Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Chapecó. 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de"

Transcrição

1 Perfil epidemiológico dos clientes com AIDS cadastrados no Sistema de Controle Logístico de Medicamentos no Hospital Dia Aids no município de Chapecó-SC no ano de Otilia Cristina Coelho Rodrigues 1 Vera Blank 2 1. Secretaria de Estado da Saúde Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de Chapecó 2 Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC/Centro de Ciências da Saúde/Departamento de Saúde Pública Endereço para correspondência Otilia Cristina Coelho Rodrigues Endereço: Rua Clovis Locatelli nº 100 D, Bairro: Presidente Médice Chapecó-SC, Brasil.CEP: Telefone: 0XX / Resumo O objetivo do presente estudo foi identificar o perfil dos usuários adultos de medicamentos antiretrovirais, cadastrados junto ao Sistema de Controle Logístico de Medicamentos (SICLOM), no município de Chapecó/SC no ano Este é um estudo epidemiológico transversal descritivo, realizado com base nos dados de cadastro de clientes adultos junto ao SICLOM, no ano de 2007, totalizando 28 cadastros. A faixa etária mais acometida para homens e mulheres foi entre 30 e 59 anos; a maioria dos clientes é de cor branca; 46% das clientes do sexo feminino possuem o primeiro grau incompleto; 38% dos clientes do sexo masculino são casados. Categoria sexual com comportamento heterossexual foi predominante nas mulheres (92%); houve maior indicação de doenças oportunistas entre os homens do que entre as mulheres; 46% dos clientes apresentaram resultados de CD4 menor que 350 células por mm 3, no momento da notificação no SINAN ou cadastro junto ao SICLOM. Palavras Chave: Perfil Epidemiológico, AIDS, HIV. Introdução Os primeiros casos de Aids descritos ocorreram nos EUA no inicio da década de 80, nesta época não havia um completo conhecimento quanto a causa da doença, acreditava-se ser uma enfermidade relacionada a imunidade celular comprometida, e ao contato sexual vinculado a homens que fazem sexo com outros homens(hsh) 1. O Brasil teve seu primeiro caso registrado em 1982, na cidade de São Paulo. As regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro foram as principais atingidas, caracterizando uma população com alto nível socioeconômico, sexo masculino, predominantemente homossexuais e bissexuais. Em Santa Catarina o primeiro caso notificado de Aids, foi na cidade de Chapecó, no ano de Inicialmente a Aids esteve relacionada ao comportamento homossexual e bissexual, uso de drogas injetáveis, devido ao compartilhamento de seringas, em transfusão de sangue e hemoderivados. Com o passar dos anos, observa-se uma mudança no perfil epidemiológico da doença, caracterizando a feminilização, heterossexualização e pauperização da epidemia 3. 1

