Reconstrução do eu e do outro na escrita escolar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reconstrução do eu e do outro na escrita escolar"

Transcrição

1 Reconstrução do eu e do outro na escrita escolar Ana Cristina Salviato Silva Resumo O presente artigo analisa o processo de produção da redação escolar. Procura identificar as vozes do discurso contidas nesse tipo de texto e questiona o conceito de originalidade na produção textual escolar. O trabalho é fundamentado na teoria da Análise do discurso. Palavras-chave Originalidade, Texto Escolar, Análise do Discurso Autor Ana Cristina Salviato Silva Professora Doutora em Estudos Lingüísticos, docente dos cursos de Comunicação Social - Jornalismo e Publicidade e Propaganda - do Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino - FAE. Recebido em 30/abril/2008 Aprovado em 03/junho/

2 1. Introdução Este artigo é fruto de uma reflexão iniciada a partir do contato com a teoria da Análise do Discurso, aplicada à análise da produção do texto escolar. Nesse foco, a pesquisa não está centralizada na investigação policial das ideologias subjacentes nos textos jornalísticos, publicitários ou literários, como é comum nos trabalhos fundamentados na AD. Preserva-se, obviamente, o objetivo de encontrar a voz da alteridade, dando a ela, porém, um papel diferenciado no texto. O objeto de análise surgiu por meio da convicção de que quando se fala na voz do Outro na escrita não se está necessariamente apontando uma voz intrusa, mas sim, alguém que ocupa naturalmente o seu lugar no discurso. Nasce, então, o desafio de compreender melhor o processo pelo qual o Outro ocupa o seu lugar, quais são os limites desse Outro em um texto e, como perguntou Barzotto quem é o Outro de quem eu, com as minhas palavras, deveria me diferenciar?, e ainda, quais são as palavras deste Outro, para que eu possa saber quais serão as minhas? (1999, p. 13). Com essas questões em mente, escolheu-se um objeto de análise, procurando observá-lo a partir da pergunta-chave que permeia o presente trabalho: De quem são as palavras...? Trata-se de uma das redações consideradas acima da média no Vestibular 2000 da UNICAMP. Dizemos objeto principal porque à medida que o trabalho progrediu, julgamos de grande importância analisar não só a redação, mas também a proposta (incluindo a leitura prévia oferecida) e a expectativa da banca examinadora, publicada no site da universidade após a aplicação do referido vestibular. 2. O Contexto de Produção O que é afinal um sistema de ensino senão uma ritualização da palavra; senão uma qualificação e uma fixação dos papéis para os sujeitos que falam; [...] senão uma distribuição e uma apropriação do discurso com seus poderes e saberes? (FOUCAULT, 1998, p. 69) A redação nos vestibulares ocorre em uma situação artificial de comunicação. Ao iniciar seu texto, o vestibulando está consciente de que não se trata de um momento de pura expressão no qual ele escreve o que deseja, mas sim, o que convém escrever. É possível afirmar que toda situação comunicativa também é assim, uma vez que há um consenso de que todo o sujeito situa o seu discurso em relação aos discursos do outro. Porém, o que se pretende enfatizar é que na situação de vestibular esta adequação do discurso dá-se de uma maneira mais intensa, primeiramente, por tratar-se de uma situação competitiva, eliminatória, e segundo, por tratar-se de um discurso escolar e adolescente. Toda comunicação insere-se em um contexto e, conseqüentemente, sofre uma rede de influências cuja intensidade dependerá de cada caso específico. Em uma situação de disputa como o vestibular, a comunicação contida na redação é uma comunicação vertical, como bem colocou Almeida (1986), em seu estudo acerca da redação no concurso para o Magistério em Minas Gerais. O autor afirma que o candidato que pleiteia uma vaga encontra-se em situação de inferioridade, tendo consciência de que é parte mais fraca e, assim, cabe a ele sintonizar o seu discurso com o discurso do seu interlocutor (1986, p.24). Na comunicação vertical não há espaço para discussões: o discurso deve ser construído adequando-se ao do sujeito que o julgará. Para justificar a afirmação de que na redação do vestibu- Reconstrução do eu e do outro na escrita escolar lar a adequação ao discurso do Outro se dá de forma mais intensa por tratar-se de um discurso adolescente, recorre-se à leitura de Rassial: [...] as transformações da puberdade, inicialmente no que elas modificam o estatuto do outro, a desqualificação dos pais em constituir o modelo do adulto, a decepção frente à passagem edípica que se revela enganadora e por isso mesmo, face a todos os discursos antigos, a saída do lar familiar em direção ao laço social exigem uma nova construção identificatória. (1997, p. 102). Assim, o adolescente tem uma longa trajetória de mudanças, deparando-se com uma das primeiras barreiras que demarcarão o seu espaço social: a disputa, a luta por uma vaga (incluindo sua aceitação no mercado de trabalho, para a maioria que sequer passa por um vestibular). Ocorre então, nas palavras de Rassial, uma reconstrução do supereu, do ideal do eu e do eu ideal (1997, p. 108). O adolescente começa a recorrer às vozes que o incluirão no espaço pretendido, ou seja, à voz da ética, do politicamente correto, dos clamores sociais e das opiniões consideradas críticas. Crê, assim, que o seu supereu será o texto perfeito do ponto de vista social e estrutural; o ideal do eu será formado com base naqueles em quem se apóia, se espelha para escrever (o professor, o crítico do jornal, o escritor); e, por fim, o eu ideal estará no produto do seu trabalho, a redação final, composta por ele a partir das muitas vozes que o circundam. Pergunta-se, então: de quem são as palavras presentes em uma redação que visa à conquista de uma vaga na universidade? Ou ainda, as palavras de quem devem ser usadas para a obtenção do êxito?. 3. A Alteridade na Escrita A redação utilizada para a análise foi considerada acima da média no vestibular 2000 da UNICAMP, ou seja, analisou-se uma redação-padrão para que o estudo possa ir além da crítica aos modelos, observando, sobretudo, os processos que envolvem a busca do Outro na linguagem. A proposta iniciou-se da seguinte maneira: Em várias instâncias têm surgido iniciativas que podem resultar em uma nova política em relação à água, até hoje considerada um bem renovável à disposição dos usuários. Abaixo estão trechos de notícias relativamente recentes com informações sobre algumas dessas iniciativas. (Proposta de redação do vestibular da UNICAMP. Ano Extraída do site vest_anteriores. em 10 de out. de 2001). Os textos serão citados à medida que forem necessários à análise. Finalmente, a proposta: Redija uma carta a um deputado ou senador contrário à criação da Agência Nacional da Água (ANA). A carta deverá argumentar a favor da criação do novo órgão que, como a ANP, a ANATEL e a ANEEL, terá a finalidade de definir e supervisionar as políticas de um setor vital para a sociedade. Nessa carta, você deverá sugerir ao congressista pontos de um programa, a ser executado pela Agência Nacional da Água, programa que deverá incluir novas formas de controle. (Id. ibidem.) 57 57

3 SILVA, A. C. S. Antes mesmo de focar a redação propriamente dita, fazse necessário tecer alguns comentários acerca da proposta. Almeida (1986, p. 28) deixa claro em seu estudo que a proposta está intimamente ligada à redação, como uma relação de estímulo-resposta, ou seja, a proposta de uma redação, incluindo o tema, a maneira de apresentá-lo e as instruções para a elaboração do texto são um fator de extrema importância para a produção. Assim, se uma proposta não for bem elaborada, não se pode exigir uma produção clara; o próprio estilo de linguagem da proposta, seu grau de concisão, de objetividade, pode servir de parâmetro para a redação. A proposta citada inicia-se apresentando de uma maneira clara e concisa o tema geral da redação: as novas políticas em relação à água. Os textos, tirados de jornais, revistas e internet, abordam diferentes focos em relação ao assunto: o primeiro, fala a respeito da possibilidade da criação de uma agência de água no país; o segundo, acerca do consenso entre vários países quanto à não gratuidade da água a fim de evitar a escassez; o terceiro, fala da demora por parte dos legisladores em aprovar leis que protegeriam os recursos hídricos do país e, finalmente, o quarto texto, denuncia o protecionismo da lei para com aqueles que ocupam de forma ilegal as áreas de mananciais. Esses vários textos de teor não só informativo, mas também crítico, são vozes já fornecidas das quais o candidato pode e deve fazer uso em seu texto. Elas não constituem ali apenas um respaldo para a produção, mas ditam também os rumos ideológicos que devem ser seguidos. Assim, a sintonização do discurso por parte do candidato é, em um primeiro momento, automática e inconsciente. Isto pode ser observado inclusive na proposta propriamente dita. Em momento algum é proposto ao candidato dar a sua opinião, comentar acerca de, refletir a respeito de. Ao contrário, o que percebemos neste primeiro momento é que nesta situação de concurso, o conteúdo já está definido: REDIJA uma carta... A carta DEVERÁ argumentar A FAVOR DA... O órgão TERÁ a finalidade de... Você DEVERÁ sugerir pontos de um programa... O programa DEVERÁ incluir... O que leva a crer que o conteúdo - e não somente a estrutura - estão pré-definidos na proposta. Caberá ao candidato eficaz, organizar de modo inteligente e, porque não dizer também criativo, o texto que de antemão já lhe foi entregue. Ele irá, a partir da leitura da proposta, conjugar as vozes que lhe foram apresentadas a outras conhecidas, desde que sigam o mesmo cunho ideológico e que não contestem os rumos já delimitados. Vejamos, enfim, a redação: São Paulo, 28 de novembro de Senhor deputado Cezar Campos, Soube, por meio de jornais e revistas, que o senhor é contrário à criação da ANA (Agência Nacional de Água), alegando que seria mais um dos onerosos e espalhafatosos órgãos do governo. Como cidadã, concordo com o senhor: há inúmeros órgãos governamentais ineficientes e burocráticos. Porém, como Engenheira Sanitária, vejo a necessidade de intensificar as políticas de proteção ambiental de todas as maneiras possíveis. Certamente o senhor sabe da importância da água dentro de uma sociedade, não apenas para a saúde da população, mas também em termos econômicos. E, certamente, o senhor não é contrário à punição de quem faz mal uso desse bem, tais como indústrias pesadas e poluidoras. Há também grandes usuários que, mesmo sem poluir a água, fazem largo uso dela e isso, estando certo ou não, é uma grave agressão ao meio ambiente, e, portanto, merece também uma punição (taxas e tributos maiores do que os pagos por cidadãos comuns). Pois bem, a Lei já dá conta desse tipo de regulamentação, cobrando inclusive pesadas multas de quem polui e, em alguns casos, determinando a prisão em até cinco anos. Contudo, senhor Campos, sabemos que a lei é raramente cumprida, mesmo em se tratando de uma questão de vital importância e prioridade. Os órgãos governamentais tradicionais, quer por corrupção, quer por ineficiência, já não dão conta da fiscalização sequer que dirá da punição. É por razões como essas que a criação da ANA se faz urgente e necessária. A prioridade da ANA seria a fiscalização e punição, portanto. Funcionaria como uma espécie de órgão de defesa da água, estando subordinada diretamente ao Ministério do Meio Ambiente. A agência teria poder de ação tanto sobre a esfera pública quanto a privada, podendo multar, inclusive, programas governamentais que se mostrassem prejudiciais ao Meio Ambiente. Seus processos jurídicos deveriam ter prioridade em tribunais, ou então seriam julgados por juízes especiais, designados apenas para essa função, haja vista a importância da água como bem econômico, social e geopolítico o Brasil ainda não tem problemas com países vizinhos por conta de recursos hídricos, mas essa situação pode vir a ocorrer um dia. Por isso, é preciso que haja desde já conscientização. O governo não pode, tal como representante legítimo da sociedade, fechar os olhos aos abusos que vêm sendo cometidos em relação à água brasileira. Outro ponto importante da criação da ANA, e aparentemente o que mais causa a sua rechação à criação da agência, é a ineficiência das empresas estatais. Para burlar esse fato, a ANA deveria ser um órgão misto, do qual participariam governo, ONG s e representantes diretos de vários setores da sociedade. No caso da poluição dos mananciais, por exemplo, seriam feitas auditorias entre a ANA, ONG s e representantes da população que habita a região. Além disso, haveria ouvidorias para a denúncia de órgãos que estivessem utilizando mal os recursos hídricos. Essa me parece ser a maneira mais democrática e honesta para que a ANA possa realmente dar certo, sem se tornar onerosa e espalhafatosa. 58

4 Contudo, isso não basta para que a ANA dê certo. É necessária, antes de qualquer coisa, a conscientização da população acerca da importância e da limitação dos recursos hídricos. E o governo é o órgão mais indicado para esse projeto de reeducação ambiental. Nós, cidadãos conscientes, esperamos uma resposta séria de vocês, governantes e representantes da sociedade. C.B.M. Atenciosamente, (Redação classificada em primeiro lugar no vestibular da UNICAMP. Ano Extraída do site em 10 de out. de 2001). Na redação do vestibular, todo o escrito é elaborado visando à aprovação no teste. Mais do que em qualquer outra situação comunicativa, o ambiente competitivo desta prova leva o candidato a escrever aquilo que convém e não exatamente, aquilo que ele deseja. Sua redação é elaborada tendo em vista a expectativa de uma banca examinadora que já forneceu de antemão os caminhos que ele deve percorrer Reconstrução do eu e do outro na escrita escolar na produção de seu texto. Por isso, não se pode esperar que uma redação do vestibular seja uma obra inédita e original. A redação é voltada para um objetivo único: a aprovação e, por isso, não é um texto permanente. Ele é, por natureza, efêmero e pontual nasce no momento da prova e expira após a avaliação dada pela banca. Foucault (1998), ao falar acerca das dimensões do discurso, estabelece duas distinções. Primeiramente, distingue os discursos cotidianos - que desaparecem no próprio ato de sua enunciação -, daqueles que são ditos e permanecem, como, por exemplo, os textos religiosos, jurídicos, etc. Posteriormente, o autor diferencia os discursos fundamentais ou criadores dos discursos secundários, ou seja, aqueles baseados na repetição e no comentário. É por este último que podemos compreender a redação na situação do vestibular. Foucault afirma que no comentário, [...] o desnível entre o texto primeiro e o texto segundo desempenha dois papéis que são solidários. Por um lado permite construir (e indefinidamente) novos discursos, fundando uma possibilidade aberta de falar. Mas, por outro lado, o comentário não tem outro papel, sejam quais forem as técnicas empregadas, senão o de dizer enfim, o que estava articulado silenciosamente no texto primeiro.(1998, p ) O comentário pode ser observado na redação analisada quando a contrapomos com os textos da proposta: Quadro 1: Análise comparativa: texto da proposta X redação analisada 59 59

5 SILVA, A. C. S. Estes exemplos mostram que o candidato recorreu às palavras encontradas nos textos dados, para compor um novo texto. Diz-se novo, não no que se refere ao conteúdo, mas, no acontecimento do retorno dessas palavras que serviriam como armas estratégicas nesta situação de disputa, de concorrência. É importante lembrar que a redação escolhida para análise foi considerada acima da média pela banca examinadora. Tal fato mostra que o candidato conhecia o Outro que o avaliava, demonstrando tal habilidade não só por meio da apropriação das palavras dos textos fornecidos (que possuíam um teor tanto informativo quanto ideológico, como se mostrará à frente), mas também provando conhecer os pensamentos desse Outro. O candidato utilizou-se do discurso que acreditava ser o correto para a ocasião, ou seja, o discurso cuja ideologia já lhe havia sido passada de forma sutil nas propostas. Tal afirmação se fundamenta na observação de um texto fornecido (obviamente, depois das provas): pela banca examinadora no qual eram explicitadas as expectativas da banca quanto à redação. Com este material em mãos comparou-se a redação em análise com a expectativa da banca, constatando que as palavras da primeira correspondem às da segunda: Quadro 2: Comparação entre a expectativa da banca e a redação produzida Observa-se nos exemplos acima que o candidato correspondeu plenamente à expectativa da banca examinadora: ele usou as palavras desejadas por ela. Cremos que tal fato não se deu por coincidência ou simplesmente por força da lógica, do óbvio. O candidato, envolvido naquela situação de disputa, demonstrou conhecer bem as palavras do Outro que o provava e reconheceu a necessidade de utilizarse dessas palavras para alcançar êxito. Almeida, ao falar do uso de estereótipos nas redações, afirma: Não temos, geralmente, muita opção quando escrevemos. Incorremos com freqüência ao discurso requisitado, esperado, valorizado e aprovado (1986, p. 63). Afinal, é o discurso vigente, o discurso ideológico. Sendo assim, o candidato faz em seu discurso uma alusão à realidade, criando estereótipos de linguagem que, segundo Almeida (1986), podem corresponder ao pensamento, mas não à ação. Daí uma das constatações deste trabalho, de considerar que o texto produzido no vestibular é efêmero: ele não dá a conhecer quem o escreveu, uma vez que é composto por uma antologia de textos e palavras consideradas corretas, aceitáveis ; sua duração corresponderá ao tempo necessário para ser corrigido; sua finalidade não é informativa, persuasiva ou lúdica ele está ali para provar que sabe repetir com propriedade. Essas hipóteses são apoiadas também nas palavras de Foucault: A repetição indefinida dos comentários é trabalhada do interior pelo sonho de uma repetição disfarçada: em seu horizonte não há talvez nada além daquilo que já havia em seu ponto de partida, a simples recitação. (1998, p. 25) Resgatando a questão que norteia o trabalho proposto de quem são as palavras...? observou-se até aqui que na redação do vestibular estão muito presentes as palavras dos textos fornecidos e, principalmente, a ideologia da comissão organizadora presente na composição da proposta e confirmada nas expectativas da banca. Porém, outras palavras esti- 60

6 veram presentes na redação. Palavras vindas de um repertório ideológico do candidato, de um consenso sócio-cultural do qual compartilha. Bakhtin afirma que em todos os domínios da vida e da criação ideológica, nossa fala contém em abundância palavras de outrem, transmitidas com todos os graus variáveis de precisão e imparcialidade (1998, p. 139). A própria evolução ideológica é, segundo ele, um processo de escolha e de assimilação das palavras de outrem (1998, p. 142). Este processo pode ser percebido na redação analisada à medida que o candidato referia-se a questões políticas, judiciárias e científicas: Como cidadã, concordo com o senhor: há inúmeros órgãos governamentais ineficientes e burocráticos. (parágrafo 1); Os órgãos governamentais tradicionais, quer por corrupção, quer por ineficiência, já não dão conta da fiscalização [...] (parágrafo 3); O governo não pode, tal como representante legítimo da sociedade, fechar os olhos aos abusos que vêm sendo cometidos em relação à água brasileira. (parágrafo 5); [...] o que mais causa a sua rechação à criação da agência, é a ineficiência das empresas estatais. (parágrafo 6); Nós, cidadãos conscientes, esperamos uma resposta séria de vocês, governantes e representantes da sociedade. (parágrafo 9). Como se pode observar, a imagem do político e do governo brasileiro, segundo o candidato, não é nada positiva. O que perguntamos é se isso reflete uma consciência política legítima do candidato, ou se não são palavras ouvidas desde as rodas de conversa até os mais variados veículos de comunicação. Assim, por mais que o discurso anti-governista possa não se dar em vão, o seu propagar tornou-se uma linguagem estereotipada: criticar o governo confere ao indivíduo uma imagem intelectualizada, uma máscara de cidadão consciente. Para Bakhtin (1998, p. 142), o ensino de disciplinas verbais conhece duas modalidades básicas escolares da transmissão que assimila o de outrem: de cor e com suas próprias palavras. A palavra de cor é exemplificada nas existentes nos textos sagrados, científicos, contra os quais pelo menos a rigor - não há contestação. Se observarmos na redação analisada, as passagens que se referem ao problema ambiental que a falta de cuidados com a água pode trazer, não dão margem à discussão: são afirmações aceitas por ambas as partes como verdadeiras e inquestionáveis. Por outro lado, falar com nossas próprias palavras é, até certo ponto, [...] fazer um relato bivocal das palavras de outrem, [pois as nossas próprias palavras], não devem dissolver a originalidade das palavras alheias, trazendo consigo um caráter misto, reproduzindo nos lugares necessários o estilo e as expressões do texto transmitido (1998, p. 142). Essas duas definições ajudam-nos a compreender o processo de criação da redação analisada. Como já se observou nas passagens em que o candidato refere-se ao governo e aos políticos, o mesmo ocorre ao falar da lei: palavras que já foram cristalizadas na mente de toda uma população palavras que ele já trazia de cor, de memória : Reconstrução do eu e do outro na escrita escolar A lei é raramente cumprida (parágrafo 3). Tais palavras são encontradas em qualquer jornal ou revista que abrirmos quer nos dias atuais, quer nos textos da época: [...] o problema é que a Justiça sempre tomou partido dos dominantes [...] (Revista Istoé, 10/ 05/2000, p.35). Nesse mar de lama do judiciário o juiz tem vida curta. (Istoé, 17/05/2000 Cartas) Além de tais palavras já fazerem parte do universo ideológico do candidato o que já justificaria seu uso elas foram requeridas pela proposta: Enquanto os ambientalistas preocupam-se em mobilizar a opinião pública e sensibilizar os governos, os legisladores querem enquadrar os abusados nas normas da lei. (Texto 3) [...] quem permitiu essa ocupação? (dos mananciais). As prefeituras locais, sem dúvida, mas também a secretaria do meio ambiente, por falta de vigilância. (Texto 4) Nestes dois trechos é bem clara a oposição entre os ambientalistas no papel dos bons e dos políticos no papel de maus. Assim, observando os valores passados na proposta de redação, são características dos ambientalistas: ser favoráveis à criação da ANA (Agência nacional de água); contrários à ocupação dos mananciais e, por isso, vistos como bons cidadãos. Os políticos, por sua vez, são caracterizados negativamente devido às seguintes ações: chamam os ambientalistas de abusados ; não regulamentam as leis de proteção; usam a lei para o favorecimento próprio; são maus e corruptos. Desse modo, por meio de uma linha ideológica implícita sugerida pela banca, as palavras que levariam o candidato ao êxito já lhe foram dadas desde o início. Coube a ele combinálas às que já trazia consigo e estruturá-las de forma criativa. Para Bakhtin (1998), o homem torna-se livre ao humanizar o texto de memória, ou seja, ao mesclá-lo às suas próprias palavras. Apesar da posse das palavras de outrem, o candidato não ficou fora de seu texto. Ele reproduziu as palavras alheias no lugar e no momento necessários; na ocasião, nada, além disso, lhe era pedido. Assim, ao manipular os textos fornecidos e os que estavam cravados na sua consciência de mundo, ele os vivifica, criando um novo texto, múltiplo, plural e dialógico. 4. Considerações Finais [...] cada leitor reescreve o texto sem sair de sua literalidade, que não há original, porque não existe origem, e que não há definitivo, porque não há fim (...). Por isso, o leitor é o produto da diferença na repetição: porque repetindo o original faz presente o que tem de diferente, originalmente, no original. (LARROSA, apud ABREU, 2000, p. 135). As observações acima levam a pensar acerca da situação de um vestibulando em relação ao critério da originalidade. Observou-se que no momento de uma prova, o candidato não está em busca de palavras originais. Ele quer e necessita de palavras que lhe tragam êxito. Tais palavras pertencem justamente ao Outro: àquele ou àqueles que o estão provando no momento. Não nos referimos somente à banca 61 61

7 SILVA, A. C. S. examinadora, mas também a toda uma sociedade na qual o candidato adolescente está inserido e onde alcançará uma posição de destaque (a primeira talvez), caso seja aprovado. Assim, seu texto será igual a outros textos, mas também será diferente, porque a voz que agora enuncia e a situação para a qual enuncia, mudam o sentido do enunciado. O candidato desejou ser o Outro, falar as palavras do Outro e, assim, ser aceito por ele. Enfim, agindo dessa maneira, o candidato alcançou a diferença no interior daquela repetição. A sua redação não estava criticando políticos ou defendendo o meio ambiente. Ela dizia: sou capaz de escrever com minhas palavras as palavras que me foram exigidas; escrevi o que você escreveria, logo, mereço ser aprovado. Perguntamo-nos, de quem são as palavras...?. Nesse caso, são daquele que delas fez bom uso. Referências ALMEIDA, G. O Professor que não Ensina. São Paulo: Sumus, BAKHTIN, M. Questões de Literatura e Estética a Teoria do Romance. 4 a. ed. São Paulo: Hucitec, 1998 BARZOTTO, V.H. Prefácio. In: Estado de Leitura eitura. [s.l.]: ALB/Mercado de Letras, FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. São Paulo: Edição Loyola, LARROSA, J. (trad. Valdir Heitor Barzotto) Os Paradoxos da Repetição e a Diferença. Notas sobre o comentário de texto a partir de Foucault, Bakhtin e Borges. In: ABREU, M.. Leitura, História e História da Leitura eitura. [s.l.]: ALB/ Mercado de Letras, RASSIAL, J. J. A Passagem Adolescente Da Família ao Social. Porto Alegre: Artes e Ofícios Editora, Abstract This paper analyses the process of production of the text for the school writing. It tries to identify the voices of the speech in this type of text and questions the concept of originality in the school textual production. This work is based on Speech Analysis theory. Key words Originality, Scholar Text, Speech Analyses 62

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

O que há de diferente no Common Core? Susan Pimentel

O que há de diferente no Common Core? Susan Pimentel O que há de diferente no Common Core? Susan Pimentel 2 Menor número de parâmetros, mais exigentes e mais claros As deficiências mais comuns dos 3 parâmetros estaduais tradicionais Deficiência Familiar:

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Segredos da Redação Nota Mil

Segredos da Redação Nota Mil Lucas Martins Segredos da Redação Nota Mil Aprenda Como Utilizar Meu Método Testado e Aprovado e Aumente Suas Chances de Uma Boa Nota Índice Introdução... 5 Bem-vindo!... 5 Quem sou eu... 6 Por que você

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ED Comunicação e Expressão /2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 2 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

COLETÂNEA CONTINUA...

COLETÂNEA CONTINUA... Natal, 05 de abril de 2011 PROVA DE REDAÇÃO A prova de redação apresenta uma proposta de construção textual: uma CARTA ABERTA. Com a finalidade de auxiliá-lo(a) na compreensão prévia da temática em foco,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA A IMPORTÂNCIA DA LEITURA Quem não possui o hábito da leitura, precisa desenvolvê-lo, pois é difícil uma formação de qualidade sem muita leitura. Como você costuma selecionar seu material de leitura? O

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente?

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente? REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. ALUNA: KETLY LORRAINY R. DE OLIVEIRA PROFESSORA: MARIA PEREIRA DE CALDAS TEMA: CORRUPÇÃO : O QUE EU POSSO FAZER PARA COMBATE-LA

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

Trilha IV Internet e Direitos Humanos

Trilha IV Internet e Direitos Humanos Trilha IV Internet e Direitos Humanos Temas e Posicionamentos Exposições das(os) Painelistas Posicionamentos Cláudio Machado (APAI-CRVS Programa Africano p/ Fortalecimento Registro Civil, terceiro setor)

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FABIANO CONTARATO, brasileiro, solteiro, com 48 anos de idade, Delegado de Polícia Civil e Professor Universitário,

Leia mais

OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL

OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL Caro Monitor, A proposta desta oficina é conduzir o aluno ao exercício da escrita por meio de temas relacionados à Biologia. O presente material sugere diferentes temas para

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

Guia de Discussão. Como acabar com a. Corrupção? Projeto Democracia Deliberativa e o Papel das Universidades Públicas

Guia de Discussão. Como acabar com a. Corrupção? Projeto Democracia Deliberativa e o Papel das Universidades Públicas Guia de Discussão Como acabar com a Corrupção? Projeto Democracia Deliberativa e o Papel das Universidades Públicas :: Introdução :: Ela está aqui, em toda parte, nos jornais, TV, rádios e tem um efeito

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Por isso, é com grande satisfação que a equipe Emagis traz a público essa entrevista. Confira!

Por isso, é com grande satisfação que a equipe Emagis traz a público essa entrevista. Confira! Prestes a completar 30 anos de idade e 04 anos de magistratura federal, um dos juízes federais mais novos do Brasil, o Prof. Flávio Marcelo Sérvio Borges nos fala sobre a sua vitoriosa trajetória no mundo

Leia mais

DO SENADOR PEDRO TAQUES (PDT MT) Senhoras Senadoras e Senhores Senadores,

DO SENADOR PEDRO TAQUES (PDT MT) Senhoras Senadoras e Senhores Senadores, DO SENADOR PEDRO TAQUES (PDT MT) Senhor Presidente, Senhoras Senadoras e Senhores Senadores, cidadãos brasileiros que nos ouvem pelos veículos de comunicação do Senado Federal, No dia dezoito de março

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais

Redação CURSO E COLÉGIO TEXTO 1

Redação CURSO E COLÉGIO TEXTO 1 Redação CURSO E COLÉGIO TEXTO 1 Você e um grupo de colegas ganharam um concurso que vai financiar a realização de uma oficina cultural na sua escola. Após o desenvolvimento do projeto, você, como membro

Leia mais

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã?

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade O que isto significa? Tem implicações nas vidas das pessoas e organizações? Os cidadãos e os executivos estão comprometidos com isto? Surgem muitas organizações

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Capítulo I - Do direito à informação Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

OS DOCENTES E A PRÁTICA DO ENSINO DA ESCRITA: TENSÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA

OS DOCENTES E A PRÁTICA DO ENSINO DA ESCRITA: TENSÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA OS DOCENTES E A PRÁTICA DO ENSINO DA ESCRITA: TENSÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA ANATULA DA SILVA AXIOTELIS (UFRJ). Resumo Este trabalho é um desdobramento do artigo Indicadores objetivos de novas práticas

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

E-COMMERCE: implicações jurídicas das relações virtuais * : entrevista

E-COMMERCE: implicações jurídicas das relações virtuais * : entrevista E-COMMERCE: implicações jurídicas das relações virtuais * : entrevista RUY ROSADO DE AGUIAR JÚNIOR** Ministro do Superior Tribunal de Justiça O Ministro Ruy Rosado de Aguiar, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Entre cursos com maior reprovação estão pedagogia, jornalismo e turismo. Falta de leitura e hábitos gerados pela internet são fatores motivadores.

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente

PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente 1 PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente Os integrantes da comunidade acadêmica - professores-pesquisadores, técnicos especializados e estudantes devem produzir artigos técnico-científicos

Leia mais

Mitos e verdades sobre franquias. Fonte: Associação Bras. de Franchising e Guia Oficial de Franquias

Mitos e verdades sobre franquias. Fonte: Associação Bras. de Franchising e Guia Oficial de Franquias Mitos e verdades sobre franquias Fonte: Associação Bras. de Franchising e Guia Oficial de Franquias Bem informado, o futuro franqueado terá maiores possibilidades de fazer um bom negócio Administrar uma

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

COMO PASSAR NO VESTIBULAR EM 7497 CARACTERES*

COMO PASSAR NO VESTIBULAR EM 7497 CARACTERES* COMO PASSAR NO VESTIBULAR EM 7497 CARACTERES* *Este número é aproximado 15/02/2011 1ª edição 2 ÍNDICE Sobre o livro... 3 Orientações gerais... 4 Horários... 5 Exatas... 6 Português... 7 Redação... 8 Links

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

O financiamento da educação em três propostas de Plano Estadual de Educação

O financiamento da educação em três propostas de Plano Estadual de Educação O financiamento da educação em três propostas de Plano Estadual de Educação Publicado originalmente no Correio da Cidadania em 14 de agosto de 2015 Por Otaviano Helene Neste final de agosto, estão na Assembleia

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS 1 O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS Marília Résio LEMES 1 mariliaresio@hotmail.com RESUMO: O livro didático é um objeto de múltiplas facetas e, às vezes, trazem temas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Conselho de Arbitragem RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Abril /2013 1 / 4 1. INTRODUÇÃO O Futebol evolui consideravelmente nos últimos anos e a competitividade

Leia mais

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO - Gabarito

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO - Gabarito PROAC / COSEAC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2008 e 1 o semestre letivo de 2009 CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais.

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. 1 A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. Introdução Amanda Da Fonseca Cavalcanti &Isabely Fernandes Leão Nunes O ensino superior, incluso numa

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM Mayara Myrthes Henriques Santos Universidade Estadual da Paraíba, mayara.mhs@gmail.com RESUMO: O processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA ESCRITA

A EVOLUÇÃO DA ESCRITA A EVOLUÇÃO DA ESCRITA Percebemos a partir da observação das imagens exibidas no vídeo A EVOLUÇÃO DA ESCRITA que o homem sempre buscou muitas formas de transmitir pensamentos. O texto é uma das formas mais

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... 19 2. AUTOESTIMA... 23 2.1 Autoaceitação... 24 2.2 Apreço por si... 26

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS

Leia mais

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista.

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009. (Do Sr. Dep. Paulo Pimenta e outros) Altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

Internet: A Rede Revolução

Internet: A Rede Revolução Internet: A Rede Revolução A era da informação. Nunca se teve tanto acesso às notícias como agora. Nunca se recebeu tantas informações e fatos mundiais como hoje. As notícias chegam até nós de forma rápida,

Leia mais

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DENTRO DA SALA DE AULA: INTERVINDO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO EDUCADOR

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DENTRO DA SALA DE AULA: INTERVINDO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO EDUCADOR TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DENTRO DA SALA DE AULA: INTERVINDO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO EDUCADOR Fabiana Aparecida Somavilla Keli Cristina Calisto, URI Luana Nunes Hauch, URI Rudinei Moreira, URI Silvia Regina

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz Em abril de 2.000 Jack Welch - o executivo do século foi entrevistado pela Executive Focus International. Essa entrevista foi coberta com exclusividade pela revista brasileira HSM Management, edição de

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR

FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR Silvone Fernandes Melchior SILVA (PG-UFG) Silvia.melchior@hotmail.com Vânia Cristina Casseb

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO Elizabeth Christina Rodrigues Bittencourt, EE Rui Bloem e EE Alberto Levy. exrbittencourt@yahoo.com.br Introdução Nos

Leia mais