HAVERES MOBILIÁRIOS TABELA PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA DA UNIÃO EM SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA (1) % CAPITAL EMPRESA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HAVERES MOBILIÁRIOS TABELA PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA DA UNIÃO EM SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA (1) % CAPITAL EMPRESA"

Transcrição

1 HAVERES MOBILIÁRIOS Ao final do exercício de 2011, a União possuía participação societária majoritária em 46 empresas (23 sociedades de economia mista e 23 empresas públicas) e minoritária em 55 empresas, além de participação em uma empresa binacional. As participações relacionadas a seguir referem-se, apenas, às participações diretas do Tesouro Nacional, não incluindo a participação acionária de entidades da Administração Indireta. A posição acionária de 31/12/2011 é preliminar e só estará confirmada após a aprovação dos balanços patrimoniais do referido exercício, que deverá ocorrer até abril de PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA DA UNIÃO EM SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA (1) ORDINÁRIAS PREFERENCIAIS TOTAL VOTO TOTAL BASA ,92% 96,92% BB ,87% 51,87% BNB ,10% 94,21% CASEMG ,73% 92,96% CBTU ,00% 100,00% CDC ,70% 99,70% CDP ,00% 100,00% CDRJ ,99% 99,99% CEAGESP ,66% 99,66% CEASA-MG ,57% 99,57% CODEBA ,95% 97,95% CODERN ,99% 99,99% CODESA ,45% 99,45% CODESP ,96% 99,98% CODOMAR ,97% 99,97% ELETROBRÁS ,02% 40,20% IRB ,00% 50,00% PETROBRÁS ,24% 28,66% TELEBRÁS ,88% 72,67% TRENSURB ,63% 99,63% Fonte: Informações das empresas e SIAFI. (1) A tabela contempla apenas as participações societárias detidas pela União cujo investimento seja superior a R$100 mil. Desse modo, as empresas Hospital Cristo Redentor - HR, Hospital Fêmina - HF,e Hospital Nossa Senhora Conceição - HNSC não estão retratadas na tabela. PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA DA UNIÃO EM BINACIONAL 2010 R$ 2011 R$ VARIAÇÃO % ALCÂNTARA ,87% CYCLONE Fonte: SIAFI

2 PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA DA UNIÃO EM S PÚBLICAS ORDINÁRIAS PREFERENCIAIS TOTAL VOTO TOTAL BNDES ,00% 100,00% BRASIL ,00% 100,00% EBSERH (2) ,00% 100,00% CEF ,00% 100,00% CEITEC ,00% 100,00% CMB ,00% 100,00% CODEVASF ,00% 100,00% CONAB ,00% 100,00% CPRM ,08% 97,33% DATAPREV ,00% 51,00% EBC ,00% 100,00% ECT ,00% 100,00% EMBRAPA ,00% 100,00% EMGEA ,00% 100,00% EMGEPRON ,00% 100,00% EPE ,00% 100,00% FINEP ,00% 100,00% HCPA ,00% 100,00% HEMOBRÁS ,00% 100,00% IMBEL ,00% 100,00% INFRAERO ,31% 97,31% SERPRO ,00% 100,00% VALEC ,00% 100,00% Fonte: Informações das empresas e SIAFI. (1) O valor previsto está sujeito à integralização pelo Ministério supervisor. PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA MINORITÁRIA DA UNIÃO (1) ORDINÁRIAS PREFERENCIAIS TOTAL VOTO TOTAL AGESPISA ,39% 1,1750% BRASAGRO ,4939% 35,4939% CAEMA ,0701% 0,0701% CAERN ,1006% 0,1800% CAGECE ,0000% 0,0170% CAGEPA ,0043% 0,0328% CASAL ,0005% 0,0323% CEPASA ,0000% 0,0523% CHESF ,0000% 0,3800% COPENOR ,0000% 0,8716% DESO ,0000% 0,3100% DETEN ,0000% 0,5700% ELETROPAULO ,0322% 7,9730% EMBASA ,0103% 0,0742% ENERGISAPB ,0587% 0,1958% ICC (2) ,0000% 0,1306% METROBUS ,6499% 0,8492% METRO-RJ (2) ,2655% 6,4862% NOVACAP ,8800% 43,8800% RENAVE ,7426% 0,7426% RIOTRILHOS ,2655% 6,4862% SNBP ,0000% 10,0000% TBM ,6855% 1,4003%