2 Segundo dados do Ministério da Saúde de 1980 a junho de 2007, foram notificados casos de Aids no Brasil, totalizando óbitos até o ano de O Programa Nacional de DST/Aids do Ministério da Saúde, juntamente com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, vem desenvolvendo importante papel na elaboração e implementação de políticas públicas relacionadas ao HIV/Aids, através de atitudes éticas, efetivas e democráticas, sendo o Brasil, o primeiro país da América Latina a proporcionar a distribuição universal de medicamentos antiretrovirais (ARV), inicialmente no Estado de São Paulo, no ano de A distribuição de medicamentos antiretrovirais atualmente atinge cerca de 170 mil portadores de HIV/Aids em todo o País. Entre os anos de 1996 a 2005, foi observada redução da mortalidade na casa dos 30% e aproximadamente 20% de redução na morbidade, por doenças relacionadas ao HIV/Aids, o que corresponde a aproximadamente 90 mil óbitos evitados 5. Para o Estado de Santa Catarina, segundo dados Gerencia de Vigilância das DST/Aids entre os anos de 1997 e 2007 foi totalizado casos notificados de Aids, destes 335 notificados no município de Chapecó 6. O Sistema de Controle Logístico de Medicamentos (SICLOM) foi criado com o intuito do Ministério da Saúde foi manter um adequado controle da logística de distribuição dos ARV 7. Apesar dos inúmeros avanços relacionados ao reconhecimento, prevenção e tratamento do HIV/Aids, muito ainda se têm para evoluir com relação à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. O presente estudo tem por objetivo identificar o perfil dos usuários adultos, de medicamentos antiretrovirais, cadastrados junto ao Sistema de Controle Logístico de Medicamentos (SICLOM), no município de Chapecó/SC no ano Metodologia Chapecó esta situado na região oeste do Estado de Santa Catarina, estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística indicam população em torno de 170 mil habitantes, representa o pólo da agroindústria no Estado, apresentando um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,84 8. Por ser a maior cidade da Região Oeste de SC, é referência em inúmeras especialidades médicas, assim como para exames e demais rotinas de atendimento especializado. O Hospital Dia é a unidade regional de atendimento especializado a portadores de HIV/Aids na região, sendo referenciado para 37 municípios e muitos pacientes residentes em outros estados, pois o município faz divisa com o Estado do Rio Grande do Sul. Este é um estudo epidemiológico transversal descritivo 9, realizado com base nos dados de cadastro de clientes adultos junto ao SICLOM (Sistema de Controle Logístico de Medicamentos), no Hospital Dia, no município de Chapecó/SC, no ano de O SICLOM em Chapecó teve seu primeiro cadastro de paciente no ano de 1998, totalizando 403 cadastros até dezembro de Para o presente estudo foram incluídos somente os clientes cadastrados no SICLOM no ano de 2007, totalizando 28 cadastros. Recorreu-se ao banco de dados do SINAN (Sistema Nacional de Agravos de Notificação), disponível na Gerência de Saúde de Chapecó, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional de Santa Catarina, para completude dos dados sociodemográficos, assim como para a correlação das informações. Inicialmente foi realizada a identificação dos usuários junto ao SICLOM, selecionando por ano de cadastro, do total dois registros foram excluídos dos cadastros por 2

3 se tratar de duplicidade e Aids criança, respectivamente. Os dados foram analisados segundo as variáveis: A) sexo, masculino e feminino; B)idade: menor de 20 anos, de 20 a 29, de 30 a 39, 40 a 49, 50 a 59, 60 ou mais; C)raça:branco, preto e pardo; D)escolaridades:sem escolaridade, primeiro grau incompleto, primeiro grau completo, segundo grau, superior ignorado; E)categoria de exposição: heterossexual, heterossexual usuário de drogas, heterossexual com parceiro de riso, homossexual e ignorado; F)doenças oportunistas; G)valores de CD4; e H) tempo entre a notificação e o cadastro no SICLOM. Os dados foram analisados utilizando o programa Microsoft Excel Resultados Foram cadastrados no SICLOM no período de 1998 a 2007, 403 clientes, sendo 52,59 do sexo feminino, 4% menores de 13 anos e 8 % gestantes. No mesmo período foram registrados 98 óbitos. Dos 28 cadastros de clientes para o ano de 2007, 26% encontram-se notificados no SINAN Windows e os demais no SINAN Net, destes dois registros foram excluídos por se tratar de duplicidade e Aids criança, respectivamente. Para o período do estudo houve equiparação entre os sexos masculino e feminino, a faixa etária mais acometida está entre os 40 e 59 anos para as mulheres e entre os 30 e 59 anos para os homens, conforme dados da Tabela I. Houve predomínio de residentes no município de Chapecó/SC, perfazendo 46% dos clientes cadastrados para ambos os sexos. Na tabela II, relacionada às características sociais, observa-se que a maioria dos clientes são de cor branca. A classificação por escolaridade demonstra que 46% dos clientes do sexo feminino possuem o primeiro grau incompleto, enquanto que para o sexo masculino foi observado a mesma situação para 38% dos clientes. Considerando os clientes com grau de instrução ignorado obtivemos 23% dos casos para ambos os sexos. Quanto ao estado civil 38% dos clientes do sexo masculino são casados, e apenas 8% das clientes do sexo feminino verificou-se a mesma situação. As características relacionadas a categoria de exposição 92% das clientes do sexo feminino foram classificados como heterossexual, enquanto que 31% dos clientes dos sexo masculino heterossexual com parceiro de risco. Na tabela III obtivemos 17 indicações de doenças oportunistas entre as clientes do sexo feminino, frente a 24 indicações para o sexo masculino; a astenia foi indicada em 18% do total para as clientes do sexo feminino, enquanto que para os clientes do sexo masculino a maior ocorrência foi de linfodenopatia. Houve equiparação entre os valores de CD4 tanto para clientes do sexo masculino quanto feminino, onde 46% apresentavam valores acima de 350 células por mm 3, sendo a média dos valores 298 células pó mm 3. O tempo médio que antecede os cadastros dos clientes no SICLOM quando comparados ao SINAN é de 6 meses; sendo que 26% dos clientes foram cadastrados primeiro no SICLOM e posteriormente no SINAN. Através do Gráfico I, verificamos que 8% dos clientes permaneceram mais de um ano cadastrados no SICLOM para então serem incluídos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Discussão O presente estudo analisou os dados relacionados ao perfil epidemiológico dos clientes cadastrados no SICLOM do Hospital Dia de Chapecó no ano de 2007, atendidos no Hospital Dia de um município do Oeste Catarinense. Foram analisados apenas 28 cadastros, correspondendo a 100% dos registros para o ano em questão. Na população de estudo foi observado uma equiparação entre os sexos masculino e feminino, demonstrando 3

4 que a epidemia mudou de cara, os valores da razão de sexo que em 1985 chegavam a casa de 25 homens para cada mulher, vem mantendo uma ordem de 2 homens para cada mulher desde , 11. Desde o início da epidemia a faixa etária mais atingida tem sido entre os 20 e 30 anos, no entanto este perfil esta sendo revisto sendo que o grupo de homossexuais do sexo masculino é mais idoso ao passo que os usuários de drogas injetáveis e os casos de transmissão heterossexual são mais jovens. Estimativas para o ano de 1998 indicavam que pessoas entre 15 e 49 anos estariam infectadas pelo HIV 10. Na presente análise contatamos que 76% das clientes do sexo feminino e 61% dos clientes do sexo masculino então na faixa etária dos 40 aos 59 anos, reafirmando que a epidemia esta caminhando para uma população com idade mais avançada, justificando a implementações de ações direcionadas a grupos específicos da população 12. Estudos indicam aglomerados populacionais nos grandes centros urbanos, possivelmente em decorrência de melhores condições de vida, acesso ao trabalho e saúde 8, no presente estudo 69% da população tem como local de residência o município sede, reafirmando a tendência evidenciada nos demais estudos. Dados reportam para um aumento no número de casos de Aids entre pretos e pardos para ambos os sexos, enquanto que entre os brancos dados apontam para uma redução proporcional 13. Entre a população em questão não foi verificados este perfil, sendo que 84% dos clientes eram de cor branca. Pesquisas de caráter comportamental apontam para um maior conhecimento da população branca quanto às formas de transmissão e prevenção da Aids 13, no entanto na região em questão a população predominante é de cor branca 8. A escolaridade tem sido utilizada para avaliar o perfil socioeconômico de determinada população utiliza-se a escolaridade. Desta forma tem sido verificado o fenômeno de pauperização da epidemia, decorrente do aumento da proporção de casos de Aids em indivíduos com baixa escolaridade. No início da epidemia a totalidade dos casos diagnosticados apresentava nível superior ou médio de escolaridade, com o passar dos anos houve tendência de queda para este grupo e subseqüente aumento de casos entre analfabetos ou que haviam completado o ensino fundamental 13. Confirmando a tendência de pauperização da epidemia observamos que 46% das clientes do sexo feminino e 38% dos clientes do sexo masculino possuem o 1º grau incompleto. Apesar das mudanças na epidemia da Aids no decorrer dos últimos 20 anos, ainda existe o estigma dos grupos de risco, gerando certo desconforto para determinadas categorias da população, implicando muitas vezes em violação de direitos humanos. Dados de relatórios da UNAIDS 2006 apontam que os mais altos índices de HIV ocorrem entre pessoas de grupos de géis/lésbicas, bi e transsexuais e GLBT/HSH, onde os casos de Aids reportados na América Latina, os GLBT/HSH representam entre 25% a 30% da população 14. A feminilização da epidemia de Aids tem se caracterizado pela forma de relação heterossexual, onde a incidência de casos entre os heterossexuais apresentou aumento, influenciando de forma decisiva a expansão da epidemia entre as mulheres 14. A presença de infecção oportunista é um dos critérios para definição de caso de Aids, sendo apontado destes 1982 pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC) dos Estados Unidos da América (EUA), para a primeira definição de caso de Aids no EUA. Em 1985 a Organização Mundial da Saúde endossa uma lista com 20 condições oportunistas relacionadas a definição de caso 15. Estudos realizado com base em registro de casos notificados ao Ministério da Saúde, no período de 1980 a 1999, relacionado às condições clínicas mais específicas, revelaram diminuição de quase todas as doenças oportunistas, revelando também que apesar da 4

5 redução global de incidência das condições associadas, a tuberculose apresentou maior incidência para os doentes com baixa escolaridade, enquanto que a pneumonia por Pnuemocystis carinii e o sarcoma de Kaposi tiveram índices maiores entre os doentes com maior escolaridade, considerando os declínios semelhantes 10. Em 1998 ocorreu a inclusão de um marcador laboratorial de imunossupressão, sendo considerado um avanço para aumentar a sensibilidade na definição de caso de Aids, baseado na contagem de linfócitos T CD4 ( menor do que 350 células por mm 3 ), sendo considerado a marca registrada de déficit imunológico associada a parâmetros clínicos 14,15. Parenti CF, et al, (2005), em seu estudo sobre o perfil de pacientes com Aids com serviço de assistência domiciliar terapêutica, descrevem que pacientes em admissão no serviço apresentam valores de contagem de CD4 na casa das 110 células por mm 3. Existem evidencias de que o tratamento anti-retroviral tenha alterado a história natural de doenças e condições clínicas imunológicas associadas a Aids, sendo que apesar da disponibilidade do anti-retrovirais não há estudos em indivíduos infectados pelo HIV para definir o comportamento e fatores associadas 10. Algumas limitações do presente estudo cabem ser pontuadas, como forma de aprimorar o desenvolvimento dos bancos de dados para estudos em saúde. O SICLOM é um sistema de informação relativamente novo, tendo uma caminhada de aproximadamente 10 anos, destinado ao controle da logística de distribuição de medicamentos para validação do Sistema de Controle de Exames Laboratoriais (SISCEL) 16. Apesar da disponibilidade de coleta de informações de usuários através da contagem de CD4 no SISCEL, para a delimitação do perfil epidemiológico do cliente usuário de ARV faz-se necessário o link entre o SICLOM e o SINAN, onde o algaritimo de identificação torna-se apenas o nome do cliente, gerando por vezes um dilema ético. A completude dos dados tanto no SICLOM quanto no SINAN, também foi considerada ponto de limitação, sendo que 38% dos clientes não apresentam registro de valores de CD4 para ambos dos sexos nos sistemas de informação em questão. Para o presente estudo foram utilizadas as variáveis de identificação: nome do usuário, nome da mãe e data de nascimento, sendo analisadas em ambos os bancos, para composição da base de dados, dando confiabilidade as informações coletadas e proporcionando uma adequada avaliação do perfil epidemiológico dos usuários cadastrados no SICLOM no ano de Cabe registrar que 7,6% dos clientes estavam registrados somente no SICLOM, sendo coletados com base nas informações existentes no cadastro dos usuários. Bibliografia 1. Santos JSB, Tayra A, Silva SR, Buchalla CM, Laurenti R. A aids no Estado de São Paulo. As mudanças no perfil da epidemia e perspectivas na vigilância epidemiológica. Revista Brasileira de Epidemiologia 2002;vol.5,Nº2. 2. Júnior ALR, Castilho EA. A epidemia de AIDS no Brasil, : descrição espaçotemporal. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 37: , Gruner MF, Silva RM. Perfil epidemiológico de pacientes com HIV/AIDS em um hospital de referência: análise comparativa entre os anos de 1997 e Arquivos Catarinense de Medicina vol.34, nº3, Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico AIDS DST, ano IV, nº1, Ministério da Saúde/SVS/PN-DST e Aids. Recomendações para Terapia Anti-Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV. Brasília (DF),

6 6. (Recomendações para terapia antiretroviral, Brasil,2007) Verificar!! 7. Estado de Santa Catarina/SES/DIVE. A Epidemia da Aids em Santa Catarina [acessado durante o ano de 2008] Disponível em tarina_tendencias.pdf 8. Ministério da Saúde. Sistema de Controle Logístico de Medicamentos [ acessado durante o ano de 2008, para maiores informações de 2007]. Brasil. Disponível em https://siclom.aids.gov.br 9. Brasil. Atlas de Desenvolvimento Humano [acessado durante o ano de 2008, para maiores informações IDH Chapecó, SC]. Brasil. Disponível em 10. Medronho R, et al. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu, Brito AM, Castilho EA, Szwarcwald. AIDS e infecção pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 34(2): , marabr, Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico AIDST, Ano I nº01, Vasconcelos EMR, Alves FAP, Moura LML. Perfil Epidemiológico dos Clientes HIV/AIDS na terceira idade. Revista Brasileira de Enfermagem, 54(3): , jun.-set Ministério da Saúde. Resposta Positiva Gabriel R, Barbosa DA, Vianna LAC. Perfil Epidemiológico dos Clientes com HIV/AIDS da Unidade Ambulatorial de Hospital Escola de Grande Porte Município de São Paulo. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico AIDS, Ano XVII nº1, Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico AIDS DST, ano IV nº1, Tabelas e Figuras Tabela I Características demográficas dos clientes com HIV/Aids cadastrados no SICLOM, Hospital Dia Chapecó, 2007 Sexo/Faixa Etária Fem % Masc % <20 0 0% 0 0% % 2 15% % 3 23% % 5 38% % 3 23% >59 0 0% 0 0% Município de Residência/Sexo Chapecó 8 62% 10 77% Demais Municípios Região 2 15% 2 15% Não Informado 3 23% 1 8% Fonte: Siclom, Secretaria Municipal de Saúde Chapecó/SC, 2008 / SINAN, Gerencia Regional de Saúde Chapecó/SC,

7 Tabela II Características sociais dos clientes com HIV/Aids cadastrados no SICLOM, Hospital Dia Chapecó, 2007 Raça/Cor X Sexo Fem % Masc % Branco % 9 69% Preto - 0% 1 8% Parda - 0% - 0% Em branco - 0% 3 23% Escolaridade Sem Escolaridade 3 23% 1 8% 1º Grau Incompleto 6 46% 5 38% 1º Grau Completo - 0% - 0% 2º Grau 1 8% 3 23% Superior - 0% 1 8% Ignorado 3 23% 3 23% Estado Civil Solteiro 2 15% 2 15% Casado 1 8% 5 38% Separado 1 8% 1 8% União Estável 3 23% 3 23% Viúvo 1 8% - 0% Ignorado 5 38% 2 15% Fonte: Siclom, Secretaria Municipal de Saúde Chapecó/SC, 2008 / SINAN, Gerencia Regional de Saúde Chapecó/SC, Tabela II Características relacionadas a infecção e tratamento dos clientes com HIV/Aids cadastrados no SICLOM, Hospital Dia Chapecó, Categoria de exposição Fem % Masc % Heterossexual Usuários de Drogas 1 8% 0% Homossexual 0% 1 8% Heterossexual com parceiro de risco 0% 4 31% Heterossexual 12 92% 6 46% Ignorado 0% 2 15% % % Doenças oportunistas Candidiase Oral ou Leucopenia 2 12% 2 8% Herpes Zostes 1 6% - 0% Disfunção de Sistema Nervoso Central 1 6% - 0% Diarréia igual ou maior a 1 mês 2 12% 2 8% Febre maior ou igual a 38º 1 6% 2 8% Caquexia 4 24% 2 8% Astenia 3 18% 2 8% Dermatite Persistente - 0% 1 4% Anemia ou Linfopenia 1 6% 2 8% Tosse Persistente - 0% 2 8% Linfodenopatia 1 6% 4 17% Candidiase de Esôfago, Traquéia, Brônquios e Pulmão - 0% 1 4% Citomegalovirose - 0% 1 4% Criptococose - 0% 1 4% Pneumonia por Pneumocystis carinii - 0% 1 4% Toxoplasmose Cerebral 1 6% 1 4% % % Contagem de células CD4 < % 6 46% CD4 >ou= % 2 15% Não registrado 5 38% 5 38% % % Fonte: Siclom, Secretaria Municipal de Saúde Chapecó/SC, 2008 / SINAN, Gerencia Regional de Saúde Chapecó/SC,

8 Gráfico I Tempo de cadastro dos usuários no SINAN ao serem inseridos no SICLOM, clientes com HIV/Aids cadastrados no SICLOM, Hospital Dia Chapecó, Tempo de Cadastro SICLOM X SINAN Percentagem 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0-5,0-10,0 1 a 5 meses No mesmo mês >1 a <4 anos 1 a 5 meses Mais de um ano Série1-15,0-20,0 Tempo Fonte: Siclom, Secretaria Municipal de Saúde Chapecó/SC, 2008 / SINAN, Gerencia Regional de Saúde Chapecó/SC,

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2015 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS Goiânia, 2012

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba Centro de Epidemiologia Coordenação de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2013 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO ESTADO DE GOIÁS HIV- AIDS GOIÁS - 2013 Situação Epidemiológica da aids em crianças, aids em jovens, aids em adultos e gestantes

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS 2013 SMS-RJ/SUBPAV/SAP boletim.indd 1 07/11/2013 12:51:59 boletim.indd 2 07/11/2013 12:51:59 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA AIDS NO MUNICÍPIO DO RIO

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2012 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2012 Ano I - nº 01 até semana epidemiológica 52ª - dezembro de 2012 Sumário Apresentação... 03 Introdução... 05 HIV e Aids no Brasil... 06

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2014 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV.

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: A EPIDEMIA DA AIDS EM ADOLESCENTES NO BRASIL, 2001-2010. KOGLIN, Ilivelton Martins 1 ; TASSINARI, Tais Tasqueto 2 ; ZUGE, Samuel Spiegelberg 3 ; BRUM, Crhis Netto de 3 ;

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 1 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 7ª REVISÃO 1986 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 1 2013. Secretária de Saúde do Estado de Alagoas É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2014 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica 1 2 Bento Gonçalves SIDA 1986 a 2013 SMS Serviço de Vigilância Epidemiológica BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

Caracterização dos casos de HIV/Aids no município Irati PR no período de 1994 a 2012.

Caracterização dos casos de HIV/Aids no município Irati PR no período de 1994 a 2012. Caracterização dos casos de HIV/Aids no município Irati PR no período de 1994 a 2012. Emalline Angélica de Paula Santos* Acadêmica do 4º ano do curso de Psicologia da Universidade Estadual do Centro-Oeste

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0

DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2009 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2010 2010. Ministério

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Josana Aparecida Dranka Horvath. A epidemia de aids no município de Cascavel - PR

Josana Aparecida Dranka Horvath. A epidemia de aids no município de Cascavel - PR Josana Aparecida Dranka Horvath A epidemia de aids no município de Cascavel - PR Monografia apresentada no Curso de Especialização em Prevenção ao HIV/Aids no quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

SICLOM Cadastramento

SICLOM Cadastramento 1 Cadastramento SICLOM Cadastramento Manual de cadastramento de usuário SUS Versão: 2011 2 Cadastramento 3 Cadastramento Índice Cadastramento. 1 Cadastro de usuário SUS. 1 Transferência de usuário SUS.

Leia mais

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Resumo: O presente trabalho tem por intuito analisar os fatores que condicionam o aumento da vulnerabilidade da transmissão do vírus do HIV entre

Leia mais

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 28 (IDB-28) TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES SUMÁRIO Introdução... 1 Aids... 2 Dengue... 7 Leishmaniose Visceral... 11 Leishmaniose Tegumentar Americana...

Leia mais

SICLOM Cadastramento

SICLOM Cadastramento 1 Cadastramento SICLOM Cadastramento Versão: 2011 Manual de utilização do menu de Cadastramento Versão: 2013 2 Cadastramento 3 Cadastramento Índice Introdução. 5 Cadastramento. 6 Cadastro de usuário SUS.

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2014. Ano III - nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS. Brasília - 2014. Ano III - nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 HIV AIDS Brasília - 2014 Ano III - nº 01 27ª à 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2013 01ª à 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE. Michele Caputo Neto SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE. Sezifredo Paz DIRETOR GERAL

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE. Michele Caputo Neto SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE. Sezifredo Paz DIRETOR GERAL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Michele Caputo Neto SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE Sezifredo Paz DIRETOR GERAL Eliane Chomatas SUPERINTENDENTE DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Cleide Aparecida de Oliveira CENTRO ESTADUAL

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ CURITIBA, 215 Governador do Paraná Beto Richa Prefácio Secretário de Estado da Saúde Michele Caputo Neto Diretor Geral Sezifredo

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Menu de Cadastramento

Menu de Cadastramento Sistema de Controle Logístico de Medicamentos 1 Menu de Cadastramento 0800 61 2439 siclom@aids.gov.br Endereço de acesso do SICLOM: Esse endereço é do banco de produção, que é o banco oficial do SICLOM.

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006 D.2.1 Taxa de incidência de aids 1. Conceituação Número de casos novos confirmados de síndrome de imunodeficiência adquirida (aids códigos B20-B24 da CID-10), por 100 mil habitantes, na população residente

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

EVOLUÇÃO TEMPORAL DE MANIFESTAÇÕES ORAIS NOTIFICAÇÃO EM PORTADORES DE AIDS

EVOLUÇÃO TEMPORAL DE MANIFESTAÇÕES ORAIS NOTIFICAÇÃO EM PORTADORES DE AIDS EVOLUÇÃO TEMPORAL DE MANIFESTAÇÕES ORAIS NOTIFICAÇÃO EM PORTADORES DE AIDS Bárbara Letícia de Queiroz Xavier. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: barbaraleticiaqx@hotmail.com Eliane de

Leia mais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Elisabeth Anhel Ferraz César Schwenck Inês Quental Palavras-chave: homossexualidade; comportamento sexual; Aids; risco.

Leia mais

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB Elizângela Samara da Silva 1 Adália de Sá Costa 2 Anna Marly Barbosa

Leia mais

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc.

