de Governança Corporativa: O caso Enron

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de Governança Corporativa: O caso Enron"

Transcrição

1 Fracassos Corporativos associados a problemas de Governança Corporativa: O caso Enron Ciclo de Debates agosto/2008 Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira Doutor e Mestre em Administração de Empresas Finanças FEA/USP Professor Doutor de Contabilidade e Finanças FEA/USP Coordenador d Executivo CEG São Paulo, 20 de agosto de 2008

2 Governança Corporativa Fracassos corporativos e GC Nos últimos anos testemunhamos diversos casos de fracassos corporativos ou de significativa destruição de valor associados a problemas de governo das corporações Alguns fracassos corporativos claramente associados a problemas de governança corporativa: Barings (1994), Banco Nacional (1995), AIB (2001), Enron (2001), Worldcom (2001), Tyco (2001), Parmalat (2003), Royal Ahold (2003), Banco Santos (2004), etc. Alguns exemplos de destruição de valor e de danos reputacionais associados à GC: Vivendi (2003), Shell (2003), VW (2006), Hyundai (2006), Siemens (2007), Société Génerále (2008), Agrenco (2008), etc. Convencionamos chamar a maior parte desses problemas simplesmente de fraudes contábeis ou de escândalos empresariais Será que os problemas são contábeis? Quais são os principais pontos em comum entre esses casos? Há alguns sinais de alerta ex-ante? O caso Enron pode ser utilizado como excelente exemplo 2

3 Por quê o caso Enron? Resumo da empresa Alguns números e informações relevantes funcionários em janeiro de ª maior empresa norte-americana por receita Em setembro de 2001, fazia parte da lista das 50 empresas americanas com mais rápido crescimento (maior empresa da lista) Kenneth Lay Até 2000, recebeu por seis anos consecutivos o prêmio de empresa mais inovadora da publicação Empresas mais Admiradas da Fortune Em 1999, seu CFO Andrew Fastow recebeu o prêmio de CFO mais criativo do ano da Revista CFO Magazine Lobistas em Washington incluíam Henry Kissinger e James Baker Jeffrey Skilling Nelson Mandela e Alan Greespan receberam Prêmio Enron em Houston Georger Bush chamava Kenneth Lay carinhosamente de Kenny Boy High profile, citada como modelo por analistas de bancos de investimento, repórteres, e professores de escolas de negócios seu Prof. caso Dr. Alexandre era apresentado Di Miceli da como Silveira caso FEA/USP de sucesso em Harvard Andrew Fastow

4 O quê aconteceu? Cronologia dos acontecimentos (1/2) Julho 1985 Enron nasce da fusão entre a HNG (Houston Natural Gas) e a Internorth (Nebraska) Kenneth Lay, filho de um pastor Batista, Ph.D. em Economia, é apontado Chairman e CEO da Enron. Contrata a consultoria McKinsey para ajudá-lo a desenvolver a estratégia do negócio. Eles alocam um consultor chamado Jeffrey Skilling, MBA por Harvard, para liderar os trabalhos. Seu background era na área de banking. Sua recomendação: a criação de um banco de Gás Natural pela Enron para aproveitar a desregulamentação do mercado de compra e venda de gás A Enron começa a fazer trading de gás natural, tornando-se a maior negociadora de distribuição de gás dos EUA e Reino Unido Lay cria uma nova divisão chamada Enron Finance Corp. e contrata Skilling para dirigi-la. Skilling só aceita o cargo se a empresa passasse a adotar a marcação amercado (mark to market) como regra contábil. A Enron faz lobby em Washington e a SEC concede permissão para que a Enron adote tal contabilidade, presente apenas em instituições financeiras na época. Década de 1990 Skilling contrata os melhores e mais brilhantes traders, com remunerações astronômicas. Andy Fastow, MBA por Kellogg é contratado em 1990, tornando-se CFO em Skylling instala o Performance Review Committee (PRC), considerado o sistema mais duro de avaliação (com demissão de 10% do staff anualmente), criando forte competição interna. Novembro 1999 Lançamento da Enron Online, um sistema de transação global de energia realizado pela Internet. Agosto 2000 Ações atingem seu pico histórico de US$90.56

5 O quê aconteceu? Cronologia dos acontecimentos (2/2) Dezembro 2000 Ken Lay renuncia ao cargo de CEO, permanecendo como Chairman. Skilling assume como CEO. Março 2001 Artigo de Bethany McLean na Fortune levanta dúvidas sobre os resultados da Enron. 14 Agosto 2001 Skilling se demite após apelas seis meses como CEO. A companhia atribui sua saída a questões pessoais. Lay reassume como CEO. 15 Agosto 2001 Sherron Watkins, ouvidora da Enron, escreve um para Lay, alertando que a companhia pode implodir em uma onda de escândalos contábeis. 20 Agosto 2001 Lay exerce opçõesdeações ç da Enron no valor de US$ 7 milhões. 12 Outubro 2001 David Duncan, sócio da Andersen responsável pela Enron, organiza uma força tarefa de duas semanas para destruição de documentos desnecessários da Enron. A Andersen destrói os documentos relacionados às auditorias na companhia. 16 Outubro 2001 A Enron reporta seu primeiro trimestre de prejuízo em mais de 5 anos após uma baixa de mais de US$1 bilhão devido a negócios com fraco desempenho. 8 Novembro 2001 Republicação das demonstrações financeiras, com redução de US$ 1,2 bilhão no patrimônio líquido devido à dívidas ocultas em SPEs. 2 Dezembro 2001 Enron vai à falência. As ações caem para menos de US$ 1.

6 Caso Enron evolução do preço das ações Evolução do preço das ações

7 O quê aconteceu? Convencionou-se dizer que a Enron era um castelo de cartas movido por manipulações contábeis Assim, simplifica-se o problema da Enron à utilização de uma contabilidade criativa a por meio de operações como: o Operações Prepay Venda de empreendimentos ruins Outras operações com partes relacionadas Mas, o problema realmente era contábil??? 7

8 Na verdade, as questões contábeis eram a conseqüência de diversos problemas do modelo e práticas de governança, ao invés de causa dos problemas (1/2) Problemas de governança no caso Enron (aplicáveis i aoutras empresas): Sistema de incentivos inadequado: recompensa pelo deal e excesso de opções de ações com possibilidade de conversão no curto prazo Seleção de pessoas inadequadas para os cargos (Pessoas erradas no lugar errado pelas razões erradas): Kenneth Lay: líder que colocava resultado acima dos escrúpulos e priorizava sua imagem pública ao invés das operações diárias Jeffrey Skilling: homem de idéias e conceitos, não de implementação, algo fundamental para o cargo de COO Andrew Fastow: relacionamento pessoal com Skilling como fator decisivo para suas promoções, pouco preparo para atuação como CFO de grande empresa 8

9 Na verdade, as questões contábeis eram a conseqüência de diversos problemas do modelo e práticas de governança, ao invés de causa dos problemas (2/2) Problemas de governança no caso Enron (aplicáveis i aoutras empresas): Distanciamento generalizado entre retórica para públicos externos e práticas internas (visto como algo absolutamente normal) Grande rivalidade interna: i) disputa histórica entre Skilling e Rebecca Mark e ii) demissão de 10% do staff anualmente pelo sistema de PRC Péssimas decisões de negócio e implementação ainda pior: investimentos desastrosos no exterior, diversas aquisições caras, entrada em segmentos deficitários (broadband, energy retailing, etc.) Atmosfera de euforia e arrogância corporativa dos executivos de um negócio visto como bem-sucedido Ganância e ambição excessiva em um período de boom do mercado de todos os públicos envolvidos com a companhia, inclusive gatekeepers 9

10 O caso da Enron na verdade é um caso clássico de falha dos gatekeepers, que propiciaram os problemas de Gestão A Teoria do A B C D E explica grande parte dessas falhas A de auditores (Accountants) B dos bancos e corretoras (Banks and Brokers) C dos consultores / assessores (Consultants) D para conselheiros (Directors) E is para todos os demais, incluindo investidores (Everyone Else): A própria Enron alertava ter foco apena no lucro por ação: Enron is laserfocused on earnings per share and we expect to continue strong earnings performance. (Relatório Anual de 2000 da Enron). Além disso, a tinha como meta um crescimento constante de 15% ao ano no EPS, mesmo atuando em um segmento volátil.

11 Caso Enron o papel da auditoria externa A Arthur Andersen, fundada em 1913 por um Professor Universitário, era considerada uma firma de auditoria altamente respeitada A Enron era o segundo maior cliente da Andersen no mundo A Arthur Andersen recebeu US$ 52 milhões da Enron em 2000, amaiorparte oriunda de serviços de consultoria (conta de US$ 1 milhão por semana!) Além da auditoria externa, realizava também a auditoria interna da Enron Tinha um andar inteiro com cerca de 100 auditores na Enron durante todo ano O CAO e os controllers eram antigos executivos da Andersen (ao longo dos anos a Enron contratou ao menos 86 auditores da Andersen como executivos!) Acusada de destruição de documentos processada criminalmente Envolvida em outros escândalos de governança corporativa no período (Worldcom, Global Crossing, Qwest), resultando em perdas de US$ 300 bilhões para os investidores Resultado: falência devido à perda da reputação

12 Caso Enron o papel dos bancos de investimento A Enron pagava anualmente centenas de milhões de dólares em taxas, incluindo taxas em operações com derivativos Os BI Viabilizaram a criação das SPEs e participaram ativamente de várias Nenhum banco de investimento alertou os investidores sobre os problemas na Enron Em outubro de 2001, 16 dos 17 analistas cobrindo a Enron continuavam a avaliar a companhia com recomendações de strong buy ou buy J.P. Morgan, Citigroup, Merrill Lynch, Chase e CSFB admitiram posteriormente terem contribuído para as fraudes, pagando mais de US$ 7,3 bilhões em um acordo com investidores e se comprometendo a reformas internas. One of the most sordid aspects of the Enron scandal is the complicity of so many highly regarded Wall Street firms a complicity that is stunningly documented in internal presentations and s.they show banks helping Enron mask debt as cash flow from operations and create phony profits at the end of a quarter. They also show how almost all of them put money into Fastow's partnerships because of not in spite of their potential for abuse. Most of all, the documents show that the banks weren't merely enablers; they were truly Enron's partners in crime. (McLean e Elkind, The Smartest Guys in the Room, 2004).

13 Caso Enron o papel da consultoria, escritórios de advocacia e agências de rating de crédito Empresa de consultoria: A McKinsey & Co., considerada a empresa de maior renome na consultoria de alto nível trabalhava de forma tão próxima à Enron que seu CEO enviou o chefe da área jurídica da empresa para Houston verificar se o colapso da Enron poderia acarretar conseqüências legais paraafirma de consultoria. Escritórios de advocacia: Recebiam taxas bem acima do mercado por seus serviços Ajudaram a elaborar a documentação legal para as SPEs Falharam em divulgar ao público os problemas relativos às SPEs Agências de rating de crédito: As três maiores Moody s, Standard & Poor s e Fitch recebiam taxas substanciais da Enron Algumas semanas antes do pedido de falência da Enron (quando as ações já estavam sendo negociadas a US$ 3) todas continuavam a dar um rating investment grade para a dívida da Enron Prof. Dr. O rating Alexandre investment Di Miceli da grade Silveira era FEA/USP condição necessária para viabilização das SPEs

14 Caso Enron o papel do conselho de administração Falhou no seu dever fiduciário, permitindo práticas contábeis de alto risco e sistema inadequado de remuneração dos executivos Possuía diversos conselheiros com conflitos de interesse Para constituição das SPEs, concedeu isenção especial a Fastow em relação ao Código de Conduta da Enron! (que proibia que empregados ganhassem dinheiro de qualquer empresa que realizasse operações com a Enron) Permitiu uma remuneração excessiva e como foco no curto prazo dos executivos: In 2000, the board's compensation committee approved $750 million in cash bonuses to Enron executives [$253 million to top five] in a year when the Houston-based company reported net income of $975 million. (Business Week, 29 de Julho de 2002.) Por sua vez, seus membros também recebiam remuneração excessiva De acordo com o relatório do Comitê de Investigação do Senado norte-americano em Julho de 2002, o conselho de administração da Enron permitiu a empresa to engage in high risk accounting, inappropriate conflict of interest transactions, extensive, undisclosed off-the-books activity, and excessive executive compensation e was compromised by financial ties between the company and certain Board members.

15 Governança Corporativa Principais causas dos escândalos recentes Um livro recente de análise de casos de governança aponta seis causas principais para os recentes escândalos de GC 1. Conselhos de administração ineficazes 2. Decisões estratégicas erradas 3. Expansão excessiva das atividades, com aquisições ruins 4. CEOs dominantes 5. Ganância, vaidade excessiva e desejo por poder 6. Falha dos controles internos Fonte: HAMILTON, Stewart, MICKLETHWAIT, Alicia. Greed and Corporate Failure The Lessons from Recent Disasters. Palgrave MacMillian, p.

16 Governança Corporativa Principais sinais de alerta (red flags) O diversos fracassos empresariais apresentam alguns sinais de alerta (red flags) para identificação de eventuais problemas de governança 1. O CEO também é presidente do conselho de administração 2. A grande maioria do conselho é composta por executivos e pessoas relacionadas ao acionista controlador ou à gestão 3. O sistema de controles internos é deficiente / possui poucos recursos 4. As metas de avaliação de desempenho e remuneração são de curto prazo 5. São tomadas decisões estratégicas questionáveis, com disclosure opaco (ex. SPEs) 6. O CEO não sente-se confortável com críticas ou perguntas mais profundas 7. Há uma saída súbita do CEO e/ou CFO 8. Os insiders começam a vender ações 9. A auditoria externa recebe montantes substanciais por outros serviços e/ou o cliente é muito importante financeiramente para ela 10. Os bancos de investimento possuem conflitos de interesse em relação ao cliente e/ou problemas de independência dê i

17 Governança Corporativa Fracassos empresariais e GC No Brasil, o recente caso da Agrenco permite uma discussão mais profunda sobre o impacto das práticas de governança no sucesso ou fracasso empresarial Problemas de governança que poderiam ser percebidos pelos investidores por ocasião do IPO: 1. Presença de uma mesma pessoa com múltiplos papéis p empreendedor/ principal p executivo/ presidente do conselho/ controlador tornando a companhia uma espécie de empresa de um homem só 2. Presença de um CA com baixo nível de independência. Dos cinco conselheiros, três eram executivos. Dos dois membros restantes, um atuava em múltiplos conselhos e também era sócio da empresa de consultoria contratada com remuneração atrelada ao sucesso do IPO. O outro não possuía expertise em finanças e contabilidade 3. Ausência de um comitê de auditoria composto por conselheiros independentes 4. Falta de regras claras ex-ante para operações com partes relacionadas, bem como de mecanismos de divulgação ex-post 5. Ausência de bons sistemas de controles internos e de um adequadoado sistema de gestão de riscos operacionais 17

18 Governança Corporativa Fracassos empresariais e GC Além disso, o caso Agrenco também nos permite discutir a eficácia dos gatekeepers na proteção dos investidores externos Problemas de governança que poderiam ser percebidos pelos investidores por ocasião do IPO: 1. Os auditores não constataram problemas relevantes, emitindo pareceres sem ressalvas 2. Os grandes escritórios de advocacia que ajudaram a estruturar o IPO também não encontraram problemas relevantes 3. O órgão regulador não colocou qualquer restrição à listagem da empresa que, apesar de essencialmente brasileira, tem sede em Bermudas, um paraíso fiscal. Posteriormente, teve sua ação limitada quanto a possíveis punições 4. A consultoria contratada para preparar a Agrenco na adequação às melhores práticas de governança falhou em sua missão. Além disso, apresentava sérios conflitos de interesse, tendo em vista que sua remuneração dependia do resultado do IPO 5. As agências de rating de crédito parecem não ter tido qualquer papel neste caso, já que a companhia não era avaliada por elas 6. O banco de investimentos que coordenou a oferta atuou simultaneamente como credor e acionista, acarretando óbvios conflitos de interesse 7. O único analista de investimentos que acompanhava a companhia também era funcionário do mesmo banco de investimentos. Coincidência ou não, atribuiu em relatório de maio deste ano um preço-alvo de R$ 19,00, o dobro do preço do IPO e quinze vezes o preço após as denúncias. 18

19 FIM di i b

20 Caso Enron o que aconteceu? Exemplo 1 : As operações Prepay Enron $$t+1 Gást+1 $t Gást+1 Banco de Investimentos Gást+1 $t SPE Ninguém tinha que fornecer qualquer gás, mas a Enron conseguia receber dinheiro antecipadamente, alocando-o como receita operacional O banco de investimento recebia seu dinheiro de volta posteriormente junto um substancial lucro por sua venda de energia A Enron fez cerca de US$ 8,6 bilhões em operações Prepay, principalmente com os bancos Chase Manhattan (entidade Mahonia) e Citigroup (entidade Delta) Fastow era sócio e gestor dos fundos em parceria com os bancos em paralelo com suas atividades como CFO.

21 Caso Enron o que aconteceu? Exemplo 2 : Venda de empreendimentos ruins Enron $t Compra Ativo Ruimt+1 Banco de Investimentos $$t+1 Venda Ativo Ruimt Garantia ações Enron $ $t $$$ SPE $$$t+1 A garantia para os empréstimos era dada pela própria Enron A Enron alocava a venda como lucro Posteriormente, a Enron recomprava o ativo ruim da SPE gerida por Fastow Um projeto de geração de energia em Cuiabá MT foi comprado e recomprado desta forma junto à LJM1, cujos sócios eram o CSFB (Credit Suisse) e NatWest (comprado pelo RBS) Algumas vezes a Enron vendia o ativo ruim diretamente para uma instituição financeira, com a promessa de recomprá-lo 6 meses depois (ex. ativos na Nigéria vendidos à Merril Lynch).

22 Caso Enron o que aconteceu? Exemplo 3 : Outras OPRs Ex. as SPEs Raptors Enron Ações Enron US$ 1,2 Bi em Commercial Papers = + US$ 1,2 Bi em receitas SPEs Raptor (97% Enron) A Enron alocou US$ 1,2 bilhão como receita, mesmo sendo um título de dívida de uma empresa que ela mesmo controlava! Em resumo, as SPEs da Enron eram similar a um esquema de pirâmides (Ponzi scheme), na medida em que elas dependiam da valorização do preço das ações da própria Enron O sócio de auditoria da Andersen David Ducan aceitou essas práticas contábeis até 2001, apesar de objeções da área técnica da Andersen

23 Caso Enron distância entre retórica e prática (1/2) Exemplos da distância entre retórica e prática: I spend much of time on philanthropy and on charitable works. I love to speak about corporate values Everyone knows that I personally have a very strict code of personal conduct that I live by. This code is based on Christian values. aues Kenneth Lay, Chairman and CEO We are doing something special. Magical. Money was nor what really matter to me. It is not a job, it s a mission. We are changing g the world. We are doing God s work. Jeffrey Skilling, COO and CEO (após ter vendido US$ 100 milhões em ações da Enron) We re going to make money without having to do anything but the right thing. Andrew Fastow, CFO

24 Caso Enron distância entre retórica e prática (2/2) Exemplos da distância entre retórica e prática: Employees Of Enron Corporation are charged with conducting their business affairs in accordance with the highest ethical standards. An employee shall not conduct himself or herself in a manner which directly or indirectly would be detrimental to the best interests of the Company or in a manner which would bring to the employee financial gain separately derived as a direct consequence of his or her employment with the Company. Código de Ética da Enron Enron s Values (Relatório Anual 1998) : Communication we have an obligation to communicate Respect we treat others as we would like to be treated ourselves Integrity we work with customers and prospects openly, honestly, and sincerely Excellence we are satisfied with nothing less than the very best in everything we do.

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Luiz Marcatti Fevereiro/2009 GOVERNANÇA CORPORATIVA É o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Mercado Financeiro Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira aula 1A 1 Conceitos Fundamentais de Aula 1 Parte A Ao final desta aula você : - Identificará a importância da governança corporativa de acordo

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

AUDITORIA PROF. ERIC DUARTE CAMPOS

AUDITORIA PROF. ERIC DUARTE CAMPOS AUDITORIA PROF. ERIC DUARTE CAMPOS ETIMOLOGIA AUDITORIA origina-se do latim audire (ouvir). Inicialmente foi utilizada pelos ingleses auditingpara representar os termos de verificação dos registros contábeis.

Leia mais

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon Governança Corporativa Investidores Institucionais e Governança Corporativa Aula 11 Participação Acionária de Investidores Institucionais No Reino Unido: Tipo de Investidor 1963 % 2006 % Indivíduos 54

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006 SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o o A Quantidade do Capital Vendido o O Valor das Empresas no dia do IPO o O Valor das

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E DESAFIOS Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 Agenda 1. Compliance conceito e missão 2. Atuação de Compliance nas instituições 3. Ferramentas de Compliance 4. Auditoria e Compliance

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

CONTABILIDADE INTERNACIONAL ANHAGUERA EDUCACIONAL 8º PERÍODO/2º SEMESTRE 2011 Prof. Rondinely Leal rondinely.contabilidade@bol.com.

CONTABILIDADE INTERNACIONAL ANHAGUERA EDUCACIONAL 8º PERÍODO/2º SEMESTRE 2011 Prof. Rondinely Leal rondinely.contabilidade@bol.com. Case: WORLDCOM EUA (2002) A EMPRESA Por ocasião de seu pedido de falência, em julho de 2002, a WorldCom era conhecida como a segunda maior empresa de telefonia de longa distância nos Estados Unidos. Durante

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

Apresentação dos Resultados 2T06

Apresentação dos Resultados 2T06 Apresentação dos Resultados 2T06 Aviso Legal Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas

Leia mais

IBGC Transações entre partes relacionadas o caso Smiles. 16 de novembro de 2015

IBGC Transações entre partes relacionadas o caso Smiles. 16 de novembro de 2015 IBGC Transações entre partes relacionadas o caso Smiles 16 de novembro de 2015 A NOSSA IDENTIDADE MISSÃO Transformar milhas em sorrisos VISÃO Ser o programa de fidelidade com a plataforma mais completa

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

RBC BRASIL DTVM LTDA. Confiança que faz a diferença

RBC BRASIL DTVM LTDA. Confiança que faz a diferença RBC BRASIL DTVM LTDA Confiança que faz a diferença Sobre o RBC Brasil O RBC Brasil (RBC Brasil DTVM Ltda) é uma subsidiária integral do Royal Bank of Canada, cuja história de atuação em nosso país remonta

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo histórico de sucesso no mercado de capitais brasileiro

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

O que é Governança Corporativa?

O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? Tradução literal de Corporate Governance conduz à percepção equivocada da abrangência e limites de aplicabilidade da Governança Corporativa.

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

Para Além do Novo Mercado: Próximos Passos da Governança Corporativa no Brasil

Para Além do Novo Mercado: Próximos Passos da Governança Corporativa no Brasil Para Além do Novo Mercado: Próximos Passos da Governança Corporativa no Brasil Por Alexandre Di Miceli da Silveira* Atualmente, há uma sensação de que o tema governança corporativa é um ponto forte do

Leia mais

4T07 Divulgação de Resultados

4T07 Divulgação de Resultados Divulgação de Resultados Teleconferência em inglês 04 de Março de 2008 11:00 (BRT) 13:00 (USA EST) Tel: +1 (973) 935 8893 Código: 35688265 Replay: +1 (706) 645 9291 Código: 35688265 Webcast ao vivo pela

Leia mais

Veículo: Valor Online Data: 29/04/09

Veículo: Valor Online Data: 29/04/09 Veículo: Valor Online Data: 29/04/09 Cresce procura por gestores de risco Em tempos de crise, os gestores de risco estão sendo garimpados pelas empresas como pedras raras. Segundo a consultoria Michael

Leia mais

ESTABELECENDO UM NEGÓCIO NOS EUA

ESTABELECENDO UM NEGÓCIO NOS EUA ESTABELECENDO UM NEGÓCIO NOS EUA Escritórios de Advocacia Zara 111 John Street, Suite 510, New York, NY 10038 Tel: 1-212-619 45 00 Fax: 1-212-619 45 20 www.zaralawny.com 1 Introdução A recente queda do

Leia mais

Governança Corporativa ao Alcance de Todos

Governança Corporativa ao Alcance de Todos Autor: Charles Holland* Governança Corporativa ao Alcance de Todos Segundo o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa IBGC, governança corporativa são as práticas e os relacionamentos entre acionistas/quotistas,

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

BuscaLegis.ufsc.br. Caso Enron: breve analise da empresa em crise. William Eustaquio de Carvalho* Resumo

BuscaLegis.ufsc.br. Caso Enron: breve analise da empresa em crise. William Eustaquio de Carvalho* Resumo BuscaLegis.ufsc.br Caso Enron: breve analise da empresa em crise William Eustaquio de Carvalho* Resumo Diante da análise do Projeto de Lei 4.376/93, em trâmite no Senado, pretendemos questionar os meios

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

ABVCAP. Política de Recursos Humanos. Remuneração de Executivos nas Empresas Investidas. 8 de agosto de 2012

ABVCAP. Política de Recursos Humanos. Remuneração de Executivos nas Empresas Investidas. 8 de agosto de 2012 ABVCAP Política de Recursos Humanos Remuneração de Executivos nas Empresas Investidas 8 de agosto de 2012 1 Crescimento da Indústria de Private Equity no Brasil Captação e Investimentos (US$m) 1º Q Fonte:

Leia mais

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor Novembro 2010 Sobre Insider Buying/Selling Uma das perguntas cuja resposta todo analista ou investidor de ações gostaria de ter se refere à opinião daquelas pessoas

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi. Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.net Sobre a SITAWI FINANÇAS DO BEM = Finanças Sustentáveis Assessoria

Leia mais

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Liderança Feminina Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Sobre o Hay Group Hay Group é uma consultoria global em gestão que trabalha com líderes para transformar estratégias

Leia mais

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon Governança Corporativa Performance e Remuneração de Executivos Aula 6 O debate sobre a remuneração A questão da remuneração tem sido alvo de intenso debate. O debate tem se focado em quatro áreas: O nível

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION 4 de dezembro de 2014 I. Finalidade Estes Princípios de Governança Corporativa, adotados pelo Conselho Diretor da Empresa, juntamente com os estatutos

Leia mais

Introdução à lei Sarbanes- Oxley

Introdução à lei Sarbanes- Oxley Introdução à lei Sarbanes- Oxley A Lei Sarbanes-Oxley (Sarbanes-Oxley Act, normalmente abreviada em SOx ou Sarbox) é uma lei dos Estados Unidos criada em 30 de julho de 2002 por iniciativa do senador Paul

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES CRITÉRIOS PARA INCLUSÃO DE EMPRESAS NOS FUNDOS ETHICAL - 16 - PARTE A DESEMPENHO NA ÁREA AMBIENTAL (GRUPO 1: ESTRUTURA DA ÁREA DE GESTÃO AMBIENTAL) A1. A gestão

Leia mais

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA ADALBERTO JOSÉ CONTESSOTTO,ADILSON TREVISAN, FILIPE FRANCISCHINE, LUCIANO APARECIDO SOARES E MARCOS PAULO GONÇALVES, alunos do Curso de Administração

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

Taking ESG into account Podemos evoluir para uma Economia Sustentável

Taking ESG into account Podemos evoluir para uma Economia Sustentável Taking ESG into account Podemos evoluir para uma Economia Sustentável Investimentos Sustentáveis - O que é material para a análise e decisão de investimentos? Dos princípios aos indicadores chaves de performance

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

Jornada de Valor. Novembro de 2010

Jornada de Valor. Novembro de 2010 Jornada de Valor Novembro de 2010 Planejando o crescimento O valor da empresa em uma transação está diretamente relacionado à percepção de valor de investidores, à governança corporativa, transparência

Leia mais

V Fórum Abisolo. Desafios e Oportunidades da Governança Corporativa. Agosto/2013

V Fórum Abisolo. Desafios e Oportunidades da Governança Corporativa. Agosto/2013 V Fórum Abisolo Desafios e Oportunidades da Governança Corporativa Agosto/2013 0 0 Governança Corporativa Sistema pelo qual as empresas são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

Práticas de Governança Corporativa Aplicadas no Brasil e nos Estados Unidos

Práticas de Governança Corporativa Aplicadas no Brasil e nos Estados Unidos Práticas de Governança Corporativa Aplicadas no Brasil e nos Estados Unidos Fevereiro de 2007 ADVISORY 1 Ambiente corporativo - Interação com o mercado Analistas de mercado Acionistas Instituições financeiras

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Governo das Sociedades A Visão do Chairman

Governo das Sociedades A Visão do Chairman Lisboa, 4 de Novembro de 2008 XV Conferência do IPAI Governo das Sociedades d A Visão do Chairman Francisco Luís Murteira Nabo Corporate Governance O que é? Corporate Governance is the system by which

Leia mais

Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências atuais Quais competências necessitam de aprimoramento Como

Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências atuais Quais competências necessitam de aprimoramento Como 1ª Pesquisa Protiviti/Audibra sobre as Tendências da Auditoria Interna no Brasil Junho, 2010 Objetivo da Pesquisa Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

2015 GC8 do Brasil Todos Direitos Reservados All Rights Reserved www.gc8.us. Expandindo Fronteiras

2015 GC8 do Brasil Todos Direitos Reservados All Rights Reserved www.gc8.us. Expandindo Fronteiras 2015 GC8 do Brasil Todos Direitos Reservados All Rights Reserved www.gc8.us Expandindo Fronteiras GC8 do Basil 1. Quem somos 2. Diferencial 3. Onde Atuamos 4. Internacionalização 5. O que fazemos 6. Entre

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

7/10/2008. Gestão Do Negócio. Auditoria do. Negócio. Gestão Do. Negócio. risk management is good management: Make the unknow known if Relevant

7/10/2008. Gestão Do Negócio. Auditoria do. Negócio. Gestão Do. Negócio. risk management is good management: Make the unknow known if Relevant 5º Passo: Reinvenção do Papel da Auditoria: Visão Prática Foco da Gestão de Riscos Gestão Do Negócio Auditoria do Negócio Gestão Do Negócio risk management is good management: Make the unknow known if

Leia mais

PORTIFÓLIO SERVIÇOS MERIDIONAL INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL. Atualizado em Setembro/2014

PORTIFÓLIO SERVIÇOS MERIDIONAL INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL. Atualizado em Setembro/2014 PORTIFÓLIO DE SERVIÇOS MERIDIONAL INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL Atualizado em Setembro/2014 Sobre a Meridional A Meridional Inteligência Empresarial é uma empresa de consultoria e assessoria em gestão com atuação

Leia mais

QUEM SOMOS Brasil Brokers

QUEM SOMOS Brasil Brokers QUEM SOMOS Um dos maiores e mais completos grupos de venda de imóveis do país. Assim é a Brasil Brokers. Formado por 25 imobiliárias líderes em 12 estados, o grupo conta com mais de 14 mil corretores associados

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL Diga-me como me medes que eu te digo como me comportarei Eliyahu Goldtratt Agenda Alinhamento

Leia mais

Resultado 1T12. Resultados 2T12 / 1S12

Resultado 1T12. Resultados 2T12 / 1S12 Resultado 1T12 Resultados / 1S12 15 de agosto de 2012 Eventos Extraordinários Correção da Baixa de Inventário de Anos Anteriores (R$ 20,3 milhões) Destruição de Obsoletos (R$ 34,4 milhões) (+) (-) (-)

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

Características. Carga horária 36 horas presenciais.

Características. Carga horária 36 horas presenciais. 1 Características Sobre o curso A indústria de Private Equity e Venture Capital está em pleno desenvolvimento no Brasil, no ano de 2013 os investimentos foram de R$ 17,6 bilhões representando 0,37% do

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

[ ] CRIANDO VALOR GESTÃO INTEGRADA DE ESTRATÉGIA E FINANÇAS. São Paulo, 16 a 18 de setembro, 2015 EDUCAÇÃO EXECUTIVA

[ ] CRIANDO VALOR GESTÃO INTEGRADA DE ESTRATÉGIA E FINANÇAS. São Paulo, 16 a 18 de setembro, 2015 EDUCAÇÃO EXECUTIVA EDUCAÇÃO EXECUTIVA [ ] CRIANDO VALOR GESTÃO INTEGRADA DE ESTRATÉGIA E FINANÇAS São Paulo, 16 a 18 de setembro, 2015 AMBIENTE O universo competitivo das organizações impõe desafios diversos para seus líderes.

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

Cemig-Terna: mercado financeiro reprova e elétricos vêem movimento de consolidação (Alexandre Canazio)

Cemig-Terna: mercado financeiro reprova e elétricos vêem movimento de consolidação (Alexandre Canazio) Folha de S. Paulo SP 24/04/2009 Dinheiro B1 Valor Econômico SP 24/04/2009 Internacional / Armando Castelar CAPA / A 15 Canal Energia Online SP 24/04/2009 Plantão Canal Energia Online Cemig-Terna: mercado

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN)

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015 Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira responsabilidade

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA NO MUNDO PLANO: EVOLUÇÃO E DESAFIOS. Renato Chiodaro

GOVERNANÇA CORPORATIVA NO MUNDO PLANO: EVOLUÇÃO E DESAFIOS. Renato Chiodaro GOVERNANÇA CORPORATIVA NO MUNDO PLANO: EVOLUÇÃO E DESAFIOS Renato Chiodaro 1 CONCEITO Tradução literal: Direção corporativa Parece-nos mais adequado usar a expressão governo das empresas, que é corrente

Leia mais

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas (*) Palestrante: Vinícius Sampaio (*) Contará

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

Vania Maria da Costa Borgerth. Apresentação

Vania Maria da Costa Borgerth. Apresentação Vania Maria da Costa Borgerth XI 1 Apresentação O mercado norte-americano de capitais é, reconhecidamente, o maior do mundo. Uma série de escândalos de natureza contábil, provocados pela descoberta de

Leia mais

Case Cetip. Incluindo a Gestão de Continuidade de Negócios na cultura da organização

Case Cetip. Incluindo a Gestão de Continuidade de Negócios na cultura da organização Case Cetip Incluindo a Gestão de Continuidade de Negócios na cultura da organização Agenda 1. Apresentação Cetip 2. A identificação da necessidade 3. Principais desafios 4. O que realmente fez diferença

Leia mais

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA

Leia mais

Caros alunos, Vários assuntos essenciais para a Gestão da Segurança das Informações foram discutidos em nossa cadeira. Dentre eles, posso citar:

Caros alunos, Vários assuntos essenciais para a Gestão da Segurança das Informações foram discutidos em nossa cadeira. Dentre eles, posso citar: Caros alunos, Fundação Getúlio Vargas FGV Management MBA Gerenciamento de Projetos com Ênfase em TI Cadeira de Gestão da Segurança da Informação Questionamentos Úteis Vários assuntos essenciais para a

Leia mais

Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1. Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2

Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1. Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2 Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1 Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2 Em julho de 2010, entrou em vigor nos Estados Unidos o Dodd Frank Wall Street

Leia mais

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada CFO Program O futuro da área de finanças Temos o orgulho de compartilhar com vocês nossa visão de como será a área de finanças no futuro. Esta

Leia mais

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 FEVEREIRO DE 2008 1 AJUSTE A VALOR PRESENTE - AVP O AVP tem como objetivo o ajuste para demonstrar o valor presente de um fluxo de caixa futuro. Que pode estar

Leia mais