Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP)"

Transcrição

1 Incidência das doenças oncohematológicas no Brasil, com destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP) Maria do Rosario Dias de Oliveira Latorre Professora Titular Departamento de Epidemiologia Faculdade de Saúde Pública da USP

2 Onde obter dados sobre a incidência e mortalidade do câncer?

3 Estudos Epidemiológicos Descritivos: incidência, mortalidade e sobrevida. Registros de Câncer: base populacional: São Paulo, Jaú, Goiânia, Campinas, Fortaleza, Belém, Porto Alegre, Brasília, e outros. base hospitalar: H.Câncer; H. Sírio Libanês. Sistemas de Informação de Mortalidade (SIM/MS): Anuários do IARC.

4 TIPOS DE REGISTROS DE CÂNCER RC Base Hospitalar: Coleta todos os casos de um dado hospital, a ênfase é no cuidado clínico e a administração hospitalar. RC Base Populacional: É uma instituição que coleta informações sobre todos os casos novos de câncer de uma determinada área geográfica definida, através s de um processo contínuo nuo e sistemático tico de coleta.

5 RCBP MUNDO (n=449) IARC, 2009

6 REGISTRO DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL: Brasil * * Atualmente o Brasil conta com 28 Registros de Câncer de Base Populacional, com uma cobertura aproximada de 85% das capitais do país; INCA, 2008; LATORRE, 2001

7 Análise da proporção dos casos de câncer, segundo topografia : São Paulo

8 MASCULINO % (C44) Pele não melanoma 22,47 (C61) Próstata 19,16 (C18-20) Cólon-reto 7,75 (C33-C34) Pulmão 6,14 (C16) Estômago 5,56 (C66-C68) Bexiga 3,62 (C82-85,96) Linfomas não-hodgkin 2,65 (C32) Laringe 2,48 (C15) Esôfago 2,54 (C91-C95) Leucemias 1,77 Outras localizações 25,86 TOTAL 100

9 FEMININO % (C50) Mama 21,22 (C44) Pele não melanoma 21,29 (C18-20) Cólon e reto 7,34 (C73) Tireóide 5,66 (C53) Colo do útero 4,56 (C16) Estômago 3,07 (C33-C34) Pulmão 3,02 (C56) Ovário 2,53 (C54) Corpo do útero 2,14 (C82-85,96) Linfoma não-hodgkin 2,12 Outras localizações 27,04 TOTAL 100

10 Incidência de câncer hematológico em adolescentes e crianças Análise mundial e nacional

11

12

13

14

15

16

17

18 Incidência de câncer hematológico em adultos Análise mundial e nacional

19

20

21

22

23

24

25

26 COEFICIENTES MÉDIOS DE INCIDÊNCIA ANUAL BRUTO E PADRONIZADO (ASR) POR , SEGUNDO LOCALIZAÇÕES E SEXO 0 A 14 ANOS SÃO PAULO,

27 MASCULINO TX BRUTA* RCBP ASR(W) RCBP ASR(W) + ALTO ASR(W) + BAIXO Linfoma Hodgkin (C81) Linfoma Não Hodgkin (C82-85, C96) 12,0 12,0 12,0 14,0 Leucemias (C91-95) 56,0 60,0 32,0 Italy, Macerata Province ( ) 52,0 Uganda, Kyadondo (Kampala) ( ) 140,0 Kuwait: Non-Kuwaitis ( ) 1,0 Korea, Seoul ( ) 2,0 Germany, Mecklenburg ( ) 8,0 France, Doubs ( ) Por CI5 IX

28 FEMININO TX BRUTA RCBP ASR(W) RCBP Linfoma Hodgkin (C81) 5,0 5,0 Linfoma Não Hodgkin (C82-85, C96) 11,0 12,0 Leucemias (C91-95) 43,0 46,0 Por CI5 IX ASR(W) + ALTO 25,0 Italy, Syracuse Province ( ) 47,0 Spain, Cuenca ( ) 169,0 Kuwait: Non-Kuwaitis ( ) ASR(W) + BAIXO 1,0 Japan, Osaka Prefecture ( ) 1,0 USA, Michigan, Detroit: Black ( ) 0,7 Zimbabwe, Harare: African ( )

29 COEFICIENTES MÉDIOS DE INCIDÊNCIA ANUAL BRUTO E PADRONIZADO (ASR) POR , SEGUNDO LOCALIZAÇÕES E SEXO ADULTOS SÃO PAULO,

30 MASCULINO Linfoma Hodgkin (C81) Linfoma Não Hodgkin (C82-85, C96) Por homens CI5 IX TX BRUTA RCBP ASR(W) RCBP 2,5 2,5 10,4 12,4 Leucemias (C91-95) 7,2 8,1 ASR(W) + ALTO 6,9 Italy, Biella Province ( ) 18,9 USA, California, San Francisco: Non- Hispanic White ( ) 15,2 Italy, Biella Province ( ) ASR(W) + BAIXO 0,1 China, Nangang District, Harbin City ( ) 3,1 China, Nangang District, Harbin City ( ) 1,3 Uganda, Kyadondo (Kampala) ( )

31 FEMININO TX BRUTA RCBP ASR(W) RCBP Linfoma Hodgkin (C81) 2,0 1,8 ASR(W) + ALTO 4,5 Switzerland, Ticino ( ) ASR(W) + BAIXO 0,1 China, Nangang District, Harbin City ( ) Linfoma Não Hodgkin (C82-85, C96) 8,5 8,2 14,0 Israel: Jews ( ) 1,6 China, Jiashan ( ) Leucemias (C91-95) 6,4 6,4 Por mulheres CI5 IX 9,3 Italy, Varese Province ( ) 1,4 Uganda, Kyadondo (Kampala) ( )

32 Análise de tendência Leucemias e Linfomas em São Paulo INFANTIL ( )

33 Topografia IA-LEUCEMIAS LINFÓIDES IB-LEUCEMIAS MIELÓIDES AGUDAS IC-LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA ID-SÍNDROME MIELODISPLÁSICA E OUTRAS IE-LEUCEMIAS INESPECIF. IIA-LINFOMA DE HODGKIN IIB-LNH IIC-LINFOMA DE BURKITT IID-NEOP LINFORETICULARES MISTAS IIE-LINFOMAS INESPECIF. SEXO MASCULINO INCIDÊNCIA Modelo r 2 p Tendênci a y=36,0-1,90(ano-2003) 0,63 <0,001 Y=8,60-0,40(ano-2003) 0,42 0,007 Y=1,40-0,10(ano-2003) 0,01 0,878 Estável y=0,40+0,10(ano-2003) 0,38 0,011 Y=5,20-0,20(ano-2003) 0,06 0,199 Estável y=10,10-0,50(ano-2003) 0,40 0,09 y=11,30-0,40(ano-2003) 0,17 0,081 Estável y=4,90+0,10(ano-2003) 0,01 0,659 Estável y=1,40+0,10(ano-2003) 0,01 0,665 Estável y=2,90-0,30(ano-2003) 0,23 0,048

34

35 Topografia IA-LEUCEMIAS LINFÓIDES IB-LEUCEMIAS MIELÓIDES AGUDAS IC-LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA ID-SÍNDROME MIELODISPLÁSICA E OUTRAS IE-LEUCEMIAS INESPECIF. IIA-LINFOMA DE HODGKIN IIB-LNH IIC-LINFOMA DE BURKITT IID-NEOP LINFORETICULARES MISTAS IIE-LINFOMAS INESPECIF. SEXO FEMININO INCIDÊNCIA Modelo r 2 p Tendênci a y=26,90-1,70(ano-2003) 0,61 0,001 y=7,90-0,40(ano-2003) 0,20 0,062 Estável y=1,20-0,10(ano-2003) 0,01 0,667 Estável y=0,20+0,10(ano-2003) 0,01 0,713 Estável y=3,90-0,10(ano-2003) 0,01 0,932 Estável y=5,40-0,10(ano-2003) 0,01 0,496 Estável y=5,90-0,30(ano-2003) 0,15 0,092 Estável y=2,20-0,10(ano-2003) 0,01 0,934 Estável y=0,70-0,10(ano-2003) 0,22 0,051 Estável y=1,10+0,10(ano-2003) 0,01 0,664 Estável

36

37 Análise de tendência tumores do sistema linfático e hematopoiético ADULTOS ( )

38 Análise de tendência tumores do sistema linfático e hematopoiético ADULTOS ( ) sexo masculino Topografia INCIDÊNCIA Modelo r 2 p Tendênc ia MORTALIDADE Modelo r 2 p Tendência Linfoma Hodgkin (C81) y=2,96+0,01(ano- 2003) 0,0 1 0,902 Estável y=0,55-0,01(ano- 2003) 0,0 0,342 Estável 1 Linfoma Não Hodgkin (C82-85, C96) y=12,49-0,09(ano- 2003) 0,0 7 0,340 Estável y=4,54-0,01(ano- 2003) 0,0 0,639 Estável 1 Leucemias (C91-95) y=7,09-0,44(ano- 2003) 0,6 <0, y=5,04+0,06(ano- 2003) 0,3 2 0,021

39

40

41 Análise de tendência tumores do sistema linfático e hematopoiético ADULTOS ( ) - sexo feminino Topografia INCIDÊNCIA Modelo r 2 p Tendênci a MORTALIDADE Modelo r 2 p Tendênci a Linfoma Hodgkin (C81) y=2,47+0,01(ano-2003) 0,01 0,768 Estável y=0,38+0,01(ano-2003) 0,03 0,259 Estável Linfoma Não Hodgkin (C82-85, C96) y=10,45+0,01(ano-2003) 0,01 0,960 Estável y=3,87+0,04(ano-2003) 0,25 0,040 Leucemias (C91-95) y=5,79-0,31(ano-2003) 0,68 <0,001 y=4,15+0,04(ano-2003) 0,,48 0,003

42

43

44 Análise de sobrevida Tumores na infância

45 Taxas de sobrevida após 60 meses (%) Leucemias SP Goiânia Estônia Lituânia Namíbia Alemanha Itália Inglaterra França

46 Taxas de sobrevida após 60 meses (%) Linfomas SP Goiânia Estônia Lituânia Eslováquia Alemanha Itália Inglaterra Suiça

47 Análise Espacial

48 Características da cidade de SP Taxa de Alfabetização Índice de Desenvolvimento Humano

49 Linfoma de Hodgkin Feminino - adultos INCIDÊNCIA MORTALIDADE

50 Linfoma de Hodgkin Masculino - adultos INCIDÊNCIA MORTALIDADE

51 LNH Feminino - adultos INCIDÊNCIA MORTALIDADE

52 LNH Masculino - adultos INCIDÊNCIA MORTALIDADE

53 Leucemias Feminino - adultos INCIDÊNCIA MORTALIDADE

54 Leucemias Masculino - adultos INCIDÊNCIA MORTALIDADE

55 Agradecimentos

56

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil Estimativa 2014 Incidência de Câncer no Brasil Para que servem as Estimativas? Conhecer a magnitude dos principais tipos de câncer; Planejamento de ações e programas de controle; Definição de políticas

Leia mais

Sumário. Agradecimentos... 5. Prefácio... 7. Apresentação... 9. Introdução... 19

Sumário. Agradecimentos... 5. Prefácio... 7. Apresentação... 9. Introdução... 19 Sumário Agradecimentos............................ 5 Prefácio............................... 7 Apresentação............................. 9 Introdução............................. 19 Incidência...............................................................

Leia mais

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010 Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV Novembro/2010 O QUE É? Registro de Câncer de Base Populacional RCBP: são centros sistematizados de coleta, armazenamento, processamento

Leia mais

Vigilância do câncer no Canadá

Vigilância do câncer no Canadá 1 Vigilância do câncer no Canadá Apresentado por Howard Morrison, PhD Centro de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas Agência de Saúde Pública do Canadá O contexto canadense 2 Indivíduos 4% das mulheres

Leia mais

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva A situação do câncer no Brasil Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva O Brasil no Cenário do Câncer no Mundo Principais fatores determinantes Situação do Câncer no Brasil 1 Urbanização

Leia mais

IV. Resultados e Comentários

IV. Resultados e Comentários IV. Resultados e Comentários IV.1 Informações sobre a Incidência dos RCBP Brasileiros A seguir serão descritas informações sobre os 20 RCBP analisados, como área de cobertura equipe responsável e infra-estrutura,

Leia mais

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 SÉRIE TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE, BRUTAS E AJUSTADAS POR IDADE PELAS POPULAÇÕES MUNDIAL E BRASILEIRA, PARA TOPOGRAFIAS SELECIONADAS, ENTRE E SANTA CATARINA Taxas de mortalidade por câncer do estômago,

Leia mais

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q DISTRIBUIÇÃO DOS TUMORES DE COLO DE ÚTERO NAS MICRO- REGIÕES DA DRS-VI (BAURU) E CORRELAÇÃO COM O PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO HOSPITAL AMARAL CARVALHO (HAC) SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO

Leia mais

ALAGOAS ATLAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL 1979-1999

ALAGOAS ATLAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL 1979-1999 SÉRIE TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE, BRUTAS E AJUSTADAS POR IDADE PELAS POPULAÇÕES MUNDIAL E BRASILEIRA, PARA TOPOGRAFIAS SELECIONADAS, ENTRE E ALAGOAS Taxas de mortalidade por câncer do estômago,

Leia mais

ISSN: 2183-0746. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Oncológicas. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0746. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Oncológicas. www.dgs.pt ISSN: 2183-0746 Portugal Doenças Oncológicas em números 2013 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal

Leia mais

Magnitude do problema

Magnitude do problema Magnitude do problema CÂNCER NO MUNDO Ano No. de casos mortes vivos 2014 14 milhões 8,2 milhões 2030 27 milhões 17 milhões 75 milhões CÂNCER NO BRASIL Ano No. de casos mortes 2013 518 mil 184.073 2014

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

CÂNCER EM ADULTOS JOVENS (20-39 ANOS) EM FORTALEZA: TENDÊNCIAS EM INCIDÊNCIA, MORTALIDADE E SOBREVIDA, 1997-2006 MIREN MAITE URIBE ARREGI

CÂNCER EM ADULTOS JOVENS (20-39 ANOS) EM FORTALEZA: TENDÊNCIAS EM INCIDÊNCIA, MORTALIDADE E SOBREVIDA, 1997-2006 MIREN MAITE URIBE ARREGI CÂNCER EM ADULTOS JOVENS (20-39 ANOS) EM FORTALEZA: TENDÊNCIAS EM INCIDÊNCIA, MORTALIDADE E SOBREVIDA, 1997-2006 MIREN MAITE URIBE ARREGI Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação Interinstitucional

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER/CONPREV SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE / FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE / PRO-AIM FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P e Meio Ambiente Área de concentração: Epidemiologia Ambiental

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P e Meio Ambiente Área de concentração: Epidemiologia Ambiental Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P Sérgio S Arouca Mestrado em Saúde Pública P e Meio Ambiente Área de concentração: Epidemiologia Ambiental malignas entre beneficiários da Previdência

Leia mais

RRAS 15 DRS Campinas e São João da Boa Vista (Regiões de Saúde: Campinas, Oeste VII, Baixa Mogiana, Mantiqueira e Rio Pardo)

RRAS 15 DRS Campinas e São João da Boa Vista (Regiões de Saúde: Campinas, Oeste VII, Baixa Mogiana, Mantiqueira e Rio Pardo) Caracterização da assistência oncológica nas Redes Regionais de Atenção à Saúde no estado de São Paulo RRAS 15 DRS Campinas e São João da Boa Vista (Regiões de Saúde: Campinas, Oeste VII, Baixa Mogiana,

Leia mais

IncidênciadeCâncernoBrasil

IncidênciadeCâncernoBrasil ESTIMATIVA 2014 IncidênciadeCâncernoBrasil MinistériodaSaúde InstitutoNacionaldeCâncer JoséAlencarGomesdaSilva MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa

Leia mais

Coordenação de Epidemiologia e Informação

Coordenação de Epidemiologia e Informação Ano 2, Boletim 4 Janeiro de 2011 INCIDÊNCIA DE NEOPLASIAS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO EM 2008: ANÁLISE DOS DADOS DO REGISTRO DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL Introdução Metodologia Os Registros de Câncer de

Leia mais

Luiz Antonio Santini Rodrigues da Silva Diretor Geral INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

Luiz Antonio Santini Rodrigues da Silva Diretor Geral INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Prefácio No ano de 2007, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) completou exatos 70 anos de existência. Examinando-se mais detidamente a trajetória desta invulgar instituição de saúde pública, despontam

Leia mais

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas.

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. Tereza Giannini giannini.tereza@gmail.com sobenfee@sobenfee.org.br LESÕES NEOPLÁSICAS Lesões resistentes que se propagam no tecido epitelial devido

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012. Incidência de Câncer no Brasil

MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012. Incidência de Câncer no Brasil MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012 Incidência de Câncer no Brasil Rio de Janeiro, RJ 2011 2011 Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Incidência. 20 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

Incidência. 20 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil Introdução O câncer infanto-juvenil (abaixo de 19 anos) é considerado raro quando comparado com os tumores do adulto, correspondendo entre 2% e 3% de todos os tumores malignos. Estimativa realizada pelo

Leia mais

RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari, Extremo Oeste Paulista e Pontal Paranapanema)

RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari, Extremo Oeste Paulista e Pontal Paranapanema) Caracterização da assistência oncológica nas Redes Regionais de Atenção à Saúde no estado de São Paulo RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari,

Leia mais

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 EPIDEMIOLOGIA 9000 casos novos/ ano no Brasil Probabilidade de 0,3% de uma criança desenvolver câncer antes dos 20 anos 1/300 indivíduos

Leia mais

A importância dos Estudos longitudinais no Brasil para os serviços de saúde A contribuição dos Registros de Câncer

A importância dos Estudos longitudinais no Brasil para os serviços de saúde A contribuição dos Registros de Câncer A importância dos Estudos longitudinais no Brasil para os serviços de saúde A contribuição dos Registros de Câncer Gulnar Azevedo e Silva Mendonça Coordenação de Prevenção e Vigilância Instituto Nacional

Leia mais

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. COORDENADOR Prof a. Dr a. Denise Siqueira de Carvalho AUTOR

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Ministério da Saúde José Saraiva Felipe Secretaria de Atenção à Saúde José Gomes Temporão Instituto

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO "INVASIVA"

CÂNCER DE MAMA: A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO INVASIVA 1 CÂNCER DE MAMA: A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO "INVASIVA" RESUMO: NESTE ESTUDO VISA-SE ANALISAR E DISCUTIR DOIS ASPECTOS RELACIONADOS À COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO DA SAÚDE DA MULHER, EM ESPECIAL O CÂNCER DE

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 1990 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves Secretaria Municipal da Saúde

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

DHIANCARLO GEISER. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina.

DHIANCARLO GEISER. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina. DHIANCARLO GEISER INCIDÊNCIA E PERFIL DEMOGRÁFICO DAS NEOPLASIAS UROGENITAIS NA ÁREA DE COBERTURA DO REGISTRO DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL DA GRANDE FLORIANÓPOLIS, NO ANO 2000 Trabalho apresentado à

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por Perfil epidemiológico de mortalidade por NEOPLASIAS Porto Alegre 1996-2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS ESTIMATIVAS DE CÂNCER SNC NAS REGIÕES DO BRASIL. Av. Prof. Luís Freire, 1000, Recife/PE, 50740-540, 2

COMPARAÇÃO DAS ESTIMATIVAS DE CÂNCER SNC NAS REGIÕES DO BRASIL. Av. Prof. Luís Freire, 1000, Recife/PE, 50740-540, 2 X Congreso Regional Latinoamericano IRPA de Protección y Seguridad Radiológica Radioprotección: Nuevos Desafíos para un Mundo en Evolución Buenos Aires, 12 al 17 de abril, 2015 SOCIEDAD ARGENTINA DE RADIOPROTECCIÓN

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

IncidênciadeCâncernoBrasil

IncidênciadeCâncernoBrasil ESTIMATIVA 2016 IncidênciadeCâncernoBrasil MinistériodaSaúde InstitutoNacionaldeCâncer JoséAlencarGomesdaSilva MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa

Leia mais

Queda da mortalidade por câncer em crianças as nas capitais de estados do Brasil, 1980-2005

Queda da mortalidade por câncer em crianças as nas capitais de estados do Brasil, 1980-2005 Queda da mortalidade por câncer em crianças as nas capitais de estados do Brasil, 1980-2005 Luiz Augusto Marcondes Fonseca e José Eluf Neto Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

A pesquisa clínica no combate ao câncer de mama. Dra. Cláudia Vasconcelos Executiva de Operações

A pesquisa clínica no combate ao câncer de mama. Dra. Cláudia Vasconcelos Executiva de Operações A pesquisa clínica no combate ao câncer de mama Dra. Cláudia Vasconcelos Executiva de Operações Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON) 2 Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Estatísticas do Melanoma no Brasil

Estatísticas do Melanoma no Brasil Estatísticas do Melanoma no Brasil Dr Elimar Gomes Núcleo de Câncer de Pele AC Camargo Cancer Center São Paulo/SP Melanoma no mundo Tendência de aumento global da doença Incidência Prevalência OS 20 PAÍSES

Leia mais

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância Seminário de 20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça Coordenação de Prevenção e Vigilância Magnitude do problema Câncer é a segunda causa de morte no Brasil. Mortalidade por câncer vem aumentando,

Leia mais

Presidente do Conselho de Administração do Centro de Oncologia dos Açores Dr. Raul Rego Centro de Oncologia dos Açores

Presidente do Conselho de Administração do Centro de Oncologia dos Açores Dr. Raul Rego Centro de Oncologia dos Açores Presidente do Conselho de Administração do Centro de Oncologia dos Açores Dr. Raul Rego Centro de Oncologia dos Açores Coordenador Científico do RORA Prof. Doutor Vítor Rodrigues Faculdade de Medicina

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA GLOBAL. Doentes diagnosticados em IPO Porto

SOBREVIVÊNCIA GLOBAL. Doentes diagnosticados em IPO Porto BREVIVÊNCIA GLOBAL Doentes diagnosticados em 2000-2001 IPO Porto Porto, 2012 BREVIVÊNCIA GLOBAL Doentes diagnosticados em 2000-2001 IPO Porto CONTRIBUTOS Presidente do Conselho de Administração do IPO

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

MARIA DO ROSARIO DIAS DE OLIVEIRA LATORRE CÂNCER EM GOIÂNIA: ANÁLISE DA INCIDÊNCIA E DA MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1988 A 1997

MARIA DO ROSARIO DIAS DE OLIVEIRA LATORRE CÂNCER EM GOIÂNIA: ANÁLISE DA INCIDÊNCIA E DA MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1988 A 1997 MARIA DO ROSARIO DIAS DE OLIVEIRA LATORRE CÂNCER EM GOIÂNIA: ANÁLISE DA INCIDÊNCIA E DA MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1988 A 1997 Tese apresentada à Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA GLOBAL. Doentes diagnosticados em IPO Porto

SOBREVIVÊNCIA GLOBAL. Doentes diagnosticados em IPO Porto BREVIVÊNCIA GLOBAL Doentes diagnosticados em 2005-2006 IPO Porto Porto, 2012 BREVIVÊNCIA GLOBAL Doentes diagnosticados em 2005-2006 IPO-Porto CONTRIBUTOS Presidente do Conselho de Administração do IPO

Leia mais

RRAS 12 DRS Araçatuba e São José do Rio Preto

RRAS 12 DRS Araçatuba e São José do Rio Preto Caracterização da assistência oncológica nas Redes Regionais de Atenção à Saúde no estado de São Paulo RRAS 12 DRS Araçatuba e São José do Rio Preto (Regiões de Saúde: Central do DRSII, Dos Lagos do DRSII,

Leia mais

Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP

Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP Departamento de Saúde Pública/ARS Centro ENSP Lisboa 7/12/2012 1 Declaração de Alma-Ata (1978) OMS lançou o movimento em 1977 Estratégias

Leia mais

ESTIMATIVA DE INCIDÊNCIA E TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER EM RIO BRANCO, AC

ESTIMATIVA DE INCIDÊNCIA E TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER EM RIO BRANCO, AC UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO DESPORTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA JULIANO DE PÁDUA NAKASHIMA ESTIMATIVA DE INCIDÊNCIA E TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE

Leia mais

Situação do câncer em Minas Gerais e suas macrorregiões de saúde

Situação do câncer em Minas Gerais e suas macrorregiões de saúde Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais Programa de Avaliação e Vigilância do Câncer e seus fatores de risco de Minas Gerais Situação do câncer em Minas Gerais e suas macrorregiões de saúde Estimativas

Leia mais

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul Taxa de alfabetização 97,2 86,7 88,6 95,7 92,8 91,0 93,2 87,9

Leia mais

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR!

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! Serviço de OncoHematologia do HIJG DIA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil (lei

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

Assunto: Atendimento a pacientes corn Neoplastia Maligna pelo SUS.

Assunto: Atendimento a pacientes corn Neoplastia Maligna pelo SUS. ESTADO OE SAO PAULO - BRASIL Prefeitura Municipal de Limeira Gabinete do Prefeito A / C"tAh S LA DASASS 0EaJlt/ Limeira, 16 de outubro de 2014. OF. CM. n 2718/2014 A Sua Excelencia o Senhor RONEI COSTA

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

Tiragem 10.000 exemplares

Tiragem 10.000 exemplares 2008, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem 10.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

AUDITORIA AMBULATORIAL - SUS

AUDITORIA AMBULATORIAL - SUS AUDITORIA AMBULATORIAL - SUS Nome do Palestrante: José dos Santos Titulação: Médico Especialista em Saúde Pública Auditor Responsável pelo Componente Municipal de Auditoria em Saúde de São Paulo/SP Auditoria

Leia mais

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE Monitoramento da mortalidade do município de Campinas BOLETIM DE MORTALIDADE Breve Histórico O projeto de monitoramento da mortalidade de Campinas foi iniciado

Leia mais

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide SUBSTÂNCIA LOCALIZAÇÃO INDICAÇÃO Acetato de Abiraterona Anastrozol Bicalutamida Bussulfano Metastático resistente à castração em homens que receberam quimioterapia prévia com docetaxel Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA March 13-15, 2014 13 a 15 de março de 2014 SCIENTIFIC COMMITTEE / COMITÊ CIENTÍFICO Dr. Celso Arrais Dr. Vanderson

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância, Segunda Edição

Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância, Segunda Edição Anexos Anexo 1. Classificação Internacional do Câncer Infantil segundo Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) (KRAMÁOVÁ e STILLER, 1996) Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância,

Leia mais

Pesquisa. Ações Nacionais de Pesquisa

Pesquisa. Ações Nacionais de Pesquisa Pesquisa O câncer vem apresentando prevalência crescente na população brasileira. Exige, portanto, ações estratégicas no âmbito da atenção oncológica, que envolvem a busca de incentivo à pesquisa nas áreas

Leia mais

RadRisk Brasil Programa de projeção de risco de câncer em populações expostas à radiação Aplicações em cenários de pós-acidente no Brasil

RadRisk Brasil Programa de projeção de risco de câncer em populações expostas à radiação Aplicações em cenários de pós-acidente no Brasil RadRisk Brasil Programa de projeção de risco de câncer em populações expostas à radiação Aplicações em cenários de pós-acidente no Brasil Lene H.S. Veiga, PhD Epidemiologista das Radiações Instituto de

Leia mais