Legislação sobre Resíduos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Legislação sobre Resíduos"

Transcrição

1 Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004

2 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares Outros (agrícolas, radioactivos, etc.) SUMÁRIO Legislação Geral sobre Resíduos Gestão de resíduos Transporte e Transferência de Resíduos Legislação Específica sobre Resíduos Óleos usados Embalagens e resíduos de embalagens Pilhas e acumuladores usados Resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE) PCB e PCT Pneus usados Veículos em fim de vida

3 TIPOS DE RESÍDUOS Resíduos Urbanos os resíduos domésticos ou outros resíduos semelhantes, em natureza ou composição (ex( ex: : do sector de serviços ou de estabelecimentos comerciais ou industriais e de unidades prestadoras de cuidados de saúde) em que a produção diária não exceda litros por produtor Resíduos Industriais os resíduos gerados em actividades industriais, bem como os que resultem das actividades de produção e distribuição de electricidade, gás e água Resíduos Hospitalares os resíduos produzidos em unidades de prestação de cuidados de saúde (incluindo actividades médicas de diagnóstico e de investigação relacionadas) em seres humanos ou em animais

4 GESTÃO DE RESÍDUOS (Geral) D.L. nº 239/97, de 9 de Setembro Gestão de Resíduos Portaria nº 818/97, de 5 de Setembro Aprova o CER e lista de resíduos perigosos Portaria nº 15/96, de 23 de Janeiro Aprova os tipos de operações de eliminação e de valorização de resíduos Portaria nº 961/98, de 10 de Novembro Autorização prévia das operações de gestão de resíduos (armazenagem, tratamento, valorizaçao e eliminação) Decisão da Comissão nº 2000/532/CE, de 3 de Maio Lista de resíduos (códigos LER) e lista de resíduos perigosos Nota: alterada pelas Decisões da Comissão nº 2001/118/CE, 2001/119/CE e 2001/573/CE

5 GESTÃO DE RESÍDUOS (Geral) D.L. nº 239/97, de 9 de Setembro Objectivos gerais A gestão de resíduos visa, preferencialmente, a prevenção ou redução da produção (ex: melhores tecnologias) A gestão visa assegurar a valorização, através de reciclagem ou eliminação adequada

6 GESTÃO DE RESÍDUOS (Geral) D.L. nº 239/97, de 9 de Setembro A responsabilidade pelo destino final dos resíduos é de quem os produz Os custos de gestão dos resíduos são suportados pelo respectivo produtor

7 GESTÃO DE RESÍDUOS (Geral) D.L. nº 239/97, de 9 de Setembro Proibições Abandono de resíduos e em instalações não autorizadas Descarga de resíduos, salvo em locais com autorização prévia Operações de gestão de resíduos em desrespeito da lei Incineração no mar e injecção no solo Lançamento e imersão no mar - legislação especial

8 GESTÃO DE RESÍDUOS (Geral) D.L. nº 239/97, de 9 de Setembro As operações de tratamento, valorização, eliminação de resíduos, armazenagem (à excepção da armazenagem no local de produção) têm que ser licenciadas Os produtores de resíduos têm o dever de enviar anualmente às autoridades registo dos resíduos que produzem

9 TRANSPORTE E TRANSFERÊNCIA DE RESÍDUOS Transporte Portaria nº 335/97, de 16 de Maio Fixa as regras do transporte de resíduos a nível nacional D.L. nº 38/99, de 6 de Fevereiro Novo regime jurídico de transportes rodoviários de mercadorias, por conta de outrem e por conta própria, nacionais e internacionais D.L. nº 77/97, de 5 de Abril (alterado por D.L. nº 729/2000, de 7/9) Novo quadro legal para o transporte de mercadorias perigosas Portaria nº 1196-C/97, de 24 de Novembro (com alterações) Aprova o Regulamento Nacional do Transporte de Mercadorias Perigosas por Estrada (RPE)

10 TRANSPORTE E TRANSFERÊNCIA DE RESÍDUOS Portaria nº 335/97, de 16 de Maio Fixa as regras a que fica sujeito o transporte de resíduos Define quem pode transportar resíduos (produtor, eliminador ou valorizador de resíduos licenciado, empresas licenciadas para transporte de mercadorias por conta de outrém, empresas responsáveis pela gestão de resíduos hospitalares, empresas responsáveis pela gestão de resíduos sólidos urbanos)

11 TRANSPORTE E TRANSFERÊNCIA DE RESÍDUOS Portaria nº 335/97, de 16 de Maio O produtor e o detentor devem garantir que os resíduos são transportados de acordo com este diploma e, quando aplicável, com o RPE Aprova guias de acompanhamento do transporte de resíduos

12 TRANSPORTE E TRANSFERÊNCIA DE RESÍDUOS Portaria nº 335/97, de 16 de Maio Condições de transporte Líquidos ou pastosos - embalagem estanque, taxa de enchimento < 98 % Sólidos - embalagem ou a granel, veículo de carga fechado ou tapado Arrumação que evite deslocações Derrames têm que ser imediatamente limpos, para líquidos ou pastosos utilizar materiais absorventes

13 TRANSPORTE E TRANSFERÊNCIA DE RESÍDUOS Transferência Regulamento nº 259/93/CEE do Conselho, de ½ (e respectivas alterações) Fiscalização e controlo das transferências de resíduos no interior, à entrada e à saída da Comunidade Decisão da Comissão nº 94/774/CE, de 24/11 Documento de acompanhamento uniforme previsto no Regulamento anterior D.L. nº 296/95, de 17 de Novembro D.L. nº 296/95, de 17 de Novembro Estabelece regras relativas à transferência de resíduos

14 Legislação de certas tipologias de resíduos Resíduos industriais Portaria 792/98, de 22 de Setembro Registo de resíduos industriais Resíduos hospitalares Despacho nº 242/96, de 13 de Agosto Classificação (grupos I, II, III e IV), tratamento e condições de armazenagem dos resíduos hospitalares A separar para reutilização/reciclagem: Grupo I: resíduos equiparados a urbanos, sem exigências de tratamento específicas (ex: papel, cartão, restos de alimentos,...) Grupo II: resíduos hospitalares não perigosos: não estão sujeitos a tratamentos específicos, podendo ser equiparados a urbanos (ex: talas, gessos, fraldas sem sangue,...)

15 Legislação de certas tipologias de resíduos Resíduos hospitalares (cont.) Despacho nº 242/96, de 13 de Agosto Grupo III: resíduos hospitalares de risco biológico - resíduos contaminados ou suspeitos, susceptíveis de incineração ou outro pré-tratamento eficaz, permitindo posterior eliminação como resíduo urbano (ex: material de hemodiálise, luvas, máscaras,...) Grupo IV: resíduos hospitalares específicos - resíduos de vários tipos de incineração obrigatória (ex: agulhas, fetos, fármacos rejeitados (não sujeitos a legislação específica) Resíduos classificados como perigosos Portaria nº 178/97, de 11 de Março Aprova o modelo do mapa de resíduos hospitalares

16 LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA Óleos Usados D.L. nº 152/2003, de 11 de Julho Regime jurídico da gestão de óleos usados (revoga D.L. nº 88/91 e Portaria nº 240/92) Portaria nº 1028/92, de 5 de Novembro Portaria nº 1028/92, de 5 de Novembro Estabelece normas de segurança e identificação para o transporte de óleos usados

17 LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA Embalagens e Resíduos de Embalagens Decisão da Comissão nº 97/129/CE, de 28/01 Cria o sistema de identificação dos materiais de embalagem nos termos da Directiva nº 94/62/CE Decisão da Comissão nº 97/138/CE, de 3/2 Estabelece os formulários relativos à base de daods nos termos da Directiva nº 94/62/CE D.L. nº 366-A/97, de 20 de Dezembro Estabelece os princípios e as normas aplicáveis ao sistema de gestão de embalagens e resíduos de embalagens Portaria nº 29-B/98, de 15 de Janeiro Estabelece as regras de funcionamento dos sistemas de consignação (embalagens reutilizáveis ou não reutilizáveis) bem como as do sistema integrado aplicável apenas às embalagens não reutilizáveis

18 Pilhas e Acumuladores Usados LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA D.L. nº 62/2001, de 19 de Fevereiro Regime jurídico a que fica sujeita a gestão de pilhas e acumuladores, bem como a gestão de pilhas e acumuladores usados Portaria nº 571/2001, de 6 de Junho Define as regras a que fica sujeito o licenciamento da entidade gestora do sistema integrado de pilhas e acumuladores Portaria nº 572/2001, de 6 de Junho Aprova os programas de acção relativos a acumuladores de veículos, industriais e similares e pilhas e outros acumuladores Despacho nº 6493/2002, de 26 de Março Despacho nº 6493/2002, de 26 de Março Aprova os modelos estatísticos destinados a comunicar os dados estatísticos relativos à gestão de pilhas e acumuladores

19 LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos (REEE) D.L. nº 20/2002, de 30 de Janeiro D.L. nº 20/2002, de 30 de Janeiro Regime jurídico da gestão de REEE, visando a prevenção da produção desses resíduos e a redução da quantidade e nocividade dos resíduos a eliminar, através da reutilização, reciclagem ou outras formas de valorização adequada. Para esses fins, a gestão de REEE fica sujeita a um sistema de recolha selectiva, armazenamento em condições especiais, prétratamento para separação das substâncias perigosas neles contidas e posterior reutilização e reciclagem

20 PCB e PCT LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA D.L. nº 277/99, de 23 de Julho D.L. nº 277/99, de 23 de Julho Estabelece as regras a que ficam sujeitas a eliminação de PCB, a descontaminação ou a eliminação de equipamentos que contenham PCB e a eliminação de PCB usados, tendo em vista a sua total destruição

21 LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA Outra legislação específica Pneus Usados Legislação recentemente publicada Veículos em fim de vida Etc.

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS Portaria n.º 355/97, de 28 de Maio Aprova o modelo do livro de reclamações

Leia mais

Enquadramento legislativo para os materiais resultantes do sector do azeite

Enquadramento legislativo para os materiais resultantes do sector do azeite Feira Nacional da Agricultura Enquadramento legislativo para os materiais resultantes do sector do azeite Ágata Mendonça 07 de Junho de 2011 Enquadramento legislativo para os materiais resultantes do sector

Leia mais

Transporte de resíduos em território nacional

Transporte de resíduos em território nacional Transporte de resíduos nacional Versão 1: outubro de 2015 em território Transporte de resíduos em território nacional Índice 1 Legislação aplicável ao transporte de resíduos em território nacional... 3

Leia mais

Perguntas Frequentes Pneus Usados

Perguntas Frequentes Pneus Usados Perguntas Frequentes Pneus Usados 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de pneus usados? O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de Abril, estabelece os princípios e as normas aplicáveis à gestão

Leia mais

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 FLUXOS ESPECÍFICOS DE RESÍDUOS Um dos objectivos da política ambiental integrada é a atribuição da responsabilidade,

Leia mais

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores?

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? Perguntas Frequentes Pilhas e Acumuladores 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? É o Decreto-Lei n.º 6/2009, de 6 de Janeiro, que estabelece o regime de colocação

Leia mais

Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012

Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012 2011 Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012 Para: GNR Centro Clínico De: Helena Pinto CC: Centro Clínico Data: 08.12.2011 email cari.cc.srf@gnr.pt Tel:

Leia mais

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Seminários 2015 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Francisco Valente OBJETIVOS Informação sobre as obrigações legais dos

Leia mais

832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n. o 20/2002 de 30 de Janeiro Os objectivos fundamentais de uma política

Leia mais

Despacho n.º 242/96. Sumário: Resíduos hospitalares.

Despacho n.º 242/96. Sumário: Resíduos hospitalares. Despacho n.º 242/96 Sumário: Resíduos hospitalares. A existência de resíduos provenientes da prestação de cuidados de saúde a seres humanos, incluindo as actividades médicas de prevenção, diagnóstico,

Leia mais

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Maria Helena Franco, Alice C. Rodrigues, João Paulo Sousa Direcção de Serviços de Prevenção de Riscos Profissionais (DSPRP), Instituto

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados;

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados; CONTRATO Entre: a) Ecopilhas, Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, 7, 1600-171 Lisboa, pessoa colectiva

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos.

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos. 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Nome da Empresa: Bayer Health Care - Área AH Endereço: Rua Domingos Jorge, 1000 - Socorro, CEP 04779-900, São Paulo - SP. Telefone: (11) 5694-5166 Telefone

Leia mais

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS RESÍDUOS 2 RESÍDUOS 3 RESÍDUOS IMPACTOS AMBIENTAIS RESÍDUOS: Quantidade Natureza POLUIÇÃO E POLUENTES: Natureza Consequências 4 RESÍDUOS: Quantidade Produção: 2000-17

Leia mais

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde o Regulamento o Anexos: I. Inquérito para Pedido de Autorização para Deposição no Aterro de Sermonde II. III. IV. Descrição da Atividade da Empresa Produtora Declaração de Responsabilidade do Produtor

Leia mais

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente Seminários 2013 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares Francisco Valente OBJECTIVOS Informação sobre as obrigações legais dos produtores de resíduos hospitalares;

Leia mais

GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE

GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE 2012 1. HISTÓRIA DO GRUPO CARMONA INÍCIO Recolha de óleos usados, tratamento de slop s desmantelamento de barcos e limpezas NOVA ERA TRATAMENTO ÓLEOS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA NOTA JUSTIFICATIVA A aprovação quer do regime das finanças locais pela Lei n.º 2/2007, de 15 de Janeiro, quer do regime

Leia mais

22.11.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 312/3 DIRECTIVAS

22.11.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 312/3 DIRECTIVAS 22.11.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 312/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2008/98/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 19 de Novembro de 2008 relativa aos resíduos e que revoga certas directivas (Texto

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) 1 7 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) Nos termos do artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010 GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS José Silva Carvalho 09.04.2010 Uma abordagem qualitativa Enquadramento do Acordo Europeu Relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias Perigosas

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011 Transporte aéreo de mercadorias perigosas O transporte aéreo de mercadorias, a

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INDICE

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INDICE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INDICE CAPÍTULO 1 - RESÍDUOS Legislação em vigor 1.1-Legislação geral 1.1.1-Gestão de Resíduos 1.1.1.1-Decreto-Lei 178/2006, 5 Setembro 1.1.1.2-Portaria 1408/2006, de 18 Dezembro 1.1.1.3-Portaria

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

Transporte de Resíduos

Transporte de Resíduos Onde adquirir? Como preencher? Obrigações referentes ao transporte de resíduos Outros aspetos relevantes DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE AMBIENTE DIVISÃO DE PREVENÇÃO E CONTROLO AMBIENTAL Fevereiro.2013 Documento

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança. Cloreto de Sódio

Ficha de Dados de Segurança. Cloreto de Sódio Ficha de Dados de Segurança Cloreto de Sódio 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Sódio Cloreto Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1.2

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO BISPO

MUNICÍPIO DE VILA DO BISPO 1 MUNICÍPIO DE VILA DO BISPO REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PREÂMBULO Atentas as disposições da Lei nº. 11/87 de 07 de Abril ( Lei Bases do Ambiente ) que responsabiliza o respectivo produtor, pelo destino

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

BRAGANÇA E PAÇOS DO MUNICIPIO, 02 de Julho de 2007.

BRAGANÇA E PAÇOS DO MUNICIPIO, 02 de Julho de 2007. E D I T A L N º. 2 2 4 / 2 0 0 7 ANTÓNIO JORGE NUNES, ENG.º CIVIL, E PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA: Torna público, que no uso da competência que lhe confere a alínea v) do n.º 1 do art.º 68.º,

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Ficha de dados de segurança Data de emissão: 10-04-2015 Versão: 02.00/PRT SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Designação comercial: LGGB 2

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Utilização: VERSÁTIL LIMPADOR CAPIM SANTO Detergente com aroma de capim limão ideal para a limpeza de pavimentos, paredes, sanitários e limpeza

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2002R1774 PT 15.03.2005 004.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1774/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 3 de Outubro

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS Luis Figueiredo 2016.01.19 12:27:21 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos nos distribuidores das farmácias comunitárias aderentes à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO MANUAL DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO INSTALAÇÃO LIGAÇÃO ELÉCTRICA SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: DODECILSULFATO DE SÓDIO - Código interno de identificação do produto: D1014 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

Resíduos Hospitalares Riscos para a Saúde 2011-2016

Resíduos Hospitalares Riscos para a Saúde 2011-2016 Seminário Resíduos e Saúde Departamento de Ambiente e Ordenamento Universidade id d de Aveiro Resíduos Hospitalares Riscos para a Saúde Plano Estratégico dos Resíduos Hospitalares 2011-2016 Paulo Diegues

Leia mais

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Índice CAPÍTULO I Disposições Gerais... 1 CAPÍTULO II Tipos de Resíduos Sólidos... 2 CAPÍTULO III Definição do Sistema Municipal para a Gestão dos Resíduos Sólidos

Leia mais

1. Identificação da substância e da sociedade/empresa. 2. Identificação dos perigos

1. Identificação da substância e da sociedade/empresa. 2. Identificação dos perigos Página 1 de 9 1. Identificação da substância e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Terra siliciosa de Neuburg / Sem outros sinónimos / N.º CAS 1020665-14-8 N.º de registo REACH Em conformidade

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA Luis Figueiredo 2014.02.06 16:35:35 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de Procedimentos nos Armazenistas que aderiram à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação e gestão de um

Leia mais

MANUAL GESTÃO DE RESÍDUOS HOS INTEGRADOS EQUIPA REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2011

MANUAL GESTÃO DE RESÍDUOS HOS INTEGRADOS EQUIPA REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2011 MANUAL GESTÃO DE RESÍDUOS HOS OSPITALARE PITALARES PARA UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS EQUIPA REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA ADAPTADO DO PROGRAMA

Leia mais

Definição e classificação

Definição e classificação Definição A gestão de resíduos urbanos Qual o nosso papel? Definição e classificação «Resíduo» qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer,

Leia mais

Gestão e Reciclagem de Resíduos O caso da Renascimento 2 de Junho de 2011 Auditório CCDR Algarve

Gestão e Reciclagem de Resíduos O caso da Renascimento 2 de Junho de 2011 Auditório CCDR Algarve Gestão e Reciclagem de Resíduos O caso da Renascimento 2 de Junho de 2011 Auditório CCDR Algarve Alexandra Rente Fernandes Direcção QAS & Comunicação alexandra.fernandes@renascimento.pt TM: 939738213 Resumo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: TIOCIANATO DE AMÔNIO - Código interno de identificação do produto: T1012 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº -31/2013 (S03737-201304)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº -31/2013 (S03737-201304) 1 16 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº -31/2013 (S03737-201304) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E HIGIENE URBANA NO CONCELHO DE BEJA

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E HIGIENE URBANA NO CONCELHO DE BEJA 1 REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E HIGIENE URBANA NO CONCELHO DE BEJA Preâmbulo Os resíduos sólidos resultam de um vasto leque de actividades desenvolvidas pela actividade humana. A sua correcta gestão

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Versão 3.1 (25/06/2015) - Página 1/6 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: ACETATO DE SÓDIO ANIDRO - Código interno de identificação do produto: A1014 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR)

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Em consulta pública O Projecto de Plano Nacional de Gestão de Resíduos (PNGR 2011-2020), bem como o Relatório Ambiental e o Resumo Não Técnico da Avaliação

Leia mais

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013 JORNADAS TÉCNICAS Lisboa, 13 Dezembro 2012 Agenda 2 Fluxos financeiros Como preencher a declaração anual Reciclagem de embalagens Multipacks Valores Ponto Verde 2013 Fluxos financeiros 3 Fluxos financeiros

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010)

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Data: 30/01/2012 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257, DE 30 DE JUNHO DE 1999 * Revogada pela Resolução 401, de 4 de novembro de 2008.

RESOLUÇÃO Nº 257, DE 30 DE JUNHO DE 1999 * Revogada pela Resolução 401, de 4 de novembro de 2008. RESOLUÇÃO Nº 257, DE 30 DE JUNHO DE 1999 * Revogada pela Resolução 401, de 4 de novembro de 2008. O Conselho Nacional do Meio Ambiente - Conama, no uso das atribuições e competências que lhe são conferidas

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Data : 11/05/2015 Página 1/6 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE DIVISÃO DE ASSESSORIAS TÉCNICAS

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE DIVISÃO DE ASSESSORIAS TÉCNICAS REGULAMENTO MUNICIPAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA URBANA DO CONCELHO DE RESENDE PREÂMBULO A Lei de Bases do Ambiente (Lei n.º 11/87, de 7 de Abril), aponta claramente para o desenvolvimento

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SULFATO DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO - Código interno de identificação do produto: S1049 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

Transposição para o Direito Nacional das Directivas REEE e Restrição do Uso de Determinadas Substâncias Perigosas em EEE

Transposição para o Direito Nacional das Directivas REEE e Restrição do Uso de Determinadas Substâncias Perigosas em EEE Transposição para o Direito Nacional das Directivas REEE e Restrição do Uso de Determinadas Substâncias Perigosas em EEE QUEM É A ANIMEE Uma Associação, de âmbito nacional, cujo objectivo principal é o

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA MONÇÃO TROVISCOSO

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA MONÇÃO TROVISCOSO União das Freguesias de Monção e Troviscoso Concelho de Monção REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE MONÇÃO TROVISCOSO 1 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE MONÇÃO TROVISCOSO

Leia mais

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes PL ANUAL DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE MERCADORIAS - gerentes CAPACIDADE PROFISSIONAL CPNI C/ PC PORTÁTIL Abordar de uma forma genérica os principais aspectos subjacentes à gestão diária

Leia mais

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Sector da Limpeza Industrial www.campanhaquimicos.eu Avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas Campanha Europeia CARIT Comité dos

Leia mais

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 7.7.2006 Jornal Oficial da União Europeia L 186/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 1028/2006 DO CONSELHO de 19 de Junho de 2006 relativo às normas de

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SELENITO DE SÓDIO - Código interno de identificação do produto: S1005 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

RESÍDUOS HOSPITALARES 2005 RELATÓRIO

RESÍDUOS HOSPITALARES 2005 RELATÓRIO RESÍDUOS HOSPITALARES 2005 RELATÓRIO (Artigo 5º da Portaria n.º 178/97, de 11 de Março) DIRECÇÃO GERAL DA SAÚDE DIVISÃO DE SAÚDE AMBIENTAL JULHO 2006 ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS...I ÍNDICE DE GRÁFICOS...III

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Data: 24/08/2012 Página 1/6 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: PIROFOSFATO DE SÓDIO DM80

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: PIROFOSFATO DE SÓDIO DM80 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: Pirofosfato de Sódio Nome comercial: Pirofosfato de Sódio Código interno de identificação do produto: A013 Nome da Empresa: Endereço: Estrada Municipal

Leia mais

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação?

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação? PERGUNTAS MAIS FREQUENTES- ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. Que estabelecimentos carecem de registo ou aprovação no âmbito do sector dos alimentos para animais? Todos os estabelecimentos, em nome singular ou colectivo,

Leia mais

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.Antecedentes--------------------------------------------------------------------------------------3 1.1. Objecto do estudo... 3 1.2. Descrição da obra... 3 1.3. Autor do estudo... 4 2.Tipos de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA REGULAMENTO DE RESÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA

CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA REGULAMENTO DE RESÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA REGULAMENTO DE RESÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA Mealhada, Abril de 2005 ÍNDICE CAPITULO I: Disposições gerais Artigo 1º: Âmbito e Competência Artigo 2º: Entidade Gestora Artigo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SACAROSE - Código interno de identificação do produto: S1002 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda - Endereço:

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Nome : %s - %s Data : 19/01/2016 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 2015/830) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA 1.1. Identificador

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO. Regulamento de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO. Regulamento de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO Regulamento de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública Aprovado em reunião de Câmara 05/06/2000 Aprovado em Assembleia Municipal 26/09/2000 NOTA PRÉVIA Resultante do desenvolvimento

Leia mais

Referência. A prevenção na nova DQ. Conteúdo. PREVENÇÃO de resíduos. PREVENÇÃO - definição. Registo Público dos Documentos do Conselho

Referência. A prevenção na nova DQ. Conteúdo. PREVENÇÃO de resíduos. PREVENÇÃO - definição. Registo Público dos Documentos do Conselho Referência Registo Público dos Documentos do Conselho http://register.consilium.europa.eu/ PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DE RESÍDUOS Susana Xará historial da proposta dossier interinstitucional: 2005/0281 permite

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Mixtinter Laranja HOR nº Material: 238961 16L nº Material:238961 Código Interno de Produto : 000000393778

Leia mais

Transporte e eliminação dos Resíduos de Construção e Demolição contendo Amianto. Seminário sobre Amianto

Transporte e eliminação dos Resíduos de Construção e Demolição contendo Amianto. Seminário sobre Amianto Transporte e eliminação dos Resíduos de Construção e Demolição contendo Amianto Seminário sobre Amianto Maia, 26 de novembro de 2015 Portaria n.º 40/2014, de 17 de fevereiro RESÍDUOS DL n.º 46/2008, 12

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: CLORETO DE OURO - Código interno de identificação do produto: C1111 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda -

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Ficha de dados de segurança Data de emissão: 19-06-2015 Versão: 0100/POR SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 11 Identificador do produto Designação comercial: LEGE 2 12

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ECOBRIL LIMPA CARPETES E TAPETES

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ECOBRIL LIMPA CARPETES E TAPETES Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Códigos internos: 13018 (Frasco) / 13019 Refil - (12/500 ml) Aplicação: Limpa Carpetes e Tapetes. Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho

DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho A especial situação geográfica da Madeira e as características bem específicas da sua economia levaram o Governo a autorizar, nos termos do Decreto-Lei n.º 500/80,

Leia mais

PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DE RESÍDUOS. Susana Xará

PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DE RESÍDUOS. Susana Xará PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DE RESÍDUOS Susana Xará Referência Registo Público dos Documentos do Conselho http://register.consilium.europa.eu/ historial da proposta dossier interinstitucional: 2005/0281 permite

Leia mais

: KIT AMPL HPV AMP 96 TESTS IVD CE&US

: KIT AMPL HPV AMP 96 TESTS IVD CE&US SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador do produto Nome comercial do produto : Mat.-No./ Genisys-No. : 03610799190 Nome da substância : 1.2 Utilizações identificadas

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS)

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) 25 de Novembro de 2008 Cristina Santos; Esmeralda Santos; Fernando Campos INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) DEFINIÇÃO É uma infecção adquirida pelos doentes em consequência dos cuidados e

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CASCAIS

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CASCAIS REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CASCAIS O Regulamento de Resíduos Sólidos Urbanos do Município de Cascais foi elaborado em 1991 e teve como base o regime jurídico aprovado pelo Decreto

Leia mais

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais?

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Perguntas frequentes Resíduos Sólidos 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Resíduos industriais: gerados nos processos produtivos e instalações industriais.

Leia mais

Nome do produto: Botafix EPPL (Comp. B) Data da última revisão: 03/10/2011. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda

Nome do produto: Botafix EPPL (Comp. B) Data da última revisão: 03/10/2011. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botafix EPPL (Comp. B) - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Utilização BECKER LV SISTEMA FLEX É um desinfetante à base de Quaternário de Amônio, indicado para desinfecção de superfícies fixas e estruturas

Leia mais

Unidade de Saúde (detentor)

Unidade de Saúde (detentor) Óleos lubrificantes usados Contrato com operador de gestão autorizado Armazenamento temporário em contentores adequados, que são recolhidos no local pelo operador de gestão Ecocentro Operador de gestão

Leia mais

Regulamento e Tabela de Taxas

Regulamento e Tabela de Taxas 2011 Regulamento e Tabela de Taxas C O L A R E S Junta de Freguesia 22-11-2011 Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças da Junta de Freguesia de Colares Nota Justificativa Com a publicação da Lei

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Ácido Bórico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Ácido Bórico 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome comercial: Ácido Bórico Código interno de identificação do produto: A020 Nome da Empresa: Endereço: Estrada Municipal Engenheiro Abílio Gondin Pereira, 72 Galpão

Leia mais