Vigilância do câncer no Canadá

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vigilância do câncer no Canadá"

Transcrição

1 1 Vigilância do câncer no Canadá Apresentado por Howard Morrison, PhD Centro de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas Agência de Saúde Pública do Canadá

2 O contexto canadense 2 Indivíduos 4% das mulheres canadenses e 45% dos homens canadenses desenvolvem câncer ao longo da sua vida Grupos de alto risco Aumento do risco para as comunidades vulneráveis (p. ex.: populações autóctones) e para os grupos desfavorecidos no aspeto socioeconômico. Economia O câncer representa um terço da totalidade dos custos referentes aos óbitos prematuros Todos estes números vão aumentar O envelhecimento, o aumento da predominância de alguns fatores de risco (p. ex.: obesidade)

3 -http://www.cancer.ca/canada-wide/about%2cancer/cancer%2statistics/~/media/ccs/canada%2wide/files%2list/english% -2files%2heading/pdf%2not%2in%2publications%2section/Canadian2Cancer2Statistics22122English.ashx

4 4 Distribuição percentual sobre a previsão de novos casos de câncer, em homens, no Canadá, 21 Próstata Pulmão Colorretal Bexiga Linfoma não Hodgkin Rim Melanoma Leucemia Oral Pâncreas Estômago Cérebro Fígado Mieloma múltiplo Esôfago Tireóide Testículo Laringe Linfoma Hodgkin Mama Outros tipos de câncer 3,3 3,2 3,1 2,5 2,2 2,1 1,7 1,5 1,4 1,4 1,2 1, 1,,6,2 4,5 5,9 7,7 13,8 14,4 Novos casos N = 9. 27, Percentagem Nota: Os novos casos excluem uma previsão de 41.2 novos casos de câncer da pele não melanoma (basal e escamoso). O número de óbitos em Outros tipos de câncer inclui cerca de 16 óbitos com causa básica outros neoplasmas malignos da pele.

5 5 Distribuição percentual sobre a previsão de óbitos resultantes de cânceres selecionados, em homens, no Canadá, 21 Pulmão Colorretal Próstata Pâncreas Linfoma não Hodgkin Leucemia Esôfago Bexiga Estômago Rim Cérebro Mieloma múltiplo Oral Fígado Melanoma Laringe Tireóide Linfoma Hodgkin Mama Testículo Outros tipos de câncer 4,6 4,4 3,7 3,5 3,3 2,8 2,6 2,6 1,9 1,9 1,5 1,4 1,2,2,1,1 1,8 12,5 13 Óbitos N = 4. 28, Percentagem

6 6 Distribuição percentual sobre a previsão de novos casos de cânceres selecionados, em mulheres, no Canadá, 21 Mama Pulmão Colorretal Corpo uterino Tireóide Linfoma não Hodgkin Ovário Melanoma Pâncreas Leucemia Rim Bexiga Colo do útero Cérebro Oral Estômago Mieloma múltiplo Fígado Esôfago Linfoma Hodgkin Laringe Outros tipos de câncer 5,4 4,9 4,1 3, 2,8 2,5 2,4 2,2 2,2 1,5 1,4 1,4 1,2 1,2,5,5,5,3 9, 13,4 12, Novos casos N = , Percentagem

7 7 Distribuição percentual de óbitos previstos para cânceres selecionados, em mulheres, no Canadá, 21 Pulmão Mama Colorretal Pâncreas Ovário Linfoma não Hodgkin Leucemia Útero Cérebro Estômago Mieloma múltiplo Rim Bexiga Esôfago Oral Colo do útero Melanoma Fígado Tireóide Laringe Linfoma Hodgkin Outros tipos de câncer 5,6 4,9 3,9 2,8 2,2 2,1 2, 1,8 1,7 1,5 1,2 1,1 1, 1,,4,3,3,1 11,4 14,1 14,8 Óbitos N = , Percentagem

8 8 Novos casos e taxas de incidência padronizadas por idade (TIPI) para todos os tipos de cânceres no Canadá, Homens TIPI (por 1.) Novos casos (em milhares) Previsão Novos casos TIPI 6 TIPI (per 1,) Mulheres Novos casos (em milhares) Previsão Novos casos TIPI Nota: Todos os cânceres excluem o cancro de pele não melanoma (basal e escamoso). As taxas são padronizadas por idade para a população canadense em Os dados de incidência efetiva foram disponibilizados em 26. Para obter mais detalhes, Favor consultar o Appendix II: Methods.

9 9 Óbitos e taxas de mortalidade padronizadas por idade (TMPI) para todos os tipos de cânceres, no Canadá, TMPI (por 1.) Homens Óbitos (em milhares) Previsão Óbitos TMPI 6 TMPI (por 1.) Mulheres Óbitos (em milhares) Previsão Óbitos TMPI Nota: As taxas são padronizadas por idade para a população canadense em Os dados da mortalidade efetiva foram disponibilizados em 25.

10 1 Tendências dos novos casos e óbitos para todos os tipos de cânceres e idades, atribuídos à taxa de câncer, crescimento populacional e envelhecimento da população, em homens, no Canadá, Casos (em milhares) Incidência Envelhecim ento da população Cres cim ento populacional (taxa de câncer em 1981) Mudança da taxa Previsão Ano 21 Óbitos (em milhares) 4 35 M ortalidade Envelhecimento da população Crescimento populacional (taxa de câncer em 1981) Mudança da taxa Previsão Year 21 Nota: As taxas de incidência excluem o cancro da pele não melanoma (basal e escamoso). Os dados da incidência real foram disponibilizados em 26. A amplitude das escalas da taxa difere entre os números.

11 Tendências dos novos casos e óbitos para todos os tipos de cânceres e idades, atribuídos à taxa de câncer, crescimento populacional e envelhecimento da população, em mulheres, Canadá, Casos (em milhares) Incidência Envelhecim ento da população Cres cim ento populacional (taxa de câncer em 1981) Mudança da taxa Ano Previsão 21 1 Óbitos (em milhares) 4 Mortalidade Envelhecim ento da população Cres cim ento populacional (taxa de câncer em 1981) 15 1 Mudança da taxa 1 5 Previsão Year 21 Nota: As taxas de incidência excluem o cancro de pele não melanoma (basal e escamoso). Os dados de incidência real foram disponbilizados em 26. A amplitude das escalas da taxa difere entre os números.

12 Mudança relativa* nas taxas de mortalidade padronizadas por idade, incluindo e excluindo o câncer do pulmão, no Canadá, ,15 1,1 1,5 1,,95,9,85 Taxa relativa (1981=1) Home ns Previsão 1,15 1,1 1,5 1,,95,9,85 12, Exclui câncer do pulmão - Todos os cânceres 21,8 1,15 1,1 Taxa relativa (1981=1) Mulheres Previsão 1,15 1,1 1,5 1,5 1, 1,,95,95,9,9,85,85, ,8 Exclui câncer do pulmão -Todos os cânceres * Taxa do ano corrente dividida pela taxa de Nota: As taxas são padronizadas por idade para a população canadense em Os dados reais paraa mortalidade foram disponibilizados para 25.

13 Taxas de incidência padronizadas por idade (TIPI) para cânceres selecionados*, em homens, no Canadá, TIPI (por 1.) 14 Previsão Próstata Pulmão Colorretal TIPI (por 1.) 3 Previsão Linfoma não Hodgkin Laringe Estômago 1 5 Fígado Tireóide Os cinco tipos de câncer mais frequentes (ambos os gêneros combinados) e cânceres com uma mudança rstatisticamente significativa na taxa de incidência de, pelo menos, 2% por ano. Nota: As taxas são padronizadas por idade para a população canadense em Os dados reais para a incidência foram disponibilizados para 26. A amplitude de escalas difere amplamente entre os números.

14 Taxas de mortalidade padronizadas por idade (TMPI) para cânceres selecionados*, em homens, Canadá, TMPI (por 1.) Pulmão Colorretal Próstata Previsão TMPI (por 1.) 2 Previsão 2 15 Estômago 15 1 Linf oma não Hodgkin 1 5 Laringe Oral 5 Liver Cinco tipos de câncer mais frequentes (ambos os gêneros combinados) e cânceres com uma mudança estatisticamente significante na taxa de mortalidade de, pelo menos, 2% por ano. Nota: As taxas são padronizadas por idade para a população canadense em Os dados reais para a mortalidade foram disponibilizados para 25. A amplitude de escalas difere amplamente entre os números.

15 15 Taxas de incidência padronizadas por idade (TIPI) para cancros selecionados*, em mulheres, no Canadá, TIPI (por 1.) Previsão Mama Pulmão Colorretal TIPI (por 1.) Previsão Linfoma não Hodgkin Tireóide Laringe Cinco tipos de câncer mais frequentes (ambos os gêneros combinados) e cânceres com uma mudança estatisticamente significante na taxa de incidência de, pelo menos, 2% por ano. -Nota: As taxas são padronizadas por idade para a população canadense em Os dados reais para a incidência foram disponibilizados para 26. A amplitude de escalas difere amplamente entre os números.

16 16 5 Taxas de mortalidade padronizadas por idade (TMPI) para cânceres selecionados*, em mulheres, no Canadá, TMPI (por 1.) Previsão 5 4 Pulmão 4 3 Mama 3 2 Colorretal TMPI (por 1.) Previsão Estômago Linfoma não Hodgkin 5 5 Colo do útero * Os cinco tipos de câncer mais frequentes (ambos os gêneros combinados) e cânceres com uma mudança estatisticamente significante na taxa de mortalidade de, pelo menos, 2% por ano. Nota: As taxas são padronizadas por idade para a população canadense em Os dados reais para a mortalidade foram disponibilizados para 25. A amplitude de escalas difere amplamante entre os números.

17 17 Sabemos o que pode ser feito A pesquisa clínica, epidemiológica e comunitária realizada ao longo dos últimos 3 anos tem revelado claramente que, se aplicássemos o que já sabemos, muitos cânceres poderiam ser: Evitados Adiados Controlados As complicações/sintomas podem ser evitados e/ou controlados para melhorar a qualidade de vida

18 18 Vigilância do câncer É crucial para: Avaliar a magnitude do fardo do câncer e sua provável evolução Pesquisar as causas e a prevenção do câncer Monitorar a eficácia da prevenção primária, detecção inicial, tratamento e cuidados paliativos.

19 19 Necessidade de dados a usar Com o tempo, os dados têm de ser úteis às pessoas que pagam sua compilação Os registros do câncer precisam ser sensíveis às necessidades de dados dos responsáveis pela criação de políticas Os registros de câncer precisam promover seus resultados A melhor maneira de melhorar a qualidade dos dados é usá-los

20 2 Dados sobre o câncer e informações úteis Regulamentação sobre a saúde Alimentos, medicamentos, produtos químicos, etc. Promoção da saúde P. ex.: Conseguimos notar a diminuição prevista dos casos de câncer do pulmão depois da redução do fumo? Planificadores de serviços de saúde Camas de hospitais Oncologistas Questões emergentes

21 21 A vigilância pode criar a necessidade de tomar medidas As previsões em relação ao câncer podem apresentar provas convincentes quanto à necessidade de criar investimentos para controle do câncer A Estratégia Canadense para Controle do Câncer usou as previsões para obter financiamento a longo prazo para a Parceria Canadense Contra o Câncer

22 22 A vigilância pode criar a necessidade de tomar medidas As análises espaciais e temporais podem identificar questões sobre pesquisa A identificação de um número elevado de casos de câncer da bexiga na região de Chicoutami, no Canadá, levou à identificação do aumento do risco associado à refinação do alumínio. Isso resultou em mudanças na ventilação do local de trabalho, o que reduziu o risco.

23 A vigilância pode avaliar o impacto das intervenções na saúde 23 Diretrizes sobre o tratamento hormonal de substituição Fortalecimento obrigatório da farinha com ácido fólico para prevenir os defeitos do tubo neural

24 Taxas de incidência padronizadas por idade do câncer da mama nas mulheres canadenses, por grupo etário, desde 1996 até 26, segundo o Registro Canadense do Câncer. De P et al. JNCI J Natl Cancer Inst 21;12:

25 Fortalecimento em folatos e incidência do câncer colorretal 25

26 Quais são as necessidades de dados dos responsáveis pela criação de políticas na saúde? 26 Dados sobre resultados Os dados sobre a incidência e a mortalidade são habitualmente mais convincentes do que as pesquisas sobre atitudes ou comportamentos Dados acessíveis e detalhados O detalhe dos dados precisa corresponder ao detalhe da atividade As autoridades de saúde locais precisam de dados locais Dados suficientemente atualizados, comparáveis, completos e exatos Felizmente, as taxas referentes ao câncer raramente mudam muito durante um curto período de tempo Considerar o uso de previsões dos dados atuais, em lugar de dados verdadeiros, mas antigos

27 27 Evolução da vigilância do câncer: Mortalidade Incidência dos centros de vigilância Dados sobre a incidência nacional Melhoria dos dados dos registros Informações sobre a determinação do estado SES/etnicidade? Vigilância do tratamento Vigilância de políticas

28 28 A vigilância do câncer compreende Registros do câncer Estudos Incidência Mortalidade Sobrevivência Detecção precoce? Tratamento? Fatores de risco Políticas Programas Detecção precoce Tratamento

29 29 Vigilância do câncer no Canadá A autoridade constitucional para a saúde é partilhada pelos governos provinciais/territoriais e federal A responsabilidade da assistência na sáude é principalmente provincial/territorial, embora seja parcialmente financiada pelo governo federal Muitos carcinógenos são regulados pelo governo federal

30 3 Vigilância do câncer no Canadá Os dados sobre a vigilância do câncer são produzidos pelas províncias e territórios, sendo habitualmente compartilhados com o governo federal O Registro Canadense do Câncer está inserido no Departamento de Estatística do Canadá A Lei sobre as Estatísticas ajuda a garantir o cumprimento das questões relativas à privacidade dos dados O Instituto Canadense de Informações sobre a Saúde (ICIS) é uma parceria federal/provincial O ICIS contém muitos bancos de dados administrativos, tais como os dados sobre as hospitalizações.

31 31 Vigilância do câncer no Canadá Compiladores de dados Províncias/territórios Estatísticas demográficas Departamentos de patologia Hospitais Entidades responsáveis pelo registro de dados Departamento de Estatística do Canadá (Registro Canadense do Câncer) Instituto Canadense de Informações sobre a Saúde

32 32 Vigilância do câncer no Canadá Entidades responsáveis pela análise dos dados Agência de Saúde Pública do Canadá Departamento de Estatística do Canadá Sociedade Canadense do Câncer Parceria Canadense Contra o Câncer Províncias/territórios/municipalidades Responsáveis pela criação de políticas Agências provinciais/territoriais de apoio ao câncer Departamentos provinciais/territoriais de saúde

33 33 Vigilância do câncer no Canadá Conta com parcerias Nenhuma entidade ou organização possui todos os dados necessários Exemplo de uma parceria bem sucedida: Departamento Canadense de Estatísticas sobre o Câncer Uma publicação anual Apoiado por: Departamento de Estatística do Canadá Agência de Saúde Pública do Canadá Sociedade Canadense do Câncer

34 34 Prioridades atuais da Agência de Saúde Pública do Canadá (ASPC) em relação à vigilância do câncer Efetuar a vigilância de populações especiais Câncer infantil Populações autóctones (Primeiras Nações, Inuit, Metis) Populações da região norte Predominância do vírus do papiloma humano nas comunidades da região norte (com os governos territoriais) Monitorar programas organizados de detecção precoce do câncer Iniciatica Canadense para Detecção Precoce do Câncer da Mama

35 35 Prioridades da ASPC em relação à vigilância do câncer Apoiar o desenvolvimento de métodos uniformes Disponibilizar treinamento em conceitos e métodos de vigilância Treinamento na determinação do estado do câncer Previsões sobre o câncer Ligação dos arquivos

36 36 Conclusão 1. Os gastos referentes ao câncer continuam a aumentar internacionalmente. 2. Existem intervenções práticas para prevenção e controle de muitos tipos de câncer. 3. A vigilância desempenha um papel fundamental na identificação de problemas e na avaliação do impacto das medidas de saúde pública. 4. É importante haver uma política de promoção dos dados sobre vigilância do câncer, para apoiar os registros do câncer.

37 Obrigado! 37

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva A situação do câncer no Brasil Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva O Brasil no Cenário do Câncer no Mundo Principais fatores determinantes Situação do Câncer no Brasil 1 Urbanização

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP)

Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP) Incidência das doenças oncohematológicas no Brasil, com destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP) Maria do Rosario Dias de Oliveira Latorre Professora Titular

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância Seminário de 20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça Coordenação de Prevenção e Vigilância Magnitude do problema Câncer é a segunda causa de morte no Brasil. Mortalidade por câncer vem aumentando,

Leia mais

Magnitude do problema

Magnitude do problema Magnitude do problema CÂNCER NO MUNDO Ano No. de casos mortes vivos 2014 14 milhões 8,2 milhões 2030 27 milhões 17 milhões 75 milhões CÂNCER NO BRASIL Ano No. de casos mortes 2013 518 mil 184.073 2014

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010 Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV Novembro/2010 O QUE É? Registro de Câncer de Base Populacional RCBP: são centros sistematizados de coleta, armazenamento, processamento

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Cobertura assistencial Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Agência Nacional de Saúde Suplementar Marcos Regulatórios Lei 9656, de 03/06/1998 Dispõe sobre a regulamentação dos planos e seguros

Leia mais

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. COORDENADOR Prof a. Dr a. Denise Siqueira de Carvalho AUTOR

Leia mais

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 Vânia Stiepanowez de Oliveira Rocha Dados epidemiológicos Incidência

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil Estimativa 2014 Incidência de Câncer no Brasil Para que servem as Estimativas? Conhecer a magnitude dos principais tipos de câncer; Planejamento de ações e programas de controle; Definição de políticas

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por Perfil epidemiológico de mortalidade por NEOPLASIAS Porto Alegre 1996-2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 SÉRIE TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE, BRUTAS E AJUSTADAS POR IDADE PELAS POPULAÇÕES MUNDIAL E BRASILEIRA, PARA TOPOGRAFIAS SELECIONADAS, ENTRE E SANTA CATARINA Taxas de mortalidade por câncer do estômago,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE AG. CARCINOGÊNICOS (International Agency Research Cancer)

CLASSIFICAÇÃO DE AG. CARCINOGÊNICOS (International Agency Research Cancer) CÂNCER OCUPACIONAL Localização Os tumores associados ao trabalho freqüentemente são observados nos órgãos em contato direto (portas de entrada e/ou eliminação)de diversos agentes carcinogênicos, por sua

Leia mais

ALAGOAS ATLAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL 1979-1999

ALAGOAS ATLAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL 1979-1999 SÉRIE TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE, BRUTAS E AJUSTADAS POR IDADE PELAS POPULAÇÕES MUNDIAL E BRASILEIRA, PARA TOPOGRAFIAS SELECIONADAS, ENTRE E ALAGOAS Taxas de mortalidade por câncer do estômago,

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Belo Horizonte, outubro de 2007 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016. Janeiro de 2015

Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016. Janeiro de 2015 Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016 Janeiro de 2015 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar É a agência reguladora do Governo Federal,

Leia mais

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA QUALIFICAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NOS SERVIÇOS ASSISTENCIAIS DO SUS PARA CÂNCER DE MAMA E CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Fátima Bussinger Chefe da Fisioterapia

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

ISSN: 2183-0746. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Oncológicas. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0746. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Oncológicas. www.dgs.pt ISSN: 2183-0746 Portugal Doenças Oncológicas em números 2013 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2009/2103(INI) 3.2.2010 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a Comunicação da Comissão Acção Contra o Cancro: Parceria

Leia mais

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão 1 Alguns factos históricos da epidemia tabágica Consumo de cigarros raro em 1900 (EUA: 54 cig/pessoa/ano)

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Audiência Pública Senado

Audiência Pública Senado Audiência Pública Senado Tema "políticas públicas de prevenção do câncer de intestino, bem como instruir a elaboração de projeto de lei com o propósito de instituir o Dia Nacional de Prevenção do Câncer

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 (SUS). Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

O desafio feminino do câncer

O desafio feminino do câncer Tumores de mama e colo de útero contam com a oportunidade de rastreamento e têm altas chances de sucesso no tratamento O desafio feminino do câncer O controle dos cânceres de mama e de colo do útero é

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Presidente do Conselho de Administração do Centro de Oncologia dos Açores Dr. Raul Rego Centro de Oncologia dos Açores

Presidente do Conselho de Administração do Centro de Oncologia dos Açores Dr. Raul Rego Centro de Oncologia dos Açores Presidente do Conselho de Administração do Centro de Oncologia dos Açores Dr. Raul Rego Centro de Oncologia dos Açores Coordenador Científico do RORA Prof. Doutor Vítor Rodrigues Faculdade de Medicina

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 1990 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves Secretaria Municipal da Saúde

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER Distribuição das neoplasias em populações humanas Etiologia/Fatores de risco Prevenção/Detecção precoce Prognóstico Tratamento IMPORTÂNCIA DAS NEOPLASIAS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Epidemiologia sexo masculino : pulmão, próstata, estômago, cólon e reto, boca e faringe, fígado, esôfago e bexiga

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) O que é? É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não

Leia mais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sistemas de Saúde Comparados Conformação dos sistemas de saúde é determinada por complexa interação entre elementos históricos, econômicos, políticos e

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo

SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 5 nº 9 Maio 2004 A dimensão oculta e a precocidade da morte masculina por doenças hepáticas Estudos de mortalidade com freqüência

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas.

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. Tereza Giannini giannini.tereza@gmail.com sobenfee@sobenfee.org.br LESÕES NEOPLÁSICAS Lesões resistentes que se propagam no tecido epitelial devido

Leia mais

Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP

Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP Departamento de Saúde Pública/ARS Centro ENSP Lisboa 7/12/2012 1 Declaração de Alma-Ata (1978) OMS lançou o movimento em 1977 Estratégias

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

A pesquisa clínica no combate ao câncer de mama. Dra. Cláudia Vasconcelos Executiva de Operações

A pesquisa clínica no combate ao câncer de mama. Dra. Cláudia Vasconcelos Executiva de Operações A pesquisa clínica no combate ao câncer de mama Dra. Cláudia Vasconcelos Executiva de Operações Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON) 2 Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª Recomenda ao Governo que adopte medidas urgentes que diminuam os tempos de espera para consulta e cirurgia oncológica e que melhorem a qualidade e o

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais