Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas"

Transcrição

1 Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo Garantir assistência integrada e qualificada. Condições Necessárias Impresso de admissão Descrição do POP AÇÕES E CONDUTAS NA GESTANTE / PUÉRPERA Tempo de Permanência Assistência: Ações e Condutas com a Gestante UNIDADE - Tipo de Leito Hospitalar Patologias Obstétricas Pré Internação Admissão 1º DIA 2º DIA 3º DIA Pré-Operatório Intra-Operatório POI 2º PO 3º PO/ALTA LEITO DE INTERNAÇÃO CENTRO CIRÚRGICO QUARTO QUARTO QUARTO DIABETES GESTACIONAL: Definido com a Controle "intolerência aos obstétrico e carboidratos, de avaliação graus variados de fetal intensidade, diagnosticada pela 1ª vez durante a gestação, podendo ou não persistir após o parto" (MS, 2010). Obs: O uso de hipoglicemiantes ORAIS na gestação é proibido 1. Pré 2. de Verificação dos sinais vitais e do esquema insulínico, se prescrito. GESTANTES EM TRABALHO DE PARTO ESPONTÂNEO: 1. Realizar uma dosagem de glicemia na admissão Observar os níveis de glicemia e registrar, Administrar insulina conforme prescrição médica, caso seja necessário. 3.Identificação de sinais e sintomas de médica para avaliação final e alta. 2. Observar os Orientações sobre níveis de a importância do glicemia e acompanhamento registrar, para avaliação da Administrar regulação da insulina glicose. conforme prescrição médica, caso seja necessário. 3.Identificação de sinais e sintomas de

2 UTI Neo e berçário. Cesariana Programada: 1. A cesariana deve ser programada para o início da manhã 2. Suspender dieta na noite anterior. Oferecer um lanche reforçado e líquidos em maior quantidade antes do jejum 3. Manter dose de insulina na noite anterior 4. Suspender 2. Suspender uso de insulina 3.. Iniciar solução salina 4. Monitorar glicemia de 2/2 horas na fase de latência e de 1/1 hora na fase ativa insulina da manhã 6. Monitorar INDUÇÃO glicemia de 4/4 h PROGRAMADA até o parto DO PARTO: 1. A indução deve ser programada para o início da manhã Hipo/ Hipo/ Hiperglicemia. Hiperglicemia. 2. Se a indução for iniciada com algum método de preparação do colo (ex: misoprostol), manter a dieta e o regime usual de insulina até início do trabalho de parto e depois seguir com

3 DHEG (Doença Hipertensiva Específica da Gestação): Definida como o aumento patológico da pressão arterial após a 20ª semana de gestação. Também conhecida com Toxemia Gravídica. Dividida em duas fases clínicas distintas: Pré-Eclâmpsia e Controle obstétrico e avaliação fetal. Orientar a paciente á trazer exames: proteinúria de 24 horas, 1. Pré 2. de PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE E GRAVE hematócrito, plaquetas e 1. Medir pressão provas de arterial de 6/6 h, manter repouso relativo ou parto espontâneo 3. Se o parto for induzido com ocitocina, manter dose usual de insulina na noite anterior, suspender insulina no dia da indução e seguir com protocolo de trabalho de parto espontâneo Cesariana Programada: 1. A cesariana deve ser programada para o início da manhã 2. Monitorar glicemia de 4/4 h até o parto 3. Fluidos intraparto á critério do anestesista A antecipação do parto é o único tratamento definitivo par a Pré-Eclâmpsia, em especial se a idade gestacional for maior ou igual á 34 semanas. Acompanhar monitorização em SO médica para avaliação Observar os Aferir e final e alta. 2. registrar sinais Orientações a parâmetros de Vitais, PA e registrar, Observar os Administrar antihipertensivo cerca da importância do acompanhamento e controle da PA. conforme prescrição médica. parâmetros de PA e registrar, Administrar antihipertensivo conforme prescrição médica,

4 Eclâmpsia. (MS, 2010) DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA (DPP): Definido como a separação da placenta da parede uterina antes do parto. Essa separação pode ser parcial ou total e é classificada em três graus: Grau 1 - função renal obstétrica e fetal. O DPP configura-se como uma urgência obstétrica. absoluto no leito se prescrito. 2. Observar sintomas iminentes de eclâmpsia: cefaléia frontal ou occipital persistente, distúrbios visuais (escotomas, diplopia e amaurose) 3. Verificar presença de edemas,dor epigástrica ou no hipocôndrio direito, acompanhada ou não de náuseas e vômitos e hiperreflexia 4. Verificar uso de corticóide, se idade gestacional 28/34 semanas 1. Obstétrica 1. Verificar reserva de concentrado de hemácias, plaquetas e plasma freco para reposição volêmica e transfusão de fatores da coagulação Prescrição de : Estimular a amamentação com a estabilidade hemodinâmica da mãe e vitalidade do médica para avaliação final e alta. 2. Prescrição de Orientações : médica e de Estimular a enfermagem. amamentação com a estabilidade hemodinâmica da mãe e vitalidade do

5 Sangramento moderado e Grau 3: Sangramento genital com hipertonia uterina PLACENTA PRÉVIA: Definida como a placenta que se implanta total ou parcialmente no segmento inferior do útero. Ela pode ser classificada de três maneiras: total. Parcial e marginal obstétrica e fetal. Gestantes sem sangramento ativo e feto prematuro, deve ser adotada conduta expectante 3.Comunicação e encaminhamento seguindo o fluxo de urgências obstétricas. 4. Notificação par UIT Neo. 1. Pré 2. de 3. Verificar o uso de corticóides para aceleração da maturação pulmonar 3. Feto morto: dilatação menor que 8 cm ou apresentação alta: Operação cesariana ou dilatação maior/igual que 8 cm e apresentação baixa: parto transpélvico 4.Monitorar débito urinário e mantê-lo em 30ml/h 1. Verificar reserva de concentrado de hemácias, plaquetas e plasma freco para reposição volêmica e transfusão de fatores da coagulação 2. Na placenta prévia total a cesariana é a indicação absoluta, devendo ser realizada com programação planejada. Sinais Vitais, Observar e registrar Sangramento uterino e tônus uterino 3. Evolução de enfermagem Estimular a amamentação com a estabilidade hemodinâmica da mãe e vitalidade do RN. Sinais Vitais, Observar e registrar Sangramento uterino e tônus uterino 3. Evolução de enfermagem OBS: De acordo com avaliação clínica obstétrica, algumas pacientes poderão receber alta. médica para avaliação final e alta. 2. Estimular a Orientações amamentação médica e de com a enfermagem. estabilidade hemodinâmica da mãe e vitalidade do RN.

6 TRABALHO DE PARTO PREMATURO (TPP): Conceitua-se gravidez pré-termo aquela cuja idade gestacional encontra-se entre 22 e 37 semanas. TOXOPLASMOSE: É uma zoonose causada pelo Toxoplasma gondii e adquire especial relevância quando atinge a gestante, obstétrica e fetal. No falso trabalho de parto indicase o repouso. obstétrica e fetal. 4. Em gestantes Rh-negativo, deve ser feita a prescrição de imunoglobulina anti-d quando ela apresentar sangramento 1. Obstétrica 2. Pré 3. de 4. Acompanhamento no quarto ou préparto conforme preferência médica 5. Verificar o uso de corticóides para aceleração da maturação pulmonai. Iniciar a infusão do tocolítico, de acordo com conduta médita 1. Pré 2. de Estimular a amamentação Acompanhamento do trabalho de parto na sala de pré-parto Via de parto á critério médico com ordenha manual das mamas, caso RN na UTI neo.observar contração e loquiação uterina. Médica 1x po r dia; 2.Estimular a amamentação com ordenha manual das mamas, caso RN na UTI. médica para avaliação final e alta. 2. Orientações médica e de enfermagem. médica para avaliação final e alta. 2. Prescrição de Prescrição de Orientações : : médica e de Estimular a Estimular a enfermagem. amamentação, amamentação,

7 visto o elevado risco de acomentimento fetal. CITOMEGALOVÍRUS (CMV): É um vírus cuja infecção se é Obs: Comunicar á SCIH para Notificar á Vigilância Epidemiológica caso diagnóstico suspeito ou confirmado 1. Pré Via de parto á critério médico Verificar e Verificar e Registrar Registrar Sinais Vitais, Sinais Vitais, Observar e Observar e registrar registrar Sangramento Sangramento uterino e uterino e tônus uterino tônus uterino 3. Evolução de 3. Evolução de enfermagem enfermagem OBS: De acordo com avaliação clínica obstétrica, algumas pacientes poderão receber alta. médica para avaliação final e alta. 2.

8 HERPES: É uma virose transmitida predominantemente pelo contato sexual, mas também se dá pelo contato direto com lesões ou objetos contaminados obstétrica e fetal. 1. Pré 2. de 3. Confirmar diagnóstico Recomenda-se a realização de cesariana na presença de lesões ativas Prescrição de : Orientar para NÃO amamentação, Verificar e Registrar Sinais Vitais, Observar e registrar Sangramento uterino e tônus uterino 3. Evolução de enfermagem algumas pacientes poderão receber alta. Prescrição de : Orientar para NÃO amamentação, Verificar e Registrar Sinais Vitais, Observar e registrar Sangramento uterino e tônus uterino 3. Evolução de enfermagem OBS: De acordo com avaliação clínica obstétrica, algumas pacientes poderão receber alta. AÇÕES E CONDUTAS NO RECÉM NASCIDO Tempo de Permanência 1º DIA 2º DIA 3º DIA Assistência: Ações e Condutas com os Recém Nascidos POI 2º PO 3º PO/ALTA UNIDADE - Tipo de Leito Hospitalar QUARTO QUARTO QUARTO Patologias Obstétricas DIABETES GESTACIONAL: Definido Controle de glicemia Controle de glicemia com a "intolerência aos carboidratos, rigoroso, principalmente rigoroso, principalmente de graus variados de intensidade, pré dieta (sob prescrição pré dieta (sob prescrição diagnosticada pela 1ª vez durante a médica e instabilidade médica e instabilidade médica para avaliação final e alta. 2. Orientações médica e de enfermagem. Controle de glicemia rigoroso, principalmente pré dieta (sob prescrição médica e instabilidade

9 gestação, podendo ou não persistir após o parto" (MS, 2010). Obs: O uso de hipoglicemiantes ORAIS na gestação é proibido DHEG (Doença Hipertensiva Específica da Getação): Definida como o aumento patológico da pressão arterial após a 20ª semana de gestação. Também conhecida com Toxemia Gravídica. Dividida em duas fases clínicas distintas: Pré-Eclâmpsia e Eclâmpsia. (MS, 2010) DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA (DPP): Definido como a separação da placenta da parede uterina antes do parto. Essa separação pode ser parcial ou total e é classificada em três graus: Grau 1 - Sangramento discreto, Grau 2 - Sangramento moderado e Grau 3: Sangramento genital com hipertonia uterina PLACENTA PRÉVIA: Definida como a placenta que se implanta total ou parcialmente no segmento inferior do útero. Ela pode ser classificada de três maneiras: total. Parcial e marginal TRABALHO DE PARTO PREMATURO (TPP): Conceitua-se gravidez prétermo aquela cuja idade gestacional encontra-se entre 22 e 37 semanas. TOXOPLASMOSE: É uma zoonose causada pelo Toxoplasma gondii e adquire especial relevância quando clínica). Observação rigorosa dos sintomas de hipoglicemia complementos Se o bebê for de baixo peso, observar glicemia (sob prescrição médica), controle de peso e perfusão e avaliação complementos. Realizar coleta de sorologia e Teste da Orelhinha sob prescrição clínica). Observação rigorosa dos sintomas de hipoglicemia complementos Se o bebê for de baixo peso, observar glicemia (sob prescrição médica), controle de peso e perfusão e avaliação complementos. Observar sinais de infecção clínica). Observação rigorosa dos sintomas de hipoglicemia complementos Alta com orientações. Se o bebê for de baixo peso, observar glicemia (sob prescrição médica), controle de peso e perfusão e avaliação complementos. Alta com orientações. bebê, avaliar a de alojamento conjunto. Alta com orientações. bebê, avaliar a de alojamento conjunto. Alta com orientações. bebê, avaliar a de alojamento conjunto. Alta com orientações. Observar sinais de infecção e realizar orientações de alta.

10 atinge a gestante, visto o elevado risco de acomentimento fetal. CITOMEGALOVÍRUS (CMV): É um vírus cuja infecção se é importante durante a gravidez devido á consequências ao feto. Ela é na maioria das vezes assintomática ou quando se manifesta é um quadro inespecífico, como uma gripe. HERPES: É uma virose transmitida predominantemente pelo contato sexual, mas também se dá pelo contato direto com lesões ou objetos contaminados médica e observação rigorosa de sinais de infecções. Realizar coleta de sorologia sob prescrição médica e observação rigorosa de sinais de infecções. Realizar coleta de sorologia sob prescrição médica e observação rigorosa de sinais de infecções. Se mãe estiver co lesão ativa, amamentar com máscara e reforçar lavagem das mãos. Resultado Esperado Binômio mãe e filho atendidos integralmente com segurança. Consequência caso não atinja o esperado Falha na assistência. O que fazer caso não atinja o esperado Comunicar enfermeira de plantão Solicitar avaliação do médico plantonista Comunicar médico assistente Revisão do protocolo Referência Técnicas, Legais e Regulatórias Observar sinais de infecção Observar sinais de infecção. Se mãe estiver co lesão ativa, amamentar com máscara e reforçar lavagem das mãos. Observar sinais de infecção e realizar orientações de alta. Observar sinais de infecção e realizar orientações de alta. Se mãe estiver co lesão ativa, amamentar com máscara e reforçar lavagem das mãos.

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20 CAPÍTULO 20 Diabetes na gravidez 1 Introdução 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional 3 Atenção geral durante a gravidez 4 Controle do diabetes 5 Atenção obstétrica 6 Atenção no trabalho de parto

Leia mais

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Coagulopatia em Obstetrícia Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Mecanismos desencadeadores de coagulação intravascular na gravidez Pré-eclâmpsia Hipovolemia Septicemia DPP Embolia do líquido

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva Específica da Gravidez e Hellp Síndrome Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 1 - DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GRAVIDEZ Hipertensão que aparece após a

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA QUESTÃO 16 Em relação à cesariana, é CORRETO afirmar que A) não existem atualmente indicações para a cesariana clássica. B) a histerotomia segmentar é a mais utilizada

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO Rosy Ane de Jesus Barros SISTEMATIZAÇÃO PARA O RASTREAMENTO DO DIABETES GESTACIONAL - para todas as gestantes, na primeira consulta de pré-natal: glicemia plasmática

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia

Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia A pré-eclâmpsia é muito mais comum do que a maior parte das pessoas pensa na realidade ela é a mais comum das complicações graves da gravidez. A pré-eclâmpsia

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior A hemorragia no terceiro trimestre da gestação é grave ameaça à saúde e vida da mãe e feto. Junto com hipertensão e infecção

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS NORMAS E ROTINAS CUIABÁ - 2012 1 DO HUJM Apresentação: A Comissão de Óbito do Hospital Universitário Julio Muller tem as seguintes finalidades: - Normatizar e padronizar os procedimentos e as condutas

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS HEPÁTICAS ESPECIFICAS DA GESTAÇÃO

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS HEPÁTICAS ESPECIFICAS DA GESTAÇÃO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS HEPÁTICAS ESPECIFICAS DA GESTAÇÃO III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA CURITIBA, 04 A 05 DE ABRIL DE 2008 LEILA M M BELTRÃO PEREIRA Prof. Titular

Leia mais

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia FACULDADE DE MEDICINA FACIMED CACOAL - RO DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia Prof. Dr. José Meirelles Filho 7º semestre de Medicina Programa de Educação Médica Continuada CRM-MT FACULDADE DE CACOAL MEDICINA

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PARA ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO CEARÁ 2011

PLANO ESTRATÉGICO PARA ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO CEARÁ 2011 2 PLANO ESTRATÉGICO PARA ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO CEARÁ 2011 RISCO Pico Abril e Maio Desafios identificados na assistência Superlotação nas emergências dos hospitais (municípios estão concentrando o

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ Em função da idade gestacional Obedece ao esquema proposto pelo SNS Valoriza os elementos a colher em função da idade gestacional Tempo de Gestação 1º Trimestre (1ª-13ªS) ACTIVIDADES (Elementos a recolher

Leia mais

Plano de Parto. , e. (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento

Plano de Parto. , e. (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento Plano de Parto, e (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento O plano de parto expressa nossos desejos e preferências para o nascimento do nosso bebê. Nós nos informamos antes

Leia mais

Auxiliar de Enfermagem

Auxiliar de Enfermagem Auxiliar de Enfermagem 01.01.01.001-0 - Atividade Educativa / Orientação em Grupo na Atenção Básica - Consiste nas atividades educativas, em grupo, sobre ações de promoção e prevenção à saúde, desenvolvidas

Leia mais

www.forumenfermagem.org

www.forumenfermagem.org Todos os conteúdos apresentados são propriedade dos referidos autores Retirado de: Comunidade On-line de Enfermagem www.forumenfermagem.org Hipertensão Arterial Considera-se se HTA quando a tensão arterial

Leia mais

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias GESTAÇÃO PROLONGADA IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) SIM NÃO IG > 42 SEM IG 40 a 41 sem e 6 dias **USG + ILA *** Parto Avaliar Vitalidade Fetal **USG + ILA ***

Leia mais

PLANO DE PARTO. , e (gestante) (acompanhante) (bebê)

PLANO DE PARTO. , e (gestante) (acompanhante) (bebê) PLANO DE PARTO, e (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento O plano de parto expressa nossos desejos e preferências para o nascimento do nosso bebê. Nós nos informamos antes

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE HEPÁTICO HISTÓRICO 1967 - Starzl realizou o 1º TX bem sucedido 1970 - Início das atividades na U.F - HCFMUSP 1985-1º TX hepático do hemisfério sul 2001 Transplantes

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do paciente

Metas Internacionais de Segurança do paciente Metas Internacionais de Segurança do paciente 2011 Missão Defender a saúde da comunidade e contribuir para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Visão Ser reconhecido nacionalmente pela excelência

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Propess 10 mg dinoprostona

Propess 10 mg dinoprostona Propess 10 mg dinoprostona Pessário vaginal de dose única com liberação controlada com 10 mg de dinoprostona APRESENTAÇÕES Cartucho com 1, 2 ou 5 pessários de uso vaginal com 10 mg de dinoprostona USO

Leia mais

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição.

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Recepção de Pacientes na Emergência Obstétrica Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 07 Área de Aplicação: Obstetrícia Setor:

Leia mais

PRé-ECLÂMPSIA. » > 300 mg/l/24h ou ita teste (+) em pelo menos duas aferições ou 2 (+) ou mais em qualquer amostra isolada.

PRé-ECLÂMPSIA. » > 300 mg/l/24h ou ita teste (+) em pelo menos duas aferições ou 2 (+) ou mais em qualquer amostra isolada. Unidade 6 - Obstetrícia Pré-Eclâmpsia CAPÍTULO 24 PRé-ECLÂMPSIA 1. CRITéRIOS DIAGNóSTICO HIpERTENSãO» PAS 140mmHg» PAD 90mmHg» O aumento de 30 mmhg ou mais na PAS e de 15 mmhg ou mais na PAD não é mais

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais