Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade"

Transcrição

1 Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids-SP

2 Taxa de incidência de aids (por hab.), segundo região de residência por ano de diagnóstico. Brasil, * 35 Taxa de incidência Ano de diagnóstico Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Brasil FONTE: MS/SVS/PN-DST/AIDS POPULAÇÃO: MS/SE/DATASUS, em < em saúde> acessado em 05/11/2008 *Casos notificados no SINAN, registrados no SISCEL/SICLOM até 30/06/2008 e SIM de 2000 a Dados preliminares para os últimos 5 anos.

3 CASOS NOTIFICADOS DE AIDS Brasil casos notificados óbitos (30/06/09) Estado de São Paulo casos notificados óbitos (30/06/09) Fonte: PN DST/AIDS-MS- SINAN- SISCEL, SIM,SICLOM-boletim 2009

4 Estado de São Paulo números da epidemia de Aids casos acumulados de 1980 a 2009* Taxa de Incidência (TI) em ,13/100mil Cerca de casos novos a cada ano sexo masculino- TI ,52/100mil sexo feminino TI- 2007: 9,9/100mil óbitos por aids Taxa de Mortalidade em 2008: 8,2 /100mil óbitos em 2008 (cerca de 9 óbitos/dia) Fonte: BIPAIDS-2009-Cooperação Técnica PE-DST/AIDS-SP-Fundação SEADE* dados até 30/06/2009

5 Taxa de incidência (TI) de Aids (por hab.) por sexo e razão masculino/feminino segundo ano de diagnóstico, Estado de São Paulo, 1980 a 2008* CI p/100mil hab 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 Masculino Feminino Total razão M/F 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 razão M/F 0, ano de diagnóstico 0,00 Fonte: BIPAIDS-2009-Cooperação Técnica PE-DST/AIDS-SP-Fundação SEADE* dados até 30/06/2009

6 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Proporção de casos notificados de aids em homens com 13 anos e mais, segundo categoria de exposição e ano de diagnóstico, Estado de SP, 1980 a 2009* ano de diagnóstico HSH Hetero UDI Outras Invest FONTE: SINAN - VE-PEDST/AIDS-SES-SP (dados até 30/06/2009) 1981 % 1980

7 Proporção de casos notificados de aids em mulheres com 13 anos e mais, segundo categoria de exposição e ano de diagnóstico, Estado de São Paulo, 1983 a 2009* 100,0 80,0 60,0 % 40,0 20,0 0, ano de diagnóstico Hetero UDI(**) outro Invest FONTE: SINAN - VE-PEDST/AIDS-SES-SP (dados até 30/06/2009)

8 100% 80% 60% 40% 20% Proporção de casos notificados de aids, segundo faixa etária e ano de diagnóstico, Estado de SP, 1980 a 2009* envelhecimento 70a e mais a a a a a a a a 5-9 a 0-4 a 0% 80 a ano de diagnóstico Fonte: BIPAIDS-2009-Cooperação Técnica PE-DST/AIDS-SP-Fundação SEADE* dados até 30/06/2009

9 HSH 100% 80% 60% 40% Proporção de casos notificados de aids em HSH e homens heterossexuais, segundo faixa etária e ano de diagnóstico, Estado de SP, 1980 a 2009* 20% 0% Hetero 100% 80% 60% 40% ano de diagnóstico hetero mais velhos HSH mais jovens 20% 0% Fonte: BIPAIDS/SINAN VE-Programa Estadual DST/Aids- SP e Fundação Seade. * Dados preliminares até 30/06/2008, sujeitos à revisão mensal Fonte: BIPAIDS-2009-Cooperação Técnica PE-DST/AIDS-SP-Fundação SEADE* dados até 30/06/ ano de diagnóstico 13 a a a a a a a e mais

10 100% HSH 80% 60% 40% Proporção de casos notificados de aids em HSH e homens heterossexuais, segundo escolaridade e ano de diagnóstico, Estado de SP, 1980 a 2009* 20% 0% % 80% 60% 40% Hetero ano de diagnóstico Nenhuma De 1 a 3 De 4 a 7 De 8 a 11 De 12 e mais Ign/Branco HSH com mais escolaridade 20% 0% ano de diagnóstico Fonte: BIPAIDS-2009-Cooperação Técnica PE-DST/AIDS-SP-Fundação SEADE* dados até 30/06/2009 Fonte: BIPAIDS/SINAN VE-Programa Estadual DST/Aids- SP e Fundação Seade. * Dados preliminares até 30/06/2008, sujeitos à revisão mensal

11 Pesquisa de Conhecimento, Atitudes e Práticas da Populacao Brasileira (PCAP 2004) Proporção de população quanto a práticas sexuais e uso de drogas injetáveis no Brasil e no Estado de Sao Paulo, em 2004 HSH UDI-M UDI-F Hetero-M Hetero-F Brasil 3,2 1,3 0,5 89,1 86,7 ESP 3,9 1,3 0, ,3

12 Taxas de incidência de aids (por ), segundo categoria de exposição, no Estado de São Paulo, de 2000 a ,0 Epidemia concentrada 1000,0 taxa de incidência 100,0 HSH Hetero-M Hetero-F UDI-M UDI-F 10,0 1, ano de diagnóstico Fonte:Guibu et al, 2008

13 Coeficiente de mortalidade (por hab.) padronizado por idade, segundo região de residência por ano do óbito. Brasil, * Coeficiente de mortalidade Ano do óbito Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste FONTE: MS/SVS/DASIS/Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM POPULAÇÃO: MS/SVS/DATASUS em informações em saúde/ demográficas e socioeconômicas acessado em 05/11/2008. * Padronização realizada por método direto, pela distribuição etária da população brasileira. Dados preliminares para 2007.

14 Taxa de mortalidade por aids por hab. segundo sexo e ano do óbito, Estado de SP, 1988 a 2008* 40,0 Homens Mulheres Total 35,0 30, a redução quase 3 vezes TM (por 100mil) 25,0 20,0 15,0 estabilização 10,0 5,0 0, ano de óbito Fonte:Fundação Seade

15 sobrevida em aids Sobrevida mediana aids no Brasil 1982 a 1989 (Chequer): 5,1 meses 1995 (Marins): 16 meses 1996 (Marins): 58 meses Sul e Sudeste: Não se atingiu a mediana de sobrevida em 9 anos de observação, pois 59,4% dos pacientes sobreviveram 108 meses. (Guibu et al 2009)

16 Posição da Aids entre os óbitos gerais, segundo Lista Condensada de Morte, por faixa etária (anos) e sexo no Estado de São Paulo, 1996 e 2007 faixa etária Homens Mulheres Total (anos) < 13 11º 17º 10º 20º 11º 19º 13 a 24 4º 8º 3º 10º 4º 7º 25 a 34 2º 3º 1º 1º 2º 3º 35 a 44 2º 4º 2º 2º 1º 1º 45 a 54 7º 6º 10º 10º 8º 6º 55 e + 33º 35º 43º 40º 43º 46º Total 6º 15º 9º 17º 8º 16º Fonte: Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados - Seade. Fonte:Fundação Seade

17 Posição da Aids entre os óbitos gerais, segundo Lista Condensada de Morte, por faixa etária (anos) em homens no Estado de São Paulo, 2007 posição Causas de morte no sexo masculino (1) No. Óbitos % Total Óbitos Masculinos de 25 a 34 Anos ,0 1 Agressões ,1 2 Acidentes de transporte ,3 3º Aids 433 5,6 4 Lesões autoprovocadas voluntariamente 368 4,8 5 Doenças do fígado 259 3,3 6 Doenças isquêmicas do coração 180 2,3 7 Afogamento e submersão acidentais 166 2,1 8 Pneumonia 164 2,1 9 Doenças cerebrovasculares 99 1,3 10 Quedas 95 1,2 Total Óbitos Masculinos de 35 a 44 Anos ,0 1 Agressões ,5 2 Doenças do fígado ,2 3 Acidentes de transporte ,1 4º Aids 898 8,0 5 Doenças isquêmicas do coração 719 6,4 6 Doenças cerebrovasculares 389 3,5 7 Pneumonia 356 3,2 8 Lesões autoprovocadas voluntariamente 287 2,6 9 Transtornos mentais comportamentais uso substânc psicoativas 262 2,3 10 Quedas 208 1,9 Total Óbitos Masculinos de 45 a 54 Anos ,0 1 Doenças isquêmicas do coração ,9 2 Doenças do fígado ,3 3 Doenças cerebrovasculares ,1 4 Acidentes de transporte 846 4,6 5 Pneumonia 594 3,2 6º Aids 574 3,1 7 Agressões 514 2,8 8 Diabetes mellitus 443 2,4 9 Doenças hipertensivas 415 2,3 10 Neoplasia maligna da traquéia, brônquios e dos pulmões 397 2,2 Fonte:Fundação Seade Fonte: Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados - Seade. Nota: (1) Classificação Internacional de Doenças - OMS.

18 Posição da Aids entre os óbitos gerais, segundo Lista Condensada de Morte, por faixa etária (anos) em mulheres, Estado de São Paulo, 2007 posição Causas de morte no sexo feminino(1) No. Óbitos % Total Óbitos Femininos de 25 a 34 Anos ,0 1º Aids 267 9,7 2 Acidentes de transporte 213 7,7 3 Agressões 180 6,5 4 Neoplasia maligna da mama 112 4,1 5 Pneumonia 110 4,0 6 Doenças cerebrovasculares 99 3,6 7 Gravidez, parto e puerpério 95 3,4 8 Lesões autoprovocadas voluntariamente 71 2,6 9 Doenças do fígado 56 2,0 10 Doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo 55 2,0 Total Óbitos Femininos de 35 a 44 Anos ,0 1 Doenças cerebrovasculares 416 8,3 2º Aids 385 7,7 3 Neoplasia maligna da mama 345 6,9 4 Doenças isquêmicas do coração 279 5,6 5 Acidentes de transporte 161 3,2 6 Pneumonia 157 3,1 7 Doenças do fígado 151 3,0 8 Neoplasia maligna do colo do útero 120 2,4 9 Neoplasia maligna do cólon, reto e ânus 114 2,3 10 Lesões autoprovocadas voluntariamente 103 2,1 Total Óbitos Femininos de 45 a 54 Anos ,0 1 Doenças cerebrovasculares 927 9,9 2 Doenças isquêmicas do coração 896 9,6 3 Neoplasia maligna da mama 708 7,6 4 Diabetes mellitus 302 3,2 5 Doenças do fígado 294 3,1 6 Doenças hipertensivas 283 3,0 7 Neoplasia maligna da traquéia, brônquios e dos pulmões 265 2,8 8 Pneumonia 258 2,8 9 Neoplasia maligna do cólon, reto e ânus 256 2,7 10º Aids 222,0 2,4 Fonte: Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados - Seade. Nota: (1) Classificação Internacional de Doenças - OMS. Fonte:Fundação Seade

19 Sistema de Vigilância Epidemiologica Subnotificação e atraso de notificação Qualidade da informação Trabalho com outras fontes de informação: Obitos Sistema de Mortalidade SIM/SEADE Laboratório SISCEL (CD4 e CV) Farmácia SICLOM (ARV) Internações SIH (sistema de Informação Hospitalar) Tuberculose Nascidos vivos SINASC

