Sumário. Agradecimentos Prefácio Apresentação Introdução... 19

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário. Agradecimentos... 5. Prefácio... 7. Apresentação... 9. Introdução... 19"

Transcrição

1 Sumário Agradecimentos Prefácio Apresentação Introdução Incidência Mortalidade Sobrevida I. Características do câncer da criança e do adolescente, segundo a classificação de tumores infantis II. Material e Métodos II.1 Fontes de Informação II.1a Registros de Câncer II.1b Sistema de Informação sobre Mortalidade II.1c Referência Populacional II.2 Métodos estatísticos III. Indicadores de Qualidade IV. Resultados e Comentários IV.1 Informações sobre a Incidência dos RCBP Brasileiros IV.2 Informações sobre a Mortalidade V. Considerações finais VI. Referências Anexos Anexo Anexo Apêndice

2 Lista de Tabelas Tabela 1. População padrão mundial Tabela 2. Indicadores de Qualidade dos Dados dos Registros de Câncer de Base Populacional (RCBP) Tabela 3. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1996 a Tabela 4. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Aracaju, 1996 a Tabela 5. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Aracaju, 1996 a Tabela 6. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1997 a Tabela 7. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Belém e Ananindeua, 1997 a Tabela 8. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Belém e Ananindeua, 1997 a Tabela 9. População de risco por sexo, segundo faixa etária,para o período de 2000 a Tabela 10. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Belo Horizonte, 2000 a Tabela 11. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Belo Horizonte, 2000 a Tabela 12. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1991 a Tabela 13. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Campinas, 1991 a Tabela 14. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Campinas, 1991 a Tabela 15. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 2000 a Tabela 16. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Campo Grande, 2000 a Tabela 17. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Campo Grande, 2000 a Tabela 18. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 2000 a Tabela 19. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Cuiabá e Várzea Grande, 2000 a Tabela 20. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, Cuiabá e Várzea Grande, 2000 a Tabela 21. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1998 a Tabela 22. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Curitiba, 1998 a Tabela 23. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Curitiba, 1998 a Tabela 24. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1999 a Tabela 25. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP do Distrito Federal, 1999 a Tabela 26. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP do Distrito Federal, 1999 a Tabela 27. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1998 a Tabela 28. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Fortaleza, 1998 a Tabela 29. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Fortaleza, 1998 a Tabela 30. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1999 a Tabela 31. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Goiânia, 1999 a Tabela 32. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Goiânia, 1999 a Tabela 33. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 2000 a Tabela 34. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Jaú, 2000 a Tabela 35. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Jaú, 2000 a

3 Tabela 36. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 2000 a Tabela 37. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de João Pessoa, 2000 a Tabela 38. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de João Pessoa, 2000 a Tabela 39. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1999 a Tabela 40. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Manaus, 1999 a Tabela 41. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Manaus, 1999 a Tabela 42. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de Tabela 43. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Natal, 1998 a Tabela 44. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Natal, 1998 a Tabela 45. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 2000 a Tabela 46. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Palmas, 2000 a Tabela 47. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Palmas, 2000 a Tabela 48. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1998 a Tabela 49. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Porto Alegre, 1998 a Tabela 50. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Porto Alegre, 1998 a Tabela 51. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1997 a Tabela 52. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Recife, 1997 a Tabela 53. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Recife, 1997 a Tabela 54. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1998 a Tabela 55. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Salvador, 1998 a Tabela 56. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Salvador, 1998 a Tabela 57. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o período de 1998 a Tabela 58. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de São Paulo, 1998 a Tabela 59. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de São Paulo, 1998 a Tabela 60. População de risco por sexo, segundo faixa etária, para o ano de Tabela 61. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, RCBP de Vitória, Tabela 62. Incidência por tipo de câncer, valor absoluto, taxas bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, segundo o sexo, RCBP de Vitória, Tabela 63. Taxas de incidência por câncer, específica, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes (0-18 anos), segundo o RCBP e período de referência Tabela 64. Dez principais causas de morte por sexo, segundo faixa etária, Brasil, 2001 a Tabela 65. Dez principais causas de morte por sexo, segundo faixa etária, região norte, 2001 a Tabela 66. Dez principais causas de morte por sexo, segundo faixa etária, região nordeste, 2001 a Tabela 67. Dez principais causas de morte por sexo, segundo faixa etária, região centro-oeste, 2001 a Tabela 68. Dez principais causas de morte por sexo, segundo faixa etária, região sudeste, 2001 a Tabela 69. Dez principais causas de morte por sexo, segundo faixa etária, região sul, 2001 a Tabela 70. Dez principais causas de morte por faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 71. Percentual dos óbitos por causas mal definidas, Brasil e regiões, 1979 a Tabela 72. Taxas médias de mortalidade por câncer, específicas, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 73. Cinco principais causas de morte por câncer, faixa etária e sexo, Brasil, 2001 a

4 Tabela 74. Taxas médias de mortalidade por leucemias, específica, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 75. Taxas médias de mortalidade por doença de Hodgkin, específica, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 76. Taxas médias de mortalidade por linfoma não-hodgkin, específica, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 77. Taxas médias de mortalidade por tumor maligno de SNC, específica, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 78. Taxas médias de mortalidade por câncer de olho, específicas, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 79. Taxas médias de mortalidade por câncer de rim, específica, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 80. Taxas médias de mortalidade por câncer de osso, específica, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 81. Taxas médias de mortalidade por sarcoma de partes moles, específica, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 82. Taxas médias de mortalidade por outros tipos de câncer, específica, bruta e ajustada por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 2001 a Tabela 83. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por câncer segundo sexo, Brasil e regiões, 1979 a Tabela 84. Indicadores Demográficos Tabela 85. Indicadores de Recursos Tabela 86. Indicadores de Cobertura Tabela 87. Indicadores Socioeconômicos Tabela 88. Distribuição percentual e população, por sexo para crianças e adolescentes, Brasil e Lista de Figuras Figura 1. Distribuição populacional* de Aracaju Figura 2. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Aracaju, 1996 a Figura 3. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Aracaju, 1996 a Figura 4. Distribuição populacional* de Belém e Ananindeua Figura 5. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Belém e Ananindeua, 1997 a Figura 6. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Belém e Ananindeua, 1997 a Figura 7. Distribuição populacional* de Belo Horizonte Figura 8. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Belo Horizonte, 2000 a Figura 9. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Belo Horizonte, 2000 a Figura 10. Distribuição populacional* de Campinas Figura 11. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Campinas, 1991 a Figura 12. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Campinas, 1991 a Figura 13. Distribuição populacional* de Campo Grande Figura 14. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Campo Grande, 2000 a Figura 15. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Campo Grande, 2000 a Figura 16. Distribuição populacional* de Cuiabá e Várzea Grande Figura 17. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Cuiabá e Várzea Grande, 2000 a Figura 18. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Cuiabá e Várzea Grande, 2000 a Figura 19. Distribuição populacional* de Curitiba Figura 20. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Curitiba, 1998 a Figura 21. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Curitiba, 1998 a Figura 22. Distribuição populacional* do Distrito Federal Figura 23. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Distrito Federal, 1999 a Figura 24. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Distrito Federal, 1999 a Figura 25. Distribuição populacional* de Fortaleza Figura 26. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Fortaleza, 1998 a Figura 27. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Fortaleza, 1998 a Figura 28. Distribuição populacional* de Goiânia Figura 29. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Goiânia, 1999 a

5 Figura 30. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Goiânia, 1999 a Figura 31. Distribuição populacional* de Jaú Figura 32. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Jaú, 2000 a Figura 33. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto - juvenil, Jaú, 2000 a Figura 34. Distribuição populacional* de João Pessoa Figura 35. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, João Pessoa, 2000 a Figura 36. Distribuição percentual da incidência por tipo de Câncer infanto-juvenil, João Pessoa, 2000 a Figura 37. Distribuição populacional* de Manaus Figura 38. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Manaus, 1999 a Figura 39. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Manaus, 1999 a Figura 40. Distribuição populacional* de Natal Figura 41. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Natal, 1998 a Figura 42. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Natal, 1998 a Figura 43. Distribuição populacional* de Palmas Figura 44. Distribuição populacional* de Porto Alegre Figura 45. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Porto Alegre, 1998 a Figura 46. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Porto Alegre, 1998 a Figura 47. Distribuição populacional* de Recife Figura 48. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Recife, 1997 a Figura 49. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Recife, 1997 a Figura 50. Distribuição populacional* de Salvador Figura 51. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Salvador, 1998 a Figura 52. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Salvador, 1998 a Figura 53. Distribuição populacional* de São Paulo Figura 54. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, São Paulo, 1998 a Figura 55. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, São Paulo, 1998 a Figura 56. Distribuição populacional* de Vitória Figura 57. Número de casos por tipo de câncer infanto-juvenil, segundo a faixa etária, Vitória, Figura 58. Distribuição percentual da incidência por tipo de câncer infanto-juvenil, Vitória, Figura 59. Distribuição das taxas médias de incidência de leucemias (Grupo I), ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, por sexo, segundo o RCBP e período de referência Figura 60. Distribuição das taxas médias de incidência de linfomas (Grupo II), ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, por sexo, segundo o RCBP e período de referência Figura 61. Distribuição das taxas médias de incidência de tumor de SNC (Grupo III), ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, por sexo, segundo o RCBP e período de referência Figura 62. Distribuição das taxas médias de incidência de tumor de sistema nervoso simpático periférico (Grupo IV),. ajustadas por idade*, por de crianças e adolescentes, por sexo, segundo o RCBP e período de referência Figura 63. Distribuição das taxas médias de incidência de retinoblastoma (Grupo V), ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, por sexo, segundo o RCBP e período de referência Figura 64. Distribuição das taxas médias de incidência de tumores renais (Grupo VI), ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, por sexo, segundo o RCBP e período de referência Figura 65. Distribuição das taxas médias de incidência de tumores ósseos malignos (Grupo VIII),. ajustadas por idade*, por de crianças e adolescentes, por sexo, segundo o RCBP e período de referência Figura 66. Distribuição das taxas médias de incidência de sarcoma de partes moles (Grupo IX), ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, por sexo, segundo o RCBP e período de referência Figura 67. Distribuição das taxas de incidência de carcinoma e outras neoplasias malignas epiteliais (Grupo XI),. ajustadas por idade* por de crianças e adolescentes, por sexo, segundo o RCBP e período de referência Figura 68. Percentual dos óbitos por causas mal definidas, Brasil e regiões, 1979 a Figura 69. Taxas de mortalidade por câncer, ajustadas por idade*, por de crianças e adolescentes,. Brasil e regiões, 1979 a Figura 70. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por câncer e sexo, Brasil e regiões, 1979 a Figura 71. Distribuição percentual da mortalidade por tipo de câncer e faixa etária, Brasil, 2001 a Figura 72. Distribuição das taxas médias específicas de mortalidade por leucemia, por de crianças e. adolescentes, segundo faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Figura 73. Taxas de mortalidade por leucemia, ajustadas por idade*, por de crianças e adolescentes,. Brasil e regiões, 1979 a Figura 74. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por leucemia e sexo, Brasil e regiões, 1979 a

6 Figura 75. Distribuição das taxas médias específicas de mortalidade por doença de Hodgkin, por de crianças e. adolescentes, segundo faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Figura 76. Taxas de mortalidade por doença de Hodgkin, ajustadas por idade*, por de crianças e adolescentes,. Brasil e regiões, 1979 a Figura 77. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por doença de Hodgkin e sexo, Brasil e regiões, 1979 a Figura 78. Distribuição das taxas médias específicas de mortalidade por linfoma não-hodgkin,. por de crianças e adolescentes, segundo faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Figura 79. Taxas de mortalidade por linfoma não-hodgkin, ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 1979 a Figura 80. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por linfoma não-hodgkin e sexo, Brasil e regiões, 1979 a Figura 81. Distribuição das taxas médias específicas de mortalidade por tumor maligno de SNC,. por de crianças e adolescentes, segundo faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Figura 82. Taxas de mortalidade por tumor maligno de SNC, ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 1979 a Figura 83. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por tumor maligno de SNC e sexo, Brasil e regiões, 1979 a Figura 84. Distribuição das taxas médias específicas de mortalidade por câncer de olho,. por de crianças e adolescentes, segundo faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Figura 85. Taxas de mortalidade por câncer de olho, ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 1979 a Figura 86. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por câncer de olho e sexo, Brasil e regiões, 1979 a Figura 87. Distribuição das taxas médias específicas de mortalidade por câncer de rim,. por de crianças e adolescentes, segundo faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Figura 88. Taxas de mortalidade por câncer de rim, ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 1979 a Figura 89. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por câncer de rim e sexo, Brasil e regiões, 1979 a Figura 90. Distribuição das taxas médias específicas de mortalidade por câncer de osso,. por de crianças e adolescentes, segundo faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Figura 91. Taxas de mortalidade por câncer de osso, ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 1979 a Figura 92. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por câncer de osso e sexo, Brasil e regiões, 1979 a Figura 93. Distribuição das taxas médias específicas de mortalidade por sarcoma de partes moles,. por de crianças e adolescentes, segundo faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Figura 94. Taxas de mortalidade por sarcoma de partes moles, ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 1979 a Figura 95. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por sarcoma de partes moles e sexo, Brasil e regiões, 1979 a Figura 96. Distribuição das taxas médias específicas de mortalidade por outros tipos de câncer,. por de crianças e adolescentes, segundo faixa etária, Brasil e regiões, 2001 a Figura 97. Taxas de mortalidade por outros tipos de câncer, ajustadas por idade*,. por de crianças e adolescentes, Brasil e regiões, 1979 a Figura 98. Variação Percentual Anual Estimada (EAPC), por outros tipos de câncer e sexo, Brasil e regiões, 1979 a

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010 Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV Novembro/2010 O QUE É? Registro de Câncer de Base Populacional RCBP: são centros sistematizados de coleta, armazenamento, processamento

Leia mais

Tiragem 10.000 exemplares

Tiragem 10.000 exemplares 2008, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem 10.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

Luiz Antonio Santini Rodrigues da Silva Diretor Geral INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

Luiz Antonio Santini Rodrigues da Silva Diretor Geral INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Prefácio No ano de 2007, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) completou exatos 70 anos de existência. Examinando-se mais detidamente a trajetória desta invulgar instituição de saúde pública, despontam

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil Estimativa 2014 Incidência de Câncer no Brasil Para que servem as Estimativas? Conhecer a magnitude dos principais tipos de câncer; Planejamento de ações e programas de controle; Definição de políticas

Leia mais

Tabela 11 - Capacidade total de hóspedes, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais - 2011

Tabela 11 - Capacidade total de hóspedes, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais - 2011 segundo os - 2011 Total Suítes Apartamentos Quartos (continua) Chalés Total 554 227 92 908 442 600 15 526 3 193 Porto Velho 5 028 293 4 569 104 62 Rio Branco 2 832 30 2 779 23 - Manaus 14 212 1 349 12

Leia mais

IV. Resultados e Comentários

IV. Resultados e Comentários IV. Resultados e Comentários IV.1 Informações sobre a Incidência dos RCBP Brasileiros A seguir serão descritas informações sobre os 20 RCBP analisados, como área de cobertura equipe responsável e infra-estrutura,

Leia mais

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q DISTRIBUIÇÃO DOS TUMORES DE COLO DE ÚTERO NAS MICRO- REGIÕES DA DRS-VI (BAURU) E CORRELAÇÃO COM O PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO HOSPITAL AMARAL CARVALHO (HAC) SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Perfil de bancas de jornal e revistas no Brasil

Perfil de bancas de jornal e revistas no Brasil CONFIDENCIAL Perfil de bancas de jornal e revistas no Brasil Setembro de 2010 Este documento é para uso exclusivo do cliente. Nenhuma de suas partes pode ser veiculada, transcrita ou reproduzida para distribuição

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS ESTIMATIVAS DE CÂNCER SNC NAS REGIÕES DO BRASIL. Av. Prof. Luís Freire, 1000, Recife/PE, 50740-540, 2

COMPARAÇÃO DAS ESTIMATIVAS DE CÂNCER SNC NAS REGIÕES DO BRASIL. Av. Prof. Luís Freire, 1000, Recife/PE, 50740-540, 2 X Congreso Regional Latinoamericano IRPA de Protección y Seguridad Radiológica Radioprotección: Nuevos Desafíos para un Mundo en Evolución Buenos Aires, 12 al 17 de abril, 2015 SOCIEDAD ARGENTINA DE RADIOPROTECCIÓN

Leia mais

2004, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

2004, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 2004, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Ministério da Saúde Humberto Costa Secretaria de Atenção à Saúde Jorge Solla Instituto Nacional

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP)

Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP) Incidência das doenças oncohematológicas no Brasil, com destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP) Maria do Rosario Dias de Oliveira Latorre Professora Titular

Leia mais

Resposta Imune contra o Câncer

Resposta Imune contra o Câncer Câncer é um termo genérico, que compreende em torno de 200 doenças, cujas células causadoras partilham algumas características em comum: Mutações genéticas; Crescimento descontrolado; Capacidade de migração

Leia mais

Situação de saúde Indicadores de mortalidade por causas

Situação de saúde Indicadores de mortalidade por causas Ind020209 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

Leia mais

IncidênciadeCâncernoBrasil

IncidênciadeCâncernoBrasil ESTIMATIVA 2016 IncidênciadeCâncernoBrasil MinistériodaSaúde InstitutoNacionaldeCâncer JoséAlencarGomesdaSilva MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa

Leia mais

Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas. Dr. Carlos Alberto Menossi

Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas. Dr. Carlos Alberto Menossi Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas Dr. Carlos Alberto Menossi Câncer de Mama É o que mais causa morte entre as mulheres Estima-se em torno de 52 casos para 100.000 mulheres para 2012 (INCA/MS)

Leia mais

Incidência. 20 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

Incidência. 20 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil Introdução O câncer infanto-juvenil (abaixo de 19 anos) é considerado raro quando comparado com os tumores do adulto, correspondendo entre 2% e 3% de todos os tumores malignos. Estimativa realizada pelo

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER/CONPREV SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE / FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE / PRO-AIM FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Ano 6 Fevereiro 2014 12. Boa leitura!

Ano 6 Fevereiro 2014 12. Boa leitura! Ano 6 Fevereiro Desde, os casos de suspeita de câncer infantojuvenil têm um caminho certeiro na cidade do Rio de Janeiro. Toda criança ou adolescente atendido em qualquer unidade de saúde da Atenção Primária

Leia mais

Resumo. Abstract. Enfermeira do Instituto de Câncer de Londrina (ICL). Especialista em Enfermagem em Saúde da Criança. 2

Resumo. Abstract. Enfermeira do Instituto de Câncer de Londrina (ICL). Especialista em Enfermagem em Saúde da Criança. 2 DOI: 10.5433/1679-0367.2014v35n2p9 Crianças com câncer: caracterização das internações em um hospital escola público Children with cancer: characterization of hospitalization in a public teaching hospital

Leia mais

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Patologia geral Neoplasias - quarta Alunos 4º semestre Prof. Jane Maria Ulbrich Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Material utilizado em sala de aula com alunos Neoplasia Neoplasia:

Leia mais

Ind020104RM - Taxa de mortalidade infantil, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade da mãe

Ind020104RM - Taxa de mortalidade infantil, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade da mãe Ind020104RM Taxa de mortalidade infantil, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade da mãe Indicador Taxa de mortalidade infantil Descrição Número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Seminário Internacional sobre Tributação Imobiliária FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Maria Cristina Mac Dowell maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância, Segunda Edição

Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância, Segunda Edição Anexos Anexo 1. Classificação Internacional do Câncer Infantil segundo Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) (KRAMÁOVÁ e STILLER, 1996) Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância,

Leia mais

3 Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL SUDESTE 4 Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL NORDESTE Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL SUL 5 Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará IPECE Informe nº 38 Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará 1. INTRODUÇÃO O Neste documento serão analisados os aspectos educacionais da capital

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis

Leia mais

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades 1 São Paulo, 04 de setembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Valor da cesta básica diminui em 15 cidades Das 18 cidades em que o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realiza

Leia mais

4. População de estudo

4. População de estudo 4. População de estudo A população de estudo é representada por 23.457 indivíduos, residentes em 10.172 domicílios, conforme figura 4.1 abaixo. No Anexo C encontram-se as informações referentes à distribuição

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO. Vice-Presidência Comercial Set/11

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO. Vice-Presidência Comercial Set/11 PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO Gugu Liberato leva aos brasileiros um programa repleto de entretenimento, informação e muita diversão. Domingo às 16h00 Gugu é o apresentador de televisão que já faz parte

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

ÍNDICE DE TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL NA INTERNET ITMI

ÍNDICE DE TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL NA INTERNET ITMI ÍNDICE DE TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL NA INTERNET ITMI Estudo realizado em Novembro de 2009, em todas as Capitais Estaduais e no Distrito Federal Resultados Gerais Instituto de Fiscaliação e Controle - IFC

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Crianças com Menos de 2 Anos

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Crianças com Menos de 2 Anos Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Crianças com Menos de 2 Anos Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Crianças

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total Dimensão Demografia Cidadania Saúde Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Diferença CADÊ Posição Nacional Estadual 2010 para 2011 Nacional 45.886.531-711.009 - - 19º População Infanto Juvenil por Faixa

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Atividade física e hábito de assistir televisão Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Atividade física e hábito de assistir televisão Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Atividade física e hábito de assistir televisão Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4

Leia mais

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra Comunicação Social 02 de dezembro de 2003 Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Em 2000, 5,8 milhões de brasileiros de 25 anos ou mais de idade tinham o curso superior concluído e proporção

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

- O Desafio 24 horas das capitais será realizado:

- O Desafio 24 horas das capitais será realizado: - O Desafio 24 horas das capitais será realizado: - Pelo atleta ultramaratonista Carlos Dias e pessoas de ambos os sexos convidadas; - Devidamente inscritas; - Doravante denominados atletas e iniciantes

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Out/12

VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Out/12 VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Out/12 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS OPINIÃO INFORMAÇÃO Segunda à 00h15 SABE O QUE MAIS? Roberto Justus leva aos seus telespectadores, de forma dinâmica e irreverente

Leia mais

Copa do Mundo de 2014. em Brasília. Prof. Dr. Rômulo Ribeiro PPG-FAU e FUP/UnB

Copa do Mundo de 2014. em Brasília. Prof. Dr. Rômulo Ribeiro PPG-FAU e FUP/UnB Copa do Mundo de 2014 em Brasília Prof. Dr. Rômulo Ribeiro PPG-FAU e FUP/UnB A Escolha A pergunta que nos move: Por que escolher cidades sem tradição em futebol? Brasília por ser capital do Brasil Será

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher

Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher CÂNCER INFANTOJUVENIL: TRAJETÓRIA DOS CASOS COM SUSPEIÇÃO REALIZADA EM UNIDADES NÃO ESPECIALIZADAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Criminalidade no Brasil

Criminalidade no Brasil Criminalidade no Brasil Instituto Avante Brasil Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenação e elaboração de pesquisa: Flávia Mestriner Botelho De acordo com um levantamento realizado pelo Instituto

Leia mais

1 Organizar de forma integrada rede de ações com as instituições de apoio

1 Organizar de forma integrada rede de ações com as instituições de apoio MISSÃO: ATUAR EM TODO TERRITÓRIO NACIONAL CRIANDO E ARTICULANDO SOLUÇÕES PARA INTEGRAR AS INSTITUIÇÕES DE APOIO E ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM CÂNCER, ORGANIZANDO AS NUMA REDE DE AÇÃO, ATRAVÉS

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial José Eduardo Castro jose.castro@cancer.org.br Alguns conceitos no estudo da rede assitêncial

Leia mais

2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Ministério da Saúde José Saraiva Felipe Secretaria de Atenção à Saúde José Gomes Temporão Instituto

Leia mais

IncidênciadeCâncernoBrasil

IncidênciadeCâncernoBrasil ESTIMATIVA 2014 IncidênciadeCâncernoBrasil MinistériodaSaúde InstitutoNacionaldeCâncer JoséAlencarGomesdaSilva MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa

Leia mais

Origem dos dados... 3. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4. Variáveis de conteúdo... 4

Origem dos dados... 3. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4. Variáveis de conteúdo... 4 Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas artrite/reumatismo, problema crônico de coluna, distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho (DORT), depressão e outros problemas mentais Notas

Leia mais

QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DE ALERTA PARA O CÂNCER?

QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DE ALERTA PARA O CÂNCER? COMO DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE O CÂNCER INFANTO- JUVENIL? Departamento de Oncohematologia da SBP Na criança e no adolescente, o câncer compreende de 1 a 3% de todas as neoplasias malignas, estimando-se

Leia mais

Oncogenética: quando suspeitar e encaminhar para avaliação.

Oncogenética: quando suspeitar e encaminhar para avaliação. Oncogenética: quando suspeitar e encaminhar para avaliação. Simône Noronha Oncologista Clínica Serviço de Oncogenética Hospital São José Qual a importância do reconhecimento de Síndromes hereditárias relacionadas

Leia mais

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 EPIDEMIOLOGIA 9000 casos novos/ ano no Brasil Probabilidade de 0,3% de uma criança desenvolver câncer antes dos 20 anos 1/300 indivíduos

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º22 CGDANT/DASIS/SVS/MS

NOTA TÉCNICA N. º22 CGDANT/DASIS/SVS/MS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Análise de Situação de Saúde Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, sala 148 - CEP 70.058-900 Tel. 61-3315 3419/ 3498

Leia mais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais 1 São Paulo, 06 de fevereiro de 2012. NOTA À IMPRENSA Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos

Leia mais

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 SÉRIE TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE, BRUTAS E AJUSTADAS POR IDADE PELAS POPULAÇÕES MUNDIAL E BRASILEIRA, PARA TOPOGRAFIAS SELECIONADAS, ENTRE E SANTA CATARINA Taxas de mortalidade por câncer do estômago,

Leia mais

no Brasil de Hoje: Avanços e Dificuldades

no Brasil de Hoje: Avanços e Dificuldades Oncologia Infanto-juvenil no Brasil de Hoje: Avanços e Dificuldades Cláudio Galvão de Castro Jr Serviço o de Oncologia Pediátrica Hospital de Clínicas de Porto Alegre Instituto do Câncer Infantil do RS

Leia mais

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios Maria Cristina Mac Dowell Diretora-Geral Adjunta Escola de Administração Fazendária Esaf/MF maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

ALAGOAS ATLAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL 1979-1999

ALAGOAS ATLAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL 1979-1999 SÉRIE TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE, BRUTAS E AJUSTADAS POR IDADE PELAS POPULAÇÕES MUNDIAL E BRASILEIRA, PARA TOPOGRAFIAS SELECIONADAS, ENTRE E ALAGOAS Taxas de mortalidade por câncer do estômago,

Leia mais

Sobre o FOHB Nossa missão:

Sobre o FOHB Nossa missão: 20 de maio de 2014 Sobre o FOHB Criado em 2002, o FOHB Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil é uma entidade associativa sem fins lucrativos que representa importantes redes hoteleiras, nacionais e internacionais,

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MARÇO/96 N 8 Serviços de Saneamento Básico - Níveis de Atendimento O presente trabalho informa sobre o nível de atendimento em serviços de saneamento

Leia mais

EVANGÉLICOS EM MINAS GERAIS

EVANGÉLICOS EM MINAS GERAIS EVANGÉLICOS EM MINAS GERAIS Cidade Região População Evangélicos %Evang MANTENA ValedoAçoMG 27,1 12,1 44,6% TIMOTEO ValedoAçoMG 81,2 33,2 40,9% IPATINGA ValedoAçoMG 239,5 96,2 40,2% CORONEL FABRICIANO ValedoAçoMG

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012. Incidência de Câncer no Brasil

MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012. Incidência de Câncer no Brasil MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012 Incidência de Câncer no Brasil Rio de Janeiro, RJ 2011 2011 Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

COPA 2014. 28º Reunião do Conselho Nacional de Turismo

COPA 2014. 28º Reunião do Conselho Nacional de Turismo COPA 2014 28º Reunião do Conselho Nacional de Turismo COPA 2014 CIDADES-SEDE Fortaleza Manaus Natal Recife Cuiabá Salvador Brasília Belo Horizonte Curitiba São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre PLANEJAMENTO

Leia mais

R3 HAC Thaís Helena Gonçalves Dr Vinícius Ribas Fonseca

R3 HAC Thaís Helena Gonçalves Dr Vinícius Ribas Fonseca R3 HAC Thaís Helena Gonçalves Dr Vinícius Ribas Fonseca Câncer infanto-juvenil (

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010 Posição Nome do Município Estado Região RM, RIDE ou Aglomeração Urbana 1 Salvador BA Nordeste RM Salvador 2 Maceió AL Nordeste RM Maceió 3 Rio de Janeiro RJ Sudeste RM Rio de Janeiro 4 Manaus AM Norte

Leia mais

DHIANCARLO GEISER. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina.

DHIANCARLO GEISER. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina. DHIANCARLO GEISER INCIDÊNCIA E PERFIL DEMOGRÁFICO DAS NEOPLASIAS UROGENITAIS NA ÁREA DE COBERTURA DO REGISTRO DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL DA GRANDE FLORIANÓPOLIS, NO ANO 2000 Trabalho apresentado à

Leia mais

V LEVANTAMENTO NACIONAL SOBRE O CONSUMO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS ENTRE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NAS 27

V LEVANTAMENTO NACIONAL SOBRE O CONSUMO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS ENTRE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NAS 27 V LEVANTAMENTO NACIONAL SOBRE O CONSUMO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS ENTRE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NAS 27 CAPITAIS BRASILEIRAS 2004 UNIFESP CENTRO BRASILEIRO DE INFORMAÇÕES

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Idosos c/limitação

Leia mais

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA distribuição da população e do pib

Leia mais

Regulamento Oferta Internet para celular SEM FIDELIZAÇÃO

Regulamento Oferta Internet para celular SEM FIDELIZAÇÃO Oi MÓVEL S.A., no Setor Comercial Norte, quadra 03, Bloco A, Ed. Estação Telefônica Térreo Parte 2, Brasília, inscrita no CNPJ sob o nº 05.423.963/0001-11, doravante denominada simplesmente Oi oferece

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas 1 São Paulo, 04 de novembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas Em outubro, entre as 18 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO

ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO Ref.:COTAÇÃO ELETRÔNICANº003/2015 ApresentamosnossapropostaparafornecimentodosItensabaixodiscriminados,conformeAnexoI

Leia mais

A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL

A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL A RONALDO GUIMARÃES GOUVEA A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL FGV EDITORA Sumário Apresentação 11 Edésio Fernandes Introdução 17 1. Urbanização e planejamento no Brasil 27 O processo brasileiro de urbanização

Leia mais

substâncias psicoativas entre estudantes da rede pública e particular das 26 capitais e Distrito Federal -- 2010

substâncias psicoativas entre estudantes da rede pública e particular das 26 capitais e Distrito Federal -- 2010 Levantamento sobre o uso de substâncias psicoativas entre estudantes da rede pública e particular das 26 capitais e Distrito Federal -- 2010 -- PESQUISA POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCAÇÃO TRATAMENTO RED.DANOS

Leia mais