Período Neonatal: 0 aos 28 dias. Avaliação/classificação. Cuidados na Admissão e Alta. RN de alto risco

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Período Neonatal: 0 aos 28 dias. Avaliação/classificação. Cuidados na Admissão e Alta. RN de alto risco"

Transcrição

1 CUIDADOS COM O RN

2 Período Neonatal: 0 aos 28 dias Avaliação/classificação Cuidados na Admissão e Alta RN de alto risco

3 CLASSIFICAÇÃO NEONATAL Desde 1967, o Comitê de Fetos e RN da Academia Americana de Pediatria (AAP) aceita 3 parâmetros para a classificação do RN: Peso ao nascer IG Crescimento Intra-Uterino

4 PESO AO NASCER Peso verificado na primeira hora de vida Alta do berçário com 2500g

5 AVALIAÇÃO DA IG CAPURRO* BALLARD* DUBOWITS

6 ITENS DA AVALIAÇÃO IG Textura Pele Forma Orelha Nódulo Mamário Pregas Plantares Sinal de Cachecol Posição Cabeça ao levantar RN Formação Mamilo

7 MÉTODO CAPURRO

8 MÉTODO DE BALLARD

9 IDADE GESTACIONAL

10 IG COMPARAÇÃO DE FONTES

11 3 categorias básicas e 9 grupos (AAP/OMS): CRESCIMENTO INTRA-UTERINO Pequeno para a idade gestacional (PIG) peso de nascimento abaixo do percentil 10 para sua IG (RNPT-PIG; RNT-PIG; RNPós termo-pig) Adequado para a idade gestacional (AIG) peso de nascimento entre os percentis 10 e 90 para a sua IG (RNPT-AIG; RNT-AIG; RNPO-AIG) Grande para a idade gestacional (GIG) peso de nascimento acima do percentil 90 para sua IG (RNPT-GIG; RNT-GIG; RNPO-GIG)

12 ADAPTAÇÃO DO NEONATO Período de transição: período de adaptação do neonato da vida intrauterina para a vida extra-uterina (primeiras 24 horas). 67% das mortes infantis do primeiro ano de vida ocorrem no período neonatal. (Kenner 2001)

13 Cuidados na Admissão RN em berço aquecido Proteção da região cefálica para evitar perda de calor Definição do APGAR (1º e 5 ºmin.) Avaliação IG/ Registro DNV* Medidas antropométricas/pulseira identif Sinais Vitais Credê/Vit. K (1mg)/vacina Hepatite B Banho Lavado gástrico* HGT*

14 APGAR Freqüência Cardíaca Esforço Respiratório Tônus Muscular Irritabilidade reflexa Cor

15 CONTROLE TÉRMICO Berço de calor radiante Gorro* Secagem rápida e eficaz Pré-aquecimento do diafragma do estetoscópio Aquecimento das mãos

16 TRIAGEM Ação preventiva que permite fazer o diagnóstico de diversas doenças congênitas ou infecciosas, assintomáticas no período neonatal, a tempo de se interferir no curso da doença, permitindo, desta forma, a instituição do tratamento precoce específico e a diminuição ou eliminação das seqüelas associadas a cada doença.

17 Portaria GM/MS n 822 (2001) : criação do Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN) em todos os estados brasileiros Serviços de Referência em Triagem Neonatal *são responsáveis pelo acompanhamento e tratamento de doenças congênitas tipo I, II, III

18 PROGRAMA NACIONAL TRIAGEM NEONATAL Diagnóstico precoce de doenças congênitas e acompanhamento Fenilcetonúria, anemia falciforme, hipotireoidismo congênito, fibrose cística (RS ) Fase IV*: Hiperplasia Adrenal Congênita e Deficiência de Biotinidase (RS ) Coleta ideal: > 48hs até 5º dia podendo ser do 3º ao 7º dia

19 HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO Tratamento até 2 semanas de vida Levotiroxina (LT4) 10-15μg/kg/dia Regularidade do uso Pacientes devem seguir acompanhamento*

20 CARACTERÍSTICAS RN TERMO Vérnix caseoso e lanugem* Colonização pele nas primeiras 24hs Fontanelas: bregmática (8º mês), lambdóide (fechamento 2ºmês) Risco de sangramento Kanakion Postura fletida Reflexos (sucção, marcha, babinski, preensão, moro, olhos boneca, etc.)

21 RN PRÉ-TERMO

22 RN PRÉ-TERMO

23 RN PRÉ-TERMO

24 INTERVENÇÃO RN DOENTE PREMATURO BAIXO PESO

25 ICTERÍCIA Eliminação lenta ou ineficaz de bilir conjugada. (5mg/dl) Fisiológica: 48 72hs após nascim. Desaparece no 7º dia Patológica: dentro 24hs Associada ao LM: aparece após 7º dia após a icterícia fisiológica

26 NEONATO DE ALTO RISCO Mãe diabética (RN GIG, Hipoglicemico, traumatism.) Incompatibilidade Rh Termorregulação Ineficaz Enterocolite necrotizante Hemorragia Intraventricular Retinopatia da prematuridade: monitoriz o2 Síndrome da aspiração de mecônio: hiperdistensão alveolar Síndrome do desconforto respiratório: produção de surfactante suficiente somente a partir da 35ª semana.

27 QUESTÕES PARA REFORÇO 1 PC: 32-35cm PT: 30-33cm FC: bpm; PA/Peso/Est 2 RN de mãe diabética* 3 RN de mãe hipertensa*

28 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

Neste e-book, serão abordados os parâmetros para avaliação do recém-nascido, que inclui avaliação do peso, comprimento, idade gestacional e condições

Neste e-book, serão abordados os parâmetros para avaliação do recém-nascido, que inclui avaliação do peso, comprimento, idade gestacional e condições Neste e-book, serão abordados os parâmetros para avaliação do recém-nascido, que inclui avaliação do peso, comprimento, idade gestacional e condições do parto. A idade gestacional pós-parto é feita com

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 Classificação do Recém-Nascido n n n Pré-Termo São todas as crianças nascidas vivas, antes da 38ª semana, ou seja

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 CUIDADOS INICIAIS NO RN Renata Loretti - Enfermeira 2 Cuidados imediatos Realizados na Sala de Parto pelo Obstetra n

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM COM RECÉM-NASCIDO EM MÉTODO CANGURU

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM COM RECÉM-NASCIDO EM MÉTODO CANGURU RELATO DE EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM COM RECÉM-NASCIDO EM MÉTODO CANGURU SOARES, Marília Freitas Elias 1 MOREIRA, Michele Pontes 2 SILVA, Emanuele Nascimento 3 SILVA, Eliana

Leia mais

PUERICULTURA DO BEBÊ PREMATURO

PUERICULTURA DO BEBÊ PREMATURO PUERICULTURA DO BEBÊ PREMATURO I - Introdução O prematuro, isto é, bebês nascidos com idade gestacional menor que 37 semanas exige um acompanhamento diferenciado tendo em vista suas particularidades. Geralmente

Leia mais

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. )

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Simpósio Diagnóstico de Risco no Pré-natal e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Rosilene da Silveira Betat Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Medicina Fetal Gestaçã

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

Prematuridade e actuação na sala de partos. Joana Saldanha 21 Outubro de 2009

Prematuridade e actuação na sala de partos. Joana Saldanha 21 Outubro de 2009 Prematuridade e actuação na sala de partos Joana Saldanha 21 Outubro de 2009 Classificações do RN Baseadas na IG: termo- entre as 37 e as 42 semanas IG prétermo menos de 37semanas pós termo- mais de 42

Leia mais

CAPÍTULO 5 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO

CAPÍTULO 5 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO CAPÍTULO 5 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO Este capítulo tratará principalmente das crianças com baixo peso ao nascer pois devem ter cuidados apropriados tanto no pré-natal como no período

Leia mais

Crescimento e desenvolvimento são desacelerantes: o primeiro ano de vida é o período de maior crescimento e desenvolvimento após o nascimento.

Crescimento e desenvolvimento são desacelerantes: o primeiro ano de vida é o período de maior crescimento e desenvolvimento após o nascimento. 27 de fevereiro de 2009. Apostila 02 Crescimento e desenvolvimento Crescimento e desenvolvimento Crescimento é característica de organismos jovens, ou seja, de crianças. Crescimento é o mais sensível indicador

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

Gean Carlo da Rocha. Declaração de conflito de interesse

Gean Carlo da Rocha. Declaração de conflito de interesse Gean Carlo da Rocha Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Exame Físico do Recém-Nascido. Profª Drª Inês Maria Meneses dos Santos

Exame Físico do Recém-Nascido. Profª Drª Inês Maria Meneses dos Santos Exame Físico do Recém-Nascido Profª Drª Inês Maria Meneses dos Santos 1 Anamnese Identificação do RN Antecedentes Familiares Familiares Maternos História Gestacional Antecedentes obstétricos Gestação atual

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 PROVA TIPO C C / NN - NEONATOLOGIA 1 2 CONCURSO 2012 PARA RESIDÊNCIA MÉDICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS SUBESPECIALIDADE DE NEONATOLOGIA PROGRAMA DE FORMAÇÃO

ORDEM DOS MÉDICOS SUBESPECIALIDADE DE NEONATOLOGIA PROGRAMA DE FORMAÇÃO ORDEM DOS MÉDICOS SUBESPECIALIDADE DE NEONATOLOGIA PROGRAMA DE FORMAÇÃO A aprendizagem resultante da aplicação deste curriculum deve resultar num neonatologista europeu com reconhecida idoneidade para

Leia mais

CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA

CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA Luciano Amédée Péret Filho CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA Conceitos Genética / Genômica Doença genética Hereditariedade Congênito DNA / Gene / Locus / Alelo Homozigoto / Heterozigoto Cromossomos Autossomos Sexuais Dominante / Recessivo

Leia mais

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho:

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: TESTE DO PEZINHO Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: 1) FENILCETONÚRIA Doença causada por falta de uma substância (enzima) que transforma a fenilalanina (aminoácido) em tirosina.

Leia mais

Profa Clea Rodrigues Leone Área Técnica Saúde da Criança e do Adolescente CODEPPS-SMS CRESCIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE MUITO BAIXO PESO

Profa Clea Rodrigues Leone Área Técnica Saúde da Criança e do Adolescente CODEPPS-SMS CRESCIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE MUITO BAIXO PESO Profa Clea Rodrigues Leone Área Técnica Saúde da Criança e do Adolescente CODEPPS-SMS CRESCIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE MUITO BAIXO PESO CRESCIMENTO RN - PT Padrão variável I.G. e P. nascimento Meio ambiente

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO PÓS FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR NEONATAL UVA. 3 Em que semana gestacional ocorre o desenvolvimento da face?

ESTUDO DIRIGIDO PÓS FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR NEONATAL UVA. 3 Em que semana gestacional ocorre o desenvolvimento da face? ESTUDO DIRIGIDO PÓS FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR NEONATAL UVA EMBRIOLOGIA 1 Quais os 3 folhetos embrionários? 2 O que o Ectoderma origina? 3 Em que semana gestacional ocorre o desenvolvimento da face? 4 Em

Leia mais

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Atividade Física e Esporte Adaptado Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Introdução No mundo: 610 milhões de pessoas deficientes No Brasil: 14,5% algum tipo de deficiência (WHO, 2003) 27% física/motora

Leia mais

ALTERAÇÃO NA TABELA DE HABILITAÇÃO DO SISTEMA DO CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE - SCNES

ALTERAÇÃO NA TABELA DE HABILITAÇÃO DO SISTEMA DO CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE - SCNES De 7 a 10 de Maio / 2013 The Royal palm Plaza Hotel Circular 121/2013 São Paulo, 26 de março de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ALTERAÇÃO NA TABELA DE HABILITAÇÃO DO SISTEMA DO CADASTRO NACIONAL DE

Leia mais

Triagem Auditiva Neonatal

Triagem Auditiva Neonatal Triagem Auditiva Neonatal (Revisado e aprovado pelo autor em 30/11/2010) Mauro Silva de Athayde Bohrer* Introdução A intensidade da fala situa-se entre 40 e 80 decibéis, sendo considerada perda auditiva

Leia mais

HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO

HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO TRIAGEM NEONATAL HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO TRIAGEM NEONATAL Cláudia Braga Triagem neonatal 1st Anual Meeting of The European Society for Pediatric Endocrinology, Espanha 1992 Incidência mundial 1:3000

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS. Mestrado em Saúde e Comportamento ESTUDO DE PREVALÊNCIA E MORBIMORTALIDADE DE

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS. Mestrado em Saúde e Comportamento ESTUDO DE PREVALÊNCIA E MORBIMORTALIDADE DE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Mestrado em Saúde e Comportamento ESTUDO DE PREVALÊNCIA E MORBIMORTALIDADE DE PREMATUROS TARDIOS INTERNADOS EM UMA UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO NEONATAL DE PELOTAS,

Leia mais

TIREÓIDE. O que é tireóide?

TIREÓIDE. O que é tireóide? TIREÓIDE O que é tireóide? A tireóide é uma glândula em forma de borboleta, situada no pescoço, logo abaixo do ossinho do pescoço, popularmente conhecido como gogó. A tireóide produz um hormônio capaz

Leia mais

Exame Inicial do Recém nascido Exame físico do RN Inspeção

Exame Inicial do Recém nascido Exame físico do RN Inspeção Dr. Vinícius Moreira Gonçalves Graduado pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Mestre em Pediatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Neonatologia

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ENFERMAGEM RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro Define-se como a assistência de enfermagem a

Leia mais

Fonoaudiologia Neonatal

Fonoaudiologia Neonatal Fonoaudiologia Neonatal Rotina de UTI Neonatal Conceituações Específicas Intervenção Global M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

SAÚDE DA CRIANÇA II. Saúde da criança II: crescimento e desenvolvimento. Aprimore - BH. Professora : EnfªDarlene Carvalho

SAÚDE DA CRIANÇA II. Saúde da criança II: crescimento e desenvolvimento. Aprimore - BH. Professora : EnfªDarlene Carvalho SAÚDE DA CRIANÇA II Saúde da criança II: crescimento e desenvolvimento Aprimore - BH Professora : EnfªDarlene Carvalho (DARLLENECARVALHO@YAHOO.COM.BR) PAISC PROGRAMA INTEGRAL DE SAÚDE À CRIANÇA Controle

Leia mais

EXAME FÍSICO DO RN. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP - 42883

EXAME FÍSICO DO RN. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP - 42883 EXAME FÍSICO DO RN Enfermeira COREN/SP - 42883 Introdução! Alguns minutos depois do nascimento o exame físico é feito pelo pediatra. É uma avaliação de rotina do estado físico do bebê.! O exame físico

Leia mais

INFECÇÃO MATERNA x INFECÇÃO PERINATAL

INFECÇÃO MATERNA x INFECÇÃO PERINATAL INFECÇÃO MATERNA x INFECÇÃO PERINATAL Drª Glaucia Maria Ferreira Lima A Sepse neonatal está associada com alto índice de morbimortalidade nesse período. Diante dessa condição, cabe a nós que trabalhamos

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO

RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO Resultados Preliminares Wilzianne Silva RAMALHO, Ana Karina Marques SALGE, Raphaela

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO BURITI¹, Ana CARNEIRO², Cláudia CAVALVANTI³, Hannalice FERREIRA 4, Danilo OLIVEIRA

Leia mais

Nota Técnica Conjunta n 02/2015

Nota Técnica Conjunta n 02/2015 Nota Técnica Conjunta n 02/2015 DVSCA/DAPS/SAS/SESA DVPcD/DACC/SAS/SESA Assunto: Esclarecimentos e orientações sobre a coleta obrigatória do Teste do Pezinho nos Hospitais/Maternidades, Públicos e Privados,

Leia mais

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado?

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 7: ROP O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? ser Q Quando uando o o exame

Leia mais

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) Reunião de casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) CASO 1 História Clínica Identificação: RN de E. B., 2º dia de vida História fisiológica: RNAT; AIG; cesareana

Leia mais

CAPÍTULO 3 : CUIDADOS COM O RECÉM- NASCIDO SAUDÁVEL

CAPÍTULO 3 : CUIDADOS COM O RECÉM- NASCIDO SAUDÁVEL CAPÍTULO 3 : CUIDADOS COM O RECÉM- NASCIDO SAUDÁVEL Os procedimentos demonstrados nesse capítulo devem ser executados em todos os nascimentos. Os procedimentos para os recém-nascidos que necessitam de

Leia mais

ATENDIMENTO AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO

ATENDIMENTO AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO ATENDIMENTO AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO PREPARO PARA REANIMAÇÃO HISTÓRIA MATERNA Intercorrências clínicas Intercorrências gestacionais Intercorrências no trabalho de parto e parto Líquido amniótico

Leia mais

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O cérebro do bebé prematuro é particularmente frágil. Uma das complicações que pode ocorrer é a hemorragia. Felizmente esta hemorragia ocorre, não no tecido nervoso

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse Mario Julio Franco Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

ICTERÍCIA NEONATAL. Reflete a adaptação neonatal ao metabolismo da bilirrubina; Incremento de BI > 0,5 mg/hora entre 4 e 8 h nas primeiras 36 h;

ICTERÍCIA NEONATAL. Reflete a adaptação neonatal ao metabolismo da bilirrubina; Incremento de BI > 0,5 mg/hora entre 4 e 8 h nas primeiras 36 h; ICTERÍCIA NEONATAL A icterícia corresponde a manifestação clínica da hiperbilirrubinemia. Tem frequência elevada no período neonatal e etiologia multifatorial. O pico da hiperbilirrubinemia indireta ocorre

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Teste do Pezinho Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Simone Vidal Santos; Cláudia Rosa Ferreira Ramos

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN)

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) Cálcio Sérico > 11 mg/dl Leve e Assintomático 11-12 mg/dl Moderada Cálcio Sérico 12-14 mg/dl Cálcio Sérico > 14 mg/dl Não tratar Assintomática Não tratar Sintomática

Leia mais

Reanimação Neonatal 2 de Julho de 2013 Centro de Simulação Biomédica (Piso 7, Ala central)

Reanimação Neonatal 2 de Julho de 2013 Centro de Simulação Biomédica (Piso 7, Ala central) Reanimação Neonatal 2 de Julho de 2013 Centro de Simulação Biomédica (Piso 7, Ala central) 08:30 Abertura do 09:00 Abertura e Boas vindas. 09:15 ABC da Reanimação Neonatal. 10:00 Apresentação do Algoritmo.

Leia mais

INCLUI A FASE IV NO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN) Diário Oficial da União Nº 242, Seção I, segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

INCLUI A FASE IV NO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN) Diário Oficial da União Nº 242, Seção I, segunda-feira, 17 de dezembro de 2012 Circular 595/2012 São Paulo, 17 de dezembro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INCLUI A FASE IV NO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN) Diário Oficial da União Nº 242, Seção I, segunda-feira,

Leia mais

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o inciso X do artigo 204 do Regimento Interno,

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização no Serviço Público e seus reflexos na Mortalidade Infantil Dra. Miriam Ribeiro de Faria Silveira Maternidade Escola V. Nova Cachoeirinha HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização

Leia mais

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural 13. TERAPÊUTICA FETAL MEDICAMENTOSA Entende-se por terapêutica fetal medicamentosa ou clínica, quando nos valemos da administração de certos medicamentos específicos, visando o tratamento de alguma patologia

Leia mais

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias GESTAÇÃO PROLONGADA IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) SIM NÃO IG > 42 SEM IG 40 a 41 sem e 6 dias **USG + ILA *** Parto Avaliar Vitalidade Fetal **USG + ILA ***

Leia mais

SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA

SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA A CONSULTA PEDIÁTRICA CONSTA DE QUATRO PARTES 1.Anamnese 2.Exame físico 3.Hipóteses diagnóstica 4. Conduta Roteiro da Anamnese 1.Identificação: Nome, idade, data nascimento, sexo,

Leia mais

Triagem neonatal... um momento especial... um teste especial!

Triagem neonatal... um momento especial... um teste especial! Proteção aos bebês Prevenção de problemas Triagem logo após o nascimento Início do tratamento precoce Triagem neonatal... um momento especial... um teste especial! ATUALIZADO Este folheto descreve os testes

Leia mais

Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé

Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé Na primeira semana após o nascimento, é-lhe oferecida a possibilidade de efetuar um rastreio de diagnóstico precoce ao seu bebé. Porque

Leia mais

Módulo 6: CUIDADOS. O que pode estressar o bebê? O ambiente influencia no bem-estar do bebê? O que fazer para o bebê ficar menos estressado?

Módulo 6: CUIDADOS. O que pode estressar o bebê? O ambiente influencia no bem-estar do bebê? O que fazer para o bebê ficar menos estressado? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 6: CUIDADOS O que pode estressar o bebê? Como saber se o recémnascido está estressado? O ambiente influencia no bem-estar do bebê?

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP. Enfermagem UTI Neonatal - HCC

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP. Enfermagem UTI Neonatal - HCC PROCESSO: Cuidados com RN graves e/ou instáveis PROCEDIMENTO Manuseio Mínimo com Recém-nascido (RN) Grave ou Instável (CUIDADOS 1) Responsável pela execução: Equipe multiprofissional da UTI Neonatal Data

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

PATOLOGIAS EM NEONATOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883

PATOLOGIAS EM NEONATOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883 PATOLOGIAS EM NEONATOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 ASFIXIA PERINATAL! É caracterizada pela deficiência no suprimento de oxigênio tecidual.!

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA Departamento de Neonatologia. CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA Departamento de Neonatologia. CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA Departamento de Neonatologia CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica Prevenção de Cegueira Infantil causada por Retinopatia

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

Comparação de Medidas de Idade Gestacional

Comparação de Medidas de Idade Gestacional Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Comparação de Medidas de Idade Gestacional Marcia Furquim de Almeida FSP-USP Ana Maria Rigo Silva CCS-UEL Gizelton Pereira Alencar FSP-USP Tiemi Matsuo

Leia mais

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE Nice Testa Rezende HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE INSUFICIÊNICA ADRENAL PRIMÁRIA HIPERINSULINISMO DOENÇA METABÓLICA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOPITUITARISMO OU DEFICIÊNCIA ISOLADA DE GH 1 DOENÇA

Leia mais

Documento Geral do Toolkit da Fundação PHG para Avaliação das Necessidades de Saúde em relação a Doenças Congênitas

Documento Geral do Toolkit da Fundação PHG para Avaliação das Necessidades de Saúde em relação a Doenças Congênitas Documento Geral do Toolkit da Fundação PHG para Avaliação das Necessidades de Saúde em relação a Doenças Congênitas Versão 1.1, setembro 2013 BY-NC-ND 3.0 Unported License. 1 http://toolkit.bornhealthy.org

Leia mais

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Embriogênese do Aparelho Respiratório rio e sua relação com as Adaptações à Vida Pós-NatalP Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO 1)

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO: mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e bebês com microcefalia

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO: mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e bebês com microcefalia PROTOCOLO DE ATENDIMENTO: mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e bebês com microcefalia Boletim Epidemiológico de Microcefalia (até 5 de dezembro) 1.761 casos suspeitos 14 estados 422 municípios

Leia mais

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006 Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS Retinopatia da Prematuridade 2006 BULBO OCULAR Retinopatia da Prematuridade Doença vaso proliferativa multifatorial Uma das

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br P00-P96 CAPÍTULO XVI : Algumas afecções originadas no período perinatal P00-P04 Feto e recém-nascido afectados por factores maternos e por complicações da gravidez, do trabalho de parto e do parto P05-P08

Leia mais

Seleção Pública para Contratação de Médicos - EDITAL 34/2016

Seleção Pública para Contratação de Médicos - EDITAL 34/2016 MÉDICO NEONATOLOGISTA 01. Na avaliação da idade gestacional, o método do Capurro somático-neurológico deverá ser realizado em recém-nascidos saudáveis com mais de 6 (seis) horas de vida e são utilizados

Leia mais

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos Fisioterapia TCC em Re-vista 2010 79 BURANELLO, Mariana Colombini 13. Equilíbrio corporal e risco de queda em idosas que praticam atividades físicas e idosas sedentárias. 2010. 19 f. Trabalho de Conclusão

Leia mais

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal?

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? XI Encontro Nacional de Aleitamento Materno 2010/Santos - SP Sonia Venancio PqC VI - Instituto de Saúde/SES/SP soniav@isaude.sp.gov.br Polêmica A

Leia mais