OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR"

Transcrição

1 OS PRIEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA ANUTENÇÃO DOUGLAS LINO ARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR

2 APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES E QUESTIONAENTOS O PRIEIRO PASSO EXEPLO DE U PLANO INDICADOR DE U PLANO INDICADOR DA ANUTENÇÃO FLUXOGRAA (ATIVIDADES E RESPONSABILIDADES)

3 A ANUTENÇÃO PODE SER UA VANTAGE COPETITIVA PARA AS EPRESAS???!!!...

4 EPRESAS DO SETOR PETRÓLEO 42 DISPONIBILIDADE (%) ELHORES PIORES CUSTO DE ANUTENÇÃO P/ BARRIL DE PETRÓLEO EQUIVALENTE (US $) 11

5 CONSIDERAÇÕES ESTA ETODOLOGIA ESTÁ BASEADA NOS DIVERSOS CONCEITOS E FERRAENTAS DA TEORIA DE CONFIABILIDADE APLICADA.

6 CONSIDERAÇÕES PODE SER APLICADA A PEQUENAS, ÉDIAS E GRANDES EPRESAS.

7 CONSIDERAÇÕES TODA A TAREFA DEVE SER TECNICAENTE FACTÍVEL E VALER A PENA.

8 CONSIDERAÇÕES PROCURAR FAZER A ÍNIA ANUTENÇÃO INDISPENSÁVEL.

9 CONSIDERAÇÕES ENGLOBA TODOS OS TIPOS DE ANUTENÇÃO: CORRETIVA NÃO PLANEJADA CORRETIVA PLANEJADA PREVENTIVA PREDITIVA DETECTIVA ENGENHARIA DE ANUTENÇÃO

10 CONSIDERAÇÕES FUNDAENTADA NA ELHORIA CONTÍNUA (KAISEN = ELHORAENTO CONTÍNUO) N Í V E L D O R E S U L T A D O TEPO P D C A P D C A P D C A I N O V A Ç Ã O I N O V A Ç Ã O

11 CONSIDERAÇÕES CUSTOS ÍNIOS (ANUTENÇÃO ÓTIA) CUSTOS DE ANUTENÇÃO CUSTOS $ CUSTOS OPERATIVOS E FUNÇÃO DA QUANTIDADE DE ANUTENÇÃO QUANTIDADE DE ANUTENÇÃO

12 CONSIDERAÇÕES TODAS AS FERRAENTAS CONHECIDAS PODE E DEVE SER UTILIZADAS PARA ELHORIA CONTÍNUA 5 POR QUÊS HAZOP ESTUDOS DE OPERACIONALIDADES E PERIGOS FTA ÁRVORE DE FALHAS ISHKAWA CAUSA E EFEITO FEA ANÁLISE DOS ODOS E EFEITOS DAS FALHAS DRV DECISÃO CO REDUÇÃO DE VARIABILIDADE APR ANÁLISE PRELIINAR DE RISCOS PARETO FECA ANÁLISE DOS ODOS E EFEITOS E CRITICIDADEDAS FALHAS RC ANUTENÇÃO CENTRADA E CONFIABILIDADE BRAINSTOR

13 CONSIDERAÇÕES FOCO AIS NA CONFIABILIDADE DO QUE NA REDUÇÃO DE CUSTOS EFICÁCIA CUSTOS

14 CONSIDERAÇÕES FOCO AIS NA CONFIABILIDADE DO QUE NA REDUÇÃO DE CUSTOS EFICÁCIA CUSTOS

15 CONSIDERAÇÕES FOCO AIS NA CONFIABILIDADE DO QUE NA REDUÇÃO DE CUSTOS EFICÁCIA CUSTOS

16 CONSIDERAÇÕES FRUSTRAÇÕES DA ANUTENÇÃO FALTA TREINAENTO É DIFÍCIL FAZER CO CUSTO ADEQUADO FALTA ÃO-DE-OBRA AS FALHAS DEVERIA TER SIDO EVITADAS NÃO EXISTE PROCEDIENTO PARA TODAS AS TAREFAS OS PRAZOS FORA INSUFICIENTES A PADRONIZAÇÃO É BAIXA ERROS HUANOS CONTINUA OCORRENDO FALTA AIS TÉCNICOS CO EXPERIÊNCIA FALTA INDICADORES A ENGENHARIA DE ANUTENÇÃO NÃO RESOLVE

17 SITUAÇÃO ATUAL ELHOR

18 SITUAÇÃO ATUAL A C P D ELHORIA CONTÍNUA ELHOR

19 O PRIEIRO PASSO ECÂNICA - ELÉTRICA - CALDERARIA - INSTRUENTAÇÃO ESCOLHA DO PRIEIRO PLANO O EQUIPAENTO OU SISTEA AIS CRÍTICO (SS) O EQUIPAENTO CUJA FALHA LEVA A AIOR PERDA ($) A NECESSIDADE É DEFINIDA POR NORA (NR, NR 13, ISO) EXPERIÊNCIA OU CONHECIENTO TEORIA DA CONFIABILIDADE ***REUNIÃO CO TODA A EQUIPE ESPECÍFICA (1 hora)***

20 PLANO DE ANUTENÇÃO: TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES REFERÊNCIA EXEPLO DE U PLANO DE ANUTENÇÃO

21 PLANO DE ANUTENÇÃO OBJETIVO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES, SUBSTITUINDO AS ESCOVAS CO PRAZO ÓTIO, IDENTIFICAR DESVIOS, OBTER DADOS PARA DIAGNÓSTICO...

22 PLANO DE ANUTENÇÃO OBJETIVO PROCEDIENTO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PARA TROCA E EDIÇÃO DE ESCOVAS DE TURBO GERADORES Nº AXW

23 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS (2) COLABORADORES

24 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO

25 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS XXX

26 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES

27 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PELA ANÁLISE JOAQUI DO RELATÓRIO DE ANUTENÇÃO E DOS DADOS

28 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PELA ANÁLISE JOAQUI > PEDRO OU PAULO DO RELATÓRIO DE ANUTENÇÃO E DOS DADOS

29 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PEDRO REGISTRO: FORA DE PASTA DE EQUIPAENTOS DA OFICINA ARQUIVAENTO DOS DADOS

30 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PEDRO REGISTRO: ARQUIVAENTO PASTA DE EQUIPAENTOS DA OFICINA ASPECTOS IPORTANTES DE SEGURANÇA EXECUTANTE UTILIZAR PROCEDIENTO, DESLIGAR TG, BLOQUEAR DISJUNTOR DE CAPO, DEIXAR E GIRO LENTO, NÃO USAR CRAXÁ, PULSEIRAS E ANÉIS, USAR LUVAS NITRÍLICAS.

31 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PEDRO REGISTRO: ARQUIVAENTO PASTA DE EQUIPAENTOS DA OFICINA SEGURANÇA EXECUTANTE UTILIZAR PROCEDIENTO, DESLIGAR TG... SOBRESSALENTES 2 CONJUNTOS (32 ESCOVAS)

32 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PEDRO REGISTRO: ARQUIVAENTO PASTA DE EQUIPAENTOS DA OFICINA SEGURANÇA EXECUTANTE UTILIZAR PROCEDIENTO, DESLIGAR TG... SOBRESSALENTES 2 CONJUNTOS (32 ESCOVAS) TOLERÂNCIA PRIORIDADE ATRASO ÁXIO ADITIDO DE DIAS

33 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PEDRO REGISTRO: ARQUIVAENTO PASTA DE EQUIPAENTOS DA OFICINA SEGURANÇA EXECUTANTE UTILIZAR PROCEDIENTO, DESLIGAR TG... SOBRESSALENTES 2 CONJUNTOS (32 ESCOVAS)... TOLERÂNCIA PRIORIDADE ATRASO ÁXIO ADITIDO DE DIAS ANUAIS, PROCEDIENTOS E PROCEDIENTOS OFICIALIZADOS E ACESSÍVEIS, DESENHOS ACESSÍVEIS DESENHOS NO CAD XX, ANUAIS NA PASTA DO EQUIPAENTO NA OFICINA

34 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PEDRO REGISTRO: ARQUIVAENTO PASTA DE EQUIPAENTOS DA OFICINA SEGURANÇA EXECUTANTE UTILIZAR PROCEDIENTO, DESLIGAR TG... SOBRESSALENTES 2 CONJUNTOS (32 ESCOVAS)... TOLERÂNCIA PRIORIDADE ATRASO ÁXIO ADITIDO DE DIAS ANUAIS, PROC.E DESENHOS PROCEDIENTOS NO SIPEP, DESENHOS NO CAD XX,... EQUIPAENTOS DE TESTES E ENSAIOS EQUIPAENTO PARA PRÉ-CONFORAÇÃO, LIXA FINA Nº E ROLO

35 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PEDRO REGISTRO: ARQUIVAENTO PASTA DE EQUIPAENTOS DA OFICINA SEGURANÇA EXECUTANTE UTILIZAR PROCEDIENTO, DESLIGAR TG... SOBRESSALENTES 2 CONJUNTOS (32 ESCOVAS)... TOLERÂNCIA PRIORIDADE ATRASO ÁXIO ADITIDO DE DIAS ANUAIS, PROC.E DESENHOS PROCEDIENTOS NO SIPEP, DESENHOS NO CAD XX,... EQUIPAENTOS DE TESTES E ENSAIOS EQUIPAENTO PARA PRÉ-CONFORAÇÃO, LIXA FINA Nº E ROLO INDICADORES INDICADOR %, CONFORE INDICADORES DOS PLANOS DE ANUTENÇÃO

36 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS DOS GERADORES OBJETIVO ANTER A CONFIABILIDADE DOS GERADORES... PROCEDIENTO PROCEDIENTO ESCOVAS Nº AXW TREINAENTO (ADEQUADO E SUFICIENTE) TREINAENTO NO PROCEDIENTO PARA DOIS COLABORADORES CAPACITADOS A INSTRUIR PEDRO, PAULO CAPACITADOS A EXECUTAR ARCOS PERIODICIDADE 3 ESES RESPONSÁVEL PEDRO REGISTRO: ARQUIVAENTO PASTA DE EQUIPAENTOS DA OFICINA SEGURANÇA EXECUTANTE UTILIZAR PROCEDIENTO, DESLIGAR TG... SOBRESSALENTES 2 CONJUNTOS (32 ESCOVAS)... TOLERÂNCIA PRIORIDADE ATRASO ÁXIO ADITIDO DE DIAS ANUAIS, PROC.E DESENHOS PROCEDIENTOS NO SIPEP, DESENHOS NO CAD XX,... EQUIPAENTOS DE TESTES E ENSAIOS EQUIPAENTO PARA PRÉ-CONFORAÇÃO, LIXA FINA Nº E ROLO INDICADORES INDICADOR %,

37 INDICADOR DE U PLANO PDCA ITE DESCRIÇÃO RESPONSÁVEL VALOR PLANEJA- ENTO PLANO ESTABELECER PLANO GE 5 PROCEDIENTO PROCEDIENTO ELABORADO GE 5 PROCEDIENTO ATUALIZADO GE 5 TREINAENTO 1 PESSOA TREINADA GE/SUP 5 Nº ADEQUADO DE PESSOAS TREINADAS GE/SUP 5 PLANO SAP PLANO ESTABELECIDO NO SAP PLAN 5 ATERIAIS e SOBRESSALENTES ATERIAIS ESTÃO DEFINIDOS GE 5 ATERIAIS ESTÃO CADASTRADOS CO N AT 5 AT. ESTÃO E ESTOQUE, CO PR E QR AT 5 EXECUÇÃO EQUIP. TESTES EQUIP. E AT. E BOAS CONDIÇÕES SUP 5 PROGRAAÇÃO PROGRAAÇÃO DENTRO DO PRAZO PLAN 5 RELATÓRIO RELATÓRIO CONCLUIDO SUP 5 SEGURANÇA EXEC 5 PRODUTIVIDADE TODOS OS ITENS DE SEGURANÇA DESCRITOS NO PROCEDIENTO FORA CUPRIDOS. TAREFAS EXECUTADAS DENTRO DOS PRAZOS PREVISTOS. EXEC 5 APROPRIAÇÃO ORDENS SAP CONCLUÍDAS E CONFORE EXEC 5 VERIFICA- ÇÃO ANÁLISE/ DIAGNÓSTICO/ INDICADOR ANÁLISE DAS TAREFAS E DOS DADOS DIAGNÓSTICO/PARECER TÉCNICO (LAUDO) ATUALIZAÇÃO DO INDICADOR GE AUDITORIA ACOPANHAENTO (AUDITORIA) FOI REALIZADA CONFORE PLANO. GE 5 AÇÃO ELHORIA CONTÍNUA EVIDÊNCIA DE ELHORIA CONTÍNUA NO PROCESSO, E PARTE DO PLANO, NA UTILIZAÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS, NA ETODOLOGIA, ETC. EI

38 PLANO DE ANUTENÇÃO TROCA DE ESCOVAS INDICADOR ENSAL 1 1

39 BATERIAS TEROGRAFIA ANÁLISE ÓLEO TFs AFERIÇÃO RELÉS TROCA ESCOVAS TGs ENSAIO OTORES TEROGRAFIA PREVENTIVA GERADORES PAINÉIS V BARRA SINCRONISO INDICADOR PLANOS DE ELÉTRICA EXEPLO DE INDICADORES

40 LUBRIFICAÇÃO VENTILADORES VIBRAÇÃO TROCA DE ÓLEO ALINHAENTO EDIÇÃO RUÍDO GRANDES ÁQUINAS COPRESSORES BOBAS XXX INDICADOR PLANOS DE ECÂNICA EXEPLO DE INDICADORES

41 PURGADORES INS. CALDEIRAS TANQUES TETO FIXO TANQUES TETO FL. REFRATÁRIOS PINTURA ÁQUINAS CARGA TORRES PERUTADORES FORNOS INDICADOR PLANOS DE CALDERIA EXEPLO DE INDICADORES

42 ANALIZADORES TERÔETROS IND. PRESSÃO ALHAS DE CONT. PLC S TRANSISSORES ONITORES SENSORES NÍVEL VÁLVULAS YYY INDICADOR PLANOS DE INSTRUENTAÇÃO EXEPLO DE INDICADORES

43 INDICADOR INDICADOR DA ANUTENÇÃO: ELÉTRICA Planos Elétrica - ENSAL Termografia Baterias Óleo Isolante Retificador, IN e UPS Seccionadoras Escovas TG Global Planos Elét.

44 GESTÃO DE ANUTENÇÃO INDICADORES GLOBAIS - PLANOS DE ANUTENÇÃO - ENSAL ELÉTRICA ECÂNICA INSTRUENT. CALDEIRARIA GLOBAL

45 GE ATERIAIS ateriais PLANEJAENTO Planejamento SUPERVISOR Supervisor EXECUTANTE Executante Elabora plano de manutenção Procedimento ok? Sim Não Elabora procecimento Verificação e acompanhamento de materiais Não ateriais ok? Treinamento ok? Sim Não Elabora plano no SAP Promove treinamento Verifica condições de materiais e equipamentos Não Ok? Sim Análise e laudo do relatório Executa as atividades programadas, Pendências? Não Sim Elabora relatório Sim Precisa de melhoria? Não Verifica relatório Fim do ciclo

46 PLANO DE ANUTENÇÃO ECÂNICA - ELÉTRICA - CALDERARIA - INSTRUENTAÇÃO ESCOLHA DO SEGUNDO PLANO

47 PLANO DE ANUTENÇÃO ECÂNICA - ELÉTRICA - CALDERARIA - INSTRUENTAÇÃO ESCOLHA DO TERCEIRO PLANO

48 PLANO DE ANUTENÇÃO ECÂNICA - ELÉTRICA - CALDERARIA - INSTRUENTAÇÃO NOVA TECNOLOGIA DE EQUIPAENTO NOVA TECNOLOGIA DE ONITORAENTO NOVA CRITICIDADE NOVA NORA FERRAENTA DE CONFIABILIDADE...

49 OBRIGADO

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

FERRAMENTA DE CONFIABILIDADE: METODOLOGIA DE ENSAIOS EM MOTORES ELÉTRICOS NA OFICINA APÓS A MANUTENÇÃO Case ThyssenKrupp CSA

FERRAMENTA DE CONFIABILIDADE: METODOLOGIA DE ENSAIOS EM MOTORES ELÉTRICOS NA OFICINA APÓS A MANUTENÇÃO Case ThyssenKrupp CSA FERRAMENTA DE CONFIABILIDADE: METODOLOGIA DE ENSAIOS EM MOTORES ELÉTRICOS NA OFICINA APÓS A MANUTENÇÃO Case ThyssenKrupp CSA Engenheiro de Manutenção Preditiva Sênior Rounald de Oliveira Santos Engenheiro

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS Pedro Massanori Sakua, Álvaro José Noé Fogaça, Orlete Nogarolli Copel Copanhia Paranaense de Energia Paraná Brasil RESUMO Este

Leia mais

Sumário. 8:30 h Avaliação de projetos (I-Níveis e tipos de Planejamento II Ferramentas de Planejamento (EAP, Gráfico de Gantt)

Sumário. 8:30 h Avaliação de projetos (I-Níveis e tipos de Planejamento II Ferramentas de Planejamento (EAP, Gráfico de Gantt) Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos Disciplina: Técnicas de Planejamento aplicadas ao projeto e manutenção de sistemas elétricos on e offshore) Professor: Ronaldo Camara Cavalcante Msc Engenharia

Leia mais

EngePower. EngePower Engenharia e Comércio Ltda Tel : 11 3579-8777 www.engepower.com Contato: engepower@engepower.com

EngePower. EngePower Engenharia e Comércio Ltda Tel : 11 3579-8777 www.engepower.com Contato: engepower@engepower.com INSPEÇÃO POR ULTRASOM EngePower Engenharia e Comércio Ltda Tel : 11 3579-8777 www.engepower.com Contato: engepower@engepower.com 1. Objetivo 2. Abrangência 3. Problemas Básicos 4. Arco Elétrico e Corona

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Audiência Pública 022/2014 Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Introdução Papel da ANEEL buscar melhoria da qualidade do serviço prestado,

Leia mais

CURSO DE SUBESTAÇÕES CONCEITOS, EQUIPAMENTOS, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO.

CURSO DE SUBESTAÇÕES CONCEITOS, EQUIPAMENTOS, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO. CURSO DE SUBESTAÇÕES CONCEITOS, EQUIPAMENTOS, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO. WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO DE SUBESTAÇÕES CONCEITOS, EQUIPAMENTOS, MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE SUBESTAÇÕES.

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

Tecnologia Global, Soluções Locais

Tecnologia Global, Soluções Locais Medição de Teperatura Se Contato, Iageaento Térico e Visão de Processos Industriais Tecnologia Global, Soluções Locais Terôetros Infraverelhos Fixos Pontuais e Portáteis Raytek Faília Marathon MR Terôetro

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1 1 INTRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1 Luiz Carlos Dorigo Até a Segunda Guerra Mundial as atividades de Manutenção Industrial eram fundamentalmente atividades de Manutenção Corretiva.

Leia mais

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Robson Guilherme Ferreira (II) Jackson Duarte Coelho (III) Julio César Agrícola Costa da Silveira (I) Resumo O trabalho a ser apresentado tem como objetivo

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO Instrutora: Noe: Márcia Assunção Foração: Graduada e Pós-graduada... Exp. Profissional:... 10 anos Objetivo do curso: Disseinar a interpretação dos

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria.

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria. Hydro Z Unikap atua na construção civil, e instalações hidráulicas prediais, residenciais, coerciais e industriais, co ais de il itens produzidos confore as noras vigentes, garantindo total segurança na

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

A escolha inteligente em conforto

A escolha inteligente em conforto Refrigerante Condicionadores de Ar Split A escolha inteligente e conforto FUJITSU GENERAL DO BRASIL High Wall Inverter ASBA09J ASBA12J C C 9.000 12.000 ASBA09L C 9.000 H 10.000 ASBA12L C 12.000 H 14.000

Leia mais

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio Anexo II Descrição da Área/Processo Cargos Cargo Área Pré-requisito Trajetória Processo de Agrimensura de Edificações/ Construção Civil de Edificações de Edificações Agrimensura. Edificações. Edificações.

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Docuento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 20/203-BNDES Rio de Janeiro, 7 de aio de 203 Ref.: Produto BNDES Autoático Ass.: Prograa BNDES para o Desenvolviento da Indústria Nacional

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços Estudos Elétricos 4 Projetos Elétricos 5 Engenharia de Campo 6 Treinamentos Técnicos 8 Apresentação da Empresa A SISPOT Engenharia e Consultoria nasceu do desejo de tornar-se referência

Leia mais

Serviços de Média Tensão LCS PPMV Portifólio. ABB Group 6 de março de 2013 Slide 1

Serviços de Média Tensão LCS PPMV Portifólio. ABB Group 6 de março de 2013 Slide 1 Serviços de Média Tensão LCS PPMV Portifólio ABB Group 6 de março de 2013 Slide 1 PPMV Service Escopo Upgrade & Retrofit Retrofit Cubículo MT Retrofit Disjuntores MT Retrofit Contatores MT Retrofit de

Leia mais

Soluções em manejo florestal eficiente.

Soluções em manejo florestal eficiente. Soluções e anejo florestal eficiente. Leveza Utiliza ateriais co alta resistência e chapas de espessura reduzida, oferecendo baixo peso e garantindo aior capacidade de carga. Baixo Custo Laço de angueiras

Leia mais

ABIQUIM VII Congresso de Atuação Responsável

ABIQUIM VII Congresso de Atuação Responsável ABIQUIM VII Congresso de Atuação Responsável Mesa Redonda A Certificação dos Serviços Próprios de Inspeção de Equipamentos São Paulo 01 de outubro de 2003 Paulo Ermida Moretti Luis Carlos Greggianin Unidade

Leia mais

JCB Multicarregadora Telescópica 531-70 DIMENSÕES ESTÁTICAS ALTURA MÁX. DE ELEVAÇÃO: Dimensões em m. Dimensões em m 531-70 531-70 2.49 0.

JCB Multicarregadora Telescópica 531-70 DIMENSÕES ESTÁTICAS ALTURA MÁX. DE ELEVAÇÃO: Dimensões em m. Dimensões em m 531-70 531-70 2.49 0. CARGA MÁX. ÚTIL ALTURA MÁX. DE ELEVAÇÃO: 3.1 Ton. 7 Metros DIMENSÕES ESTÁTICAS Diensões e 531-70 Diensões e 531-70 A Altura total 2.49 H Altura ao solo 0.40 B Largura total (aos pneus)* 2.23 Raio de virage

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departaento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudar Serafi Matos INSTALAÇÕES FRIGORÍFICAS São conjuntos de câaras

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 4 - ATRIBUIÇÕES DO PCM Luiz Carlos Dorigo As quatro funções fundamentais do PCM, quais sejam, Planejamento, Programação, Coordenação e Controle devem

Leia mais

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível SEMINÁRIO JURÍDICO-FISCAL E WORKSHOP TÉCNICO DA 4 a RODADA DE LICITAÇÕES DA ANP CAPACIDADE Clique para editar NACIONAL os estilos do texto DA mestre CADEIA Segundo DE nível SUPRIMENTO PARA PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA CODEN - Nova Odessa CODEN 1. OBJETIVO Apresentar ao CODEN a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Nova Odessa 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

RETROESCAVADEIRA COMPACTA 1CX

RETROESCAVADEIRA COMPACTA 1CX RTROSVDIR OMPT POTÊNI MÁ. DO MOTOR. 6,kW (9 hp) PROUNDIDD MÁ. D SVÇÃO D RTRO:,55 etros PIDD MÁ. D RRGDIR: 60 H K D G DIMNSÕS, OM MÁQUIN STÁTI Modelo da áquina ltura total ltura total (cabine baixa) Largura

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Ficha de Dados de Segurança SECÇÃO 1: Identificação da substância/istura e da sociedade/epresa 1.1. Identificador do produto: Tinteiro EPSON T6309 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

ESCAVADEIRA HIDRÁULICA SOBRE ESTEIRAS JS220 LONGO ALCANCE

ESCAVADEIRA HIDRÁULICA SOBRE ESTEIRAS JS220 LONGO ALCANCE PESO OPERACIONAL MÁXIMO: 23.742 POTÊNCIA DO MOTO: 128 kw (172HP) DIMENSÕES, COM A MÁQUINA PARADA Diensões e ilíetros A Copriento da esteira sobre o solo B Copriento total do chassi C Vão livre - contrapeso

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU

ANÁLISE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO ANÁLIE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU Jeniffer Fonseca Zanitt (UFJ) jzanitt@gail.co Daniela Carine Raires de Oliveira

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Circuladores para sisteas de aqueciento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Série Ecocirc TLC FLC O otivo da escolha A vasta gaa de circuladores da ITT Lowara é a sua prieira escolha devido

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E MODELOS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO CONTEMPORÂNEA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E MODELOS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO CONTEMPORÂNEA II Seminário de Manutenção do Norte Filial I (PA AC AP RO RR) ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E MODELOS DE GESTÃO DA CONTEMPORÂNEA Eng. Dr. ENON LAÉRCIO NUNES Belém-PA Outubro/2010 1 II Seminário de Manutenção

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo

Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo Alexandre Amaral dos Santos - AES Eletropaulo Gerência de Engenharia da Distribuição E-mail: alexandre.amaral@aes.com

Leia mais

Elementos de um Processo

Elementos de um Processo Auditor Interno ISO/TS 16949:2002 Arquivo com alguns slides do curso, já incluindo nova abordagem solicitada pelo IATF aos auditores durante os exames de requalificação em 2006. (Abordagem do IATF) 1 Elementos

Leia mais

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 0 01 Produto internacional desenvolvido co a colaboração de especialistas de dois países, baseado na platafora de R&D China e nos Estados Unidos; A lança totalente

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

Escavadeiras Hidráulicas 312C 312C L

Escavadeiras Hidráulicas 312C 312C L Escavadeiras Hidráulicas 312C 312C L Pesos Peso e Operação* 13.140 kg 28.970 lb Motor Modelo do Motor 3064 T Caterpillar Potência Bruta 70 kw 94 hp Potência no Volante 67 kw 90 hp Mecaniso do Giro Torque

Leia mais

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva ANEXO 1. Plano Mínimo de Manutenção 1.1 O Plano Mínimo de Manutenção define as atividades mínimas de manutenção preditiva e preventiva e suas periodicidades para transformadores de potência e autotransformadores,

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO I. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO Antes de operar o compressor de ar elétrico com vaso de pressão, assegure-se de que sua instalação tenha sido executada

Leia mais

1º Seminário do MBA Gestão Estratégica da Produção e Manutenção 1º COMPLEXO INTEGRADO ETANO - POLIETILENOS

1º Seminário do MBA Gestão Estratégica da Produção e Manutenção 1º COMPLEXO INTEGRADO ETANO - POLIETILENOS TERCEIRIZA 1º COMPLEXO INTEGRADO ETANO - POLIETILENOS Estrutura Acionária SUZANO 33,3% UNIPAR 33,3% PETROQUISA 16,7% BNDESPAR 16,7% RIOPOL - RIO POLÍMEROS S.A. Estrutura Financeira INVESTIMENTO Capital

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

Talhas Elétricas de Corrente Troles Elétricos e Manuais

Talhas Elétricas de Corrente Troles Elétricos e Manuais Talhas Elétricas de orrente Troles Elétricos e Manuais Talha Elétrica de orrente odestar Talha Elétrica de orrente odestar ap. No.( t) *Vel. Elevação Motor (P) Trao correntes ap. No.( t) *Vel. Elevação

Leia mais

PESO OPERACIONAL MÁXIMO POTÊNCIA LÍQUIDA DO MOTOR

PESO OPERACIONAL MÁXIMO POTÊNCIA LÍQUIDA DO MOTOR PESO OPERACIONAL MÁXIMO POTÊNCIA LÍQUIDA DO MOTOR 21190kg 172HP Diensões e ilíetros Copriento da esteira sobre o solo Copriento total do chassi Largura do Chassi Largura da áquina co sapatas de 50 Largura

Leia mais

Autoridade Máxima: Setor Responsável: Abraham Lincoln da Cunha Ramos Diretoria de Economia e Finanaças

Autoridade Máxima: Setor Responsável: Abraham Lincoln da Cunha Ramos Diretoria de Economia e Finanaças Noe do Órgão: Autoridade Máxia: Mês de Referência : Abraha Lincoln da Cunha Raos Diretoria de Econoia e Finanaças Exercício de 2012 Restos a pagar 2012 Alínea Discriinação das despesas E R$ 1,00 a despesas

Leia mais

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Segurança do Paciente e Qualidade e Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Outubro / 2013 ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE Desafios Globais para a Segurança do Paciente

Leia mais

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH Alinhado ao Negócio Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH ALINHADO AO NEGÓCIO Essencial x fundamental As pessoas e a empresa A importância da estratégia Navegar é preciso A espinha dorsal do

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

RECEBIMENTO DEFINITIVO

RECEBIMENTO DEFINITIVO RECEBIMENTO DEFINITIVO HORÁRIO DE INÍCIO: LOCAL: LOCOMOTIVA Nº: HORÁRIO DE TÉRMINO: PAÍS: DATA: OK? OBS. COM O MOTOR DIESEL DESLIGADO: ITENS DO SISTEMA MECÂNICO, TRUQUE, HIDRÁULICO E PNEUMÁTICO: 1 - Inspecionar

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0053 ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO DE

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Leilões de Copra de Energia Elétrica Proveniente de Novos Epreendientos de Geração Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia http://dx.doi.org/10.5902/2236117016368 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Eletrônica e Gestão, Educação e Tecnologia Abiental - ReGet e-issn 2236 1170 - V. 19,

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO EXEMPLO MP LTDA. TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE Largura

Leia mais

Emprego da Termografia na inspeção preditiva

Emprego da Termografia na inspeção preditiva Emprego da Termografia na inspeção preditiva Rafaela de Carvalho Menezes Medeiros* Resumo A prática de manutenção preditiva corresponde hoje a um meio eficaz de antever uma parada do equipamento por motivo

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA -PCA -

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA -PCA - FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. DEPTº SEGURANÇA E HIGIENE INDUSTRIAL - DSH.G PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO -PCA - ENGª LÍLIAN RABELLO C. COELHO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO -HISTÓRICO- Atividades preventivas voltadas

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

TREINAMENTOS 2015. *NR-12: segurança no trabalho em máquinas e equipamentos.

TREINAMENTOS 2015. *NR-12: segurança no trabalho em máquinas e equipamentos. TREINAMENTOS 2015 Cursos especiais com metodologia e aplicações que visam otimizar a manutenção e operação dos equipamentos. Treinamentos em conformidade com as normas NR-12*. *NR-12: segurança no trabalho

Leia mais

Aparelho de elevação ABS 5 kn

Aparelho de elevação ABS 5 kn 1 597 0503 PT 01.2013 pt Instruções de ontage e de serviço Tradução das instruções originais www.sulzer.co Instruções de ontage e de serviço Instruções de ontage e de serviço para aparelho de elevação

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

TREINAMENTOS 2015. *NR-12: segurança no trabalho em máquinas e equipamentos.

TREINAMENTOS 2015. *NR-12: segurança no trabalho em máquinas e equipamentos. TREINAMENTOS 2015 Cursos especiais com metodologia e aplicações que visam otimizar a manutenção e operação dos equipamentos. Treinamentos em conformidade com as normas NR-12*. *NR-12: segurança no trabalho

Leia mais

Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Benchmarking Segmento: Farmacêutico

Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Benchmarking Segmento: Farmacêutico Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Benchmarking Segmento: Farmacêutico Eng. José Wagner Braidotti Junior Forma de atuação: Mista Nível Hierárquico: Diretoria: 70% Gerencial: 30% Almoxarifado: Próprio: 75%

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIAGNÓSTICO DOS PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CENTRAIS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE DADOS Empresa

Leia mais

ELBI ELÉTRICA INDUSTRIAL LTDA. Data 17-08-11. ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 PARTICIPANTES NOME EMPRESA ASSINATURA

ELBI ELÉTRICA INDUSTRIAL LTDA. Data 17-08-11. ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 PARTICIPANTES NOME EMPRESA ASSINATURA ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 JOSÉ FRANCISCO JOSÉ CARLOS MÁRCIO FLÁVIO LEANDRO EDUARDO WENDER CHRISÓSTOMO ALINE M O DUARTE ASSUNTOS ABORDADOS: 1- RESULTADOS DA AUDITORIA INTERNA N.13:

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE CRÍTICA DO SGQ

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE CRÍTICA DO SGQ 01/08 1. RESULTADOS DAS AUDITORIAS 1.1 AUDITORIA INTERNA PARCIAL 19, 24 e 28/01/2011 Não conformidades encontradas: Obra: BARRA BUSINESS CENTER: - Evidência: Não foi apresentada a LPT referente ao treinameto

Leia mais

Impermeabilização de túnel com geomembrana de PVC

Impermeabilização de túnel com geomembrana de PVC RESUMO Para atender ao plano de recuperação da Estação da Luz (TM) no centro da cidade de São Paulo e visando facilitar o deslocaento dos usuários dos serviços de transporte de assa, a Copanhia Paulista

Leia mais

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula Plano de Aula - Sistema de Gestão da - cód. 5325 Aula 1 Capítulo 1 - Conceitos e Fundamentos da Aula 2 1 - Aula 3 1 - Aula 4 1 - Aula 5 Capítulo 2 - Ferramentas da Aula 6 2 - Ferramentas da Aula 7 2 -

Leia mais

AULA Gestão dos processos de manutenção.

AULA Gestão dos processos de manutenção. ASTI - Análise de Sistemas e Tecnologia da Informação DIAGNÓSTICO E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM TI - II AULA 03 / 04 Prof. Pissinati FATEC AM Faculdade de Tecnologia de Americana 19/FEV/2010 19/02/10 1 AULA

Leia mais

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva Harilaus G. Xenos Gerenciando a Manutenção Produtiva PREFÁCIO....................................................................... 11 1. Uma Visão Geral da Manutenção de Equipamentos....................................

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE Quem somos QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Quem somos O mercado está cada dia mais competitivo e dentro deste cenário, nasce a

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas SIGMA Sistema de Gerenciamento de Manutenção CMMS - Sistema Computadorizado de Gestão da Manutenção Estrutura Base de Dados Plataforma O SIGMA é um software utilizado na plataforma

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais