SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional"

Transcrição

1 SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da região, que chegaram ao ponto mais baixo desta etapa do ciclo no primeiro trimestre de 2002, é generalizada e engloba a quase todos os países. Tal como se assinalou no Balanço Preliminar das economias da América Latina e do Caribe , as condições favoráveis que caracterizam o cenário internacional, com que a região se defronta desde já algum tempo, constituem um elemento essencial no momento de explicar as causas deste proceso de recuperação. A diminuição dos prêmios de risco-soberano desde os máximos alcançados em setembrooutubro de 2002, o aumento dos preços das matérias primas, a recuperação do turismo e o crescimento das exportações não petroleiras aos Estados Unidos e a outros importantes destinos constituem os principais estímulos positivos provenientes da economia internacional. Mas também, não pode deixar de mencionar-se que, se a região está podendo aproveitar este cenário externo favorável, isto deve-se, em grande parte, ao conjunto de políticas internas cujas características mais importantes são um maior controle fiscal e monetário e taxas de câmbio mais competitivas. A permanência desta fase de expansão vê-se ameaçada por fatores internos e externos. Do ponto de vista interno, a debilidade da demanda que se observa em muitas das economias da região gera dúvidas sobre a consolidação do processo de recuperação. No âmbito externo, por outro lado, observam-se alguns desequilíbrios econômicos que deverão ser enfrentados, mais cedo ou mais tarde e, se bem não implicam um perigo eminente, antecipam um crescimento mais lento da economia mundial no médio prazo. SETOR EXTERNO O Cenário Internacional O PIB mundial cresceu 2,7% em 2003 (1,8% em 2002), enquanto que o comércio global a preços constantes aumentou 5,8%, um pouco mais do que o dobro do ano anterior. A aceleração que começou a mostrar a atividade na segunda parte de 2003 se manteve em 2004, o que permite estimar um crescimiento do PIB em torno de 3,8% neste ano, valor muito superior aos que predominaram desde No entanto, as projeções para o segundo semestre de 2004 e para 2005 apontam para uma moderação do ritmo de expansão. O crescimento do comércio mundial, que recuperou o dinamismo exibido antes da recessão, poderia alcançar uma taxa próxima a 7% em Os centros dinâmicos do crescimento econômico mundial têm sido os Estados Unidos e os países asiáticos, em particular a India e a República Popular da China. A economia chinesa tem atuado como um motor na sua região, o que, entre outras coisas, permitiu um aumento das exportações japonesas e dos novos países industrializados, e uma volumosa demanda de produtos básicos que favoreceu algumas economias da América Latina. 1 1 Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Balance preliminar de las economías de América Latina y el Caribe, 2003 (LC/G.2223-P/E), Santiago do Chile, dezembro de Publicação das Nações Unidas, N? de venda: S.03.II.G.186.

2 Em 2004, os Estados Unidos poderiam alcançar una taxa de crescimiento de 4%, após sua expansão de 3,0% no ano passado. A China registrou uma expansão de 9,1% em 2003 e de 9,7% no primeiro semestre de 2004, em relação ao mesmo período do ano anterior. A economia do Japão cresceu 3,5% em 2003, depois da retração sofrida no ano anterior (0,3%). A permanência desta tendência no 2004 poderia levar a um crescimento anual superior a 4%, previsão que depende muito do dinamismo econômico da China. A União Européia mostrou uma recuperação mais lenta em 2003, com um crescimiento de somente 0,9%. Este aumento se concentrou na segunda metade do ano e se acelerou no primeiro trimestre do 2004, período no qual se atingiu uma taxa anualizada de 2,5%. O crescimento da economia mundial no período tem-se refletido numa demanda que tem influenciado positivamente as economias da América Latina e do Caribe; de especial importância neste sentido foi o impulso proveniente das importações dos Estados Unidos e da China. Em 2003, o nível do índice de preços dos produtos básicos exportados pela América Latina e pelo Caribe subiu 15,4% em termos gerais e 7,2%, excluíndo o petróleo. Entre abril e junho de 2004 registrou-se um enfraquecimento dos seus mercados, devido ao qual tem-se observado quedas de preços de vários de esses produtos. O setor externo da região Em 2003, a conta corrente do balanço de pagamentos da América Latina e do Caribe teve um saldo positivo de 5,6 bilhões de dólares, equivalente a 0,3% do PIB regional, fato de grande importância considerando que este indicador não apresentava resultado positivo desde Os demais componentes do balanço de pagamentos que tiveram saldo positivo foram as contas de capital e financiamento (incluindo erros e omissões), que atingiram 5,1 bilhões de dólares, e o financiamento excepcional que somou 18,7 bilhões. Estes movimentos permitiram um importante aumento das reservas, em montante equivalente a 29,6 bilhões de dólares (1,7% del PIB). Outro fenômeno digno de menção é que em 2003, a acumulação de reservas foi essencial para estabilizar o mercado de câmbio em alguns países. De acordo com as tendências observadas nos primeiros cinco meses do ano, em 2004 obterse-á um novo superávit da conta corrente do balanço de pagamentos, de aproximadamente 1% do PIB. O saldo da balança comercial deverá ser maior do que o de 2003, como resultado do extraordinário crescimento das exportações que compensará a recuperação das importações. Em 2003 se deteve a deterioração dos termos de troca que se observou na região entre 1998 e 2002 e que significou uma perda acumulada de 14,9% no caso dos países não petroleiros e de 3,3% se forem incluídos os países exportadores líquidos de petróleo. Apesar da mudança de sinal, a melhora de 2003 foi modesta: 1,1% na região, sendo 2,5% no caso dos países petroleiros e 0,5% no dos não petroleiros. Para 2004, estima-se um crescimento dos termos de troca, podendo chegar a 3%. Desde meados de 2002, a América Latina e o Caribe vêm obtendo superávit na balança comercial. Em 2003, esse superávit não resultou da contração das importações, como no ano anterior, mas da expansão das exportações (8,2%) superior à das compras externas (3,2%). As vendas externas elevaram-se em 2003 na maioria dos países membros do Mercosul e da Comunidade Andina, assim como no Chile. Na maioria dos casos, esse aumento deveu-se a uma elevação das quantidades exportadas mais que dos seus preços. No ano de 2004, as exportações totais poderiam crescer 15%, correspondendo seis pontos percentuais ao aumento de preços. Em 2003, a entrada líquida de capitais na América Latina e no Caribe teve uma modesta recuperação, chegando a 1,4% do PIB. As perspectivas para este ano indicam que prosseguirá essa

3 recuperação, podendo atingir 1,8% do PIB, destacando-se especialmente a entrada de capitais privados. A pesar desta recuperação, e considerando que haverá variações pouco significativas nos pagamentos de serviços de fatores, se produzirá uma transferência de recursos para o exterior de aproximadamente 22 bilhões de dólares. O investimento estrangeiro direto (IED) na região tem sofrido uma gradual, mas notável diminuição durante quatro anos consecutivos, perdendo o dinamismo de anos anteriores. Em 2003, estes investimentos, em termos brutos, alcançaram 29,2 bilhões de dólares, magnitude bastante inferior do que a média de , que foi equivalente a 39 bilhões de dólares. As perspectivas para 2004 apontam para uma recuperação da entrada de IED, que atingiria 35 bilhões de dólares. Em um contexto de recuperação dos mercados financeiros mundiais, em 2003, o custo médio do financiamento externo para a região diminuiu de 12,7% a 9,9% e foi semelhante ao registrado no primeiro semestre de 1997, antes da crise asiática. As cifras correspondentes ao primeiro trimestre de 2004 continuaram descendo até chegar a 9,4% anual; contudo, no segundo trimestre, houve uma elevação de um ponto percentual, devido a um aumento relativamente generalizado dos prêmios de risco e a uma alta de 0,6% nos rendimientos dos títulos da dívida (bonds). POLÍTICA ECONÔMICA A política fiscal Nos últimos anos, a redução do déficit foi o principal objetivo das políticas fiscais na região. A atenção se voltou mais para os elevados níveis de dívida pública e para os problemas de financiamento de curto prazo, antes do que para o eventual papel anti-cíclico da política fiscal. Portanto, as contas fiscais dos países latino-americanos e do Caribe melhoraram significativamente no ano de Esta tendência continuará durante 2004, pois espera-se que o superávit primário alcance uma média simples de um ponto percentual do PIB, situação que não tinha se produzido em muitos anos. A política cambiaria Entre dezembro de 2002 e dezembro de 2003, as moedas da América Latina e do Caribe acumularam uma apreciação média em termos reais de 4,9% vis-à-vis o dólar. Esta apreciação aconteceu em todos os países da América do Sul, com exceção da Bolívia, após as profundas depreciações reais em relação ao dólar registradas na região durante A apreciação foi especialmente marcada no Brasil (24,9%), no Paraguai (19,4%), na Argentina (15,3%) e no Chile (13,7%) e levou a uma apreciação real média na subregião de 8,9% em relação com a moeda dos Estados Unidos. No mesmo período, na América Central produziu-se em média uma pequena depreciação real com relação ao dólar (0,5%). No México, esta depreciação foi mais acentuada (8,1%), o que contrastou com a apreciação real do peso mexicano entre 1995 e No Caribe a situação cambiária foi heterogênea: enquanto os problemas vividos pela Jamaica e pela República Dominicana deram origem a uma considerável depreciação real das suas moedas vis-a-vis o dólar, em Trinidad e Tobago e Haiti se registrou uma apreciação real em relação à moeda dos Estados Unidos. Entre dezembro de 2003 e maio de 2004, na América Latina e no Caribe observou-se uma leve depreciação média real em relação ao dólar (1,2%) e uma pequena apreciação real em relação ao euro (2,2%). Em relação com o dólar, as moedas sul-americanas registraram uma desvalorização real de 1,9%,

4 na América Central se observou uma leve apreciação real (-0,2%), no México o peso continuou se depreciando em termos reais (3,3%), enquanto que no Caribe os movimentos cambiais se estabilizaram quando comparados com a volatilidade observada durante Após os cinco primeiros meses de 2004, a região apresenta taxas de câmbio efetivas reais superiores (18%) aos níveis que prevaleceram no período A política monetária O cenário externo é central para a política monetária da região. Em maior ou menor grau, a margem de ação das economias nacionales está subordinada à evolução das taxas de juros internacionais. A partir de meados de 2003 observou-se uma maior liquidez na economia mundial, gerada pelas condições monetárias expansivas que imperavam nos Estados Unidos, na Europa e no Japão, e pelos maiores fluxos internacionais registrados nos mercados de capital. Graças a esta situação, os países mais endividados da região foram beneficiados com maiores entradas de capital e com a redução dos diferenciais de crédito. Contudo, a partir de abril de 2004, a tendência começou a se reverter, como conseqüência do aumento das taxas de juros de longo prazo, da queda do preço das ações e da alta dos prêmios de risco. Como é tradicional, no período analisado o principal objetivo da política monetária na região foi o controle da inflação e, nos casos em que os níveis de inflação estavam suficientemente controlados, o apoio da reativação das economias. O proceso de redução das taxas de juros baixo controle dos bancos centrais provavelmente chegou a seu fim. Agora, é necessário perguntar-se com que intensidade e defasagens se moverão as taxas regionais com relação à política que haverá de seguir a Reserva Federal dos Estados Unidos. DESEMPENHO INTERNO Atividade econômica Em 2004, o crescimento do produto interno bruto do conjunto de países da América Latina e do Caribe deverá ser em torno a 4,5%, representando uma importante melhoria com relação aos valores de 2003, quando o PIB regional aumentou em 1,5%. Durante 2003, a evolução da atividade econômica foi melhorando ao longo do ano. No primeiro semestre, o desempenho das economias foi heterogêneo, enquanto que no segundo, observou-se uma recuperação da atividade econômica em praticamente todos os casos. Ainda que as exportações continuaram sendo o elemento mais dinâmico da demanda, o consumo (especialmente o privado) apresentou um pequeno aumento em comparação com A formação bruta de capital fixo se manteve em um nível semelhante ao de 2002, ano em que o pequeno aumento da construção foi compensado pela contração dos investimentos em máquinas e equipamento. O estancamento da formação bruta de capital fixo em 2003 se soma à queda de 5,9% registrada por esta variável em Como percentagem do PIB regional, o investimento bruto fixo alcançou 17,9%, o nível mais baixo desde começos da década de setenta. Tal como se indica no Balanço Preliminar das economias da América Latina e do Caribe, publicado pela CEPAL no final do ano passado, o crescimento da atividade dos países ao longo de 2003 foi resultado de diversos fatores, tanto de natureza interna como externa. Os primeiros se relacionam, por um lado, com a evolução da taxa de câmbio real, cuja depreciação favoreceu a produção de bens comercializáveis (tradable goods). Por outro lado, a política monetária acompanhou a queda das

5 expectativas inflacionárias com menores taxas de juros, estimulando a atividade interna. Adicionalmente, a existência de capacidade instalada ociosa em determinadas atividades possibilitou aproveitar a expansão da demanda resultante de uma conjuntura internacional mais favorável. Os fatores externos estiveram associados à melhoria relativa da situação econômica mundial a partir da segunda metade de A inflação regional Para 2004, a taxa de inflação na América Latina e no Caribe deverá ser um pouco menor que a de 2003, ano em que a taxa global foi de 8,5%, quase quatro pontos percentuais inferior à registrada em 2002 (12,1%). Emprego e salários Depois da severa piora da situação do mercado de trabalho experimentada a partir de 1998, em 2003 a recuperação das economias latino-americanas e do Caribe teve alguns efeitos positivos nos mercados de trabalho, que se manifestaram sobretudo na geração de novos postos de trabalho. Contudo, como os alentadores sinais estimularam não só a demanda mas também a oferta por mão-de-obra, o escasso crescimento econômico impediu que os novos membros da força de trabalho se integrassem a ocupações produtivas, o que se refletiu em um elevado desemprego. De fato, apesar de que a taxa de ocupação aumentou de 51,6% a 52,0%, o desemprego foi bastante alto, de 10,5%. Adicionalmente, a média ponderada dos salários médios reais cairam 4.4%. Durante o primeiro semestre de 2004, os mercados de trabalho seguem apresentando um panorama heterogêneo, destacando-se a pronunciada queda da taxa de desemprego em alguns países que passaram por severas crises em anos recentes. Estima-se que a taxa de desemprego regional desceu a 10,3% desde 10,7% no mesmo período de Em matéria de salários observa-se um quadro semelhante, já que nos países em que estes sofreram fortes perdas durante 2003, a deterioração diminuiu nos primeiros meses de CRESCIMENTO ECONÔMICO: UMA PERSPECTIVA DE MÉDIO PRAZO Nas últimas décadas, a América Latina e o Caribe registraram um ritmo de crescimento econômico per capita modesto e volátil. As últimas décadas do século XX caraterizaram-se pela instabilidade dos fluxos de capital, as constantes perturbações dos termos de troca, as reformas econômicas e as rápidas transformações da economía mundial. Neste cenário, o ritmo de crescimento econômico da América Latina e do Caribe reflete uma complexa interação de diferentes tendências, que se superpõem com ciclos de diferente intensidade e duração. Por outro lado, analisando por países, a trajetória do crescimento também variou enormemente; de fato, nos últimos 30 a 40 anos, observam-se episódios de prosperidade de cerca de uma década de duração, períodos de estancamento e bruscas quedas do crescimento em vários países da região. A análise das fontes do crescimento mostra que a desaceleração da formação de capital explica em média aproximadamente uma terça parte da desaceleração do crescimiento do PIB na América Latina depois de Os dados pertinentes indicam que o investimento público foi mais volátil do que o investimento privado em , período em que a maioria dos países da América Latina implementou medidas de ajuste para resolver as constantes crises fiscais, levando a freqüentes cortes de investimento público. Porém, o dado mais destacado é que no período estudado, a produtividade total dos

6 fatores não aumentou ou teve uma contribuição negativa ao crescimento econômico da maioria dos países da região. Os episódios de crescimento sustentado e contração prolongada mostram a diversidade de fatores que incidem no crescimento sustentado, freiam o crescimento e conduzem as economias a uma espiral de crescimento negativo às vezes bastante prolongada. É interessante assinalar que quando se registraram episódios de crescimento, estes foram acompanhados de aumentos sustentados da produtividade total dos fatores e se produziram tanto nos anos sessenta e setenta, quando ainda estava vigente a política de substituição de importações, como nos anos noventa, quando vigoravam políticas mais orientadas ao mercado. Os episódios de queda prolongada do crescimento reduziram enormemente a qualidade de vida, aumentando a pobreza nos países afetados.

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Consultoria. Crise econômica - o que ainda está por vir e os impactos na hotelaria. Novembro/2015. Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.

Consultoria. Crise econômica - o que ainda está por vir e os impactos na hotelaria. Novembro/2015. Juan Jensen jensen@4econsultoria.com. Consultoria Crise econômica - o que ainda está por vir e os impactos na hotelaria Novembro/2015 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br Cenário Político DilmaI: governo ruim, centralizador e diagnóstico

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 121-30 de setembro de 2015 Melhora dos fundamentos macroeconômicos protege países latino-americanos de repetir crise de mesma intensidade da década de 80 Felipe

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Resumo executivo. Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe

Resumo executivo. Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe 2015 Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe Alicia Bárcena Secretária-Executiva Antonio Prado Secretário-Executivo Adjunto Daniel Titelman Diretor da Divisão de Desenvolvimento

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI 18º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI Cenário econômico atual e perspectivas para nosso país Henrique Meirelles 16 de Outubro, 2013 1 Agenda Introdução

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Economia global: conjuntura e projeções Economias maduras: recuperação mais lenta São cada vez mais claros os sinais de que a recessão mundial está sendo superada,

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior Es ecial Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior MARCELO SAKATE economia brasileira atingiu

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud May 12, 2015 O investimento privado vem desacelerando em todos os mercados emergentes desde meados de 2011, e a

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1. Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen

Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1. Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1 Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen Curitiba 2010 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ ROBERTO REQUIÃO - Governador SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Declaração No. 23 Novembro 16, 2010 Lima, Peru A Guerra

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais