PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS"

Transcrição

1 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS Goiânia, 2012

2 Descrição do perfil epidemiológico do HIV/AIDS e coinfecções no Estado de Goiás Secretaria do Estado da Saúde Superintendência de Políticas de Atenção Integral à Saúde Gerência de Programas Especiais Coordenação de DST/Aids Sede da Superintendência de Políticas de Atenção Integral à Saúde SPAIS Avenida Anhanguera nº 5195 Setor Coimbra Secretário do Estado da Saúde Antônio Faleiros Filho Superintendente de Políticas de Atenção Integral à Saúde Mabel del Socorro Cala de Rodriguez Gerente de Programas Especiais Patrícia Carneiro de Resende Coordenadora de DST/Aids Adriana de Oliveira Sousa Subcoordenação de Prevenção e Ações Educativas Edvan Miranda dos Santos Equipe Técnica Adriana de Oliveira Sousa Amélia Mahmud Jacob Cenília Alves de Jesus Ramos Divânia Dias da Silva França Edvan Miranda dos Santos Larissa Kristina Vidal Montes Letícia Dogakiuchi Silva Madalena Tanso Ishac Maria das Graças Rocha Veloso Paulo Roberto de Melo-Reis Roberta Arciprett Oliveira

3 3 1. INTRODUÇÃO A síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) é a terminologia empregada para definir uma doença infecto-contagiosa, emergente, grave, causada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). Atualmente, a infecção pelo HIV é considerada um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) em 2008 estimou em 33,4 milhões o número de pessoas vivendo com HIV em todo mundo, sendo que destas, 47% eram mulheres e 6,3% crianças com menos de 15 anos. Ainda, cerca de 2,7 milhões de pessoas foram infectadas e 2,0 milhões morreram de aids, incluindo crianças no mesmo ano (WHO, 2010). A epidemia de aids no Brasil teve início nos primórdios da década de 80 e nesses mais de vinte anos apresenta-se como uma epidemia concentrada, ou seja, a taxa de prevalência da infecção pelo HIV é menor que 1% entre parturientes, residentes em áreas urbanas, e maior que 5% em subgrupos populacionais sob maior risco para infecção pelo HIV (WHO, 2010). Atualmente estima-se que cerca de 630 mil indivíduos de 15 a 49 vivam com aids no Brasil. A taxa de prevalência da infecção pelo HIV, no país, na população de 15 a 49 anos, mantém-se estável em aproximadamente 0,6% desde 2004, sendo que nos últimos anos, tem observa-se um quadro da epidemia da aids marcado pelos processos de heterossexualização, feminização, pauperização e interiorização (Ministério da Saúde, 2010). A epidemia da aids apresenta tendência de estabilização. Entre 2002 e 2008, o número de casos novos de aids caiu a uma taxa anual média de 1,3%, declinando de casos para , respectivamente (Ministério da Saúde, 2010). Evidências epidemiológicas apontam para uma situação semelhante no Estado de Goiás. Para constatação deste fenômeno foram analisados os seguintes parâmetros provenientes do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN): a. Números de casos novos e taxa de incidência ( hab.) de aids em adultos (> 13 anos) residentes no Estado de Goiás, *; b. Número de casos de aids e razão de sexos em indivíduos adultos (> 13 anos de idade) residentes no Estado de Goiás, segundo ano de diagnóstico, 1984 a 2011*; c. Distribuição dos casos de aids em indivíduos adultos residentes no Estado de Goiás, por faixa etária e ano de diagnóstico, 2001 a 2010*; d. Número de casos e taxa de incidência de aids em indivíduos adultos (> 15 anos de idade) residentes no Estado de Goiás, por faixa etária e ano de diagnóstico, 2001 a 2011*;

4 4 e. Proporção de casos de aids em indivíduos adultos (> 13 anos de idade) residentes no Estado de Goiás segundo categoria de exposição por ano de diagnóstico, 2001 a 2010* ; f. Número de óbitos por aids e coeficiente de mortalidade de residentes no Estado de Goiás, segundo ano de óbito, 2001 a 2010*; g. Taxa de incidência de aids ( habitantes) em jovens de 15 a 24 anos residentes no Estado de Goiás e razão de sexo (M:F), segundo ano diagnóstico, 1996 a 2010*; h. Proporção de casos de aids em jovens de 15 a 24 anos de idade residentes no Estado de Goiás, segundo categoria de exposição hierarquizada e ano diagnóstico, 2000 a 2010*; i. Número de casos e taxa de detecção de HIV em gestantes residentes no Estado de Goiás segundo ano do parto, 2000 a 2011*; j. Casos notificados de gestantes infectadas pelo HIV residentes no Estado de Goiás, segundo faixa etária, escolaridade e raça/cor por ano de parto, 2000 a 2011*; k. Taxa de incidência e coeficiente de mortalidade em menores de 5 anos residentes no Estado de Goiás, 1998 a 2011*. 2. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO ESTADO DE GOIÁS AIDS em Adultos (> 13 anos de idade) O Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) registrou no Estado de Goiás desde o início da epidemia em 1984 até junho de 2011*, um total de casos de aids em adultos (> 13 anos de idade) sendo (67,4%) casos em indivíduos do sexo masculino e (32,6%) no sexo feminino. No período compreendido entre 2001 e 2010 foram notificados casos de aids em indivíduos adultos (> de 13 anos de idade), o que representa 98,6% do total de casos de aids no Estado. O gráfico 1 apresenta o número de casos e taxa de incidência ( hab.) de aids em adultos no Estado de Goiás. Desde a detecção do primeiro caso, observou-se taxas de incidência crescentes até 1997 com posterior declínio. A partir de 2000 é possível observar flutuações nas taxas de incidência, evidenciando o processo de estabilização da epidemia, uma vez que, as notificações de casos novos de aids nos últimos 10 anos vêm mantendo-se dentro dos limites da variabilidade estatística, com registro de uma média anual de 579 casos novos. Para o mesmo período as taxas de incidência variaram entre 11,4/ habitantes em 2009 e 16,4/ habitantes em 2002 quando se observou o maior registro de casos diagnosticados. Em 2010 a incidência foi de 13,0/ habitantes.

5 5 Gráfico 1. Números de casos novos e taxa de incidência ( hab.) de aids em adultos (> 13 anos) residentes no Estado de Goiás, * Nº de casos * 2011* Ano de diagnóstico 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 Incidência ( hab.) Nº acumulado Incidência ( hab) Fonte: SINAN/GPE/SPAIS População: MS/SE/DATASUS em < > * Dados preliminares (até 30/06/2011) Sexo A distribuição dos casos de aids segundo sexo evidencia o processo de feminização a partir de 1988, onde a razão de sexo que era de 13 casos masculinos para 1 caso feminino alcança a razão de 1,3 em 2001, ou seja, 13 casos em indivíduos do sexo masculino para 10 casos no sexo feminino (Gráfico 2). Nos últimos 10 anos a aids mostrou predominância nos indivíduos do sexo masculino, com taxa de incidência média anual de 17,5 casos por habitantes. Entre as mulheres, a taxa de incidência média foi de 9,9 casos por habitantes. Tanto em homens quanto em mulheres as maiores taxas de incidência encontram-se na faixa etária de 20 a 49 anos. A razão de sexo (M:F) apresentou média de 1,8, isto é, 9 homens para 5 mulheres doentes. Dados preliminares de 2011 apontam para uma razão de sexo de 2,2, ou seja, 11 homens para 5 mulheres (Gráfico 2).

6 6 Gráfico 2. Número de casos de aids e razão de sexos em indivíduos adultos (> 13 anos de idade) residentes no Estado de Goiás, segundo ano de diagnóstico, 1984 a 2011* , ,0 10,0 Nº de casos ,0 6,0 Razão de sexo 150 4, , * 2011* Ano de diagnóstico 0,0 Masculino Feminino Razão de sexos (M:F) Fonte: SINAN/GPE/SPAIS População: MS/SE/DATASUS em < > * Dados preliminares (até 30/06/2011)

7 Faixa etária A distribuição dos casos de aids em indivíduos adultos (Idade > 15 anos) por faixa etária e ano de diagnóstico revela maior número de casos da infecção em indivíduos de 20 a 49 anos, representando 84% de todos os casos (Gráfico 3; Tabela 1). Os casos de aids em idosos (60 80 anos ou mais) nos últimos 10 anos alcançou um índice de 4,8 casos para cada habitantes em 2009, sendo que é possível observar o acréscimo contínuo desde 2004, com maior taxa de incidência nos anos 2009 (4,8 / habitantes) e (4,6/ habitantes) 2010, respectivamente (Tabela 1). Gráfico 3. Distribuição dos casos de aids em indivíduos adultos residentes no Estado de Goiás, por faixa etária e ano de diagnóstico, 2001 a 2010* Nº de casos * Ano de diagnóstico Fonte: SINAN/GPE/SPAIS 15 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 anos e mais

8 8 Tabela 1. Número de casos e taxa de incidência de aids em indivíduos adultos (> 15 anos de idade) residentes no Estado de Goiás, por faixa etária e ano de diagnóstico, 2001 a 2011* Faixa etária * 2011* Nº Coef. Nº Coef. Nº Coef. Nº Coef. Nº Coef. Nº Coef. Nº Coef. Nº Coef. Nº Coef. Nº Coef. Nº Coef. 15 a 19 anos 19 3,6 9 1,7 11 2,0 7 1,2 7 1,2 5 0,8 8 1,5 6 1,2 11 2,1 7 1,3 2 0,4 20 a 29 anos , , , , , , , , , ,5 64 5,8 30 a 39 anos , , , , , , , , , , ,7 40 a 49 anos , , , , , , , , , , ,7 50 a 59 anos 39 11, , , , , , , , , ,1 33 6,0 60 a 69 anos 7 3,2 10 4,5 8 3,5 13 5,6 14 5,9 14 5,8 16 5,8 17 5,9 19 6,3 21 6,5 12 3,7 70 a 79 anos 4 3,8 2 1,9 0 0,0 3 2,7 2 1,8 2 1,7 5 3,4 1 0,7 5 3,1 4 2,3 2 1,2 80 anos e mais 0 0,0 0 0,0 1 2,5 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 1 1,6 1 1,5 1 1,5 0 0,0 Fonte: SINAN/GPE/SPAIS População: MS/SE/DATASUS em < >

9 Categoria de exposição A epidemia que já perdura três décadas, inicialmente registrava casos predominantemente entre gays adultos, usuários de drogas injetáveis e hemofílicos (Ministério da Saúde, 2011). Entre 2001 e 2010, a categoria de exposição com maior ocorrência dos casos de aids em adultos foi por transmissão sexual, perfazendo 80% dos casos. A transmissão sexual ocorre predominantemente entre os heterossexuais (61,1%), homossexuais (12,8%) e bissexuais (6,1%), respectivamente (Gráfico 4). A heterossexualização da aids tem contribuído para o aumento de casos em mulheres, provocando a "feminização da epidemia" (SAMPAIO et al., 2011). Considerando o grupo homossexual e bissexual o percentual de transmissão foi de 18,9%. A razão entre a transmissão deste grupo com o grupo heterossexual é de 3,2, confirmando a maior frequência do grupo heterossexual (Gráfico 4). A investigação referente a transmissão por via sanguínea revelou que a maior frequência ocorreu entre usuários de drogas injetáveis (UDI) perfazendo um total de 1,5% dos casos. Entretanto, observa-se nesse grupo, a partir de 2006 uma significante diminuição e nos anos 2009 e 2010 não houve casos notificados (Gráfico 4). As transfusões sanguíneas e os casos de transmissão da aids em hemofílicos apresentaram baixa frequência, não representando percentual significativo no total de casos (Gráfico 4). Esses dados corroboram com o sucesso das políticas de prevenção da transmissão do HIV por via transfusional adotadas pelos Banco de Sangue, em atenção a Portaria de 11 de outubro de 1996.

10 10 Gráfico 4. Proporção de casos de aids em indivíduos adultos (> 13 anos de idade) residentes no Estado de Goiás segundo categoria de exposição por ano de diagnóstico, 2001 a 2010* Proporção 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% * Ano de Diagnóstico Homessexuais Bissexuais Heterossexual UDI Hemofílico Transfusão Ignorado Fonte: SINAN/GPE/SPAIS População: MS/SE/DATASUS em < > * Dados preliminares (até 31/12/2010) Mortalidade Desde o início da epidemia o sistema de informação em mortalidade (SIM) registrou óbitos por aids, com coeficiente de mortalidade médio de 3,8 óbitos por habitantes. As maiores taxas de mortalidade foram registradas nos últimos quatro anos com índices de 4,3 casos por habitantes em 2008 e Os dados de mortalidade nacionais revelam coeficiente de 6,2 casos por habitantes nos respectivos anos (Ministério da Saúde, 2010). Em 2010 o Estado registrou um coeficiente de 4,8/ habitantes.

11 11 Gráfico 5. Número de óbitos por aids e coeficiente de mortalidade de residentes no Estado de Goiás, segundo ano de óbito, 2001 a 2010* Nº de óbitos Nº de óbitos Coeficiente de mortalidade 4,0 3,4 4,1 3,8 3,4 3,8 4,3 4,3 4,3 4,8 Ano do óbito 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Taxa de mortalidade ( hab) Fonte: SIM/GVE/SUVISA População: MS/SE/DATASUS em < > 2.2. AIDS em jovens de 15 a 24 anos Na população jovem, de 15 a 24 anos, residentes no estado de Goiás o primeiro caso foi notificado em 1988, sendo que até junho de 2011, foram diagnosticados 759 casos, dos quais 414 no sexo masculino (54,5%) e 345 no sexo feminino (45,5%). Assim, 7,5% do total de casos notificados no Estado desde o início da epidemia ocorreram em jovens, predominantemente do sexo masculino Sexo A razão de sexos em jovens de 15 a 24 anos, atualmente é de 2,2, ou seja, a cada 22 homens com aids existem 10 mulheres em igual situação. Em relação a incidência nessa população, podemos observar as mudanças nestes índices ao longo do tempo. Quanto a incidência em jovens do sexo feminino a maior taxa foi registrada em 2001 (10,8/ habitantes) com decréscimo de 77,8% em 2010 (2,4/ habitantes). Já no sexo masculino observa-se manutenção das taxas de incidência, com o maior índice em 2009 (7,1/ habitantes) (Gráfico 6).

12 12 Gráfico 6. Taxa de incidência de aids ( habitantes) em jovens de 15 a 24 anos residentes no Estado de Goiás e razão de sexo (M:F), segundo ano diagnóstico, 1996 a 2010* 12 Taxa de incidência ( hab.) ,1 2,7 2,2 1,6 1,7 0,8 1,0 0,8 1,1 1,1 1,3 1,4 1,5 0,6 0, * Ano de diagnóstico Masculino Feminino M:F Fonte: SINAN/GPE/SPAIS * Dados preliminares Categoria de exposição Em jovens de 15 a 24 anos é possível observar a predominância da categoria de exposição heterossexual nos últimos 12 anos, entretanto é nítido o aumento do número de casos entre jovens homossexuais desde 2003, representando um aumento de 380% quando comparado com o ano de 2009 (com maior proporção de casos em homossexuais). Quando analisamos a proporção de casos por ano de diagnóstico, evidenciamos que em 2003 os casos em homossexuais representavam 6,5% do total, já em 2009 esse percentual é de 36,5% (Gráfico 7).

13 13 Gráfico 7. Proporção de casos de aids em jovens de 15 a 24 anos de idade residentes no Estado de Goiás, segundo categoria de exposição hierarquizada e ano diagnóstico, 2000 a 2010* 100% 80% Proporção 60% 40% 20% 0% Ano de diagnóstico Homossexual Bissexual Heterossexual Usuario de Drogas Hemofílico Transfusão Fonte: SINAN/GPE/SPAIS * Dados preliminares 2.3. Gestantes infectadas pelo HIV A notificação compulsória de HIV em gestante/parturiente/puérpera e de criança exposta ao HIV foi instituída por meio da Portaria Nº 933/GM/MS de 04 de setembro de No Estado de Goiás foram registrados no SINAN casos de gestantes HIV positivas no período de 2000 a O gráfico 7 mostra a distribuição dos casos de gestantes infectadas pelo HIV residentes em Goiás e o coeficiente de detecção, segundo ano de parto. A detecção crescente dos casos foi registrada até 2006, com declínio substancial nos anos posteriores (104 casos em 2006 para 92 casos em 2010). As variáveis sóciodemográficas passíveis de análise foram idade, escolaridade e raça/cor. Do total de casos registrados entre 2000 e 2010, (93,8%) são gestantes de 15 e 34 anos de idade. Em relação a escolaridade os dados evidenciaram que a maioria das gestantes HIV positivas registradas no SINAN tinham entre 1 a 7 anos de estudo (47,6%), cerca de 21% referiram 8 anos ou mais de estudos e 29,7% tinham informação ignorada. Embora, nos últimos anos tenha se observado redução no percentual de

14 14 casos ignorados na variável escolaridade, é importante ressaltar que nos 12 anos de registros sistemático das gestantes HIV positivas não foi obtido índices inferiores a 10% nessa variável. Essa situação certamente é um fator limitador da análise de tendências temporais e evidencia a necessidade de aprimorar a investigação e a notificação pelos profissionais que atendem esse grupo nos serviços de saúde. Quanto a variável raça/cor 27,1% e 48,5% se auto declararam brancos e pretos/pardos, respectivamente. Essa variável tem apresentando maior consistência desde 2006, representado pela diminuição dos casos com informação ignorada. Gráfico 8. Número de casos e taxa de detecção de HIV em gestantes residentes no Estado de Goiás segundo ano do parto, 2000 a 2011* Nº de casos ,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 Taxa de detecção (1000 nascidos vivos) * 2011* 0,0 Fonte: SINAN/GPE/SPAIS Nº de casos Coeficiente de detecção 0,6 0,9 1,1 1,1 1,0 1,1 1,2 1,1 0,7 0,9 1,1 0,6 Ano de parto

15 15 Tabela 2. Casos notificados de gestantes infectadas pelo HIV residentes no Estado de Goiás, segundo faixa etária, escolaridade e raça/cor por ano de parto, 2000 a 2011* Característica da Gestante Faixa etária Fonte: SINAN/GPE/SPAIS Ignorado Total Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % ,0 2 2,5 0 0,0 1 1,0 0 0,0 1 1,0 0 0,0 2 2,1 1 1,7 2 2,6 2 2,2 0 0,0 2 0,7 13 1, , , , , , , , , , , ,5 8 16, , , , , , , , , , , , , , , , , ,3 6 7,5 1 1,0 4 4,1 3 3,3 7 7,1 6 5,8 5 5,3 4 6,9 4 5,3 6 6,6 4 8,2 13 4,4 66 5,1 50 ou mais 0 0,0 0 0,0 0 0,0 1 1,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 1 0,3 2 0,2 Total , , , , , , , , , , , , , ,0 Escolaridade Ignorado 33 51, , , , , , , ,5 9 15, , , , , ,7 Analfabeto 4 6,3 2 2,5 1 1,0 4 4,0 1 1,1 1 1,0 3 2,9 0 0,0 2 3,4 1 1,3 0 0,0 0 0,0 2 0,7 21 1,6 De 1 a 3 4 6,3 6 7,5 4 4,0 5 5, ,2 9 9,2 4 3, ,6 0 0, ,8 4 4,3 0 0, , ,2 De 4 a , , , , , , , , , , ,1 7 14, , ,4 De 8 a , , , , , , ,2 7 7, , , , , , ,5 De 12 e mais 2 3,1 4 5,0 1 1,0 3 3,0 2 2,2 4 4,1 5 4,8 2 2,1 1 1,7 0 0,0 1 1,1 3 6,1 7 2,5 35 2,7 Total , , , , , , , , , , , , , ,0 Raça/cor Ign/Branco 35 56, , , , , ,4 10 9,5 3 3,1 2 3,4 8 10, , , , ,5 Branca 18 29, , , , , , , , , , , , , ,1 Preta 1 1,6 5 6,3 10 9, , , ,4 5 4, ,5 8 13, , ,8 0 0,0 27 9, ,7 Amarela 1 1,6 0 0,0 1 1,0 1 1,0 1 1,1 1 1,0 2 1,9 0 0,0 0 0,0 0 0,0 2 2,1 0 0,0 1 0,4 10 0,8 Parda 7 11, , , , , , , , , , , , , ,8 Indígena 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 1 1,0 0 0,0 1 1,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 2 0,2 Total , , , , , , , , , , , , , ,0

16 Crianças memores de 5 anos De 1986 a junho de 2011 foram identificados 149 casos de aids em menores de cinco anos residentes no Estado de Goiás. O decréscimo na incidência dos casos pode ser evidenciado a partir de 2004, com redução de 100% na taxa de incidência de casos de aids em menores de cinco anos de idade de 1998 a 2010, passando de 2,7 para 0,0 casos por habitantes, nos respectivos anos. Nos últimos 10 anos foram declarados no sistema de informação em mortalidade um total de 12 óbitos em menores de 5 anos de idade por aids, representando 0,5% do total de óbitos registrados para o mesmo período. O coeficiente de mortalidade também teve um decréscimo significativo, com o último registro em 2009 (em 1998, o coeficiente de mortalidade era de 1,9 por habitantes, caindo para 0,0 em 2010) (Gráfico 9). Gráfico 9. Taxa de incidência e coeficiente de mortalidade em menores de 5 anos residentes no Estado de Goiás, 1998 a 2011* Taxa de incidência ( hab) 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0, * 2011* Ano 2,0 1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 0,0 Coeficiente de mortalidade ( hah) Taxa de incidência Coeficiente de mortalidade * Dados preliminares (até 30/06/2011) Fonte: SINAN/GPE/SPAIS SIM/GVE/SUVISA

17 17 População: MS/SE/DATASUS em < > 2.4 Coinfecção Hepatites Virais/HIV A caracterização epidemiológica da coinfecção de Hepatites Virais (B ou C ou B+C)/HIV considerou os casos notificados no SINAN de 2007 a Para análise dos dados foram considerados os casos confirmados laboratorialmente de hepatites B, C ou coinfecção B+C tendo o HIV/aids como agravos associados. No período analisado foram registrados casos de hepatites virais, sendo que destes casos tiveram confirmação laboratorial para hepatite B ou C ou coinfecção B+C. Quando analisamos os indivíduos com conhecimento do status sorológico para HIV dentre os indivíduos com hepatite, obtivemos 195 (5,8 %) dos casos. No gráfico 14 observa-se o aumento gradativo da proporção HV/HIV, sendo o menor registro observado em 2008 (24 casos) e o maior registro em 2010 (58 casos), o que representa um aumento de aproximadamente 241% de notificação de coinfectados. Observa-se ainda, na série histórica apresentada que há um aumento significativo da proporção de casos do ano de 2009 para 2010, que passou de 3,8% para 7,4%, respectivamente. Este achado enfatiza a necessidade da testagem sorológica para o HIV concomitante ao diagnóstico de hepatite viral, sendo este o momento oportuno para resgate de indivíduos vulneráveis (Gráfico 10). Gráfico 10. Casos notificados de Hepatites Virais e coinfecção pelo HIV em residentes no Estado de Goiás, segundo ano de diagnóstico de Hepatite, 2007 a 2011* , ,0 Nº de casos ,0 6,0 4,0 Percentual 200 2, Ano de diagnóstico 0,0 Coinfecção HIV/Hepatites Virais Casos de Hepatites virais %

18 18 *Dados preliminares, atualizados em 30/06/2011, sujeitos a alterações. Fonte: SINAN/GVE/SUVISA/SES 2.5 Coinfecção Tuberculose (Tb) - HIV A análise da coinfecção tuberculose/hiv no estado de Goiás considerou os dados de tuberculose notificados no Sistema de Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) entre 2001 e Para a caracterização dos casos de tuberculose considerou-se os casos novos, recidivas e reingresso após abandono. No período analisado foram registrados casos de tuberculose, dos quais aproximadamente 7% (717 casos) apresentavam infecção simultânea com HIV. A proporção de coinfecção Tb/HIV teve um acréscimo gradativo desde 2003, quando registrou-se 45 casos passando para 95 casos em 2010 (Gráfico 11). Embora os casos de tuberculose não tenham apresentado variações significativas na serie histórica analisada o percentual de coinfecção Tb/HIV evidencia um aumento gradativo, passando de 4,0% em 2003 para 9,6% em A ampliação da testagem para HIV em pacientes suspeitos de Tuberculose, conforme Gráfico 12, pode justificar esse achado. Gráfico 11. Casos confirmados de Tuberculose (Tb) e coinfecção pelo HIV em residentes no Estado de Goiás, segundo ano de diagnóstico de Tb, 2001 a 2011* Nº de casos * 2011* Casos de Tuberculose Coinfecção Tb/HIV % 4,6 6,0 4,0 4,3 4,6 7,0 7,8 8,7 8,3 9,6 9,5 Ano de diagnóstico 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 Percentual Fonte: SINAN/GVE/SUVISA/SES *Dados preliminares, atualizados em 30/06/2011, sujeitos a alterações.

19 19 A realização de testagem sorológica para HIV em pacientes com tuberculose tem aumentado ao longo dos anos. Em 2001 o percentual de indivíduos com sorologia reagente ou não reagente (indivíduos testados) nesse grupo era de 14,7% e em 2010 essa proporção aumentou para 61,0%, representando uma ampliação de 414,9% na testagem dos casos (Gráfico 12). Cabe ressaltar, que ainda é um desafio para os serviços de saúde alcançar o índice de 100% de indivíduos com Tb testados para HIV. Gráfico 12. Casos confirmados de Tuberculose (Tb) e testados para HIV em indivíduos residentes no Estado de Goiás, segundo ano de diagnóstico de Tb, 2001 a 2011* Nº de casos * 2011* Casos de Tuberculose Casos Testados para HIV % 14,7 22,5 25,3 26,7 36,7 45,9 47,9 53,4 59,5 61,0 50,4 Ano de diagnóstico 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Percentual Fonte: SINAN/GVE/SUVISA/SES *Dados preliminares, atualizados em 30/06/2011, sujeitos a alterações.

20 20 3. REFERÊNCIAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Boletim Epidemiológico Aids e DST. Brasília, DF. SPINDOLA, T.; ALVES, C. F Perfil de mulheres portadoras do HIV de uma maternidade no Rio de Janeiro. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 33, n. 1, mar.. Disponível em < acessos em 01 ago doi: /S SAMPAIO, J.; SANTOS, R. C.; CALLOU, J. L.L. SOUZA, B. B. C. Ele quer com camisinha e eu quero me prevenir: exposição de adolescentes do sexo feminino às DST/aids no semi-árido nordestino. Saude soc. [online]. 2011, vol.20, n.1 VIEIRA, A. C. B. C.; MIRANDA, A. E.; VARGAS, P. R. M.; MACIEL, E. L. N Prevalência de HIV em gestantes e transmissão vertical segundo perfil socioeconômico, Vitória, ES. Rev Saúde Pública;45(4):

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2015 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2014 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2014 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 1 2013. Secretária de Saúde do Estado de Alagoas É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba Centro de Epidemiologia Coordenação de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2012 Ano I - nº 01 até semana epidemiológica 52ª - dezembro de 2012 Sumário Apresentação... 03 Introdução... 05 HIV e Aids no Brasil... 06

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2009 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2010 2010. Ministério

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV.

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: A EPIDEMIA DA AIDS EM ADOLESCENTES NO BRASIL, 2001-2010. KOGLIN, Ilivelton Martins 1 ; TASSINARI, Tais Tasqueto 2 ; ZUGE, Samuel Spiegelberg 3 ; BRUM, Crhis Netto de 3 ;

Leia mais

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 28 (IDB-28) TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES SUMÁRIO Introdução... 1 Aids... 2 Dengue... 7 Leishmaniose Visceral... 11 Leishmaniose Tegumentar Americana...

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2014. Ano III - nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2014. Ano III - nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2014 Ano III - nº 01 27ª à 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2013 01ª à 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica 1 2 Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE.

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. Milca Oliveira Clementino Graduanda em Serviço social pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB milcaclementino@gmail.com

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

acesso GraTUITO ao TraTaMENTO aumenta a SOBrEVIDa DOS PaCIENTES COM HIV/aIDS

acesso GraTUITO ao TraTaMENTO aumenta a SOBrEVIDa DOS PaCIENTES COM HIV/aIDS acesso GraTUITO ao TraTaMENTO aumenta a SOBrEVIDa DOS PaCIENTES COM HIV/aIDS GRÁFICO 1 35 3 25 2 15 1 5 Estima-se que 63 mil pessoas vivam com HIV/AIDS no País [1]. A taxa de prevalência da infecção na

Leia mais

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc.

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc. AIDS Para construir série histórica de alguns indicadores epidemiológicos e operacionais referentes a casos de aids adulto e criança anteriores ao ano de 2007, incluídos no SinanW, deve-se utilizar os

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de

Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de Perfil epidemiológico dos clientes com AIDS cadastrados no Sistema de Controle Logístico de Medicamentos no Hospital Dia Aids no município de Chapecó-SC no ano de 2007. Otilia Cristina Coelho Rodrigues

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Situação epidemiológica da AIDS em Alagoas 1 Registro de caso Total de casos Nº de óbitos Até 06.2010 1986 3842 949 (fonte MS/SVS/Departamento de DST/Aids e

Leia mais

de Aids HIV/DST e Hepatites B e C do Município de São Paulo

de Aids HIV/DST e Hepatites B e C do Município de São Paulo Boletim Epidemiológico de Aids HIV/DST e Hepatites B e C do Município de São Paulo Ano XV - N o 14 - Junho 2011 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DE AIDS HIV/DST e Hepatites B e C do MunicÍpio de SÃO PAULO Prefeito

Leia mais

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde I. Apresentação II. Contexto epidemiológico III.

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

Josana Aparecida Dranka Horvath. A epidemia de aids no município de Cascavel - PR

Josana Aparecida Dranka Horvath. A epidemia de aids no município de Cascavel - PR Josana Aparecida Dranka Horvath A epidemia de aids no município de Cascavel - PR Monografia apresentada no Curso de Especialização em Prevenção ao HIV/Aids no quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos

Leia mais

Caracterização dos casos de HIV/Aids no município Irati PR no período de 1994 a 2012.

Caracterização dos casos de HIV/Aids no município Irati PR no período de 1994 a 2012. Caracterização dos casos de HIV/Aids no município Irati PR no período de 1994 a 2012. Emalline Angélica de Paula Santos* Acadêmica do 4º ano do curso de Psicologia da Universidade Estadual do Centro-Oeste

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP 2012 6º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS A inclusão do combate ao HIV/Aids nas Metas do Milênio, foi

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 1 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 7ª REVISÃO 1986 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES DE AIDS NO BRASIL DA PERSPECTIVA DE GÊNERO: UM ESTUDO DOCUMENTAL RESUMO

PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES DE AIDS NO BRASIL DA PERSPECTIVA DE GÊNERO: UM ESTUDO DOCUMENTAL RESUMO PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES DE AIDS NO BRASIL DA PERSPECTIVA DE GÊNERO: UM ESTUDO DOCUMENTAL Mikael Lima Brasil 1 Laís Vasconcelos Santos 2 Sheila Milena Pessoa dos Santos 3 Allan Batista Silva 2 Raila Natasha

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB Macilene Severina da Silva 1 (merciens@zipmail.com.br); Marcelo R.da Silva 1 (tcheillo@zipmail.com.br); Analice M.

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Os conflitos armados no âmbito global e a violência no Brasil

Os conflitos armados no âmbito global e a violência no Brasil Este material é parte do material de divulgação do relatório Situação Mundial da Infância 2005, lançado pelo UNICEF no dia 9 de dezembro de 2004. Aqui você vai encontrar dados sobre a situação da infância

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011 Briefing Boletim Epidemiológico 2011 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Ficha catalográfica. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, C.R.T. DST/AIDS. C.V.E., Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, 2013

Ficha catalográfica. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, C.R.T. DST/AIDS. C.V.E., Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, 2013 AIDS DST BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO C.R.T.. DST/AIDS. C.V.E.. ANO XXX - Nº 1. 2013 Veja estas e outras publicações em: issuu.com/crtdstaidsspcrtaids/docs Encontre um serviço perto de você #tireopesodaduvida

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB Elizângela Samara da Silva 1 Adália de Sá Costa 2 Anna Marly Barbosa

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2015. Ano IV - nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2015. Ano IV - nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2015 Ano IV - nº 01 da 27ª à 53ª semana epidemiológica - julho a dezembro de 2014 da 01ª à 26ª semana epidemiológica - janeiro a junho de

Leia mais

A RESPOSTA DA EPIDEMIA DE AIDS EM PARCERIA COM O MUNDO DO TRABALHO

A RESPOSTA DA EPIDEMIA DE AIDS EM PARCERIA COM O MUNDO DO TRABALHO A RESPOSTA DA EPIDEMIA DE AIDS EM PARCERIA COM O MUNDO DO TRABALHO Histórico da Parceria com o Setor Privado Década de 1990 -AIDS SUS Local de Trabalho Necessidade de combinar esforços públicos e privados

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: ORIENTAÇÕES SOBRE TUBERCULOSE JUSTIFICATIVA A Tuberculose é uma infecção causada por um microorganismo chamado Mycobacterium tuberculosis, também conhecido por bacilo de Koch. A doença costuma afetar os

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Elisabeth Anhel Ferraz César Schwenck Inês Quental Palavras-chave: homossexualidade; comportamento sexual; Aids; risco.

Leia mais

Coinfecção TB HIV Recomendações. Marli Marques Gerente Técnica do PCT/PCH/SES/MS

Coinfecção TB HIV Recomendações. Marli Marques Gerente Técnica do PCT/PCH/SES/MS Coinfecção TB HIV Recomendações Marli Marques Gerente Técnica do PCT/PCH/SES/MS Tuberculose no Brasil 70 mil casos novos de TB notificados em 2011 4,6 mil mortes em 2010 17º país em número de casos entre

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder SANTA CATARINA Programa Estadual de Controle da Tuberculose Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder tuberculose@saude.sc.gov.br SECRETARIA

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Nome do autor 1: TACIANA MARIA DA SILVA. Nome do autor 2: MARIA SOLANGE ROCHA

IDENTIFICAÇÃO. Nome do autor 1: TACIANA MARIA DA SILVA. Nome do autor 2: MARIA SOLANGE ROCHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM POLÍTICAS E DIREITOS SOCIAIS (NEPPS)-UFPE IDENTIFICAÇÃO Nome do autor

Leia mais

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 Gerência de DST/AIDS/Hepatites Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Secretaria de Estado de Saúde DADOS GERAIS No Brasil: Prevalência do HIV

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Desafios para o controle da

Desafios para o controle da Desafios para o controle da Tuberculose como problema de saúde pública e doença determinada Tuberculose e perpetuadora no Brasil da miséria Draurio Barreira Coordenador do PNCT Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

Situação da Tuberculose no Brasil

Situação da Tuberculose no Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Programa Nacional de Controle da Tuberculose Situação da Tuberculose no Brasil Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

PAM REVISADO/ABERTO PELO PROGRAMA NACIONAL

PAM REVISADO/ABERTO PELO PROGRAMA NACIONAL ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria de Estado da Saúde do Paraná CNPJ: 76.416.866/0001-40 Dirigente: Michele Caputo Neto Profissão: Secretario Estadual de Saúde RG: 048149-6 SSPPr CPF:

Leia mais