Bases de Dados em Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bases de Dados em Saúde"

Transcrição

1 Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE

2 Transição Demográfica As transformações sociais e econômicas ocorridas no Brasil durante o século passado provocaram mudanças importantes no perfil de ocorrência de óbitos e nascimentos na população do Brasil. 80 anos e mais 75 a 79 anos 70 a 74 anos 65 a 69 anos 60 a 64 anos 55 a 59 anos 50 a 54 anos 45 a 49 anos 40 a 44 anos 35 a 39 anos 30 a 34 anos 25 a 29 anos 20 a 24 anos 15 a 19 anos 10 a 14 anos 5 a 9 anos 0 a 4 anos Brasil 1980 Brasil anos e mais Brasil 1980 e a 79 anos 70 a 74 anos 65 a 69 anos 60 a 64 anos 55 a 59 anos 50 a 54 anos 45 a 49 anos 40 a 44 anos 35 a 39 anos 30 a 34 anos 25 a 29 anos 20 a 24 anos 15 a 19 anos 10 a 14 anos 5 a 9 anos 0 a 4 anos Fonte: Datasus

3 Idade Transição Demográfica Homens Mulheres Total Homens Mulheres Total 0 a 4 anos a 9 anos a 14 anos a 19 anos a 24 anos a 29 anos a 34 anos a 39 anos a 44 anos a 49 anos a 54 anos a 59 anos a 64 anos a 69 anos a 74 anos a 79 anos anos e mais Total Fonte: Datasus

4 Bases de dados Mortalidade e Natalidade SIM Sistema de Informações sobre Mortalidade Sinasc - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos

5

6 Sistema de Informações sobre Mortalidade foi criado pelo Ministério da Saúde em 1975 obtenção regular de dados sobre mortalidade no País com base nessas informações é possível realizar análises de situação, planejamento e avaliação das ações e programas na área estudos estatísticos, epidemiológicos e sócio-demográficos produção de estatísticas de mortalidade construção dos principais indicadores de saúde

7 Óbitos no SIM -Brasil Óbitos Brasil

8 Óbitos no SIM -Brasil óbitos < e

9 SIM Principais variáveis de Identificação: Tipo de óbito Fetal e não fetal Data e hora do óbito Naturalidade Nome do falecido Nome do pai e da mãe Data de nascimento Idade ao falecer (anos meses,dias, hora e minuto) Sexo Raça/cor Estado civil Escolaridade Ocupação

10 SIM Principais variáveis de residência: Endereço e Bairro Município de residência

11 SIM Principais variáveis de ocorrência (área física): Local de ocorrência do óbito Código do estabelecimento Município de ocorrência

12 SIM Fetal ou menor que 1 ano Informações da mãe: Idade Escolaridade Ocupação Numero de filhos tidos (NV e NM) Duração da gestação Tipo de gravidez Tipo de parto Morte em relação ao parto Peso ao nascer Número da DN

13 SIM Condições e causas do óbito: Em mulheres: gravidez ou puerpério Assistência médica Confirmação de diagnóstico exame complementar, cirurgia ou necropsia Causas da morte (CID10)

14 CID10 A CID é dividida em Capítulos: I - Doenças Infecciosas e Parasitárias A00 - B99 II - Neoplasias C00 - D99 III - Doenças do Sangue D50 - D89 IV - Doenças Endócrinas E00 - E99 X - Doenças do Aparelho Circulatório I00 - I99 XI - Doenças do Aparelho Digestivo K00 - K93 XIX - Causas Externas V01 - Y99

15 CID10 Exemplos da Categoria de 3 Algarismos: (CID10-3C, CID10-3D) A00 - Cólera B05 - Sarampo I21 - Infarto agudo no Miocárdio W14 - Queda de árvore X33 - Vítima de raio X93 - Homicídio por arma de fogo

16 CID10 Exemplos da Categoria de 4 Algarismos (subcategoria): A Cólera devido Vibrio Cholerae B Sarampo complicado por pneumonia I Infarto agudo subendocárdio no Miocárdio W Queda de árvore em Fazenda X Vítima de raio em residência X93.4- Homicídio por arma de fogo em rua

17 Capítulos da CID10 Brasil 2009* óbitos < e+ IX. Doenças do aparelho circulatório X. Doenças do aparelho respiratório XVIII.Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat XX. Causas externas de morbidade e mortalidade

18 Fatores que prejudicam a informação na DO Sub-registro Causas mal definidas Variáveis Ignoradas Preenchimento incorreto Informação de má qualidade Digitação Incorreta Codificação incorreta Omissões Legais, Éticas, Sociais Revisão imperfeita

19 Fatores que prejudicam a informação na DO Causas de morte: São todasas doenças, estados mórbidos ou lesões que produziram a morte ou que contribuíram para ela, e as circunstâncias do acidente ou violência que produziu essas lesões. Causa básica: é a doença ou lesão que iniciou a cadeia de acontecimentos patológicos que conduziram diretamente à morte ou a circunstância do acidente ou violência que produziu a lesão fatal. Afogamento/Acidente de carro Falência de Múltiplos Órgãos, Parada cardíaca, Morte súbita. (modos de morrer)

20 Sub-registro A B C D

21 Sinasc-Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos O Ministério da Saúde criou o Sinascem 1989 e sua implantação nos estados iniciou-se em 1991 Objetivo de reunir informações epidemiológicas referentes aos nascimentos informados em todo território nacional Sua implantação ocorreu de forma lenta e gradual em todas as unidades da Federação Em muitos municípios já apresenta um número de registros maior do que o publicado pelo IBGE, com base nos dados de Cartório de Registro Civil.

22

23 Sinasc-Brasil nascidos vivos Brasil

24 Sinasc Nascidos Vivos Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste

25 Sinasc Informações sobre local de ocorrência: Local de ocorrência Estabelecimento Municipio de ocorrência

26 Sinasc Nome da mãe: Idade Estado civil Escolaridade Gestações anteriores (NV e NM) Endereço

27 Sinasc Gravidez e parto: Duração da gestação Tipo de gravidez Tipo de parto Consultas pré-natal

28 Sinasc Identificação do recém-nascido: Data e hora do nascimento Sexo Índice de apgar Raça/cor Peso ao nascer Anomalia congênita

29 Tabuladores Arquivos dbf(dbc): Tabnet Tabwin

30 TABWIN e TABNET Esses tabuladores permitem selecionar e organizar os dados conforme o objetivo da pesquisa, bem como associar as tabulações a mapas, possibilitando visualização e avaliação espacial da informação. Esse é um recurso valioso de apoio a políticas e ações de saúde. Esses programas são de distribuição gratuita e estão disponíveis para download

31 DATASUS -Tabnet

32 DATASUS -Tabnet

33 RIPSA Rede Interagencial de Informações para a Saúde Indicadores e Dados Básicos para a Saúde no Brasil (IDB)

34 RIPSA -Instituições Ministério da Saúde(Secretarias, Fundações e Agências) Organização Pan-Americana da Saúde(OPAS) Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE) Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada(IPEA) Conselho Nacional de Secretários de Saúde(CONASS) Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde(CONASEMS) Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva(ABRASCO) Fundação Oswaldo Cruz(FIOCRUZ) Agência Nacional de Saúde Suplementar(ANS) Agência Nacional de Vigilância Sanitária(ANVISA) Ministério da Previdência Social Fundação SEADE Associação Brasileira de Estudos Populacionais(ABEP) Universidade de São Paulo(USP) Universidade Federal da Bahia(UFBA) Universidade Estadual do Rio de Janeiro(UERJ) Universidade Estadual de Campinas(UNICAMP) Universidade de Brasília(UnB) Universidade Federal de Minas Gerais(UFMG) Fundação Getúlio Vargas(FGV/SP)

35 DATASUS

36 Indicadores Demográficos A. Indicadores demográficos Razão entre nascidos vivos informados e estimados -A.17 Taxa bruta de natalidade -A.7* Taxa específica de fecundidade -A.6* Taxa de fecundidade total -A.5* Razão entre óbitos informados e estimados -A.18 Mortalidade proporcional por idade -A.8 Mortalidade proporcional por idade, em menores de 1 ano de idade -A.9 Taxa bruta de mortalidade -A.10*

37 Indicadores de Mortalidade C. Indicadores de mortalidade Taxa de mortalidade infantil - C.1* Taxa de mortalidade neonatal precoce - C.1.1* Taxa de mortalidade neonatal tardia - C.1.2* Taxa de mortalidade pós-neonatal - C.1.3* Taxa de mortalidade perinatal- C.2 Taxa de mortalidade em menores de cinco anos -C.16* Razão de mortalidade materna - C.3 Mortalidade proporcional por grupos de causas - C.4 Mortalidade proporcional por causas mal definidas - C.5 Mortalidade proporcional por doença diarréica aguda em menores de 5 anos de idade - C.6 Mortalidade proporcional por infecção respiratória aguda em menores de 5 anos de idade - C.7 Taxa de mortalidade específica por doenças do aparelho circulatório - C.8 Taxa de mortalidade específica por causas externas - C.9 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas - C.10 Taxa de mortalidade específica por diabete melito- C.12 Taxa de mortalidade específica por aids- C.14 Taxa de mortalidade específica por afecções originadas no período perinatal- C.15 Taxa de mortalidade específica por doenças transmissíveis - C.17

38 Indicadores de fatores de risco e de proteção G. Indicadores de fatores de risco e de proteção Proporção de nascidos vivos por idade materna - G.15 Proporção de nascidos vivos de baixo peso ao nascer -G.16

39 Indicadores de cobertura F. Indicadores de cobertura Cobertura de consultas de pré-natal - F.6 Proporção de partos hospitalares - F.7 Proporção de partos cesáreos - F.8

40 Cobertura do SIM em 2009* SIM

41 Cobertura do SIM em 2009* Óbito infantil SIM Infantil

42 Cobertura Sinascem 2009* SINASC

43 Outras bases de dados SIH Sistema de Informações Hospitalares do SUS SIA - Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS SINAN Sistema de Informações de Agravos Notificaveis PNDS -Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher 2009 PETab -Pesquisa Especial de Tabagismo -IBGE e Ministério da Saúde Pnad 2008 Acesso e Utilização de Serviços de Saúde -IBGE e Ministério da Saúde Pnad 2008 PENSE Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar -IBGE e Ministério da Saúde 2009 VIVA- Vigilância de Violências e Acidentes - Ministério da Saúde 2009 VIGITEL Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico - Ministério da Saúde 2009

44 Bases de dados e tabuladores Disponibilização de bases de dados e TabWin: SIM, Sinasc e SIH: Sistemas e aplicativos/serviços/transferência de arquivos Obs: bases não nominais TabNet:

45 Sites VIVA: PENSE: VIGITEL: TABAGISMO: oticia=1505&id_pagina=1 PNDS:

46

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL:

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: CONCEITOS E APLICAÇÕES Brasilia, 2008 2008 Organização Pan-Americana da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra,

Leia mais

(Coeficiente de mortalidade infantil)

(Coeficiente de mortalidade infantil) C Taxa de mortalidade infantil C.1............................ 108 Taxa de mortalidade neonatal precoce C.1.1..................... 110 Taxa de mortalidade neonatal tardia C.1.2...................... 112

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

Estratégia: Articulação interinstitucional

Estratégia: Articulação interinstitucional CGDIS/DATASUS/SE/MS Antecedentes Sistemas, bases de dados e fontes de informação (saúde e outros setores) Disponibilidade na Internet Limitações: cobertura, qualidade, integração e comparabilidade Uso

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

reduzir a mortalidade infantil

reduzir a mortalidade infantil objetivo 4. reduzir a mortalidade infantil A mortalidade infantil reflete as condições socioeconômicas e ambientais de uma região assim como a condição de acesso a um sistema de saúde de qualidade. Além

Leia mais

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul *

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Marilene Dias Bandeira UFRGS - Fundação de Economia e Estatística Palavras-chave: mortalidade; causas de morte; tendências da mortalidade. O objetivo deste

Leia mais

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2 DIAGNÓSTICO SOBRE A MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL EM CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS NO PERÍODO DE 2002 A 2005 PARA SUBSIDIAR AÇÕES DE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 1 Cláudia

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor Subsecretaria de Ações e Serviços de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Informações Epidemiológicas Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB)

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) Jacques Levin Departamento de Informática do SUS Secretaria Executiva/Ministério da Saúde Porto Alegre, 23 de setembro de 2008 Roteiro Origem Processo

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE II

INDICADORES DE SAÚDE II Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES DE SAÚDE II 2005 Taxa de mortalidade infantil

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

Situação de saúde Indicadores de mortalidade por causas

Situação de saúde Indicadores de mortalidade por causas Ind020204 Taxa de mortalidade específica por aids na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por aids na população de 15 anos e mais

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL

Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL SUMÁRIO 1. RELEVÂNCIA DO TEMA 1 2. FONTES DE DADOS UTILIZADAS

Leia mais

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc.

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc. AIDS Para construir série histórica de alguns indicadores epidemiológicos e operacionais referentes a casos de aids adulto e criança anteriores ao ano de 2007, incluídos no SinanW, deve-se utilizar os

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

Situação de saúde Indicadores de mortalidade por causas

Situação de saúde Indicadores de mortalidade por causas Ind020209 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE Monitoramento da mortalidade do município de Campinas BOLETIM DE MORTALIDADE Breve Histórico O projeto de monitoramento da mortalidade de Campinas foi iniciado

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Conceito: Como em qualquer outra atividade, no setor saúde a informação deve ser entendida como um redutor de incertezas, um instrumento para detectar focos prioritários,

Leia mais

Alta Mortalidade Perinatal

Alta Mortalidade Perinatal Alta Mortalidade Perinatal SMS de Piripiri CONASEMS Conselho Consultivo EVIPNet Brasil Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS de Belo Horizonte em Formulação de Políticas de Saúde e

Leia mais

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010 Informamos que o aplicativo para tabulação de dados TabWin, gerenciado e disponibilizado pela SMS/CEInfo desde 2002, está sendo reestruturado e transferido

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal O U T U B R O 2011 Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal Dra.Telma de Moura Reis Médica Pediatra Coordenadora da Área Estratégica da Saúde

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 57 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 58 Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 Anuário Estatístico do

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos Mestrado Internacional em Saúde Pública/Peru ModúloDisciplinar: Vigilância em Saúde : Vigilância Ambiental e à Saúde do Trabalhador Aplicabilidade de Conceitos de Vigilância em Saúde: O monitoramento de

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS Sistema Nacional de Indicadores em Direitos Humanos: O que é, como está sendo desenvolvido e para que serve 1 Sistemas de Indicadores no Brasil A elaboração de indicadores sob uma perspectiva de direitos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Fonte. 5. O indicador não representa os casos de pacientes portadores de diabetes que não têm a diabete diagnosticada.

Fonte. 5. O indicador não representa os casos de pacientes portadores de diabetes que não têm a diabete diagnosticada. Ind020302 Taxa de prevalência da diabete melito na população de 35 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Descrição Fonte Taxa de prevalência da diabete melito na população de 35

Leia mais

4 Indicadores Sociais

4 Indicadores Sociais 4 Indicadores Sociais 4.1 Indicadores de Saúde 4.1.1 Taxa mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) e mortalidade por ano (por mil habitantes) - 1997 a 2013 Ano Mortalidade infantil Mortalidade por

Leia mais

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Inquéritos Populacionais Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

Ensaios Econômicos. Mortalidade nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Agosto de 2000. Escola de. Pós-Graduação.

Ensaios Econômicos. Mortalidade nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Agosto de 2000. Escola de. Pós-Graduação. Ensaios Econômicos Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas N 399 ISSN 0104-8910 Mortalidade nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais Marcos de Barros Lisboa, Mônica

Leia mais

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(3). Edição 38 Aline da Silva Oliveira 1 Cristiana Maria de Sousa Macedo 1 Mércia da Silva Sousa 1 Márcia Andrea Lial Sertão

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Heloisa Côrtes Gallotti Peixoto Introdução Os acidentes e violências passaram a figurar, no início da década

Leia mais

Data de elaboração 30/04/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ

Data de elaboração 30/04/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ Ind020204RNE Taxa de mortalidade específica por aids na população de 15 anos e mais, por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões metropolitanas do Nordeste e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 2003

Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 2003 Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 23 Alcides Carneiro Rosanna Iozzi da Silva Palavras-chave: mortalidade; saúde do idoso; epidemiologia do envelhecimento. Resumo Este

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

RA Copacabana. Indicadores Rio Como Vamos

RA Copacabana. Indicadores Rio Como Vamos 3 RA Copacabana Indicadores Rio Como Vamos 1 CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO A Região Administrativa (RA) da Copacabana faz parte da Área de Planejamento 2. A Região Administrativa engloba os bairros Leme

Leia mais

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 2 DEMOGRAFIA Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 Anuário

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

Desenvolvimento e mudanças das condições de saúde na Região Nordeste

Desenvolvimento e mudanças das condições de saúde na Região Nordeste Desenvolvimento e mudanças das condições de saúde na Região Nordeste Introdução Roberto Passos Nogueira 1 As mudanças das condições de saúde que decorrem do processo de desenvolvimento têm sido estudadas

Leia mais

Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de I nformação em Saúde. outubro/2007

Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de I nformação em Saúde. outubro/2007 Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de I nformação em Saúde Monitoramento dos dados do Sistema de I nformações sobre N ascidos Vivos outubro/2007 Histórico

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas:

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas: INDICADORES DE SAÚDE Critérios para avaliar indicadores: Validade Confiabilidade (reprodutividade e fidedignidade) Representatividade (cobertura) Questão ética Ângulo técnico administrativo A preparação

Leia mais