ISSN REDAÇÃO DE VESTIBULAR E LEITURA DE GÊNERO: POSSÍVEIS CONCILIAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN 1808-3579 REDAÇÃO DE VESTIBULAR E LEITURA DE GÊNERO: POSSÍVEIS CONCILIAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO"

Transcrição

1 REDAÇÃO DE VESTIBULAR E LEITURA DE GÊNERO: POSSÍVEIS CONCILIAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO Cintia Pires Lemos Ramires (PG CLCA- UENP/ CJ e USF) Ticiane Rafaela de Andrade Moreno (G CLCA UENP/ CJ e USF) Marilúcia S. D. Striquer Ana Paula B. Castanho, Adenize Franco (Orientadoras CLCA UENP/ CJ) RESUMO Esta pesquisa tem o propósito de apresentar o trabalho desenvolvido no projeto A escola na formação do cidadão ativo e crítico, do programa de extensão universitária Universidade sem fronteiras, especificamente uma aula prática do ano letivo de 2009, que objetivava compreender a proposta de um vestibular baseada em uma redação de um dos candidatos, tomando por base Bakhtin (2002) e sua teoria da enunciação do discurso; Lopes-Rossi (2005) com as explanações sobre a leitura do gênero, suas propriedades discursivas, temáticas e composicionais, bem como as condições de produção e circulação. A aula implicada trouxe aos alunos de três colégios estaduais de Jacarezinho, uma possibilidade eficaz de estudo para a leitura do gênero textual: redação do vestibular, e também um subsídio significativo para elaboração de um texto argumentativo sobre o tema tratado. Palavras-chave: Ensino de língua materna. Gêneros textuais. Leitura do gênero. Produção textual. INTRODUÇÃO O Projeto A Escola na Formação do Cidadão Ativo e Crítico do Programa de Extensão Universitária Universidade Sem Fronteiras contempla atualmente quatro escolas estaduais no município de Jacarezinho. Os alunos em foco são os que estão no último ano de Ensino Médio e irão prestar vestibular. Nosso trabalho abrange a preparação para a redação de vestibular e o estudo das obras literárias com base nos moldes do vestibular da região. O nosso projeto possui um 640

2 número reduzido de alunos em detrimento da quantidade que existe atualmente nas escolas estaduais e, portanto, traz um atendimento individualizado. Isso possibilita o ensino diferenciado como o com Sequências Didáticas (DOLZ, SCNEWLY, 2003) que permite trabalhar com gêneros textuais nas suas propostas de leitura e produção textual, ou seja, embora o vestibular seja um grande chamariz para os alunos, é possível por meio do projeto, aprimorar a competência discursiva deles. As últimas duas décadas do século passado foram marcadas pela crítica ao chamado ensino tradicional, o que não significa que ele não esteja mais presente em um nível considerável de práticas de salas de aula brasileiras. (BARBOSA, ano, p. 01) Isso implica que embora as novas teorias de renovação do ensino estejam já em muitos currículos nacionais de educação, a prática ainda dista muito da teoria. São projetos como o nosso que fazem com que o aluno saia mais preparado para a vida e o mercado de trabalho, porque por vezes as escolas de ensino público enfrentam as precariedades do ensino brasileiro atual que não auxilia o aluno a desenvolver algumas habilidades necessárias. Ler e, sobretudo, escrever não fazem parte da cultura das nossas classes sociais alfabetizadas. (BAGNO, 1999, p. 107) Os alunos, portanto, não foram incutidos ao hábito da leitura, muito menos da escrita e estas são práticas que constituem algo como um temor para eles. O vestibular ainda contribui para este medo, porque os conteúdos por eles cobrados são cumulativos e quantitativos, exigem uma série de memorizações ou raciocínios aos quais os alunos não foram ensinados a ter, poucas instituições houve no Brasil tão obtusas, nefastas, injustas, antidemocráticas, perniciosas quanto o vestibular. (BAGNO, 1999, p. 121) Mesmo assim, o ingresso numa faculdade simboliza uma ascensão social e por isso o ensejo, muitas vezes desesperado, de passar no vestibular. E essa motivação leva a vontade de estudar para alcançar este objetivo. Dessa maneira, o projeto permite duas formas de promoção social: o ingresso numa faculdade e a apreciação de textos de uso público da linguagem. Por meio deste artigo, analisaremos brevemente uma de nossas aulas pautadas em nossas ideologias e métodos. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Os gêneros textuais já constituem conteúdo necessário a prática de sala de aula. Uma teoria que surge no início do século XX começa a mudar o cenário educacional 641

3 aproximadamente um século depois. Ainda há muita distância entre o que se diz e o que se faz, mas é fato que não se considera mais apenas a aprendizagem de tipologia textual para compreensão e estudo analítico de textos na disciplina de língua portuguesa. Sabendo que os gêneros são uma espécie de armadura comunicativa geral preenchida por sequências tipológicas de base que podem ser bastante heterogêneas, mas relacionadas entre si (MARCUSCHI, 2002, p. 27), entende-se que não é necessário deixar de lado a avaliação tipológica, ou seja, a estrutura do texto em seu aspecto formal e linguístico e sim ampliá-la para o estudo do gênero. Também não se pode definir um texto apenas por uma mesma sequência tipológica, pois os textos são compostos por diversas delas que se costuram formando um enunciado coerente. Atribuímos à escola a função e a responsabilidade de contribuir para garantir a todos os alunos o acesso aos saberes lingüísticos necessários para o exercício da cidadania. (BRASIL, 1997, p. 19). Assim sendo, precisamos dar aos alunos as ferramentas necessárias para que eles possam se comunicar em qualquer área social que desejarem, isto é, que dominem os textos orais e escritos para ter direito a expressão de seus anseios. Portanto, comunicação verbal só é possível por algum gênero textual (MARSCUSCHI, 2002, p.22), pois apenas a análise de um texto que leve em consideração sua função social e enunciativa depreende aprendizagem significativa e utilitária. A assertiva de Bakhtin evidencia a autonomia da construção e utilização dos gêneros através do discurso pelos falantes por saberem se expressar, já que dominam a construção de diversos enunciados: Esses gêneros do discurso nos são dados quase da mesma forma que nos é dada a língua materna, a qual dominamos livremente até começarmos o estudo teórico da gramática. A língua materna sua composição vocabular e sua estrutura gramatical - não chega ao nosso conhecimento a partir de dicionários e gramáticas mas de enunciações concretas que nós mesmos ouvimos e nós mesmos reproduzimos na comunicação discursiva viva com as pessoas que nos rodeiam. (BAKHTIN, 2003, p. 282) O aluno, pois, já possui o domínio da linguagem de sua comunidade ou do meio em que vive. Cabe então ao professor de língua portuguesa fazer a ponte entre os gêneros de uso público da linguagem e o aluno na realidade escolar. Porém, como se pode fazer esse tipo de abordagem? Baseado nas teorias dos gêneros textuais, a escola de Genebra na França introduz as sequências didáticas. Aqui, no Brasil, os estudos acerca dos gêneros e 642

4 das sequências também estão a todo vapor e é na sequência didática de Lopes-Rossi (2005) para leitura de gêneros que encontramos nossa resposta. A visão de senso comum que para escrever é necessário ler diversamente e em quantidade, entendemos necessariamente falha, pois são diferentes tipos de habilidades que levam a competência discursiva. Contudo, a escrita demanda sim, a leitura como um de seus pré-requisitos, ( ) um projeto pedagógico de produção escrita deve ser sempre iniciado por um módulo didático de leitura para que os alunos se apropriem das características típicas do gênero a ser produzido (LOPES-ROSSI, 2005, p. 82). E para fazer a leitura do gênero é necessário esmiuçar e conhecer a sua esfera discursiva, tema, construção composicional e estilo (BAKHTIN, 2003, p. 262). Para fins didáticos LOPES-ROSSI traz uma série de perguntas pós-leitura que ajudam na apreensão do gênero: Quem escreve (em geral) esse gênero discursivo? Com que propósito? Onde? Quando? Como? Com base em que informações? Como o redator obtém informações? Quem escreveu este texto que estou lendo? Quem lê esse gênero? Por que o faz? Onde o encontra? Que tipo de resposta pode dar ao texto? Que influência pode sofrer devido a leitura? Em que condições esse gênero pode ser produzido e pode circular na nossa sociedade? (2005, p. 84) É evidente que, muitas vezes, faz-se necessário conciliar o ideal com a realidade, principalmente ainda na realidade escolar precária que temos hoje. O ensino ainda é tencionado não para a aprendizagem e sim para a aprovação escolar ou admissão em testes ou exames que permitem que o aluno prossiga em sua elevação de seus níveis de ensino. Levando isso em consideração, a análise da redação de vestibular também precisa ter uma leitura própria para, num processo seguinte, tornar a ser redigida. O termo redação é aplicado a ensaios dissertativos curtos (geralmente de no máximo uma página) exigidos para avaliação da habilidade verbal escrita dos estudantes. (Wikipedia, online, 2009) Em coerência com a nossa proposta é necessário entender o que é redação de vestibular, seja para entendê-la como gênero ou percebê-la como objeto de incursão de outros gêneros de uso público da linguagem em que o candidato tentará apresentá-lo da melhor maneira possível com o objetivo de ser aprovada na prova de seleção. Os estudantes precisam saber brincar com os gêneros, mantendo-os ou alterando-os, fazendoos servir a particulares objetivos. (CALDEIRA, 2006, p. 34). 643

5 De acordo com o exame de seleção, a redação pode ser solicitada como tais tipologias textuais narração, dissertação ou descrição (Wikipedia, online, 2009). Para validar se o aluno pré-vestibulando possui articulações de conhecimentos das mais variadas esferas sociais da atualidade e apresenta criticidade sobre eles, o dissertativo torna-se mais comum e é o enfoque da nossa pesquisa. Neste tipo, o produtor deve adotar uma tese, selecionar argumentos que lhe sirvam de sustentação e, desta forma, deixar implícita sua marca de subjetividade. (CALDEIRA, 2006, p. 35). Ou seja, na dissertação, pode-se discorrer sobre um fato ou ainda demonstrar opiniões fundamentadas sobre eles (como no caso da redação de vestibular). A organização da redação dissertativo-argumentativa, na base escolar: ( ) se compõe de três partes: (I) introdução: ponto de partido do texto, apresenta o assunto/tese a ser tratado(a), desenvolvido(a). (II) Desenvolvimento: corpo do texto, onde, gradual e progressivamente, são desenvolvidos conceitos, argumentos, ideias, informações... e (III) Conclusão: parte final, caracterizar-se-ia por conter um resumo de tudo que foi expresso, retomando e condensando o conteúdo anterior do texto (COSTA, 2009, p. 92). De acordo com a tipologia definida, o tema e o estilo podem variar. Porém, a esfera discursiva da redação de vestibular sempre mantém-se a mesma: o candidato produz esse gênero direcionada a banca avaliadora: A banca, por um lado, com o intuito nítido de selecionar candidatos que apresentem, por meio daquele instrumento, a redação, confinadas no espaço gráfico de uma lauda, habilidades lingüísticas como: capacidade de entendimento, assimilação e desenvolvimento do tema proposto; habilidade de se expressar em língua padrão; adoção de estruturas sintáticas, semânticas e morfológicas cabíveis e pertinentes; escolhas lexicais pertinentes e condizentes com o tipo de propósito, capacidade de adequação formal, de articulação de idéias, de apresentação de idéias convincentes, dentre inúmeros outros atributos de um bom escritor. O candidato, por outro lado, mostra a incessante tentativa de satisfazer as prerrogativas da banca, através do constante movimento de engendrar a construção de um texto que seja o seu melhor, uma vez que tem, embora por vezes não consciente, a clareza de que está sendo avaliado (CALDEIRA, 2006, p ). DESENVOLVIMENTO 644

6 Após apresentar as características, bem como o meio social em que a redação de vestibular veicula, será exposto o material de trabalho aplicado pelo projeto em uma das aulas, bem como a descrição das atividades, que se referem ao texto que os prévestibulandos terão que construir no momento da prova do vestibular. Levamos para a sala de aula uma redação considerada nota 10, realizada no dia 08 de dezembro de 2003 na PUC - Rio de Janeiro. A redação foi apresentada juntamente com a proposta e os textos de apoio que a precediam com o propósito de materializar e observar a construção do texto do candidato. Segue, como consta no site da PUC- Rio de Janeiro: Tema: O que é ser criança no mundo contemporâneo. As crianças de hoje já não são mais como as de outros tempos? Considere, para sua reflexão sobre o tema proposto, os fragmentos de texto apresentados, a seguir. Eles trazem fatos e opiniões relacionados com o tema que devem auxiliar em sua reflexão. Evite, no entanto, copiá-los. Fragmento 1 "Não sei direito com que idade eu estava, mas era bem pequena. Mal tinha altura bastante para poder apoiar o queixo em cima da escrivaninha de meu pai. Diante dele sentado escrevendo, eu vinha pelo outro lado, levantava os braços até a altura dos ombros, pousava as mãos uma por cima da outra no tampo da mesa, erguia de leve o pescoço e apoiava a cabeça sobre elas. A idéia era ficar embevecida, contemplando de frente o trabalho paterno. Bem apaixonadinha por ele, como já explicava Freud, mas eu só descobriria anos depois. Só que no meio do caminho tinha outra coisa. Bem diante dos meus olhos, na beirada da mesa. Uma pequena escultura de bronze, esverdeada e pesada, numa base de pedra preta e lustrosa. Dois cavalos. Mais exatamente, um cavalo esquelético, seguido por um burrico roliço. Montado no primeiro, e ainda mais magrelo, um risonho cavaleiro de barbicha segurava uma lança numa mão e um escudo na outra. Escarrapachado no jumento, um gorducho risonho, de braço estendido para o alto, erguia o chapéu como quem dá vivas. Um dia, perguntei quem era. O da frente se chama Dom Quixote. O outro, Sancho Pança. Quem são eles? Ih, é uma história comprida...um dia eu conto. (...) Levantou-se, foi até a estante, pegou um livro grandalhão, sentou-se numa poltrona e me mostrou. Lá estavam várias figuras dos dois em preto-e-branco. Outra hora eu conto, agora vá brincar." (MACHADO, Ana Maria. Como e por que ler os clássicos universais desde cedo. Rio de Janeiro: Objetiva, p. 1 e 2) 645

7 Fragmento 2 "Em um anúncio da Microsoft, representando uma pacífica noite familiar, do fim do século XX, aparecem duas meninas louras, com o cabelo cacheado, vestindo camisola, no meio do quarto de dormir: "Papai, vamos lá, fale-nos de Sartre e o existencialismo e sua crença na inescapável responsabilidade de todos os indivíduos sobre suas próprias decisões, e também sobre sua relação com Simone de Beauvoir". "Tudo bem", diz o pai, que carrega a enciclopédia multimídia Encarta no computador e chama "Sartre"." (CORAZZA, Sandra Mara. Infância e educação. Petrópolis/RJ, Vozes, p. 25) Fragmento 3 "As agências de publicidade investigam mudanças no comportamento e no desejo de compras infantis e as pesquisas apontam que as crianças dessa geração "pode tudo" selecionam seus programas de tevê sozinhas; decidem sobre a marca e os equipamentos do computador; vão a viagens, acampamentos, festas, sem a companhia dos familiares; escolhem suas roupas, cinema, CDs, lanches. Deste modo, possuem poder de decisão em produtos que extrapolam o mundo dos brinquedos e guloseimas e influenciam as decisões de compra de toda família." (McCann-Erickson, 1996; ap. CORAZZA, Sandra Mara. Infância e educação. Petrópolis/RJ: Vozes, p.18) Fragmento 4 "Leonardo Pimenta, 11 anos, junto com quatro irmãos, passa 10 horas por dia colando e costurando os tênis da marca Dharma em sua casa na vila Santa Terezinha, Franca/SP. Começa às 7 da manhã, segue até meio-dia e vai para a escola. Retoma às 6h30min da tarde e pára à meia-noite. Descansa domingo. Os quatro irmãos e o pai preparam cinqüenta pares por dia..." (Folha de São Paulo, Menor trabalha...ap. CORAZZA, Sandra Mara. Infância e educação. Petrópolis/RJ, Vozes, p.46) Fragmento 5 "A criança na barquinha Nos dias de chuva, com um pedaço de jornal velho, fazia-se um barquinho de papel para navegar na sarjeta e ficar olhando a água levar." (CORAZZA, Sandra Mara. Infância e educação. Petrópolis/ RJ, Vozes, p. 11) PROPOSTA DA PUC: A seguir, produza um artigo de opinião no qual você deverá contextualizar o tema, definir e sustentar seu ponto de vista sobre a questão posta em debate e desenvolver as idéias, dialogando com as outras vozes presentes nos fragmentos citados. O texto, com cerca de 25 linhas, deve ter coerência, coesão e argumentação bem fundamentada. Dê um título criativo ao seu texto. A partir da leitura e observação da proposta apresentada, mostramos as ideias centrais dos textos de apoio, apontando as relações próximas e opositivas entre elas a fim de que os alunos pudessem refletir e se posicionar diante da tese a ser defendida por eles em sua produção textual. Em seguida, exibimos a redação de um candidato a vaga da PUC: 646

8 PERVERSA LIBERDADE De pequenas carlas perez a mini intelectuais, as crianças de hoje parecem ter se tornado um tamanho menor da juventude. O acesso irrestrito a informação e o excesso de liberdade de escolha concedida às crianças são os principais fatores que explicam essa sexualização e suposto amadurecimento precoce da infância contemporânea. Os alicerces principais da construção da personalidade da criança parecem estar sendo feitos de areia. Há uma preocupação muito maior com a fachada do que com os próprios casos de sustentação da estrutura egoísta de tais indivíduos. Nesse sentido, informa-se em vez de educar; tenta-se libertar em vez de mostrar os limites. O problema é que esses elementos só podem ser absorvidos se acompanhados de consciência e discernimento ao contrário a casa cai. Como essa liberdade não tem sido acompanhada de uma educação que possibilita formação de uma consciência individual, o que ocorre é a formação de indivíduos vulneráveis e facilmente influenciáveis. Considerando ainda o acesso irrestrito a informações, pode-se entender o porquê de tantas crianças objetivarem estereótipos de beleza e padrões de vida condizentes com a novela das oito; por uma pura incapacidade de filtrar os estímulos recebidos. Nada mais interessante para a mídia na lógica capitalista atual. Outra marca da infância atual, a sexualização da criança, se encaixa nesse mesmo contexto de influência da mídia. É decorrente da supervalorização da imagem de musas, que insere nas crianças o desejo de serem sexys, sem saberem o que isso significa. Como resultados, podemos citar o enorme número de casos de gravidez precoce indesejados e os diversos estudos psicanalíticos revelando o aumento do complexo de édipo na sociedade atual. Fica evidente, portanto, que houve uma transformação significativa das crianças de hoje em relação às de outros tempos. Seja pela tentativa de criar responsabilidades na criança ou por descaso dos pais, o fato é que percebemos uma geração de certa forma incompatível com nossa idéia de criança, o que é prejudicial. Porque se a boneca não provoca o amadurecimento, o processo gradual e intuitivo de descoberto do mundo certamente é essencial para a formação dos cidadãos. (redação produzida por um candidato a vaga à PUC-RJ, 2003) Como os alunos já tinham conhecimento das questões sobre as condições de produção dos gêneros textuais, uma vez que já foram trabalhadas em aulas anteriores, pedimos a eles que fizessem o levantamento desses dados. Essa foi a primeira atividade: Quem é o autor físico? COLUNA DE RESPOSTA 647

9 Qual a posição social do autor? X CONGRESSO DE EDUCAÇÃO DO NORTE PIONEIRO Quem é o destinatário físico? Qual é a posição social do destinatário? Qual é o objetivo do texto? Qual é o tema? (do qual tema trata do texto?) Qual é o espaço físico de produção desse texto? Qual é o espaço social de produção desse texto? Qual o momento de produção? Qual o meio de veiculação? A segunda atividade se referiu à arquitetura interna do texto. Aqui os alunos, além de reconhecer o tema abordado, estavam atentos a apreensão dos demais elementos constitutivos do texto. Ficaram incumbidos de encontrar a tese, os argumentos e a conclusão de Perversa liberdade. Qual é a tese ou o ponto de vista que está sendo defendido? Quais são os argumentos apresentados? Conclusão Parágrafo(s): Parágrafos: Parágrafo(s): 648

10 Com o propósito de verificar a capacidade argumentativa do candidato e a defesa de sua tese, foi promovido um debate para saber se os alunos concordavam com a exposição das ideias no texto e se, de fato, o candidato tinha utilizado bons argumentos para defender seu ponto de vista. Chamados a investigar o texto, os alunos se mostraram interessados em observar sua estrutura interna. Sabe-se que para o candidato convencer a banca, na exposição de sua ideia, tem que interagir com ela, até mesmo fazer com que ela participe do texto por meio de compartilhar o assunto. Desta forma, pedimos aos alunos que realizassem a seguinte atividade, identificando no texto alguns recursos linguísticos que revelam que o autor interage com a banca/leitor: a) presença de pronomes da 1ª pessoa do plural marcação de que o autor participa ou conhece o tema. b) presença de elementos que demonstram que os acontecimentos tratados pelo tema ocorrem no momento da produção do texto marcando proximidade entre o autor e o leitor. c) presença de pronomes possessivos marcação de que o tema em questão é (ou simula ser) de vivência tanto do leitor como do autor do texto: COLUNA DE RESPOSTAS Para trabalhar com os operadores argumentativos, operadores que acompanham um encunciado, tendo como função argumentar e orientar o interlocutor (VECCHIA, 2008); destacamos no texto os diferentes recursos linguístico-discursivos que foram utilizados na estruturação dos argumentos apresentados no texto. Os alunos fizeram o exercício seguinte: Para articular o ponto de vista e os argumentos que o defende, o autor utiliza-se de palavras e expressões que fazem com que uma parte do texto esteja sempre ligada a outra, de modo a organizar o tema. Identificamos algumas dessas palavras e expressões, com muita atenção. Volte ao texto e defina ao que elas se referem: 649

11 COLUNA DE RESPOSTA Palavras e expressões que promovem a conexão entre o tema e os argumentos apresentados 5º parágrafo: Fica evidente, portanto, que houv... 5º parágrafo:...seja pela tentativa de criar responsabilidades na criança ou por descaso dos pais... 5º parágrafo: Porque se a boneca não provoca o amadurecimento... Ao que elas se conectam: R: R: R: Com o intuito de fazer os alunos refletirem sobre elementos linguísticos que auxiliam o texto a não ficar repetitivo, explanando sobre a coesão textual, sem citar nomenclaturas, indicamos a seguinte atividade: Para que o texto não fique repetitivo para o leitor, para que tenha continuidade das ideias apresentadas, para que tenha unidade entre todos os seus componentes e partes, o autor utiliza-se de elementos linguísticos específicos. Identificamos alguns desses elementos. Agora, com muita atenção, volte ao texto e identifique ao que eles se referem: Elementos de retomada e antecipação de O que eles retomam ideias 1º parágrafo:...as crianças de hoje R: parecem... 2º parágrafo:...tais indivíduos... R: 2º parágrafo:...esses elementos só podem R: ser... 3º parágrafo: Como essa liberdade não tem R: sido acompanhada... 4º parágrafo:...nesse mesmo contexto... R: 4º parágrafo:...sem saberem o que isso R: significa... 5º parágrafo:...incompatível com nossa R: idéia de criança... COLUNA DE RESPOSTA Por fim, propusemos a busca dos diferentes tempos verbais na redação para que os alunos a relacionassem com as ideias expressas. Na tese, por exemplo, os verbos no presente do indicativo, demonstram a aproximação entre a realidade e apontam que os fatos ocorrem no momento presente, ou seja, é um acontecimento atual. A argumentação é constituída pelo mesmo tempo verbal, já que o autor justifica e argumenta a tese defendida 650

12 por acontecimentos contemporâneos. A conclusão é composta por um verbo no pretérito perfeito pelo autor retomar sua tese após a exposição argumentativa e por verbos no presente do indicativo que evidenciam a ideia oriunda do raciocínio no transcorrer do texto, sendo também atual. O autor do texto utilizou-se de vários verbos na construção desse texto. Identifique a relação do tempo verbal com a estrutura textual e busque justificar essa relação: a) Transcreva alguns verbos empregados na apresentação da tese: b) Qual o tempo desses verbos? Por que da escolha deles? c) Transcreva alguns verbos empregados na argumentação: d) Qual o tempo desses verbos? Por que da escolha deles? e) Transcreva alguns verbos empregados na conclusão do texto: f) Qual o tempo desses verbos? Por que da escolha deles? Após promover a leitura do gênero redação de vestibular por uma perspectiva epilinguística, em que há o trabalho de reflexão sobre o texto e sua linguagem, percebemos os resultados satisfatórios quanto ao olhar o texto com sua função sócio-comunicativa, pois os alunos sabiam quais eram as condições de produção e circulação desse gênero textual, bem como as características e elementos necessários para que ele fosse escolhido pela banca examinadora, inserindo, assim, uma situação real de interação comunicativa. Como essas atividades eram novas, visto que não são geralmente abordadas dessa forma nas aulas de Língua Portuguesa na escola regular, percebemos, é claro, um estranhamento por parte dos alunos, pela apresentação holística. No entanto, o trabalho desenvolvido foi eficiente, uma vez que pode inserir a leitura de uma produção textual em conjunto com a funcionalidade de elementos gramaticais, alcançando a declaração de Travaglia:... texto é apenas um resultado da aplicação da gramática da língua em seu múltiplos planos e níveis,[...] texto é gramática em funcionamento, para comunicar por meio da produção de efeitos de sentido, deixaremos de ter no ensino de língua materna a atitude, [...] de achar que gramática e texto são coisas distintas e quem têm que ser tratadas separadamente por terem pouca ou nenhuma relação entre si. (TRAVAGLIA, on line,2009, p. 178) Logo, percebemos ter contribuído para a produção de sentidos a partir do texto trabalhado, para um ensino mais pertinente. Destaca-se assim, um dos objetivos propostos pelo projeto A escola na formação do cidadão ativo e crítico, preparar o aluno para a vida, 651

13 por meio do uso competente da língua a fim de que possa aplicar seus diversos recursos e saber empregá-los devidamente, de acordo com a situação comunicativa vivenciada. CONCLUSÃO O trabalho com gênero textuais traz algo mais próximo da realidade do aluno. A partir do momento em que eles podem apalpar o texto em suas vias originais é mais fácil compreender seus objetivos de circulação e aprendizagem. Um dos méritos do trabalho pedagógico com gêneros discursivos, de acordo com os pesquisadores do grupo de Genebra, é o fato de proporcionar o desenvolvimento da autonomia do aluno no processo de leitura e produção textual como uma consequência do domínio do funcionamento da linguagem em situações de comunicação, uma vez que é por meio dos gêneros discursivos que as práticas da linguagem incorporam-se nas atividades dos alunos. (LOPES-ROSSI, 2005, p. 80) O aluno se torna sujeito e construtor da própria aprendizagem; entende os porquês, os conteúdos com ligação direta com o mundo em que habita, não há conhecimento que seja inútil quando se trabalha com gêneros. Em via disto e de todas as condições próprias do nosso projeto, estamos colhendo bons frutos porque os alunos começam lentamente a se desprenderem da aversão que tem pela escrita e leitura, para entenderem-nas como práticas constitutivas de uma pessoa humanizada. E nos valendo do pensamento de Candido, para definir humanização percebemos as atribuições necessárias que validam o direito a cidadania: o exercício da reflexão, a aquisição do saber, a boa disposição para com o próximo, o afinamento das emoções, a capacidade de penetrar nos problemas da vida, o senso da beleza, a percepção da complexidade do mundo e dos seres, o cultivo do humor. (1995, p. 249) Logo a repercussão do nosso trabalho e de tantos outros para a ampliação das teorias educacionais que constituem práticas para a melhoria de uma situação tortuosa são 652

14 imprescindíveis para começarmos a dar o primeiro passo rumo a o ensino de qualidade como um direito humano cumprido. REFERÊNCIAS BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico: o que é como se faz. 10. ed. São Paulo, Edições Loyola, BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, BARBOSA, J.P. Gêneros do discurso. In: PEC- Formação Universitária. São Paulo: Secretaria da Educação de São Paulo/ PUC/ USP/ UNESP, 2002, p BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Brasília: 5ª a 8 ª séries. Secretaria de Educação Fundamental, CALDEIRA, Josyeli R. A redação de vestibular como gênero: configuração textual e processo social f. Dissertação de mestrado Rio de Janeiro, PUC, Departamento de Letras, Disponível em:<http://dominiopublico.qprocura.com.br/dp/25232/aredacao-de-vestibular-como-genero:-configuracao-textual-e-processosocial.html?aliases=a-redacao-de-vestibular-como-genero:-configuracao-textual-eprocesso-social&id=25232>. Acesso em 05.maio CANDIDO, Antonio. Vários Escritos. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Duas Cidades, COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de gêneros textuais. 2. ed. Belo Horizonte-MG: Autêntica Editora, DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e org. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, LOPES-ROSSI, Maria Aparecida Garcia. Gêneros discursivos no ensino de leitura e produção de textos. In: KARWOSKI, Acir Mário; GAYDEAZKA, Beatriz; BRITO, Karim S. (orgs). Gêneros textuais: reflexões e ensino. Palmas e União da Vitória, PR: Kaygangue, 2005, p MARCUSCHI, L.A. Gêneros textuais: configuração, dinamicidade e circulação. In: KARWOSKI, A.M.; GAYDECZKA, B.; BRITO, B.S. (Orgs.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. Palmas e União da Vitória, Pr: Kaygangue, PROPOSTA DE REDAÇÃO PUC-2003: tema e redação. Disponível em:<http://www.pucrio.br/vestibular/repositorio/provas/2004/>. Acesso em 30. Set

15 TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Ensino de língua materna gramática e texto: alguma diferença?disponível em: <www.mel.ileel.ufu.br/.../travaglia/.../artigo_ensino_linguamaterna_gramaticatexto.pdf>. Acesso em 21.abr VECCHIA, Andréa. A argumentação na escrita. São Paulo: Scortecci, WIKIPEDIA. Redação. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/reda%c3%a7%c3%a3o>. Acesso em: 20. Abr Para citar este artigo: RAMIRES, Cintia Pires Lemos; MORENO, Ticiane Rafaela de Andrade. Redação de vestibular e leitura de gênero: possíveis conciliações para a formação do cidadão.in: X CONGRESSO DE EDUCAÇÃO DO NORTE PIONEIRO Jacarezinho Anais...UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná Centro de Ciências Humanas e da Educação e Centro de Letras Comunicação e Artes. Jacarezinho, ISSN p

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS?

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? Daiane Eloísa dos Santos (G-CLCA-UENP/CJ) Geovana Lourenço de Carvalho (G-CLCA-UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora-CLCA-UENP/CJ) Resumo: Com base

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM Daniela Fidelis Bezerra Túlio Cordeiro de Souza Maria Elizabete

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Aprendizagem e ensino de produção de texto na escola: sujeitos em processos inter-relacionais LEIVA DE FIGUEIREDO VIANA LEAL

Aprendizagem e ensino de produção de texto na escola: sujeitos em processos inter-relacionais LEIVA DE FIGUEIREDO VIANA LEAL Aprendizagem e ensino de produção de texto na escola: sujeitos em processos inter-relacionais LEIVA DE FIGUEIREDO VIANA LEAL Agradecimento ao Ceale, em especial, no âmbito do programa PNAIC Renovo meus

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

ENSINANDO A ESCREVER: O GÊNERO CARTA DO LEITOR EM QUESTÃO

ENSINANDO A ESCREVER: O GÊNERO CARTA DO LEITOR EM QUESTÃO ENSINANDO A ESCREVER: O GÊNERO CARTA DO LEITOR EM QUESTÃO Mônica Farias de Vasconcelos OLIVEIRA (UEPB) E-mail: monica06farias@gmail.com. Clara Regina Rodrigues de SOUZA (UFCG/ POSLE/ UEPB) E-mail: clararegina.r.s@gmail.com.

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO Ano: 3º ANO Disciplina: História Professor Responsável: Wladson Quiozine OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO 1. Retomar os aspectos essenciais do conteúdo programático da disciplina de História do Ensino

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ED Comunicação e Expressão /2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 2 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 1 PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 Prova de redação na perspectiva de gênero textual Com o propósito de avaliar a proficiência dos candidatos na leitura e na escrita pelo uso da língua portuguesa

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA Adailton Almeida Barros adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) Maiara Rodrigues - terror-rodrigues18@hotmail.com

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP Singular-Anglo Vestibulares Professora Natália Sanches Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. Retirado do site oficial do vestibular. FUVEST e UNESP Na correção, três

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS Adailton Almeida Barros - adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) PIBID Subprojeto/Língua Inglesa

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Português Instrumental

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Português Instrumental CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Português Instrumental Código: CTB - 112 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SEQUÊNCIA

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Tailene Kommling Behling(Acadêmica de Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Católica de Pelotas/UCPEL Bolsista PRONECIM) Viviane Barneche Fonseca

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social.

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social. IDENTIFICAÇÃO Área: Língua Portuguesa. Professora PDE: Marli Gorla. Professora Orientadora: Lílian Cristina Buzato Riter. Material Didático Seqüência Didática. Plano de Aula = Módulo I = Leitura e Análise

Leia mais

EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º

EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º /2013 O Reitor do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto

Leia mais

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR Thassiana Reis Félix (PG-UEL) Maria IlzaZirondi (UEL) Resumo:

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Uma análise apurada da redação feita pela estudante Bianca Peixoto Pinheiro Lucena no Enem 2011 aponta para um erro grave na atribuição da nota.

Uma análise apurada da redação feita pela estudante Bianca Peixoto Pinheiro Lucena no Enem 2011 aponta para um erro grave na atribuição da nota. Avaliação da redação Professor 1 Uma análise apurada da redação feita pela estudante Bianca Peixoto Pinheiro Lucena no Enem 2011 aponta para um erro grave na atribuição da nota. Para perceber isso, basta

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE

Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE Viviane C. A. Lima (CPII/ UGF/ PG-UFRJ) 1. Considerações preliminares Há algumas décadas, o ensino da

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar 5 CAPÍTULO 5 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I: GESTÃO EDUCACIONAL O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar Introdução A compreensão deste capítulo está diretamente relacionada ao entendimento

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL RESUMO Ana Raquel Abelha Cavenaghi (UEL) anaraquel@uel.br Valdirene Zorzo-Veloso valdirene@uel.br As histórias em quadrinhos (HQ) são lidas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 001/2015

EDITAL DE SELEÇÃO 001/2015 EDITAL DE SELEÇÃO 001/2015 A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática PPGECM/UFPR, conforme decisão do Colegiado, torna pública a abertura de inscrições à seleção

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais