HELMINTOSES GASTRO-INTESTINAIS DOS RUMINANTES.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HELMINTOSES GASTRO-INTESTINAIS DOS RUMINANTES."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS UFRRJ 26 MATERIAL DIDÁTICO HELMINTOSES GASTRO-INTESTINAIS DOS RUMINANTES. Adivaldo H. Fonseca Prof. Titular UFRRJ Nematódeos prevalentes em ruminantes no estado do Rio de Janeiro - Em condições naturais, a infecção por diferentes espécies de helmintos gastrintestinais e pulmonares nos ruminantes, ocorre de forma concomitantemente. A prevalência das helmintoses aumenta ou diminui, na dependências de fatores climáticos ou susceptibilidade dos hospedeiros. No Quadro 1 estão relacionadas as principais espécies de nematódeos comuns em bezerros e relacionadas com doenças, bem como seus habitat e período pré-patente. Quadro 1 - Principais espécies de helmintos parasitos de ruminantes, habitat, período pré-patente e respectiva faixa etária preferencial e relacionados com potencial para diminuição da produtividade em bezerros. Espécie Hospedeiros Habitat Período Pré Patente (dias) Haemonchus contortus Ovinos e Caprinos Abomaso Haemonchus placei Bovinos Abomaso Trichostrongylus axei Ruminantes Abomaso T. colubriformis Ovinos e Caprinos Intestino delgado 18 2 Strongyloides papillosus Ruminantes Intestino delgado 7 9 Cooperia punctata* Bovinos Intestino delgado Cooperia curticei* Ovinos e Caprinos Intestino delgado Bunostomum trigonocephalum Ovinos e Caprinos Intestino delgado 53 6 Bunostomum phebotomum Bovinos Intestino delgado Oesophagostomum columbianun Ovinos e Caprinos Intestino grosso Oesophagostomum radiatum Bovinos Intestino grosso aptatado de Reinecke (1989) * Espécies prevalentes no estado do Rio de Janeiro. Estratégia de vida das espécies de helmintos parasitos de bovinos- A rota de migração da fase parasitária dos principais nematódeos parasitos de ruminantes, limita-se ao tubo digestivo e os ovos produzidos pelas fêmeas são eliminados juntamente com as fezes. No bolo fecal, e nas primeiras 24 horas, os ovos embrionados evoluem para larvas de primeiro estágio (L1), as quais sofrem muda para segunda fase (L2), substituindo a cutícula protetora. Ambas alimentam-se de bactérias e outros microrganismos. As L2 mudam para larvas de terceiro estágio (L3), e retém a cutícula da fase anterior. As L3 constituem-se na fase de resistência às adversidades climáticas e, após abandonarem o bolo fecal, migram para a vegetação adjacente, e sendo ingeridas pelos animais. As L3 são dependentes do teor de oxigênio, temperatura e umidade relativa. O ciclo de ovos a L3 se completa entre 7 a 1 dias ou podem permanecer viáveis por dias ou meses. A ecologia das fases de vida livre dos nematodes é fortemente influenciada pelas condições do bolo fecal individual e a acumulação de fezes nas proximidades das instalações. O bolo fecal pode ser considerado como

2 uma incubadora, na qual as larvas se desenvolvem até a fase de infectante. O bolo fecal constitui-se ainda, em um abrigo com uma cobertura exterior impermeável endurecida pelo sol. Considerando que o teor de oxigênio é essencial, os ovos da superfície evoluem primeiro, e em seguida, ovos localizados nas camadas da profundidade. A disponibilização das larvas nas pastagens depende da sua migração ou seu transporte do bolo fecal para a gramínea adjacente e em geral, não ultrapassa a distância de 5-1 cm. As chuvas ou umidade elevada desintegram o bolo fecal, e as larvas são carreadas para as gramíneas. Organismos invertebrados, a exemplo dos bezouros, podem desempenhar importante papel na migração das larvas. No capim, as larvas migram ativamente para cima ou para baixo, na dependencia da umidade ou gotículas de orvalho. Chuvas fortes favorecem a dispersão horizontal, bem como a migração das larvas para a parte superior da vegetação. O processo de evaporação natural, constitui-se no maior inimigo e faz com que haja morte de milhares de larvas, ou induz sua migração para a parte inferior ou para o solo. Larvas disponibilizadas em poças de água são infectantes para os animais. Os bezerros são infectados ao ingeriram a L3 juntamente com o capim ou a água, as quais migraram para o abomaso, intestino delgado ou intestino grosso, dependendo da espécie. Nos próximos 4 a 8 dias, ocorre nova muda para L4, em nível da mucosa gástrica ou entérica, ou nas glandulas gástricas, (específico nas espécies do gênero Ostertagia). A fase histotrófica demora ao redor de 14 dias, quando ocorre a muda para L5 ou adultos jovens. A maioria das espécies inicia a produção de ovos ao redor de terceira semana após sua ingestão. A fase parasitária do ciclo de vida das diferentes espécies, se processa em aproximadamente 6 semanas. As espécies mais prevalentes no estado do Rio de Janeiro, pertencem aos gêneros Haemonchus placei, Trichostrongylus axei, Cooperia punctata, C. pectinata, Strongyloides papillosus, Bunostomum phlebotomum e Oesophagostomum raditatum. Gêneros como Ostertagia spp, Trichuris sp, Neoascaris vitulorum, Agryostomum vrybugi, e Fasciola hepática, podem constituirem-se em agentes de doença em bezerros no estado do Rio de Janeiro. Moniezia benedeni, e Mammamonogamus laringeus, foram ocasionalmente encontrados. Diferentes espécies de nematodeos têm capacidade diferente de produção de ovos, como mostrado no Quadro 2. Fêmeas de diferentes generos, podem fazer postura equivalente, mas a capacidade de patogenia é diferente. Isto significa que o número de ovos de nematodeos em uma amostra fecal necessita ser interpretado, para expressar a carga parasitária, bem como sua correlação com a potencial patogenia e conveniência da aplicação de anti-helmínticos. Quadro 2- Produção diária de ovos por fêmea, de algum nematodeos gastro-intestinais de bezerros*. Nematódeo Produção de ovos por dia Haemonchus 5. a 15. Trichostrongylus 1 a 2 Cooperia 1. a 3. Oesophagostomum 5. a 1. * Adaptado de vários autores O número de ovos produzido depende do nível de imunidade que o bezerro possui aos parasitas intestinais, bem como da cepa envolvida. Animais com idade entre 4 e 18 meses são mais susceptíveis, diferentes raças, grau de sangue, sistema de manejo zootécnico, a exemplo da rotação de pastagens, pode alterar completamente a dinâmica da sazonalidade dos principais gêneros de helmintos.

3 Quadro 3 Helmintos parasitos de bezerros no estado do Rio de Janeiro com potencial para diminuição da produtividade, segundo os diferentes padrões climáticos. (Classificação de Köpen) Tipo de Clima e altitude Aw Baixada Cwa Planalto Sobrevivência no ambiente Otima Intermediária Mínima ou nenhuma H. placei D. viviparus T. axei C. punctata S. papillosus Trichuris sp O. radiatum Cestódeos H. placei T. axei C. punctata O. radiatum B. phlebotomum A. vryburgi D. viviparus Trichuris sp S. papillosus N. vitulorum M.laringeus Ostertagia spp Cestódeos Cwbl Montanhoso H. placei T. axei C. punctata O. radiatum D. viviparus B. phlebotomum Trichuris sp S. papillosus N. vitulorum M. laringeus Ostertagia sp Cestódeos Patogenia causada pelos helmintos - A maioria das espécies de helmintos é bem adaptada aos seus hospedeiros naturais e a ocorrência de morte como conseqüência do parasitismo é um fenômeno raro. O investimento na melhoria da qualidade das pastagens aumenta a chance de sobrevivência das fases de vida livre dos helmintos e o melhoramento genético dos animais, associado ao aumento da taxa de lotação propicia o aumento de formas infectantes nas pastagens. Helmintos adutos, durante seu processo de alimentação, permanecem com a parte anterior de seu corpo embebido na mucosa e parte posterior permanece na luz, produzindo discreta lesão circular, e destruição das celulas epiteliais adjecentes. Em grandes infecções, poderão ser observadas úlceras, com pronunciada exudação e afluxo de leucócitos polimorfonucleares. Em casos de infecção pesada, ocorre perda de grande número de células. As alterações patológicas podem ser classificadas como: a) traumática - pela dilaceração de células ou tecidos do abomaso ou intestino, conforme a espécie envolvida, b) mecânica - pela compressão de células e tecidos, c) espoliadora direta - pela ingestão de células e tecidos, d) espoliadora indireta - pela absorção de nutrientes digeridos e ainda não absorvidos pelo bezerro e finalmente, e) ação tóxica - pela eliminação de catábolitos pela saliva e excreção. A patogenia inicia-se com a migração da L4 no epitélio do abomaso no bezerro, e causa hiperemia da mucosa que progride com processo de inflamação tipo catarral com necrose e erosão ou ulceração do epitélio. A patogenia se caracteriza por processos inflamatórios e atróficos a nível da mucosa produzindo edema, hipersecreção de muco, infiltração de eosinófilos e células plasmáticas e vasculite na submucosa. A migração das larvas e subsequente muda para adultos jovens são acompanhadas por infiltração de eosinófilos na parede intestinal, com acúmulo ao redor e dentro das glândulas mucosas. Severa perda de sangue e proteínas plasmática ocorrem no parasitismo por Haemonchus e Bunostomum resultando em edema na região submandibular. Os helmintos produzem túneis, alcançando o epitélio, promovendo o rompimento de células epiteliais e promovendo a exposição à bacterias que habitam a luz do intestino. Ocorre espessamento da lâmina própria, edema e infiltração de celulas inflamatórias, aumentando a permeabilidade de capilares e venulas, promovendo a perda de proteínas no intestino e hipoalbuminaemia, produzindo atrofia das vilosidades. A mucosa sofre irritação, aumentado o processo de mitoses nas criptas intestinais, e frequentemente erosão epitelial e substituição do tecido epitelial por tecido conjuntivo cicatricial. O parasitismo intenso, produz um processo de gastroenteropatia, com perda de proteinas plasmáticas, a qual está diretamente relacionada com o número e espécie de parasitos presentes. Ocorre espessamento da lâmina, edema e infiltração de celulas inflamatorias, aumentando a permeabilidade dos capilares e venulas. Atrofia das vilosidades pode ser severa em áreas com grande número de helmintos. Em casos agudos a carcaça não mostra nenhuma lesão no trato intestinal. A mucosa do duodeno encontra-se edemaciada, às vezes ligeiramente hemorrágica, e pode estar coberta com muco. Os helmintos podem ser encontrados através de raspando da mucosa. Em casos crônicos, a carcaça encontra-se emaciada. A mucosa intestinal encontra-se espessada, inflarnada e ulcerosa. Ocorre diminução do tamanho das vilosidades e

4 confluência de áreas focais, demarcando nitidamente da mucosa normal circunvizinha a lesão. Histopatoga revela atrofia das vilosidades Considerando a diversidade do potencial biótico, bem como das características específicas, torna-se necessário uma abordagem particularizada para cada um dos principais gêneros de helmintos responsáveis pela diminuição da produtividade dos bovinos. HAEMONCHOSE Dentre as helmintoses gastrintestinais de ruminantes no estado do Rio de Janeiro, a haemoncose assume grande importância e constitui-se em doença típica, com ênfase para jovens de raças geneticamente melhoradas e produtivas. Trata-se provavelmente, da mais patogênica das helmintoses e em infestações leves e moderadas ocorre diminuição no ganho de peso, limitando a relação custo benefício. Os custos com tratamento são consideráveis e em geral, pouco eficientes. O relativo baixo número de parasitos adultos pode produzir perda de peso, sem que os animais apresentem sintomas clínicos observáveis. O diagnóstico na haemoncose crônica é de difícil realização, em virtude de que até 1% dos animais apresentam reduzido ganho de peso, sem apresentarem sintomas evidentes. Quadro 5. Evolução da haemoncose clássica nos ruminantes Evolução da haemoncose clássica nos bezerros PARÂMETROS ALTAS INFECÇÕES PREVALÊNCIA Relativamente raro DURAÇÃO Ao redor de uma semana Semanas ou meses - INFECÇÕES LEVES OU MODERADAS Comum em ruminantes em clima tropical ETIOLOGIA Hiper infeção por larvas (L4) Adultos reinfecção continuada MORBIDADE Baixa Média ou alta MORTALIDADE Alta Baixa PATOLOGIA Gastrite e edema do abomaso Crônica perda de sangue e disfunção gástrica SINTOMAS Morte súbita Progressiva perda de peso, fraqueza e anorexia O.P.G NECRÓPSIA Edema de abomaso Cárcaça pálida e presença do helminto no abomaso Adaptado de vários autores Haemonchose em Ovinos e Caprinos - Dentro de uma abordagem clássica, pode-se considerar: 1) Forma hiperaguda - Após primo infecção com infecção por um grande número de larvas ( L3) as fases jovens do helminto causam petequias pelo hematofagismo, proporcionando grande número de erosões hemorraágicas no local de sucção. Animais sofrem severa perda de sangue e a morte pode ocorrer de forma súbita. 2) Forma aguda - Proporcionada pelo parasitismo que ocorre quando o número de adultos situa-se entre 1. e 1.. Neste caso ocorre hematopoise compensatória, levando a redução das reservas de ferro e albumina. Animais mantem o apetite, porém pode ocorrer hipoalbuminemia, com severo processo de anemia, edemas e morte. 3) Forma crônica - Doença proporcionada por pequeno número de adultos em parasitismo constante (1 1), proporcionando leve perda de sangue, porem de forma constante, podendo perdurar por meses. Este processo ativa a eritropoise, desorganiza o sistema imune, exaure as reservas de ferro e proteinas e, se agravado pela pobre ofereta de gramineas ou situação de estresse, o animal pode sofrer severo processo de desidratação e anemia. O parasitismo intenso pelo Haemonchus em bezerros promove decréscimo no número de eritrócitos, podendo produzir severo processo de anemia, traduzindo por diminuição da resistencia orgânica dos animais. Com relaçao aos glóbulos brancos, ocorre aumento no numero de leucócitos por aproximadamente uma semana,

5 iniciando-se após a primeira semana pós infecção seguido posteriormente de um rapido decréscimo, ainda duranteo período prépatente. TRICOSTRONGILOSE Bezerros infectados com até 1. larvas de Trichostrongylus axei, não demostram patogenia evidente e o ph eleva-se discretamente. Por outro lado, bezerros infectados com 15. larvas infectantes, o ph elevado acima de 7.5, propiciando condições para diarreia e anorexia. A ocorrência de chuva no período de fim de outono e início de inverno, em regiões de clima Cwa no estado do Rio de Janeiro, segundo Pimentel Neto (1976) propicia condições favoráveis para o aparecimento de surtos de T. axei, resultando no fenômeno de competição decorrente de reação cruzada entre T. axei e H. placei. Este fenômeno provoca lesões traduzidas por edema gelatinoso, aumento do ph do abomaso e consequente anorexia, diarréia, devido a má digestão proteica e metabolismo das proteinas, desidratação, diminuição do ganho de peso, levando a morte do animal ou depreciação da qualidade da carcaça. COPERIOSE As principais espécies de Cooperia encontradas no intestino delgado de bovinos são: Cooperia punctata, C. pectinata e C. oncophora. Os sintomas clínicos principais são: diarréia e anorexia, podendo evoluir para desidratação. As lesões situam-se na regiao do duodeno e consistem de processo de inflamação catarral com produção de exsudato, espessamento da parede do intestino. Os parasitos são encontrados em contato com a superfície da mucosa. Estudos comparativos sobre a patogenicidade da Cooperia pectinata e C. ancophora em bezerros indicaram que animais infectados com 275. a 35. larvas de C. pectinata, perderam peso, tiveram apetite reduzido e apresentavam diarréia. A concentração de proteína total no soro sofreu um nítido decréscimo. Os bezerros expostos as mesmas quantidades de larvas infectantes de C. oncophora mostraram poucos sinais da infecção OESOFAGOSTOMOSE As Larvas de terceiro estágio de Oesophagostomum radiatum penetram na lâmina própria da parede intestinal e a resposta do hospedeiro à infecção leva à formação de nódulos fibrosos. As larvas emergem para o lumen do intestino grosso e depois de aproximadamente 2 semanas e alcançam a maturidade em aproximadamente. Em animais previamente infectados, as larvas podem prolongar o ciclo para 3-5 meses nos nódulos. Eventuamente muitas larvas morrerão e os nódulos serão calcificados. Na oesofagostomose, a patogenia se caracteriza por edema, hipersecreção de muco, infiltração de eosinófilos e células plasmáticas e vasculite na submucosa. A migração das larvas ao ceco e cólon e subsequente muda para adultos jovens são acompanhadas por infiltração de eosinófilos na parede intestinal, com acúmulo deles ao redor e dentro das glândulas mucosas, principalmente no cólon, resultando na formação de microabscessos e de colite ulcerativa. O organismo animal reage formando um tecido de granulação, fribose e hiperplasia da mucosa intestinal. Nódulos parasitários podem ser ocasionalmente observados na submucosa levando a processos granulomatosos na camada muscular, os quais faziam projeções sobre a mucosa e serosa dos intestinos delgado e grosso. Em algumas ocasiões, os nódulos revelaram-se como abscessos eosinófilicos com processos de calcificação. A primeira manifestação clínica da Oesophagostomose aparece sob a forma de hipertemia no transcurso da 1 a e 2 a semana pós infecção, coincidindo com a migração e dano tissular produzido pelas larvas histotróficas e entre o 58º e 6º dias pós infecção, coincidindo com a presença das formas adultas no intestino grosso. A diarréia aparece juntamente com o desenvolvimento da fase histotrófica e é acompanhada por eliminação de muco e sangue, junto a fezes fétidas em decorrência da irritação da mucosa do intestino grosso pelos vermes adultos e que a diarréia contribui para o aparecimento de anemia, hipoproteinemia e perda de peso Em infecção experimental, nos animais que apresentaram infecção mais altas, a eliminação de ovos e o consumo diário caiu consideravelmente a partir da 5 a s.p.i, com um pico negativo na 6 a s.p.i., de 22 g/dia (5%) a menos que os animais controles. Por outro lado, animais que eliminaram menos ovos, os sintomas se manifestaram com menor intensidade e teve um pico de ovopostura de 5 o.p.g. O efeito de O. radiatum sobre

6 a utilização e conversão do alimento consumido pelo animal, produzindo queda na conversão alimentar da ordem de 5,5%. Diferente fatores são apresentados como possíveis etimologias da falta de apetite dos animais com infestação por O. radiatum. A anorexia é uma das causas da redução do ganho de peso. BUNOSTOMOSE A patogenía do Bunostomum phlebotomun em bezerros inicia-se com processo de dermatite no local da penetraçao na pele. Os sintomas mais severos ocorrem durante o período pré patente e alguns bezerros podem morrer antes que os parasitos atinjam a maturidade. Diarreia, emaciação, anemia e perda de peso pode ser evidente. Os adultos sao hematófagos e dilaceram a mucosa, causando hemorragias. A necrópsia a mucosa intestinal a presenta-se edematosa, com muitos pontos hemorrágicos causados pelos parasitos adultos. Durante a fase de desenvolvimento, após a penetração na pele, as formas larvares penetram ativamente nos alvéolos, migrando para os bronquios e po dendo causar sérios problemas respiratórios, principalmente facilitando o início de processos infecciosos no trato respiratário TRICURIOSE Infecção por Trichuris sp em ruminantes, em nível de promover doenças são raramente registrados. Quando ocorrem, promovem espessamento e edema da mucosa com areas de ulcerações. Espaços císticos contendo material necrótico, grande quantidade de eosinofilos, neutró filos, linfócitos são observáveis em nível de histopatologia. NEMATODEOS PULMONARES Helmintos pulmonares são cosmopolitas e são particularmente comum em regiões de clima temperado, ou regiões de planaltos com clima ameno. Dictyocaulus viviparus tem como habitat a traquéia e bronquios dos bovinos. Durante o ciclo evolutivo, o ovos larvados são eliminados pelas fêmeas, evoluem para L1, as quais são deglutidas, sendo eliminadas juntamente com o bolo fecal. O desenvolvimento até L3 ocorre em 5-7 dias, mas pode ser maior, dependendo da temperatura ambiente e umidade. Larvas de Dictyocaulus são particularmete susceptíveis à condições ambientais adversas, particularmente á dessecação. O ciclo de vida direto e o comportamento das fases de vida livre é semelhante ao descrito para os demais trichostrongilideos. As larvas infectantes são ingeridas pelos hospedeiros durante o pastoreio e as larvas migram do intestino aos pulmões pelo sistema linfático e venoso. Eles emergem dos capilares pulmonares e penetram nos alvéolos. O período de prepatente é de aproximadamente 4 semanas Durante a fase inicial de uma infecção por Dictyocaulus, as vias áereas superiores são bloqueados por exudato o que pode resultar em atelectasia. Helmintos adultos causam enfisema, edema pulmonar e infecções secundárias são complicações comum em casos severos. Nas infecções posteriores, a maioria do animais desenvolve graus variados de imunidade. Na ausência de reinfecção constantes, podem diminuir a imunidade, e o animal torna-se suscetível novamente. Clinicamente a infecção por helmintos pulmonares pode variar de tosse moderada, exacerbando com tosse persistente severa, com aumento da frequência respiratória. Infecções severas nos bovinos são acompanhadas de severa perda de produção e produtividade. Sintomtologia observadas nas helmintoses A sintomatologia dos parasitas gastro-intestinais dos bezerros mimetiza um grande número de doenças e pode ser clínica ou subclínica. O efeito destes parasitas é fortemente influenciado pelo estado nutricional dos hospedeiros. Os sintomos básicos incluem diminuição na velocidade de ganho de peso levando a severa redução na ingestão de alimentos, diarreia, desidratação e morbidade ou mortalidade. O estabelecimento de parasitose em bezerros guarda relação com a idade do animal e da espécie de helminto e da classe climática local. Animais com idade entre 3 a 4 semanas podem ser parasitados por Strongyloides papillosus. Animais com idade entre 4 a 6 semanas são parasitados predominantemente por

7 helmintos dos gêneros Haemonchus, Trichostrongylus e Cooperia, com aumento gradual alcançando o ápice ao redor da 8ª a 1ª semana. O parasitismo por Oesophagostomum é comum ao redor da 12ª semana. Parasitos dos gêneros Strongylides, Bunostomum, Agryostomum e Dictyocaulus, podem causar parasitose clínica em animais com diferentes idades e o sistema de manejo, como p. ex. sistema de cama de palha de milho, feijão, capim seco ou maravalha associado a umidade e alta concentração de animais são determinantes no aparecimento de sintomatologia clínica. Os sintomas clássicos incluem: Retardo do crescimento, hiporexia, pelos arrepiados, diarréia, desidratação diminuição da produtividade, infecção bacteriana secundária, penumonia. Achados de Necrópsia Em casos agudos a carcaça não mostra lesão no trato intestinal. A mucosa do duodeno encontra-se edemaciada, às vezes ligeiramente hemorrágica, e pode estar coberta com muco. Os helmintos podem ser encontrados através de raspando da mucosa. Em casos crônicos, a carcaça encontra-se emaciada. A mucosa intestinal encontra-se espessada, inflarnada e ulcerosa. Ocorre diminução do tamanho das vilosidades e confluência de áreas focais, demarcando nitidamente da mucosa normal circunvizinha a lesão. Histopatoga revela atrofia das vilosidades Quadro 5 Guia para interpretação do grau de infecção em relação ao número de helmintos adultos e o potencial para causar doença Helmintos Grau de infecção (Número de helmintos adultos) Leve Moderada Pesada Fatal Haemonchus < > 1 > 5 Trichostrongylus < > 3. > 4. Cooperia < > 1. > 25. Bunostomum < > 2 > 25 Oesophagostomum < > 5 > 1 Adaptado de Skerman & Hillard, 1966 Quadro 6 Guia para interpretação da contagem de ovos por grama de fezes (o. p.g.) de helmintos gastrintestinais de bovinos Gênero de Helminto Grau de infestação (o.p.g.) Leve Moderada Pesada Infecção mista > 7 Haemonchus > 5 Trichostrongylus > 3 Bunostomum > 1 Cooperia > 3. Oesophagostomum > 5 Adaptado de vários autores Alternativas para controle das helmintoses de ruminantes. Imunidade dos animais: - Os bezerros apresentam pouca imunidade e são susceptíveis a elevadas cargas de helmintos, com consequente eliminação de milhões ou bilhões de ovos atraves das fezes. Nesta faixa etária ocorre alta morbidade e frequente mortalidade. Bovinos adultos, em geral adquirem sólida imunidade e eliminam poucos ou nenhum ovo de helmintos nas fezes e a morbidade e baixa. Problemas podem surgir quando adultos são mantidos em pastagens hipercontaminadas pelos jovens ou por animais imunossuprimidos por mal nutrição ou doença intercorrente. Bovinos mantidos em sistema de confinamento temporário ou semi confinamento, sem contato com helmintos, podem desenvolver imunidade lábil e se tornarem altamente susceptíveis. A entrada de

8 novas larvas infectantes e a presença de helmintos adultos está relacionada à resposta imune e a imunidade é específica, ou seja, imunidade contra Haemonchus não proteje contra Trichostrongylus e vice-versa Medidas gerais de controle de Helmintoses para o estado do Rio de Janeiro - Considerando que as condições climáticas são favoráveis à sobrevivência e ao desenvolvimento de helmintoses com potencial para induzirem severas perdas econômicas, o uso de anti-helmínticos têm sido comercializados e usados em larga escala em uma tentativa de controlar as parasitoses, bem como minimizar os prejuízos. Os benefícios do controle de verminose têm sido bastante expressivos tanto aos produtores rurais como para as Indústrias. Embora o Brasil seja considerado o maior consumidor mundial de parasiticidas, as drogas são utilizadas intensivamente sem um enfoque estratégico. O uso intensivo de um anti-helmíntico seleciona os indivíduos, dentro da população, que possuam capacidade natural de resistirem àquela droga. Medicações subsequentes com o mesmo ou outro produto que tenha o mesmo mecanismo de ação, nos descendentes que possuam essa mesma característica genética, irão progressivamente selecionar para o aparecimento de resistência anti-helmíntica. O surgimento de resistência em alguns parasitos à uma droga pode ser uma simples questão de tempo. Com a difusão de resistência de helmintos a antielminticos, e o alto custo para desenvolvimento de novas drogas, o interesse no desenvolvimento de raças geneticamente resistentes a helmintose tem almentado consideravelmente. Estudos mostraram aquela resistência é um caráter herdado em bovinos. Através do exame parasitológico, e possível identificar animais naturalmente mais susceptíveis, e incluir esta parâmetro na seleção dos animais Opções para controle das helmintoses em bezerros Controle curativo ou emergencial Trata-se do sistema usual com predominância no estado do Rio de Janeiro e por todo País. Os animais são vermifugados quando um número expressivo apresentam sintomas clínicos evidentes de verminose ou em conseqüêcia de morte por parasitismo. Neste caso, o criador apenas mantêm seus animais vivos, pois ocorre comprometimento na produção e produtividade, além de hiper-contaminar das pastagens. Controle baseado no o.p.g. e cultura de larvas - A rotina de exames parasitológicos pela técnica McMaster, pode ser realizada a cada 15 ou 3 dias. Trata-se de técnica largamente utilizada em diversos países com pecuária altamente produtiva, e deve ser complementada pela cultura de larvas para identificação específica do gênero predominante. Embora a contagem de o.p.g., possa não reflitir a infecção real, ela pode constituir em ferramenta complementar ao exame clínico, na tomada de decisão sobre a necessidade de vermifugar os animais. O uso da técnica McMaster deve estar associadas aos conhecimentos epidemiológicos fornecidos pela pesquisa para cada região em particular. Tratamento supressivo A utilização de antihelmínticos em regime supressivo pode significar aumento da produção animal devido a redução da população parasitária. Por outro lado, a pressão de seleção de cepas resistentes aumenta significativamente. Neste caso, o período pré-patente dos sensíveis pode ser menor que o intervalo de tratamento enquanto os resistentes serão capazes de continuar ininterruptamente a reprodução no hospedeiro. Este método não é economicamente viável. Tratamento estratégico Trata-se da alternativa de adminstrar anti-helmíntico quando os parasitos estão em seu menor número nas pastagens ou em época, quando o clima estiver proporcionando as piores condições de sobrevivência dos estágios de vida livre. Ao minimizar a contaminação ambiental, os animais que permanecem nestas áreas estarão sendo expostos a baixo número de larvas infectantes e em consequência, os efeitos na produção e a necessidade de novos tratamentos serão reduzidos. Este programa requer um menor número de tratamentos e, desta maneira, diminuem a pressão de seleção para resistência ao mesmo tempo que reduzem os custos do controle parasitário. Tratamento tático opção que pode ser utilizada complementarmente ao sistema estratégico, e é utilizado quando condições ambientais favorecerem aparecimento de surtos de verminose. Um bom exemplo e a ocorrência de chuvas não previstas no período de inverno seco para o estado do Rio de Janeiro. Em todas as práticas de manejo realizadas na propriedade que produzam aumento da taxa de lotação ou a introdução de novos animais com alto grau de parasitismo. Mecanismos de liberação lenta ou controlada - Alguns antihelminticos têm sido incorporados em mecanismos ou dispositivos de liberação lenta intrarruminal ou controlada para prolongar o período que a droga está em

9 contato com os parasitos. Uma das principais vantagens desta tecnologia de controle de verminose é a de que reduzir custos pela diminuição no número de vezes em que os animais são manejados para tratamento e consequente economia em mão de obra. USO DE ANTIHELMINTICOS: Bovinos Adultos - Não há evidência científica que justifique o uso de antihelminticos para tratamento em massa de bovinos adultos, criados a campo. Bovinos mantidos em sistema extensivo ou semi intensivo, repõem rapidamente a carga de helmintos removida com antihelminticos. Bovinos mantidos em sistema de confinamento ou com manejo sanitário adequado são expostos a baixa carga de larvas infectantes. O uso de antihelmínticos deve ser utilizado prioritariamente para tratamento estratégico/tático para adultos ou em animais debilitados por doenças intercorrentes ou estresse nutricional. Opções para aplicação de antihelminticos Um bom anti-helmintico deve ser eficaz para uma ou várias espécies de parasitos e, além de atuar sobre as formas imaturas, deve possuir boa margem de segurança, ser de fácil aplicação e de baixo preço. Em condições naturais, os animais são parasitados simultaneamente por várias espécies, indicando a conveniência do uso de drogas de amplo espéctro. Principais grupos de substâncias anti-helmínticas, disponíveis no mercado brasileiro. Helmintos Grupo Químico Drogas Nematódeos Imidotiazóis Levamizole, Tetramizole e Pirantel Benzimidazóis Tiabendazol, fenbendazol, oxfendazol, albendazol e sulfoxido de albendazole, febantel. Avermectinas Ivermectin, doramectim, abamectim Milbemicinas Milbemicina Salicilamidas Nitroscanato, closantel Organofosforados Diclorvos, triclorfon Trematodeos Salicilamidas Nitroxil, rafoxanida, closantel, clorsulon Benzimidazóis Tricabendazol, albendazole, netobimim Cestódeos Salicilamidas Niclosamida, praziquantel, arecolina ficiência de Anti-helmínticos mais usados contra Parasitos gastrintestinais e pulmonares de ruminantes. Grupo* Droga Aduldos Abomaso Benzimidazóis Fenbendazole ** Oxfendazole Albendazole Imaturos Abomaso Aduldos Intestinos Parasitos Pulmonares Trematódeos Adultos Cestódeos Imidotiazóis Levamizole + Pirimidinas Morantel Avermectinas Ivermectina Doramectim Abamectim Milbemicina Milbemicina Sulfonamidas Clorsulon Combinações Ivermectina e Clorsulon * adaptado de vários autores ** Grau de eficiência relativa

10 Concentração do principio ativo em mg/kg indicado para Produtos Ovinos e Caprinos Bovinos Fenbemdazole 5 7,5 Oxfendazole 4,5 4,5 Albendazole 1,8 a 4,7 7,5 Levamizole 1 1 a 15 Tetramisole 7,5 15 Avermectinas,2,2 Efetividade das Lactonas Macrocíclicas contra Parasitos dos ruminantes Parasitos e estágios Moxidectin Eprinomectin Doramectin Ivermectin Formas hipobioticas L4 Ostertagia ostertagi Helmintos imaturos L4 O. ostertagi, Trichostrongylus axei, Dictyocaulus viviparus, Bunostomum phlebotomum, C. pectinata, Haemonchus placei T. colubriformis, C. oncophora & punctata, Oesophagostomum radiatum Helmintos adultos C. pectinata, O. ostertagi, C. oncophora, C. punctata H. placei, T. colubriformis Bunostomum phlebotomum Oe.radiatum Nematodirus helvetianus D. viviparus Trichuris spp Strongyloides papillosus = sem atividade = alta atividade contra parasitos e estagios. Mecanismo de ação dos principais anti-helmínticos - Benzimidazois (Tiabendazole, mebendazole, oxibendazole, oxfendazole e albendazole) - interferem nos processos energéticos dos nematódeos, inibindo a enzima fumarato redutase no transporte de glicose, levando os parasitos à morte por inanição, após esgotadas as reservas energéticas. Os benzimidazois possuem amplo espectro de atividade e atuam sobre as formas adultas, larvas e ovos. Imidotiazol (cloridrato de levamisol e tetramisol) - atuam como estimulante ganglionar, levando à paralisia neuromuscular dos nematódeos Pirimidinas (Tartarato de morantel e o tartarato de pirantel) - agem como antagonista colinérgico. Salicilamidas (Rafoxanida, oxiclosamida, niclosamida, clioxamida, closantel) interferem na fosforilação oxidativa. substitutos nitrofenólicos (nitroxinil, nicrofolan, bitionol, hexaclorofeno e disofenol) - interferem na fosforilação oxidativa. Organofosforados (Triclorfon e o diclorvos) - atuam inibindo a colinesterase. Lactonas Macrocíclicas (Moxidectin, eprinomectin, doramectin e ivermectin) - estes produtos são obtido pela fermentação do fungo Streptomyces avermitilis ou similares, por meio da potencialização do ácido gama amino butírico (GABA).

11 Resistência dos anti-heimínticos em nematódeos gastrintestinais - A resistência antihelmíntica é definida como o aumento da habilidade de uma estirpe de parasitos tolerar doses de uma droga, as quais são letais para a maioria dos indivíduos de uma população normal da mesma espécie. Quando um grupo de anti-helmínticos é usado pela primeira vez, o gene ou os genes responsáveis pelo desenvolvimento de estirpes resistentes estão presentes em baixa freqüência numa população normal suscetível. Conseqüentemente, a eficácia da droga é alta, porém o uso continuo do mesmo princípio ativo aumenta a freqüência de indivíduos resistentes, baixando a eficácia do produto. O aumento da habilidade de uma estirpe de nematódeos para suportar a ação tóxica dos antihelmínticos ocorre devido a alterações na freqüência dos genes, causadas pela seleção dos indivíduos que sobrevivem a doses insuficientes para eliminar a população Fatores que contribuem para a resistência anti-helmíntica - A intensidade de pressão de seleção para estirpes existentes vai depender da freqüência do tratamento antihelmíntico com o mesmo princípio ativo e várias espécies de nematódeos desenvolveram resistência aos anti-helmínticos, após exposições repetidas à mesma droga. O uso de subdoses é outra provável causa para a seleção de resistência. Esse é um fator importante a ser observado, visto que alguns anti-helmínticos utilizados em ruminantes, no Brasil, são recomendados em dosagens abaixo das preconizadas em outros países. Existem evidências de que os nematódeos resistentes são os mais patogênicos, possuem ovopostura mais elevada, estabelecem-se melhor nos hospedeiros, e em suas fases de vida livre sobrevivem mais tempo no meio ambiente que as estirpes sensíveis. Provavelmente, esses fatores também contribuem para aumentar a freqüência desses indivíduos na população. Diagnóstico de resistência anti-helmíntica - O uso contínuo de anti-helmíntico aumenta a freqüência dos genes resistentes, tornando o controle da verminose praticamente ineficaz. Este fato proporciona duplo prejuízo econômico, tanto pela compra de um vermífugo, como pelo comprometimento na produção e na produtividade do rebanho, causado pela persistência da verminose subclínica e de mortalidades. Ao ocorrer suspeita de resistência, é necessário que se conheça o grupo e a freqüência de tratamentos, quais os anti-helmínticos utilizados nos últimos anos, a epidemiologia dos nematódeos mais importantes existentes na região, a origem, a idade e o manejo do rebanho. Teste de redução do o.p.g. - consiste na comparação da redução do o.p.g em um grupo de animais tratados com anti-helmíntico com a de um grupo não-tratado (controle), sete a dez dias após o tratamento. Para esse teste são necessários, no mínimo, dez animais para cada grupo, já que um número menor de animais não permite interpretação confiável dos resultados. O porcentual de redução de o.p.g. é calculado pela fórmula: Eficácia = o.p.g. médio do grupo controle - o.p.g. médio do grupo tratado o.p.g. médio do grupo controle x 1 Quando o porcentual de redução de o.p.g. após o tratamento for inferior a 9%, é indicativo de resistência. Porém, em infecções mistas uma ou mais espécies podem ser resistentes. Apenas a contagem de ovos, não identifica os gêneros resistentes, por isso é necessário que se faça coprocultura para obtenção das larvas infectantes para identificação do(s) gênero(s) envolvidos na resistência. Existem alguns fatores que limitam a fidelidade desse teste, tais como: O o.p.g. fornece apenas informações da população de vermes adultos, não detectando, portanto, as formas imaturas. Em algumas espécies de nematódeos, a relação entre a produção de ovos e a presença de vermes adultos nem sempre é linear. Alguns anti-helmínticos atuam temporariamente, suprimindo a ovopostura. Quando existe mais de uma espécie de nematódeos podem ocorrer interações entre elas, principalmente se parasitam o mesmo órgão. O o.p.g apresenta variabilidade muito grande ao longo do dia ou durante o curso de uma infecção, variando também de acordo com a consistência das fezes. Apesar desses inconvenientes, o teste de redução de o.p.g. é um método prático, rápido e simplificado, que não requer, necessariamente, o sacrifício dos animais, e por isso deve ser implementado nas propriedades para monitorar a eficácia dos anti-helmínticos utilizados.

12 PRINCÍPIOS DO CONTROLE DE NEMATODEOS - O principio de uma estratégia de controle por helmintos gastrintestinis, consiste em manter uma população residual, porém constante, principalmente nos animais jovens. Os seguntes procedimetos são recomendados e podem minimizer significativamente os prejuizos econômicos decorrentes da aquisição e manejo dos animais, minimizar a os resíduos dos produtos de origem animal, além de reuzir a probabilidade do surgimento de resistência: Separar os animais por faixa etária, propiciando melhor aproveitamento das pastagens. Manter nível adequado de nutrição, visando reduzir o efeito de parasitos em níveis econômicos. Utilizar sistema de rotação de pastagens, para diminuir a taxa de infecção das larvas infectantes. Controle da densidade de animais (=taxa de lotação) - grande número de animais por unidade de pastagem, resulta em forçar que os animais pastejem junto ao solo, aumentando as possibilidades de ingestão de larvas infectantes. Vermifugação periódica observando as recomendações para controle estratégico/tático para cada região específica. Vermifugação estratégica quando condições climáticas são desfavoráveis para o desenvolvimento de larvas no pasto. Para adoção de programa estratégico, torna-se necessário conhecimento das espécies de parasitas prevalentes na região, sistema de manejo do rebanho. O tamanho da infecção de nematode gastro-intestinal depende dos seguinte parâmetros: 1) Número de larvas infectante (L3) que o animal ingere, o qual é influenciado pelas condições climáticas, pela proteção que a larva recebe pela vegetação, a densidade e sistema de manejo dos animais. 2) A taxa de resistência adquirida e desenvolvida pelos hospedeiros, a qual é influenciada pelas espécies do parasitas presentes e fatores genéticos, nutricionais e fisiológica do hospedeiro. 3) A multiplicação intrínseca das espécies de helmintos presentes, a qual é controlado pela fecundidade, período pre-patente e a taxa de desenvolvimento e sobrevivência taxa das espécies envolvidas.

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Adivaldo Henrique da Fonseca

Leia mais

PANORAMA DE PARASITOSES EM OVINOS NO BRASIL.

PANORAMA DE PARASITOSES EM OVINOS NO BRASIL. PANORAMA DE PARASITOSES EM OVINOS NO BRASIL. Sérgio Tosi Cardim Médico Veterinário Mestrando em Ciência Animal CCA DMVP UEL Victor Bittencourt Dutra Tabacow Médico Veterinário Residente em Parasitologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Introdução a Helmintologia Zootécnica (Nematóides bursados) Profº. Evaldo Martins Pires SINOP - MT Aula de hoje:

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral. Bunostomíase

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral. Bunostomíase Bunostomíase BATAIER, Miguel Neto SANTOS, William Ribeiro Martins dos INFORZATO, Guilherme Repas Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade

Leia mais

INTEGRADO DOS HELMINTOS BOVINOS

INTEGRADO DOS HELMINTOS BOVINOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública CONTROLE ESTRATÉGICO INTEGRADO DOS HELMINTOS GASTRO-INTESTINAIS DOS BOVINOS Adivaldo

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral DICTIOCAULOSE

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral DICTIOCAULOSE DICTIOCAULOSE LOPES, Rômulo M. Gomes AZEVEDO, Fernando Felipe MARQUES, Manuel Eduardo O. CRUZ, Guilherme Gamba C. Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça - FAMED NEVES, Maria

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

FASCIOLOSE NO BRASIL

FASCIOLOSE NO BRASIL MEC UFRRJ DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS. MATERIAL DIDÁTICO. REPRODUÇÃO DE TRANSPARÊNCIAS UTILIZADAS FASCIOLOSE NO BRASIL Trematódeo Digenético. HOSPEDEIROS DEFINITIVOS: Resistência inerente Resistência

Leia mais

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS GIBELLINI, Caio C. SOUZA, Camila C. RODRIGUES, Taliane R. Discentes do curso de Medicina Veterinária FAMED ZAPPA, Vanessa Decente do curso de Medicina Veterinária FAMED

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS Henrique Coelho Médico Veterinário MOSCA DOS CHIFRES CICLO DA Cocchliomyia hominivorax - Só realiza postura nas bordas de ferimento de animais de sangue quente

Leia mais

DINÂMICA DAS INFECÇÕES POR HELMINTOS GASTRINTESTINAIS DE BOVINOS NA REGIÃO DO VALE DO MUCURI, MG

DINÂMICA DAS INFECÇÕES POR HELMINTOS GASTRINTESTINAIS DE BOVINOS NA REGIÃO DO VALE DO MUCURI, MG Maria do Socorro Veloso Leite Ferraz da Costa DINÂMICA DAS INFECÇÕES POR HELMINTOS GASTRINTESTINAIS DE BOVINOS NA REGIÃO DO VALE DO MUCURI, MG Belo Horizonte Instituto de Ciências Biológicas da UFMG 2007

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição Ascaris lumbricoides Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva Nutrição Introdução O A.lumbricoides é encontrado em quase todos os países do globo, estimando-se que 30% da população mundial estejam por ele

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Laboratório de Imunovirologia Molecular DBG UFV Prof. Sérgio Oliveira de Paula Tristeza Parasitária Bovina (TPB) Enfermidade hemoparasita

Leia mais

PARASITAS DE BOVINOS : EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE. Thelma Maria Saueressig

PARASITAS DE BOVINOS : EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE. Thelma Maria Saueressig PARASITAS DE BOVINOS : EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE Thelma Maria Saueressig Manejo Sanidade Produção Animal Genética Alimentação SANIDADE Doenças: Infecto-contagiosas Bacterianas Parasitárias Calendário de

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

Agentes Anti-parasitários

Agentes Anti-parasitários Agentes Anti-parasitários Conceito: São drogas que reduzem a carga parasitária para níveis toleráveis. Matando ou inibindo o crescimento de parasitas. Mecanismo de ação Paralisia dos parasitas (neurotransmissor)

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Funções do sistema digestório

Funções do sistema digestório Sistema digestório Funções do sistema digestório Ingestão Digestão Absorção dos nutrientes Eliminação dos restos não-digeridos ou não absorvidos Processos Físicos Digestão Processos Químicos língua Cavidade

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel ANCILOSTOMÍASE OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade de Medicina Veterinária

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC A pesquisa foi realizada pelo Laboratório Freitag & Weingärtner durante o período de 01/06/2005 a 31/08/2005 na cidade de Rio dos Cedros-SC em

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA ESTUDAR A MORFOLOGIA E A BIOLOGIA DOS PARASITOS COMO FUNDAMENTO PARA CONHECER PATOGENIA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONTROLE (PROFILAXIA) DAS DOENÇAS CAUSADAS POR ELES Profa.

Leia mais

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão 1 Questão 2 O esquema abaixo representa as principais relações alimentares entre espécies que vivem num lago de uma região equatorial. a) O câncer é uma doença genética, mas na grande maioria dos

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

PARASITOSES GASTRINTESTINAIS DOS OVINOS E CAPRINOS: ALTERNATIVAS DE CONTROLE

PARASITOSES GASTRINTESTINAIS DOS OVINOS E CAPRINOS: ALTERNATIVAS DE CONTROLE PARASITOSES GASTRINTESTINAIS DOS OVINOS E CAPRINOS: ALTERNATIVAS DE CONTROLE Cristina Santos Sotomaior 1 Fernanda Rosalinski Moraes 2 Felipe Pohl de Souza 3 Viviane Milczewski 4 Cezar Amin Pasqualin 5

Leia mais

Infermun em parvovirose canina

Infermun em parvovirose canina em parvovirose canina Redução do tempo de recuperação em cães infectados por Parvovirus e tratados com Departamento I+D. Laboratórios Calier, S.A. INTRODUÇÃO: A Parvovirose é uma das enfermidades entéricas

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com 1-O gráfico a seguir mostra como variou o percentual de cepas produtoras de penicilinase da bactéria Neisseria gonorrhoeae obtidas de indivíduos com gonorréia no período de 1980 a 1990. A penicilinase

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR MICOPLASMOSE AVIÁRIA Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR Mycoplasma gallisepticum, M.synoviae, M.meleagridis

Leia mais

Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocara canis. Toxocara. Toxocaríase- sinais clínicos (animal)

Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocara canis. Toxocara. Toxocaríase- sinais clínicos (animal) O nematódeo vive no intestino delgado do cão (Toxocara canis) ou do gato (Toxocara catis e leonina) Alimentam-se de produtos prédigeridos (aminoácidos, vitaminas e oligoelementos) Toxocara O ciclo de vida

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 DESNUTRIÇÃO PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 Desnutrição protéico-calóricacalórica Síndrome clínica em conseqüência de um balanço energético

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores Gestão em Saúde e Segurança a no Trabalho em Serviços de Saúde Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores 2007 As invenções do homem, em busca do bem estar e de melhores

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI)

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Samuel Martinelli Monsanto do Brasil Ltda 1 I WORKSHOP DE MILHO TRANSGÊNICO 07-09 DE MARÇO DE 2012 SETE LAGORAS,MG Conceito de resistência Interpretação

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

a) intestino. b) cloaca. c) moela. d) esôfago. e) bico.

a) intestino. b) cloaca. c) moela. d) esôfago. e) bico. BIOLOGIA Um agricultor verificou que havia muita perda em sua lavoura de trigo, pois o vento derrubava várias plantas. Um vizinho o aconselhou a produzir sementes que dessem origem a plantas com entrenós

Leia mais

VERMONOSE EM OVINOS E

VERMONOSE EM OVINOS E VERMONOSE EM OVINOS E ISSN 0104-7633 CIRCULAR TÉCNICA No 19 --. Maio, 1998 VERMINOSE EM OVINOS E SEU CONTROLE Eneide Santiago Girão Raimundo Nonato Girão Luiz Pinto Medeiros Empresa BrasiIeira de Pesquisa

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia da UFPR apresentou uma boa distribuição de conteúdos ao longo das nove questões. O grau de dificuldade variou entre questões médias e fáceis, o que está

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China), sul da Austrália

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2009 2ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2009 2ª fase www.planetabio.com 1- O gráfico a seguir mostra as fases do ciclo ovariano que ocorre ao longo do ciclo de menstruação de uma mulher. Sabe-se que um óvulo pode viver até 48 horas e os espermatozóides podem viver até cinco

Leia mais

Uso de Scanalyzer com embriões de Danio rerio

Uso de Scanalyzer com embriões de Danio rerio Uso de Scanalyzer com embriões de Danio rerio Background histórico e biológico Quando se iniciou o movimento de proteger o ambiente através de sistemas de testes biológicos, os testes agudos e crônicos

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

Questões. Biologia Professor: Rubens Oda 24/11/2014. #VaiTerEspecífica. 1 (UEMG 2014) Considere, a seguir, a recorrência de uma heredopatia.

Questões. Biologia Professor: Rubens Oda 24/11/2014. #VaiTerEspecífica. 1 (UEMG 2014) Considere, a seguir, a recorrência de uma heredopatia. Questões 1 (UEMG 2014) Considere, a seguir, a recorrência de uma heredopatia. De acordo com o heredograma e outros conhecimentos sobre o assunto, é CORRETO afirmar que a) normalidade ocorre na ausência

Leia mais

RISCOS DA AREIA CONTAMINADA

RISCOS DA AREIA CONTAMINADA RISCOS DA AREIA CONTAMINADA CONHEÇA OS RISCOS QUE CORREMOS A areia que vemos disposta em locais de recreação como Creches, Parques, Praças, Escolas e Condomínios está naturalmente exposta à contaminação

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho.

Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho. Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho. Mateus J.R. Paranhos da Costa (Grupo ETCO, Departamento de Zootecnia,

Leia mais

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago Parasitoses - Verminoses Prof. Tiago INTRODUÇÃO PLATELMINTOS E NEMATÓDEOS: RESPONSÁVEIS POR ALGUMAS PARASITOSES CONHECIDAS COMO VERMINOSES. TENÍASE E ESQUISTOSSOMOSE SÃO CAUSADAS POR PLATELMINTOS; ASCARIDÍASE

Leia mais