Documento informativo. Balanço preliminar das economias da América Latina e do Caribe

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documento informativo. Balanço preliminar das economias da América Latina e do Caribe"

Transcrição

1 2009 Documento informativo Balanço preliminar das economias da América Latina e do Caribe

2 Alicia Bárcena Secretaria Executiva Antonio Prado Secretario Executivo Adjunto Osvaldo Kacef Diretor da Divisão de Desenvolvimento Econômico Susana Malchik Oficial a cargo Divisão de Documentos e Publicações O Balanço preliminar das economias da América Latina e o Caribe é um documento anual da Divisão de Desenvolvimento Econômico da Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (CEPAL). A elaboração desta edição 2009 esteve dirigida por Osvaldo Kacef, Diretor da Divisão, e a coordinação geral esteve a cargo de Jürgen Weller. Para a realização deste documento, a Divisão de Desenvolvimento Econômico contou com a colaboração da Divisão de Estatística e Projeções Econômicas, das sedes subregionais da CEPALno México e em Porto Espanha e dos escritórios nacionais da Comissão em Bogotá, Brasilia, Buenos Aires, Montevideo e Washington, D.C. As análises regionais foram elaboradas pelos seguintes especialistas (por ordem de apresentação dos temas): Osvaldo Kacef, quem contou com o apoio de Rafael López Monti (introdução), Juan Pablo Jiménez (política fiscal), Rodrigo Cárcamo (política cambiária), Omar Bello (política monetária), Sandra Manuelito (atividade e investimento e preços internos), Jürgen Weller (emprego e salários), Luis Felipe Jiménez e Sarah Mueller (setor externo). Na elaboração dos quadros inseridos participaram Claudio Aravena, Andrea Podestá, Claudia Roethlisberger, assim como Ricardo Zapata, Sergio Saldaña, Myriam Urzúa e Asha Kambon. As notas sobre os países baseiam-se nos relatórios realizados pelos seguintes especialistas: Dillon Alleyne (Guyana e Jamaica), Omar Bello (Estado Plurinacional da Bolivia), Fernando Cantú (Equador), Rodrigo Cárcamo (República Bolivariana de Venezuela), Stefan Edwards (Suriname), Álvaro Fuentes (Uruguai), Randolph Gilbert (Haití), Michael Hendrickson (Bahamas e Belize), Daniel Heymann e Adrián Ramos (Argentina), Luis Felipe Jiménez (Chile), Beverly Lugay (União Monetária do Caribe Oriental), Roberto Machado (Trinidad e Tabago), Sandra Manuelito (Perú), Jorge Mattar e Indira Romero (México), Juan Carlos Moreno (Panamá), Sarah Mueller (Paraguai), Carlos Mussi (Brasil), Ramón Padilla (Costa Rica e Nicaragua), Igor Paunovic (Cuba e Honduras), Willard Phillips (Barbados), Juan Carlos Ramírez, Olga Lucía Acosta y María Alejandra Botiva (Colômbia), Juan Carlos Rivas (Guatemala) e Francisco Villareal (El Salvador e República Dominicana). Claudia Roethlisberger coordinou as notas dos países do Caribe; Claudio Aravena, Fernando Cantú e Sandra Manuelito realizaram as projeções econômicas e Alejandra Acevedo, Vianka Aliaga, Leandro Cabello, Jazmín Chiu, Hans Fricke, Rafael López Monti e Karen Martínez colaboraram na preparação da informação estatística e na apresentação gráfica.

3 3 ÍNDICE Página Resumo... 5 Capítulo I Introdução... 7 A. O contexto internacional... 9 B. Traços gerais da evolução recente das economias da América Latina e o Caribe Os canais de transmissão da crise Os efeitos sociais da crise C. A política macroeconômica A política fiscal As políticas monetária e cambiária D. A recuperação das economias da América Latina e do Caribe no segundo semestre de E. Perspectivas, riscos e desafios que a região enfrenta Evolução esperada das economias da América Latina e do Caribe em Os riscos derivados do cenário externo Os desafios além do curto prazo Tabelas Tabela I.1 Taxas de variação anual do crescimento mundial Gráficos Gráfico I.1 América Latina e o Caribe: taxa de crescimento, Gráfico I.2 Índice dessazonalizado da produção industrial, por regiões Gráfico I.3 Volume do comércio (média do volume exportado e importado), por regiões Gráfico I.4 Crescimento do PIB e dos componentes da demanda Gráfico I.5 América Latina e o Caribe: variação do PIB per capita, do saldo da conta corrente e do resultado global Gráfico I.6 Variação das exportações de bens FOB, em valor e em volume, Gráfico I.7 América Latina e o Caribe: variação interanual da chegada de turistas Gráfico I.8 internacionais, América Latina e o Caribe: variação interanual das receitas por conceito de remessas de trabalhadores, séries dessazonalizadas Gráfico I.9 Brasil, Chile, Peru: evolução do crédito dos bancos privados Gráfico I.10 América Latina (países selecionados): crédito do sector privado, Gráfico I.11 América Latina e o Caribe: composição do total da oferta e da demanda Gráfico I.12 América Latina: salário nominal, inflação e o salário real... 22

4 4 Gráfico I.13 América Latina: receita total, despesa primária e resultado fiscal primário Gráfico I.14 América Latina (países selecionados): variação da despesa pública, nove meses de 2008-nove meses de Gráfico I.15 América Latina (países selecionados): crédito dos bancos públicos e privados, variação de dezembro de 2008 à setembro de Gráfico I.16 América Latina (países selecionados): indicadores líder (probabilidades de reversão) Gráfico I.17 América Latina: evolução dos termos de troca Gráfico I.18 Situação trabalhista dos latinoamericanos nos Estados Unidos e Espanha Gráfico I.19 América Latina (países selecionados): taxas de desemprego mensal dessazonalizado Gráfico I.20 Indicadores da bolsa de valores: Dow Jones e mercados emergentes Gráfico I.21 América Latina e o Caribe: taxa de crescimento, Gráfico I.22 Taxa de juros interbancários Gráfico I.23 Crescimento do crédito bancário ao setor privado Quadros Quadro I.1 Medidas sociais na América Latina e no Caribe Quadro I.2 Objetivos da política monetária na América Latina Quadro I.3 Estimação do PIB potencial... 34

5 5 RESUMO Após seis anos de crescimento, estima-se uma queda do PIB da América Latina e do Caribe de 1,8% e do PIB por habitante próxima a 2,9% em O impacto da crise internacional foi muito intenso no final de 2008 e no início de 2009, afetou todos os países da região. No segundo trimestre iniciou-se uma recuperação que se generalizou na segunda metade do ano. A retração do crescimento influenciou negativamente a demanda por postos de trabalho e, consequêntemente, estima-se que a taxa de desemprego regional se incrementará na ordem de 8,3%, juntamente com a deterioração da qualidade dos empregos gerados. As repercussões nas economias da América Latina e do Caribe se manifestaram principalmente através do setor real, atingindo negativamente os que haviam sido os principais motores do crescimento regional. As exportações registraram uma forte queda, enquanto o menor nível de atividade global e a diminuição do comércio tiveram impactos negativos sobre os preços dos produtos básicos e sobre os termos de troca. Ao mesmo tempo, observou-se uma retração das remessas e uma diminuição da atividade turística, principalmente no México, na América Central e no Caribe. Estima-se que o investimento estrangeiro direto registraria uma queda de 37%. Em alguns países observou-se também um impacto negativo sobre a atividade interna proveniente da retração do crédito privado, que não pôde ser compensado pela maior atividade econômica dos bancos do setor público. Este acúmulo de fatores combinou-se com a deterioração das expectativas, o que incitou uma diminuição do consumo privado e dos investimentos. Na verdade, o consumo público foi o único componente da demanda que cresceu na primeira parte do ano, graças ao fato de que muitos países da região implementaram políticas contracíclicas, que contribuíram para acelerar o processo de recuperação no segundo semestre. O incentivo fiscal foi um dos aspectos distintivos da evolução econômica de O saldo primário passou de um nível positivo equivalente a 1,4% do PIB em 2008 a um déficit primário estimado para o ano em 1% do PIB. As receitas públicas foram afetadas pela evolução do nível de atividade e dos preços dos produtos básicos de exportação. Paralelamente, até o terceiro trimestre do ano, observou-se um incremento significativo das despesas correntes e, em menor medida, das despesas de capital. Os bancos centrais da região diminuíram as taxas de política monetária e adotaram medidas orientadas a garantir a liquidez dos mercados financeiros. Em muitos casos, os bancos do setor público formaram parte da estratégia anticíclica, para compensar o comportamento restritivo dos bancos privados. Ao mesmo tempo, para defender a paridade cambiária, e em consonância com o objetivo de sustentar os níveis de liquidez, muita bancos centrais investiram nos mercados de câmbio, o que em alguns casos permitiu reconstituir as reservas internacionais. Na segunda metade do ano, começaram a generalizar-se os sinais positivos nas economias da região. A produção industrial e as exportações iniciaram sua recuperação, enquanto o aumento do nível de atividade global e dos volumes de comércio internacional impulsionou a demanda de produtos básicos, permitindo maiores preços e melhoras nos termos de troca.

6 6 O incentivo fiscal sobre a demanda interna, acompanhado pelos fatores assinalados anteriormente, e a gradativa normalização dos mercados financeiros, em muitos casos com o apoio dos bancos do setor público, permitiu recuperar a atividade econômica e melhorar os indicadores do mercado de trabalho da região. A estes elementos positivos se agregou o renovado acesso de alguns países ao crédito internacional e a recuperação dos mercados bursáteis. Isto permitiu uma recomposição patrimonial do setor privado e igualmente apoiou a normalização do crédito, o qual, juntamente com a melhora dos indicadores do mercado de trabalho e a recuperação da confiança do setor privado, cabe esperar que induza a um aumento da demanda interna. O crescimento projetado para 2010 é de 4,1% e espera-se que seja um pouco maior na América do Sul do que no resto da região, dado o maior tamanho relativo dos mercados internos em alguns países e a maior diversificação dos mercados de exportação, além da maior participação da China no comércio de vários países. Entretanto, espera-se um crescimento mais lento em economias mais abertas e com uma carteira de sócios comerciais menos diversificada e mais concentrada no comércio de manufaturas. Algo similar pode-se dizer das economias do Caribe que, em alguns casos, atravessam uma complexa situação financeira e cambiária. Por outra parte, resta ainda saber se as economias desenvolvidas poderão continuar sua dinâmica à medida que se retirem os volumosos incentivos implementados nos Estados Unidos e Europa. Isto, somado ao aumento do desemprego e ao ainda volátil mercado financeiro internacional, questiona-se sobre a robustez da recuperação iniciada em A saída da crise é mais rápida do que o esperado, em grande medida por fortalezas que os países da região construíram, graças a políticas macroeconômicas mais saudáveis. O renovado dinamismo de alguns fatores que impulsionaram a demanda nos anos anteriores à crise, somando ao estímulo proveniente das políticas públicas, permite num contexto de elevada capacidade ociosa, uma rápida recuperação. Porém, como transformar esta recuperação num crescimento sustentado, mais além de 2010? No curto prazo, frente à necessidade de combater a crise, os Estados da região responderam segundo suas capacidades, evidenciando importantes diferenças. Contudo, o objetivo de retomar o crescimento sustentado apresenta novos e mais complexos desafios. Portanto, a geração e ampliação do espaço de políticas, mediante o aumento dos recursos, a criação de instrumentos e o fortalecimento institucional, em especial das instancias de coordenação, são tarefas fundamentais para nossos países.

7 7 Capítulo I INTRODUÇÃO Após seis anos de crescimento econômico, estima-se que o PIB da América Latina e do Caribe registre uma queda de 1,8% em 2009, o que implica uma retração do PIB de ao redor de 2,9%. O impacto da crise internacional sentiu-se com muita intensidade a fins de 2008 e no início de 2009, e afetou de distintas maneiras a todos os países da região. No segundo trimestre iniciou-se uma recuperação que se generalizou na segunda metade do ano. Ainda que a diminuição mais acentuada do nível de atividade tenha sido registrada no México e em alguns países da América Central e do Caribe, e que na América do Sul, projetam-se em geral taxas de crescimento positivas, em todos os casos registraram-se diferenças significativas entre as taxas de crescimento observadas entre 2004 e 2008, e as correspondentes a Gráfico I.1 AMÉRICA LATINA E O CARIBE: TAXA DE CRESCIMENTO, 2009 (Em porcentagens) Bolívia (Est. Plur. da) República Dominicana Panamá Haiti 2,0 2,5 2,5 3,5 Uruguai 1,2 Cuba 1,0 Peru 0,8 Argentina Brasil América Central Colômbia América do Sul 0,7 0,6 0,3 0,3 0,2 Equador -0,4 Guatemala -1,0 Costa Rica -1,2 Nicarágua América Latina e o Caribe Chile OCaribe Venezuela (Rep. Bol. da) -1,5-1,7-1,8-2,1-2,3 El Salvador -2,5 Honduras -3,0 Paraguai México -6,7-3, Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), sobre a base de cifras oficiais. Atualização de dados: No caso do Brasil, seria 0,3%. Para América Latina e o Caribe seria -1,8%.

8 8 Como era de se esperar, a desaceleração do crescimento econômico afetou negativamente a demanda de emprego e estima-se que a taxa de desemprego regional aumente aproximadamente a 8,3%, juntamente com uma deterioração na qualidade dos postos de trabalho gerados. Ao mesmo tempo, registrou-se uma notável diminuição da taxa de inflação, que passou de 8,3% em 2008, a uma percentagem estimada de 4,5% em 2009, como consequência da baixa dos preços internacionais de alguns produtos essenciais que formam parte das cestas básicas de consumo das famílias, a valorização da taxa de câmbio e o impacto sobre a demanda da diminuição do nível de atividade. A partir do segundo semestre de 2009, percebem-se sinais positivos que justificam uma mudança paulatina nos diagnósticos econômicos e consolidam a hipótese de que o pior da crise já passou, mesmo quando certo grau de volatilidade e nervosismo ainda persiste nos mercados financeiros 1 e a situação que a economia mundial atravessa não está isenta de riscos. Mais além do curto prazo surgen, no entanto, varias questões acerca da possibilidade desta rápida recuperação se transformar em um processo de crescimento sustentado, tanto ao nível mundial como na América Latina e o Caribe. A crise, devido à sua grande magnitude, afetou todas as regiões do mundo, e a América Latina e o Caribe não foi uma exceção. Porém, é cada vez mais evidente que esta crise é distinta das outras que sofremos no passado. Não só porque nesta oportunidade o epicentro esteve nos países desenvolvidos, fator determinante na evolução econômica recente, mas, sobretudo, pelo momento em que chegou à região e pelo modo como esta se viu afetada. Em primeiro lugar, graças à combinação de um ambiente externo muito favorável e a um melhor manejo da política macroeconômica, a região conseguiu reduzir seu endividamento, renegociá-lo em melhores condições e ao mesmo tempo aumentar suas reservas internacionais. Isto colocou as economias latinoamericanas em uma situação sem precedentes em matéria de liquidez e solvência, comparando-se com as crises sofridas desde os anos oitenta até os dias atuais, que explica por que, diferente de outras vezes, os sistemas financeiros dos países da região não se deterioraram, nem se produziu uma fuga das moedas nacionais, o que contribuiu para manter a calma nos mercados cambiários 2 da região. Cabe notar que, como se analizou em detalhe no Estudo Econômico da América Latina e o Caribe , alguns países do Caribe apresentam elevados níveis de endividamento externo e uma situação relativamente mais complexa em termos dos seus regimes cambiários 3. Diferente do que era habitual em cenários de crise, a ampliação do espaço macroeconômico em muitos países da região gerou uma importante capacidade para implementar políticas destinadas a combater a crise. Cabe notar que, em geral, o espaço de políticas públicas é maior em alguns países da América do Sul, tal como se verá mais adiante. Paralelamente, graças à melhora da posição financeira líquida, à qual se fez referência anteriormente, permitiu que se restablecera rapidamente o acesso de muitos países aos mercados financeiros internacionais, o que também aumentou sua capacidade para levar a cabo políticas públicas. Assim, mesmo que a deterioração registrada em variáveis reais tenha sido acentuada, a recuperação parece bastante sólida Como exemplo, basta citar os acontecimentos ocurridos nos mercados imobiliário e financeiro do Dubai (Emirados Árabes Unidos), no final de 2009 e as suas repercussões imediatas em outros mercados, devido aos temores causados por os elevados níveis de exposição de vários bancos europeus. No último trimestre de 2008, houve um episodio de nervosismo nos mercados da região que deu lugar a fortes depreciações das moedas de vários países. Este episódio, no entanto, foi rapidamente neutralizado e não teve maiores repercussões. Vide quadro I.2 do Estudo Econômico da América Latina e o Caribe (LC/G.2410-P), Santiago do Chile, 2009.

9 9 Por outro lado, apesar da melhora observada em anos recentes, os níveis de pobreza da região se mantiveram elevados e o impacto nas variáveis que medem a situação social foi negativo, como era de se esperar. Ainda assim, um conjunto de fatores permitiu que a deterioração registrada não tivesse a magnitude inicialmente projetada. Com efeito, o descenso do nível de atividade a maioria dos países da região continuou crescendo, mesmo que com taxas muito inferiores e seu impacto no mercado de trabalho foi inferior ao esperado, e por isso o incremento da taxa de desemprego não alcançou a dimensão que a retração inicial dos níveis de atividade nos fez temer. Ao mesmo tempo, a evolução dos preços internacionais dos produtos básicos e a valorização das moedas da região permitiram reduzir significativamente a taxa de inflação e limitar a erosão dos ingressos reais dos trabalhadores, contrastando assim, ao menos parcialmente, a deterioração dos indicadores trabalhistas. Cabe destacar também que o aumento do gasto social nos últimos anos e o incremento, em número e eficácia, dos programas nesse âmbito foi crucial para conter os custos sociais da crise. Assimilando as lições das crises anteriores, os países da região têm tratado de manter, e inclusive ampliar, o alcance destes programas, ainda no contexto de uma redução paulatina do espaço fiscal. No presente capítulo analisam-se os traços distintivos da atual conjuntura e se fazem reflexões sobre os cenários que a região enfrentará, tanto em 2010 como no longo prazo. Na seção B, analisa-se brevemente o contexto internacional. Na seção C, revisam-se os principais traços da evolução econômica recente e examinam-se, por um lado, as vias através das quais se manifestaram os efeitos da crise econômica nas economias da região e, por outro, seu impacto nos indicadores trabalhistas e sociais. A seção D dedica-se à analise das políticas macroeconômicas implementadas a partir do agravamento da crise até fins do ano passado, enquanto que na seção E apresenta-se a evidencia disponível sobre os sinais de recuperação das economias da região, sobretudo a partir do segundo semestre de A última seção trata das perspectivas no curto prazo, assim como os riscos que enfrenta a incipiente recuperação econômica e os principais desafios da América Latina e do Caribe para além crise. A. O CONTEXTO INTERNACIONAL A economia mundial se recupera da crise mais profunda dos últimos 60 anos. A crise financeira internacional, que teve seu epicentro nos Estados Unidos e nos países desenvolvidos, se expandiu rapidamente ao resto das economias do mundo e suas consequências se fizeram sentir com rapidez no setor real. Desde meados de 2008 até o primeiro trimestre de 2009, a atividade industrial retraiu 11,6% em nível mundial e mais intensamente nos países desenvolvidos (16,4%), enquanto o volume do comércio mundial se reduziu aproximadamente 19%. Dado que a crise se fez sentir com força no primeiro semestre de 2009, o produto mundial sofreria uma queda de 2,2% no ano. Contudo, desde meados de 2008, começaram a surgir os primeiros sinais de uma recuperação do nível de atividade e do comércio mundial. A rápida saída do ponto mais crítico da crise responde fundamentalmente à coordenação dos principias bancos centrais do mundo com respeito à aplicação de políticas monetárias expansivas, seguidas pelas demais autoridades monetárias dos países em desenvolvimento, que injetaram uma grande liquidez nos mercados, o que, juntamente com as políticas de estímulo fiscal implementadas pelos governos, sustentam a incipiente recuperação. Por outro lado, o bom desempenho relativo das economias asiáticas em desenvolvimento, em particular a da China, evitou uma maior queda da demanda mundial. Neste contexto, dissiparam-se os temores iniciais de uma depressão prolongada e começaram a aparecer precocemente, no segundo trimestre de 2009, os primeiros sinais de uma saída sincronizada da recessão.

10 10 A dinâmica do setor de manufaturas nas distintas regiões do mundo mostra uma recuperação generalizada do crescimento da produção a partir de meados deste ano (vide o gráfico I.2). Cabe destacar, em linha com o mencionado anteriormente, que no conjunto das economias asiáticas em desenvolvimento, a produção industrial não só se contraiu menos que em outras regiões, como também foi a primeira a recuperar seu dinamismo no início de Gráfico I.2 ÍNDICE DESSAZONALIZADO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL, POR REGIÕES a (Em porcentagens) 2,5 1,5 0,5-0,5-1,5-2,5-3,5-4,5 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Países desenvolvidos Ásia em desenvolvimento Europa central e oriental América Latina e o Caribe África e Oriente Médio Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), baseado em dados do Centraal Planbureau (CPB), Netherlands Bureau for Economic Policy Analysis. a Variação média móvel trimestral comparada com a variação media móvel do trimestre anterior. Por sua parte, o volume do comércio mundial voltou a crescer até a segunda metade do ano (vide gráfico I.3), em grande medida graças ao aporte dos países asiáticos em desenvolvimento; dado o grau de abertura e a orientação de suas economias ao setor externo, grande parte destes países viu-se muito afetada pela queda do comércio, situação que, como se analisará mais adiante, não repercutiu de maneira significativa na evolução do nível de atividade, graças às políticas expansivas aplicadas nestes países. A partir da segunda metade de 2009, começou-se a observar a recuperação do crescimento das maiores economias do mundo. Nos Estados Unidos, o PIB cresceu 2,8% no terceiro semestre deste ano, em comparação com o trimestre anterior, em termos anuais e desestacionalizados, logo após quatro trimestres consecutivos de queda desde meados de 2008, com retrações de 5,4% e de 6,4% durante o último trimestre de 2008 e o primeiro de 2009, respectivamente. No terceiro trimestre de 2009, todos os componentes da demanda cresceram, sendo o incremento das exportações e importações um sinal da recuperação do comércio mundial. Nesse período, o aumento da confiança e do gasto em bens duráveis (como automóveis e eletrodomésticos) incrementou o consumo das famílias, um fator chave para a economia dos Estados Unidos (vide gráfico I.4a).

11 11 Gráfico I.3 VOLUME DO COMÉRCIO (MÉDIA DO VOLUME EXPORTADO E IMPORTADO), POR REGIÕES a (Em porcentagens) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Países desenvolvidos Ásia em desenvolvimento Europa central e oriental América Latina e o Caribe África e Oriente Médio Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), baseado em dados do Centraal Planbureau (CPB), Netherlands Bureau for Economic Policy Analysis. a Variação média móvel trimestral comparada com a variação média móvel do trimestre anterior. Gráfico I.4 CRESCIMENTO DO PIB E DOS COMPONENTES DA DEMANDA a (Em porcentagens) a) Estados Unidos b) Área do euro (16 países) ,7 1,5-2,7-5,4-6,4-0,7 2, ,3-1,3-1,7-7,3-9,4-0,6 1, Trim 1 Trim 2 Trim 3 Trim 4 Trim 1 Trim 2 Trim Trim 1 Trim 2 Trim 3 Trim 4 Trim 1 Trim 2 Trim Consumo privado Formação bruta de capital fixo Importações de bens e serviços Consumo público Exportações de bens e serviços PIB Consumo privado Formação bruta de capital fixo Importações de bens e serviços Consumo público Exportações de bens e serviços PIB

12 12 Gráfico I.4 (conclusão) c) Japão ,0-2,9 2,7 4, ,5-11,5-12, Trim 1 Trim 2 Trim 3 Trim 4 Trim 1 Trim 2 Trim Consumo privado Formação bruta de capital fixo Importações de bens e serviços Consumo público Exportações de bens e serviços PIB Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), sobre a base de cifras oficiais. a Baseado em dados dessazonalizados. Variação anualizada com relação ao trimestre anterior. Cabe assinalar que o consumo público tem sido o único componente da demanda que manteve seu crescimento em três dos quatro trimestres que durou a recessão nos Estados Unidos, o que reflete o esforço fiscal para combater os efeitos da crise. No quarto trimestre projeta-se uma taxa de crescimento desta economia similar à registrada no terceiro, sendo que o ano finalizaria com uma queda de 2,5%. A influência negativa da redução dos inventários tende a reverter-se, e espera-se que a necessidade de recompor estoques conduza ao aumento da sua contribuição ao crescimento do PIB, projetando um incremento do produto nos Estados Unidos em torno de 2,0% em Contudo, o aumento do desemprego, que já se situa em dois dígitos (10,2%), somado às dificuldades que ainda atravessam os mercados financeiros no contexto de um avultado endividamento, tanto por parte do setor privado como do setor público, constituem importantes sinais de alerta em relação à evolução futura da economia americana. Nos 16 países da zona euro observa-se também uma recuperação do crescimento a partir do terceiro trimestre deste ano, seguido de cinco trimestres de retração nos quais o consumo público desempenhou um papel contracíclico importante (vide gráfico I.4b). Após uma retração do produto agregado de 4,1% em 2009, espera-se uma recuperação lenta e gradual, e um crescimento estimado abaixo de 1% em A economia do Japão saiu da recessão no segundo trimestre de 2009, depois de dois trimestres com quedas anualizadas em mais de 10% (vide gráfico I.4c). Seguida de uma significativa retração, a economia cresceu no segundo trimestre de 2009 a uma taxa anual de 2,7% em relação ao trimestre anterior e afiançouse no terceiro trimestre (4,8%). A recuperação da economia japonesa obedeceria, em grande parte, ao alto impulso das exportações e ao estímulo fiscal, somados ao aumento das transferências ao setor privado, que teve efeitos positivos no consumo das famílias, embora com o custo de piorar a já débil situação fiscal. Mesmo recuperando o crescimento a partir do segundo trimestre, a forte retração do começo de 2009 (12,2% anual em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior) daria como resultado uma queda do produto neste ano de 5,6%, enquanto que para 2010 projeta-se um crescimento de 1,7%.

13 13 Conforme assinalado anteriormente, os efeitos negativos da crise reverteram-se mais rapidamente nas economias asiáticas em desenvolvimento, inclusive, alguns países, como China, Índia e Indonésia, experimentaram somente uma desaceleração de seu crescimento, ou seja, não entraram em recessão. Em grande medida, este melhor desempenho se alcançou graças a importantes estímulos fiscais e monetários. A economia da China recuperou seu acentuado crescimento no segundo trimestre do ano estimulada pelas políticas expansivas, tanto sob o ponto de vista fiscal como monetário. O governo aproveitou o enorme espaço fiscal depois de anos registrando superávits nas contas públicas e de ser credor do resto do mundo para impulsionar um ambicioso programa público que incluiu um aumento do gasto em infraestrutura, uma diminuição dos impostos e a implementação de um novo sistema de previdência social. Além disso, diferente do observado em outros mercados financeiros, o crédito registrou um destacado aumento, em particular o destinado a financiar os projetos de infraestrutura. Ambos os impulsos favoreceram o crescimento da demanda interna, assim como também a recuperação das importações, o que promoveu o comércio regional e mundial. Tabela I.1 TAXAS DE VARIAÇÃO ANUAL DO CRESCIMENTO MUNDIAL (Em porcentagens) a 2010 b Mundo 2,7 4,1 3,5 3,9 3,8 1,7-2,2 2,5 Países desarrollados 1,8 3,0 2,5 2,7 2,5 0,4-3,6 1,4 Estados Unidos 2,5 3,6 3,1 2,7 2,1 0,4-2,5 2,0 Zona do euro (16 países) 0,8 2,1 1,7 3,0 2,7 0,6-4,0 0,7 Resto da Europa (11+3) 2,4 3,5 2,7 3,6 3,1 1,1-4,1 0,7 Japão 1,4 2,7 1,9 2,0 2,3-0,7-5,9 1,1 Países em desenvolvimento 5,2 7,4 6,6 7,3 7,5 5,2 1,7 5,3 África 5,5 9,2 5,5 6,2 6,1 6,0 1,9 4,3 América Latina e o Caribe 2,2 6,1 5,0 5,8 5,8 4,1-1,7 4,3 China 10,0 10,1 10,4 11,6 13,0 9,0 8,4 8,7 Índia 6,9 7,9 9,2 9,8 9,3 7,3 5,9 6,5 NICs 3,1 6,0 4,8 5,6 5,7 1,5-2,4 3,6 Resto da Ásia 6,1 6,8 6,3 5,9 5,8 4,4-0,1 3,8 Países em transição 7,5 8,0 6,7 8,3 8,7 5,7-5,9 1,9 Países em desenvolvimento (sem a China e a Índia) 3,9 6,6 5,4 5,9 5,8 3,9-0,9 4,0 Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), sobre a base de cifras oficiais. a Estimação. b Projeção.

14 14 B. TRAÇOS GERAIS DA EVOLUÇÃO RECENTE DAS ECONOMIAS DA AMÉRICA LATINA E O CARIBE Como se assinalou na introdução, para entender a razão pela qual o impacto da crise desta vez diferiu do que habitualmente ocorria na América Latina e no Caribe, é importante levar em consideração o momento que atravessava a região, quando sobreveio a crise. Em primeiro lugar, a crise econômica global marcou a interrupção da fase mais longa e intensa de crescimento econômico regional em muito tempo. Para encontrar um período em que o PIB por habitante tenha crescido de maneira sustentável acima de 3% ao ano (como ocorreu entre 2004 e 2008), teríamos que reportar-nos 40 anos atrás, quando a região cresceu durante sete anos consecutivos a taxas comparáveis, desde fins dos anos sessenta até a primeira crise dos preços do petróleo no princípio da década de Como se pode observar no gráfico I.5, o crescimento sustentado foi acompanhado por uma melhora quantitativa e qualitativa das variáveis macroeconômicas fundamentais, o que converte esse período em uma fase de expansão sem precedentes na história recente da região. Por um lado, registrou-se um superávit da conta corrente da balança comercial que responde, em grande medida, à recuperação dos termos de intercâmbio (em particular na América do Sul) e ao crescimento das remessas dos trabalhadores emigrados (no México e, sobretudo, na América Central). Mesmo assim, a evolução das contas públicas durante a etapa de expansão caracterizou-se por um aumento do superávit primário e uma considerável diminuição do déficit global (que inclusive transformou-se em superávit no período ). Gráfico I.5 AMÉRICA LATINA E O CARIBE: VARIAÇÃO DO PIB PER CAPITA, DO SALDO DA CONTA CORRENTE E DO RESULTADO GLOBAL (Em porcentagens do PIB) Variação do PIB per capita Saldodaconta-corrente Resultado global Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), sobre a base de cifras oficiais.

15 15 Por sua vez, o excedente da conta corrente, num contexto de abundante liquidez internacional, permitiu aos países reduzir seu endividamento externo e renegociar condições mais vantajosas, no momento em que se acumulavam ativos de reserva 4. Paralelamente, a maior folga fiscal possibilitou uma significativa redução da dívida pública. Ainda quando a crise significou uma forte restrição do espaço macroeconômico, já que a região voltou a ser deficitária em suas contas externas e em suas contas públicas, a situação favorável observada em termos de acervo financeiro (mais ativos e menos e melhores passivos) contribui para entender por que em 2009 não se registraram situações de tensão nos sistemas financeiros, nem corridas contra as moedas nacionais e por que os países não tiveram dificuldades para arcar com seus vencimentos externos. Tudo isso contribui para entender por que nesta oportunidade, com algumas exceções às quais se fará referência mais adiante, os impactos mais fortes não vieram do canal financeiro, mas sim, como veremos a seguir, da atividade real. 1. Os canais de transmissão da crise Como já se ressaltou, as repercussões da crise nas economias da América Latina e do Caribe se manifestaram através do setor real e afetaram negativamente a evolução dos que haviam sido, no período recente, os principais motores do crescimento regional. Desde a segunda metade de 2008, as exportações registraram uma forte queda, tanto em volume como em valor. Apesar da detenção da queda na segunda parte do ano, estima-se que o volume das exportações da América Latina diminuirá algo mais de 9% em Como se previa, a maior retração se registrará nas exportações mexicanas, que se reduzirão em aproximadamente 14% em termos reais, estimando-se uma redução de cerca de 5% nos volumes exportados pelos países da América Central e de cerca de 6% para os da América do Sul. Gráfico I.6 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE BENS FOB, EM VALOR E EM VOLUME, 2009 (Em porcentagens) -22,0-14,3 México -21,8-7,1 Me r c o s u L -21,7-4,9 Países mineiros -34,4-6,4 Países petroleiros -8,6-4,6 América Central -25,5-6,6 América do Sul -23,4-9,6 América Latina -35,0-30,0-25,0-20,0-15,0-10,0-5,0 0,0 Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), sobre a base de cifras oficiais. Volume Valor 4 Tal como se mencionó anteriormente, a situação em algumas economías do Caribe é distinta.

16 16 Mesmo assim, o menor nível de atividade global e a diminuição dos fluxos de comércio tiveram um impacto negativo nos preços dos produtos básicos, o que repercutiu negativamente nos termos de intercâmbio regionais. Após o forte impulso de alta registrado na primeira metade de 2008, os efeitos da crise nos mercados internacionais de bens fizeram-se sentir com bastante dureza, sobretudo a partir da quebra de Lehman Brothers no mês de setembro. Mesmo que no início de 2009 a queda dos preços internacionais dos produtos básicos tendeu a deter-se, e depois a reverter-se, os níveis médios do ano são bastante inferiores aos de 2008, o que implica uma deterioração estimada de 3,8% dos termos de intercâmbio da região. Isto afeta principalmente a América do Sul e em particular aos produtores de petróleo, hidrocarbonetos, metais e, em menor medida, aos países especializados na produção de alimentos. Entretanto, para a América Central, que importa este tipo de bens, espera-se uma melhora que compense apenas parcialmente a deterioração dos anos anteriores. Como se pode observar no gráfico I.7, o turismo, atividade que tem uma participação muito significativa no Caribe e na América Central, sofreu uma forte retração na primeira parte do ano, que foi particularmente notória no México no segundo trimestre, devido à gripe pelo vírus AH1N1. Estima-se que a atividade turística em todo o ano possa retrair-se entre 5% e 10%, ainda quando os últimos dados disponíveis mostram uma incipiente melhora. Gráfico I.7 AMÉRICA LATINA E O CARIBE: VARIAÇÃO INTERANUAL DA CHEGADA DE TURISTAS INTERNACIONAIS, 2009 (Em porcentagens) Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto 2009 América Central América do Sul Caribe México Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), baseado em dados da Organização Mundial do Turismo (OMT).

17 17 Ao mesmo tempo, considerando-se que a maioria dos latinoamericanos que emigra, dirige-se aos Estados Unidos e à Espanha, dois dos países mais afetados pela crise, não se surpreende que as remessas tenham registrado uma acentuada queda. Mesmo que os dados disponíveis até o terceiro trimestre mostrem evidencias de que esta deterioração poderia estar diminuindo, observam-se reduções anuais próximas à 10% em alguns países da América Central, como El Salvador e Guatemala, e inclusive superiores na Colômbia, no Equador, na Jamaica e no México. Nos casos da Nicarágua e da República Dominicana, estima-se que haveria caídas menores. Gráfico I.8 AMÉRICA LATINA E O CARIBE: VARIAÇÃO INTERANUAL DAS RECEITAS POR CONCEITO DE REMESSAS DE TRABALHADORES, SÉRIES DESSAZONALIZADAS a (Em porcentagens) Equador -12,6-8,3 Nicarágua -6,2 10,6 México -14,8-3,5 Colômbia -17,9 8,5 Jamaica -13,2 3,8 República Dominicana -3,7 2,2 El Salvador -8,8 2,5 Guatemala -7,9 4, Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), sobre a base de cifras oficiais. a Projeção para Por outro lado, estima-se que o investimento estrangeiro direto apresentará uma diminuição de aproximadamente 37%, que é de longe a maior diminuição em, pelo menos, os últimos 30 anos. Cabe destacar que, se bem que1999 e 2003, registrou-se uma diminuição dos fluxos de IED de aproximadamente 47%, nesse caso a queda centrou-se somente em dois países (Argentina e Brasil). Nesta oportunidade a retração por generalizada em toda a região. Contudo, a diminuição dos fluxos dirigidos ao Brasil representa uma proporção significativa da míngua total. Se bem que tenhamos afirmado que os impactos da crise internacional se tenham sentido, de modo geral, sobretudo através do canal real, em alguns casos se observaram impactos em os sistemas financeiros que podem ter tido uma repercussão negativa significativa na evolução do nível de atividade. Neste sentido, destaca-se que embora tenham predominado na região as turbulências de tipo comercial por sobre as reversões de fluxos de capital, houve três importantes exceções a esta regra: Brasil, Chile e

18 18 Perú. Os sistemas financeiros destes três países apresentavam nos finais de 2008 o maior grau de exposição externa em comparação com o resto da região 5. Como se vê no gráfico I.9, esta situação se manifestou nos sistemas financeiros de estes países através de uma importante contração do crédito da banca privada em termos reais. Como se verá mais adiante, a banca pública adotou um papel ativo em muitos países como parte da estratégia anticíclica implementada, se bem que, à exceção do Brasil, onde a participação da banca pública no total do crédito é significativa, no resto da região a capacidade de compensar a contração do crédito dos bancos privados foi bastante menor. Gráfico I.9 BRASIL, CHILE, PERU: EVOLUÇÃO DO CRÉDITO DOS BANCOS PRIVADOS (Índice primeiro trimestre 2008=100) Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Brasil (eixo esquerdo) Chile (eixo esquerdo) Peru (eixo direito) Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), sobre a base de cifras oficiais. Este fator tem, no nosso critério, um papel fundamental na explicação da debilidade relativa mostrada por a economía chilena entre o final de 2008 e o terceiro trimestre de 2009, a pesar dos sólidos fundamentos macroeconômicos que a caracterizam e da intervenção ativa do estado através de políticas contracíclicas que se comenta mais adiante. A evidência que se mostra no gráfico I.10 com relação à importância do crédito em proporção do PIB, é bastante eloquente no que se refere ao maior efeito sobre o nível de atividade que pode ter tido a contração observada no crédito da banca privada na economía chilena, em comparação com o ocurrido nas economias brasileira e peruana e, em geral no resto da região. 5 Vide Estudo Econômico da América Latina e o Caribe , op. cit, onde o quadro I.1 apresenta uma análise das consequências das turbulências que a região sofreu a partir do agravamento da crise no final de Por outra parte, no gráfico I.4 dessa publicação se mostra a posição externa líquida do sistema financeiro dos países da América Latina, assim como alguns agregados correspondentes aos países desenvolvidos e às economías emergentes. Estes dados se baseiam em informação do Banco de Pagamentos Internacionais.

19 19 Gráfico I.10 AMÉRICA LATINA (PAÍSES SELECIONADOS): CRÉDITO DO SECTOR PRIVADO, 2008 (Em porcentagens do PIB) Chile 73,1 Brasil 37,5 Costa Rica 34,6 Colômbia 26,5 Uruguai 22,1 Peru 22,1 Paraguai 20,4 México 17,3 Argentina 13, Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), sobre a base de cifras oficiais. Principalmente a fins de 2008 e começo de 2009, observou-se uma deterioração generalizada das expectativas dos consumidores e dos empresários, que se refletiu na diminuição tanto do consumo privado como dos investimentos. Como se mostra no gráfico I.11, somente o consumo público registrou variações positivas na primeira parte do ano, graças ao fato de que muitos dos países da região contaram nesta oportunidade com alguma capacidade para implementar políticas contracíclicas que compensaram parcialmente a evolução negativa dos componentes restantes da demanda interna e contribuíram a acelerar o processo de recuperação na segunda parte do ano, como se analisará mais adiante 6. 6 Já que não se dispõe dados desagregados sobre o investimento, não se pode distinguir entre o investimento público que, como é indicado mais adiante, se incrementou ao longo do ano, e o privado, que se contraiu.

20 20 Gráfico I.11 AMÉRICA LATINA E O CARIBE: COMPOSIÇÃO DO TOTAL DA OFERTA E DA DEMANDA (Em porcentagens) ,5 12,9 12,8 11,8 12,0 11,9 9,3 7,9 5,7 5,0 4,3 5,3 4,3 4,8 5,2 4,6 3,7 4,2 3,2 5,3 5,5 4,9 1,7 2,0 2,3 1,0 0,9-0,1 1,7-0,2-2,2-3,3-6,9-11,8-15,1-19, Trim 1 Trim 2 Trim 3 Trim 4 Semestre 1 Semestre Consumo privado Formación bruta de capital fixo Importações de bens e serviços Consumo público Exportações de bens e serviços PIB Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), sobre a base de cifras oficiais. 2. Os efeitos sociais da crise A interrupção do processo de crescimento repercutiu negativamente no mercado de trabalho que mostrou, pela primeira vez em seis anos, uma diminuição da taxa de emprego, como se assinala no capítulo III.C. Isto deu lugar a um aumento da taxa de desocupação estimada ao redor de um ponto percentual (de 7,4% a 8,3%). O escasso dinamismo da oferta de trabalho, que se infere do comportamento da taxa de participação, evitou um incremento maior do desemprego 7. Ao mesmo tempo, os países da região puseram em prática uma série de medidas (vide quadro I.1) cujo impacto é impossível de avaliar com a informação disponível, mas que é provável que tenham contribuído à morigerar o incremento da taxa de desemprego. Mesmo assim, freou-se o processo de melhora da qualidade do emprego observado nos últimos anos, como surge da diminuição na criação de postos de trabalho assalariados no setor privado e da perda de dinamismo na geração de emprego formal. 7 Cabe notar que o aumento projetado da taxa de desemprego é inferior ao que se previa a meados do ano. Por exemplo, no Boletim CEPAL/OIT Crise e mercado laboral, Boletim Conjuntura Laboral na América Latina e o Caribe N.1, Junho de 2009, se estimava que a taxa de desemprego do ano poderia aproximar-se ao 9%.

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Resumo executivo. Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe

Resumo executivo. Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe 2015 Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe Alicia Bárcena Secretária-Executiva Antonio Prado Secretário-Executivo Adjunto Daniel Titelman Diretor da Divisão de Desenvolvimento

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

2010-2011. Documento informativo

2010-2011. Documento informativo 21-211 Documento informativo Alicia Bárcena Secretária-Executiva Antonio Prado Secretário-Executivo Adjunto Osvaldo Kacef Diretor da Divisão de Desenvolvimento Econômico Ricardo Pérez Diretor da Divisão

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Este trabalho tem por objetivo mostrar uma visão geral da evolução da economia

Este trabalho tem por objetivo mostrar uma visão geral da evolução da economia A economia venezuelana: situação atual e perspectivas no Mercosul 95 J OSÉ M ANUEL P UENTE Este trabalho tem por objetivo mostrar uma visão geral da evolução da economia venezuelana nos últimos 56 anos,

Leia mais

Quero um empréstimo É uma ordem!

Quero um empréstimo É uma ordem! Quero um empréstimo É uma ordem! 2 de abril de 2014 Por Jesus Gonzalez-Garcia e Francesco Grigoli A participação estatal em bancos ainda é comum no mundo todo, apesar do grande número de privatizações

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade (sem desligar as luzes) UMA PESQUISA SOBRE A PRODUTIVIDADE ENERGÉTICA NAS AMERICAS CONTINUE POR FAVOR 6 1,9 1 0,1 4 3 14 4 8 O Futuro Sem Eficiência Uma maneira

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 121-30 de setembro de 2015 Melhora dos fundamentos macroeconômicos protege países latino-americanos de repetir crise de mesma intensidade da década de 80 Felipe

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Comité Latinoamericano de Asuntos Financieros Comitê Latino-americano de Assuntos Financeiros Latin-American Shadow Financial Regulatory Committee

Comité Latinoamericano de Asuntos Financieros Comitê Latino-americano de Assuntos Financeiros Latin-American Shadow Financial Regulatory Committee Comité Latinoamericano de Asuntos Financieros Comitê Latino-americano de Assuntos Financeiros Latin-American Shadow Financial Regulatory Committee Declaração N 10 19 de abril de 2004 Cidade de Panamá,

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Documento informativo. O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e Caribe

Documento informativo. O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e Caribe 2013 Documento informativo O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e Caribe 2013 Documento informativo O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe Alicia Bárcena Secretária-Executiva

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Economia global: conjuntura e projeções Economias maduras: recuperação mais lenta São cada vez mais claros os sinais de que a recessão mundial está sendo superada,

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO O panorama da economia mundial revelou-se mais favorável no segundo trimestre de 2014 relativamente ao anterior. Contrariamente ao observado no primeiro trimestre, parece ter

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA Abril de 2015 (primeira quinzena) 1 1 ARGENTINA Análises privadas e de organismos internacionais apontam para crescimentos negativos ou próximos de nulo

Leia mais

Construindo governos efetivos

Construindo governos efetivos Construindo governos efetivos Sucessos e desafios da gestão pública para resultados na América Latina e no Caribe Resumo executivo EDITORES Jorge Kaufmann, Mario Sanginés, Mauricio García Moreno Construindo

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Irailton Silva Santana Júnior 1 Vinícius de Araújo Mendes 1 Introdução O presente relatório concentra a análise da economia brasileira

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DE AMERICA LATINA E O CARIBE

DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DE AMERICA LATINA E O CARIBE DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DE AMERICA LATINA E O CARIBE Antonio Prado Secretário Executivo Adjunto Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe CODE - Brasilia, 25 de novembro

Leia mais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Declaração No. 23 Novembro 16, 2010 Lima, Peru A Guerra

Leia mais

A Crise Econômica Mundial e as Economias Regionais

A Crise Econômica Mundial e as Economias Regionais A Crise Econômica Mundial e as Economias Regionais Gráfico 1 Efeitos da crise financeira sobre o emprego Dados dessazonalizados Abril = 104 103 102 101 99 98 97 96 104 102 98 96 94 92 88 86 Abr Jun Mai

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1. Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen

Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1. Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1 Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen Curitiba 2010 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ ROBERTO REQUIÃO - Governador SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul

Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul São Leopoldo, setembro de 2015 Cenário do Setor - 2015 1. Sumário Executivo 2. A economia brasileira em 2015 O setor de borracha

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais

Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101,

Leia mais

Documento informativo. O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe

Documento informativo. O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe 2015 Documento informativo O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe 2015 Documento informativo O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe Alicia Bárcena Secretária

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

BBDTVM - Fundos de Investimentos

BBDTVM - Fundos de Investimentos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Fundos de Investimentos ECONOMIA INTERNACIONAL Atividade Global Contexto corrente não persistirá: Concomitante desaceleração EUA e China Índice de S urpresas Macroeconômicas

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais ANO 2 NÚMERO 6 ABRIL 212 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO RABELO Considerações Iniciais Neste primeiro trimestre de 212 a economia brasileira apresenta índices econômicos preocupantes

Leia mais