20 Parceria VE- PE DST/AIDS- SP Fundação SEADE Histórico Década de 80 município de São Paulo- PROAIM- Investigação caso a caso parceria para vinculação manual projeto UNESCO recuperação histórica de casos de aids Contrato de Cooperação Técnica Contribuições redução da subnotificação de casos atualização das informações de mortalidade e letalidade resgate dos óbitos ocorridos no Estado de São Paulo relevante melhora da qualidade dos dados produzidos racionalização do uso dos sistemas análise mais ampla das tendências da aids monitoramento mais eficiente da epidemia Avaliação das ações de vigilância epidemiológica

21 Contribuições- relacionamento de bases de dados: SINAN+ óbito Avaliação do SVE-aids e assistência CD4 e Carga viral (Siscel) ARV (SICLOM) % de óbitos conhecidos- letalidade em anos recentes Óbitos precoces- diagnóstico tardio Causas associadas Prevalência de individuos vivos- Sobrevida X categoria exposição, raça, idade, escolaridade, regiao, municipio,... Avaliação do SVE-aids e assistência % de casos com diagnóstico tardio Tomada de decisão para tratamento X categoria exposição, raça, idade, escolaridade, regiao, municipio,...

22 Casos notificados de Aids, óbitos por Aids não notificados no SINAN, proporção de subnotificação de casos de aids em relação ao óbito e total de casos estimados por ano diagnóstico, Estado de São Paulo, 1980 a 2009* Ano de Diagnostico casos no SINAN obitos sem SINAN Total de casos (SINAN+ Óbitos sem SINAN) % subnotificação em relação ao óbito , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Total ,6 (*) Dados preliminares até 30/06/09 (SINAN) e 31/12/07 (SEADE), sujeitos a revisão mensal Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIP-Aids) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação SEADE

23 Casos notificados de Aids, óbitos por Aids não notificados no SINAN, proporção de subnotificação de casos de aids em relação ao óbito e total de casos estimados por GVE de residência, Estado de São Paulo, 1980 a 2009* GVE de residência casos no SINAN obitos sem SINAN Total de casos (SINAN + obitos sem SINAN) % subnotificação em relação ao obito GVE 1 CAPITAL ,7 GVE 7 SANTO ANDRE ,2 GVE 8 MOGI DAS CRUZES ,4 GVE 9 FRANCO DA ROCHA ,6 GVE 10 OSASCO ,1 GVE 11 ARACATUBA ,2 GVE 12 ARARAQUARA ,2 GVE 13 ASSIS ,8 GVE 14 BARRETOS ,8 GVE 15 BAURU ,2 GVE 16 BOTUCATU ,4 GVE 17 CAMPINAS ,3 GVE 18 FRANCA ,2 GVE 19 MARILIA ,7 GVE 20 PIRACICABA ,2 GVE 21 PRESIDENTE PRUDENTE ,8 GVE 22 PRESIDENTE VENCESLAU ,6 GVE 23 REGISTRO ,0 GVE 24 RIBEIRAO PRETO ,2 GVE 25 SANTOS ,1 GVE 26 SAO JOAO DA BOA VISTA ,2 GVE 27 SAO JOSE DOS CAMPOS ,8 GVE 28 CARAGUATATUBA ,3 GVE 29 SAO JOSE DO RIO PRETO ,9 GVE 30 JALES ,2 GVE 31 SOROCABA ,2 GVE 32 ITAPEVA ,6 GVE 33 TAUBATE ,7 IGNORADO Total ,6 (*) Dados preliminares até 30/06/09 (SINAN) e 31/12/07 (SEADE), sujeitos a revisão mensal Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIP-Aids) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação SEADE

24 % de óbitos na data e até 01 ano da data de diagnóstico de aids, 1990, 1995, 2000 e 2005, Estado de São Paulo 70,0 60,0 62,5% 50,0 % óbitos 40,0 30,0 26,3% 20,0 10,0 0, óbito <1ano diag.aids 36,6 32,7 15,7 14,9 óbito no diag.aids 26,0 23,5 13,2 11,5 Fonte: BIPAIDS-2008-Cooperação Técnica PE-DST/AIDS-SP-Fundação SEADE * dados até 30/06/2008 ano de diagnóstico de aids

25 Proporção de óbitos conhecidos nos casos de aids do sexo masculino com 13 anos e mais, segundo categoria de exposição e ano de diagnóstico, Estado de São Paulo, 1980 a ,0 HSH Heterossexual UDI homens 90,0 80,0 70,0 60,0 % 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Fonte: BIPAIDS-2008-Cooperação Técnica PE-DST/AIDS-SP-Fundação SEADE * dados até 30/06/ ano de diagnóstico

26 Casos de aids notificados no SINAN, óbitos registrados no BIPaids e estimativa de indivíduos vivendo com aids, segundo ano, Est.São Paulo, 1980 a 2009* nº de pessoas vivendo com aids nº de casos óbitos BIP-AIDS casos SINAN pessoas vivendo com aids Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIP-Aids) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação SEADE'(**) Dados preliminares até 30/06/09 (SINAN) e 31/12/07 (SEADE), sujeitos a revisão mensal ano

27 Aids em menores de 5 anos de idade e Coeficiente de Incidência por 100 mil com segundo ano de diagnóstico Estado de São Paulo, 1991 a 2009(*) ,0 nºcasos ,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 TI/100mil ,0 nºcasos ti/100mil 6,1 6,8 7,2 8,3 10,0 11,0 11,8 8,9 8,7 9,0 7,7 5,7 4,1 2,7 2,5 1,7 1,3 1,1 ano de diagnóstico Fonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (*) Dados preliminares até 30/06/2009 sujeitos à revisão mensal

28 Aids com categoria de categoria de exposição transmissão vertical, segundo idade e ano de diagnóstico Estado de São Paulo, 1987 a 2009 (*) casos (<5anos = 3.675) 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1987 a a a a < de 01 ano ano de diagnóstico Fonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (*) Dados preliminares até 30/06/2009 sujeitos à revisão mensal

29 Aids em mulheres*, em menores de 13 anos de idade* e Gestante HIV/criança exposta à TV**, segundo ano de diagnóstico, Estado de São Paulo, 2005 a 2008* Aids em crianças Brasil ESP nºcasos * aids mulher gesthiv/ccaexp aids criança ano Fonte: SINAN - Vigilância Epidemiológica - Programa Estadual DST/Aids-SP (*) Dados até 30/06/2008 e (**)30/08/09 sujeitos à revisão mensal

30 Pacto da saúde Investigação de todos os casos de aids em criançasoportunidades perdidas Encerramento de crianças expostas a TV do HIV Investigação de todos os óbitos por aids Investigação de casos de SC comitês de investigação Estratégia de VE-Assistência

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e O Descompasso no Controle da Sífilis Congênita Porquê é um Desafio para a Saúde Pública? Agente etiológico conhecido História natural

Leia mais

Ficha catalográfica. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, C.R.T. DST/AIDS. C.V.E., Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, 2013

Ficha catalográfica. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, C.R.T. DST/AIDS. C.V.E., Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, 2013 AIDS DST BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO C.R.T.. DST/AIDS. C.V.E.. ANO XXX - Nº 1. 2013 Veja estas e outras publicações em: issuu.com/crtdstaidsspcrtaids/docs Encontre um serviço perto de você #tireopesodaduvida

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE DST/AIDS DE SÃO PAULO MAIO 2014 SITUAÇÃO E METAS GLOBAIS - UNAIDS ELIMINAR INFECÇÕES PELO HIV EM CRIANÇAS E REDUZIR MORTE MATERNA

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2009 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2010 2010. Ministério

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2015 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP 2012 6º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS A inclusão do combate ao HIV/Aids nas Metas do Milênio, foi

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2012 Ano I - nº 01 até semana epidemiológica 52ª - dezembro de 2012 Sumário Apresentação... 03 Introdução... 05 HIV e Aids no Brasil... 06

Leia mais

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo *

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Bernadette Cunha Waldvogel Fundação Seade Lilian Cristina Correia Morais Fundação Seade Palavras-chave: mortalidade, Aids, distribuição

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS Goiânia, 2012

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 1 2013. Secretária de Saúde do Estado de Alagoas É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 28 (IDB-28) TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES SUMÁRIO Introdução... 1 Aids... 2 Dengue... 7 Leishmaniose Visceral... 11 Leishmaniose Tegumentar Americana...

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2014. Ano III - nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2014. Ano III - nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2014 Ano III - nº 01 27ª à 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2013 01ª à 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2014 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2014 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

HIV/AIDS no Norte e Nordeste

HIV/AIDS no Norte e Nordeste HIV/AIDS no Norte e Nordeste Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br 04 de dezembro de 2014 Foco em populações chave 12% 10% 10,5%

Leia mais

acesso GraTUITO ao TraTaMENTO aumenta a SOBrEVIDa DOS PaCIENTES COM HIV/aIDS

acesso GraTUITO ao TraTaMENTO aumenta a SOBrEVIDa DOS PaCIENTES COM HIV/aIDS acesso GraTUITO ao TraTaMENTO aumenta a SOBrEVIDa DOS PaCIENTES COM HIV/aIDS GRÁFICO 1 35 3 25 2 15 1 5 Estima-se que 63 mil pessoas vivam com HIV/AIDS no País [1]. A taxa de prevalência da infecção na

Leia mais

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Situação epidemiológica da AIDS em Alagoas 1 Registro de caso Total de casos Nº de óbitos Até 06.2010 1986 3842 949 (fonte MS/SVS/Departamento de DST/Aids e

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba Centro de Epidemiologia Coordenação de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

A construção e o tratamento da Base Integrada Paulista de Aids

A construção e o tratamento da Base Integrada Paulista de Aids A construção e o tratamento da Base Integrada Paulista de Aids Lilian Cristina Correia Morais Valmir Aranha Monica La Porte Teixeira Bernadette Cunha Waldvogel Angela Tayra Ione Aquemi Guibu Carmen Silvia

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer Os estudos sobre mortalidade com freqüência enfatizam a importância das causas relacionadas às doenças

Leia mais

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 Gerência de DST/AIDS/Hepatites Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Secretaria de Estado de Saúde DADOS GERAIS No Brasil: Prevalência do HIV

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996

Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996 Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 5 nº 13 Novembro 2004 Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996 A quantificação dos óbitos por Aids revela que, no Estado de

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo

SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 5 nº 9 Maio 2004 A dimensão oculta e a precocidade da morte masculina por doenças hepáticas Estudos de mortalidade com freqüência

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2015. Ano IV - nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2015. Ano IV - nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2015 Ano IV - nº 01 da 27ª à 53ª semana epidemiológica - julho a dezembro de 2014 da 01ª à 26ª semana epidemiológica - janeiro a junho de

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE Monitoramento da mortalidade do município de Campinas BOLETIM DE MORTALIDADE Breve Histórico O projeto de monitoramento da mortalidade de Campinas foi iniciado

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças

Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças META Até 2015, ter detido a propagação do HIV/Aids e começado a inverter a tendência atual. 6a META Alcançar, até, o acesso universal ao tratamento para

Leia mais

A RESPOSTA DA EPIDEMIA DE AIDS EM PARCERIA COM O MUNDO DO TRABALHO

A RESPOSTA DA EPIDEMIA DE AIDS EM PARCERIA COM O MUNDO DO TRABALHO A RESPOSTA DA EPIDEMIA DE AIDS EM PARCERIA COM O MUNDO DO TRABALHO Histórico da Parceria com o Setor Privado Década de 1990 -AIDS SUS Local de Trabalho Necessidade de combinar esforços públicos e privados

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica 1 2 Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc.

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc. AIDS Para construir série histórica de alguns indicadores epidemiológicos e operacionais referentes a casos de aids adulto e criança anteriores ao ano de 2007, incluídos no SinanW, deve-se utilizar os

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon HIV/TB Desafios MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon AIDS no Brasil De 1980 até junho de 2011, o Brasil tem 608.230 casos de AIDS registrados Em 2010, taxa de incidência

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de

Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de Perfil epidemiológico dos clientes com AIDS cadastrados no Sistema de Controle Logístico de Medicamentos no Hospital Dia Aids no município de Chapecó-SC no ano de 2007. Otilia Cristina Coelho Rodrigues

Leia mais

Pandemia Influenza. Márcia Regina Pacóla. GVE XVII Campinas SES - SP. http://www.cdc.gov/h1n1flu/images.htm

Pandemia Influenza. Márcia Regina Pacóla. GVE XVII Campinas SES - SP. http://www.cdc.gov/h1n1flu/images.htm Pandemia Influenza 1918 2009 http://www.cdc.gov/h1n1flu/images.htm Márcia Regina Pacóla GVE XVII Campinas SES - SP Pandemias: século XX H1N1 H2N2 PB1 HA NA H3N? PB1 HA PB2, PA NP, M, NS PB2, PA NP, NA,

Leia mais

Situação da Tuberculose no Brasil

Situação da Tuberculose no Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Programa Nacional de Controle da Tuberculose Situação da Tuberculose no Brasil Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

Reunião Comitê Dengue. Situação Epidemiológica www.cve.saude.sp.gov.br. Situação Entomológica do Aedes aegypti. no Estado de São Paulo

Reunião Comitê Dengue. Situação Epidemiológica www.cve.saude.sp.gov.br. Situação Entomológica do Aedes aegypti. no Estado de São Paulo Reunião Comitê Dengue Situação Epidemiológica www.cve.saude.sp.gov.br Situação Entomológica do Aedes aegypti no Estado de São Paulo NÚMERO DE CASOS AUTÓCTONES DE DENGUE NO ÚLTIMOS ANOS, ESTADO DE SP 2007-2015*

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2013

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2013 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2013 Ano II - nº 01 até semana epidemiológica 26ª - dezembro de 2013 2013. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total

Leia mais

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência da

Leia mais

PAM REVISADO/ABERTO PELO PROGRAMA NACIONAL

PAM REVISADO/ABERTO PELO PROGRAMA NACIONAL ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria de Estado da Saúde do Paraná CNPJ: 76.416.866/0001-40 Dirigente: Michele Caputo Neto Profissão: Secretario Estadual de Saúde RG: 048149-6 SSPPr CPF:

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

Estatística de Candidatos Inscritos

Estatística de Candidatos Inscritos Cidade de Aplicação: ARACATUBA 012 Escrevente Técnico Judiciário - 2.ª Região - Andradina 667 935 1602 013 Escrevente Técnico Judiciário - 2.ª Região - Araçatuba 1750 2338 4088 014 Escrevente Técnico Judiciário

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO n. 3 Dez 2013

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO n. 3 Dez 2013 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO n. 3 Dez 2013 HEPATITES VIRAIS A hepatite é uma doença caracterizada pela inflamação das células hepáticas que pode ser causada principalmente por vírus, uso de medicamentos e uso

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 1 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 7ª REVISÃO 1986 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 12 nº 2 Maio 2012 Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo As estatísticas de mortalidade produzidas pela Fundação Seade,

Leia mais

MORTALIDADE INFANTIL Níveis e Tendências

MORTALIDADE INFANTIL Níveis e Tendências Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 6 nº 2 Julho 2005 MORTALIDADE INFANTIL Níveis e Tendências A taxa de mortalidade infantil a razão entre o número de óbitos de crianças no primeiro ano de vida e o

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 Vinculando Bancos para Recuperação

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Censo Demográfico 2010 Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Rio de Janeiro, 29 de junho de 2012 A presente publicação dá continuidade à divulgação dos resultados do Censo

Leia mais