O QUE UM TÉCNICO DEVE CONHECER SOBRE A PREVENÇÃO DE MASTITE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O QUE UM TÉCNICO DEVE CONHECER SOBRE A PREVENÇÃO DE MASTITE."

Transcrição

1 1 O QUE UM TÉCNICO DEVE CONHECER SOBRE A PREVENÇÃO DE MASTITE. Fernanda Gomes H. Hoe, Unid. Neg. Bovinos Leite Pfizer. Sérgio Soriano, Méd. Vet. e Gerente da Pecuária - Fazenda Colorado. Introdução: Para que possamos entender os diversos fatores envolvidos na contaminação de um animal pela mastite, vamos ter que antes entender como uma fazenda de leite funciona, e quais são as funções dos diversos setores envolvidos na produção de leite. O setor de ordenha sem dúvida apresenta uma imensa responsabilidade sobre as ocorrências dos casos de mastite, porém devemos procurar os pontos fora deste setor que contribuem tanto para o sucesso de nossa atividade, como prejudicam todo um trabalho realizado dentro do fosso de ordenha. Para entendermos melhor estes fatores e como os mesmos se relacionam, iniciamos relatando os mais relevantes, ou melhor, aqueles onde temos condição de obter resultados muito importantes, com menor investimento e tempo gasto para solucioná-lo ou adequá-lo a nossa rotina de trabalho. Os produtores de leite estão na atividade, principalmente, para obter lucros, o que pode ser alcançado através: (1) do aumento do preço do leite produzido ou (2) da diminuição do custo de produção. Ambos os fatores podem ser favoravelmente influenciados pela melhoria da qualidade do leite e pela eliminação da mastite (Philpot e Nickerson, 2002). A interação dos diversos fatores que causam a mastite se torna de grande importância para nós, abrindo um imenso campo de trabalho e necessidades para se obter metas e atingir objetivos que fazem do seu negócio uma empresa que gera e produz alimento de alta qualidade. Os fatores principais que precisamos conhecer para prevenir os casos de mastite são vários e neste congresso falaremos um pouco sobre: (1) Higiene do ambiente (2) Procedimentos de Ordenha (3) Microorganismos (4) Pessoas (5) Manejo (6) Outros fatores. Higiene do ambiente: Hoje trabalhamos cada vez mais com rebanhos confinados ou semi-confinados, deixando um ambiente cada vez mais favorável às bactérias. Devido às condições de higiene que são atingidas, as vacas são muitas vezes expostas a cargas de patógenos muito desafiadores, e quando este fator vem associado com alimentação desbalanceada e fatores estressantes como, por exemplo, calor e alta umidade, fica fácil entender porque neste ambiente geralmente ocorre um acentuado aumento dos casos de mastite que pode ser clínica ou não, sendo possível acompanhar os casos sub-clínicos pela Contagem de Células Somáticas (CCS) e pelo quadro de novas infecções. Quando os produtores, técnicos ou funcionários entram num estábulo, devem usar todos os seus sentidos para avaliar a situação e a existência de potenciais efeitos diversos ao conforto, à produtividade e à saúde da vaca (Philpot e Nickerson, 2002). Devemos observar coisas que para um técnico mal informado passaria despercebido como: acúmulo de amônia que pode indicar má ventilação, teias de aranha, pois indica

2 uma má circulação de ar, qualidade da cama tanto a parte da limpeza como também o conforto, podemos aí ter um bom indicador que seria a porcentagem de vacas deitadas 1 ou 1.5 horas após ordenha. Podemos ter uma visão mais detalhada sobre o assunto se abordarmos duas formas diferentes de produção, e sobre a existência de algumas alternativas de controle: 1º - produção a pasto: utilização de pastejo rotacionado com transferência periódica dos animais para diferentes piquetes, com isso impediríamos a degradação física do ambiente e a conseqüente formação de lama. Os pontos mais críticos serão qualidade e quantidade de sombreamento para os animais e corredores de acesso à sala de ordenha. 2º - confinamentos: teremos alto número de animais em uma área restrita, que acaba gerando risco de estresse ambiental. No entanto, o correto dimensionamento das instalações permite superar essas dificuldades e, até mesmo, criar um ambiente controlado com alto padrão de higiene e conforto térmico (Fonseca e Santos, 2000). No ambiente, a cama tem um papel muito especial tanto para o conforto, como para a saúde da glândula mamária. A cama pode ser feita de vários materiais, o importante é você conseguir implementar rotinas de trabalho que se ajustem às necessidades de cada material utilizado como cama nos galpões. Esse é um tópico muito polêmico na construção e manejo do sistema de free-stall. A principal funçaõ é proporcionar conforto ao animal, mantê-lo limpo, minimizar estresse e diminuir injúrias. A base para a cama deve ser a própria terra ou camada de pedregulho, o que permite boa drenagem. Em relação à cama onde a vaca vai deitar-se de fato (manter contato direto), esta pode ser de diversos materiais: maravalha, pó de serra, esterco seco, palha, areia, borracha triturada, jornal picado, carpete (Fonseca e Santos, 2000). Vários estudos mostram uma relação grande entre mastite ambiental e tipo de material utilizado nas camas das vacas. Sendo assim podemos concluir que as camas orgânicas são uma opção que merece atenção especial, sendo descartadas como melhor opção no que se refere às mastites ambientais, uma vez que as bactérias têm grande capacidade de multiplicação na presença de matéria orgânica. Estudos mostram que há uma relação muito evidente entre a utilização da palha na cama e a alta incidência de mastite causada por Streptococus uberis. Também há uma forte relação entre a utilização de cama à base de pó de serra e a alta ocorrência de mastite causada por Klebsiella sp. Logo, concluímos que a areia é a melhor opção que nos restaria por proporcionar melhor conforto, se molda ao corpo da vaca, e por conter pouquíssima matéria orgânica (Fonseca e Santos, 2000). Embora a cama tenha uma importância indiscutível, não podemos esquecer que a limpeza do galpão, dos corredores, do curral de espera, dos piquetes de descanso e de todas as áreas que as vacas tenham acesso deve e merece ser cuidadosamente analisada. Um cuidado bastante grande deve ser dado às rotinas de limpeza e manutenção dos locais, pois é necessário que seja feita sempre a melhor rotina para o seu sistema de produção, não existem fórmulas prontas, você precisa interagir com o meio ambiente e proporcionar o melhor ambiente para seus animais, estejam eles a pasto ou em free-stall. Procedimento de Ordenha: 2

3 3 Estudos feitos em Minnesota revelaram que 80% dos rebanhos com contagem de células somáticas (CCS) elevadas não seguiam os procedimentos de ordenha recomendados. O erro mais comum era a falha em limpar e secar os tetos corretamente antes de colocar o conjunto de ordenha. Talvez a causa mais provável seja a grande importância dada à velocidade de ordenha nas salas modernas (Philpot e Nickerson, 2002). A nossa visão busca algo diferente, nós acreditamos que a missão ou nosso objetivo é ordenhar completamente os animais no tempo adequado, sem prejudicá-los, conservando a qualidade natural do leite. É importante reconhecer que vacas modernas altamente produtoras têm: (1) menor necessidade de estímulo pré-ordenha, (2) taxas mais altas de pico de ordenha e de médias de fluxo de leite, com um tempo mais longo de ordenha, devido ao aumento de produção, (3) maior incidência de problemas nos orifícios dos tetos, como hiperqueratose e (4) maior susceptibilidade à infecção intramamária (Philpot e Nickerson, 2002). Logo, podemos concluir que os procedimentos de ordenha, tomam grande importância nesta situação, e devem ser regularmente avaliados pelos técnicos ou responsáveis por esse setor dentro da fazenda. Esses procedimentos após terem sido passados aos ordenhadores e checados quanto a sua rotina devem: estimular a descida do leite; dar velocidade à ordenha, sem deixar leite residual no úbere da vaca além de aproximadamente 250ml; diminuir o número de microorganismos presentes no teto; reduzir a contaminação entre vacas na sala de ordenha pelos microorganismos causadores de mastite, mantendo a boa qualidade do leite que é obrigação de todos os envolvidos na produção. Os procedimentos na rotina de ordenha necessários para prevenção de mastite podem ser enumerados seqüencialmente: - Estimulação pré-ordenha. - Ambiente limpo, seco e livre de estresse. - Checagem da presença de mastite (retirando primeiros jatos de leite). - Limpeza dos tetos e retirada de areia ou maravalha do úbere. - Uso de pré-dipping (desinfecção dos tetos pré-ordenha). - Cuidado especial com a ponta do teto. - Retirada do desinfetante e completa secagem dos tetos. - Acoplamento das teteiras corretamente. - Posicionamento do conjunto (alinhar). - Retirada do conjunto manual ou extrator. - Realização de um bom pós-dipping (boa imersão dos tetos pós-ordenha). - Desinfecção da teteira após ordenha de vacas com mastite, caso estejam na mesma sala de ordenha. Microorganismos Mais de 140 tipos de microorganismos podem causar a mastite. Eles vivem na vaca ou em seu meio ambiente. Assim, a mastite é o resultado da interação entre a vaca, o seu meio ambiente e os microorganismos. Esses microorganismos podem ser bactérias, micoplasmas, leveduras, algas, fungos e, em raras ocasiões, vírus (Philpot e Nickerson, 2002).

4 4 A maioria das mastites clínicas é causada por estreptococos, estafilococos e coliformes. Os patógenos contagiosos se disseminam de quarto infectados para quartos nãoinfectados, sendo o leite de quarto infectados a principal fonte de microorganismos. Esses microorganismos são disseminados de vaca para vaca durante a ordenha, através dos conjuntos de ordenha, das mãos dos ordenhadores e de outros materiais usados na limpeza dos tetos (Philpot e Nickerson, 2002). Os patógenos ambientais encontram-se no ambiente onde vivem as vacas e contaminam o úbere no intervalo entre as ordenhas, quando os tetos ficam expostos à lama, fezes e sujidades das camas. Portanto, fatores fora do setor de ordenha possuem uma contribuição enorme sobre estas mastites, comprometendo o resultado do trabalho da sala de ordenha e mostrando claramente a necessidade de interligação nas diversas áreas que compõem o manejo do rebanho. A nutrição pode também ser citada como outro setor que contribui com nossos resultados, trabalhando com dietas balanceadas e com muita rotina durante o ano, teremos sem dúvida uma melhor condição para as vacas combaterem essas infecções. A maior parte das infecções na glândula mamária é causada por microorganismos (bactérias, fungos, leveduras). As espécies principais são: - Streptococcus agalactiae - Staphylococcus aureus - Streptococcus dysgalactiae - Corynebacterium bovis - Mycoplasma sp. - Coliformes - Escherichia Coli - Streptococcus uberis - Outros coliformes - Citrobacter - Enterobacter sp. - Klebsiella sp. - Pseudomonas aeruginosa - Leveduras / Fungos (cândida) - Algas (Prototheca) - Estafilococus coagulase negativa / Staphylococcus sp. Para que possamos elaborar um programa adequado de controle da mastite há necessidade de conhecermos a epidemiologia dos principais organismos, suas características microscópicas e susceptibilidade a antibióticos (Machado e Cassoli, 2003). Os efeitos do pré e pós-dipping são distintos. O pós-dipping é uma estratégia direcionada sobre tudo para controlar a mastite contagiosa, especialmente a causada por Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae. O Staphylococcus aureus não se desenvolve muito bem na pele do teto saudável, mas coloniza rapidamente o canal do teto se houver alguma lesão (fissura) próxima ao esfíncter do teto. Em geral, a invasão dos microorganismos se dá por multiplicação, movimentação e/ou propulsão durante a ordenha mecânica.

5 Essa prática de desinfecção de tetos após a ordenha apresenta pouco benefício no controle da mastite ambiental causada por estreptococcus ambientais e coliformes, devido às diferentes características e modo de atuação desses patógenos. O objetivo do pré-dipping, desinfecção dos tetos antes da ordenha, é reduzir a contaminação nos tetos, impedindo a ocorrência de novas infecções, especialmente aquelas causadas por patógenos ambientais. Resultados de pesquisa mostram que a utilização do pré-dipping reduz em até 50% a taxa de novas infecções causadas por patógenos ambientais. È muito importante destacar que a desinfecção dos tetos (pré e pósdipping) é uma medida preventiva e portanto, não tem efeito sobre os casos de mastite já existentes (Fonseca e Santos, 2000). Os organismos predominantes responsáveis pela ocorrência de mastite subclínica incluem S. aureus, S. agalactiae, S. dysgalactiae, S. uberis, Coagulase Negativa Staphylococcus (CNS) e micoplasma. O nível destes organismos diminuiu significativamente em rebanhos que adotaram o programa dos cinco pontos desenvolvidos pelo NIRD ( National Institute for Reserach in Dairying) no Reino Unido, para reduzir o nível de mastite contagiosa nos rebanhos (Edmondson, 2002). O plano dos 5 pontos do NIRD inclui: 1. Boa higiene de ordenha 2. Rápido tratamento de casos de mastite clínica com antibióticos 3. Tratamento de vaca seca em todas as vacas que secam 4. Desinfecção dos tetos após a ordenha 5. Manutenção regular do equipamento de ordenha Para a implementação de medidas de controle de mastite na fazenda é fundamental verificar todos os aspectos relacionados ao manejo da mastite. Incluindo análises dos dados de mastite clínica, contagem de células somáticas, acompanhamento de toda a rotina de ordenha, checagem dos tratamentos, terapia de vaca seca, observação do ambiente onde as vacas ficam nos intervalos de ordenha, checagem do equipamento de ordenha (observando as datas de manutenção), conversas constantes com os ordenhadores, para que depois se consiga propor algumas melhorias ou apenas colocar em prática possíveis melhorias que os funcionários lhe reportarem. Pessoas Em nossas fazendas, devemos procurar ao máximo contratar pessoas que se envolvam e se comprometam com o resultado da sala de ordenha, e acima de tudo que sejam desafiadas a atingirem metas. Todos devem ter claro em mente qual o objetivo a ser atingido e ter a consciência de que isto só será possível se todos estiverem unidos, pois a sala de ordenha é o coração de todas as operações que envolvem a produção de leite nas fazendas. O sucesso do empreendimento depende, em geral, da qualidade do trabalho que é desempenhado na sala de ordenha. Todas as pessoas devem ser treinadas e motivadas. Também é bastante interessante incorporar as sugestões das pessoas no desenvolvimento das rotinas de ordenha. Muitos produtores ficarão surpresos com a qualidade das sugestões apresentadas por aqueles que têm experiência em uma sala de ordenha. Ao 5

6 elaborar suas sugestões, eles sentem que fazem parte da equipe da qualidade de leite (Philpot e Nickerson, 2002). Para que possamos ter resultados, precisamos dar condição de trabalho para as pessoas da ordenha, um breve relato das necessidades para se realizar um ótimo trabalho. - Protocolos operacionais bem definidos. - Valorização das pessoas. - Úberes e rabos tosquiados. - Ambiente de trabalho tranqüilo. - Materiais de uso diário sob seus cuidados. (Cloro, iodo, luvas, papel toalha, medicamentos, recipiente do dipping, desinfetante, sanitizantes, botas, avental, roupas, água limpa, etc). - Iluminação adequada para trabalhar. - Animais chegando limpos na ordenha. - Tetos em boas condições, no máximo 20% de lesão. - Equipamento em ordem. - Controle de freqüência ( folha de folga). - Respeito, treinamento e valorização. Eu acredito muito na capacidade dos homens. A tarefa mais importante de uma empresa é formar pessoas. O administrador que espera encontrar homens feitos, fracassará. Eles não existem. Maurílio Biagi Manejo A maioria dos fatores envolvidos na disseminação dos microorganismos causadores da mastite depende do manejo, então podemos dizer que estes fatores estão sob a responsabilidade dos proprietários e dos seus colaboradores e supervisores. Temos então que identificar os fatores importantes e aplicar práticas de manejo que diminuem os seus efeitos negativos e que aumentem por outro lado: (1) a produção de leite, (2) a qualidade do leite e (3) a lucratividade. Pesquisas têm mostrado que a genética é responsável por 15 a 25% do aumento da produção de leite, enquanto que o manejo responsabiliza-se pelos 75 a 85% desse aumento. Os fatores de manejo de maior importância são: (1) nutrição do rebanho, (2) controle de doenças, inclusive da mastite, (3) manutenção de um ambiente higiênico e livre de estresse, (4) desempenho reprodutivo, (5) manejo de vacas secas, (6) manutenção de bons registros, (7) criação de animais para reposição, (8) descarte e (9) treinamento de funcionários (Philpot e Nickerson, 2002). É importante que se reconheça que a mastite raramente é resultado de um único fator de manejo. Pelo contrário, é o resultado de vários fatores que interagem para aumentar a exposição do úbere e dos tetos aos microorganismos da mastite e predispor as vacas a infecções intramamárias pela redução da resistência natural dos animais à doença. Alguns fatores são: 6

7 1. Ambiente ao qual o rebanho está exposto. 2. Tipos de microorganismos da mastite que estão presentes no rebanho e no ambiente. 3. Práticas de manejo. 4. As pessoas responsáveis pelo manejo e ordenha do rebanho. Um estudo feito na Dinamarca revelou que os fatores responsáveis pela mastite podem ser divididos da seguinte maneira (Philpot e Nickerson, 2002): 1. Equipamento de Ordenha = 6% 2. Instalações e meio ambiente = 25% 3. Genética = 20% 4. Manejo = 47% Outros Fatores Equipamento de Ordenha: Comparando-se com qualquer outro equipamento da fazenda leiteira, os sistemas de ordenha são os mais utilizados em número de horas por ano e, como são usados para a obtenção do principal produto comercializado pela propriedade, é fundamental que sejam mantidos em excelente condição operacional. Alguns testes mais importantes para termos uma boa noção do funcionamento e checar se este está nos causando alguma mastite seriam: - Determinação dos níveis de vácuo em vários pontos da ordenha, simulando uma ordenha. - Determinação da diminuição do vácuo durante queda do conjunto. - Determinação da capacidade da bomba de vácuo. - Verificação do funcionamento do regulador de vácuo. - Avaliação geral do sistema de pulsação. - Limpeza do equipamento de ordenha. - Tamanho e inclinação das linhas de leite e vácuo. - Condição das teteiras. - Funcionamento dos extratores automáticos. - Avaliação do procedimento de limpeza e sanitização dos equipamentos. - Aferição do nível de vácuo no copo coletor durante a ordenha. 7 Para que a ordenha de vacas leiteiras seja realizada com a máxima eficácia é necessário analisar três fatores-chaves distintos que precisam funcionar de forma harmônica: a vaca, o operador e a máquina (Fonseca e Santos, 2000). Suplementação alimentar A dieta tem um papel importante na resistência do úbere às infecções, pois certos nutrientes auxiliam diversos mecanismos de defesa, tais como: a função das células somáticas, transporte de anticorpos para o leite e a saúde dos tecidos mamários.

8 A suplementação da dieta com Selênio e Vitamina E, 60 dias antes do parto e durante a lactação, reduz novas infecções no parto e a duração da infecção. A Vitamina A e o betacaroteno também são importantes porque influenciam na resistência da vaca às doenças. Vacas suplementadas com esses dois componentes têm um menor número de novas infecções no início do período seco e apresentam CCS mais baixa no início da lactação. Mecanismo de defesa contra a mastite Os tecidos que circundam o canal do teto formam a primeira barreira contra as bactérias (uso de cânulas mais curtas nas seringas de tratamento evita lesões ao canal do teto). As células somáticas (Neutrófilos, Macrófagos e Linfócitos) são responsáveis pela fagocitose e morte das bactérias. Os anticorpos não só identificam as bactérias para que os neutrófilos as reconheçam, fagocitando-as em seguida, mas também inativam as toxinas produzidas pelas bactérias do úbere. Substâncias anti-microbianas no leite,contribuem para os mecanismos de defesa da glândula mamária. Uma delas é a lactoferina que se liga ao ferro e o indisponibiliza para o metabolismo bacteriano, além de ter a ação bacteriostática prevenindo o crescimento de estafilococos e coliforme (Fonseca e Santos, 2002). Resumo A mastite difere de outras doenças do gado leiteiro pelo fato de que pode ser provocada por mais de 140 diferentes microorganismos. Como as vacas normalmente compartilham o mesmo ambiente com os microorganismos, é inevitável que alguns invadam o úbere, provocando a mastite. Deve-se dar ênfase ao controle e não à erradicação da mastite. Por este motivo, o controle da mastite será sempre um trabalho contínuo (Philpot e Nickerson, 2000). Como sabemos dos vários fatores envolvidos no processo de mastite, é fácil perceber que é necessário um plano de trabalho para cada situação e o conhecimento dos nossos desafios para se propor melhorias junto aos funcionários e demais envolvidos com o objetivo de se obter êxito em nosso programa de controle. 8 Referências Bibliográficas CASSOLI, L.D.; MACHADO, P.F. Gestão da Ordenha. Máster Dairy Administration, p.1-11, EDMONDSON, P.W. Estratégias para a produção de leite de alta qualidade. 2º congresso Panamericano de qualidade do leite e controle de mastite, Ribeirão Preto, p , FONSECA, L.F.L.; SANTOS, M.V. Qualidade do Leite e controle de mastite, p.65-71, p PHILPOT, W.N.; NICKERSON, S.C. Vencendo a luta contra a mastite, p , p , p54-81, 2002.

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Aula 05 Manejo de Ordenha Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Introdução Em geral, a ordenha determina a quantidade e a qualidade do leite. Retorno do investimento

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa. A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011 Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.br 32 3311-7537 Conteúdo 1. Breve histórico sobre o tema Qualidade do

Leia mais

Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC

Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC Comunicado Técnico Outubro, 80 ISSN 1676-7675 Sobral, CE 2007 Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC Lea Chapaval 1 Introdução Um dos aspectos mais importantes dentro de um Programa de Controle

Leia mais

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite 1 O QUE PODE AFETAR A COMPOSIÇÃO DO LEITE? RAÇA MANEJO MASTITE ESTRESSE ALIMENTAÇÃO Mastite Doença que mais causa prejuízos econômicos na cadeia

Leia mais

Equipamentos de Ordenha

Equipamentos de Ordenha Equipamentos de Ordenha Recomendações do Comitê de Equipamentos Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite Comitê de Equipamentos Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) C755e Conselho Brasileiro

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 17 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Cepravin DC 250 mg, Suspensão intramamária para bovinos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada seringa

Leia mais

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP.

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP. Boas práticas de produção associadas à higiene de ordenha e qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

QUALIDADE DO LEITE, CÉLULAS SOMÁTICAS E PREVENÇÃO DA MASTITE

QUALIDADE DO LEITE, CÉLULAS SOMÁTICAS E PREVENÇÃO DA MASTITE Anais do II Sul- Leite: Simpósio sobre Sustentabilidade da Pecuária Leiteira na Região Sul do Brasil / editores Geraldo Tadeu dos Santos et al. Maringá : UEM/CCA/DZO NUPEL, 2002. 212P. Toledo PR, 29 e

Leia mais

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Curso de Medicina Veterinaria Disciplina: Tecnologia e Inspeção de Leite e Derivados Profª Andrea O B Botelho 8 e 9º períodos ROTEIRO DE ESTUDOS - Estes

Leia mais

O DESINFECTANTE LIDER PARA A PREVENÇÃO DE MAMITES RENOVA-SE E INVENTA O PLATINUM

O DESINFECTANTE LIDER PARA A PREVENÇÃO DE MAMITES RENOVA-SE E INVENTA O PLATINUM A EVOLUÇÃO DO OURO O DESINFECTANTE LIDER PARA A PREVENÇÃO DE MAMITES RENOVA-SE E INVENTA O PLATINUM IMPLACÁVEL CONTRA OS GERMES O Novo Platinum 4XLA melhorou ainda mais suas características bactericidas,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP Laerte Dagher Cassoli 1, Paulo F. Machado 2 Clínica do Leite ESALQ /USP Piracicaba, SP 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Nívea Maria Vicentini Pesquisadora Embrapa Gado de Leite 15 o Encontro Técnico do Leite Campo Grande, 15 de maio de 2012 O QUE É O PAS?

Leia mais

College of Agricultural & Environmental Sciences

College of Agricultural & Environmental Sciences Stephen C. Nickerson - Professor Department of Animal & Dairy Science University of Georgia College of Agricultural & Environmental Sciences C:\slides\VT2001 Desenvolvimentos no uso de pré e pós-dipping

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO

AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO Marcus Vinicios da Costa de Souza 1 ; Ariely Conrrado de lima 2 ; Jussara Maria

Leia mais

A MASTITE INTERFERINDO NO PADRÃO DE QUALIDADE DO LEITE: UMA PREOCUPAÇÃO NECESSÁRIA

A MASTITE INTERFERINDO NO PADRÃO DE QUALIDADE DO LEITE: UMA PREOCUPAÇÃO NECESSÁRIA A MASTITE INTERFERINDO NO PADRÃO DE QUALIDADE DO LEITE: UMA PREOCUPAÇÃO NECESSÁRIA SILVA, Marcos Vinícius Mendes 1 ; NOGUEIRA, José Luiz 1 ; PASSOS, Cristiane Carlin 1 ; FERREIRA, Amanda Olivotti 1 ; AMBRÓSIO,

Leia mais

Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras

Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras ISSN 1676-7667 Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras 39 Introdução A caprinocultura leiteira tem aumentado sua participação no cenário agropecuário brasileiro de forma bastante significativa

Leia mais

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 37 AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 Resumo: A elevada procura pela qualidade dos produtos

Leia mais

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7 CAPÍTULO 7 Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade Rodolpho de Almeida Torres Vânia Maria Oliveira Guilherme Nunes de Souza Introdução A qualidade do leite para o consumidor está

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

Boletim IDEAGRI outubro - 2010

Boletim IDEAGRI outubro - 2010 Boletim IDEAGRI outubro - 2010 A vigésima sétima edição do Boletim apresenta dicas sobre rotinas exclusivas no IDEAGRI: alocação para dietas e consulta SQL. Confira também os truques para aumentar a vida

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFETIVIDADE DE UM PROGRAMA DE CONTROLE DE MASTITE BOVINA EM FAZENDAS PRODUTORAS DE LEITE B DO ESTADO DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DA EFETIVIDADE DE UM PROGRAMA DE CONTROLE DE MASTITE BOVINA EM FAZENDAS PRODUTORAS DE LEITE B DO ESTADO DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DA EFETIVIDADE DE UM PROGRAMA DE CONTROLE DE MASTITE BOVINA EM FAZENDAS PRODUTORAS DE LEITE B DO ESTADO DE SÃO PAULO L.F. LARANJA Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia/USP, C.P. 23, CEP:

Leia mais

Eficiência de desinfetantes em manejo de ordenha em vacas leiteiras na prevenção de mastites

Eficiência de desinfetantes em manejo de ordenha em vacas leiteiras na prevenção de mastites Eficiência de desinfetantes em manejo de ordenha em vacas leiteiras na prevenção de mastites Efficiency of Disinfectants in the management of milking dairy cows for the prevention of mastitis Luis Oliveira

Leia mais

MASTITE: CONTROLE E PROFILAXIA NO REBANHO BOVINO

MASTITE: CONTROLE E PROFILAXIA NO REBANHO BOVINO MASTITE: CONTROLE E PROFILAXIA NO REBANHO BOVINO SILVA, Marcos Vinícius Mendes 1 ; NOGUEIRA, José Luiz 1 ; 1 Mestrandos do Departamento de Cirurgia Setor de Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO Obtenção de Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO A produção

Leia mais

Que oferece Proquimia

Que oferece Proquimia Catálogo pecuária Que oferece Proquimia Na Proquimia fabricamos e comercializamos especialidades químicas, aportando soluções integrais para contribuir para o progresso do setor Industrial e Institucional

Leia mais

eficiência na produção laticínios investem em programas de aumento da eficiência técnica e econômica de produtores

eficiência na produção laticínios investem em programas de aumento da eficiência técnica e econômica de produtores IMPRESSO FECHADO. PODE SER ABERTO PELA ECT. Revista Técnica da Bovinocultura de Leite - Número 46 - Ano 6 dezembro-janeiro 2012/2013 um produto um produto eficiência na produção laticínios investem em

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Agenda 1. Situação atual da qualidade do leite 2. Conceitos

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

Utilizando a CCS e a CBT como ferramenta em tempos de pagamento por qualidade do leite

Utilizando a CCS e a CBT como ferramenta em tempos de pagamento por qualidade do leite Utilizando a CCS e a CBT como ferramenta em tempos de pagamento por qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos Professor Doutor Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP Campus de Pirassununga,

Leia mais

Estratégias para redução de células somáticas no leite

Estratégias para redução de células somáticas no leite Estratégias para redução de células somáticas no leite Marcos Veiga dos Santos Carolina Barbosa Malek dos Reis Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ USP Campus de Pirassununga, SP. mveiga@usp.br

Leia mais

DeLaval InService All Inclusive. O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda

DeLaval InService All Inclusive. O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda DeLaval InService All Inclusive O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda Confie em quem é especialista em produção de leite A DeLaval é uma empresa global com mais de 130 anos de inovação e

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Vinicius Emanoel Carvalho 1, Thiago Paim Silva 1, Marco Antônio Faria

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO O colostro é o leite obtido na primeira ordenha após o parto. Da segunda à 10 a ordenha pós-parto, o leite obtido se chama leite de transição, pois vai ficando mais

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

Boas Práticas de Manejo. Marcelo Simão da Rosa, Mateus J. R. Paranhos da Costa, Aline Cristina Sant Anna, Adriana Postos Madureira

Boas Práticas de Manejo. Marcelo Simão da Rosa, Mateus J. R. Paranhos da Costa, Aline Cristina Sant Anna, Adriana Postos Madureira Marcelo Simão da Rosa, Mateus J. R. Paranhos da Costa, Aline Cristina Sant Anna, Adriana Postos Madureira Marcelo Simão da Rosa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia

Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . UNEB Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia - Pesquisa da UNEB analisará

Leia mais

Zootecnista Professor Adjunto Livre Docente Departamento de Produção Animal

Zootecnista Professor Adjunto Livre Docente Departamento de Produção Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Manejo Sanitário i em Bubalinos André Mendes Jorge Zootecnista Professor Adjunto Livre Docente Departamento

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

INDÚSTRIA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS ANIMAL LTDA. AV. JINROKU KUBOTA, 482 CEP 87.033-170 MARINGÁ PR. FARMACÊUTICA RESPONSÁVEL: HOMEOPATIA ANIMAL

INDÚSTRIA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS ANIMAL LTDA. AV. JINROKU KUBOTA, 482 CEP 87.033-170 MARINGÁ PR. FARMACÊUTICA RESPONSÁVEL: HOMEOPATIA ANIMAL INDÚSTRIA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS ANIMAL LTDA. AV. JINROKU KUBOTA, 482 CEP 87.033-170 MARINGÁ PR. FARMACÊUTICA RESPONSÁVEL: HOMEOPATIA VETERINÁRIA A homeopatia é uma terapia cada vez mais aceita e difundida

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

Máquinas para Pecuária

Máquinas para Pecuária Máquinas para Pecuária Thaís Nascimento Santos 1 ; Bruno Silva Torquato 1 ; Karen Cappi do Carmo Brig 1 ; Maria Alexandra Estrela 2 Aluno (a) do Curso de Zootecnia da Faculdade de Imperatriz FACIMP, Imperatriz

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS Soluções Tecnoecológicas com ozônio APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS A BrasilOzônio Localizada no CIETEC/USP Mais de 5 anos de pesquisa; Parcerias com especialistas e grandes centros tecnológicos do país como

Leia mais

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros Instruções de montagem e utilização Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Caprinos e Ovinos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml.

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. Tralen 28% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DA ORDENHA NO CONTROLE DE MASTITE BOVINA Autor: Felipe Zeni Porto Alegre 2012/1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [ORIENTAÇÕES SOBRE O FILHOTE]

www.drapriscilaalves.com.br [ORIENTAÇÕES SOBRE O FILHOTE] [ORIENTAÇÕES SOBRE O FILHOTE] 2 orientações sobre o filhote 1. Informações iniciais: É natural que o filhote estranhe seu novo lar nos primeiros dias. Assim, é importante ser compreensivo, carinhoso e

Leia mais

MASTITE EM VACAS LEITEIRAS

MASTITE EM VACAS LEITEIRAS MASTITE EM VACAS LEITEIRAS PELEGRINO Raeder do Carmo MELLO Fernando Carvalho de AMARAL Getulio Anízio Caíres do Acadêmicos do curso de Medicina Veterinária da FAMED-Garça-SP E-mail: raeder.vet@hotmail.com

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

O PAS-LEITE Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados

O PAS-LEITE Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados O PAS-LEITE Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados Brasília - DF, 21 de Fevereiro de 2013. Paschoal G. Robbs Consultor SEBRAE Grande Aliança MANTENEDORES SENA (Colombia) SINDIRAÇÕES ABIMA

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA 2 Getinge FD1800 Getinge FD1800 3 COMPROVADAS NA LUTA CONTRA A INFECÇÃO CRUZADA O excelente desempenho de lavagem e desinfecção da Getinge FD1800 garantiu-lhe o respeito

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA - GPL. ROTEIRO DE ANÁLISE DE GRUPO DE PROPRIEDADES Sistema de produção de leite à pasto

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA - GPL. ROTEIRO DE ANÁLISE DE GRUPO DE PROPRIEDADES Sistema de produção de leite à pasto GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA - GPL ROTEIRO DE ANÁLISE DE GRUPO DE PROPRIEDADES Sistema de produção de leite à pasto Odilio Sepulcri Milton Satoshi Matsushita Airton Luiz Empinotti Marco Aurélio Viechnieski

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 THE IMPORTANCE OF THE COUNTING OF SOMATIC CELLS AND TOTAL BACTERIAL COUNTING

Leia mais

Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte?

Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte? Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte? Animais necessitam de oferta abundante de água limpa para: 1. fermentação ruminal e metabolismo; 2. fluxo de alimentos através do trato

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PAULA VIEIRA DE SOUZA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PAULA VIEIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PAULA VIEIRA DE SOUZA LEVANTAMENTO MICROBIOLÓGICO E CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS DO REBANHO LEITEIRO DA REGIÃO DE GARUVA Monografia apresentada ao Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles.

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Publicado em 03/09/2010 por Breno Bracarense, graduando em

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais