SEGURANÇA DO TRABALHO E A MANUTENÇÃO, O CONFLITO NA GESTÃO? WORK SAFETY AND MAINTENANCE, CONFLICT IN MANAGEMENT?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA DO TRABALHO E A MANUTENÇÃO, O CONFLITO NA GESTÃO? WORK SAFETY AND MAINTENANCE, CONFLICT IN MANAGEMENT?"

Transcrição

1 SEGURANÇA DO TRABALHO E A MANUTENÇÃO, O CONFLITO NA GESTÃO? WORK SAFETY AND MAINTENANCE, CONFLICT IN MANAGEMENT? 1 Gerson Luiz Carneiro, 2 Marcia Regina Werner Schneider Abdala 1 Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais CESCAGE. Curso de Engenharia Civil, Ponta Grossa PR Brasil Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais CESCAGE. Curso de Engenharia Civil, Ponta Grossa PR Brasil. RESUMO: Este trabalho aborda o conflito que pode ocorrer quando da implantação de um programa de manutenção TPM com a legislação trabalhista brasileira no que se refere a desvio de função ou multifuncionalidade do trabalhador, que executa a manutenção autônoma prevista no programa. Tem então a finalidade de iniciar a discussão sobre esta incompatibilidade de ações, uma vez que os conceitos apresentados favorecem o trabalhador e a empresa. Palavras chave: Manutenção. TPM. Segurança do trabalho. Legislação trabalhista. ABSTRACT: This work addresses the conflict that can occur when the implementation of a TPM maintenance program with the Brazilian labor legislation regarding the deviation of function or multifunctionality of the worker, who performs the autonomous maintenance provided for in the program. It then has the purpose of starting the discussion about this incompatibility of actions, since the presented concepts favor the worker and the company. Keywords: Maintenance. PMS. Workplace safety. Labor legislation. 1 INTRODUÇÃO Em praticamente todas as análises de segurança do trabalho que são elaboradas no setor industrial um elemento primordial é a manutenção de máquinas e equipamentos. Isto é evidenciado pelos programas de segurança do trabalho e principalmente nos elementos de prevenção de perdas cujo fundamento baseia-se na ocorrência de uma perda por acidente em uma série seqüencial de causas e efeitos que resultam em danos aos recursos humanos e materiais ou em descontinuação operacional. Conforme TAVARES (2004) o processo de perda compõe-se de três fases distintas: condição potencial de perdas, acidente e perda real ou potencial. A perda real é produto do acidente que pode manifestar-se como lesão ou morte de pessoas, resultados estes afetos a segurança do trabalho, descontinuação do processo normal de trabalho e danos a materiais em equipamentos, instalações ou edificações resultados estes de alçada do setor de manutenção da empresa. Para as perdas materiais, que normalmente podem ser avaliadas apenas em termos de custos de reparo dos elementos e equipamentos danificados, torna-se muito discutível quando se refere ao evento iniciador do acidente, que pode ser a falta de manutenção adequada ao sistema. A extensão da perda, por si só, não define a importância a ser dada ao controle das causas que a originam. Apenas uma análise

2 criteriosa das causas do acidente e de seu potencial de gerar perdas, quer quanto à extensão dos danos, quer quanto à freqüência provável de ocorrência, pode determinar o grau de controle a ser adotado. Para TAVARES (2004) sob o ponto de vista da prevenção de perdas, a manutenção consiste em um conjunto de atividades destinadas a assegurar a conservação dos bens materiais, no período de vida útil estimado. Na realidade, se fossem analisados os elementos de identificação das causas dos acidentes, ver-se-ia que os meios de inibição desses elementos serão, em sua grande maioria, levados à competência do órgão especializado em manutenção da empresa. Uma definição formal de manutenção sob o ponto de vista da gestão de manutenção a combinação de ações técnicas, administrativas e de supervisão, com o objetivo de manter ou recolocar um item em um estado no qual possa desempenhar uma função requerida, ou seja, fazer o que for preciso para assegurar que um equipamento ou máquina opere dentro de condições mínimas de requerimentos e especificações (ABNT, 2004). Assim pode-se dizer que, de acordo com os dois aspectos há necessidade que as empresas adotem programas de manutenção, baseados não apenas no aspecto produtivo, mas também em ações que garantam a segurança do trabalhador quando da operação. Um destes sistemas de manutenção é a Manutenção Produtiva Total ou TPM (Total Productive Maintenance) que segundo SUZUKI (1992) é definido como o método para efetuar a gestão de equipamentos que identifica, elimina e combate as perdas existentes, gerando melhoria na produtividade, maximiza a utilização dos ativos da empresa, aumenta o índice de disponibilidade e confiabilidade dos equipamentos pela integração homem x máquina, garantindo produtos de alta qualidade e preços competitivos. O fato do TPM buscar a integração homem x máquina e o combate as perdas, faz com que este sistema tenha possivelmente uma intima relação com a segurança do trabalho. Porem em um dos pilares básicos onde está sustentada a estrutura do TPM admite-se a manutenção autônoma ou a auto-manutenção o que conflita com um dos princípios básicos da prevenção de acidentes, o desempenho de função especifica da área, ou melhor, o não desvio de função. É, portanto, esta discrepância de entendimentos entre gestão de manutenção por TPM e a gestão de segurança do trabalho que este trabalho procura informar e sugerir uma linha de ação para saná-la. 2 MATERIAL E MÉTODOS Este trabalho consistiu na realização de uma revisão bibliográfica sobre o tema, reunindo e comparando os diferentes dados encontrados nas fontes de consulta de forma a evidenciar o conflito que pode ocorrer quando da implantação de um programa de manutenção TPM com a legislação trabalhista brasileira no que se refere a desvio de função ou multifuncionalidade do trabalhador, que executa a manutenção autônoma prevista no programa. Foram utilizadas como fonte de consulta a CLT e diferentes autores que abordam o programa de manutenção TPM.

3 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 TPM E A MANUTENÇÃO AUTÔNOMA Sendo o TPM o conjunto de atividades onde o compromisso está voltado para o resultado, sua essência esta em atingir à máxima eficiência do sistema de produção, maximizando a vida útil dos equipamentos fazendo o aproveitamento total dos recursos existentes, buscando o melhor controle de perda possível onde os valores se aproximem de zero. Para tanto a participação de todos da cadeia produtiva é essencial, desde o operador do equipamento, equipes especializadas de manutenção, chefias de seção e até os níveis gerenciais. Com o pós-guerra houve a necessidade de desenvolver um tipo de manutenção que se antecipasse ao mau funcionamento dos equipamentos, surgindo inicialmente à Manutenção Preventiva no intuito de ampliar a vida útil dos escassos recursos existentes. Se prevenir as quebras e falhas já melhorou em muito a vida das empresas e mudou os conceitos dos gestores, a possibilidade de ampliar esta capacidade de manutenção aumentando a confiabilidade no equipamento e facilitando os ajustes, veio em seguida com o desenvolvimento da Manutenção por Melhoria. Sendo os projetos de equipamentos elaborados com a consciência em dar pouca ou nenhuma manutenção, surge o conceito de prevenção contra manutenção. É desenvolvida então, no Japão a Manutenção Produtiva Total, que consiste em aumentar a eficiência do projeto e do equipamento, utilizando-se da manutenção autônoma, onde os próprios operários desenvolvem rotinas de inspeção, lubrificação e limpeza e pequenos ajustes necessários para resolver pequenas anomalias que o próprio operador encontrou. Conforme Yamaguchi (2005), as novas tecnologias trouxeram alta precisão e complexidade ao processo produtivo fazendo com que o crescimento da estrutura empresarial acarretasse na centralização das atividades fazendo que o setor operativo se dedicasse apenas a produção e o setor de manutenção se responsabilizasse por todas as funções de manutenção. Esta situação gerou um baixo crescimento e um alto custo de produção uma vez que, a cada chamada da manutenção a operação cessava. Com isso o reconhecimento de que existiam necessidades de atribuir à produção algumas funções de manutenção era inevitável, portanto a manutenção autônoma deveria ser função básica de prevenção contra a deterioração. A manutenção autônoma também poderia ser reconhecida como um processo de capacitação dos operadores, tornando-os aptos a promover em seu posto de trabalho mudanças que garantam a continuidade de produção com altos índices de produtividade. A atividade primordial na manutenção autônoma desenvolvida pelos operadores seria limpar, checar, lubrificar e reapertar porcas e parafusos, deixando o pessoal especializado na conservação se concentrarem nas atividades mais sofisticadas da manutenção. Para a implantação do TPM, cujo processo é continuo, há a necessidade de desenvolver ações que observem e tentem melhorar a qualidade de vida no trabalho

4 do operador pois ele é a principal peça para o sucesso do programa, pois mantém o contato diário com o equipamento (MIRSHAWKA et. al., 1994). A qualificação do trabalhador da produção, destacando-se a conservação de equipamentos, a eficiência global do processo produtivo na operação e a implantação da Manutenção Produtiva Total são elementos de capacitação essenciais para ele se torne parte integrante do sistema de manutenção. A capacidade de detectar anormalidade nos equipamentos além da simples detecção de quebra ou peças defeituosas, mas considerar anomalias dos sistemas antes que ocorra o fato; a capacidade de tratamento e recuperação executando com rapidez as medidas cabíveis e corretas, até o que permite sua capacidade técnica; a capacidade de estabelecer condições, definindo quantitativamente a situação de normalidade para uma atípica, observando os indicadores de manutenção; e a capacidade de controle de situação cumprindo as regras básicas estabelecidas no programa de manutenção autônoma, são as qualidades necessárias ao operador para que os objetivos do TPM sejam alcançados (YAMAGUCHI, 2005). Conforme a metodologia do JIPM (Japan Institute of Plant Maintenance) apresentada por Nakazato (1999), para implantação do TPM considera-se doze etapas distintas: 1ª Etapa Manifestação da alta administração sobre a decisão de introduzir o TPM; onde é necessária a preparação psicológica para colaboração na consecução das expectativas e metas a serem atingidas pelo programa; 2ª Etapa Campanha de divulgação e treinamento para introdução do TPM; para que todos os setores da empresa recebam treinamento introdutório com esclarecimentos e conscientização sobre o programa; 3ª Etapa Estrutura e implantação do TPM; objetiva criar uma estrutura básica para promover o programa formado comissões e equipes de forma a construir e executar os itens estabelecidos nas diversas áreas do projeto como, divulgação, treinamento, manutenção programada, controle de equipamentos e outras; 4ª Etapa Estabelecimento de diretrizes básicas e metas para o TPM; uma vez que o programa deve fazer parte da administração geral da empresa, complementando até do plano de produção é importante definir claramente a maneira que se quer que o TPM funcione; 5ª Etapa Elaboração do Plano Diretor para implantação do TPM; seria a elaboração de um plano de metas que englobe desde os preparativos da introdução do programa até a avaliação de seu Plano de Manutenção, nesse período deve-se medir sua ascensão nos setores da empresa; 6ª Etapa Inicio do Programa de TPM; aos a fase preparatória, enfrenta-se o desafio de zerar as possíveis perdas com equipamentos, fazendo com que cada operador compreenda as diretrizes da empresa, atingindo as metas propostas, motivando-os a participar do desafio de ultrapassar os limites atuais; 7ª Etapa Melhoria individualizada nos equipamentos para maior rendimento operacional; para que haja melhorias individuais utilizam-se métodos como a engenharia industrial, o controle de qualidade, etc., a fim de elevar o rendimento do equipamento; 8ª Etapa Estruturação para a manutenção espontânea; para fazer com que cada trabalhador se encarregue de cuidar efetivamente de seu próprio equipamento, habilitação para executar a manutenção necessária espontaneamente.

5 9ª Etapa Estruturação da manutenção programada pelo departamento de manutenção; produção e manutenção se complementam sendo que a ultima desenvolve um planejamento de manutenção, aliando também a modalidade de incorporação de melhorias; 10ª Etapa Treinamento para a melhoria do nível de capacitação da operação e manutenção; desenvolve novas habilidades e conhecimentos tanto para o pessoal da produção quanto da manutenção. 11ª Etapa Estruturação do controle da fase inicial de operação dos equipamentos; etapa em que as melhorias devem ser efetivadas, destinandose os resultados para a conquista da falha zero; 12ª Etapa Execução total do TPM e elevação do nível geral; consolidação da TPM onde se pode apreciar o seu desempenho satisfatório. As etapas oito, nove e dez, descrevem a constituição de um dos principais pilares do sistema TPM que é a manutenção autônoma. Para o desenvolvimento da manutenção autônoma e espontânea é necessário desenvolver treinamentos a dada fase da operação e sua correlata manutenção, sendo necessário proceder a avaliações constantes para que os passos seguintes da implantação do TPM sejam possibilitados. Os sete passos do desenvolvimento das habilidades dos operadores estabelecidos pelo JIPM, já determinam as ações esperadas dos trabalhadores em relação à conservação de seus equipamentos. Na limpeza onde há a possibilidade de inspeção visual permite a verificação de defeitos e se possível a reparação imediata; as medidas para eliminar as fontes de sujeira e locais de difícil acesso devem iniciar com a melhoria nos equipamentos, possibilitando rever os locais de onde a acessibilidade é dificultada para reduzir-se o tempo de limpeza e lubrificação. A elaboração de normas e procedimentos para a limpeza e lubrificação, já contemplando os itens para o processo de inspeção deve ter caráter geral em primeira instancia e caráter particular em um segundo momento uma vez que as máquinas a operar podem ser diferentes. O treinamento para proceder a inspeção geral e efetivo reparo carece de conhecimento da atividade desenvolvida e do modo de operação do equipamento, o que já estabelece conhecimento prático para proceder a inspeção espontânea que pode possibilitara manutenção das condições de desempenho originalmente concebidas. As padronizações de ações determinam as ações necessárias para o controle das estações de trabalho e sua manutenção e a efetivação do autocontrole ou gerenciamento autônomo concorrem para a utilização das habilidades adquiridas nos passos anteriores dando sustentação à manutenção espontânea e as atividades de melhorias de equipamentos. 3.2 VISÃO DA SEGURANÇA DO TRABALHO O panorama trivial sobre um acidente de trabalho é aquele vinculado ao trabalhador que acabou de sofrer uma lesão, porem é conveniente não esquecer que os acidentes causam inúmeros prejuízos, que são computados como perdas. Quando acontece um acidente, além de lesões, máquinas e equipamentos podem ser

6 quebrados ou danificados paralisando linhas de produção, atrasando entregas e causando perdas financeiras que às vezes levam tempo para voltar ao normal, também as questões de pagamentos de compensações e indenizações podem originar perdas. Conforme o que descreve a CLT no que tange a definição legal de acidente de trabalho, traduz o mesmo apenas como um fato ocorrido com o trabalhador tendo como envoltória o local de trabalho: Acidente do trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal, perturbação funcional ou doença, que cause morte, ou perda ou redução, permanente ou temporária da capacidade para o trabalho. Já a conceituação de acidente de trabalho na visão prevencionista da segurança do trabalho, determina: Acidentes de trabalho são todas as ocorrências não programadas, estranhas ao andamento normal do trabalho, dos quais poderão resultar danos físicos e/ou funcionais, ou morte do trabalhador e danos materiais e econômicos à empresa. Então para a segurança do trabalho, o acidente no ponto de vista prevencionista ocorre sempre que um fato não programado modifica ou põe fim a realização de um trabalho o que ocasiona sempre no mínimo perda de tempo. A filosofia básica da prevenção de acidentes é que, o posto de trabalho seja planejado e organizado disposto conforme as normas de Segurança do Trabalho e que o trabalhador tenha as informações necessárias e suficientes para prover a tranqüilidade no desempenho de sua função o que seguramente promoverá aumento de produtividade. A empresa necessita manter programas de educação em segurança e operação para os seus trabalhadores a fim de que se transforme o ambiente de trabalho em um local onde todos são responsáveis pela qualidade de vida no trabalho. O cumprimento das normas de segurança e o fazer cumprir são responsabilidade das empresas cabendo ao Ministério do Trabalho e Emprego - MTE através das Delegacias Regionais do Trabalho - DRT e aos Sindicatos identificarem o que está errado e aplicar as medidas necessárias para sanar o problema. Muitos acidentes realmente terminam em óbitos ou incapacidade permanente, fazendo com que todo o investimento em treinamento seja perdido. Em relação à vida do trabalhador os meios materiais são irrelevantes porem a questão das perdas não pode ser ignorado. Se determinado bem é extinto ou certo tempo foi perdido, não há mais como recuperá-los. A empresa pode dispor de um seguro ou uma reserva de capital para recompor os danos, mas estes os valores não retornam mais ao caixa da empresa e alguém vai arcar com esses valores. Todo acidente é nocivo em todos os aspectos em que se pode analisar, sofrem as pessoas (incapacidade) - este é o lado humano do acidente, as empresas (perdas) e o mercado (produto) este é o lado econômico do acidente, a sociedade (inválidos) e a nação (pensões) este é o lado social do acidente. Os acidentes e os enormes prejuízos por eles causados, já devem estar em pauta nas empresas há muito tempo. Uma política de Segurança do Trabalho bem

7 implementada, uma consciência empresarial moderna focada na prevenção e a integração com a operação e a manutenção, são fatores decisivos para uma empresa ser saudável e economicamente viável. Quando da ocorrência de um acidente de trabalho, este sem dúvida adveio de falhas humanas tanto no campo técnico como no administrativo ou administrativo e dão origem aos dois principais agentes da cadeia do acidente. São chamados de atos inseguros- praticados pelas pessoas no desempenho de suas funções e condições inseguras - criadas ou mantidas no ambiente pelos mais diversos motivos, aparentes ou não, determinados pela ação administrativa. Para a caracterização do acidente de trabalho, conforme conceito acolhido pela lei é necessário que se constate a existência do nexo causal entre o efeito (dano pessoal ao empregado) e a causa (o trabalho executado pelo empregado). O nexo causal deve determinar que, o acidente ocorrido provocou lesão no trabalhador, em seu posto de trabalho e compatível com a atividade desenvolvida (aquela para que foi contratado) O CONFLITO DOS PROGRAMAS DE SEGURANÇA E DE MANUTENÇÃO TPM Para a segurança do trabalho um operador de máquina não pode ser o responsável pela manutenção do equipamento que ele opera. As empresas devem que ter um departamento específico de manutenção. A empresa tem a responsabilidade de entregar ao funcionário um equipamento que esteja seguro e em pleno funcionamento. Por isso existem os vários tipos de manutenção que visam detectar os problemas que possam acontecer na linha de produção antes que os equipamentos sejam ligados (RIBEIRO, 2008). Seria considerado um desvio de função um operador de máquina fazer às vezes de um mecânico de manutenção sem ter sido contratado para tal. Cabe ao operador relatar as falhas ocorridas com o equipamento durante o seu turno ou logo após o término deste. Caso o problema tenha comprometido o rendimento da máquina, deverá ser feita uma descrição detalhada no livro de ocorrências, facilitando para os Mecânicos de Manutenção a identificação do problema. Quando o operador deixa de informar ao seu superior imediato os problemas no equipamento, ele está sendo negligente (RIBEIRO, 2008). Esta caracterização de desvio de função, mesmo que o trabalhador possa ter tido autorização expressa da empresa para fazê-lo, pode não ter amparo legal uma vez que o contrato de trabalho determina sua atividade em outro cargo. Também no caso de acidente o nexo causal pode não ser evidenciado, pois se a lesão não for característica da função pode ser atribuído por um ato inseguro, o que pode distorcer o entendimento quando do pagamento de seguros ou indenizações, prejudicando o trabalhador. Se há uma determinação da empresa que só o pessoal técnico pode fazer a manutenção dos equipamentos, nenhum outro funcionário poderá descumprir essa ordem, se alguém o fizer, estará desviando da sua função, o que é passível de punição e dependendo da gravidade, poderá até ser suspenso ou demitido por justa causa. O Operador de Máquinas deve deixar para o pessoal técnico a resolução dos problemas que porventura vierem a acontecer com a máquina. Não se deve esquecer que a empresa também deve manter um programa de treinamentos e reciclagens para os

8 Operadores de Máquinas para que estes executem o seu trabalho com o máximo de cuidado, procurando extrair da máquina somente a capacidade que esteja no manual técnico do fabricante. Máquinas e Equipamentos são de fundamental importância para a empresa, pois além de custarem caro, são responsáveis pela produção. A empresa que não mantém um programa de manutenção para as máquinas e treinamentos para o pessoal operacional pode ter sérios prejuízos financeiros diante do mau uso ou a falta de manutenção desses equipamentos (Ribeiro, 2008). Nos casos em que as empresa, por pressa ou ingenuidade, tentam praticar a polivalência sem suficiente conscientização prévia dos chefes de produção (gerentes e/ou supervisores) e funcionários operacionais, corre sérios risco de terem ajuizado na Justiça do Trabalho ações da parte de ex-funcionários, requerendo vencimentos adicionais. Estes alegam, geralmente, terem exercido funções acumuladas, já que a questão específica da multifuncionalidade não se encontra regulamentada na Consolidação das leis do trabalho (CLT) (SANTINI et. al. 1998) Conforme a CLT Consolidação das leis do trabalho, a questão defendida acima pelo autor não está estritamente clara no único artigo que trata de desvio de função: Art A prova do contrato individual do trabalho será feita pelas anotações constantes da CTPS, ou por instrumento escrito e suprido por todos os meios permitidos em direito. único - À falta de prova ou inexistindo cláusula expressa a tal respeito, entender-se-á que o emprego se obrigou a todo e qualquer serviço compatível com a sua condição pessoal. Pode-se verificar o fato de a (CLT) não especificar a polivalência fazendo uma revisão em seu conteúdo em uma versão atualizada, comprova-se que a CLT ainda não faz referência explícita à polivalência, apenas trata de questões afins, das quais se destacam a mudança de função (Portaria nº 3046), a prevenção da fadiga no trabalho (artigo 198) e a segurança e medicina do trabalho (Portaria nº 3214). Em resumo, pode-se dizer a CLT não contempla com clareza esse tipo de relação empregado/empregador proposto pelas modernas filosofias de administração da produção, como os sistemas de produção baseados em trabalhos em equipe. Os sistemas de polivalência experimentados pelas empresas ficam, portanto, à mercê de julgamentos que, via de regra, não podem ser previstos. As jurisprudências existentes atestam ao que foi corroborado anteriormente (Santini et. al. 1998). O nível técnico das tarefas produtivas mais simples parece ser um importante item modificador das condições de uma organização industrial para os sistemas de multifunções como proposta pela manutenção produtiva total. Quando elas requerem conhecimento técnico específico (como no TPM), então a prática da multifuncionalidade exige maiores esforços em treinamento, mas em contrapartida os trabalhadores mais qualificados terão um grau maior de discernimento para compreender e assimilar as suas vantagens proporcionadas por tal sistema de trabalho (SANTINI et. al. 1998).

9 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O fato de existir uma legislação trabalhista que, a princípio protege o trabalhador de empresários mal-intencionados, mas pode limitar a implantação de um sistema de auxilio ao aumento da produção, por si só já é suficiente para ser avaliada. Porém, conforme foi exposto a legislação não é contundente no fato de não ser possível as multifunções, apenas estabelece um fato que pode ser agravado com a ocorrência de acidentes ou ações judiciais, pois as jurisprudências existentes reconhecem como infração a legislação trabalhista. O reconhecimento da existência da manutenção autônoma pelos órgãos fiscalizadores, principalmente sindicatos e a inserção desta modalidade nas convenções trabalhistas seria um passo a mais na consideração desta multifunção dentro do mundo do trabalho. Uma vez que o sistema de manutenção TPM baseia-se sobremaneira na polivalência funcional dos operadores de máquinas uma vez que a condição técnica dos trabalhos produtivos aumenta com a necessidade de trabalhos de reparo e para tanto se tem que investir no crescimento de suas capacidades e potencialidades, e é claro que o trabalhador tem um ganho pessoal apreciável, que precisa ser reconhecido. Muito importante é que este sistema também possibilita a extinção do gargalo que pode ocorrer na produção com a necessidade de remeter toda e qualquer dificuldade, que não seja operação pura, para os setores de manutenção. Portanto os pontos positivos relacionados a ganhos particularizados aos trabalhadores parecem superiores ao incomodo da legislação, denotando a necessidade ser revisada. REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5462: Confiabilidade e Manutenabilidade. Rio de Janeiro, ATLAS, Equipe. Legislação de Segurança e medicina do trabalho. 54ª ed. São Paulo: Atlas, CLT SARAIVA. CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO. 35ª ed. São Paulo: Editora Saraiva MIRSHAWKA, V., OLMEDO, N.L., TPM a moda brasileira, São Paulo: Makron Books, NAKAZATO, Koichi. Manual de Implementação do TPM. JIPM - Japan Institute of Plant Maintenance. São Paulo: IMC, RIBEIRO, Valdeci T., O acidente de trabalho e as perdas materiais Artigo. Acessado em 05 de dezembro de 2008, no sítio: SANTINI, B., GODOY, L. P. e GOMES, L. A. V. N. A polivalência funcional na industria brasileira: um estudo de caso. Artigo apresentado no XI Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP): Gramado, RS, 1998, 08 p. SUZUKI, Tokutaro. New Directions for TPM. Portland (OR EUA) Productivity Press, Inc., 1994.

10 TAVARES, Lourival. Excelência na manutenção. Salvador: Casa da Qualidade Editora, TAVARES, José da Cunha. Noções de prevenção e controle de perdas em segurança do trabalho, 5ª ed. São Paulo: SENAC, YAMAGUCHI, Carlos Toshio. TPM Manutenção produtiva total. São João Del Rei: ICAP, 2005.

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL 1 MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL A manutenção produtiva total, conhecida pela sigla TPM, que tem origem nas palavras em inglês total productive maintenance. 5 1 MANUTENÇÃO PRODUTIVA

Leia mais

Elaboração e implantação de um plano de manutenção produtiva total (TPM) em uma fazenda do município de Medeiros MG

Elaboração e implantação de um plano de manutenção produtiva total (TPM) em uma fazenda do município de Medeiros MG Elaboração e implantação de um plano de manutenção produtiva total (TPM) em uma fazenda do município de Medeiros MG Estefânia Paula da Silva (1) ; Rafaela Leite das Chagas (1) ; Rodrigo Caetano Costa (2)

Leia mais

TPM Modelo de Gestão para a Excelência Produtiva 31 de Outubro de 2018

TPM Modelo de Gestão para a Excelência Produtiva 31 de Outubro de 2018 TPM Modelo de Gestão para a Excelência Produtiva 31 de Outubro de 2018 Marcio Ferreira A Competição Global Antigamente Custo Operacional Preço da Venda Lucro Hoje Custo Operacional Preço de Mercado Lucro

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO Curso: Engenharia de Produção Disciplina: GESTÃO DA MANUTENÇÃO Prof. Eduardo Morais 1 O QUE É MANUTENÇÃO? Manutenção é o termo usado para abordar a forma pela qual as organizações tentam evitar as falhas

Leia mais

Gestão da Manutenção.

Gestão da Manutenção. Gestão da Manutenção carloreg@sc.usp.br carlos.regattieri@fatec.sp.gov.br Definição de Manutenção ð A Função Manutenção é a combinação de todas as ações técnicas e administrativas, destinadas a manter

Leia mais

FUNDAÇÃO OSVALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA CURSO DE ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

FUNDAÇÃO OSVALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA CURSO DE ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL FUNDAÇÃO OSVALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA CURSO DE ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL TPM Por Alexandre F. C. França Leandro M. M. Zerbone Tiago Correa Fidélis Profº Luiz Kelly

Leia mais

Manutenção Industrial

Manutenção Industrial Manutenção Industrial Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Manutenção... 3 3. Tipos de Manutenção... 4 4.Vantagens e Importância da Manutenção... 8 5. Manutenção e Qualidade... 10 6. Plano de Manutenção...

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO

SEGURANÇA DO TRABALHO Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi SEGURANÇA DO TRABALHO Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Programa Normas Regulamentadoras; Higiene no trabalho;

Leia mais

TPM Manutenção Produtiva Total

TPM Manutenção Produtiva Total TPM Manutenção Produtiva Total TPM A TPM é um modelo de gestão que busca a Eficiência máxima do sistema produtivo através da eliminação de perdas e do desenvolvimento do homem e sua relação com o equipamento.

Leia mais

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora).

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). 5453 - Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). Aula 1 Capítulo 1 - Fundamentos do TPM 1. Origem...26 2. Conceitos...28 3. Etapas de Implantação... 31 4.

Leia mais

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA.

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. Bem vindos ao Treinamento sobre Conceitos Básicos de Manutenção da... AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. ELÉTRICA ELETRÔNICA MECÂNICA HIDRÁULICA PNEUMÁTICA AZ PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUTOMAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇAÕ DE EQUIPAMENTO - PME

PROGRAMA DE MANUTENÇAÕ DE EQUIPAMENTO - PME PROGRAMA DE MANUTENÇAÕ DE EQUIPAMENTO - PME LICENÇA AMBIENTAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LAI E LAO 71.80.00 - Recuperação de Áreas Degradadas Empreendimento: Rua Bertolina May Kechelle, s/n Bairro Mulde

Leia mais

Quebra de Máquinas. 3ª Edição Março/2016

Quebra de Máquinas. 3ª Edição Março/2016 Quebra de Máquinas A Revolução Industrial significou um grande avanço no processo de produção de bens. O trabalho exclusivamente manual foi substituído pelo uso de máquinas, resultando na produção de maior

Leia mais

Processo Organizacional

Processo Organizacional Processo Organizacional Controle Controlar significa garantir que aquilo que foi planejado seja bem executado e que os objetivos estabelecidos sejam alcançados adequadamente. Monitoramento está presente

Leia mais

11º ENTEC Encontro de Tecnologia: 16 de outubro a 30 de novembro de 2017

11º ENTEC Encontro de Tecnologia: 16 de outubro a 30 de novembro de 2017 A APLICABILIDADE DA NORMA OHSAS 18001 NO SETOR MINERAL: ÊNFASE NA GEOLOGIA DE LONGO PRAZO Cristiana Aparecida da Silva 1 ; Francisco de Assis da Silva Junior 2 1,2 Universidade de Uberaba cristiana12silva@gmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN

SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN Manutenção Produtiva Total Prof a Carla R. Pereira 1 FOCO NOS EQUIPAMENTOS Foco nos equipam entos Redução de setup Prevenção

Leia mais

MANUTENÇÃO MECÂNICA GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO. João Mario Fernandes

MANUTENÇÃO MECÂNICA GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO. João Mario Fernandes MANUTENÇÃO MECÂNICA GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO João Mario Fernandes Conceito: A manutenção para ser estratégica precisa estar voltada para os resultados empresariais da organização. A Função Manutenção

Leia mais

OEE como ferramenta de melhoria da eficiência de equipamentos e processos industriais

OEE como ferramenta de melhoria da eficiência de equipamentos e processos industriais Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Manutenção - Turma nº 04 28 de janeiro 2017 OEE como ferramenta de melhoria da eficiência de equipamentos e processos industriais Túlio da

Leia mais

POLÍTICA SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA SEGURANÇA DO TRABALHO. MISSÃO Atender com excelência às demandas de nossos clientes, fornecendo serviços adequados as suas necessidades e expectativas. VALORES Queremos relacionamentos de longo

Leia mais

RBI - RISK BASED INSPECTION O QUE É PRECISO SABER?

RBI - RISK BASED INSPECTION O QUE É PRECISO SABER? RBI - RISK BASED INSPECTION O QUE É PRECISO SABER? UMA DISCUSSÃO CONCEITUAL SOBRE OS RISK BASED INSPECTION E SUA IMPORTÂNCIA NO GERENCIAMENTO DE INTEGRIDADE ABRIL/2018 Equipe Técnica SGS Função - INDUSTRIAL,

Leia mais

E-book: como implementar um checklist para promover a segurança do trabalho

E-book: como implementar um checklist para promover a segurança do trabalho E-book: como implementar um checklist para promover a segurança do trabalho Introdução 3 O que é checklist e qual sua importância na segurança do trabalho? 5 Quais as principais vantagens da sua implementação?

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (MPT) TOTAL PRODUCTIVE MAINTENANCE (TPM)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (MPT) TOTAL PRODUCTIVE MAINTENANCE (TPM) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (MPT) TOTAL PRODUCTIVE MAINTENANCE (TPM) INTRODUÇÃO O sistema just-in-time é o tipo de sistema que utiliza o mínimo de estoque de matéria-prima quanto de produto acabado. Para

Leia mais

Riscos ambientais empresariais. 4.1 Programa de prevenção de acidentes (PPRA)

Riscos ambientais empresariais. 4.1 Programa de prevenção de acidentes (PPRA) Capítulo 4 Riscos ambientais empresariais Segundo o artigo 9.1.5 da Portaria n 25, de 29.12.94, do Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho, considera-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos

Leia mais

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. ELÉTRICA ELETRÔNICA MECÂNICA HIDRÁULICA PNEUMÁTICA

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. ELÉTRICA ELETRÔNICA MECÂNICA HIDRÁULICA PNEUMÁTICA Bem vindos ao treinamento de TPM da... AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. ELÉTRICA ELETRÔNICA MECÂNICA HIDRÁULICA PNEUMÁTICA AZ PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA.

Leia mais

Gerenciamento da Manutenção. Competência: Proporcionar ao aluno conhecimentos para planejar e administrar a manutenção.

Gerenciamento da Manutenção. Competência: Proporcionar ao aluno conhecimentos para planejar e administrar a manutenção. Gerenciamento da Manutenção Competência: Proporcionar ao aluno conhecimentos para planejar e administrar a manutenção. Conhecer, identificar e caracterizar e aplicar as técnicas de detecção e análise de

Leia mais

Gerencial Industrial ISO 9000

Gerencial Industrial ISO 9000 Gerencial Industrial ISO 9000 Objetivo: TER UMA VISÃO GERAL DO UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE: PADRÃO ISO 9000 Qualidade de Processo Qualidade do produto não se atinge de forma espontânea. A qualidade

Leia mais

Estratégias de Manutenção Industrial

Estratégias de Manutenção Industrial www.manufacturing.com.br Estratégias de Manutenção Industrial Autor: Luis Carlos Morschbacher Formação: Eng.º de Produção pela Universidade do Vale do Rio do Sinos - UNISINOS & MBA em Gestão Executiva

Leia mais

Capítulo 14 Melhora na Gestão de Segurança e Medicina do Trabalho

Capítulo 14 Melhora na Gestão de Segurança e Medicina do Trabalho Capítulo 14 Melhora na Gestão de Segurança e Medicina do Trabalho slide 1 Objetivos de aprendizagem 1. Conhecer as principais Normas Regulamentadoras do Trabalho (NR). 2. Identificar causas de acidentes

Leia mais

NORMA DA INFRAERO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS (DARH) 12/JAN/2005

NORMA DA INFRAERO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS (DARH) 12/JAN/2005 ASSUNTO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS (DARH) CÓDIGO DE CONTROLE DATA DA APROVAÇÃO DATA DA EFETIVAÇÃO ANEXOS - 02 -

Leia mais

16 ANOS Avaliação das Práticas da Manutenção Avaliação das Práticas da Manutenção. Base para o Projeto de Melhoria Contínua

16 ANOS Avaliação das Práticas da Manutenção Avaliação das Práticas da Manutenção. Base para o Projeto de Melhoria Contínua Avaliação das Práticas da Manutenção Base para o Projeto de Melhoria Contínua Avaliação das Práticas da Manutenção (APM) Base para o Projeto de Melhoria Contínua JWB Engenharia: Empresa nacional de consultoria

Leia mais

Sistema de Gestão Segurança e Saúde do Trabalho (SGSSO) ESTRUTURA ISO 45001:2018

Sistema de Gestão Segurança e Saúde do Trabalho (SGSSO) ESTRUTURA ISO 45001:2018 Sistema de Gestão Segurança e Saúde do Trabalho (SGSSO) ESTRUTURA ISO 45001:2018 Definição: Objetivos: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento de controle e melhoria do nível de desempenho

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO (60 h)

HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO (60 h) HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO (60 h) AULA 04 ACIDENTE DE TRABALHO Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Combinação de fatores, entre os

Leia mais

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Fernanda Villar Corrêa Vídeos - Empresa como Sistema - Gestão da Qualidade como Subsistema - Envolvem métodos de produção, avaliação

Leia mais

Sistema de Gestão Segurança e Saúde Ocupacional (SGSSO) ESTRUTURA ISO :2016

Sistema de Gestão Segurança e Saúde Ocupacional (SGSSO) ESTRUTURA ISO :2016 Sistema de Gestão Segurança e Saúde Ocupacional (SGSSO) ESTRUTURA ISO 45.001:2016 Definição: Objetivos: ESTRUTURA ISO 45.001:2016 Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento de controle e

Leia mais

Gustavo Cordeiro Dos Santos 2, Patrícia Gomes Dallepiane 3.

Gustavo Cordeiro Dos Santos 2, Patrícia Gomes Dallepiane 3. ANÁLISE DA GERAÇÃO HIDRELÉTRICA DO RS SOB SUAS CARACTERISTICAS CONSTRUTIVAS, TEMPO DE VIDA E REQUISITOS DE MANUTENÇÃO PARA O CONTEXTO ENERGÉTICO NACIONAL 1 Gustavo Cordeiro Dos Santos 2, Patrícia Gomes

Leia mais

TPM - Guia de implantação A metodologia para o sucesso do TPM

TPM - Guia de implantação A metodologia para o sucesso do TPM Haroldo Ribeiro Haroldo Ribeiro TPM - Guia de implantação A metodologia para o sucesso do TPM Após escrever vários livros sobre o TPM, o Consultor Haroldo Ribeiro, vivenciando a implantação do TPM em todas

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade (MCC)

Manutenção Centrada em Confiabilidade (MCC) Origem MCC Manutenção Centrada em Confiabilidade (MCC) Anos 50: disciplinas de engenharia da confiabilidade Objetivo: estimar a confiabilidade de componentes, sistemas mecânicos e sistemas elétricos (principalmente).

Leia mais

NR 1 DISPOSIÇÕES GERAIS. Portaria de 08 de junho de 1978

NR 1 DISPOSIÇÕES GERAIS. Portaria de 08 de junho de 1978 NR 1 DISPOSIÇÕES GERAIS Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 1, cujo título é Disposições Gerais, estabelece o campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de Segurança

Leia mais

Aula 03 Conceitos Atuais de Manutenção

Aula 03 Conceitos Atuais de Manutenção TPM. (Total Productive Maintenance): O TPM consiste em um procedimento de administração da manutenção que teve início por volta dos anos 50 e apresentou resultados expressivos na economia Japonesa na década

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Aula 09 Prof. Ewerton Monti Objetivo principal das empresas: Satisfação das necessidades das pessoas. Incluindo consumidores, empregados, acionistas, sociedade, fornecedores

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. O que é isto???

CMM Capability Maturity Model. O que é isto??? CMM Capability Maturity Model O que é isto??? Material Didático: A.S. Afonso Pinheiro Analista de Sistemas da DBA Engenharia e Sistemas Ltda. CMM Capability Maturity Model Material didático desenvolvido

Leia mais

MANUAL DE RECURSOS HUMANOS

MANUAL DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DE RECURSOS HUMANOS OBJETIVO O Manual de Recursos Humanos da Associação de Cultura, Educação e Assistência Social Santa Marcelina, denominada SMC, tem como objetivo apresentar as políticas, normas

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento. Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento. Instrutor: José Roberto Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 5 S Introdução PROGRAMA 5 S Surgiu no Japão final da década de 60 - É a visão sistêmica de todos os agentes envolvidos no processo produtivo,

Leia mais

Plano de Continuidade. Plano de Continuidade. Plano de Contingência. Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas.

Plano de Continuidade. Plano de Continuidade. Plano de Contingência. Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas. Plano de Contingência Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Faculdade Taboão da Serra 2 Procedimentos definidos formalmente para permitir que os serviços de processamento de dados

Leia mais

NEM TODA SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE MÁQUINA É MELHORIA

NEM TODA SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE MÁQUINA É MELHORIA Faculdade Ietec Pós-graduação Engenharia de Processos - Turma 26 16 de outubro de 2016 NEM TODA SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE MÁQUINA É MELHORIA Fernando Henrique de Oliveira fernandohenrique.o@gmail.com RESUMO

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Procedimentos Específicos. Sistemas Contábeis e Controles Internos Parte 2. Prof. Cláudio Alves

CONTABILIDADE GERAL. Procedimentos Específicos. Sistemas Contábeis e Controles Internos Parte 2. Prof. Cláudio Alves CONTABILIDADE GERAL Procedimentos Específicos Prof. Cláudio Alves Controles Internos Representam o planejamento organizacional de todos os métodos e procedimentos adotados dentro de uma empresa, a fim

Leia mais

2º Prêmio SICEPOT-MG Boas Práticas em Saúde e Segurança no Trabalho. Programa Produtividade Segura

2º Prêmio SICEPOT-MG Boas Práticas em Saúde e Segurança no Trabalho. Programa Produtividade Segura 2º Prêmio SICEPOT-MG Boas Práticas em Saúde e Segurança no Trabalho Programa Produtividade Segura O que é terraplenagem? É o conjunto de operações de escavação, carga, transporte, descarga, compactação

Leia mais

PRODUTIVIDADE E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MFMEA Analise dos Efeitos e Modos da Falha

PRODUTIVIDADE E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MFMEA Analise dos Efeitos e Modos da Falha PRODUTIVIDADE E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MFMEA Analise dos Efeitos e Modos da Falha Profº Drº Carlos Roberto Regattieri carlos.regattieri@fatectq.edu.br 1 MFMEA MACHINE FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS MF.M.E.A.

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II [Qualidade] Adriano J. Holanda 7/8/2017 Qualidade Definição: Do latim qualitas, qualidade é um atributo ou propriedade. Em negócios, engenharia e manufatura, qualidade tem o significado

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes. Gestão de Segurança da Informação Prof. João Henrique Kleinschmidt

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes. Gestão de Segurança da Informação Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gestão de Segurança da Informação Prof. João Henrique Kleinschmidt Como a SI pode ser obtida? Implementando CONTROLES, para garantir que os objetivos de segurança

Leia mais

INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES E INCIDENTES NORMA DE SEGURANÇA OBRIGATÓRIA PARA TODAS AS EMPRESAS INSTALADAS NO POLO

INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES E INCIDENTES NORMA DE SEGURANÇA OBRIGATÓRIA PARA TODAS AS EMPRESAS INSTALADAS NO POLO 1. OBJETIVO Orientar, disciplinar e estabelecer critérios para comunicação e registro de investigação e análise de Acidentes e Incidentes do Trabalho entre as empresas associadas do COFIC. Servir como

Leia mais

Conselheiro Titular do CREA - RJ Membro da DTE do Clube de Engª. - RJ Diretor Secretário da SOBES - RJ Presidente da ABPA - SP RJ, 29 de Outubro de

Conselheiro Titular do CREA - RJ Membro da DTE do Clube de Engª. - RJ Diretor Secretário da SOBES - RJ Presidente da ABPA - SP RJ, 29 de Outubro de Conselheiro Titular do CREA - RJ Membro da DTE do Clube de Engª. - RJ Diretor Secretário da SOBES - RJ Presidente da ABPA - SP RJ, 29 de Outubro de 2001 O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade A Elétrica Sena Campos, empresa prestadora de serviços no ramo de manutenção elétrica tem como principal valor preservar a integridade física, mental

Leia mais

ÍNDICE: Av. Fagundes Filho, º andar Vila Monte Alegre - São Paulo - SP -Brasil Página 2 de 7

ÍNDICE: Av. Fagundes Filho, º andar Vila Monte Alegre - São Paulo - SP -Brasil   Página 2 de 7 ÍNDICE: 1.1. Aplicabilidade 1.2. Objetivo 1.3. Princípios Norteadores 1.4. Recuperação do Negócio e das Atividades 1.5. Testes de Contingência 1.6. Plano de Continuidade 1.7. Disposições Gerais 1.8. Vigência

Leia mais

CURSO DE FACILITADORES WORLD CLASS ASSETS MANAGEMENT. 10 a 13 DEZ "Global partner for training and knowledge improvement"

CURSO DE FACILITADORES WORLD CLASS ASSETS MANAGEMENT. 10 a 13 DEZ Global partner for training and knowledge improvement CURSO DE FACILITADORES WORLD WC AM CLASS ASSETS MANAGEMENT 10 a 13 DEZ 2018 "Global partner for training and knowledge improvement" GESTÃO "Global Partner for Training and DE ATIVOS No ambiente industrial

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof.: Heloisa Campos COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL SATISFAÇÃO DOS CLIENTES! INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Projeto e Planejamento da Indústria Química

Projeto e Planejamento da Indústria Química Indústria Química Prof. Marcus V. Americano da Costa F o Departamento de Engenharia Química Universidade Federal da Bahia Salvador-BA, 16 de maio de 2017. Sumário Sumário Projeto Um projeto é definido

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

ISO 9001: Abordagem de processo

ISO 9001: Abordagem de processo ISO 9001:2008 0.2. Abordagem de processo Apesar dos requisitos da ISO 9001 propriamente ditos só começarem no item 4 da norma, o item 0.2 Abordagem de processo, é uma exigência básica para a aplicação

Leia mais

Profa. Daciane de Oliveira Silva BIBLIOGRAFIA; CHIAVENATO, Idalberto. Administração da produção: uma abordagem introdutória Capítulo 4

Profa. Daciane de Oliveira Silva BIBLIOGRAFIA; CHIAVENATO, Idalberto. Administração da produção: uma abordagem introdutória Capítulo 4 Profa. Daciane de Oliveira Silva BIBLIOGRAFIA; CHIAVENATO, Idalberto. Administração da produção: uma abordagem introdutória Capítulo 4 O que significa traçar o sistema de produção? Significa criar um ambiente

Leia mais

Módulo 7. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.3.3, 4.4, 4.4.1, 4.4.2, 4.4.3, 4.4.4, Exercícios

Módulo 7. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.3.3, 4.4, 4.4.1, 4.4.2, 4.4.3, 4.4.4, Exercícios Módulo 7 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 4.3.3, 4.4, 4.4.1, 4.4.2, 4.4.3, 4.4.4, 4.4.5 Exercícios 4.3 Planejamento 4.3.3 Objetivos e metas e programa de gestão ambiental A organização deve

Leia mais

1

1 Unidade 01 Conceitos: Planejamento - Estratégia é uma técnica administrativa que, através da análise do ambiente de uma organização, cria a consciência das suas oportunidades e ameaças, dos seus pontos

Leia mais

Processo de gerenciamento da disponibilidade

Processo de gerenciamento da disponibilidade Processo de gerenciamento da disponibilidade Devido ao ritmo de crescimento da tecnologia, as organizações têm dificuldade em manter um ambiente padronizado no que diz respeito a hardware e software necessários

Leia mais

Tema PANORAMA DE MANUTENÇÃO FROTA

Tema PANORAMA DE MANUTENÇÃO FROTA Tema PANORAMA DE MANUTENÇÃO FROTA Objetivo Apresentar novos conhecimentos técnicos a todos os participantes e que permita obter a máxima redução de custos, maior disponibilidade de equipamentos e aumento

Leia mais

Módulo Contexto da organização 5. Liderança 6. Planejamento do sistema de gestão da qualidade 7. Suporte

Módulo Contexto da organização 5. Liderança 6. Planejamento do sistema de gestão da qualidade 7. Suporte Módulo 3 4. Contexto da organização 5. Liderança 6. Planejamento do sistema de gestão da qualidade 7. Suporte Sistemas de gestão da qualidade Requisitos 4 Contexto da organização 4.1 Entendendo a organização

Leia mais

2 IBR - Inspeção Baseada em Risco. 2.1 IBR - Inspeção Baseada em Risco.

2 IBR - Inspeção Baseada em Risco. 2.1 IBR - Inspeção Baseada em Risco. 23 2 IBR - Inspeção Baseada em Risco. 2.1 IBR - Inspeção Baseada em Risco. Um estudo sistemático da inspeção baseada em risco foi iniciado em maio de 1993 por um grupo patrocinador de 22 empresas (Amoco,

Leia mais

3 Risk Engineering Workshop 23 de Agosto de 2016 Paulo Sergio Testa Zurich Brasil Seguros. Risk Engineering

3 Risk Engineering Workshop 23 de Agosto de 2016 Paulo Sergio Testa Zurich Brasil Seguros. Risk Engineering 3 Risk Engineering Workshop 23 de Agosto de 2016 Paulo Sergio Testa Zurich Brasil Seguros Risk Engineering Com o gerenciamento de risco analisamos o tamanho e a complexidade da máquina A importância de

Leia mais

Gestão de ativos: Manter, prolongar a vida e melhorar o desempenho operacional.

Gestão de ativos: Manter, prolongar a vida e melhorar o desempenho operacional. Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Manutenção - Turma nº 04 28/01/2017 Gestão de ativos: Manter, prolongar a vida e melhorar o desempenho operacional. Leonardo Lino Soares Especialista

Leia mais

Projeto de pesquisa realizado no curso de Engenharia de Produção da Setrem. 2

Projeto de pesquisa realizado no curso de Engenharia de Produção da Setrem. 2 ESTUDO DA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE POR COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO MOVELEIRO 1 STUDY OF THE PERCEPTION OF QUALITY BY EMPLOYEES OF A COMPANY OF THE FURNITURE SECTOR Tailon Martins 2, Jéssica Cassali

Leia mais

Manutenção em veículos de transporte de cargas

Manutenção em veículos de transporte de cargas Faculdade Ietec Pós-graduação Engenharia de Manutenção - Turma n 05 31 de Julho de 2017 Manutenção em veículos de transporte de cargas Joubert Martins de Brito RESUMO A confiabilidade e o bom funcionamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE <UF> CREA-<UF>

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE <UF> CREA-<UF> SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE CREA- Apresentamos plano de trabalho, conforme disposto no Capítulo II, item 2, do Manual de Convênios

Leia mais

VERIFICAÇÃO & VALIDAÇÃO

VERIFICAÇÃO & VALIDAÇÃO VERIFICAÇÃO & VALIDAÇÃO Validação: Estamos construindo o produto certo? Verificação envolve checar se o software cumpre com suas especificações. Verificação: Estamos construindo certo o produto? Validação

Leia mais

11º ENTEC Encontro de Tecnologia: 16 de outubro a 30 de novembro de 2017

11º ENTEC Encontro de Tecnologia: 16 de outubro a 30 de novembro de 2017 PROBABILIDADE SOBRE PASSIVOS TRABALHISTAS NO ATENDIMENTO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS DE MEDICINA E SEGURANÇA DO TRABALHO Diego Gaspar Fidélis 1 ; Marco Aurelio Gasparro 2 1, 2 Universidade de Uberaba fidelisdiego@hotmail.com;

Leia mais

Política de Compliance

Política de Compliance Política de Compliance Junho 2017 POLÍTICA DE COMPLIANCE 1. OBJETIVO Esta Política estabelece princípios, diretrizes e funções de compliance em todos os níveis da FALCONI Consultores de Resultados, bem

Leia mais

Lista de Verificação de Auditorias Internas do SGI - MA - SST

Lista de Verificação de Auditorias Internas do SGI - MA - SST 4.1 Requisitos Gerais 4.2 Política: Ambiental e de SST A empresa possui uma Política Ambiental e de SST? A Política é apropriada a natureza, escala, impactos ambientais e perigos e riscos das suas atividades,

Leia mais

Adequação da Instrução de Trabalho em uma empresa de transformação de polímeros

Adequação da Instrução de Trabalho em uma empresa de transformação de polímeros Faculdade IETEC Pós-graduação Engenharia de Processos Industriais - Turma 26 12 de outubro de 2016 Adequação da Instrução de Trabalho em uma empresa de transformação de polímeros Priscila Silva Melo Virgínia

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Prof. Dr. Charles Assunção

HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Prof. Dr. Charles Assunção HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Prof. Dr. Charles Assunção COMPETÊNCIA Reconhecer condições que propiciem a possibilidade de acidentes determinando ações que garantam a segurança e higiene no trabalho

Leia mais

DISCIPLINA: ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO

DISCIPLINA: ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO DISCIPLINA: ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO PROFESSOR: Altamir Durães Garcia Formação: Graduação em engenharia Elétrica PUC MG Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho FUNDAMENTOS E DEFINIÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ELETROTÉCNICA ANSELMO JOSÉ LANGNER

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ELETROTÉCNICA ANSELMO JOSÉ LANGNER UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ELETROTÉCNICA ANSELMO JOSÉ LANGNER METODOLOGIA PARA AUDITORIA DA TERCEIRA FASE DA PIRÂMIDE ESTRUTURAL

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar O que é a Manutenção? Conjunto de acções conduzidas com o fim de manter em condição aceitável as instalações e o equipamento fabril de forma a assegurar a regularidade da produção, a sua qualidade e a

Leia mais

22/08/2014. Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios. Conceito de Planejamento. Conceito de Controle

22/08/2014. Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios. Conceito de Planejamento. Conceito de Controle Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios Conceito de Planejamento É a função administrativa que determina antecipadamente quais os objetivos a serem atingidos e

Leia mais

Certificado. Missão da Rosenberger. Visão da Rosenberger. Missão e Visão

Certificado. Missão da Rosenberger. Visão da Rosenberger. Missão e Visão Missão e Visão Missão da Rosenberger O cliente está no centro nosso pensar e agir Pensamento orientado à inovação para o benefício de nossos clientes Garantia de empregos seguros em um ambiente de trabalho

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL Requisitos gerais, política para SSO, identificação de perigos, análise de riscos, determinação de controles. CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE

Leia mais

ISO /2018 O QUE EFETIVAMENTE MUDOU?

ISO /2018 O QUE EFETIVAMENTE MUDOU? ISO 45.001/2018 O QUE EFETIVAMENTE MUDOU? SAIBA TUDO O QUE FOI ALTERADO COM ESTA SIGNIFICATIVA MUDANÇA. BOA LEITURA! www.ambito.com.br Material elaborado pela sócia e consultora jurídica Cristiane botelho

Leia mais

INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO

INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO 1 INTRODUÇÃO Dona Fátima costureira autônoma Fornecedor oferece treinamentos gratuitos de operação e manutenção de seus equipamentos. 2 1 INTRODUÇÃO Dona Fátima nunca encontrou

Leia mais

ESTUDO DA SINCRONIZAÇÃO DAS ÁREAS NA IMPLANTAÇÃO DO TPM GERÊNCIA, PRODUÇÃO E MANUTENÇÃO

ESTUDO DA SINCRONIZAÇÃO DAS ÁREAS NA IMPLANTAÇÃO DO TPM GERÊNCIA, PRODUÇÃO E MANUTENÇÃO ESTUDO DA SINCRONIZAÇÃO DAS ÁREAS NA IMPLANTAÇÃO DO TPM GERÊNCIA, PRODUÇÃO E MANUTENÇÃO Catarine Conceição Moura Tenório Pedro José Papandréa Reinaldo Moreno Venâncio Ezequiel Lopes Paulino RESUMO É comum

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE METROPOLITANA DA AMAZÔNIA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE METROPOLITANA DA AMAZÔNIA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE METROPOLITANA DA AMAZÔNIA Grupo Educacional CEUMA Faculdade Metropolitana da Amazônia REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE

Leia mais

SAÚDE E Segurança do trabalho_sst. Prof. Marcus Aurélio

SAÚDE E Segurança do trabalho_sst. Prof. Marcus Aurélio SAÚDE E Segurança do trabalho_sst Prof. Marcus Aurélio Conceitos Básicos de SST A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO SÉCULO XXI. 9.º Encontro dos T.S.T-RJ 08 de Julho de 2004

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO SÉCULO XXI. 9.º Encontro dos T.S.T-RJ 08 de Julho de 2004 AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO SÉCULO XXI 9.º Encontro dos T.S.T-RJ 08 de Julho de 2004 Tendências Século XXI M.T.E = Trabalho M.S = Saúde M.P.S / I.N.S.S = Previdência Estimativa

Leia mais

Prof. Ms. Ronaldo Martins da Costa

Prof. Ms. Ronaldo Martins da Costa Prof. Ms. Ronaldo Martins da Costa O tempo é o mais valiosos bem disponível a um engenheiro de software. Se houver suficiente tempo disponível, um problema pode ser adequadamente analisado, uma solução

Leia mais

04/05/2016 GPIII 1. Tópicos

04/05/2016 GPIII 1. Tópicos Tópicos pg 1.Definição 2 2.Composição 3 3.Previsão Legal 4 4.Acidente de Trabalho 5 5.Causas 6 6.O Profissional 7 7.Exercícios 10 8.Bibliografia 11 Segurança do trabalho: Conjunto de medidas que visam

Leia mais

TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software

TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software ENG SOFT - TESTES TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software A atividade de teste de software sempre foi considerada como um gasto de tempo desnecessário, uma atividade de segunda classe,

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

NORMAS REGULAMENTADORAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NORMAS REGULAMENTADORAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS (101.000-0) Publicado pela Portaria GM nº 3.214, de 08/06/1978 - DOU de 06/07/1978 Alterado pela Portaria SIT nº 84, de

Leia mais

Técnicas de Manutenção Eletrônica

Técnicas de Manutenção Eletrônica Técnicas de Manutenção Eletrônica AI32E e ET231 Prof. Dr. Hugo Valadares Siqueira Ementa Parte I Aprendizagem do uso de instrumentos de medição. - Testes em componentes eletrônicos. - Equipamentos eletrônicos

Leia mais

Manutenções Corretiva Preventiva Preditiva MANUTENÇÃO CORRETIVA

Manutenções Corretiva Preventiva Preditiva MANUTENÇÃO CORRETIVA Manutenções Corretiva Preventiva Preditiva 1 MANUTENÇÃO CORRETIVA 2 1 Manutenção Corretiva A manutenção corretiva é aquela de atendimento imediato à produção. A manutenção corretiva é a realizada em equipamento,

Leia mais

Disciplina: Gestão da Qualidade

Disciplina: Gestão da Qualidade Disciplina: Gestão da Qualidade Controle do Processo pelo PDCA 1ª Parte Prof. Fernando Porto Introdução É comum encontrar gerentes e diretores que acham que, quando ocorrem maus resultados, saem com a

Leia mais

ABNT NBR 5674:2012. Prevenir a perda de desempenho decorrente da degradação dos seus sistemas, elementos ou componentes;

ABNT NBR 5674:2012. Prevenir a perda de desempenho decorrente da degradação dos seus sistemas, elementos ou componentes; Introdução Nos últimos anos, com a introdução dos conceitos de desempenho dos sistemas e sua definição clara dos prazos de garantia e vida útil, se faz necessário uma alteração do modelo mental da importância

Leia mais