3 TERRACAP ,0000% 49,0000% Fonte: Informações das empresas e bancos custodiantes e SIAFI Notas: (1) A tabela contempla apenas as participações societárias minoritárias detidas pela União cujo investimento seja superior a R$100 mil. (2) Em liquidação. Além das participações societárias, a União detém quotas em fundos e organismos internacionais. Seus valores de investimento são apresentados conforme tabelas a seguir. PARTICIPAÇÃO EM FUNDOS Em R$ PATRIMÔNIO VARIAÇÃO FUNDOS LÍQUIDO % FINAM ,93% FINOR ,31% FGP ,34% FGEDUC FGHAB ,37% FGI ,56 0,00% FGCN ,80 0,00% FGO ,18% Fonte: SIAFI e Balanços. Notas: FINAM - Fundo de Investimentos da Amazônia - Posição Dezembro de 2010 FINOR - Fundo de Investimentos do Nordeste - Posição Dezembro de 2010 FGEDUC Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo - Posição Fevereiro de 2011 FGP- Fundo Garantidor de Parcerias Público-Privadas - Posição Outubro de 2011 FGHAB- Fundo de Investimento Garantidor Habitacional - Posição Julho de 2011 FGI- Fundo Garantidor para Investimento - Posição Dezembro de 2010 FGO- Fundo Garantidor de Operações - Posição Dezembro de 2011 FGCN- Fundo de Garantia para a Construção Naval - Posição Dezembro de 2010 FINAM e FINOR avaliados pelo método de custo, demais avaliados pelo método de equivalência patrimonial PARTICIPAÇÃO EM ORGANISMOS INTERNACIONAIS Em R$ ÓRGÃO RESPONSÁVEL INSTITUIÇÃO VARIAÇÃO (%) PODER DE VOTO DO BRASIL (%) POSIÇÃO PODER DE VOTO BAD ,00% 0,47 31/12/2010 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão BAD-fundo /12/2010 BDC /12/2010 BDC-fundo /12/2010 BID ,00% - 31/12/2010 -BID-CO ,00% 10,75 31/12/2010 -BID-FOE ,00% 5,56 31/12/2010 CAF ,66% N.d. 31/12/2010 CII ,00% 11,02 31/12/2010 FAD ,57% 0,42 31/12/2010 FIDA (1) ,23% 0,92 31/12/2010 FONPLATA ,00% 20 31/12/2010 FUMIN ,00% 2,04 31/12/2010

4 Ministério da Fazenda BIRD ,00% 2 31/12/2011 AID ,00% 1,52 31/12/2011 CFI ,00% 1,64 31/12/2011 MIGA ,00% 1,3 31/12/2011 Fonte: MPOG/Secretaria de Assuntos Internacionais; MF/Secretaria de Assuntos Internacionais.SIAFI Principais variações nas participações societárias da União em 2011 Aumento de capital de empresas: Em 2011, foram efetuados aumentos de capital no montante de R$ 12,85 bilhões, decorrentes, em grande parte dos créditos originados de adiantamentos para futuro aumento de capital (AFAC), e capitalização do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES e Caixa Econômica Federal CEF, mediante a transferência de ações da Petrobrás S.A, conforme discriminado no quadro a seguir. AUMENTO DE CAPITAL EM 2011 VALOR R$ mil ORIGEM DOS CRÉDITOS SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA CBTU CDC CDP CODEBA CODERN CODESA CODESP TRENSURB PÚBLICAS BNDES CEF CEF CPRM EMBRAPA HEMOBRÁS SERPRO VALEC AFAC AFAC AFAC AFAC AFAC AFAC AFAC AFAC Transferência de ações de emissão da Petrobras Transferência de ações de emissão da Petrobras Transferência de ações de emissão da Eletrobrás AFAC AFAC AFAC AFAC AFAC TOTAL Fonte: MF/Secretaria do Tesouro Nacional Constituição de Empresas Foi criada, mediante Decreto nº 7.661, de , a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), sob a forma de empresa pública, com a finalidade de prestar serviços gratuitos de assistência médico-hospitalar, ambulatorial e de apoio diagnóstico e terapêutico à comunidade, assim como de apoio ao ensino, à pesquisa e à extensão, ao ensino-aprendizagem e à formação de pessoas no campo da saúde pública. Capitalização de Fundos: A União integralizou cotas no Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo - FGEDUC, nos termos do Decreto nº 7.378, de e da Portaria MF nº 573, de , no valor de cerca de R$ 94,98 milhões. Ademais, capitalizou o Fundo Garantidor da Habitação Popular - FGHab, nos termos do Decreto nº 7.366, de e da Portaria MF nº 562, de , no valor de R$ 200 milhões.

5 Transferência de cotas e ações para a União: Foram transferidas para a União, em 03 de agosto de 2011, ações PNB de emissão da Eletrobrás, de propriedade da RFFSA - Rede Ferroviária Federal S.A., extinta pela MP 353, de , convertida na Lei nº , de Foram transferidas para a União, em 2011, ações ON de emissão da empresa RIMA Empresarial S.A, como sucessora da SUDENE (extinta), de acordo com o disposto na MP 2.156, de Empresas em liquidação: Continua em processo de liquidação a Indústria Carboquímica Catarinense S.A. ICC, que entrou em liquidação após aprovação na Assembléia Geral Extraordinária de

TABELA 2.5.2.a HAVERES FINANCEIROS ADMINISTRADOS PELA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL SALDOS DEVEDORES EM 31.12.2009

TABELA 2.5.2.a HAVERES FINANCEIROS ADMINISTRADOS PELA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL SALDOS DEVEDORES EM 31.12.2009 2.5 - OUTROS HAVERES DO TESOURO NACIONAL 2.5.1. Haveres da União de Natureza Financeira 2.5.1.1. Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social PSH O PSH é um programa de subsídio do Governo Federal,

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2007 ANEXO III RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA 2007

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2007 ANEXO III RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA 2007 LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2007 ANEXO III RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA 2007 XIX - Orçamento de Investimento, indicando, por empresa, as fontes de financiamento,

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº..., DE 2005 (Do Sr. Dep. Júlio Cesar)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº..., DE 2005 (Do Sr. Dep. Júlio Cesar) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº..., DE 2005 (Do Sr. Dep. Júlio Cesar) Senhor Presidente, Solicita informações ao Sr. Ministro-Chefe da Casa Civil a respeito da remuneração e das vantagens dos Presidentes

Leia mais

Promessa: Fortalecer as Empresas Estatais

Promessa: Fortalecer as Empresas Estatais Promessa: Fortalecer as Empresas Estatais A presente metodologia de avaliação considera que fortalecer uma empresa estatal significa elevar progressivamente seu valor de mercado. Esse cenário positivo

Leia mais

ANEXO I SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMAÇÃO 2014

ANEXO I SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMAÇÃO 2014 ANEXO I EMPRESA : CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS S.A. - CEASAMINAS Dispêndios de Capital 1.877.007 Receitas 41.476.566 Investimentos 1.300.000 Receita Operacional 38.074.566 Amortizações Operações

Leia mais

Perfil das Empresas Estatais Federais Ano-base 2010

Perfil das Empresas Estatais Federais Ano-base 2010 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria Executiva Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais DEST Perfil das Empresas Estatais Federais Ano-base Brasília 2011 PRESIDÊNCIA

Leia mais

0913 - Operações Especiais - Participação do Brasil em Organismos Financeiros Internacionais

0913 - Operações Especiais - Participação do Brasil em Organismos Financeiros Internacionais Programa 0913 - Operações Especiais - Participação do Brasil em Organismos Financeiros Internacionais Número de Ações 13 00C8 - Integralização de Cotas do Banco de Desenvolvimento do Caribe - BDC Medida

Leia mais

Programas de Gestão e Manutenção

Programas de Gestão e Manutenção LDO2015, Anexo I, Inciso XIV Programa: 0781 Infraestrutura de Instituições Financeiras Oficiais do Programa Constante da LOA: 2.742.392.868 25000 Ministério da Fazenda 3252 Instalação de Pontos de Atendimento

Leia mais

ANEXO DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS DAS EMPRESAS ESTATAIS. Empresas do Setor Produtivo. Empresas do Setor Financeiro

ANEXO DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS DAS EMPRESAS ESTATAIS. Empresas do Setor Produtivo. Empresas do Setor Financeiro ANEXO DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS DAS EMPRESAS ESTATAIS Empresas do Setor Produtivo Empresas do Setor Financeiro EMPRESA DO SETOR PRODUTIVO DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO PROGRAMA

Leia mais

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE GERENCIAMENTO DE FUNDOS E OPERAÇÕES FISCAIS COFIS Fundos res de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas A Lei nº 12.087, de 11 de novembro

Leia mais

Governança em Gestão de Pessoas

Governança em Gestão de Pessoas Governança em Gestão de Pessoas Práticas e Propostas Seminário Melhores Práticas Governança em Gestão de Pessoas 25 FEV 2014 DIRETRIZES de GOVERNANÇA em GESTÃO DE PESSOAS Plano de Trabalho DEST OBJETIVO

Leia mais

ANEXO I SECRETARIA EXECUTIVA REPROGRAMAÇAO 2009

ANEXO I SECRETARIA EXECUTIVA REPROGRAMAÇAO 2009 ANEXO I EMPRESA : COBRA TECNOLOGIA S.A. DISPENDIOS DE CAPITAL 73.410.000 R E C E I TA S 550.887.000 I N V E S T I M E N TO S 21.000.000 RECEITA OPERACIONAL 500.000.000 AMORTIZACOES OPER.CRED. LP 50.000.000

Leia mais

GOVERNANÇA DAS ESTATAIS FEDERAIS:

GOVERNANÇA DAS ESTATAIS FEDERAIS: GOVERNANÇA DAS ESTATAIS FEDERAIS: Brasília, 12 de dezembro de 2013 1/28 Objetivo da apresentação 2/28 Objetivo da apresentação Expor o atual contexto da governança corporativa das estatais federais. Para

Leia mais

DEPENDÊNCIA OU MORTE: O FINANCIAMENTO DAS

DEPENDÊNCIA OU MORTE: O FINANCIAMENTO DAS Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 25, 26 e 27 de março de 2014 DEPENDÊNCIA OU MORTE: O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O DEBATE SOBRE FORMAS ORGANIZACIONAIS

Leia mais

PERFIL DAS EMPRESAS ESTATAIS

PERFIL DAS EMPRESAS ESTATAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA Departamento de Coordenação e Controle das Empresas Estatais PERFIL DAS EMPRESAS ESTATAIS Exercício de Brasília, Setembro de 2008 PRESIDÊNCIA

Leia mais

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas e em Operações de Crédito Educativo

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas e em Operações de Crédito Educativo Fundos res de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas e em Operações de Crédito Educativo A Lei nº 12.087, de 11 de novembro de 2009, autorizou a União a adquirir cotas, até o limite de

Leia mais

Programas de Gestão e Manutenção

Programas de Gestão e Manutenção LDO2014, Anexo I, Inciso XIV Programa: 0781 Infraestrutura de Instituições Financeiras Oficiais do Programa Constante da LOA: 3.267.720.947 25000 Ministério da Fazenda 3252 Instalação de Pontos de Atendimento

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO 2007 Execução Orçamentária das Empresas Estatais Balanço Geral da União

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO 2007 Execução Orçamentária das Empresas Estatais Balanço Geral da União Ó R G Ã O Presidência da República 601.547.473 106.178.397 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 5.328.300 4.594.775 Ministério da Ciência e Tecnologia 7.973.888 466.460 Ministério da Defesa

Leia mais

Companhia de Armazéns e Silos do Estado de Minas Gerais - CASEMG; Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo - CEAGESP;

Companhia de Armazéns e Silos do Estado de Minas Gerais - CASEMG; Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo - CEAGESP; A N E X O I - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Centrais de Abastecimento de Minas Gerais S.A. - CEASA/MG; Companhia de Armazéns e Silos do Estado de Minas Gerais - CASEMG; Companhia

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria-Executiva Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais Esplanada dos Ministérios, Bloco K, 8º andar - Brasília DF CEP: 70040-906

Leia mais

EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA INVESTIMENTOS CONSOLIDADOS POR ORGÃO/UNIDADES. 1990 a 2014

EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA INVESTIMENTOS CONSOLIDADOS POR ORGÃO/UNIDADES. 1990 a 2014 S ESTATAIS FEDERAIS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA INVESTIMENTOS CONSOLIDADOS POR ORGÃO/UNIDADES 1990 a 2014 FEVEREIRO/2015 S ESTATAIS FEDERAIS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES)

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES) FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND Econômico e Social - BNDES) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E DE 2001 FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND Econômico e Social - BNDES) DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Por Orgão e Unidade Subordinada 1990 a 2012

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Por Orgão e Unidade Subordinada 1990 a 2012 DECON APEOP/SP ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS 1990 a 2012 ANO INVESTIMENTOS PREVISTOS (A) ÍNDICE INVESTIMENTOS REALIZADOS (B) valores em R$ mil (corrigidos (2) ) ÍNDICE2 DESEMPE NHO (B/A)

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014 Programa 0901 - Operações Especiais: Cumprimento de Sentenças Judiciais Número de Ações 227 Ação Orçamentária - Padronizada da União 0005 - Cumprimento de Sentença Judicial Transitada em Julgado (Precatórios)

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.938, DE 27 DEZEMBRO DE 2013 (publicada no DOU de 30/12/13, Seção 1, página 05) Abre aos Orçamentos Fiscal e da Seguridade

Leia mais

Perfil das Empresas Estatais Federais Ano-base 2012

Perfil das Empresas Estatais Federais Ano-base 2012 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria Executiva Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais - DEST Perfil das Empresas Estatais Federais Ano-base Brasília 2013 PRESIDÊNCIA

Leia mais

Anexo. Demonstrativo Sintético do Programa de Dispêndios Globais das Empresas Estatais

Anexo. Demonstrativo Sintético do Programa de Dispêndios Globais das Empresas Estatais Anexo Demonstrativo Sintético do Programa de Dispêndios Globais das Empresas Estatais Empresas do Setor Produtivo Anexo 175 20000 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA 20205 COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ - CDC DISPENDIOS

Leia mais

Empresas participantes da 6ª Edição do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça:

Empresas participantes da 6ª Edição do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça: Empresas participantes da 6ª Edição do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça: 1. AC Eletrobras Distribuição Acre 2. AL Eletrobras Distribuição Alagoas 3. AL Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

ANEXO DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS DAS EMPRESAS ESTATAIS. Empresa do Setor Produtivo Empresa do Setor Financeiro

ANEXO DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS DAS EMPRESAS ESTATAIS. Empresa do Setor Produtivo Empresa do Setor Financeiro ANEXO DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS DAS EMPRESAS ESTATAIS Empresa do Setor Produtivo Empresa do Setor Financeiro EMPRESA DO SETOR PRODUTIVO ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO 2016 22000

Leia mais

Investimentos. Aula 1. Ao final desta aula você : - Saberá a definição e as justificativas dos investimentos;

Investimentos. Aula 1. Ao final desta aula você : - Saberá a definição e as justificativas dos investimentos; Investimentos Aula 1 Ao final desta aula você : - Saberá a definição e as justificativas dos investimentos; - Conhecerá os métodos de avaliação dos investimentos; - Entenderá sobre controle direto, indireto

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100 3. BANCO BANORTE O Banco Banorte S/A foi constituído em 05/05/1942 sob a denominação de Banco Nacional do Norte S/A. Quando da intervenção, possuía uma rede de 81 agências e um quadro de pessoal de 2.612

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA SEAIN:

ATRIBUIÇÕES DA SEAIN: ATRIBUIÇÕES DA SEAIN: Manter o relacionamento institucional e operacional entre o Governo brasileiro e os Organismos Financeiros Internacionais de Desenvolvimento/OFID em que o Ministro do Planejamento

Leia mais

Patrimônio do FGP 19.690.881,38-19.690.881,38-0,01% Garantias Outorgadas 0,00 0,00 0,00

Patrimônio do FGP 19.690.881,38-19.690.881,38-0,01% Garantias Outorgadas 0,00 0,00 0,00 Posição: 30/09/2013 Patrimônio do FGP 19.690.881,38-19.690.881,38 Valor patrimonial da cota 2.336,186649-0,01% 19.690.881,38 0,00 19.690.881,38 Cotas em 31/08/2013 2.336,475892 - Cotas em 30/09/2013 2.336,186649

Leia mais

PROPOSTA DE REAJUSTE PARA O AUXÍLIO SAÚDE

PROPOSTA DE REAJUSTE PARA O AUXÍLIO SAÚDE PROPOSTA DE REAJUSTE PARA O AUXÍLIO SAÚDE EBSERH ACT 2015/2016 Brasília, 17 de março de 2015. 1. Informações Iniciais O valor do Auxílio Saúde possui um teto atual de 50% do valor do plano limitado à R$119,05;

Leia mais

Cemig Geração e Transmissão S.A. CNPJ 06.981.176/0001-58 NIRE 31300020550

Cemig Geração e Transmissão S.A. CNPJ 06.981.176/0001-58 NIRE 31300020550 Cemig Geração e Transmissão S.A. CNPJ 06.981.176/0001-58 NIRE 31300020550 ASSEMBLEIA GERAL DE DEBENTURISTAS DA TERCEIRA EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES, NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES, DA ESPÉCIE QUIROGRAFÁRIA,

Leia mais

Invitel, Solpart, Copart 1 e BrT Part, conjuntamente, denominadas simplesmente como Partes ;

Invitel, Solpart, Copart 1 e BrT Part, conjuntamente, denominadas simplesmente como Partes ; PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÕES DA INVITEL S.A. PELA SOLPART PARTICIPAÇÕES S.A., DA SOLPART PARTICIPAÇÕES S.A. PELA COPART 1 PARTICIPAÇÕES S.A., E DA COPART 1 PARTICIPAÇÕES S.A. PELA BRASIL TELECOM

Leia mais

pagamentos de jetons do governo federal abril de 2016

pagamentos de jetons do governo federal abril de 2016 1 MARCIO LEAO COELHO AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL - FINAME 29538,39 2 JOSE EDUARDO MARTINS CARDOZO BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES 29538,39 3 JOAO ALBERTO DE

Leia mais

Empresas participantes do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça 5ª edição

Empresas participantes do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça 5ª edição Empresas participantes do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça 5ª edição 1 AC Eletrobrás Distribuição Acre - Pública (Empresa de Economia Mista) 2 AL Eletrobrás Distribuição Alagoas Economia Mista 3

Leia mais

pagamentos de jetons do governo federal maio de 2016

pagamentos de jetons do governo federal maio de 2016 1 ADAO GERALDO DULCE INDÚSTRIAS NUCLEARES DO BRASIL S.A. - INB 3376,3 2 ADRIANO DE CAMARGO OLIVEIRA COMPANHIA DE ARMAZÉNS E SILOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS - CASEMG 1350,05 3 ADRIANO PEREIRA DE PAULA COMPANHIA

Leia mais

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370 1 INTRODUÇÃO INCORPORAÇÃO A incorporação é um processo no qual uma ou mais sociedades são absorvidas por outra, que lhes sucede em todos os direitos e obrigações. As incorporações de entidades sob controle

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. 25 DE FEVEREIRO DE 2010 PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA HFF

Leia mais

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF 03.983.431/0001-03 NIRE 35.300.179.731 AVISO AOS ACIONISTAS

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF 03.983.431/0001-03 NIRE 35.300.179.731 AVISO AOS ACIONISTAS EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF 03.983.431/0001-03 NIRE 35.300.179.731 AVISO AOS ACIONISTAS A EDP - ENERGIAS DO BRASIL S.A. ( Energias do Brasil ) comunica aos Senhores Acionistas

Leia mais

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas,

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas, INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DO BANCO ABN AMRO REAL S.A. PELO BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. (NOVA DENOMINAÇÃO SOCIAL DO BANCO SANTANDER S.A., EM FASE DE HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

Ambiente Regulatório e Atração de Recursos Internacionais. IV Conferência Anual da RELOP Brasília DF 30/06/11

Ambiente Regulatório e Atração de Recursos Internacionais. IV Conferência Anual da RELOP Brasília DF 30/06/11 Energia para Novos Tempos Ambiente Regulatório e Atração de Recursos Internacionais IV Conferência Anual da RELOP Brasília DF 30/06/11 Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Atuacão

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO - Exercício 2004 - Fontes de financiamento dos investimentos, por empresa... Página 1 de 9

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO - Exercício 2004 - Fontes de financiamento dos investimentos, por empresa... Página 1 de 9 Departamento de Coordenação e Controle das 22208 Centrais de Abastecimento de Minas Gerais S.A. 6.0.0.0.00.00 Recursos de Capital - Orçamento de Investimento 9.547 6.1.0.0.00.00 Recursos Próprios 9.547

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES)

Fundo Nacional de Desenvolvimento - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES) Fundo Nacional de Desenvolvimento - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - DURATEX S.A. Versão : 6. 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1

Formulário de Referência - 2011 - DURATEX S.A. Versão : 6. 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1 Índice 3. Informações financ. selecionadas 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1 18. Valores mobiliários 18.5 - Descrição dos outros valores mobiliários emitidos 2 19. Planos

Leia mais

PROTOCOLO DE INCORPORAÇÃO E INSTRUMENTO DE JUSTIFICAÇÃO EPC EMPRESA PARANAENSE COMERCIALIZADORA LTDA. ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A.

PROTOCOLO DE INCORPORAÇÃO E INSTRUMENTO DE JUSTIFICAÇÃO EPC EMPRESA PARANAENSE COMERCIALIZADORA LTDA. ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. PROTOCOLO DE INCORPORAÇÃO E INSTRUMENTO DE JUSTIFICAÇÃO ENTRE EPC EMPRESA PARANAENSE COMERCIALIZADORA LTDA. E ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. Pelo presente instrumento particular, as partes abaixo

Leia mais

pagamentos de jetons do governo federal junho de 2016

pagamentos de jetons do governo federal junho de 2016 1 SERGIO FRANCA DANESE ITAIPU BINACIONAL 27639,95 2 ESTHER DWECK AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL - FINAME 24275,79 3 FERNANDO DE MAGALHAES FURLAN BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Leia mais

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.)

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de março de

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL E AJUSTES DE CONVERSÃO Patrimônio Líquido Após as alterações Capital Social Reservas de Capital Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Parágrafo único As aplicações realizadas no FUNDO não contam com a garantia da ADMINISTRADORA ou do Fundo Garantidor de Créditos FGC.

Parágrafo único As aplicações realizadas no FUNDO não contam com a garantia da ADMINISTRADORA ou do Fundo Garantidor de Créditos FGC. CAPÍTULO - DO FUNDO Artigo 1º O CAXA FUNDO MÚTUO DE PRVATZAÇÃO FGTS CARTERA LVRE PETROBRAS RENDA FXA 49 CAXA FMP FGTS CL, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é uma comunhão de recursos, constituído

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 127, DE 15 DE MAIO DE 2013

DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 127, DE 15 DE MAIO DE 2013 DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 127, DE 15 DE MAIO DE 2013 Dispõe acerca das unidades jurisdicionadas cujos dirigentes máximos devem apresentar relatório de gestão referente ao exercício de 2013, especificando

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 561, DE 2012

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 561, DE 2012 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 561, DE 2012 MARÇO/2012 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO A Medida Provisória Nº 561, de 2012, altera as Leis Nº 12.409, de 25 de maio de 2011, Nº 11.578, de 26 de novembro de 2007, Nº 11.977,

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A.

PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. Senhores Conselheiros, Esta Diretoria, visando a restabelecer a estrutura de capital da Ferrovia Centro-Atlântica

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos Ferramenta de Execução de Projetos de Cooperação Internacional. Abril de 2007

Sistema de Gerenciamento de Projetos Ferramenta de Execução de Projetos de Cooperação Internacional. Abril de 2007 Sistema de Gerenciamento de Projetos Ferramenta de Execução de Projetos de Cooperação Internacional Abril de 2007 Macro Funções do Governo x Macro Estrutura Área Meio Área Fim Planejamento Fazenda Seg.

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

Fundo de Garantia de Operações FGO. Importância na concessão de crédito pelos Agentes Financeiros

Fundo de Garantia de Operações FGO. Importância na concessão de crédito pelos Agentes Financeiros Fundo de Garantia de Operações FGO Importância na concessão de crédito pelos Agentes Financeiros Diagnóstico do Sebrae A insuficiência de garantias ainda se apresenta como obstáculo para o acesso das MPE

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. Pelo presente instrumento particular, (A) TOTVS S.A., sociedade por ações de capital aberto, com sede na Cidade de São

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. FIBRIA CELULOSE S.A. (nova denominação social de Votorantim Celulose

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

MINISTERIO DA CIENCIA, TECNOLOGIA E INOVACAO

MINISTERIO DA CIENCIA, TECNOLOGIA E INOVACAO Empresas do Setor FINANCEIRO DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS DAS EMPRESAS ESTATAIS - E 24000 24202 MINISTERIO DA CIENCIA, TECNOLOGIA E INOVACAO FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

ministério da MinC Ministério da Cultura Quantidade de Pedidos: 968 Média mensal de pedidos: 80,67

ministério da MinC Ministério da Cultura Quantidade de Pedidos: 968 Média mensal de pedidos: 80,67 Relatório de de Acesso à Informação e Solicitantes (*) Informações adicionais para o correto entendimento do relatório podem ser encontradas na última seção. Órgão(s) de referência ministério da MinC Ministério

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. ( Administrador ), comunica o início da distribuição

Leia mais

Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval. Brasília (DF), 22/09/09

Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval. Brasília (DF), 22/09/09 Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval Brasília (DF), 22/09/09 Agenda Contextualização FGO Funproger Fampe Sociedades de Garantia de Crédito Governança Agenda Contextualização FGO Funproger

Leia mais

O BNDES e a administração de fundos garantidores para MPME

O BNDES e a administração de fundos garantidores para MPME O BNDES e a administração de fundos garantidores para MPME FGPC - Fundo de Garantia para a Promoção da Competitividade Objetivo: Ampliar o acesso ao financiamento para as empresas de menor porte, mitigando

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais

ALL - AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A.

ALL - AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. ALL - AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF n.º 02.387.241/0001-60 Rua Emílio Bertolini, nº 100, Vila Oficinas Curitiba / PR CEP 82920-030 AVISO AOS ACIONISTAS ALL - América Latina Logística

Leia mais

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico A parceria prevê capitalização da empresa brasileira em até R$ 12 bi, reduzindo alavancagem e ampliando capacidade de investimento,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE

CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE Em cumprimento ao disposto nas Instruções CVM nºs 319/99 e 358/02, a Cyrela Commercial Properties

Leia mais

Caixa Econômica do Estado de São Paulo CEESP 16/12/1971 Lei Estadual /71 Também denominada Nossa Caixa S.A.

Caixa Econômica do Estado de São Paulo CEESP 16/12/1971 Lei Estadual /71 Também denominada Nossa Caixa S.A. EMPRESAS PÚBLICAS PARA OS EFEITOS DO DECRETO Nº 52.787/2011 PARECER EXARADO NO PA Nº 2011-0.292.688-0 CÓDIGO (TIPO TEMPO) A SER UTILIZADO PARA CADASTRO: 0176 DENOMINAÇÃO DATA LEGISLAÇÃO OBSERVAÇÃO Banco

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO De acordo com o disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 41.º da Lei n.º 98/97, de 26 de Agosto, compete ao Tribunal de Contas, no âmbito do parecer sobre a Conta Geral

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.3. Evolução do Patrimônio Líquido (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.3. Evolução do Patrimônio Líquido (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.3. Evolução do Patrimônio Líquido (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) O Patrimônio Líquido PL é composto pelos subgrupos Capital Social,

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. Por este instrumento, OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A., companhia aberta

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01910-0 CAROACI PARTICIPAÇÕES S.A. 04.032.433/0001-80 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01910-0 CAROACI PARTICIPAÇÕES S.A. 04.032.433/0001-80 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/22 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais