ANREEE. Dados de Mercado EEE em Portugal. Lisboa, 5 Maio 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANREEE. Dados de Mercado EEE em Portugal. Lisboa, 5 Maio 2011"

Transcrição

1 ANREEE Dados de Mercado EEE em Portugal 2010 Lisboa, 5 Maio

2 Introdução Uma política adequada de gestão de resíduos deve ter como objectivo principal a prevenção da sua produção. Não sendo possível afastar, em absoluto, a geração de resíduos, torna-se necessário promover a respectiva valorização, com o fim de reduzir a quantidade de resíduos a eliminar e salvaguardando os recursos naturais. A valorização de resíduos opera especificamente e segundo uma relação de prioridade, através da reutilização, da reciclagem e da recuperação energética, com efeitos benéficos quer a nível do ambiente, quer a nível da economia. Estes objectivos são válidos para a generalidade dos resíduos e também para os resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE). As Directivas Comunitárias 2002/95/CE e 2002/96/CE, deram origem ao DL 230/2004, de 10 de Dezembro, que atribui responsabilidades a quem está a colocar EEE no território Português, isto é, o Produtor e estipula regras para o tratamento ambientalmente correcto de todos os EEE que chegam ao seu fim de vida. Este Diploma faz aparecer a figura do Registo ANREEE - isto é, uma Entidade independente, sem fins lucrativos, que tem como missão registar todas as empresas que se definam como produtor, quantificar em peso e número os EEE desta natureza colocados em Portugal, qualificar os equipamentos de acordo com uma lista de 10 categorias presentes no DL e definir quotas de mercado para as Entidades Gestoras a operar no nosso país. A ANREEE começou as suas actividades de registo em Julho de 2005 e caracteriza anualmente o mercado português através da recolha de declarações de actividade que as empresas produtoras realizam obrigatoriamente à Associação. 2

3 Mercado EEE 2010 NÚMERO DE EMPRESAS REGISTADAS Em Dezembro de 2010 existiam em Portugal 1566 empresas registadas, o que corresponde a um incremento de 3,2% face a As empresas Portuguesas continuam em 2010 a espelhar a sua forte tendência importadora, com mais de 74% de equipamentos vindos da Europa e Sudoeste Asiático. DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA 2010 Os produtores concentram-se no litoral, com especial relevo para os distritos de Porto, Braga, Aveiro, Lisboa e Setúbal. É um crescimento moderado mas também afectado por 20 empresas, que em Novembro, foram canceladas unilateralmente pela ANREEE, por incumprimentos vários. EVOLUÇÃO DO REGISTO ANUAL O registo de empresas tem vindo a evidenciar um crescimento constante, desde a sua criação, apesar da crise económica dos últimos anos. VOLUME DE UNIDADES POR EMPRESA TIPO DE PRODUTOR Mais de metade das empresas registadas (55,9%) em 2010, colocam menos de EEE/ano em Portugal. Só 10% das empresas coloca mais de EEE/ano 3

4 QUANTIDADES E PESOS DE EEE EM 2010 As empresas registadas na ANREEE, declararam colocar no mercado em 2010, as quantidades e pesos abaixo mostradas º SEM 10 2º SEM 10 Totais 2010 Unidades Pesos (ton) , , ,41 Estes números provêm de uma taxa de cumprimento superior a 92%, O panorama evolutivo caracteriza-se por cada vez mais EEE, mas cada vez mais leves. Este facto pode ficar a dever-se a uma utilização de materiais e componentes dos EEE mais virada para a aplicação do Ecodesign aplicação de materiais menos densos na construção, de modo a promover a facilidade de desmantelamento e valorização pelo que, consequentemente, estes vão-se tornando mais leves. EVOLUÇÃO DAS QUANTIDADES E PESOS DE EEE AO LONGO DOS ANOS Unidades DISTRIBUIÇÃO DE EEE POR CATEGORIA A divisão pelas 10 categorias de equipamentos, previstas no Anexo I do DL 230/2004, apresentase abaixo Pesos A categoria que, em 2010 e pelo segundo ano consecutivo, mais contribuiu em unidades é a Categoria 3 Equipamentos de informática e telecomunicações. Desde 2007, tem vindo a assistir-se a um fenómeno constante de crescimento das unidades colocadas em território nacional, contrastando com decréscimo de peso dos equipamentos. Em pesos, a Categoria 1 Grandes Electrodomésticos é esmagadoramente dominante, mantendo o observado em anos anteriores 4

5 COMPARAÇÃO EEE 2010/2009 Apresentam-se no quadro abaixo a comparação de unidades e pesos relativas às 10 categorias, nos anos de 2010 e Comparação 2009/2010 Unidades Pesos (ton) Unidades Pesos Categoria ,65% , ,51 6,90% Categoria ,48% , ,99 8,52% Categoria ,10% , ,94-27,91% Categoria ,19% , ,70-16,19% Categoria ,12% 8.514, ,39-10,13% Categoria ,06% 6.901, ,63 7,69% Categoria ,54% 2.277, ,04-25,70% Categoria ,38% 1.033, ,31-7,33% Categoria ,55% 575,44 533,96 7,77% Categoria ,81% 1.122, ,59-44,00% TOTAL ,10% , ,06-2,18% Em 2010, observa-se globalmente que o número total de EEE colocados no mercado foi superior em 6,1% ao de Confirmando uma tendência observada o peso global dos EEE colocados no mercado em 2010 foi inferior em 2,18% ao de A Categoria que mais cresceu em 2010 foi a Categoria 7 Brinquedos e equipamentos de desporto e lazer, compensando a diminuição de unidades verificada em 2009 veja-se gráfico abaixo. As Categoria 3 Equipamentos de Telecomunicações e Informática, 4 - Consumo e 8 Equipamentos médicos, registaram decréscimos relativamente a 2009a Quanto aos pesos, assistiu-se a uma continuidade na descida das Categorias 4, 5 e 10, juntando-se também as Categorias 3, 7 e 8. As restantes Categorias tiveram subidas de peso, como foi caso das Categorias 1, 2, 6 e 9. 5

6 DISTRIBUIÇÃO DE EEE POR SUBCATEGORIA Em 2010 foram declarados os seguintes números por tipo de equipamento (subcategorias): CATEGORIA 1 Unidades Pesos (ton) 1.1. Frigoríficos , Congeladores , Outros ap grand dimens para refrig, conserv, armazengem alimentos , Máquinas de lavar roupa , Secadores de roupa , Máquinas de lavar loiça , Fogões , Fornos eléctricos , Placas de fogão eléctricas , Micro-ondas , Outros ap grd dimens para cozinhar ou transform alimentos , Radiadores eléctricos , Outros ap grd dimens aquecim casas, camas, móbil sentar , Ventoinhas eléctricas , Aparelhos de ar condicionado , Outros equip ventilação, ventil exaustão e condicionamento , Outros Grds Electrodom ,75 CATEGORIA 2 Subtotal Categoria , Aspiradores , Ap limpeza de alcatifas 531 5, Outros aparelhos de limpeza , Ap para costura, tricot, tecelagem e outras transf têxteis , Ferros engomar e out ap engomar, calandrar, tratvestuário , Torradeiras , Fritadeiras , Moinhos, máq café e ap abrir fechar recipientes ou embalagens , Facas eléctricas , Ap. Cortar, secar cabelo, escovas dentes, máq barbear, ap massagem, out ap cuidado do corpo Relógios sala, relógios pulso, ap medir, indicar ou registar tempo , , Balanças , Outros Peq Electrodomésticos ,84 Subtotal Categoria ,80 6

7 CATEGORIA 3 Unidades Pesos (ton) 3.1. Macrocomp (mainframes) , Minicomputadores , Unidades impressão , Comp pessoais (CPU, rato, ecrã, teclado incluíd) , Comp portát laptop , Comp portát notebook , Comp portát notepad , Impressoras , Copiadoras , Máq escrever eléct electrón 26 0, Calculadoras bolso e secretár , Outr prod e equip recolher, armazen, trat, apresent, comunic infor por via electrón , Sist e terminais de utilizador , Telecopiadoras , Telex 0 0, Telefones , Postos telefónicos públicos 117 0, Telefones sem fios , Telefones celulares , Respondedores automáticos , Out prod ou equip transm som, imagens ou out infor telecom , Outr. Equip Inform Telecom ,70 CATEGORIA 4 Subtotal Cat , Aparelhos de rádio , Aparelhos de televisão , Câmaras de vídeo , Gravadores de vídeo , Gravadores de alta-fidelidade , Amplificadores áudio , Instrumentos musicais , Outr. prod equip gravar,reprod som ou imagem,incl sinais ou outr tecnolog distrib som,imagem,que não telecom , Outros Equipamentos de Consumo ,86 Subtotal Cat

8 CATEGORIA 5 Unidades Pesos (ton) 5.1. Ap ilumin lâmpadas fluorescent, excep ap ilumin domést , Lâmpadas fluorescentes clássicas , Lâmpadas fluorescentes compactas , Lâmpadas descarga de alta intensid, incl lâmpadas sódio sob pressão e lâmpadas de haletos metálicos , Lâmpadas sódio baixa pressão , Outros equip ilumin ou equip destinado a dif ou controlar a luz, excep lâmpadas incandescentes CATEGORIA ,09 Subtotal Cat , Berbequins , Serras , Máquinas de costura , Equip tornear, fresar, lixar, triturar, serrar, cortar, tosar, brocar, furos, puncionar, dobrar, encurvar, ou proc similares trat de madeira, metal e outr materiais 6.5. Ferram rebitar, pregar,aparafusar,remover rebites, pregos ou parafusos, ou usos semelhant , , Ferramentas para soldar ou usos semelhantes , Equip pulverizar, espalhar, dispersar ou tratam subst líquidas ou gasosas por outros meios 6.8. Ferramentas cortar relva ou outr actividades de jardinagem 6.9. Outras Ferramentas Eléctric e Electrón (excep ferramentas industriais fixas grnd dimensões) CATEGORIA 7 Subcaegorias 7.1. Conjuntos de comboios eléct ou de pistas de carros de corrida , , ,13 Subtotal Cat , , Consolas jogos de vídeo portáteis , Jogos de vídeo , Computadores para ciclismo, mergulho, corrida, remo, etc , Equip desportivo com componentes eléct ou electrónicos , Caça-níqueis (slot machines) 445 2, Outros Brinquedos e Equip de Desporto e Lazer ,04 Subtotal Cat ,22 8

9 CATEGORIA 8 Unidades Pesos (ton) 8.1. Equipamentos de radioterapia , Equipamentos de cardiologia , Equipamentos de diálise , Ventiladores pulmonares , Equipamentos de medicina nuclear 1 0, Equipamentos de laboratório para diagnóstico in vitro , Analisadores , Congeladores 75 12, Testes de fertilização 0 0, Outros aparelhos para detectar, evitar, controlar, tratar, aliviar doenças, lesões ou deficiências Outros Aparelhos Médicos (com excepção de todos os produtos implantados e infectados) CATEGORIA , ,42 Subtotal Cat , Detectores de fumo , Reguladores de aquecimento , Termóstatos , Aparelhos de medição, pesagem ou regulação para uso doméstico ou como equipamento laboratorial 9.5. Outros instrumentos de controlo e comando utilizados em instalações industriais (por exemplo, em painéis de comando) CATEGORIA , ,71 Subtotal Cat , Distribuidores automáticos de bebidas quentes , Distribuidores automáticos de garrafas ou latas quentes ou frias 104 6, Distribuidores automáticos de produtos sólidos , Distribuidores automáticos de dinheiro , Todos os aparelhos que forneçam automaticamente todo o tipo de produtos ,03 Subtotal Cat ,50 TOTAL GLOBAL ,41 9

10 Gestão de REEE A gestão de resíduos de EEE constitui parte fundamental de uma solução ambientalmente sã. Não existindo, em Portugal, produtores a fazerem a gestão própria dos seus REEE, estes delegam-na nos sistemas de gestão integrados. Da gestão fazem parte a recolha, o transporte e o destino final dos REEE. RECOLHA DE REEE Recolha de REEE por categoria 2010 Quantidade Recolhida (ton) Cat. 1.Grandes electrodomésticos ,62 Cat. 2. Pequenos electrodomésticos 4.056,53 Cat. 3. Equip. informát. e Telecom ,65 Cat. 4. Equipamentos de consumo 4.443,61 Cat. 5. Equipamentos de iluminação 593,27 Cat. 6. Ferramentas eléct. e electrón 388,95 Cat. 7. Brinquedos e equip. desp. lazer 106,90 Cat. 8. Aparelhos médicos 292,58 Cat. 9. Instrum. monit e controlo 347,03 Cat. 10. Distribuidores automáticos 401,43 Total ,57 A recolha de REEE pode ter duas proveniências: de particulares (caso em que os REEE recolhidos são de proveniência doméstica ou equiparados a REEE domésticos) e de não particulares (caso dos REEE com características não domésticas). Em 2010 foram recolhidas ,57 toneladas de REEE. Como os objectivos de recolha prevista na alínea 10 do Artigo 9º do DL 230/2004 são de 4 kg/hab.ano, Portugal encontra-se com a sua meta de recolha satisfeita e superada. Em média foram recolhidos, em 2010, 4,6 kg por habitante.(retirado por indicação da Agência Portuguesa do Ambiente) 10

11 VALORIZAÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM Taxas de Valorização Categorias 2010 (*)Não existem metas previstas Taxas previstas Taxas alcançadas Cat. 1.Grandes electrodomésticos 80% 83,19% Cat. 2. Pequenos electrodomésticos 70% 92,93% Cat. 3. Equip. informát. e Telecom. 75% 91,44% Cat. 4. Equipamentos de consumo 75% 90,29% Cat. 5. Equipamentos de iluminação 70% 96,92% Cat. 6. Ferramentas eléct. e electrónicas 70% 93,33% Cat. 7. Brinquedos e equip. desp. lazer 70% 93,08% Cat. 8. Aparelhos médicos N/A (*) Cat. 9. Instrum. Monit. e controlo 70% 93,53% Cat. 10. Distribuidores automáticos 80% 91,28% A gestão de REEE implica igualmente um tratamento adequado, o qual pode ser conseguido por intermédio de operações de valorização. Estas operações prevêem metas que se encontram presentes no DL 230/2004, mais precisamente no seu artigo 7º. (Retirado por indicação da Agência Portuguesa do Ambiente) Taxas de Reutilização e Reciclagem Categorias 2010 (*)Não existem metas previstas Taxas previstas Taxas Alcançadas Cat. 1.Grandes electrodomésticos 75% 80,19% Cat. 2. Pequenos electrodomésticos 50% 92,88% Cat. 3. Equip. informát. e Telecom. 50% 91,01% Cat. 4. Equipamentos de consumo 65% 89,94% Cat. 5. Equipamentos de iluminação 80% peso lâmpadas descarga de gás 96,92% Cat. 6. Ferramentas eléct. e electrónicas 50% 93,23% Cat. 7. Brinquedos e equip. desp. lazer 50% 92,98% Cat. 8. Aparelhos médicos N/A (*) Cat. 9. Instrum. Monit. e controlo 50% 93,33% Cat. 10. Distribuidores automáticos 75% 90,38% Como a responsabilidade pela gestão de REEE incide unicamente sobre as entidades gestoras deste fluxo, as taxas alcançadas, percentualmente, espelham o seu bom desempenho, com valores que ultrapassam as metas previstas no decreto-lei. (Retirado por indicação da Agência Portuguesa do Ambiente) 11

12 Legislação Directiva REEE 2002/96/CE Directiva RoHS 2002/95/CE UE Portugal DL 230/2004, 10 de Dezembro Alt. pelo DL 174/2005, 25 Out e DL 132/2010, 17 Dez DIRECTIVA REEE Produtor» qualquer entidade que, independentemente da técnica de venda, incluindo a venda através da comunicação à distância: i)produza e coloque no território nacional EEE sob marca própria; ii)revenda, sob marca própria, EEE produzidos por outros fornecedores; iii)importe ou coloque no território nacional EEE com carácter profissional; EEE de acordo com definição do DL e enquadrados em 10 Categorias 10 Categorias Cat 1 Cat 2 Cat 3 Cat 4 Cat5 Cat 6 Cat 7 Cat 8 Cat 9 Cat 10 Grandes Electrodomésticos (ex: frigorífico, máq. lavar) Pequenos Electrodomésticos (ex: torradeira, balança) Equip. Inform. E Telecom. (ex: impressora, telemóvel) Equipamento Consumo (ex: tv, câmaras de vídeo) Equipamento Iluminação (ex: lâmpada fluorescente, luminária) Ferramentas Eléct. Electrónicas (ex: serra, berbequim) Brinquedos Lazer e Desporto (Ex: passadeira, consola jogos) Equipamentos Médicos (ex: apar. RX, apar. tensão arterial) Monitorização e Controlo (ex: termóstato, sensor) Distribuidores Automáticos (ex: máq. venda bilhetes, ATM) Solução ambientalmente sustentável para todos os EEE de que o seu detentor se venha a desfazer. Embora com diferentes graus, todos os intervenientes no ciclo de vida dos EEE são coresponsáveis pela sua gestão adequada. Princípio poluidor-pagador - os produtores podem optar, por assumir as suas obrigações: Individualmente - mediante a prestação de garantias financeiras que assegurem os custos da gestão dos resíduos dos seus produtos; Ou Colectivamente - mediante adesão a um sistema integrado para o qual podem transferir a sua responsabilidade. DIRECTIVA REEE ESTIPULA 1 Registo de Produtores de EEE 2- Sistema de Gestão adequado para EEE 3 Recolha Selectiva de REEE, com objectivo de recolha per capita de 4kg/ano 4 Taxas de valorização, reciclagem e reutilização, para cada uma das 10 categorias de REEE 5 Tratamento de substâncias perigosas (CFC, PBB, PBDE, mercúrio, cádmio, chumbo) 6 - Símbolo de Recolha selectiva nos EEE 7 Nº de Registo de Produtor nas facturas e documentos de transporte: PT

13 Associação e Intervenientes MISSÃO DA ANREEE A ANREEE, como associação de registo nacional, é a única entidade capaz de transmitir com rigor, numa perspectiva global, a caracterização do mercado português quantidades de EEE colocadas no território em unidades e pesos. Esta caracterização é feita com base nas declarações de actividade que todas as empresas Produtoras, que se encontram a comercializar EEE realizam à ANREEE semestralmente. COMO SE PROCESSA O REGISTO O registo e as declarações de Produtores são feitos on-line, através da plataforma informática SIRP, de fácil acesso e eficaz. Não existem trocas físicas de documentos, evitando extravios desnecessários. A plataforma encontra-se a operar 24h por dia, 365 dias por ano. A ANREEE também é responsável pela classificação de EEE de acordo com as 10 categorias e 104 subcategorias existentes no DL, especialmente aqueles que não estejam explicitamente descritos na lista do Anexo I deste diploma. INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO A ANREEE transmite todas as informações necessárias ao registo, declarações, legislação e responsabilidades das empresas através da sua página Web (www.anreee.pt), que já conta com mais de 338 mil visitantes. Entidades Intervenientes no ciclo dos EEE Para que exista um tratamento eficaz de EEE quando estes se tornam resíduos, é necessário dividir a quantidade de REEE gerados pelos respectivos sistemas de gestão existentes. A ANREEE, por dever legal, sabe qual o universo de EEE existentes e calcula as quotas de mercado correspondentes a cada sistema de gestão AMB3E e ERP Portugal. HARMONIZAÇÃO EUROPEIA A ANREEE é membro fundador da EWRN European WEEE Register Network rede de registos europeia, onde são discutidas e harmonizadas matérias relacionadas com o procedimento de registo, de modo a promover uma igual actuação do Registo por toda a Europa. Os membros desta rede representam 80% do mercado europeu de EEE. Como meio fiscalizador em matéria de REEE, existe a ASAE e a IGAOT e a APA. 13

14 FIM 14

Valores do mercado Português de EEE em 2008

Valores do mercado Português de EEE em 2008 2008 2007 Categorias de Produtos Unidades Pesos (ton) Unidades Pesos (ton) 1. Grandes electrodomésticos 3.089.503 90.026,84 3.460.515 100.692,68 2. Pequenos electrodomésticos 7.329.676 12.815,78 7.313.755

Leia mais

Valores do mercado Português de EEE em 2007

Valores do mercado Português de EEE em 2007 2007 2006 Categorias de Produtos Unidades Pesos (ton) Unidades Pesos (ton) 1. Grandes electrodomésticos 3.460.515 100.692,68 3.400.249 66.306,08 2. Pequenos electrodomésticos 7.313.755 11.748,19 5.030.036

Leia mais

PORTUGAL 2009. Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE

PORTUGAL 2009. Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE PORTUGAL 2009 DADOS DE MERCADO DE EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE Pg. 1 Sumário Uma política adequada de gestão de

Leia mais

RESÍDUOS DE EQUIPAMENTO ELÉCTRICO E ELECTRÓNICO - REEE

RESÍDUOS DE EQUIPAMENTO ELÉCTRICO E ELECTRÓNICO - REEE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTO ELÉCTRICO E ELECTRÓNICO - REEE Centro de Recepção de REEE do Concelho da Figueira da Foz: Ecocentro do Aterro Sanitário da Figueira da Foz (EN109) Horário: De 2ª feira a 6ª feira

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-12-2010 SEÇÃO I PÁG 36 RESOLUÇÃO SMA Nº 131 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Altera os artigos 2º, 3,4º e 5º e acrescenta o artigo 5ºA a Resolução SMA nº 24, de 30

Leia mais

ANREEE. Dados de Mercado Equipamentos Elétricos e Eletrónicos 2013

ANREEE. Dados de Mercado Equipamentos Elétricos e Eletrónicos 2013 ANREEE Dados de Mercado Equipamentos Elétricos e Eletrónicos SÚMULA ÍNDICE 1. As empresas no setor dos EEE em Portugal em... 3 1.1 O seu número e evolução... 3 1.2 Perfil das empresas registadas... 4 1.3

Leia mais

Minuta de Resolução. Considerando a necessidade de reduzir, tanto quanto possível, a geração de resíduos, como parte da gestão integrada de REEE;

Minuta de Resolução. Considerando a necessidade de reduzir, tanto quanto possível, a geração de resíduos, como parte da gestão integrada de REEE; Texto consensado ABINEE/ELETROS Legenda: EEE = Equipamentos Eletroeletrônicos REEE = Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Minuta de Resolução Dispõe sobre a regulamentação da gestão dos resíduos

Leia mais

Minuta de Resolução. Dispõe sobre a regulamentação da gestão dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos no Brasil. MINUTA RESOLUÇÃO CONAMA

Minuta de Resolução. Dispõe sobre a regulamentação da gestão dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos no Brasil. MINUTA RESOLUÇÃO CONAMA Legenda: Textos em vermelho são comentários ou sugestões do setor Minuta de Resolução Dispõe sobre a regulamentação da gestão dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos no Brasil. MINUTA RESOLUÇÃO

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 37/24 DIRECTIVA 2002/96/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Janeiro de 2003 relativa aos resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO

Leia mais

O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS

O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS Marta Carvalho 3 dezembro 2014 Diretiva 2002/95/CE (RoHS) Diretiva

Leia mais

Transposição para o Direito Nacional das Directivas REEE e Restrição do Uso de Determinadas Substâncias Perigosas em EEE

Transposição para o Direito Nacional das Directivas REEE e Restrição do Uso de Determinadas Substâncias Perigosas em EEE Transposição para o Direito Nacional das Directivas REEE e Restrição do Uso de Determinadas Substâncias Perigosas em EEE QUEM É A ANIMEE Uma Associação, de âmbito nacional, cujo objectivo principal é o

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

Índice. Comunicação e Sensibilização. Filipa Moita. Green Festival. 22 Setembro 2009. Centro Congressos do Estoril

Índice. Comunicação e Sensibilização. Filipa Moita. Green Festival. 22 Setembro 2009. Centro Congressos do Estoril Comunicação e Sensibilização Filipa Moita 22 Setembro 2009 Centro Congressos do Estoril Índice 1. Quem somos Europa Enquadramento Legal Categorias Operacionais de REEE Missão 2. Comunicação e Sensibilização

Leia mais

Welcome. Bienvenue. Willkommen. Witamy. Bem-Vindo. Benvenuto. Velkommen. Bienvenidos. Tervetuloa

Welcome. Bienvenue. Willkommen. Witamy. Bem-Vindo. Benvenuto. Velkommen. Bienvenidos. Tervetuloa Welcome Willkommen Bienvenue Bem-Vindo Witamy Velkommen Bienvenidos Benvenuto Tervetuloa A E R P Plataforma Pan-Europeia de Gestão de Resíduos Ordem dos Engenheiros Lisboa 2ª Jornada de Reciclagem e Valorização

Leia mais

832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n. o 20/2002 de 30 de Janeiro Os objectivos fundamentais de uma política

Leia mais

O novo regime jurídico da gestão dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE2)

O novo regime jurídico da gestão dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE2) COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS O novo regime jurídico da gestão dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE2) CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Mónica Oliveira

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

01 ERP - GERAÇÃO DEPOSITRÃO

01 ERP - GERAÇÃO DEPOSITRÃO 01 Entidade Promotora: Parceiro: Apoios: ÍNDICE A ERP PORTUGAL Página 03 OS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS (REEE) Página 04 OS RESÍDUOS DE PILHAS E ACUMULADORES (RP&A) Página 08 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Que podemos nós fazer? Eficiência Energética Utilização Racional da Energia, assegurando os níveis de conforto e de qualidade de vida. Como?

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

Tudo o que a população pode fazer diariamente para poupar energia quer no trabalho ou em casa. Se todos colaborarmos um pouco, a natureza agradece e

Tudo o que a população pode fazer diariamente para poupar energia quer no trabalho ou em casa. Se todos colaborarmos um pouco, a natureza agradece e 1 Tudo o que a população pode fazer diariamente para poupar energia quer no trabalho ou em casa. Se todos colaborarmos um pouco, a natureza agradece e o seu bolso também. Poupar energia significa diminuir

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica Autoridade de Segurança Alimentar e Económica UNO/DEPO SEMINÁRIO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA & ECODESIGN DE PRODUTOS COMPETÊNCIAS DA ASAE MARÇO 2015 FISCALIZAÇÃO DO MERCADO FISCALIZAÇÃO DO MERCADO DEFINIÇÃO

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

MANUAL GESTÃO DE RESÍDUOS HOS INTEGRADOS EQUIPA REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2011

MANUAL GESTÃO DE RESÍDUOS HOS INTEGRADOS EQUIPA REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2011 MANUAL GESTÃO DE RESÍDUOS HOS OSPITALARE PITALARES PARA UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS EQUIPA REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA ADAPTADO DO PROGRAMA

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

Dicas para poupar energia Doméstico

Dicas para poupar energia Doméstico Dicas para poupar energia Doméstico Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da

Leia mais

Freguesia de Santa Maria Maior e Monserrate e Meadela

Freguesia de Santa Maria Maior e Monserrate e Meadela Pág. n.º 1 101 EQUIPAMENTO INFORMÁTICO: 01 HARDWARE: 101 01 02 Computadores... 8 1 875,74 101 01 03 Equipamento de rede... 7 70,19 101 01 07 Impressoras... 14 869,03 101 01 08 Leitores de CD-ROM... 1 0,00

Leia mais

Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos

Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos 2014 Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos 17-07-2014 Índice 1 Objetivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quais as empresas que estão abrangidas pela legislação?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?...

Leia mais

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO ND-5.1 7-8 TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO Aparelhos de Aquecimento e Eletrodomésticos Tipo Potência Tipo Potência ( W ) ( W ) Aquecedor de Água até 80 L 1.500

Leia mais

Guia AVAC & R - Aquecimento, Ventilação, Ar Condicionado & Refrigeração

Guia AVAC & R - Aquecimento, Ventilação, Ar Condicionado & Refrigeração 2014 Guia AVAC & R - Aquecimento, Ventilação, Ar Condicionado & Refrigeração 17-07-2014 ÍNDICE 1 Objetivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Responsabilidades de registo...

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

Perspectiva da Autoridade de Fiscalização de Mercado

Perspectiva da Autoridade de Fiscalização de Mercado Perspectiva da Autoridade de Fiscalização de Mercado Sarogini Monteiro NATUREZA JURÍDICA DA ASAE Serviço central da administração directa do Estado dotado de autonomia administrativa Órgão de Polícia Criminal

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt

Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt Partilhe connosco as suas sugestões para um ambiente melhor, através do endereço penseverde@tdimobiliaria.pt.

Leia mais

Dicas para a poupança de energia

Dicas para a poupança de energia Dicas para a poupança de energia Conselhos de verificação da factura eléctrica Analise se a potência contratada é adequada ao consumo real da instalação ou se poderá reduzi-la. Verifique se os seus consumos

Leia mais

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer. BS 29 P P Espelho de bolso iluminado Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.de

Leia mais

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 FLUXOS ESPECÍFICOS DE RESÍDUOS Um dos objectivos da política ambiental integrada é a atribuição da responsabilidade,

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz.

Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. Quando você utiliza energia de forma eficiente, todo mundo sai ganhando.

Leia mais

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 26.9.2006 L 266/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DIRECTIVA 2006/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de Setembro de 2006 relativa a pilhas e acumuladores e respectivos

Leia mais

www.cintinamica.pt COMO É QUE FUNCIONAM OS CONTROLADORES?

www.cintinamica.pt COMO É QUE FUNCIONAM OS CONTROLADORES? O QUE SÃO OS CONTROLADORES? Os controladores são equipamentos de tecnologia inteligente que optimizam a qualidade e estabilizam a corrente eléctrica, conseguindo reduzir o consumo energético dos equipamentos

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

Eficiência na Gestão de Resíduos. I joana.andre@lipor.pt I www.lipor.pt I. Multimaterial

Eficiência na Gestão de Resíduos. I joana.andre@lipor.pt I www.lipor.pt I. Multimaterial REEE joana.andre@lipor.pt www.lipor.pt População 969.036 habitantes (Census 2001) 10,3% da população de Portugal Produção anual de RSU (ano 2004) : 488.128 toneladas Capitação 1,38 kg/(hab/dia) Área: 648

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO Desp. 21/95 - O Dec. Regul. 42/93, de 27-11, que estabeleceu o regime do licenciamento e da fiscalização das unidades privadas com ou sem fins lucrativos, que actuem

Leia mais

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER.

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. Na verdade você corre o risco de molhar o medidor e causar Curto-circuito.

Leia mais

ANEXO 3 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST.

ANEXO 3 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. ANEXO 3 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. Abrangência: operações interestaduais originadas do Estado de São Paulo e destinadas ao Estado de Santa Catarina. Produto: eletrônicos,

Leia mais

DICAS PARA A SUA ECONOMIA

DICAS PARA A SUA ECONOMIA DICAS PARA A SUA ECONOMIA SELO PROCEL Quer saber como economizar energia de forma simples e em situações práticas do dia a dia? Clique nos números. Depois, é só colocar em prática. 11 7 1 Ao comprar refrigeradores,

Leia mais

Como funciona O sistema Valorfito?

Como funciona O sistema Valorfito? Como funciona O sistema Valorfito? Em campo por amor à terra. www.valorfito.com Como funciona O sistema Valorfito? O VALORFITO é responsável pela gestão de: Resíduos de Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

Nome: Turma: _ Nº: Data:

Nome: Turma: _ Nº: Data: FORMAÇÃO CÍVICA Guião O Ambiente da minha Casa Nome: Turma: _ Nº: Data: De uma forma geral, todas as actividades humanas na Terra, provocam alterações no Meio Ambiente. Muitos destes impactes Ambientais

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Use a criatividade e o bom senso para gerar conscientização ecológica e economia Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório

Leia mais

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente 2008 1 A Região Autónoma da Madeira Área 42,5 km 2 População residente

Leia mais

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável Sensibilização para o Sector Doméstico A DECO na Educação para o Consumo Sustentável 1 Quem somos A DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor é uma associação privada, sem fins lucrativos

Leia mais

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os resíduos perigosos domésticos, industriais e os resíduos hospitalares.

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os resíduos perigosos domésticos, industriais e os resíduos hospitalares. NÚMERO: 1 TÍTULO: Os resíduos perigosos domésticos, industriais e os resíduos hospitalares. IDEIAS CHAVE: Resíduos corrosivos, tóxicos, inflamáveis, nocivos. Nesta colecção de transparências, pretendem-se

Leia mais

Total KG COLETADO: Resíduos Diversos - Fita Sintética KG 145 0 ADMINISTRA. Resíduos Diversos - Louças KG 192 1 HIGI SERV LI

Total KG COLETADO: Resíduos Diversos - Fita Sintética KG 145 0 ADMINISTRA. Resíduos Diversos - Louças KG 192 1 HIGI SERV LI Total KG COLETADO: 9.60,000,000 0,000 6,000 87,000,000 7,000,000 0,000,000.996,000 77,000,000.9,000 9,000 9,000,000 08,000 0,000,000,000 0,000 6,000,000 KG 88 SLAVIERO HO Lâmpadas Fluorescentes Quebradas

Leia mais

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul O QUE PODE

Leia mais

CONTRATO DE PRODUTOR N.º [...]/11

CONTRATO DE PRODUTOR N.º [...]/11 CONTRATO DE PRODUTOR N.º [...]/11 Entre: G.V.B. - GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE BATERIAS, LDA., sociedade comercial por quotas, com sede na Rua da Junqueira, n.º 39, 2.º Piso, Edifício Rosa, 1300-307 Lisboa,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PARA PRODUTORES/IMPORTADORES DE BATERIAS DE VEÍCULOS ÍNDICE Introdução...3 1. Enquadramento Legal...4

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

PROCESSO DE GEMINAÇÃO

PROCESSO DE GEMINAÇÃO PROCESSO DE GEMINAÇÃO 2 PROCESSO DE GEMINAÇÃO A nova edição da campanha Geração Depositrão apresenta uma componente social ainda mais forte, na medida em que, para além dos prémios finais oferecidos pelo

Leia mais

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS RESÍDUOS 2 RESÍDUOS 3 RESÍDUOS IMPACTOS AMBIENTAIS RESÍDUOS: Quantidade Natureza POLUIÇÃO E POLUENTES: Natureza Consequências 4 RESÍDUOS: Quantidade Produção: 2000-17

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Introdução. A Equipa da Ecopilhas

Introdução. A Equipa da Ecopilhas Manual de Apoio Introdução O Manual Pilhão vai à Escola foi construído com o objetivo de servir como guia ao Professor e ao Educador responsável por dinamizar a iniciativa na Escola. Contém sugestões práticas

Leia mais

LEI 11.445/2007 RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Eixo: LOGISTICA REVERSA

LEI 11.445/2007 RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Eixo: LOGISTICA REVERSA LEI 11.445/2007 RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS Eixo: LOGISTICA REVERSA PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Instrumentos Legais: Resolução

Leia mais

Ministério d DL 73/2014 2014.02.17

Ministério d DL 73/2014 2014.02.17 DL 73/2014 2014.02.17 As disparidades entre as disposições legislativas ou administrativas adotadas pelos Estados- Membros em matéria de gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE)

Leia mais

Dicas para poupar energia Empresas

Dicas para poupar energia Empresas Dicas para poupar energia Empresas Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da factura

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

WEEELABEX. Documento normativo. Logística. 28 Maio 2012. Texto traduzido e aprovado pela AMB3E

WEEELABEX. Documento normativo. Logística. 28 Maio 2012. Texto traduzido e aprovado pela AMB3E Documento normativo WEEELABEX Logística 28 Maio 2012 Texto traduzido e aprovado pela AMB3E i Com o apoio financeiro do programa LIFE da Comunidade Europeia Índice Preâmbulo... iii Introdução... iv Logística...

Leia mais

Normas de funcionamento do ECOCENTRO Municipal de S. João da Madeira. Preâmbulo

Normas de funcionamento do ECOCENTRO Municipal de S. João da Madeira. Preâmbulo Normas de funcionamento do ECOCENTRO Municipal de S. João da Madeira Preâmbulo O presente documento define as normas e regras a que ficam sujeitos os utilizadores que pretendam proceder à deposição de

Leia mais

... CIRCULAR 171... Novos produtos sujeitos a Substituição Tributária a partir de 06/2009.

... CIRCULAR 171... Novos produtos sujeitos a Substituição Tributária a partir de 06/2009. ... CIRCULAR 171......... Novos produtos sujeitos a Substituição Tributária a partir de 06/2009. Prezados Clientes, Foi publicado no DOE de 18/05/2009 através do Decreto Nº. 54.338 a relação com novos

Leia mais

União das Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela

União das Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela Pág. n.º 1 101 EQUIPAMENTO INFORMÁTICO: 01 HARDWARE: 101 01 02 Computadores... 8 888,66 101 01 03 Equipamento de rede... 7 35,09 101 01 07 Impressoras... 14 405,85 101 01 08 Leitores de CD-ROM... 1 0,00

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Mónica Oliveira Costa Portugal Outubro 2015 Recentemente

Leia mais

Responsabilidades pelo transporte, tratamento, valorização e eliminação de REEE provenientes de utilizadores particulares

Responsabilidades pelo transporte, tratamento, valorização e eliminação de REEE provenientes de utilizadores particulares artigo 12.º Responsabilidades pelo transporte, tratamento, valorização e eliminação de REEE provenientes de utilizadores particulares 1 Cabe aos produtores o financiamento das operações de transporte de

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais 1 Os edifícios da Sede e Museu foram inaugurados em 1969, 7 anos depois do início da construção, sendo o projecto dos arquitectos Alberto Pessoa, Pedro Cid e Ruy d Athouguia; Os jardins são projecto dos

Leia mais

NEWSLETTER Edição 1 / Janeiro 2006

NEWSLETTER Edição 1 / Janeiro 2006 Low-Cost Lead-Free Soldering Technology to Improve the Competitiveness of European SMEs Collective Research Project in the 6th Outline Research Programme of the European Union NEWSLETTER Edição 1 / Janeiro

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO OUTUBRO

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO OUTUBRO OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO OUTUBRO Envie-nos um e-mail para EEN-Portugal@aip.pt a solicitar informação detalhada, indicando o código de Referência Nacional. Referência DE-2015-305 CZ-2015-306 Retalhista

Leia mais

TABELA ORIENTATIVA Potência Potência Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln

TABELA ORIENTATIVA Potência Potência Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln Linha GERADORES Linha GERADORES DE ENERGIA Energia garantida para o seu serviço A linha de Geradores de Energia Schulz foi especialmente desenvolvida para levar energia onde a eletricidade ainda não alcança.

Leia mais

Adesão ao Sistema Integrado de Gestão de Resíduos Eléctricos e Electrónicos e Pilhas e Acumuladores da ERP Portugal

Adesão ao Sistema Integrado de Gestão de Resíduos Eléctricos e Electrónicos e Pilhas e Acumuladores da ERP Portugal Adesão ao Sistema Integrado de Gestão de Resíduos Eléctricos e Electrónicos e Pilhas e Acumuladores da ERP Portugal Elaborado por Rosa Peres Aprovado por Ricardo Neto Data 7 de novembro de 2013 1 Índice

Leia mais

ANEXO 4 AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO

ANEXO 4 AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO ANEXO 4 AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO Abrangência: operações interestaduais originadas do estado do Rio de Janeiro e destinadas ao estado de São Paulo. Produto:

Leia mais

ECOCENTROS MUNICÍPIO DE MATOSINHOS RESIDUOS ADMISSÍVEIS E NÃO ADMISSÍVEIS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS PLÁSTICO ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS

ECOCENTROS MUNICÍPIO DE MATOSINHOS RESIDUOS ADMISSÍVEIS E NÃO ADMISSÍVEIS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS PLÁSTICO ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS Equipamentos de frio (frigoríficos, combinados, arcas congeladoras, aparelhos ar condicionado/precisam de um transporte seguro, salvaguardando a integridade

Leia mais

Legislação sobre Resíduos

Legislação sobre Resíduos Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ECOCENTRO DE BEJA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ECOCENTRO DE BEJA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ECOCENTRO DE BEJA Preâmbulo No âmbito da sua delegação, a RESIALENTEJO integrou o Ecocentro de Beja (EC), situado no concelho de Beja. Assim em conformidade: Com a legislação

Leia mais

C A T E G O R I A 1. G R A N D E S E L E C T R O D O M É S T I C O S ( 1 / 2 )

C A T E G O R I A 1. G R A N D E S E L E C T R O D O M É S T I C O S ( 1 / 2 ) Acumuladores de calor C A T E G O R I A 1. G R A N D E S E L E C T R O D O M É S T I C O S ( 1 / 2 ) Aparelhos de ar condicionado (portáteis e fixos) com potência < 7Kw/ h Aquecedores de batatas Aquecedores

Leia mais

Engenharia do Ambiente. Susana do Espírito Santo Ferreira. Júri. Presidente: Prof. Tiago Domingos. Orientador: Prof. Paulo Ferrão

Engenharia do Ambiente. Susana do Espírito Santo Ferreira. Júri. Presidente: Prof. Tiago Domingos. Orientador: Prof. Paulo Ferrão Análise Ambiental, Técnica e Económica de Circuitos Logísticos de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos no Âmbito do Sistema Integrado de Gestão Susana do Espírito Santo Ferreira Dissertação

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE) NOVEMBRO 2015

PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE) NOVEMBRO 2015 PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE) NOVEMBRO 2015 Índice A. ENQUADRAMENTO LEGAL E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 1. Qual o enquadramento legal aplicável à gestão de resíduos

Leia mais

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente Seminários 2013 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares Francisco Valente OBJECTIVOS Informação sobre as obrigações legais dos produtores de resíduos hospitalares;

Leia mais

Endereço electrónico: dgc@dg.consumidor.pt ; Sítio web: http://www.consumidor.pt

Endereço electrónico: dgc@dg.consumidor.pt ; Sítio web: http://www.consumidor.pt Frigorifico O frigorífico é o electrodoméstico mais consumidor de energia das habitações portuguesas. É responsável por praticamente 32% do consumo de electricidade. Este equipamento tem etiqueta energética.

Leia mais

Sustentabilidade na Cadeia de Valor dos Equipamentos Eléctricos e Electrónicos na Worten

Sustentabilidade na Cadeia de Valor dos Equipamentos Eléctricos e Electrónicos na Worten Sustentabilidade na Cadeia de Valor dos Equipamentos Eléctricos e Electrónicos na Worten Vitor Martins José Vieira de Almeida 30 de Set de 2011 Índice ENQUADRAMENTO WORTEN Quem somos Missão, Valores e

Leia mais

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento 10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte Elsa Pereira Nascimento O IMPACTO DA VALORPNEU: Pontos Recolha da Rede Valorpneu Transportadores na Rede Valorpneu O IMPACTO DA

Leia mais

Para poderem funcionar / estar abertos ao público, todos os Estabelecimento devem

Para poderem funcionar / estar abertos ao público, todos os Estabelecimento devem Nos termos definidos no art.º 5.º do Decreto-Lei n.º 234/2007, de 19 de Junho, O DECRETO REGULAMENTAR N.º 20/2008, de 27 de Novembro, VEIO ESTABELECER QUAIS OS REQUISITOS ESPECÍFICOS RELATIVOS ÀS INSTALAÇÕES,

Leia mais