23º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "23º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore"

Transcrição

1 23º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore Rio de Janeiro, 25 a 29 de Outubro de 2010 Análise de Risco no Acompanhamento de Projetos de Construção Naval Floriano C M Pires Jr. (COPPE/UFRJ) Lorena Faria Guimarães (COPPE/UFRJ) Luiz Felipe Assis (Escola Politécnica/UFRJ) Resumo: Atrasos na construção de navios e unidades oceânicas, bem como problemas com o cumprimento dos requisitos de custo, podem ser evitados através do pré-diagnóstico de fatores de risco e da adoção de medidas mitigadoras para contorná-los em virtude da sua possível ocorrência. O trabalho descreve a aplicação de uma metodologia de análise de risco durante o acompanhamento de um projeto de construção naval. A análise da rede do projeto baseia-se na simulação de Monte Carlo. O procedimento é contínuo; à medida que a rede de acompanhamento é atualizada, novos indicadores são gerados e novas análises devem ser feitas. O modelo é reconhecido como uma ferramento de apoio à tomada de decisão e ao estabelecimento de garantias pelo armador. 1 Introdução A construção naval no Brasil passou por um período de rápida expansão nas décadas de 1970 e 1980, alcançando o segundo lugar no ranking mundial de construtores no ano de Entretanto, devido a muitas razões, em meados dos anos 80 uma profunda crise assolou a indústria. A maioria dos principais estaleiros brasileiros fechou por alguns anos (Pires, 1999). Somente na metade da atual década, a construção de navios oceânicos foi retomada. Durante o período de crise, os principais estaleiros brasileiros, assim como outros componentes da cadeia de suprimentos da indústria, passaram por diversos problemas de performance, resultando um registro extremamente desfavorável de riscos. Por consequência, até hoje, não obstante uma situação de condições favoráveis, novos contratos são impedidos pela dificuldade na estruturação de garantias e na formulação de seguros de performance. Assim, o desenvolvimento de instrumentos avançados de suporte ao gerenciamento de riscos é certamente um importante elemento na recuperação da indústria naval brasileira. A análise de risco pode ser entendida como o processo de verificação de pontos críticos capazes de resultar em desconformidades com o planejamento durante a execução de um determinado objetivo. Particularmente no que se refere a projetos de construção naval e offshore no Brasil, a prática de gerenciamento de riscos é pouco difundida e aplicada. Sobretudo no caso de horizontes de longo prazo, como são muitos dos projetos de construção naval e offshore, as incertezas tornam-se mais acentuadas. O risco envolve um evento em si, do qual deve ser identificada a causa raiz e o efeito; uma probabilidade associada e um impacto no projeto. Assim, se as ações mitigadoras de riscos são tomadas sobre a sua causa, a probabilidade de ocorrência do risco é que será afetada. Se por outro lado as ações são tomadas sobre os efeitos dos riscos, os impactos é que serão alterados. Como exemplo tem-se o próprio seguro ou outras formas de prestação de garantia em um projeto de construção naval. Ao ser contratado um seguro de performance para cobrir os desvios de cronograma e custo em um projeto de construção de navios petroleiros, não se está mirando a causa do risco. Isso porque as probabilidades de o estaleiro não cumprir o contrato não são alteradas, mas no caso de eventos indesejáveis ocorrerem, o risco é transferido para a seguradora. Dessa forma, os seus efeitos para o armador são suavizados. A análise de risco é uma ferramenta cada vez mais utilizada na gestão de projetos e de contratos. No entanto, não há ainda uma 1

2 literatura significativa sobre a gestão dos riscos de construção naval. Existem poucos estudos relacionados à avaliação de riscos e seus impactos na indústria de construção naval e offshore. Um notável exemplo é o trabalho de Lee (2007), lidando com a identificação de riscos para a indústria coreana. Partindo do princípio da importância da incorporação do ferramental de análise de risco na indústria naval, o presente trabalho tem início por uma melhor contextualização e situação do projeto, bem com uma breve descrição do processo de análise e gerenciamento de riscos através de uma metodologia em desenvolvimento. Diante da realidade da indústria naval brasileira estaleiros com passado histórico de índices de desempenho extremamente baixos; não cumprimento de prazos e orçamentos; modelo de financiamento praticado com tendência a transferência do risco do projeto para o armador, e, indiretamente para o Fundo da Marinha Mercante onde o risco associado a contratos é excessivamente elevado, e a ausência de mecanismos de alocação racional e gestão de riscos se apresentam como obstáculos à recuperação de um cenário resultante da crise, o Laboratório de Gerenciamento de Projetos de Construção Naval da COPPE / UFRJ vem investigando e desenvolvendo um sistema integrado de controle de projetos de construção de navios: SAP-RISCO. O SAP-RISCO engloba os processos de identificação, análise e modelagem dos riscos em projetos de construção naval, relativos ao cumprimento de requisitos de prazo, custo e qualidade; o desenvolvimento de metodologia para a análise de riscos na etapa de planejamento e programação, e durante a fase de acompanhamento; a avaliação de estratégias de alocação e gestão dos riscos pelos principais agentes: estaleiro, armador, financiador; a montagem de um banco de dados de desempenho de estaleiros e fornecedores, de modo a permitir o aprimoramento progressivo da análise; e o desenvolvimento de um sistema de classificação de risco de estaleiros e fornecedores. A metodologia e os resultados que são apresentados nesse trabalho fazem parte do módulo de Gerenciamento de Riscos, que juntamente com módulos de Controle Financeiro, Orçamento, Visualização e Acompanhamento, constituem o sistema de gestão em desenvolvimento. O módulo Orçamento constitui o orçamento do projeto, cujos materiais e equipamentos são especificados e direcionados às atividades. Como produtos, têm-se a estrutura de atividades para o módulo de Acompanhamento (definição de WBS, estrutura de atividades, rede de ligações, OBS, lista de materiais) e o orçamento propriamente dito. O módulo Acompanhamento realiza o monitoramento do progresso das atividades geradas no módulo de Orçamento a partir das informações disponibilizadas pelo cliente. Os gráficos e índices de desempenho do projeto são continuamente supervisionados. No módulo de Controle Financeiro, o controle de notas fiscais, cheques e planos de contas gera os índices de liquidez e fluxo de caixa do projeto, utilizados no acompanhamento de custos. O módulo de Visualização permitirá o acompanhamento em tempo real das obras no estaleiro. Finalmente, o módulo de Gerenciamento de Riscos inclui a identificação e o monitoramento dos riscos especificados para o projeto. Segundo a estrutura do SAP-RISCO, as análises de risco devem refeitas conforme o progresso do projeto, gerando novas distribuições e novas entradas para modelos de decisão. Nesse trabalho descreve-se o processo de análise de risco do acompanhamento de um projeto típico de construção de um navio petroleiro. As características do projeto são de um estaleiro e de um contrato típico da indústria naval brasileira. A análise apresentada é baseada em uma abordagem de Monte Carlo para a simulação da rede de projeto. Inicialmente é feita a simulação com variações das durações de atividades e dos custos de recursos orçados na fase que antecede o início da execução do projeto. Conforme o progresso do projeto, os indicadores de desempenho são avaliados para se fazer a análise das distribuições inseridas inicialmente na simulação. Outras simulações são então feitas com os valores atualizados, gerando novos resultados. Na seção dedicada aos resultados, as funções de probabilidade de custo e de prazo das simulações são discutidas. Através desse procedimento, os envolvidos no projeto têm a possibilidade de adotar as medidas necessárias para cumprirem seus prazos e custos, ou para se precaverem de indesejáveis prejuízos. A análise permite a estimativa de distribuições de probabilidades de custo total e tempo de construção, assim como suporta processos de decisão e de estabelecimento de 2

3 garantias. O modelo pode ser utilizado para estimar termos adequados de contratos de seguros, e cláusulas de restituição e desempenho. Também pode ser útil para apoiar a tomada de decisões sobre as mudanças nas garantias exigidas durante o contrato, e ainda em mudanças prévias no projeto ou até mesmo o cancelamento do contrato. 2 Estudo de caso O caso analisado consiste na construção de um navio petroleiro, desde o início do Projeto Básico até a sua Entrega. A rede é estrutura em 1684 atividades, divididas em 6 níveis principais que compõem a WBS (Work Breakdown Structure) do projeto. Os níveis principais da WBS são (1) Gerenciamento, (2) Projeto, (3) Procurement, (4) Construção, (5) Comissionamento e Testes e (6) Encerramento. O custo total do projeto é estimado em aproximadamente R$75,7M. A duração aproximada é de 860 dias, com início em 03/06/2009 e previsão de conclusão em 12/10/2011. A construção do navio é contratada a preço fixo. Isso significa que problemas internos do estaleiro não interessam ao armador. No entanto, sabe-se que em um contexto em que os custos excedam demasiadamente as estimativas, existe a possibilidade de transferência desse aumento de custos do estaleiro para o próprio armador. Além do custo, o armador também está interessado nas previsões de cumprimento de prazos, visto que o navio pode estar previamente contratado para um afretamento. 3 Metodologia A rede de atividades é preparada no programa Primavera Project Management. O acompanhamento através da atualização de dados de custo e duração cumpridos também é feito nesse mesmo aplicativo. A cada acompanhamento realizado, a rede é exportada para o programa Primavera Risk Analysis, onde são feitas as simulações através do método de Monte Carlo (figura 1 mostra o cronograma do projeto no Primavera Risk Analysis ). A metodologia aplicada ao estudo de caso consiste de acompanhamentos realizados mensalmente, embora nem todos os períodos estejam evidenciados nesse trabalho. Ressalta-se também que o acompanhamento é feito até o fim do projeto, simulando períodos que ainda não ocorreram. São mostrados 8 períodos de acompanhamento. Em cada período faz-se alusão a uma data, que por sua vez refere-se à última atualização da rede. Figura 1 cronograma do projeto no Primavera Risk Analysis As incertezas consideradas inicialmente são a variação cambial, a estimativa do custo de recursos de mão de obra, a estimativa da duração das atividades e a variação de preço de insumos nacionais. 3

4 A variação cambial se reflete nos custos de materiais importados como motores e eixos. A variação de preços de insumos nacionais, por sua vez, é tratada como variação das despesas em moeda nacional. 3.1 Projeto não iniciado 03/06/2009 Ainda não se dispõe de dados do acompanhamento da rede, já que o projeto de construção ainda não começou. As estimativas iniciais de duração e produtividade podem ser feitas com base em dados históricos do estaleiro. Se esses dados não estão disponíveis, cabe ao analista de risco estipular as distribuições que caracterizam as incertezas do projeto. Já as variações de câmbio podem ser analisadas através dos dados das séries temporais disponibilizadas pelo Banco Central do Brasil. - Variação do câmbio (despesas com moeda estrangeira) A série temporal, para o período compreendido entre os meses de janeiro de 1999 e maio de 2009 (mês imediatamente anterior ao início do projeto) para dólar americano é obtida no site do Banco Central do Brasil. Os valores da série real são transpostos para valores adaptados, tendo o mês de maio de 2009 como referência. A diferença entre o valor unitário do custo da moeda estrangeira (R$1,0000), utilizado como base para todas as atividades implementadas no software de planejamento e acompanhamento, e o valor real da série (R$1,9730) é aplicada em todos os outros elementos. Simulam-se 100 (cem) trajetórias para as variações da taxa cambial, a partir dos valores da série adaptada através de modelo autoregressivo (gráfico 1). Para evitar números negativos ou muito grandes, são incorporados valores de truncamento (mínimo e máximo) correspondentes aos valores mínimo e máximo encontrados para o período da série adaptada (R$0,5936 e R$2,9219). Os valores são tomados para o período de maiores gastos com moeda estrangeira previsto no orçamento (períodos de instalação e testes de equipamentos de máquinas propulsão, geração de energia, auxiliares, etc), tendo como referência o mês de julho de Em seguida, uma distribuição estatística de parâmetros conhecidos é adequada aos valores simulados para o período (software BestFit ). 3,5000 3,0000 2,5000 2,0000 1,5000 1,0000 0,5000 0,0000 mar-97 jul-98 dez-99 abr-01 set-02 jan-04 mai-05 out-06 fev-08 jul-09 nov-10 abr-12 Gráfico 1 simulação de 100 trajetórias para a taxa cambial (período x taxa R$) Pelo teste do qui-quadrado (χ 2 ), a melhor distribuição encontrada e portanto utilizada nas simulações de Monte Carlo é a triangular de parâmetros (0,59; 0,68; 2,32) figura 2. Figura 2 valores simulados e apropriação da distribuição triangular - Variação do custo de mão de obra O custo de mão de obra própria e subcontratada é estimado em R$10,00 por hora no planejamento. Na análise de risco, o valor determinístico passa então a ser regido pelas distribuições triangulares. Os parâmetros da distribuição para mão de obra própria são (9,0; 10,0; 12,0), enquanto que para mão de obra subcontratada são (9,0; 10,0; 12,5). As distribuições mostram que serviços subcontratados possuem dispersão ligeiramente maior. - Variação da duração de atividades A cada uma das atividades é associada uma distribuição triangular de parâmetros mínimo, médio e máximo iguais a 80% do tempo estimado, tempo estimado e 125% do tempo estimado, respectivamente. A calibragem dessas distribuições melhora conforme são gerados índices de progresso das atividades. - Variação de despesas em moeda nacional 4

5 O valor unitário, determinístico de projeto assume uma pequena variação através da associação de uma distribuição uniforme de parâmetros 0,95 e 1, Projeto iniciado 03/11/2009 Ocorreram encomendas de insumos, às quais é dado prosseguimento. Alguns, como chapas e perfis são embarcados sem problemas. A principal característica da análise desse período é a inserção de um evento de risco relacionado ao atraso do embarque do motor de combustão principal (MCP). O motor é encomendado corretamente, de acordo com o planejamento estabelecido. No entanto, o contexto da contratação do motor sugere a possibilidade de atraso em seu embarque. - Variação do câmbio (despesas com moeda estrangeira) A série é atualizada com novos valores, e o modelo autorregressivo é novamente utilizado. O procedimento é o mesmo feito anteriormente. As despesas com moeda estrangeira seguem distribuição triangular de parâmetros (0,79; 0,84; 1,92). - Variação do custo de mão de obra, variação da duração de atividades e variação de despesas em moeda nacional Todas as estimativas utilizadas no período anterior são mantidas. - Evento de risco: atraso do embarque do motor principal A realização do embarque do motor principal após a data planejada atrasa o seu recebimento e pode comprometer a construção em uma de suas etapas mais complexas. No software de simulação, a probabilidade desse atraso é inserida através de um evento de risco. Isso significa que devem ser inseridas a probabilidade de o evento ocorrer e os impactos da sua ocorrência. As probabilidades e os níveis de impacto podem ser atribuídos segundo a escala do Processo de Identificação de Riscos (Pires et al., 2009). A figura 3 mostra como os graus de criticidade foram definidos de acordo com o Processo de Identificação de Riscos, separados por códigos e cores. Foram definidos sete níveis de probabilidade de ocorrência (classificados de A até G, que representam probabilidade mínima e máxima, respectivamente) e seis níveis de impacto de ocorrência (classificados de 0 a 5, onde o primeiro refere-se a um impacto totalmente irrelevante, e o segundo a um impacto que poderia causar a inviabilidade de todo o projeto). Figura 3 graus de criticidade de riscos Considera-se que o evento de risco em estudo falha do fornecedor no embarque do MCP ocorre eventualmente, classe de probabilidade C, de acordo com os resultados do Processo de Identificação de Riscos (figura 4). Isso significa que a probabilidade de haver atraso no embarque do motor principal é de 10 a 30%. Os impactos no custo total do projeto são considerados nulos, enquanto que os impactos no cronograma são um atraso médio de dois meses no embarque do motor. De acordo com a escala, trata-se de um impacto de nível 2, que corresponde a 10% a 30% do cronograma. 3.3 Projeto iniciado 03/01/2010 Os dados da rede de acompanhamento atualizada para a data 03/01/2010 mostram que houve atrasos no início de atividades do nível Construção da WBS. Como esses atrasos podem ser pontuais, não serão incorporados sob a forma de um tratamento especial. Assim, as durações das atividades são revistas. - Variação do câmbio (despesas com moeda estrangeira) A distribuição triangular de parâmetros (0,79; 0,84; 1,92) é ainda utilizada para caracterizar a incerteza quanto ao preço da moeda estrangeira. - Variação do custo de mão de obra e variação de despesas em moeda nacional 5

6 Figura 4 resultados parciais do Processo de Identificação de Riscos As distribuiçõe da análise anterior são mantidas. - Variação da duração de atividades A distribuição triangular ainda é adotada, de uma forma um pouco mais conservadora. Nessa análise, os parâmetros mínimo e médio da distribuição triangular se mantêm em 80% e 100% da duração planejada. A tendência seria diminuir o valor do parâmetro máximo, conforme a evolução do projeto. No entanto, para a análise desse período, é também mantido em 125%. - Evento de risco: atraso do embarque do motor principal O risco de atraso do embarque do motor principal ainda é incorporado com as mesmas características da análise anterior: classe de probabilidade de ocorrência é eventualmente 10 a 30% e o impacto no cronograma é de 10 a 30% da duração do projeto. 3.4 Projeto iniciado 08/07/2010 Observou-se que que durante o período compreendido entre 03/03/2010 e 03/04/2010, o aço incorporado foi 20% mais barato que o previsto no cronograma. Na rede de planejamento, o preço do aço é incorporado nas atividades de Fabricação, Montagem e Pré-edificação, através dos recursos Despesas em reais e Despesas em moeda estrangeira. Como essa diminuição ocorreu em apenas um período e não significou grandes variações no custo total do projeto (o custo caiu em aproximadamente R$ ), não será incluída na análise uma incerteza que caracteriza especificamente a possibilidade de diminuição do preço de aço. Essa variação já é incorporada de forma generalizada para todos os itens relacionados a despesas com moeda nacional e estrangeira. Além disso, o embarque do motor principal, programado para o dia 17/05/2010 não ocorreu. O atraso do embarque do motor principal foi previsto nas análises anteriores, com probabilidade de 20% de ocorrência em algumas análises, e 35% em outras. Como o evento já ocorreu, não é mais necessário incluir esse risco na simulação. No entanto, inclui-se o atraso de ao menos 45 dias calculado entre a diferença da data prevista e a atual. As demais atividades transcorreram de acordo com o planejado. - Variação do câmbio (despesas com moeda estrangeira) Uma nova simulação para estimar a distribuição de probabilidades da variação do preço do câmbio é realizada. As previsões anteriores eram feitas para o mês de julho de 2010, correspondente ao período atual do acompanhamento. Por isso, o mês que será 6

7 tomado como referência para a estimativa da distribuição será agora escolhido em função de valores médios simulados. O procedimento para estimar a distribuição é o mesmo, baseado em modelo autoregressivo com simulação de 100 trajetórias. O modelo de autoregressão é aplicado na série temporal atualizada para o mês do período de acompanhamento, correspondente a julho de O período atual é o mês de julho de Para dar prosseguimento às análises, o mês escolhido como referência para as estimativas será aquele cujos resultados da simulação das trajetórias obtiverem a maior média. A distribuição associada aos valores do mês de maior média, correspondente ao período de novembro de 2010 é a triangular de parâmetros 0.77, 0.83 e É importante ressaltar que o presente trabalho trata de simulações sob a forma de um estudo de caso, cujo período presente de análise ainda não ultrapassou o mês de julho de Assim, conforme tempo avança, as novas curvas de distribuição de câmbio deverão ser obtidas através da atualização de valores de períodos corridos entre uma simulação e outra. Contudo, os valores desse modelo do período 08/07/2010 serão utilizados em todas as outras análises, já que é um estudo de caso e no momento em que esse artigo foi escrito não se havia chegado ainda ao período superior a julho de Variação do custo de mão de obra O parâmetro máximo da distribuição triangular é alterado: para a mão de obra própria utilizase agora a triangular de parâmetros (9,0; 10,0; 11,0); e para a mão de obra subcontratada a triangular de parâmetros (9,0; 10,0; 12,0). A pequena alteração é justificada pela ausência de alterações do preço da mão de obra em relação ao valor estimado no orçamento do projeto. A tendência é que as distribuições se tornem menos dispersas, caso esse cenário se mantenha. - Variação da duração de atividades A todas as atividades associa-se a distribuição triangular de valores máximo e mínimo iguais a 110% e 90%; e médio igual a 100% da duração estimada. Novamente, as distribuições se tornam menos dispersas à medida que se cumprem as estimativas. - Variação de despesas em moeda nacional Mantém-se a distribuição uniforme de parâmetros 0,95 e 1, Projeto iniciado 08/01/2011 Durante o período transcorrido, o motor principal foi finalmente embarcado, com atraso de dois meses em relação à data prevista no projeto. As atividades do nível Procurement da WBS foram finalizadas. Todos os itens que foram comprados ao longo do projeto foram encomendados, embarcados e recebidos. Em relação às durações, a única exceção é a atividade de pintura da Zona 1 do casco. Observou-se que a estimativa da duração dessa atividade foi menos precisa, diante de muitas variações de produtividade em sua execução. - Variação do câmbio (despesas com moeda estrangeira) A incerteza no preço da moeda estrangeira é agora estimada com base nos resultados do modelo para o período de janeiro de A distribuição do mês de janeiro que caracteriza a variação da moeda estrangeira é a triangular de parâmetros mínimo, médio e máximo iguais a 0,76; 0,83 e 2,05. - Variação do custo de mão de obra As distribuições triangulares que caracterizam as incertezas do custo da mão de obra são ainda menos dispersas: para a mão de obra própria utiliza-se agora a triangular de parâmetros (9,5; 10,0; 10,5); e para a mão de obra subcontratada a triangular de parâmetros (9,5; 10,0; 11,0). - Variação da duração de atividades À duração das atividades é associada distribuição triangular de valores máximo e mínimo iguais a 110% e 90%; e médio igual a 100% da duração estimada. Os problemas em relação à produtividade da atividade de pintura são tratados de forma diferenciada. Assim, a distribuição triangular que caracteriza o tempo de execução dessa atividade possui os 100% de sua duração remanescente como parâmetro médio, e 125% e 75% como máximo e mínimo, respectivamente. - Variação de despesas em moeda nacional É utilizada a distribuição uniforme de parâmetros 0,95 e 1, Projeto iniciado 08/05/2011 Custos e durações são executados conforme o planejado. As distribuições que caracterizam as incertezas do projeto são pouco alteradas. - Variação do câmbio (despesas com moeda estrangeira) Aos valores simulados para o período de maio de 2011 no modelo com base no modelo 7

8 autorregressivo é adequada uma distribuição de parâmetros conhecidos. Assim, a distribuição para o mês de maio/2011 que caracteriza a variação da moeda estrangeira é a triangular de parâmetros 0,77; 0,83 e 2,06. - Variação do custo de mão de obra As distribuições triangulares da análise anterior são mantidas: para a mão de obra própria utiliza-se ainda a triangular de parâmetros (9,5; 10,0; 10,5); e para a mão de obra subcontratada a triangular de parâmetros (9,5; 10,0; 11,0). - Variação da duração de atividades A dispersão da distribuição que descreve o comportamento da duração das atividades é reduzida. A distribuição triangular de valores máximo e mínimo iguais a 105% e 95%; e médio igual a 100% da duração estimada é utilizada para caracterizar a incerteza da duração das atividades. A exceção continua sobre a duração da atividade de pintura, com parâmetros mínimo e máximo correspondentes a 80% e 120% da duração remanescente estimada. - Variação de despesas em moeda nacional A distribuição uniforme utilizada nas análises anteriores é substituída pela triangular de parâmetros 0,95; 1,00 e 1, Projeto iniciado 08/09/2011 A pouco tempo de o projeto ser finalizado, as atividades restantes vêm sendo realizadas conforme o planejamento. Faltam ainda algumas atividades dos níveis Construção e Comissionamento e Testes da WBS, para então o Encerramento ser feito. As distribuições que caracterizam as incertezas no projeto são pouco alteradas. - Variação do câmbio (despesas com moeda estrangeira) Os valores simulados no modelo de autorregressão para o mês de setembro de 2011 são tomados a fim de se determinar uma distribuição que caracterize a incerteza inerente à taxa cambial. Assim, para o período, a distribuição utilizada é triangular de parâmetros 0,77; 0,85 e 2,41. - Variação do custo de mão de obra e variação de despesas em moeda nacional As distribuições são mantidas. - Variação da duração de atividades A distribuição triangular de valores máximo e mínimo iguais a 105% e 95%; e médio igual a 100% da duração estimada é utilizada para caracterizar a incerteza da duração das atividades. 3.8 Projeto finalizado 08/11/2011 O projeto foi encerrado no dia 02/11/2011. O custo total do projeto foi de R$ ,00. 4 Resultados Os resultados das simulações são funções de probabilidade de custo e prazo do projeto, mostradas através de gráficos e tabelas. As funções de probabilidade de custo são úteis na estimativa de seguros que podem ser contratados a fim de cobrir variações de custo de acordo com a aceitabilidade do armador e seu perfil de tolerância a riscos. Além disso, as funções de probabilidade de tempo também são ferramentas que auxiliam o estabelecimento de garantias por parte do estaleiro. 4.1 Projeto não iniciado 03/06/2009 Os valores das tabelas 1 e 2 e os gráficos 3 e 4 indicam que as probabilidades do cumprimento de prazo e de custo orçados são 6% e 28% respectivamente. Para um nível de confiança de 100%, ou seja, para perfis extremamente conservadores, o armador deve se precaver com um valor de contingência superior a R$40M para a cobertura de todas as possibilidades de custo. Para o prazo, 100% de confiança significam a possibilidade de extensão do projeto por mais até quase 120 dias. Tabela 1 níveis de confiança função de probabilidade de prazos projeto não iniciado Projeto não iniciado Nível de confiança Data final DV (6%) 12/10/2011 EV (50%) 07/11/ % 22/11/ % 02/02/2012 Tabela 2 níveis de confiança função de probabilidade de custos projeto não iniciado Projeto não iniciado Nível de confiança Custo total DV (28%) R$ EV (50%) R$ % R$ % R$

9 de o motor ser recebido até a data prevista no planejamento é alta, correspondendo a 75%. Os resultados das simulações mostram que a data máxima de recebimento do motor é o dia 04/10/2010. Tabela 3 níveis de confiança função de probabilidade de prazos projeto iniciado 03/11/2009 Projeto iniciado data 03/11/2009 Nível de confiança Data final DV (6%) 12/10/2011 EV (50%) 08/11/ % 24/11/ % 23/12/ % 25/01/2012 Gráfico 3 data de fim do projeto projeto não iniciado Tabela 4 níveis de confiança função de probabilidade de custos projeto iniciado 03/11/2009 Projeto iniciado data 03/11/2099 Nível de confiança Custo total DV (21%) R$ EV (50%) R$ % R$ % R$ % R$ O lançamento do navio é finalizado até a data prevista no cronograma com 25% de confiança. Para o nível de confiança de 100%, a data máxima de finalização é de dois meses após a data determinística, conforme pode ser visto na tabela 6 a seguir. Gráfico 4 custo total do projeto projeto não iniciado 4.2 Projeto iniciado 03/11/2009 Nos resultados são apontadas, além das funções de densidade de prazo e de custo do projeto de construção do navio, a função densidade de probabilidade da data do recebimento do motor e do lançamento do navio. A distribuição da data de recebimento do motor principal é um dos reflexos da distribuição do atraso causado pela falha do embarque do motor principal. A probabilidade Tabela 5 níveis de confiança função de probabilidade de data de recebimento de MCP projeto iniciado 03/11/2009 Projeto iniciado data 03/11/2009 Data de recebimento Nível de confiança do MCP DV (75%) 17/06/ % 20/09/ % 04/10/2010 Tabela 6 níveis de confiança função de probabilidade de data de lançamento do navio projeto iniciado 03/11/2009 Projeto iniciado data 03/11/2009 Nível de confiança Lançamento do navio DV (25%) 20/01/2011 EV (50%) 03/02/ % 11/02/ % 01/03/ % 24/03/2011 9

10 A possibilidade de atraso médio de dois meses no embarque do motor principal não prejudica o andamento do projeto, já que nenhuma das atividades prejudicadas está no caminho crítico. 4.3 Projeto iniciado 03/01/2010 Os custos do projeto começaram a ser executados com o início das atividades de construção. O custo remanescente do projeto corresponde a R$70,7M, com probabilidade de 22% de ser cumprido. A probabilidade de o projeto ser finalizado na data estipulada (12/10/2011) é de apenas 10%. A data máxima de entrega é 14/05/2012, um atraso considerável, de 7 meses em relação ao planejado. Tabela 7 níveis de confiança função de probabilidade de prazos projeto iniciado 03/01/2010 Projeto iniciado data 03/01/2010 Nível de confiança Data final DV (10%) 12/10/ % 21/10/2011 EV (50%) 03/11/ % 01/12/ % 14/05/2012 Tabela 8 níveis de confiança função de probabilidade de custos projeto iniciado 03/01/2010 Projeto iniciado data 03/01/2010 Nível de confiança Custo total DV (22%) R$ % R$ EV (50%) R$ % R$ % R$ Projeto iniciado 08/07/2010 A função densidade de probabilidade de prazos é um pouco menos dispersa em relação à obtida na análise anterior, já que o número de incertezas diminuiu. A probabilidade de o projeto ser cumprido de acordo com o prazo inicial estimado (12/10/2011) é de 15%; e a data que corresponde ao valor esperado da distribuição é o dia 21/10/2011. O custo realizado até o momento é de R$ ,00. A probabilidade de o projeto ser finalizado não ultrapassando o custo remanescente (que é estimado em R$ ,00) é de 28%. Cerca de 70% de todo o custo remanescente do projeto são oriundos de despesas com moeda nacional e moeda estrangeira. A função densidade de probabilidades da data de lançamento do navio também é mostrada. A probabilidade de o navio ser lançado na data prevista (20/01/2011) é de 15%, resultado pouco diferente daquele da simulação anterior. Tabela 9 níveis de confiança função de probabilidade de prazos projeto iniciado 08/07/2010 Projeto iniciado data 08/07/2010 Nível de confiança Data final DV (15%) 12/10/ % 14/10/2011 EV (50%) 21/10/ % 28/10/ % 22/11/2011 Tabela 10 níveis de confiança função de probabilidade de custos projeto iniciado 08/07/2010 Projeto iniciado data 08/07/2010 Nível de confiança Custo total DV (28%) R$ % R$ EV (50%) R$ % R$ % R$ Tabela 11 níveis de confiança função de probabilidade de data de lançamento do navio projeto iniciado 08/07/2010 Projeto iniciado data 08/07/2010 Nível de confiança Lançamento do navio DV (15%) 20/01/ % 21/01/2011 EV (50%) 25/01/ % 31/01/ % 15/02/ Projeto iniciado 08/01/2011 A distribuição que caracteriza os prazos é bastante diferente em relação às obtidas nas simulações anteriores. Os resultados mostram que não é mais possível que o projeto termine no prazo estipulado inicialmente no cronograma (12/10/2011). O atraso em algumas atividades de construção constatado em períodos anteriores e a estimativa da duração remanescente da atividade de pintura da Zona 1 do casco contribuem para esse fato. O prazo mínimo para o projeto é o dia 24/10/2011, com pequena probabilidade de ser 10

11 cumprido. Com apenas 5% de confiança verifica-se, com base no gráfico da distribuição de prazos, que o projeto pode ser finalizado até o dia 02/11/2011. Um novo prazo é tido agora como estimado para execução de todo o projeto: 07/11/2011, quase um mês após a data estimada anteriormente. A análise de sensibilidade mostra as atividades que mais impactam o cronograma do projeto. relevância. Isso significa que grandes variações na duração dessa atividade (conforme têm sido observadas) podem ser decisivas para o cumprimento de prazos do projeto. Gráfico 5 análise de sensibilidade cronograma projeto não iniciado Gráfico 7 data de fim do projeto projeto iniciado 08/01/2011 Gráfico 6 análise de sensibilidade cronograma projeto iniciado 08/01/2011 A primeira análise de sensibilidade realizada quando o projeto não havia sido iniciado revela que a atividade de Edificação tinha maior influência em todo o cronograma. A atividade de pintura da Zona 1 sequer aparecia entre as 10 mais importantes. A análise de sensibilidade para o período atual mostra que a atividade de Edificação ainda tem maior influência no desempenho do cronograma do projeto. Mas a atividade de pintura da Zona 1 aparece com grande Gráfico 8 data de lançametno do navio projeto iniciado 08/01/2011 A distribuição da data de lançamento mostra que as possibilidades de execução dessa atividade são muito limitadas em relação às outras análises que foram realizadas. Não é mais possível que o navio seja lançado na data estimada no início do projeto (20/01/2011). De 11

12 acordo com a distribuição, o menor prazo possível é apenas o dia 16/02/2011. No entanto, até o prazo máximo correm apenas 8 dias. Ou seja, sob um nível de confiança de 100%, o navio pode ser lançado até o dia 24/02/2011. Assim, tem-se uma distribuição pouco dispersa. Tabela 12 níveis de confiança função de probabilidade de prazos projeto iniciado 08/01/2011 Projeto iniciado data 08/01/2011 Nível de confiança Data final DV (23%) 07/11/ % 08/11/2011 EV (50%) 10/11/ % 15/11/ % 02/12/2011 Tabela 13 níveis de confiança função de probabilidade de custos projeto iniciado 08/01/2011 Projeto iniciado data 08/01/2011 Nível de confiança Custo total DV (28%) R$ % R$ EV (50%) R$ % R$ % R$ Tabela 14 níveis de confiança função de probabilidade de data de lançamento do navio projeto iniciado 08/07/2010 Projeto iniciado data 08/01/2011 Nível de confiança Lançamento do navio DV (51%) 21/02/ % 18/02/2011 EV (50%) 21/02/ % 21/02/ % 24/02/ Projeto iniciado 08/05/2011 Uma característica importante do período é o lançamento do navio, realizado no dia 17/02/2011. Inicialmente, a data prevista no cronograma para o lançamento era o dia 20/01/2011. No entanto, como visto no resultado da simulação anterior, esse prazo não poderia mais ser cumprido, diante do cenário de incertezas. O projeto está chegando ao fim, o que significa que as incertezas não têm mais tanta influência no desempenho de custos e prazos. Em relação aos prazos, os resultados mostram que o projeto poderá ser finalizado até o dia 10/11/2011, que corresponde à data máxima de término. O menor prazo e menos provável possível é o dia 28/10/2011. Com menos de um mês de variação entre a menor e a maior data de finalização do projeto observase que a distribuição de prazos está menos dispersa, conforme o esperado. A distribuição de custos ainda é um pouco influenciada pela variação do preço da moeda estrangeira. O custo remanescente pode ser cumprido com até 28% de confiança. Tabela 15 níveis de confiança função de probabilidade de prazos projeto iniciado 08/05/2011 Projeto iniciado data 08/05/2011 Nível de confiança Data final DV (24%) 02/11/ % 03/11/2011 EV (50%) 03/11/ % 04/11/ % 10/11/2011 Tabela 16 níveis de confiança função de probabilidade de custos projeto iniciado 08/05/2011 Projeto iniciado data 08/05/2011 Nível de confiança Custo total DV (28%) R$ % R$ EV (50%) R$ % R$ % R$ Projeto iniciado 08/09/2011 A função de prazos aponta poucas datas possíveis para a finalização do projeto, que deve ser terminado até o dia 04/11/2011. Tabela 17 níveis de confiança função de probabilidade de prazos projeto iniciado 08/09/2011 Projeto iniciado data 08/09/2011 Nível de confiança Data final DV (22%) 02/11/ % 02/11/2011 EV (50%) 02/11/ % 03/11/ % 04/11/2011 As possíveis variações de custos agora representam pequenos impactos para o custo de todo o projeto. Faltam R$ ,00 para serem cumpridos, de um total de um pouco mais de R$75M. Muito dificilmente esse 1% 12

13 restante representará problemas com o cumprimento de custos do projeto. Tabela 18 níveis de confiança função de probabilidade de custos projeto iniciado 08/09/2011 Projeto iniciado data 08/09/2011 Nível de confiança Custo total DV (22%) R$ % R$ EV (50%) R$ % R$ % R$ Gráfico 10 custo total do projeto projeto iniciado 08/09/2011 Gráfico 9 data de fim do projeto projeto iniciado 08/09/ Projeto finalizado O projeto foi finalizado no dia 02/11/2011. O custo total realizado corresponde a R$ O prazo do projeto estimado inicialmente (12/10/2011) não foi cumprido. O atraso do início de algumas atividades de construção (identificado no período de análise 03/01/2010) contribuiu para que somente quase um mês após o prazo estipulado o projeto fosse finalizado. No entanto, o problema determinante foi a estimativa da duração da atividade de pintura. Reconhecida como crítica no projeto. Os custos do projeto foram executados exatamente como o planejado, à exceção da diminuição do preço de aço em um dos períodos do acompanhamento. Essa diminuição explica a diferença observada entre o valor estimado no orçamento inicial e o valor final realizado. 5 Conclusões A análise de risco vem se constituindo como um crescente instrumento em gerenciamento de projetos e contratos, embora seja pouco utilizada na construção naval mundial e não utilizada na construção naval brasileira. O trabalho descreveu a implementação de uma metodologia de análise de risco de projetos de construção naval e offshore voltada para o acompanhamento do projeto. A metodologia desenvolvida consiste em um 13

14 processo contínuo, em que as análises são refeitas à medida que o projeto evolui e novos indicadores são gerados. Esse processo é importante, já que os projetos podem ser longos, e assim mais vulneráveis a erros de estimativas ou variações do contexto externo. A condução de um estudo de caso de estaleiro brasileiro típico níveis de performance e tecnologia, e valores padrão de tempo e custo de estaleiros nacionais de forma geral mostrou o potencial da metodologia de análise de risco. A incorporação das incertezas nas estimativas de custo de insumos importados e de aço, bem como a consideração de uma situação desfavorável de cumprimento de prazos no estaleiro resultou em valores probabilísticos de custo e tempo do projeto de construção do navio. Os resultados mostraram que os custos do projeto foram executados de acordo com o planejamento. Isso significa que o orçamento inicial foi bem consolidado. No âmbito do custo, não houve prejuízos para nenhuma das partes envolvidas. Ainda é importante ressaltar que as incertezas de taxa de câmbio, preço de mão de obra e de equipamentos, entre outras incidem sempre sobre o custo remanescente do projeto. Logicamente, à medida que os custos são cumpridos e diante dos cenários previstos, as variações em relação ao custo total do projeto se tornam menores. Ou seja, as distribuições de custo total do projeto se tornaram menos dispersas à medida que novas análises foram feitas. Ao contrário dos custos, houve variações grandes de tempo de execução do projeto. O motor principal foi embarcado com dois meses de atraso, sem comprometer a sua instalação. Mas o não cumprimento da duração de uma atividade de pintura aliado ao atraso no início de algumas atividades de construção (fabricação, montagem e pré-edificação de blocos, constatado no período da análise 03/01/2010) foi decisivo em provocar um atraso em todo o cronograma do projeto. A atividade de pintura do casco se tornou um elemento crítico logo que foi iniciada, já que as durações de todas as outras atividades foram realizadas de acordo com o estimado no cronograma. Mesmo assim, o problema em relação à pintura foi diagnosticado quase nove meses antes do fim planejado do projeto. Esse tempo seria suficiente para o armador tomar as suas medidas preventivas para não ter prejuízos devido ao não cumprimento de prazos. Essas medidas poderiam ser o acionamento de um seguro, a adição de mais recursos para melhorar a produtividade, entre outras, podendo representar ou não aumento nos custos para o armador. Finalmente, através da análise foi possível obter as estimativas de distribuições de probabilidades de custo e duração total do projeto para cada período. Com seguimento, as funções probabilísticas de custo e tempo de construção dos navios podem apoiar a tomada de decisões e o requerimento de garantias. Nesse sentido, o modelo pode ser usado para estimar termos adequados de contratos de seguro, restituição e cláusulas de performance, bem como pode ser útil no suporte de tomada de decisões sobre as mudanças nas garantias exigidas durante a vigência do contrato. 6 Referências Banco Central do Brasil, taxas de câmbio, , LEE, E., SHIN, J.G., and PARK, Y A Statistical Analysis of Engineering Project Risks in the Korean Shipbuilding Industry. Journal of Ship Production, 23 (4); Palisade Decision Tools, PIRES Jr., F.C.M An assessment of the Brazilian shipbuilding industry competitive potential. Journal of Ship Production, 15 (2); PIRES Jr., F.C.M., GUIMARÃES, L.F., & ASSIS, L.F Risk Analysis in Shipbuilding Contracts. 13 th Congress of International Maritime Association of Mediterranean IMAM PMI A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide). Project Management Institute. Primavera / Primavera Risk Analysis, SALLES, C. A. C. et al, Gerenciamento de Riscos em Projetos; Editora FGV. 14

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Um Sistema 4-D para Acompanhamento e Controle de Projetos de Construção Naval

Um Sistema 4-D para Acompanhamento e Controle de Projetos de Construção Naval Um Sistema 4-D para Acompanhamento e Controle de Projetos de Construção Naval João F R Guimarães Escola Politécnica / UFRJ Floriano C M Pires Jr. COPPE, Escola Politécnica / UFRJ Luiz Felipe Assis Escola

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com Gerenciamento de Projetos Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com MODELO DE GERENCIAMENTO PMI PMI (Project Management Institute); O modelo PMI é divido em áreas de conhecimento da

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI?

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? Os projetos de Tecnologia de Informação possuem características marcantes, que os diferencia dos demais são projetos onde o controle

Leia mais

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Um projeto é um esforço temporário realizado para criar um produto ou serviço único. Ou seja, é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Custos

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Custos Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Custos 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE ESCOPO PROCESSOS

Leia mais

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 23/04/2013. 1 Semestre de 2013

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 23/04/2013. 1 Semestre de 2013 Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 23/04/2013 1 Semestre de 2013 Fonte: https://www.facebook.com/cons ELHOSDOHEMAN Defina os seguintes termos: a) Risco Definição do PMBoK, 4ª edição: Um evento

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 Índice 1. Orçamento Empresarial...3 2. Conceitos gerais e elementos...3 3. Sistema de orçamentos...4 4. Horizonte de planejamento e frequência

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí / SP QUESTÕES SIMULADAS DE GESTÃO DE PROJETOS PARA 1ª AVALIAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí / SP QUESTÕES SIMULADAS DE GESTÃO DE PROJETOS PARA 1ª AVALIAÇÃO QUESTÕES SIMULADAS DE GESTÃO DE PROJETOS PARA 1ª AVALIAÇÃO Gabarito: 1D, 2B, 3A, 4C, 5C, 6A, 7C, 8B, 9D, 10A, 11D, 12B, 13A, 14B, 15D, 16B, 17D, 18D, 19B Fórmulas: VC = VA - CR VPR = VA - VP IDC = VA /

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criação do Plano de Gerenciamento de Custos do Projeto Estimar os Custos Determinar

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 Índice 1. Gerenciamento de riscos do projeto...3 2. Gerenciamento de aquisições do projeto...4 Referências bibliográficas...5 2 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS DO

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS Gerenciamento de Riscos em Projetos Apresentação Fernando Simon fsimonbr@gmail.com.br Sócio proprietário da AFS Solutions www.afssolutions.com.br Consultor em Gerenciamento de Riscos em Projetos Docente

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS Resumo Thomas Henrique Gris(G UEM) Flávia Urgnani (G-UEM) Hevilla Juliane Alto É(G-UEM) José Braz Hercos Jr(UEM) O estudo de

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

UFRJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DO IMPACTO DA ADOÇÃO DE MEDIDAS DE CONTINGÊNCIA NA CONSTRUÇÃO DE UMA BALSA FLUVIAL

UFRJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DO IMPACTO DA ADOÇÃO DE MEDIDAS DE CONTINGÊNCIA NA CONSTRUÇÃO DE UMA BALSA FLUVIAL UFRJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DO IMPACTO DA ADOÇÃO DE MEDIDAS DE CONTINGÊNCIA NA CONSTRUÇÃO DE UMA BALSA FLUVIAL Rafael Fischer Dutra e Mello dos Santos 2014 ESTUDO DO IMPACTO DA ADOÇÃO

Leia mais

Planejamento Recursos

Planejamento Recursos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento Recursos Prof. Régis K. Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos da

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

P l a n o d e G e r e n c i a m e n t o d e R i s c o s d o P r o j e t o

P l a n o d e G e r e n c i a m e n t o d e R i s c o s d o P r o j e t o P l a n o d e G e r e n c i a m e n t o d e R i s c o s d o P r o j e t o I d e n t i f i c a ç ã o Projeto Implantação de Sistema GED Solicitante BB S.A Patrocinador do Projeto Jurandir Toblib Presidente

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Msc Maria C. Lage Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Riscos 1 Introdução Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Por Giovanni Giazzon, PMP (http://giazzon.net) Gerenciar um projeto é aplicar boas práticas de planejamento e execução de atividades

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Avaliação dos projetos de E&P implantados sob a perspectiva da Análise de Riscos Econômicos

Avaliação dos projetos de E&P implantados sob a perspectiva da Análise de Riscos Econômicos Avaliação dos projetos de E&P implantados sob a perspectiva da Análise de Riscos Econômicos REGINA DUARTE PLANEJAMENTO FINANCEIRO E GESTÃO DE RISCOS PETROBRAS Setembro/2011 Agenda Contexto Análise de Riscos

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS Lílian Simão Oliveira Contexto Gerentes lutam com projetos assustadores e com prazos finais difíceis de serem cumpridos Sistemas não satisfazem aos usuários Gastos

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010. Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade

CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010. Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010 Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade Rio de Janeiro, 23 de Agosto de 2010 Apresentamos a seguir as nossas respostas

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

Introdução ao método EVA (Earned Value Analysis)

Introdução ao método EVA (Earned Value Analysis) Introdução ao método EVA (Earned Value Analysis) André Barcaui barcaui@bbbrothers.com.br Histórico 1 O conceito de EVA foi criado por engenheiros industriais há mais de 50 anos atrás para gerenciar custos

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

Gestão de Riscos em Projetos de Software

Gestão de Riscos em Projetos de Software Gestão de Riscos em Projetos de Software Júlio Venâncio jvmj@cin.ufpe.br 2 Roteiro Conceitos Iniciais Abordagens de Gestão de Riscos PMBOK CMMI RUP 3 Risco - Definição Evento ou condição incerta que, se

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 13 DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Gestão de Custos Gestão de Aquisições e Contratações Autor: Prof. Dr. Valter Castelhano

Leia mais

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 12 Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira 1 DESAFIO PROFISSIONAL Disciplinas: Ferramentas de Software para Gestão de Projetos. Gestão de

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Parte 8 Leandro Loss, Dr. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Quantitativa Qualitativa Medidas de tratamento

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais