Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007"

Transcrição

1 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Brasília DF 2009

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PROCESSO DE COLETA DOS DADOS... 3 PANORAMA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Instituições Cursos Graduação presencial Educação tecnológica Vagas, Ingressantes, Concluintes e Matrículas Graduação presencial Educação tecnológica Educação a distância Funções docentes Principais considerações ANEXO TABELAS COMPLEMENTARES

3 APRESENTAÇÃO. O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), coleta dados sobre a educação superior brasileira com o objetivo de oferecer aos dirigentes das instituições, aos gestores das políticas educacionais, aos pesquisadores e à sociedade em geral, informações detalhadas sobre a situação atual e as grandes tendências do setor. A coleta anual dessas informações tem por referência as diretrizes gerais previstas pelo Decreto No de 4 de abril de 2008 sobre o censo da educação superior. Essa atividade reúne dados sobre as instituições de educação superior em suas diferentes formas de organização acadêmica e categorias administrativas; os cursos de graduação presenciais ou a distância; as vagas oferecidas; as inscrições; as matrículas; os ingressantes e concluintes, além de informações sobre as funções docentes, entre muitos outros. O presente resumo técnico tem por finalidade ser um dos instrumentos de divulgação do Censo 2007, apresentando a estrutura de coleta, sintetizando alguns resultados e antecipando algumas análises preliminares das séries históricas. Este documento está dividido em três partes. A primeira explicita o processo de coleta dos dados. A segunda parte esboça um panorama da educação superior brasileira no ano de 2007, por meio da análise descritiva dos principais dados levantados, relativos à graduação presencial, à tecnológica e a modalidade a distância. A terceira parte do Resumo Técnico apresenta um anexo contendo tabelas complementares com os resultados das variáveis mais relevantes. Informações mais específicas do censo podem ser encontradas nas Sinopses dos Censos, publicadas anualmente e disponíveis na página do INEP (www.inep.gov.br). O INEP pretende, ao tornar públicos estes dados e divulgar uma análise dos mesmos, colaborar com todos aqueles que tenham interesse nas questões relativas à educação superior. PROCESSO DE COLETA DOS DADOS. A primeira etapa de coleta de dados do Censo de 2007 foi iniciada no dia 25 de fevereiro de 2008 e encerrada no dia 18 de junho, porém, de modo a permitir a complementação dos dados pelas IES, um novo período foi estabelecido entre 4 de agosto e 5 de setembro de O INEP preparou 3

4 um questionário eletrônico que as Instituições de Educação Superior (IES), representadas por seu Pesquisador Institucional, utilizaram para o envio dos dados requeridos. Conforme estabelece o artigo 4º do Decreto 6425 de 4 de abril de 2008, O fornecimento das informações solicitadas por ocasião do censo da educação básica e da educação superior, bem como para fins de elaboração de indicadores educacionais, é obrigatório para todos os estabelecimentos públicos e privados de educação básica e para todas as instituições de educação superior, na forma do art. 9o, inciso V e 2o, da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de O instrumento de coleta é composto por itens sobre as IES e seus respectivos cursos. Durante o período de preenchimento, os pesquisadores institucionais podem fazer, a qualquer momento, alterações ou inclusões necessárias no conjunto de dados de suas respectivas instituições. Encerrado o prazo de preenchimento dos questionários eletrônicos, o sistema é fechado para alteração e os dados são colocados à disposição das IES, sob a forma de relatório, para consulta, validação ou correção das informações prestadas. Após esse período de validação ou correção, o INEP realiza rotinas de análise na base de dados do censo para verificar a consistência das informações prestadas pelas instituições. Realizada a correção e em colaboração com os Pesquisadores Institucionais, o censo é finalizado. Feita a divulgação dos dados e publicada a Sinopse Estatística, não é possível realizar qualquer alteração nas informações do censo, visto que as mesmas passam a ser estatísticas oficiais. 4

5 PANORAMA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Nesta segunda parte serão apresentados os principais resultados do Censo da Educação Superior de 2007, comparados com os censos anteriores, organizados pelos seguintes eixos: 1. Instituições. 2. Cursos Graduação presencial Educação tecnológica. 3. Vagas, ingressantes, concluintes e matrículas Graduação presencial Educação tecnológica. 4. Educação a distância. 5. Funções docentes. 5

6 1. Instituições. O Censo da Educação Superior de 2007 registrou a participação de IES, representando um incremento de 11 instituições em relação ao ano de Como é possível observar na tabela 1, o ritmo de aumento do número de IES vem decrescendo recentemente. Uma das possíveis razões dessa tendência é a recorrente integração de instituições, por fusão ou compra, observada nos últimos anos. Ainda assim, foi registrado um incremento de 10 instituições na região Nordeste, seguida pelas regiões Centro Oeste e Norte, com acréscimo de 6 e 5 instituições, respectivamente. Na região Sudeste foi observado um acréscimo de duas instituições e na região Sul registrou se uma diminuição de 12 instituições (tabela 2 do anexo). Cabe ressaltar que esse declínio no ritmo de crescimento das IES não se refletiu na oferta de vagas, número de ingressos, matrículas e concluintes, que mantiveram um crescimento relativamente maior, como se constata no item 3 deste relatório. A distribuição de IES por categoria administrativa se aproxima à verificada no ano anterior, com 89% de instituições privadas e 11% de instituições públicas, divididas entre federais (4,6%), estaduais (3,6%) e municipais (2,7%). É importante salientar que estão incluídas aqui todas as IES que oferecem cursos de graduação (presencial e a distância). Tabela 1. Evolução do Número de Instituições, segundo a categoria Administrativa - Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % Privada % _ 73 _ 65 _ 57 _ _ , ,7 65 0,0 59 3, , ,3 87 4, ,4 62 5, , , ,5 75 0,0 59-4, , , , ,7 60 1, , , ,0 82-1,2 61 1, ,5 De acordo com os dados da tabela 2, em relação à organização acadêmica, verifica se um incremento de 2,8% no número de universidades em relação a No entanto as faculdades (faculdades, escolas, institutos, faculdades integradas, centros federais de educação tecnológica e faculdades de tecnologia Decreto 5773/2006), conforme nos anos anteriores, mantiveram o predomínio, com cerca de estabelecimentos, correspondente a 86,7% das IES, enquanto as universidades e centros universitários respondem por 8% e 5,3%, respectivamente. 6

7 Tabela 2. Evolução do Número de Instituições, segundo a Organização Acadêmica Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ 162 _ 77 _ _ , ,6 81 5, , , , , , , , , , , , , , , , , ,3 Conforme mostrado na tabela 3, o maior número de faculdades (92,5%) e de centros universitários (96,7%) está vinculado ao setor privado, enquanto as universidades estão distribuídas em proporção aproximada entre setor público e o privado, 52,5% e 47,5% respectivamente. Tabela 3. Instituições de Educação Superior, pública e privadas, segundo a Organização Acadêmica - Brasil Organização Acadêmica IES % Universidade Centro Universitário Faculdade Pública 96 52,5 Privada 87 47,5 Pública 4 3,3 Privada ,7 Pública 149 7,5 Privada ,5 2. Cursos Graduação presencial. Este item abordará os resultados sobre o ensino de Graduação presencial que engloba a formação de bacharéis, licenciados e tecnólogos. A Educação tecnológica será abordada também nos itens 2.2. e 3.2, em uma análise específica. 7

8 Com relação ao ensino presencial de graduação, foi registrado, pelo Censo de 2007, o funcionamento de cursos em todo o Brasil, representando um aumento de 6,3% em relação a O menor crescimento no número de cursos se deu na região Nordeste (0,5%), embora outras regiões com baixo percentual de cobertura do ensino superior tenham apresentado crescimento acima da média brasileira, casos da região Norte (8,7%) e Centro Oeste (7,2%), como demonstra a tabela 5 do anexo. Do mesmo modo que nos anos anteriores, as IES privadas foram responsáveis pela oferta do maior número de cursos em 2007, um total de Contudo, as instituições federais de ensino superior apresentaram o maior crescimento percentual (8,8%) de crescimento no número de cursos em relação a 2006 (tabela 4). Tabela 4. Evolução do Número de Cursos, segundo a Categoria Administrativa - Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % Privada % _ _ _ 380 _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,6 Embora o maior percentual de aumento no número de cursos tenha sido observado entre as faculdades (10,7%), as universidades continuam sendo responsáveis pela maior parte dos cursos existentes e, em 2007, registraram cursos, representando cerca de 52% de toda a oferta de cursos de graduação presencial (tabela 5). 8

9 Tabela 5. Evolução do Número de Cursos, segundo a Organização Acadêmica Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Educação tecnológica. O Censo da Educação Superior 2007 revela que o ritmo de crescimento dos cursos de educação tecnológica foi ligeiramente maior do que o observado no ano anterior, embora nos centros universitários tenha sido registrado um incremento de 28,1%. Foram registrados cerca de 700 novos cursos no Brasil, a maior parte deles ofertados pelas faculdades e universidades (tabela 6). Tabela 6. Evolução do Número de Cursos de Educação Tecnológica, segundo a Organização Acadêmica - Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ 164 _ 69 _ 403 _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,8 3. Vagas, Ingressantes, Concluintes e Matrículas Graduação presencial. O número total de vagas ofertadas por processos seletivos na graduação presencial foi de em todo o Brasil, correspondente a um incremento de (7,4%) em relação ao ano anterior. As instituições privadas foram responsáveis pelo maior aumento no número de vagas 9

10 oferecidas, 8,5% em relação ao ano anterior. As instituições públicas da rede federal registraram aumento de novas vagas em relação a 2006, equivalente a 7,3%, conforme mostrado na tabela abaixo. Tabela 7. Evolução do Número de Vagas, segundo a Categoria Administrativa - Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % Privada % _ _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,5 Os dados do censo apontam para um aumento do número de vagas oferecidas pelas IES nas três organizações acadêmicas consideradas, com destaque para as universidades, que registraram um incremento de 10 % de vagas (tabela 8). Tabela 8. Evolução do Número de Vagas, segundo a Organização Acadêmica - Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,8 Destaca se que o aumento do número de vagas oferecidas não foi acompanhado por um crescimento proporcional no número de ingressos e matrículas (ver dados adiante), resultando no aumento das vagas ociosas em quase todas as categorias administrativas. Conforme dados da tabela 9, verifica se que em todo o Brasil foram registradas vagas ociosas em relação ao número total de ingressos em

11 Tabela 9. Evolução do Número de Vagas Ociosas, segundo a Categoria Administrativa - Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % Privada % _ _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,3 É possível verificar, ainda, que em 2007 os maiores aumentos percentuais no número de vagas ociosas em relação a 2006 ocorreu nas universidades e centros universitários (tabela 10). Tabela 10. Evolução do Número de Vagas ociosas, segundo a Organização Acadêmica - Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,6 AQUI! Concorreram para as vagas totais do ensino superior, candidatos no ano de A maior razão de candidatos por vagas foi observada nas IES federais, com média de 8,3 candidatos por vaga em todo Brasil, conforme aponta a tabela 11. Nos últimos anos é possível observar uma queda nessa concorrência em todas as categorias administrativas, com exceção das IES estaduais. Isso se deve, principalmente, ao aumento no número de vagas ofertadas nos últimos anos. 11

12 Tabela 11. Evolução da relação Candidatos/Vaga, segundo a Categoria Administrativa - Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % Privada % ,8 _ 9,9 _ 9,9 _ 2,0 _ 1,6 _ ,4-14,9 10,5 5,0 9,1-9,7 1,7-14,8 1,5-8, ,2-12,3 10,4-0,6 8,0-12,8 1,6-8,6 1,3-12, ,1-4,8 10,0-4,1 7,4-8,8 1,5-10,3 1,3-0, ,0-5,4 8,9-12,5 7,8 5,7 1,4-6,5 1,2-5, ,8-7,2 8,3-6,5 8,1 3,2 1,3-5,0 1,2-5,9 Dando continuidade ao ritmo de crescimento do setor nos últimos anos, o censo da educação superior de 2007 registrou o ingresso de novos alunos. As IES privadas foram responsáveis por 79,8% desses ingressantes. Entre as IES públicas, observou se uma diminuição de 6,5% do número de ingressantes das instituições estaduais e de 2,6% das municipais em relação ao ano anterior. Contudo, as IES federais registraram incremento de 6,8% de ingressos em relação a 2006 e, pela primeira vez nos anos analisados, passaram a representar mais da metade (50,8%) dos ingressos em instituições públicas, como mostrado na tabela 12. Tabela 12. Evolução do Número de Ingressos, segundo a categoria Administrativa - Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % Privada % _ _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,8 Em 2007, nas faculdades e universidades houve aumento percentual no número de ingressos em relação ao ano anterior da ordem de 4,7%, enquanto os centros universitários registraram uma diminuição de mais de 10% de ingressos (tabela 13). 12

13 Tabela 13: Evolução do Número de Ingressos, segundo a Organização Acadêmica - Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0 Um objetivo previsto pelo Plano Nacional de Educação (PNE) para o ensino superior é a diminuição na taxa de evasão de alunos. Essa dimensão pode ser analisada por meio dos dados do Censo da Educação Superior. O percentual de conclusão, calculado pela razão entre o número de concluintes de um ano e o de ingressantes quatro anos antes, apresentou pouca variação no período recente. No ano de 2007, o percentual de concluintes em relação aos ingressantes de 2002 foi de 58,1% e a maior proporção foi observada entre os alunos das instituições federais (72,6%) seguidos pelos alunos das instituições estaduais (63,8%) e das municipais (62,4%). As instituições privadas, como nos últimos anos, apresentaram o menor percentual de conclusão nos cursos de graduação presencial em 2007, com 55,4% de concluintes, como mostrado na tabela 14. Tabela 14. Percentual do Número de Concluintes em relação ao Número de alunos que ingressaram quatro anos antes Concluintes/ingressos (%) Ano Total Público Federal Estadual Municipal Privada ,2 69,0 76,2 52,5 55, ,9 71,8 71,3 81,5 54, ,4 72,7 95,9 79,8 53, ,6 70,2 69,9 67,3 56, ,3 69,4 70,3 60,6 55, ,1 72,6 63,8 62,4 55,4 O número total de matrículas na educação superior cresceu 4,4% em 2007 (tabela 15). Como observado em relação aos ingressos, verifica se que a maior parte das matrículas, cerca de 3,7 13

14 milhões (74,6%) nesse ano pertencem às instituições privadas, que registraram aumento de 5% em relação ao ano anterior. As demais matrículas estão computadas nas IES federais, estaduais e municipais, correspondendo a 12,6%, 9,9% e 2,9% do total, respectivamente. Tabela 15. Evolução do Número de Matrículas, segundo a Categoria Administrativa - Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % Privada % _ _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0 Nas Universidades e Faculdades foi registrado incremento no número de matrículas, de 5,3% e 8,1%, respectivamente. Nos Centros Universitários, ao contrário, houve redução de 6,5% (tabela 16). Tabela 16. Evolução do Número de Matrículas, segundo a Organização Acadêmica - Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,1 Dois aspectos podem ser destacados em relação ao total de matrículas de O primeiro é o aumento no número de matrículas em cidades do interior entre as instituições federais. Nessas instituições, de acordo com os dados do censo mostrados na tabela 17, foi registrado um aumento de 12,7% de novas matrículas fora das capitais brasileiras, em relação a

15 Tabela 17. Evolução do número de matrículas por Categoria Administrativa, segundo a localização - Brasil Pública Ano e localização Total % Privada Federal % Estadual % Municipal % 2006 Total _ _ _ _ _ Capital _ _ _ _ _ Interior _ _ _ _ _ 2007 Total , , , , ,0 Capital , , , , ,9 Interior , , , , ,3 % O segundo aspecto é o aumento da proporção de matrículas em período noturno. O crescimento das matrículas nesse turno, em relação ao ano de 2006, foi de 5,7%. O maior crescimento foi observado entre as instituições privadas (6,0%) e entre as instituições federais (5,3%), conforme a tabela que se segue: Tabela 18. Evolução do número de matrículas por categoria administrativa, segundo o turno - Brasil Pública Ano e turno Total % Privada % Federal % Estadual % Municipal % 2006 Total _ _ _ _ _ Diurno _ _ _ _ _ Noturno _ _ _ _ _ 2007 Total , , , , ,0 Diurno , , , , ,6 Noturno , , , , , Educação tecnológica Em 2007 foram ofertadas vagas nos cursos de Educação Tecnológica (tabela 19), registrando um acréscimo de 23,6% em relação a As IES privadas são responsáveis por mais de 90% dessa oferta. 15

16 Tabela 19. Evolução do Número Vagas na Educação tecnológica, segundo a Categoria Administrativa Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % _ _ 601 _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,3 Privada % Segundo a organização acadêmica, é possível observar que as Universidades são as que apresentaram maior crescimento na oferta de vagas em Educação Tecnológica. Foram mais de novas vagas em 2007 e um crescimento de 36,6% em relação a 2006 (tabela 20). Embora apresentem um crescimento menor, as vagas nas Faculdades ainda são preponderantes e representam 42,8% do total de vagas da Educação Tecnológica. Tabela 20. Evolução do Número de Vagas na Educação Tecnológica, segundo a Organização Acadêmica - Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,7 Em 2007, o número total de inscritos apresentou um incremento de 21% no Brasil, com destaque para as IES privadas, onde o aumento foi de 26,5% (tabela 21). Apesar desse aumento, o número de inscritos foi menor que a metade do número de vagas oferecidas no mesmo período. A maior concorrência foi encontrada entre as instituições estaduais, com cerca de 6,9 inscritos para cada vaga. 16

17 Tabela 21. Evolução do Número de Inscritos na Educação tecnológica, segundo a Categoria Administrativa - Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % _ _ _ 948 _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,5 Privada % O número de ingressos em cursos de educação tecnológica apresentou um crescimento de 20,1% em relação ao ano de Como aponta a tabela 22, em todas as categorias administrativas foi registrado aumento no número de ingressantes, com exceção das IES municipais que apresentaram um decréscimo de 20,1% em relação ao número de ingressos do ano anterior. Tabela 22. Evolução do Número de Ingressos na Educação tecnológica, segundo a Categoria Administrativa Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % _ _ _ 531 _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,1 Privada % O número de concluintes nos cursos de Educação Tecnológica também aumentou entre 2006 e 2007, quando foram registrados concluintes, ou seja, 30% de crescimento no período, como exposto na tabela 23. Tabela 23. Evolução do Número Concluintes na Educação Tecnológica, segundo a Categoria Administrativa Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % _ _ 130 _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0 Privada % 17

18 As universidades apresentaram o maior percentual de crescimento do número de concluintes (61%), seguidas pelos centros universitários (19%) e faculdades (11,2%) (tabela 24). Tabela 24. Evolução do Número de Concluintes na Educação Tecnológica, segundo a Organização Acadêmica - Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,2 O censo de 2007 registrou matrículas nesse segmento, correspondendo a um aumento de 24,8% em relação a O maior número de matrículas, , foi encontrado nas instituições privadas, seguidas pelas IES federais, com e pelas estaduais e municipais, com e matrículas respectivamente (tabela 25). Tabela 25. Evolução do Número de Matrículas na Educação Tecnológica, segundo a Categoria Administrativa Brasil a 2007 Ano Total % Pública Federal % Estadual % Municipal % Privada % _ _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,6 Com relação à organização acadêmica (tabela 26), as Faculdades, com , e as Universidades, com , dividem a maior parte do total de matrículas na educação tecnológica. Os centros universitários registraram matrículas em O maior crescimento no número de matrículas foi apresentado pelas Universidades (35,5%) e Faculdades (20,1%), enquanto os Centros Universitários apresentaram um crescimento de 12,9% no número de matrículas. 18

19 Tabela 26. Evolução do Número de Matrículas na Educação tecnológica, segundo a Organização Acadêmica - Brasil a 2007 Ano Total % Universidades % Centros Universitários % Faculdades % _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,1 4. Educação a distância. De acordo com os dados do Censo, 97 instituições ofereceram, em 2007, cursos de graduação a distância. São 19 IES a mais em relação às registradas no ano de É possível observar (tabela 27) que o número de cursos de graduação a distância aumentou de maneira significativa nos últimos anos. Comparado ao ano de 2006, foram criados 59 novos cursos a distância, representando um aumento de 16,9% no período. O número de vagas oferecidas em 2007 chegou a quase o dobro das oferecidas em 2006, com um aumento de 89,4%, ou seja, uma oferta de vagas a mais. O crescimento no número de vagas da educação a distância deu prosseguimento a um aumento que se observa desde Nesse período registrou se uma variação de 6.314% no número de vagas ofertadas. Contudo, até o momento do censo 2007, o número de inscritos e o número de ingressos não acompanhou o mesmo ritmo de crescimento. Enquanto em 2006 foram registrados 0,53 candidatos para cada vaga, no ano posterior, essa relação foi de 0,35. 19

20 Tabela 27. Evolução do Número de IES, Cursos, Vagas e Inscritos na Educação a Distância Brasil a 2007 Ano IES % Cursos % Vagas % Inscritos % _ 46 _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0 Com relação ao ano de 2006, o total de ingressantes apresentou um aumento de 42,4% em 2007 (Tabela 28). O total de matrículas teve um crescimento estável nos últimos anos e, em 2007, chegou ao número de matrículas. Esse número de matrículas a distância representa 7% do total das matrículas dos cursos de graduação, incluindo os presenciais. No ano de 2006, esse percentual esteve em torno dos 4,2%. A quantidade de concluintes em educação a distância apresentou um aumento de 15,5% em relação ao ano de 2006, com concluintes a mais. Tabela 28. Evolução do Número de Ingressos, Matrículas e Concluintes na Educação à Distância - Brasil a 2007 Ano Ingressos % Matrículas % Concluintes % _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , ,5 5. Funções docentes A categoria funções docentes está relacionada aos docentes declarados pelas IES às quais estão vinculados. Portanto, é importante destacar que o número de funções docentes não corresponde, necessariamente, ao número de docentes, já que profissionais que trabalham em mais de uma instituição são declarados no censo por todas as IES nas quais exercem alguma função e, dessa forma, há a possibilidade de múltipla contagem de um mesmo docente. 20

21 A quantidade de funções docentes em exercício no Brasil cresceu em Nesse ano foram consideradas funções docentes no ensino superior, um acréscimo de em comparação com 2006, ou seja, de 5%. Quanto ao tipo de qualificação observado, verificou se um crescimento de 4,5% nas funções docentes com titulação até especialização, enquanto nas de mestres foi de 3,7%. O maior crescimento foi registrado entre doutores, com 7,9% a mais do que em 2006 (tabela 29). Decorrente desse aumento, o percentual de doutores em relação ao total de funções docentes no ensino superior brasileiro subiu de 22,3% no ano de 2006 para 23% no ano seguinte. Tabela 29. Evolução do Número de Funções Docentes em Exercício, por Titulação - Brasil Ano Total % Titulação Até especialização % Mestrado % Doutorado % _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,9 Ainda em relação à titulação, os dados do censo apresentados na tabela 30 mostram que a maior proporção de funções docentes com nível de doutorado (35%) está presente nas universidades, enquanto nas faculdades predominam as funções docentes com titulação até especialização, cerca de 53%. Tabela 30. Funções docentes, em exercício, por Titulação e Organização Acadêmica Brasil Titulação Centros Total Universidades Faculdades Universitários Nº % Nº % Nº % Nº % Total Até Especialização , , , ,2 Mestrado , , , ,0 Doutorado , , , ,8 21

22 Com relação ao regime de trabalho, o censo de 2007 aponta um predomínio de funções docentes em regime de hora aula (41,9%), conforme mostrado na tabela 31. Ao se analisar as IES por organização acadêmica, observa se entre as Faculdades uma presença ainda maior de funções docentes com esse regime laboral (66,1%). As Universidades apresentam a menor proporção de funções docentes com regime de hora aula (22,7%) e a maior proporção de professores em tempo integral (55,4%). Tabela 31. Funções docentes (em exercício e afastados) por Regime de Trabalho e Organização Acadêmica - Brasil Regime de Trabalho Centros Total Universidades Faculdades Universitários Nº % Nº % Nº % Nº % Total Integral , , , ,7 Parcial , , , ,2 Hora-aula , , , ,1 Conforme aponta a tabela 32, os dados do censo mostram que a razão de alunos por função docente é semelhante em todas as regiões do Brasil, variando de 14,3 (região Sul) a 17,1 (região Norte), com média aproximada de 15 alunos por docente no País. 22

23 Tabela 32. Relação Alunos por Função Docente, segundo a Região - Brasil Ano Brasil % Norte % Nordeste % Sudeste % Sul % Centro-Oeste % ,3 _ 21,6 _ 15,6 _ 14,6 _ 15,0 _ 16,6 _ ,3 0,1 22,0 2,0 15,5-0,8 14,7 0,8 14,6-2,6 16,8 1, ,9-2,4 19,1-13,3 14,8-4,7 14,7 0,0 14,0-3,6 16,1-4, ,2 2,0 18,6-2,7 14,5-2,0 15,5 5,0 14,4 2,7 15,4-4, ,5 1,7 18,1-2,3 15,1 4,3 15,7 1,7 14,6 1,5 15,2-1, ,4-0,6 17,1-6,0 14,5-3,5 16,1 2,2 14,3-2,3 14,8-2,8 6. Principais considerações. O Censo da Educação Superior 2007 revelou aspectos importantes da atual situação da Educação Superior brasileira, dentre os quais se destacam os seguintes: 1. Nas Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) houve um incremento de novas vagas, ou 7,3% em relação a Como conseqüência, a quantidade de candidatos por vaga diminuiu nessas instituições. 2. Em 2007, novos alunos ingressaram na Educação Superior, 2,3% a mais em relação a O maior percentual de aumento de ingressos (6,8%) se deu nas IFES, que registraram novos alunos em O censo 2007 revelou um aumento de 12,7% no número das matrículas, vinculadas a instituições federais (IFES) efetuadas em cidades do interior. 4. O número de matrículas no turno noturno também registrou alta de 5,7% em relação a 2006, sobretudo nas IES federais e nas instituições privadas. 5. O aumento do número de IES no Brasil foi de apenas 0,5% em relação ao ano anterior, acompanhando a tendência, já verificada em anos anteriores, de queda no ritmo de crescimento. Uma das possíveis razões é a recorrente integração de instituições, por fusão ou compra, observada no período. Essa desaceleração não se refletiu diretamente no ritmo de crescimento do número de vagas, inscritos, ingressos e matrículas. 6. As faculdades continuam representando a maior parte das IES no Brasil e cerca de 92% delas pertencem ao setor privado. No entanto, 54% dos alunos estudam em universidades, 32% em faculdades e 14% em centros universitários. 23

24 7. Houve um incremento de (6,3%) novos cursos nas IES brasileiras e apenas as IES Estaduais não registraram crescimento em relação a 2006, com um decréscimo de 7,7% nos cursos ofertados. 8. Do mesmo modo, houve o aumento de 7,4% (cerca de 195 mil) no número de vagas ofertadas. As Instituições privadas foram responsáveis pela oferta de cerca de 2,5 milhões de vagas em 2007, registrando aumento de 8,5% em relação a O número de matrículas em 2007 foi 4,4% maior em relação a 2006, com um total de alunos matriculados na Educação Superior. O maior percentual de aumento foi observado nas regiões Norte (8,4%) e Nordeste (7,2%). 10. Em relação ao número de concluintes, foi verificado aumento percentual de 2,7% em comparação com 2006, destacam se os aumentos registrados nas regiões Norte e Nordeste, de 15,6% e 6,9% respectivamente. 12. Em 2007 foram ofertadas vagas nos cursos de Educação Tecnológica, com um aumento de 23,6% em relação a As IES privadas são responsáveis por mais de 90% dessa oferta. 13. Na graduação a distância, 97 instituições ofereceram 408 cursos em O número de vagas oferecidas aumentou 89,4% em relação a 2006, mas o número de inscritos e de ingressos não acompanhou o mesmo ritmo de crescimento, registrando uma relação de 0,35 candidato por vaga. 14. As matrículas na modalidade de ensino a distância aumentaram 78,5% em relação ao ano anterior e, em 2007, passaram a representar 7% do total de matrículas no ensino superior. 24

25 ANEXO TABELAS COMPLEMENTARES As tabelas desta sessão apresentam um número maior de informações com o objetivo de servir àqueles que pretendem realizar análises mais aprofundadas. Os tópicos são os seguintes: 1. Instituições 2. Cursos 3. Vagas 4. Inscritos 5. Ingressos 6. Matrículas 7. Concluintes 8. Docentes 9. Estatísticas básicas e indicadores Os blocos de tabelas são organizados, sempre que possível, em uma seqüência padronizada e em séries históricas de ou Dados mais específicos estão disponíveis na Sinopse Estatística do Censo da Educação Superior de 2007, publicada na página do Inep (www.inep.gov.br). 25

26 1. INSTITUIÇÕES Tabela 1.1. Evolução do Número de Instituições de Educação Superior, por Região e Unidade da Federação Brasil UF Brasil N RO AC AM RR PA AP TO NE MA PI CE RN PB PE AL SE BA SE MG ES RJ SP S PR SC RS C.O MS MT GO DF

27 Tabela 1.2. Evolução do Número de Instituições, segundo a Região Brasil 2002 a Ano Brasil % Norte % Nordeste % Sudeste % Sul % Centro- Oeste % _ 83 _ 256 _ 840 _ 260 _ 198 _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,5 27

28 Tabela 1.3. Relação das trinta primeiras Instituições de Ensino Superior, por ordem decrescente no número de matrículas Brasil Instituições Sigla UF Categoria Administrativa Organização Acadêmica Matrículas Universidade Paulista UNIP SP Universidade Privada Universidade Estácio de Sá UNESA RJ Universidade Privada Universidade Nove de Julho UNINOVE SP Universidade Privada Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN SP Universidade Privada Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC MG Universidade Privada Universidade de São Paulo USP SP Universidade Pública Universidade Salgado de Oliveira UNIVERSO RJ Universidade Privada Universidade Luterana do Brasil ULBRA RS Universidade Privada Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP SP Universidade Pública Universidade Federal do Pará UFPA PA Universidade Pública Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais PUC Minas MG Universidade Privada Universidade de Caxias do Sul UCS RS Universidade Privada Universidade Presbiteriana Mackenzie MACKENZIE SP Universidade Privada Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ RJ Universidade Pública Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS RS Universidade Privada Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RS Universidade Privada Universidade Estadual de Goiás UEG GO Universidade Pública Centro Universitário da Cidade UniverCidade RJ Centro Universitário Privada Universidade do Estado do Amazonas UEA AM Universidade Pública Universidade de Fortaleza UNIFOR CE Universidade Privada Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI SC Universidade Privada Centro Universitário Augusto Motta UNISUAM RJ Centro Universitário Privada Universidade do Estado da Bahia UNEB BA Universidade Pública Universidade Católica de Goiás UCG GO Universidade Privada Universidade Federal de Minas Gerais UFMG MG Universidade Pública Universidade Federal do Ceará UFC CE Universidade Pública Universidade Anhembi Morumbi UAM SP Universidade Privada Universidade Federal de Pernambuco UFPE PE Universidade Pública Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR PR Universidade Privada Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy UNIGRANRIO RJ Universidade Privada

29 2. CURSOS Tabela 2.1. Evolução do Número de Cursos por Região e Unidade da Federação Brasil UF Brasil N RO AC AM RR PA AP TO NE MA PI CE RN PB PE AL SE BA SE MG ES RJ SP S PR SC RS C.O MS MT GO DF

30 Tabela 2.2. Evolução do número de cursos de graduação presencial segundo a Região Brasil Ano Brasil % Norte % Nordeste % Sudeste % Sul % Centro- Oeste % _ _ _ _ _ _ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,2 30

31 Tabela 2.3. Evolução do número de cursos de Educação Tecnológica segundo a Região Brasil UF Brasil N RO AC AM RR PA AP TO NE MA PI CE RN PB PE AL SE BA SE MG ES RJ SP S PR SC RS C.O MS MT GO DF

32 3. VAGAS Tabela 3.1. Evolução do Número de Vagas por Região e Unidade da Federação Brasil UF Brasil N RO AC AM RR PA AP TO NE MA PI CE RN PB PE AL SE BA SE MG ES RJ SP S PR SC RS C.O MS MT GO DF

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

MEC. Censo da Educação Superior 2014

MEC. Censo da Educação Superior 2014 MEC Censo da Educação Superior 2014 BRASÍLIA DF 04 DE DEZEMBRO DE 2015 Tabela Resumo Estatísticas Gerais da Educação Superior Brasil 2014 Categoria Administrativa Estatísticas Básicas Total Geral Pública

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Educação baseada em evidências

Educação baseada em evidências Educação baseada em evidências Textos para discussão Resultados do ENEM 2013 Texto 2015-01 Abril 2015 APRESENTAÇÃO Textos para discussão do apresentam dados, análise e evidências para informar o público

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 Divulgação dos principais resultados Censo da Educação Superior 2010 Outubro de 2011 Estatísticas Básicas de Graduação (presencial e a distância) e Pós-Graduação por Categoria

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Brasília DF 2010 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Acesso e permanência no Ensino Superior. Mozart Neves Ramos mozart@ias.org.br

Acesso e permanência no Ensino Superior. Mozart Neves Ramos mozart@ias.org.br Acesso e permanência no Ensino Superior Mozart Neves Ramos mozart@ias.org.br 1. Cenário atual e futuro 2. O que pode (e deve) mudar com o Enem 2.1. Ensino Médio e o Ciclo Básico das IES 2.2. SISU x Aumento

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 Março 2012 SUMÁRIO I - EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE COOPERATIVAS, COOPERADOS E EMPREGADOS, 3 II - ANÁLISE POR RAMO, 8 2.1

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2013 % Jan a Dez 2013 x Jan a Dez 2012 Morte 60.752 1 54.767 9% - Invalidez Permanente 352.495 69% 444.206 70% 2 Despesas Médicas (DAMS) 94.668 19% 134.872

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET 7 INSTITUIÇÕES 370 GRUPOS REGIÃO NORTE - 8 INSTITUIÇÕES

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Censo da Educação Superior 2011

Censo da Educação Superior 2011 Censo da Educação Superior 2011 Quadro Resumo - Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa Categoria Administrativa Estatísticas Básicas Total Geral Pública Total Federal Estadual

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME MINAS GERAIS Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ALINHAMENTO DOS PLANOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO AO PNE SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO

Leia mais

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional Diretoria de Livro, Leitura e Literatura Fundação Biblioteca Nacional Sistema Nacional de Bibliotecas PúblicasP Censo Nacional das Bibliotecas

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar Parcerias: PeNSE 1. Introdução Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar O IBGE, em parceria com o Ministério da Saúde e da Educação realizará, em 2015, a 3ª edição da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar

Leia mais

INSTITUIÇÕES. Total Pública Privada 2.165 2.013 1.859

INSTITUIÇÕES. Total Pública Privada 2.165 2.013 1.859 CENSO 2005 INSTITUIÇÕES 1.859 2.013 2.165 89% 89% 89% Total Pública Privada 2.165 Instituições 231 Públicas 1.934 Privadas 97 Federais 1.520 Particulares 75 Estaduais 414 Com/Conf./Fil 59 Municipais !"#$%&'

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Rede ABEn de Pesquisa em Educação em Enfermagem GT EDUCAÇÃO 2012 Portaria Nº 17/2012 Realizar a Pesquisa Panorama da Formação em Enfermagem no Brasil no período

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Rio de Janeiro, em 06 de outubro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS REITORES DAS UNIVERSIDADES ESTADUAIS E MUNICIPAIS SENADO FEDERAL - 2012

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS REITORES DAS UNIVERSIDADES ESTADUAIS E MUNICIPAIS SENADO FEDERAL - 2012 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS REITORES DAS UNIVERSIDADES ESTADUAIS E MUNICIPAIS SENADO FEDERAL - 2012 Reitor João Carlos Gomes / Universidade Estadual de Ponta Grossa-Paraná Presidente/ ABRUEM FINANCIAM FINANCIAMENTO

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS

Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC Objetivo e principais componentes Objetivo O PNAIC é um programa integrado cujo objetivo é a alfabetização em Língua Portuguesa e Matemática, até o

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria Políticas de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos maio 2015 PANORAMA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS

Leia mais

Balanço da Política de Cotas 2012-2013. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação

Balanço da Política de Cotas 2012-2013. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Balanço da Política de Cotas 2012-2013 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Estabelece que: Lei 12.711, de 29 de Agosto de 2012 No mínimo 50% das vagas das Instituições Federais de Educação

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Integração dos sistemas PingIFES e Censup. Dourados, 01/11/2013

Integração dos sistemas PingIFES e Censup. Dourados, 01/11/2013 Integração dos sistemas PingIFES e Censup Dourados, 01/11/2013 Contextualização O Censo da Educação Superior é um levantamento de dados sobre a educação superior no Brasil, anual e sistemático, gerado

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2003 Resumo Técnico Instituto

Leia mais

Cursos Sequenciais no Brasil: Uma nota técnica Nota Técnica nº. 83 David Morais (Versão preliminar) Maio de 2009

Cursos Sequenciais no Brasil: Uma nota técnica Nota Técnica nº. 83 David Morais (Versão preliminar) Maio de 2009 Cursos Sequenciais no Brasil: Uma nota técnica Nota Técnica nº. 83 David Morais (Versão preliminar) Maio de 2009 O Observatório Universitário dedica-se ao desenvolvimento de estudos e projetos sobre a

Leia mais

Quantidade de pedidos registrados por mês

Quantidade de pedidos registrados por mês Relatório de Pedidos de Acesso à Informação e Solicitantes (*) Informações adicionais para o correto entendimento do relatório podem ser encontradas na última seção. Órgão(s) de referência: MinC - Ministério

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ENADE 2011 NOTAS DOS CURSOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS

AVALIAÇÃO DO ENADE 2011 NOTAS DOS CURSOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS AVALIAÇÃO DO ENADE 2011 NOTAS DOS CUOS DE Cursos com avaliação 1 ou 2 (sujeitos a encerramento/reestruturação de suas atividades) Cursos com avaliação 5 Públicas Cursos com avaliação 5 no Enade, mas com

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO VIA UNIVERSIDADES ESTADUAIS: CONTEXTOS E CENÁRIOS

A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO VIA UNIVERSIDADES ESTADUAIS: CONTEXTOS E CENÁRIOS A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO VIA UNIVERSIDADES ESTADUAIS: CONTEXTOS E CENÁRIOS Renata Ramos da Silva Carvalho Resumo: O presente artigo tem como objetivo expor as considerações

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Relatório Estatístico. 39º Encontro Anual da ANPOCS - 2015. Inscrições e Participação

Relatório Estatístico. 39º Encontro Anual da ANPOCS - 2015. Inscrições e Participação Relatório Estatístico 39º Encontro Anual da ANPOCS - 2015 Inscrições e Participação Caxambu - MG, 2015 Apresentação A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS) tem transparecido,

Leia mais

Brasília, agosto de 2012.

Brasília, agosto de 2012. Brasília, agosto de 2012. Contas de Governo Cap. 4 (Análise Setorial) Execução do gasto Orçamentário (OFSS + RPNP) Gasto tributário (renúncia de receita) Resultado da atuação governamental no exercício

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em 1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados (PL 8.035/2010). Até o

Leia mais

Tecnológicos Corpo docente Atendimento especial Licenciaturas Educação a distância Graduações mais procuradas -

Tecnológicos Corpo docente Atendimento especial Licenciaturas Educação a distância Graduações mais procuradas - Matrículas no ensino superior crescem 3,8% Texto-síntese do portal no INEP (http://portal.inep.gov.br/visualizar/-/asset_publisher/6ahj/content/matriculas-no-ensino-superior-crescem-3-8? redirect=http%3a%2f%2fportal.inep.gov.br%2f)

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Denise Mafra Gonçalves; Maria Cristina Abreu Martins de Lima;

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE BEPSAÚDE TECNÓLOGO

BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE BEPSAÚDE TECNÓLOGO Fundação Oswaldo Cruz Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Laboratório do Trabalho e da Educação Profissional em Saúde Observatório dos Técnicos em Saúde BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 1 BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 Antônio Eugênio Cunha* O brasileiro vai investir 13,5% a mais com educação em 2012 relativo ao ano anterior. Este é o levantamento divulgado

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

Realizar o projeto de vida do jovem trabalhador, promovendo crescimento e ascensão profissional, por meio da educação de qualidade

Realizar o projeto de vida do jovem trabalhador, promovendo crescimento e ascensão profissional, por meio da educação de qualidade Apimec 2013 Agenda Abertura - Roberto Valério Qualidade e Inovação - Prof. Ana Maria Sousa e Leonardo Costa Marketing e Relacionamento - Patrícia Abreu e Rodrigo Cavalcanti Centro de Inteligência e Serviços

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011 Transporte Escolar nos Estados e no DF Novembro/2011 UFs onde existe terceirização total ou parcial (amostra de 16 UFs) AC AL AP AM DF GO MT MS PB PI RJ RN RO RR SE TO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

Base Populacional do Território

Base Populacional do Território ORGÃO GESTOR - Sistema de Educação Ambiental Pesquisas Projetos EA Órgão Gestor / Comitê Assessor CIEAs / Redes de EA Fomento a projetos SIBEA PNE Coletivos Educadores Com-vida Comunicação CNIJMA Coletivos

Leia mais

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação Infantil Taxas de atendimento Creches 36,3 23,6 9,4 12,2 Brasil Carinhoso: 2,8 milhões de

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Pesquisa A Implementação do PNEDH nas Diretrizes do Ensino Fundamental nos Municípios Brasileiros Instituição Executora: Coordenação Geral: Apoio: Gajop Gajop e Undime Secretaria de Direitos Humanos da

Leia mais

Observações: enviar documentos scaneados todos em PDF em pasta compactada formato zip.

Observações: enviar documentos scaneados todos em PDF em pasta compactada formato zip. EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXÍLIO FINANCEIRO DO PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DO SUS (PROADI-SUS) PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM CAPTAÇÃO, DOAÇÃO E TRANSPLANTES DE

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Universidade Federal. do Acre. Universidade Federal. do Amazonas. Universidade Federal. do Amapá. Universidade Federal. do Pará. Universidade Federal

Universidade Federal. do Acre. Universidade Federal. do Amazonas. Universidade Federal. do Amapá. Universidade Federal. do Pará. Universidade Federal UF CATEGORIA ADMINISTRATIVA SIGLA IES AC FEDERAL UFAC AM FEDERAL UFAM AP FEDERAL UNIFAP PA FEDERAL UFPA PA FEDERAL UFRA RO FEDERAL UNIR RR FEDERAL UFRR TO FEDERAL UFT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia MAIO/2008 Paulo de Sena Martins 2 2008

Leia mais

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 15 Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 1. Competências de Estados e Municípios e os investimentos em educação no País O sistema educacional

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO Maria da Piedade Morais 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Brasília, 28 de junho de 2011 Objetivos

Leia mais

profissional: desafios e integração

profissional: desafios e integração O papel das IES na formação profissional: desafios e integração da equipe de saúde Clarice A. Ferraz Coordenadora d Geral das Ações Técnicas em Educação na Saúde e Formação de Profissionais de Nível Médio

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il M i in a s G Ge er a i is B e el lo H o or i iz zo on t te CM CONSULTORIA 1

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il M i in a s G Ge er a i is B e el lo H o or i iz zo on t te CM CONSULTORIA 1 ESTUDOS DE MERCADO Brasil Minas Gerais Belo Horizonte CM CONSULTORIA 1 SUMÁRI O I. CENÁRIO SOCIOECONÔMICO... 4 1. Contexto Demográfico...4 2. Contexto Empresarial...5 3. Domicílios Urbanos e Classe Social...6

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Janeiro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Janeiro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2009 Janeiro de 2011 PRINCIPAIS RESULTADOS - CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR GRADUAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA Programa Nacional de Capacitação e Qualificação ABLA Convênio nº 635/2007. Objeto: Aumentar a qualidade na prestação de serviços e competitividade dos

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Brasil Economia e Educação. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação

Brasil Economia e Educação. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Brasil Economia e Educação Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Gini e PIB Per Capita 380 Gini e Pib Per Capita (1960 - base =100) 120 PIB Per Capita 330 280 230 180 1995 111,42 108,07 1992

Leia mais