PORTUGAL Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTUGAL 2009. Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE"

Transcrição

1 PORTUGAL 2009 DADOS DE MERCADO DE EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE Pg. 1

2 Sumário Uma política adequada de gestão de resíduos deve ter como objectivo principal a prevenção da sua produção. Não sendo possível afastar, em absoluto, a geração de resíduos, torna-se necessário promover a respectiva valorização, com o fim de reduzir a quantidade de resíduos a eliminar, e salvaguardar os recursos naturais. A valorização de resíduos opera, especificamente e segundo uma relação de prioridade, através da reutilização, da reciclagem e da recuperação energética, com efeitos benéficos quer a nível do ambiente quer a nível da economia. Estes objectivos são válidos para a generalidade dos resíduos e também para os resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE) e de Pilhas e Acumuladores (P&A). As Directivas Comunitárias 2002/96/CE e 2006/66/CE, que deram origem ao DL 230/2004, de10 de Dezembro e ao DL 6/2009 de 6 de Janeiro, atribuem responsabilidades a quem está a colocar EEE e/ou P&A no mercado Português, isto é, o Produtor e estipula regras para o tratamento ambientalmente correcto de todos os EEE e P&A que chegam ao seu fim de vida. Estes DL fazem aparecer a figura do Registo ANREEE - isto é, uma Entidade independente, sem fins lucrativos, que tem como missão registar todas as empresas que se definam como produtor, quantificar as quantidades destes produtos colocadas em Portugal, classificar os produtos de acordo com os DL, definir quotas de mercado para as Entidades Gestoras a operar no nosso país. A ANREEE começou as suas actividades de registo em Julho de 2005 para os EEE e em Dezembro de 2009 para as P&A e pode caracterizar o mercado Português através da recolha de declarações de actividades que as empresas produtoras realizam semestralmente à Associação. (*) Comité Económico e Social Europeu Jul09 pg. 2

3 Legislação Directiva REEE 2002/96/CE Directiva RoHS 2002/95/CE Directiva 2006/66/CE UE Portugal DL 230/2004, 10 de Dezembro Alteração pelo DL 174/2005, 25 de Outubro DL 6/2009, de 6 de Janeiro DIRECTIVA REEE Produtor» qualquer entidade que, independentemente da técnica de venda, incluindo a venda através da comunicação à distância: i)produza e coloque no mercado nacional EEE sob marca própria; ii)revenda, sob marca própria, EEE produzidos por outros fornecedores; iii)importe ou coloque no mercado nacional EEE com carácter profissional; EEE de acordo com definição do DL e enquadrados em 10 Categorias DIRECTIVA REEE ESTIPULA 1 Registo de Produtores de EEE 2- Sistema de Gestão adequado para EEE Integrado Sistema de Gestão Individual Cat 1 Cat 2 Cat 3 Cat 4 Cat5 Cat 6 Cat 7 Cat 8 Cat 9 Cat Categorias Grandes Electrodomésticos Pequenos Electrodomésticos Equip. Inform. E Telecom. Equip. Consumo Equip. Iluminação Ferram. Eléct. Electrónicas Brinq. Lazer e Desporto Equip. Médicos Monitorização e Controlo Distrib. Automáticos AMB3E ERP Portugal Licença APA 3 Recolha Selectiva de REEE, com objectivo de recolha per capita de 4kg/ano 4 Taxas de valorização, reciclagem e reutilização, para cada uma das 10 categorias de REEE 5 Tratamento de substâncias perigosas (CFC, PBB, PBDE, mercúrio, cádmio, chumbo) 6 - Símbolo de Recolha selectiva nos EEE DIRECTIVA P&A Produtor» qualquer pessoa singular ou colectiva que coloque, no âmbito da sua actividade profissional, pela primeira vez no mercado nacional, pilhas ou acumuladores, incluindo os incorporados em aparelhos ou veículos, independentemente da técnica de venda utilizada, incluindo a venda através da comunicação à distância; P&A de acordo com 3 tipos: portáteis, industriais e para veículos automóveis 7 Nº de Registo de Produtor nas facturas e documentos de transporte PT pg. 3

4 MISSÃO DA ANREEE Associação e Intervenientes A ANREEE, como associação de registo nacional, é a única entidade capaz de transmitir com rigor, numa perspectiva global, a caracterização do mercado Português quantidades de EEE colocadas no mercado em unidades e pesos. Esta caracterização é feita com base nas declarações de actividade que todas as empresas Produtoras que se encontram a comercializar EEE realizam à ANREEE semestralmente. O registo e as declarações de Produtores são feitas on line, através da plataforma informática SIRP, de fácil acesso e muito eficaz. Não existem trocas físicas de documentos, evitando extravios desnecessários. A plataforma encontra-se a operar 24h por dia, 365 dias por ano. A ANREEE também atribui a classificação de EEE de acordo com as 10 categorias e 104 subcategorias existentes no DL, especialmente àqueles que não estejam explicitamente descritos na lista do Anexo I deste diploma. A ANREEE transmite todas as informações necessárias ao registo, declarações, legislação e responsabilidades das empresas através da sua página Web (www.anreee.pt), que já conta com mais de 245 mil visitantes. Para que exista um tratamento eficaz de EEE quando estes se tornam resíduos, é necessário dividir a quantidade de REEE gerados pelos respectivos sistemas de gestão existentes. A ANREEE, por dever legal, sabe qual o universo de EEE existentes e calcula as quotas de mercado correspondentes a cada sistema de gestão. A ANREEE é membro fundador da EWRN European WEEE Register Network rede de registos europeia, onde são discutidas e harmonizadas matérias relacionadas com o procedimento de registo, de modo a promover uma igual actuação do Registo por toda a Europa. Os membros desta rede representam 80% do mercado europeu de EEE Entidades Intervenientes no ciclo dos EEE Agência Portuguesa do Ambiente (tutela) ASAE (insp) IGAOT (insp) AMB3E ERP Portugal Entidades gestoras Entidade de Registo ANREEE pg. 4

5 Mercado EEE 2009 DADOS DE REGISTO No final de 2009 existiam em Portugal cerca de 1500 empresas registadas, um número superior em 10,4% ao existente em 2008 mas denotando alguma estagnação. Durante o ano a média de registos ocorridos foi de 16 /mês, contra 18 /mês em Esta ligeira diminuição não foi estranha à situação de crise que pautou 2009, quer ainda ao cancelamento unilateral de empresas incumpridoras - muitas delas já encerradas e que estavam a falsear os nossos números. Este cancelamento ocorreu em Novembro e é razão do pico negativo apresentado no gráfico. As empresas registadas na ANREEE exercem a sua actividade de produtor de EEE, na sua maioria, através das importações, oriundas do espaço intra-comunitário, Sudoeste Asiático e América do Norte. Seguem-se os fabricantes de EEE e finalmente, os revendedores de EEE sob marca própria percentuais, face a Assistimos, durante o ano de 2009 a uma diminuição da fatia relativa às empresas que colocam menos de 1500 EEE por ano (os pequenos produtores), que comparativamente a 2008 (49,1%) desceu 2,27 pontos percentuais. De igual forma, também diminuíram as empresas que estavam a colocar acima de equipamentos no mercado (de 12,4% para 9,77%). Destacam-se as empresas de média dimensão, que subiram 4,9 pontos pg. 5

6 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA 2009 A distribuição territorial de empresas produtoras não sofreu alterações, continuando a verificar-se que a concentração de produtores ocorre no litoral do país, principalmente nas regiões de Lisboa, Porto, Aveiro e Braga. Nº de Produtores ADESÃO A SISTEMAS DE GESTÃO DE REEE O panorama português, no que respeita à existência de sistemas de gestão de REEE, continua semelhante a 2008, isto é, os produtores escolhem as Entidades Gestoras (AMB3E e ERP Portugal) como solução para tratamento dos EEE em fim de vida. Embora a legislação preveja a existência de Sistemas de Gestão de REEE individuais, até à data não existe nenhum Sistema Individual constituído. Dos produtores registados, 63,3% estão distribuídos pela AMB3E e 27,5% têm contrato com a ERP Portugal. Ainda se verifica a existência de 9,2% de empresas que não possuem qualquer sistema de gestão de REEE, número este que diminui face aos anos anteriores. As empresas que se encontram sem sistema de gestão não representam impacte significativo na distribuição de quotas de mercado. No entanto, não encontramos neste argumento justificação para a continuidade de incumprimento, o qual se verifica em muitos casos, desde 2005, data em que estas empresas se registaram na ANREEE. pg. 6

7 COLOCAÇÃO DE EEE EM PORTUGAL 2009 Durante 2009 foram colocados cerca de 73 milhões de EEE. Estas unidades corresponderam a um peso de cerca de 169 mil toneladas, o que significa que em média, cada Português adquiriu sete equipamentos com 16,9 kg no total º SEM 09 2º SEM 09 Totais 2009 Unidades Pesos (ton) , , ,06 Embora o espectro da conjuntura actual levasse a pensar que o ano de 2009 afectaria a colocação de equipamentos eléctricos e electrónicos em Portugal, este sector não revelou grandes oscilações face a 2008, o que se revelou bastante positivo. Reforçou igualmente a ideia que Portugal continua a consumir bens desta natureza, com especial destaque para os Equipamentos de Informática e Telecomunicações cerca de 25 milhões unidades, com os telemóveis a liderar esta Categoria Em termos de tipos de equipamentos, a distribuição por categorias apresenta-se na próxima tabela: EEE colocados em 2009 Unidades Pesos (ton) Cat 1. Grandes Electrodomésticos ,51 Cat 2. Pequenos Electrodomésticos ,99 Cat 3. Equip. Informat. e Telecom ,94 Cat 4. Equip. de Consumo ,70 Cat 5. Equip. de Iluminação ,39 Cat 6. Ferram. Eléct. Electrónicas ,63 Cat 7. Brinq. Desp. e Lazer ,04 Cat 8. Equip. Médicos ,31 Cat 9. Instrum. Monit. e Controlo ,96 Cat 10. Distrib. Automáticos ,59 TOTAL ,06 O equipamento eléctrico e electrónico que mais se adquiriu em 2009 foi a lâmpada fluorescente compacta, mais conhecida por lâmpada economizadora. Os equipamentos que mais contribuíram para os pesos registados foram as máquinas de lavar roupa. pg. 7

8 COMPARAÇÃO COM 2008 Verifica-se que, globalmente, no que respeita às unidades colocadas no mercado existiu um ligeiro aumento de 1,44%. Comparativamente a 2008, destaca-se nas unidades a Categoria 9 - Instrumentos de monitorização e controlo, que subiu significativamente. Verificou-se um decréscimo mais acentuado nas Categorias 5- Iluminação e 7 Brinquedos e Lazer. Quanto aos pesos, existiu alguma quebra na Categoria 4, 5 e 10, o que faz com que exista um decréscimo global de 1,26%, mas de um modo geral as restantes Categorias tiveram subidas de peso com alguma relevância, como o caso das Categorias 7, 8 e 9. Comparação 2008/2009 Unidades Pesos (ton) Unidades Pesos Cat ,96% , ,84 4,46% Cat ,92% , ,78 0,27% Cat ,37% , ,41-0,30% Cat ,19% , ,95-12,04% Cat ,12% 9.474, ,60-31,16% Cat ,92% 6.408, ,79 1,86% Cat ,94% 3.065, ,07 28,56% Cat ,44% 1.115,31 977,51 14,10% Cat ,14% 533,96 425,85 25,39% Cat ,84% 2.004, ,53-24,28% TOTAL ,44% , ,33-1,26% A tendência verificada em 2008, a qual demonstra que se estão a colocar maior número de EEE no mercado, mas com menos peso, continua a manter-se em pg. 8

9 Recolha de REEE Recolha de REEE por categoria 2009 Quantidade Recolhida (ton) Cat. 1.Grandes electrodomésticos ,06 Cat. 2. Pequenos electrodomésticos 3.787,83 Cat. 3. Equip. informát. e de Telecom ,49 Cat. 4. Equipamentos de consumo 3.800,83 Cat. 5. Equipamentos de iluminação 572,94 Cat. 6. Ferramentas eléct. e electrónicas 357,66 Cat. 7. Brinquedos e equip. desp. lazer 120,95 Cat. 8. Aparelhos médicos 45,90 Cat. 9. Instrum. monitorização e controlo 28,50 Cat. 10. Distribuidores automáticos 1.469,95 Total ,1 A recolha de resíduos de EEE constitui parte fundamental na gestão dos sistemas integrados. Esta pode ter duas proveniências: de particulares (caso dos consumidores finais) e de não particulares (caso das empresas). Os quadros que aqui se apresentam correspondem unicamente aos REEE recolhidos pelas duas entidades gestoras (Retirado por indicação da Agência Portuguesa do Ambiente) Recolha REEE por Fluxo Operacional 2009 Quantidade Recolhida (ton) Total Arrefecimento 6.865,84 Grandes electrodomésticos ,02 TV e Monitores 7.869,08 Outros ,95 Lâmpadas 501,18 Total ,1 Em 2009 foram recolhidas toneladas de REEE. Ficou assim garantida e suplantada a meta dos 4kg prevista na alínea 10 do Artigo 9º do DL 230/2004. (Retirado por indicação da Agência Portuguesa do Ambiente Em média foram recolhidos, em 2009, 4,5 kg por habitante. (Retirado por indicação da Agência Portuguesa do Ambiente) Pg. 9

ANREEE. Dados de Mercado EEE em Portugal. Lisboa, 5 Maio 2011

ANREEE. Dados de Mercado EEE em Portugal. Lisboa, 5 Maio 2011 ANREEE Dados de Mercado EEE em Portugal 2010 Lisboa, 5 Maio 2011 1 Introdução Uma política adequada de gestão de resíduos deve ter como objectivo principal a prevenção da sua produção. Não sendo possível

Leia mais

O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS

O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS Marta Carvalho 3 dezembro 2014 Diretiva 2002/95/CE (RoHS) Diretiva

Leia mais

Welcome. Bienvenue. Willkommen. Witamy. Bem-Vindo. Benvenuto. Velkommen. Bienvenidos. Tervetuloa

Welcome. Bienvenue. Willkommen. Witamy. Bem-Vindo. Benvenuto. Velkommen. Bienvenidos. Tervetuloa Welcome Willkommen Bienvenue Bem-Vindo Witamy Velkommen Bienvenidos Benvenuto Tervetuloa A E R P Plataforma Pan-Europeia de Gestão de Resíduos Ordem dos Engenheiros Lisboa 2ª Jornada de Reciclagem e Valorização

Leia mais

ANREEE. Dados de Mercado Equipamentos Elétricos e Eletrónicos 2013

ANREEE. Dados de Mercado Equipamentos Elétricos e Eletrónicos 2013 ANREEE Dados de Mercado Equipamentos Elétricos e Eletrónicos SÚMULA ÍNDICE 1. As empresas no setor dos EEE em Portugal em... 3 1.1 O seu número e evolução... 3 1.2 Perfil das empresas registadas... 4 1.3

Leia mais

Transposição para o Direito Nacional das Directivas REEE e Restrição do Uso de Determinadas Substâncias Perigosas em EEE

Transposição para o Direito Nacional das Directivas REEE e Restrição do Uso de Determinadas Substâncias Perigosas em EEE Transposição para o Direito Nacional das Directivas REEE e Restrição do Uso de Determinadas Substâncias Perigosas em EEE QUEM É A ANIMEE Uma Associação, de âmbito nacional, cujo objectivo principal é o

Leia mais

01 ERP - GERAÇÃO DEPOSITRÃO

01 ERP - GERAÇÃO DEPOSITRÃO 01 Entidade Promotora: Parceiro: Apoios: ÍNDICE A ERP PORTUGAL Página 03 OS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS (REEE) Página 04 OS RESÍDUOS DE PILHAS E ACUMULADORES (RP&A) Página 08 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Índice. Comunicação e Sensibilização. Filipa Moita. Green Festival. 22 Setembro 2009. Centro Congressos do Estoril

Índice. Comunicação e Sensibilização. Filipa Moita. Green Festival. 22 Setembro 2009. Centro Congressos do Estoril Comunicação e Sensibilização Filipa Moita 22 Setembro 2009 Centro Congressos do Estoril Índice 1. Quem somos Europa Enquadramento Legal Categorias Operacionais de REEE Missão 2. Comunicação e Sensibilização

Leia mais

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 FLUXOS ESPECÍFICOS DE RESÍDUOS Um dos objectivos da política ambiental integrada é a atribuição da responsabilidade,

Leia mais

Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos

Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos 2014 Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos 17-07-2014 Índice 1 Objetivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quais as empresas que estão abrangidas pela legislação?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?...

Leia mais

O novo regime jurídico da gestão dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE2)

O novo regime jurídico da gestão dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE2) COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS O novo regime jurídico da gestão dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE2) CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Mónica Oliveira

Leia mais

832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n. o 20/2002 de 30 de Janeiro Os objectivos fundamentais de uma política

Leia mais

Adesão ao Sistema Integrado de Gestão de Resíduos Eléctricos e Electrónicos e Pilhas e Acumuladores da ERP Portugal

Adesão ao Sistema Integrado de Gestão de Resíduos Eléctricos e Electrónicos e Pilhas e Acumuladores da ERP Portugal Adesão ao Sistema Integrado de Gestão de Resíduos Eléctricos e Electrónicos e Pilhas e Acumuladores da ERP Portugal Elaborado por Rosa Peres Aprovado por Ricardo Neto Data 7 de novembro de 2013 1 Índice

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PARA PRODUTORES/IMPORTADORES DE BATERIAS DE VEÍCULOS ÍNDICE Introdução...3 1. Enquadramento Legal...4

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Mónica Oliveira Costa Portugal Outubro 2015 Recentemente

Leia mais

NEWSLETTER Edição 1 / Janeiro 2006

NEWSLETTER Edição 1 / Janeiro 2006 Low-Cost Lead-Free Soldering Technology to Improve the Competitiveness of European SMEs Collective Research Project in the 6th Outline Research Programme of the European Union NEWSLETTER Edição 1 / Janeiro

Leia mais

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I P7_TA-PROV(2013)0417 Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I Resolução legislativa do Parlamento Europeu, de 10 de outubro de 2013, sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 10.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 329/5 DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de novembro de 2013 que altera a Diretiva 2006/66/CE do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA

OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA M. A. P. Dinis Professora Auxiliar CIAGEB, Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal madinis@ufp.edu.pt RESUMO A gestão de

Leia mais

a concorrência entre Entidades Gestoras assegurará custos mais baixos e maior qualidade

a concorrência entre Entidades Gestoras assegurará custos mais baixos e maior qualidade a concorrência entre Entidades Gestoras assegurará custos mais baixos e maior qualidade Ricardo Neto 28 de Setembro de 2006 1 ERP 2 Missão ERP 3 Objectivos ERP 4 Obstáculos à Concorrência 5 ERP Portugal

Leia mais

Eficiência na Gestão de Resíduos. I joana.andre@lipor.pt I www.lipor.pt I. Multimaterial

Eficiência na Gestão de Resíduos. I joana.andre@lipor.pt I www.lipor.pt I. Multimaterial REEE joana.andre@lipor.pt www.lipor.pt População 969.036 habitantes (Census 2001) 10,3% da população de Portugal Produção anual de RSU (ano 2004) : 488.128 toneladas Capitação 1,38 kg/(hab/dia) Área: 648

Leia mais

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA A Sociedade Ponto Verde é uma entidade privada sem fins lucrativos que tem por missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens

Leia mais

Engenharia do Ambiente. Susana do Espírito Santo Ferreira. Júri. Presidente: Prof. Tiago Domingos. Orientador: Prof. Paulo Ferrão

Engenharia do Ambiente. Susana do Espírito Santo Ferreira. Júri. Presidente: Prof. Tiago Domingos. Orientador: Prof. Paulo Ferrão Análise Ambiental, Técnica e Económica de Circuitos Logísticos de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos no Âmbito do Sistema Integrado de Gestão Susana do Espírito Santo Ferreira Dissertação

Leia mais

1 Newsletter da Entidade Gestora. Ano 7. Trimestral. nº 26 Outubro*12

1 Newsletter da Entidade Gestora. Ano 7. Trimestral. nº 26 Outubro*12 GESTÃO E PROCESSAMENTO DE GESTÃO E PROCESSAMENTO DE 2 1 Newsletter da Entidade Gestora. Ano 7. Trimestral. nº 26 Outubro*12 CONTEÚDOS PAG 2: SOGILUB PAG 4: Gestão de Óleos Usados em outros países PAG 6:

Leia mais

Desenvolvimento de estudos referentes ao processo de reciclagem de flat panels

Desenvolvimento de estudos referentes ao processo de reciclagem de flat panels Universidade do Minho Escola de Engenharia Gestão Estratégica e Organizacional Desenvolvimento de estudos referentes ao processo de reciclagem de flat panels Realizado por: David Silva; Pedro Magalhães;

Leia mais

Perguntas Frequentes Pneus Usados

Perguntas Frequentes Pneus Usados Perguntas Frequentes Pneus Usados 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de pneus usados? O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de Abril, estabelece os princípios e as normas aplicáveis à gestão

Leia mais

Valores do mercado Português de EEE em 2008

Valores do mercado Português de EEE em 2008 2008 2007 Categorias de Produtos Unidades Pesos (ton) Unidades Pesos (ton) 1. Grandes electrodomésticos 3.089.503 90.026,84 3.460.515 100.692,68 2. Pequenos electrodomésticos 7.329.676 12.815,78 7.313.755

Leia mais

Valores do mercado Português de EEE em 2007

Valores do mercado Português de EEE em 2007 2007 2006 Categorias de Produtos Unidades Pesos (ton) Unidades Pesos (ton) 1. Grandes electrodomésticos 3.460.515 100.692,68 3.400.249 66.306,08 2. Pequenos electrodomésticos 7.313.755 11.748,19 5.030.036

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria

Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria o o - - - - - Vamos todos Colaborar!! Um dos Objectivos Ambientais e

Leia mais

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento 10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte Elsa Pereira Nascimento O IMPACTO DA VALORPNEU: Pontos Recolha da Rede Valorpneu Transportadores na Rede Valorpneu O IMPACTO DA

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

Como funciona O sistema Valorfito?

Como funciona O sistema Valorfito? Como funciona O sistema Valorfito? Em campo por amor à terra. www.valorfito.com Como funciona O sistema Valorfito? O VALORFITO é responsável pela gestão de: Resíduos de Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 26.9.2006 L 266/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DIRECTIVA 2006/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de Setembro de 2006 relativa a pilhas e acumuladores e respectivos

Leia mais

Índice. Campanha Praias 2010 Alentejo Algarve E R P P o r t u g a l. 1. A ERP Portugal. 2. Depositrão. 3. Campanha Praias_2010

Índice. Campanha Praias 2010 Alentejo Algarve E R P P o r t u g a l. 1. A ERP Portugal. 2. Depositrão. 3. Campanha Praias_2010 Campanha Praias 2010 Alentejo Algarve E R P P o r t u g a l Índice 1. A ERP Portugal 2. Depositrão 3. 4. Resumo Campanha Praias_2009 5. Agradecimentos 2 1 A ERP Portugal ERP PORTUGAL Associação Gestora

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO N. o 82 27 de Abril de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 6137 Aviso n. o 5103/2006 (2. a série). Nos termos e para os efeitos previstos nos artigos 93. o a 97. o do Decreto-Lei n. o 100/99, de 31 de Março,

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

Legislação sobre Resíduos

Legislação sobre Resíduos Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares

Leia mais

Sustentabilidade na Cadeia de Valor dos Equipamentos Eléctricos e Electrónicos na Worten

Sustentabilidade na Cadeia de Valor dos Equipamentos Eléctricos e Electrónicos na Worten Sustentabilidade na Cadeia de Valor dos Equipamentos Eléctricos e Electrónicos na Worten Vitor Martins José Vieira de Almeida 30 de Set de 2011 Índice ENQUADRAMENTO WORTEN Quem somos Missão, Valores e

Leia mais

Guia AVAC & R - Aquecimento, Ventilação, Ar Condicionado & Refrigeração

Guia AVAC & R - Aquecimento, Ventilação, Ar Condicionado & Refrigeração 2014 Guia AVAC & R - Aquecimento, Ventilação, Ar Condicionado & Refrigeração 17-07-2014 ÍNDICE 1 Objetivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Responsabilidades de registo...

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous

Diretiva RoHS (Restriction of Certain Hazardous Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous Substances ): Testes de certificação Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Brasília. DF 8/2/2011 Certificação RoHS Diretiva RoHS histórico

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Sector da Construção Brasil 21 a 25 de Outubro de 2013 Enquadramento Com uma extensão territorial de aproximadamente 8,5 milhões km 2, vastos recursos

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados;

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados; CONTRATO Entre: a) Ecopilhas, Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, 7, 1600-171 Lisboa, pessoa colectiva

Leia mais

Relatório de Actividades

Relatório de Actividades AGUARDA VALIDAÇÃO DA APA Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos Relatório de Actividades 2006 Índice 1. Introdução... 3 2.Estrutura Associativa da ERP Portugal...

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Diário da República, 1.ª série N.º 3 6 de Janeiro de 2009 127 Artigo 19.º Vinculação do Banco 1 O Banco obriga -se mediante: a) A assinatura de dois membros do conselho de administração; b) A assinatura

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

Ministério d DL 73/2014 2014.02.17

Ministério d DL 73/2014 2014.02.17 DL 73/2014 2014.02.17 As disparidades entre as disposições legislativas ou administrativas adotadas pelos Estados- Membros em matéria de gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE)

Leia mais

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Rosa Novais Belo Horizonte, março 2013 Gestão de Resíduos na Europa O setor de gestão e reciclagem de resíduos na União Europeia

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 9366 Diário da República, 2.ª série N.º 43 3 de Março de 2010 O presidente do júri será substituído nas suas faltas ou impedimentos pelo primeiro vogal efectivo. 20 As actas do júri, de onde constam os

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE Gestão de Resíduos no Território Isabel Vasconcelos Fevereiro de 2006 Produção de Resíduos Resíduos - Quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

CONTRATO DE UTILIZADOR

CONTRATO DE UTILIZADOR CONTRATO DE UTILIZADOR Entre: a) Ecopilhas Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, n.º 7, 1.º andar sala

Leia mais

PROCESSO DE GEMINAÇÃO

PROCESSO DE GEMINAÇÃO PROCESSO DE GEMINAÇÃO 2 PROCESSO DE GEMINAÇÃO A nova edição da campanha Geração Depositrão apresenta uma componente social ainda mais forte, na medida em que, para além dos prémios finais oferecidos pelo

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC ABBC A actuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

Parceria sólida desde 2011 Programa centrado nos líderes É nas alturas de crise que o líder tem de assumir plenamente a sua missão no desenvolvimento da empresa, dos colaboradores, das famílias e da comunidade

Leia mais

Agradecimentos. À empresa UTV, pela disponibilidade concedida para a execução do estágio prático e por todo o apoio técnico e informativo.

Agradecimentos. À empresa UTV, pela disponibilidade concedida para a execução do estágio prático e por todo o apoio técnico e informativo. I Agradecimentos Este trabalho de investigação não seria exequível se não tivesse a orientação e o apoio de algumas pessoas a quem expresso o meu sincero agradecimento. À Professora Doutora Luísa Paula

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 28 1 INDICADORES ÁGUA 8 Evolução do número de análises em cumprimento do valor paramétrico 1, Análises (n.º) 7 6 5 4 3 2 1 591 65 64 278 97,48% 97,53% Fonte: ERSAR, 29 623

Leia mais

2670 Diário da República, 1.ª série N.º 87 7 de maio de 2014

2670 Diário da República, 1.ª série N.º 87 7 de maio de 2014 2670 Diário da República, 1.ª série N.º 87 7 de maio de 2014 e da Reabilitação Urbana, I. P.» ou ao «IHRU, I. P.», respetivamente. Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 27 de março de 2014. Pedro

Leia mais

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer. BS 29 P P Espelho de bolso iluminado Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.de

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE) NOVEMBRO 2015

PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE) NOVEMBRO 2015 PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE) NOVEMBRO 2015 Índice A. ENQUADRAMENTO LEGAL E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 1. Qual o enquadramento legal aplicável à gestão de resíduos

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS Portaria n.º 355/97, de 28 de Maio Aprova o modelo do livro de reclamações

Leia mais

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Enquadramento 1. O programa de Apoio às Actividades Tradicionais, adiante designado PRATA, é gerido pela Câmara Municipal de Moura em parceria com a Caixa de Crédito

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 5872 Diário da República, 1.ª série N.º 171 3 de Setembro de 2009 verno responsáveis pelas áreas das autarquias locais e da Administração Pública. Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 9 de Julho

Leia mais

Unidade de Saúde (detentor)

Unidade de Saúde (detentor) Óleos lubrificantes usados Contrato com operador de gestão autorizado Armazenamento temporário em contentores adequados, que são recolhidos no local pelo operador de gestão Ecocentro Operador de gestão

Leia mais