfuração de víscera suspeita. d) Perfuração

Leia mais

CONSENSO / CONSENSUS II CONSENSO BRASILEIRO SOBRE Helicobacter pylori

CONSENSO / CONSENSUS II CONSENSO BRASILEIRO SOBRE Helicobacter pylori ARQGA/1173 CONSENSO / CONSENSUS II CONSENSO BRASILEIRO SOBRE Helicobacter pylori Luiz Gonzaga Vaz COELHO 1, Schlioma ZATERKA 2 e Representantes indicados pela Federação Brasileira de Gastroenterologia

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

Impedâncio-pHmetria Prolongada: Observações Preliminares. Extended Impedance-pHmetry: Preliminary Observation

Impedâncio-pHmetria Prolongada: Observações Preliminares. Extended Impedance-pHmetry: Preliminary Observation Artigo Original Impedâncio-pHmetria Prolongada: Observações Preliminares Extended Impedance-pHmetry: Preliminary Observation Ro s a n a Bi h a r i Sc h e c hte r 1, Ep o n i n a Ma r i a Oli v e i r a

Leia mais

HEMORRAGIA DIGESTIVA POR VARIZES ESÔFAGO GÁSTRICA: CONDUTA A TOMAR. Julio Cesar Pisani Prof. Adjunto de Gastroenterologia

HEMORRAGIA DIGESTIVA POR VARIZES ESÔFAGO GÁSTRICA: CONDUTA A TOMAR. Julio Cesar Pisani Prof. Adjunto de Gastroenterologia VARIZES ESÔFAO ÁSTRICA: Julio Cesar Pisani Prof. Adjunto de astroenterologia Varizes de esôfago 25 a 40% dos cirróticos apresentam pelo menos um sangramento 30 a 50% evoluem para óbito no primeiro episódio

Leia mais

Infecção por Helicobacter pylori associa-se a úlceras. A erradicação do Helicobacter pylori. Resumo. Introdução. Lenita Wannmacher*

Infecção por Helicobacter pylori associa-se a úlceras. A erradicação do Helicobacter pylori. Resumo. Introdução. Lenita Wannmacher* Uso racional de medicamentos: temas selecionados 09 A erradicação do Helicobacter pylori ISSN 1810-0791 Vol. 4, Nº 09 Brasília, agosto de 2007 Lenita Wannmacher* Resumo A identificação de Helicobacter

Leia mais

LOSEC MUPS omeprazol magnésico

LOSEC MUPS omeprazol magnésico LOSEC MUPS magnésico I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LOSEC MUPS magnésico APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg em embalagens com 14 ou 28 comprimidos. Comprimidos revestidos de 20 mg em embalagens

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Mezolium. Germed Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido de liberação retardada. 20mg e 40mg

Mezolium. Germed Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido de liberação retardada. 20mg e 40mg Mezolium Germed Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido de liberação retardada 20mg e 40mg Mezolium comprimido revestido de liberação retardada bula do profissional I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mezolium

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES GÁSTRICAS CAUSADAS PELO HELICOBACTER SPP. EM CÃES NATURALMENTE INFECTADOS

DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES GÁSTRICAS CAUSADAS PELO HELICOBACTER SPP. EM CÃES NATURALMENTE INFECTADOS DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES GÁSTRICAS CAUSADAS PELO HELICOBACTER SPP. EM CÃES NATURALMENTE INFECTADOS Caique Augusto Ribeiro Gomes 1 ; Thiago Pires Anacleto 2 ; Luan Gavião Prado 3 ; Rodolfo

Leia mais

Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde.

Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde. Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde. Carine Raquel Blatt; Fabíola Bagatini Buendgens; Junior André

Leia mais

Estudo comparativo para avaliação de cateter de phmetria com novo sistema de referência interna na prática clínica

Estudo comparativo para avaliação de cateter de phmetria com novo sistema de referência interna na prática clínica Artigo Original Estudo comparativo para avaliação de cateter de phmetria com novo sistema de referência interna na prática clínica Comparative study to evaluate ph electrodes with new system of built-in

Leia mais

CONTRATO PARA PROCEDIMENTO BALÃO INTRAGÁSTRICO

CONTRATO PARA PROCEDIMENTO BALÃO INTRAGÁSTRICO CONTRATO PARA PROCEDIMENTO BALÃO INTRAGÁSTRICO São Paulo, de DE 2013 Este contrato preza a prestação de serviço médico para procedimento do BALÃO INTRAGÁSTRICO (BIB) onde o contratante, Sr(a). fulano de

Leia mais