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc. AIDS Para construir série histórica de alguns indicadores epidemiológicos e operacionais referentes a casos de aids adulto e criança anteriores ao ano de 2007, incluídos no SinanW, deve-se utilizar os

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES DE AIDS NO BRASIL DA PERSPECTIVA DE GÊNERO: UM ESTUDO DOCUMENTAL RESUMO

PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES DE AIDS NO BRASIL DA PERSPECTIVA DE GÊNERO: UM ESTUDO DOCUMENTAL RESUMO PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES DE AIDS NO BRASIL DA PERSPECTIVA DE GÊNERO: UM ESTUDO DOCUMENTAL Mikael Lima Brasil 1 Laís Vasconcelos Santos 2 Sheila Milena Pessoa dos Santos 3 Allan Batista Silva 2 Raila Natasha

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB Macilene Severina da Silva 1 (merciens@zipmail.com.br); Marcelo R.da Silva 1 (tcheillo@zipmail.com.br); Analice M.

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE.

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. GISELE MARIA BRANDÃO DE FREITAS 1 INTRODUÇÃO Campo Grande é um município brasileiro, capital do estado de Mato Grosso

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: E-Mail INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO OBJETIVOS: Objetivo geral Objetivos específicos

TÍTULO: AUTORES: E-Mail INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO OBJETIVOS: Objetivo geral Objetivos específicos TÍTULO:AVALIAÇÃO DA PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV NO HULW EM JOÃO PESSSOA - PB AUTORES: Karina Carla de Paula Medeiros, Ana Cecília Bezerra Carvalho, Márcia Regina Piuvezam, Margareth de Fátima

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DIREITOS HUMANOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESAFIOS PREVENÇÃO Mais de 30 campanhas de massa para

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Responsável: Juliana Monteiro da Cruz, Gerente de Desenvolvimento

Leia mais

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Autora: Jacilene Geaquinto Leão Adriano Revisão da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais

Leia mais

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica AIDS AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO: IDENTIFICAÇÃO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO, RISCOS E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Teste de vacina contra Aids reduz risco de infecção 4

Teste de vacina contra Aids reduz risco de infecção 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 14 Joelma Castro Sousa 1 Neyane de Moraes Francelino 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa

Leia mais

Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo.

Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo. Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo. CUNHA, E. V. & SILVA, L. L. 1 Resumo A influência de campanhas da AIDS sobre o comportamento sexual dos jovens é algo ainda

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE DST/AIDS DE UBERABA Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG Gerente: Maria Clara de Vasconcelos Afonso Elaboração:

Leia mais

AIDS e infecção pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada

AIDS e infecção pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 34(2): 207-217, mar-abr, 2000. ARTIGO DE OPINIÃO AIDS e infecção pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada AIDS and HIV infection in Brazil: a

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000

Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000 Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000 Introdução Célia Landmann Szwarcwald (1), Aristides Barbosa Júnior(2) e Maria Goretti P. Fonseca(2) A epidemia de aids no

Leia mais

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR AIDS Preocupa Terceira Idade 1 Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR RESUMO Os primeiros casos de HIV, vírus da síndrome da imunodeficiência

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Nome do autor 1: TACIANA MARIA DA SILVA. Nome do autor 2: MARIA SOLANGE ROCHA

IDENTIFICAÇÃO. Nome do autor 1: TACIANA MARIA DA SILVA. Nome do autor 2: MARIA SOLANGE ROCHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM POLÍTICAS E DIREITOS SOCIAIS (NEPPS)-UFPE IDENTIFICAÇÃO Nome do autor

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO.

AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO. AS TRANSFORMAÇÕES DO SIGNIFICADO DA AIDS PARA AS MULHERES PORTADORAS DO VÍRUS E O OLHAR DA PSICOLOGIA SOBRE ESTE PROCESSO. Kadidja Suelen de Lucena Santos 1 Julianne Dantas de Oliveira Pimentel 2 Michele

Leia mais

NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS

NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS Vanessa Prado dos Santos¹ Maria Thereza Ávila Dantas Coelho²

Leia mais

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo *

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Bernadette Cunha Waldvogel Fundação Seade Lilian Cristina Correia Morais Fundação Seade Palavras-chave: mortalidade, Aids, distribuição

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais