AUDITORIA AMBULATORIAL - SUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDITORIA AMBULATORIAL - SUS"

Transcrição

1 AUDITORIA AMBULATORIAL - SUS Nome do Palestrante: José dos Santos Titulação: Médico Especialista em Saúde Pública Auditor Responsável pelo Componente Municipal de Auditoria em Saúde de São Paulo/SP

2 Auditoria Ambulatorial no SUS Importância e desafios O autor é auditor designado desde agosto 2003 e responsável pelo Componente Municipal de Auditoria em Saúde do Município de São Paulo desde abril de 2005 Realizou diversos trabalhos de Auditoria na atenção ambulatorial do município

3 Auditoria Ambulatorial no SUS Importância e desafios O desafio fundamental no sistema de saúde é como dar partida a um novo tipo de competição - a competição em resultados para melhorar a saúde e o atendimento aos usuários Michael Porter

4 Auditoria Ambulatorial no SUS Importância e desafios PERSPECTIVAS A CONSIDERAR CUSTOS ACESSO QUALIDADE

5 Auditoria Ambulatorial no SUS Importância e desafios 1.Aspectos Gerais 2.Aspectos assistenciais 3.Aspectos econômicos

6 Auditoria Ambulatorial no SUS Importância e desafios AMBULATÓRIO: do latim ambulatorius. Ambulatório: que pode se mover, ambulante; enfermaria para atendimento a problemas de saúde simples e primeiros socorros; doença que não exige internação; Local onde se toma injeção Situação em que os cuidados de saúde são prestados a indivíduos não internados (INE, 1970: 19).

7 Auditoria Ambulatorial no SUS Importância e desafios SIA/SUS - BREVE HISTÓRICO Desenvolvido pelo DATAPREV, o Sistema de Informações Ambulatoriais SIA foi disponibilizado para o SUS no ano de (10 anos de atraso em relação à AIH, que é de 1983). O SIA tinha como objetivo facilitar o planejamento, controle e avaliação do atendimento ambulatorial no âmbito do SUS, enquanto a AIH tinha como objetivo facilitar as ações de auditoria Instrumentos de Registros do SIA/SUS: BPA; BPA Individualizado; RAAS; APAC

8 Auditoria Ambulatorial no SUS Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício. 1º O dever do Estado de garantir a saúde consiste na formulação e execução de políticas econômicas e sociais que visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no estabelecimento de condições que assegurem acesso universal e igualitário às ações e aos serviços para a sua promoção, proteção e recuperação. Fonte: Lei 8080/1990 Importância assistencial: A esmagadora quantidade de procedimentos para redução de riscos de doenças e de outros agravos, promoção, proteção e recuperação da saúde são realizados ambulatorialmente.

9 Auditoria Ambulatorial no SUS Importância Econômica: O valor dos procedimentos realizados ambulatorialmente no SUS, corresponderam a 57% dos gastos totais (SIH e SIA) no ano de 2014, mesmo sem considerar o valor dos procedimentos da Atenção Básica. Sistema Quantidade aprovada Valor Aprovado Percentagem do valor Hospitalar ,65 43% Ambulatorial ,71 57% Total SUS, ,36 100% Procedimento Qtd.aprovada Valor_aprovado (R$) Consultas, atendimentos e outros procedimentos realizados por médicos na atenção Básica, 2014 * ,00 Fonte: Datasus/MS acesso 05/02/ h

10 Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA/SUS acesso 05/02/ h Complexidade Produção Ambulatorial do SUS - Brasil - por local de atendimento Quantidade aprovada e Valor aprovado, por Complexidade, ano 2014 Qtd.aprovada Valor_aprovado (R$) Atenção Básica Média complexidade ,79 Alta complexidade ,74 Não se aplica ,38 Total ,91 Quantidade aprovada e valor aprovado por esfera administrativa, procedimentos ambulatoriais, Brasil, 2014 % da Quantidade aprovada quantidade Valor aprovado % do valor Esfera Pública % ,94 49% Esfera Privada % ,77 51% Total % ,71 100%

11 Quantidade e valores aprovados de procedimentos ambulatoriais por esfera administrativa, Brasil, 2014, porcentagem. 12% 51% Esfera Privada 88% Esfera Pública 49% Qtd.aprovada Valor_aprovado Quantidade de AIH e valor total aprovado, por esfera administrativa, Brasil, 2014, porcentagem. 50% 56% Privada Pública 50% 44% AIH_aprovadas Valor_total Fonte: DATASUS/MS acesso em 05/02/2015 às 19h

12 CONTROLE DE GASTOS COM O SIA

13 Auditoria Ambulatorial no SUS Importância e desafios Como fazer auditoria Documentos necessários para comprovar a execução dos principais procedimentos Ambulatoriais:

14 ASPECTO FACILITADOR Os registros dos procedimentos ambulatoriais são mais simples de serem conferidos que os das AIH; ASPECTOS DIFICULTADORES Registros de pior qualidade; Sistemas de informação fragmentados e não individualizados para a maioria dos procedimentos Absurda quantidade e variedade de procedimentos.

15 ATENDIMENTOS EM ATENÇÃO ESPECIALIZADA Registros médicos e ou de profissionais de nível superior devidamente identificados nas fichas de atendimento ambulatorial - FAA EXAMES Solicitações (SADT) e resultados impressos ou anotados OPME Notas fiscais (geralmente nominais), recibos de entrega e/ou descrição do uso, em prontuário. CONSULTAS EM ATENÇÃO ESPECIALIZADA Solicitações/encaminhamentos e registros das consultas nos respectivos instrumentos.

16 ACOMPANHAMENTOS Registros dos atendimentos e fichas de frequência individual (FFI) datadas e assinadas FISIOTERAPIAS Registros das solicitações/prescrições do tipo e nº de sessões; registros das técnicas utilizadas e FFI assinadas PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS Descrições cirúrgicas; No caso de material implantado, ex. Lente Intra Ocular, etiquetas com código de barras aderidas ao prontuário. Notas fiscais dos materiais utilizados

17 ONCOLOGIA QUIMIOTERAPIA/HORMONIOTERAPIA: Registros da aplicação dos quimioterápicos e ou dispensa dos medicamentos, hormônios etc.; FFI datada e assinada em correspondência com os dias das Quimioterapias. RADIOTERAPIA: Registros do planejamento, confecção dos blocos e ou máscaras; Registros da aplicação das doses e campos irradiados ou do material radioativo implantado; FFI datadas e assinadas em correspondência com os dias da irradiação

18 TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA -TRS 1.ACESSOS 2. HEMODIÁLISES : Registros das consultas mensais; prescrição da sessão e medicamentos; registros da realização das sessões; FFI datada e assinada correspondentes aos dias das sessões e solicitação e realização dos exames mensais, trimestrais, semestrais e anuais DIÁLISES EXCEPCIONALIDADE: Exceder as três sessões prevista da semana e ter a justificada médica para a sessão excepcional CONFECÇÃO DE FÍSTULAS : registros da descrição cirúrgica e notas fiscais nos casos de OPME; IMPLANTE DE CATETERES E OUTROS IMPLANTES Descrição cirúrgica, nota fiscal e (etiqueta de código de barras do material implantado aderidas ao prontuário)

19 Auditoria de procedimentos do SIA/SUS DIÁLISE PERITONIAL DPA/ CAPD - Registros das consultas mensais; solicitação e realização dos exames mensais, trimestrais, semestrais e anuais e registro de entrega (FFI) e notas fiscais dos conjuntos de troca. -

20 Principal área de gasto do SIA/SUS Tratamento dialítico para Doença Renal Terminal Principais procedimentos ambulatoriais relacionados à terapia Renal Substitutiva no SIA/SUS, Brasil, 2014 Procedimento Qtd.aprovada Valor_aprovado (R$) HEMODIÁLISE (MÁXIMO 3 SESSÕES POR SEMANA) , CONJ.TROCA P/DPA (PACIENTE-MES C/ INSTALACAO DOMICILIAR E MANUTENCAO DA MAQUINA CICLADORA) , CONJUNTO DE TROCA P/ PACIENTE SUBMETIDO A DPAC (PACIENTE-MES) CORRESPONDENTE A 120 UNIDADES , HEMODIÁLISE (MÁXIMO 1 SESSÃO POR SEMANA - EXCEPCIONALIDADE) , CONFECCAO DE FISTULA ARTERIO-VENOSA P/ HEMODIALISE , IMPLANTE DE CATETER DUPLO LUMEN P/HEMODIALISE , CATETER DE LONGA PERMANÊNCIA P/ HEMODIALISE , CATETER P/ SUBCLAVIA DUPLO LUMEN P/ HEMODIALISE , CONFECCAO DE FISTULA ARTERIO-VENOSA C/ ENXERTIA DE POLITETRAFLUORETILENO (PTFE) , IMPLANTE DE CATETER DE LONGA PERMANÊNCIA P/ HEMODIALISE , RETIRADA DE CATETER TIPO TENCKHOFF / SIMILAR DE LONGA PERMANÊNCIA , IMPLANTE DE CATETER TIPO TENCKHOFF OU SIMILAR P/ DPA/DPAC , DILATADOR P/ IMPLANTE DE CATETER DUPLO LUMEN , GUIA METALICO P/ INTRODUCAO DE CATETER DUPLO LUMEN , CATETER TIPO TENCKHOFF / SIMILAR DE LONGA PERMANÊNCIA P/ DPI/DPAC/DPA , IMPLANTE DE CATETER TIPO TENCKOFF OU SIMILAR P/DPI ,57 Total * ,79 *Não incluídos gastos com Medicamentos e Exames Fonte: Datasus/MS acesso 05/02/ h

21 Procedimentos diagnósticos de Neoplasias da mama Procedimento diagnósticos informados no SIA/SUS, Brasil, 2014 Procedimento Qtd.aprovada Valor_aprovado MAMOGRAFIA BILATERAL PARA RASTREAMENTO , MAMOGRAFIA , MARCACAO PRE-CIRURGICA DE LESAO NAO PALPAVEL DE MAMA ASSOCIADA A MAMOGRAFIA , EXAME ANATOMOPATOLOGICO DE MAMA - BIOPSIA , BIOPSIA/EXERESE DE NODULO DE MAMA , PUNCAO DE MAMA POR AGULHA GROSSA , MARCACAO DE LESAO PRE-CIRURGICA DE LESAO NAO PALPAVEL DE MAMA ASSOCIADA A ULTRASSONOGRAFIA , ULTRASSONOGRAFIA MAMARIA BILATERAL , PUNCAO ASPIRATIVA DE MAMA POR AGULHA FINA ,30 Gastos ambulatoriais na média complexidade SIA ,58 Fonte: Datasus/MS acesso 05/02/ h

22 Procedimentos da alta complexidade para Câncer da mama, Brasil, 2014 Quant aprovada Valor aprovado HORMONIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA AVANÇADO- 1ª LINHA , QUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA AVANÇADO - 2ª LINHA , QUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA (PRÉVIA) , QUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA AVANÇADO -1ª LINHA , HORMONIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA AVANÇADO - 2ª LINHA , QUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA EM ESTÁDIO II , HORMONIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA EM ESTÁDIO II , HORMONIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA EM ESTÁDIO I , QUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA EM ESTÁDIO III , HORMONIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA EM ESTÁDIO III , QUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA EM ESTÁDIO I , POLIQUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA HER-2 POSITIVO EM ESTÁDIO I (ADJUVANTE) , POLIQUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA HER-2 POSITIVO EM ESTÁDIO II (ADJUVANTE) , POLIQUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA HER-2 POSITIVO EM ESTÁDIO III (ADJUVANTE) , MONOQUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA HER-2 POSITIVO EM ESTÁDIO I (ADJUVANTE) , MONOQUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA HER-2 POSITIVO EM ESTÁDIO II (ADJUVANTE) , MONOQUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA HER-2 POSITIVO EM ESTÁDIO III (ADJUVANTE) , POLIQUIMIOTERAPIA DO CARCINOMA DE MAMA HER-2 POSITIVO EM ESTÁDIO III (PRÉVIA) ,00 Procedimentos ambulatoriais da alta complexidade para tratamento de ca de mama ,35 Fonte: Datasus/MS acesso 05/02/ h

23 Como a auditoria ambulatorial pode contribuir para mudar esta realidade? Auxiliando na respostas de questões como: Quantos dos procedimentos informados tinham indicação? Quantos deveriam ser realizados e não o foram? Quantos dos informados foram efetivamente realizados? Quantos poderiam ser evitados?

24 Como a Auditoria ambulatorial poderia contribuir para mudar esta realidade? Uma das maneiras de contribuir: Realizando auditoria de linhas de cuidado, por exemplo da Hipertensão e diabetes e do câncer de mama, para recomendar as correções necessárias para o acesso oportuno, execução dos procedimentos para o diagnóstico precoce e tratamento oportuno. Resultado principal: Melhoria da sobrevida e da qualidade de vida

25 Obrigado pela atenção

26

27 ANEXO Proposição de auditoria da linha de cuidado do Câncer de Mama

28 CANCER/ONCOLOGIA AUDITORIA DA LINHA DE CUIDADO José dos Santos - maio de 2014

29 INCIDÊNCIA TIPO DE CANCER HOMENS MULHERES Nº de Casos Nº de Casos Todos as localizações Pele não Melanoma Todas as Neoplasias Fonte:

30 Estimativas para o ano de 2012 das taxas brutas de incidência por 100 mil hab Localização Primária Neoplasia Maligna Homens Estimativa dos Casos Novos Mulheres Estados Capitais Estados Capitais Casos Taxa Bruta Casos Taxa Bruta Casos Taxa Bruta Casos Taxa Bruta Próstata , , Mama Feminina , ,02 Colo do Útero , ,72 Traqueia, Brônquio e Pulmão , , , ,31 Cólon e Reto , , , ,27 Estômago , , , ,47 Cavidade Oral , , , ,92 Laringe , , Bexiga , , , ,72 Esôfago , , , ,27 Ovário , ,53 Linfoma não Hodgkin , , , ,85 Glândula Tireoide , ,97 Sistema Nervoso Central , , , ,23 Leucemias , , , ,02 Corpo do Útero , ,39 Pele Melanoma , , , ,46 Outras Localizações , , , ,50 Subtotal , , , ,86 Pele não Melanoma , , , ,36 Todas as Neoplasias , , , ,22 Fonte:

31 DISTRIBUIÇÃO PROPORCIONAL DOS DEZ TIPOS DE CÂNCER MAIS INCIDENTES ESTIMADOS PARA 2012 POR SEXO (Exceto pele não melanoma) Localização primária Casos novos Percentual Localização primária Casos novos Percentual Próstata ,8% Mama Feminina ,9% Traqueia, Brônquio e Pulmão ,8% Colo do Útero ,3% Cólon e Reto ,3% Cólon e Reto ,4% Estômago ,5% Cavidade Oral ,1% Glândula Tireoide Traqueia, Brônquio e Pulmão ,6% ,3% Esôfago ,0% Estômago ,9% Bexiga ,2% Ovário ,3% Laringe ,1% Corpo do Útero ,4% Linfoma não Hodgkin Sistema Nervoso Central Fonte: ,7% ,5% Sistema Nervoso Central Linfoma não Hodgkin ,4% ,4%

32 Principais ações do sistema de saúde para o Enfrentamento do Câncer: Medidas de promoção de saúde Prevenção Detecção Precoce Acesso aos meios de diagnóstico Acesso aos tratamentos

33 CÂNCER DE MAMA Estimativa de novos casos: (2012) Número de mortes: (2010): mulheres 147 homens

34 MAGNITUDE O mais incidente em mulheres, representando 23% do total de casos de câncer no mundo em 2008; Aproximadamente 1,4 milhão de casos novos naquele ano. Causa mais frequente de morte por câncer em mulheres; Quinta causa de morte por câncer em geral ( óbitos) No Brasil, é o mais incidente em mulheres de todas as regiões, exceto na região Norte, onde é o câncer do colo do útero, (excluídos os tumores de pele não melanoma) Taxa de incidência de 52,5 casos por mulheres. A taxa de mortalidade por câncer de mama ajustada pela população mundial apresenta uma curva ascendente No Brasil é a primeira causa de morte por câncer na população feminina, com 11,3 óbitos/ mulheres em As regiões Sudeste e Sul são as que apresentam as maiores taxas, com 12,7 e 12,6 óbitos/ mulheres em 2009, respectivamente.

35 Número médio de anos potenciais de vida perdidos por câncer de Mama, por mulheres, Todas as Capitais, entre 2000 e 2010, partindo da premissa que o limite superior é 80 anos anos , anos , anos , anos , anos , anos ,3 Total ,46 Fonte: Fonte: Inca

36 O que esperar de um sistema eficiente? Tratamentos conservadores para o CA de Mama Fazer uma correlação entre procedimentos cirúrgicos conservadores e radicais para Ca de mama como indicativo para auditoria da qualidade da atenção SETORECTOMIA / QUADRANTECTOMIA Procedimento realizado (conservadores) SETORECTOMIA / QUADRANTECTOMIA C/ ESVAZIAMENTO GANGLIONAR RESSECCAO DE LESAO NAO PALPAVEL DE MAMA COM MARCACAO EM ONCOLOGIA (POR MAMA) SEGMENTECTOMIA/QUADRANTECTOMIA/SETORECTOMIA DE MAMA EM ONCOLOGIA Procedimento realizado (radicais) MASTECTOMIA RADICAL C/ LINFADENECTOMIA AXILAR EM ONCOLOGIA MASTECTOMIA SIMPLES EM ONCOLOGIA Fonte: SIGTAP/DATASUS

37 Medidas de promoção de saúde Ações intersetoriais que promovam acesso à informação e ampliem oportunidades para controle do peso corporal e a prática regular de atividade física. Divulgação e comunicação adequadas A redução das dificuldades de acesso aos serviços de saúde para o alcance da cobertura adequada da população-alvo no rastreamento Medidas de Prevenção A prevenção primária do câncer de mama está relacionada ao controle dos fatores de risco reconhecidos. Modificáveis: Fatores relacionados ao estilo de vida, como obesidade pósmenopausa, sedentarismo, consumo excessivo de álcool e terapia de reposição hormonal Estima-se que por meio da alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. Fonte: Inca

38 RAZÃO ENTRE MAMOGRAFIAS E MULHERES DA POPULAÇÃO Conceito: Razão entre o número de mamografias por faixa etária realizadas em mulheres e a população feminina nas respectivas faixas etárias Utilidade: Caso seja respeitada a periodicidade recomendada do exame, poderá representar uma aproximação da cobertura do exame na população de 50 a 69 anos. Os resultados refletirão o acerto ou dificuldades do sistema de saúde no combate ao câncer de mama Limitação: considera o número de exames realizados na população alvo e não o número de mulheres examinadas

39 Detecção Precoce Rastreamento MAMOGRAFIA BILATERAL PARA RASTREAMENTO Auditoria Como está sendo realizado o rastreamento no local estudado? A recomendação para as mulheres de 50 a 69 anos é a realização da mamografia a cada dois anos. Fonte dos dados: Tabuladores: Tabnet/Datasus ou Tabwin Cálculo: Nº de MAMOGRAFIA BILATERAL PARA RASTREAMENTO Nº de MULHERES NA FAIXA ETÁRIA INDICADA PARA O RASTREAMENTO* Está dentro do esperado? Valor 0,5 (Investigar as causas: (falta de oferta?; Ação proativa na busca da demanda; dificuldades de acesso, problemas no fluxo de solicitação, etc.) *CONSIDERARAR O NÚMERO DE MULHERES NA FAIXA ETÁRIA DE 50 A 69 ANOS COM ASSISTÊNCIA POR PLANOS PRIVADOS DE SAÚDE

40 Conceitos: razão entre o número de mamografias segundo a indicação clínica com recomendação para recall (Categoria BI-RADS? 0) e/ou biópsia (Categoria BI-RADS? 4, 5) na faixa etária e o total de exames segundo a indicação clínica na faixa etária a) Percentual de mamografias de rastreamento positivas. Fórmula de cálculo: PERCENTUAL DE MAMOGRAFIAS POSITIVAS Interpretação: Expressa a quantidade de exames que necessitarão de investigação complementar (Categoria BI-RADS? 0) ou investigação diagnóstica (biópsia). (Nº de mamografias de rastreamento na faixa etária BI-RADS? 0, 4, 5 X 100) Nº total de mamografias de rastreamento na faixa etária b) Percentual de mamografias diagnósticas positivas Fórmula de cálculo: (Nº de mamografias diagnósticas na faixa etária BI-RADS? 4, 5 X 100) Nº total de mamografias diagnósticas na faixa etária Limitações: Este indicador é influenciado pela correta indicação clínica da mamografia. Fonte: Ministério da Saúde/DATASUS: Sistema de Informações do Câncer de Mama (SISMAMA).

41 PERCENTUAL DE MAMOGRAFIAS DIAGNÓSTICAS POSITIVAS CAPITAL/UF % BIRADS 0, 4, 5 -Todas as faixas etárias Unidade da Federação Capital Estado Acre 36.45% 34.06% Alagoas 25.00% 28.57% Amazonas 16.33% 16.28% Amapá 28.03% 27.97% Bahia 19.32% 15.30% Ceará 7.44% 14.62% Distrito Federal 11.60% 11.60% Espírito Santo 20.00% 12.36% Goiás 8.33% 10.48% Maranhão*(só três mamografias) 66.67% 30.41% Minas Gerais 13.74% 14.96% Mato Grosso do Sul 27.52% 22.18% Mato Grosso 31.58% 19.39% Pará 38.71% 7.51% Paraíba 29.27% 29.79% Pernambuco 14.74% 14.39% Piauí 30.61% 29.27% Paraná 12.54% 16.89% Rio de Janeiro 31.77% 28.99% Rio Grande do Norte 30.00% 15.00% Rondônia 10.71% 17.07% Roraima 13.67% 13.33% Rio Grande do Sul 11.71% 12.44% Santa Catarina 10.82% 12.20% Sergipe sd 16.67% São Paulo 12.92% 10.27% Tocantins 29.03% 21.56% Fonte: Ministério da Saúde/DATASUS: Sistema de Informações do Câncer de Mama (SISMAMA).

42 AUDITORIA O QUE ESPERAR: Consultas com Mastologia (ver pelo CBO Mastologista CONSULTA MEDICA EM ATENÇÃO ESPECIALIZADA) Nº PROPORCIONAL DE: ULTRASSONOGRAFIA DE MAMA - BI-RADS ULTRA-SONOGRAFIA MAMARIA BILATERAL - BPI BIÓPSIAS DE MAMA BI-RADS 4 e PUNCAO ASPIRATIVA DE MAMA POR AGULHA FINA - BPI PUNCAO DE MAMA POR AGULHA GROSSA BPI (AIH proced secundário) EXAME CITOPATOLOGICO DE MAMA BPI (SISMAMA) BIOPSIA/EXERESE DE NODULO DE MAMA - APAC Fazer a pesquisa/auditoria utilizando dados secundários como indicativo para a ação com dados primários (análise de registros, carta, entrevistas, etc.) Fonte: SIGTAP/DATASUS

43 Correlação entre BI -RADS positivos e Bíópsias de mama São Paulo faixa etária de 50 a 69 anos BI-RADS "Positivos" Biopsias de mama BI-RADS "Positivos" Biopsias de mama BI-RADS "Positivos" Biopsias de mama Fonte: Tabwin Prodam/SMS/SP

44 O que esperar de um sistema eficiente? Tratamentos conservadores para o CA de Mama Fazer uma correlação entre procedimentos cirúrgicos conservadores e radicais para Ca de mama como indicativo para auditoria da qualidade da atenção SETORECTOMIA / QUADRANTECTOMIA Procedimento conservadores RESSECCAO DE LESAO MALIGNA EM ONCOLOGIA (excl. 01_13) RESSECCAO DE LESAO MALIGNA C/ ESVAZIAMENTO GANGLIONAR EM ONCOLOGIA (excl. 01_13) EXTIRPACAO DE MAMILO EM ONCOLOGIA (excl. 01_13) SETORECTOMIA / QUADRANTECTOMIA C/ ESVAZIAMENTO GANGLIONAR RESSECCAO DE LESAO NAO PALPAVEL DE MAMA COM MARCACAO EM ONCOLOGIA (POR MAMA) SEGMENTECTOMIA/QUADRANTECTOMIA/SETORECTOMIA DE MAMA EM ONCOLOGIA Procedimento radicais MASTECTOMIA RADICAL C/ LINFADENECTOMIA AXILAR EM ONCOLOGIA MASTECTOMIA SIMPLES EM ONCOLOGIA MASTECTOMIA RADICAL C/ LINFADENECTOMIA (Casos de Ca de mama tratados em instituições não habilitadas como CACON ou equivalente, o que não permita registrar com o procedimento do subgrupo 16) MASTECTOMIA SIMPLES (Casos de Ca de mama tratados em instituições não habilitadas como CACON ou equivalente, o que não permita registrar com o procedimento equivalente do subgrupo 16) Fonte: SIGTAP/DATASUS

45 Correlação entre tratamentos cirúrgicos conservadores e radicais para o Câncer de mama, por ano, São Paulo, 2009 a 2014*. Procedimentos conservadores Procedimentos radicais ANO 2009 ANO 2010 ANO 2011 ANO 2012 ANO 2013 ANO 2014 * Não incluídos os tratamentos radicais, ou conservadores realizados nos procedimentos sequenciais em oncologia e nem outros procedimentos sequenciais e cirurgias múltiplas nos estabelecimentos não habilitados como CACON. Fonte: Tabwin Prodam SMS Tabulação em 06/02/2015

46 Obrigado pela atenção

14º - AUDHOSP ANO 2015

14º - AUDHOSP ANO 2015 14º - AUDHOSP ANO 2015 AUDITORIA ALÉM DA CONTA José dos Santos Águas de Lindoia, 18 de setembro de 2015. jdsantos@prefeitura.sp.gov.br FALANDO DE CÂNCER Câncer no Estimativa dos casos novos nos Estados

Leia mais

FATURAMENTO E A AUDITORIA

FATURAMENTO E A AUDITORIA SISTEMA DE INFORMAÇÕES AMBULATORIAS -S I A FATURAMENTO E A AUDITORIA Vanderlei Soares Moya Sonia Murad José dos Santos Edson Aparecido Cezar Águas de Lindóia Setembro de 2012 EU NUNCA APRENDI NADA COM

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

ASSEMBLÉIA. Propostas e Perspectivas da Portaria 140/2014. Novembro 2014

ASSEMBLÉIA. Propostas e Perspectivas da Portaria 140/2014. Novembro 2014 ASSEMBLÉIA Propostas e Perspectivas da Portaria 140/2014 Novembro 2014 Patricia Sampaio Chueiri Coordenação Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas DAET/SAS/MS Caminhos da apresentação Política

Leia mais

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia. Vinicius Milani Budel

Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia. Vinicius Milani Budel Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia Vinicius Milani Budel câncer de mama Sebastiano del Piombo 1520 Florença O martírio de Santa Agatha INCIDÊNCIA NO BRASIL: 52.680 NOVOS CASOS/ANO MORTALIDADE

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 55, DE 29 DE AGOSTO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 55, DE 29 DE AGOSTO DE 2001 TABELAS: S SIA/SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 55, DE 29 DE AGOSTO DE 2001 DO 168-E, de 31/8/01 O Secretário Executivo e o Secretário

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva A situação do câncer no Brasil Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva O Brasil no Cenário do Câncer no Mundo Principais fatores determinantes Situação do Câncer no Brasil 1 Urbanização

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos.

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 5.4 Transplantes Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 1 Rim Entre 1995 e 2001, o número de transplantes renais realizados anualmente cresceu cerca de 66,7% no país (TABELA 150).

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$)

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$) GRÁFICO 136 Gasto anual total com transplante (R$) 451 3.5.2.13 Freqüência de transplantes por procedimentos Pela tabela da freqüência anual de transplantes por procedimentos, estes cresceram cerca de

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Câncer do Colo do Útero e de Mama

Programa Nacional de Controle do Câncer do Colo do Útero e de Mama NOTA TÉCNICA 09 2011 Programa Nacional de Controle do Câncer do Colo do Útero e de Mama Proposta de Fortalecimento das Ações de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Colo do Útero e de Mama.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil Estimativa 2014 Incidência de Câncer no Brasil Para que servem as Estimativas? Conhecer a magnitude dos principais tipos de câncer; Planejamento de ações e programas de controle; Definição de políticas

Leia mais

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Videoconferências Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 PAUTA Orientações sobre o processo de pactuação para o ano de 2015; Abertura do

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

Magnitude do problema

Magnitude do problema Magnitude do problema CÂNCER NO MUNDO Ano No. de casos mortes vivos 2014 14 milhões 8,2 milhões 2030 27 milhões 17 milhões 75 milhões CÂNCER NO BRASIL Ano No. de casos mortes 2013 518 mil 184.073 2014

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

S I A / S U S SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL AUDITORIA AMBULATORIAL. Curso Básico de Auditoria SES/SP/2012

S I A / S U S SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL AUDITORIA AMBULATORIAL. Curso Básico de Auditoria SES/SP/2012 S I A / S U S SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL AUDITORIA AMBULATORIAL Curso Básico de Auditoria José dos Santos Médico Auditor São Paulo, julho de 2012 Curso Básico de Auditoria AUDITORIA AMBULATORIAL

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

IncidênciadeCâncernoBrasil

IncidênciadeCâncernoBrasil ESTIMATIVA 2014 IncidênciadeCâncernoBrasil MinistériodaSaúde InstitutoNacionaldeCâncer JoséAlencarGomesdaSilva MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012. Incidência de Câncer no Brasil

MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012. Incidência de Câncer no Brasil MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012 Incidência de Câncer no Brasil Rio de Janeiro, RJ 2011 2011 Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE UNIDADE : 36211 - FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE ANEXO I CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 E G R M I F FUNC.

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE UNIDADE : 36211 - FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE ANEXO I CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 E G R M I F FUNC.

Leia mais

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 09 Distritos Sanitários 109 US (55 ESF) - informatizada 8 CMUMs 10 CAPS 1 Laboratório Municipal 1 Hospital Municipal 1.851.213 habitantes 223.000 mulheres acima

Leia mais

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 SETEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 1990 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves Secretaria Municipal da Saúde

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Ministério da Saúde José Saraiva Felipe Secretaria de Atenção à Saúde José Gomes Temporão Instituto

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Vigilância do câncer no Canadá

Vigilância do câncer no Canadá 1 Vigilância do câncer no Canadá Apresentado por Howard Morrison, PhD Centro de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas Agência de Saúde Pública do Canadá O contexto canadense 2 Indivíduos 4% das mulheres

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 018.835/2013-9

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 018.835/2013-9 GRUPO I CLASSE II Plenário TC 018.835/2013-9 Natureza(s): Solicitação do Congresso Nacional Órgão/Entidade: não há Interessada: Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Brasília DF 11 de maio de 2011

Brasília DF 11 de maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade O CÂNCER E A ONCOLOGIA NO SUS Maria Inez Pordeus Gadelha

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010 Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV Novembro/2010 O QUE É? Registro de Câncer de Base Populacional RCBP: são centros sistematizados de coleta, armazenamento, processamento

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA outubro a dezembro / 2010 / n 4 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Este quarto boletim de 2010 apresenta os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015 Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira Constituição Federal 1988 Art.:196 A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari, Extremo Oeste Paulista e Pontal Paranapanema)

RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari, Extremo Oeste Paulista e Pontal Paranapanema) Caracterização da assistência oncológica nas Redes Regionais de Atenção à Saúde no estado de São Paulo RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari,

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais