Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG"

Transcrição

1 Cuidados com a gestante Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG

2 Período gestacional Cadelas dias Gatas dias (63) Data do cruzamento

3 Objetivos Parto seguro Bem-estar da cadela/ gata e dos filhotes

4 Sinais de Gestação 20 dias ultra-sonografia 25º ao 28º dia o veterinário pode detectar os fetos por palpação 30 dias apetite, abdômen e mamas maiores mudanças de comportamento após o 45º dia Radiografias 49 dias A cabeça dos fetos é palpável e há grande aumento nas glândulas mamárias.

5 Falsos sinais infecção uterina (piometra) diabetes (apetite) tumores mamários prenhez psicológica.

6 Vida reprodutiva Gatas 14 anos Cadelas 10 anos

7 Cuidados com a gestante Nutrição Controle parasitário (carrapatos, pulgas, vermes) Vacinação Ultrassom Radiografias Exames clínicos convencionais Avaliar se a cadela está realmente gestante, o número dos filhotes e viabilidade dos fetos

8 Cuidados com a gestante Acesso a alimentos de boa qualidade, nutritivos e com elevado nível de proteína O apetite só aumentará após o primeiro mês de gestação. NUNCA suplementar com cálcio Fornecer a alimentação em pequenas porções, várias vezes ao dia, facilitando a digestão.

9 Cuidados com a gestante Dieta Exercícios Vacinação Controle de endoparasitas Controle de ectoparasitas Isolamento (herpes vírus)

10 Exames Pré-natais Ultrassonografia Radiografias

11 Preparando para o parto Prepare o local que a cadela irá ter seus filhotes. Estimule-a a deitar e dormir nele. Isso a deixará mais segura na hora do parto.

12 Prepare-se!!! A caixa ou local para a cadela ter seus filhotes Jornais para manter o local limpo durante o trabalho de parto Lixeira para os jornais sujos e materiais que serão usados durante o parto Separe uma caixa menor, forrada com toalha macia, para colocar os filhotes enquanto a mãe está em trabalho de parto dos demais Relógio para controlar o tempo de parto

13 Prepare-se!!! Caso esteja frio, coloque um abajur ou instalação elétrica, com uma lâmpada de 100w próximo a caixa dos filhotes Caso esteja calor, coloque um ventilador para a mãe Fio dental e tesoura, afiada e esterilizada, para amarrar e cortar os cordões umbilicais Anti-séptico para desinfetar o cordão umbilical cortado Toalhas e panos macios para serem trocados duas vezes ou mais ao dia, na caixa ou abrigo da mãe e filhotes.

14 Prepare-se!!! Todos esses cuidados devem ser tomados a fim de: proporcionar ao animal o mínimo de estresse, evitando problemas problemas como rejeição, falta de leite e até mesmo o canibalismo (ingestão dos filhotes).

15 Comportamento pré-parto No dia que antecede o parto é normal que a fêmea fique mais isolada, sem apetite e preparando o seu "ninho" (rasgando e amontoando jornais; raspando o chão ou a própria cama como se estivesse cavando) para a chegada dos filhotes.

16 Gravidez psicológica Distúrbio hormonal Secreção láctea Raças de pequeno porte Distúrbio comportamental Hiperplasia do endométrio e piometra

17 O parto Horário Acompanhamento Material

18 Material A caixa ou local para a cadela ter seus filhotes Jornais para manter o local limpo durante o trabalho de parto Lixeira para os jornais sujos e materiais que serão usados durante o parto

19 Material Separe uma caixa menor, forrada com toalha macia, para colocar os filhotes enquanto a mãe está em trabalho de parto dos demais Relógio para controlar o tempo de parto

20 Material Abajur ou instalação elétrica, com uma lâmpada de 100w próxima a caixa dos filhotes Ventilador para a mãe Fio dental e tesoura, afiada e esterilizada, para amarrar e cortar os cordões umbilicais Anti-séptico para desinfetar o cordão umbilical cortado (2 cm)

21 Material Toalhas e panos macios para serem trocados duas vezes ou mais ao dia, na caixa ou abrigo da mãe e filhotes.

22 Parto difícil Distócico Buldogue Pequinês Raças toy

23 Parto Hormônios Cortisol materno Prostaglandina Ocitocina Prolactina Relaxina Estradiol

24 Previsão do trabalho de parto Queda da temperatura retal 1,1-1,7 C 6-18 horas antes do parto Gatas Recusa de alimento horas antes do parto

25 Fases do trabalho de parto Fase I Dilatação da cérvix Comportamento alterado Ninhos/inquietude Ofegantes 6-12 horas

26 Fases do trabalho de parto Fase II Expulsão do feto Esforços ativos horas 60 minutos entre os filhotes Gatos horas

27 Fases do trabalho de parto Fase III Expulsão da placenta Remoção das membranas Limpeza do neonato Secção do cordão umbilical Ingestão da placenta Auxiliar Incentivar

28 Tamanho da ninhada Raça Idade Desempenho reprodutivo 06 anos

29 Distocia Parto difícil Fatores maternos Obesidade Idade Canal do parto Fatores fetais Desproporção céfalo-pélvica Monstros fetais Fetos mortos

30 Indicadores de distocia História Predisposição Queda da temperatura >24 horas Anorexia >24 horas Fase II >03 horas Tempo entre nascimentos >1 hora Esforços excessivos/constantes Interrupção

31 Distúrbios pós-parto Hipocalcemia puerperal Eclâmpsia semanas pós-parto Metrite Prolapso vaginal /uterino Abandono

www.drapriscilaalves.com.br [ORIENTAÇÕES SOBRE O FILHOTE]

www.drapriscilaalves.com.br [ORIENTAÇÕES SOBRE O FILHOTE] [ORIENTAÇÕES SOBRE O FILHOTE] 2 orientações sobre o filhote 1. Informações iniciais: É natural que o filhote estranhe seu novo lar nos primeiros dias. Assim, é importante ser compreensivo, carinhoso e

Leia mais

COMO CUIDAR DE GATOS E CÃES RECÉM-NASCIDOS ASSOCIAÇÃO QUATRO PATINHAS

COMO CUIDAR DE GATOS E CÃES RECÉM-NASCIDOS ASSOCIAÇÃO QUATRO PATINHAS COMO CUIDAR DE GATOS E CÃES RECÉM-NASCIDOS ASSOCIAÇÃO QUATRO PATINHAS COMO CUIDAR DE GATOS E CÃES RECÉM-NASCIDOS SOBRE OS FILHOTES RECÉM-NASCIDOS Gatinhos e cãozinhos filhotes nascem ainda mais dependentes

Leia mais

DISTOCIA EM GATA RELATO DE CASO DYSTOCIA IN A CAT CASE REPORT

DISTOCIA EM GATA RELATO DE CASO DYSTOCIA IN A CAT CASE REPORT DISTOCIA EM GATA RELATO DE CASO DYSTOCIA IN A CAT CASE REPORT MONTANHA, Francisco Pizzolato Docente do curso de Medicina Veterinária da FAMED/ACEG Garça SP E-mail: faef.estagio@gmail.com CORRÊA, Carmen

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

http://www.boggiostudios.com/galleries/gallery/pregnancy 1 1- Espermatozoide atravessa a corona radiata. 2- Cabeça do espermatozoide adere à zona pelúcida 3- Reação acrossômica: o conteúdo do acrossomo

Leia mais

Cuidados e Acompanhamento de pediátricos e filhotes. Dr a. Leila Maria Leal Parente

Cuidados e Acompanhamento de pediátricos e filhotes. Dr a. Leila Maria Leal Parente Cuidados e Acompanhamento de pediátricos e filhotes Dr a. Leila Maria Leal Parente Cuidados com pediátricos Brincadeiras Cuidados com pediátricos - Os pediátricos saudáveis apresentam grande energia, não

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS: Hipocalcemia Puerperal Canina

CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS: Hipocalcemia Puerperal Canina UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS: Hipocalcemia Puerperal Canina Arianny

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

Clínica Médica de Pequenos Animais

Clínica Médica de Pequenos Animais V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Pseudociese Introdução A pseudogestação clínica ou manifesta ou pseudoprenhes, falsa gestação, falsa prenhes, gestação psicológica ou

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Funções Produz gametas: óvulos Produz hormônios da reprodução Recebe as células reprodutivas do macho Fornece local

Leia mais

Diagnóstico Precoce de Prenhez

Diagnóstico Precoce de Prenhez UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Diagnóstico Precoce de Prenhez Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Urgências Reprodutivas

Urgências Reprodutivas ta. Maria da Feira, 23 de Janeiro de 2010 Urgências Reprodutivas Luís Montenegro, Rui Mota, Teresa Costa PERCENTAGEM DE OCORRÊNCIA DAS DIFERENTES EMERGÊNCIAS REPRODUTIVAS POR ESPÉCIE TOTAL INTERNAMENTO

Leia mais

Plano de Parto. , e. (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento

Plano de Parto. , e. (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento Plano de Parto, e (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento O plano de parto expressa nossos desejos e preferências para o nascimento do nosso bebê. Nós nos informamos antes

Leia mais

Dicas para a Saúde Bucal do seu Bebê

Dicas para a Saúde Bucal do seu Bebê Dicas para a Saúde Bucal do seu Bebê Cirurgiã-Dentista CROSP 52214 Mamãe Você pode muito para influenciar positivamente a saúde e o bem-estar do seu filho! A gestação é um período muito importante para

Leia mais

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS Estudos Clínicos revelam a eficácia de Alizin na Terapia Medicamentosa de Piometra em Cadelas A piometra nas cadelas e nas

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

Gestação, parto e puerpério. Ginecologia Veterinária UFSM 24/03/2011 Prof. MRubin

Gestação, parto e puerpério. Ginecologia Veterinária UFSM 24/03/2011 Prof. MRubin Gestação, parto e puerpério Ginecologia Veterinária UFSM 24/03/2011 Prof. MRubin Gestação Aspectos fisiológicos Duração da gestação da vaca (280-285) Reconhecimento materno da gestação Produção hormonal

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução ALEITAMENTO MATERNO I Introdução O incentivo ao aleitamento materno continua sendo um grande desafio em saúde pública, considerando-se o alto índice de desmame precoce e o grande número de óbitos infantis

Leia mais

12 e 13 semanas. Dia de ultrassom é sempre bom!

12 e 13 semanas. Dia de ultrassom é sempre bom! 12 e 13 semanas Dia de ultrassom é sempre bom! Agora com 12 semanas de gestação faremos um exame de ultrassonografia. Ver o bebê na barriga através da imagem me dá uma sensação de proximidade com ele.

Leia mais

FACULDADE DE ZOOTECNIA, VETERINÁRIA E AGRONOMIA PUCRS CAMPUS URUGUAIANA OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA PARTO EUTÓCICO.

FACULDADE DE ZOOTECNIA, VETERINÁRIA E AGRONOMIA PUCRS CAMPUS URUGUAIANA OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA PARTO EUTÓCICO. 1) DEFINIÇÃO: PARTO EUTÓCICO. É o conjunto de eventos fisiológicos que conduzem o útero a expulsar o feto a termo e seus anexos. O feto é o responsável pelo desencadeamento do início do parto, disparando

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS]

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] [CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] Somente as cadelas possuem ciclo estral e os machos sentem se atraídos pelas que estão no cio; 2 Ciclo estral (cio) nas cadelas O início dos cios nas cadelas sadias ocorre

Leia mais

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles.

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Publicado em 03/09/2010 por Breno Bracarense, graduando em

Leia mais

Seu bebê chegou, conte com a gente. 1º mês de vida do recém-nascido.

Seu bebê chegou, conte com a gente. 1º mês de vida do recém-nascido. Seu bebê chegou, conte com a gente. 1º mês de vida do recém-nascido. A Fundação Fiat, por meio do Programa Vida Nova, elaborou este material com o intuito de relembrar para as mamães e papais as informações

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

PLANO DE PARTO. , e (gestante) (acompanhante) (bebê)

PLANO DE PARTO. , e (gestante) (acompanhante) (bebê) PLANO DE PARTO, e (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento O plano de parto expressa nossos desejos e preferências para o nascimento do nosso bebê. Nós nos informamos antes

Leia mais

Será que estou grávida?

Será que estou grávida? A UU L AL A Será que estou grávida? - Alzira tá diferente... Tá com a cara redonda, inchada. Está com cara de grávida! - Não sei o que eu tenho. Toda manhã acordo enjoada e vomitando. - A Neide engordou

Leia mais

Hipocalcemia da vaca leiteira

Hipocalcemia da vaca leiteira Hipocalcemia da vaca leiteira Sinonímias paresia obstétrica ou do parto febre vitular hipocalcemia da parturiente Afecção caracterizada por Hipocalcemia fraqueza muscular geral paralisia flácida colapso

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO OVÁRIO E ÚTERO Ovariosalpingohisterectomia Cesariana Ovariosalpingohisterectomia Indicações Inibição do ciclo estral Distúrbios

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR WILTON LIRA

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR WILTON LIRA PROJETO DE LEI Nº 104 / 2012 Disciplina a doação e comercialização de cães e gatos no município de Manaus e dá outras providências. Art. 1º A reprodução de cães e gatos destinados a doação e comercialização

Leia mais

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma.

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma. SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12 Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação Formação de um novo ser encontro do oócito II com espermatozóides Fecundação formação de um ovo desenvolvimento contínuo e dinâmico, com a duração em

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

Tópicos. Reação acrossômica. Implantação embrionária. Desenvolvimento embrionário. Fisiologia da gestação. Parto

Tópicos. Reação acrossômica. Implantação embrionária. Desenvolvimento embrionário. Fisiologia da gestação. Parto Tópicos Reação acrossômica Implantação embrionária Desenvolvimento embrionário Fisiologia da gestação Parto Reação acrossômica Fusão da membrana plasmática do espermatozóide com a membrana externa do acrossomo

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

Para aprender e colorir!

Para aprender e colorir! Para aprender e colorir! A Ampara Animal é uma organização não governamental (ONG) de proteção animal cuja missão é atuar de modo preventivo na transformação da realidade em que se encontram os cães e

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

PIOMETRA: TÉCNICAS CIRÚRGICAS E CLÍNICAS PARA O TRATAMENTO.

PIOMETRA: TÉCNICAS CIRÚRGICAS E CLÍNICAS PARA O TRATAMENTO. PIOMETRA: TÉCNICAS CIRÚRGICAS E CLÍNICAS PARA O TRATAMENTO. BOCARDO, Marcelo HAMZÈ, Abdul L. Discentes de Medicina Veterinária FAMED- GARÇA ZAPPA, Vanessa Doscente de Medicina Veterinária FAMED- GARÇA.

Leia mais

Responsável técnico: Dr. Roberto Azoubel, CREMEB 7340. Rua Baependi, 102, Ondina Salvador/BA. 71 3353-4422 www.nucleodamama.com.br

Responsável técnico: Dr. Roberto Azoubel, CREMEB 7340. Rua Baependi, 102, Ondina Salvador/BA. 71 3353-4422 www.nucleodamama.com.br Responsável técnico: Dr. Roberto Azoubel, CREMEB 7340. Aprenda a se cuidar Car tilha de Prevenção Rua Baependi, 102, Ondina Salvador/BA. 71 3353-4422 www.nucleodamama.com.br A informação é uma das principais

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO. Prof. Dr. José Abdo A. Hellu

COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO. Prof. Dr. José Abdo A. Hellu COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO Prof. Dr. José Abdo A. Hellu OBJETIVOS DO PROTOCOLO: Obter meia (½) fêmeapor ano para reposição. Atingir um pico de lactação por vaca/ano. LIMITAÇÕES Clima e estações

Leia mais

Dicas para a Amamentação. Cuidar e proteger quem mais merece. lanolina anidra pura

Dicas para a Amamentação. Cuidar e proteger quem mais merece. lanolina anidra pura Dicas para a Amamentação Material impresso e distribuído em janeiro/2013. Código: XXXX. MS 2.1087.0299. Cuidar e proteger quem mais merece Cuidar e proteger quem mais merece Para o bebê O leite materno

Leia mais

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Aula 05 Manejo de Ordenha Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Introdução Em geral, a ordenha determina a quantidade e a qualidade do leite. Retorno do investimento

Leia mais

Ficha de Orientação Chinchila

Ficha de Orientação Chinchila Ficha de Orientação Chinchila Um bichinho de pelúcia vivo Por serem animais "tímidos e dóceis" as chinchilas tem conquista um numero crescente de pessoas. Alem do fato de que criar um chinchila não é uma

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.

Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms. Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Sistema Endócrino Composto pelas glândulas endócrinas integra e regula

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Guia Ourofino de limpeza dos ouvidos de cães e gatos. Seguindo estas dicas, você protege e ainda dá carinho ao seu amigo.

Guia Ourofino de limpeza dos ouvidos de cães e gatos. Seguindo estas dicas, você protege e ainda dá carinho ao seu amigo. Guia Ourofino de limpeza dos ouvidos de cães e gatos. Seguindo estas dicas, você protege e ainda dá carinho ao seu amigo. Manter limpos os ouvidos de cães e gatos, além de contribuir para sua saúde e bem-estar,

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

SESSÃO 4: CUIDADO DO RECÉM-NASCIDO SADIO (páginas 45 a 52).

SESSÃO 4: CUIDADO DO RECÉM-NASCIDO SADIO (páginas 45 a 52). Material extraído da publicação: Essential Newborn Care and Breastfeeding - Training modules. WHO Regional Office for Europe, 2002. Disponível em URL: http://www.euro.who.int/document/e79227.pdf [Acessado

Leia mais

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS POR MEIO DE ESTERILIZAÇÃO CIRÚRGICA E EDUCAÇÃO PARA POSSE RESPONSÁVEL

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS POR MEIO DE ESTERILIZAÇÃO CIRÚRGICA E EDUCAÇÃO PARA POSSE RESPONSÁVEL CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS POR MEIO DE ESTERILIZAÇÃO CIRÚRGICA E EDUCAÇÃO PARA POSSE RESPONSÁVEL BUQUERA, Luiz Eduardo C. 1 COSTEIRA, Jessica A. 2 FERREIRA, Rafael de L. 3 BASTOS, Rodolfo M.

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

Ginecologia Bovina. Parto e puerpério. Méd. Vet. Dra. Mara Rubin Laboratório de Embriologia Animal Depto de Clinica de Grandes Animais

Ginecologia Bovina. Parto e puerpério. Méd. Vet. Dra. Mara Rubin Laboratório de Embriologia Animal Depto de Clinica de Grandes Animais Ginecologia Bovina Parto e puerpério Méd. Vet. Dra. Mara Rubin Laboratório de Embriologia Animal Depto de Clinica de Grandes Animais Parto Parto: processo de dar a luz que envolve o preparo para dar a

Leia mais

CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira.

CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira. CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira. Cuidados Iniciais Fornecimento do Colostro Cura do Umbigo Identificação com brinco e tatuagem Remoção de tetas supranumerárias

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

Flushing. Flushing 07/04/2014. Aspectos reprodutivos dos suínos. Aspectos reprodutivos dos suínos

Flushing. Flushing 07/04/2014. Aspectos reprodutivos dos suínos. Aspectos reprodutivos dos suínos DIESTRO 14 dias Corposlúteosmaduros prod.progesterona Útero recebe óvulos fertilizados embriões Fêmeanão-prenhe luteóliseerecomeçodo ciclo Flushing > aportede energiaparaa fêmea10 diasantes dadata prevista

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de animais em Cativeiro Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/8 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO CAPÍTULO 17 InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO 1. CONCEITO Consiste em estimular artiicialmente as contrações uterinas coordenadas e efetivas antes de seu início espontâneo, levando ao desencadeamento do trabalho

Leia mais

AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Aleitamento Materno Exclusivo preferencialmente até os 6 primeiros meses de vida; Ao nascimento, os RN são colocados pele a pele Técnica canguru* Importância do AM

Leia mais